Universidade Federal Fluminense Vol 1, Nº 1 Agosto, ESPECULADOR-IMIGRANTE EM RIO DAS PEDRAS, UMA COMUNIDADE CARIOCA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal Fluminense Vol 1, Nº 1 Agosto, 2010. ESPECULADOR-IMIGRANTE EM RIO DAS PEDRAS, UMA COMUNIDADE CARIOCA"

Transcrição

1 Revista GEO-DEMO Universidade Federal Fluminense Vol 1, Nº 1 Agosto, ESPECULADOR-IMIGRANTE EM RIO DAS PEDRAS, UMA COMUNIDADE CARIOCA Adão Osdayan Geovanna Porto Juliana Tavares Léa Costa Ulises Rodrigo Resumo: Rio das Pedras, uma comunidade carioca que no decorrer do contexto histórico da cidade do Rio de Janeiro se destacou pelo seu processo de imigração e ocupação, em destaque a nordestina. Vinda para suprir a necessidade de mão-de-obra impulsionada pelo crescimento urbano dos bairros da Barra da Tijuca e Jacarepaguá, localizadas na zona oeste da cidade. Na qual possui sua dinâmica própria, aonde o especulador-imigrante atua de forma sócio-econômica e na morfologia da comunidade. Em sua ocupação, valorização do espaço e verticalização. Palavras-chaves: imigração, especulador-imigrante, valorização do espaço, verticalização. Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

2 Abstract: Rio das Pedras, a community in Rio that during the historical context of Rio de Janeiro stands out for its occupation and immigration process mainly migrants from northeastern Brazil. Coming to meet the need for manpower led by growth of the urban neighborhoods of Barra da Tijuca and Jacarepaguá, located on the west side of town. In which has its own dynamics, where the speculator-immigrant acts to socioeconomic status and morphology of the community. In your occupation, exploitation of space and vertical housing. Key words: Immigration, speculator-immigrant, exploitation of space and vertical housing. 1. Introdução Compreender as complexidades espaciais dos centros urbanos na contemporaneidade exige esforços múltiplos da análise geográfica, toda essa questão somada aos diversos agentes histórico-social, relação homem x espaço e natureza proporciona ao meio uma vasta caracterização de lugares, bem como as populações que os habita. Dentre tanta diversidade, destacaremos nesse trabalho a relação de um personagem no contexto social e econômico de uma grande cidade e como o mesmo atua na transformação deste espaço, em específico na cidade do Rio de Janeiro, focando na forma sócio-espacial de uma favela, a de Rio das Pedras localizada na zona oeste da cidade. Portanto, o objetivo deste trabalho é demonstrar e apontar a ação do migrante no espaço e suas resultantes, sendo assim, a transformação da região inserida no contexto histórico, agregado ao processo migratório que iniciou e continua intensificando a densidade demográfica da região. Entretanto a valorização de certas áreas tanto habitacional, regida por um mercado imobiliário, quanto de serviços prestados à comunidade. Além disso, a ocorrência de especulação, verticalização e deslocamento interno. Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

3 2. Valorização do Espaço Rio das Pedras Para entender o contexto do estudo sobre a comunidade Rio das Pedras devemos partir da sua localização no espaço/território demarcado como cidade do Rio de Janeiro. Logo sua posição, relações sociais e produção (trabalho) encontram-se inseridas num contexto histórico da cidade que é mediada e reproduzida constantemente pelo trabalho. A valorização e a especulação existente nesta comunidade requer uma análise sobre o lugar habitado, uma vez que este detém riscos como a sedimentação de morros, cheias de rio e lagoa. Partindo das discussões de Ana Fani A. Carlos no livro A (re)produção do espaço urbano entende- se que a terra não obtém valor por não ser um bem produzido pelo trabalho, todavia, a valorização se dá pela relação homem natureza mediada pelo trabalho que produz um espaço especifico, hierarquizado, diferenciado, dividido socialmente com características próprias estes resultados ocasionam ao lugar o status de espaço como mercadoria que tem seu valor variável através de sua localização, recursos (água, luz, transportes, lazer, etc) e inter relação com a cidade, já a sua autonomia no tipo de estabelecimento comercial, arquitetura e infra estrutura dependerá do poder aquisitivo da população local. Aprofundando-se nesta discussão, Antônio Carlos R. Moraes e Wanderley M. da Costa, expõe no livro A valorização do espaço, que a dinâmica do espaço divide-se em valor do espaço e valor no espaço onde a primeira compreende-se pela qualidade, quantidade e variedade de recursos naturais disponíveis num determinado local, além disso, o valor do espaço obtido pelo trabalho em forma de construções e produções materiais estaria numa gama de manifestações (localização, comércio, relações sociais e outros) onde seu valor seria agregado e cobrado no espaço urbano na forma de aluguel. O resultado da interação destas manifestações acaba gerando o valor no espaço, este de difícil compreensão esta relacionado com o fluxo/ distribuição de mercadoria, mão de obra, transação imobiliária, e outros sem obedecer a uma lógica do espaço físico. Diante das formas de manifestação do espaço, está evidente que a comunidade de Rio das Pedras obtém seu valor não pelo lugar e sim pelo espaço existente onde engloba localização, transportes, segurança, comércio, Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

4 etc. Já que a mão de obra existente no local atende a região de Barra da Tijuca e Jacarepaguá (Taquara, Pechincha, Freguesia) e a via de acesso é de fácil locomoção devido a rede de transporte existente (imagem 1), a segurança da comunidade é fator de destaque em relação as outras e acaba sendo ponto chave de valorização devido a ausência do tráfico de drogas; o seu comércio apresenta-se denso e variável a tal ponto que as necessidades de consumo são supridas sem precisar se locomover para outras regiões. Apesar de ter seus benefícios a comunidade sofre com a falta de poder público em algumas áreas, com isso é evidente a presença de gatos na rede elétrica, hídrica, telefônica ou a falta de saneamento básico. Estes fatores desenvolvem no espaço da comunidade uma divisão de classes e lugares, além disso, a saturação do local devido à migração e o deslocamento interno proporcionam a invasão ilegal de terrenos em áreas de reserva florestal e pântano e a verticalização em uma engenharia perigosa, uma vez que, os limites são regidos pela lagoa da Barra, Parque Nacional da Tijuca e o rio que dá nome a comunidade (foto 1 e imagem 2). A complexidade da comunidade através das relações do espaço, onde casos ilegais (apropriação de terra, moradia, gatos ) interagem com objetos legais (Transporte, escola, saúde pública e etc) e a questão habitação próximo ao trabalho ocasiona na comunidade Rio das Pedras o surgimento de um mercado imobiliário mediado por um especulador diferenciado, o migrante, que no decorrer de sua história inverteu sua ação neste espaço de locatário a proprietário, habitando as partes mais desfavorecidas e adquirindo terreno pela invasão e mudança de trabalho, hoje este especulador em pauta levanta a questão de sua atuação e os resultados deste mercado. 3. Rio das Pedras e sua história Falar da história dessa comunidade carioca, localizada na zona oeste do Rio, é reconhecer um pouco da história de nosso país, mas essa seria longa de mais para abordarmos nesse trabalho. Por isso, iniciaremos falando do processo histórico de formação das primeiras favelas na cidade do Rio de Janeiro, e como esse movimento junto ao crescimento e modernização da cidade alterou e continua modificando o espaço da mesma. Posteriormente Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

5 iremos falar das especificidades da formação de Rio das Pedras em um processo contínuo até os dias atuais. Pois o objetivo do nosso trabalho é compreender o panorama atual, o porquê da escolha da comunidade para viver, sua dinâmica populacional, a vida dos moradores, o valor gerado sobre esse espaço, a especulação imobiliária e por fim o imigrante que vive dessa prática A cidade (Final do Séc. XIX e início do Séc. XX) O início do processo de industrialização que a região sudeste do Brasil vivia no final do Séc. XIX e a forte demanda por mão-de-obra intensificou a imigração, principalmente de europeus. Junto a isso a massa de trabalhadores oriundos da economia decadente do café, a abolição da escravatura e a migração campo-cidade favoreceram o inchaço da região do núcleo central da cidade do Rio de Janeiro. Essa população vivia principalmente em cortiços, casas de cômodo e estalagem com alto grau de adensamento, insalubridade e insegurança. Durante o administração do prefeito Pereira Passos (1902 à 1906)e a o governo de Rodrigues Alves, a capital da república passou por importantes alterações, principalmente no centro da cidade. A remodelação desta área incluía a abertura de várias ruas, áreas de convivência, bulevares, a construção de museus, teatros, cinemas e o ordenamento urbano na região com a demolição de boa parte dos cortiços existentes. Todo esse esforço visava deixar a imagem do Rio, que era vista como uma cidade suja e propícia a doenças com os moldes de Paris. Todo esse movimento de civilidade teve um papel relevante na configuração urbana do Rio de Janeiro durante todo século XX até os dias atuais. Uma parte dessa população desabrigada por conta das remoções irá habitar os subúrbios a outra parte mais pobre irá fixar-se nos morros próximos do centro que já vinham sendo ocupados. Surgem então os primeiros conglomerados de moradias, geralmente sem nenhuma infra-estrutura urbana, como água potável e esgotamento sanitário. Primeiramente esses espaços não foram preocupantes para as autoridades, o que na verdade se resume até hoje. Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

6 A cidade do Rio de Janeiro durante o Século XX sofreu grandes transformações por conta do forte crescimento da população. No gráfico a seguir mostraremos esse aumento, principalmente no século passado. Evolução demográfica da cidade do Rio de Janeiro Nº de Habitantes Períodos de tempo Fonte: IBGE 3.2. O auge da Industrialização De fato, durante esse período a dinâmica da favelização em lugares na cidade ganha uma característica própria, e nesse contexto que começaremos a explicar o nascimento e crescimento da comunidade de Rio das Pedras. A cidade do Rio impulsionada pela forte processo de industrialização entre as décadas de 60 e 80 irá crescer para áreas até então inabitadas, quase todas localizadas na zona oeste do da cidade. Dentre esses bairros focaremos em Jacarepaguá e Barra da Tijuca, que junto aos seus crescimentos tiveram o surgimento de novas comunidades, dentre elas a favela de Rio das Pedras. O boom imobiliário na Barra da Tijuca e o forte crescimento da atividade industrial em Jacarepaguá foram fatores relevantes para o crescimento da comunidade pesquisada, pois a mesma localiza-se em uma região estratégica com facilidade de acesso e transporte para esses dois bairros. Segundo relato de moradores que foram pesquisados pela equipe da Puc-Rio durante a idealização do livro Utopia da Comunidade, Rio das Pedras Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

7 uma favela carioca, a formação da comunidade inicialmente baseava-se em um pequeno loteamento irregular as margens do rio que irá dar nome à favela. Esse loteamento pertencia a apenas uma família, que no decorrer do tempo foram ganhando novos moradores. Durante o governo do Estado da Guanabara de Negrão de Lima, os moradores são ameaçados de serem retirados pelo proprietário do terreno, porém eles conseguem que as terras sejam desapropriadas junto ao governo, com as condições que obedecessem aos limites propostos. A partir daí forma-se a consolidação do núcleo original da favela, o que se chama hoje de Rua Velha (foto 2). Todo esse terreno começou a ser divido em pequenos lotes que se estendiam em uma das margens do rio até a estrada de Jacarepaguá em outro extremo da comunidade (foto 3). Essa processo pode ser visto na fala de moradores antigos que deram depoimento ao livro da equipe de pesquisadores da PUC - Rio, tudo isso aqui era do meu pai. Meu pai criou boi ali, não tinha casa nenhuma, isso era um matagal. Depois minha mãe vendeu um pedaço... Na mesma linha outro morador afirma: isso tudo aqui era do meu avô... Aí, para cada filho, ele foi dando um pedacinho de terreno... Entre as décadas de 70 e 80 a comunidade ganha novos vetores de crescimento por conta das invasões que eram organizadas pela associação de moradores, que tinha acabado de se formar no ano de Esta vai atuar a partir de então, como órgão de divisão e organização dos lotes. É durante esse período que temos a invasão da localidade chamada de Vila Caranguejo (foto 4) nas margens de uma avenida que corta a comunidade. A partir daí a favela vai se expandir em direção a Estrada de Jacarepaguá e sua estrada variante denominada de Rua Nova, onde se encontra hoje a sede comercial e política de Rio das Pedras (Foto 5) 3.3. Década de 90 É na década de 90 que a comunidade ganha um forte impulso de crescimento. A grande demanda por mão de obra nos dois bairros já mencionados atrai cada vez mais pessoas para Rio das Pedras principalmente os nordestinos e moradores de outras comunidades do Rio de Janeiro. Nesse contexto, iremos expor brevemente os motivos de atração dessas pessoas para a comunidade, mas agora iremos prosseguir na formação de outras partes Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

8 da favela. A localidade conhecida como Pinheiro (Foto 6) fica na parte alta da comunidade e é delimitada pela floresta da Tijuca e cortada pela Estrada de Jacarepaguá. Essa região era toda privada e foi ocupada por uma invasão organizada pela associação de moradores, sendo que boa parte dos invasores já moravam na comunidade. Esse fator traz uma dinâmica diferente em comparação as outras áreas favela, sendo percebível na divisão e utilização do espaço, na qual essa região recebe certa valorização pela sua aproximação com a sede administrativa e os serviços que são oferecidos por ela. Isso se torna mais visível quando comparamos com a região dos Areais (Foto 7), que fica localizada em áreas alagáveis próximas a lagoa de Jacarepaguá, onde as condições pantanosas do solo dificultam a construção das moradias e a criação de redes de esgoto, água encanada e outros serviços públicos. Nos Areais é evidente também uma menor presença dos serviços oferecidos pela associação que está ligado diretamente ao seu surgimento, no qual foi coordenado por pessoas de outras favelas e imigrantes nordestinos. Basicamente o processo de consolidação da comunidade de Rio das Pedras, é resumido a esses movimentos de ocupações que foram na maioria coordenadas pela associação de moradores. E está ligado diretamente com a formação de mercado de trabalho nos bairros da Barra e Jacarepaguá. Explicaremos a seguir como a força política da comunidade irá atuar de diversas formas para se obter reconhecimento e de boa parte dos seus moradores A associação de moradores de Rio das Pedras A Associação de Moradores e Amigos de Rio das Pedras assumirá um forte papel político dentro da comunidade, mediando os problemas que envolvem moradores e a relação da favela com os órgãos governamentais. Quando nasceu era basicamente formada por comerciantes e líderes das localidades dentro da favela, onde tinha como objetivo atuar como mediadora entre os moradores e os governantes para melhorar as condições de vida da população. Aos seus 31 anos de existência a associação de moradores, ofereceu e ainda oferece à população benefícios e obrigações que o Estado deveria oferecer. Cobra-se uma taxa no valor de R$ de 2,00 para cada associado, que Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

9 segundo fontes da associação seria para manter a estrutura da mesma e as atividades sociais realizadas no local. É pela ausência do Estado que existem nas favelas poderes paralelos que exercem poder e liderança perante seus moradores. Em Rio das Pedras esse poder paralelo terá grande importância para o crescimento da comunidade. Conhecida como Polícia Mineira, esse grupo de policiais, ex-bombeiros e moradores, tem sua origem na comunidade e irá atuar nas áreas de segurança, fiscal e assistencial, tornando-se independente do Estado A Polícia Mineira Conhecida atualmente por milícia, essa força para-militar atua nas comunidades cobrando taxas a moradores em troca de segurança e outros benefícios. Recentemente vem sendo constante nas páginas de jornal por denúncias em várias favelas do Rio por estarem realizando práticas ilegais. Dentre tantas se destacam o cartel no fornecimento de botijão de gás, o controle de TV a cabo irregular, além do controle sobre a distribuição de água potável, luz elétrica, e transporte alternativo, etc. Rio das Pedras é o berço da prática desses grupos, foi lá que nasceu e se expandiu para outras favelas do Rio. Ainda durante formação da comunidade, vivia-se o medo por parte da população da entrada do tráfico de drogas na favela. Segundo depoimentos de antigos moradores para a equipe da PUC-Rio, esse grupo na verdade foi retaliado pelos moradores pois de início cobravam taxas abusivas aos mesmos, porém com a tomada do tráfico na maioria das comunidades cariocas os próprios moradores começaram a praticar essa proteção que ao longo do tempo foi recebendo mais e mais integrantes. Atualmente, sabe-se que a associação é liderada por milicianos, que acabam controlando em diversos setores na favela. Porém, para os moradores, essa prática e o que ganha-se com ela é mais um benefício por morar na comunidade. Na pesquisa realizada por nós é visível o grau de contentamento por boa parte da população por essa chamada tranqüilidade que só o Rio das Pedras tem. Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

10 4. A Migração Integrado a historia de rio das pedras, a migração, principalmente nordestina,desenvolve no seu contexto fatores de compreensão da ocupação e valor agregado do espaço, destacando o processo migratório da região. Com base no livro A utopia da comunidade de Marcelo Burgus e a tese A des-reterritorialização dos migrandes nordestinos na comunidade de Rio das Pedras de Luciano Ximenes Aragão. Como já mostrado na origem da comunidade, o seu surgimento datado da déc.60, possui um crescimento recente e extremamente rápido que se deu a partir dos anos 90, e continua até os dias atuais. Esse ligeiro crescimento é sustentado pelo intenso fluxo migratório, principalmente por retirantes nordestinos que vem para a cidade do Rio à procura de melhores perspectivas de vida. Apesar de enfatizarem a presença do nordestino, há existência significante de migrante de outros estados, como MG, ES e SP, ambos são atraídos pelo mesmo motivo, que serão citados e explicados mais adiante. Dentro desse espaço que abriga algumas diferenças, há uma rede de relações sociais que muito contribui para a vinda do imigrante por consequência a expansão do território. O assentamento ou a chegada na favela para aí se estabelecer sempre é agenciada por um conhecido ou parente que já vive na comunidade, embora ocorra sob a observação da associação, que funciona como um poder público dentro do território, que gerencia a chegada na comunidade e todo controle de ocupação da área. Observamos que na teoria a comunidade é dividida em regiões por estado de origem dos moradores, como se uma determinada área fosse ocupada majoritariamente por cearenses e outra por alagoanos por exemplo. Porém visto no texto de Luciano Aragão, essa divisão seria apenas nominal. Na prática a ocupação é heterogênea, a Associação de moradores destaca um caráter de unidade, com a presença de moradores de vários estados de origem, entretanto uma hegemonia nordestina. Ao contrário do que pensam a habitação do espaço se deu de forma aleatória e não pela origem dos moradores como mostra o parágrafo acima.. Os fatores mencionados anteriormente, que influenciam na vinda e permanência na comunidade são fundamentais para entender o motivo da Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

11 grande procura pelo local. Um deles é a ausência de violência, pela favela não ser regida por tráfico, segurança oferecida pela milícia e a intervenção do associação de moradores em conflitos internos, atuando como mediadora. A facilidade de moradia, como baixos aluguéis, áreas doadas pela associação para construção e energia elétrica e água não tarifados. Muitos migrantes são atraídos também por acharem que há uma facilidade de acesso ao mercado de trabalho, sistema de educação e saúde pública. No entanto são surpreendidos com a extrema dificuldade de arranja trabalho e a situação precária. Um dos serviços mais elogiados pelos moradores, durante nossa pesquisa de campo, foi a eficiência do sistema de transporte, que abrange várias áreas. Por fim, a facilidade de entrada de ajuda comunitária e governamental, implantação de ONGs, projetos sociais e participação de voluntários. Esses podem ser considerados os principais motivos de atração. Dentro desse contexto de migração, existe outro processo ocorrendo em paralelo, o deslocamento interno, que acontecem de duas maneiras. Primeiramente o movimento de entrada de moradores de outras comunidades e localidades, que tentam abrigo solicitando ajuda à associação de moradores. Alguns locais como o Pantanal, área totalmente insalubre para habitação, recebem ex moradores de rua, recém-chegados que não tem condições de pagar aluguel. O outro movimento de ocorrência dentro da própria comunidade, na qual os inquilinos que já não tem mais condições de arcar com suas despesas mudam-se para áreas menos valorizadas onde podem manter-se,por exemplo o Areal. De outra forma, moradores que conseguem uma pequena ascensão financeira deslocam-se para áreas de melhores infraestrutura, por exemplo: Pinheiro. Entretanto, é notório uma pequena redução no número de retirantes nordestinos que vem, pelos atrativos que a cidade oferece. Todavia, percebese um processo que iniciou-se a pouco e cresce lentamente. Evidentemente, a incessante violência no Rio de Janeiro e a ilusão da facilidade de obter dinheiro, já não enganam mais, e também o início de um crescimento econômico em alguns centros do nordeste, são fatores que influenciam nesse processo. Mesmo assim, cerca de 2000 nordestinos chegam por mês no Rio de Janeiro. Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

12 5. O especulador-imigrante e o mercado imobiliário Para falarmos em especulador-imigrante na favela do Rio das Pedras é preciso entender os fatores, condições e características desse morador dentro da comunidade e sua transformação de renda a partir de um mercado imobiliário com diversas vertentes que expõe a apropriação e venda de vários lugares. Este morador pesquisado impulsionado por melhores oportunidades inicia seu processo de habitação nas áreas periféricas por conta do baixo custo de vida em comparação a parte central da comunidade, porém num processo lento de deslocamento interno ele inverte sua ação e localização no espaço através do trabalho. Podemos exemplificar quando um morador dentro da situação mencionada constrói edificações irregulares para moradia própria e locação em áreas como os Areais, em seguida este com melhores condições financeiras muda-se para regiões centrais da comunidade onde encontra-se melhores condições de infra-estrutura dos serviços públicos. Dentro desta dinâmica cria se um mercado imobiliário peculiar, no qual o morador promove uma especulação, investindo essa renda obtida em diversas atividades em diferentes regiões, podendo ser na própria comunidade, no entorno ou no lugar de origem do imigrante Verticalização Há um processo que vêm alterando a dinâmica espacial das comunidades do Rio de Janeiro, e torna-se mais evidente em Rio das Pedras, a verticalização. Diante dos limites que delimitam a comunidade (Parque Nacional da Tijuca, lagoa de Jacarepaguá e suas áreas alagáveis), a escassez de terrenos para a construção e a forte procura por moradias desenvolve este tipo de crescimento, no qual a laje (Pavimento) desempenha um papel de adensamento populacional, exemplificado em boa parte das edificações na favela que chegam a ter até dez andares sem nenhuma consulta técnica de profissionais da área. (foto 8 e 9) 5.2 A relação contratual É uma forma de contrato existente na locação e venda dos imóveis, ficando ausente qualquer tipo de escritura ou garantia jurídica entre o Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

13 proprietário e o inquilino. Permanecendo somente a confiança e o negócio vulgarmente falado como boca-a-boca. Finalizando todo o processo de especulação do território, o investimento proporcionado por este ocasiona a inversão do capital, gerado pela negociação de áreas impróprias, aplicando-o no comercio, pecuária, agricultura, compra de terras e outros setores dentro da legalidade. Sintetizando os pontos explicitados durante o trabalho é notória a inter-relação destes com o mercado em crítica. 6. Conclusão Diante dos dados obtidos através da pesquisa de campo, dos textos, das referências bibliográficas e do contato com associação de moradores do Rio das Pedras, concluímos que a especulação imobiliária na comunidade está fortemente ligada aos processos descritos ao longo do trabalho, como a valorização do espaço, a migração e o contexto histórico da cidade do Rio de Janeiro, uma vez que estes proporcionam uma dinâmica de relações sociais e formação de uma paisagem urbana com alto grau de adensamento populacional, em uma região sem condições de ser habitada. Logo, o trabalho nos proporcionou uma maior compreensão sobre as complexidades espaciais dos centros urbanos e suas vertentes e resultantes em um determinado lugar. 7. Bibliografia BURGUS, M. Utopia da comunidade: Rio das Pedras, uma favela carioca. Rio de Janeiro: Puc-Rio: Loyola, CARLOS, Ana Fani A. A cidade. São Paulo: Editora Contexto, CARLOS, Ana Fani A. A (re)produção do espaço urbano. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, ARAGÃO, Luciano. A des-re-territorialização dos migrantes nordestinos na comunidade de Rio das Pedras. Niterói: Imprensa Universitária, MORAES,A.;COSTA W. A VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO 2ª Ed. São Paulo: Editora Hucitec, Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

14 IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Gráfico estatístico da evolução da população do Rio de Janeiro. Disponível em acesso no dia 2 de junho de 2010 Revista GEO-DEMO. Vol 1, Nº 1. Setembro,

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa Urbanização Brasileira Professora: Jordana Costa As cidades e a urbanização brasileira. Até os anos 1950 População predominantemente rural. Entre as décadas de 1950 e 1980, milhões de pessoas migraram

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA

URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA URBANIZAÇÃO LUCIANO TEIXEIRA Urbanização Pouco mais de 50% da população do planeta é considerada urbana hoje, segundo a ONU. No Brasil, segundo o Censo 2010 do IBGE, a taxa é de 85%. A ideia do urbano

Leia mais

HABILIDADES. Compreender a formação da população brasileira. Perceber as influências presentes na cultura brasileira.

HABILIDADES. Compreender a formação da população brasileira. Perceber as influências presentes na cultura brasileira. l COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Período:

Leia mais

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamente de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Prof. Kamel Zahed Filho Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água

Leia mais

DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I

DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL MÓDULO 04 PARTE I CONCEITO DE REGIÃO REGIONALIZAR o espaço geográfico é dividi-lo em regiões, levando em conta as diferenças de paisagens e a organização socioeconômica das diversas

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO URBANIZAÇÃO: AUMENTO DA POPULÇÃO DA CIDADE EM RELAÇÃO AO CAMPO.

INDUSTRIALIZAÇÃO URBANIZAÇÃO: AUMENTO DA POPULÇÃO DA CIDADE EM RELAÇÃO AO CAMPO. INDUSTRIALIZAÇÃO NO CAMPO: IMPUSIONA A MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA, CONCENTRANDO TERRAS E DIMNUINDO A OFERTA DE POSTOS DE TRABALHOS REPULSÃO MIGRAÇÃO CAMPO-CIDADE ÊXODO RURAL NA CIDADE: AUMENTA A OFERTA DE EMPREGOS

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados Censo Demográfico 2010 Aglomerados subnormais Primeiros resultados Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011 Conceito de Aglomerado Subnormal Conceito de Aglomerado Subnormal no IBGE É um conjunto constituído

Leia mais

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV ECONOMIA E NEGÓCIOS Prof. Maurício Felippe Manzalli Antecedentes da globalização Década de 1970 Período de crises e ajustes: Crise da inflação Ajustes monetários e produtivos Economia política

Leia mais

GEOGRAFIA. PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar.

GEOGRAFIA. PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar. GEOGRAFIA { PRINCIPAIS CONCEITOS: espaço geográfico, território, paisagem e lugar. A importância dos conceitos da geografia para a aprendizagem de conteúdos geográficos escolares Os conceitos são fundamentais

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Indústria como produtora do Espaço Urbano. Professor Thiago Espindula - Geografia

Indústria como produtora do Espaço Urbano. Professor Thiago Espindula - Geografia Indústria como produtora do Espaço Urbano Professor Thiago Espindula - Geografia A aula está dividida em: Relações conceituais entre sociedade e economia (campo abstrato); História das relações urbano-industriais

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º Ano Teste de Avaliação nº 6 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2010 e 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 0 Intervenções Prácticas para a Melhora dos Processos de Planificação e Gestão Sanitária Mapas Sanitários da Área Municipal da Cidade de Maputo Março Julho 2013

Leia mais

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS.

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. Fernando Andrade Caires 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR - 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA ENSINO FUNDAMENTAL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR - 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA ENSINO FUNDAMENTAL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR - 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA ENSINO FUNDAMENTAL 1. EMENTA: A importância do ensino da Geografia é levar o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem

Leia mais

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis A carga tributária brasileira é uma das mais elevadas do mundo, em 2011 ela chegou a 35% do PIB, valor extremamente elevado. Seria de se esperar

Leia mais

Planejamento Bimestral

Planejamento Bimestral Planejamento Bimestral Estabelecimento: Escola Estadual Cecília Meireles Ensino Fundamental Município: Nova Prata do Iguaçu Disciplina: Geografia Série: 5ª / 6º ano Bimestre: anual Ano: 2011 Professores:

Leia mais

Dinâmica Demográfica: Região Metropolitana de Salvador

Dinâmica Demográfica: Região Metropolitana de Salvador Dinâmica Demográfica: Região Metropolitana de Salvador Cláudia Monteiro Fernandes Por ocasião do Censo de 2000 a Região Metropolitana de Salvador era composta pelos municípios de Camaçari, Candeias, Dias

Leia mais

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização nãogovernamental, sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

58 MORADIA DE ALUGUEL NO BRASIL: CURITIBA, SALVADOR E SÃO PAULO

58 MORADIA DE ALUGUEL NO BRASIL: CURITIBA, SALVADOR E SÃO PAULO 58 MORADIA DE ALUGUEL NO BRASIL: CURITIBA, SALVADOR E SÃO PAULO Camila D'Ottaviano Esta Sessão Livre tem como objetivo discutir a possibilidade de implementação de uma política habitacional pública alicerçada

Leia mais

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. MAIO Rio de Janeiro, 27 de maio de 2013. À OLIVEIRA TRUST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (na qualidade de administradora do TRX Realty Logística Renda I Fundo de Investimento Imobiliário

Leia mais

MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha

MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha Gislene Pereira - UFPR Jussara Maria Silva - UP Anabelli Simões Peichó - UP Maicon Leitoles - UP Talissa Faszank - UP 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013

Leia mais

HETEROGENEIDADE REGIONAL

HETEROGENEIDADE REGIONAL HETEROGENEIDADE REGIONAL Miguel Matteo*1 Uma das faces da heterogeneidade estrutural é representada pela profunda desigualdade regional brasileira. A distribuição dos setores é profundamente desigual em

Leia mais

ATIVIDADES EXTRAS GEOGRAFIA 1OS ANOS

ATIVIDADES EXTRAS GEOGRAFIA 1OS ANOS ATIVIDADES EXTRAS GEOGRAFIA 1OS ANOS 01. OS QUATRO BRASIS Poderíamos, grosseiramente, reconhecer a existência de quatro Brasis, ou seja, regiões específicas dentro do país. Num desses Brasis, verifica-se

Leia mais

TRABALHO FINAL DISCIPLINA POPULAÇÃO, ESPAÇO E AMBIENTE PROFESSORES: DR. MIGUEL V. MONTEIRO E DRA. SILVANA AMARAL TÍTULO: URBANIZAÇÃO NA AMAZÔNIA

TRABALHO FINAL DISCIPLINA POPULAÇÃO, ESPAÇO E AMBIENTE PROFESSORES: DR. MIGUEL V. MONTEIRO E DRA. SILVANA AMARAL TÍTULO: URBANIZAÇÃO NA AMAZÔNIA TRABALHO FINAL DISCIPLINA POPULAÇÃO, ESPAÇO E AMBIENTE PROFESSORES: DR. MIGUEL V. MONTEIRO E DRA. SILVANA AMARAL TÍTULO: URBANIZAÇÃO NA AMAZÔNIA BRASILEIRA: O CASO DE MANAUS AUTOR: RAFAEL ESTEVÃO MARÃO

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

SÃO VICENTE CONT. FAVELA SANTO ANTÔNIO

SÃO VICENTE CONT. FAVELA SANTO ANTÔNIO SÃO VICENTE CONT. FAVELA SANTO ANTÔNIO Área: SAVI 13 Identificação: Continuação da Favela Santo Antônio Data da vistoria: 07/10/2005 Tipo de construção: alvenaria e madeira / barracos. Ocupação em área

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG Curso de Geografia Bacharelado

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG Curso de Geografia Bacharelado UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - MG Curso de Geografia Bacharelado Utilização das técnicas de cartografia temática na construção de banco de dados geográficos. Autor: André dos Santos Ribeiro Co-Autor

Leia mais

O LICENCIAMENTO DE NOVAS CONSTRUÇÕES NO PERÍODO 2000-2004

O LICENCIAMENTO DE NOVAS CONSTRUÇÕES NO PERÍODO 2000-2004 A ZONA SUL DO RIO DE JANEIRO EM NÚMEROS: O LICENCIAMENTO DE NOVAS CONSTRUÇÕES NO PERÍODO 2000-2004 Rose Compans Assessora U/GAB 1. Introdução: A zona sul do Rio de Janeiro é a região mais valorizada do

Leia mais

MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA E ESTRUTURA FUNDIÁRIA: ANÁLISE DA MICRORREGIÃO DE ALFENAS-MG

MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA E ESTRUTURA FUNDIÁRIA: ANÁLISE DA MICRORREGIÃO DE ALFENAS-MG MODERNIZAÇÃO AGRÍCOLA E ESTRUTURA FUNDIÁRIA: ANÁLISE DA MICRORREGIÃO DE ALFENAS-MG MAYARA FONTES DANTAS 1 e FLAMARION DUTRA ALVES 2 mayarafdantas@hotmail.com, flamarion.dutra@unifal-mg.edu.br ¹Discente

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE TRANSGÊNICOS DEZEMBRO 2002 OPP 573 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar junto a população da área em estudo opiniões sobre os transgênicos. -

Leia mais

======================================================================

====================================================================== Gráficos Os gráficos constituem uma forma clara e objetiva de apresentar dados estatísticos. A intenção é a de proporcionar aos leitores em geral a compreensão e a veracidade dos fatos. São recursos utilizados

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012

PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E FILOSOFIA SUBÁREA DE GEOGRAFIA PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA /2012 Ensino

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

A População e o Espaço Urbano

A População e o Espaço Urbano População e o Espaço Urbano adsense1 Na zona rural a paisagem é mais ou menos marcada pelos elementos do meio natural: a influência do solo, do clima, da declividade do relevo, a presença de água e vegetação.

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Vila Olímpia e Itaim Bibi: onde não cabe mais nada

Urban View. Urban Reports. Vila Olímpia e Itaim Bibi: onde não cabe mais nada Urban View Urban Reports Vila Olímpia e Itaim Bibi: onde não cabe mais nada Programa Elas & Lucros, Rádio Brasil 2000 FM 107,3 Coluna minha cidade, meu jeito de morar e investir Vila Olímpia e Itaim Bibi:

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

Farmácia. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Farmácia. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Farmácia Os cursos de Farmácia no Brasil foram criados em 1832, passando a funcionar nas Faculdades de Medicina da Bahia e

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares, São Luís, Maranhão, Brasil

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares, São Luís, Maranhão, Brasil , SUMÁRIO 3 Introdução 5 Contexto Local 10 Projecto 21 Considerações Finais 23 Agradecimentos 2 INTRODUÇÃO Como a Prova Final é um trabalho individual, de livre escolha do aluno, relacionado com futuras

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA INTRODUÇÃO E CONCEPÇÃO DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes

Leia mais

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 Coordenação: Rômulo José da Costa Ribeiro Responsável: Rômulo José da Costa Ribeiro 1 Colaboração: Juciano Rodrigues, Rosetta

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

Geografia População (Parte 1)

Geografia População (Parte 1) Geografia População (Parte 1) 1. População Mundial: Define-se população mundial como o número total de humanos vivos no planeta num dado momento. Em 31 de Outubro de 2011 a Organização das Nações Unidas

Leia mais

Adicional de periculosidade na profissão de engenheiro eletricista

Adicional de periculosidade na profissão de engenheiro eletricista Adicional de periculosidade na profissão de engenheiro eletricista Acimarney Correia Silva Freitas¹, Maurício Pereira Queiroz², Patrick D Orleans Farias Marinho 3, Paulo José Lima Gomes 4 ¹Orientador deste

Leia mais

Brasil: saldo positivo na geração de empregos em todos os setores da economia

Brasil: saldo positivo na geração de empregos em todos os setores da economia Saldo positivo no mercado de trabalho em abril de 2012 Município registra geração de 280 vagas com registro em carteira neste mês, colocando-se em 21º lugar entre os maiores geradores de vagas Adriana

Leia mais

DIDÁTICOS Aula expositiva, debate, leitura de texto; Quadro e giz, livro didático, ilustrações;

DIDÁTICOS Aula expositiva, debate, leitura de texto; Quadro e giz, livro didático, ilustrações; 8ª ano PTD de Geografia PROFESSORA: Sandra Riedel 1º BIMESTRE ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico -Dimensão política do espaço geográfico Conceitos e princípios básicos da Geografia

Leia mais

Março/2016 Março/2016

Março/2016 Março/2016 São Paulo 2030 Março/2016 Março/2016 2 de 80 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas, bem como

Leia mais

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa 2 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas o papel da mulher na economia e na sociedade como um todo tem passado por

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

O PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA E A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS EM ÁREAS IRREGULARES: UM OLHAR SOBRE CAMPINAS/SP

O PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA E A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS EM ÁREAS IRREGULARES: UM OLHAR SOBRE CAMPINAS/SP O PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA E A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS EM ÁREAS IRREGULARES: UM OLHAR SOBRE CAMPINAS/SP Tamiris BARBOSA; Fabrício GALLO Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp),

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PRISE - 2ª ETAPA. EIXO TEMÁTICO: II REGIÃO1. O ESPAÇO REGIONAL Competências Habilidades Conteúdo

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PRISE - 2ª ETAPA. EIXO TEMÁTICO: II REGIÃO1. O ESPAÇO REGIONAL Competências Habilidades Conteúdo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PRISE - 2ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: II REGIÃO1. O ESPAÇO REGIONAL Competências Habilidades Conteúdo 1-Entender as relações existentes entre a nova regionalização em

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI)

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) NOTA TÉCNICA Nº 1 resultados

Leia mais

JOAO PINHEIRO. Água Esgoto Sanitário Energia Elétrica Telefone Pavimentação Esgoto pluvial Gás canalizado Iluminação pública

JOAO PINHEIRO. Água Esgoto Sanitário Energia Elétrica Telefone Pavimentação Esgoto pluvial Gás canalizado Iluminação pública Laudo Avaliação - LA Nº Solicitação de serviço: Status: Versão: 168316 APROVADO 1 1 IDENTIFICAÇÃO: Número do sinistro: Número IRB: Solicitante: CPF / CNPJ do cliente: 779.950.826-49 Nome do cliente: Conceição

Leia mais

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Diagnóstico do Setor Habitacional Objetivos _ Levantamento de dados que quantifiquem e qualifiquem as necessidades

Leia mais

II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO

II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO II-1 2.1. Considerações iniciais Qualquer projeto potencialmente poluidor ou causador de impacto que seja passível de licenciamento ambiental possui uma área

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 21 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Perfil das Despesas Indicadores Selecionados 14/09/2012 POF 2008 2009 Objetivos: Investigação dos

Leia mais

REGIÃO NORTE DO BRASIL (quadro humano e econômico) (Módulo 69 Livro 04 página 101

REGIÃO NORTE DO BRASIL (quadro humano e econômico) (Módulo 69 Livro 04 página 101 REGIÃO NORTE DO BRASIL (quadro humano e econômico) (Módulo 69 Livro 04 página 101 Introdução Com 3.853.676,948 km² a região norte do Brasil é a mais extensa das regiões brasileiras, correspondendo a pouco

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau

Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau A carga tributária brasileira é uma das mais elevadas do mundo, em 2011 ela chegou a 35% do PIB, valor extremamente elevado. Seria de se esperar

Leia mais

MIGRAÇÃO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA: A DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE ALFENAS E A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO 1

MIGRAÇÃO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA: A DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE ALFENAS E A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO 1 MIGRAÇÃO E ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA: A DINÂMICA DA POPULAÇÃO DE ALFENAS E A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO 1 Carolina Ramos Gonçalves de Almeida Discente do curso de Geografia Bacharelado Grupo de Estudos

Leia mais

DINÂMICA DA OCUPAÇÂO BAIRRO DO RIO VERMELHO SALVADOR/BA Dante Severo Giudice¹

DINÂMICA DA OCUPAÇÂO BAIRRO DO RIO VERMELHO SALVADOR/BA Dante Severo Giudice¹ DINÂMICA DA OCUPAÇÂO BAIRRO DO RIO VERMELHO SALVADOR/BA Dante Severo Giudice¹ RESUMO O presente trabalho apresenta um estudo sobre a ocupação e evolução urbana do Bairro do Rio Vermelho, localizado na

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e implantar novos programas para a cidade crescer ainda mais.

Leia mais

O SHOPPING QUE VAI SER O CENTRO DAS ATENÇÕES EM CAMPOS. Perspectiva ilustrativa do local

O SHOPPING QUE VAI SER O CENTRO DAS ATENÇÕES EM CAMPOS. Perspectiva ilustrativa do local O SHOPPING QUE VAI SER O CENTRO DAS ATENÇÕES EM CAMPOS. Perspectiva ilustrativa do local CAMPOS DOS GOYTACAZES: Foto do local NORTE FLUMINENSE E SUL CAPIXABA O NOSSO GOLFO DO MÉXICO* UMA CIDADE QUE NÃO

Leia mais

Associativismo Social

Associativismo Social Movimentos Sociais, Sociedade Civil e Terceiro Setor: uma breve história Educação para o trabalho 1 Associativismo Social Movimentos Sociais Protagonismo Social Sociedade Civil Terceiro Setor Educação

Leia mais

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H.

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CERTIFICADO PELO PBQP-H. Rafael Oliveira de Paula Universidade Estadual de Maringá rafael.odp@gmail.com Manoel Francisco Carreira Universidade

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Fachada da Unidade Básica de Saúde implanta no RUC Jatobá para os novos moradores. O objetivo dessa unidade é acompanhar o andamento

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

13/07/2016 Agência CAIXA de Notícias ESTADO DE S.PAULO: Compactos na Barra Funda buscam atrair público jovem

13/07/2016 Agência CAIXA de Notícias ESTADO DE S.PAULO: Compactos na Barra Funda buscam atrair público jovem 13/07/2016 Agência CAIXA de Notícias ESTADO DE S.PAULO: Compactos na Barra Funda buscam atrair público jovem 30/11/2015 08h11 TAMANHO DA LETRA IMPRIMIR ESTADO DE S.PAULO: Compactos na Barra Funda buscam

Leia mais

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios O PAPEL DO INSTITUTO AGROPOLOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL Caracterização e Desafios leodilma@institutoagropolos.org.br Abril de 2012 Objetivos da Apresentação Constituição da Organização Social - Instituto

Leia mais

Pré-Diagnóstico do Município de São Paulo

Pré-Diagnóstico do Município de São Paulo Programa Urb-Al rede 7 projeto comum R7-A3-03 O Acesso ao Solo e a Habitação Social em Cidades Grandes de Regiões Metropolitanas da América Latina e Europa Pré-Diagnóstico do Município de São Paulo CONTEÚDO

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

Governança, Participação Social e Diálogos Federativos. DIEST Diretoria de Estudos e Políticas para o Estado, as Instituições e a Democracia

Governança, Participação Social e Diálogos Federativos. DIEST Diretoria de Estudos e Políticas para o Estado, as Instituições e a Democracia Governança, Participação Social e Diálogos Federativos. DIEST Diretoria de Estudos e Políticas para o Estado, as Instituições e a Democracia Uma das dimensões do regime democrático. Tem como objetivos:

Leia mais

Foto: Harald Schistek

Foto: Harald Schistek Foto: Harald Schistek 43 A adolescência é uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos. Caracteriza-se por uma etapa do desenvolvimento

Leia mais

CURSOS Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo e Geografia

CURSOS Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo e Geografia PROCESSO SELETIVO 2007/1 Geografia CURSOS Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo e Geografia Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno

Leia mais

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque TENDÊNCIA TECNICISTA Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque O PAPEL DA ESCOLA A tendência tecnicista, na educação, tem como objetivo inserir a escola nos modelos de racionalização do sistema de produção

Leia mais

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO BAIRRO CENTRO EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA Géssica Oliveira da Silva 1 e Leonaldo Carvalho da silva 2 1,2 Graduandos do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, IFPA Campus Conceição

Leia mais

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ

Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ 3 set 2007 Nº 35 Aumento do emprego contrasta com desindustrialização em SP e RJ Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da SAE Vagas na indústria de transformação foram deslocadas para outras regiões do

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

APLICAÇÃO DO ESTATUTO DA CIDADE E DOS PLANOS DIRETORES E A EFETIVAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DO SOLO URBANO. Eng. Agro. MSc.

APLICAÇÃO DO ESTATUTO DA CIDADE E DOS PLANOS DIRETORES E A EFETIVAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DO SOLO URBANO. Eng. Agro. MSc. APLICAÇÃO DO ESTATUTO DA CIDADE E DOS PLANOS DIRETORES E A EFETIVAÇÃO DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE DO SOLO URBANO Eng. Agro. MSc. Leonardo Tinôco Implementação da Política Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Secretaria Municipal Adjunta de Meio Ambiente. Vetor Norte de Belo Horizonte: aspectos ambientais

Secretaria Municipal Adjunta de Meio Ambiente. Vetor Norte de Belo Horizonte: aspectos ambientais Secretaria Municipal Adjunta de Meio Ambiente Vetor Norte de Belo Horizonte: aspectos ambientais DIRETRIZES BÁSICAS Ocupação ordenada do território / preservação de áreas de interesse ambiental Adequada

Leia mais

Porto Alegre (RS) - Areal da Baronesa está perto de se tornar território quilombola

Porto Alegre (RS) - Areal da Baronesa está perto de se tornar território quilombola Porto Alegre (RS) - Areal da Baronesa está perto de se tornar território quilombola Origem de área quilombola remonta ao século XIX Foto: Ramiro Furquim/Sul21 Foi publicado nesta quinta (18) no Diário

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

Consórcio: um negócio genuinamente brasileiro.

Consórcio: um negócio genuinamente brasileiro. Consórcio: um negócio genuinamente brasileiro. O consórcio é uma invenção brasileira, que surgiu na década de 60 e hoje é difundida em outros países. O consórcio surgiu como forma de solucionar a falta

Leia mais