LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS"

Transcrição

1 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Mestrado em Educação Tecnológica Denise do Prado Lisboa Oliveira LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS Belo Horizonte (MG) 2010

2 Denise do Prado Lisboa Oliveira LETRAMENTO CIENTÍFICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DO EIXO DE TRABALHO NATUREZA E SOCIEDADE ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE PROJETOS Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado em Educação Tecnológica do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET- MG, para obtenção do título de Mestre em Educação Tecnológica. Orientador: Prof. Dr. Paulo Cezar Santos Ventura Belo Horizonte (MG)

3 Dedicado à minha família, em toda sua infinitude. 3

4 HOMENAGEM A MINHA FILHA No universo em que vivemos, tudo tem um porquê. Quero encontrar em versos, como descrever você. Você é a segunda filha esperada com carinho, Me lembro foi bem assim: mês de janeiro você já estava a caminho, dia dezenove você sorriu para mim. Muita chuva e também enchente, Mas, com você chegando tudo ficou diferente. Lá fora estava frio mas, para você sempre tinha paninhos quentes. E você foi crescendo em tamanho e maturidade. Fazia coisas incríveis para crianças de sua idade, com cinco anos lia as placas na cidade. Aprendeu artesanato e desenhar os primeiros traços também, sempre com seus próprios passos sem depender de ninguém. Outras coisas aconteceram lembrar-me de todas não posso; aos dezesseis anos montou seu próprio negócio. Para uma jovem a vida é um mistério e você com sua garra, aos dezessete anos conclui o magistério. O sonho não parou muito menos a vontade: querendo crescer, ingressou-se em uma faculdade. Hoje com muito orgulho, queremos lhe homenagear. Sabemos das suas lutas, podemos comprovar: aplicada nos estudos, mesmo com filhos para cuidar. Quero lhe pedir agora que continue assim, vencendo suas lutas, é um orgulho para mim. Sua familia sente-se honrada por saber que irás até o fim. Sinta-se abraçada: Daniel, Débora, Tereza e Zezim. Fonte: Arquivo pessoal de José Lopes Lisboa (Zezim) 4

5 AGRADECIMENTOS Toda história é escrita com a ajuda de mãos amigas e hoje agradeço a Deus que me concedeu o privilégio de encontrá-las em pessoas tão maravilhosas. Citarei injustamente, apenas algumas. Agradeço... Primeiramente ao Senhor Jesus que está sempre de mãos abertas a me abençoar, Ao meu esposo Jonatas, pelo amor e incentivo, Aos meus filhos Isabel e Ivan, pela paciência nos momentos de ausência, e pelos sorrisos que me encheram de força; Aos meus pais José e Tereza, pelo apoio em todos os momentos; Ao professor Paulo, por acreditar em mim; Aos professores do CEFET-MG, pelos ensinamentos compartilhados; À professora Jane Canela, pelo acolhimento e disposição; Aos irmãos de Beth Filos: Jane, Janice, Antônio, Valmir, Angélica, Angela, Adriano, Carol, Geilma, Maria, Ruth, Daniel, Rayane e Vitória, pelas constantes orações; E ao CEFET-MG, pelo apoio financeiro. Muito obrigada. 5

6 RESUMO Um dos objetivos desta pesquisa é contribuir para o debate acerca do estudo do eixo Natureza e Sociedade na Educação Infantil. Através de uma pesquisa qualitativa, buscamos analisar o papel e a aplicação da metodologia de projetos para a Alfabetização e Letramento Científicos no estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na segunda etapa da Educação Infantil. Nesse sentido realizamos a análise documental, pesquisa bibliográfica, observação, entrevista, planejamento e aplicação de aula prática. Primeiramente realizamos uma análise documental do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil para melhor compreender a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade. Em seguida, selecionamos os principais referenciais teóricos da Metodologia de Projetos (MP) e apresentamos um diálogo com a Teoria da Atividade, utilizada nesse trabalho para análise da MP. Buscamos informações sobre os termos Alfabetização Científica e Letramento Científico, para esclarecimento e melhor análise dos dados. Realizamos, em seguida, a pesquisa de campo numa turma do primeiro período de uma escola da rede privada de educação. Após analisar a atividade aplicada, dialogando com os dados coletados na análise documental e bibliográfica, encontramos evidências de que a MP possibilita a construção de um ambiente favorável à Alfabetização Científica e até mesmo de eventos de Letramento Científico, potencializando a internalização de conhecimentos no processo de ensino-aprendizagem. Palavras-chave: Metodologia de Projetos, Teoria da Atividade, Alfabetização Científica, Letramento Científico, Educação Infantil, Natureza e Sociedade. 6

7 ABSTRACT One of the goals of this research is to contribute to the debate about the study at the shaft Nature and Society of the Infant Education. Through a qualitative research, we analyze the role and application of project methodology for Scientific Alphabetizing in the study at the shaft Nature and Society in the second stage of Infant education. In this sense we conducted the document analysis, literature search, observation, interviewing, planning and implementation of classroom practice. First we conducted a document analysis of National Curriculum Referential for Infant Education to better understand the concept of science at the shaft Nature and Society. We select the main references theoretical of the Project Methodology (MP) and we presented a dialogue with the Activity Theory, used in that work for analysis of the MP. We seek information about the terms: Scientific Alphabetizing and Scientific Literacy for the explanation and better data analysis. We accomplished, then the field research in a first period class of the private school education. After analyzing the activity applied, dialoguing with the data collected in the documentary analysis and Bibliographic, we found evidence that MP allows the construction of a favorable environment for Scientific Alphabetizing, and even events of Scientific Literacy, increasing the internalization of knowledge in the process of teaching and learning. Keywords: Methodology Project, Activity Theory, Scientific Alphabetizing, Infant Education, Nature and Society. 7

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Diagrama de Engeström (1987)...52 Figura 2: Diagrama de Engeström adaptado à atividade educacional...53 Figura 3 : Esquema da situação Objetal...55 Figura 4 : Situação Objetal da Atividade...86 Figura 5 : Diagrama do Primeiro Momento da Atividade...86 Figura 6: Diagrama do Segundo Momento da Atividade...95 Figura 7: Alfabetização e Letramento Científico Figura 8 : Diagrama comparativo dos Momentos da atividade Figura 9: Levantamento das hipóteses

9 LISTA DE IMAGENS Imagem 1 : Atividade no Livro...80 Imagem 2 : Lixeirinhas da coleta seletiva...82 Imagem 3 : Mural...83 Imagem 4 : Turma e Materiais...87 Imagem 5 : Comparando os materiais...88 Imagem 6 : Colocando os primeiros materiais...89 Imagem 7 : Recortando as garrafas...90 Imagem 8 : Formação das duplas de trabalho...91 Imagem 9 - Escrevendo...92 Imagem 10 : Nomeando as lixeiras...93 Imagem 11 : Concluindo o trabalho...94 Imagem 12: Levantamento das hipóteses...96 Imagem 13: Recipiente cheio de lixo...99 Imagem 14: Lixeiras em close Imagem 15: Comparando os resultados

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 : Instrumentos da Pesquisa...71 Tabela 2 : Resumo do Procedimento Metodológico da Pesquisa...75 Tabela 3: Levantamento de hipótese...97 Tabela 4: Comparação das justificativas...98 Tabela 5: Resultados Imediatos Tabela 6: Evidências de Alfabetização Científica Tabela 7: Indícios de Alfabetização Científica e Letramento Científico Tabela 8: Análise da entrevista parte Tabela 9: Análise da entrevista parte Tabela 10: Análise da entrevista - parte Tabela 11: Análise da entrevista parte Tabela 12: Análise da entrevista parte Tabela 13: Análise da entrevista parte

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13 CAPÍTULO Ciências em Natureza e Sociedade Características do RCNEI RCNEI - Volume I: Principais Conceitos e Concepções O Projeto no RCNEI A Concepção de Ciências em Natureza e Sociedade O Conhecimento Científico e suas Representações Estrutura Geral do Eixo de Trabalho Natureza e Sociedade...38 CAPÍTULO Principais Referenciais Teóricos A Metodologia de Projetos no Contexto Escolar Os projetos de Trabalho A Metodologia de Projetos: Uma Prática Educativa Análise da MP pela Teoria da Atividade Letramento ou Alfabetização Científica na Educação Infantil? De onde vem as palavras: alfabetização e letramento? Letramento Definido num Poema A Alfabetização Científica...63 CAPÍTULO Procedimentos Metodológicos: Instrumentos da Pesquisa: Análise documental Observação

12 3.1.3 Entrevista A instituição onde ocorreu a pesquisa Sujeitos da pesquisa Análise dos dados...74 CAPÍTULO Pesquisa de Campo Conhecendo o Ambiente Aplicação da atividade ª Parte: Construção da lixeira ª parte: Pesquisando o lixo Entrevista CAPÍTULO Discussão dos resultados Natureza e Sociedade dentro do RCNEI (BRASIL, 1998) e suas realções com a MP, Alfabetização Científica e Letramento Científico Escolar Análise dos Resultados da atividade Impactos da atividade CAPÍTULO Considerações Finais APÊNDICES: REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

13 INTRODUÇÃO Este trabalho tem como objetivo analisar o papel e a aplicação da metodologia de projetos para a Alfabetização e Letramento Científicos no estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade, estabelecendo uma interlocução com a perspectiva sócio-interacionista, na segunda etapa da Educação Infantil. Partese do pressuposto de que o processo de ensino-aprendizagem, através da Metodologia de Projetos, possibilita a construção de um ambiente favorável à Alfabetização Científica através do estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na Educação Infantil, potencializando a internalização de conhecimentos no processo de ensino-aprendizagem. Esses pressupostos nos instigam a questionar como a metodologia de projetos pode ser potencializadora do processo de internalização de signos através de instrumentos externos na temática Natureza e Sociedade no âmbito da Educação Infantil facilitando a Alfabetização Científica e o Letramento Científico Escolar. Desde 1996, quando formada em magistério, dediquei-me à educação infantil por apreciar os modos de aquisição de conhecimento das crianças. Atualmente existem poucos trabalhos na academia voltados a essa faixa etária, o que me motivou ainda mais a produzir algo que possa ser útil aos educadores e 13

14 pesquisadores em geral. Em minha prática como professora, sempre trabalhei com Metodologia de Projetos (MP). Alguns projetos trabalhados na minha primeira escola onde fui professora e diretora a 2001 nos levaram a modificar toda a estrutura de organização e acomodação dos alunos que passaram a ser divididos por nível de alfabetização. A escola passou a ter salas ambiente englobando linguagem oral e escrita, matemática, inglês, música, informática, o grande quintal da escola servia de ambiente para o ensino de ciências. Esses ambientes de aprendizagem abriam espaço para grandes produções dos alunos. Daí em diante, tive várias experiências em outras instituições aplicando a metodologia de projetos em meu trabalho diário. Toda minha experiência na utilização da MP e a observação de colegas em sua prática diária me levaram a questionar como essa metodologia pode contribuir para o ensino do eixo de trabalho Natureza e Sociedade especificamente na Educação Infantil. A aprendizagem é um processo contínuo e a educação é caracterizada por saltos qualitativos de um nível de aprendizagem a outro. Ela desperta processos internos de desenvolvimento que somente podem ocorrer quando o indivíduo interage com outras pessoas. Daí a importância das relações sociais e da cultura, como produto dessas relações pessoais no desenvolvimento intelectual da criança. Em se tratando do processo de ensino aprendizagem, os instrumentos externos, assim como os signos, são mediadores da relação homem-homem e homem-objeto, oferecendo suporte concreto para a ação do homem no mundo. À medida que a criança vai utilizando os instrumentos externos, esses vão se transformando em processos internos. Essa passagem 14

15 de instrumentos externos em signos internos acontece através do que Vygotsky (1991) chama de processos de internalização. Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 1998), a Educação Básica é um espaço onde processos educativos são construídos de forma dinâmica, não existindo aquele que somente conduz, mas que, também, ao mesmo tempo, pode ser conduzido. É um conjunto de ambientes de permanente troca mútua de sentimentos, experiências, conhecimentos, no qual a criança é agente central e fundamental. O Referencial Curricular, no âmbito de Conhecimento de Mundo, contempla o estudo da Linguagem, abordando seus diversos aspectos e a Escrita num sentido de letramento. O termo alfabetização não aparece, sendo que, na prática, a maior parte das atividades é elaborada com esse fim. De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL,1998), o estudo do eixo de trabalho Natureza e Sociedade engloba: fenômenos da natureza, paisagem, seres vivos e relações sócio-culturais. Nossa pesquisa aborda mais especificamente o bloco: Os seres vivos, tendo por conteúdo principal a percepção dos cuidados necessários à preservação de vida e do ambiente. Infelizmente, para esse tópico, o documento não apresenta nenhuma orientação didática, limitando-se a explorar sobre espécies de seres vivos, pequenos animais e vegetais, conhecimentos de algumas espécies da flora brasileira e mundial e cuidados com o corpo. Consideramos fundamental apresentar para o aluno conhecimentos científicos já nas séries iniciais da educação, viabilizando a interação entre o indivíduo e os fenômenos do mundo físico. A Alfabetização Científica deverá contribuir para favorecer a adoção de 15

16 atitudes responsáveis, em particular diante dos problemas globais que afetam a humanidade. A atividade humana faz surgir diferentes linguagens, dentre elas a científica. Ser alfabetizado cientificamente é saber expressar um modo de observar, interpretar e agir sobre a natureza. Entender a ciência nos facilita, também, contribuir para controlar e prever algumas das transformações que ocorrem na natureza. Assim, teremos condições de fazer com que essas transformações sejam propostas, para que conduzam a uma melhor qualidade de vida. É necessária uma educação para o desenvolvimento sustentável. O processo de ensino-aprendizagem desenvolvido através de uma Metodologia de Projetos tem sido indicado como uma prática educativa que promove a aproximação entre a experiência escolar e extra-escolar através da prática de pesquisa e iniciação científica e tecnológica, evidenciando a interação social para a aprendizagem e o processo colaborativo de apropriação do conhecimento (VENTURA, 2002). A Metodologia de Projetos promove o debate entre o homem, a natureza e a cultura, entre o homem e o trabalho, enfim, entre o homem e o mundo em que vive. É uma metodologia dialógica e, como tal, prepara o homem para viver o seu tempo com as contradições e os conflitos existentes, e conscientiza-o da necessidade de intervir, nesse presente para a construção efetiva de um futuro melhor. Os projetos de trabalho 1 direcionam o processo educativo mediado pelo uso de instrumentos e signos, com ênfase no aluno e não no professor. 1 Segundo Moura & Barbosa (2006), são desenvolvidos por aluno(s) em uma (ou mais) disciplina(s), no contexto escolar, sob orientação de professor e tem por objetivo a aprendizagem de conceitos e desenvolvimento de competências e habilidades específicas. 16

17 Vygotsky (2005) utiliza o conceito de mediação segundo o qual a relação do homem com o mundo não é direta, mas mediada pelos sistemas simbólicos. Para Vygotsky (2005), a invenção e o uso de signos como meios auxiliares para solucionar um dado problema é análoga à invenção e uso de instrumentos. Esse autor apresenta a transmissão de conceitos científicos através de situações formais de ensino-aprendizagem, tais como ocorrem no ensino ministrado em escolas. A Metodologia de Projetos é uma prática educativa na qual os alunos podem aprender conceitos científicos envolvidos em um sistema de atividades. Consideramos o sistema de atividades no ambiente escolar, os elementos ligados à prática educativa, onde o sujeito (aluno) articula-se com o objeto, em intermediação com outros elementos como as regras relativas ao desenvolvimento da disciplina ou curso, comunidade escolar, divisão de trabalho ligado às tarefas escolares e ferramentas utilizadas na construção do artefato. O conceito de atividade, na perspectiva dessa metodologia, articula-se com a concepção de Leontiev (1978), no que se refere à atividade e à formação de conceitos científicos. A atividade é uma categoria central no processo de ensino-aprendizagem e gera ações que desencadeiam uma rede de colaborações e mediações, a partir das relações sociais que se formam no processo e que configuram um sistema de atividades. A Teoria da Atividade elaborada por Leontiev (1978) e instrumentalizada por Engeström (1987) partiu de Vygotsky (2005), numa visão de atividade mediada por ferramentas e signos, onde afirma que, na maioria dos contextos humanos, nossas atividades são geradas a partir de necessidades ou motivos 17

18 e mediadas pelo uso de instrumentos culturalmente estabelecidos, como idiomas, artefatos e procedimentos realizados. Essa necessidade pode ter uma natureza material ou simbólica e direciona o conjunto de ações que constituem a atividade. As ações, por sua vez, são dirigidas por objetivos conscientes que não se ligam diretamente à necessidade geradora da atividade cuja satisfação está ligada à concretização desses objetivos de forma articulada (PONTELO e MOREIRA, 2008). Lidar com objetos - procurando manipular, construir, transformar implica, além de tudo, o desenvolvimento de uma série de habilidades importantes para a vida do ser. Algumas questões emergem dessas constatações e norteiam a reflexão sobre o propósito deste trabalho: 1) Qual é a concepção de Ciências do eixo de trabalho Natureza e Sociedade dentro do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil? 2) Quais os principais referenciais teóricos da Metodologia de Projetos, como recurso de ensino e aprendizagem na educação? 3) Quais são as evidências que levam a pensar que a Metodologia de Projetos possa ser uma prática educativa usada para a Alfabetização Científica facilitando o uso da Ciência e Tecnologia dentro do ambiente de aprendizagem da educação infantil? 18

19 4) Como essa Prática Educativa pode favorecer o ensino do eixo de trabalho Natureza e Sociedade na Educação Infantil? Objetivando responder a essas questões, esta dissertação foi estruturada em seis capítulos. O capítulo 1 foi desenvolvido com a análise documental do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL,1998). Fazse um breve apanhado dos volumes I e III desse documento que englobam a Introdução (vol. I) e Natureza e Sociedade (vol III). Algumas considerações foram tecidas para ajudar a compreensão desse documento e seu papel na Educação Infantil atual. O capítulo 2 apresenta os principais referenciais teóricos da pesquisa divididos em dois tópicos. No primeiro tópico trata sobre a Metodologia de Projetos, suas principais definições e sua relação com a Teoria da Atividade, também conceituada nesse tópico. No segundo tópico, falamos sobre Alfabetização Científica trazendo os principais conceitos a esse respeito, incluindo uma discussão sobre letramento científico e Alfabetização Científica. No capítulo 3 estão dispostos os procedimentos metodológicos escolhidos para melhor atender às questões pertinentes. Ao final do capitulo, apresentamos um quadro que resume toda a trajetória na busca de respostas às questões levantadas. Em seguida, no capítulo 4, descrevemos a pesquisa de campo com o conjunto de dados coletados e organizados. Os dados estão explícitos por meio de fotografias, figuras e descrição de trechos de conversas com os envolvidos na pesquisa. 19

20 O capítulo 5 apresenta o resultados da análise de todos os dados levantados na pesquisa, correlacionando-os aos dados coletados com a pesquisa empírica. Algumas informações foram destacadas e destrinchadas, expondo detalhes pertinentes à pesquisa. Representando os resultados analisados, incluímos tabelas e figuras. E finalmente nas considerações finais, temos o capítulo 6, que engloba um apanhado geral de todo o processo de pesquisa e seus resultados observados. Apresentamos uma reflexão sobre a Alfabetização Científica na Educação Infantil, considerando os resultados da pesquisa. Nesse capítulo, há uma busca de relacionar os aspectos teóricos da pesquisa com os dados levantados na pesquisa de campo, e assim, apontar reflexões que poderão auxiliar nas práticas de ensino em ciências nessa faixa etária. Diante das informações presentes nesta introdução, passamos ao primeiro capítulo que aponta a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade no Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil RCNEI (BRASIL, 1998). 20

21 CAPÍTULO 1 Ciências em Natureza e Sociedade Nesse capítulo analisamos o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998). Destacamos na análise os dados e conceitos básicos referentes ao tema da pesquisa. Realizamos esse trabalho de análise documental baseados na concepção de Lüdke (1986). De acordo com Lüdke (1986) a análise documental,...pode se constituir numa técnica valiosa de abordagem de dados qualitativos, seja complementando as informações obtidas por outras técnicas, seja desvelando aspectos novos de um tema ou problema (p.38). Ela se difere da Pesquisa Bibliográfica apenas na natureza das fontes, pois a Pesquisa Documental vale-se de materiais que receberam um tratamento analítico, ou que, ao contrário do material bibliográfico, ainda podem ser reelaborados de acordo com os objetivos da pesquisa. Nesta pesquisa será feita a análise documental do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (1998), documento oficial, adotado em instituições que oferecem educação infantil. 21

22 A questão básica a ser respondida por esta análise documental é: Qual é a concepção de Ciências no eixo de trabalho Natureza e Sociedade dentro do Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil? 1.1 Características do RCNEI O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 1998) é o principal documento analisado nesta pesquisa. Trata-se de um documento proposto pelo Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria da Educação Fundamental, Departamento de Política da Educação Fundamental, coordenação geral de Educação Infantil, publicado em 1998, dois anos depois da aprovação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9394/96 (LDB), que estabelece que a educação infantil é a primeira etapa da educação básica. O RCNEI (BRASIL,1998) é um material produzido para auxiliar o professor na realização de seu trabalho educativo diário junto às crianças. Foi concebido de maneira a servir como um guia de reflexão de cunho educacional sobre objetivos, conteúdos e orientações didáticas para os profissionais que atuam com crianças de 0 a 6 anos, respeitando seus estilos pedagógicos e a diversidade cultural brasileira. Foi criado para cumprir o que determina a Constituição Federal em seu art 9, IV que afirma: À União incubir-se-á de (...) estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil (...) que nortearão os currículos e conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum (BRASIL, 1988). 22

23 De caráter não obrigatório, o RCNEI (BRASIL,1998) pretende contribuir para o planejamento, desenvolvimento e avaliação de práticas educacionais que considerem a pluralidade e diversidade seja ela étnica, religiosa, de gênero, social e cultural das crianças no intuito de responder às demandas das crianças e seus familiares nas diferentes regiões do país. Composto por três volumes, esse documento está organizado da seguinte forma: Introdução: reflexão sobre creches e pré-escolas no Brasil, situando e fundamentando concepções de criança, de educação, de instituição e do profissional, que foram utilizadas para definir os objetivos gerais da educação infantil e orientaram a organização dos documentos de eixos de trabalho que estão agrupados em dois volumes; Formação Pessoal e Social: esse âmbito de experiência contém o eixo de trabalho que favorece, prioritariamente, os processos de construção da Identidade e Autonomia das crianças; Conhecimento de Mundo: esse âmbito de experiência contém seis documentos referentes aos eixos de trabalho orientados para a construção das diferentes linguagens pela criança e para as relações que estabelecem com os objetos de conhecimento: Movimento; Música; Artes Visuais; Linguagem Oral e Escrita; Natureza e Sociedade e Matemática. 23

24 1.2 RCNEI - Volume I: Principais Conceitos e Concepções Dentre os volumes citados, focamos esta pesquisa no primeiro volume do documento, chamado Introdução e em parte do terceiro volume, especificamente no eixo Natureza e Sociedade. O primeiro volume, intitulado Introdução, trata inicialmente das características do Referencial Curricular e o que consta nele com intuito de garantir uma educação básica de qualidade para todos, dentro de um país com tanta diversidade. Tais características levam em consideração que a educação infantil é a primeira etapa da Educação Básica, de acordo com o título V, capítulo II, seção II, art 29 da LDB, tendo como finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade. Essa integralidade refere-se ao desenvolvimento tanto cognitivo quanto afetivo, social, emocional, físico, cultural, ético, etc. Para que isso seja possível, principalmente dentro de um país formado por tanta diversidade, um conjunto de referências e orientações pedagógicas foram reunidas visando contribuir com as políticas e programas da educação infantil. Alguns princípios surgem para garantir a qualidade das experiências oferecidas em busca do exercício da cidadania, tais como, o respeito à dignidade e aos direitos das crianças de brincar, o acesso das crianças aos bens socioculturais, a necessidade de socialização e atendimento aos cuidados essenciais associados à sobrevivência e ao desenvolvimento de sua identidade. Em vários momentos, o documento frisa que o mesmo não pretende resolver os complexos problemas dessa etapa educaciona, mas almeja contribuir como orientador de ações na busca da melhoria da qualidade da educação infantil brasileira. 24

25 O conteúdo seguinte da Introdução é uma breve análise dos tipos de locais onde a educação básica é oferecida. Aponta que o atendimento educacional à criança pequena se dá em instituições como creches e pré-escolas. Estruturadas com concepções educacionais amplamente diferentes, essas instituições se relacionam no que diz respeito à finalidade social da educação. Por um lado, há práticas que privilegiam os cuidados físicos, partindo de concepções que compreendem a criança pequena como carente, frágil, dependente e passiva, dependentes todo tempo da ação direta de um adulto. A proteção, saúde e nutrição não são menos importantes que o afeto, interação e estimulação. Essa prática acaba tolhindo a possibilidade de independência e as oportunidades das crianças de aprenderem sobre o cuidado de si, do outro e do ambiente. Por outro lado, existem práticas que privilegiam as necessidades emocionais onde os profissionais que atuam na educação deveriam atuar como substitutos maternos. São normalmente chamados de tia ou tio e prestam à família um serviço de cuidado emocional na ausência dos pais. O desenvolvimento cognitivo 2 está presente em algumas práticas educacionais. Essas polêmicas precisam ser consideradas quando se pretende analisar uma proposta educacional. Alguns conceitos necessitam ser esclarecidos para que a proposta tenha sentido, atingindo os objetivos pelos quais foram elaborados, como por exemplo, o conceito de criança. A criança como todo ser humano, é um sujeito social e histórico e faz parte de uma organização familiar que está inserida em uma sociedade, com uma determinada cultura, em um determinado momento histórico. É 2 Esse termo está ligado ao desenvolvimento das estruturas do pensamento em aprendizagem de conteúdos específicos. 25

26 profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também o marca. A criança tem na família, biológica ou não, um ponto de referência fundamental, apesar da multiplicidade de interações sociais que estabelece com outras instituições sociais (BRASIL,1994). No artigo A construção do Infantil na literatura Brasileira, Maria Cristina Soares de Gouvêa apresenta a construção do conceito de criança apresentado através de dois modelos de apreensão da infância, originados no campo da ciência psicopedagógica. O primeiro modelo busca analisar a infância tendo em vista as características remetidas ao adulto. Assim sendo, a criança é considerada um ser imaturo que deve aprender padrões e comportamentos que aproximem dos padrões adultos. Qualquer manifestação das tendências infantis são consideradas neste modelo como expressões de imaturidade que devem ser reprimidas para que os bons valores incutidos pelos adultos prevaleçam. O conceito de criança neste modelo é de um ser frágil que depende do adulto para incutir-lhe preceitos morais através da transmissão de lições modelares. O segundo modelo se remete a defender a positividade da especificidade da infância. Neste novo olhar, a criança é percebida com um ser diferente do adulto, um ser novo cheio de energia. A infância, por associar-se à expressão de afetos e sentimentos, deixa de ser um momento de domesticação, passando a significar uma fonte onde brota energia e vitalidade do novo. É importante observarmos a formação destas concepções, pois as mesmas têm repercução direta nas práticas escolares. A concepção de criança é fruto de conceitos históricos ricamente construídos que vem mudar ao longo dos tempos e não se apresenta de forma homogênea nem mesmo na mesma época numa mesma sociedade. Diferenças regionais, 26

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA

O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA 1 O CURRÍCULO DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA Joelma da Silva Moreira 1 Angela Maria Corso 2 RESUMO: O presente artigo, na condição de trabalho de conclusão de curso, pretende

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO Resumo MUNIZ, Cláudia Pereira - SME cmuniz@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Taís Wojciechowski SME taissantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático:

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : MUNDO SOCIAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural, formulando

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA

O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1007 O QUE REVELAM OS DOCUMENTOS OFICIAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A DIMENSÃO AFETIVA Viviane Aparecida Ferreira

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL.

MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. MEDIAÇÃO E CRIAÇÃO DE ELOS MEDIADORES NO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA: A EXPERIÊNCIA DE UM 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. RICOMINI, Ingrid da Silva; GIROTTO, Cyntía Graziella Guizelim Simões.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS

EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE PINHAIS-PR: COMPARTILHANDO IDEIAS E IDEAIS Cordeiro, Juliana SEMED/Pinhais, vínculo efetivo, Pinhais, Paraná, Brasil juliana.cordeiro@pinhais.pr.gov.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL ANÁLISE DAS DISSERTAÇÕES E TESES QUE ABORDARAM OS JOGOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL CLIMENIA MARIA LACERDA DE OLIVEIRA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Trabalho Docente, Formação de Professores e

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL. Currículo e Metodologia na Educação Infantil

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL. Currículo e Metodologia na Educação Infantil CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EDUCAÇÃO INFANTIL Currículo e Metodologia na Educação Infantil Disciplina: Currículo e Metodologia na Educação Infantil Professora: Olga Noêmia de Moraes Currículo, Propostas

Leia mais

Planejamento Anual 2015. Educação Infantil Maternal II

Planejamento Anual 2015. Educação Infantil Maternal II Planejamento Anual 2015 Educação Infantil Maternal II Em nossa ação educativa, pretendemos colaborar para todos trabalharem pela harmonia nas relações entre os homens e os povos, fundada no amor ao outro,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: RCNEI. Políticas. História. Educação. Infância.

PALAVRAS CHAVE: RCNEI. Políticas. História. Educação. Infância. PERSPECTIVAS DA CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA NA DÉCADA DE 90 NOS REFERENCIAIS CURRICULARES NACIONAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Lisboa Andrade 1 Armindo Quillici Neto 2 RESUMO O objetivo desse trabalho é apresentar

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Epistemológica por que tem fontes de conhecimentos científicos que sustentam o jogo como fator de desenvolvimento.

Epistemológica por que tem fontes de conhecimentos científicos que sustentam o jogo como fator de desenvolvimento. INTRODUÇÃO É papel da educação é formar pessoas críticas e criativas, que criem, inventem, descubra, que sejam capazes de construir conhecimento. Não devendo aceitar simplesmente o que os outros já fizeram,

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome do Candidato Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1

CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 CURIOSIDADE DE CRIANÇA: CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NUMA TURMA DE PRÉ-ESCOLA 1 SILVEIRA, Lidiane 2 ; LIMA, Graziela Escandiel de 3 1 Relato de experiência 2 Pedagoga, Especialista em Alfabetização, professora

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO

FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR INTRODUÇÃO FENÔMENOS DA NATUREZA: REPRESENTAÇÕES INFANTIS E MEDIAÇÃO DO PROFESSOR Palara-chave: conceitos da criança, pedagogia Nerli Nonato Ribeiro Mori Nara Cristina Miranda Universidade Estadual de Maringá INTRODUÇÃO

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem

Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem 1 Alfabetização Matemática: O universo lúdico infantil potencializando a aprendizagem Juliana de Alcântara Silveira Rubio 1 Resumo A alfabetização matemática, assim como a alfabetização da língua materna,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores de ( ) anos

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Planejamento Anual 2016. Maternal I

Planejamento Anual 2016. Maternal I Planejamento Anual 2016 Maternal I Em nossa ação educativa, pretendemos colaborar para todos trabalharem pela harmonia nas relações entre os homens e os povos, fundada no amor ao outro, seja quem for,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES?

DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES? DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS DE ZERO A DOIS ANOS: O QUE SABEM OS EDUCADORES? Regina Lucia de Jesus Santos - Autora Universidade do Estado do Rio de Janeiro- reginaluciajs25@hotmail.com Karla da Costa Seabra-

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais