NATUREZA E SOCIEDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NATUREZA E SOCIEDADE"

Transcrição

1 NATUREZA E SOCIEDADE Marilia Freitas de Campos Tozoni-Reis 2010

2 2010 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor dos direitos autorais. T757n Tozoni-Reis, Marilia Freitas de Campos. / Natureza e Sociedade. / Marilia Freitas de Campos Tozoni-Reis. Curitiba : IESDE Brasil S.A., p. ISBN: Psicologia. 2. Educação. I. Título. CDD Capa: IESDE Brasil S.A. Imagem da capa: Jupiter Images/DPI Images Todos os direitos reservados. IESDE Brasil S.A. Al. Dr. Carlos de Carvalho, CEP: Batel Curitiba PR

3 Marilia Freitas de Campos Tozoni-Reis Livre-docente pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pedagoga pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Itapetininga (FFCLI).

4

5 Sumário As diferentes concepções das relações entre sociedade e natureza A degradação ambiental As representações de natureza em nossa sociedade Conclusão O conhecimento do mundo social e natural Conhecimento filosófico Conhecimento científico Conhecimento tradicional A diversidade como fundamento do conhecimento do mundo natural e social Aprender com a natureza O papel da ciência no conhecimento do mundo natural e social Conclusão O pensamento socioambientalista O ambientalismo Sociedade e natureza no pensamento e nas ações ambientalistas Conclusão Sustentabilidade social e ecológica Sustentabilidade, crescimento econômico, igualdade social e democratização das sociedades Desenvolvimento sustentável e globalização da economia Conclusão... 85

6 Ética e ambiente O que é ética? A ética como fundamento da relação entre sociedade e natureza Conclusão O mundo social e natural e o cuidado humano A importância do cuidado no desenvolvimento humano O cuidado na relação da sociedade com a natureza Conclusão Compreendendo o ambiente vivido na Educação Infantil Construindo propostas pedagógicas para compreensão do ambiente vivido Paulo Freire e a importância da leitura do ambiente As contribuições de Freinet com a aula passeio O recurso da excursão O mapeamento ambiental como proposta pedagógica Conclusão Compreendendo as relações sociedade e natureza na Educação Infantil O mundo social O mundo natural Conclusão...177

7 Ensinando as crianças a cooperarem A cooperação como fundamento das relações sociais A cooperação como fundamento da educação A cooperação na proposta pedagógica para a educação de crianças pequenas Jogos cooperativos Interdisciplinaridade Disciplinaridade, multidisciplinaridade e interdisciplinaridade A metodologia de projetos Conclusão Questões para aprofundamento Concepção histórica de natureza O ambientalismo crítico A sustentabilidade ambiental Conclusão Anotações...263

8

9 Apresentação Alunos e alunas A proposta de estudo das relações entre sociedade e natureza que este material traz somente tem sentido se contar com a participação de vocês como sujeitos ativos do seu próprio processo educativo. Entendo a educação, assim como a formação de educadores, como um processo intencional, dinâmico, complexo e contínuo, que exige envolvimento pleno dos participantes. Portanto, o que aqui escrevi, que reflete um pouco do que temos criado no Brasil para a formação crítica dos educadores ambientais, só terá atingido seus objetivos se puder instigar sua participação, discutindo, dialogando, discordando, perguntando, respondendo, problematizando, enfim, construindo juntos sua formação. Isso significa dizer que a sua participação faz a força ou a fraqueza dessa proposta. Este material foi produzido de diferentes formas: escritos inéditos produzidos especialmente para este fim, nova sistematização de alguns textos que escrevi e publiquei em diferentes momentos de minha trajetória profissional, e, também, apresentação de textos de diferentes e diversos autores que tratam dos temas em discussão na forma de textos complementares. Entendo este material não como uma cartilha, manual ou livro de receitas para a introdução do tema ambiental, pelos estudos de natureza e sociedade, na Educação Infantil e na primeira etapa do Ensino Fundamental, mas, principalmente, como um instrumento no processo criativo dos professores dessas crianças. Trata-se, portanto, de estudos para a produção de propostas educativas únicas e originais em sua atual ou futura prática pedagógica com essas crianças. Destaco, nesse sentido, a importância que dou à formação teórica dos professores como dimensão imprescindível na construção de suas práticas pedagógicas conscientes e competentes. Minha intenção é contribuir, no sentido de facilitar a reflexão entre teoria e prática, para a introdução do tema ambiental nos processos educativos de crianças pequenas, para instrumentalizar sua participação, autônoma, na construção de uma sociedade socialmente mais justa e ecologicamente mais equilibrada, uma sociedade sustentável. Marilia Freitas de Campos Tozoni-Reis

10

11 As diferentes concepções das relações entre sociedade e natureza As funções da Educação Infantil no Brasil estão sendo discutidas, de alguma forma, desde o início da República (1889), um período em que a marca do atendimento era a dualidade: atendimento educacional, ainda que rudimentar, para os filhos das classes mais privilegiadas e atendimento assistencial, de caráter fortemente filantrópico, para as crianças pobres. Já um século depois, na década de 1980, foi um período especialmente produtivo quanto à discussão das funções da Educação Infantil. Nesse momento, priorizou-se a necessidade de atendimento de caráter educacional para as crianças na rede pública, destacando as propostas pedagógicas para a Educação Infantil. A partir dos anos 1990, no entanto, as discussões sobre a garantia do atendimento com caráter educacional avançaram além das propostas pedagógicas. Assim, temos hoje um entendimento de que as políticas de Educação Infantil têm que garantir educação e cuidado. Isso significa que, para superar a dicotomia entre creche e pré-escola e entre Educação Infantil e Ensino Fundamental, é preciso garantir o atendimento integral e integrado, sem desvalorizar o cuidado como parte da proposta educativa infantil (TOZONI-REIS, 2002). Para concretizar as propostas que articulam educação e cuidado na Educação Infantil, é preciso pensar também na organização do currículo nesse nível de ensino da Educação Básica. Partindo da ideia de que no processo educativo escolar, além da transmissão/apropriação crítica dos conhecimentos historicamente produzidos pela humanidade, também são conteúdos curriculares a produção de ideias, conceitos, valores, símbolos, hábitos, atitudes e habilidades, a organização curricular na Educação Infantil e na primeira etapa do Ensino Fundamental é essencialmente interdisciplinar, sendo importante destacar o papel de todos esses conteúdos de ensino como ação pedagógica concreta para o desenvolvimento infantil. Entre os diferentes temas de estudo nesse nível de ensino, trataremos aqui do estudo das relações entre a natureza e a sociedade, com a proposta pedagógica central de articular conhecimentos, ideias, conceitos, valores, símbolos, hábitos, atitudes e habilidades. Isso significa sistematizar, na prática educativa cotidiana com crianças pequenas, temas sobre o mundo natural e social em que elas vivem para contribuir para a ampliação de suas experiências sociais e históricas.

12 E uma preocupação básica deve estar presente nos estudos das relações entre natureza e sociedade nesses níveis de ensino: superar a superficialidade com que o tema vem sendo tratado. Temos convivido com uma tendência que merece essa crítica: muitas propostas se resumem a fornecer às crianças informações superficiais, estanques e desarticuladas sobre bichos e plantas. O estudo sobre as relações da sociedade com a natureza merece um pouco mais de atenção. A degradação ambiental Para compreender a relação da sociedade com a natureza, tema central do nosso estudo, é importante identificar alguns marcos históricos da nossa preocupação com o ambiente, presente hoje em toda a sociedade considerando, é claro, suas contradições. Essa preocupação sempre esteve presente, em toda a história da humanidade. Nos escritos filosóficos, pré-científicos e científicos, assim como nas obras de arte, desde a Antiguidade, podemos encontrar a natureza tematizada pelas reflexões acerca da natureza humana ou simplesmente pela expressão da beleza do ambiente natural. Isso nos leva a considerar que a relação da sociedade com a natureza sempre foi tema de interesse. Mas é importante perceber que, a cada momento histórico, essa relação foi tratada de forma específica, contextualizada na dinâmica da vida social. Nesse sentido, apenas no século XX a preocupação com a natureza constituiu-se na forma como a conhecemos hoje. As modificações no mundo do trabalho trazidas pela Revolução Industrial (final do século XVIII) transformaram a vida das pessoas, as relações sociais e as relações dos sujeitos com a natureza. A revolução do modelo de produção articulado com a nova ciência, a ciência moderna, promoveu o desenvolvimento econômico e científico em um ritmo espantosamente acelerado. A humanidade entrou na modernidade com uma nova estruturação do poder científico, político e social, e transformou sua relação com o ambiente natural. Por essas razões, as relações da natureza com a sociedade têm hoje que ser estudadas a partir da degradação ambiental. Santos (1997) identifica a degradação ambiental como um dos problemas fundamentais nos diferentes espaços- -tempo, refletindo sobre seu caráter contraditório e internacional: Qual o impacto da degradação ambiental nas relações Norte/Sul? O fato de esse impacto ser crescentemente global parece indicar que não há face a ele a possibilidade de uns só retirarem vantagens e outros só desvantagens, pelo que será natural a solidariedade internacional para o enfrentar. Na verdade, nada parece mais difícil que a construção da solidariedade nesse domínio. Em primeiro lugar, a gravidade do problema ambiental reside antes de mais nada no modo como afetará as próximas gerações, pelo que a sua resolução assenta forçosamente num princípio de responsabilidade intergeracional e numa temporalidade de médio e longo 12

13 prazo. Sucede, porém, que tanto os processos políticos nacionais, como os processos políticos internacionais, são hoje, talvez mais do que nunca [no século XX], dominados pelas exigências a curto prazo. Acresce que no Norte a proeminência dos mercados financeiros e de capitais atua no mesmo sentido, penalizando qualquer estratégia empresarial, assumida ou imposta, que diminua a lucratividade do presente, mesmo que em nome de uma lucratividade maior, mas necessariamente incerta, no futuro. Nos países do Sul os processos político-econômicos são ainda mais complexos. Por um lado, a industrialização de muitos países periféricos e semiperiféricos nas décadas de 1980 e 1990 ocorreu na mira de força de trabalho abundante e barata e de uma maior tolerância social e política da poluição. Nessas condições, qualquer medida pró-ambiente seria contra a lógica do investimento efetuado com as consequências previsíveis. (SANTOS, 1997, p ) O conflito de interesses que se expressa na discussão internacional sobre a degradação ambiental pode ser percebido em diferentes momentos da trajetória histórica da preocupação ambiental. Isso significa dizer que, embora a preocupação com a degradação ambiental tenha evoluído na história da humanidade, essa preocupação não é igual para todos os sujeitos sociais, expressando as contradições das sociedades atuais. Nesse sentido, para iniciar os estudos sobre a relação da natureza com a sociedade, é importante que pensemos sobre as diferentes concepções dessa relação, estudadas por diferentes autores que se dedicam aos estudos socioambientais. As representações de natureza em nossa sociedade Partindo do pressuposto de que o conceito de natureza é diferente para os diferentes atores sociais, assim como é diferente o conceito de sociedade, vejamos aqui algumas representações de sociedade e de natureza. Algumas delas são ingênuas, outras são próximas da representação harmônica dessa relação, outras ainda se aproximam da representação prática, pragmática, da relação da sociedade com a natureza, e temos ainda aquelas que expressam a relação conflituosa, de caráter mais crítico. Em primeiro lugar, pensemos que representações são formas de expressão que não se constituem em concepções mais elaboradas, mais aprofundadas, mais refletidas e pensadas sobre o mundo e as coisas. Podemos dizer que representações de natureza e sociedade são formas muito imediatas e primitivas, baseadas no senso comum. Os estudos sobre representações sociais têm como importante referência o trabalho de Moscovici (1978) sobre as representações sociais da psicanálise. Nesse estudo, o autor analisa como e por que alguns conceitos da teoria psicanalítica, tão complexa, estão presentes nos diálogos 13

14 14 cotidianos, embora nem sempre no sentido conceitual dado por seus formuladores. Complexo, trauma e inconsciente são exemplos de apropriação desses conceitos pela população, constituindo-se no que Moscovici chamou de representações sociais. As diferentes formas de representação da natureza e da sociedade que aqui abordaremos também se explicam por esse processo de apropriação imediata de conceitos ecológicos e sociológicos, políticos e filosóficos que compõem o campo do conhecimento socioambiental. Para que as relações entre sociedade e natureza sejam tematizadas em um processo educativo, é importante que seus agentes educandos e educadores ultrapassem o senso comum dessas representações em busca de uma compreensão mais aprofundada, filosófica (SAVIANI, 1991). Reigota (1995a) nos mostra a importância dos estudos das representações sociais do meio ambiente como ponto de partida para um processo educativo ambiental mais consciente e consequente. Nesse sentido, trata-se de superar as definições restritivas de meio ambiente (representações sociais) em busca de definições mais complexas (concepção filosófica). O conceito de ambiente é bem mais complexo do que o de natureza. Estudemos, então, algumas das representações de ambiente mais encontradas em nossa sociedade: as representações naturais, utilitárias e críticas de ambiente (TOZONI-REIS, 2004). As representações de ambiente identificadas como representações naturais da relação das sociedades com a natureza expressam-se pela ideia de que a posição dos sujeitos no ambiente é definida pela própria natureza e que os estudos sobre as relações entre natureza e sociedade no âmbito educativo têm como função reintegrar esses sujeitos à natureza e, por consequência, adaptá-los à sociedade. Essa representação, ingênua, tem caráter fortemente imobilizador pois, ao defender a adaptação dos sujeitos ao ambiente natural, ela não potencializa o processo de conscientização exigido pelas posturas mais críticas. Lembremos que a educação como função adaptadora em relação à sociedade é o fundamento filosófico- -político da educação moderna: as instituições educativas (principalmente a família e a escola) sempre estiveram vinculadas estrategicamente às relações de produção. Na sociedade moderna, a escola se consolidou como principal instituição formadora para o trabalho moderno, industrial. Essa formação não diz respeito somente à dimensão técnica dos processos de trabalho mas principalmente à dimensão política: a formação cultural ideológica dos indivíduos para o trabalho industrial (ENGUITA, 1989). Seu fundamento está no controle do tempo, na eficiência, na ordem e na disciplina, na subserviência etc. Então, a educação adaptadora, disciplinatória,

15 tem origem histórica nas teorias não críticas (SAVIANI, 1983), adaptadoras, geradas no início do processo de industrialização e a seu serviço. Assim, as representações naturais e ingênuas do ambiente levam a processos educativos das relações entre natureza e sociedade baseados em formas disciplinatórias (TOZONI-REIS, 2006), objetivando a mudança de comportamento dos sujeitos em busca de comportamentos considerados ambientalmente corretos, configurando-se, como nos ensina Brügguer (1994) em um adestramento ambiental. Assim, também temos que buscar a superação do caráter moralista e moralizante que podemos observar em algumas ações educativas (LOUREIRO, 2004) que se fundamentam nessas representações. Nas representações de ambiente em que os sujeitos sociais têm domínio sobre a natureza, principalmente por meio dos conhecimentos produzidos pela ciência sobre seus processos, temos as representações utilitárias, nas quais encontramos a ideia de que a preocupação das sociedades com o ambiente natural tem sentido utilitário, isto é, a lógica é estritamente econômica, poupadora. A ideia-síntese aqui diz respeito ao cuidado com o ambiente natural como poupança, isto é, os recursos naturais devem ser cuidados para que continuem sendo recursos, mercadorias, para serem explorados por mais tempo. Fundamentados nessas representações, os processos educativos que problematizam a relação da natureza com a sociedade têm como principal tarefa a transmissão/aquisição de conhecimentos técnico-científicos, considerados também como princípio de organização da própria sociedade (TOZONI-REIS, 2006). Nas concepções críticas de ambiente, encontramos a ideia de que a relação entre homem e natureza é construída pela história social. As teorias críticas de interpretação da realidade fundamentam a ideia de que as formações econômicas da sociedade capitalista são as condições históricas determinantes da vida dos sujeitos. Nesse sentido perpassam as propostas educativas fundamentadas nessas teorias, as categorias de totalidade, concretude, historicidade e contraditoriedade em um movimento (dialético) que dá forma histórica e social à relação dos sujeitos com a natureza. A história é, então, a força construtiva das relações sociais, e as relações sociais são a força construtiva da relação dos sujeitos com o ambiente em que vivem (TOZONI-REIS, 2004). As ideias educativas que emergem dessa concepção histórica das relações sociais dizem respeito à formação humana: o desenvolvimento pleno dos sujeitos, construídos pelo processo de humanização, que é histórico, concreto e dialético, e é expresso pela prática social, faz 15

16 a estrutura das ideias educativo-pedagógicas desse referencial. Os temas educativos e as ideias sobre escola tomam a centralidade do trabalho como base teórica: a escola formativa, desinteressada, é a expressão gramsciana de uma proposta educativa em que a preparação para o trabalho não é o objetivo da educação (técnica, de treinamento, profissionalizante), mas o princípio (filosófico e político, humanizador) da organização da educação e do ensino (TOZONI-REIS, 2006). Dessa forma, a concepção crítica da relação entre sociedade e natureza implica um processo educativo com a função de instrumentalizar os sujeitos para uma prática social ecológica e democrática, uma prática social transformadora. Assim, para que os temas natureza e sociedade sejam tratados de forma mais aprofundada na Educação Infantil, a identificação das representações de ambiente que as crianças trazem é ponto de partida para um processo de construção, junto às crianças, de um conceito mais complexo de ambiente. As diferentes concepções de natureza Continuando nossas reflexões acerca da necessidade de pensarmos o ambiente e as relações da sociedade com a natureza de forma mais complexa e ampliada, vejamos como foi e como é concebida a natureza em nossa sociedade (PORTO-GONÇALVES, 1990). Podemos buscar na Filosofia, na História e na Economia subsídios teóricos para a compreensão do conceito de natureza. A história da filosofia nos traz importantes contribuições para o estudo do conceito filosófico de natureza. Duarte (1986) estudou o conceito de natureza nos diferentes momentos da história da humanidade como concepção mágica da natureza (humanidade primitiva); como passagem da concepção mágica à concepção científica da natureza (pensamento clássico grego); como concepção mecanicista (revolução mecanicista); como concepção hegeliana de natureza (pensamento dialético). Na concepção mágica temos uma total antropomorfização (antro: homem, ser humano ) da natureza. Considerada a primeira concepção de natureza da história, caracteriza-se como mágica porque o homem primitivo projetava na natureza traços humanos. Assim, a natureza é valorizada a partir das necessidades dos seres humanos. A natureza é humanizada, antropoformizada, tem comportamentos humanos (a árvore sente, pensa ou quer, por exemplo), por isso a chamamos de concepção mágica de natureza. 16

17 Já no pensamento clássico grego, essa concepção sofreu uma modificação que se caracterizou pela passagem da concepção mágica à concepção científica de natureza (DUARTE, 1986). Nesse momento, apareceu uma certa objetividade no conhecimento da natureza, a ideia de domínio, de relação utilitarista do homem com a natureza estava se desenvolvendo. O homem estava na natureza. A ideia de que o homem transcende a natureza também esteve presente no cristianismo da Idade Média o homem sendo o elo privilegiado entre a natureza e Deus. A relação utilitarista estava implícita na ideia de que a natureza existe para servir ao homem, que era a imagem e criatura de Deus. Assim, essa concepção de natureza ainda era de natureza orgânica, a qual se sustentava na ideia de que o mundo está organizado segundo um sistema de relação orgânica entre as partes, que não são autônomas ou independentes. Podemos relacionar a visão orgânica com a visão mágica de natureza, caracterizada por projetar na natureza traços humanos, a natureza sendo vista como algo humanizado e vivo: o organismo. E é importante resgatarmos na história da filosofia a concepção mecanicista, científica, da natureza, construída pela revolução mecanicista, científica, do século XVII. As ideias produzidas e divulgadas por esse movimento histórico trouxe a substituição da concepção orgânica pela concepção mecânica do mundo e, portanto, da natureza. Essa concepção mecânica do mundo entende o funcionamento dos processos naturais como semelhante ao de uma máquina, em especial o mecanismo do relógio. Ao descrever a analogia entre máquina e vida biológica, Channel (1991) demonstra como essa concepção se propagou a partir da revolução científica ou revolução mecanicista e se incorporou no pensamento moderno. A ideia principal é a de que a natureza tem um funcionamento semelhante a uma engrenagem, dividida em partes. Essa concepção tem a marca do pensamento de Descartes, que fundamenta a ciência moderna ainda hoje, apesar de todas as discussões sobre sua superação. A lógica antropocêntrica é muito anterior a Descartes, mas a ciência moderna, fortemente apoiada no pensamento cartesiano, resgatou e fortaleceu o antropocentrismo. A crítica à lógica antropocêntrica é a preocupação central de alguns daqueles que tratam do tema ambiental. No entanto, é preciso refletir sobre o conteúdo dessa crítica: é simplista a ideia de que a solução dos problemas ambientais ocorrerá pelo deslocamento do homem como dominador da natureza para o homem como mais um elemento da natureza. O pensamento científico (nos séculos XVI e XVII, Copérnico e Galileu contribuíram para revolucioná-lo) foi organizado sistematicamente por Bacon, que 17

18 desenvolveu o método empírico na ciência. O objetivo das ciências era dominar e controlar a natureza. Se na Antiguidade a sabedoria servia para a compreensão da ordem natural da vida, no século XVII, como afirmou Capra (1993) ela passa da integração para a autoafirmação. Essas ideias foram depois desenvolvidas por Descartes e Newton. A concepção cartesiana caracteriza a ruptura entre homem e natureza, pois o domínio da natureza pelo homem se dá, nessa concepção, por meio da ciência (o instrumento). Nessa lógica, a ciência permite a intervenção na natureza com objetivos práticos e econômicos, emancipando o homem de sua dependência da natureza, considerada aqui primitiva, pré-científica. Com a subordinação à lógica antropocêntrica pelo pensamento científico moderno, a concepção da natureza como selvagem e perigosa foi superada, a natureza sendo então dominada pelos homens. Com o desenvolvimento do pensamento dialético, havendo a superação da dialética idealista de Hegel por Marx, a relação entre homem e natureza passou a ser concebida como uma construção histórica e social. Isto é, a concepção de natureza, e da relação da sociedade com a natureza, é resultado das relações que os sujeitos produziram histórica e socialmente. Isso significa dizer que, se temos hoje muitos problemas ambientais, eles não são resultado de ações naturais dos sujeitos sobre o meio, mas de ações intencionais, decididas pelas formas de organização da vida dos sujeitos em sociedade em particular, as formas econômicas. Observemos que, em nossas sociedades desiguais, os sujeitos não decidem, juntos e coletivamente, as formas de se relacionar com a natureza e que os problemas ambientais vividos por todos são resultado da decisão daqueles que têm mais poder econômico e político na organização da sociedade. Assim, se a relação entre sociedade e natureza subjacente à lógica formal cartesiana separa o universo em objetos/partes e dá ao homem o poder de dominá-los, a lógica dialética compreende essa relação permeada pela totalidade, pela contradição e pela intencionalidade humana. O ser humano, segundo essa concepção, é sujeito histórico da construção de sua relação com a natureza. Se a natureza é o corpo inorgânico do homem, a extensão de seu limitado e incompleto ser biológico, ele transforma-se em natureza, assim como transforma a natureza em homem: o homem vive da natureza, quer dizer: a natureza é seu corpo, com o qual tem que se manter em permanente intercâmbio para não morrer (MARX, 1993, p. 164). Essa ideia de intercâmbio parece superar a ideia utilitarista ou a ideia de superioridade que indicam ruptura entre o homem e a natureza, assim como a ideia de relação natural, idílica, do homem com a natureza. 18

19 Para a ampliar nossa própria concepção acerca da relação entre a natureza e a sociedade, passamos agora a refletir sobre sua dimensão econômica. As relações econômicas estabelecidas na sociedade moderna pelo novo modelo de produção o capitalismo industrial levaram a uma aceleração, sem precedentes, da degradação ambiental. A desenfreada transformação da natureza em mercadoria esgotou de tal forma os recursos naturais (que não se renovam na mesma velocidade com que são retirados) que originou a busca de estratégias mundiais de controle (TOZONI-REIS, 2004). Por outro lado, é preciso perceber que, em função dos interesses econômicos internacionais, os países mais ricos tendem a cobrar dos países mais pobres a diminuição do uso dos recursos sem criar, eles próprios, estratégias para isso. Conclusão Vimos, nesta aula, a importância de aprofundarmos nossas concepções acerca de natureza e ambiente como forma de melhor compreender as relações entre natureza e sociedade. Algumas representações, mais restritas ou mais complexas, foram aqui apresentadas. Vimos como essas representações de natureza e da relação sociedade e natureza são a base teórica para ações educativas cujos princípios, objetivos e estratégias não são iguais para todos aqueles que a praticam. Isso significa dizer que há diferenças conceituais que resultam na construção de diferentes práticas educativas ambientais que tematizam a relação entre sociedade e natureza. Essas diferenças conceituais foram sintetizadas em alguns grandes grupos: os que pensam que o processo educativo tem como tarefa promover mudanças de comportamentos ambientalmente inadequados (a educação ambiental de fundo disciplinatório e moralista, como adestramento ambiental ); aqueles que pensam esse processo como responsável pela transmissão de conhecimentos técnico-científicos sobre os processos ambientais que teriam como consequência o desenvolvimento de uma relação mais adequada com o ambiente (a educação ambiental centrada na transmissão de conhecimentos) e aqueles que pensam a educação como um processo político de apropriação crítica e reflexiva de conhecimentos, atitudes, valores e comportamentos que têm como objetivo a construção de uma sociedade sustentável do ponto de vista ambiental e social (a educação ambiental transformadora e emancipatória). 19

20 Podemos perceber, nessas diferentes abordagens, que a educação que tematiza a relação entre sociedade e natureza pode ter uma perspectiva adaptadora, na medida em que parte de uma análise acrítica das relações sociais e históricas dos sujeitos com o ambiente, ou pode ter uma perspectiva transformadora, partindo de uma análise crítica das relações dos sujeitos com o ambiente em que vivem, as quais são determinadas pelas formas históricas da organização das sociedades e cuja marca tem sido a desigualdade. Se o pensar e o agir educativo sobre o ambiente exigem definição conceitual, também é importante que as representações da relação entre sociedade e natureza sejam estudadas, analisadas e refletidas para que, mais competente e consequente, conceitual e praticamente, o processo educativo cumpra seu papel respondendo às expectativas que temos criado sobre sua atuação (TOZONI-REIS, 2005). A concepção histórico-social tem sido, portanto, segundo o paradigma que orienta as discussões aqui empreendidas, a mais própria para compreender, da forma mais complexa possível, essa relação. Trata-se de levar em conta as formas históricas de organização dos homens em sociedade e sua relação, também histórica, com a natureza. Isso significa dizer que as formas predatórias com que historicamente nos relacionamos com o ambiente natural, assim como o ambiente social, foram escolhas que a humanidade fez com relação à organização da sociedade. A ideia central é que cada sociedade se relaciona com a natureza da forma como escolheu, historicamente. Essa tendência é caracterizada pela ideia de que a relação entre homem e natureza é construída pela história social e que, portanto, a educação, em particular na sua dimensão ambiental, tem como função instrumentalizar os sujeitos para uma prática social ecológica e democrática. É o pensamento marxista o principal referencial epistemológico das concepções críticas de ambiente e de educação. Na teoria marxista de interpretação da realidade, as formações econômicas da sociedade capitalista são as condições históricas determinantes da vida dos sujeitos. Nesse sentido, perpassam essa interpretação as categorias de totalidade, concretude, historicidade e contraditoriedade em um movimento (dialético) que dão forma à relação da sociedade com a natureza. A história é, então, a força construtiva das relações sociais, e as relações sociais são a força construtiva da relação dos sujeitos com o ambiente em que vivem. As ideias educativas que emergem dessa concepção histórica das relações sociais dizem respeito à formação humana: o desenvolvimento pleno dos sujei- 20

Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental

Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental Marília Freitas de Campos Tozoni-Reis Metodologias Aplicadas à Educação Ambiental 2.ª edição Edição revisada IESDE Brasil S.A. Curitiba 2012 2006-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida

Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Profa. Lucy Almeida Unidade II EDUCAÇÃO AMBIENTAL Profa. Lucy Almeida Ecocidadania e movimentos sociais Crise ambiental do mundo globalizado: A crise ambiental do mundo globalizado trouxe a necessidade de se desenvolver a

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7

Sumário. Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 5 Sumário Prefácio: A dimensão freireana na Educação Ambiental Philippe Pomier Layrargues... 7 Educação ambiental crítico transformadora no contexto escolar: teoria e prática freireana Juliana Rezende

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Everson Melquiades Araújo Silva 1 Clarissa Martins de Araújo 2 RESUMO O objetivo desse estudo é recuperar nas obras de

Leia mais

DIDÁTICA e DOCÊNCIA Ensinar a Ensinar & Ensinar e Aprender

DIDÁTICA e DOCÊNCIA Ensinar a Ensinar & Ensinar e Aprender DIDÁTICA e DOCÊNCIA Ensinar a Ensinar & Ensinar e Aprender PIMENTA, Selma G. Profa. Titular e Pesquisadora GEPEFE-FEUSP sgpiment@usp.br Simpósio sobre ensino de Didática LEPED UFRJ março 2012 SUMÁRIO CONCEITUAÇÕES:

Leia mais

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação

A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação A Educação Infantil é apresentada na atual legislação brasileira como a primeira etapa da educação básica, onde a prática pedagógica deve favorecer a construção do conhecimento das crianças de 0 a 6 anos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR P L A N E J A M E N T O Projeto PolíticoPedagógico Proposta Pedagógica curricular Plano de Trabalho Docente Plano

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Sala 03- EJA e Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Ana Sheila Soares Mascarenhas Rodrigo Pereira Universidade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS

EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS 1 EDUCAÇÃO, ESCOLA E TECNOLOGIAS: SIGNIFICADOS E CAMINHOS Daniela da Costa Britto Pereira Lima UEG e UFG Juliana Guimarães Faria UFG SABER VI Ensinar a compreensão 5. Educação para uma cidadania planetária

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

II Fórum de Educação Alimentar e Nutricional para Promoção da Saúde e Direito Humano à Alimentação Adequada

II Fórum de Educação Alimentar e Nutricional para Promoção da Saúde e Direito Humano à Alimentação Adequada II Fórum de Educação Alimentar e Nutricional para Promoção da Saúde e Direito Humano à Alimentação Adequada ESTÁGIO CURRICULAR EM EDUCAÇÃO NUTRICIONAL : EXPERIÊNCIA DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM NUTRIÇÃO

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física

Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da Física Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Uma Pedagogia Multidisciplinar, Interdisciplinar ou Transdisciplinar para o Ensino/Aprendizagem da

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais