Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas"

Transcrição

1 Evolução da estrutura de gerenciamento de projetos do Governo de Minas Poliana Cardoso Lopes Diego Pessoa Santos Rodrigo Guerra Furtado Resumo: A implantação e consolidação das estruturas responsáveis por disseminar o gerenciamento de projetos no Governo do Estado de Minas Gerais colocou o modelo de gestão pública mineiro em patamar de referência nacional, por sua capacidade de empreender políticas públicas e alcançar resultados. O presente artigo apresenta a trajetória de consolidação dessas estruturas, em especial, a evolução do escopo de atuação do escritório central de projetos e o surgimento e institucionalização dos escritórios setoriais. Partindo da criação do GERAES, estrutura concebida para gerir a carteira de Projetos Estruturadores do governo, o artigo perpassa pelas funções assumidas pelo escritório e a conseqüente replicação de estruturas voltadas à Gestão de Projetos nos órgãos e entidades setoriais. Como desdobramento desse movimento inicial, apresenta-se em seguida a nova estrutura do Governo do Estado, que se deu pela criação de unidades que se complementam em funções e responsabilidades típicas de PMO. Disserta-se sobre a divisão de papéis entre estas unidades ressaltando os desafios e resultados esperados. Por fim, explicita-se brevemente sobre as estratégias para o desenvolvimento da maturidade dessa estrutura recém implementada. Palavras Chave: I. Escritório de Projetos; II. Administração Pública; III. Minas Gerais. 1 Introdução O gerenciamento de projetos no Estado de Minas Gerais tem suas primeiras iniciativas no ano de 2001, com a elaboração de estudos técnicos pela então Secretaria de Estado de Recursos Humanos e Administração (SERHA) sobre as etapas e processos da prática de projetos governamentais. No entanto, era uma iniciativa ainda incipiente, ainda não institucionalizada. A adoção de fato do gerenciamento de projetos por parte do Estado de Minas Gerais tem início em 2003, a partir do Choque de Gestão, um conjunto de propostas objetivas que permitissem a reformulação da gestão estadual (ANASTASIA, 2006, p.13), em face à grave situação fiscal vivida pelo Estado e aos problemas de gestão encontrados. O Choque de Gestão contemplou a criação de um escritório de projetos em uma unidade inicialmente ligada à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG), sendo posteriormente incorporada à estrutura formal de tal Secretaria e por isso denominada de escritório central de projetos. Na medida em que a metodologia adotada foi sendo internalizada, puderam-se observar movimentos de evolução em todo o Estado, que vão desde o surgimento de escritórios setoriais de projetos, ou seja, escritórios de projetos nos órgãos finalísticos, até uma nova estrutura para o gerenciamento de projetos no Estado. O objetivo principal deste artigo é explicitar o percurso percorrido pelo escritório central de projetos do Governo de Minas Gerais, enfatizando as mudanças de função, de estrutura, bem como suas vantagens e desvantagens. 1

2 2 Implantação do escritório central de projetos do Governo de Minas Gerais O PMBOK traz como definição que um escritório de projetos é um corpo ou entidade organizacional à qual são atribuídas várias responsabilidades relacionadas ao gerenciamento dos projetos sob seu domínio, ideia complementada por Crawford (2011), quando relembra o escritório de gerenciamento de projetos como um escritório formado por profissionais especializados na área que visam suprir as necessidades em gestão de projetos da organização. Os escritórios de projetos podem assumir diversas funções e responsabilidades, conforme demonstrado no survey realizado por Hobbs e Aubry (2007), onde listam 27 funções encontradas exercidas por pelo menos 20% dos escritórios de projetos pesquisados. O escritório central de projetos do Governo de Minas Gerais (comumente denominado GERAES) foi criado para atuar na carteira de projetos estruturadores resultante da implementação do Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), análogo ao planejamento estratégico das organizações privadas. Existem hoje 57 projetos estruturadores. Quando da sua criação, o escritório central de projetos do Governo de Minas Gerais tinha como principais funções: 1. Padronizar os procedimentos de gerenciamento dos projetos; 2. Assessorar os Gerentes de Projetos no planejamento, execução e controle do projeto; 3. Acompanhar o desempenho do projeto, reportando a situação do projeto, os riscos e as restrições para subsidiar a tomada de decisões; 4. Realizar a gestão estratégica orçamentária e financeira dos projetos estruturadores; 5. Apoiar o Gerente do Projeto em relação a demandas específicas. (GUIMARÃES; ALMEIDA, 2006, p.79) Ao longo de seu ciclo de vida, o escritório central de projetos ampliou gradativamente seu escopo de atuação, passando a ser responsável por um leque de atribuições mais diversificado, com a incorporação de funções que não estavam ainda definidas quando do desenho inicial da estrutura do setor, ainda em Aqui, destaque deve ser feito à assunção das funções ligadas à produção e disseminação de informações estratégicas entre os stakeholders envolvidos com os Projetos Estruturadores. Em conjunto com os gerentes dos projetos estruturadores, o escritório atua em todo o ciclo de vida, da sua iniciação até o encerramento. Nas sessões de planejamento (com periodicidade anual), os escopos são detalhados, os planos de projetos elaborados ou revisados, além da elaboração dos cronogramas e, principalmente, da pactuação dos resultados propostos para os projetos. Após o planejamento dos projetos, a atuação do escritório central de projetos passa a se dar no monitoramento intensivo. Esse monitoramento é feito por meio de reuniões mensais para cada projeto estruturador que conta com a presença dos envolvidos no mesmo. Nessas reuniões, são obtidos, pelo GERAES, dados do andamento do projeto e é feita a verificação do seu desempenho, monitorando a execução física e financeira, e comparando-as com as metas pactuadas. Ainda, nas reuniões mensais de acompanhamento do projeto são feitas as seguintes atividades: atualização do cronograma do projeto definido no planejamento; identificação dos riscos relacionados ao projeto; identificação e registro das solicitações orçamentárias e, caso seja necessário, a revisão do planejamento do projeto (GUIMARÃES; ALMEIDA, 2006). 2

3 As reuniões mensais têm como produtos o relatório situacional denominado Status Report (SR), que consolida todas as informações do projeto, e o plano de ação que estabelece contramedidas para as dificuldades e riscos eventualmente observados. O relatório SR tem como finalidade informar o desempenho de cada projeto em relação à execução física e financeira (NOGUEIRA et. al., 2008), O GERAES realiza também a gestão orçamentária dos projetos estruturadores, permitindo a liberação orçamentária para cada projeto, de acordo com a execução física (NOGUEIRA et. al. 2008). Nas reuniões de Status Report ocorre a solicitação de cota orçamentária por parte do gerente do projeto e, após análise interna, o escritório central decide pela liberação do recurso solicitado, realizando também a alocação de recursos dos projetos estruturadores. O montante dos investimentos realizados pelos projetos estruturadores vem aumentando desde a sua criação, fazendo com que o GERAES gerencie um orçamento maior que nos anos iniciais de sua implantação. Em 2010, os investimentos realizados por meio de projetos estruturadores totalizaram R$ 2,7 bilhões, representando 68,02% do total de investimentos realizados pelo Estado. Dada toda sua atuação, para Prado e Oliveira (2005), o GERAES enquanto escritório de projetos se encaixa entre as tipologias Estação Meteorológica e Torre de Controle de Casey e Peck (2001). Nogueira (et. al., 2008), por sua vez, classifica o escritório central de projetos na tipologia de Dinsmore (1999) como híbrido, uma vez que se enquadra na tipologia de Escritório de Gerenciamento de Programas (PrMO), mas apresenta atividades correlatas à Escritório de Apoio a Projetos (PSO), Escritório de Excelência de Projetos (PMCOE) e de Principal Executivo de Projetos (CPO). 3 Surgimento dos escritórios setoriais Observa-se, a partir de 2005, uma onda de criação de escritórios de projetos nos órgãos finalísticos do Governo de Minas Gerais, os chamados escritórios setoriais. Os motivos para a implantação desses escritórios são diversos, como enforcement da alta administração e até mesmo mimetismo organizacional, no qual os órgãos tentaram acompanhar os movimentos realizados pela SEPLAG. Prado e Oliveira (2005) lembram que o escritório central de projetos apresenta uma função de radar do governo, mas não consegue trabalhar em nível operacional. Uma das sugestões destes autores para uma maior consolidação da metodologia de gerenciamento de projetos e que vai ao encontro do observado no Estado de Minas Gerais seria a criação de escritórios setoriais de projetos. As ações realizadas por cada escritório setorial variam de órgão para órgão, estando estes escritórios em diferentes estágios de maturidade. São exemplos de algumas funções exercidas pelos escritórios setoriais a consolidação e disseminação de informações dos projetos estruturadores, disseminação da metodologia de gestão de projetos adotada pelo Estado, fornecer maior suporte aos gerentes dos projetos estruturadores, padronização de processos internos dos órgãos, dentre outros. 4 Reestruturação das unidades de apoio ao gerenciamento de projetos do Governo de Minas O Escritório central de projetos do governo de MG, bem como os incipientes escritórios setoriais de projetos, tiveram papel preponderante para avanços importantes nas políticas 3

4 públicas executadas pelo governo do Estado. Em função dessas estruturas, o modelo mineiro de gestão pública tem sido, nos últimos oito anos, reconhecido como referência nacional de excelência, devido a sua orientação para a crescente eficiência das políticas públicas com qualidade fiscal e transparência no gasto público. Não obstante o sucesso já alcançado, a reestruturação administrativa do governo mineiro, estabelecida pela Lei Delegada nº 180 de 2011, foi oportunidade para trazer, dentre outros elementos substanciais para transformação da gestão pública estadual [1], diretrizes para o fortalecimento e a consolidação do Escritório de Projetos do Estado. São pontos centrais dessa consolidação: a criação da Subsecretaria de Gestão da Estratégia Governamental (SUGES), com o objetivo de garantir a consolidação da premissa da gestão por resultados no Estado, que compreende formalmente estruturas que possuem algumas funções típicas de PMO, quais sejam: GERAES, Núcleo Central de Inovação e Modernização Institucional (NCIM), Assessoria Estratégica de Metodologias (AEM), Assessoria de Gestão da Informação (AGI); o estabelecimento da desconcentração do monitoramento da estratégia governamental como um dos instrumentos para viabilizar o modelo de gestão transversal do Estado, e a conseqüente criação das Assessorias de Gestão Estratégica e Inovação (AGEI) na estrutura de cada Secretaria de Estado e nos órgãos autônomos, as quais estão vinculadas técnica e metodologicamente à SUGES. Figura 1. Organograma SUGES 5 A divisão de funções no gerenciamento de projetos A nova estrutura de Gerenciamento de Projetos do Governo de Minas foi pensada de forma a garantir um maior grau de profundidade e sucesso das diversas funções antes desempenhadas exclusivamente por uma única equipe. Situação esta que recorrentemente levava à escolha da resolução de problemas imediatos em contraposição à realização de atividades de planejamento qualificado, gerenciamento de riscos e busca de alternativas inovadoras. O [1] O Foco da Lei Delegada nº 180 é a instituição de um modelo transversal de gestão, a partir da instituição de redes, comitês temáticos, dentre outros instrumentos. 4

5 PMO central agia constantemente, de forma metafórica, apagando incêndios, sem sobrar tempo para atividades com potencial maior de geração de valor. Passa-se agora para a explicitação das divisões desses papéis entre as novas estruturas: GERAES, AGEI, NCIM, AGI e AEM, que desempenham em diferentes níveis e profundidades funções típicas de PMO, ressaltando ainda os resultados esperados com elas. O GERAES, estrutura pré-existente, neste novo modelo, diminuiu seu escopo de forma a atuar como um agente estratégico, delegando grande parte de seu trabalho operacional e rotineiro para as AGEIs. Neste novo contexto ele passa a cumprir o papel de guardião da estratégia governamental, verificando a adesão aos rumos estratégicos, relatando ao gerente de projeto e à alta gerência, para incitar a correção de eventuais desvios que ocorram. A gestão do portfólio também passa a ser papel desta estrutura, uma vez que ela possui a visão da carteira de projetos estratégicos em sua totalidade, assim como o controle do orçamento alocado na mesma. Com base nesses domínios o GERAES pode balizar a priorização na alocação dos recursos, que em contextos de escassez dos mesmos, passa a ser peça chave para o sucesso da estratégia delineada. Outra função importante desempenhada pela estrutura em questão é sentida na articulação entre os diversos projetos do governo, promovendo a identificação de duplicidade de iniciativas, de complementaridade entre ações e de projetos que em conjunto possam formar uma política estadual integrada; atua, portanto, na coordenação entre os projetos. Por estar alocado na Secretaria de Planejamento e Gestão, órgão central do governo, o GERAES também passa a atuar como o principal responsável pelo Gerenciamento de Riscos Intersetoriais, monitorando a relação dos diversos órgãos estaduais na efetivação das contramedidas delineadas para a mitigação dos riscos. Já as Assessorias de Gestão Estratégica e Inovação, devem atuar no Gerenciamento de Riscos Setoriais, que são aqueles que a sua mitigação demanda contramedidas apenas no âmbito de um único órgão, que no caso é aquele no qual essa assessoria se encontra instalada. Além deste papel, a AGEI exerce uma série de funções importantes no âmbito de seu órgão, assim como a representação deste perante as diversas esferas governamentais, reforçando a ideia de gestão em rede. Esta unidade é responsável por buscar e promover o alinhamento do portfólio setorial com a estratégia governamental, o que vai a consonância com o primeiro papel do GERAES citado acima. Executar o plano de comunicação setorial também é responsabilidade desta unidade, o que também se faz relevante, uma vez que aumenta a probabilidade de execução das metas e alcance dos resultados, ao gerar servidores mais envolvidos e promovem o entendimento geral de como o trabalho de cada um contribui para a consecução de objetivos organizacionais. Nesta nova estrutura, a principal alteração se deu no sentido da delegação de algumas importantes funções do escritório central para os setoriais. O monitoramento intensivo dos projetos e o auxílio aos gerentes, no que tange tanto as ferramentas de gerenciamento de projetos quanto em relação à própria execução das ações dos projetos, passa a ter como responsável principal as AGEIs. Esta mudança é considerada como uma importante evolução no modelo do Governo de Minas, já que essas assessorias se encontram muito mais próximas destes e conhecem, muitas vezes, melhor a realidade e especificidades de seu órgão do que o escritório central. Segundo o PMBOK é papel do PMO a identificação e desenvolvimento de metodologia, melhores práticas e padrões de gerenciamento de projetos. De forma a atender essa atribuição foi criada a Assessoria Estratégica de Metodologias, que tem o papel de produzir, revisar e disseminar as metodologias e procedimentos de gerenciamento de projetos do 5

6 Governo de Minas. Além dessa função a AEM exerce outra também elencada como papel do PMO, de orientação, aconselhamento, treinamento e supervisão. E por ser uma unidade central, a AEM tem o potencial de garantir que as unidades setoriais e os gerentes de projeto sigam os padrões metodológicos adequados, sem desconsiderar, porém, as especificidades de cada órgão. A divisão desta unidade do GERAES serviu para dar foco ao processo de melhoria constante das metodologias de gerenciamento de projetos do Governo de Minas, uma vez que o trabalho dela não é tomado pela rotina constante do monitoramento intensivo de projetos e nem de portfólios. Foi criada também a Assessoria de Gestão da Informação que tem como responsabilidade principal organizar as informações geradas pelo PMO, de forma a garantir que respostas a solicitações sejam dadas de forma tempestiva e estratégica, considerando sempre as necessidades dos destinatários. Função esta, que nem sempre se encontra alocada em PMOs, mas que no caso de governo, se faz bastante interessante, devido à estrutura de execução altamente descentralizada, facilitando, portanto a reunião de informações em um só órgão central. Por fim, cabe colocar também, a função desempenhada no âmbito do NCIM, que se encontra, em certo ponto, coligada com as desempenhadas pelo PMO. Este núcleo tem como principal função fomentar o comportamento inovador no Estado, no qual será criada uma incubadora de projetos que motive e facilite a concepção e execução de projetos inovadores, a qual poderá alimentar a carteira estratégica. 6 Estratégias para consolidação do novo modelo Realizada a institucionalização formal dos escritórios de projetos central e setoriais do governo, assim como das novas estruturas citadas, um conjunto de iniciativas adicionais estão sendo implementadas com vistas a garantir a estruturação dessas unidades e o fortalecimento da sua maturidade e conseqüente maior alcance dos resultados. O primeiro foco dessas iniciativas diz respeito à institucionalização dos escritórios setoriais, as AGEIs. Primeiramente, foi realizada uma apresentação da estrutura e do seu propósito para os Secretários de Estado, recém-empossados, buscando ampliar a legitimidade da estrutura junto ao seu principal cliente e patrocinador. Foi ainda apresentado o perfil desejado para a equipe do escritório setorial, buscando um alinhamento das competências comportamentais e contextuais desses escritórios. Em seguida, para impulsionar as iniciativas das AGEIs e garantir a adesão metodológica ao escritório central, foi desenvolvido um Plano de Trabalho, que passou por discussão e pactuação com cada uma das equipes setoriais. O referido plano tem como conteúdo as entregas das AGEIs avaliadas sob a ótica de prazo e qualidade, consistindo num instrumento que induz ao desenvolvimento de melhorias na gestão e permite o monitoramento das AGEIs no que diz respeito às entregas necessárias para a gestão de projetos do governo, dentre elas, a realização do monitoramento intensivo dos projetos, a condução de reuniões gerenciais, a gestão de riscos, e o próprio planejamento da carteira de projetos proposta para os próximos anos. Por fim, foi concebido e iniciou-se a implementação do Plano de Desenvolvimento das AGEIs, instrumento voltado para a ampliação das competências pessoais e funcionais dos escritórios setoriais, buscando aumentar capacidade dessas unidades na condução de melhorias na gestão de cada setor. O Plano de Desenvolvimento se consolidou em dois instrumentos: 6

7 Plano de Capacitação das AGEIs: baseado na perspectiva de desenvolvimento do capital humano dos escritórios setoriais, o plano perpassa pela discussão e desenvolvimento de conhecimentos e competências necessárias para o desempenho do trabalho das AGEIs. O mesmo contempla um módulo de metodologias de gestão vigentes no governo, um segundo módulo tratando de conhecimentos básicos acerca das rotinas da Administração Pública (planejamento e orçamento, licitações e contratos, convênios); e um terceiro módulo voltado para o desenvolvimento gerencial da equipe, tratando de gestão de portfólios, programas e projetos, gestão da estratégia e do conhecimento, liderança e negociação. Fórum de Desenvolvimento das AGEIs: buscando integrar os escritórios setoriais e central a partir do conceito de gestão em rede, o fórum consiste no fomento a troca de experiências, disseminação de boas práticas internas e externas, e desenvolvimento coletivo e compartilhado de soluções para a gestão a partir de interações presenciais e online entre os vários escritórios setoriais do governo. Um segundo foco de estruturação, ainda em fase de implementação, vai de encontro à informatização dos escritórios de projeto, tanto o central como os setoriais. A partir de uma solução EPM, o Sistema de Gestão da Estratégia Governamental terá como objetivo abarcar informações relacionadas ao planejamento, execução, monitoramento, avaliação e revisão da estratégia governamental, permitindo maior transparência e eficiência em torno da execução e acompanhamento da estratégia, bem como com o incremento de produtividade e melhoria do processo decisório. Por fim, um terceiro foco de fortalecimento e estruturação do Escritório de Projetos do Governo de MG consiste em um conjunto de revisões metodológicas visando aperfeiçoar os processos de gestão disseminados pelo escritório. No âmbito informacional, estão em andamento a reestruturação de relatórios gerenciais e a proposição da política de Gestão do Conhecimento. Os seguintes métodos de gestão aplicados e difundidos passarão por revisão: o acompanhamento de ações intersetoriais, o modelo de Auditoria de Gestão, a Gestão de Riscos e a Gestão de Programas e Portfólios. Por fim, para viabilizar o desenvolvimento da vertente de inovação do Escritório, está proposto o Planejamento Estratégico da Incubadora de Projetos de Inovação. 7 Considerações finais A estrutura do gerenciamento de projetos no governo do Estado de Minas Gerais passa por uma grande transformação desde sua implantação. O escritório central, a partir da institucionalização dos escritórios setoriais, passará a desempenhar um papel mais estratégico em relação ao acompanhamento do desempenho dos projetos estruturadores, enquanto os escritórios setoriais terão a função de atuar mais fortemente no dia-a-dia dos projetos. Ainda, será de responsabilidade do escritório central o acompanhamento da estratégia governamental, permitindo uma visão sistêmica e integrada da estratégia e dos projetos. A criação de estruturas como a Assessoria Estratégica de Metodologias e a Assessoria de Gestão da Informação permite a divisão das responsabilidades do escritório central, possibilitando maior foco do GERAES na elevação do desempenho dos projetos estratégicos, sem prejuízo da criação de espaços para o desenvolvimento de metodologias, a busca da excelência em gerenciamento de projetos, e o atendimento a demandas prioritárias dos executivos e da sociedade por informação. 7

8 A nova estrutura também traz consigo desafios a serem enfrentados. A descentralização de atividades de monitoramento intensivo para as AGEI, anteriormente realizadas pelo escritório central, pode gerar assimetria informacional, dificultando o controle da execução dos projetos. Tal dificuldade se deve ao desafio assumido por esse novo desenho para o fortalecimento da cultura de gerenciamento de projetos nas estruturas setoriais. A expansão do gerenciamento de projetos para as áreas setoriais torna mais complexa a padronização de metodologias, dadas as distintas realidades de cada setor. Por fim, apresenta-se o desafio de implantação de uma cultura de inovação no Governo como um todo, processo sabidamente árduo em organizações burocráticas do setor público. 8 Referências Bibliográficas ANASTASIA, Antonio Augusto. Antecedentes e origem do choque de gestão. IN: VILHENA, Renata et. al. (org) O choque de gestão em Minas Gerais: políticas públicas para o desenvolvimento. Belo Horizonte: Ed. UFMG, CASEY, William; PECK, Wendi. Choosing the right PMO setup. PM Network, v. 15, n. 2, p CRAWFORD, J. Kent. The strategic project office. 2.ed. Boca Raton: CRC Press, DINSMORE, Paul C. Transformando estratégias empresariais em resultados através da gerência de projetos. Tradução Bazán Tecnologia e Linguistica. Rio de Janeiro: Qualitymark, GUIMARÃES, Tadeu Barreto; ALMEIDA, Bernardo de. A gestão dos investimentos estratégicos. IN: VILHENA, Renata et. al. (org). O choque de gestão em Minas Gerais: políticas públicas para o desenvolvimento. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006c. HOBBS, Brian; AUBRY, Monique. A multi-phase research program investigating Project Management Offices (PMO): The results of phase 1. Project Management Journal, v. 38, n MINAS GERAIS. Lei Delegada nº180, de 20 de janeiro de Dispõe sobre a estrutura orgânica da administração do poder executivo do Estado de Minas Gerais e dá outras providências. [Belo Horizonte, 2011]. Disponível em: < >. Acesso em 12 de julho de NOGUEIRA, Daniel R., et. al. A tipologia adequada para o escritório de projetos do Governo do Estado de Minas Gerais: O Project Management Office mineiro em foco Monografia (Pós-Graduação em Gestão de Projetos). Fundação Dom Cabral, Belo Horizonte, PRADO, Darci Santos do. OLIVEIRA, Warlei Agnelo de. Projetos estruturadores no Governo de Minas Gerais: a experiência do gerenciamento e reflexões sobre o futuro. Santa Catarina: PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE (PMI). A guide to the project management body of knowledge: PMBOK Guide. Newton Square: Project Management Institute Inc.,

ESTRUTURA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA NO GOVERNO: O ESFORÇO DE COORDENAÇÃO DAS ASSESSORIAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO EM MINAS GERAIS

ESTRUTURA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA NO GOVERNO: O ESFORÇO DE COORDENAÇÃO DAS ASSESSORIAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO EM MINAS GERAIS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 ESTRUTURA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA NO GOVERNO: O ESFORÇO DE COORDENAÇÃO DAS ASSESSORIAS DE GESTÃO ESTRATÉGICA E INOVAÇÃO EM

Leia mais

COORDENAÇÃO E ALINHAMENTO ENTRE ESCRITÓRIOS DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINEIRA

COORDENAÇÃO E ALINHAMENTO ENTRE ESCRITÓRIOS DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINEIRA COORDENAÇÃO E ALINHAMENTO ENTRE ESCRITÓRIOS DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINEIRA RESUMO O artigo analisa a atuação do escritório central de projetos do estado de Minas Gerais

Leia mais

Gestão de Processos Estratégicos

Gestão de Processos Estratégicos Gestão de Processos Estratégicos Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais e

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos 1 Escritório de Projetos Módulo 3 Gestão de Projetos Aluno: Humberto Rocha de Almeida Neto hran@cin.ufpe.br Professores: Hermano Perrelli e Alexandre Vasconcelos 19 de outubro de 2009 Agenda Índice do

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO RESOLUÇÃO Nº 97, DE 23 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implantação da política de projetos e a criação e atuação dos escritórios de projetos

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA Jorge Luciano Gil Kolotelo (UTFPR) kolotelo@uol.com.br Pedro Carlos Carmona Gallego (FESP) carmona@fesppr.br

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS A IMPORTÂNCIA DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS PARA A GESTÃO PÚBLICA EM GOIÁS PRISCILA TENUTA MEIRA VÂNIA DE CARVALHO MARÇAL BAREICHA 2 Painel 20/060 Escritórios de projetos e gestão de portfólio: a disseminação

Leia mais

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia.

Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. William Edwards Deming Organograma do Ministério da Fazenda

Leia mais

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público.

Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Gerenciamento de Projetos (PMI) e sua aplicação em projetos de transporte público. Sérgio Ricardo Fortes 1 ; Ana Cristina Dalborgo 2 1 EMTU Rua Joaquim Casemiro, 290, Bairro Planalto São Bernardo do Campo-SP

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia

Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Escritórios de Processos (BPM Office) e de Projetos (PMO) : Oportunidades de Sinergia Introdução...2 Uniformizando o entendimento dos conceitos... 4 Entendendo as principais similaridades... 5 Entendendo

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos

Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos Proposta de Papéis e Atribuições para o Escritório de Projetos SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO NACIONAL CONTRATO Nº 9225/2007 Outubro 2007 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DE ESCRITÓRIO

Leia mais

Como concluir um projeto com sucesso?

Como concluir um projeto com sucesso? Como concluir um projeto com sucesso? Luiz Eduardo Cunha, Eng. Professor da FAAP e do IMT 1 Luiz Eduardo Cunha Graduado em Engenharia de Produção EPUSP Pós-Graduado em Gestão do Conhecimento e Inteligência

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos

Oficina 1: CUSTOS. Ocorrência Desafio Ocorrências Lições Aprendidas Melhorias Considerações SGE. Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Oficina : CUSTOS 2 Orçamento sem financeiro (Cronograma X Desembolso) Comunicação quanto ao Risco de não execução do projeto Procurar parceiros que dividam ou arquem com custos Negociação com SPOA/Secr.

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos. Secretaria das Cidades. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Metodologia de Gerenciamento de Projetos e Captação de Recursos Secretaria das Cidades Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Evolução da Administração no Setor Público Melhores práticas de gestão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais

Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais Guia para Implantação de Escritórios de Gerenciamento de Projetos Setoriais Endereço: Palácio Guanabara Prédio Anexo Rua Pinheiro Machado, s/nº Laranjeiras Rio de Janeiro Telefone: (21) 2334-3567 E-mail:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS O que é um Projeto? Regra Início e fim definidos Destinado a atingir um produto ou serviço único Escopo definido Características Sequência clara e lógica de eventos Elaboração

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP)

Plano de Gerenciamento do Projeto (PGP) 1.JUSTIFICATIVA A administração pública vem nos últimos anos sofrendo mudanças estruturais em sua forma de atuação, saindo de um modelo patrimonialista e burocrático para um modelo gerencial, focando nos

Leia mais

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008

1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG. Período avaliatório: 2008 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS DA LOTERIA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - LEMG Período avaliatório: 2008 Belo Horizonte 2009 1º RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS APLICADA AOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO GOVERNO DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS APLICADA AOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO GOVERNO DE MINAS GERAIS Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DA METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS APLICADA AOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO GOVERNO DE MINAS GERAIS

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA

ESCRITÓRIO DE PROJETOS: UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 16, 17 e 18 de abril de 2013 ESCRITÓRIO DE : UM INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA UMA NOVA UNIVERSIDADE NO INTERIOR DA AMAZÔNIA Amanda Monteiro Sizo

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Gestão de Projetos Estratégicos

Gestão de Projetos Estratégicos Gestão de Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 OBJETIVO DO CURSO Permitir ao participante uma reflexão dos conceitos do gerenciamento de projetos sob a ótica da metodologia estabelecida para a gestão dos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS ESTRATÉGICAS MANUAL DE GESTÃO DE PORTFÓLIO DE INICIATIVAS ESTRATÉGICAS Elaborado pela Divisão de Planejamento e Gestão Estratégica. 2012 APRESENTAÇÃO Desde

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE PMI- OPM3 NA PETROBRAS E&P-SERV/US-PO ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA MUNDO PM - ANO 1 - NRO 06

APLICAÇÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE PMI- OPM3 NA PETROBRAS E&P-SERV/US-PO ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA MUNDO PM - ANO 1 - NRO 06 APLICAÇÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE PMI- OPM3 NA PETROBRAS E&P-SERV/US-PO Marco Antônio Gomes de Lima 1, Alonso Mazini Soler 2 e Luciana Palmieri 3 1 Coordenador de Projeto de Poço Exploratório

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

GOVERNANÇA DE PROCESSOS NO GOVERNO DE MINAS GERAIS: PROPOSTA DE MODELO PARA

GOVERNANÇA DE PROCESSOS NO GOVERNO DE MINAS GERAIS: PROPOSTA DE MODELO PARA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 GOVERNANÇA DE PROCESSOS NO GOVERNO DE MINAS GERAIS: PROPOSTA DE MODELO PARA ORGANIZAR E ORDENAR A GESTÃO DE PROCESSOS E FORTALECÊ-LA

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

Ato da Mesa N 69/2013

Ato da Mesa N 69/2013 À Assessoria de Projetos e Gestão compete: Ato da Mesa N 69/2013 Anexo I 1. assessorar o Diretor-Geral a promover, planejar, coordenar, acompanhar e orientar a implementação da melhoria contínua ~ gestão

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Implantação PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia

Implantação PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Implantação PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Sueli da Silva Gaino mgaino@sefaz.ba.gov.br Resumo Este artigo apresenta a experiência de implantação do Escritório de Gerenciamento de

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Gerenciamento de Projetos Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Gerenciamento de Projetos Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MBA em Gerenciamento de Projetos Trabalho de Conclusão de Curso ESCRITÓRIO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: UM ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E A ADEQUAÇÃO DE SUAS FUNÇÕES

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: CARACTERÍSTICAS, REQUISITOS E POSSIBILIDADES DE MELHORIA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: CARACTERÍSTICAS, REQUISITOS E POSSIBILIDADES DE MELHORIA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: CARACTERÍSTICAS, REQUISITOS E POSSIBILIDADES DE MELHORIA PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS Luisa Cardoso Barreto II Congresso Consad de Gestão

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal

Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal Dinamize Processos e Reduza Custos na Esfera de Governo Adm. Deborah Arôxa, CBPP Blue Seal CBPP (Certified Business Process Professional) DESAFIOS DE NEGÓCIO GOVERNO Agilidade e Adequação de Serviços ao

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO NA GESTÃO DOS PROCESSOS ESTRATÉGICOS DO GOVERNO DE MINAS GERAIS GISELLE CAMARGOS VOLPONI DA ROCHA MAURO CESAR DA SILVEIRA 2 Painel 24/073 Integração do orçamento público e proce

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS

ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS ASPECTOS GERAIS DE PROJETOS O que é PROJETO Um empreendimento com começo e fim definidos, dirigido por pessoas, para cumprir objetivos estabelecidos dentro de parâmetros de custo, tempo e especificações.

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Capítulo 19 Escritório de Projetos Humberto Rocha de Almeida Neto 1 Este capítulo descreve uma estrutura organizacional que surgiu a partir do reconhecimento da importância de uma gestão de projetos mais

Leia mais

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS

MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS Ribeirão Preto, Franca, Araraquara e São Carlos MBA EM GERÊNCIA DE PROJETOS COORDENAÇÃO: Profº Edmarson Bacelar Mota, M.Sc APOIO: SOBRE O CURSO Com a abertura dos mercados e o enorme aumento da competitividade,

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO)

Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) Principais Desafios na Implementação de Escritórios de Programas e Projetos (PMO) 3º. Seminário de Gerenciamento de Projetos PMI-GO José Carlos Gomes Torquato, PMP genda Conceitos de PMO Tipos e Funções

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico

8º Encontro dos Coordenadores. Monitoramento do Portfólio Estratégico 8º Encontro dos Coordenadores Monitoramento do Portfólio Estratégico Setembro / 2012 AGENDA Encontro dos Coordenadores 20/09/2012 Objetivos das iniciativas a serem apresentadas; Sistemática de monitoramento

Leia mais

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO

ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO ENCONTRO DA FRENTE DE INOVAÇÃO Outubro 2015 AGENDA PMIMF Frente de Inovação Frente de Projetos - Plano de Comunicação - Painel Patrocinador - Case da SPE (Implantação do Escritório de Projetos) -Nova Versão

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso

Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso Metodologias de Gestão de Projetos no Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da Universidade Federal de Mato Grosso INTRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS; IMPORTÂNCIA DA GP PARA O CONTEXTO ATUAL DAS ORGANIZAÇÕES;

Leia mais

Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos

Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 1: Introdução ao Gerenciamento de Projetos Brasília

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais