REGIMENTO INTERNO DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DO"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DO ROTARYe-CLUB D4500 Aprovado pelo Rotary International conforme o Plano de Liderança de Clube - PLC Registrado no Rotary International sob o n

2 Artigo I - Eleição de Dirigentes O processo de Eleição do Presidente para o novo ano rotário com início em 1 0 de julho do ano seguinte e término em 30 de junho do ano subsequente será desenvolvido durante o mês de novembro de cada ano, com as seguintes etapas: Seção 1 - Até 10 de novembro de cada ano, o Presidente e/ou Secretário deverá designar uma Comissão Ad-Hoc de Eleição de, pelo menos, três sócios qualificados do e-club e nomear um deles como Presidente da Comissão. O Presidente e/ou Secretário deverá solicitar que cada sócio do e-club apresente sugestões de candidatos, entre os sócios representativos e qualificados, ao cargo de Presidente para próxima gestão a ter início em 1 0 de julho do ano seguinte. A solicitação deverá ser transmitida eletronicamente, em separado ou como parte de outra comunicação interna aos sócios, pelo Mailtng List do Yahoo Grupo, criado para uso exclusivo dos sócios do e-club. As sugestões deverão ser enviadas ao Presidente e/ou Secretário até 17 de novembro do ano em curso. Seção 2 - Em 18 de novembro o Presidente e/ou Secretário comunicará ao Presidente da Comissão os nomes dos candidatos sugeridos pelos sócios qualificados para presidir a próxima gestão. Seção 3 - A Comissão Ad-Hoc de Eleição, sob a liderança de seu Presidente, deverá encaminhar cédulas de votação com os nomes dos sócios indicados (incluindo as sugestões dos membros da respectiva Comissão) ao cargo temporário nominado de Presidente-Eleito cujo mandato oficial começará no dia 1 de julho do ano seguinte. Serão utilizadas cédulas por meio eletrônico ( ) enviadas a todos os sócios em dia com a Tesouraria, tomadas as devidas precauções para garantir o sigilo da eleição. Cada sócio poderá votar em um candidato para Presidente sugerido pelos sócios. Todo sócio tem o direito de votar em qualquer companheiro não candidato, escrevendo o nome deste último na cédula eletrônica. Após as cédulas eletrônicas terem sido distribuídas, os sócios terão 7 (sete) dias para votar. Seção 4 - Ao término do período das eleições, o Presidente da Comissão deverá proceder a contagem dos votos e relatar os resultados da eleição ao Secretário do e-club, o qual comunicará aos sócios do e-club o nome do candidato eleito. Seção 5 - Em caso de empate entre dois candidatos o Conselho Diretor julgará, com base na antiguidade e nos méritos de cada um, e decidirá qual deles será o Presidente-Eleito.. Seção 6 - De acordo com os Estatutos do Rotary e-club D4500, Seção 7 do Artigo IX, o 'Presidente-Eleito deverá nominar o Secretário e o Tesoureiro (ou num único cargo Seçretário/Tesoureiro) de sua gestão, submetendo a Aprovação do Conselho Diretor, cujos no dia 1 0 de julho do ano seguinte. Seção 7 - Em não havendo objeção do Conselho Diretor, as Dominações deverão ser enviadas ao Rotary International, para registro oficial dos cargos de Presidente, Secretário e Tesoureiro (ou SecretáriolTesoureiro) do próximo ano rotário. Seção 8 - Caso tome-se vago o cargo de Secretário, Tesoureiro ou de Dirigentes, o Conselho Diretor deverá preencher a vaga escolhendo outro Sócio para ocupar o cargo até o fim do respectivo mandato, em caráter Ad-Hoc. Seção 9 - Caso tome-se vago o cargo de Presidente, o Presidente-Eleito deverá assumir, imediatamente, a Presidência até completar o mandato e continuar normalmente como Presidente durante todo o mandato seguinte. Seção 10 - Caso tome-se vago o cargo de Presidente-Eleito, o Presidente deverá nomear uma nova, ou manter a Comissão, anterior, de Eleição de três sócios qualificados, que deverão escolher um ou mais sócios para candidatos e convocar Eleições Especiais para escolha de um novo Presidente para a gestão seguinte. O novo Presidente-Eleito sucederá normalmente ao Presidente. Nas eleições especiais os procedimentos para candidatura, votação e contagem dos votos, serão os mesmos adotados nas eleições normais. Seção 11 - Caso algum dos candidatos eleitos para Dirigente ou Presidente de Comissão Permanente não possa assumir o cargo, o Presidente-Eleito do e-club deverá realizar nova indicação para preenchimento da vaga com aprovação do Conselho Diretor. Seção 12 - O processo de eleição dos novos dirigentes terminará em 30 de novembro.

3 t">o ~,,=, ser~.:.. e (,I~ -. ~ "k." R.T.D/P %i.., _ \Q TE~.; E- ArtIgo n- Metodos de Votaçao,~ JoaQtPe~soa 'J Todas as votações realizadas pelo e-club deverão ser através de cédulas digitadas com os n 8rafi:i t dos candidatos e transmitidas por meios eletrônicos, conforme emissão da Comissão de Votaçlô-~ '.~~',' ainda, a indicação dos cargos de Secretário e Tesoureiro ou Secretário/Tesoureiro será de \. competência do Presidente-Eleito, assim como, os Presidentes de Comissão Permanente, que deverão ser confirmadas pelo Conselho Diretor, no prazo de 7 (sete) dias úteis, após a divulgação pelo Presidente-Eleito, empostagem no Mailing List do Yahoo Grupo. Seção 1 - Em caso de rejeição de quaisquer indicações, o(s) sócio(s) qualificado(s) autor(es) da rejeição poderá(ão) apresentar outro(s) sócio(s) para ocupar(em) o(s) cargo(s). A(s) rejeição(ões) deverá(ão) ser submetida(s) ao Conselho Diretor, acompanhada(s) dos seus motivos para apresentação. Caso seja(m) aprovada(s), pelo Conselho Diretor, a(s) proposta(s) deve(m) ser apresentada(s) ao Presidente-Eleito que terá o prazo de 48 horas para aceitar ou apresentar seus contra-argumentos. Após acertado(s) o(s) conflito(s) o(s) nome(s) indicado(s) deve(m) ser divulgado(s) para todos os sócios em postagem no Mailtng üst do Yahoo Grupo. Artigo m- Procedimentos para Eleição de Novos Sócios Seção 1 - Qualquer sócio qualificado do e-club, ou de outro Rotary Clube do Distrito 4500, poderá propor ao Conselho Diretor o nome de um pretendente a sócio do e-club. A proposta deverá ser encaminhada em formulário apropriado ao Secretário do e-club, que encaminhará ao Presidente da Subcomissão de Admissão e Classificação, e será mantida em sigilo até que sejam efetivados os procedimentos descritos nas Seções deste Artigo. O Conselho Diretor pode, também, aceitar propostas de novos sócios encaminhadas por Presidentes de Rotary Clubes e Governadores de outros Distritos do Rotary Intemational. Seção 2 - O Conselho Diretor, imediatamente, levará em conta a proposta e deverá determinar se o pretendente atende a todos os requisitos exigidos pelos Estatutos do e-club. Seção 3 - Com base nos Estatutos do e-club, o Conselho Diretor aprovará ou não a proposta. A decisão do Conselho será comunicada ao proponente pelo Secretário do e-club no prazo máximo de 30 (trinta) dias. Seção 4 - Caso o Conselho Diretor decida pela aprovação da proposta, o proponente deverá informar ao pretendente os objetivos do Rotary e os direitos e deveres de um sócio. Seção 5 - Se num prazo de sete dias após a publicação nenhum sócio se manifestar contra a admissão do pretendente, e após o pagamento da taxa de admissão (se existir) e outros encargos que forem estabelecidos (incluindo cotas pro rata., se for o caso), deverá ser considerado como sócio eleito do clube. Se houver objeção por parte de algum sócio, o Conselho Diretor deverá julgar a objeção o mais breve possível. Se a objeção não for aprovada pela maioria dos membros do Conselho (2/3), o pretendente deverá ser considerado como sócio eleito do clube. Seção 6 - Após a eleição de um novo sócio o Presidente deverá providenciar sua apresentação aos sócios do e-club prestando-lhe as devidas orientações com relação ao Rotary. O Secretário deverá providenciar as devidas credenciais como sócio e informar ao Rotary International e ao Distrito 4500 da eleição deste novo sócio. Artigo IV - Conselho Diretor Os dirigentes do e-club são: Presidente, Vice-Presidente, Secretário e Tesoureiro (ou Secretário/T esoureiro). O Conselho Diretor será formado pelos dirigentes nominados acima e os Presidentes de Comissão, e terão mandato de um ano, com início em 1 de julho e término em 30 de junho do ano seguinte. Artigo V - Atribuições dos Dirigentes Seção 1 - São atribuições do Presidente: - Elaborar o Plano de Metas para sua gestão, com base no prescrito pelo Plano de Liderança de Clubes - PLC do Rotary International. - Nomear um sócio qualificado para ser o Presidente da Subcomissão de Internet (Internet Service O.fficer), preferencialmente deverá ser o WebMaster do Site.

4 ~~...;:.;.;:~-:< ","" SerVi;".', ~,'V "00$'-. ~ a, t /.4Jr(.T.DIPJ 'i»..~ TE~.:~ =.; Joao pessoa '. O Presidente da Subcomissão de Internet (Internet Service Officer) será nomeado para um p Bar'aíba. " de um ano e deverá coincidir com o mandato do Presidente, podendo ser renovável, por i. " períodos, desde que aprovados pelo Conselho Diretor. - Formar as Comissões do e-club D Colaborar com as Comissões e Subcomissões para o bom desenvolvimento de suas ações rotárias. - Analisar com o Tesoureiro, Secretário e Vice-Presidente o planejamento financeiro elaborado pelo Tesoureiro, para os devidos ajustes, se necessários, e aprovação. - Assinar, através de assinatura conjunta com o Tesoureiro, os cheques da conta corrente bancária do e-club, para pagamento exclusivo de despesas e/ou reembolso do e-club. - Atender, caso possível, os convites endereçados ao e-club, e na impossibilidade, designar um dirigente ou sócio para representar a entidade. - Informar, sempre que possível, suas atividades a todos os sócios do e-club, para conhecimento. - Responder ao Distrito 4500 e ao Rotary Intemational, pelas ações realizadas pelo e-club. - Representar o e-club nas atividades do Distrito Rotário 4500 e do Rotary International. Seção 2 - O Vice-Presidente, em sendo o Presidente-Eleito sucederá o Presidente no término do mandato deste último ou, se o Presidente renunciar ou estiver impossibilitado de continuar no cargo, As atribuições do Vice-Presidente são: - Assistir ao Presidente no desempenho de suas funções, - Preparar-se, no caso de ser Presidente-Eleito, para assumir o lugar do Presidente no término do mandato deste último, - Analisar com o Tesoureiro, Secretário e Presidente o planejamento financeiro elaborado pelo Tesoureiro, para os devidos ajustes, se necessários. - Ter conhecimento e acompanhar os trâmites operacionais administrativos e financeiros do e-club. No caso da Vice-Presidência ser ocupada pelo Presidente-Eleito, este deverá: - Receber os arquivos administrativos e financeiros, em conjunto com o Secretário e o Tesoureiro de sua gestão, entregues pelos dirigentes da gestão anterior através de protocolo eletrônico, - Analisar, em conjunto com o Secretário e Tesoureiro de seu mandato, os arquivos recebidos da gestão anterior e comunicar a ocorrência ou não de discrepâncias administrativas e financeiras a todos os sócios do e-club, através de postado no Mailing List do Yahoo Grupo, no prazo de 7 (sete) dias a partir do recebimento. Seção 3 - São atribuições do Secretário: - Organizar e preservar os arquivos do e-club D Cumprir as atribuições de Secretário conforme especificado nos manuais do Distrito Rotário 4500 e do Rotary International. - Analisar com o Tesoureiro, Presidente e Vice-Presidente o planejamento financeiro elaborado pelo Tesoureiro, para os devidos ajustes, se necessários, - Elaborar o Relatório das Atividades já realizadas a ser apresentado ao Governador do Distrito, em sua visita Oficial ao e-club, independente da data da referida visita, - Repassar os arquivos administrativos para o novo Presidente e o novo Secretário. Na transição, o novo Secretário deverá receber do Secretário anterior toda a documentação do Rotary e-club D4500, como o original dos Estatutos e Regimento Interno; Livro de Atas; todos os Demonstrativos Financeiros; o Comprovante da Declaração do Imposto de Renda; além do registro de bens, que porventura existam. Todos os itens citados devem ser entregues sob protocolo eletrônico, no intuito de trazer segurança tanto para o ex-presidente e ex-secretário como para o novo Presidente e novo Secretário, - Esclarecer, sempre que solicitado, dúvidas dos dirigentes em relação ao acervo do e-club. - Atender a novos procedimentos exigidos pelo Distrito 4500 e Rotary Intemational que sejam, também, de interesse a boa administração do e-club. - Ser responsável pelas informações administrativas do e-club junto ao Distrito 4500 e ao Rotary International. Seção 4 - São atribuições do Tesoureiro: - Elaborar e apresentar ao Presidente, Vice-Presidente e Secretário, o planejamento financeiro para aprovação dos dirigentes, e a partir de então colocar em execução. - Sugerir aos dirigentes os valores das taxas de admissão, se existir, e quotas a serem cobradas pelo e-club aos sócios, e suas atualizações, se necessárias,

5 - Comunicar aos sócios as atualizações nos valores das quotas, que serão decorrentes da expr necessidade de atender as provisões financeiras aprovadas pelos dirigentes e justificadas por exposição de motivos, informando a data de início da cobrança dos novos valores. - Determinar para cada sócio representativo um numerário de centavos exclusivo e identificador do respectivo sócio agregado ao valor das taxas de admissão, se existir, e quotas mensais, deste modo o seu pagamento (que poderá ser através de depósito ou transferência online na/para a conta corrente do e-club) será registrado pelo Tesoureiro. - O Tesoureiro deverá informar a cada novo sócio o numerário de centavos que corresponde a sua identificação, no máximo 7 (sete) dias após a sua posse. - O pagamento das quotas mensais para um novo sócio deverá ser realizada a partir do mês subsequente a sua diplomação. - Movimentar a conta corrente bancária do e-club, em conjunto com o Presidente, exclusivamente para fazer face às despesas e/ou reembolso do e-club. - Pagar as despesas da provisão financeira apresentadas e aprovadas pelos dirigentes, assim como, as despesas eventuais, desde que essas últimas tenham sido aprovadas pela Presidência do e-club. - Informar aos dirigentes, mensalmente, o saldo da conta corrente do e-club. - Preencher e encaminhar a Declaração de hnposto de Renda Pessoa Jurídica, de acordo com a legislação tributária, dentro do prazo estabelecido pela Receita Federal, anualmente. - Providenciar a documentação para as alterações das assinaturas, em conjunto com os novos dirigentes, do novo ano rotário, junto a Agência Bancária em que o e-club tem conta corrente, de modo a facilitar a transmissão das assinaturas. - Cumprir as atribuições de Tesoureiro conforme especificado nos manuais do Distrito Rotário 4500 e do Rotary Intemational. - Repassar os arquivos financeiros para o novo Presidente e o novo Tesoureiro. Artigo VI - Taxas e Quotas Seção 1 - Os Dirigentes deverão estabelecer taxas (incluindo a taxa de admissão, se decidido for pelo Conselho Diretor) para quotas mensais de tal modo que o e-club possa efetuar o pagamento das taxas de capitalização exigidas pelo Rotary Intemational e pelo Distrito 4500, e propiciar suporte financeiro adequado às atividades do e-club, providas no orçamento financeiro apresentado pelo Tesoureiro e aprovado pelos dirigentes, conforme Seção 4 do Artigo V. Seção 2 - As taxas e quotas do e-club deverão ser determinadas pelos Dirigentes para um período de, pelo menos, 12 (doze) meses, e poderão ser reajustadas, anualmente, se estritamente necessário. Artigo VII - Finanças Seção 1- Todos os numerários do clube deverão ser depositados em um ou mais bancos conforme recomendação do Tesoureiro e aprovação por parte do Conselho Diretor. Seção 2 - Todos os pagamentos do e-club deverão ser feitos em cheque e/ou transferências eletrônicas realizadas pelo Tesoureiro e autorizados pelo Presidente. Seção 3 - Todo fmal de ano rotário, o Conselho Diretor deverá nomear uma pessoa devidamente qualificada, que não seja o Tesoureiro, a fim de proceder a análise dos registros financeiros do e- Club e informar ao Conselho Diretor a situação financeira em que se encontra o e-club. Seção 4 - O Tesoureiro e as demais pessoas que têm acesso ou controle dos numerários do e-club poderão ser solicitados pelo Conselho Diretor a fazer seguro para garantir a segurança da custódia do dinheiro. Esses seguros serão custeados pelo e-club. Seção 5 - O Ano Fiscal do e-club corresponde ao ano rotário, começando em 1 0 de julho e com término em 30 de junho do ano seguinte. Seção 6 - Em 1 0 de julho e 1 0 de janeiro do ano seguinte deverão ser cobradas dos associados às quotas correspondentes ao pagamento semestral da per capita exigida pelo Rotary Intemational e pelo Distrito Artigo vm - Formalização de Novos Dirigentes junto a Agências Bancárias Com o objetivo de não haver solução de continuidade na boa administração do e-club, 30 (trinta) dias antes do término do mandato da Presidência do e-club, o Tesoureiro deverá iniciar os procedimentos para mudança das assinaturas da coma corrente do e-clab, a fim de que no início do ano rotário, os novos dirigentes possam estar habilitados a movimentar a conta corrente do e-club

6 () SerVi;o '. : ~ R.T.DI ~*-'" ~\: na respectiva Agência Bancária. Caso seja, de interesse a boa administração, os novos dliw;:flfi~.: ~: poderão utilizar outro Banco, desde que previamente apresentado e aprovado pelo Co. ~o p!s$oa "i Dir~tor. Os pro~edimentos a serem ~o~os são o~ seguintes:.,., ~.rf),ara'ba \<'.'~;( Seçao 1 - Registro da Ata de Eleição de Presidente e Tesoureiro no Cartório de Tltulo~e ' _. «Ó, Documentos. Antes do registro da Ata de Eleição dos novos Presidente e Tesoureiro, será digitado um documento no qual deve constar informações essenciais como: o nome e a identificação completa do novo Presidente e do novo Tesoureiro, e o período previsto da gestão conforme os Estatutos do eclub D4500. Para o registro em cartório, na Ata deve conter a assinatura do Presidente e Secretário da Assembleia, estando anexa a Lista de Presença da reunião. É também necessário reproduzir este documento em 03 (três) vias, sendo que uma cópia ficará no cartório, uma cópia será encaminhada ao Banco e uma via será anexada ao livro de Atas do Rotary e-club. Seção 2 - Apresentação da Ata registrada no Cartório de Títulos e Documentos ao Banco para a alteração das senhas e assinatura do cartão de autógrafo do novo Presidente e novo Tesoureiro. Após o registro da Ata, o novo Presidente e o novo Tesoureiro deverão dirigir-se a agência bancária que o Rotary e-club D4500 é correntista e apresentá-ia ao funcionário competente. Também devem ser apresentados os documentos pessoais do novo Presidente e do novo Tesoureiro, sendo cópia e original da Carteira de Identidade, CPF e comprovante de residência, ou ainda, outros de acordo com a politica administrativa do Banco. A partir da apresentação dos documentos, o novo Presidente e o novo Tesoureiro procederão o preenchimento do formulário necessário à mudança das senhas de acesso as contas, e a assinatura do cartão de autógrafo para a assinatura dos cheques. Artigo IX - Comissões Cabe aos presidentes das Comissões dedicarem-se ao cumprimento das metas anuais e de longo prazo do e-club com base no Plano de Liderança de Clubes e no Plano de Metas elaborado pelos Dirigentes. O Presidente-Eleito, o Presidente e o ex-presidente imediato colaborarão para garantir a contínua liderança no clube e o planejamento da escolha dos sucessores. O Presidente-Eleito é responsável pelo preenchimento de vagas nas Comissões, indicação dos Presidentes das Comissões e realização de reuniões de planejamento antes da tomada de posse. Recomenda-se que todo Presidente de Comissão deve ter tido experiência anterior como membro de Comissão. Seção 1- Comissões Ad-Hoc adicionais podem ser indicadas conforme necessárias. (a) O Presidente do e-club será membro ex-oficio de todas as comissões e, nessa qualidade, terá todos os privilégios correspondentes. (b) Cada Comissão cuidará dos assuntos que lhe são atribuídos pelo Plano de Liderança de Clubes e pelo Plano de Metas do e-club, e de outros assuntos adicionais que lhe possam ser delegados pelo Presidente ou Conselho Diretor. Exceto mediante autorização expressa do Conselho Diretor, as Comissões não poderão praticar quaisquer atos que não tenham sido aprovados pelo referido Conselho, após análise de relatório previamente recebido. (c) Todo Presidente de Comissão se responsabiliza pela regularidade das reuniões e atividades da Comissão e Subcomissão, cujo trabalho supervisiona e coordena, encarregando-se de manter o Conselho Diretor informado sobre todas as atividades. Artigo X - Atribuições dos Presidentes de Comissão Seção 1- De acordo com Seção 4 do Artigo IX dos Estatutos do e-club, serão cinco os Presidentes de Comissão Permanente e os mandatos terão validade de um ano rotário, podendo ser renováveis, por iguais períodos, desde que aprovados pelo Conselho Diretor. As Comissões Permanentes poderão ter Subcomissões, que serão dirigidas por sócios representativos qualificados. O número de Subcomissões deverá atender a boa administração e realização dos serviços rotários e, preferencialmente, segue o organograma prescrito pelo Rotary Intemational. - Comissão de Serviços Internos: Subcomissões de Admissão e Classificação; Companheirismo; Comunicação com o Distrito; Comunicação com o RI; Desenvolvimento do Quadro Social; Divulgação e Relações Públicas; Informação Rotária; Frequência, Publicação e Conteúdo do Site; e Revista Brasil Rotário.

7 - Comissão de Serviços à Comunidade: Subcomissão de Projetos de Desenvolvimento Comunitário e Humano. - Comissão de Serviços Internacionais: Subcomissões de Captação de Recursos, Programas da Fundação Rotária. - Comissão de Serviços Profissionais: Subcomissões de Orientação e Reconhecimento Profissional; e Ética Profissional. - Comissão de Novas Gerações. Não há Subcomissão. O Presidente comunicará suas indicações, no prazo máximo de 15 dias, após realizada consulta aos sócios que reúnam qualificações para o bom funcionamento da Comissão. O Presidente da Comissão deverá apresentar ao Presidente do e-club, os sócios que serão Presidentes de suas Subcomissões, no prazo de 10 dias. O Presidente do e-club divulgará para todos os sócios do e- Club o organograma com os novos dirigentes. Seção 2 - O Presidente da Subcomissão de Internet (Internet Service Officer) deverá, sob a direção do Conselho Diretor, efetuar supervisão geral das tecnologias e dispositivos de comunicação usados pelo e-club em suas atividades, de modo a bloquear mensagens que não atendam os Objetivos, prerrogativas e propósitos do RI, enfim que não conflitem com as Normas Rotárias. Artigo XI - Atribuições das Comissões Seção 1- As atribuições de todas as Comissões Permanentes são estabelecidas e revisadas pelo Presidente-Eleito para o ano de seu mandato. Ao informar sobre as atribuições, o Presidente fará referência aos materiais apropriados disponibilizados pelo RI. A Comissão de Projetos de Prestação de Serviços preparará seus planos para o ano levando em consideração os Serviços Profissionais, Serviços à Comunidade e Serviços Internacionais. Seção 2 - Cada Comissão e Subcomissão terá metas claramente identificadas e planos de ação para o ano rotário, estabelecidos antes do início deste. A principal responsabilidade do Presidente-Eleito será providenciar a necessária liderança na preparação de Presidentes das Comissões do e-club, bem como recomendações quanto a metas e planos para apresentar ao Conselho Diretor antes do inicio do ano rotário, conforme acima observado. Artigo XII - Reuniões O e-club deverá promover e conduzir, através de comunicação eletrônica, reuniões regulares com participação e debates. E ainda realizar algumas atividades rotárias previstas no PLC - Plano de Liderança de Clubes e no Plano de Metas do e-club. Artigo xm - Licenças A um sócio que, por motivo de doença ou por outra razão qualquer, está impossibilitado de participar das atividades semanais do clube ou dos Serviços Rotários, o Conselho Diretor pode, mediante requerimento apresentado pelo sócio, conceder-lhe licença por um período especificado, contudo, nunca superior a seis meses. Sua ausência nas atividades e nos Serviços Rotários durante este período não afetará sua boa conceituação no e-cíub. Artigo XIV - Resoluções Qualquer resolução ou moção que comprometa o e-club em alguma questão, deverá ser submetida, por escrito e meio eletrônico para conhecimento do Conselho Diretor, acompanhada de uma exposição de motivos que justifique a aceitação desta resolução ou moção. No prazo de 30 (trinta) dias o Conselho Diretor deverá julgar a resolução ou moção e tomar uma decisão se recomenda ou não a aceitação por parte do clube. A decisão do Conselho Diretor deverá ser informada ao proponente. Caso o proponente deseje, a proposta deverá ser submetida aos Sócios para votação postada no Mailing List do Yahoo Grupo, acompanhada da recomendação do Conselho Diretor. Artigo XV - Emendas Seção 1 - Qualquer sócio, a qualquer momento, poderá apresentar ao Conselho Diretor proposta de emenda neste Regimento Interno. A proposta deverá ser sempre acompanhada de uma exposição de motivos e estar em concordância com os Estatutos do e-club.

8 8 Seção 2 - Ao receber a proposta de emenda, o Conselho Diretor deverá analisar o teor e a redação da proposta e, através do Presidente da Subcomissão de Ligação com o RI, desenvolver os procedimentos previstos nos Estatutos deste e-club, no Artigo XVil e seções. Artigo XVI - Término Automático deste Regimento Interno O Rotary e-club D4500 concorda que, de acordo com o padrão de constituição do RI em vigor, e os Estatutos deste e-club, a partir de 1 de julho de 2016 este Regimento Interno se tomará sem efeito, sem necessitar qualquer ação por parte do e-ciub, salvo determinação em contrário por parte do Rotary Intemational, mediante disposições alternativas. ROBERTO I Secretário/Te i)n., ~~ AL (NÁ.1I~S FARIAS ~ Presidente 2011/2012 do Rotary e-club D 4500.,JJ. ~RlA BEZERRA CARIBÉ Vice- Presidente 2011/2012 Presidente-Eleito 2012/2013 do Rotary e-ciub D 4500

Estatutos Prescritos para o Rotaract Club

Estatutos Prescritos para o Rotaract Club Estatutos Prescritos para o Rotaract Club Metas Patrocínio de Rotary Club Requisitos para associação ARTIGO I Nome O nome desta organização será Rotaract Club de. ARTIGO II Propósito e Metas O propósito

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome).

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome). Declaração de Normas do Rotaract 1. O programa Rotaract foi desenvolvido e estabelecido pelo Rotary International. A autoridade pela elaboração e execução dos dispositivos estatutários, requisitos de organização,

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária.

Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação dos Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária. I. Âmbito No presente documento figura o Regulamento Interno do Núcleo Buiátrico da Associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

Plano de Liderança de Clube

Plano de Liderança de Clube Plano de Liderança de Clube Esta é a edição de 2005 do (245-PO). As informações aqui apresentadas têm por base o regimento interno recomendado para o Rotary Club e o Código Normativo do Rotary. Alterações

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL REGIMENTO DO CONSELHO GERAL Janeiro de 2015 PREÂMBULO O presente regimento tem por finalidade regular os procedimentos administrativos e modo de funcionamento do Conselho Geral, garantindo a eficiente

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria

Regimento Interno do Comitê de Auditoria 01. FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Auditoria (Coaud) rege-se pela legislação aplicável, pelo Estatuto Social do Banco do Brasil, por seu Regimento Interno e por decisões do Conselho de Administração. Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Fiscal é

Leia mais

INFORMATIVO ROTÁRIO Rotary International Brazil Office

INFORMATIVO ROTÁRIO Rotary International Brazil Office INFORMATIVO ROTÁRIO Rotary International Brazil Office BOAS VINDAS AOS DIRIGENTES ENTRANTES Nº 149 O Rotary International Brazil Office cumprimenta a todos os Governadores de Distrito, Governadores Assistentes,

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CONANDA, faz publicar o Edital de Convocação para a eleição das entidades da sociedade

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Associação Nacional dos Técnicos de Fiscalização Federal Agropecuária - ANTEFFA

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago

REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago REGULAMENTO DO CARTÃO BOM+ Funcionalidade Pré-Pago O BOM+ é um cartão pré-pago que oferece aos seus clientes as funcionalidades de pagamento de compras em toda a rede MasterCard e também pagamento de tarifas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES- DISTRITO LC1 REGULAMENTO INTERNO VERSÃO DE 18.03.2015 SUMÁRIO CAPÍTULO III DOS ASSOCIADOS ¾

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES- DISTRITO LC1 REGULAMENTO INTERNO VERSÃO DE 18.03.2015 SUMÁRIO CAPÍTULO III DOS ASSOCIADOS ¾ 1 ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES- DISTRITO LC1 REGULAMENTO INTERNO VERSÃO DE 18.03.2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SUPREMACIA DAS NORMAS 2 CAPÍTULO II DAS CARACTERÍSTICAS INSTITUCIONAIS 2 CAPÍTULO

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL. CNPJ/MF n.º 33.530.486/0001-29 NIRE 3330000340-1

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A. EMBRATEL. CNPJ/MF n.º 33.530.486/0001-29 NIRE 3330000340-1 Regimento Interno do Conselho de Usuários da Região I do PGO da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. - Embratel CAPÍTULO I OBJETIVO E FINALIDADE Art. 1º - O presente Regimento Interno tem por objetivo

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA Artigo 1º (Das Eleições) 1. Os Corpos Sociais Regionais do Clube Galp Energia são eleitos em cada Núcleo Regional para um mandato de três anos, conforme disposto

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls.

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Licitações e Compras Contrato nº 081/2007 Fls. Contrato nº 081/2007 Fls. 1 MINUTA TERMO DE CONTRATO Convite de Preços n.º 081/07 Processo n.º 11784/05 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DESCUPINIZAÇÃO DO PREDIO E ACERVO DO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA. Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DOS JOVENS ADVOGADOS DA OAB/BA CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Conselho Consultivo dos Jovens Advogados compõe a estrutura organizacional da Ordem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e regime O Conselho Científico do Laboratório Nacional de Energia

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ÓRGÃOS MUNICIPAIS INTEGRADOS AO SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (COMITRA) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º. O Conselho de Órgãos Municipais Integrados

Leia mais

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS

SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA A REALIZAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA EM COOPERATIVAS ABERTURA Pessoa da cooperativa que não fará parte da mesa verifica o número de associados presentes certificando o quorum

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO

REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGIMENTO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM DESPORTIVA DO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Definição) O (CAD) é um dos órgãos integrantes do Tribunal Arbitral do Desporto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento GRUPOINVEST, doravante designado simplesmente Clube constituído por número limitado de

Leia mais

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Capítulo I Núcleos Artigo 1.º Definição 1 Os Núcleos da (AAIPS) são grupos de estudantes com um interesse comum

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014

PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 PODER JUDICIÁRIO PORTARIA PRESI/SECBE 222 DE 3 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o processo eletivo para escolha dos representantes dos servidores ativos e inativos no Conselho Deliberativo do Pro-Social.

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANTENEDORA: COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE CACHOEIRINHA MANTIDA: FACULDADE INEDI Cachoeirinha Rio Grande do Sul REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais