Na mesma direção, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (BRASIL, 1999) indicam no inciso III do artigo 3º que:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Na mesma direção, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (BRASIL, 1999) indicam no inciso III do artigo 3º que:"

Transcrição

1 CUIDAR E EDUCAR X ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcia Regina Goulart da Silva Stemmer NDI/UFSC 1 Juliane Mendes Rosa La Banca NDI/UFSC Thaisa Neiverth NDI/UFSC Se a aparência e a essência das coisas coincidissem a ciência seria desnecessária. KARL MARX 2 INTRODUÇÃO Neste artigo buscamos levantar algumas questões relativas ao significado do binômio educar e cuidar e suas consequências para a prática docente. Nossas inquietações relativas a esta temática vão além do que comumente se concebe como um indicativo fundamental para quem trabalha com crianças entre 0 e 5 anos, qual seja, o de que educar e cuidar são indissociáveis e são função inconteste da Educação Infantil. Em recente pesquisa ainda em nível exploratório, observamos que estes conceitos são recorrentes e encontram-se presentes na maioria dos trabalhos apresentados nas duas últimas décadas nas reuniões do Grupo de Trabalho 7 (GT7) que trata da educação das crianças de 0 a 6 anos da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED). Da mesma forma, diversas publicações do Ministério da Educação contemplam tais conceitos. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil assevera que: Nas últimas décadas, os debates em nível nacional e internacional apontam para a necessidade de que as instituições de educação infantil incorporem de maneira integrada as funções de educar e cuidar, não mais diferenciando nem hierarquizando os profissionais e instituições que atuam com as crianças pequenas e/ou aqueles que trabalham com as maiores. (BRASIL, 1998, p. 23) (grifo nosso) Na mesma direção, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (BRASIL, 1999) indicam no inciso III do artigo 3º que: 1 Núcleo de Desenvolvimento Infantil Universidade Federal de Santa Catarina 2 Marx (1983, p. 271). Ver também: Marx (1978, p. 9) 1848

2 As instituições de Educação Infantil devem definir em suas propostas pedagógicas, práticas de educação e cuidados, que possibilitem a integração entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos/lingüísticos e sociais da criança, entendendo que ela é um ser completo, total e indivisível. (grifo nosso). Mais recentemente em 2009, no seu artigo 5º, as Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 2009b) reafirmam a educação e cuidado como função da Educação Infantil: A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, é oferecida em creches e pré-escolas, as quais se caracterizam como espaços institucionais não domésticos que constituem estabelecimentos educacionais públicos ou privados que educam e cuidam de crianças de 0 a 5 anos de idade no período diurno, em jornada integral ou parcial, regulados e supervisionados por órgão competente do sistema de ensino e submetidos a controle social. (grifo nosso) Nossa hipótese é a de que os documentos oficiais expressam uma tendência que é, atualmente, hegemônica na área da educação infantil com consequências para as práticas pedagógicas que necessitam ser analisadas com maior profundidade. Nosso argumento é o de que esta tendência surge com a aparente tentativa de definir um papel ou uma função específica para a educação infantil e para os profissionais que atuam com esta faixa etária, visando, sobretudo superar uma dicotomia entre corpo e mente onde, a primeira vista, são separadas as dimensões emocionais, afetivas e fisiológicas das cognitivas. Surge também com o intuito de solucionar uma divisão bastante comum nas práticas pedagógicas cotidianas nas instituições de educação infantil: o professor se ocuparia das questões relativas ao aprendizado e a cognição e o auxiliar do cuidado com o corpo e a alimentação das crianças. Sem desconsiderar estas especificidades, questionamos o que se encontra subjacente a esta concepção, o que efetivamente se propõe como função da educação infantil e papel do professor quando se prioriza o binômio educar e cuidar. Foi durante a década de 1990, que o conceito de educar e cuidar surgiu no cenário da educação infantil brasileira e ganhou uma dimensão considerável na área vindo a exercer uma importante influência nos discursos relativos ao papel do professor e a função da educação infantil com consequências não menos importantes para práticas pedagógicas. Ao final da década de 1990, Cerisara (1999, p. 3) indagava em um artigo: Afinal, por que os educadores afirmam que as instituições de educação infantil têm por 1849

3 finalidade educar e cuidar de forma indissociável e complementar as crianças pequenas?. No artigo mencionado, a autora faz uma breve incursão na História da Educação Infantil ao responder a questão proposta e conclui que a insistência em manter os termos educar e cuidar relaciona-se ao percurso histórico das creches e préescolas no Brasil, pois quando se indaga sobre a função pedagógica da educação infantil, a resposta vai na direção da valorização das atividades ligadas ao ensino de alguma coisa, à transmissão de conhecimentos ; e que, muitas vezes, reproduzem ou antecipam as práticas condenadas pelas próprias escolas de ensino fundamental em que são valorizadas as atividades dirigidas, consideradas como pedagógicas (CERISARA, 1999, p. 16). A autora procurou fazer uma síntese das tendências que sustentam a importância de se manter os termos educar e cuidar para definir a função principal da educação infantil; seria uma forma de romper com a valorização das atividades ligadas ao ensino e a transmissão de conhecimentos, já que supostamente esta valorização poderia levar a práticas condenadas pelas próprias escolas. Poder-se-ia inferir então que o ensino e a transmissão de conhecimentos são práticas condenáveis per si e que a valorização do binômio educar e cuidar para a educação infantil apresentaria uma nova concepção teórico prática para este nível educacional. Tendo como panorama o quadro apresentado acima, nosso objetivo principal nesta investigação, que ainda se encontra em fase preliminar, é buscar e compreender os nexos causais que levaram a emergência destes conceitos. Por meio da averiguação de sua gênese visamos desnudar para além da aparência o real significado do binômio educar e cuidar e suas consequências para a prática docente e para a educação infantil. Consideramos importante esclarecer que a opção teórico/metodológica para análise nesta pesquisa fundamenta-se na ontologia marxiana. Como afirma Moraes (2000, p. 19) as questões de método sempre ocupam um lugar central e decisivo em uma investigação, e nesse sentido cumpre, ainda que de maneira bastante sintética, elucidar as razões da escolha. Partimos do pressuposto de que para ser possível uma crítica teórica relevante é fundamental defender uma ontologia que confira inteligibilidade ao conhecimento científico, e para tal, é condição sine qua non captar o movimento do real e reproduzi-lo 1850

4 no pensamento mediante categorias buscando transformar a realidade, já que se reputa este o objetivo principal da atividade de conhecimento. A ontologia marxiana supõe o reconhecimento de que o movimento e a organização da realidade social criam uma lógica própria, que lhe é imanente, entendendo, no entanto, que esta lógica é apenas a expressão mental de universais efetivos e não o pressuposto da realidade. Portanto, o objeto não é um construto, mas ao contrário, é o próprio objeto, pressuposto em sua existência real, que determina o caminho a ser seguido pelo sujeito do conhecimento. O conhecimento deve apreender a gênese e tendências de desenvolvimento do objeto, analisando suas contradições e possibilidades de superação. Apreender o objeto concreto significa responder, entre outras, as seguintes perguntas: que conjunto de relações o determina? Quais são suas contradições essenciais e suas tendências de desenvolvimento? Neste sentido, consideramos que esta perspectiva ontológica além de possibilitar uma correta apreensão do objeto e dos nexos causais que o orientam permite que se faça uma crítica explanatória e consequente. O argumento deste artigo esta dividido em duas seções, inicialmente tratamos dos conceitos educar e cuidar na produção acadêmica para depois adentrarmos na questão da supressão do ensino na educação infantil. Finalizamos com algumas considerações e alertamos para o fato de que esta é uma pesquisa em andamento o que implica em ponderações e indicativos preliminares. O BINÔMIO EDUCAR E CUIDAR NA PRODUÇÃO ACADÊMICA Desde a década de 1970, com mais ênfase na década de 1980, a educação infantil passou por um processo de expansão no Brasil. Concomitante a este processo houve o recrudescimento das discussões entre os profissionais, estudiosos e pesquisadores da área que reivindicavam, entre outras coisas, um compromisso mais efetivo do Estado no financiamento e gestão das creches e pré-escolas. Buscava-se também uma mudança no caráter das iniciativas voltadas para o atendimento da criança 1851

5 menor de 6 anos, que eram fortemente marcadas por uma proposta educacional de cunho assistencialista. A partir do ano de 1988, com a promulgação da Constituição (BRASIL, 1988), a educação infantil ganhou novos contornos legais e, [...] pela primeira vez, um texto constitucional define claramente como direito da criança de 0 a 6 anos de idade e dever do Estado, o atendimento em creche e pré-escola. (CAMPOS; ROSEMBERG; FERREIRA 1993, p.17-18). As determinações trazidas na Constituição de 1988 redefiniram aspectos importantes para o atendimento a crianças de 0 a 6 anos. Como afirmam as autoras, A subordinação do atendimento em creches e pré-escolas à área de Educação representa, pelo menos no nível do texto constitucional, um grande passo na direção da superação do caráter assistencialista predominante nos programas voltados para essa faixa etária. Ou seja, essa subordinação confere às creches e pré-escolas um inequívoco caráter educacional (idem, p.18). Com a publicação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN nº 9.394/96) em 1996, surgem implicações específicas para o atendimento das crianças de 0 a 6 anos, pois coloca a educação infantil como a primeira etapa da educação básica tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. (BRASIL, 1996) De forma concomitante e articulada com os aspectos legais trazidos pela Constituição e pela LDB, o debate instaurado buscava constituir uma concepção de educação infantil que superasse as existentes até então. Intensificaram-se neste período a participação da mulher no mercado de trabalho e a consequente necessidade de espaços institucionais para o atendimento a primeira infância. As discussões em nível pedagógico buscavam construir métodos e propostas específicas para esta faixa etária. Surge um conceito novo que engloba o binômio educar e cuidar como função precípua da primeira etapa da educação básica e de forma mais específica como papel do professor. A garantia do cuidado e educação de forma indissociável passa a ser um indicador de qualidade para a Educação Infantil. Segundo Nascimento e Santos (2010, p. 3) Fica explícito, todavia, o consenso de que educação e cuidado são aspectos necessários e indissociáveis quando se pensam serviços de qualidade destinados às crianças. 1852

6 Nesta direção, Dias e Macêdo (2006, p. 14) ao defender o cuidado e a educação como função da educação infantil, afirmam que, [...] é preciso ressaltar que a função da educação infantil é o cuidar e educar de forma integrada. As crianças de 0 a 6 anos precisam de ambas as ações: cuidado e educação que devem ser compreendidos como faces da mesma moeda de modo que elas possam viver plenamente a sua condição de infância, que implica em fantasia, em ludicidade, em criar cultura, em transgredir, em surpreender, em maravilhar sempre... Observamos que este binômio como atribuição docente surge como um dos diferenciais entre a função do professor de educação infantil e do ensino fundamental. Nas palavras de Rivero (2002, p. 13) percebe-se com clareza esta indicação, A ideia de cuidar e educar de modo indissociável, partilhando essa educação com a família, passa a ser discutida na formação como um direito das crianças e uma responsabilidade do professor de educação infantil, que tem uma atuação diferenciada do professor do ensino fundamental. Conforme já salientamos, um dos argumentos centrais da defesa do binômio educar e cuidar tem como foco o compromisso com o desenvolvimento integral da criança de forma que o trabalho do professor não opere uma cisão entre corpo e mente. Como afirma Machado (2010, p. 2), o trabalho precisa articular as ações de educação e cuidado, de forma que as situações apresentadas às crianças propiciem aprendizagens que possibilitem o desenvolvimento em todas as suas dimensões. Diante disso, observamos uma crescente preocupação e uma defesa da necessidade de que os professores reconfigurem seu papel como educadores diante de uma nova concepção de educação infantil. Borba e Spazziani (2007, p. 10) asseveram que as professoras devem buscar [...] seu papel como educadoras, frente à concepção de Educação Infantil que retrata o educando como um sujeito em fase de formação, com características peculiares e que necessita, desta forma, de educação e cuidados que favoreça sua constituição como pessoa completa e não apenas intelectual. No período entre 1994 e 1996 foram publicados diversos trabalhos encomendados pelo MEC, escritos por autores da área da Educação Infantil, e organizados em forma de cadernos 3. Esses cadernos explicitaram discussões que 3 São estes os títulos dos volumes publicados: Proposta Pedagógica e Currículo para a Educação Infantil: um Diagnóstico e a Construção de uma Metodologia de Análise (1996); Critérios para um Atendimento em Creches e Pré-escolas que Respeitem os Direitos Fundamentais das Crianças (1995); Educação 1853

7 vinham se configurando e constituindo na área há um longo tempo e expressaram objetivamente a produção teórica que vinha sendo construída. Segundo Palhares e Martinez (2000, p. 6) o caminho apontado pela equipe técnica responsável pela educação infantil no MEC em 1994 era o de buscar a superação da dicotomia da educação/assistência incentivando estratégias de articulação de diversos setores e instituições comprometidas com a Educação Infantil. Estes cadernos foram amplamente difundidos e tiveram uma importante repercussão na área. O exemplar dedicado a propor políticas de formação para o profissional de educação infantil anunciava a ideia de educação e cuidado de forma integrada, como uma perspectiva moderna como assevera Campos (1994, p. 35): A perspectiva é coerente com a moderna noção de "cuidado" que tem sido usada para incluir todas as atividades ligadas à proteção e apoio necessárias ao cotidiano de qualquer criança: alimentar, lavar, trocar, curar, proteger, consolar, enfim, "cuidar", todas fazendo parte integrante do que chamamos de "educar". Uma psicóloga norteamericana, Bettye Caldwell, cunhou a inspirada expressão "educare", que funde, no inglês, as palavras educar e cuidar. A partir de então os principais documentos orientadores e reguladores da educação infantil brasileira anunciam essa concepção. Encontramos essa defesa em diversas publicações, além das que já citamos anteriormente: Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (BRASIL, 1998, p. 23), Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 1999, art. 3º) e Diretrizes Curriculares Nacionais (BRASIL, 2009b, art.5º), Brinquedos e Brincadeiras de Creche (BRASIL, 2012, p. 12), podemos encontrá-la nos Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil (BRASIL, 2006a, Vol I, p. 17), Política Nacional de Educação Infantil (BRASIL, 2006b, p. 8), Indicadores da Qualidade na Educação Infantil (BRASIL, 2009a, p. 50). Não por acaso Rosemberg (2007, p. 3) afirma que a Educação Infantil trouxe, para a educação brasileira, a proposta de educar e cuidar. A autora levanta algumas indagações a partir dai: Seria o cuidar uma função tão digna quanto o educar? E como educar crianças tão pequenas? A creche é uma escola? A educadora da creche é ou não é professora? Como deve ser sua formação? Precisa de curso infantil no Brasil: Situação Atual (1994); Por uma Política de Formação do Profissional de Educação Infantil (1994); Política de Educação Infantil (Proposta) (1993) e Política Nacional de educação infantil (1994). 1854

8 superior para trocar fraldas e dar mamadeira? Não basta ser mulher para desempenhar estas funções? Mas, de fato é bom mesmo para a criança pequena ir para a creche? O per capita da creche precisa ser tão alto? Às questões referidas pela autora, nós acrescentaríamos outras: seria possível pensar uma educação sem cuidado independentemente da forma como ele ocorra? Educar e cuidar são prerrogativas da Educação Infantil? A indissociabilidade entre educação e cuidado é algo novo? O binômio educar e cuidar não é também uma necessidade de outros níveis de ensino? Na educação escolar onde o ensino é função precípua pode se dispensar a educação e o cuidado? Ou ainda, ensinar prescinde necessariamente de educar e cuidar? São todas questões importantes que exigem um esforço e um aprofundamento dos estudos para que possamos apreender os nexos causais que incidem sobre o objeto que é o foco de nossas análises. Para este artigo optamos por enfatizar e das prioridade as questões relativas ao ensino a educação e ao cuidado na educação infantil e no próximo item estaremos nos debruçando sobre elas. É POSSÍVEL O ENSINO COMO EIXO INTEGRADOR DA EDUCAÇÃO E DO CUIDADO? No estudo exploratório que fizemos percebemos que é praticamente hegemônico nas produções acadêmicas e consensual nos documentos que regulamentam a área que o binômio educar e cuidar é constituinte do trabalho pedagógico na educação infantil. Consideramos que o cuidado e a educação são inerentes à Educação Infantil, mas questionamos se este binômio é suficiente para definir sua função e também o papel do professor. Compreendemos o cuidado e a educação como inerentes à condição humana, pois o homem, diferentemente de outras espécies animais, não sobrevive 4 e não se humaniza a não ser em sociedade. Ainda que a base biológica seja irrevogável da 4 Um ser humano até pode sobreviver biologicamente sem o contato social. Um exemplo disso são as meninas indianas Kamala e Amala que foram encontradas no início do século XX vivendo com um grupo de lobos. O comportamento delas era semelhante ao dos lobos que as acolheram, e não apresentavam traços humanos na sua forma de viver, afinal, o homem só se hominiza e humaniza por meio de relações sociais. 1855

9 existência humana, o ser social vai muito além disso. Como afirma Lukács (2013, p. 176) É possível que a peculiaridade específica do ser social fique ainda mais evidente no complexo de atividades que costumamos chamar de educação. Naturalmente, também para isso há certas analogias nas espécies animais superiores. Estas, contudo, empalidecem quando ponderamos que o auxílio que os animais adultos dão aos seus filhotes se reduz à apropriação de uma vez por todas, com a destreza correspondente à espécie, de certos comportamentos que permanecem indispensáveis por toda vida. Porém, o essencial da educação dos homens, pelo contrário, consiste em capacitá-los a reagir adequadamente aos acontecimentos e às situações novas e imprevisíveis que vierem a ocorrer depois em sua vida. Nesse sentido, a educação do homem, em sentido amplo, não se esgota e não se limita em si mesma. O cuidar do outro nas relações sociais está implícito no ato de educar, independente de contexto e faixa etária. Todo ser humano recebe, de alguma forma, educação e cuidado para se constituir enquanto tal. A sua generidade torna-se possível pelo compartilhamento com algum modo de pensar e agir produzido em diferentes espaços e momentos históricos. A forma como se cuidava de um bebê no século XVI é muito diferente da forma como se cuida no século XXI. Em estudos sobre o cotidiano das crianças no Brasil no período colonial, por exemplo, relata-se que os bebês filhos dos portugueses quando nasciam, eram banhados em líquidos espirituosos, como vinho ou cachaça, limpos com manteiga e outras substâncias oleaginosas e firmemente enfaixado. A cabeça era modelada e o umbigo recebia óleo de rícino misturado à pimenta com fins de cicatrização. (DEL PRIORE, 2004, p. 86) Esta era a forma como se cuidava com base no conhecimento produzido na época e determinado pelo grupo social a que pertencia o bebê. Inclusive, há relatos das diferenças dos cuidados destinados aos recém-nascidos dependendo de sua origem: As mães indígenas preferiam banhar-se no rio com seus rebentos. As africanas costumavam esmagar o narizinho de seus pequenos, dandolhes a forma que lhes parecia mais estética. Os descendentes de nagôs eram enrolados em panos embebidos numa infusão de folhas, já sorvida pela parturiente. O umbigo recebia as mesmas folhas maceradas, e num rito de iniciação ao mundo dos vivos, imergia-se a criança três vezes na água. (idem) Partindo do pressuposto de que educar e cuidar são inerentes à condição humana e situados historicamente, a questão que se coloca para o debate é: tais conceitos são 1856

10 suficientes para definir a função da educação infantil enquanto primeira etapa da educação básica bem como dar sentido ao trabalho dos professores que ali atuam? Nossos estudos nos levam a responder que não, pois se fossem a educação e o cuidado os definidores desta etapa educativa, como poderíamos, por exemplo, defender políticas públicas para o atendimento institucionalizado e formalizado das crianças, diferenciando este atendimento de outros espaços que também o fazem, como por exemplo, a igreja, a família, a mídia, etc? Como podemos definir o papel do professor de educação infantil, diferenciando-o dos profissionais que trabalham nesses outros espaços? Afinal, todos educam e cuidam das crianças que estão sob sua responsabilidade. Defendemos que a educação infantil deve ser concebida como espaço escolar, pois isso seria seu elemento definidor. Concordamos com Kuhlmann Jr. (1999, p ) quando afirma que O adjetivo escolar não definiria de antemão um modelo de organização pedagógica para a instituição. Definiria a natureza da mesma educacional no interior da qual se encontrariam estruturas e objetivos de ordens diversas: a creche, a pré-escola, a escola de ensino fundamental, a escola técnica [...] se a especificidade da educação infantil mostra o quanto não faz sentido tratar o pedagógico como algo purificado da contaminação da família, da guarda e do cuidado da criança pequena, não poderíamos, para sermos conseqüentes, nos envergonhar também do caráter escolar da educação infantil. Observamos que contemporaneamente há uma tendência de atribuir um caráter negativo à educação escolar 5, no entanto entendemos que [...] a escola, independentemente da idade daqueles que atende, é um espaço privilegiado e impar para a promoção das apropriações, por todos os indivíduos, do patrimônio cultural historicamente produzido pelos homens. (ARCE e MARTINS, 2012, p 16). Nesse sentido, o caráter definidor da educação infantil, enquanto escola, passa a ser o ensino. Embora este conceito venha sendo negado e até suprimido na educação das crianças menores de seis anos, é o ensino que poderá definir a função desta etapa educativa e dar sentido ao fazer docente. 5 O aprofundamento desta questão foge ao foco desse artigo. No entanto sugerimos a leitura de Duarte (1996, 2000, 2004) e Saviani (1997, 1999, 2013) 1857

11 Há uma tendência presente na área em que se defende 6 o termo educar como mais apropriado do que o vocábulo ensinar na primeira etapa da Educação Básica, pois este estaria vinculado ao Ensino fundamental e Médio e a uma ideia de escola tradicional, que ignora a diversidade de concepções pedagógicas nas escolas, entendemos que esta concepção tem uma visão reducionista do ensino. Concordamos com Arce e Martins (2007, 2012), quando defendem o ensino como direito e eixo do trabalho pedagógico na Educação Infantil. Ao mesmo tempo em que concebem o professor, responsável pelo processo de ensino-aprendizagem das crianças, desde a mais tenra idade. Assim como as autoras, partimos dos pressupostos da teoria histórico-cultural para fundamentar a compreensão do desenvolvimento infantil. Entendemos que essa base teórica possibilita ao professor promover adequadamente as condições para aprendizagem e desenvolvimento pleno das habilidades de seus alunos, por meio da organização sistemática dos conteúdos. Importa esclarecer que ao fazer referência a conteúdos constituidores da Educação Infantil, não estamos propondo a transposição de conteúdos escolares tradicionais para este nível de ensino, tampouco o adiantamento de processos que se efetivarão em etapas subsequentes. Entendemos como conteúdo o desenvolvimento humano das habilidades mais primordiais às mais complexas por meio do ensino, de forma planejada e intencional, resguardando as especificidades de cada faixa etária. [...] se a humanidade é transmitida e apropriada pelo indivíduo por meio de sua interação com os instrumentos da cultura material, mediada pela comunicação dos demais seres humanos; isso significa que os diferentes graus de acesso a esse conhecimento historicamente acumulado implicam em diferenças de desenvolvimento psicológico dos homens. Assim, é dever social do professor de educação infantil atentar-se para essas questões e procurar por meio do ensino possibilitar que crianças pequenas se desenvolvam na sua integridade. (ARCE; SILVA; VAROTTO, 2011, p. 48) Defendemos que as escolas, independente do nível de ensino, são lócus do saber sistematizado e científico, e, consequentemente os trabalhadores que lá atuam são professores e tem como função precípua o ato de ensinar. Desconsiderar essa constatação pode levar, entre outras questões, à desqualificação do trabalho desenvolvido com as crianças de zero a seis anos com implicações políticas e sociais. É nosso entendimento que o professor deve ser pensado como alguém que transmite à 6 Entre outros ver Rocha (1999a, 1999b, 2001), Cerisara (1999). 1858

12 criança os resultados do desenvolvimento histórico, que explicita os traços da atividade humana objetivada e cristalizada nos objetos da cultura. (SILVA, 2012, p. 48) Tendo em vista o previamente exposto, consideramos que o ensino não pode ser suprimido, nem tratado como uma questão de menor importância na educação infantil. Ao afirmar o ensino como função precípua dos professores não estamos desconsiderando os aspectos do cuidado e da educação. A defesa desse binômio cumpriu um papel em um determinado tempo histórico na tentativa de aparente superação da cisão entre corpo e mente, sobretudo no que tange à divisão das tarefas entre auxiliar e professor. No entanto, nesse caso, há que se considerar que o que precisa ser transformado não é simplesmente a concepção do trabalho pedagógico na educação infantil, mas as condições objetivas para que se supere a dicotomia entre dois profissionais que desempenham a mesma função docente, mas possuem formação, valorização e carreiras diferentes. O reconhecimento e a valorização do professor da primeira etapa educacional é, certamente, uma questão de militância e luta política na reivindicações da área, mas não se resume a ela, vincula-se também a uma teoria que qualifique a sua atuação e não lhe retire aquilo que tem prioridade ontológica na definição do seu papel: o ensino. Se a especificidade da educação infantil exige que haja mais de um adulto para concretizar o trabalho pedagógico com crianças pequenas, não há porque todos esses profissionais não sejam professores com uma sólida formação e sem diferenciação de nomenclatura e carreira. Esta é mais uma das razões para que na educação infantil as práticas de educação e cuidado estejam integradas no eixo do ensino, e se efetivem de forma planejada no ambiente escolar num movimento diferente do realizado em outros espaços educativos. Podemos afirmar, parafraseando Marx 7, que a fome é a mesma para a criança que está sendo cuidada pelos seus pais em casa ou que está na escola. Mas o ato de se alimentar em casa, de forma cotidiana, no convívio familiar e o momento do lanche na escola, que é planejado de forma intencional por um professor e que se efetiva num espaço coletivo é completamente diferente. Em ambas as situações há uma concepção 7 Fome é fome, mas a fome que se sacia com carne cozida, comida com garfo e faca, é uma fome diversa da fome que devora carne crua com mão, unha e dente. (MARX, 2011, p. 47) 1859

13 de cuidado que vai atender a uma necessidade básica dessa criança num processo educacional mais amplo. Porém, o que as diferencia é o ato do ensino contemplado na ação do professor que irá planejar esse momento levando em conta o momento do desenvolvimento das crianças, promovendo diferentes interações, fazendo a mediação e intervindo no processo de alimentação, que apesar da sua base biológica, se organiza socialmente e de forma intencional quando ocorre na escola. Ainda que em caráter provisório, finalizamos reafirmando que o ato de ensinar incorpora o cuidado e a educação como funções do professor e da educação infantil, compreendendo que nesse processo está contemplado não só o atendimento às necessidades básicas das crianças, mas também o máximo desenvolvimento das capacidades humanas de forma integral, impulsionado pela apropriação do conhecimento e da cultura produzidos pelo homem ao longo da história. REFERÊNCIAS ARCE. A. e MARTINS, L. M. (Org.). Quem tem medo de ensinar na educação infantil? em defesa do ato de ensinar. São Paulo: Alínea, Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas: Alínea, ARCE, A.; SILVA, D. A. S. M.; VAROTTO, M. Ensinando Ciências na Educação Infantil. Campinas: Alínea, BORBA, V. R. S. e SPAZZIANI, M. de L. Afetividade No Contexto Da Educação Infantil. ANPED. Caxambu Disponível em <http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/index.htm > Acesso em 07 de jan BRASIL. Constituição da República Federativa de Brasilia, DF Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 27 jun Lei nº , de 20 de dezembro de Estabelece as Diretrizes e Bases da educação nacional. Legislação, Brasília, DF, dez Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 15 mar Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular para educação infantil. 3v. Brasília Volume 1: Introdução. 1860

14 . Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.1 de 7 de abril de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (CNE/CEB 1/1999).. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Brasília. 2006a. vol.1. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: Pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. Brasília. 2006b.. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília. 2009a.. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.5 de 17 de Dezembro de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (CNE/CEB 5/2009). 2009b.. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brinquedos e Brincadeiras de creche: manual de orientação pedagógica. Brasília CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F.; FERREIRA, I. M. Creches e pré-escolas no Brasil. São Paulo, SP: Cortez: Fundação Carlos Chagas, CAMPOS, M. M. Educar e Cuidar: Questões Sobre o Perfil do Profissional de Educação Infantil in BRASIL. Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Departamento de Politicas Educacionais. Coordenação Geral de Educação Infantil. Por uma politica de formação do profissional de educação infantil. Brasília CERISARA, A. B. Educar e cuidar: por onde anda a educação infantil? Perspectiva: Florianópolis, Universidade Federal de Santa catarina (UFSC), vol. 17, nº especial, p , jul./dez DEL PRIORE, Mary (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, DIAS, A. A. e MACÊDO, L. C. de O cuidado e a educação enquanto práticas indissociáveis na educação infantil. ANPED. Caxambu Disponível em <http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/29portal.htm> Acesso em 07 de jan DUARTE, N. (Org.). Crítica ao Fetichismo da Individualidade. Campinas: Autores Associados, Educação Escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. Campinas: Autores Associados

15 . Vigotski e o Aprender a Aprender: crítica às apropriações neoliberais e pósmodernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, KUHLMANN JR., M. Educação infantil e currículo. In: FARIA, Ana Lúcia G.; PALHARES, Marina S. (Org.). Educação infantil Pós-LDB: rumos e desafios. Campinas, SP: Autores Associados, LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo MACHADO, I. M. C. Registros pedagógicos de professoras da educação infantil. ANPED. Caxambu Disponível em <http://www.anped.org.br/33encontro/internas/ver/trabalhos-gt07> Acesso em 07 de jan MARX, K. Grundrisse. São Paulo: Boitempo O capital (livro III, 2º tomo). São Paulo: Abril, Salário, preço e lucro. In: MARX, K. Manuscritos econômicos-filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril, MORAES, M. C. M. de. Reformas de ensino: modernização administrada: a experiência de Francisco Campos: anos vinte e trinta. Florianópolis: UFSC/CED/NUP, NASCIMENTO, E. R. SANTOS A. V. dos. Cuidado ou educação? A prática educativa nas creches comunitárias de Curitiba. ANPED. Caxambu Disponível em <http://www.anped.org.br/33encontro/internas/ver/trabalhos-gt07> Acesso em 07 de jan PALHARES, M. S.; MARTINEZ, C. M. S. A Educação Infantil: Uma Questão para o Debate. In: FARIA A. L. G. de e PALHARES, M. S. (orgs) Educação Infantil Pós- LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados, FE UNICAMP; São Carlos: Editora da UFSCar; Florianópolis: Editora da UFSC, RIVERO, A. S. Da educação pré-escolar à educação infantil: um estudo das concepções presentes na formação dos professores no curso de pedagogia. ANPED. Caxambu Disponível em <http://www.ced.ufsc.br/~nee0a6/anped2001.html> Acesso em 07 de jan ROCHA, E. A. C. A Pedagogia E A Educação Infantil. ANPED. Caxambu. 1999a. Disponível em <http://www.ced.ufsc.br/~nee0a6/anped99.html> Acesso em 07 de jan A pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia. Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas. 1999b. 1862

16 . A pedagogia e a educação infantil. Rev. Bras. Educ. [online]. 2001, n.16, pp Disponível em: ROSEMBERG, F. Para uma outra educação infantil paulistana pós FUNDEB. I Encontro Educação para uma outra São Paulo. São Paulo, 30/11/2007. SAVIANI, D. Aberturas para a história da educação: do debate sociológico teórico metodológico no campo da história ao debate sobre a construção do sistema de educação nacional no Brasil. Campinas: Autores Associados Pedagogia Histórico-Crítica. 6. ed. Campinas: Autores Associados, Escola e Democracia, 32. ed. Campinas: Autores Associados, SILVA, J. C. É possível ensinar no berçário? O ensino como eixo articulador do trabalho com bebês. In: ARCE, A.; MARTINS, L. M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas: Alínea,

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL.

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM EDUCAÇÃO INFANTIL E TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. Coordenadora: Profª Drª Eliza Maria Barbosa. Universidade Estadual Paulista UNESP/Araraquara. O grupo de Estudos e Pesquisas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO

EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: CONCEPÇÃO E DESAFIO EDUCAÇÃO INFANTIL NA CONTEMPORANEIDADE: I ENCONTRO ESTADUAL MEC E MPPE DE EDUCAÇÃO ACESSO E QUALIDADE NA EDUCAÇÃO BÁSICA EM PERNAMBUCO 20.09.2013 Aspectos históricos (tempo recente) Século XX: Os direitos

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares.

Palavras-chave: Currículo. Educação Infantil. Proposta Curricular. Políticas Curriculares. REFORMULAÇÃO DA PROPOSTA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA/PB: o processo de formulação das políticas BARROS, Maria Cristitna de Oliveira Bezerra 1 AMORIM, Ana Luisa Nogueira

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL 1 AS POLÍTICAS PÚBLICAS E AS PRÁTICAS EDUCATIVAS: O PROCESSO DE TRANSIÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA O ENSINO FUNDAMENTAL Rosiris Pereira de SOUZA Bolsista FAPEG FE/UFG rosirisps@gmail.com Prof.ª Dr.ª Ivone

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA

EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA EDUCAÇÃO INFANTIL: DA LEGISLAÇÃO AO COMPROMISSO DA SALA DE AULA BUENO, Gilmar Duarte Ribeiro UNICENTRO PR gilmarduarte@hotmail.com RODRIGUES, Roseli Viola UNICENTRO - PR jguego@yahoo.com.br Eixo Temático:

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br RESENHA Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br Resenha da obra: Didática: embates contemporâneos Maria Amélia Santoro Franco (org.)

Leia mais

GÊNERO E FAZER DOCENTE: ENTRE AS PRÁTICAS DE EDUCAR E CUIDAR NO MAGISTÉRIO INFANTIL.

GÊNERO E FAZER DOCENTE: ENTRE AS PRÁTICAS DE EDUCAR E CUIDAR NO MAGISTÉRIO INFANTIL. GT 08 - Educação Infantil e Ensino Fundamental GÊNERO E FAZER DOCENTE: ENTRE AS PRÁTICAS DE EDUCAR E CUIDAR NO MAGISTÉRIO INFANTIL. Carmen Lucia de Sousa Lima 1 Introdução A análise da educação de crianças

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES REFLEXÃO EM PAULO FREIRE:UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Everson Melquiades Araújo Silva 1 Clarissa Martins de Araújo 2 RESUMO O objetivo desse estudo é recuperar nas obras de

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Prefeitura Municipal de Porto Real/Conselho

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica Qualidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum

A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum A Sala de Recurso Multifuncional na voz dos professores da Sala Comum Prefeitura Municipal de Joinville 152.andreia@gmail.com Introdução e Fundamentação Teórica Nos últimos anos, as Salas de Recursos Multifuncionais

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola.

Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Prof. Dr. Juares da Silva Thiesen Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Centro de Educação - CED Projeto Pedagógico: trajetórias coletivas que dão sentido e identidade à escola. Ementa: Legitimidade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CRECHES COMUNITÁRIAS - QUE ALTERNATIVA

CRECHES COMUNITÁRIAS - QUE ALTERNATIVA Título: CRECHES COMUNITÁRIAS - QUE ALTERNATIVA É ESSA? Autora: CAMPOS, ROSÂNIA UFSC/PPGE/ MESTRADO EM EDUCAÇÃO GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos Nº do GT: 07 Introdução A partir da década de 80, as

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL

2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL 2.2 O PERFIL DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Ao conceber as instituições de Educação Infantil como espaços onde ocorre o processo educativo, processo este pelo qual os homens apropriam-se do desenvolvimento

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO INTANTIL NOS PLANOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO O atendimento na creche e o PIM Porto Alegre/RS Março/2015 Secretaria de Educação Básica É direito dos trabalhadores urbanos e rurais à assistência gratuita

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL A LEGISLAÇÃO E A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Márcia Barbosa Soczek 1 Este texto tem como referência básica os documentos oficiais que orientaram a implantação das políticas

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Costa, Daiene de Cássia Souza da Email: daienecassia@hotmail.com Vasconcellos, Maura Maria Morita Email: mmorita@sercomtel.com.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais