Prof. Dante Pazzanese Lanna,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Dante Pazzanese Lanna, dplanna@esalq.usp.br"

Transcrição

1 Congresso Internacional da Carne CG 2011 Prof. Dante Pazzanese Lanna, Laboratório de Nutrição e Crescimento Animal, ESALQ/Universidade de São Paulo. Diretor Técnico da Assocon

2 1. Nut r ição Sist emas de Pr odução 2. Qualidade da car ne Sist emas de pr odução 3. Logíst ica/ ambient al 4. Regulat ór ia/ mar ket ing 5. Consider ações f inais

3

4

5

6

7 n Sist ema a past o - orgânico. Sist ema a past o int ensivo. Sist ema a past o c/ conf inament o. Sist ema a past o c/ conf inament o super- precoce.

8 Pasto Intensivo Pasto Tradiciona l

9 Lotações durante o ano 8 Irrigado Sequeiro Lotação (UA/ha)

10 Aceitação de carne bovina nos EUA Grau de Qualidade Qualidade Carcaça USDA Gordura Carcaça % Gordura Corporal % Painel análise sensorial % Inaceitável Brasil (~3mm) > LOW 5.5 CHOICE 5.9 ~12mm 31.1 > Alianças 6.5 as Mercadológicas >

11 de machos ¾Zebu x ¼Pardo Suíço /out/ /jun/79 Inverno Inverno /mai/80 04/nov/ Idade, dias Nardon et al. (Não Publicado) sem com total

12 n n Est acionalidade Ent ressaf ra Baixo desempenho (f ase f inal) I dade de abat e Acabament o/ unif ormidade Ambient al Falt a área Emissões GEE

13 n Sist ema a past o - orgânico. Sist ema a past o int ensivo. Sist ema a past o c/ conf inament o. Sist ema a past o c/ conf inament o super- precoce.

14 1. Past o alt ament e int ensivo kg MS/ ha.ano 50% ef iciência de past ej o 2 mcal ED/ kg.ms Tot al = McalED/ ha. Ano 2. Past o média nacional kg MS/ ha.ano 40% ef iciência de past ej o 1,8 mcal ED/ kg.ms Tot al = McalED/ ha. Ano

15

16

17

18

19

20 de machos ¾Zebu x ¼Pardo Suíço /out/ /jun/79 Inverno Inverno /mai/80 04/nov/ Idade, dias Nardon et al. (Não Publicado) sem com total

21

22

23

24 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% % ABATE Pasto % ABATE Grãos 30% 20% 10% 0% Brasil Argen na Australia EUA

25 OWENS, 2010

26

27 1. Nut r ição Sist emas de Pr odução Past o - milho soj a 2. Qualidade da car ne Sist emas de pr odução 3. Logíst ica/ ambient al 4. Regulat ór ia/ mar ket ing 5. Consider ações f inais

28 5mm: Objetivo?

29 Choice Select Price Spread Dollars per cwt Week Ending Nalivka, 2008.

30 Dieta a base de grão: Período de Confinamento Tempo confinado, dias AGMI AGPI Dias em confinamento: diminui AGPI e aumenta AGMI Duckett (1992)

31 Triglicerídeos nlab. Nutr. Cresc. nesalq/usp nhttp://www-personal.umich.edu/~macdouga/macdougaldlab.htmlpersonal.umich.edu/~macdouga/macdougaldlab.html

32 Composição de Ácidos Graxos na carne % do total Palmítico (AGS) 3.Esteárico (AGS-Netural) C16:0 C18:0 C18:1 C18:2 Ácido Graxo (carbono :duplas ligações) 1. Oleico (AGMI) 4.Linoleico (AGPI) Ácidos Graxos principais na gordura animal (82%): Oleico, Palmítico, Esteárico, Linoleico Duckett (1992)

33 Composição de Ácido Graxo na carne 80 % Esteárico AGMI AGPI Sem efeito Reduzem o Colesterol Colesterolêmico Bom ou Neutro Palmítico 0 Lanna adaptdado de Duckett (1992)

34 Relação entre Omega-6 e Omega Confinamento (espessura gordura 13mm) Pasto EUA (espessura gordura 5mm) Confinamento - Uruguai (espessura gordura 6mm) Pasto - Uruguai (espessura gordura 4mm) ,35 Pastagem oferece uma menor relação omega-6: omega-3, porém o confinamento até 6 mm espessura de gordura apresenta relação abaixo do limite recomendado. carne bovina 3 1,44 relação (< 4:1) Lanna adaptado de Duckett (1992)

35 1. Nut r ição Sist emas de Pr odução 2. Qualidade da car ne Sist emas de pr odução 3. Logíst ica/ ambient al 4. Regulat ór ia/ mar ket ing 5. Consider ações f inais

36 Carbon Emissions Accounting: exporting grains x meat Dante Pazzanese Lanna Pedro Selegato ESALQ - USP

37 Distância total = km

38 120 Methods: emissions in meat and grain transport Emissões de CO2 equivalente - 2,8 kg CO2 eq/l oil ground gramas/ton.km Rodoviário- Grãos Rodoviário- Carne Marítimo- Grãos Marítimo- Carne - 3,1 kg CO2 eq/l oil sea 20 0

39 Resultados Emissões de CO2 equivalente no transporte de insumos ou produto final de Sorriso a Hanover Kg de CO t de carne importada do Brasil 1t de carne alemã Alemanha: 340 mil carros

40 Results 1) Importing beef from Brazil (~600kg CO2 eq.); 2) Importing grains and producing beef in Germany (~1800kg CO2 eq) Using the German yearly beef consumption = taking cars of the streets

41 1. Nut r ição Sist emas de Pr odução 2. Qualidade da car ne Sist emas de pr odução 3. Logíst ica/ ambient al 4. Regulat ór ia/ mar ket ing 5. Consider ações f inais

42 X At é ,5 bilhões de pessoas % consumo per capit a. CONSUMO +100%

43

44

45

46 nem 2009, ~1 ~ bilhão de pessoas não tinham alimento suficiente. Como poderemos produzir tanto?

47

48 n Levedur as, óleos de diver sas empr esas. n Test es cient íff icos compr ovar am que muit as dest as t ecnologias não f uncionam. n Negar r egist r o n Pr eser var o r egist r o das t ecnologias que ef et ivament e melhor am o desempenho e r eduzem o impact o ambient al. n Pr ocur ar novas t ecnologias. Sem pr econceit os.

49 1. Legislação gener alist a (+150 países). 2. Boa ciência (consumidor, animal e ambient e). 3. O consumidor est á sempr e cer t o Pr oibição par a o mer cado especif ico Def inida por quest ão comer cial

50

51

52 Nut r ição em t odos os sist emas de pr odução. Qualidade em t odos os sist emas de pr odução.

53 n Desaf io de dobr ar a pr odução at é nopor t unidade econômica. n Sist emas de pr odução não ser á único como os nichos de mer cado não são únicos. n Br asil posição pr ivilegiada. n At it udes r egulat órr ias baseadas no conheciment o cient íff ico.

54 n Pr ecisamos avaliar os desbalanços e cust os ambient ais causados pelo f luxo sem t axações dos gr ãos e do pet r óleo, acompanhado do pr ot ecionismo na árr ea animal. n Há t ecnologias ut ilizadas por alguns países concor r ent es, de f or ma a ser em mais compet it ivos (e.g. EUA e Aust r alia). n Há t ecnologias pr oibidas por out r os países concor r ent es, como f or ma de bar r eir a pr ot ecionist a.

55

56 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP

Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP Programa USP Recicla Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e Atividades Especiais - USP CEPARA - Centro de Pesquisa para o Aproveitamento de Resíduos Agroindustriais/ESALQ 1. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte

Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte NESPRO, Porto Alegre, Setembro 2013 Manipulação da Curva de Crescimento para Otimizar a Eficiência de Bovinos de Corte Prof. Dante Pazzanese Lanna, Laboratório de Nutrição e Crescimento Animal Departamento

Leia mais

Confinamento: maximizando a eficiência econômica e ambiental

Confinamento: maximizando a eficiência econômica e ambiental Interconf, Goiânia 2009 Confinamento: maximizando a eficiência econômica e ambiental Prof. Dante Pazzanese Lanna, dplanna@esalq.usp.br Laboratório de Nutrição e Crescimento Animal, ESALQ/Universidade de

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

Confinamento Brasileiro. Onde queremos chegar?

Confinamento Brasileiro. Onde queremos chegar? Confinamento Brasileiro. Onde queremos chegar? Fabio Dias / Assocon Dante P. Lanna / Esalq Colégio Brasileiro de Nutrição Animal Goiânia / setembro / 2006 1 Confinar no Brasil é um Bom Negócio? Os 50 maiores

Leia mais

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva.

Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da Coleta Seletiva. MANUAL DE PROCEDIMENTOS Formulários on-line SISTEMAS INTEGRADOS MANUAL DE PROCEDI MENTOS PADRÃO Formulários on-line Este é um manual de procedimentos básicos padronizados para os Formulários on-line da

Leia mais

Caract eríst icas Gerais

Caract eríst icas Gerais Caract eríst icas Gerais Célula Eucar iont e Veget al (Par ede Celular e Clor oplast o). Ser es Aut ot r of os (f ot ossínt ese). Habit am ambient e t er r est r e. Repr odução assexuada e sexuada. Acr

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Organizado por: Márcio de Oliveira

Organizado por: Márcio de Oliveira A PRODUÇÃO MAI S LI MPA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO AMBI ENTAL PARA AS I NDÚSTRI AS DO MUNI CÍ PI O DE JUI Z DE FORA Organizado por: Márcio de Oliveira O que você acha que custa mais caro: produzir de forma

Leia mais

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências

Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Gorduras, Alimentos de Soja e Saúde do Coração Análise das Evidências Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução Há muito que os cientistas reconhecem o papel importante que

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC

ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Prof. Dr. Constantino de Gaspari Gonçalves Exemplo de Aplicação do ABC Exemplo de Aplicação do ABC A indústria de Confecções Pano Bom Ltda produz três tipos de produtos: Camisas, Calças, Blusas. O quadro abaixo apresenta as quantidades produzidas e seus respectivos preços.

Leia mais

TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO

TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO TESTANDO A EFICIÊNCIA DO HÚMUS DE MINHOCA COMO ADUBO FATO OBSERVADO: A capacidade da minhoca de produzir húmus, que é considerado um ótimo adubo para as plantas. SITUAÇÃO PROBLEMA: 1-FASE I: Qual é o melhor

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PLANO DE TRABALHO INDIVIDUAL ATIVIDADES EM DESENVOLVIMENTO ENSINO ORIENTAÇÃO Amilton Giácomo Tomasi DECF 2007/2 EFETIVO Mestre 40 Estatutário Contabilidade Gerencial ADM/Empresarial (vespertino) 2º 4 ESTÁGIO 02 ADM/Empresarial 7º e 8º 02 Secretário de Comunicação Portaria Reitoria

Leia mais

Mix público-privado. ABRES, RJ, dezembro de 2009

Mix público-privado. ABRES, RJ, dezembro de 2009 Mix público-privado ABRES, RJ, dezembro de 2009 Pressupostos Constituição do campo da Economia da Saúde Aperfeiçoamento do conhecimento sobre a realidade material por uma concepção científica do mundo

Leia mais

O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE

O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE O CAMINHÃO O DE TRANSPORTE QUEM É O RESPONSÁVEL PELA MORTE DE UM SUÍNO DURANTE O TRANSPORTE??? 55 % 19 % 25 % 1 TRANSPORTE : É UM STRESS! ritmo cardíaco (l/min) 200 150 100 50 0 Embarque Desembarque -10

Leia mais

17:45 h Escola Polo par a ent r ada do Cor r ego das Pedr as / Ent r ada do Cor r ego das Pedr as

17:45 h Escola Polo par a ent r ada do Cor r ego das Pedr as / Ent r ada do Cor r ego das Pedr as Transporte Escolar Linhas Disponíveis LINHA 01 06:00 h Pinhalzinho par a Escola Pólo / Escola Pólo par a ent r ada Cór r ego das Pedr as / Ent r ada Cór r ego das Pedr as par a ent r ada do Ser t ãozinho

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP

Governo do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Governo do Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Departamento de Cooperativismo e Associativismo DENACOOP Integração Contratual para Acesso a Mercado Rodolfo Osorio de Oliveira Coordenador

Leia mais

Produção Brasil 2008

Produção Brasil 2008 Produção Brasil 2008 Produtividade do Rebanho 35 30 25 `tx media 6,68% a.a. Kg/cab 20 15 10 `tx media 5,78% a.a. 5 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 bovinos aves Mapeamento da Evolução

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0093.001-2 Concentração: 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

Recria de bovinos de corte

Recria de bovinos de corte Recria de bovinos de corte Professor: Fabiano Alvim Barbosa Disciplina: Bovinocultura de Corte Sistema de Recria Novilhos são recriados para engorda ou Touros (seleção genética) Novilhas são recriadas

Leia mais

O papel dos óleos e gorduras na saúde e na indústria. Jane Gonçalves Menegaldo

O papel dos óleos e gorduras na saúde e na indústria. Jane Gonçalves Menegaldo O papel dos óleos e gorduras na saúde e na indústria Jane Gonçalves Menegaldo Jane G. Menegaldo Presidente Biênio 11/12 Agenda da palestra Conceitos sobre óleos, gorduras e lipídeos Papel dos óleos e gorduras

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014 RELEASE Mesmo tendo de um a três cartões de crédito, consumidor da capital mineira prefere pagar em dinheiro Eles privilegiam o pagamento a vista e controlam os impulsos na hora das compras. Mas a maioria

Leia mais

Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager

Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager Feedback - Cursos do Módulo Risk Manager Q1 Nome, Sobrenome Nome Sobrenome 1. T at iana Moreira 2. marcos sat oru okamura 3. sergio manoel 4. Gabriel Bast os 5. Edson Coelho Q2 Qual o seu e-mail? 1. tatiana.sousa@modulo.com

Leia mais

Agricultura, Alimentação, Bioenergia e Ambiente

Agricultura, Alimentação, Bioenergia e Ambiente 1.º Encontro Luso-Angolano em Economia, Sociologia e Desenvolvimento Rural Agricultura, Bioenergia e Francisco Avillez (Coordenador Científico da AGRO.GES) Évora, 16 de Outubro de 2008 A procura crescente

Leia mais

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de chia. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0100.001-9 Concentração: 500 mg e 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas

Leia mais

Teorias Evolutivas. Acreditava-se que as espécies eram imutáveis. No século XX a evolução passou a ser mais aceita;

Teorias Evolutivas. Acreditava-se que as espécies eram imutáveis. No século XX a evolução passou a ser mais aceita; 1. Surgimento das idéias ias Evolutivas Acreditava-se que as espécies eram imutáveis Fixismo; No século XX a evolução passou a ser mais aceita; Fixismo começou a ser quebrado por Jean Baptiste Lamarck

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2)

Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) Uma revolução cultural no mundo empresarial do Brasil! (2) José Carlos Cavalcanti Professor de Economia da UFPE, ex-secretário executivo de Tecnologia, Inovação e Ensino Superior de Pernambuco (http://jccavalcanti.wordpress.com)

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Portugal, Destino de Golfe

Portugal, Destino de Golfe Um olhar pelo golfe mundial Os principais problemas da indústria Propostas de acção Um olhar pelo golfe mundial O golfe é o desporto organizado que se joga há mais tempo em todo o mundo. Primeiro Clube

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

A EMPREGABILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NA CIDADE DE LINS

A EMPREGABILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NA CIDADE DE LINS A EMPREGABILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS E SUAS IMPLICAÇÕES NA CIDADE DE LINS Jéssica Pavan Milani, Unisalesiano, jessicamilani@hotmail.com Maria Tereza Ferreira Rossler, Unisalesiano,

Leia mais

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0095.001-3 Concentração: 500 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO

TERMO DE COMPROMISSO TERMO DE COMPROMISSO O CENTRO DE ESTUDOS OCTÁVIO DIAS DE OLIVEIRA FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES FIRMA O PRESENTE TERMO DE COMPROMISSO COM A AGÊNCIA GOIANA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS PÚBLICOS AGANP. O Centro

Leia mais

APOSTILA DE GRAVITAÇÃO. Johannes Kepler (1571-1630)

APOSTILA DE GRAVITAÇÃO. Johannes Kepler (1571-1630) APOSTILA DE GRAVITAÇÃO Johannes Kepler (1571-1630) Astrônomo alemão, publicou sua primeira obra, "Mysterium Cosmographicum", em 1596, na qual se manifesta pela primeira vez a favor da teoria heliocêntrica

Leia mais

A tabela-verdade...de, É muito fácil...cil, É só lembrar...ar, Do VoVo FeFe, E se Você Foi, se Você Foi, Então Foi. Propriedades da condicional

A tabela-verdade...de, É muito fácil...cil, É só lembrar...ar, Do VoVo FeFe, E se Você Foi, se Você Foi, Então Foi. Propriedades da condicional PROF TABELAS-VERDADE e V F F F V F F F F VoVo FeFe ou V F V F V V F F F Propriedades da condicional Recíprocas(amor,cupido,flecha) flechinha vai, flechinha vem Inversas(inverte VF, FV, ne ga ) nega tudo

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

J or nalismo e Pessoa com Def iciência: um caminho de inclusão social e cidadania

J or nalismo e Pessoa com Def iciência: um caminho de inclusão social e cidadania J or nalismo e Pessoa com Def iciência: um caminho de inclusão social e cidadania Ander son Bar bosa Mor ais* *Bacharel em Comunicação Social hab. Em Jornalismo pela Universidade Tiradentes, pósgraduado

Leia mais

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO

Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO Instituto Federal do Maranhão PRÓ- REITORIA DE ENSINO QUADRO DE VAGAS PARA OS CURSOS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO IFMA CAMPUS SÃO LUIS MONTE CASTELO Engenharia Elétrica Industrial Engenharia Civil Engenharia

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do

CONCEI TOS BÁSI COS I. Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do APOSTILA DE REDES CONCEI TOS BÁSI COS I Qualquer conceito sobre rede de computadores é arbitrário e depende do cr it ér io que ser á ut ilizado par a def ini-lo. Assim, t emos vár ios conceit os: É um

Leia mais

EMBARQUE DOS SUÍNOS STRESS PRE- ABATE

EMBARQUE DOS SUÍNOS STRESS PRE- ABATE EMBARQUE DOS SUÍNOS STRESS PRE- ABATE Exemple bien être et mortalité 1 FASES I MPORTANTES ANTES DO EMBARQUE Preparação o dos animais Seleção dos animais segundo o peso Mescla de animais de diferentes grupos

Leia mais

Seção Técnica de Ensino 2/8

Seção Técnica de Ensino 2/8 Escolha a única respost a certa, conform e o enunciado da quest ão, assinalandoa corretamente no CARTÃO- RESPOSTA. 01. O número natural mais próximo de ( A ) 2 ( B ) 3 ( C ) 4 ( D ) 5 ( E ) 6 3 4 7 3 5

Leia mais

API - Módulo Risk Manager

API - Módulo Risk Manager API - Módulo Risk Manager Completed Responses 21 Partial Responses 0 Survey Visits 39 Q1 Data de preenchimento deste feedback: Answered: 0 Skipped: 21 No Response Q2 Nome: Answered: 21 Skipped: 0 1. Anônimo

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

COMPARANDO O DESENVOLVIMENTO DE COELHOS ALIMENTADOS COM RAÇÃO E VEGETAIS FRESCOS.

COMPARANDO O DESENVOLVIMENTO DE COELHOS ALIMENTADOS COM RAÇÃO E VEGETAIS FRESCOS. COMPARANDO O DESENVOLVIMENTO DE COELHOS ALIMENTADOS COM RAÇÃO E VEGETAIS FRESCOS. FATO OBSERVADO: Os coelhos são dóceis e bons para criar como animais de estimação em residências ou em criadouros especializados.

Leia mais

Aula 4-Movimentos,Grandezas e Processos

Aula 4-Movimentos,Grandezas e Processos Movimentos de Corte Os movimentos entre ferramenta e peça durante a usinagem são aqueles que permitem a ocorrência do processo de usinagem.convencionalmente se supõe a peça parada e todo o movimento sendo

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus

ANGUS: Fábio Schuler Medeiros. Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus ANGUS: Rentabilidade e mercado Fábio Schuler Medeiros Médico Veterinário, D. Sc Gerente Nacional do Programa Carne Angus Certificada Associação Brasileira de Angus Nossos Questionamentos... Como está a

Leia mais

Melhoramento da qualidade da carcaça e da carne de bovinos no Brasil

Melhoramento da qualidade da carcaça e da carne de bovinos no Brasil Pauta 2 Melhoramento da qualidade da carcaça e da carne de bovinos no Brasil Roberto D. Sainz Fabiano Araujo University of California, Davis & Aval Serviços Tecnológicos Introdução Critérios de qualidade

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Reunião do Comitê das Bacias do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental

Leia mais

Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção

Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção M. M. Eng. Eng. Jorge Jorge Batlouni Neto Neto -- Diretor Diretor HISTÓRIA

Leia mais

FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS

FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS FABRICACAO DE SAL MINERAL VISANDO A ADEQUADA NUTRICAO DE BOVINOS BPF - MANUAL DEFINIÇÃO Normas e procedimentos que garantem a conformidade e inocuidade dos produtos utilizados na pecuária, visando o homem

Leia mais

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta

Aula 7- Desgaste e Vida da Ferramenta A vida da ferramenta é o tempo que a mesma trabalha efetivamente ( deduzidos os tempos passivos ), até perder sua capacidade de corte. Considerando um critério de fim-de-vida pré-estabelecido (exemplo

Leia mais

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT

Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Feedback - Cursos MRM Versão 9 PT Q1 Nome, Sobrenome Nome Sobrenome 1. Pedro Pereira Rangel Sales 2. Edson Coelho 3. f ernando perrelli 4. T aiane Fonseca 5. João Máximo 6. Allison Cardoso da Silva 7.

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Viçosa - MG, Maio, 2008 VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional Monique S. Morata TÓPICOS DO DIA O mercado

Leia mais

Perspectivas de Mercado

Perspectivas de Mercado Perspectivas de Mercado Estratégico Nível Gestão Gerencial Nível Caixa Nível Operacional Pecuária Custos de Corte Tecnologia do uso da informa ção Alcides Torres Insumos Bens de Fabiano R. Tito Rosa Scot

Leia mais

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades

Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Pecuária em um contexto socioeconômico: desafios e oportunidades Gabriel Granço www.iconebrasil.org.br Brasília, Julho 2012 Motivação Outlook Brasil Preparar estrategicamente as indústrias de insumos agropecuários

Leia mais

Mauricio Pamplona Pires. Instituto de Física UFRJ

Mauricio Pamplona Pires. Instituto de Física UFRJ Mauricio Pamplona Pires Instituto de Física UFRJ PUC- Rio Patrícia Lustoza de Souza, UFRJ Maurício Pamplona Pires I EAv Gustavo Soares Vieira UFMG Paulo Sérgio Soares Guim arães Wagner Nunes Rodrigues

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

EFEI TO DO EMBARQUE SOBRE A VARIAÇÃO

EFEI TO DO EMBARQUE SOBRE A VARIAÇÃO TRANSPORTE DE SUÍNOS EFEI TO DO EMBARQUE SOBRE A VARIAÇÃO DO CORTISOL Cortisol (mg/l) 9 8 7 6 5 4 3 2 1 Embarque 5 15 2 3 35 4 6 Spencer, 1995 1 FATORES DO TRANSPORTE QUE INFLUENCIAM O BEM- ESTAR E A QUALIDADE

Leia mais

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário 03 09 10 11 13 15 16 18 20 22 24 26 28 29 31 33 02 1. Imobiliário I 03 1. Imobiliário I 04 1. Imobiliário I 05 1. Imobiliário I 06 1. Imobiliário I 07 1. Imobiliário I 1. LANÇAMENTO 2. OBRAS 3. CONCLUÍDO

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE. Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE)

PECUÁRIA DE CORTE. Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE) PECUÁRIA DE CORTE Impactos ambientais e emissões de gases efeito estufa (GEE) Equipe Técnica Daniela Bartholomeu Bacchi doutora em economia aplicada, especialista em economia de recursos naturais CEPEA/ESALQ/USP;

Leia mais

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal

Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Declaração de Renda de Autônomo, Profissional Liberal ou Atividade Informal Eu,...,... (membro do grupo familiar que exerce a atividade autônoma ou de profissional liberal) inscrito no CPF sob o nº....,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO EM ÁCIDOS GRAXOS, QUÍMICA E ANÁLISE SENSORIAL DA CARNE DE CAVALO Ivane Benedetti Tonial 1 ; Ana

Leia mais

Lista de Eletromagnetismo. 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta.

Lista de Eletromagnetismo. 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta. Lista de Eletromagnetismo 1 Analise as afirmativas seguintes e marque a opção correta. I. Se duas barras de ferro sempre se atraem, podemos concluir que uma das duas não está magnetizada. II. Para conseguirmos

Leia mais

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos

Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos FMVZ Unesp Botucatu João Ricardo Ronchesel Henrique Della Rosa Utilização de dietas de alto concentrado em confinamentos Evolução do manejo nutricional

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

PALESTRA PROMOCI ONAL. Apresentação: Riberto de Barros Araú jo Diretor da Primvs Inter Pares

PALESTRA PROMOCI ONAL. Apresentação: Riberto de Barros Araú jo Diretor da Primvs Inter Pares PALESTRA PROMOCI ONAL Com o reduzir custos através s de um a solução integrada Apresentação: Riberto de Barros Araú jo Diretor da Primvs Inter Pares SERRA - ES 26 DE MARÇO O DE 2009 Desde 2 0 0 2,, nossa

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos

Conjuntura e perspectivas. Panorama do mercado de extração de óleos Conjuntura e perspectivas Panorama do mercado de extração de óleos I Simpósio Tecnológico PBIO de Extração de Óleos Vegetais Daniel Furlan Amaral Economista Rio de Janeiro - RJ 03 Dezembro 2009 Roteiro

Leia mais

Centro Universitário de Belo Horizonte UNI - BH. Maio de 2010

Centro Universitário de Belo Horizonte UNI - BH. Maio de 2010 Centro Universitário de Belo Horizonte UNI - BH Maio de 2010 APRESENTAÇÃO...3 Junior Achievement...3 Rede Junior Achievement...3 Voluntariado...4 Benefícios de quem atua como voluntário na Junior Achievement...4

Leia mais

10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS

10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS 76 10.4 PROPRIEDADES DOS PERFIS Seção Nome/aspecto Área da seção Coordenadas do CG Módulo de flexão (Wfl) Módulo de Torção (Wt) Circular cheia p ز / 4 x = y = Ø / 2 p س / 32 p س / 16 Tubo p (Øe² - Øi²)

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do

A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES. Ana Paula Vitorino. por ocasião do INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Ana Paula Vitorino por ocasião do Workshop Livro Verde Para uma nova cultura de Mobilidade Urbana Hotel Sheraton Porto 18 de Fevereiro

Leia mais

LANÇAMENTO DO LIVRO: GLP NO BRASIL PERGUNTAS FREQÜENTES. 5 de dezembro de 2006 Sede do IBP

LANÇAMENTO DO LIVRO: GLP NO BRASIL PERGUNTAS FREQÜENTES. 5 de dezembro de 2006 Sede do IBP LANÇAMENTO DO LIVRO: GLP NO BRASIL PERGUNTAS FREQÜENTES 5 de dezembro de 2006 Sede do IBP Distribuidoras associadas Cartilha, por quê? Existe a identificação de que o GLP sofre preconceitos fortes e de

Leia mais

RECICLANDO COM ARTE. Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta.

RECICLANDO COM ARTE. Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta. RECICLANDO COM ARTE OBJETIVO Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta. METODOLOGIA Montamos uma oficina de reutilização e reciclagem de lixo em nosso Clube de

Leia mais

Prefeitura e Com unidade m udando Porto Alegre para m elhor.

Prefeitura e Com unidade m udando Porto Alegre para m elhor. Governar para quem m ais precisa: Prefeitura e Com unidade m udando Porto Alegre para m elhor. O trabalho da Fasc está sendo fortalecido e am pliado. N ova sede adm inistrativa da FASC Recuperação e adequação

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais