FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Paula Márcia Espíndola Priscila Aparecida de Paula Santos A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Paula Márcia Espíndola Priscila Aparecida de Paula Santos A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL"

Transcrição

1 FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Paula Márcia Espíndola Priscila Aparecida de Paula Santos A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Pindamonhangaba SP 2009

2 Paula Márcia Espíndola Priscila Aparecida de Paula Santos A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia apresentada como parte dos requisitos para obtenção do Diploma de Pedagogia da Faculdade de Pindamonhangaba. Orientadora: Profª. Drª. Maria Teresa de Moura Ribeiro. Pindamonhangaba SP 2009

3 PAULA MÁRCIA ESPÍNDOLA PRISCILA APARECIDA DE PAULA SANTOS A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia apresentada como parte dos requisitos para obtenção do Diploma de Pedagogia da Faculdade de Pindamonhangaba. Data: Resultado: BANCA EXAMINADORA Prof. Faculdade de Pindamonhangaba Assinatura Prof. Faculdade de Pindamonhangaba Assinatura Prof. Faculdade de Pindamonhangaba Assinatura

4 Paula Dedico este trabalho ao bom Deus que esteve presente em minha vida durante todo o processo. Aos meus pais, namorado e toda sua família, que se tornou também a minha, e me apoiou e acreditou em meu potencial.

5 Priscila Dedico este trabalho primeiramente a Deus, que nunca me desamparou, a minha mãe que sempre acreditou em mim e ao meu esposo que esteve sempre ao meu lado.

6 AGRADECIMENTOS PAULA A Deus que me concedeu essa oportunidade de estudo. Aos meus pais e irmãos que acreditaram em mim. Ao meu namorado e sua família em especial a seus pais que, nas dificuldades e conquistas, estiveram presentes em todos os momentos desta caminhada, me apoiando e depositando confiança em meu potencial. Aos professores que contribuíram para a minha formação profissional e, em especial, a Profª. Drª Maria Teresa de Moura Ribeiro que orientou este trabalho com dedicação, recebendo-nos com carinho e boa vontade no desenvolvimento deste trabalho e ao Prof. Dr. Alan Ricardo de Souza Araújo pelo incentivo em suas aulas em nos preocupar com uma ética consigo, com o outro e com o meio em que habitamos em uma doação recíproca com a natureza. Aos amigos quais conquistei neste percurso, e partilharam junto a mim de momentos tristes e felizes.

7 PRISCILA Agradeço, em primeiro lugar, a Deus por ter permitido que eu chegasse até aqui e realizasse um sonho que um dia julguei impossível, mas hoje se torna realidade. Aos meus pais, a quem tanto amo. As minhas irmãs, pelo apoio e incentivo, apesar da distância. Ao meu esposo André, que esteve sempre ao meu lado. Aos professores da Faculdade e, em especial, à Profª. Drª. Maria Teresa de Moura Ribeiro pela amizade, compreensão e dedicação com que orientou esse trabalho e ao Prof. Dr. Alan Ricardo de Souza Araújo que me proporcionou em suas aulas reflexões sobre a nossa relação com o planeta Terra. Aos amigos que, no decorrer dessa caminhada em direção a conquista, compartilhamos de muitos momentos prazerosos.

8 Quando a última árvore tiver caído, quando o último rio tiver secado, quando o último peixe for pescado, vocês vão entender que dinheiro não se come. Greenpeace

9 RESUMO Neste trabalho analisamos a forma como a Educação Ambiental é abordada na Educação Infantil. Para isso, verificamos os livros didáticos adotados por uma instituição em nível de maternal II e jardim e aplicamos um questionário para os professores destes níveis. Os resultados indicaram que ao tema não é dada a devida importância pelo professores e que o material estudado aborda de forma superficial a questão. Tais resultados são preocupantes uma vez que a intervenção do educador é fundamental para a formação de hábitos na criança. É necessário que o próprio educador seja exemplo, acredite no que ele transmite e construa conhecimentos que permitem a criança crescer com uma visão mais ampla sobre os recursos naturais como matéria prima, suas formas de preservação e utilizações no dia a dia. Palavras-chave: Educação Ambiental; Educação Infantil; Consciência Ecológica.

10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MUNDO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ANÁLISE DO MATERIAL DIDÁTICO MATERIAL: Livro do Maternal II MATERIAL: Livro do Jardim ANÁLISE DO QUESTIONÁRIO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 58

11 10 INTRODUÇÃO Para iniciarmos o nosso trabalho é importante reconhecermos que o ser humano não é só matéria física e razão, mas também sentimento. Por isso é oportuno e necessário comovê-lo para com as maravilhas da natureza e a sua essência para a vida, pois se o educador conseguir atingir nesses aspectos os seus alunos ele estará mais próximo de alcançar consciências em prol da humanidade. Todavia, essa consciência só se atingirá plenamente se o educador não trabalhar este conteúdo apenas porque faz parte do currículo, mas por acreditar que este trabalho provocará mudanças futuras em algo que ele tem como imprescindível à vida. Sendo assim, a Educação Ambiental auxilia o homem em seu conjunto a construir valores sociais, conhecimentos, atitudes e capacidades voltadas para a preservação do meio ambiente, bem de uso comum. Uma educação constante que envolve o respeito à vida de todas as espécies. O que nos preocupa é se essa Educação Ambiental, voltada ao público infantil, alcançará seus objetivos a tempo de salvar o mundo de uma catástrofe previsivelmente anunciada. Entretanto, embora o tempo seja limitado acreditamos que as crianças conscientes educarão os seus pais, com suas atitudes, tornandose pequenos agentes ativos na transformação de uma educação, não somente institucional, mas uma educação de valores da própria vida. Esta será uma somatória de comportamentos e hábitos transmitidos que farão parte de uma sociedade ecologicamente sustentável. Nesse contexto, a escola, cada vez mais cedo, tem se tornado responsável pela formação do indivíduo. Além de seu caráter pedagógico é responsável pela transmissão de valores sociais, culturais e religiosos. Com base nesse contexto, ela deve propiciar situações de reflexão a seus alunos a respeito do meio ao seu redor. Tais reflexões devem obedecer à faixa etária em que a criança se encontra, utilizando-se de mecanismos que a seduzam e que satisfaçam as suas necessidades de criança. Um trabalho que motive os alunos e que atinja os objetivos propostos pelo educador.

12 11 Contudo, pouco tem sido feito sobre a questão ambiental nas instituições infantis e, devido à urgência de senso de responsabilidade com o planeta, tendo em vista o desequilíbrio ecológico e um futuro próximo de falta de água potável, faz se necessário que o educador utilize-se de grande variedade de recursos pedagógicos para desenvolver no aluno o respeito pelo ambiente em que vive, de forma a garantir o futuro do planeta Terra. Para o desenvolvimento desta monografia, partiremos dos seguintes questionamentos: O que a literatura sugere para o desenvolvimento de trabalhos educativos com a Educação Ambiental?; O que os livros didáticos propõem para trabalhar o Meio Ambiente na Educação Infantil?; O que os professores da Educação Infantil de duas escolas da Rede Municipal de Ensino efetivamente trabalham em sala de aula visando a Educação Ambiental? Partindo dessas indagações teremos como objetivo investigar se as instituições de Educação Infantil têm trabalhado no sentido de desenvolver nos alunos a consciência ambiental. No primeiro capítulo de nosso trabalho faremos um pequeno histórico da Educação Ambiental com o objetivo de melhor compreendermos o contexto dos acontecimentos políticos e históricos ambientais presentes. No segundo capítulo abordaremos o que os teóricos pensam sobre o desenvolvimento de um trabalho de Educação Ambiental com crianças. No terceiro capítulo serão descritos os procedimentos metodológicos utilizados para a análise do material didático e para a aplicação do questionário. No quarto capítulo será feita a análise do material didático de uma escola municipal de Educação Infantil. No quinto capítulo será feita a análise do questionário aplicado aos professores de uma rede municipal de Educação Infantil.

13 12 1 HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL É importante refletir sobre a relação entre o homem e o ambiente natural e como esta vem se desenvolvendo, para isso temos de estar atentos ao contexto político e histórico dos acontecimentos ambientais, visto que esses acontecimentos vêm ocorrendo de modo linear e, deste modo, torna-se possível analisar o presente e verificar as possibilidades de previsões para o futuro nesse campo. Segundo Figueiredo (2006), com o surgimento do homo sapiens, nasceu também um modo de relação com o meio. Nós, seres humanos, diferentes dos animais interferimos muito no meio em que habitamos, adequando-os ao nosso modo de vida. A situação dos primeiros habitantes de nossa espécie era muito precária para a sobrevivência, eles colhiam frutos, raízes, folhas e pequenos animais, modificavam tocas e cavernas para torná-las abrigos para os grupos humanos. Com a sua inteligência os ancestrais foram aperfeiçoando as técnicas e ferramentas para conseguir seus alimentos. No entanto, comparada aos dias atuais, agrediam pouco ao meio ambiente. Ainda de acordo com Figueiredo (2006), a agricultura emergiu-se há 12 mil anos atrás onde hoje se situa o Iraque, sendo o primeiro passo, um salto evolutivo para que nômades pudessem se fixar a um determinado local escolhido e se dedicar a outras atividades. Com a agricultura veio à substituição da vegetação nativa pela cultura de pouca espécie, domesticação dos animais, queimadas para a limpeza das áreas de plantio, desvios de rios e abundância de alimentos, tudo isso interferiu bruscamente na paisagem natural, iniciando-se profundas mudanças na relação do homem com a natureza. Outra mudança conforme Figueiredo (2006), veio a a.c., na Mesopotâmia, onde surgiram as primeiras vilas rurais. Com o nascimento da cidade, o ser humano passou a se distanciar da natureza, se vendo fora dela, criando uma visão de medo da natureza selvagem. Essa mentalidade de separação entre urbano e rural/natural durou ainda muitos séculos e hoje é um dos pontos nevrálgicos na nossa atual crise da Modernidade, cujas raízes datam do final da Idade Média. (FIGUEIREDO, 2006, p. 2).

14 13 Esse contexto foi importante para analisarmos as mudanças ocorridas no mundo e entendermos a história de nosso país. Com o descobrimento do Brasil de acordo com Figueiredo (2006), a população indígena diminuiu muito e iniciou-se a exploração das riquezas brasileiras, entre elas o Pau Brasil. Motivado pelos diversos ciclos econômicos de abuso da terra essa exploração segue pelo país. Nessa mesma época, na Europa, começou a ficar intensos os problemas ambientais e sanitários decorrentes de pouca higiene, baixa qualidade de vida e superpopulação. Em 1667, por exemplo, morre um terço da população Inglesa devido à peste bubônica. Em 1840 um tipo de fungo devasta a produção de batatas (trazidas das Américas), matando um milhão de pessoas de fome. Em 1835 a população humana chega ao seu primeiro bilhão. Hoje, apenas 175 anos depois, já somos 6,5 bilhões. Ainda de acordo com Figueiredo (2006), foi ao século XIX que a sociedade ocidental começou a perceber os impactos que os seres humanos vinham causando na natureza, a partir daí Thomas Huxley escreve Evidências sobre o lugar do Homem na Natureza que mostra a interdependência entre seres humanos e outros seres vivos e, em 1866 o biólogo alemão Ernst Haeckel propõe o termo Ecologia para o estudo das relações dos seres vivos entre si e com o meio. Segundo Figueiredo (2006), no século 20 seguem grandes descobertas na área das ciências naturais (Teoria da Relatividade, Radioatividade e Microbiologia). Em 1952 o smog, poluição do ar causada pelo ozônio e outros compostos originados por reações fotoquímicas e químicas causadas pela luz solar, no qual o efeito visível disto é uma camada roxa acinzentada na atmosfera, matou 1600 ingleses. Em 1962, conforme Figueiredo (2006), a jornalista Rachel Carson lança Primavera Silenciosa, um livro que denuncia impactos do uso contínuo de Diclorodifeniltricloretano (DDT), este é considerado o marco do movimento ambientalista e fez com que muita gente começasse a pensar na questão ambiental de forma mais profunda. Figueiredo (2006) destaca na década de 60 o Movimento Ecológico em meio ao nascimento do movimento hippie e em meio a um clima de muito questionamento da ordem vigente, momento em que o desejo de transformação da realidade se

15 14 encontra no auge, assim a população apresenta várias concepções sobre idéias ecológicas. Figueiredo (2006) aponta o surgimento do termo Educação Ambiental em um Congresso de Educação na Inglaterra, no ano de 1965, ligado ao ensino de Ciências. Acreditava-se que era preciso aproximar as crianças da cidade a um ambiente mais natural e intocado, enquanto ainda era tempo. Iniciava-se a prática da Educação Ambiental na Educação Infantil, pois começa a perceber a criança como um elo de transformação da nova realidade, através do contato com o meio natural e do ensino de práticas e hábitos conscientes desde a tenra idade. E, no ano de 1968, uma reunião com 30 especialistas, O Clube de Roma, como ficou conhecido, gerou um relatório denominado Os limites do crescimento, apontando a notícia alarmante, a busca incessante pelo crescimento material da sociedade a levaria a um colapso. Nesse momento nota-se que o consumismo, a importância dada ao ter por ter, pelo prazer e não pela necessidade, geraria uma maior produção de bens materiais, na preocupação apenas de vender, comercializar, lucrar e isto, conseqüentemente, contribuiria para aceleração da extinção dos recursos naturais. Neste contexto, em nossos tempos, Tiriba (2005) afirma ter sido um meio de desenvolver os interesses do mercado e não destinado ao bem-estar e felicidade dos povos e espécies. Em meados da década 70, de acordo com Figueiredo (2006), ocorre a Conferência de Estocolmo na Suécia, este evento reuniu 113 países onde o tema meio ambiente entrou definitivamente para a pauta da Organização das Nações Unidas (ONU), foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). Apesar da resistência do Brasil em colaborar com a mesma, pois acreditava que a poluição era conseqüência do lucro, em 1971, por pressões internacionais, o Brasil cria a Secretaria Especial de Meio Ambiente (SEMA) com um número bastante expressivo de funcionários. Era o Brasil da ditadura militar que não priorizava a questão ambiental. E, em 1977 foi realizada a Conferência de Tbilisi realizada na Geórgia, extinta URSS de onde saíram os principais princípios e objetivos da Educação Ambiental atual.

16 15 Somente na década de 80 é que a questão ambiental passa a ser uma preocupação mais forte e institucional, tornando-se também um instrumento de luta social, conforme Figueiredo (2006). Assim, em 1984 é criado o Programa Nacional de Educação Ambiental e, em 1988 a Nova Constituição já a menciona como um direito de todos, nesse contexto ampliam-se as discussões sobre a questão ambiental enfatizando os buracos na camada de ozônio, o clorofluorcarbono (CFC), o aquecimento global, o desmatamento, a perda da diversidade, o esgotamento dos estoques de pesca etc. Neste mesmo ano um gás venenoso vaza de uma fábrica da Union Carbide e mata mais de duas mil pessoas em Bhopal na Índia. E, dois anos mais tarde, um dos reatores da usina atômica de Chernobyl na Urânia explode matando entre sete e dez mil pessoas e afetando outras quatro milhões, visto que a nuvem radioativa se espalha por outros cinco países europeus. Um ano depois é publicado o relatório Nosso Futuro Comum elaborado desde 1983 pela comissão Brundtland criada pela ONU. Outros congressos e encontros de Educação Ambiental são promovidos pelo mundo. No Brasil, Figueiredo (2006) aponta os acontecimentos em termos de políticas públicas na área ambiental, o maior evento realizado aconteceu em 90 no Rio de Janeiro a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (ECO 92 ou Rio 92), de onde surgiram os documentos que se tornariam marcos mundiais ( Agenda 21 e Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis ). O Fórum das ONGs, evento paralelo à ECO 92, foi um espaço de discussão muito importante. Segundo Santos (2007), com a Educação Ambiental no Brasil muitas políticas públicas foram criadas, como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) que incluíram o Tema Convívio Social, Ética e Meio Ambiente, inserida como um tema Transversal em 1997 e a criação da Política Nacional de Educação Ambiental criada em 1999 (PNEA 9795/1999). No próximo capítulo abordaremos o trabalho com a educação Ambiental no público específico da Educação Infantil, que é o foco de nosso interesse nesse estudo.

17 16 2 A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (RCNEI), (BRASIL, 1998) as crianças, ainda pequenas, no processo de interação com a natureza e sociedade vivem em constante aprendizado, isso pela sua espontaneidade em querer conhecer o que está ao seu redor. Sendo assim, se faz necessário que essas curiosidades do universo infantil sejam instigadas na busca de respostas para as suas indagações. Através da proximidade com o meio natural possibilitar que as crianças tornem-se conhecedoras do ciclo da natureza, de suas mudanças, limitações e suas reações diante das intervenções causadas pelo homem. Partindo da idéia de que a criança deve ter uma relação próxima com a natureza para assim poder respeitá-la, Tiriba (2005) apresenta os termos referentes às diferentes relações da ecologia. A ecologia pessoal diz respeito à qualidade das relações de cada ser humano consigo mesmo, a ecologia social está relacionada à qualidade das relações dos seres humanos entre si e a ecologia ambiental diz respeito às relações dos seres humanos com a natureza. Segundo Tiriba (2005), a relação homem e natureza expressa à dimensão do existir, definindo o equilíbrio para a qualidade de vida. O eixo Natureza e Sociedade do RCNEI (BRASIL, 1998), destinado ao tema ambiental, sugere que o conteúdo seja desenvolvido de forma integrada, respeitando as especificidades das fontes, abordagens e enfoques advindos dos diversos campos das Ciências Humanas e Naturais. Ainda de acordo com o RCNEI (BRASIL, 1998), ao trabalhar o conteúdo Natureza e Sociedade o professor deve partir de procedimentos como a utilização de recursos visuais, questionamentos, debates, observações, formulação coletiva e individual de conclusões e explicações sobre o tema, leitura e interpretação de diferentes registros e registros diversificados das informações coletadas, pois o contato, a discussão sobre o conteúdo de forma diversificada favorece a aquisição da aprendizagem, como mostra o RCN:

18 17 É importante que as crianças tenham contato com diferentes elementos, fenômenos e acontecimentos do mundo, sejam instigadas por questões significativas para observá-los e explicá-los e tenham acesso a modos variados de compreendê-los e representálos. (BRASIL, 1998, p. 166). Segundo o RCNEI (BRASIL, 1998), a brincadeira é um importante mecanismo de concretização dessa realidade, possibilitando que a criança reflita sobre o mundo, construindo suas próprias concepções, idéias e conhecimentos a respeito de si, do outro e do mundo. Na Educação Infantil os domínios e conhecimentos da criança estão em fase de desenvolvimento, sendo construídos de acordo com o interesse, criticidade e reformulação de explicações a respeito do mundo natural e social, desse modo é necessário que o contato da criança com o mundo se amplie, pois ela constrói sua aprendizagem por meio da concreticidade e da realidade vivida. É na escola que a criança desenvolverá esse contato com o mundo exterior e ampliará os conhecimentos, as experiências adquiridas no ambiente familiar, uma educação de princípios, esta que dará continuidade na relação com o outro, com o diferente no meio escolar, como afirma o RCN: Na instituição de educação infantil, a criança encontra possibilidade de ampliar as experiências que traz de casa e de outros lugares, de estabelecer novas formas de relação e de contato com uma grande diversidade de costumes, hábitos e expressões culturais, cruzar histórias individuais e coletivas, compor um repertório de conhecimentos comuns àquele grupo etc. (BRASIL, 1998, p. 181). Na escola, a criança, através de diferentes métodos utilizados pelo educador, começa a perceber-se como elemento integrante da natureza e esse processo de percepção da paisagem é fundamental para que ela inicie um maior contato com o meio. Perceber os elementos da paisagem de onde vive, de acordo com o RCNEI (BRASIL, 1998), é essencial para que a criança compreenda e intervenha na realidade social e natural. O ser humano modifica a paisagem ao seu redor ao mesmo tempo em que ela condiciona a vida do homem. Deste modo, a criança deve aprender que são várias as maneiras de relacionar-se com o meio e cada relação depende da época em que se vive. A observação da paisagem local, a utilização de registros que demonstrem as mudanças ocorridas com a paisagem ao longo do

19 18 tempo, a valorização de ações em prol dos espaços coletivos e naturais são conteúdos que devem ser trabalhados. Neste contexto, percebe a importância da interdisciplinaridade, relacionando a educação ambiental com a História em questões de tempo e as mudanças ocorridas com ele, utilizando-se de termos como na época da vovó podia-se tomar banhos em rios, desfrutando da pureza e da frescura de suas águas cristalinas. A questão interdisciplinar pode ser estendida a outras disciplinas para abordagem do tema ambiental, exemplificando a importância da interdisciplinaridade, Scheren e Scheren (2006), acreditam que a Educação Ambiental deve considerar o meio ambiente em sua totalidade, ser contínua, atingir todas as faixas etárias e ocorrer além das particularidades da escola, averiguando as questões ambientais locais, nacionais e internacionais, salientando a interdisciplinaridade. É interessante, na Educação Infantil, o estímulo a diferentes expressões lingüísticas, sendo a literatura um recurso importante para estabelecer relações de leitura, escrita e conhecimento de mundo, por essa razão a literatura contribui tanto para desenvolver essas habilidades como para despertar o interesse do aluno pelas questões da natureza e para ampliar suas curiosidades a respeito do mundo animal. Para Lopes (2007), a literatura contribui de modo alegre para incentivar as crianças a questionarem o mundo à sua volta, mais que diversão, distração e lazer ela é uma aventura espiritual com capacidade de levar as crianças a uma rica experiência de vida emocional e intelectual, sendo a literatura um meio de expressar nossas idéias, sentimentos e dialogar com as diversas áreas de saberes. Para tanto, os trabalhos em grupo e tarefas extra-classes como leituras e construções de textos coletivamente, pesquisas e dramatizações, permitem momentos de troca de experiências entre alunos-alunos e alunos-professor, sendo excelente oportunidade de explorar o que o aluno já sabe sobre o tema, constituindo um momento de avanço na relação do que já se sabe e do que virá a aprender em sala de aula. Para isso, segundo o RCNEI (BRASIL, 1998), é importante que os alunos sejam capazes de relacionar o tema abordado ao seu cotidiano, estabelecendo direções entre o social e o natural, além de estabelecer relações entre as mudanças conforme a variação do dia e da noite, a estação do ano e a vida das pessoas em

20 19 geral, observando as mudanças decorrentes da ação humana. A conversa com pessoas que vivem na comunidade há muito tempo e presenciaram as mudanças ocorridas são importantes informações. A tarefa de pesquisa e entrevista e até mesmo conversas com os pais ou pessoas mais experientes são mecanismos que podem vir a contribuir para que as crianças se tornem conhecedoras de informações necessárias, tanto para compreender os ensinamentos pelo professor, como para criar hábitos saudáveis e responsáveis desde muito cedo. Envolver as crianças nos assuntos da atualidade, fazendo paralelos a fatos ocorridos no passado, facilita na criação de noções de conhecimentos globais, na compreensão das mudanças causadas pelo homem na busca do que ele tem conquistado hoje. Assim, como exemplifica o RCNEI (BRASIL, 1998), o conhecimento de mundo implica saber das relações entre o homem de diversas culturas com a natureza e com a mudança que o ser humano provoca no meio ambiente para criar objetos de nosso cotidiano. Para isso, a confecção de objetos e reconhecimento das características destes em épocas e povos distintos, tendo cuidado no uso dos mesmos, são conteúdos que devem ser trabalhados pelo educador. É necessário apresentar às crianças os objetos provenientes de diferentes tipos de materiais e deixá-las experimentarem os mesmos, oferecendo informações que possibilitem a ela criar algo novo a partir de conhecimentos adquiridos. A compreensão de que há uma relação entre os fenômenos naturais e a vida humana é um importante aprendizado para as crianças. (BRASIL, 1998, p. 191). O educador, ao abordar assuntos sobre animais e plantas, não deve limitar-se às gravuras dos livros e apostilas e, às vezes, a filmes animados, mas estender-se a atividades em campos abertos, com a presença de diferentes animais e plantações. Segundo Tiriba (2005), nas cidades e até mesmo na zona rural, os alunos ficam emparedados mantidos, grande parte do tempo, em espaços fechados, o dia a dia não contempla sua necessidade/vontade de andar livremente nos pátios, sob o céu, em uma relação com o sol, com a terra e com a água. Dificilmente brincam de pés descalços, nas áreas externas em chão acimentado e só aproximam-se da água para suprir suas necessidades.

21 20 Torna-se interessante, até mesmo, que a escola possa contar com a criação de alguns animais domésticos no próprio espaço escolar, para que possam desenvolver a sensibilidade do hábito de cuidar. Como indica o RCNEI (BRASIL, 1998), é necessário que o professor crie meios para que os alunos entrem em contato com pequenos animais e plantas, além de oferecer-lhes oportunidades para expôr seus conhecimentos e dúvidas a respeito dos mesmos, o cultivo de um pequeno vaso de planta em sala de aula ou, no caso de haver espaço, a criação de uma horta é um excelente recurso, sendo tarefa do professor planejar os momentos de visita e cuidados como atividades permanentes da rotina. O contato com animais e plantas, a participação em práticas que envolvam os cuidados necessários à sua criação e cultivo, a possibilidade de observá-los, compará-los e estabelecer relações é fundamental para que as crianças possam ampliar seus conhecimentos acerca dos seres vivos. (BRASIL, 1998, p. 189). Para o RCNEI (BRASIL, 1998) a proximidade com a natureza é essencial para as crianças, assim o professor deve oferecer oportunidades diferenciadas para que elas possam descobrir sua riqueza e beleza. Através de passeios por parques e locais de área verde, pesquisas em livros e fotografias sobre a diversidade da fauna e da flora, promover a preocupação e a valorização da natureza pela criança. A construção desse conhecimento também é uma das condições necessárias para que as crianças possam, aos poucos, desenvolver atitudes de respeito e preservação à vida e ao meio ambiente, bem como atitudes relacionadas à sua saúde. (BRASIL, 1998, p. 188). Neste contexto, no desenrolar do assunto, surgem oportunidades de discutir sobre temas relacionados a higiene e saúde, salientando a importância do cuidado com o próprio corpo, na lavagem das mãos e manipulação dos alimentos. O RCNEI (BRASIL, 1998), considera que para abordar esse assunto são necessários conteúdos como: estabelecimento de relações entre seres vivos diferentes, conhecimentos essenciais dos cuidados com animais e vegetais, noção e valorização dos cuidados necessários à vida humana e ambiental, percebendo os cuidados com o corpo visando à saúde. Sabendo que a criança pequena tem uma forma particular de pensar e de construir explicações para o funcionamento dos fenômenos que observa no mundo, precisamos valorizar seus pensamentos e desenvolver, sobretudo, um olhar

22 21 diferente sobre a mesma, para que ela possa tirar suas próprias conclusões tendo a oportunidade de criar, opinar e agir diante do contexto apresentado, ou seja, isto é sobre as mudanças naturais do meio ao seu entorno. Com isso, o RCNEI (BRASIL, 1998) ressalta que os fenômenos que ocorrem no ambiente natural despertam grande interesse nas crianças, sejam eles presenciados ou vistos nos meios de comunicação. Deste modo, perguntas pertinentes sobre a observação desses fenômenos desenvolvem percepções a respeito do meio, suas complexidades e diversidades, ampliando seus conhecimentos. Este conteúdo permite que o educador trabalhe o tema através da observação direta, quando os fenômenos ocorrem onde se encontra a escola, ou indireta, através de vídeos, fotografias, jornais, ilustrações etc. que retratem o assunto. Um passeio próximo a escola após um fenômeno da natureza, como a chuva, para a observação de suas conseqüências é muito importante. Para desenvolver o conhecimento das crianças sobre os fenômenos da natureza, acontecimentos e mudanças precisa-se trabalhar com as próprias idéias, sobre o que se conhece da realidade, do assunto abordado, apoiando-se nos conhecimentos específicos da ciência humana e natural, buscando informar-se do assunto proposto. O RCNEI (BRASIL, 1998) indica que existem vários recursos fora do contexto escolar que podem servir de subsídios para o trabalho do professor, como materiais produzidos por organizações governamentais e não-governamentais, além da utilização do conhecimento de pessoas mais experientes da comunidade. Essas informações devem ser diferenciadas para que o aluno possa comparar e refletir. As crianças precisam saber que as informações por elas pesquisadas ou transmitidas são trabalhos de outras pessoas. O eixo natureza-sociedade permite o entrosamento e a cooperação entre as crianças por meio de trabalhos coletivos na realização de projetos. Outras atividades que podem ser trabalhadas permanentemente sobre este assunto estão às coletas seletivas de lixo, a economia de energia e água, etc. Podendo o professor organizar por meio das brincadeiras o recolhimento do lixo produzido. Quando estão brincando as crianças devem estar em contato com os temas relacionados ao mundo natural e social.

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014

ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 ESCOLINHA MATERNO- INFANTIL PROJETO 2014 Justificativa do Projeto Conhecer o corpo humano é conhecer a vida, poucos assuntos são tão fascinantes para os alunos quanto esse. Por menores que sejam as crianças,

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03

PROJETO RECICLAGEM. 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: 2. Duração: 01 /03 a 31/03 PROJETO RECICLAGEM 1. Tema: Reciclar é bom, Reutilizar é melhor e Reduzir é melhor ainda. Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE.

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE. Nome do projeto A Cor da Mata. Um despertar para a sustentabilidade. Local onde o projeto será instalado/executado Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no

Leia mais

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade ESCOLA MUNICIPAL COSTA E SILVA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade Cursistas: Giana K. Mass, Irdes P. Kuhn, Rosane

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Qualidade ambiental. Atividade de Aprendizagem 18. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Qualidade ambiental Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Uso dos recursos naturais / ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável Conteúdos Lixo /

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto A descoberta

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas.

natural das crianças para esses seres que fazem tão bem às nossas vidas. Justificativa do Projeto Os animais têm forte presença no dia a dia das crianças, seja de forma física ou através de músicas, desenhos animados, jogos, historias e brinquedos. Além disso, possuem um importante

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL

ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL ESCOLA RUMO A UM FUTURO SUSTENTÁVEL Izelia Mayara Maia CASTELLAIN 1, Vitória Imai AMORIM 1, Professora coordenadora Michele C. AREND 2 Identificação autores: 1 Aluna Bolsista PIBIC-EM/CNPq IFC-Campus Camboriú,

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Informativo Mensal ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI

Informativo Mensal ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI Informativo Mensal Março 2015 ANIVERSÁRIO DO COLÉGIO INOVATI No dia 13 de março comemoramos o 26º aniversário do Colégio Inovati com nossos alunos, professores e funcionários. Num ambiente alegre e festivo

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos?

PROJETO ANUAL. Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? PROJETO ANUAL Tema Central: Mãe Terra, o que deixaremos para os nossos filhos? I TRIMESTRE Turmas: Maternal ao 5º ano Enfatizando: Maternal e jardim I: O Circo {A magia do riso] Levar os alunos a compreender

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida.

HABILIDADES. Compreender que cada pessoa é única e especial. Valorizar a identidade de cada um. Descobrir e conhecer a sua história de vida. Disciplina: História Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL - 2012 Série: 2º ano Turma: 21, 22, 23 e 24 CONTEÚDOS HABILIDADES AVALIAÇÕES Unidade 1 Cada um tem um jeito de ser. Descobrindo a minha história. Eu

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco

Sobre nós. Educação Ambiental. Fale Conosco Sobre nós Em 1997 com iniciativas dos proprietários da Fazenda Alegre conscientes da importância da preservação e conservação dos remanescentes da vegetação nativa da fazenda, áreas degradadas vêm sendo

Leia mais

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA O JOGO NO ENSINO DE POTÊNCIAS DE NÚMEROS INTEIROS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Adelson Carlos Madruga Universidade Federal da Paraíba adelsoncarlos1992@hotmail.com Elizangela Mario da Silva Universidade Federal

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Um punhado de sementes mágicas. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Um punhado de sementes mágicas

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha técnica no. 2.1 Atividade Principal 2.1 SENTINDO A NATUREZA Objetivo da 2 Os escoteiros estão trabalhando por um mundo onde o habitat natural seja suficiente para suportar as espécies nativas. Objetivos

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional

PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional PROJETO: PRESERVANDO A ÁGUA DA TERRA Colégio Intentus/Yara Country Clube/Itaipu Binacional 1. Justificativa A inovação e a transformação começam pelo processo educacional, que vai além do aprendizado formal

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 136

PONTO DE APOIO SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA PLANETA AZUL EDIÇÃO 136 PONTO DE APOIO Edição 136 NO PONTO DE APOIO, INDICAMOS SUGESTÕES DE ATIVIDADES E REFLEXÕES A SEREM DESENVOLVIDAS NAEDUCAÇÃOINFANTIL EENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERANDO AS HISTÓRIAS PUBLICADAS NA REVISTA

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina:

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO

PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO PROJETO: DE ONDE VEM? PARA ONDE VAI? Sustentabilidade e Consumismo EMEI GUIA LOPES DRE FO Como tudo começou A EMEI Guia Lopes possui uma área verde privilegiada e a criação de uma horta era uma vontade

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais