MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Leanderson Marcos da Silva Paiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Leanderson Marcos da Silva Paiva"

Transcrição

1 MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Leanderson Marcos da Silva Paiva Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Engenharia Mecânica. Orientador(es): Gustavo César Rachid Bodstein Luiz Cláudio Gomes Pimentel Rio de Janeiro Junho de 2012

2 MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Leanderson Marcos da Silva Paiva TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA MECÂNICA. Examinada por: RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL JUNHO DE 2012

3 Paiva, Leanderson Marcos da Silva Modelagem em Alta Resolução do Escoamento Atmosférico Usando o ARPS na Região Metropolitana do Rio de Janeiro / Leanderson Marcos da Silva Paiva. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPE, XLI, 288 p.: il.; 29,7 cm. Orientador(es): Gustavo César Rachid Bodstein Luiz Cláudio Gomes Pimentel Tese (doutorado) UFRJ/ COPPE/ Programa de Engenharia Mecânica, Referencias Bibliográficas: p Modelagem Computacional. 2. Topografia. 3. Tipo de Solo. 4. Tipo de Vegetação. I. Bodstein, Gustavo César Rachid et al. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE, Programa de Engenharia Mecânica. III. Titulo. iii

4 Aos meus pais, irmãos, sobrinho, namorada e amigos. iv

5 nascido. Às vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter Fernando Pessoa... Dust in the wind All we are is dust in the wind Dust in the wind Everything is dust in the wind The wind Dust in the wind - Kerry Livgren, Kansas Thus emboldened, the modelers have been overenthusiastic in promoting their models for others complex situations, often without considering at depth the difficult questions that arise. Consequently, there is some disillusionment with the models, a feeling that they embody too many ad hoc assumptions, and that they are unrealible as a result... This reaction is probably justified, but it would be a shame if it resulted in a cessation of efforts to put a little more physics and mathematics into the models. Atmospheric Modelling, Mech. Eng. Trans., Inst. of Eng, Australia, 1983 John Lumley v

6 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço ao nosso Senhor Deus, pela existência do universo, do céu e da Terra, do ar e da água, do solo e da vegetação, das montanhas e das planícies, da natureza e da vida, e de todas as outras coisas fascinantes que circundam nosso dia-a-dia. O Senhor Deus me fortalece, e por isso sempre o agradeço pelas conquistas realizadas por mim e aqueles que lutam pelo bem. Em palavras escritas, aproveito para pedir saúde, paz, amor, prosperidade e sabedoria para meus pais, irmãos, sobrinho, namorada, amigos e a mim, em todos os dias de nossas vidas. Amém Senhor! Em paralelo, não poderia deixar de aproveitar para agradecer, mais uma vez, as pessoas que mais fizeram e continuam fazendo mil coisas por mim. Meus pais! As avalanches que ocorrem em nossas vidas não conseguem abalar de forma alguma a história de uma família conservadora e amorosa. Diante disso, agradeço por ter amadurecido com os conselhos cedidos pelos meus pais. Pois bem, são eles assim chamados por Sr. Abílio Teixeira de Paiva e Sr a. Neli da Silva Paiva. Vocês fazem parte dos principais pilares que me sustentam e, por isso, agradeço de coração todas as coisas que vocês me proporcionaram. Amo vocês! Mesmo que indiretamente, gostaria de agradecer também aos meus irmãos Márcia Fabiane da Silva Paiva e Leonardo da Silva Paiva. De qualquer forma, nossas ótimas convivências me deixaram tranqüilo, para que eu pudesse me dedicar com afinco aos meus trabalhos e estudos. Percebe-se que a vinda do meu sobrinho/afilhado Gabriel alegrou demasiadamente nossas vidas. Aproveito para agradecer também a Shirlei T. Izidoro que me apoiou e foi ótima companheira a partir da metade do curso de doutorado. Valeu mesmo! De fato, mais uma vez acho que conquistei a confiança de duas pessoas incríveis e que acreditaram imensamente na realização dos meus trabalhos. Apesar de termos nos conhecido através dos meios profissionais, considero vocês grandes amigos, até mesmo muito mais do que aqueles que tenho desde a minha época de infância. No corre-corre do dia-a-dia esquecemos-nos de trocar idéias descabidas e alvoroçadas, em troca das informações profissionais. Entretanto, sinto-me bastante à vontade para sentarmos num bar, tomarmos uma cerveja gelada e trocarmos prosas variadas. Espero ter conseguido superar as expectativas. Professores Gustavo César Rachid Bodstein e Luiz Cláudio Gomes Pimentel, conto com vocês! Aproveito para agradecer também a Ana, esposa do Luiz, pelos saborosos almoços e lanches da tarde que fortaleceram o nosso trabalho. vi

7 Agradeço a todos os amigos que conquistei na Universidade do Brasil e que me auxiliaram tanto diretamente como indiretamente para a conclusão deste trabalho. Neste recinto realizei meus cursos de graduação, mestrado e doutorado. De fato, a UFRJ tornou-se a minha segunda residência. Tenho orgulho de ter subido gradualmente todos os andares desta instituição. Além disso, gostaria de citar alguns nomes que tiveram influências marcantes na construção deste trabalho. São eles: Eduardo Corrêa, Maurício Soares, Ricardo Marcelo, Reginaldo (vulgo Régis), Corbiniano, Léo Aragão, Júnior, Edilson Marton e Albuquerque. Valeu rapaziada! Gostaria também de agradecer a todos os integrantes do Núcleo Computacional de Estudos da Qualidade do Ar (NCQAr) pelas dicas ofertadas na elaboração deste trabalho e a todos do Programa de Engenharia Mecânica da COPPE, em especial a secretária Vera. Sou inteiramente grato ao Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ). Apesar das dificuldades, agradeço os entendimentos acordados com o Departamento de Ensino Médio e Técnico (DEMET), a Direção de Ensino (DIREN) e a Direção Geral (DIREG) para realização do meu doutoramento sem prejuízo no andamento dos meus deveres e tarefas diárias. Gostaria de agradecer a todos os colegas, amigos, docentes e discentes que me apoiaram e contribuíram para realização desse trabalho. Em especial, agradeço aos grandes amigos Almir Venancio Ferreira, Felipe das Neves Roque da Silva e Santiago Cuadra. Sem a motivação contínua do amigo Almir, talvez eu não tivesse agarrado com unhas e dentes o curso de doutorado. Felipe, obrigado pelas ótimas dicas na construção dos scripts, solução de problemas de compilação, dentre outros. Sem esses bichinhos computacionais as coisas ficariam mais difíceis! Santiago, obrigado pelas dicas e sugestões de programação. De fato, orientar alunos adolescentes revigora as idéias do meu dia-a-dia. Eles são bastante práticos e versáteis. Já dizia um amigo meu: É só nós professores não atrapalharmos, que eles vão longe. E assim foi com os meus estagiários Patrícia Borges Coutinho da Silva e Allan Amâncio Esteves. Agradeço a paciência que a Patrícia teve em ajudar a construir a base de dados topográficos com 90 metros de resolução. Agradeço ao Allan por ter repassado muitos textos e ter aberto portas para o andamento das pesquisas relacionadas aos bancos de dados de tipo de vegetação. Aproveito também para agradecer as estagiárias Alessandra Imbroisi, Louise e Tayane pelo apoio em algumas das atividades. Agradeço ao D.Sc. Marcelo Romero de Moraes pelas dicas e sugestões fornecidas no uso dos arquivos de entradas denominados arps.input. Nesses arquivos, vii

8 tomadas de decisões importantes devem ser realizadas para que as opções escolhidas sejam as melhores possíveis, fazendo com que as simulações numéricas tenham grandes sucessos. Um grande obrigado a P.hD. Fotini Katopodes Chow, do Deptartamento de Engenharia Civil e Ambiental da Universidade da Califórnia, Berkeley, Estados Unidos da América (EUA), por fornecer ótimas dicas que permitiram o desenvolvimento das subrotinas, escritas em FORTRAN90, de leituras e escritas das novas bases de dados topográficos e de vegetações incorporadas ao Advanced Regional Prediction System (ARPS). Obrigado também ao Prof. Ph.D Bert Holtslag, da Universidade de Wageningen, pelas boas sugestões. Agradeço as ótimas dicas do diretor do Programa Observação da Terra do Instituto de Pesquisa Espacial da Europa (European Space Research Institute ESRIN) Vasileios Kalogirou. Suas recomendações foram extremamente úteis para que eu pudesse usar a base de dados do Projeto GLOBCARBON. Gostaria de agradecer as Instituições Nacionais que disponibilizaram e continuam disponibilizando dados ambientais gratuitamente sem burocracia alguma. São elas: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica (REDEMET) e Sistema de Meteorologia do Estado do Rio de Janeiro (SIMERJ). Parabenizo os esforços realizados pela Aeronáutica Nacional e a Administração Espacial dos Estados Unidos da América (National Aeronautics and Space Administration NASA/EUA), Agência Nacional de Inteligência-Geoespacial dos EUA (National Geospatial-Intelligence Agency NGA/EUA) e pelas agências espaciais alemã e italiana, na construção das bases de dados topográficos, com altas resoluções espaciais, provenientes do projeto Shuttle Radar Topography Mission (SRTM). As bases topográficas para América do Sul encontram-se no seguinte sítio da INTERNET: ftp://e0srp01u.ecs.nasa.gov/srtm/version2/srtm3/south_america/. Aproveito para parabenizar a equipe da Agência Espacial Européia (European Spatial Agency - ESA), responsável pela manutenção do portal e por disponibilizar os bancos de dados preenchidos por mosaicos de reflectâncias das superfícies e de classificações das vegetações terrestres, com resoluções espaciais nas direções horizontais de 300 metros. Os dados são disponibilizados gratuitamente para o público que tenha propósitos educacionais e científicos. Todos os direitos de cópia são reservados a ESA / ESA Projeto GLOBCOVER, conduzido pela MEDIAS-França. viii

9 Agradeço o Programa de Pesquisa Espectral do Centro de Engenharia Topográfica do Exército dos Estados Unidos da América (Spectral Research Program of US Army Topographic Engineering Center) por disponibilizar o aplicativo HyperCube (ver o sítio: capaz de converter dados em formatos do tipo raster, como é o caso do GeoTIFF, para formatos do tipo texto, como é o caso dos arquivos com extensões.dat. Agradeço também aos criadores do aplicativo Global Mapper (http://www.globalmapper.com/). O Global Mapper facilitou os recortes realizados nas bases de dados de vegetações e as conversões de formatos raster com extensões do tipo.hgt para modelos de elevações digitais, com extensões.dem (digital elevation model). Agradeço também a equipe de desenvolvimento do aplicativo Surfer, onde todos os direitos de cópia são reservados a Golden Software, Inc (http://www.goldensoftware.com/). O Surfer é extremamente útil para trabalhos com bases de dados densas. Quero aproveitar, para agradecer também, mesmo de forma generalizada, a todos os pesquisadores, engenheiros, analistas de sistemas, dentre outros, que desenvolveram sistemas operacionais estáveis como o LINUX, compiladores preciosos como o FORTRAN90, dentre muitas outras aplicações que subsidiaram o desenvolvimento deste trabalho. Agradeço a toda equipe do Centro de Análises e Previsões de Tempestades (Center for Analysis and Prediction of Storms - CAPS) da Universidade de Oklahoma dos Estados Unidos da América (EUA), responsável pelo desenvolvimento do Advanced Regional Prediction System (ARPS). O CAPS é apoiado pela Fundação de Ciência Nacional e pela Administração de Aviação Federal dos EUA, através da concessão combinada ATM Aproveitamos para agradecer especialmente aos doutores Kevin W. Thomas, Ming Xue e Yunheng Wang pelas dicas e respostas prontamente fornecidas nos questionamentos realizados no fórum de discussões do ARPS. Somente desta forma foi possível realizar as implementações das novas bases de dados topográficos, de tipo de vegetação, Índice de Área Foliar (IAF) e fração de cobertuta no ARPS para que as simulações dos escoamentos turbulentos pudessem ser realizadas em alta resolução. ix

10 Resumo da Tese apresentada à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Doutor em Ciências (D.Sc.) MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Leanderson Marcos da Silva Paiva Junho/2012 Orientadores: Gustavo César Rachid Bodstein Luiz Cláudio Gomes Pimentel Programa: Engenharia Mecânica Um sistema de modelagem computacional em alta resolução é desenvolvido para calcular o escoamento atmosférico sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, incorporando a base de dados de topografia com 3s de resolução da Shuttle Radar Topography Mission, de tipo de vegetação com 10s de resolução da European Space Agency (ESA), e de Índice de Área Foliar e Fração de Radiação Fotossinteticamente Ativa e Absorvida com 30s de resolução também da ESA, dentro do Advanced Regional Prediction System (ARPS). Os dados de 0,5 de resolução do Global Forecasting System (GFS) são assimilados como Condições Iniciais (CI s) e Condições de Contorno (CC s) laterais para o ARPS e as simulações são computadas em seis grades numéricas aninhadas em modo one-way, onde resoluções verticais e esquemas paramétricos distintos são selecionados para cada grade. Resultados de dois casos cobrindo três períodos distintos são analisados em função dos dados observados em estações de superfície e altitude, para explorar a dependência dos resultados às CI s e CC s, às bases de dados de superfície e à resolução numérica. A baixa resolução dos dados de tipo de solo do United States Geological Survey, a forçante sinótica nos contornos laterais das grades mais resolutas e a inapropriada relação entre a resolução numérica e o esquema de fechamento dos fluxos turbulentos em LES podem estar afetando a descrição detalhada das variáveis meteorológicas prognosticadas. x

11 Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Doctor of Science (D.Sc.) HIGH-RESOLUTION MODELING OF ATMOSPHERIC FLOW USING THE ARPS IN THE METROPOLITAN REGION OF RIO DE JANEIRO Leanderson Marcos da Silva Paiva June/2012 Advisors: Gustavo César Rachid Bodstein Luiz Cláudio Gomes Pimentel Department: Mechanic Engineering A high-resolution computational modeling system is developed to calculate the atmospheric flow over the Metropolitan Region of Rio de Janeiro, incorporating the 3 arc-sec topographic data from Shuttle Radar Topography Mission, the 10 arc-sec vegetation type data from European Space Agency (ESA), and the 30 arc-sec Leaf Area Index and Fraction of Absorbed Photosynthetically Active Radiation data also from ESA, into the Advanced Regional Prediction System (ARPS). The 0.5 arc-deg Global Forecasting System (GFS) data are assimilated as Initial Condition (IC s) and lateral Boundary Condition (BC s) to ARPS and simulations are carried out for six one-way nested-grid domains, where distinct vertical resolutions and parametric schemes are chosen to each grid setup. Two simulated cases results covering three distinct periods are analyzed according to the surface and upper-air observed data, to explore their dependence with the IC s and BC s, the surface databases and the grid resolution. The low resolution of the soil database from the United States Geological Survey, the synoptic forcing on the lateral boundaries of the finer grids and the inappropriate relationship between grid resolution and turbulent fluxes closure scheme in LES may be affecting the accurate description of the predicted meteorological variables. xi

12 ÍNDICE Dedicatória AGRADECIMENTOS Pensamentos Resumo Abstract ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS LISTA DAS PRINCIPAIS SIGLAS E ABREVIATURAS LISTA DOS PRINCIAPIS SÍMBOLOS IV V IX X XI XII XVII XXVIII XXIX XXX XXXIV 1 INTRODUÇÃO Contextualização Aplicações e Justificativas Objetivos Gerais e Específicos Sumário das Contribuições 13 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Introdução e contextualização Parametrizações dos Fluxos Turbulentos Modelos de Viscosidade Turbulenta Modelos de Escalas de Similaridade Modelos Dinâmicos Modelos de Reconstrução de Velocidade CC s nos Modelos Numéricos CC s das Superfícies Laterais e do Topo CC s da Superfície do Solo CC s de Fluxos nas Simulações de CLA Efeitos das Resoluções Numéricas na Superfície do Solo Razão de Aspecto de Grade na Superfície do Solo Modelos da Superfície do Solo Simulações Numéricas Realizadas com ARPS ARPS e Outros Modelos no Mundo 35 xii

13 2.4.2 ARPS no Brasil 40 3 SISTEMA DE PREDIÇÃO REGIONAL AVANÇADO - ARPS Introdução Sistema de Coordenadas do ARPS Equações de Conservação do ARPS Estado Básico Equações Governantes Parametrizações dos Fluxos Turbulentos Equações de Misturas Turbulentas Esquema de Smagorinsky Esquema de 1,5-TKE Esquema de Germano Viscosidade Turbulenta Dinâmica Estruturas de Grades Numéricas e CC s Parametrizações de Microfísica Taxa de Autoconversão de Águas de Nuvens em Águas de Chuvas Agregação das Águas de Nuvens pelas Águas de Chuvas Velocidades Terminais das Águas de Chuvas Taxa de Evaporação das Águas de Chuvas Ajustes da Saturação Diferenciações dos Esquemas de Microfísicas Outros Ajustes Equações de Taxa de Microfísica Cômputos da Altura da CLA Camada Limite Estável Camada Limite Instável Parametrização dos Fluxos na Superfície Cálculo dos Fluxos na Superfície Fluxos de Superfícies sobre Solos Condições Instáveis Condições Neutras Condições Fortemente Instáveis Condições Estáveis Fluxos de Superfícies sobre Oceanos Distribuição Linear dos Fluxos de Superfície na CM 81 xiii

14 3.10 Balanços de Energia e Umidade Modelo Radiação-Solo-Vegetação Balanços de Energia e Umidade na Superfície dos Solos Modelo Radiação-Solo-Vegetação Coeficientes Térmicos Fluxos de Radiação Fluxos de Calor Sensível Fluxos de Calor Latente Umidade na Superfície dos Solos Esquemas de Parametrizações de Cúmulos Esquema de Kuo Modificado 90 4 AS BASES DE DADOS INCORPORADOS AO ARPS Introdução Bases de Dados Topográficos SRTM Processamento 3s-SRTM para ARPS Bases de Dados de Tipo de Vegetação ESA/MEDIAS-France ENVISAT Projeto GLOBCOVER/Landcover Processamento 10s-ESA para ARPS Bases de Dados de LAI e FAPAR da ESA Projeto GLOBCARBON Processamento 30s-ESA para ARPS RESULTADOS DA MODELAGEM COMPUTACIONAL DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO PARA AS BACIAS AÉREAS DA RMRJ Introdução e Contextualização Trabalhos Pretéritos Desenvolvidos na RMRJ Caracterização da RMRJ Configurações Físico-Numéricas Aninhamento One-Way e Topografia Resolução Vertical e Razão de Aspecto Condições Iniciais e dos Contornos Laterais Uso do Tipo de Solo e da Vegetação Modelo de Radiação 133 xiv

15 5.4.6 Esquema de Fechamento dos Fluxos Turbulentos e Termos de Mistura Período I: 0000 Z de 06/09/ Z de 08/09/ Análise Sinótica do P-I Análise dos Diagramas Termodinâmicos para o P-I Análise das Rosas dos Ventos para o P-I Análise dos Perfis Verticais em SBGL para o P-I Análise Estatística dos Casos Estudados no P-I Análise dos Campos de Temperatura do Solo e Vento a 10 m AGL do P-I Análise da seção latitudinal vertical de TKE do P-I Período II: 0000 Z de 06/02/ Z de 08/02/ Análise Sinótica do P-II Análise dos Diagramas Termodinâmicos para o P-II Análise dos Perfis Verticais em SBGL para o P-II Análise Estatística dos Casos Estudados no P-II Análise dos Campos de Temperatura do Solo e Vento a 10 m AGL do P-II Período III: 0000 Z de 08/08/ Z de 09/08/ Análise Sinótica do P-III Análise dos Diagramas Termodinâmicos para o P-III Análise dos Perfis Verticais em SBGL para o P-III Análise Estatística dos Casos Estudados no P-III Análise dos Campos de q n e Vento a 10 m AGL do P-III Seção tempo altura de q n do P-III CONCLUSÕES Sumário e Conclusões Recomendações para Trabalhos Futuros 267 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 269 APÊNDICE A: ESTRUTURA DE GRADES NUMÉRICAS E CC S A 1 A.1 Estrutura de Grades A 1 A.2 CC s Laterais A 3 A.2.1 CC de Parede Rígida ou Espelho A 4 xv

16 A.2.2 CC Periódica A 5 A.2.3 CC de Gradiente Zero A 6 A.2.4 CC Aberta de Onda Radiativa A 7 A.2.5 CC s Especificadas Externamente A 11 A.3 CC s das Superfícies do Topo e do Solo A 12 A.4 Estado Básico das CC s A 14 APÊNDICE B: ARQUIVO INDEXADOR B 1 B.1 Arquivo south_dem.index B 1 APÊNDICE C: TIPOS DE VEGETAÇÃO DA ESA/MEDIAS-FRANCE C 1 C.1 Tipos de Vegetação C 1 APÊNDICE D: CUSTO COMPUTACIONAL D 1 D.1 Custo computacional das Simulações D 1 xvi

17 LISTA DE FIGURAS Figura 1.2.1: Domínio L da Terra Incógnita. 8 Figura 5.3.1: (a) Limite das regiões do governo do Rio de Janeiro (Fonte: (b) Delimitação das BA s da RMRJ (Fonte: Fundação Estadual de Engenharia e Meio Ambiente - FEEMA). 113 Figura 5.3.2: Mapa de elevação do terreno da RMRJ e localização das estações meteorológicas de superfície, altitude e SODAR. As caixas tracejadas e pontilhadas representam o domínio das grades mais resolutas ilustradas em detalhes na Fig b. 115 Figura 5.4.1: (a) GEXT e os seus aninhamentos para G1, G2, G3 e G4. (b) G4 e os aninhamentos para G5 e G6, e localização das estações meteorológicas de superfície, altitude e SODAR. 120 Figura 5.4.2: Topografia processada para G4 com dados (a) 30s-USGS e (b) 3s- SRTM. 121 Figura 5.4.3: Topografia processada para G5 com dados (a) 30s-USGS e (b) 3s- SRTM. 121 Figura 5.4.4: Topografia processada para G6 com dados (a) 30s-USGS e (b) 3s- SRTM. 121 Figura 5.4.5: Tipo de solo da G5 processado pela base de dados 30s-USGS (a) original (b) corrigido (inserção da faixa de areia no limite entre a Baía de Sepetiba e o Oceano Atlântico) e (c) corrigido e ajustado (faixa de areia + ajuste na linha de costa e nos corpos d água). 127 Figura 5.4.6: Tipo de solo da G6 processado pela base de dados 30s-USGS (a) original, (b) corrigido e (c) corrigido e ajustado. 128 Figura 5.4.7: Mapa de solos elaborado pelo IBGE e pela EMBRAPA 128 Figura 5.4.8: Tipo de vegetação para G5 processados pelas bases de dados (a) 30s- USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 129 Figura 5.4.9: Tipo de vegetação para G6 processados pelas bases de dados (a) 30s- USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 129 Figura : LAI para G5 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 130 xvii

18 Figura : LAI para G6 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 130 Figura : Fração de cobertura para G5 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 131 Figura : Fração de cobertura para G6 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 131 Figura : Rugosidade para G5 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 132 Figura : Rugosidade para G6 processados pelas bases de dados (a) 30s-USGS e (b) 10s-ESA/ajustado. 132 Figura 5.5.1: Análise das cartas sinóticas e das imagens do satélite GOES10 às 0000 Z (a-b) e 1200 Z (c-d) do dia 06 de setembro de Fontes: CHM e CPTEC. 137 Figura 5.5.2: Análise das cartas sinóticas e das imagens do satélite GOES10 às 0000 Z (a-b) e 1200 Z (c-d) do dia 07 de setembro de Fontes: CHM e CPTEC. 138 Figura 5.5.3: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBSC no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.4: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado na Ecologia Agrícola no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.5: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado na Marambaia no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.6: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBJR no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.7: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo xviii

19 ARPS (CASOS I e II) e observado em SBAF no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.8: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBRJ no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura 5.5.9: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (arco-graus) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL no dia (a) 06/09/2007 e no dia (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos em SBSC para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos na Ecologia Agrícola para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos na Marambaia para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos em SBJR para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos em SBAF para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos em SBRJ para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Rosa dos ventos em SBGL para os dias (a) 06/09/2007 e (b) 07/09/ Figura : Perfis verticais de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor d água (g/kg), intensidade (m/s) e direção (arco-graus) do vento computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as 0000 Z do dia 06/09/ Figura : Perfis verticais de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor d água (g/kg), intensidade (m/s) e direção (arco-graus) do vento computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as 1200 Z do dia 06/09/ Figura : Perfis verticais de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor d água (g/kg), intensidade (m/s) e direção (arco-graus) do vento xix

20 computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as 0000 Z do dia 07/09/ Figura : Perfis verticais de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor d água (g/kg), intensidade (m/s) e direção (arco-graus) do vento computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as 1200 Z do dia 07/09/ Figura : Perfis verticais de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor d água (g/kg), intensidade (m/s) e direção (arco-graus) do vento computado pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as 0000 Z do dia 08/09/ Figura : Perfis verticais TP (K), TPE (K) e TPES (K) computados pelo ARPS (CASOS I e II) e observado em SBGL as (a) 0000 Z e (b) 1200 Z do dia 06/09/2007, (c) 0000 Z e (d) 1200 Z do dia 07/09/2007 e (e) 0000 Z do dia 08/09/ Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G5 as 0000 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 176 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G5 as 0600 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 177 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G5 as 1200 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 178 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G5 as 1800 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 179 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G6 as 0000 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 181 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G6 as 0600 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 182 xx

21 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G6 as 1200 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 183 Figura : Campos de temperatura ( C) do solo (hachura) e vento (m/s) a 10 m AGL (vetores) simulados na G6 as 1800 Z de 07/09/2007 para o (a) CASO I e (b) CASO II. 184 Figura : Seção transversal (latitude altitude) até 1 km AGL de TKE (m 2 s -2 - hachura), componentes (meridional, vertical) do vetor vento (m/s - vetores) e temperatura potencial (K pontilhado) as (a) 1500, (b) 1600, (c) 1700 e (d) 1800 Z de 06/09/2007 para o CASO I. 187 Figura : Seção transversal (latitude altitude) até 1 km AGL de TKE (m 2 s -2 - hachura), componentes (meridional, vertical) do vetor vento (m/s - vetores) e temperatura potencial (K pontilhado) as (a) 1500, (b) 1600, (c) 1700 e (d) 1800 Z de 06/09/2007 para o CASO II Figura : Seção transversal (latitude altitude) até 1 km AGL de TKE (m 2 s -2 - hachura), componentes (meridional, vertical) do vetor vento (m/s - vetores) e temperatura potencial (K pontilhado) as (a) 1500, (b) 1600, (c) 1700 e (d) 1800 Z de 07/09/2007 para o CASO I. 188 Figura : Seção transversal (latitude altitude) até 1 km AGL de TKE (m 2 s -2 - hachura), componentes (meridional, vertical) do vetor vento (m/s - vetores) e temperatura potencial (K pontilhado) as (a) 1500, (b) 1600, (c) 1700 e (d) 1800 Z de 07/09/2007 para o CASO II. 188 Figura 5.6.1: Análises das cartas sinóticas e das imagens compostas do satélite Meteosat-9 às 1200 Z dos dias (a-b) 06/02/2009 e (c-d) 07/02/2009, respectivamente. Fontes: CHM e CPTEC. 191 Figura 5.6.2: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (graus de arco) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e BRAMS, e observado em SBSC no dia (a) 06/02/2009 e no dia (b) 07/02/ Figura 5.6.3: Meteograma de depressão do ponto de orvalho ( C), razão de mistura do vapor (g/kg), direção (graus de arco) e intensidade do vento (m/s) computado pelo ARPS (CASOS I e II) e BRAMS, e observado na ecologia Agrícola no dia (a) 06/02/2009 e no dia (b) 07/02/ xxi

MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Leanderson Marcos da Silva Paiva

MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO. Leanderson Marcos da Silva Paiva MODELAGEM EM ALTA RESOLUÇÃO DO ESCOAMENTO ATMOSFÉRICO USANDO O ARPS NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Leanderson Marcos da Silva Paiva Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO E Davi Pegado Gomes, Mauricio Soares da Silva, Bruno D Aiuto da Cunha, José Francisco

Leia mais

Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso.

Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso. Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso. Alessandro Renê Souza do Espírito Santo1; Jeanne Moreira de Sousa1;

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO CICLO DE VIDA DE UMA CÉLULA CONVECTIVA PROFUNDA E A PARAMETRIZAÇÃO DE MICROFÍSICA DE NUVENS DE LIN NO MODELO ARPS

SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO CICLO DE VIDA DE UMA CÉLULA CONVECTIVA PROFUNDA E A PARAMETRIZAÇÃO DE MICROFÍSICA DE NUVENS DE LIN NO MODELO ARPS SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO CICLO DE VIDA DE UMA CÉLULA CONVECTIVA PROFUNDA E A PARAMETRIZAÇÃO DE MICROFÍSICA DE NUVENS DE LIN NO MODELO ARPS Ricardo Hallak 1 Augusto José Pereira Filho 1 Adilson Wagner Gandú

Leia mais

Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local

Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local Estudo da influência de superfícies urbanizadas no saldo de radiação local Taciana L. Araujo 1, Fabiane R. C. Dantas 2, Soetânia O. Santos 2, Herika P. Rodrigues 2, Enio P. Souza 3 1 Departamento de Engenharia

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Roberto D. B. dos Santos 1, Lislaine Sperandio 2, Kaio A. C. Gasparini

Leia mais

Avaliação das previsões operacionais do BRAMS realizadas no MASTER/IAG/USP para a Baixada Santista

Avaliação das previsões operacionais do BRAMS realizadas no MASTER/IAG/USP para a Baixada Santista Avaliação das previsões operacionais do BRAMS realizadas no MASTER/IAG/USP para a Baixada Santista Ricardo de Camargo, Bruno Biazeto, Enzo Todesco e Fabricio Vasconcelos Branco Instituto de Astronomia,

Leia mais

Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT

Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT Estudo de caso de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis utilizando o software GrADS e imagens de satélite do EUMETSAT Maurício Granzotto Mello, Maely Soares Silva, Joana Trentin Piceni de Souza, Maria Clara

Leia mais

ESTUDO DE ILHA DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS DAS CIRCULAÇÕES LOCAIS COM UTILIZAÇÃO DO MODELO ATMOSFÉRICO BRAMS

ESTUDO DE ILHA DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS DAS CIRCULAÇÕES LOCAIS COM UTILIZAÇÃO DO MODELO ATMOSFÉRICO BRAMS COPPE/UFRJ ESTUDO DE ILHA DE CALOR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS DAS CIRCULAÇÕES LOCAIS COM UTILIZAÇÃO DO MODELO ATMOSFÉRICO BRAMS Fernanda Batista Silva Dissertação de Mestrado apresentada

Leia mais

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS.

Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Simulação numérica de um evento extremo de precipitação ocorrido na região de Pelotas-RS. Bruna Zaparoli, Claudinéia B. Saldanha, Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas em Sensoriamento

Leia mais

O EFEITO DA ILHA DE CALOR URBANA SOBRE OS FLUXOS DE CALOR ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO MODELO RAMS. Edmilson Dias de Freitas e Pedro Leite da Silva Dias

O EFEITO DA ILHA DE CALOR URBANA SOBRE OS FLUXOS DE CALOR ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO MODELO RAMS. Edmilson Dias de Freitas e Pedro Leite da Silva Dias O EFEITO DA ILHA DE CALOR URBANA SOBRE OS FLUXOS DE CALOR ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DO MODELO RAMS Edmilson Dias de Freitas e Pedro Leite da Silva Dias Departamento de Ciências Atmosféricas IAG USP Rua do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2

COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a 2005 Flávio Conceição Antonio 1,2 COBERTURA DE NUVENS OBSERVADA EM NATAL (RN) E ALCÂNTARA (MA) 1993 a Flávio Conceição Antonio 1,2 RESUMO - Este trabalho mostra a climatologia da nebulosidade sobre as localidades de Natal (estado do Rio

Leia mais

Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte

Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte Franco Caldas Degrazia Doutorando em Engenharia Mecânica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica - UFRGS franco_degrazia@uniritter.edu.br

Leia mais

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DA ENERGIA CINÉTICA ASSOCIADA A ATUAÇÃO DE UM VÓRTICE CICLÔNICO SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia INMET raimundo@inmet.gov.br

Leia mais

ANÁLISE DO MODELO ETA COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ.

ANÁLISE DO MODELO ETA COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ. ANÁLISE DO MODELO COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ. Allan Rodrigues Silva 1 Adriano Correia de Marchi 2 Roberto Fernando da F. Lyra 3 Rosiberto Salustiano da Silva Junior 3 Thalyta Soares

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART

Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART AMNE SAMPAIO FREDÓ 1 e JAIDETE MONTEIRO DE SOUZA 2 1,2 Universidade do Estado do Amazonas, Escola Superior

Leia mais

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por

MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL. por 503 MODELOS ESTATÍSTICOS DE QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO ASSOCIADA AS PASSAGENS FRONTAIS NO RIO GRANDE DO SUL por Emma Giada Matschinski e Prakki Satyamurty CPTEC - Instituto de Pesquisas Espaciais -

Leia mais

SIMULAÇÃO DE UM CASO DE EVENTO EXTREMO DE CHUVA NA CIDADE DE MANAUS-AM COM O MODELO WRF: O CASO 08 DE MARÇO DE 2008 (RESULTADOS PRELIMINARES)

SIMULAÇÃO DE UM CASO DE EVENTO EXTREMO DE CHUVA NA CIDADE DE MANAUS-AM COM O MODELO WRF: O CASO 08 DE MARÇO DE 2008 (RESULTADOS PRELIMINARES) SIMULAÇÃO DE UM CASO DE EVENTO EXTREMO DE CHUVA NA CIDADE DE MANAUS-AM COM O MODELO WRF: O CASO 08 DE MARÇO DE 2008 (RESULTADOS PRELIMINARES) Adriane Lima Brito¹ José Augusto Paixão Veiga 1 André Ferreira

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS

ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS ESTUDO SINOTICO DE UM EVENTO EXTREMO EM 2012 NA CIDADE DE RIO GRANDE RS Dejanira Ferreira Braz¹ 1Universidade Federal de Pelotas UFPel/Faculdade de Meteorologia Caixa Postal 354-96.001-970 - Pelotas-RS,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS Dirceu Luís Herdies* Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC-INPE Rodovia Presidente

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

TEMA 3: Qual é o papel do desmatamento nas mudanças climáticas?

TEMA 3: Qual é o papel do desmatamento nas mudanças climáticas? INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TJ17) CADERNO DE

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

MIGRAÇÃO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTER-TROPICAL (ZCIT): UM ESTUDO COM UM MODELO CLIMÁTICO SIMPLES. por

MIGRAÇÃO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTER-TROPICAL (ZCIT): UM ESTUDO COM UM MODELO CLIMÁTICO SIMPLES. por MIGRAÇÃO DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTER-TROPICAL (ZCIT): UM ESTUDO COM UM MODELO CLIMÁTICO SIMPLES. por Julio Pablo Reyes Fernandez, Sergio H. Franchito e V. Brahmananda Rao Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet.

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet. Autor: Irene Cristina Pereira Corrêa Orientador(a): Júlia Clarinda Paiva Cohen Co-orientador: Paulo Afonso Fischer Kuhn Filiação: Curso de Meteorologia / Universidade Federal do Pará E-mail: irenecristinacorrea@hotmail.com

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Cleiton da Silva Silveira 1, Alexandre Araújo Costa 2, Francisco das Chagas Vasconcelos Júnior 3, Aurélio Wildson Teixeira

Leia mais

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica

TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA. Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica TECNOLOGIA DE GRANDES TURBINAS EÓLICAS: AERODINÂMICA Professora Dra. Adriane Prisco Petry Departamento de Engenharia Mecânica ELETRÔNICA DE POTENCIA AERODINÂMICA ELETRICIDADE DINÂMICA DOS ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes.

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Claudinéia Brazil Saldanha Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Edison Crepani José Simeão de Medeiros Instituto Nacional

Leia mais

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS Vanderlei R. de Vargas Jr. 1, Cláudia R. J.de Campos 1, Gustavo Rasera 1, Cristiano W. Eichholz 1 1 Universidade Federal

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. HUGO ELY DOS ANJOS RAMOS 1,4, JOSÉ GERALDO FERREIRA DA SILVA 2,4,

Leia mais

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS

Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Simulação de Evento de Tempo Extremo no Estado de Alagoas com o Modelo Regional BRAMS Heriberto dos Anjos Amaro 1, Elisângela Gonçalves Lacerda 1, Luiz Carlos Baldicero Molion 2 1 Pontifícia Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO ANÁLISE DE PICOS SECUNDÁRIOS NA CONCENTRAÇÃO DE OZÔNIO EM SUPERFÍCIE SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 1 Helena Turon Balbino, 2 Edmilson Dias de Freitas RESUMO: Neste trabalho são analisados máximos

Leia mais

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana)

Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Análise de um cavado móvel no sul da América do Sul através da ACE (Aceleração Centrípeta Euleriana) Alice dos Santos Macedo; Bianca Buss Maske; Roseli Gueths Gomes Faculdade de Meteorologia/ Universidade

Leia mais

Introdução a Oceanografia GEO232

Introdução a Oceanografia GEO232 Introdução a Oceanografia GEO232 Módulo 3 Oceanografia Física Aula 2 Interação Oceano-Atmosfera 1º semestre 2007 Carlos Lentini cadlentini@gmail.com Escalas típicas: Atmosfera e Oceano Fluídos geofísicos:

Leia mais

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010

ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 ANÁLISE DE UMA LINHA DE INSTABILIDADE QUE ATUOU ENTRE SP E RJ EM 30 OUTUBRO DE 2010 No sábado do dia 30 de outubro de 2010 uma linha de instabilidade provocou temporais em áreas entre o Vale do Paraíba

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº (2003) 3-7 Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia 2 3 Dieter Muehe, Rosuita Helena

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ.

CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. CORRELAÇÃO ENTRE DADOS DE VENTO GERADOS NO PROJETO REANALYSIS DO NCEP/NCAR E OBSERVADOS EM REGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ. Cícero Fernandes Almeida Vieira 1, Clodoaldo Campos dos Santos 1, Francisco José Lopes

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RESOLUÇÃO HORIZONTAL NAS CONDIÇÕES INICIAIS E CONTORNO NAS PREVISÕES DE CHUVAS TROPICAIS

INFLUÊNCIA DA RESOLUÇÃO HORIZONTAL NAS CONDIÇÕES INICIAIS E CONTORNO NAS PREVISÕES DE CHUVAS TROPICAIS INFLUÊNCIA DA RESOLUÇÃO HORIZONTAL NAS CONDIÇÕES INICIAIS E CONTORNO NAS PREVISÕES DE CHUVAS TROPICAIS S. C. Chou, J. R. Rozante, J. F. Bustamante Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC

Leia mais

Análise espectral das simulações do modelo atmosférico regional Eta/CPTEC RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

Análise espectral das simulações do modelo atmosférico regional Eta/CPTEC RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Análise espectral das simulações do modelo atmosférico regional Eta/CPTEC RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE) Fernando de Oliveira Lima (Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ

Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ Avaliação de Modelos Gaussianos para Fins Regulatórios Um Estudo para o Verão na Região de Nova Iguaçu, RJ VELLOSO, Maria Francisca Azeredo (1) ; CUNHA Bruno D Aiuto (2) ; PIMENTEL, Luiz Claudio Gomes

Leia mais

Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile

Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile Efeitos na atmosfera associados às cidades na região central do Chile Viviana Urbina Guerrero e Edmilson Dias de Freitas DCA - Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Universidade de

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q

Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q Análise do Movimento vertical na América do Sul utilizando divergência do Vetor Q Cristina Schultz, Thalyta Soares dos Santos, Rômulo Augusto Jucá Oliveira, Bruna Barbosa Silveira Instituto Nacional de

Leia mais

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012

ELETROSUL Centrais Elétricas SA RELATÓRIO. Relatorio Características do Potencial Eólico Coxilha Negra ELETROSUL 2012 0A 99/99/99 Emissão inicial deste documento Sigla Sigla Sigla Rev. Data Descrição da Revisão Elaboração Verificação Aprovação RELATÓRIO ELETROSUL Centrais Elétricas SA CONTRATO/LICITAÇÃO: xxxxxx PECN-P-ELRL-ESM-W05-0001

Leia mais

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL Angelo Barcelos BARBARIOLI 1, César Henrique de Assis RIBEIRO 1 & Luiz Silva do COUTO 1 RESUMO O monitoramento permanente de parâmetros

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa.

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa. Comunicado Técnico 35 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Base de dados Satélites de Monitoramento Cristina Criscuolo 1 Edlene Aparecida Monteiro Garçon 2 Mateus Batistella 3 Édson Luis Bolfe 4

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

ASSESSMENT OF ENVIRONMENTAL THERMAL COMFORT PARAMETERS IN A CLASSROOM USING CFD

ASSESSMENT OF ENVIRONMENTAL THERMAL COMFORT PARAMETERS IN A CLASSROOM USING CFD IBERIAN LATIN AMERICAN CONGRESS ON COMPUTATIONAL METHODS IN ENGINEERING (CILAMCE) São Paulo, 01 de Agosto de 2011 ASSESSMENT OF ENVIRONMENTAL THERMAL COMFORT PARAMETERS IN A CLASSROOM USING CFD Rogério

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

INTRODUÇÃO: MATERIAL E MÉTODOS:

INTRODUÇÃO: MATERIAL E MÉTODOS: MODELAGEM DO POTENCIA EÓLICO DO NORDESTE BRASILEIRO SOB CONDIÇÕES ATUAIS E DE AQUECIMENTO GLOBAL BRUNO LOPES DE FARIA 1 FLAVIO JUSTINO 2 LUANE INES B. MONTEIRO 2 MARCIO ARÊDES 4 1 Aluno de mestrado meteorologia

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi Estado da Arte da Modelagem Climática no Brasil COPPE/UFRJ- RJ Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros Marcio Cataldi Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Universidade Federal

Leia mais

TEMA 2: Cite pelo menos três fontes de energia renovável e discuta como a energia é produzida a partir de tais fontes.

TEMA 2: Cite pelo menos três fontes de energia renovável e discuta como a energia é produzida a partir de tais fontes. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TJ19) CADERNO DE

Leia mais

Métodos de Modelagem Numérica

Métodos de Modelagem Numérica Disciplina: Métodos de Modelagem Numérica Enilson Palmeira Cavalcanti enilson@dca.ufcg.edu.br Universidade Federal de Campina Grande Centro de Tecnologia e Recursos Naturais Unidade Acadêmica de Ciências

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES

ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES ESTIMATIVA DA ALTURA DA BASE DE NUVENS A PARTIR DE IMAGENS DE SATÉLITES Renato Galante Negri 1 e Luiz Augusto Toledo Machado 1 RESUMO Esse artigo descreve uma técnica de estimativa da altura da base das

Leia mais

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP 1 Leonardo Calvetti, 1 Cesar Beneti e 1 André Luis dos Santos e 2 Rogil Escuciatto 1 Instituto Tecnológico

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA.

UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA. UMA ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE RE-INCURSÕES DE MASSAS DE AR ÚMIDO NA REGIÃO DA BACIA DO PRATA DURANTE A ESTAÇÃO FRIA. Felipe Daniel C. Espindola, 12 Ernani de Lima Nascimento 1, Lincon T. Carabagialle 1

Leia mais

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas Introdução a Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação Introdução a Hidrologia de Florestas A. Umidade atmosférica A soma de todo o vapor

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO

ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP RESUMO ESTUDO DE CASO DE UM EVENTO DE WALL CLOUD OCORRIDO EM VINHEDO-SP Caroline R. Mazzoli da Rocha 1, Patricia V. Waldheim 1, Vanessa S. B. Carvalho 2, Wallace Menezes 3 RESUMO O estudo apresenta uma avaliação

Leia mais

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI

CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI CICLONE EXTRATROPICAL MAIS INTENSO DAS ÚLTIMAS DUAS DÉCADAS PROVOCA ESTRAGOS NO RIO GRANDE DO SUL E NO URUGUAI Entre os dias 22 e 23 de outubro de 2012 o processo de formação de um ciclone extratropical

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA

TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA Adriano Battisti 1 Bruno Vidaletti Brum 1 Otavio Costa Acevedo² Vagner Anabor² 1 Faculdade de

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions

Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions Delft3D 3D/2D modeling suite for integral water solutions Bruna Arcie Polli Doutoranda em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental Estágio à docência brunapolli@gmail.com Plano de aula Sistemas computacionais

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

Introdução. Materiais e Métodos

Introdução. Materiais e Métodos Revista Brasileira de Arqueometria, Restauração e Conservação. Vol.1, No.3, pp. 134-138 Copyright 2007 AERPA Editora PROGNÓSTICO DE VENTILAÇÃO NATURAL PARA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO EM MUSEUS CASA Msc.

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS

3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS 3203 APERFEIÇOAMENTO DE UM MÉTODO DE PREVISÃO DE TEMPERATURAS MÁXIMAS PARA PELOTAS Natalia Fedorova; Maria Helena de Carvalho; Benedita Célia Marcelino; Tatiane P. Pereira, André M. Gonçalves; Eliane P.

Leia mais