ESCRITÓRIO DE PROJETOS: PROPOSTA DE UM MODELO PARA O SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCRITÓRIO DE PROJETOS: PROPOSTA DE UM MODELO PARA O SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA RESUMO"

Transcrição

1 ESCRITÓRIO DE PROJETOS: PROPOSTA DE UM MODELO PARA O SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA Bartira Dyacui de Souza Lima RESUMO As mudanças são cada vez mais rápidas no universo da informação, novos serviços e produtos surgem a todo o momento, exigindo constante atualização das bibliotecas e dos profissionais que trabalham na área e o mercado do ensino está cada vez mais competitivo, fazendo com que as instituições busquem um diferencial competitivo. A implantação de um escritório de projetos no Sistema de Bibliotecas na Universidade Católica de Brasília SIBI/UCB é uma solução neste cenário de mudanças, pois promoveria e divulgaria os projetos desenvolvidos pela instituição, estimularia o desenvolvimento de projetos, disponibilizaria e conservaria metodologias e ferramentas, administraria recursos para os projetos, garantiria o alinhamento dos projetos à estratégia da instituição e gerenciara e preservaria informações e documentações, agregando valor para a instituição. Essa proposta de modelo mostra que a implantação de um escritório de projetos, ajudaria a estabelecer padrões e métodos para os projetos desenvolvidos pelo SIBI, possibilitando o seu gerenciamento de forma eficaz, ajudando na consolidação de novos serviços e produtos para a instituição. Palavras-Chave: Escritório de projetos. Bibliotecas universitárias. Cultura organizacional. Universidades. Ensino superior. Projetos. Universidade Católica de Brasília. Artigo apresentado ao curso de especialização MBA Gestão de Projetos da Fundação Universa, como requisito para obtenção ao título de Especialista em Gestão de Projetos. Artigo aprovado pelo professor Fábio de Mello. Brasília, 21 de dezembro de

2 1 INTRODUÇÃO As mudanças são cada vez mais rápidas no universo da informação, novos serviços e produtos surgem a todo o momento, exigindo constante atualização das bibliotecas e dos profissionais que trabalham na área. Assim, essas bibliotecas e esses profissionais precisam não só manter-se atualizado como manter organizado o controle desses novos serviços e produtos. Segundo Moreira, Cardim e Dib (2007): Vivemos uma época em que a informação constituí-se bem econômico e instrumento político das nações. A gestão da informação revela-se como atividade primordial nos diversos segmentos da sociedade. Saber gerir a informação é o primeiro passo para garantir o desenvolvimento (econômico, social cultural e científico) e a competitividade. Diante deste cenário, faz-se necessária implantar uma estrutura ou um setor que acompanhe essa evolução, um escritório de projetos, que permita que as instituições trabalhem de forma padronizada, com visão global, visando à melhoria da eficiência no planejamento e condução dos projetos. Afinal, as mudanças representam não só desafios, mas também oportunidades, e toda mudança em tese deveria virar um novo projeto. 2 JUSTIFICATIVA O presente estudo se justifica pela necessidade de conduzir, planejar, organizar, controlar e finalizar as atividades dos projetos desenvolvidos pelo Sistema de Bibliotecas - SIBI da Universidade Católica de Brasília - UCB. Outra justificativa é a necessidade da criação de uma ferramenta que possa: promover e divulgar os projetos desenvolvidos pelo Sistema de Bibliotecas; estimular o desenvolvimento de projetos; disponibilizar e conservar metodologias e ferramentas; administrar recursos para os projetos; garantir o alinhamento dos projetos à estratégia da instituição e gerenciar e preservar informações e documentações. 3 OBJETIVOS 3.1 Objetivo Geral Propor um modelo de escritório de projetos no Sistema de Bibliotecas da Universidade Católica de Brasília. 2

3 3.2 Objetivos Específicos a) Promover e divulgar os projetos desenvolvidos pelo Sistema de Bibliotecas; b) Estimular o desenvolvimento de projetos; c) Disponibilizar e conservar metodologias e ferramentas; d) Administrar recursos para os projetos; e) Garantir o alinhamento dos projetos à estratégia da instituição; f) Gerenciar e preservar informações e documentações. 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA 4.1 Início Em agosto de 1972, por iniciativa de diversas Congregações de religiosos Educadores de Brasília, nascia a União Brasiliense de Educação e Cultura UBEC mantenedora da Universidade Católica de Brasília UCB. A UCB iniciou suas atividades em 1974, como Faculdades de Ciências Sociais, com os cursos de Administração, Economia e Pedagogia. Suas faculdades e cursos multiplicaram-se através dos anos, tornando-se, em 1983, as Faculdades Integradas da Católica de Brasília. Ao final de 1994, foi reconhecida como Universidade Católica de Brasília, pelo então, Conselho Federal de Educação. Atua na área educacional abrangendo da Educação Básica ao Doutorado, desenvolvimento da pesquisa e o campo extensionista. 4.2 Princípios Fundamentais Os princípios que orienta a práxis da UCB são: a) A valorização da vida em todas as suas formas; b) Respeito à dignidade da pessoa humana e à liberdade pessoal; c) A busca da verdade e do transcendente; d) Relacionamento de estima consigo mesmo, com os outros, com o mundo e com Deus. 4.3 Missão Atuar solidariamente e efetivamente para o desenvolvimento integral da pessoa humana e da sociedade, por meio da geração e comunhão do saber; comprometida com qualidade e os valores éticos e cristãos, na busca da verdade. 3

4 4.4 Visão de Futuro Em 2010 a Universidade Católica de Brasília será reconhecida nacionalmente: pela qualidade de seu ensino, pela relevância de sua pesquisa e pela efetividade de sua extensão, formando cidadãos de acordo com os princípios humanísticos e cristãos. 4.5 Estrutura As informações que se seguem são de responsabilidade da autora, pois durante o processo de escritura do artigo, a nova estrutura organizacional da Universidade Católica de Brasília estava em estudo. São órgãos da estrutura da universidade: a) Mantenedora; b) Conselho Universitário; c) Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; d) Reitoria; e) Pró-Reitoria de Graduação; f) Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa; g) Pró-Reitoria de Extensão; h) Diretoria de Administração. 4

5 UBEC CHANCELARIA CONSUN CONSEPE Reitoria Diretoria de Desenvolvimento e Inovação Secretaria Geral Diretoria de Sistema de Bibliotecas Assessoria Jurídica HUCB Assessoria de Relações com o Mercado PRó-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO UCB VIRTUAL Diretorias de Cursos de Graduação Unidade de Assessoria Didático Administrativo Unidade de Assessoria Didático- Educacional Secretaria Acadêmica Diretoria de Programas de Pós- Graduação Stricto Sensu Diretoria de Programas de Pós- Graduação Lato Senso Diretoria de Programas Comunitários Diretoria de Programas de Extensão Diretoria de Programas de Pastoral Diretoria de Tecnologia da Informação Gerência de Finanças e Controladoria Gerência de Manutenção e Conservação Diretoria de Cursos de Pós-Graduação Diretoria do Programa de Pesquisa Editora Universa Figura 1 - Representação Organizacional (Estudo) da Universidade Católica de Brasília Fonte: Elaborado pela autora. 5

6 4.5.1 Mantenedora Universidade Católica de Brasília UCB é mantida pela União Brasiliense de Educação e Cultura (UBEC), uma sociedade civil, sem fins lucrativos, filantrópica, de utilidade pública e formada por seis congregações religiosas, com experiência secular em educação: a) Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs Irmãos Lassalistas; b) Congregação do Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo Padres e Irmãos Estigmatinos; c) Instituto dos Irmãos Maristas das Escolas Irmãos Maristas; d) Sociedade São Francisco de Sales Salesianos de Dom Bosco; e) Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora Irmãs Salesianas; f) Instituto Católico de Minas Gerais Conselho Universitário e Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Órgãos Colegiados de Deliberação Superior representativos dos diferentes setores com funções consultivas e deliberativas. a) Conselho Universitário - CONSUN; é o órgão Máximo da hierarquia da Universidade, compete-lhe deliberar sobre assuntos da maior relevância como: formular a política global e dar as diretrizes institucionais da Universidade; b) Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE: compete estabelecer diretrizes para as atividades de pesquisas e Extensão; fixar normas complementares ao regimento, referente aos assuntos acadêmicos Reitoria Órgão de deliberação e administração superior, que coordena, supervisiona e superintende todas as atividades da Universidade, é exercida pelo Reitor e integrada pelo: a) Pró-Reitor de Graduação; b) Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa; c) Pró-Reitor de Extensão; d) UCB Virtual e) Diretoria de Administração Pró-Reitoria de Graduação A Pró-Reitoria de Graduação coordena, supervisiona e administra as atividades de Ensino de Graduação, integrando-as às atividades de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Coordena a elaboração do planejamento das atividades de 6

7 Graduação, devidamente compatibilizado com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI. Compete a Pró-Reitoria de Graduação: a) Supervisionar e avaliar o desenvolvimento dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação; b) Propor aos órgãos competentes a criação e extinção de cursos, bem como a desativação e o remanejamento de vagas; c) Elaborar normas sobre a instituição e o funcionamento dos Cursos de Graduação; d) Supervisionar as atividades do Processo Seletivo, da matrícula, do controle acadêmico e do apoio ao Ensino de Graduação; e) Promover a atualização e aperfeiçoamento permanente do seu pessoal. Os órgãos que formam a Pró-Reitoria de Graduação são: Diretorias de Cursos de Graduação, Unidade de Assessoria Didático Administrativo (UADA); Unidade de Assessoria Didático-Educacional (UADE) e a Secretaria Acadêmica Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa É o órgão que coordena, supervisiona e administra as atividades de Pós- Graduação e de Pesquisa, integrando-as às atividades de Ensino de Graduação e Extensão. Compete à Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa: a) Coordenar a elaboração do planejamento das atividades de Pós-Graduação e de Pesquisa, devidamente compatibilizado com o PDI; b) Supervisionar e avaliar o desenvolvimento da pesquisa e dos projetos pedagógicos dos Cursos e Programas de Pós-Graduação; c) Propor aos órgãos competentes a criação e a extinção de Programas e Cursos de Pós-Graduação, bem como a desativação e o remanejamento de vagas; d) Coordenar a análise técnico-científica dos projetos de Pesquisa e apresentálos aos órgãos competentes para aprovação; e) Manter intercâmbio com instituições científicas, visando a incentivar os contatos entre pesquisadores e o desenvolvimento de projetos comuns; f) Elaborar normas sobre a instituição e o funcionamento dos Programas e Cursos de Pós-Graduação e da Pesquisa; g) Promover a atualização e aperfeiçoamento permanente de seu pessoal. Os órgãos que formam a Pró-Reitoria de Pós-Graduação são: Diretorias de Cursos de Pós-Graduação, Diretoria de Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu, Diretoria de Programa de Pós-Graduação Lato Sensu, Diretoria de Programa de Pesquisa e a Editora Universa Pró-Reitoria de Extensão A extensionalidade, no que cabe a PROEx, objetiva promover ações institucionalmente articuladas que visam ampliar a acessibilidade do conhecimento 7

8 gerado ou sistematizado pela Universidade, por meio da transferência de inovação tecnológica, da proposição de ações sócio-comunitárias, de eventos científicos e da prestação de serviços. De forma mais específica é responsável por: a) Promover eventos acadêmicos e científicos, integrados ao ensino e à pesquisa; b) Oferecer cursos (oficinas) de curta duração com a perspectiva da atualização ou complementação do ensino e da capacitação profissional; c) Promover ações e a estruturação de ambientes próprios para a transferência de inovação tecnológica; d) Prestar de serviços nas áreas da educação, da saúde, da tecnologia e das ciências sociais aplicadas; e) Propor ações sócio-comunitárias, com vistas ao desenvolvimento sustentável de comunidades Diretoria de Administração A Diretoria de Administração coordena e supervisiona as atividades de administração. È constituída de uma Diretoria de Tecnologia da Informação, Gerência de Finanças e Controladoria e Gerência de Manutenção e Conservação. Compete à Diretoria de Administração: a) Coordenar o planejamento das atividades administrativas, devidamente compatibilizado com o PDI; b) Elaborar, auxiliado pelos órgãos competentes, a proposta orçamentária anual, a ser submetida ao CONSUN; c) Supervisionar, coordenar e controlar a programação e a execução das atividades de Recursos Humanos, Material e Patrimônio, Orçamento, Contabilidade e Finanças e Serviços Gerais; d) Elaborar normas sobre a instituição e o funcionamento das atividades administrativas; e) Promover a atualização e aperfeiçoamento permanente de seu pessoal UCB Virtual A UCB criou a sua universidade virtual (UCBV) para o desenvolvimento de tecnologia na educação e educação a distância. Em sua curta existência, a Católica Virtual está consolidada como uma importante referência nacional em educação a distância, reconhecida como um espaço de aprendizagem colaborativa e comprometida com seu projeto de uma educação superior de qualidade e com o desenvolvimento. 8

9 4.5.9 Órgãos de Apoio e Suplementares São órgãos de apoio: Secretaria Geral, Assessoria Jurídica e Assessoria de Relações com o Mercado; são órgãos suplementares: Diretoria de Desenvolvimento e Inovação, Diretoria do Sistema de Biblioteca e o Hospital Universitário da Católica de Brasília Sistema de Bibliotecas O objetivo do Sistema de Bibliotecas SIBI é estabelecer condições e procedimentos para a utilização dos serviços, materiais e instalações das Bibliotecas da UCB, de forma a garantir o perfeito funcionamento de suas atividades e a qualidade do atendimento aos usuários. Atualmente o quadro de pessoal do SIBI é composto por 66 funcionários e o horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira de 7h00 as 23h00 e aos sábados das 8h00 às 18h Estrutura Organizacional do Sistema de Bibliotecas O Sistema de Bibliotecas da Universidade Católica de Brasília SIBI/UCB é uma unidade da Reitoria da UCB, que objetiva oferecer à comunidade universitária, serviços e produtos de informação relevantes ao desenvolvimento dos Programas de Ensino, Pesquisa e Extensão. O SIBI é formado por uma Diretoria, três Coordenações e uma Supervisão: Coordenação de Formação do Acervo, Coordenação de Processamento do Acervo, Coordenação de Serviços aos Usuários, Supervisão de Referência e Circulação Diretoria do Sistema de Bibliotecas A Diretoria tem a função estratégica de planejamento global, coordenação e supervisão geral das atividades técnicas e administrativas do SIBI, a articulação interna junto a instâncias superiores, unidades acadêmicas, técnicas e administrativas, e as representações externas, visando à inserção da UCB em redes de bibliotecas e projetos nacionais de informação científica e tecnológica de interesse aos programas acadêmicos Coordenação de Formação do Acervo À Coordenação de Formação do Acervo - CFA compete o planejamento, a execução, a avaliação e o controle das atividades de seleção, aquisição, controle e registro patrimonial do material informacional. 9

10 Atualmente a CFA conta com 11 colaboradores, sendo três (3) bibliotecários, um (1) assistente de biblioteca e sete (7) auxiliares de biblioteca Coordenação de Processamento do Acervo À Coordenação de Processamento do Acervo CPA compete à coordenação, execução e avaliação das atividades de processamento técnico e preparo para uso de todo o material informacional do SIBI. A CPA conta com 11 colaboradores, sendo quatro (4) bibliotecários, quatro (4) auxiliares de biblioteca e três (3) funcionários de apoio. O SIBI possui hoje um acervo de aproximadamente volumes, títulos, conforme é apresentado na tabela 1, entre livros, teses e dissertações, folhetos, DVDs, fitas de vídeo, fitas cassetes, CD-ROMs, disquetes, slides, e jornais e revistas. TABELA 1 Acervo Distribuído por Áreas do Conhecimento SIBI 2007 Área de Conhecimento Títulos Volumes Ciências Agrárias Ciências Exatas, da Terra Ciências Biológicas Ciências da Saúde Ciências Humanas Ciências Sociais Aplicadas Engenharias Lingüística, Letras e Artes Outros (Biomedicina, Engenharia Ambiental, Gerontologia, Mestr. e Dout. em Planej. Ambiental, Mestr. Em Ciências Genômicas e Biotecnologia, Relações Internacionais, Vigilância * Total Fonte: CPA/SIBI, novembro de 2007 * Obras de referência (anuários, enciclopédias, e outros) e periódicos multidisciplinares Coordenação de Serviços aos Usuários À Coordenação de Serviços aos Usuários CSU compete o planejamento, execução, avaliação e controle das atividades relacionadas à instituição e divulgação de acervo e prestação de serviços e atendimento aos usuários. O quadro de funcionários da CSU é composto por quarenta e um (41) funcionários, dos quais, 10

11 seis (6) são bibliotecários, trinta e cinco (35) auxiliares de biblioteca. A CSU é estruturada pela: Seção de Referência e Circulação (SRC); Núcleo de Serviços Eletrônicos (NSE); Biblioteca Setorial da Pós-graduação (BPG); Posto de Atendimento no Colégio Dom Bosco; Posto de Atendimento no Hospital das Forças Armadas (HFA). 5 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 5.1 Projeto Conceito Projeto é um instrumento fundamental para qualquer atividade de mudança e geração de produtos e serviços. São únicos, uma vez que gera algo diferente do que já foi feito anteriormente. Podem envolver uma única pessoa ou milhares de pessoas organizadas em times, são empreendimentos temporários que possuem nício e fim definidos. Segundo o Project Management Institute - PMI (2004) entende-se como um projeto qualquer esforço temporário, com prazo determinado, organizado com vistas a atingir um objetivo único, com um resultado bem definido, planejado, executado e controlado por pessoas, com recursos limitados. Goodpasture (2000), por sua vez define projeto como conjunto de tarefas únicas, interdependente e não repetitivas planejadas e executadas de forma a produzir algum resultado. Vargas (2005) por fim define projeto como: Empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica, com início, meio e fim, e que se destina atingir um objetivo claro e definido, sendo conduzido por pessoas dentro de parâmetro predefinidos de tempo, custo, recursos envolvidos e qualidade. Na visão do autor, todos os autores citados, exibem definições parecidas para projeto, abordando a questão da temporalidade, que é uma característica muito importante quando se fala sobre esse assunto, pois todo projeto, via de regra, deve ter um início e um fim definidos. Outra característica importante abordada nas definições é a questão que o projeto só termina quando os objetivos para qual foi criado são alcançados ou quando se torna evidente que os objetivos do projeto não serão ou não poderão mais ser atingidos ou a necessidade do projeto não existe mais. 11

12 5.1.2 Fatores Críticos para o Sucesso ou Fracasso dos Projetos Kimons (2001) enumera nove componentes para o sucesso do projeto: a) Definição adequada e precisa do escopo; b) Boa definição e priorização das razões para se fazer o projeto; c) Entendimento dos riscos potenciais que podem afetar o projeto; d) Um bom plano de gerenciamento desses riscos; e) Projeto adequado para medir a performance, durante o andamento do projeto, de cada um dos indicadores associados aos objetivos; f) Confecção de um plano de execução logo após a definição da estratégia do projeto; g) Ìnício imediato da execução de um plano de recuperação quando detectados desvios do realizado em comparação com o projetado; h) Incorporação rápida de cada mudança aprovada de escopo; i) Relatórios periódicos de status adaptados ao que os interessados no projetam deseja. Além desses citados por Kimons, observa-se outros fatores que contribuem para o sucesso do projeto: planejamento efetivo no início; desenho organizacional apropriado; autoridade e responsabilidade delegadas; acompanhamento adequado da alta administração; sistema eficiente de monitoração, avaliação e controle do uso de recursos do projeto; planejamento eficaz de contingências; sistema adequado de informações gerenciais; participação intensa da equipe de projetos quanto à tomada e à execução de decisões no projeto, entre outros. Os fatores de fracasso são mencionados por Crawford (2000, apud YAZBECK, 2005) diz que o gestor de projetos incumbido de gerenciar um projeto sem nenhuma metodologia, procedimento e processo formais para apoiá-lo terá grande problemas para manter o projeto sob controle As razões pelos quais um projeto pode falhar incluem: a) A alta administração não dar suporte ao projeto; b) Análise de riscos fraca ou inexistente; c) Exceder os custos e/ou a programação; d) Falta de dedicação por parte dos membros da equipe; e) Fazer um desenho errado dos padrões técnicos de desempenho do projeto; f) Gestor que não tem uma visão corporativa de planejamento e não dispõem de habilidades no uso de ferramentas para o gerenciamento; g) O projeto não ser adequado à missão, aos objetivos e às metas da empresa; h) Má relação com os stakeholders do projeto i) Os stakeholders ficarem insatisfeitos com o andamento do projeto e/ou os resultados obtidos. Nota-se que os fatores de sucesso e fracasso de um projeto estão ligados a metodologia de aplicação, ao relacionamento do gerente de projetos com os stakeholders e apoio da alta administração. 12

13 5.2 Gerenciamento de Projetos Conceito Observa-se que as mudanças estão ocorrendo em alta velocidade, de modo que, sempre associamos às mudanças a necessidade de criar projetos, e realmente eles são necessários para o desenvolvimento de novos produtos e serviços. Diante disso, o gerenciamento de projetos é visto como um grande desafio nesta época de globalização, novas tecnologias, novos mercados; superar esse desafio significa criar projetos de forma eficiente. E de acordo com Kerzner (2001), gerenciar projetos de forma eficiente nessa era de grandes mudanças é um dos grandes desafios do executivo dos tempos modernos. Desta forma o gerenciamento de projetos é citado por vários autores como um conjunto de ferramentas ou habilidade. O Project Management Body of Knowledge PMBOK (2004) define como: Aplicação de conhecimento, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de atender aos seus requisitos. O gerenciamento de projetos é realizado através da aplicação e da integração dos seguintes processos de gerenciamento de projetos: iniciação, planejamento, execução, monitoramento e controle, e o encerramento. Para Vargas (2005), o gerenciamento de projetos é: Conjunto de ferramentas gerenciais que permite que a empresa desenvolva um conjunto de habilidades, incluindo conhecimentos e capacidade individuais, destinada ao controle de eventos não repetitivos, únicos e complexos, dentro de um cenário de tempo, custo e qualidade prédeterminados PMBoK O gerenciamento de projetos foi formalizado como ciência na década de 60, mas foi a partir da criação do PMI (Project Management Institute), que se consolidou. O PMI foi fundado em 1969 como uma instituição sem fins lucrativos e está sediada na Filadélfia, Estados Unidos da América. O principal objetivo da instituição é difundir a gestão de projetos no mundo, de forma a promover ética e profissionalismo no exercício desta atividade. Em 1987, o PMI produziu a primeira versão do PMBoK, (Project Management Body of Knowledge), o qual fornece uma referência básica em nível de conhecimentos e práticas do gerenciamento de projetos, constituindo-se em um padrão mundial, aceito inclusive pela ANSI (American National Standard Institute). Além da ANSI, o IEEE (Institute of Eletrical and Eletronic Engineers) também o reconheceu como padrão de gerenciamento de projetos e a está sendo utilizado 13

14 como referência pela ISO (International Standards Organization) e por empresas que desenvolvem sua própria metodologia de gerenciamento de projetos. O PMBoK reúne todo o conhecimento comprovado com as práticas tradicionais e também as práticas inovadoras e avançadas para todas as áreas de conhecimento que envolve projetos. PMBoK está estruturado em cinco grupos de processos: Iniciação, Planejamento Execução, Controle e Encerramento e nove áreas de conhecimento: integração, escopo, tempo, custo, qualidade recursos humanos, comunicações, riscos e aquisições. Na figura a seguir, é apresentada a visão das áreas de conhecimento e os processos de gerenciamento de projetos conforme o PMBoK (2004). Figura 2 - Visão das áreas de conhecimento de gerenciamento de projetos e processos de gerenciamento de projetos Fonte: Adaptado do PMBoK (2004) pela autora O PMBoK (edição de 2004) é organizado em nove áreas de conhecimento e, por sua vez, cada área de conhecimento é descrita por meio de processos que se refere a um aspecto a ser considerado dentro da gerência de projetos. a) Gerência de integração do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto sejam adequadamente coordenados; b) Gerência do escopo do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que o projeto contemple todo o trabalho requerido, e nada 14

15 mais que o trabalho requerido, para completar o projeto com sucesso. Ele é composto pelo planejamento do escopo, definição do escopo, criar EAP, verificação do escopo e controle do escopo; c) Gerência do tempo do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que o projeto termine dentro do prazo previsto. Ele é Definição da atividade, seqüenciamento de atividades, estimativa de recursos da atividade, estimativa de duração da atividade, desenvolvimento do cronograma e Controle do cronograma; d) Gerência do custo do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que o projeto seja completado dentro do orçamento previsto. Ele é composto pela estimativa dos custos, orçamentação e controle dos custos; e) Gerência da qualidade do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que as necessidades que originaram o desenvolvimento do projeto serão satisfeitas. Ele é composto pelo planejamento da qualidade, garantia da qualidade e controle da qualidade; f) Gerência dos recursos humanos do projeto: descreve os processos necessários para proporcionar a melhor utilização das pessoas envolvidas no projeto. Ele é composto pelo planejamento de recursos humanos, contratar ou mobilizar a equipe do projeto, desenvolver e gerenciar a equipe do projeto; g) Gerência das comunicações do projeto: descreve os processos necessários para assegurar que a geração, a captura, distribuição, armazenamento e pronta apresentação das informações do projeto sejam feitas de forma adequada e no tempo certo. Ele é composto pelo planejamento das comunicações, distribuição das informações, relatório de desempenho e gerenciar as partes interessadas; h) Gerência dos riscos do projeto: descreve os processos que dizem respeito à identificação, análise e resposta a riscos do projeto. Ele é composto pelo planejamento do gerenciamento de riscos, identificação dos riscos, análise qualitativa dos riscos, análise quantitativa dos riscos, planejamento de respostas aos riscos e monitoramento e controle dos riscos; i) Gerência das aquisições do projeto: descreve os processos necessários para a aquisição de mercadorias e serviços fora da instituição que desenvolve o projeto. Ele é composto pelo planejar compras e aquisições, planejar contratações, solicitar respostas de fornecedores, selecionar fornecedores, administração de contrato, encerramento do contrato. 5.3 Tipos de Estruturas Organizacionais Todo projeto está imerso em uma determinada hierarquia que precisa ser constantemente respeitada pelo gerente de projeto, não se pode considerar o projeto mais importante que a própria organização, ou até mesmo maior que o meio ambiente que cerca todas as organizações (VARGAS, 2005). 15

16 Os projetos são diretamente influenciados pelas estruturas organizacionais a qual estão inseridos, sendo que sua autonomia será limitada aos interesses da empresa. Vargas (2005) destaca as principais estruturas organizacionais: a) Organizações funcionais; b) Organizações matriciais leves; c) Organizações matriciais balanceadas; d) Organizações matriciais fortes; e) Organizações por projetos. A maioria das organizações modernas envolve todas as estruturas ao mesmo tempo em seus organogramas, há setores onde a estrutura é totalmente funcional até departamentos inteiros voltados completamente para projetos, são denominadas estruturas compostas ou mistas Estrutura Organizacional Funcional Utiliza a mesma linha de controle para projetos e rotinas, marcado pela presença da hierarquia funcional na organização, os projetos são conduzidos por equipes pertencentes a cada departamento, e suas responsabilidade são limitadas pelas fronteiras de suas funções, a importância dada ao projeto é pequena e as tarefas desenvolvidas normalmente têm algum vínculo funcional com o envolvido Estrutura Matricial Leve Caracterizada pela alocação de pessoa na condução de projetos com uma pequena autoridade formal sobre as atividades e os recursos do projeto, esse administrador coordenador ou expedidor, do projeto é, basicamente, um staff dos executivos, que tem a responsabilidade operacional sobre o projeto, essa estrutura é usada apenas quando o projeto é relativamente pequeno e simples Estrutura Matricial Balanceada Caracterizada pela alocação de um gerente de projetos formal para conduzir o trabalho no projeto, esse coordenador ou gerente de projeto passa a ter um conjunto maior de responsabilidade e é responsável por coordenar diversas atividades do projeto, essa estrutura é usada não só apenas quando o projeto ainda é relativamente pequeno e simples, mas também nas primeiras experiências de gerenciamento de projetos da empresa Estrutura Matricial Forte Caracterizada por ter ampla visão na organização e alto valor na gestão de projetos, resulta em um sistema autoridade-responsabilidade-disponibilidade misto 16

17 dentro da empresa, os projetos são conduzidos por gerente de projetos que tem dedicação em tempo integral ao projeto e autonomia comparável à do gerente funcional Estrutura Organizacional por Projetos Caracterizado por uma estrutura quase exclusiva de projetos na organização, engloba toda a parte funcional da organização dentro de cada projeto, os projetos são conduzidos por gerentes de projetos que se dedicam em tempo integral ao projeto com autonomia total. 5.4 ESCRITÓRIO DE PROJETOS Conceito O conceito de PMO - Project Management Office surgiu no final da década de 50 e começo da década de 60 (KERZNER, 2006). É uma estrutura de apoio à gestão nas organizações, responsável pela aplicação dos conceitos de gerenciamento de projetos. O PMO pode ser definido como uma entidade organizacional estabelecida para auxiliar os gerentes de projeto e os times da instituição na implementação dos princípios, práticas, metodologias, ferramentas e técnicas do gerenciamento de projetos (DAI, 2001). O PMO é o local central para conduzir, planejar, organizar, controlar e finalizar as atividades do projeto. É o local onde se pode obter uma visão global e panorâmica de todo o projeto. Além disso, é a casa do time do projeto, onde todo suporte está disponível. Dessa forma, os gerentes de projetos podem liberar maior parte do seu tempo para análise de dados e tomada de decisão (VARGAS, 2005). Escritório de Projetos, ou PMO é um corpo ou entidade organizacional à qual são atribuídas várias responsabilidades ao gerenciamento centralizado e coordenado dos projetos sob seu domínio. As responsabilidades de um PMO podem variar desde o fornecimento de funções de suporte ao gerenciamento de projetos até o gerenciamento direto de um projeto (PMBoK, 2004). Segundo Kerzner (2002) os projetos reúnem e vendem conhecimento, então podemos afirmar que o objetivo de um escritório de projetos é dar orientação e suporte para a instituição, permitindo a ela desenvolver seus conhecimentos (projetos) com efetividade. Assim, escritório de projetos é uma unidade que possibilita incrementar a qualidade de condução dos projetos, por meio da estruturação e implantação de processos e métodos de gestão, simultaneamente com o acompanhamento dos projetos e o suporte efetivo às equipes na execução das funções de gestão, com a finalidade de atingir os objetivos propostos. 17

18 5.4.2 Funções do Escritório de Projetos Quelhas e Barcaui (2003) sintetizam bem a diversidade de tipos e funções de um escritório de projetos: O escritório de projetos (Project Management Office) é hoje em dia uma das estruturas organizacionais mais estudadas pelas empresas, dos mais diversos portes e segmentos. Seu modelo pode variar de acordo com a maturidade da empresa, mas em geral sugere uma administração centralizada do portfólio de projetos da instituição oferecendo um ponto único de contato e de apoio á decisão. Além disto, dependendo da forma como for implantado, o PMO ainda proporciona suporte metodológico e coaching aos próprios gerentes de projetos. Vargas (2005) descreve algumas funções de um escritório de projetos: a) Gerenciamento de cronogramas; b) Geração e elaboração de documentos e relatórios do projeto; c) Atuar como a sala de situação ou war room; d) Manutenção de histórico do projeto; e) Operação de ferramentas computacionais e software de gerenciamento de projetos Tipos de Escritório de Projetos Kerzner (2006) define três tipos de PMO: a) Funcional, que gerencia um conjunto crítico de recursos dentro de um setor para alocação em projetos específicos daquele mesmo setor da instituição; b) Grupo de clientes, que objetiva a melhoria da comunicação com estes. Clientes ou Projetos comuns são agrupados e acabam funcionando como uma instituição temporária dentro da própria instituição; c) Corporativo, que atende toda a corporação e concentra-se em questões estratégicas e corporativas. Vargas (2005) afirma que existem três níveis de escritório de projetos de acordo com a finalidade e a característica de atuação desejada pela organização: a) Projeto autônomo: escritório de projetos separados das operações da empresa, destinado ao gerenciamento de um projeto ou programa específico, onde a responsabilidade quanto ao sucesso ou fracasso é do próprio escritório de projetos; b) Project support office: escritório de esfera departamental destinado ao apoio a diversos projetos simultâneos, fornecendo suporte, ferramentas e serviços de planejamento, controle de prazos, custos, qualidade, dentre outros. Também pode fornecer técnicos, metodologias de gerenciamento de projetos, metodologia de gestão do 18

19 conhecimento, interfaces organizacionais, tornando-se um centro de competência em projetos; c) Enterprise project support office: escritório de projetos de esfera corporativa, atuando no gerenciamento estratégico de todos os projetos da organização. Suas principais funções são o planejamento estratégico dos projetos, o gerenciamento dos projetos corporativos e interdepartamentais, a gestão do conhecimento empresarial em projetos, além de representar a interface entre os envolvidos no projeto. Já Dinsmore (1998, apud PATAH, CARVALHO e LAURINDO, 2003) propõem quatro modelos de escritório de projetos: a) Project Support Office (PSO), ou Escritório de Projetos de Suporte, provê para os gerentes de projetos suporte no planejamento e criação do cronograma, acompanhamento, preparação e gestão de contratos, gestão financeira, gestão de mudanças de escopo, suporte a ferramentas e softwares, mensuração, gestão de documentos e auditoria de status; b) Project Management Center of Excellence (PMCOE), ou Centro de Excelência em Gestão de Projetos, são voltados para a disseminação de melhores práticas para melhoria da performance de projetos. Está focado em promoção de treinamentos, padronização de processos, consultoria interna, gestão de competências dos profissionais de projetos, identificação de melhores práticas, priorização de projetos, definição e padronização de ferramentas e softwares, relatório de portfólio, disseminação da cultura de gestão de projetos e busca de benchmarking interno e externo; c) Program Management Office (PrgMO), ou Escritório de Gerenciamento de Programas, responsável pela execução de um conjunto de projetos e atua alocando recursos, recrutando e desenvolvendo gerente de projetos, seleção e priorização de projetos, alinhamento destes com as estratégias da corporação, metodologia de relatório de desempenho do portfólio, contabilidade de programas, gerenciamento de mudança (visão humana) e coordenação de gerentes de projetos. d) Chief Project Officer (CPO) é um cargo que está no topo da instituição, similar aos cargos de COO, CFO e CIO, é utilizado em pouquíssimas empresas. Este executivo e sua equipe direta têm autoridade sobre projetos estratégicos incluindo envolvimento na tomada de decisão sobre negócios que implicam em desenvolvimento de novos projetos, planejamento estratégico de projetos, definição de prioridades e negociação de recursos para projetos, visão global sobre a implementação de projetos estratégicos, desenvolvimento de um sistema de gestão integrada de projetos, revisão periódica de projetos e decisão sobre interrupção de projetos, além do gerenciamento de stakeholders de alto nível. Englund, Graham e Dinsmore (2003) propõem a avaliação de quatro fatores para definir qual o tipo de escritório de projetos ideal para cada empresa: O tamanho da instituição e sua dispersão geográfica, quais os resultados esperados do escritório de projetos (informação para gestão, padronização de metodologias, 19

20 gestão de stakeholders), quais os obstáculos existentes à sua implementação (falta de suporte do alto nível da instituição, grande resistência dos níveis operacionais, qual o nível de mudança organizacional necessária) e quais as particularidades da organização que podem facilitar ou atrapalhar a implementação do escritório de projetos (a organização é focada em projetos ou processos). Para Crawford (2001), o escritório de projetos pode ocorrer em três níveis, conforme é apresentado na figura 4: Figura 3 - Níveis de escritório de projetos Fonte: Adaptada de Kent J. Crawford pela autora O nível adequado para o escritório de projetos dependerá do grau de maturidade e dos objetivos da instituição em relação à gestão de projetos. No nível 1, o escritório é responsável por um projeto ou programa específico. No nível 2, que seria um nível departamental, o escritório é responsável pela coordenação de múltiplos projetos ou programas, adquirindo um maior nível de especialização. E no nível 3, na esfera corporativa, o escritório é responsável pela seleção, priorização e coordenação dos projetos e programas sob a perspectiva dos objetivos estratégicos da organização. O tipo de escritório de projetos de uma instituição na realidade depende de seus objetivos e deve estar de acordo com o papel do gerenciamento de projetos dentro da estratégia corporativa, de forma a refletir a estrutura organizacional e a alocação de projetos dentro dela. 5.5 Modelos de Maturidade em Gestão de Projetos Modelo de maturidade em gestão de projetos é uma estrutura conceitual, composta por processos bem estabelecidos, por meio do qual uma organização desenvolve-se de modo sistêmico a fim de atingir um estado futuro desejado. A cada 20

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h

Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br. PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Salvador César Costa salvadorc03@yahoo.com.br PALESTRA Duração prevista: 01:30 h Breve Currículo do Palestrante Filme Ilustrativo O Veleiro Objetivos do Tema : Projeto e Gestão Teoria x Prática de Gestão

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto?

Objetivos da aula. Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. O que é um plano de projeto? O que é um projeto? Planejamento, Execução e Controle de Projetos de Software. Objetivos da aula 1) Dizer o que é gerenciamento de projetos e a sua importância; 2) Identificar os grupos de processos do gerenciamento de projetos

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos

Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos Gestão de Projetos Empresariais Objetivos: Conceituar projetos e a gerência de projetos. Conhecer a importância e os benefícios do gerenciamento de projetos Conhecer o PMI, o PMBOK, os grupos de processos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Capítulo 1. Introdução ao Gerenciamento de Projetos Capítulo 1 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 2 1.1 DEFINIÇÃO DE PROJETOS O projeto é entendido como um conjunto de ações, executadas de forma coordenada por uma organização transitória, ao qual são

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gerenciamento de Projetos Coordenação Acadêmica: Dr. André Valle APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em 1944,

Leia mais

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas

Introdução. AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos. Tema relevante em diversas áreas Universidade do Sagrado Coração Introdução a Gestão de Projetos Paulo Cesar Chagas Rodrigues AULA 2 A Organização empresarial e a gestão de projetos Iniciação 30/set/2008 Engenharia de Produto 2 2 Introdução

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011

Tutorial de Gerenciamento de Projetos. Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Tutorial de Gerenciamento de Projetos Erika Yamagishi Semana de Qualidade e Gestão Unicamp/FT 13 de maio de 2011 Apresentação Erika Yamagishi Engenheira de Computação pela UNICAMP Consultora associada

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos Você vai aprender: Introdução ao Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento da Integração; Gerenciamento de Escopo- Declaração de Escopo e EAP; Gerenciamento de Tempo; Gerenciamento

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA

COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA COACHING E MENTORING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Assegure resultados superiores do seu time de projetos e dos executivos com o coaching e mentoring exclusivo da Macrosolutions.

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS E INVESTIMENTOS CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Como realizar inúmeros projetos potenciais com recursos limitados? Nós lhe mostraremos a solução para este e outros

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde

Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: Implantação da Gestão de Projetos na Gerência de Planos, Metas e Políticas de Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 No início de 2010, após

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013

PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M. Setembro/2013 PMO A implantação do Escritório de Projetos e a C&M Setembro/2013 Apresentação Newton Leandro Gonçalves Braga Especialista em Manutenção Industrial e Engenheiro Civil Pós graduando em Gestão de Projetos

Leia mais