Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Especialização em Educação Infantil Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Especialização em Educação Infantil Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 1 C Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Especialização em Educação Infantil Trabalho de Conclusão de Curso FAMÍLIA E ESCOLA PARCERIA NECESSÁRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Autor (a): Gabriela Barros Magalhães de Araújo Orientador (a): Drª. Lêda Gonçalves de Freitas Brasília - DF 2010

2 2 GABRIELA BARROS MAGALHÃES DE ARAÚJO FAMÍLIA E ESCOLA- PARCERIA NECESSÁRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Artigo apresentado ao curso de Pós-Graduação em Especialização em Educação Infantil da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Especialista em Educação Infantil. Orientador (a): Drª. Lêda Gonçalves de Freitas Brasília 2010

3 3 Artigo de autoria de Gabriela Barros Magalhães de Araújo, intitulado FAMÍLIA E ESCOLA- PARCERIA NECESSÁRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Educação Infantil da Universidade Católica de Brasília, em 09 /12/2010, defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Profª. Drª Lêda Gonçalves de Freitas Orientador (a) Especialização em Educação Infantil UCB Profº. Juarez Moreira da Silva Junior Examinador- UCB Brasília 2010

4 4 FAMÍLIA E ESCOLA PARCERIA NECESSÁRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gabriela Barros Magalhães de Araújo Lêda Gonçalves de Freitas RESUMO: Este artigo trata a importância da parceria família e escola e suas contribuições para o desenvolvimento da criança. Para tanto, analisa as ideias dos teóricos Montessori e Froebel sobre o assunto, reflete sobre o papel da família na sociedade contemporânea e traz a LDB, Constituição Federal, Parâmetros Básicos de Infra- estrutura de Educação Infantil, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, e Parâmetros de Qualidade para a Educação Infantil, para fundamentar a discussão. Após, a realização da pesquisa bibliográfica, verificouse a necessidade da parceria da família e escola para o bom desenvolvimento infantil em todos os seus aspectos. A criança precisa de um ambiente saudável que estimule o seu desenvolvimento, de forma que venha ajudar em suas potencialidades. A escola é o local mais indicado para a mãe deixar o filho enquanto trabalha, mas o papel de educar os filhos continua sendo dos pais. Quando existe uma boa estrutura familiar e educacional a criança terá facilidade em aprender. As instituições de educação infantil têm o dever de complementar a ação da família. A criança necessita de atenção, cuidado, amor, afeto e incentivo. É importante a parceria entre escola e família e quando as mesmas têm um mesmo objetivo comum alcançarão sucesso. Palavras- chaves: Família. Educação Infantil. Parceria. I - INTRODUÇÃO A partir das interações entre a família e a criança desenvolve-se o conhecimento. A família é o primeiro ambiente de convivência do ser humano, os adultos são referência para a criança em desenvolvimento, e é assim que são aprendidos valores éticos e participações de experiências repletas de significados afetivos, representações, juízos e expectativas. As instituições de Educação Infantil são complementares à educação recebida pela família, pois a educação inicial da criança deve ser realizada pelos familiares. Estamos vivendo em um período que os pais terceirizam a educação de seus filhos, pensam que ao contratar uma empregada doméstica, babá, ou uma instituição de ensino, delegam a educação das crianças a esses, sentindo-se isentos de suas obrigações. Esse estudo é triplamente interessante, primeiramente porque trata de informações que preocupam educadores; social, pois se pode discutir e convencer professores, pais e a

5 5 sociedade em geral sobre a importância do tema abordado; científico, por ser um material que poderá nortear os interessados na parceria entre a família e a escola. Como objetivo geral o trabalho busca demonstrar a importância da parceria escola e família, e suas contribuições para o desenvolvimento da criança. Como objetivos específicos o estudo se propõe: a) fazer uma reflexão teórica a partir dos autores Montessori e Froebel; b) destacar o papel da família na sociedade contemporânea; c) mostrar as Diretrizes e Parâmetros de Qualidade para a educação infantil com a finalidade de esclarecer que a Educação Infantil é um direito da criança e das famílias, sendo que o poder público tem o dever de garantir o atendimento em creches e pré-escolas, quando a família decide compartilhar com o Estado o dever de educar seus filhos. E mostrar alguns pontos relevantes, em leis voltadas para a Educação Infantil. Este artigo foi desenvolvido por meio de pesquisa bibliográfica. Está organizado em cinco tópicos, sendo o primeiro a família; o segundo educação infantil; o terceiro o papel da família na formação da criança na visão de Maria Montessori; o quarto a responsabilidade da família para Froebel e ultimo família e escola parceria no desenvolvimento da criança. Educadores de várias instituições de educação infantil relatam que cada vez mais os pais transferem o seu papel para a escola, funções que são da família, ficam nas mãos dos professores, com isso a escola vai perdendo seu foco. Por este motivo o trabalho trata sobre a importância do papel da família na escola infantil, tema deste trabalho. A escola propicia a socialização da criança, mas é a família um dos maiores responsáveis pela educação e desenvolvimento dos filhos. A educação infantil é a primeira etapa da educação básica e tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. A escola responde a necessidade de mães e pais trabalhadores e tem como objetivo principal assegurar o direito da criança à educação. Quando a família valoriza a aprendizagem estimula no filho o mesmo. O interesse dos pais no que seus filhos produziram, aprenderam, faz com que eles sintam-se valorizados em relação ao que fizeram. Ao longo dos anos pôde-se observar a diferença nas crianças que tinham uma relação entre a família e a escola, dentre eles pode-se relatar o caso de uma menina. A família dessa menina desempenha um papel fundamental na educação, mesmo trabalhando fora, os pais acompanham de perto o desenvolvimento da filha, participam dos eventos e reuniões bimestrais e sempre que necessário utilizam-se da agenda escolar para comunicar fatos relacionados à criança. Durante o momento da rodinha, a criança participa das atividades de

6 6 expressão oral com desenvoltura, manifestando suas idéias de forma organizada e articulando as palavras com clareza, Durante todo ano letivo ela teve facilidade de socialização e de assimilar os conteúdos, e isso ocorreu devido à parceria da professora com a família. Porque só a escola não teria tanto sucesso, sendo que as crianças que não são estimuladas pelos pais, aqueles que deixam a educação dos filhos somente na responsabilidade da escola, não tiveram o mesmo êxito. É interessante que quando algo não vai bem na esfera familiar, os sintomas aparecem na escola, tais como: as dificuldades de aprendizagem, dificuldades em disciplina e na participação em grupo. Quando os sintomas logo se destacam educadores devem procurar conversar com os pais pessoalmente, através da agenda, fazer reuniões para juntos chegarem a uma solução. Quando os pais se esquivarem, e quando a situação do aluno não estiver boa, os pais, na maioria dos casos, procuram a diretora da escola e acusam os professores de não ter educado a criança. Em grande parte dos casos analisados, os filhos não têm limites, não conseguem interagir com os colegas e apresentam comportamento agressivo, sendo a culpa atribuída aos professores. Quando não existe a parceria escola e família, a situação fica complicada, pois para o aluno obedecer regras na escola, sendo que em casa os pais não exercem a sua autoridade. Quando algo não está bem em casa, quando a estrutura familiar não possibilita harmonia, ou quando os pais não se interessam pelo que seu filho faz, o reflexo aparecerá na escola. Para Winnicott (2005) é função principalmente da mãe cuidar e educar o filho, além de proporcionar um ambiente estimulante para o desenvolvimento saudável da criança. Cada pai deve ser um especialista em seu filho, e devem fazer o possível para manter a família unida, tornando o lar para a criança um porto seguro, com o objetivo de acontecer um desenvolvimento infantil saudável e equilibrado. Segundo Montessori (1983) a mãe por meio do contato deverá transmitir à criança calor humano, afagos e carinhos, além de defender a importância do ambiente familiar. À família e à escola cabem o cuidado de atender pelo ambiente e relacionamento adequados às transformações que a criança realiza em seu crescimento, para permitir-lhe chegar a idade adulta em plena e harmoniosa normalidade integral. De acordo com Froebel (2001) é fundamental a vida em família, e infelizmente muitos pais desprezam os primeiros estágios do desenvolvimento, forçando os filhos a pularem etapas, sendo que neste primeiro momento a criança precisa de amor, atenção, cuidado e incentivo. Froebel nas cartas às mães orientava-as a brincar com seus filhos, estimular a representação simbólica utilizando músicas, danças, movimentos e o corpo.

7 7 II FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A FAMÍLIA O estudo sobre a história da família é baseado em iconografia, recorrendo ao dicionário é a descrição e conhecimento de imagens, retratos, quadros ou monumentos, particularmente dos antigos. Uma das iconografias medievais de destaque eram os calendários de pedra e de vidro, calendário das catedrais e dos livros de horas. A iconografia tradicional dos doze meses do ano foi fixada no século XII, retratando as estações do ano, os trabalhos e os dias. No século XV ainda estava ausente a cena de família. A partir do século XVI entra em cena uma personagem nova: a criança. No decorrer do século XVI surgiu uma idéia nova, que simbolizava a duração da vida através da hierarquia da família. Durante os séculos XVI e XVII apareceram muitos retratos com a imagem da família reunida: se percorrermos as coleções de estampas ou as galerias de pintura dos séculos XVI- XVII, ficaremos impressionados com essa verdadeira avalancha de imagens de famílias. Esse movimento culmina na pintura da primeira metade século XVII na França e na pintura de todo o século e até mais na Holanda. (ARIÈS, 1981,p.138). Segundo Philippe Ariès (2006) a análise iconográfica leva-nos a concluir que o sentimento da família era desconhecido da Idade Média e nasceu nos séculos XV-XVI, para se exprimir com vigor definitivo no século XVII. Para Ariès (2006) a família conjugal moderna seria, portanto, a conseqüência de uma evolução, que ao final da idade média, teria enfraquecido a linhagem e as tendências à indivisão. A partir do século XIV ocorreu o desenvolvimento da família moderna. Surgiram imagens das festas em família, que se tornaram festas da infância. Havia os livros de civilidade que ensinavam comportamentos para crianças e adultos. No livro de São João Batista de La Salle ensinava que é dever da criança, antes de dormir, cumprimentar os pais. No momento da refeição um eclesiástico deveria abençoar a mesa e na sua falta atribuía à criança essa função. Devido o estudo iconográfico percebe-se que no século XV e XVI surge o sentimento da família, a partir desse momento a família não é apenas vivida discretamente, mas é reconhecida como um valor e exaltada por todas as forças da emoção. Esse sentimento fez surgir em torno da família conjugal, a família formada pelos pais e seus filhos. As crianças passavam por um estágio, aprendiam os serviços domésticos, com o objetivo de tornar-se um bom servidor. Toda educação se fazia através da aprendizagem com os adultos, com sete anos a criança era conduzida até outra família para morar e aprender com

8 8 esta família. Dessa época em diante, a educação passou a ser fornecida cada vez mais pela escola. Durante o século XVII a família concentrou-se em torno da criança. A criança passou a estudar em uma escola distante, porém muitos defendiam que era melhor uma educação em casa, por meio de um preceptor. Um sentimento novo surgiu, os pais não queriam mais ficar longe dos filhos, esse acontecimento comprova uma transformação considerável da família. Na Idade Média fazia parte do hábito as crianças conviverem com os adultos, assim que tornassem independentes da mãe e das amas, poucos anos depois de um desmame tardio, aproximadamente aos sete anos de idade. A família cumpria uma missão, assegurava a transmissão da vida, dos bens e dos nomes. Já a família moderna é vista por muitos sem amor, porém a preocupação com a criança e a necessidade de sua presença estão enraizados nela. O cuidado dispensado às crianças passaram a inspirar sentimentos novos, uma afetividade nova que a iconografia do século XVII exprimiu com insistência: o sentimento moderno da família. Segundo Ariès (2006), o grande desenvolvimento da escola no século XVII foi uma conseqüência dessa preocupação nova dos pais com a educação da criança: os pais, diz um texto de 1602, que se preocupam com a educação de suas crianças merecem mais respeito do que aqueles que se contentam em pô-las no mundo. Eles lhe dão não apenas a vida, mas uma vida boa e santa. (ARIÈS,1981, p.195). A família moderna correspondeu a uma necessidade de intimidade, e também de identidade: os membros da família se unem pelo sentimento, o costume e o gênero de vida. Como Winnicott (2005) nos chama a atenção o cuidado das crianças pertence à mãe, elas não têm o conhecimento formal, mas provêm de uma atitude sensível adquirida na medida em que a gravidez avança, e depois perdida a proporção que a criança se desenvolve e se afasta. Segundo Winnicott (2005) é a mãe da criança a pessoa mais qualificada a desempenhar essa tarefa, e a pessoa mais adequada, pois é ela que, com maior probabilidade, entregar-se-á de modo mais natural à criação do filho. A mãe deve adaptar-se de modo quase exato às necessidades de seu filho para que a personalidade infantil desenvolva-se sem distorções. O desenvolvimento saudável da criança só pode ocorrer num ambiente propiciador. É tão grande a responsabilidade das mães e professores que a cada estágio tem que criar e proporcionar o ambiente mais adequado possível. Quando a criança inicia desde o maternal na escola, encontram-se dois tipos de criança. Aquelas cujos pais foram bem-sucedidos e continuam sendo. Essas serão as crianças recompensadoras, capazes de expressar e lidar com todos os tipos de sentimento. Por outro

9 9 lado, há as crianças cujos pais fracassaram, e devemos nos lembrar de que esse fracasso nem sempre é imputável a eles. Alguns pais fazem mais para a criança, do que com a criança, o que mostra uma noção de sacrifício, de peso, em vez de satisfação. Numa boa escola maternal, dá-se a um pequeno grupo de crianças a oportunidade de brincar entre si, com brinquedos adequados, e talvez sobre um chão mais apropriado que o de casa; há sempre alguém por perto para supervisionar as primeiras experiências sociais da criança. (WINNICOTT, 2005,p.51) Pais superprotetores deixam seus filhos aflitos, assim como os pais pouco confiáveis tornam as crianças confusas e amedrontadas. Os pais que conseguem manter o lar unido estão, na verdade, prestando aos seus filhos um serviço de inestimável importância. Cada membro da família deve dedicar tempo de qualidade a criança. As crianças sadias necessitam de quem lhes imponha limite. Cada pai deve ser um especialista em seu filho. Segundo Winnicott (2005), o crescimento não é só flores para a criança, para a mãe, é muitas vezes um caminho pontilhado de espinhos. Alguns problemas são gerados porque os pais não estavam preparados para a chegada do bebê, no caso de pais adolescentes, pais recém-casados (que pretendiam aproveitar o casamento). Em relação à formação da família, a juventude é o melhor momento para o casamento, pois as crianças se desenvolvem melhor com pais não mais que 20 ou 30 anos mais velhos que elas, e ainda não muito sábios, os mesmos aprendem com os filhos. A família é responsável pela educação e desenvolvimento da criança. Para aprender e adquirir conhecimento o aluno precisa ter uma boa estrutura familiar. Um lar desestruturado, sem limites, sem condições básicas, atrapalha o desenvolvimento escolar da criança. Geralmente a criança que não apresenta dificuldades em aprender e mostrar o que sabe, é porque está convivendo em uma boa harmonia familiar. Um ambiente saudável favorece o bom desenvolvimento dos filhos e proporciona-lhes apoio, quando necessário, e ajuda a criança a tornar-se independente. EDUCAÇÃO INFANTIL A lei de Diretrizes e Bases da Educação alega que a educação infantil, primeira etapa da educação básica, tem por finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade. A educação infantil pode acontecer em instituições públicas ou privadas, sendo a creche (0-3 anos) e a pré- escola (4-6 anos) em horário integral ou parcial. Necessitando de uma infraestrutura básica e professores habilitados.

10 10 O artigo 205 da Constituição Federal determina que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família. No artigo 208, inciso IV da Constituição Federal, sobressai que a educação infantil é um direito da criança e das famílias, sendo que o poder público tem o dever de garantir o atendimento em creches e pré-escolas, quando a família opta por compartilhar com o Estado o dever de educar seus filhos. Todas as crianças até 6 anos de idade independente da etnia, nacionalidade, sexo, deficiência física ou mental, nível socioeconômico ou classe social, têm direito a educação infantil. De acordo com as orientações sobre convênios entre secretarias municipais de educação e instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos para a oferta de educação infantil, há regulamentação para direcionar a educação infantil que é o conjunto de leis e normas que orienta a criação, a autorização, o funcionamento, a supervisão e a avaliação das instituições de educação infantil. Normas relevantes para o funcionamento das instituições de educação infantil são: formação de professores, espaços físicos, número de crianças por professor, proposta pedagógica, gestão dos estabelecimentos e documentação exigida. De acordo com as Diretrizes da Política Nacional de Educação Infantil, exerce uma função diferenciada e complementar a ação da família, necessitando de uma permanente comunicação entre elas. Sendo um de seus objetivos fortalecer as relações entre as instituições e as famílias. Em relação às propostas pedagógicas ou curriculares de educação infantil, o documento oficial elaborado para orientar as instituições de educação infantil passou a ser o RCNEI (Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil). Segundo Kramer (s/d), uma proposta de educação infantil em que as crianças desenvolvam, construam, adquiram conhecimentos e tornem-se autônomas e cooperativas implica pensar a formação permanente dos profissionais que nela atuam, esses profissionais devem ter acesso ao conhecimento na área, para repensarem sua prática em sala de aula: O currículo inclui definições sobre o tipo de escola que se deseja, o que se pretende oferecer, a forma de administrá-la, o contexto histórico, ideológico, filosófico, sociológico, cultural, político, econômico e psicológico em que se insere; trata das relações da escola e seu currículo com a sociedade como um todo, as metas, os conteúdos, os recursos, a avaliação, o desenvolvimento estratégias e modos de planejar e implementar o currículo, se orientado para a resolução de problemas, para o desenvolvimento infantil ou para experiências institucionais nacionais ou domésticas. (KRAMER, s/d p.7)

11 11 Kramer (s/d) enfatiza que mais importante que modificar as políticas nacionais para a educação infantil é modificar as condições, atualmente precárias de secretarias, escolas, creches e pré-escolas. Existe necessidade de uma infraestrutura básica nas instituições e também a utilização do RCNEI, dos Parâmetros de Qualidade para a educação infantil em busca de uma educação diferenciada e com qualidade para as crianças. É necessário que creches e pré-escolas busquem aproximar cultura, linguagem, cognição e afetividade como elementos constituintes do desenvolvimento humano e voltados para a construção da imaginação e da lógica, considerando que estas, assim como a sociabilidade, a afetividade e a criatividade têm muitas raízes. A criança era vista pela sociedade como um adulto em miniatura, mas este conceito foi mudado e, atualmente, sabe-se que a criança é um ser humano único, completo e ao mesmo tempo em crescimento e em desenvolvimento. Segundo os Parâmetros de Qualidade para a educação infantil, a criança é um sujeito social e histórico que está inserido em uma sociedade na qual partilha de uma determinada cultura. É profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também contribui com ele. Para Oliveira (2008), a criança de hoje tem uma nova identidade, são curiosas e ativas, com direitos e necessidades, que precisam de um espaço diferente tanto do ambiente familiar, onde são objeto do afeto de adultos, quanto do ambiente escolar tradicional, frequentemente orientado para a padronização de condutas e ritmos e para avaliações segundo parâmetros externos à criança. A qualidade do ambiente de aprendizagem no lar pode promover o desenvolvimento intelectual e social em todas as crianças, superando a influência da classe social e do nível educacional dos pais. Nos parâmetros de Qualidade para a educação infantil, segundo pesquisa realizada pelo SECC (Study of Early Child Care and Youth Development), foi constatada que as variáveis familiares têm um peso significativo sobre o desenvolvimento das crianças. Os efeitos da frequência a creches, quando positivos, mostraram-se complementares às condições do ambiente familiar. Em relação à parceria da família com a escola, há nos Parâmetros de Qualidade para as Instituições de Educação Infantil (2008), alguns itens relevantes, sendo eles:

12 12 antes de a criança começar a frequentar a instituição de Educação Infantil, são previstos espaços e tempos para que mães, pais e familiares ou responsáveis, professores e gestores iniciem um conhecimento mútuo; professores e gestores são atenciosos com mães, pais e familiares ou responsáveis, estando disponíveis cotidianamente para ouvir solicitações, sugestões e reclamações; professores e gestores desenvolvem atividades mútuas e em relação às crianças e aos seus familiares de respeito à diversidade e orientam contra discriminação de gênero, etnia, opção religiosa, de indivíduos com necessidades educacionais especiais ou diante de composições familiares diversas e estilos de vida diversificados. De acordo com os Parâmetros de Qualidade para a educação infantil, a instituição embora responda à necessidade de mães e pais trabalhadores e se configure como uma área de trabalho e emprego tem como objetivo principal assegurar o direito da criança à educação. O PAPEL DA FAMÍLIA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA NA VISÃO DE MARIA MONTESSORI A pedagogia Montessoriana baseia-se no processo de desenvolvimento psicológico da criança, levando em conta as manifestações de seu comportamento, desde o fato inicial de seu nascimento. De acordo com Montessori (1983) só o amor materno poderá descobrir as formas mais adequadas de, pelo contato, transmitir calor humano, afagos e carinhos, comunicar ao recémnascido todas as possíveis manifestações de amor que o alivie do medo, da insegurança, das asperezas deste que é agora o seu mundo. Segundo a autora, do nascimento aos seis anos, a criança passa pela etapa da mente absorvente: de zero a três anos é a mente absorvente inconsciente e de três a seis anos a mente absorvente consciente. A mente absorvente inconsciente é o período criativo da inteligência. Absorve em si todas as impressões que o ambiente lhe oferece os costumes, os hábitos da terra em que vive, formando o indivíduo típico da raça. Caso a criança seja ajudada convenientemente, segundo os valores humanos, suas pessoais potencialidades serão desenvolvidas. Montessori (1983) enfatizou que o grande amor dos adultos, pais ou educadores, deverá se alimentar no desejo e no esforço de melhor e mais profundamente conhecer a natureza, o processo de desenvolvimento da criança, pois com esse conhecimento minucioso

13 13 poderá nascer um relacionamento adequado que, afastando todo obstáculo, permitirá àquele ser de realizar tudo o que tem como potencial, auto construindo-se, equilibradamente, em relação consigo mesmo com as causas, com os outros e com Deus. Percebe-se que a ansiedade dos pais reflete-se nas crianças e jovens, traduzindo-se nestes por comportamentos mistos de instabilidade, insatisfação, insegurança e agressividade. Naquela época ela evidenciou que os pais parecem terem dito adeus aos filhos porque tem muito o que fazer. Atualmente, a situação ficou crítica porque os pais trabalham em tempo integral e os filhos ficam sob cuidados de terceiros. Sendo os pais indispensáveis na ajuda adequada ao crescimento de seus filhos, formando personalidades fortes. Do ponto de vista de Montessori (1983), as crianças que desenvolvem a sua força num clima de liberdade vivificante, na família e na escola, serão amanhã os criadores de um mundo melhor. Em sua ação educacional Montessori (1983) sempre defendeu a importância do ambiente familiar na ajuda adequada ao crescimento da criança que, segundo ela, é o primeiro ambiente educador. A RESPONSABILIDADE DA FAMÍLIA PARA FROEBEL Friedrich A. Froebel (2001) ao criar o jardim de infância, pensava em abolir os asilos de crianças do seu tempo, mas não pensava numa organização social-pedagógica complementar da família e sim, numa instituição-modelo, em que jovens mulheres, interagindo com crianças brincando, pudessem se preparar para a sua mais importante tarefa dentro da família. Froebel (2001) dividiu o desenvolvimento do homem em níveis: o primeiro bebê, quando o interior se manifesta pelo movimento; o segundo a criança, quando o interior se manifesta pela palavra e pelo jogo, por último, o terceiro jovem quando a escola e a aquisição de conhecimentos exercem um papel primordial. Para Froebel (2001) é relevante lembrar a importância que tem um bebê. Nessa primeira fase, a criança não só toma o peito de sua mãe para nutrir sua vida como também se esforça para receber, por meio dos sentidos, toda a variedade de coisas exteriores que a rodeiam. Ele faz uma crítica às mães que não amamentaram, diz que não cumpriram o seu dever e seus filhos não terão o mesmo desenvolvimento em comparação com as crianças que tiveram este contato com a mãe.

14 14 Em relação às fases da vida, segundo Froebel (2001) há pais que educam a criança para que ela se comporte já como um jovenzinho, e alguns para que o adolescente se manifeste como um homem formal, saltando por cima das etapas necessárias e essenciais. Muitos pais desprezam os primeiros estágios do desenvolvimento, sendo que neste primeiro momento o indivíduo necessita de atenção, cuidado, amor e incentivo. Durante a primeira infância, o mundo começa a sair do nada para a criança como uma forma nebulosa. Essa separação só começa a manifestar quando os objetos se destacam por meio da palavra, que vem, sobretudo, dos lábios da mãe e do pai. De acordo com Froebel (2001) na criança desenvolve-se, primeiramente, a audição e, em seguida, a visão. Para que aconteça o desenvolvimento destes sentidos, é necessário que os pais e educadores ajudem a criança a relacionar os objetos com seus opostos, com a palavra e logo com o signo que os representa, fazendo-a ver nessa relação uma verdadeira unidade e guiando-a assim à intuição e, mais tarde ao conhecimento dos objetos. Não é prudente abandonar muito tempo as crianças no berço sem dar algum objeto exterior à sua atividade. Froebel (2001) nos chama a atenção em que a educação deve ser iniciada, continuando cada vez mais intensamente o cuidado físico e a formação moral. Nesse período, a educação do homem corresponde inteiramente à mãe, ao pai, à família, e o homem depende dessa família, e com ela, por natureza, forma um todo inseparável e indivisível. Na visão de Froebel (2001) os pais e a família devem incentivar o contato com a natureza, com o repouso e a claridade dos objetos naturais, sendo um dos pontos mais importantes na formação da criança. Os jogos nesta fase da vida são extremamente importantes, as mães devem intervir nos jogos e o pai deve observá-los e vigiá-los. Jamais devem ser esquecidos pelos pais que a criança necessita de cuidados, que parecem insignificantes, não só para sua felicidade pessoal, mas também para a da casa, da família e da sociedade em geral: o fim e objeto da educação dada pelos pais, no ambiente e no círculo da família, consistem em despertar e desenvolver suficientemente tanto as energias e atitudes gerais como as especiais de cada um dos membros e órgãos do homem. (FROEBEL, 2001,p.51). Um momento especial de aprendizagem para a criança é quando a mãe cuidadosa conhece o valor do canto, sobretudo quando adormecem. Com isto a criança adquire conhecimento da cultura, melodia e vocabulário, além de sentir o carinho da mãe. As crianças educadas dessa forma têm grande facilidade em falar e empregar as palavras.

15 15 Não só a linguagem pode ser trabalhada pela família, mas também o número, sua atitude para cantar, pois o espírito da criança exige que a mãe e as demais pessoas que convivem com ela se esforcem para desenvolver suas capacidades para a matemática. O pai é o exemplo para o filho, em todas as profissões há aprendizado, então Froebel em sua época incentivava os pais a levarem os filhos ao trabalho. Qualquer que seja o emprego ou o trabalho do pai poderá servir de ponto de partida para todos os conhecimentos. A criança não ignora a riqueza do conhecimento em família, que passa a acompanhar os pais em todos atos e afazeres e deles não quer se afastar, seguindo-os sempre por onde forem. Algo interessante é que os pais não devem perder a paciência, e sim responder às perguntas repetidas e intermináveis dos filhos: os pais e as mães, podem encontrar uma fonte inesgotável de alegrias na educação dos filhos. Não há satisfação maior, não há felicidade mais profunda, que a de educar nossos filhos, viver com eles, ou melhor viver neles. ( FROEBEL,2001,p.66) É possível aprender com as crianças, prestar atenção às doces aprendizagens de suas vidas, as secretas lições de sua alma, e como cita Froebel vivamos em nossos filhos, deles recebemos a paz e a felicidade e descobriremos, assim os caminhos da sabedoria. No decorrer do primeiro período da vida humana, o bebê exige cuidado. Já no segundo período, a infância é de maneira especial o tempo da educação para pais e professores. A família contribui incomparavelmente para formar, em toda a sua pureza e energia, um coração bom, uma alma piedosa. Por isso, é fundamental a vida em família, sendo que na infância, todas as coisas são vistas através dela e com um reflexo seu. FAMÍLIA E ESCOLA PARCERIA NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA A sociedade moderna é constituída por vários tipos de família. Família nuclear formada por pai, mãe e filhos e a família contemporânea, casais divorciados, mães como chefe de casa, uniões homossexuais, pais adolescentes e todo tipo de união que ocorre hoje. Segundo Sarat (2001), antigamente as mulheres cuidavam do lar e das crianças, mas com as transformações na sociedade a mulher passou a ser operária. Então, desde que a mulher passou a integrar o mercado de trabalho, houve a necessidade de modificar o atendimento para as crianças, surgindo assim locais destinados para oferecer assistência as

16 16 crianças, somente com o sentido de cuidado, segurança, bem-estar, higiene, proteção e alimentação. Não havia ainda uma preocupação com a educação para os pequeninos. Na opinião de Sarat (2001), posteriormente foram criadas instituições denominadas creches ou pré-escolas que ofereciam não só o cuidado, mas educação enriquecendo e completando as experiências das crianças. A escola é uma instituição que complementa a família e juntas tornam-se lugares agradáveis para a convivência das crianças. Há um grande número de instituições privadas de educação infantil em todo o Brasil, muitas sem a documentação necessária para o funcionamento, mas isto é em decorrência da mulher estar atuante no mercado de trabalho e precisar de um local para deixar os filhos. É importante lembrar que a escola não substitui a relevância do convívio familiar na formação da criança. Estamos vivendo em um período que os pais terceirizam a educação de seus filhos, pensam que ao contratar uma empregada doméstica, babá, ou uma instituição de ensino integral, delegam a educação dos pequeninos a esses, sentindo-se isentos de suas obrigações. Alguns pais ficam ausentes por trabalharem até 10 horas por dia, outros preferem deixar os filhos na responsabilidade de terceiros e se divertirem, viajar. Existem mães que não trabalham fora, mas matriculam os filhos nas escolas em período integral, sem necessidade, deixando de usufruir de momentos especiais ao lado dos filhos. Se a criança não é cuidada pelos pais, mas é entregue aos cuidados de terceiros, quando os pais se dão conta, já perderam o respeito. Atualmente, o que é ser pai? O que é ser mãe? As famílias não estão sabendo exercer seus papéis. Os pais devem entender que educar é ajudar no crescimento, no desenvolvimento dos aspectos cognitivos e participar disso. O crescimento e o desenvolvimento da criança pequena ocorrem tanto no plano físico quanto no psicológico, pois um depende do outro. Algo que tem prejudicado a família é a diminuição da disponibilidade de tempo que os pais têm para ficar com os filhos. Muitas pessoas têm filhos, mas não querem agir como pais. Nossa cultura os têm convencido de que precisam satisfazer sua sede pessoal por realização. Em uma cultura de autoabsorção, os filhos são uma evidente desvantagem. Assim, os pais passam um tempo mínimo com seus filhos. A noção de qualidade de tempo é mais atraente do que a antiga idéia de quantidade de tempo. Com isso as crianças criadas neste clima não mais costumam pedir licença, não tem boas maneiras, não tem mais medo de responder mal seus pais, não aceitam um papel submisso na vida, enquanto isso, uma geração de crianças está se estragando.

17 17 Para Oliveira (2008) as equipes das creches e pré-escolas, reconhecem a importância do trabalho com a família, porém muitas vezes consideram despreparada e menos competente que o professor, principalmente em relação à família de baixa renda. Já nas escolas em que os pais possuem um nível financeiro elevado, a professora é vista pelos pais como concorrente na educação de seus filhos, sendo que em escolas que atendem as famílias pobres os pais enxergam professores como autoridades, alguém que sabe e controla a família. Muitas vezes ocorrem divergências entre os ensinamentos familiares e os propostos pela creche ou pré-escola, como acontece em situações cotidianas e em relação à linguagem e valores. Na visão de Oliveira (2008) o professor não tem um papel terapêutico em relação à criança e sua família, mas o de conhecedor da criança, de consultor, apoiador dos pais, um especialista que não compete com o papel deles. Um passo inicial na parceria família e educadores é no período de adaptação e acolhimento dos novatos, pois é relevante um trabalho integrado. Ao longo do ano um trabalho letivo a escola pode convidar os pais não só para reuniões bimestrais, mas para serem participantes na elaboração de projetos pedagógicos, e na organização de eventos e festas comemorativas: Historicamente, a família tem sido considerada o ambiente ideal para o desenvolvimento e a educação de crianças pequenas. Essa é a posição de alguns sistemas educacionais, que sustentam que a responsabilidade da educação dos filhos, particularmente quando pequenos, é da família, e assumem um papel de meros substitutos dela. Repetindo as metas embutidas nas práticas familiares. (OLIVEIRA, 1980,p.175) Hoje em dia muitas crianças não têm irmãos, o local para contato com outras crianças é a escola, propiciando envolvimento, ideias de coletividade e de companheirismo. A escola é o local mais indicado para a mãe deixar o filho enquanto trabalha, até mesmo devido ao grande número de crianças que ficam com babás e não são bem tratadas, por não saberem lidar com os pequenos, além disso, na escola irão receber cuidado e educação. Mas os pais não podem transferir para a instituição a responsabilidade de auxiliar o desenvolvimento do filho, não há como deixar a educação da criança somente nas mãos de outra pessoa e desejar que tenha um desenvolvimento saudável. È imprescindível que a família exerça o seu papel de cuidar e educar a criança, além de possibilitar um diálogo e uma relação entre a escola e a família, mesmo com toda

18 18 dificuldade da sociedade contemporânea, todos não devem medir esforços para encontrar tempo e conviver com os filhos, não é a quantidade de horas, mas a qualidade dedicada ao filho, ouvindo-o, contando histórias, cantando e brincando, infelizmente famílias estão com lacunas porque não aproveitam esses preciosos momentos. Nesse sentido, verifica-se que a família e a escola dependem uma da outra, necessitando de uma parceria entre elas. A necessidade de se construir uma relação entre escola e família, deve ser para planejar, estabelecer compromissos para que a criança tenha uma educação de qualidade em casa e na escola. VI CONCLUSÃO Na Idade média a família cumpria uma missão, assegurava a transmissão da vida, dos bens e dos nomes. No século XVII surgiu o sentimento moderno da família, passaram a experimentar uma afetividade nova. A família moderna correspondeu a uma necessidade de intimidade e também de identidade: os membros da família se unem pelo sentimento, o costume e o gênero de vida. Na atualidade alguns problemas são gerados porque os pais não estavam preparados para a chegada do filho, no caso de pais adolescentes, pais recém- casados e tantos outros. Os pais que conseguem manter o lar unido estão, na verdade, prestando aos seus filhos um serviço de inestimável importância. Cada integrante da família deve dedicar tempo de qualidade a criança. Infelizmente os pais estão terceirizando a educação de seus filhos, alguns por trabalharem muitas horas diariamente, e outros preferem deixar na responsabilidade de terceiros por vários motivos, sentindo-se isentos de suas obrigações. Este trabalho teve como finalidade identificar qual a função da família e esclarecer a relevância da parceria entre família e escola. Tendo como problema de pesquisa, qual a importância da participação da família na educação da criança? Sendo o objetivo geral demonstrar a importância da parceria família e escola, e suas contribuições para o desenvolvimento da criança. E como objetivo específico foi realizado reflexão teórica a partir dos autores Montessori e Froebel, das políticas públicas de educação infantil e outros referencias bibliográficos. A solução para o problema foi alcançado por meio dos teóricos Montessori e Froebel, das políticas públicas para a educação infantil e outros referenciais bibliográficos. Foi

19 19 possível compreender a diferença que uma boa estrutura familiar e educacional pode fazer na vida e no desenvolvimento da criança, lembrando que esta parceria é totalmente necessária, pois uma depende da outra. Com certeza as instituições de educação infantil têm o dever somente de complementar a ação da família. Salientando que mesmo os pais pagando uma creche ou babá não ficam isentos de educar seus filhos e auxiliá-los no desenvolvimento intelectual e social. As famílias não procuram a instituição apenas para que proporcione a seus filhos os aprendizados definidos no currículo escolar. Elas buscam compartilhar com os educadores o cuidado e a educação de seus filhos. Esperam que suas crianças sejam acolhidas em sua individualidade, o que comporta necessidades variadas. Observa-se que a criança necessita de atenção, cuidado, amor, afeto e incentivo. Quando a família proporciona um ambiente saudável e cuida das necessidades da criança, ocorre um progresso em suas pessoais potencialidades e, futuramente, serão adultos com êxito. Fica na responsabilidade da família e instituições de educação infantil assumir e desempenhar a sua função, sempre uma completando a outra, não permitindo lacunas, assim teremos uma educação infantil que visa a qualidade e não a quantidade, lembrando que a criança é um ser ativo, competente e produtor de cultura, mas que depende dessa integração para se desenvolver. È relevante a parceria entre escola e família quando as mesmas têm um objetivo comum, assim as crianças alcançarão o sucesso. VII - REFERÊNCIAS ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família, 2ed. Rio de Janeiro:LTC, BRASIL. Ministério da Educação. Critérios para um Atendimento em Creches que Respeite os Direitos Fundamentais das Crianças. Brasília: MEC.2009 BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394, de 20 de Dezembro de BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Básicos de Infra- estrutura de Educação Infantil. Brasília: MEC BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros de Qualidade para Educação Infantil. Brasília: MEC.2008

20 20 BRASIL. Ministério da Educação. Orientações sobre convênios entre secretarias municipais de educação e instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos para a oferta de educação infantil. Brasília: MEC.2009 CAPELATTO, Ivan. FILHO, José Martins. Cuidado, afeto e limites uma combinação possível. São Paulo: Papirus7 mares, CERISARA, Ana Beatriz. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no Contexto das Reformas. São Paulo: Unicamp , Fontes para a educação infantil. 4ed. São Paulo:Cortez,2008. FROEBEL, Friedrich W. A.; BASTOS, Maria Helena Câmara (Trad.). A educação do homem. Passo Fundo: UFP, KISHIMOTO, Tizuko Morchida. A LDB e as Instituições de Educação Infantil: desafios e perspectivas. São Paulo: KRAMER, Sônia. Propostas Pedagógicas ou Curriculares de Educação Infantil: para retomar o debate. Rio de Janeiro: PUCRIO,(s/d). MACHADO, Izaltina de Lourdes. Educação Montessori: de um homem novo para um mundo novo. São Paulo: Livraria Pioneira, OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 4ed. São Paulo: Cortez, PRADO, Danda. O que é família?5ed. São Paulo: Brasiliense, SARAT, Magda. Formação Profissional e Educação Infantil: uma história de contrastes. Paraná: Unicentro WINNICOTT, Donald W. A família e o desenvolvimento individual. 3ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

REVISTA CONTEÚDO O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O JOGAR E O BRINCAR EM UM CONTEXTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Nara Fernanda de Campos 1 RESUMO Considerando os jogos e as brincadeiras infantis como uma ferramenta ideal ao aprendizado, podemos dizer

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR PARA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Emylle Barros de Almeida Fonseca Aluna graduanda do curso de Pedagogia - CAMEAM- UERN Thais Chaves de Oliveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil

A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil A criança e o brincar: um olhar sobre a importância do brincar no desenvolvimento infantil RESUMO: O presente artigo é resultado da pesquisa realizada na disciplina de Recursos Tecnológicos, Pedagógicos

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR

O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR O ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM SALA DE AULA E DE UM OLHAR SENSÍVEL DO PROFESSOR Erika Aparecida Domiciano Moser 1 RESUMO A alegria não chega apenas no encontro

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR

O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR O CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA VISÃO DO PROFESSOR Francisca Helena Carlos- Graduanda do 7º período do Curso de Pedagogia CAP /UERN Maria Solange Batista da Silva Graduanda do

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI

ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI ANEXO III DESCRIÇÕES DE CARGOS MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI CARGO: PROFESSOR DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Executar as atividades de regência de classe, planejamento escolar, participação na elaboração

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica.

Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. Educação Física: Mais do que um espaço de desenvolvimento físico, um espaço de possibilidade dialógica. João Paulo Madruga 1 Quando pensamos em Educação Física no ambiente escolar, logo nos reportamos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. RESOLUÇÃO N 276/ 2000-CEE/MT. Fixa normas para a oferta da Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais, em consonância

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: CAMINHOS DA ECOLOGIA Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Adelany Brena Cardoso de Oliveira (Universidade

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER OLIVEIRA, Jucinéia Costa. Discente do curso de Pedagogia da FAHU/ACEG PELOZO, Rita de Cássia Borguetti. Docente da FAHU/ACEG E-MAIL: ritapelozo@itelefonica.com.br RESUMO: O

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS

A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS A LUDICIDADE NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UM RELATO ACERCA DO ATENDIMENTO ÀS CRIANÇAS EM UMA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE PARINTINS-AMAZONAS RESUMO: Glenda Gabriele Bezerra Beltrão; Wanessa da Silva Reis;

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM AMBIENTE ESCOLAR ADEQUADO NO RECIOCÍNIO LÓGICO DAS CRIANÇAS:

A INFLUÊNCIA DE UM AMBIENTE ESCOLAR ADEQUADO NO RECIOCÍNIO LÓGICO DAS CRIANÇAS: A INFLUÊNCIA DE UM AMBIENTE ESCOLAR ADEQUADO NO RECIOCÍNIO LÓGICO DAS CRIANÇAS: Autor (Paulo Rosas dos Santos); paulorosas@ig.com.br RESUMO - O desenvolvimento infantil é impressionante quando consideramos

Leia mais

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL

RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL RELAÇÃO DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NO E COM O ENSINO REGULAR: UMA PARCERIA MAIS QUE ESPECIAL Resumo Fabiana Grassi Mayca UFSC fabiana.mayca@gmail.com Aprendizagem nas Diferentes Dimensões

Leia mais

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo:

Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: Fundação: Sócio-Fundador: Sócia-Diretora Administrativa: Atuação Principal: São Paulo: 05/07/1988 Marcelo Ponzoni Cristiane Lança Ponzoni São Paulo e Ribeirão Preto Sede Própria com 700m2 C O M U N I C

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR:

O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: O PAPEL DA FAMÍLIA E DA ESCOLA NA APRENDIZAGEM ESCOLAR: Uma análise na Escola Municipal José Teobaldo de Azevedo no Município de Limoeiro-PE Autores: ELIANE GONÇALVES LEITE HAYDÊ MORGANA GONZAGA GOMES

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais

INFORMATIVO Nº 1 / 2014. Senhores pais INFORMATIVO Nº 1 / 2014 Senhores pais Mais um ano se inicia... Não temos palavras para agradecer a confiança que depositam em nosso trabalho ao matricularem seus filhos na Premier. Após um período de alguns

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE

PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE Fernanda Duarte Araújo Silva

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais