RELATO DE EXPERIÊNCIA - EDUCAÇÃO, ECOLOGIAS E QUALIDADE DE VIDA: CONEXÃO COM O QUE POTENCIALIZA, É ALEGRIA, É DESEJO...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATO DE EXPERIÊNCIA - EDUCAÇÃO, ECOLOGIAS E QUALIDADE DE VIDA: CONEXÃO COM O QUE POTENCIALIZA, É ALEGRIA, É DESEJO..."

Transcrição

1 RELATO DE EXPERIÊNCIA - EDUCAÇÃO, ECOLOGIAS E QUALIDADE DE VIDA: CONEXÃO COM O QUE POTENCIALIZA, É ALEGRIA, É DESEJO... Léa Tiriba 1 PUC-Rio Este texto faz um relato reflexivo de uma experiência de atendimento institucional oferecido pelo Serviço Social do Comércio do Rio de Janeiro a cerca de 800 crianças, moradoras de 8 municípios do Estado 2. Trata-se do projeto Novas modalidades de atendimento à crianças de 03 a 07 anos, desenvolvido no contexto do Programa SESC-Rio para Crianças e Jovens. Expressando o ponto de vista de quem atuou como assessora, ao longo de 2004 e 2005, inicialmente, o texto apresenta as características básicas do projeto. A seguir, são explicitados princípios e utopias, eixos de trabalho, traços principais de sua metodologia e reflexões iniciais sobre dois dos desafios fundamentais do trabalho: a liberdade das crianças circularem livremente pelos espaços e a busca de superação de uma prática educativa que empareda as crianças, distanciando-os do mundo natural. Ao final, fazendo uma avaliação do que já é conquista e do que ainda é intenção, destacamos alguns pontos-chave, aspectos para os quais é preciso investimento em formação de educadores, se o objetivo é aprofundar uma experiência que está em seus primeiros passos. Características do projeto Em 2004, após uma trajetória que, em 57 anos de trabalho, assumiu diferentes perfis (proteção à infância e à maternidade, arte-educação, educação infantil) a instituição decidiu experimentar uma nova modalidade de atendimento, que tem como norte a qualidade de vida em relação às ecologias pessoal, social e ambiental. Isto implicou num compromisso com uma educação de corpo inteiro, de pessoas 1 Professora do Departamento de Educação e do Curso de Especialização em Educação Infantil da PUC-RIO. Consultora do Programa SESC-Rio para Crianças e Jovens. 2 Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Niterói, Teresópolis, Petrópolis, Friburgo e Três Rios.

2 2 respeitadoras e amantes da diversidade cultural e da biodiversidade. Vale lembrar que a Proposta (Gouvêa e Tiriba, 1998) elaborada pelo coletivo dos profissionais, entre 1995 e 1998, segue sendo a referência do trabalho atual: ela tem como norte a qualidade da vida em relação às três ecologias (Guattari, 1990). Nesta perspectiva, há espaço para os desejos do corpo, para o lúdico e a festa, para o não fazer e o não pensar. Nesta perspectiva, a educação tem sentido amplo, abrangente de dimensões humanas que vão além da razão; em que a intuição, a expressão criadora, o afeto que atravessa as relações coletivas e a proximidade, a reverência e o cuidado da natureza são legítimos caminhos de conhecimento e aprimoramento do espírito. Estes são também caminhos de reestruturação da civilização, em moldes que valorizam as pessoas e não os objetos, e, portanto, não ameaçam, mas, pelo contrário, assegurem a continuidade da vida das espécies sobre o planeta (Gouvea e Tiriba, 1998:27). Um conjunto de razões levou a direção do SESC-RJ a esta transformação. Primeiramente, a exigência legal de credenciamento e regulamentação, junto às secretarias municipais de educação, de todos as iniciativas que se configurem como creches e/ou pré-escolas, de acordo com o que prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB/1996). Entendendo que não é sua missão oferecer estas modalidades, mas, ao mesmo tempo, buscando manter o compromisso histórico com as crianças pequenas, a instituição buscou a invenção/criação de um projeto que enriquecesse suas experiências de vida. Ao ousar a experimentação de um novo formato, a instituição quer, na medida da evolução de sua experiência, contribuir para as administrações públicas que buscam novos horizontes de formação dos educadores da infância, sobretudo nas áreas da cultura e da educação ambiental. Estas são as principais características do atendimento: - Não há separação por faixa etária, mas grupos heterogêneos, reunindo crianças de 3 a 7 anos.

3 3 - Os grupos de referência não se constituem arbitrariamente, mas a partir do estabelecimento de relações empáticas entre crianças-adultos, criança-criança, criançaespaço. - Há liberdade das crianças circularem livremente e escolherem suas atividades. - As salas de aula foram substituídas por espaços de atividades: de música e dança; de teatro; de artes visuais; de terra, água e céu; de pesquisa em ciências e tecnologias; sucatário, biblioteca e internet. - O trabalho está organizado em 5 Campos de Ação-Pesquisa: artes, leitura de mundo, corpo e movimento, meio ambiente, eu e os outros. Estas características são de difícil conquista porque implicam numa revolução nas concepções de educação que são hegemônicas em nossos dias. O modelo disciplinar é substituído por uma perspectiva rizomática, materializada em Campos de Ação-Pesquisa, onde conhecimentos, valores e afetos se interpenetram e realimentam de maneira transversal. A liberdade que têm as crianças de circularem livremente pelos espaços internos e em contato com a natureza provoca uma radical alteração nos lugares de poder: são os adultos que as acompanham e orientam nos aprendizados de seu interesse, e não o contrário. Este desafio envolve um conceito de liberdade que não é rousseauniano, que não é kantiano, porque nada tem de idealizado. Numa perspectiva mais próxima de Foucault, é processo de libertação que inclui, de forma categórica, o desejo de produzir outras lógicas relacionais/educacionais. Não há portos seguros onde ancorar definitivamente, esta é uma condição da própria existência, mas há sentidos, há desejos que definem escolhas, trajetos. Como na crítica foucaultiana, mas também próximo das idéias de Deleuze e Guattari, na experiência que estamos relatando, o processo de desnaturalização dos lugares de poder (dos adultos, da pedagogia, da escola) é processo de libertação assegurado pelo exercício da crítica ao que é produzido como acontecimento cotidiano.

4 4 Utopias e princípios: as Três Ecologias e o Cuidar A nova modalidade de atendimento segue reafirmando o compromisso com a necessária tecitura de novos equilíbrios ecosóficos. O conceito de ecosofia, formulado por Félix Guattari (1990) nos permite articular três registros ecológicos pessoal 3, social e ambiental. Estes registros nos possibilitam vislumbrar e abraçar múltiplas dimensões da existência das espécies e do planeta. O primeiro, é o da ecologia pessoal: registro das relações de cada ser humano consigo mesmo. O segundo é o da ecologia social: registro das relações que os seres humanos estabelecem entre si; e o terceiro é o da ecologia ambiental: registro das relações que os humanos estabelecem com a biodiversidade. Conforme está na proposta educativa da Recreação Infantil, A ecologia pessoal diz respeito às relações de cada um consigo mesmo, às conexões de cada pessoa com o seu próprio corpo, com o inconsciente, com os mistérios da vida e da morte, com suas emoções e sensações corporais, com sua espiritualidade. A ecologia social está relacionada às relações dos seres humanos entre si. Desde as relações geradas pela vida em família, com nossos pais, filhos, cônjuges e outras pessoas com quem partilhamos nosso micro-cotidiano, até as relações que estabelecem as nações e os povos entre si, passando por toda uma rede infinita/indeterminada de relações sociais que articulam a vida na escola, no bairro, na cidade, nos movimentos e nas lutas sociais, nas atividades de lazer, culturais. Assim, são exemplos as relações de poder entre povos do Norte e do Sul, entre as nações ricas e pobres, entre classes dominantes e dominadas, entre grupos sociais majoritários e minoritários, entre homens e mulheres, educadores/educandos, companheiros de trabalho, vizinhos, entre adultos e crianças. A ecologia social retrata a qualidade destas relações. A ecologia ambiental diz respeito às relações que os seres humanos estabelecem com a natureza. A ecologia ambiental reflete as diferenciadas maneiras como os grupos humanos se relacionam com a natureza, de maneira sustentável ou predadora: com o objetivo de satisfazer suas necessidades fundamentais, ou com o objetivo de apropriação-transformação-consumo- 3 Na proposta da RI, a terminologia é ecologia mental, idêntica à utilizada por Félix Guattari, em As três ecologias. Sem prejuízo ao conceito do autor, preferimos agora adotar o termo ecologia pessoal, por considerarmos uma expressão mais abrangente, que aponta para a superação do dualismo corpo/mente.

5 5 descarte, quatro ações básicas que equivocadamente definem, em nossa civilização, o nível de desenvolvimento das sociedades. (Gouvea e Tiriba, 1998:26) Em sua articulação, as três ecologias definem equilíbrios ecosóficos que expressam uma melhor ou uma pior qualidade das condições de existência. Assim, este conceito nos permite perguntar: que equilíbrios ecósoficos nossos tempos definem? Como estão as relações de cada ser humano consigo mesmo? Qual a qualidade das relações dos seres humanos entre si? E as relações destes com a natureza - isto é, com a Terra, espaço que a espécie humana habita? No quadro sócio ambiental em que vivemos, qual a qualidade deste amálgama de relações? Estas perguntas em torno das ecologias pessoal, social e ambiental - norteiam a ação educativa no sentido de qualificar a vida. Visamos uma educação atenta à qualidade de vida, à qualidade do existir cotidiano. Assim, pensamos, planejamos e avaliamos permanentemente as práticas sócio-educativas pretendendo produzir revoluções moleculares que contribuam, sempre, para reconstruir as regras das relações entre as pessoas, os grupos sociais e entre os povos do planeta, num aprendizado permanente de respeito à singularidade, à diversidade de estilos de vida e de modelos de desenvolvimento (Gouvea e Tiriba, 1998:27). O cuidar é uma categoria central de análise das relações dos seres humanos entre si e com a natureza porque possui uma dimensão ontológica. Isto é, está relacionado à constituição do ser humano: do o nascimento até a morte, é condição para a sua existência. De acordo com Boff (1999), é no cuidado que pode ser encontrado o suporte real da criatividade, da liberdade e da inteligência. 4 Mas, 4 De acordo Heidegger, o cuidado está na raiz primeira do ser humano, é anterior e acompanha todas as suas ações. Nele está enraizado o querer e o desejar, a dimensão intelectual existencial (cogitare) e a dimensão afetiva (preocupação por). Identificando no cuidado os princípios, os valores e as atitudes fundamentais à vida, Boff (1999) propõe caminhos de resgate da essência humana, caminhos que passam, todos, pelo cuidado. Se, como essencial, não pode ser suprimido nem descartado, a partir dele seria possível fazer uma crítica à civilização agonizante, assumindo-o como princípio inspirador de um novo paradigma de conviviabilidade.

6 6 Como ter cuidado e aprender a cuidar numa sociedade que não cuida da natureza, das outras espécies, nem da própria espécie, que destrói em função dos objetivos do capital? (...) Na sociedade estruturada em torno da produção de mercadorias, não da reprodução da vida (Merchant, 1992), o cuidar se restringe à família, no máximo aos membros mais próximos de uma comunidade. Desobrigado de responsabilidades sociais, políticas e ambientais, o cuidado foi privatizado, vinculado à circunstâncias particulares, ofuscando a necessidade de um compromisso com a necessidade de cuidar de todos, do conjunto dos seres, humanos e não humanos. (Tiriba, 2004: 81) Na experiência que relatamos, o cuidar é referência fundamental porque orienta o trabalho em relação às três ecologias e nos ajuda a avaliar: - a qualidade dos espaços/atividades relacionadas ao eu (ecologia pessoal) - a qualidade das interações coletivas, relacionadas ao nós (ecologia social) - a qualidade das relações com a natureza (ecologia ambiental). Campos de Ação-Pesquisa desenhados como rizomas Para dar conta de um compromisso com a qualidade de vida - considerando, como tal, a qualidade das relações em cada um dos registros ecológicos: pessoal, social e ambiental optamos metodologicamente por eixos de trabalho que denominamos como Campos de Ação-Pesquisa. Eles nasceram de um compromisso com o aprendizado da transformação da realidade sócio-ambiental. Foram assim denominados porque é através da ação sobre a realidade, iluminada pela pesquisa, que é possível essa transformação. (Gouvea e Tiriba, 1998: 81) O trabalho articulado em torno dos Campos possibilita uma visão crítica que não é fruto, apenas, de uma leitura intelectual, mas sensitiva, corporal, estética, artística, transformadora. Os Campos nos possibilitam novas indagações porque (...)são mais abrangentes que as áreas de conhecimento: incluem temáticas e questões com as quais nós sempre trabalhamos, mas que nunca estiveram reveladas de uma forma mais transparente, mais evidente, nem na proposta, nem no planejamento de trabalho. Neles cabem o sentimento do mundo, a gama de conteúdos das diferentes áreas de conhecimento, a vivência do afeto, a expressão da arte, assim como a força das relações sociais (...) (Gouvea e Tiriba, 1998: 81).

7 7 Os Campos de Ação-Pesquisa buscam superar a fragmentação provocada pela ânsia de objetividade do método científico. Por outro lado, nos Campos, procuramos resgatar tudo que, em seu propósito de cientificidade, este método descarta ou subestima, isto é, o subjetivo, o intuitivo, as emoções, a qualidade das relações humanas, o afeto, as artes, a reverência à natureza. Haveria limites entre os Campos de Ação-Pesquisa? Não, eles são campos sem cercas, o que os define é um determinado olhar sobre a realidade, uma determinada mirada: cósmica, estética, corporal. O campo apenas demarca territórios na realidade que a vida conecta. Diferentemente do que aprendemos com Piaget (ou mesmo com Vygotsky? 5 ), não há um caminho definido para a construção de conhecimento, não há linearidade, não há hierarquia, não há uma obrigatoriedade de começar por aqui ou por ali, há possibilidades infinitas... Por isto, como Deleuze e Guattari (1992), para definir este modo de conceber o conhecimento, utilizamos a metáfora do rizoma. O que seria uma educação rizomática? Seria uma educação aberta ao que se anuncia como desejo de aprender, desejo de adentrar realidades... seguir, penetrar, conectar infinitamente, como um rizoma. Não há pontos definitivos de chegada, uma educação rizomática se estrutura em rede, não se limita às fronteiras disciplinares! Com a idéia dos Campos de Ação-Pesquisa, nossa intenção é realizar um movimento de rompimento com estas fronteiras. No jeito de explicar de Gallo (2001), na escola, para assistir as aulas de cada disciplina, as crianças abrem as gavetinhas de seu arquivo mental. E como cada uma das gavetinhas é estanque, sem nenhuma relação com as demais, os alunos não conseguem perceber que todos os conhecimentos vivenciados na escola são perspectivas diferentes de uma mesma e única realidade, parecendo cada um deles autônomo e auto-suficiente, quando na verdade só pode ser compreendido como parte de um conjunto, peça ímpar de um imenso puzzle que pacientemente montamos ao longo dos séculos e milênios (Gallo, 2001: 23) 5 Poderíamos dizer que Vygotysky, ao defender que a criança internaliza a realidade social, estaria mais próximo da metáfora rizomática?

8 8 Uma educação que respeite os movimentos inesperados do pensamento não pode estar repartida em gavetas sem conexão, ela caminha na contramão da compartimentalização do saber, quer articular o que na realidade não se separa 6. Uma educação rizomática reconhece que os conhecimentos são gerados na complexidade social, onde todos os saberes convivem e produzem realidades: são muitos os caminhos de conhecer e não há hierarquia entre eles. Uma educação rizomática tem como referência o dia-a-dia, pois é aí que a vida se faz, que os desejos se conectam produzindo realidade. É, portanto, o cotidiano o espaço tempo do conhecimento: ele pode ser criado e recriado sempre, como acontecimento brotado da vida, das relações/interações humanas, daquilo que mobiliza, que é desejo. A Natureza como lugar do incontrolável Um dos aspectos que nos desafiam cotidianamente é o de assegurar a liberdade das crianças circularem livremente pelos espaços internos e em contato com a natureza. O que fazer com a obsessão que nós, adultos, temos pelo controle? Esta questão nos indaga em relação a incontáveis pontos de vista. Trataremos, aqui, daquela que diz respeito às relações com o mundo natural, lembrando que as escolas reproduzem, em seu cotidiano, o processo de divórcio entre seres humanos e natureza, marca fundamental da civilização ocidental moderna (Sousa Santos, 2001; Tiriba, 2005). Aqui vale lembrar que a idéia de compartimentalizar o saber é contemporânea do movimento de afirmação e expansão do capitalismo, característico dos séculos XVII, XVIII e XIX. Está, portanto, estreitamente relacionada ao poder de produzir tecnologia para produzir mercadoria. Transformar a natureza em matéria prima para a produção de mercadorias implica em desvendar os seus segredos, auscultar seu corpo, partir 6 Esta maneira de conceber o conhecimento é trabalhada por outros autores, que utilizam diferenciadas metáforas no esforço de conceituá-lo. O fenômeno que Guattari e Deleuzze chamam de rizoma, ou de transversalidade, Foucault denominaria capilaridade do poder ; Lefébre, Certeau e Latour, conhecimento em rede ; Boaventura de Souza Santos, rede de subjetividades gerados em redes de contextos cotidianos ; e Morin, pensamento complexo. (Gallo, 2003)

9 9 para conhecer. Neste contexto, o desejo de conhecer se confunde com o desejo de dominar, o que implica em necessidade de controlar. De fato, a educação escolar tem intimidade com os mecanismos de controle, tanto de movimentos corporais (seria necessário paralisar o corpo para assegurar a atenção mental), quanto do seu jeito de se relacionar, de se colocar socialmente, frente aos professores, frente à norma adulta. Não é por acaso que a expressão disciplina escolar está relacionada tanto às áreas de conhecimento delimitadas como campos de saber para a aprendizagem, como ao comportamento. (...). A disposição espacial de uma sala de aula, seja ela qual for, é sempre uma disposição estratégica para que o professor possa dominar os alunos, pois nesta concepção de escola o aprendizado só pode acontecer como domínio. (...) uma sala de aula nunca é caótica, há sempre uma ordem implícita, que, se visa possibilitar a ação pedagógica, traz também a marca do exercício do poder, que deve ser sofrido e introjetado pelo aluno (Gallo, 2001:24) Esta é uma das razões pelas quais as crianças permanecem por tanto tempo em espaços entre-paredes. De acordo com o que dizem os próprios professores: A gente manipula mais as crianças dentro daquele espaço. Na verdade, libertar as crianças nos causa medo de perder o controle. Porque está embutido e nós precisamos ter o controle sobre elas, como se elas estivessem soltas e a gente estivesse perdendo o controle. É uma necessidade nossa 7. De onde viria esta necessidade? A busca de respostas nos leva à Europa de meados do século XVIII, quando a nova distribuição espacial e social da riqueza industrial e agrícola impôs novos tipos de controle sobre a sociedade. Foi com o movimento de constituição social das idéias capitalistas que a educação ganhou a forma escolarizada, levando a que, pouco a pouco, os conhecimentos passassem a ser ministrados de forma hierarquizada. Denominada por Foucault (1987) como instituição de seqüestro, a escola, junto com outras instituições, como os presídios, os hospícios e os quartéis passam a controlar não apenas o tempo dos indivíduos, mas também seus corpos, extraindo 7 Estes depoimentos estão em Tiriba, 2005, p. 181.

10 10 deles o máximo de tempo e de forças. De forma discreta, mas permanente, as formas de organização espacial e os regimes disciplinares conjugam controle de movimentos e de horários, rituais de higiene, regularização da alimentação, etc. A escola assume a tarefa de higienizar o corpo, isto é formá-lo, corrigi-lo, qualificá-lo, fazendo dele um ente capaz de trabalhar. (...) A ordenação por fileira, no século XVII. Começa a definir a grande forma de repartição dos indivíduos na ordem escolar: filas de alunos nas salas, nos corredores, nos pátios; (...) determinando lugares individuais (a organização de um espaço serial) tornou possível o controle de cada um e o trabalho simultâneo de todos. Organizou uma nova economia do tempo e da aprendizagem. Fez funcionar o espaço como uma máquina de ensinar, mas também de vigiar, de hierarquizar, de recompensar (Foucault, 1987:126). O pouco caso a atividades ao ar livre relaciona-se a uma concepção de educação que está voltada para processos de transmissão/apropriação de conhecimentos via razão, que necessita, portanto, de mentes atentas e corpos paralisados. Pois não é necessário mais do que atenção mental para observar, refletir e compreender as regras de uma realidade que é entendida como racionalmente organizada. Em outras palavras, o modo de funcionamento descolado do mundo natural indica que as práticas pedagógicas das instituições escolares estão definidas, geralmente, pelas concepções ontológica, epistemológica e antropológica que estruturam o paradigma moderno, compondo uma idéia de que as leis da realidade poderiam ser apreendidas por um ser cuja principal atividade é a racional. Em conseqüência, fica secundarizado tudo que extrapola esta dimensão: as brincadeiras, as sensações corporais, o devaneio. Mas isto não é só: a reprodução deste modo de funcionamento se faz com controle do corpo. Tendo como referência a concepção espinosiana de que a vivência do que é bom e do que é mau constitui dois tipos humanos, que vivem, aprendem e incorporam distintos modos de sentir e viver a vida (como potência ou como impotência) consideramos que esta perspectiva de controle do corpo - está na contramão de um

11 11 projeto de educação pautado numa ética da alegria e do cuidado, na medida em que favorece a constituição de um tipo humano que é fraco, impotente. (...) dois tipos, dois modos de existência do homem: (...) bom, ou livre, ou razoável, ou forte aquele que se esforça, tanto quanto pode, por organizar os encontros, por se unir ao que convém à sua natureza, por compor a sua relação com relações combináveis, e, por esse meio, aumentar a sua potência. (...) mau, ou escravo, ou insensato, aquele que vive ao acaso dos encontros, que se contenta em sofrer as consequências, pronto a gemer e a acusar toda vez que o efeito sofrido se torna contrário e lhe revela a própria impotência (Deleuze, 2002: 29, grifos do autor). Observando instituições de Educação Infantil, no Brasil dos dias atuais, podemos verificar o quanto estão marcadas pela ideologia do controle. As filas que se formam para levá-las de um espaço a outro, os tempos de espera em que permanecem encostados às paredes, a falta de conforto das salas, as regras que são impostas nos refeitórios, os tempos previamente definidos: tudo isto remete à idéia de fabricação de uma retórica corporal, mas também de uma retórica do espírito, pois, é dócil um corpo que pode ser submetido, que pode ser utilizado, que pode ser transformado e aperfeiçoado (Foucault, 1987:118). É nas instituições, entre elas a escola, que os indivíduos se constituem. O seu objetivo é contribuir para a formação de pessoas que atuem produtivamente na sociedade. Como, na perspectiva moderna, o atributo humano principal para esta atuação é a razão, são priorizados os espaços que favoreceriam o seu desenvolvimento. As salas escolares, como as demais áreas fechadas que limitam os movimentos, seriam lugares mais apropriados que os pátios para modelizar as formas de pensar, agir e sentir, como para controlar as possíveis diferenças e ensinar as crianças a tornarem-se capazes, úteis e adequados à sociedade capitalística. A pedagogia é um espaço de práticas de poder! Tal como a concebemos hoje, ela foi inventada com a revolução burguesa. É instrumento de emancipação e, simultaneamente de regulação: é neste pólo que se coloca a pedagogia do entreparedes! Ela é um dos instrumentos nascidos da necessidade de estabelecimento de

12 12 normas, regras, rotinas institucionais nas sociedades urbano-industriais-burguesas. A regra é manter as crianças em rotinas pré-definidas, desatentas ao que mais agrada. Na modernidade, ao assumir a função de formar as novas gerações para a reprodução da sociedade industrial, a instituição escolar inspirou-se e fundamentou-se na mesma filosofia, na mesma metodologia cartesiana que possibilitou o desenvolvimento científico, econômico e político desta época: divorciou o ser humano da natureza, separou o corpo da mente, fragmentou o pensar e o fazer, o trabalho e o lazer... As grades curriculares, as rotinas das instituições educacionais expressam claramente esta evidência: a de que a escola não tem pelo corpo o mesmo apreço que tem pela mente. O resultado é um processo educacional do pescoço para cima. Ao mantê-lo por tanto tempo imobilizado, a escola trata o corpo também como natureza inesgotável, capaz de ceder infinitamente às necessidades da mente, assim como o meio ambiente natural cede matérias primas às necessidades impostas pelo mercado (Gouvêa e Tiriba, 1998:109). Os corpos humanos, como o de todos os seres vivos, necessitam interagir com a natureza, ela é a sua fonte de energias. Isto requer a superação de uma visão de educação enquanto processo intra-muros, entre-paredes. Aprisionados às salas, sujeitos à normas que impossibilitam às crianças o acesso aos espaços abertos, podemos dizer, com Foucault, que estão sujeitas a uma disciplina que (...) aumenta as forças do corpo (em termos de utilidade) e diminui estas forças (em termos políticos de obediência). Em uma palavra: ela dissocia o poder do corpo; faz dele, por um lado, uma aptidão, uma capacidade que ela procura aumentar; e inverte, por outro lado, a energia, a potência que poderia resultar disso, e faz dela uma relação de sujeição estrita. Se a exploração econômica separa a força e o produto do trabalho, digamos que a coerção disciplinar estabelece no corpo o elo coercitivo entre uma aptidão aumentada e uma dominação acentuada (Foucault, 1987:119). A perspectiva foucaultina, como a espinosiana, recusa a dualidade corpo-mente e, com ela, a dualidade razão-emoção. Ao invés de perguntar o que é um corpo, ao

13 13 invés de buscar uma definição, Espinosa interroga o que pode um corpo? 8 Fazendo referência aos sonâmbulos incontrolados, fora dos domínios da mente em estado de vigília, apresenta a idéia de uma unidade indissolúvel entre corpo e alma (ou corpo e mente), expressas em A Ética (Espinosa, 1983): A alma humana não conhece o próprio corpo humano nem sabe que existe, senão pelas idéias das afecções de que o corpo é afetado (p. 151) A alma não se conhece a si mesma a não ser enquanto percebe as idéias das afecções do corpo (p.153). Ninguém, na verdade, até o presente, determinou o que pode o corpo, isto é a experiência não ensinou a ninguém (...) o que, considerado apenas como corporal pelas leis da natureza, o corpo pode fazer e o que não pode fazer, a não ser que seja determinado pela alma humana (p.178). Escrevendo sobre Espinosa, mais especificamente sobre a tese conhecida pelo nome de paralelismo, Deleuze (2002, p.24) esclarece que, na filosofia espinosiana não há eminência do corpo sobre o espírito, não há superioridade de um pólo sobre o outro, não há ligação de causalidade. Mas Espinosa vai além: ao dizer que, no pensamento e no corpo, há coisas que ultrapassam nosso conhecimento, ele defende a idéia de que tanto as potências do corpo quanto do espírito escapam à consciência. Portanto, mais do que negar a superioridade do corpo sobre o espírito, o filósofo do século XVII aponta os limites da consciência. Autoconstituição e aprendizagem não são processos separados: se a vida trasncorre nos espaços das instituições escolares, é aí que ela se afirma como potência ou impotência, de corpo e de espírito. É pelo fato de que, entre as crianças a dissociação não está definida que elas perseveram naquilo que lhes apetece. 8 Ao fazer esta pergunta, Espinosa fere a lógica descrita por Descartes, segundo a qual todas as funções corporais podem ser explicadas de modo puramente mecânico. Nesta perspectiva, o corpo material opõe-se ao espírito, à alma, ao pensamento, na medida em que estes seriam indivisíveis e totalizantes, enquanto que aquelas (o corpo, a matéria) seriam divisíveis e diversificantes (Marcondes e Japiassu, 1996).

14 14 Nas escolas, historicamente, as atividades ao ar livre estão relacionadas ao recreio, justamente o momento em que os professores deixam suas funções para descansar, tomar um café, relaxar. Vários teóricos têm relacionado a dicotomia aula x recreio, a uma dicotomia maior, entre atividade produtiva e lazer, divórcio típico do modo de produção capitalista, em que o trabalho é a atividade principal. Reproduzindo a lógica da fábrica, na escola, o tempo ao ar livre não tem importância para a pedagogia porque não é o tempo do trabalho produtivo. Não está sob o foco da pedagogia porque não é lócus de aprendizagem escolar. Do ponto de vista da pedagogia, o espaço externo não é lugar de ensinar nem de aprender, é o lugar do nada. Seria, talvez, lugar de uma liberdade temida, porque difícil de controlar. Conversando sobre o porque de um aprisionamento a espaços fechados, horários e normas rígidas, podemos perceber uma tendência à inércia, isto é, a continuar fazendo o que se faz, mesmo quando não se trata de uma ordem. Onde se localiza a força deste apego? Na visão de Foucault (1987), a contenção foi incorporada através da submissão aos espaços e tempos disciplinares, que definem uma espécie de esquema anátomocronológico do comportamento (p.129). As educadoras, reproduzem, em seu cotidiano de trabalho, a idéia de um tempo integralmente útil, porque Um tempo medido e pago deve ser também um tempo sem impureza nem defeito, um tempo de boa qualidade, e durante todo o seu percurso o corpo deve ficar aplicado ao seu exercício. A exatidão e a aplicação são, com a regularidade, as virtudes fundamentais do tempo disciplinar (Foucalut, 1987:129). Mesmo quando a ordem inexiste, ou melhor, não vem do exterior, é difícil escapar a ela, porque está internalizada como um programa que tem ritmo obrigatório, que é útil para uma determinada finalidade, que esquadrinha a ação. Este modo de funcionamento pessoal-institucional tem origem numa dinâmica de funcionamento social que se estruturou a partir do século XVII, desenhando uma nova microfísica do poder cujas técnicas essenciais se espalharam por campos cada vez mais vastos, como se tendessem a cobrir o corpo social inteiro (idem, p.120).

15 15 A dificuldade de romper com normas que não atendem aos interesses das crianças e, muitas vezes, nem dos adultos - se deve ao fato de que elas estão introjetadas. São obedecidas porque não há a compreensão de que podem ser revistas sempre que não estiverem de acordo com as necessidades e desejos de crianças e adultos. É como se as regras, os horários, as rotinas existissem para nós servirmos a elas e não ao contrário. Este é o efeito ótimo de uma estrutura de funcionamento institucional e social em que o poder exterior se interioriza, tornando-se difuso e assegurando a auto-vigilância. Assim, as instituições escolares tendem a funcionar como uma engrenagem indiferente aos ritmos infantis: tendo aprendido a engolir os desejos, são estes mesmos esquemas que necessitamos reproduzir, através de normas que impomos às crianças, modelando os gestos e, simultaneamente, aquietando o espírito. Pois, corpo e espírito não estão separados, o que é ação no corpo, é, necessariamente, ação na alma (Espinosa,1983). Mas o desejo conspira... Na visão de Charles Fourier (1978), porque não tem outras alternativas, outros caminhos para satisfazer-se! Torna-se, assim, um subversivo permanente, que trabalha de maneira infatigável na desorganização da sociedade, desrespeitando todos os limites colocados pela legislação (Konder, 1998:17). Isto acontece por uma questão de sobrevivência física-e-espiritual. O desejo persevera porque, oprimido, se manifesta como sintoma, como doença, do corpo e da alma, pois, toda paixão estrangulada produz uma contrapaixão tão maléfica quanto a paixão natural seria benéfica (idem, p.19). Entendendo que a liberdade é a fonte da felicidade, Fourier propõe que toda a atividade educativa, tal como o trabalho, seja prazerosa. Descrente das experiências educacionais das sociedades civilizadas, quer que a culinária faça parte do currículo, com o objetivo de estimular o prazer de comer e possibilitar, em nome deste prazer, que todos os seres humanos sejam cozinheiros competentes. Além disto coloca a arte - a música, a dança, o teatro e composição de cenários, a poesia, a mímica, a pintura - no centro do projeto educativo. Com a mesma ênfase, destaca a importância da

16 16 proximidade da natureza, para que as crianças se reconheçam como parte e se identifiquem com ela. Na sua visão, todos estes fatores proporcionariam meios de enriquecimento individual e condição para integração na coletividade. Como caminhar nesta direção, se estamos, nós, adultos, aprisionados, apegados à regras e normas que nos mantêm alheios aos próprios desejos, insensíveis às vontades do corpo, amedrontados diante do que liberta? Como avançar na perspectiva de uma educação libertadora se a ordem do sistema escolar, como a ordem capitalística, impõe que o sujeito do desejo se veja sufocado, como um eu de segunda categoria, que pode ser ludibriado, enganado, distraído, dominado pelo sujeito da razão? Na visão de Gallo (2003), trabalhar no desmonte desta lógica seria a função de uma educação menor, que atua no plano molecular, como trincheira contra a tentativa de modelização do sistema escolar, como máquina de resistência contra a educação maior, macropolítica, dos grandes mapas e projetos. Esta perspectiva favoreceria o resgate de uma concepção de infância que Kohan (2004) denomina como minoritária, isto é, (...)uma infância como experiência, como acontecimento, como ruptura da história, como revolução, como resistência, como criação (p.62). em contraposição a (...) uma infância majoritária, a da continuidade cronológica, da história, das etapas do desenvolvimento, das maiorias e dos efeitos: a infância que, pelo menos depois de Platão, se educa conforme um modelo (p.62). Considerações Finais Identificado com uma educação menor, o projeto inova em relação à estrutura da organização escolar, pautada na homogeneidade etária dos grupos, na existência de um principal espaço propício a ensinar (a sala de aula) e na idéia de que todos têm o direito de aprender a mesma coisa num mesmo tempo. Na contra mão desta visão, o projeto questiona a idéia de que o professor é que decide o que cada um e todos vão

17 17 aprender a cada momento; e provoca uma ruptura em relação a um conceito de conhecimento marcados pela linearidade e pela hierarquia. Especialmente em algumas unidades, de fato, as crianças aprendem aquilo pelo qual estão interessadas, e vão de um espaço ao outro em busca do que necessitam para realizar a sua pesquisa ou complementar um trabalho. Colocam-se, assim, na perspectiva de uma educação rizomática, em que os adultos educadores assumem papel auxiliar no processo de invenção/descoberta de caminhos de conhecimento que brotam das experiências individuais e grupais. Em processo de avaliação que, em novembro de 2005, envolveu o coletivo dos educadores, destacamos alguns pontos-chave, aspectos para os quais é preciso atenção, dedicação, investimento em formação, se o objetivo é aprofundar uma experiência que está em seus primeiros passos: - a avaliação, praticamente unânime, é de que constituição de grupos heterogêneos, reunindo uma faixa etária que vai dos 3 aos 7 anos, favoreceu a integração entre as crianças, as deixou mais à vontade, enriqueceu as trocas de saberes e experiências, enfim, ampliou os processos de socialização e aprendizagem porque ampliou zonas de desenvolvimento proximal (Vygotsky,1986). - outro aspecto que merece destaque diz respeito aos benefícios da constituição de grupos de acordo com as referências afetivas construídas na prática, tal qual acontece na vida, isto é, em função de afinidades que vão sendo naturalmente tecidas entre crianças e educadoras. Este processo não se estende a todas as unidades: em algumas, os grupos seguem sendo previamente definidos, ficando sob a responsabilidades desta ou daquela educadora. - ao redefinirmos os espaços de atividades, com base nas idéias do que Freinet (1979) chama de materialismo escolar, mexemos no que é concreto e modelas as nossas práticas, alteramos as condições materiais sob as quais o seu trabalho se estrutura. Um novo lugar espacial é capaz de provocar, de engendrar novas relações humanas menos verticais, mais horizontais.

18 18 - as crianças conquistaram, de fato, a liberdade de circularem livremente e escolherem suas atividades. Mas, em cada unidade, a circulação assume um formato e, sem dúvida, define um maior ou menor grau à qualidade da escolha das crianças. Este é um balisador do projeto, que, portanto, merece atenção especial, pois se constitui como desafio permanente, questionando os lugares de poder do adulto, nos interrogando sobre os riscos de assumirmos perspectivas espontaneístas e permissivas, alimentadoras de posturas individualistas. - as educadoras, pouco a pouco, assumem uma nova função: agora elas acompanham e desafiam os grupos que se constituem em função de interesses emergentes das crianças. Este foi uma dos aspectos mais trabalhados em Ele exigiu o abandono de posturas que correspondem ao modelo tradicional, em que o foco da atividade educacional está na intenção do adulto educador, não na atividade das crianças. - hoje, a Arte (a expressão criadora, em todas as suas modalidades: música, dança, teatro, artes visuais e literatura) está presente como prática cotidiana. Ao longo de 2005, contamos com a assessoria de profissionais que atuam especialmente nas quatro primeiras. Elas não deram aulas para as crianças nem para os adultos: o que fizeram foi inventar, junto com as educadoras, espaços de exercício destes caminhos de expressão, contribuindo para que crianças e adultos dancem, cantem, pintem, dramatizem a vida no cotidiano. - é duplo o compromisso do projeto: com a diversidade cultural, própria da espécie humana; e com a biodiversidade, infinitude de outras espécies e formas de vida que constituem a Terra. Queremos e respeitamos a liberdade, a integridade, a expansão das culturas humanas, tanto quanto desejamos e respeitamos a plenitude da Natureza, da qual somos apenas uma parte. Assim, investimos no sentido de que todas as atividades sejam balizadas pela perspectiva da sustentabilidade. Em 2005 foram permanentemente desenvolvidas práticas de Revegetação, de Coleta de Pilhas e Baterias, de Reaproveitamento da Produção Gráfica do SESC-Rj e de cada unidade; e

19 19 de substituição do uso de copos plásticos por copos de vidro ou canecas. Todas as unidades participaram de uma ou outra forma destas atividades e as incorporaram permanentemente as suas dinâmicas de funcionamento, incluindo, inclusive, outros setores da instituição. Em algumas unidades houve efetiva redução de desperdício e mesmo redução de produção de material gráfico. Além disto, 6 das 10 unidades criaram suas hortas em parceria com setores que cuidam da jardinagem e da nutrição. Há locais em que o lanche começa a ser confeccionado com produtos plantados e colhidos pelas crianças. Estas iniciativas são inovadoras, em termos de produção de experiências sustentáveis. Finalmente, vale informar que o registro permanente é um dos objetivos do projeto, numa perspectiva de sistematização e socialização das experiências cotidianas. Elas vêm nos apontando caminhos que possibilitam às crianças, e também a nós, adultos, a vivência de um espaço educacional conectado com o que potencializa, é alegria, é desejo... Bibliografia BOFF, Leonardo. Saber cuidar: Ética do Humano, Compaixão pela Terra. Petrópolis, Vozes, DELEUZE, Gilles. Espinosa, filosofia prática. São Paulo, Escuta, ESPINOSA, Baruch de. Ética. São Paulo, Abril Cultural, (Coleção Os Pensadores). FOUCAULT. Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis, Vozes, As palavras e as coisas. São Paulo, Martins Fontes, Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes, FOURIER, Charles. Doutrina Social (El Falastério). Madrid, Ediciones Juan, FREINET, Elise. O intinerário de Célestin Freinet. A livre expressão na pedagogia Freinet. Rio de Janeiro, Francisco Alves, GALLO, Silvio. Tranversalidade e educação: pensando uma educação não disciplinar. IN: ALVES, Nilda e GARCIA, Regina Leite (org). O sentido da escola. Rio de Janeiro, DP&A, 2001.

20 20. Deleuze e a Educação. Belo Horizonte, Autêntica, GOUVEA, Maria José e TIRIBA, Léa (orgs). Educação infantil - um projeto de reconstrução coletiva. Rio de Janeiro, SESC/ARRJ, GUATTARI, Félix.: Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo, Ed. Brasiliense, As três ecologias. Campinas, Ed. Papirus, GUATTARI, Félix. e ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografias do Desejo. Petrópolis, Vozes, JAPIASSU, Hilton e MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro, Zahar, KOHAN, Walter (org). Lugares da infância na filosofia. Rio de Janeiro, DP&A, 2004 KONDER, Leandro. Charles Fourrier: o socialismo do prazer. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1998 MATURANA, Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte, Ed. UFMG, MERCHANT, Carolyn. Ecofeminismo. In: CORRAL, Thaís. e OLIVEIRA (org).terra Femina. RJ, Idac/Redeh, SOUSA SANTOS, Boaventura. A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo, Cortez, TIRIBA, Léa. Crianças, natureza e educação infantil. Rio de Janeiro, PUC-Rio, 2005, tese de Doutorado. VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault e a Educação. Belo Horizonte, Autêntica, VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. RJ, Martins Fontes, 1989.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M.

Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real. Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos. por Joyce M. Instituto Fonte Diálogo A integração entre a avaliação e gestão no mundo real Rizoma mapeando encontros e desenvolvimentos Não há um método para descobrir, apenas uma longa preparação. Gilles Deleuze por

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Título - Escola: espaço de vivência do que é bom, alegra e, frente à vida, nos faz mais potentes.

Título - Escola: espaço de vivência do que é bom, alegra e, frente à vida, nos faz mais potentes. Léa Tiriba PALESTRA BRASÍLIA 22/11/05 PRÊMIO PROFESSORES DO BRASIL Título - Escola: espaço de vivência do que é bom, alegra e, frente à vida, nos faz mais potentes. A Diretoria de Políticas da Educação

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO

A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO 0 A PEDAGOGIA DA FRATERNIDADE ECOLÓGICA: ENSINAR A ÉTICA DO GÊNERO HUMANO (1)Prof. Dr. Samir Cristino de Souza (IFRN) (2) Prof a. Dr a. Maria da Conceição Xavier de Almeida (UFRN) RESUMO A Pedagogia da

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano

PROGRAMA ESCOLA DA INTELIGÊNCIA - Grupo III ao 5º Ano ... CEFF - CENTRO EDUCACIONAL FAZENDINHA FELIZ Rua Professor Jones, 1513 - Centro - Linhares / ES - CEP. 29.900-131 - Telefone: (27) 3371-2265 www.escolafazendinhafeliz.com.br... Ao colocar seu filho na

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO Este curso, que ora apresentamos, insere-se como mais uma ação na perspectiva da formação do educador e destina-se a especializar

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann

QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann QUAL O SIGNIFICADO DA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NAS CRECHES E PRÉ-ESCOLAS? Jussara Hoffmann 1 A discussão da avaliação na Educação Infantil inicia pela reflexão sobre o papel das instituições voltadas à educação

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Dandara Queiroga de Oliveira Sousa Ana Luiza Silva Costa Gleidson Patrick Melo de Paula Maria Aparecida Dias

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE.

AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. AVALIAÇÃO ESCOLAR E INTERVENÇÃO NO DESENHO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE. Mônica Cintrão França Ribeiro Universidade Paulista (UNIP) Comunicação Científica RESUMO O objetivo desse estudo

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios

INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios INTERDISCIPLINARIDADE: objetivos e princípios Marcus Vinicius Barbosa SILVA; Carmelita Brito de Freitas FELÍCIO Faculdade de Filosofia - Universidade Federal de Goiás marvinifchf@yahoo.com.br; carmelaf@terra.com.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Rede Nacional Primeira Infância

Rede Nacional Primeira Infância Rede Nacional Primeira Infância O lugar da Educação Infantil nas políticas para a primeira infância Seminário Nacional Currículo e Avaliação da Educação Infantil: Políticas para a primeira infância. Rio

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais