Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais"

Transcrição

1 Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais Endereço: Palácio Guanabara Prédio Anexo Rua Pinheiro Machado, s/nº Laranjeiras Rio de Janeiro Telefone: (21) Site:

2 Secretário de Estado Chefe da Casa Civil Regis Fichtner Coordenador Geral do EGP-Rio José Candido Muricy Coordenador dos EGPs - Setoriais Luís Otávio Segond 2

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...5 COMITÊ DE PROJETOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO... 5 EGP-RIO... 5 COMITÊS DE PROJETOS SETORIAIS...6 ESCRITÓRIOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS SETORIAIS... 6 GERENTE DE PROJETOS... 6 RELACIONAMENTO DO EGP-RIO COM OS EGPS SETORIAIS PERFIS PROFISSIONAIS RECOMENDADOS...8 COORDENADOR DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS SETORIAL...8 SUPERVISOR DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS SETORIAL...8 ANALISTA SÊNIOR DE PROJETOS...8 ANALISTA PLENO DE PROJETOS...9 ANALISTA JÚNIOR DE PROJETOS PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO FORMALIZAÇÃO DOS EGP-SETORIAIS...12 MINUTA DE DECRETO PARA CRIAÇÃO DE EGP SETORIAL...13 MINUTA DE DECRETO PARA CRIAÇÃO DE COMITÊ DE PROJETOS SETORIAIS MINUTA DE DECRETO PARA INSTITUIÇÃO DE FUNÇÃO GERENTE DE PROJETOS...17 MINUTA DE RESOLUÇÃO CONJUNTA

4 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos do século XX e no início do século XXI, a sobrevivência e progresso das organizações passaram a depender fortemente de sua capacidade de identificar e executar os melhores projetos. No caso do Governo do Estado do Rio de Janeiro, seus grandes e complexos projetos exigem um acompanhamento criterioso e detalhado de aspectos fundamentais para o sucesso tais como: garantia de adequação ao escopo definido, cumprimento do cronograma, acompanhamento dos custos estimados, melhor uso dos recursos disponíveis e minimização dos riscos envolvidos. Além disso, a execução simultânea de um grande número de projetos gera a necessidade de um controle centralizado sobre todo o portfólio de projetos, de forma a alinhá-los com o planejamento estratégico do Governo. Com esse objetivo, em agosto de 2007, foi criado, na estrutura organizacional da Secretaria de Estado da Casa Civil, o Escritório de Gerenciamento de Projetos do Governo do Rio de Janeiro, com a finalidade de acompanhar a implementação dos Projetos Estruturantes do Rio de Janeiro, de gerir os Convênios e de coordenar os principais Programas do Estado. Os bons resultados alcançados levaram o governo a estimular a criação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais que, em conjunto com o EGP-Rio, têm como principais atribuições desenvolver, profissionalizar e disseminar as técnicas e ferramentas de Gerenciamento de Projetos por todas as Secretarias de Estado e suas entidades vinculadas. Este documento contém as diretrizes e procedimentos necessários para a criação de EGPs Setoriais, estabelecendo uma estrutura organizacional para gerenciamento de projetos e estendendo e padronizando a metodologia de Gerenciamento de Projetos para os demais órgãos de governo. 4

5 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A estrutura organizacional para o gerenciamento de projetos no Governo do Estado do Rio de Janeiro é composta por diversos órgãos conforme representado na figura abaixo e detalhado a seguir. Governador Comitê de Projetos do Governo do RJ Casa Civil Secretaria / Empresa EGP Rio EGP Setorial Comitê de Projetos Setorial Projeto Estruturante A GP Projeto Setorial 1 GP Projeto Estruturante B GP Projeto Setorial 2 GP Projeto Estruturante C GP Projeto Setorial 3 GP Comitê de Projetos do Estado do Rio de Janeiro O Comitê de Projetos do Estado do Rio de Janeiro CPERJ é presidido pelo Secretário de Estado Chefe da Casa Civil e constituído por integrantes das Secretarias de Estado envolvidas na execução dos Projetos Estruturantes, que se reúnem, periodicamente, para avaliar o andamento dos projetos, bem como para aprovar ou rejeitar as solicitações de mudanças e as ações preventivas e corretivas propostas. A sua existência garante a seriedade no gerenciamento de projetos e a possibilidade de resolução dos problemas mais graves. EGP-Rio O Escritório de Gerenciamento de Projetos do Governo do Estado do Rio de Janeiro EGP-Rio é o órgão responsável por garantir a adequada aplicação das ferramentas e técnicas de gerenciamento aos projetos desenvolvidos no âmbito do Governo, fornecendo os treinamentos necessários e definindo as diretrizes, metodologias e indicadores para acompanhamento e avaliação dos projetos. 5

6 O EGP-Rio também é responsável pelo monitoramento e controle dos Projetos Estruturantes do Governo do Estado do Rio de Janeiro, ou seja, aqueles que são emblemáticos para a atual gestão por possuírem um elevado grau de complexidade e grande impacto sócio-econômico. Além disso, o EGP-Rio deve estimular a implementação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais e certificar seu alinhamento, uniformidade de atuação e uso das mesmas metodologias, técnicas e ferramentas. Comitês de Projetos Setoriais Os Comitês de Projetos Setoriais são compostos por integrantes da Secretaria de Estado ou da Empresa Vinculada onde são desenvolvidos os Projetos Setoriais e se reúnem, periodicamente, para avaliar o andamento dos projetos, principalmente em relação ao cumprimento de prazos, custos e objetivos estabelecidos. Os Comitês são também responsáveis pela aprovação ou rejeição das solicitações de mudanças e das ações preventivas e corretivas propostas, bem como pelo estabelecimento de prioridades e encaminhamento de problemas críticos. Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais Os Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais têm por finalidade garantir a adequada aplicação das ferramentas e técnicas de gerenciamento aos projetos setoriais, atendendo às mesmas diretrizes, metodologias e indicadores definidos pelo Escritório de Gerenciamento de Projetos do Estado do Rio de Janeiro EGP-Rio. Cada EGP Setorial é avaliado, periodicamente, pelo EGP-Rio e deve providenciar os eventuais ajustes recomendados de forma a que permaneça alinhado com os demais EGP Setoriais. Gerente de Projetos O Gerente de Projeto é o responsável pelo alcance das metas do projeto, principalmente, as associadas ao escopo, custo, prazo e qualidade, devendo atuar como elo entre as diversas áreas executoras do projeto. As atribuições e responsabilidades prioritárias dos Gerentes de Projeto são: Aplicar as metodologias, ferramentas e técnicas em conformidade com as definições do EGP-Rio; Planejar, Monitorar e Controlar os projetos sob sua responsabilidade, sinalizando eventuais necessidades de correção de estratégia; Prestar contas, periodicamente ou sempre que for solicitado, do estágio em que se encontra o projeto; 6

7 Os conhecimentos recomendados para que os Gerentes de Projeto exerçam adequadamente suas funções estão ligados à área de Gerenciamento de Projeto, incluindo metodologias, ferramentas e técnicas, e à área de aplicação do projeto. No que diz respeito às habilidades pessoais desejáveis, merecem destaque: Liderança Iniciativa; Ética Profissional; Comunicação e facilidade de relacionamento; Resolução de Problemas; Gerenciamento de conflitos Organização e disciplina Conhecimento da empresa Capacidade de formação de equipe A próxima figura ilustra as características necessárias para os Gerentes de Projetos. Conhecimentos de Gerenciamento de Projetos Conhecimentos técnicos da área de aplicação CONHECIMENTOS Liderança Iniciativa Ética Profissional Relacionamento interpessoal Resolução de Problemas Gerenciamento de conflitos Organização e disciplina Conhecimento da empresa Formação de equipe HABILIDADES Relacionamento do EGP-Rio com os EGPs Setoriais O EGP-Rio deverá se relacionar permanentemente com os EGPs Setoriais, no sentido de desenvolver, dentre outras, as seguintes atividades: a) ministrar treinamentos específicos para a formação e o bom desempenho dos membros do EGP Setorial e dos Gerentes de Projetos; b) alocar consultores especializados em Gerenciamento de Projetos para apoiar o EGP Setorial no desenvolvimento e acompanhamento de seus projetos; c) promover avaliações periódicas, visando garantir o alinhamento e a uniformidade de atuação de todos os Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais. d) assinalar as eventuais não conformidades encontradas nas avaliações realizadas e fornecer recomendações para que o EGPs Setoriais providenciem as correções necessárias. 7

8 3. PERFIS PROFISSIONAIS RECOMENDADOS A seguir é apresentado, com base na experiência do EGP-Rio, o perfil profissional desejável para os componentes dos EGP Setoriais que vierem a ser criados no âmbito das Secretarias de Estado do Governo do Estado do Rio de Janeiro e de suas Empresas Vinculadas. Para cada função são apresentadas as Atividades desenvolvidas e as Habilidades requeridas em termos de Conhecimentos, Atitude e Experiência. Coordenador do Escritório de Projetos Setorial Gerenciar e coordenar toda a carteira de projetos da Secretaria de Estado, promovendo a interface entre os diversos órgãos envolvidos em seus projetos e buscando as soluções para os problemas pendentes. Habilidades Conhecimentos Atitudes Experiência Descrição Formação superior e estar ocupando cargo em nível de Subsecretário de Estado. Pró-atividade, liderança, iniciativa, capacidade de tomar decisões sob pressão, facilidade de comunicação e gerenciamento de conflitos. Liderança de equipes. Supervisor do Escritório de Projetos Setorial Gerenciar sua equipe e comandar reuniões e apresentações sobre o EGP Setorial. Acompanhar o planejamento, execução e prestação de contas dos projetos da carteira. Controlar o cronograma físico dos projetos, a liberação orçamentária e mediar conflitos de ordem físico/financeiro. Desenvolver relatórios gerenciais e oferecer suporte metodológico aos analistas. Habilidades Conhecimentos Atitudes Experiência Descrição Curso superior, com mais de 5 anos de formado, com curso de extensão em Gerenciamento de Projetos. Recomendável certificação PMP ou IPMA. Conhecimento do Pacote MS-Office e MS-Project. Liderança, espírito de equipe, capacidade de tomar decisões sob pressão, dinamismo, organização, disciplina, facilidade de comunicação e apresentação. Experiência em Gerenciamento de Projetos e liderança de equipes. Analista Sênior de Projetos Coordenar reuniões com os Gerentes dos Projetos e buscar, junto aos órgãos envolvidos, soluções para os problemas no âmbito dos projetos da carteira do EGP Setorial. Acompanhar o planejamento, execução e prestação de contas dos projetos sob sua responsabilidade. 8

9 Habilidades Conhecimentos Atitudes Experiência Descrição Curso superior, com mais de 3 anos de formado e com conhecimento do Pacote MS-Office e MS-Project. Pró-atividade, espírito de equipe, dinamismo, facilidade de comunicação e apresentação. Experiência em Gerenciamento de Projetos. Analista Pleno de Projetos Participar de reuniões com os Gerentes dos Projetos e buscar, junto aos órgãos envolvidos, soluções para os problemas no âmbito dos projetos da carteira do EGP Setorial. Oferecer suporte metodológico aos Gerentes dos Projetos Setoriais e acompanhar o planejamento, execução e prestação de contas dos projetos sob sua responsabilidade. Capacidade analítica. Habilidades Conhecimentos Atitudes Experiência Descrição Curso superior com até 3 anos de formado, com conhecimento do Pacote MS-Office e nível básico do MS-Project Pró-atividade, dinamismo, capacidade de concentração Não Requerida. Analista Júnior de Projetos Participar de reuniões com os Gerentes dos Projetos, acompanhar o planejamento, execução e prestação de contas dos projetos sob sua responsabilidade. Habilidades Conhecimentos Atitudes Experiência Descrição Curso superior em andamento. Conhecimento do pacote MS-Office. Pró-atividade, dinamismo, capacidade de concentração. Não Requerida. 9

10 4. PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO A tabela abaixo, apresenta os principais procedimentos a serem seguidos para a implantação de um Escritório de Gerenciamento de Projetos Setoriais: Nº Nome Descrição Responsabilid ade 1 Identificação dos Projetos Setoriais Identificação, no âmbito da Secretaria ou Empresa Vinculada, dos projetos candidatos a serem acompanhados pelo EGP-Setorial. EGP-Setorial 2 Definição da Carteira de Projetos 3 Solicitação de Criação de EGP Setorial 4 Envio de minutas de Decretos 5 Formalização do EGP Setorial 6 Publicação dos Decretos 7 Formalização da parceria entre o EGP- Setorial e o EGP-Rio 8 Seleção de Pessoal 9 Infraestrutura definitiva Análise dos projetos identificados no item 1 quanto a quantidade, porte, recursos financeiros envolvidos e alinhamento estratégico, com vistas a definir os que serão incluídos na Carteira de Projetos da Secretaria ou Empresa Vinculada. Encaminhamento de ofício ao Secretário de Estado Chefe da Casa Civil, manifestando o interesse na criação de Escritório de Gerenciamento de Projetos Setoriais. Resposta ao ofício da Secretaria de Estado solicitante, encaminhando as minutas dos Decretos necessários para a criação do EGP. Elaboração de Processo Administrativo e encaminhamento à Casa Civil, contendo a manifestação da área jurídica do órgão solicitante quanto à constitucionalidade e juridicidade do ato, conforme previsto no Decreto /2002. Recepção e análise do Processo Administrativo pela Subsecretaria Jurídica da Casa Civil e encaminhamento para publicação Estabelecimento de Resolução Conjunta estabelecendo as atribuições e responsabilidades do EGP-Rio e do EGP Setorial, conforme minuta fornecida pelo EGP-Rio. Seleção, interna ou externa, de profissionais para compor o quadro do EGP-Setorial (coordenador, supervisor e analistas), bem como das pessoas que exercerão a função de Gerente de Projetos. Preparação de infraestrutura para o EGP-Setorial que contemple um espaço único para instalação de toda a equipe do EGP, microcomputadores individuais (preferencialmente notebooks), data show e cópias regulares dos softwares MS-Office, MS-Project e WBSChartPro. 10 Treinamento Realização de treinamento para a equipe do EGP Setorial e para os Gerentes de Projetos da Secretaria ou Empresa Vinculada. EGP-Rio e EGP-Setorial Secretário de Estado solicitante. EGP-Rio EGP Setorial Subsecretaria Jurídica da Casa Civil Secretário da Casa Civil e Secretário de Estado solicitante. EGP-Setorial EGP-Setorial EGP-Rio 10

11 11 Planejamento dos Projetos Setoriais 12 Acompanhamento dos Projetos Setoriais Planejamento dos projetos componentes da Carteira de Projetos do órgão, seguindo a metodologia estabelecida pelo EGP-Rio. Acompanhamento periódico da execução dos projetos componentes da Carteira de Projetos do órgão, seguindo a metodologia estabelecida pelo EGP-Rio, envolvendo a avaliação dos Gerentes de Projetos e dos resultados obtidos pelo EGP Setorial. EGP-Rio e EGP-Setorial EGP-Rio e EGP-Setorial 11

12 5. FORMALIZAÇÃO DOS EGP-SETORIAIS A formalização dos EGP Setoriais é realizada por meio de três Decretos, os quais têm os seguintes objetivos: a) Criação do Escritório de Gerenciamento de Projetos Setoriais; b) Criação do Comitê de Projetos Setoriais; c) Instituição da função de Gerente de Projetos. Após a publicação, esses Decretos devem ser regulamentados por meio de uma Resolução Conjunta entre o Secretário de Estado Chefe da Casa Civil e o Secretário de Estado da Secretaria onde será criado o EGP Setorial. Além disso, também deverão ser designados, pelo Secretário de Estado da Secretaria onde será criado o EGP Setorial, os componentes do Comitê de Projetos Setoriais, do EGP-Rio e os Gerentes de Projetos. A seguir, são apresentadas minutas para esses documentos. 12

13 Minuta de Decreto para criação de EGP Setorial DECRETO N DE DE DE 2009 CRIA O ESCRITÓRIO SETORIAL DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DA NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU EMPRESA VINCULADA, EGP-SIGLA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições constitucionais e legais, e tendo em vista o constante no Processo Administrativo nº E-.../.../2009, DECRETA: Art. 1 - Fica criado, sem aumento de despesas, na estrutura organizacional da NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU EMPRESA VINCULADA, o Escritório Setorial de Gerenciamento de Projetos da SIGLA, EGP-SIGLA. Art. 2º O EGP-SIGLA tem por finalidade acompanhar a implementação dos Projetos Setoriais da SIGLA com o objetivo de zelar pela eficiência e eficácia das ações desenvolvidas, bem como prover meios para a sua adequada divulgação ao público interno, competindo-lhe especificamente: I. atender às mesmas diretrizes, metodologias e indicadores definidos pelo Escritório de Gerenciamento de Projetos do Governo do Rio de Janeiro - EGP-Rio para o acompanhamento e avaliação dos projetos; II. III. IV. utilizar as ferramentas, hardwares e softwares preconizados pelo EGP-Rio e implantar as infraestruturas física e organizacional em espaço a ser providenciado pela SIGLA. apoiar os Gerentes de Projetos da SIGLA na elaboração do plano do projeto; orientar os Gerentes de Projetos em relação à captação e ao processamento das informações sobre os projetos; V. monitorar e avaliar a execução físico-financeira dos projetos por meio do acompanhamento de seus cronogramas com marcos de controle e com o apoio de sistema informatizado de gerenciamento fornecido pelo EGP-Rio; VI. VII. identificar os desvios e entraves à execução dos projetos e propor medidas para seu ajustamento ou reformulação ao Comitê de Projetos da SIGLA, CP-SIGLA, quando tais medidas extrapolarem a competência da equipe executora; apresentar ao EGP-Rio os desvios e entraves à execução dos projetos que não tenham sido resolvidos no âmbito da SIGLA; 13

14 VIII. IX. apresentar, quando julgar necessário, ao EGP-Rio o status consolidado dos projetos da carteira do EGP-SIGLA; exercer outras atividades correlatas: Art. 3º - O corpo técnico do EGP-SIGLA deverá ser composto por um Coordenador, um Supervisor e Analistas, observados os seguintes perfis: I. Coordenador: a) nível de Subsecretaria; b) dedicação parcial; c) fácil trânsito nos órgãos da SIGLA. II. III. Supervisor: a) curso superior completo; b) dedicação integral; c) bons conhecimentos de ferramentas de informática (Excel, Word, Power Point e MS Project (desejável); d) desejável conhecimento em Gerenciamento de Projetos; e) desejável conhecimento da operação da SIGLA. Analistas: a) curso superior completo ou em andamento; b) dedicação integral; c) bons conhecimentos de ferramentas de informática (Excel, Word, Power Point e MS Project (desejável); d) desejável conhecimento em Gerenciamento de Projetos. Art. 4º - O EGP-Rio deverá promover avaliações periódicas do EGP-SIGLA, visando garantir o alinhamento e a uniformidade de atuação com os demais Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais, incumbindo-lhe, ainda, assinalar as eventuais não-conformidades encontradas nessas avaliações e fornecer recomendações para que o EGP-SIGLA providencie as correções necessárias. Art. 5 - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Rio de Janeiro, de de SÉRGIO CABRAL 14

15 Minuta de Decreto para criação de Comitê de Projetos Setoriais DECRETO N DE DE DE 2009 INSTITUI, SEM AUMENTO DE DESPESA, O COMITÊ DE PROJETOS DA NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU DA EMPRESA VINCULADA, CP-SIGLA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições constitucionais e legais, e tendo em vista o constante no Processo Administrativo nº E-.../.../2009, DECRETA: Art. 1 - Fica instituído, o COMITÊ DE PROJETOS DA NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU DA EMPRESA VINCULADA CP-SIGLA, constituído conforme especificado no Art. 3º deste Decreto. Art. 2º - O CP-SIGLA terá as seguintes atribuições: I. criar uma sinergia positiva entre os principais envolvidos na execução dos projetos setoriais da SIGLA, visando o cumprimento de seus objetivos; II. III. IV. avaliar o andamento dos projetos setoriais da SIGLA no que se refere ao cumprimento de prazos, custos e objetivos estabelecidos nos Planos de Projetos; aprovar ou rejeitar as solicitações de mudança de escopo propostas pelos Gerentes de Projetos responsáveis pelos projetos setoriais da SIGLA, os quais serão identificados nos Termos de Abertura dos projetos; aprovar ou rejeitar as ações corretivas e preventivas propostas pelos Gerentes de Projetos responsáveis pelos projetos setoriais da SIGLA, os quais serão identificados nos Termos de Abertura dos projetos; Art. 3 - O CP-SIGLA se reunirá mensalmente e será composto pelos seguintes membros da SIGLA: I. Membros Natos: a) Secretário de Estado ou Presidente da SIGLA b) Subsecretário de Estado de... c) Subsecretário de Estado de... d)... e)... f) Coordenador do EGP-SIGLA g) Representante do EGP-Rio. 15

16 II. III. IV. Participarão das reuniões do Comitê, quando os projetos setoriais da SIGLA envolverem a atuação de suas respectivas áreas, os titulares dos órgãos a seguir elencados: a) Assessoria Jurídica b) Assessoria de Planejamento c) Auditoria d)... e)... f)... O CP-SIGLA será presidido pelo Secretário de Estado ou Presidente da SIGLA Os membros elencados nos incisos I e II deste artigo indicarão os seus respectivos suplentes ao Presidente do CP-SIGLA. Art. 4º - Poderão participar das reuniões do Comitê, sem prejuízo de suas atribuições, servidores da SIGLA, indicados pelo CP-SIGLA. Art. 5º - As funções exercidas pelos membros e participantes das reuniões do CP-SIGLA não serão remuneradas, sendo consideradas como relevantes serviços prestados ao Estado. Art. 6 - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Rio de Janeiro, de de SÉRGIO CABRAL 16

17 Minuta de Decreto para instituição de função Gerente de Projetos DECRETO N DE DE DE 2009 INSTITUI A FUNÇÃO DE GERENTE DE PROJETO NA NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU DA EMPRESA VINCULADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições constitucionais e legais, e tendo em vista o constante no Processo Administrativo n E-.../.../2009, DECRETA: Art. 1 - Fica instituída a função de GERENTE DE PROJETO objetivando atender as necessidades de gerenciamento intensivo dos Projetos Setoriais no âmbito da NOME DA SECRETARIA DE ESTADO OU DA EMPRESA VINCULADA SIGLA. Parágrafo único - A função de que trata o caput deste artigo não implicará, para o agente designado, percepção de qualquer parcela remuneratória adicional, tampouco alteração de sua situação funcional, sendo considerada como serviço relevante prestado ao Estado. Art. 2º O Gerente de Projeto terá as seguintes atribuições: I executar as decisões emanadas pelo Escritório de Gerenciamento de Projetos da SIGLA EGP-SIGLA; II atuar, em nome da SIGLA, junto aos setores internos e aos órgãos externos envolvidos na execução dos projetos; III elaborar o Plano do Projeto, para as fases de concepção e implantação, em conjunto com as Subsecretarias e demais setores da SIGLA envolvidos no projeto; IV acompanhar as ações a serem executadas no âmbito do Projeto; V apresentar relatório, periodicamente ou sempre que for solicitado, do estágio em que se encontra o Projeto ao EGP-SIGLA; VI sinalizar correções de estratégia, quando necessário. Art 3 - O Gerente de Projeto deverá responder técnica e metodologicamente ao EGP-SIGLA, ao qual deverá se reportar diretamente para tratar de todos os assuntos relacionados às questões de gerenciamento de projetos. 17

18 Art. 4 - Poderá exercer a função de Gerente de Projeto, sem prejuízo de suas atribuições, qualquer funcionário do SIGLA, designado pelo Secretário de Estado da SIGLA ou Presidente da SIGLA. Art. 5 - A designação do Gerente de Projeto será efetivada através de Resolução do Secretário de Estado da SIGLA ou Presidente da SIGLA. Art. 6 - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação. Rio de Janeiro, de de SÉRGIO CABRAL 18

19 Minuta de Resolução Conjunta RESOLUÇÃO CONJUNTA CC/ SIGLA Nº DE DE DE 2009 REGULAMENTA AS ATIVIDADES A SEREM DESEMPENHADAS PELO EPG-RIO E PELO EGP-SIGLA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O SECRETÁRIO DE ESTADO CHEFE DA CASA CIVIL e o SECRETÁRIO DE ESTADO DE NOME DA SECRETARIA DE ESTADO, no uso de suas atribuições legais, e tendo em vista o que consta do Processo nº E-.../.../2009, RESOLVEM: Art. 1º Regulamentar o Decreto número..., que criou o Escritório Setorial de Gerenciamento de Projetos na NOME DA SECRETARIA DE ESTADO - SIGLA, doravante denominado EGP-SIGLA, o Decreto número..., que criou o Comitê de Setorial de Projetos da SIGLA, doravante denominado CP-SIGLA e o Decreto nº... que instituiu a função Gerente de Projetos na SIGLA. Art. 2º O Secretário de Estado da SIGLA deverá providenciar, em até 15 (quinze) dias após a publicação dessa Resolução, a designação dos membros do CP-SIGLA, EGP-SIGLA e Gerentes de Projetos da SIGLA. Art. 3º Além das atribuições definidas no Decreto de criação, compete à SIGLA: I. Providenciar, em até 90 (noventa) dias após a publicação dessa Resolução, a infraestrutura necessária para o EGP-SIGLA, envolvendo: a) espaço físico exclusivo, suficiente para que toda a equipe do EGP-SIGLA possa trabalhar no mesmo ambiente; b) software Microsoft Office para cada membro da equipe; c) softwares WBSChartPro e MS-Project, sendo no mínimo uma cópia de cada produto para cada grupo de três funcionários; d) microcomputador, preferencialmente notebook, com capacidade suficiente para suportar os sofwares mencionados nos itens b e c; e) impressora e datashow; f) disponibilidade de sala de reunião. II. III. Identificar os Projetos Setoriais da SIGLA e verificar seu alinhamento estratégico às finalidades da Secretaria; apoiar, monitorar, controlar e avaliar o desenvolvimento dos Projetos Setoriais da SIGLA; 19

20 IV. avaliar os Gerentes de Projeto da SIGLA segundo critérios definidos pelo EGP-Rio, que englobem assiduidade às reuniões, pontualidade, fornecimento das informações necessárias e pró-atividade na tomada de ações corretivas e preventivas; V. apresentar trimestralmente ao EGP-Rio, o resultado da avaliação dos Gerentes de Projetos e o desempenho dos Projetos Setoriais da SIGLA, relatando os desvios ocorridos e as soluções adotadas; VI. avaliar a atuação dos consultores alocados pelo EGP-Rio para apoio à implantação do EGP-SIGLA. Art. 4º Compete ao EGP-Rio: I. avaliar a infraestrutura instalada no EGP-SIGLA, envolvendo espaço físico, equipamentos, softwares e facilidades de comunicação; II. III. IV. ministrar os treinamentos específicos necessários para a formação e o bom desempenho dos Gerentes de Projetos da SIGLA; alocar, por um período de até 12 (doze) meses, consultores especializados em Gerenciamento de Projetos para apoiar o EGP-SIGLA no desenvolvimento e acompanhamento dos Projetos Setoriais da Secretaria; fornecer o apoio político-institucional para garantir o bom desempenho do EGP-SIGLA; V. avaliar, periodicamente, o desempenho do EGP-SIGLA de forma a garantir seu alinhamento às metodologias, ferramentas e técnicas definidas pelo EGP-Rio; VI. promover reuniões periódicas para apresentação dos resultados obtidos no período e do desempenho dos Gerentes de Projetos Setoriais da SIGLA, visando identificar eventuais necessidades de reforço no treinamento; Art. 5º Esta Resolução Conjunta entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Rio de Janeiro,... de... de 2009 Regis Fichtner Secretário de Estado Chefe da Casa Civil Nome do Titular Nome da Secretaria de Estado 20

21 6. CRONOGRAMA GERAL DE IMPLANTAÇÃO O gráfico abaixo apresenta o cronograma geral para a implantação de um Escritório de Gerenciamento de Projetos Setoriais: 2009 Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 a Mês 12 EGP-Rio e EGP-Setorial Identificaçãode da Car- Definição Projetos teirade Setoriais Projetos Convênio com o EGP-Rio EGP-Setorial Formalizaçãodo EGP- Setorial EGP-Setorial EGP-Rio Seleção/ EGP-Setorial Contratação de Pessoal Treinamento Planejamento dos Projetos Setoriais EGP-Rio e EGP-Setorial Infraestrutura EGP-Setorial Preliminar InfraestruturaDefinitiva EGP-Setorial EGP-Rio e EGP-Setorial Acompanhamento, pelo EGP-Rio, da Implantação dos Projetos Setoriais 21

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, DECRETO Nº 36670 DE 1º DE JANEIRO DE 2013 Institui o modelo de governança para execução do Plano Estratégico 2013-2016 da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013. O PLENO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 002, DE 05 DE FEVEREIRO DE 2013 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA E ATIVIDADES DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO E MODERNIZAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO APMP, CRIA A DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS DIGEP,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 51.307, DE 20 DE MARÇO DE 2014. (publicado no DOE n.º 055, de 21 de março de 2014) Estabelece o Sistema

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento da Clínica-Escola de Psicologia, da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implantação da política de projetos e a criação e atuação dos escritórios de projetos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança ANEXO I CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS DO CAU Política de Governança e de Gestão da Tecnologia da Informação do Centro de Serviço Compartilhado do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Colegiado Gestor

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso de Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS PARA A GESTÃO PÚBLICA EM GOIÁS PRISCILA TENUTA MEIRA VÂNIA DE CARVALHO MARÇAL BAREICHA 2 Painel 20/060 Escritórios de projetos e gestão de portfólio: a disseminação

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1 de 21 6 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO MACROPROCESSO GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. RESOLUÇÃO N o 030-CONSELHO SUPERIOR, de 21 de dezembro de 1994. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA FAPEAL.

CONSELHO SUPERIOR. RESOLUÇÃO N o 030-CONSELHO SUPERIOR, de 21 de dezembro de 1994. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA FAPEAL. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N o 030-CONSELHO SUPERIOR, de 21 de dezembro de 1994. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA FAPEAL. O CONSELHO SUPERIOR DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007

LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 LEI DELEGADA N.º 79, DE 18 DE MAIO DE 2.007 DISPÕE sobre a SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SSP, definindo suas finalidades, competências e estrutura organizacional, fixando o seu quadro de cargos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria

Regimento Interno do Comitê de Auditoria 01. FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Auditoria (Coaud) rege-se pela legislação aplicável, pelo Estatuto Social do Banco do Brasil, por seu Regimento Interno e por decisões do Conselho de Administração. Art.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições e considerando o disposto na Lei nº 10.933, de 11 de agosto de 2004, que dispõe sobre o Plano Plurianual

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Curso de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Planos e Projetos REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Definições Art.1º O Laboratório de Planos e Projetos (LAPP) agrega

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA.

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. DECRETO 44932 2008 Data: 30/10/2008 Origem: EXECUTIVO Ementa: DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - ESP-MG. Relevância LEGISLAÇÃO BÁSICA : Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Lei nº 407/2014, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Abaetetuba e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros CNPJ/MF. nº 19.243.500/0001-82 Código do Município: 847-8 Praça Prefeito Armando Rios, 186-Centro - 35360-000 São Pedra dos Ferros-MG lei no 101, de 08 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE A CONSTITUiÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA. ATO PGJ nº 19/2009 ATO PGJ nº 19/2009 - Alterado o inciso III, do art. 3º, pelo Ato nº 23/2010, de 27/05/10, art. 1º. - Ver Errata do Ato-PGJ n.23/2010, publicado no DOMP n. 255 em 11/06/2010. - Ver Ato-PGJ n. 18/2009, arts.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE. Projeto de Lei n..., de de de 2012. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE Projeto de Lei n..., de de de 2012. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de e dá outras providências. A Câmara Municipal de (nome

Leia mais

Dispõe sobre a redução do valor global das gratificações de encargos especiais nos casos em que menciona e dá outras providências.

Dispõe sobre a redução do valor global das gratificações de encargos especiais nos casos em que menciona e dá outras providências. DECRETO Nº 25.826, DE 14 DE DEZEMBRO DE 1999. Publicado no D.O. nº 237, de 15 Dez 99, Pág, 04 e 05 e 06 e Transcrito no Boletim da SEDEC nº 179, de 15 Dez 99. Dispõe sobre a redução do valor global das

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório.

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais. durante o Estágio Probatório. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento Unidade de Apoio a Projetos Especiais REGULAMENTO 001, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. Regula o Monitoramento da Inserção e das Atividades

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. ESTABELECE NORMAS SOBRE OS RELATÓRIOS DOS ÓRGÃOS LOCAIS E SETORIAIS DO SISTEMA JURÍDICO E REVOGA A RESOLUÇÃO PGE Nº 2.928, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2011. A PROCURADORA-GERAL

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

MPR MPR/SPI-201-R00 GESTÃO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS PRIORITÁRIOS

MPR MPR/SPI-201-R00 GESTÃO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS PRIORITÁRIOS MPR MPR/SPI-201-R00 GESTÃO DO PORTFÓLIO DE PROJETOS PRIORITÁRIOS 06/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 15 de junho de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 4 REVISÕES

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

L E I Nº 6.875, DE 29 DE JUNHO DE 2006

L E I Nº 6.875, DE 29 DE JUNHO DE 2006 L E I Nº 6.875, DE 29 DE JUNHO DE 2006 Altera dispositivos da Lei nº 6.563, de 1º de agosto de 2003, que dispõe sobre a reestruturação organizacional da Secretaria Executiva de Estado de Administração

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO Resolução CONDIR/INEA nº XX, de xx de xxxxx Dispõe sobre

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Prof. Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

DECRETO Nº 29.910, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009

DECRETO Nº 29.910, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009 Estado do Ceará DECRETO Nº 29.910, DE 29 DE SETEMBRO DE 2009 * Publicado no DOE em 30/09/2009. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL, Nº 37, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2003, QUE INSTITUI O FUNDO ESTADUAL DE

Leia mais