DA IMPOSIÇÃO AOS MAIORES DE SETENTA ANOS DO REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA IMPOSIÇÃO AOS MAIORES DE SETENTA ANOS DO REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS"

Transcrição

1 1 TEMA: DA IMPOSIÇÃO AOS MAIORES DE SETENTA ANOS DO REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS Autoria: Marcela Guimarães Santana Profª Drª Clara Angélica Gonçalves Dias Aprovado para a publicação em 13/06/2013 1

2 2 RESUMO A presente obra objetiva a reflexão acerca da imposição legal aos septuagenários do regime de separação obrigatória, tolhendo-lhes a autodeterminação sob o pretexto de protegê-los de eventuais oportunistas, riscos estes aos quais, em verdade, estamos todos sujeitos. Este trabalho almeja, portanto, a discussão em torno do confronto entre a legislação civilística, calcada em um moralismo por vezes exacerbado, e os princípios civis-constitucionais, verdadeiras normas cogentes, igualmente dotadas de imperatividade. Para tal desiderato, e com fundamento em arestos de jurisprudência e diversos excertos doutrinários, o autor valeu-se de uma hermenêutica constitucional para melhor entender os institutos civilísticos, no sentido de questionar a constitucionalidade do inciso II do art do Código Civil. PALAVRAS-CHAVE: Separação obrigatória de bens; septuagenários; autodeterminação; inconstitucionalidade. 2

3 3 RESÚMEN Este trabajo tiene por objeto reflexionar acerca de la imposición legal a los septuagenários del régimen de separación obligatorio de bienes, privandoles la autodeterminación con la excusa de protegerles de eventuales oportunistas, riesgo al cuál, en verdad, todos estamos sujetos. El objetivo de este trabajo es, por consiguiente, la discusión acerca del confronto entre la legislación civil, basada en un moralismo a veces exagerado y los principios civiles y constitucionales, normas también dotadas de imperatividad. En consecuencia, con fundamento en la jurisprudencia y también en la docrtrina, el autor utilizó la hermenéutica constitucional para mejor comprender los institutos civiles, con el fin de cuestionar la constitucionalidad del artículo 1641, II, del Código Civil. PALABRAS CLAVE: separación obligatoria de bienes; septuagenarios; autodeterminación; inconstitucionalidad. 3

4 4 LISTA DE ABREVIATURAS CF Constituição Federal CPC Código de Processo Civil CC STF STJ CJF Código Civil Supremo Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça - Conselho da Justiça Federal 4

5 5 LISTA DE SIGLAS amp. ampliada atual. atualizada cap. capítulo coord. coordenação ed. edição p. página rev. revista v. volume 5

6 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REGIME DE BENS Conceito Embasamento Legal Modalidades Da Liberdade na Escolha do Regime de Bens Da Alteração da Modalidade de Regime de Bens Princípios Correlatos Princípio da Intervenção Mínima do Estado Princípio da Mutabilidade Motivada Princípio da Variedade de Regimes Princípio da Autonomia da Vontade dos Cônjuges Princípio da Indivisibilidade de Regime de Bens REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS Conceito e Base Legal Disposições Gerais Possibilidade de Alteração do Regime Comunhão de Aquestos no Regime da Separação Legal Análise dos Incisos do art. 1641, CC Casamento contraído com inobservância das causas suspensivas Art. 1523, I Proteção dos Herdeiros Art. 1523, II Proteção da Prole Eventual Art. 1523, III Proteção do Ex-cônjuge Art. 1523, IV Proteção dos Tutelados e Curatelados Casamento de pessoas maiores de setenta anos Casamento de pessoas que dependem de suprimento judicial

7 Suprimento Judicial do Consentimento dos Representantes Legais Suprimento Judicial de Idade IMPOSIÇÃO DO REGIME DA SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA AOS MAIORES DE SETENTA ANOS Noções sobre Controle de Constitucionalidade Introdução Sistema Brasileiro do Controle de Constitucionalidade Espécies e Vícios de Inconstitucionalidade Histórico da norma que impõe a separação de bens para os maiores de setenta anos Código Civil de Redação Anterior do art. 1641, CC Lei 12344/10 e a alteração no Código Civil Doutrina Doutrina pela Inconstitucionalidade Doutrina Intermediária Doutrina pela Constitucionalidade Jurisprudência CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO

8 8 1 INTRODUÇÃO O Direito, enquanto ciência social e metódica, composta, em seu bojo normativo, de regras e princípios, tem como grande finalidade pacificar os conflitos sociais, mantendo a ordem e a harmonia necessárias à preservação e desenvolvimento da sociedade. Para tal desiderato, deve acompanhar as evoluções sociais, pois a todo o momento há alterações de toda ordem, inclusive no que se refere ao aspecto valorativo. Tais mudanças coadunam-se com a própria dinâmica das relações sociais e por certo devem ser consideradas pela ciência jurídica, sob pena de tornar-se o Direito um aglomerado de normas jurídicas obsoletas e, portanto, destituídas de aplicabilidade prática e de legitimidade social. Aliás, foi exatamente por comungar deste entendimento que o festejado jurista Miguel Reale elaborou a Teoria Tridimensional do Direito, registrando desde já a importância de o Direito ser compreendido enquanto fenômeno complexo, posto que resultante da junção de três ordens de elementos: o fático (fato), o axiológico (valor) e o normativo (norma). Em outras palavras, para que haja a formação da ciência jurídica faz-se necessário que um acontecimento da vida seja valorado positiva ou negativamente, incidindo, a partir de então, a normativização preceptiva, permissiva ou proibitiva, a depender do caso. Assim, o Direito não pode ser analisado apenas do ponto de vista do texto legal, sendo necessário que se busque a norma, resultante da incidência da valoração do legislador acerca de fatos da vida. Contudo, sabemos que o referido campo axiológico, ou seja, a valoração atribuída aos mais variados fatos, sofre diversas alterações no decorrer dos tempos, pois está diretamente atrelada a fatores sociais, econômicos, políticos e culturais, os quais estão sujeitos a mudanças cada vez mais velozes em virtude do franco avanço científico e tecnológico experimentado nos últimos anos. Assim, para que o Direito alcance sua finalidade precípua, qual seja, a pacificação dos conflitos e a preservação da harmonia social, é imprescindível que 8

9 9 esteja ele em consonância com os valores adotados pela sociedade, num dado espaço de tempo e de lugar. Para tanto, é preciso ter um olhar atento e, sobretudo, crítico, acerca das disposições legais contidas em nosso ordenamento jurídico, com o fito de aferir se, de fato, são capazes de responder aos anseios de justiça da sociedade. Com o objetivo de demonstrar que juridicamente se pode afirmar, sem esforços hercúleos, mas a partir de uma interpretação conjunta e atenta dos princípios que entornam o Direito Brasileiro, notadamente o Direito Civil, que a previsão legal para os maiores de setenta anos do regime de separação obrigatória de bens é imposição descabida e já superada pelos valores defendidos pela sociedade contemporânea, foi elaborado o presente trabalho. Outrossim, válido ressaltar que o ordenamento jurídico pátrio deve ser aplicado de modo coeso e sempre em sintonia com os comandos constitucionais, de modo que não se pode permitir que a legislação infraconstitucional, mormente quando restritiva de direitos, seja aplicada sem antes haver uma análise conjunta e crítica com a principiologia jurídica, que, como é de conhecimento geral, é alicerce dos mais importantes ao Direito. Inicialmente, no presente trabalho, buscou-se construir um panorama geral acerca dos regimes de bens previstos no Código Civil, dando ênfase também aos princípios que permeiam a matéria, por servirem estes de veículo interpretativo de extrema relevância para o tema em comento. Buscou-se, assim, demonstrar que a regra geral é da liberdade de estipulação do regime de bens pelo casal, sendo a imposição legal de um determinado tipo de regime medida excepcional, cuja excepcionalidade tem que ser inexoravelmente justificada, para legitimar tal restrição. Esgotados os aspectos introdutórios e gerais acerca das modalidades de regimes de bens, este trabalho adentra-se propriamente no tema em destaque, qual seja, o regime de separação obrigatória como uma imposição legal aos septuagenários, passando, primeiramente, por aspectos teóricos acerca do próprio regime em questão. Com o desiderato de compreender as bases do mencionado regime, foi 9

10 10 feita um ampla pesquisa em obras doutrinárias, buscando desvendar a mens legis do regime em comento. Passada essa fase preliminar, foi o momento de iniciar a pesquisa no que tange às opiniões de renomados juristas acerca do comando normativo previsto no art. 1641, inciso II do Código Civil, sendo que a doutrina majoritária posiciona-se pela inconstitucionalidade do referido dispositivo, por violar, dentre outros, o Princípio da Dignidade Humana, hoje considerado o pilar interpretativo de todo o ordenamento jurídico. Também foram colacionados acórdãos de diversos tribunais do Brasil no que se refere ao tema, tendo a jurisprudência muitas vezes criticado e relativizado a restrição trazida pelo art. 1641, II, CC. Desse modo, verifica-se que a tese da inconstitucionalidade da imposição do regime de separação obrigatória de bens aos maiores de setenta anos emerge como consequência lógica e necessária da própria estrutura verticalizada do nosso ordenamento, no qual as normas infraconstitucionais devem obediência aos comandos constitucionais, posto que hierarquicamente inferiores, bem como da importância conferida à principiologia consolidada, cujo caráter normativo não mais se discute. 10

11 11 2 REGIME DE BENS 2.1 Conceito O casamento, ato dotado de formalidade, gera uma complexidade de efeitos, que podem ser didaticamente divididos em efeitos de cunho pessoal e de cunho patrimonial. Entre os primeiros estão as relações de cunho ético estabelecidas entre os cônjuges e entre estes e seus filhos, como os deveres de fidelidade recíproca, mútua assistência e sustento, guarda e educação dos filhos, todos previstos no art do Código Civil. Já dentre os efeitos de cunho patrimonial ganham especial destaque, por serem tema desta obra, os regimes de bens, que têm por escopo regulamentar as relações dotadas de valor econômico surgidas em virtude da celebração do casamento, propiciando, consequentemente, maior segurança jurídica às relações sociais. Ensina Carlos Roberto Gonçalves que regime de bens é o conjunto de regras que disciplina as relações econômicas dos cônjuges, quer entre si, quer no tocante a terceiros, durante o casamento (2012, p. 437). No mesmo sentido, aduzem Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald, que regime de bens: é o estatuto que disciplina os interesses econômicos, ativos e passivos, de um casamento, regulamentando as consequências em relação aos próprios nubentes e a terceiros, desde a celebração até a dissolução do casamento, em vida ou por morte (2011, p. 272). Anote-se ainda a definição esposada por Orlando Gomes, que define regime de bens como sendo o estatuto patrimonial dos cônjuges, compreendendo, 11

12 12 assim, as relações patrimoniais entre os cônjuges e entre terceiros e a sociedade conjugal (GOMES apud FARIAS E ROSENVALD, 2011, p. 272). O doutrinador Sílvio Venosa, por sua vez, após criticar a nomenclatura regime de bens, por não entender ser a mais apropriada, define-o como sendo a modalidade do sistema jurídico que rege as relações patrimoniais derivadas do casamento (2012, p.328). Por fim, válido também registrar o conceito exposto por Flávio Tartuce, que define o regime matrimonial de bens como sendo o conjunto de regras de ordem privada relacionadas com interesses patrimoniais ou econômicos resultantes da entidade familiar (2012, p ). Seja qual for a definição adotada, infere-se que os regimes de bens existentes no Direito Civil Brasileiro objetivam regulamentar os efeitos econômicos que inexoravelmente advirão das relações conjugais e, principalmente, do desfazimento das mesmas. Desse modo, com fulcro na segurança jurídica, torna-se imperiosa a existência de um complexo organizado de normas jurídicas que estipulem as características e vantagens de cada um dos regimes matrimoniais previstos. Anote-se também que além da função primordial do regime de bens de regulamentar a administração dos bens adquiridos anteriormente e na constância do enlace matrimonial, este instituto tem ainda forte repercussão no campo do direito sucessório. Nesse mesmo sentido, sintetiza a autora Maria Berenice Dias: O regime de bens é uma das consequências jurídicas do casamento. A bem da verdade, não existe casamento sem regime patrimonial de bens. Se os nubentes não escolhem, há uma escolha da lei pelo regime legal. É impositiva alguma espécie de regramento de ordem patrimonial. Quando não há a imposição legal do regime da separação, abstendo-se os nubentes de eleger um regime de bens, o Estado faz a opção por eles do regime da comunhão parcial. Aos noivos basta pronunciar o sim na solenidade do matrimônio. Essa afirmativa, além de significar múltipla aceitação do casal, faz incidir um sem-número de regras, assegura direitos e impõe deveres. A escolha do regime de bens, feita por ocasião do casamento, rege a situação patrimonial durante a vigência do matrimônio e, principalmente, quando de sua dissolução, pela separação, divórcio ou morte de um dos consortes. (2010, p.220). 12

13 Embasamento Legal Os regimes de bens estão expressamente previstos no Subtítulo I do Título II do Livro V (Do Direito De Família) do Código Civil, estando regulado especificamente entre os artigos 1639 e Temos a previsão, na lei civil, do regime de comunhão parcial entre os artigos 1658 e1666; do regime da comunhão universal de bens entre os artigos 1667 e 1671; do regime da participação final nos aquestos dos artigos 1672 a 1686 e o regime da separação convencional de bens nos artigos 1687 e 1688, enquanto a separação legal de bens encontra-se regulada no artigo Embora haja disposições específicas para os diversos regimes de bens previstos, há também disposições gerais que se aplicam indistintamente a todos eles, como a que determina o início da vigência do regime de bens, que coincidirá com a data do casamento (art. 1639, 1). Outrossim, assevera o jurista Carlos Roberto Gonçalves: Confirmando a posição assumida pelo Código de 1916 (art.230), o novo diploma afastou definitivamente o critério originário do direito canônico e aplicado no Brasil no direito pré-codificado, pelo qual a vigência do regime de bens dependia da consumação do matrimônio, que se dava no instante em que os cônjuges mantivessem relações sexuais (2012, p. 438). Também se constituem normas genéricas os artigos 1642 e 1643, ambos da lei civil, que preveem que, qualquer que seja o regime de bens, o marido e a mulher possam livremente, por exemplo, administrar seus bens próprios, bem como desobrigar ou reivindicar os imóveis que tenham sido gravados ou alienados sem o seu consentimento ou sem suprimento judicial. Podem também comprar, ainda que a crédito, as coisas necessárias à economia doméstica ou obter por empréstimo a 13

14 14 quantia necessária para tal finalidade, sendo oportuno frisar que neste caso, as dívidas contraídas obrigam solidariamente ambos os cônjuges. 2.3 Modalidades O atual Código Civil prevê cinco modalidades de regimes de bens, a saber: separação legal ou obrigatória; comunhão parcial ou limitada; comunhão universal; participação final nos aquestos e separação convencional ou absoluta. Diferentemente, o Código Civil de 1916 admitia apenas quatro modalidades, a saber: comunhão universal, comunhão parcial, separação e dotal. Além de os nubentes poderem, regra geral, optar por qualquer dos regimes vigentes, têm ainda a possibilidade de estabelecer uma nova modalidade não prevista na legislação civil ou ainda combinar as já existentes, para que sejam melhor atendidas as peculiaridades de cada casal. Isto porque o rol previsto na legislação civilista, consoante aduz Flávio Tartuce, não é taxativo (numerus clausus), mas sim exemplificativo (numerus apertus) (2012, p. 1093). Contudo, tal liberdade não é ilimitada, não podendo, assim, as estipulações ferir normas de ordem pública, que devem prevalecer perante ajustes particulares, mormente por referirem-se apenas a interesses de cunho econômico. 2.4 Da Liberdade na Escolha do Regime de Bens Inicialmente, cumpre ressaltar que em que pese ser o regime matrimonial uma consequência inafastável do casamento, aquele não segue as mesmas regras deste, isto porque as normas que lhe dizem respeito não têm a mesma imperativida- 14

15 15 de, havendo uma certa flexibilização, já que os direitos a serem resguardados são,a grosso modo, de cunho meramente patrimonial. Desta relativa flexibilização, decorre que é permitida a livre escolha do regime de bens a ser adotado, nos termos do art da Lei Civil, que determina ser lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto ao regime de bens, o que lhes aprouver. Tal enunciado normativo consagra o Princípio da Autonomia da Vontade, um dos mais importantes nas relações patrimoniais entre os cônjuges. Entretanto, consoante já afirmado, considerando a imprescindibilidade do regime de bens para a vida conjugal, em não sendo exercido o direito de escolha acerca da modalidade a ser adotada, aos nubentes será automaticamente aplicado o regime de comunhão parcial de bens, por este motivo conhecido no Direito Pátrio como o regime subsidiário ou legal. Dispõe, nestes exatos termos, o art do Código Civil que não havendo convenção, ou sendo ela nula ou ineficaz, vigorará, quanto aos bens entre os cônjuges, o regime da comunhão parcial. Registre-se que tal regime passou a ser subsidiário apenas com o advento da Lei do Divórcio (Lei 6.515/77), pois antes disso prevalecia o regime da comunhão universal na falta de estipulação entres os cônjuges. Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald, em relação ao regime de comunhão parcial como sendo o legalmente estabelecido, assim se manifestam: A argumentação procede, sem dúvida. No entanto, chamamos a atenção para algumas dificuldades práticas decorrentes da adoção da comunhão parcial como regime supletivo de vontade, como a exigência de outorga do consorte para alienar bens que não integram a comunhão de bens do casamento e o estabelecimento da responsabilidade pelas dívidas contraídas (2011, p. 275). Em que pese a liberdade na estipulação do regime de bens, para que a opção por um outro regime matrimonial que não o legal seja exercida, faz-se necessária a celebração, pelas partes, de um pacto antenupcial. Nos termos do parágrafo único 15

16 16 do artigo 1640 supramencionado, deve o mencionado pacto ter necessariamente a forma de escritura pública, sob pena de nulidade, devendo ainda ser seguido pelo casamento, sob pena ineficácia (art. 1653, CC). Ademais, importante observar que a autonomia conferida pela legislação aos nubentes, no que se refere à escolha do regime de bens e até mesmo à combinação entre eles, é relativa, pois, conforme estabelece o art do Código Civil, tais convenções particulares não podem contrariar disposição absoluta de lei. 2.5 Da Alteração da Modalidade Do Regime de Bens Outra observação relevante a ser feita refere-se à possibilidade de as partes alterarem a modalidade anteriormente escolhida, o que passou a ser admitido sob a égide do Código Civil de 2002, posto que o Código de 1916, em seu art. 230, previa a imutabilidade absoluta do regime adotado, com o fito de preservar a segurança jurídica nas relações com terceiros. Atualmente, portanto, consta no art. 1639, 2 do Código Civil a autorização para que seja alterado o regime de bens, apesar de tal alteração ter que obedecer a alguns requisitos, concorrentes e cumulativos, exigidos pelo próprio dispositivo, como: autorização judicial, pedido motivado formulado por ambos os cônjuges, procedência das razões expostas por estes e ressalva dos direitos de terceiros. Constata-se, dessa forma, que não há ampla liberdade na alteração, devendo esta passar pelo crivo do Poder Judiciário, com vistas a manter a estabilidade das relações sociais, evitando prejuízos a terceiros, bem como impedindo que interesses de um dos cônjuges prevaleçam sobre os do outro. Particularmente no que concerne à necessidade de autorização judicial, bem como de haver pedido devidamente motivado por ambos os cônjuges, criticam Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald: 16

17 17 A respeito da exigência de autorização judicial, é de se propugnar, de maneira prospectiva e futurística, pela dispensabilidade de intervenção do Poder Judiciário, seguindo a firme tendência de intervenção mínima judicial nas relações privadas, confirmada pela Lei /07, que permite a dissolução consensual do casamento em cartório. Ora, se as partes podem dissolver o casamento em cartório (o chamado divórcio administrativo), certamente podem, por igual, modificar o regime de bens em cartório, simplificando-se o procedimento e facilitando o exercício dos direitos. De saída, vale ainda registrar a necessidade de formação de um litisconsórcio ativo, devendo a ação ser promovida por ambos os cônjuges, sendo impossível a modificação do regime se um deles não aquiescer ao pedido. Ou seja, resistindo um deles à mudança, o regime permanecerá o mesmo, não sendo possível, sequer, falar em suprimento de vontade. Trata-se, a toda lógica, de simples aplicação de autonomia privada e, assim, se o regime foi eleito por ambos os cônjuges, somente por vontade dos dois pode ser alterado, pouco importando o motivo da negativa (2011, p. 288). No que se refere à exigência de que sejam ressalvados direitos de terceiros, os mencionados autores destacam ainda que, para tal fim, vem sido exigida a citação dos credores e publicação de editais. Mencionam ainda o Enunciado 113 da I Jornada de Direito Civil que tem a seguinte redação: É admissível a alteração do regime de bens entre os cônjuges, quando então o pedido, devidamente motivado, será objeto de autorização judicial, com ressalva dos direitos de terceiros, inclusive dos entes públicos, após perquirição de dívida de qualquer natureza, exigida ampla publicidade. Sobre a possibilidade de alterar o regime de bens inicialmente escolhido, defende Sílvio Venosa que andou bem o legislador ao permiti-la, pois: Sem dúvida, os rumos tomados pela união estável sem casamento influenciaram o legislador nesse sentido: os companheiros sempre gozaram de maior mobilidade no tocante aos bens comuns. Manter a imutabilidade do regime de bens seria tratar o casamento de forma mais rigorosa que a união sem casamento (2012, p. 329). Uma última observação acerca da mutabilidade da modalidade de regime de bens inicialmente acordada merece destaque. Trata-se da possibilidade de alterar o regime de bens também quanto aos casamentos celebrados sob a égide do Diploma Civil anterior, nos termos do art do atual Código Civil, que assim dispõe: 17

18 18 Art. 2035: A validade dos negócios jurídicos e demais atos jurídicos, constituídos antes da entrada em vigor deste Código, obedece ao disposto nas leis anteriores, referidas no art. 2045, mas os seus efeitos, produzidos após a vigência desse Código, aos preceitos dele se subordinam, salvo se houver sido prevista pelas partes determinada forma de execução. Em outros termos, situando-se o regime de bens no plano de eficácia do ato jurídico (casamento) celebrado, deverá ser ele regido pelas normas da nova lei civil atual (Código Civil de 2002) que, diferentemente da anterior (Código Civil de 1916), permite a alteração na modalidade de regime, atendidos os requisitos legais. Por absolutamente necessário, registre-se ainda o Enunciado 260 da III Jornada de Direito Civil, de cuja leitura retiramos a mesma conclusão: A alteração do regime de bens prevista no 2 do art do Código Civil também é permitida nos casamentos realizados na vigência da legislação anterior. 2.6 Princípios Correlatos O tema dos regimes de bens é informado por alguns princípios que servem não só de veículo interpretativo das disposições legais que regem a matéria, mas como verdadeiras normas autônomas imperativas. Por essa razão, muitas decisões judiciais vêm sendo tomadas com base exclusivamente na principiologia, cujo espectro, por ter maior abrangência, permite interpretações muitas vezes mais condizentes com os valores do nosso ordenamento jurídico. É consensual, tanto em sede doutrinária quanto jurisprudencial, a relevância dos princípios no Direito Contemporâneo, visto que o Direito não pode mais ser visto como um conjunto posto e inflexível de normas jurídicas, sendo necessária uma maior dinamização de seu conteúdo, o que é alcançado pela incidência destes verdadeiros enunciados dotados de maior abstração Princípio da Intervenção Mínima do Estado 18

19 19 Inicialmente, merece destaque o Princípio da Intervenção Mínima do Estado nas Relações Familiares, que se encontra em plena harmonia com a autonomia privada, tão festejada no âmbito do Direito de Família. O art do Código Civil, ao dispor que é defeso a qualquer pessoa, de direito público ou privado, interferir na comunhão de vida instituída pela família corporifica de maneira clara o princípio em estudo. que: Sobre esse ponto, aduzem Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald Em sendo assim, o Estado somente deverá atuar nas relações privadas para assegurar garantias mínimas fundamentais ao titular. [...] Com isso, o Estado não deve se imiscuir no âmago familiar, mantendo incólume o espaço de autodeterminação afetiva de cada pessoa humana componente do núcleo, permitindo a busca da realização plena e da felicidade, através das opções e comportamentos. É o que se convencionou chamar de família eudemonista, com os seus membros buscando a felicidade plena Até porque a presença excessiva estatal na relação familiar pode asfixiar a autonomia privada, restringindo a liberdade das pessoas (2011, p. 111). Assim, procura-se evitar que haja uma intervenção excessiva do Direito na família, verdadeira célula da sociedade, pois aquela precisa preservar a intimidade e autonomia necessárias ao sadio desenvolvimento das relações afetivas que lhe são inerentes. É o que se tem chamado de desinstitucionalização ou privatização da família, fenômeno que é visualizado no Direito Pátrio, através de alguns dispositivos legais e construções doutrinárias. Neste diapasão, vale ressaltar também o art. 226, 7º da Constituição Federal, que afirma ser o planejamento familiar de livre decisão do casal, conferindo aos cônjuges autonomia na condução da vida em família, o que se coaduna com também com o Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, que deve ser sempre observado. No mesmo sentido, também na linha do princípio em estudo, merece destaque a Emenda Constitucional nº 66/2010, que tornou possível o divórcio independentemente do cumprimento de requisitos como lapso temporal mínimo ou mesmo 19

20 20 discussão acerca da causa do rompimento, bastando a vontade das partes, fortalecendo assim autodeterminação destas. Assim, apenas excepcionalmente incidem, no âmbito nas relações familiares, normas jurídicas cogentes, incidência esta que ocorre com o fim de salvaguardar direitos mínimos, tidos como fundamentais. É o que ocorre com a obrigação alimentar, que decorre do dever de sustento imposto legalmente aos pais, para a subsistência do alimentando, que não pode ficar a mercê da consciência e senso de responsabilidade dos seus genitores. Todavia, registre-se, desde já, que na contramão desse entendimento, há a imposição legal do regime de separação de bens àqueles que se casarem com idade superior a setenta anos, dispositivo este contra o qual insurgem-se diversos doutrinadores, bem como juristas, que vêm afastando a incidência do mesmo, por considerar tal previsão inconstitucional. Ora, diante do exposto, tem-se que a imposição do regime de separação absoluta aos septuagenários é restrição inadmissível, que viola frontalmente o Princípio da Intervenção Mínima do Estado nas Relações Familiares, pois o Estado, através da atividade legislativa, interfere e restringe indevidamente a liberdade da entidade familiar Princípio da Mutabilidade Motivada Consoante já destacado alhures, o Código Civil de 2002, no que se refere à disciplina dos regimes de bens, segue o Princípio da Mutabilidade Motivada ou Justificada. Mas, conforme já ressaltado, nem sempre foi assim. O Código de 1916, de nítida feição patrimonialista, adotou, diversamente, o Princípio da Imutabilidade Absoluta e justificava tal inalterabilidade basicamente na visão de que o contrato de casamento, dada a sua formalidade, seria um pacto imutável entre os cônjuges, procurando evitar ainda que um deles, quando da alteração, 20

21 21 fizesse sua vontade prevalecer em detrimento da do outro parceiro. Era ainda, segundo afirmavam os juristas da época, uma maneira de resguardar os interesses de terceiros e preservar, assim, a segurança jurídica, embora para tanto fosse cerceada a liberdade dos nubentes quanto à determinação das próprias relações econômicas advindas do matrimônio. A única exceção existente no Direito Brasileiro naquela época estava prevista no art. 7, 5º da Lei de Introdução ao Código Civil, que facultava ao estrangeiro casado, quando da sua naturalização e com o consentimento de seu cônjuge, optar pelo regime da comunhão parcial, não estendendo tal faculdade às demais modalidades, devendo ainda ser observados os direitos de terceiros. Como visto, tal panorama sofreu forte alteração no Código Civil de 2002, pois o mencionado diploma normativo adotou, no art º, o Princípio da Mutabilidade Motivada. Em outras palavras, tornou-se possível a alteração da modalidade do regime de bens, desde que observados quatro requisitos legais cumulativos: pedido de alteração formulado por ambos os cônjuges (para evitar que os interesses de um prevaleçam em detrimento dos do outro); razões relevantes; autorização judicial (instaura-se um procedimento de jurisdição voluntária, para que as partes convençam o juiz da razoabilidade dos motivos pelos quais requerem tal alteração) e ressalva dos direitos de terceiros. Considerando que o justo motivo a ser alegado pelas partes constitui-se em cláusula geral, caberá ao juiz, em seu prudente arbítrio (arbítrio boni viri), verificar se as situações ou razões apresentadas realmente legitimam a mudança no regime pretendida. Tal verificação deverá, pois, ser realizada em cada caso concreto e de forma minuciosa, afinal, nunca é demais lembrar, a regra continua sendo a da imutabilidade da modalidade inicialmente escolhida, que somente poderá sofrer alterações diante de situações excepcionais. Especificamente no que se refere à perquirição acerca da razoabilidade das razões que motivam os cônjuges a requerer a mudança na modalidade de regime de bens inicialmente eleita, a jurisprudência pátria encontra-se fragmentada. Isto porque há julgados nos quais há criteriosa análise dos motivos expostos pelos cônju- 21

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02:

Regime de Bens: b) Comunhão Universal de Bens: Obs: Mudança de regra no regime universal de bens - CC/16 x CC/02: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 07 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Regime de Bens: Separação de Bens - Consensual e Legal; Participação final nos aquestos. Dissolução

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal.

Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão Universal. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 06 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Deveres Conjugais. Regime de Bens: Mutabilidade, Pacto Antenupcial, Comunhão Parcial, Comunhão

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002

O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 O MATRIMÔNIO SOB A ÉGIDE DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Cláudio Sales 1 RESUMO: O presente trabalho versa sobre Direito de Família e tem por objetivo a análise do casamento à luz do Código Civil de 2002, o

Leia mais

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS

Caderno de apoio Master MASTER /// JURIS Turma e Ano: Master A (2015) Matéria/Aula: Direito Civil Família e Sucessões Aula 06 Data: 12.03.2015 Professor: Andréa Amin Conteúdo: Regime de Bens: conceito; Pacto antenupcial; Mudança do regime de

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010

O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 O REGIME DE SEPARAÇÃO OBRIGATÓRIA DE BENS E A ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI Nº 12.344/2010 FERNANDA CAROLINE PEREIRA MATHEUS FERNANDO ARENDT 1 O casamento é a celebração da união entre duas pessoas com o

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Alteração Administrativa de Regime de Bens, Mediante Escritura Pública. Estatuto da s Famílias.

Alteração Administrativa de Regime de Bens, Mediante Escritura Pública. Estatuto da s Famílias. Alteração Administrativa de Regime de Bens, Mediante Escritura Pública. Estatuto da s Famílias. Mario de Carvalho Camargo Neto 1 Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais Membro do Instituto Brasileiro

Leia mais

está-se diante de negócio jurídico praticado por pessoas maiores e capazes e que versa sobre direitos disponíveis.

está-se diante de negócio jurídico praticado por pessoas maiores e capazes e que versa sobre direitos disponíveis. Alteração Administrativa de Regime de Bens, Mediante Escritura Pública. Estatuto das Famílias. Mario de Carvalho Camargo Neto A festejada inovação trazida pelo 2º do artigo 1.639 do Código Civil de 2002

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades

Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Regime de bens e algumas absurdas incomunicabilidades Maria Berenice Dias Desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Vice-Presidente Nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco

Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco Do ato formal da doação e da dispensa de colação em face do novo código civil José da Silva Pacheco SUMÁRIO: 1. Da doação como ato de liberalidade e das formas de sua celebração. 2. A doação de ascendente

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ

OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ OS EFEITOS JURÍDICOS DO DIVÓRCIO DIRETO E DO DIVÓRCIO CONVERSÃO NA JURISPRUDÊNCIA DO STJ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça Saudações Coordenadores: Des. Paulo Sérgio Fabião

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL CASAMENTO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O presente trabalho tem por finalidade apresentar, de forma bem sucinta, as principais alterações do casamento pela Lei 10.406/2002 (Código Civil), que entrará em vigor em

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS

A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS A NATUREZA JURÍDICA DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE NA SUCESSÃO DE BENS Marcos Vinícius Monteiro de Oliveira Diogenis Bertolino Brotas e RESUMO O presente artigo pretende expor interpretação acerca da sucessão

Leia mais

Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior. Direito de Família DIREITO DE FAMÍLIA

Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior. Direito de Família DIREITO DE FAMÍLIA Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior Direito de Família DIREITO DE FAMÍLIA Conceito de Direito de Família: o ramo do Direito Civil que disciplina as relações jurídicas (pessoais e patrimoniais)

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-37 PERÍODO: 7 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V NOME DO CURSO: DIREITO

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-37 PERÍODO: 7 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-37 PERÍODO: 7 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL V NOME DO CURSO: DIREITO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 2. EMENTA Família: evolução

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte Unidade VIII I. PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO 1. Acepções e espécies a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Civil VI (Família) Código PRI0087 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Noções gerais: o Direito de Família na atualidade

Leia mais

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos

I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas. 1- Contextualização legal e conceitos I - Impedimentos matrimoniais e causas suspensivas 1- Contextualização legal e conceitos Os arts. 1521 e 1522 e os arts. 1523 e 1524 do vigente Código Civil Brasileiro tratam respectivamente dos impedimentos

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Alimentos sem culpa. Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br

Alimentos sem culpa. Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Alimentos sem culpa Maria Berenice Dias www.mbdias.com.br www.mariaberenice.com.br www.direitohomoafetivo.com.br Talvez não se tenha atentado ainda no alcance da alteração promovida pelo atual estatuto

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

FICHAMENTO DO TEXTO DE ROLF MADALENO, EM CURSO DE DIREITO DE FAMÍLIA,

FICHAMENTO DO TEXTO DE ROLF MADALENO, EM CURSO DE DIREITO DE FAMÍLIA, UNIVERSIDAD DE BUENOS AIRES FACULTAD DE DERECHO DEPARTAMENTO DE POSGRADO DOCTORADO EM DERECHO CIVIL FICHAMENTO DO TEXTO DE ROLF MADALENO, EM CURSO DE DIREITO DE FAMÍLIA, ED. FORENSE, 2008. ALUMNO: BERNARDO

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO-LEI Nº 4.657, DE 4 DE SETEMBRO DE 1942. Vide Decreto-Lei nº 4.707, de 1942 Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro O PRESIDENTE

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO Nº 75 Protocolo: 11913003347-0 Recurso Indeferido, conforme motivação a seguir explicitada. Os bens coletivos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá)

PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.878-A, DE 2011 (Da Sra. Janete Rocha Pietá) Altera o inciso I do art. 1.829 da Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002; tendo parecer da Comissão de Seguridade

Leia mais

A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas

A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas A Lei do Inquilinato e o novo Código Civil Questões Polêmicas José Fernando Simão, Bacharel e mestre em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, onde atua como monitor nas aulas

Leia mais

O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Dissolução da sociedade conjugal e do casamento. Por Ernesto Geisel - Armando Falcão em 07.12.06 Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos,

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO.

DIREITO DAS SUCESSÕES. RECURSO ESPECIAL. PACTO ANTENUPCIAL. SEPARAÇÃO DE BENS. MORTE DO VARÃO. VIGÊNCIA DO NOVO CÓDIGO CIVIL. ATO JURÍDICO PERFEITO. SUCESSÕES Direito das sucessões. Recurso especial. Inventário. De cujus que, após o falecimento de sua esposa, com quem tivera uma filha, vivia, em união estável, há mais de trinta anos, com sua companheira,

Leia mais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais

Espelho Civil Peça Item Pontuação Fatos fundamentos jurídicos Fundamentos legais Espelho Civil Peça A peça cabível é PETIÇÃO INICIAL DE ALIMENTOS com pedido de fixação initio litis de ALIMENTOS PROVISÓRIOS. A fonte legal a ser utilizada é a Lei 5.478/68. A competência será o domicílio

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA Ana Maria Milano Silva É advogada, formada pela USP Atua em Jundiaí e Campo Limpo Paulista. Sua área preferida é o Direito de Família. Fez mestrado em Direito Civil com a dissertação que deu origem ao

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Otavio Calvet Data: 01.04.10 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tema INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. Atualizado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA - 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL nº 0007033-40.2009.4.03.6100/SP APELANTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO: UNIÃO FEDERAL RELATORA: Desembargadora

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA Projeto de Lei da Câmara nº 33/2013 Justiça do Trabalho Necessária presença de advogado e condenação em honorários sucumbenciais Entendimento favorável. O advogado é indispensável à administração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 8 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.515, DE 26 DE DEZEMBRO DE 1977. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono

Leia mais

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC)

AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) AULA 06 DA ADOÇÃO (ART. 1618 A 1629 CC) DO CONCEITO A ADOÇÃO É UM ATO JURÍDICO EM SENTIDO ESTRITO, CUJA EFICACIA É DEPENDENTE DA AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. NESSE CASO, CRIA UM VÍNCULO FICTÍCIO DE PATERNIDADE-

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO CIVIL IV (FAMÍLIA) (D-29) Área: Ciências Sociais Período: Sexto Turno: Matutino /Noturno Carga Horária: 72 hs III. Pré-Requisito: DIREITO

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Conceito de família; Conteúdo e Conceito do Direito de Família; Natureza da Divisão; Divisão da matéria; Eficácia horizontal dos

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA

16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA 16ª VARA DO TRABALHO DE SALVADOR/BA RECLAMAÇÃO TRABALHISTA N. 0000429-36.2012.5.05.0016-RTOrd SENTENÇA RECLAMANTE: SINDADOS-BA SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E ÓRGÃOS PÚBLICOS DE PROCESSAMENTO

Leia mais

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995

Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Decreto-Lei:4.657, de 04.9.1942. - Lei de Introdução ao Código Civil. LEI DE INTRODUÇÃO AO CÓDIGO CIVIL ALTERADA pela LEI Nº 9.047, DE 08 DE MAIO DE 1995 Art. 1 - Salvo disposição contrária, a lei começa

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Casamento Inexistente Daniel Barbosa Lima Faria Corrêa de Souza* O Código Civil, tanto o de 1916 quanto o de 2002, não oferece subsídios para a determinação da noção de inexistência

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

I miii mil mil um um um mu um mi m

I miii mil mil um um um mu um mi m ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil um um um mu um mi m *03071141* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.08.058146-0, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro.

A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. Amira Samih Hamed Mohd Houdali 1 Victor Paulo Kloeckner Pires 2 Resumo: A partir de uma abordagem qualitativa e da utilização dos métodos

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA ESTADO DA BAHIA Processo n.º 170/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE TEOFILÂNDIA Referência: Pregão n.º 009/2015 Assunto: Impugnação aos Termos do Edital DECISÃO Trata-se de IMPUGNAÇÃO AO EDITAL interposta pela empresa PLUS

Leia mais

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil.

Palavras Chaves: Casamento; União estável; impedimentos: Novo Código Civil. AS IMPLICAÇÕES DOS IMPEDIMENTOS MATRIMONIAIS NA UNIÃO ESTÁVEL. Ana Elizabeth Lapa Wanderley Cavalcanti (advogada em São Paulo, mestre em Direito civil e doutoranda em Direito civil comparado pela PUC/SP,

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO.

AGRAVO DE INSTRUMENTO COMPETÊNCIA AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO PEDIDO DE INDENIZAÇÃO. Órgão : Quinta Turma Cível Classe : AGI Agravo de Instrumento N. Processo : 2007 00 2 003404-3 Agravante : E. C. R. Agravado : J. G. DA S. J. Relatora : Desembargadora HAYDEVALDA SAMPAIO EMENTA AGRAVO

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em relação aos magistrados e servidores do Tribunal Regional

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais