LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Mestrado em Educação Tecnológica Denise do Prado Lisboa Oliveira LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS Belo Horizonte (MG) 2010

2 Denise do Prado Lisboa Oliveira LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Educação Tecnológica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET- MG, para obtenção do título de Mestre em Educação Tecnológica. Orientador: Prof. Dr. Paulo Cezar Santos Ventura Belo Horizonte (MG)

3 Dedicado à minha família, em toda sua infinitude. 3

4 HOMENAGEM A MINHA FILHA No universo em que vivemos, tudo tem um porquê. Quero encontrar em versos, como descrever você. Você é a segunda filha esperada com carinho, Me lembro foi bem assim: mês de janeiro você já estava a caminho, dia dezenove você sorriu para mim. Muita chuva e também enchente, Mas, com você chegando tudo ficou diferente. Lá fora estava frio mas, para você sempre tinha paninhos quentes. E você foi crescendo em tamanho e maturidade. Fazia coisas incríveis para crianças de sua idade, com cinco anos lia as placas na cidade. Aprendeu artesanato e desenhar os primeiros traços também, sempre com seus próprios passos sem depender de ninguém. Outras coisas aconteceram lembrar-me de todas não posso; aos dezesseis anos montou seu próprio negócio. Para uma jovem a vida é um mistério e você com sua garra, aos dezessete anos conclui o magistério. O sonho não parou muito menos a vontade: querendo crescer, ingressou-se em uma faculdade. Hoje com muito orgulho, queremos lhe homenagear. Sabemos das suas lutas, podemos comprovar: aplicada nos estudos, mesmo com filhos para cuidar. Quero lhe pedir agora que continue assim, vencendo suas lutas, é um orgulho para mim. Sua familia sente-se honrada por saber que irás até o fim. Sinta-se abraçada: Daniel, Débora, Tereza e Zezim. Fonte: Arquivo pessoal de José Lopes Lisboa (Zezim) 4

5 AGRADECIMENTOS Toda história é escrita com a ajuda de mãos amigas e hoje agradeço a Deus que me concedeu o privilégio de encontrá-las em pessoas tão maravilhosas. Citarei injustamente, apenas algumas. Agradeço... Primeiramente ao Senhor Jesus que está sempre de mãos abertas a me abençoar, Ao meu esposo Jonatas, pelo amor e incentivo, Aos meus filhos Isabel e Ivan, pela paciência nos momentos de ausência, e pelos sorrisos que me encheram de força; Aos meus pais José e Tereza, pelo apoio em todos os momentos; Ao professor Paulo, por acreditar em mim; Aos professores do CEFET-MG, pelos ensinamentos compartilhados; À professora Jane Canela, pelo acolhimento e disposição; Aos irmãos de Beth Filos: Jane, Janice, Antônio, Valmir, Angélica, Angela, Adriano, Carol, Geilma, Maria, Ruth, Daniel, Rayane e Vitória, pelas constantes orações; E ao CEFET-MG, pelo apoio financeiro. Muito obrigada. 5

6 RESUMO Um dos objetivos desta pesquisa é contribuir para o debate acerca do estudo do eixo Natureza e Sociedade na Educação Infantil. Através de uma pesquisa qualitativa, buscamos analisar o papel e a aplicação da metodologia de projetos para a Alfabetização e Letramento Científicos no estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na segunda etapa da Educação Infantil. Nesse sentido realizamos a análise documental, pesquisa bibliográfica, observação, entrevista, planejamento e aplicação de aula prática. Primeiramente realizamos uma análise documental do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil para melhor compreender a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade. Em seguida, selecionamos os principais referenciais teóricos da Metodologia de Projetos (MP) e apresentamos um diálogo com a Teoria da Atividade, utilizada nesse trabalho para análise da MP. Buscamos informações sobre os termos Alfabetização Científica e Letramento Científico, para esclarecimento e melhor análise dos dados. Realizamos, em seguida, a pesquisa de campo numa turma do primeiro período de uma escola da rede privada de educação. Após analisar a atividade aplicada, dialogando com os dados coletados na análise documental e bibliográfica, encontramos evidências de que a MP possibilita a construção de um ambiente favorável à Alfabetização Científica e até mesmo de eventos de Letramento Científico, potencializando a internalização de conhecimentos no processo de ensino-aprendizagem. Palavras-chave: Metodologia de Projetos, Teoria da Atividade, Alfabetização Científica, Letramento Científico, Educação Infantil, Natureza e Sociedade. 6

7 ABSTRACT One of the goals of this research is to contribute to the debate about the study at the shaft Nature and Society of the Infant Education. Through a qualitative research, we analyze the role and application of project methodology for Scientific Alphabetizing in the study at the shaft Nature and Society in the second stage of Infant education. In this sense we conducted the document analysis, literature search, observation, interviewing, planning and implementation of classroom practice. First we conducted a document analysis of National Curriculum Referential for Infant Education to better understand the concept of science at the shaft Nature and Society. We select the main references theoretical of the Project Methodology (MP) and we presented a dialogue with the Activity Theory, used in that work for analysis of the MP. We seek information about the terms: Scientific Alphabetizing and Scientific Literacy for the explanation and better data analysis. We accomplished, then the field research in a first period class of the private school education. After analyzing the activity applied, dialoguing with the data collected in the documentary analysis and Bibliographic, we found evidence that MP allows the construction of a favorable environment for Scientific Alphabetizing, and even events of Scientific Literacy, increasing the internalization of knowledge in the process of teaching and learning. Keywords: Methodology Project, Activity Theory, Scientific Alphabetizing, Infant Education, Nature and Society. 7

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Diagrama de Engeström (1987)...52 Figura 2: Diagrama de Engeström adaptado à atividade educacional...53 Figura 3 : Esquema da situação Objetal...55 Figura 4 : Situação Objetal da Atividade...86 Figura 5 : Diagrama do Primeiro Momento da Atividade...86 Figura 6: Diagrama do Segundo Momento da Atividade...95 Figura 7: Alfabetização e Letramento Científico Figura 8 : Diagrama comparativo dos Momentos da atividade Figura 9: Levantamento das hipóteses

9 LISTA DE IMAGENS Imagem 1 : Atividade no Livro...80 Imagem 2 : Lixeirinhas da coleta seletiva...82 Imagem 3 : Mural...83 Imagem 4 : Turma e Materiais...87 Imagem 5 : Comparando os materiais...88 Imagem 6 : Colocando os primeiros materiais...89 Imagem 7 : Recortando as garrafas...90 Imagem 8 : Formação das duplas de trabalho...91 Imagem 9 - Escrevendo...92 Imagem 10 : Nomeando as lixeiras...93 Imagem 11 : Concluindo o trabalho...94 Imagem 12: Levantamento das hipóteses...96 Imagem 13: Recipiente cheio de lixo...99 Imagem 14: Lixeiras em close Imagem 15: Comparando os resultados

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 : Instrumentos da Pesquisa...71 Tabela 2 : Resumo do Procedimento Metodológico da Pesquisa...75 Tabela 3: Levantamento de hipótese...97 Tabela 4: Comparação das justificativas...98 Tabela 5: Resultados Imediatos Tabela 6: Evidências de Alfabetização Científica Tabela 7: Indícios de Alfabetização Científica e Letramento Científico Tabela 8: Análise da entrevista parte Tabela 9: Análise da entrevista parte Tabela 10: Análise da entrevista - parte Tabela 11: Análise da entrevista parte Tabela 12: Análise da entrevista parte Tabela 13: Análise da entrevista parte

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13 CAPÍTULO Ciências em Natureza e Sociedade Características do RCNEI RCNEI - Volume I: Principais Conceitos e Concepções O Projeto no RCNEI A Concepção de Ciências em Natureza e Sociedade O Conhecimento Científico e suas Representações Estrutura Geral do Eixo de Trabalho Natureza e Sociedade...38 CAPÍTULO Principais Referenciais Teóricos A Metodologia de Projetos no Contexto Escolar Os projetos de Trabalho A Metodologia de Projetos: Uma Prática Educativa Análise da MP pela Teoria da Atividade Letramento ou Alfabetização Científica na Educação Infantil? De onde vem as palavras: alfabetização e letramento? Letramento Definido num Poema A Alfabetização Científica...63 CAPÍTULO Procedimentos Metodológicos: Instrumentos da Pesquisa: Análise documental Observação

12 3.1.3 Entrevista A instituição onde ocorreu a pesquisa Sujeitos da pesquisa Análise dos dados...74 CAPÍTULO Pesquisa de Campo Conhecendo o Ambiente Aplicação da atividade ª Parte: Construção da lixeira ª parte: Pesquisando o lixo Entrevista CAPÍTULO Discussão dos resultados Natureza e Sociedade dentro do RCNEI (BRASIL, 1998) e suas realções com a MP, Alfabetização Científica e Letramento Científico Escolar Análise dos Resultados da atividade Impactos da atividade CAPÍTULO Considerações Finais APÊNDICES: REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

13 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo analisar o papel e a aplicação da metodologia de projetos para a Alfabetização e Letramento Científicos no estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade, estabelecendo uma interlocução com a perspectiva sócio-interacionista, na segunda etapa da Educação Infantil. Partese do pressuposto de que o processo de ensino-aprendizagem, através da Metodologia de Projetos, possibilita a construção de um ambiente favorável à Alfabetização Científica através do estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na Educação Infantil, potencializando a internalização de conhecimentos no processo de ensino-aprendizagem. Esses pressupostos nos instigam a questionar como a metodologia de projetos pode ser potencializadora do processo de internalização de signos através de instrumentos externos na temática Natureza e Sociedade no âmbito da Educação Infantil facilitando a Alfabetização Científica e o Letramento Científico Escolar. Desde 1996, quando formada em magistério, dediquei-me à educação infantil por apreciar os modos de aquisição de conhecimento das crianças. Atualmente existem poucos trabalhos na academia voltados a essa faixa etária, o que me motivou ainda mais a produzir algo que possa ser útil aos educadores e 13

14 pesquisadores em geral. Em minha prática como professora, sempre trabalhei com Metodologia de Projetos (MP). Alguns projetos trabalhados na minha primeira escola onde fui professora e diretora a 2001 nos levaram a modificar toda a estrutura de organização e acomodação dos alunos que passaram a ser divididos por nível de alfabetização. A escola passou a ter salas ambiente englobando linguagem oral e escrita, matemática, inglês, música, informática, o grande quintal da escola servia de ambiente para o ensino de ciências. Esses ambientes de aprendizagem abriam espaço para grandes produções dos alunos. Daí em diante, tive várias experiências em outras instituições aplicando a metodologia de projetos em meu trabalho diário. Toda minha experiência na utilização da MP e a observação de colegas em sua prática diária me levaram a questionar como essa metodologia pode contribuir para o ensino do eixo de trabalho Natureza e Sociedade especificamente na Educação Infantil. A aprendizagem é um processo contínuo e a educação é caracterizada por saltos qualitativos de um nível de aprendizagem a outro. Ela desperta processos internos de desenvolvimento que somente podem ocorrer quando o indivíduo interage com outras pessoas. Daí a importância das relações sociais e da cultura, como produto dessas relações pessoais no desenvolvimento intelectual da criança. Em se tratando do processo de ensino aprendizagem, os instrumentos externos, assim como os signos, são mediadores da relação homem-homem e homem-objeto, oferecendo suporte concreto para a ação do homem no mundo. À medida que a criança vai utilizando os instrumentos externos, esses vão se transformando em processos internos. Essa passagem 14

15 de instrumentos externos em signos internos acontece através do que Vygotsky (1991) chama de processos de internalização. Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 1998), a Educação Básica é um espaço onde processos educativos são construídos de forma dinâmica, não existindo aquele que somente conduz, mas que, também, ao mesmo tempo, pode ser conduzido. É um conjunto de ambientes de permanente troca mútua de sentimentos, experiências, conhecimentos, no qual a criança é agente central e fundamental. O Referencial Curricular, no âmbito de Conhecimento de Mundo, contempla o estudo da Linguagem, abordando seus diversos aspectos e a Escrita num sentido de letramento. O termo alfabetização não aparece, sendo que, na prática, a maior parte das atividades é elaborada com esse fim. De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL,1998), o estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade engloba: fenômenos da natureza, paisagem, seres vivos e relações sócio-culturais. Nossa pesquisa aborda mais especificamente o bloco: Os seres vivos, tendo por conteúdo principal a percepção dos cuidados necessários à preservação de vida e do ambiente. Infelizmente, para esse tópico, o documento não apresenta nenhuma orientação didática, limitando-se a explorar sobre espécies de seres vivos, pequenos animais e vegetais, conhecimentos de algumas espécies da flora brasileira e mundial e cuidados com o corpo. Consideramos fundamental apresentar para o aluno conhecimentos científicos já nas séries iniciais da educação, viabilizando a interação entre o indivíduo e os fenômenos do mundo físico. A Alfabetização Científica deverá contribuir para favorecer a adoção de 15

16 atitudes responsáveis, em particular diante dos problemas globais que afetam a humanidade. A atividade humana faz surgir diferentes linguagens, dentre elas a científica. Ser alfabetizado cientificamente é saber expressar um modo de observar, interpretar e agir sobre a natureza. Entender a ciência nos facilita, também, contribuir para controlar e prever algumas das transformações que ocorrem na natureza. Assim, teremos condições de fazer com que essas transformações sejam propostas, para que conduzam a uma melhor qualidade de vida. É necessária uma educação para o desenvolvimento sustentável. O processo de ensino-aprendizagem desenvolvido através de uma Metodologia de Projetos tem sido indicado como uma prática educativa que promove a aproximação entre a experiência escolar e extra-escolar através da prática de pesquisa e iniciação científica e tecnológica, evidenciando a interação social para a aprendizagem e o processo colaborativo de apropriação do conhecimento (VENTURA, 2002). A Metodologia de Projetos promove o debate entre o homem, a natureza e a cultura, entre o homem e o trabalho, enfim, entre o homem e o mundo em que vive. É uma metodologia dialógica e, como tal, prepara o homem para viver o seu tempo com as contradições e os conflitos existentes, e conscientiza-o da necessidade de intervir, nesse presente para a construção efetiva de um futuro melhor. Os projetos de trabalho 1 direcionam o processo educativo mediado pelo uso de instrumentos e signos, com ênfase no aluno e não no professor. 1 Segundo Moura & Barbosa (2006), são desenvolvidos por aluno(s) em uma (ou mais) disciplina(s), no contexto escolar, sob orientação de professor e tem por objetivo a aprendizagem de conceitos e desenvolvimento de competências e habilidades específicas. 16

17 Vygotsky (2005) utiliza o conceito de mediação segundo o qual a relação do homem com o mundo não é direta, mas mediada pelos sistemas simbólicos. Para Vygotsky (2005), a invenção e o uso de signos como meios auxiliares para solucionar um dado problema é análoga à invenção e uso de instrumentos. Esse autor apresenta a transmissão de conceitos científicos através de situações formais de ensino-aprendizagem, tais como ocorrem no ensino ministrado em escolas. A Metodologia de Projetos é uma prática educativa na qual os alunos podem aprender conceitos científicos envolvidos em um sistema de atividades. Consideramos o sistema de atividades no ambiente escolar, os elementos ligados à prática educativa, onde o sujeito (aluno) articula-se com o objeto, em intermediação com outros elementos como as regras relativas ao desenvolvimento da disciplina ou curso, comunidade escolar, divisão de trabalho ligado às tarefas escolares e ferramentas utilizadas na construção do artefato. O conceito de atividade, na perspectiva dessa metodologia, articula-se com a concepção de Leontiev (1978), no que se refere à atividade e à formação de conceitos científicos. A atividade é uma categoria central no processo de ensino-aprendizagem e gera ações que desencadeiam uma rede de colaborações e mediações, a partir das relações sociais que se formam no processo e que configuram um sistema de atividades. A Teoria da Atividade elaborada por Leontiev (1978) e instrumentalizada por Engeström (1987) partiu de Vygotsky (2005), numa visão de atividade mediada por ferramentas e signos, onde afirma que, na maioria dos contextos humanos, nossas atividades são geradas a partir de necessidades ou motivos 17

18 e mediadas pelo uso de instrumentos culturalmente estabelecidos, como idiomas, artefatos e procedimentos realizados. Essa necessidade pode ter uma natureza material ou simbólica e direciona o conjunto de ações que constituem a atividade. As ações, por sua vez, são dirigidas por objetivos conscientes que não se ligam diretamente à necessidade geradora da atividade cuja satisfação está ligada à concretização desses objetivos de forma articulada (PONTELO e MOREIRA, 2008). Lidar com objetos - procurando manipular, construir, transformar implica, além de tudo, o desenvolvimento de uma série de habilidades importantes para a vida do ser. Algumas questões emergem dessas constatações e norteiam a reflexão sobre o propósito deste trabalho: 1) Qual é a concepção de Ciências do eixo de trabalho Natureza e Sociedade dentro do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil? 2) Quais os principais referenciais teóricos da Metodologia de Projetos, como recurso de ensino e aprendizagem na educação? 3) Quais são as evidências que levam a pensar que a Metodologia de Projetos possa ser uma prática educativa usada para a Alfabetização Científica facilitando o uso da Ciência e Tecnologia dentro do ambiente de aprendizagem da educação infantil? 18

19 4) Como essa Prática Educativa pode favorecer o ensino do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na Educação Infantil? Objetivando responder a essas questões, esta dissertação foi estruturada em seis capítulos. O capítulo 1 foi desenvolvido com a análise documental do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL,1998). Fazse um breve apanhado dos volumes I e III desse documento que englobam a Introdução (vol. I) e Natureza e Sociedade (vol III). Algumas considerações foram tecidas para ajudar a compreensão desse documento e seu papel na Educação Infantil atual. O capítulo 2 apresenta os principais referenciais teóricos da pesquisa divididos em dois tópicos. No primeiro tópico trata sobre a Metodologia de Projetos, suas principais definições e sua relação com a Teoria da Atividade, também conceituada nesse tópico. No segundo tópico, falamos sobre Alfabetização Científica trazendo os principais conceitos a esse respeito, incluindo uma discussão sobre letramento científico e Alfabetização Científica. No capítulo 3 estão dispostos os procedimentos metodológicos escolhidos para melhor atender às questões pertinentes. Ao final do capitulo, apresentamos um quadro que resume toda a trajetória na busca de respostas às questões levantadas. Em seguida, no capítulo 4, descrevemos a pesquisa de campo com o conjunto de dados coletados e organizados. Os dados estão explícitos por meio de fotografias, figuras e descrição de trechos de conversas com os envolvidos na pesquisa. 19

20 O capítulo 5 apresenta o resultados da análise de todos os dados levantados na pesquisa, correlacionando-os aos dados coletados com a pesquisa empírica. Algumas informações foram destacadas e destrinchadas, expondo detalhes pertinentes à pesquisa. Representando os resultados analisados, incluímos tabelas e figuras. E finalmente nas considerações finais, temos o capítulo 6, que engloba um apanhado geral de todo o processo de pesquisa e seus resultados observados. Apresentamos uma reflexão sobre a Alfabetização Científica na Educação Infantil, considerando os resultados da pesquisa. Nesse capítulo, há uma busca de relacionar os aspectos teóricos da pesquisa com os dados levantados na pesquisa de campo, e assim, apontar reflexões que poderão auxiliar nas práticas de ensino em ciências nessa faixa etária. Diante das informações presentes nesta introdução, passamos ao primeiro capítulo que aponta a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade no Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil RCNEI (BRASIL, 1998). 20

21 CAPÍTULO 1 Ciências em Natureza e Sociedade Nesse capítulo analisamos o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998). Destacamos na análise os dados e conceitos básicos referentes ao tema da pesquisa. Realizamos esse trabalho de análise documental baseados na concepção de Lüdke (1986). De acordo com Lüdke (1986) a análise documental,...pode se constituir numa técnica valiosa de abordagem de dados qualitativos, seja complementando as informações obtidas por outras técnicas, seja desvelando aspectos novos de um tema ou problema (p.38). Ela se difere da Pesquisa Bibliográfica apenas na natureza das fontes, pois a Pesquisa Documental vale-se de materiais que receberam um tratamento analítico, ou que, ao contrário do material bibliográfico, ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetivos da pesquisa. Nesta pesquisa será feita a análise documental do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998), documento oficial, adotado em instituições que oferecem educação infantil. 21

22 A questão básica a ser respondida por esta análise documental é: Qual é a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade dentro do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil? 1.1 Características do RCNEI O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 1998) é o principal documento analisado nesta pesquisa. Trata-se de um documento proposto pelo Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria da Educação Fundamental, Departamento de Política da Educação Fundamental, coordenação geral de Educação Infantil, publicado em 1998, dois anos depois da aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9394/96 (LDB), que estabelece que a educação infantil é a primeira etapa da educação básica. O RCNEI (BRASIL,1998) é um material produzido para auxiliar o professor na realização de seu trabalho educativo diário junto às crianças. Foi concebido de maneira a servir como um guia de reflexão de cunho educacional sobre objetivos, conteúdos e orientações didáticas para os profissionais que atuam com crianças de 0 a 6 anos, respeitando seus estilos pedagógicos e a diversidade cultural brasileira. Foi criado para cumprir o que determina a Constituição Federal em seu art 9, IV que afirma: À União incubir-se-á de (...) estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil (...) que nortearão os currículos e conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum (BRASIL, 1988). 22

23 De caráter não obrigatório, o RCNEI (BRASIL,1998) pretende contribuir para o planejamento, desenvolvimento e avaliação de práticas educacionais que considerem a pluralidade e diversidade seja ela étnica, religiosa, de gênero, social e cultural das crianças no intuito de responder às demandas das crianças e seus familiares nas diferentes regiões do país. Composto por três volumes, esse documento está organizado da seguinte forma: Introdução: reflexão sobre creches e pré-escolas no Brasil, situando e fundamentando concepções de criança, de educação, de instituição e do profissional, que foram utilizadas para definir os objetivos gerais da educação infantil e orientaram a organização dos documentos de eixos de trabalho que estão agrupados em dois volumes; Formação Pessoal e Social: esse âmbito de experiência contém o eixo de trabalho que favorece, prioritariamente, os processos de construção da Identidade e Autonomia das crianças; Conhecimento de Mundo: esse âmbito de experiência contém seis documentos referentes aos eixos de trabalho orientados para a construção das diferentes linguagens pela criança e para as relações que estabelecem com os objetos de conhecimento: Movimento; Música; Artes Visuais; Linguagem Oral e Escrita; Natureza e Sociedade e Matemática. 23

24 1.2 RCNEI - Volume I: Principais Conceitos e Concepções Dentre os volumes citados, focamos esta pesquisa no primeiro volume do documento, chamado Introdução e em parte do terceiro volume, especificamente no eixo Natureza e Sociedade. O primeiro volume, intitulado Introdução, trata inicialmente das características do Referencial Curricular e o que consta nele com intuito de garantir uma educação básica de qualidade para todos, dentro de um país com tanta diversidade. Tais características levam em consideração que a educação infantil é a primeira etapa da Educação Básica, de acordo com o título V, capítulo II, seção II, art 29 da LDB, tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade. Essa integralidade refere-se ao desenvolvimento tanto cognitivo quanto afetivo, social, emocional, físico, cultural, ético, etc. Para que isso seja possível, principalmente dentro de um país formado por tanta diversidade, um conjunto de referências e orientações pedagógicas foram reunidas visando contribuir com as políticas e programas da educação infantil. Alguns princípios surgem para garantir a qualidade das experiências oferecidas em busca do exercício da cidadania, tais como, o respeito à dignidade e aos direitos das crianças de brincar, o acesso das crianças aos bens socioculturais, a necessidade de socialização e atendimento aos cuidados essenciais associados à sobrevivência e ao desenvolvimento de sua identidade. Em vários momentos, o documento frisa que o mesmo não pretende resolver os complexos problemas dessa etapa educaciona, mas almeja contribuir como orientador de ações na busca da melhoria da qualidade da educação infantil brasileira. 24

25 O conteúdo seguinte da Introdução é uma breve análise dos tipos de locais onde a educação básica é oferecida. Aponta que o atendimento educacional à criança pequena se dá em instituições como creches e pré-escolas. Estruturadas com concepções educacionais amplamente diferentes, essas instituições se relacionam no que diz respeito à finalidade social da educação. Por um lado, há práticas que privilegiam os cuidados físicos, partindo de concepções que compreendem a criança pequena como carente, frágil, dependente e passiva, dependentes todo tempo da ação direta de um adulto. A proteção, saúde e nutrição não são menos importantes que o afeto, interação e estimulação. Essa prática acaba tolhindo a possibilidade de independência e as oportunidades das crianças de aprenderem sobre o cuidado de si, do outro e do ambiente. Por outro lado, existem práticas que privilegiam as necessidades emocionais onde os profissionais que atuam na educação deveriam atuar como substitutos maternos. São normalmente chamados de tia ou tio e prestam à família um serviço de cuidado emocional na ausência dos pais. O desenvolvimento cognitivo 2 está presente em algumas práticas educacionais. Essas polêmicas precisam ser consideradas quando se pretende analisar uma proposta educacional. Alguns conceitos necessitam ser esclarecidos para que a proposta tenha sentido, atingindo os objetivos pelos quais foram elaborados, como por exemplo, o conceito de criança. A criança como todo ser humano, é um sujeito social e histórico e faz parte de uma organização familiar que está inserida em uma sociedade, com uma determinada cultura, em um determinado momento histórico. É 2 Esse termo está ligado ao desenvolvimento das estruturas do pensamento em aprendizagem de conteúdos específicos. 25

26 profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também o marca. A criança tem na família, biológica ou não, um ponto de referência fundamental, apesar da multiplicidade de interações sociais que estabelece com outras instituições sociais (BRASIL,1994). No artigo A construção do Infantil na literatura Brasileira, Maria Cristina Soares de Gouvêa apresenta a construção do conceito de criança apresentado através de dois modelos de apreensão da infância, originados no campo da ciência psicopedagógica. O primeiro modelo busca analisar a infância tendo em vista as características remetidas ao adulto. Assim sendo, a criança é considerada um ser imaturo que deve aprender padrões e comportamentos que aproximem dos padrões adultos. Qualquer manifestação das tendências infantis são consideradas neste modelo como expressões de imaturidade que devem ser reprimidas para que os bons valores incutidos pelos adultos prevaleçam. O conceito de criança neste modelo é de um ser frágil que depende do adulto para incutir-lhe preceitos morais através da transmissão de lições modelares. O segundo modelo se remete a defender a positividade da especificidade da infância. Neste novo olhar, a criança é percebida com um ser diferente do adulto, um ser novo cheio de energia. A infância, por associar-se à expressão de afetos e sentimentos, deixa de ser um momento de domesticação, passando a significar uma fonte onde brota energia e vitalidade do novo. É importante observarmos a formação destas concepções, pois as mesmas têm repercução direta nas práticas escolares. A concepção de criança é fruto de conceitos históricos ricamente construídos que vem mudar ao longo dos tempos e não se apresenta de forma homogênea nem mesmo na mesma época numa mesma sociedade. Diferenças regionais, 26

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : MUNDO SOCIAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural, formulando

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL

ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL ATUAÇÃO DO PIBID NA ESCOLA: (RE) DESCOBRINDO AS PRÁTICAS LÚDICAS E INTERDISCIPLINARES NO ENSINO FUNDAMENTAL Adriana do Nascimento Araújo Graduanda Pedagogia - UVA Francisca Moreira Fontenele Graduanda

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALVES, Ana Paula PUCPR SAHEB, Daniele PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS

CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESENHOS E PALAVRAS NO PROCESSO DE SIGNIFICAÇÃO SOBRE SERES VIVOS DOMINGUEZ RODRIGUES CHAVES, C. (1) Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. USP - Universidade de

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

Como mediador o educador da primeira infância tem nas suas ações o motivador de sua conduta, para tanto ele deve:

Como mediador o educador da primeira infância tem nas suas ações o motivador de sua conduta, para tanto ele deve: 18. O papel do profissional na ação educativa da creche Segundo o RCNEI (1998), o profissional da educação infantil trabalha questões de naturezas diversas, abrangendo desde cuidados básicos essenciais

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais