CONTEÚDOS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE APONTAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDOS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE APONTAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS"

Transcrição

1 CONTEÚDOS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE APONTAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS Claudia Vidaletti Matos Neves Elisia Kasprowicz Stein UNIVALI/SC INTRODUÇÃO O presente artigo faz parte dos estudos empreendidos para o Mestrado, na qual o objetivo é apontar o que os documentos oficiais publicados pelo Ministério da Educação a partir da promulgação da Lei n 9394/96 (LDB) até o documento mais recente publicado, ou seja, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil/2009 trazem como conteúdos para o currículo da educação infantil, ou seja, como este termo é tratado pelos documentos ou então, de que forma estão apresentados e o lugar que ocupam. Ao escolher os conteúdos como foco de pesquisa, comungamos da ideia exposta por Sacristán e Gómez (1998, p.120), "sem conteúdo não há ensino, qualquer projeto educativo acaba se concretizando na aspiração de conseguir alguns efeitos nos sujeitos que se educam". Não pretendemos apresentar as discussões, que não são poucas, a respeito das tensões existentes nesta área, nem analisar os posicionamentos existentes na Literatura específica, apresentados, por exemplo, por Gabriel de Andrade Junqueira Filho(2005) ou pela dissertação de mestrado de Bruna dos Santos Ferreira (Conteúdos: questões contemporâneas/2012), sua orientanda. O objetivo é mostrar como os conteúdos se apresentam nos documentos do MEC que orientam as práticas pedagógicas e a constituição dos currículos para a Educação Infantil. A Educação Infantil constitui-se como educação a partir do século XX e atualmente busca se desvencilhar das raízes que a constituíram: o sentimento de atendimento aos menos favorecidos socialmente e a ideia de seguir os moldes do ensino fundamental, como apresenta Oliveira (2011). Foi a partir da promulgação da LDB que a Educação Infantil passa a fazer parte da Educação Básica, admitindo-se como primeira etapa deste nível de educação. Portanto, é a partir desta Lei que oficialmente serão encontrados dados nos documentos

2 oficiais que permitem visualizar a forma como foi sendo constituído o currículo da Educação Infantil, mais especificadamente para este artigo, os conteúdos. APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS PESQUISADOS Os marcos legais a partir da Constituição Federal de 1988 vão dando abertura aos processos de expansão do atendimento educacional às crianças entre 0 e 6 anos. Porém é a LDB que reconhece e legitima esta questão, integrando a Educação Infantil e definindo como primeira etapa da educação básica. Desta forma, a partir da promulgação da LDB, outros documentos foram criados, no sentido de orientar as práticas educativas. Por meio de uma pesquisa realizada nos documentos oficiais do MEC, através do site podem-se encontrar todos os documentos utilizados neste artigo na íntegra: Resoluções e Pareceres do CNE/CEB e publicações oficiais na área. Entre Resoluções e Pareceres do CNE/CEB localizaram-se num primeiro momento 53 (cinquenta e três) documentos que tratavam de Educação Infantil e Educação Básica. Porém numa busca detalhada, em que o filtro utilizado foram documentos que trouxessem orientações curriculares para a Educação Infantil, restaram 7 (sete) documentos, apresentados no quadro 01: Ano Tipo Documento Conteúdo 1998 Parecer Parecer CNE/CEB nº 22/1998, aprovado em 17 de dezembro de 1998 Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil Resolução Resolução CNE/CEB n.º 1, de 7 de abril de Parecer Parecer CNE/CEB nº 2/1999, aprovado em 29 de janeiro de Parecer Parecer CNE/CEB nº 20/2009, aprovado em 11 de novembro de Resolução Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de Parecer Parecer CNE/CEB nº 7/2010, aprovado em 7 de abril de 2010 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica.

3 2010 Resolução Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010 Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica Quadro 01: Síntese dos documentos oficiais que tratam de diretrizes curriculares para a educação infantil. FONTE: Além dos documentos do CNE/CEB, a publicação: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil v.1, v.2 e v.3, publicado em 1998, se propõe a traçar propostas, um caminho, para as práticas educativas, trazendo de forma explícita a questão dos conteúdos para a Educação Infantil. O LUGAR DOS CONTEÚDOS NOS DOCUMENTOS OFICIAIS Neste momento do artigo, apresentamos os documentos enunciados no capítulo anterior, trazendo de que forma abordam os conteúdos no currículo da Educação Infantil. Comecemos com as resoluções e pareceres do CNE/CEB, seguindo a ordem cronológica que foram construídos e publicados. Importante apontar que esta busca ficou nas referências que o documento trazia em torno do currículo, conteúdos. E por o termo conhecimentos estar relacionado com conteúdo, ou conforme Junqueira Filho (2004) serem sinônimos, em alguns documentos serão considerados estes termos, uma vez que não utilizam o termo conteúdo propriamente dito. 1. Parecer CNE/CEB nº 22/1998, aprovado em 17 de dezembro de 1998: O Parecer CNE/CEB nº 22/1998, apresenta as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil e aponta o lugar da Educação Infantil pós LDB na área da educação. Este parecer deixa claro que as Diretrizes se constituem como um documento de caráter mandatório, na qual os Conselhos municipais e estaduais, bem como as Secretarias, deverão cumprir o que se determina. As diretrizes ficam definidas, inclusive, como paradigma, entendido como algo a ser seguido fielmente e num modelo padrão. Explicitamente sobre práticas pedagógicas, surgem as seguintes colocações: 1 [...] é importante que as Propostas Pedagógicas de Educação Infantil tenham qualidade e definam-se a respeito dos seguintes fundamentos norteadores: a. Princípios Éticos da Autonomia, da Responsabilidade, da Solidariedade e

4 do Respeito ao Bem Comum; b. Princípios Políticos dos Direitos e Deveres de Cidadania, do Exercício da Criticidade e do Respeito à Ordem Democrática; c. Princípios Estéticos da Sensibilidade, da Criatividade, da Ludicidade, da Qualidade e da Diversidade de manifestações Artísticas e Culturais. (BRASIL, 1998, p.10) E, por fim, aparecem os conteúdos que são tratados como conhecimentos a serem integrados nas diversas áreas, bem como nos aspectos da vida cidadã, constituindo-se como conhecimentos e valores. 4 Ao reconhecer as crianças como seres íntegros, que aprendem a ser e conviver consigo próprias, com os demais e o meio ambiente de maneira articulada e gradual, as Propostas Pedagógicas das Instituições de Educação Infantil devem buscar a interação entre as diversas áreas de conhecimento e aspectos da vida cidadã, como conteúdos básicos para a constituição de conhecimentos e valores. Desta maneira, os conhecimentos sobre espaço, tempo, comunicação, expressão, a natureza e as pessoas devem estar articulados com os cuidados e a educação para a saúde, a sexualidade, a vida familiar e social, o meio ambiente, a cultura, as linguagens, o trabalho, o lazer, a ciência e a tecnologia. (BRASIL, 1998, p.12) O texto prossegue sem mais detalhamentos sobre esses conhecimentos ou conteúdos, apenas ressaltando que devem ser trabalhados com ludicidade, prazer, num ambiente de respeito às diversidades. Que esse acesso não seja um luxo, nem favor às crianças menos favorecidas. Ressalta-se que as propostas devam evitar a monotonia, o exagero de atividades acadêmicas ou de disciplinamento estéril (p.13) 2. Resolução CNE/CEB n.º 1, de 7 de abril de 1999 As Resoluções instituem as normativas. Têm força mandatória a ser cumprida pelos sistemas de ensino. A Resolução CNE/CEB n.º 1, de 07/04/99, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Trata-se de um documento sucinto, incapaz de abranger as especificidades desta etapa de educação. Trata as questões de currículo de forma geral, na qual se podem destacar os seguintes trechos: I As Propostas Pedagógicas das Instituições de Educação Infantil, devem respeitar os seguintes Fundamentos Norteadores: a) Princípios Éticos da Autonomia, da Responsabilidade, da Solidariedade e do Respeito ao Bem Comum; b) Princípios Políticos dos Direitos e Deveres de Cidadania, do Exercício da Criticidade e do Respeito à Ordem Democrática; c) Princípios Estéticos da Sensibilidade, da Criatividade, da Ludicidade e da Diversidade de Manifestações Artísticas e Culturais (BRASIL, 1999).

5 A abordagem sobre conhecimento se dá no inciso IV, do art.2º: As Propostas Pedagógicas das Instituições de Educação Infantil, ao reconhecer as crianças como seres íntegros, que aprendem a ser e conviver consigo próprios, com os demais e o próprio ambiente de maneira articulada e gradual, devem buscar a partir de atividades intencionais, em momentos de ações, ora estruturadas, ora espontâneas e livres, a interação entre as diversas áreas de conhecimento e aspectos da vida cidadã, contribuindo assim com o provimento de conteúdos básicos para a constituição de conhecimentos e valores (BRASIL, 1999). De forma muito breve e pouco esclarecedora, apresenta-se a ideia de interação das áreas do conhecimento relacionados com a vida cidadã, permeada de conhecimentos e valores. Porém em nenhum momento, apresentam-se as áreas, os conhecimentos e conteúdos. Que vida cidadã se está valorizando? Que valores? Ficam muitas lacunas neste documento. Prossigamos então, na busca dos conteúdos da Educação Infantil. 3. Parecer CNE/CEB nº 2/1999, aprovado em 29 de janeiro de 1999 O Parecer CNE/CEB nº 2/1999 de 29/10/99 é bastante sucinto, não trazendo informações de caráter teórico. O parecer aprova os Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, enfatizando que o documento tem a função de orientar as práticas. Seu caráter não mandatório reforça a função de assessoria e apoio exercida pelo MEC, no âmbito de uma política nacional de educação, que visa a melhoria e a qualidade no encaminhamento dos problemas ainda presentes no cuidado e educação para as crianças de 0 a 6 anos e suas famílias. (BRASIL, 1999, p.01). 4. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil foi publicado em 1998, com o objetivo de integrar a série de documentos Parâmetros Curriculares Nacionais elaborados pelo MEC. Foi elaborado para servir de guia de reflexão de cunho educacional sobre objetivos, conteúdos e orientações didáticas para os profissionais que atuam diretamente com crianças de zero a seis anos, respeitando seus estilos pedagógicos e a diversidade cultural brasileira (BRASIL, 1998, v.1, p.8). É dividido em três volumes, organizados desta forma:

6 Volume 1 Introdução Volume 2 Formação Pessoal e Social Volume 3 - Conhecimento de Mundo Desta forma, vamos nos ater às questões tratadas como conteúdos nestes documentos. O volume 1 explicita a concepção da proposta em relação aos conteúdos, afirmando que não existe aprendizagem sem conteúdos. Esta ideia é defendida também por Sacristán e Gómez, quando há ensino é porque se ensina algo ou se ordena o ambiente para que alguém aprenda algo ( 1998, p.120). O Referencial concebe os conteúdos como a concretização dos propósitos da instituição e também como um meio para que as crianças desenvolvam suas capacidades e exercitem sua maneira própria de pensar, sentir e ser. Apresenta a natureza dos conteúdos, que podem ser: conceituais, procedimentais e atitudinais. Os conteúdos conceituais que dizem respeito ao conhecimento de conceitos, fatos e princípios; os conteúdos procedimentais referem-se ao saber fazer e os conteúdos atitudinais estão associados a valores, atitudes e normas. (BRASIL, 1998, v.1, p.49). Os conteúdos são apresentados dentro dos eixos de trabalho, em blocos. "Essa organização visa a contemplar as dimensões essenciais de cada eixo e situar os diferentes conteúdos dentro de um contexto organizador que explicita suas especificidades por um lado e aponta para a sua origem por outro" (BRASIL, 1998, p.56). O referencial aponta que existe uma organização, porém o professor deve utilizá-los em seu planejamento como precisar, integrando os conteúdos: Os conteúdos são compreendidos, aqui, como instrumentos para analisar a realidade, não se constituindo um fim em si mesmos. Para que as crianças possam compreender a realidade na sua complexidade e enriquecer sua percepção sobre ela, os conteúdos devem ser trabalhados de forma integrada, relacionados entre si (BRASIL, 1998,v.1, p.54). Quanto à seleção dos conteúdos fica a critério do professor, à medida que planejará de acordo com o grupo de crianças que terá. Ficará sob sua responsabilidade o aprofundamento, a integração, a quantidade de vezes que optará em reutilizá-los durante o ano. Os dois volumes (2 e 3) que seguem do referencial, organizam-se da seguinte forma: Eixo Lista de Conteúdos (0 a 3 anos) Orientações Didáticas Lista de Conteúdos (4 a 6 anos) Orientações Didáticas

7 Apesar de haver discussões e críticas ao RCNEI, referentes à sua forma de construção, e conforme Lopes (2001, p.69) a prematuridade na formulação dos RCNEI e as incongruências apontadas por diversos estudos pode-se considerar o documento que mais se mostrou tentando apontar caminhos não obscuros para o trabalho educativo com crianças de 0 a 6 anos. Mais adiante veremos outro documento, mais atual, mas com o pano de fundo já construído e mostrado pelo RCNEI. 5. Parecer CNE/CEB nº 20/2009, aprovado em 11 de novembro de 2009 Dez anos depois da implantação da primeira Diretriz Curricular para a Educação Infantil, o parecer CNE/CEB nº 20/2009, de 11/11/09, faz uma revisão das novas Diretrizes Curriculares. Neste texto, aponta-se um histórico da Educação Infantil no país, a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, bem como as discussões que constituíram e ajudaram a elaborar as diretrizes. Trazendo para o foco deste artigo, que se propôs a levantar como os documentos oficiais abordaram o tema conteúdos, primeiramente citamos o conceito deste parecer sobre currículo da Educação Infantil: O currículo da Educação Infantil é concebido como um conjunto de práticas que buscam articular as experiências e os saberes das crianças com os conhecimentos que fazem parte do patrimônio cultural, artístico, científico e tecnológico. Tais práticas são efetivadas por meio de relações sociais que as crianças desde bem pequenas estabelecem com os professores e as outras crianças, e afetam a construção de suas identidades (BRASIL, 2009, p.03) Sobre os conteúdos, este parecer não faz uma abordagem utilizando este termo. Porém, o item 9 faz uma reflexão acerca da organização das experiências de aprendizagem na proposta curricular. Neste texto, abordam-se questões como: acolhimento das crianças, relação positiva com a instituição, fortalecimento de sua autoestima, no interesse e curiosidade pelo conhecimento do mundo, na familiaridade com diferentes linguagens, na aceitação e acolhimento das diferenças entre as pessoas. Também, de forma breve, pontua algumas experiências que devem ser garantidas às crianças, relacionadas a linguagem, meioambiente, músicas, movimentos, com o grupo, etc. O próximo documento, que vai apresentar as Diretrizes, tratará destas questões novamente.

8 6. Resolução CNE/CEB nº 5, de 17 de dezembro de 2009 Esta resolução (CNE/CEB nº 5, de 17/12/09) institui de fato as novas Diretrizes Curriculares para a Educação Infantil. Assim, como o parecer que a precedeu, aponta o mesmo conceito de currículo. O artigo 4º considera as Propostas Pedagógicas em que a criança é o centro do planejamento curricular e produtora de cultura Cultura Infantil. As propostas pedagógicas da Educação Infantil deverão considerar que a criança, centro do planejamento curricular, é sujeito histórico e de direitos que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura (BRASIL, 2009, Art.4). A questão conteúdos não aparece com este termo no documento. Implicitamente estão contidos no artigo 9º, uma vez que pelo texto, as práticas pedagógicas devam garantir experiências. É possível relacionar o termo conteúdo com as experiências, uma vez que da forma como está apresentado, ou seja, é possível subentender que as experiências sejam os próprios conteúdos uma vez que as crianças devem se apropriar. Mas o que de diferente as novas Diretrizes Curriculares propõem como conteúdos para a Educação Infantil? Se observarmos através de outro movimento este mesmo texto (art.9º)nos parece familiar a outro documento, já produzido pelo MEC: os Referenciais Curriculares Nacionais para a educação Infantil. Salvo algumas modificações, acrescentandose os recursos tecnológicos, por exemplo, não visualizamos alterações do que já se tinha como orientação. E nos arriscamos em dizer: os conhecimentos/conteúdos foram tratados de forma excessivamente abrangente. O mapa conceitual apresentado na figura 01, foi organizado a partir das Diretrizes Curriculares mas foi possível enquadrar os conhecimentos praticamente dentro dos mesmos eixos já apresentados pelos RCNEI s, a saber: Identidade e Autonomia, Linguagem Oral e Escrita, Matemática, Natureza e Sociedade, Artes Visuais e Movimento.

9 CURRÍCULO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INTERAÇÕES BRINCADEIRA Identidade Promovam o conhecimento de si e do mundo [...] Matemática Linguagens Favoreçam a imersão das crianças nas diferentes linguagens e [...] e formas de expressão: gestual, verbal, plástica, dramática e musical; Possibilitem às crianças experiências de narrativas, de apreciação e interação com a linguagem oral e escrita[...]

10 Recriem, em contextos significativos para as crianças, relações quantitativas, medidas, formas e orientações espaço temporais; Sociedade e Cultura Possibilitem vivências éticas e estéticas com outras crianças e grupos culturais [...] Possibilitem a utilização de gravadores, projetores, computadores, máquinas fotográficas, e outros recursos tecnológicos Tecnologia Autonomia Ampliem a confiança e a participação das crianças nas atividades individuais e coletivas; Artes e música Promovam o relacionamento e a interação das crianças com diversificadas manifestações de música, artes plásticas e gráficas, cinema, fotografia, dança, teatro, poesia e literatura; Natureza Promovam a interação, o cuidado, a preservação e o conhecimento da biodiversidade e da sustentabilidade [...] Figura 01: Mapa conceitual construído pela autora. Fonte : BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: CNE/CEB 5/ Parecer CNE/CEB nº 7/2010, aprovado em 7 de abril de 2010 O parecer CNE/CEB nº 7/2010, de 07/04/2010 trata das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Por a Educação Infantil constituir-se como primeira etapa deste nível, é conveniente levantar dados também deste documento. Embora seu objetivo seja estabelecer bases comuns nacionais para a Educação Infantil, o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, bem como para as modalidades com que podem se apresentar e o sentido [...]delimita como conjunto de definições doutrinárias sobre Possibilitem vivências éticas e estéticas com outras crianças e grupos culturais, que alarguem seus princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica (...) que orientarão as escolas padrões de referência e de identidades no brasileiras dos sistemas de ensino, na organização, na articulação, no desenvolvimento e na diálogo e reconhecimento da diversidade; Incentivem a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à natureza; Propiciem a interação e o conhecimento Ampliem a confiança e a participação das crianças nas atividades individuais e coletivas; Possibilitem situações de aprendizagem mediadas par a elaboração da autonomia das crianças nas ações de cuidado pessoal, auto-organização, saúde e bem-estar

11 Natur avaliação de suas propostas pedagógicas, foi aprovado depois das diretrizes da Educação Infantil. No mínimo estranho, uma vez que esta Diretriz deveria orientar as modalidades que estão contempladas dentro da Educação Básica. Em se tratando dos conteúdos apresentam: Os conteúdos curriculares da Educação Básica observarão, ainda, as seguintes diretrizes: I - a difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos cidadãos, de respeito ao bem comum e à ordem democrática; II - consideração das condições de escolaridade dos estudantes em cada estabelecimento; III - orientação para o trabalho; IV - promoção do desporto educacional e apoio às práticas desportivas não formais. Este parecer explica que os PCN s foram editados como uma obrigação de conteúdos a serem contemplados no Brasil inteiro, como se fossem um roteiro, sugerindo entender que essa medida poderia ser orientação suficiente para assegurar a qualidade da educação para todos e no decorrer do texto faz uma crítica ao rol de conteúdos rígidos, estanques que algumas propostas fazem, através de escolhas sem um movimento social participativo. Outras questões serão tratadas nas próprias diretrizes a serem apresentadas a seguir. 8. Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010 A Resolução CNE/CEB nº 4, de 13/07/2010, institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica. Tecidos alguns comentários em seu parecer que a antecedeu, apresentamos neste momento as questões referentes aos conteúdos para a Educação Infantil. Reforça a ideia de interdisciplinaridade dos conteúdos e a não delimitação da grade de conteúdos a ser seguida fielmente. No artigo 24, sem falar em conteúdos, mas dizendo no que devem se apoiar, acredito ser interessante pontuar: Os objetivos da formação básica das crianças, definidos para a Educação Infantil, prolongam-se durante os anos iniciais do Ensino Fundamental, especialmente no primeiro, e completam-se nos anos finais, ampliando e intensificando, gradativamente, o processo educativo;

12 Embora não sejam objetivos específicos para a educação Infantil, mas afirmando-se que são prolongados desta etapa, é possível compreender a articulação com os eixos já apresentados nas diretrizes da educação Infantil que também contemplam: linguagens, matemática, natureza e sociedade, artes e valores sociais. CONSIDERAÇÕES Traçar este caminho entre os documentos oficiais, compreendidos a partir da LDB/1996 até as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil/2009, foi possível levantar algumas questões evidentes e outras nem tanto a respeito de como o termo conteúdo apresentou-se e como foi tratado por cada um deles. É possível dizer que a partir de 1996, com a promulgação da LDB, que instituiu a Educação Infantil como etapa da Educação Básica e, portanto, etapa de ensino com objetivos voltados para este fim, inúmeras discussões surgem nesta área para o currículo da mesma e os documentos oficiais buscam organizar as diretrizes curriculares. Ao iniciar as formas de organização deste currículo, os documentos apontam questões pedagógicas, diretrizes educacionais, porém, não há clareza sobre como os conteúdos devam ser tratados nesta etapa de ensino. Não defendemos que o currículo precise ser pensado a partir dos conteúdos, mas sim a partir das especificidades das crianças, conforme explicam Guesser e Ranghetti (2011), porém estes devem ser sim, utilizados a favor do desenvolvimento das crianças e serem apresentados de forma clara aos professores, que a partir do que se apresenta, selecionam, organizam, ampliam, aprofundam, enfim, fazem a utilização didática conforme a especificidade de seu grupo de crianças. Também comungo com Kramer in Moreira (1999, p.170) que diz que uma política pública deve sim fazer proposições. Não modelos rígidos a serem seguidos, mas sim, assumir uma postura: Uma política pública deve, sim, propor, mas frequentemente chama-se de proposta o que é modelo, método ou grade curricular. É preciso propor caminhos levantando perguntas e gerando perguntas, experimentando caminhos. E os documentos oficiais, que tratam de diretrizes curriculares, são caminhos, propostas que fazem parte de uma política pública e que embasam uma etapa de ensino de todo o país.

13 Apesar de haver discussões e críticas ao RCNEI, referentes principalmente à sua forma de construção, pode-se considerar o documento que mais apresentou caminhos não obscuros para o trabalho educativo com crianças de 0 a 6 anos. Apontou claramente os conteúdos dentro das áreas do conhecimento. Os demais vão falar de forma muito ampla sobre os conhecimentos, em categorias muito amplas, que não possibilitam compreensão detalhada. As últimas Diretrizes Curriculares/2009 apresentam de outra forma os conteúdos e acrescentam outros, porém, o pano de fundo se mostra com conteúdos que se agrupados, revelam os principais eixos já apresentados pelo RCNEI em A maioria dos documentos não utilizam o termo conteúdo. No nosso entendimento, existe outra questão que envolve esta questão: a Educação Infantil busca em sua trajetória assumir-se como etapa de ensino, porém, o que não se quer, é que esta etapa tenha um currículo baseado nos moldes da escola e o termo conteúdo além de ser característico presente nos currículos das escolas, já foi utilizado ao longo da história como único e principal propulsor do conhecimento 1. Em alguns documentos reforçam a não antecipação dos conteúdos do Ensino Fundamental. Porém, embora concorde com esta questão, no sentido que a infância produz sua própria cultura, e deva ser vivida enquanto fase própria da vida do ser humano e não apenas com o sentimento de incapaz, inacabado, alguém que virá a ser, acredito que o termo conteúdo possa ser utilizado sim nos currículos, propostas pedagógicas, diretrizes curriculares ou outro nome que assim assumir este objetivo, desde que seja ressignificado a partir deste entendimento e de outras discussões que já existem sobre a criança e sua cultura 2. REFERENCIAS 1 Paulo Freire e o movimento da escola nova fez críticas ao modelo bancário, tradicional, onde os alunos apenas recebiam os conhecimentos (conteúdos) transmitidos pelos professores, sem interação e significância dos mesmos para a vida do aluno. 2 Aqui entendida como cultura infantil que também será diferente a partir da cultura social que está inserida.

14 BRASIL. Ministério da Educação. LDB - Lei no 9394/96, de 20 de dezembro de 1996.Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, Ministério da Educação. Parecer nº 20, de11 de novembro de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Parecer nº 22, de 17 de dezembro de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Parecer nº 7, de 7 de abril de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Parecer nº02, de 29 de janeiro de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Resolução nº 1, de7 de abril de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 13 de julho de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério da Educação. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de Brasília: MEC. CNE/CEB, Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para Educação infantil. Brasília, DF: MEC, 1998, volumes 1,2 e 3. FERREIRA, B. S. Conteúdos na educação infantil: tensões contemporâneas. Porto Alegre: UFRGS, f. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação, Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012 JUNQUEIRA FILHO, G.A. Seleção e articulação de conteúdos em educação infantil no Brasil: da negação à busca da produção de sentido. Ciências & Letras: Revista da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras. Porto Alegre, n.36, p , jul./dez. 2004, Disponível em Acesso em 15 out KRAMER, S. Propostas Pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. In: MOREIRA, A.F.B. Currículo: políticas e práticas. Campinas, SP: Papirus, LOPES, A. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: uma proposta integradora ou interdisciplinar? Itajaí: UNIVALI, f. Dissertação de Mestrado, Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do vale do Itajaí, Itajaí, OLIVEIRA, Z.de M.R. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2011

15 RANGHETTI,D.S. GESSER, V. Currículo Escolar: Das concepções históricoepistemológicas a sua materialização na prática dos contextos escolares. Curitiba, PR: CRV, SACRISTÁN, J.G. e GÓMEZ, A.I.P. Compreender e transformar o ensino. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, Trad.Ernani F. da Fonseca Rosa.

Conteúdos para a educação infantil: o que apontam os documentos oficiais

Conteúdos para a educação infantil: o que apontam os documentos oficiais Conteúdos para a educação infantil: o que apontam os documentos oficiais Resumo O artigo faz parte de estudos empreendidos na dissertação de Mestrado que tratará dos conteúdos presentes no currículo para

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Formação e identidade profissional do/a professor/a da Educação infantil:

Formação e identidade profissional do/a professor/a da Educação infantil: Currículo da Educação Infantil e as atuais Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil 1. Educação Infantil: desafios e dilemas atuais 1 EC n 59/09 (obrigatoriedade do ensino dos 4 aos 17

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (*) Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil O Presidente

Leia mais

Currículo na Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010)

Currículo na Educação Infantil. Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010) Currículo na Educação Infantil Diretrizes Curriculares Nacionais DCNEI/MEC (2010) Ementa Formação Continuada AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA EDUCAÇÃO INFANTIL (MEC/SEB -2010) OBJETIVO GERAL: Qualificar

Leia mais

Orientações Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Orientações Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Orientações Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Processo de revisão DCNEI Encontros Nacionais Reuniões Seminários Audiências Parcerias Perspectivas

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA UNISANTA FACULDADE DE PEDAGOGIA FaPE Curso de Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Infância II 2º semestre/ 2012. Profª. Ms. Maria Cristina P. Alves DISPOSITIVOS ANTECEDENTES

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Pensar a Base Nacional Comum e o currículo da Educação Infantil. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira

Pensar a Base Nacional Comum e o currículo da Educação Infantil. Zilma de Moraes Ramos de Oliveira Pensar a Base Nacional Comum e o currículo da Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira Os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio devem ter base nacional comum,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

A COLCHA DE RETALHOS

A COLCHA DE RETALHOS A COLCHA DE RETALHOS Clarice Felipim C.E.I Emília Floriani de Oliveira Clarice.felipim@hotmail.com.br A história de uma pessoa é como uma colcha de retalhos: ela é formada de acontecimentos, dos momentos

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES SOBRE CONHECIMENTO E CURRÍCULO NO MATERIAL DIDÁTICO DO PROINFANTIL/MEC

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES SOBRE CONHECIMENTO E CURRÍCULO NO MATERIAL DIDÁTICO DO PROINFANTIL/MEC 2 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES SOBRE CONHECIMENTO E CURRÍCULO NO MATERIAL DIDÁTICO DO PROINFANTIL/MEC Elaine Luciana Silva Sobral PPGEd/UFRN RESUMO No contexto de uma pesquisa

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil

Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Objetivos gerais e conteúdos da educação infantil Profa. Cláudia Yazlle 29 e 30/março/2011 Objetivos da aula de hoje Refletir sobre a identidade da educação infantil Conhecer os objetivos gerais da educação

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil

INTRODUÇÃO. Currículo e Educação Infantil INTRODUÇÃO Currículo e Educação Infantil A Educação Infantil é dever e obrigação do Estado e responsabilidade política e social da sociedade e não apenas daqueles que vivenciam a realidade escolar, utilizando-se

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O CURSO DE EXTENSÃO DA UNIRIO EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTE, CORPO E NATUREZA : RELATO DE EXPERIÊNCIA.

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL LEGISLAÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL LEGISLAÇÃO FEDERAL 0 SÃO PAULO ATUALIZADO EM JULHO DE 2014 ROTEIRO 1 Linha do tempo legislação federal 1. Leis Constituição da República Federativa do Brasil 05/10/1988 2. Resoluções, Pareceres e Deliberações Parecer CNE/CEB

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007.

JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. RESENHA REVIEW TEATRO E EDUCAÇÃO TEATHER AND EDUCATION JAPIASSU, Ricardo. A linguagem teatral na escola: pesquisa, docência e prática pedagógica. Campinas: Papirus, 2007. Danielle Rodrigues de Moraes*

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Unidade II. Quem seleciona os conteúdos que devemos ensinar na escola? Quais os critérios para seleção e organização do currículo?

Unidade II. Quem seleciona os conteúdos que devemos ensinar na escola? Quais os critérios para seleção e organização do currículo? Unidade II O CURRÍCULO NO BRASIL Como vimos na unidade anterior, toda teoria de currículo traz, implícita e explicitamente, uma forma de responder às questões sobre o quê, como e por que ensinar, ou seja,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Ciência na Educação Básica

Ciência na Educação Básica Ciência na Educação Básica Maria Beatriz Ramos de Vasconcellos Coelho Coordenadora Geral de Tecnologias da Educação Secretaria de Educação Básica O que está na Constituição O Brasil é uma República Federativa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCADORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REGIÃO DA AMFRI PROEXT 2013 Cleonice Vieira 1 ; Débora Maian Serpa 2 ; Moema Helena de Albuquerque 3 RESUMO O Programa tem como objetivo

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Prefeitura Municipal de Porto Real/Conselho

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS

A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS 1 A PRÁTICA DE COMPONENTE CURRICULAR NAS LICENCIATURAS RIBEIRO, Zenilda Lopes UFMT- Campus Universitário do Araguaia zenildalr@hotmail.com INTRODUÇÃO A licenciatura é uma permissão dada por uma autoridade

Leia mais

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica Qualidade

Leia mais

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117

XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 XVII Congresso Nacional de Linguística e Filologia 117 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Marcos Luiz Wiedemer (UERJ/UNESP) mlwiedemer@gmail.com 1. Introdução Os Parâmetros

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL. Currículo e Metodologia na Educação Infantil

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL. Currículo e Metodologia na Educação Infantil CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL Currículo e Metodologia na Educação Infantil Disciplina: Currículo e Metodologia na Educação Infantil Professora: Olga Noêmia de Moraes Currículo, Propostas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Apresentação do Professor. Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Contextualização.

Apresentação do Professor. Educação Infantil: Procedimentos. Teleaula 1. Ementa. Organização da Disciplina. Contextualização. Educação Infantil: Procedimentos Teleaula 1 Prof. Me. Mônica Caetano da Silva tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação do Professor Pedagogia (PUCPr) Especialização em Psicopedagogia

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA DISCIPLINA: EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: PESQUISA E PRÁTICA CODICRED: 142AU-04 EMENTA: Caracterização, organização e gestão dos espaços não-formais na promoção da aprendizagem

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Características do segmento Ensino Fundamental: Anos Iniciais compreende do 1º ao 5º ano a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade Fonte: shutterstock.com Material

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 01097 ASSESSORAMENTO TÉCNICO-PEDAGÓGICO AOS MUNICÍPIOS QUE ADERIRAM AO PROINFÂNCIA: DEMANDAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Rodrigues Flores (UFRGS) Simone Albuquerque (UFRGS) O artigo apresenta alguns

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO

COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO COTIDIANO DAS SALAS DE AULA DA SÉRIE INICIAL DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE SOBRE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO LEITE, Sandra Regina Mantovani UEL sleite@uel.br OLIVEIRA, Daiane Carine S. de UEL

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015.

PREFEITURA DE NOVA VENÉCIA-ES SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. PORTARIA Nº 1612 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2015. DISPÕE SOBRE O FUNCIONAMENTO E ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DAS UNIDADES DE ENSINO DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM TEMPO INTEGRAL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE NOVA VENÉCIA-ES

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais