Diagnóstico Situacional das Condições de Saúde de Crianças de 0 a 9 Anos em Florianópolis, 2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico Situacional das Condições de Saúde de Crianças de 0 a 9 Anos em Florianópolis, 2009."

Transcrição

1 Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria Municipal de Saúde Programa Capital Criança Diagnóstico Situacional das Condições de Saúde de Crianças de 0 a 9 Anos em Florianópolis, Elaboração: Leandro Pereira Garcia Coordenação do Programa Capital Criança: Cilene Fernandes Soares Gerente de Programas Estratégicos: Márcia Sueli Del Castanhel Florianópolis, agosto de 2009

2 Conteúdo 1)Introdução ) Diagnóstico das condições de saúde da criança de 0 a 9 em Florianópolis Demografia Longevidade e Fecundidade Renda e Equidade Social Escolaridade Número e Taxa de Matrículas Taxa de Analfabetismo Taxas de Rendimento Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) Média de Proficiência em Língua Portuguesa em, 4ª série, escolas urbanas sem Federais: Média de Proficiência em Matemática em, 4ª série, escolas urbanas sem Federais: Percentual de alunos da 4ª série do ensino fundamental por estágio de construção de competência em Língua Portuguesa na Região Sul, em 2001: Habitação Imunizações Aleitamento Materno Mortalidade Infantil, pré-escolar (ou na infância) e até os Morbidade Hospitalar-Proporção de internações hospitalares (SUS) por grupos de causas Morbidade Ambulatorial Fatores de Risco Gerais Ao Nascimento Assistência à criança Consultas de crianças de 0 a 9, na atenção básica de Florianópolis: Pré-natais e Assistência ao Parto Assistência Hospitalar e UTIs )Conclusão )Referências bibliográficas )Introdução 2

3 1.1 Programa Capital Criança A)Histórico O Capital Criança foi lançado pela Prefeitura Municipal de Florianópolis em 1997 e tinha, em sua origem, o objetivo de fornecer atenção integral à mulher no seu ciclo gravídico e puerperal e à criança 1. Na época de sua implantação, a Rede Básica de Saúde de Florianópolis era constituída por 33 Centros de Saúde I que ofereciam os serviços de: atendimento básico de enfermagem, imunização, clínica médica geral, clínica médica em pediatria, marcação de consultas especializadas e exames especializados, fornecimento de medicamentos básicos; e 15 Centros de Saúde II que ofereciam: atendimento básico de enfermagem, imunização, atendimento de enfermeiro, clínica em nutrição, laboratório ou coleta material exames, clínica médica geral, clínica médica em pediatria, clínica médica em ginecologia e obstetrícia, clínica odontológica geral, exame de preventivo do câncer de colo do útero, planejamento familiar, marcação de consulta e exame especializado, além do fornecimento de medicamentos básicos. 2 A Atenção Básica estava estruturada no modelo médico-sanitarista, com enfoque individual e clientelista, tendo atendimento voltado para a demanda livre. O processo de implantação do Programa Saúde da Família estava iniciando-se e apenas duas das 48 Unidades de Saúde o adotavam. Quando os casos não se resolviam nos Centros de Saúde I (CS I), realizava-se encaminhamento para pediatras e ginecologistas nos Centros de Saúde II (CS II) e as demais necessidades eram encaminhadas para o atendimento especializado na Policlínica de Referência Regional e outros Serviços. 2 O Coeficiente de Mortalidade Infantil era elevando (19,25º/ oo nascidos vivos em 1996), fato que fomentou a necessidade de priorizar a atenção às gestantes, às crianças menores de 05 de idade e às puérperas, com a finalidade de melhorar a qualidade da assistência maternoinfantil e reduzir a mortalidade infantil do município. 2 O Programa Capital Criança foi lançado como uma ação governamental da Prefeitura Municipal de Florianópolis, em 12 de maio de 1997, sendo, inicialmente, implantado em 12 Unidades de Saúde que tinham pediatras e enfermeiras para o atendimento dos recém-nascidos e puérperas e iniciando se as visitas das Agentes Educadoras nas maternidades. Até o final de 1998, já havia 37 Unidades programando sua assistência conforme o protocolo do Capital Criança. 2 Neste ano, foram elaborados os primeiros protocolos de atendimento das crianças e da mulher na Rede Básica de Saúde de Florianópolis e realizada sensibilização e capacitação de todos os servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis sobre as diretrizes e normatizações do Programa Capital Criança. A capital catarinense recebeu visita do sr Udo Bolk representante do Fundo das Nações Unidas para Infância UNICEF para Região Sul do Brasil para avaliação do Programa Capital Criança, a fim de reconhecer o Programa como parceiro do UNICEF e ocorreu a implantação da vacina anti-haemophilus influenza tipo B no calendário básico de vacinação para as crianças menores de 01 ano de idade residentes do município de Florianópolis; Em 1999, realizou-se o Primeiro Encontro Municipal de Gestantes do município de Florianópolis e o Programa Capital Criança valeu à cidade o Prêmio Prefeito Criança por ter 3

4 priorizado o direito à vida, reduzindo a mortalidade infantil, estimulando a participação Social, buscando parcerias, com instituições e entidades da Sociedade. 3 Em 2000, o Capital Criança recebeu Prêmio DUBAI, como uma das melhores práticas para melhorar as condições do ambiente de vida das crianças 2, 3 e o Prêmio Amigo da Sociedade Catarinense de Pediatria e Prêmio Abrinq Prefeito Criança. 2 Oficializou-se, à mesma época, convênio entre UNIMED-Florianópolis para a implantação de consultas especializadas pediátricas como: cirurgia, oftalmologia, gastroenterologia, otorrinolaringologia, ortopedia, cardiologia e dermatologia. 2 Implantou-se um programa de informática para alimentar os dados das visitas nas maternidades; a Rede de Atenção Integral às Vítimas da Violência Sexual; e realizou-se avaliação do uso piloto da caderneta de saúde. 2 No ano seguinte, ocorreu a elaboração do Protocolo de Atendimento ao Recém-nascido em situação de risco; a implantação da nova Caderneta de Saúde do município de Florianópolis; e da vacina contra a varicela para as crianças de 01 a 02 de idade residentes do município de Florianópolis. 2 Em 2003, o Programa capital Criança recebeu certificado da sociedade Brasileira de Pediatria, entre os dez melhores temas-livre do XXXII Congresso Brasileiro de Pediatria. 4 Em 2004, o Programa foi reconhecido, novamente, como uma das melhores práticas e recebeu o selo Prefeito Amigo da Criança da Fundação Abrinq. 2 Em 2005, a coordenação administrativa do Programa Capital Criança passou a ter parceria da Secretaria da Criança, Adolescente, Família, Idoso e Desenvolvimento Social do município de Florianópolis; foi reafirmado o convênio com a UNIMED; e formou-se Grupo Técnico para revisão do Protocolo de Atenção à Saúde da Criança. 2 Em 2006, ocorreu a transferência da coordenação administrativa do programa Capital Criança para a Secretaria de Saúde do Município de Florianópolis; implantou-se o Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal de Florianópolis; finalizou-se a revisão e ampliação do Protocolo de Atenção à Saúde da Criança, ampliando a faixa etária de zero a seis para zero a dez de idade incompletos; instituiu-se o Grupo Técnico para elaboração do protocolo de Atenção a Criança em situação de Risco para a Rede Básica de Saúde; capacitou-se as Equipes de Saúde da Família com base no Protocolo de Atenção à Saúde da Criança e no de Saúde da Mulher; instituiu-se o Grupo Técnico para revisão e reestruturação do Programa dos Leites Especiais; e realizou-se o Primeiro Seminário sobre Saúde do Escolar instituindo-se o Grupo Técnico Interinstitucional para elaborar a Política Pública do município de Atenção ao Escolar. Em 2007, ocorreram: o Seminário sobre o Programa dos Leites Especiais e as Novas Curvas de Crescimento para os profissionais das Equipes de Saúde da Família; a adesão da Sociedade Catarinense de medicina de família e Comunidade como parceira do Programa Capital Criança; a implantação da vacinação contra Hepatite B e BCG nas maternidades de Florianópolis, abrangendo todos os recém-nascidos em Florianópolis; implantação da referência para Distúrbios Nutricionais, criando a regulação para o Programa de Fórmulas Infantis, em parceria com as Instituições de alta complexidade no atendimento de nossas crianças; o I Seminário de Avaliação do Comitê de prevenção do Óbito Infantil e Fetal, com a participação de outros municípios do Estado de e da Dra. Sônia Lansky, da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte; a revisão da caderneta de saúde da criança e adolescente 4

5 do município de Florianópolis; a finalização do Protocolo de Atenção a Criança em situação de Vulnerabilidade ; e aprovação do projeto de implantação da Política Municipal de Saúde ao Educando de Florianópolis. 2, 3 Finalmente, em 2008, criou-se um grupo de trabalho para implantar o Protocolo de Atenção a Saúde do Escolar e do Adolescente; realizou-se revisão e reestruturação do Programa Hora de Comer; revisão e reedição da Caderneta de Saúde. 3 B)Reestruturação A Secretaria de Saúde do município de Florianópolis, nos últimos, em consonância com as instruções do Ministério da Saúde, vem implantando e expandindo a Estratégia de Saúde da Família e Comunidade como modelo de atenção básica. Os Centros de Saúde I e II foram transformados, em sua quase totalidade, em Centros de Saúde da Família, além disso, foram assinados o Pacto pela Saúde e a Programação Pactuada Integrada, construídas 3 Policlínicas Municipais e reformada outra, o que fez com que a Secretaria se responsabilizas-se por grande parte da atenção de média complexidade à criança. Criou-se o Capital Idoso e o Capital Adulto/Saúde da Mulher, hoje responsável pela saúde da gestante e da puérpera. O Capital Criança também sofreu modificações. Em seus primórdios era responsável, na prática, pela adequação das ações voltadas, principalmente, à redução da mortalidade maternoinfantil. Trabalhava-se com uma mortalidade infantil de 19º/ oo. Mortalidade esta que, desde 2000, foi reduzida há um digito e, desde 2004, mantém-se na casa do 9 o / oo. Atualmente o Capital Criança, trabalha de forma estratégica com o programa Capital Adulto/Saúde da Mulher, podendo focar a criança até seus 10 incompletos. Assim, busca-se expandir o foco para compreender saúde como o estado do mais completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de enfermidade 5, como recomenda a Organização Mundial de Saúde, e a saúde da criança como o ponto onde a crianças, ou grupos de crianças, é capaz (a) desenvolver e concretizar o seu potencial, (b) satisfazer as suas necessidades, e (c) desenvolver as capacidades que lhe a permita interagir com sucesso com as suas características e ambientes biológicos, físicos e sociais. 6 Esta é uma demanda da própria Secretaria de Saúde, que, reconhecendo a importância desta evolução, institui o Programa de Saúde na Escola no município de Florianópolis, através da portaria 277/2009, voltado para a promoção de saúde nos estabelecimentos de ensino de Florianópolis, atualmente, grande parceiro do Capital Criança; e implantou a Rede Amamenta Brasil em março de 2009, também focada na promoção da saúde infantil. Evidenciando que não só a quantidade, mas também a qualidade de vida deve ser elevada. Para se maximizar a qualidade e a quantidade de vida é fundamental que se busque a alocação de recursos mais eficiente e eficaz possível, buscando sempre o investimento que gere mais saúde. Neste novo contexto, onde o Capital Adulto/Saúde da Mulher é o responsável direto pela saúde da mulher em seu ciclo gravídico puerperal; a estratégia de saúde da família norteia a atenção básica; o município assume a média e a alta complexidade; e a saúde do munícipe é vista de forma muito mais integral; o Programa Capital Criança, buscando manter o reconhecimento conquistado, se adéqua e tem como nova missão: 5

6 Maximizar a qualidade e a quantidade de vida do cidadão florianopolitano, através da seleção, implementação e acompanhamento de intervenções e geração de parcerias que foquem a promoção, proteção e recuperação da saúde da criança de zero a dez, incompletos, residentes no município de Florianópolis. 2) Diagnóstico das condições de saúde da criança de 0 a 9 em Florianópolis A primeira etapa neste processo é realizar um diagnóstico das condições de saúde da criança de 0 a 9 no município de Florianópolis. Isto permitirá: -Realizar avaliação crítica do impacto das intervenções do Programa Capital Criança sobre a saúde desta população; -Iniciar um Plano Estratégico para se atingir a nova missão descrita acima, estabelecendo prioridades em saúde e intervenções a serem descartadas, fortalecidas e criadas; -Iniciar um Plano Operacional e acompanhar o impacto das intervenções selecionadas; e -Avaliar os resultados obtidos, os esperados e como melhorar o processo para se maximizar o retorno dos investimentos em saúde. Este diagnóstico deverá conter informações sobre demografia, escolarização, indicadores sociais, de promoção de saúde e prevenção de doenças (ex.: imunização e aleitamento materno), de morbi-mortalidade e de serviços de saúde; e uma previsão para sua atualização e deverá ser disseminado para conhecimento dos gestores e servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. 2.1 Demografia. De acordo com os dados do IBGE/Datasus 7, a estimativa da população de zero a dez (10) de idade, incompletos, para o ano 2009, está em torno de crianças, correspondendo a 12,68% da população geral do município de Florianópolis SC, que é de A esperança de vida ao nascer vem aumentando e a taxa de fecundidade total, diminuindo. 6

7 Tabela 1: Censos (1980, 1991 e 2000), Contagem (1996) e projeções intercensitárias (1981 a 2009), segundo faixa etária, sexo e situação de domicílio. Distribuição Etária da População de 0 a 10 (9, 11meses e 29 dias), por sexo, do Município de Florianópolis SC, em 2009: Faixa Etária Masculino Feminino Total Menor 1 ano a a Total Fonte: IBGE/Datasus Longevidade e Fecundidade Tabela 2: Longevidade e Fecundidade em Florianópolis, 1991 e Esperança de vida ao nascer () Taxa de Fecundidade Total (filhos por mulher) 71,3 72,8 2,1 1,7 Fonte: PNUD Renda e Equidade Social A)Produto Interno Bruto O Produto Interno Bruto (PIB) per Capta apresentou aumento nos últimos, mas os indicadores desigualdade social vêm piorando. Em 2000, o Índice de Gini, que atribui a nota 0 a uma sociedade sem desigualdades e 1 quando totalmente desiguais, atingiu 0,57 o que levou Florianópolis à 229º colocação, entre os municípios do estado de, sendo que seu PIB per capta, na mesma época, a colocava como 70º colocada. Isto se reflete no número de Áreas de Interesse Social, habitações subnormais ou simplesmente favelas que passara de 56 em 2000, para 58 áreas em e para 64 em , com mais de habitantes, 12,6% da população total. Tabela 3: Produto interno bruto per capta em Florianópolis, em 2000 e PIB per capta R$ 8048, ,00 Fonte:2000-Secretaria do Estado de Planejamento-SC 2006-IBGE/CIDADES 11 7

8 B)Desigualdade Tabela 4: Índice de Gini em Florianópolis, em 1991 e Ano Índice de Gini 0,55 0,57 Fonte: PNUD 8 C) Vulnerabilidade familiar Tabela 5: Indicadores de Vulnerabilidade Familiar em Florianópolis, em 1991 e % de mulheres de 10 a 14 com filhos ND 0,8 % de mulheres de 15 a 17 com filhos 1,5 5,9 % de crianças em famílias com renda inferior à 1/2 salário mínimo 15,8 13,2 % de mães chefes de família, sem cônjuge, com filhos menores 6,7 4,1 Fonte: PNUD 8 ND = não disponível D) Áreas de Interesse Social no Município de Florianópolis, Tabela 6: Áreas de Interesse Social por Unidades Locais de Saúde e Regionais de Saúde em Setembro 2007 Regional Unidade de Saúde Local Áreas de interesse social Micro-áreas correlatas População COBRAPE / SMHSA/ PMF 2006 Centro Continente Leste Norte Sul TOTAL Fonte: Prefeitura Municipal de Florianópolis 8

9 2.3 Escolaridade A Taxa de Matrículas no Ensino Infantil, dada pelo Número de Matrículas dividido pelo número de crianças com idade até 6, incompletos, subiu de 11,67% em 1999, para 14,82% em Esta elevação se deu principalmente à custa de matrículas em creches. Já a Taxa de Matrículas no Ensino Fundamental, dado pelo Número de Matrículas dividido pelo número de crianças com idade maior ou igual a 7 e menor que 16, caiu de 119,75% para 87,73%. O que poderia ser parcialmente explicado pela queda na Distorção Idade-Série do ensino Fundamental, que caiu de 26 para 17,4 de 1999 para Os Índices de Rendimento e o de Desenvolvimento da Educação Básica também estão melhorando e a taxa de analfabetismo em maiores de 15 vem diminuindo. Um índice que requer atenção e avaliação cuidadosa é percentual de concluintes do sexo feminino, que mede o percentual de mulheres que concluíram uma dada fase escolar. Este índice vem diminuindo de 1999 para 2005, no Ensino Fundamental e quase não se alterou no Ensino Médio. Outro é o Percentual de alunos da 4ª série do ensino fundamental por estágio de construção de competência em Língua Portuguesa, que mede a adequação do aluno às competências esperadas para esta matéria nesta etapa escolar e que, em 2001, na Região Sul, mostrava que 95% das crianças que estavam na 4ª série, não apresentavam competência compatível. Infelizmente, não se encontraram dados mais recentes e de Florianópolis para este indicador Número e Taxa de Matrículas A)Número de Matrículas no Ensino Infantil Tabela 7: Número de Matrículas no Ensino Infantil em Florianópolis, em 1999 e Ensino Público Ensino Privado % Priv/Públ ,20% ,32% Fonte: Inep/MEC 12 B) Número de Matrículas no Ensino Fundamental Tabela 8: Número de Matrículas no Ensino Fundamental em Florianópolis, em 1999 e Ensino Público Ensino Privado % Priv/Públ ,05% ,74% Fonte: Inep/MEC 12 9

10 C)Taxa de Matrículas no Ensino Infantil Tabela 9: Taxa de Matrículas no Ensino Infantil em Florianópolis, em 1999 e TAXA ,67% ,82% Fonte: Inep/MEC 12 e Fonte: IBGE/Datasus 7 Obs.: para se calcular a taxa, utilizou-se as faixas etárias dentais: menor 1ano, 1ano, 2, 2, 4, 5 e 6, que em 1999 possuía crianças e, em 2006, D)Taxa de Matrícula no Ensino Fundamental Tabela 10: Taxa de Matrículas no Ensino Fundamental em Florianópolis, em 1999 e TAXA ,75% ,73 Fonte: Inep/MEC 12 e Fonte: IBGE/Datasus 7 Obs.: para se calcular a taxa, utilizou-se as faixas etárias dentais: 7ano, 8, 9, 10, 11, 12, 13,14,15, que em 1999 possuía crianças e, em 2006, Taxa de Analfabetismo Tabela 11: Taxa de Analfabetismo em indivíduos com 15 ou mais no Ensino em Florianópolis, em 1999 e , ,6 Fonte: Inep/MEC 12 Pop com 15 ou mais 10

11 2.3.3 Taxas de Rendimento A)Taxa de aprovação Tabela 12: Taxa de Aprovação entre Alunos dos Ensinos Fundamental e Médio em Florianópolis, em 1999 e Ensino Fundamental Ensino Médio ,1 76, ,6 77,6 Fonte: Inep/MEC 12 B)Taxa de reprovação Tabela 13: Taxa de Reprovação entre Alunos dos Ensinos Fundamental e Médio em Florianópolis, em 1999 e Ensino Fundamental Ensino Médio ,4 8,4 Fonte: Inep/MEC 12 C)Taxa de abandono Tabela 14: Taxa de Abandono entre Alunos dos Ensinos Fundamental e Médio em Florianópolis, em 1999 e Ensino Fundamental Ensino Médio ,6 16, ,4 Fonte: Inep/MEC 12 D)Percentual de concluintes do sexo feminino Tabela 15: Percentual de Concluintes do Sexo Feminino entre Alunas dos Ensinos Fundamental e Médio em Florianópolis, em 1999 e Ensino Fundamental Ensino Médio ,1 57, ,6 57,5 Fonte: Inep/MEC 12 11

12 2.3.4 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) Tabela 16: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) dos Anos Iniciais e Finais em Florianópolis, em 2005 e Anos iniciais Anos finais ,2 4, ,0 4,2 Fonte: Inep/MEC Média de Proficiência em Língua Portuguesa em, 4ª série, escolas urbanas sem Federais: Tabela 17: Média de Proficiência em Língua Portuguesa em, 4ª série, escolas urbanas que não sejam Federais, de 1995 a Ano ,7 180,9 176,6 182,5 181,2 Fonte: Saeb Média de Proficiência em Matemática em, 4ª série, escolas urbanas sem Federais: Tabela 18: Média de Proficiência em Matemática em, 4ª série, escolas urbanas que não sejam Federais, de 1995 a Ano , ,3 191,9 Fonte: Saeb Percentual de alunos da 4ª série do ensino fundamental por estágio de construção de competência em Língua Portuguesa na Região Sul, em 2001: Tabela 19: Percentual de alunos da 4ª série do ensino fundamental por estágio de construção de competência em Língua Portuguesa na Região Sul, em Estágio Muito crítico 13,5 Crítico 35,7 Intermediário 45,8 Adequado 4,8 Avançado 0,3 Estágios: Região Sul -Muito crítico: Não desenvolveram habilidades de leitura. Não foram alfabetizados adequadamente. Não conseguem responder aos itens da prova. Os alunos neste estágio não alcançaram o Nível 1 da escala do Saeb. -Crítico: Não são leitores competentes, lêem de forma truncada, apenas frases simples. Os alunos neste estágio estão localizados nos Níveis 1 e 2 da escala do Saeb. 12

13 -Intermediário: Começando a desenvolver as habilidades de leitura, mas ainda aquém do nível exigido para a 4ª série. Os alunos neste estágio estão localizados nos Níveis 3 e 4 da escala do Saeb. -Adequado: São leitores com nível de compreensão de textos adequados à 4ª série. Os alunos neste estágio estão localizados no Nível 5 da escala do Saeb. -Avançado: São leitores com habilidades consolidadas, algumas com nível do esperado para a 4ª série. Os alunos neste estágio estão localizados no Nível 6 da escala do Saeb. Fonte: Saeb Habitação A Taxa de Urbanização e as condições de água, energia, coleta de lixo são excelentes. Ressalva se faz necessária à cobertura de esgoto, muito aquém do ideal e que vem crescendo a um ritmo extremamente lento. Tabela 20: Características Habitacionais em Florianópolis, em 1991 e Água Encanada 97, Energia Elétrica 99,6 99,9 Coleta de Lixo 94,7 99 Taxa de Urbanização 94,04 97,04 Cobertura de Esgoto 28,1 46,8 51 Fonte: PNUD 8 Somente domicílios urb Fonte: Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis 15 Fonte: Associação FloripAmanhã Imunizações As vacinas apresentam evoluções diferentes, com ótimas coberturas de BCG e Tetravalente, mas com anti-pólio Oral (VOP) e anti-hepatite B apresentando tendência de redução da cobertura nos últimos 10. Tabela 21: Cobertura Vacinal em Florianópolis, em

14 Cobertura vacinal Pactua do em 2008 BCG (BCG) 116,6 98,7 97,7 96,5 88,2 98,6 96,5 98,2 125,9 154,75 Contra Hepatite B (HB) 99,6 91,8 97,2 89,8 85,5 84,7 85,3 85,5 87,3 87,28 Oral Contra Poliomielite (VOP) 103,3 102, 1 99,0 85,6 86,2 87,3 89,4 84,8 85,3 84,81 Tetravalent e (DTP/Hib) (TETRA) ,8 88,6 91,1 89,9 86,8 88,8 95,7 90 Triplice Viral Rotavirus Fonte: Datasus 7 Fonte: Secretaria Municipal da Saúde de Florianópolis 17 94,94 84, Aleitamento Materno Florianópolis apresenta boas taxas de aleitamento na primeira hora de vida e de aleitamento materno exclusivo em menores de 6 meses, de acordo com a classificação da OMS e em relação a outras capitais brasileiras. Em contra partida, a taxa de aleitamento em menores de 12 meses é muito ruim, assim como o percentual de utilização de mamadeiras. Tabela 22: Características do Aleitamento Materno e Condições Associadas em Florianópolis, em Florianópolis, 2008 Média IC95% Colocação 27 capitais Prevalência e intervalo de confiança de crianças menores de 1 ano que mamaram na primeira hora de vida Classificação de acordo com a OMS 75,5% 72,1-78,7% 8ª Bom (50 a 89%) Prevalência e intervalo de confiança do aleitamento materno exclusivo (AME) em crianças menores de 6 meses Mediana e intervalo de confiança do AME (em dias) em crianças menores de 6 meses Prevalência e intervalo de confiança do AME em crianças de 9-52,4% 47,9-56,9% 2ª Bom (50 a 89%) 86,50 79,37-93,23 2ª 52,23% 46,5-57,96% 22ª 14

15 12meses Mediana e intervalo de confiança do AME (em dias) em crianças menores de 12 meses Distribuição de crianças menores de 12 meses, segundo o uso de mamadeira Prevalência do uso de chupeta em crianças menores de 12 meses Fonte: Ministério da Saúde ,59-361,54% 20ª Muito Ruim (0 a 17 meses) 52,9% 49,3-56,5% 19ª 49% 45,5-52,4% 6ª 2.7 Mortalidade Infantil, pré-escolar (ou na infância) e até os 9 Existem vários formas de se aferir a qualidade de saúde de uma população. O Coeficiente de Mortalidade Infantil é um dos principais indicadores utilizados em saúde pública como indicador geral e como específico. 19 Como indicador de saúde geral, expressa, em associação com outros indicadores, a situação de saúde de uma comunidade e as desigualdades de saúde entre grupos sociais e regiões 3, sendo um dos mais sensíveis indicadores de qualidade de vida de uma população. 20 Como indicador específico, revela as condições de saúde do grupo materno-infantil. 19 Os coeficientes de mortalidade infantil são classificados em altos (50 por 1000 ou mais), médios (20 a 49 por 1000) e baixos (menos de 20 por 1000) 19 em função da proximidade ou distância dos valores já alcançados pelas sociedades mais desenvolvidas ao longo do tempo. 20 Tabela 23: Coeficientes de Mortalidade Infantil entre Residentes em Florianópolis entre 1996 e ANO Número de óbitos dias dias dias dias 1 ano Percentuais Mortalidade Neonatal 64,77 65,48 67,57 70,15 61,11 65,00 62,75 66,67 61,54 77,27 63, ,35 Mortalidade Pósneonatal 35,23 34,52 32,43 29,85 38,89 35,00 37,25 33,33 38,46 22,73 34, ,65 15

16 Coeficientes Coeficiente de Mortalidade Infantil 19,25 18,57 13,34 12,55 9,45 10,76 10,07 11,47 7,85 9,09 9,47 8,01 9,98 Coeficiente Mortalidade Neonatal 12,79 12,16 9,01 8,81 5,78 6,99 6,32 7,65 4,83 7,03 6,05 6 7,72 Coeficiente Mort. Neonatal Precoce 10,91 8,84 7,21 7,49 4,73 3,94 4,54 5,55 3,62 5,99 5,24 4,2 5,65 Coeficiente Mort. Neonatal Tardia 1,88 3,32 1,80 1,31 1,05 3,05 1,78 2,10 1,21 1,03 1,01 1,8 2,07 Coeficiente Mortalidade Pósneonatal 6,96 6,41 4,33 3,75 3,68 3,77 3,75 3,82 3,02 2,07 3,23 2 2,26 Fonte: Secretaria Estadual de Saúde de, Tabnet 1996 a 2006 e Comitê de Prevenção do Óbito Fetal e Infantil de Florianópolis, 2007 e 2008 por nascidos vivos. Tabela 24: Coeficientes de Mortalidade Infantil, Neo-natal, Neo-natal Precoce e Tardio, Pósneonatal e em Crianças de Baixo-peso entre Residentes em Florianópolis, em 2007 e Absoluto Coeficiente Mortalidade Infantil Proporcional Mortalidade Neonatal Proporcional Nascidos vivos Óbitos <1ano ,01 9,98 Óbitos<27dias , ,35 Óbitos<7dias ,2 5,65 52,5 56, ,17 Óbitos entre 7 e 27 dias ,8 2,07 22,5 20, ,82 Óbito em maiores de 27dias , ,64 Número de crianças que foram a óbito sem peso 3 7 0,6 1,31 7,5 13,20 Óbitos em baixo peso ,8 6, ,5 60,37 Óbitos em baixo peso-cenário ,8 6,030 72,5 60,37 16

17 otimista 91 Óbitos em baixo peso-cenário pessimista ,41 7, ,58 Fonte: Comitê de Prevenção do Óbito Fetal e Infantil de Florianópolis por nascidos vivos. A taxa de mortalidade infantil é baixa, estando bem próxima à de alguns países desenvolvidos, e encontra-se concentrada no período neonatal, principalmente no período neonatal precoce. Porém, alguns dados destoam da epidemiologia de locais com alto IDH: -um deles é a presença de 3 óbitos por: broncoaspirações (de acordo com dados do CPOIF), somente em 2008, e nenhuma por síndrome da morte súbita (SMS). Estes óbitos ocorreram em crianças entre 2 e 4 meses, faixa etária onde ocorre o pico de SMS, o que nos leva a suspeitar que, como não há medidas de prevenção desta síndrome no município, esta possa ser a causa real destes óbitos e não por aspiração. Apesar de todos os Coeficientes de Mortalidade Infantil terem reduzido de 1996 a 2008, o único que segue caindo é o Coeficiente de Mortalidade Pós-Neonatal. Todos os outros apresentam uma tendência de elevação a partir de Gráfico 1: Evolução temporal dos Coeficientes de Mortalidade Infantil de 1996 a Fonte: Secretaria Estadual de Saúde de, Tabnet 1996 a 2006 e Comitê de Prevenção do Óbito Fetal e Infantil de Florianópolis, 2007 e

18 Gráfico 2: Evolução temporal dos Coeficientes de Mortalidade Infantil de 2004 a Fonte: Secretaria Estadual de Saúde de, Tabnet 1996 a 2006 e Comitê de Prevenção do Óbito Fetal e Infantil de Florianópolis, 2007 e 2008 A porcentagem de óbitos investigados é outro marcador fundamental, que evolui da seguinte forma nos últimos : Tabela 25: Percentual de Óbitos Infantis Investigados pelo Comitê de Prevenção de Óbitos Infantis e Fetais em Florianópolis, de 2006 a Ano Percentual 83% 22 92,5% 22 96,2% 16 Fonte:Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis Outro importante indicador é a mortalidade na infância ou pré-escola (número de mortes entre crianças de 1 a 5 (incompletos)/1000 nascidos vivos), ou seja, a mortalidade de menores de cinco de idade. Este indicador mede a probabilidade das crianças que sobreviveram ao primeiro ano, falecerem na faixa entre um e cinco, incompletos, de idade e, quando alta, indica elevada incidência de causas infectocontagiosas, devidas, principalmente, à ausência de saneamento básico, que atua como um dos fatores impeditivos na redução da mortalidade nessa faixa etária. Na grande maioria dos países desenvolvidos, as diferenças entre a mortalidade infantil e de menores de cinco de idade raramente ultrapassa a cifra de três óbitos por mil habitantes

4 Indicadores Sociais

4 Indicadores Sociais 4 Indicadores Sociais 4.1 Indicadores de Saúde 4.1.1 Taxa mortalidade infantil (por mil nascidos vivos) e mortalidade por ano (por mil habitantes) - 1997 a 2013 Ano Mortalidade infantil Mortalidade por

Leia mais

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003

BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE. Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 BH- VIVA CRIANÇA AGENDA DE COMPROMISSO COM A SAÚDE INTEGRAL DA CRIANÇA E ADOLESCENTE Coordenação de Atenção à Criança SMSA-BH 2003 Percentual de NV filhos de mães adolescentes. Belo Horizonte, 1996-2002.

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2

INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I. Epidemiologia 2 INDICADORES DE SAÚDE E ESTATÍSTICAS VITAIS I Epidemiologia 2 Fórmulas, conceitos notícias de EPI2 Acesse do seu celular, tablet ou computador Indicadores de saúde São medidas que descrevem as características

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS

CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS CAUSAS DE MORBIDADE HOSPITALAR POR DOENÇAS DE INTERNAÇÃO EVITÁVEL EM CRIANÇAS DE 1 A 4 ANOS Scaleti Vanessa Brisch 1 Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso RESUMO: Estudo sobre as causas de internações

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira Momento II ASF Região Sul Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira CICLO DE VIDA DA CRIANÇA O ciclo de vida da criança compreende um ser que vivencia

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998)

Quadro 7 - Indicadores de Mortalidade IDB 2001 (Ano de Referência 1998) 3.2 SAÚDE DA MULHER E DA CRIANÇA 3.2.1 MORTALIDADE INFANTIL Nos países mais desenvolvidos, como o Canadá, os Estados Unidos, os países da Europa, em sua maioria, os coeficientes de mortalidade infantil

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM

Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM Consolidação da base de dados de 11 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica - CGIAE Este documento é um breve resumo de caraterísticas do

Leia mais

Dr Elsa Regina Justo Giugliani Pediatra, coordenadora da Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Ministério da Saúde, Brasil

Dr Elsa Regina Justo Giugliani Pediatra, coordenadora da Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Ministério da Saúde, Brasil POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO: A EXPERIÊNCIA DO BRASIL Carolina Belomo de Souza Nutritionniste, chargée de mission en éducation et promotion de la santé, DATER, INPES Dr Lilian

Leia mais

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ROTEIRO ESTRUTURADO PARA PESQUISA DO TRABALHO PRÁTICO

Leia mais

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94%

São Paulo - SP PERFIL MUNICIPAL. Data de instalação Ano de 1554. Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Urbanização 2010 98,94% PERFIL MUNICIPAL São Paulo - SP Data de instalação Ano de 1554 População - Censo 2010 11.376.685 habitantes Crescimento anual da população - 2000-2010 0,75% Natalidade 2010 174.265 nascidos vivos Urbanização

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

(Coeficiente de mortalidade infantil)

(Coeficiente de mortalidade infantil) C Taxa de mortalidade infantil C.1............................ 108 Taxa de mortalidade neonatal precoce C.1.1..................... 110 Taxa de mortalidade neonatal tardia C.1.2...................... 112

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS

Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde COLÓQUIO Fortaleza, novembro, 2013 Marema Patrício Assessora Técnica CONASEMS PAINEL III Subtema 2: Primeira infância e gravidez na adolescência: O

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança

Metodologia Atividades Desenvolvidas em Saúde da criança A ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA ATENÇÃO BÁSICA PRESTADA À SAÚDE DA CRIANÇA Maisa de Oliveira Sanday Sônia Regina Leite de Almeida Prado 1 Introdução Apesar dos avanços na

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA

ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA ANEXO IV INDICADORES ESTRATÉGICOS PARA A REDE CEGONHA OBJETIVO: MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA REDE CEGONHA NOME DO INDICADOR DEFINIÇÃO INTERPRETAÇÃO MÉTODO DE CÁLCULO cadastradas

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ Estado vacinal como fator protetor para Infecção Respiratória Aguda em crianças indígenas Guarani menores de 5 anos hospitalizadas no Sul e Sudeste do Brasil: um Estudo Caso-Controle Carla TG Barreto Andrey

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com.

PERFIL MUNICIPAL. Blumenau - SC. Data de instalação Ano de 1880. Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855. www.portalodm.com. PERFIL MUNICIPAL Blumenau - SC Data de instalação Ano de 1880 Estimativa da população 2009 Natalidade 2007 299.416 habitantes 3.818 nascidos vivos Índice de Desenvolvimento Humano - IDH 0,855 Área 520

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico ISSN 1806-0463 Secretaria da Saúde v. 14 Suplemento 1 12 Boletim Epidemiológico Análise da Mortalidade por Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Rio Grande Luciana Sehn 1 1 Estatística do Centro Estadual

Leia mais

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

1. Ação Local para a Saúde 1.1. Desnutrição infantil Desnutrição infantil

1. Ação Local para a Saúde 1.1. Desnutrição infantil Desnutrição infantil O Prêmio Cidade da Criança destaca as cidades e governantes que cuidam bem de suas crianças, implantando políticas e ações que garantam a elas acesso ao conhecimento, a uma vida saudável e que lhes assegurem

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

Comentários. Programa saúde da família

Comentários. Programa saúde da família Comentários levantamento suplementar de saúde da Pesquisa Nacional por O Amostra de Domicílios PNAD 2008 trouxe informações detalhadas sobre a saúde da população residente em domicílios particulares no

Leia mais

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde

Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no âmbito do Sistema Único de Saúde Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno/ DAPES /SAS

Leia mais

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013

II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 1 INDICADORES MUNICIPAIS DE SAÚDE II INFORME MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE 2º TRIMESTRE DE 2013 Ago/2013 2 INTRODUÇÃO A Vigilância em Saúde tem como objetivo a análise permanente da situação de saúde

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE C. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS

A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE C. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE NASCIDOS VIVOS A. INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1. População Total 2. Razão de Sexos 3. Proporção de Idosos B. INDICADORES DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE MORTALIDADE 1. Taxa Bruta de Mortalidade 2. Taxa de Mortalidade Infantil

Leia mais

11,01 0,663 0,746 80.284 R$ 33.732,89 R$ 583,83

11,01 0,663 0,746 80.284 R$ 33.732,89 R$ 583,83 Mapa Social Santa Margarida do Sul Documento gerado em 18/06/2015 às 11:01:29 População Censitária () 2.352 População Residente Urbana () 552 População Residente Rural () 1.800 Quantidade de Eleitores

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

Lista de Tabulação CID-BR

Lista de Tabulação CID-BR Mortalidade CID-10 Lista de Tabulação CID-BR Esta classificação foi elaborada a partir da Lista de Tabulação da CID-BR-9, uma versão da Lista Básica de Tabulação da Classificação Internacional de Doenças

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos

18/06/2012 COMPERJ. 6 mil maracanãs de área. US$ 8 bilhões em investimentos. População em 2010 (221.322) para 600 mil em 10 anos Mestrado Internacional em Saúde Pública/Peru ModúloDisciplinar: Vigilância em Saúde : Vigilância Ambiental e à Saúde do Trabalhador Aplicabilidade de Conceitos de Vigilância em Saúde: O monitoramento de

Leia mais

Diagnóstico da Educação Municipal

Diagnóstico da Educação Municipal Diagnóstico da Educação Municipal Oneide Ferraz Alves Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Temas 1º dia Planejamento Planejamento Educacional Plano Anual de Educação Diagnóstico da Educação no

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública

Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Impacto do envelhecimento da população brasileira frente à saúde pública Ricardo de Lima Santos Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR INDICADOR: F.2 NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR CONSULTA MÉDICA (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia clínica ou de imagenologia por consulta médica, apresentados

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais