ISSN Outubro, Sistemas de preparo do solo: trinta anos de pesquisas na Embrapa Soja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ISSN 2176-2937 Outubro, 2013. Sistemas de preparo do solo: trinta anos de pesquisas na Embrapa Soja"

Transcrição

1 ISSN Outubro, Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj

2

3 ISSN Outubro, 2013 Empres Brsileir de Pesquis Agropecuári Embrp Soj Ministério d Agricultur, Pecuári e Abstecimento Documentos 342 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj Henrique Debisi Julio Cezr Frnchini Osmr Conte Alvdi Antonio Blbinot Junior Eleno Torres Odilon Ferreir Sriv Mri Cristin Neves de Oliveir Autores Embrp Soj Londrin, PR 2013

4 Exemplres dest publicção podem ser dquiridos n: Embrp Soj Rodovi Crlos João Strss, cesso Orlndo Amrl, Distrito de Wrt Cix Postl 231, CEP , Londrin, PR Fone: (43) Fx: (43) Comitê de Publicções d Embrp Soj Presidente: Ricrdo Vilel Abdelnoor Secretário-Executivo: Regin Mri Vills Bôs de Cmpos Leite Membros: Adeney de Freits Bueno, Adônis Moreir, Alvdi Antonio Blbinot Junior, Cludio Guilherme Portel de Crvlho, Decio Luiz Gzzoni, Frncismr Corre Mrcelino-Guimrães, Fernndo Augusto Henning e Normn Neumier. Supervisão editoril: Vness Fuzintto Dll Agnol Normlizção bibliográfic: Ademir Benedito Alves de Lim Editorção eletrônic: Mris Yuri Horikw Cp: Mris Yuri Horikw Foto: Adir V. Crneiro 1ª edição On line (2013) Todos os direitos reservdos. A reprodução não-utorizd dest publicção, no todo ou em prte, constitui violção dos direitos utoris (Lei no 9.610). Ddos Interncionis de Ctlogção n Publicção (CIP) Embrp Soj Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj / Henrique Debisi... [et l.] Londrin: Embrp Soj, p. : il. (Documentos / Embrp Soj, ISSN ; n. 342) 1.Mnejo do solo. I.Debisi, Henrique. II.Frnchini, Julio Cesr. III.Conte, Osmr. IV.Blbinot Junior, Alvdi Antonio. V.Torres, Eleno. VI.Sriv, Odilon Ferreir. VII. Oliveir, Mri Cristin Neves de. VIII.Título. IX.Série (21.ed.) Embrp 2013

5 Autores Henrique Debisi Engenheiro Agrônomo, Dr. Mnejo do solo e d cultur Embrp Soj Londrin PR Julio Cezr Frnchini Engenheiro Agrônomo, Dr. Mnejo do solo e d cultur Embrp Soj Londrin PR Osmr Conte Engenheiro Agrônomo, Dr. Trnsferênci de Tecnologis Embrp Soj Londrin PR

6 Alvdi Antonio Blbinot Junior Engenheiro Agrônomo, Dr. Mnejo do solo e d cultur Embrp Soj Londrin PR Eleno Torres Engenheiro Agrônomo, Msc. Pesquisdor posentdo d Embrp Soj Londrin PR Odilon Ferreir Sriv Engenheiro Agrônomo, Dr. Pesquisdor posentdo d Embrp Soj Londrin PR Mri Cristin Neves de Oliveir Licencid em Mtemátic, Dr. Biometri Embrp Soj Londrin PR

7 Apresentção Atulmente, o principl desfio d gricultur é produção de limentos, energi, fibrs e outros bens pr humnidde com menor impcto mbientl, ssocido o reduzido consumo de insumos que presentm reservs finits no plnet, como fósforo, potássio e petróleo. Adicionlmente, é necessário que gricultur sej um vetor de desenvolvimento socil. Nesse contexto, é fundmentl gerção e o uso de tecnologis que permitm que gricultur sej sustentável no longo przo. Os sistems de prepro do solo podem fetr os seus tributos químicos, físicos e biológicos e, consequentemente, vibilidde dos sistems de produção. Ns últims décds, o sistem plntio direto (SPD) tem sido fundmentl pr concilição de spectos econômicos, mbientis e sociis, por isso tem contribuído significtivmente pr sustentbilidde d gricultur brsileir. O SPD tem proporciondo mior conservção do solo e d águ, mnutenção d biodiversidde do solo, menor gsto com combustíveis, umento d produtividde, e fcilitdo os processos de semedur, trtos culturis e colheit, tornndo o trblho rurl menos árduo. A presente publicção vis presentr de form objetiv e sistemtizd os principis resultdos referentes às lterções n qulidde do solo, bse d produção vegetl, e n produtividde ds culturs de soj e trigo, em função de diferentes sistems de prepro do solo, o longo de três décds de pesquis. Nesse contexto, esper-se que ess obr subsidie s decisões sobre s prátics de prepro do solo por prte de técnicos e gricultores. Ricrdo Vilel Abdelnoor Chefe-Adjunto de Pesquis e Desenvolvimento Embrp Soj

8

9 Sumário 1. Introdução Protocolo experimentl Histórico e crcterizção d áre experimentl Delinemento experimentl, trtmentos e condução ds culturs Avlições Atributos químicos de solo Atributos físicos de solo Produtividde de grãos Métodos esttísticos Resultdos Impctos dos sistems de prepro sobre o solo Atributos químicos Atributos físicos Impctos dos sistems de prepro sobre produtividde de grãos de soj e trigo Considerções finis Agrdecimentos Referêncis...65

10

11 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj Henrique Debisi Julio Cezr Frnchini Osmr Conte Alvdi Antonio Blbinot Junior Eleno Torres Odilon Ferreir Sriv Mri Cristin Neves de Oliveir 1. Introdução A soj é principl cultur produzid no Brsil, ocupndo o primeiro lugr n produção de grãos. Segundo Conb (2013), produção brsileir de soj n sfr 2012/2013 foi estimd em 81,5 milhões de tonelds, em um áre cultivd pouco superior 27,5 milhões de hectres, o que torn o pís o segundo mior produtor mundil dest oleginos. Ddos históricos evidencim grndes vnços n produtividde d cultur desde o início ds primeirs explorções em escl comercil no Rio Grnde do Sul, pssndo de um médi de proximdmente kg h -1 no finl d décd de 70, pr cerc de kg h -1 n sfr 2012/2013 (Conb, 2013). Grnde prte dos gnhos pode ser tribuíd à melhori genétic, por meio d obtenção de cultivres dptds às condições edfoclimátics ds diferentes regiões brsileirs, bem como o desenvolvimento de novs tecnologis pr o mnejo d cultur. Além disso, não há como desvinculr esse slto de produtividde dos vnços científicos e tecnológicos no que se refere o mnejo e conservção do solo. Durnte s décds de 70 e 80, o mnejo indequdo do solo se constituí em um dos principis problems relciondos à produção de soj no Brsil, especilmente n Região Sul. Nquel époc, produção de soj no Brsil er bsed exclusivmente n utilizção de sistems de

12 12 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj prepro do solo desenvolvidos pr regiões de clim temperdo. Esses sistems envolvim o revolvimento intensivo e profundo do solo, por meio do emprego de rdos e grdes, o que, sob s condições climátics ds regiões temperds, tinh como principl rgumento fvorável exposição do solo os rios solres durnte primver visndo o seu degelo e quecimento, requisito importnte pr o desenvolvimento ds culturs de verão. Em regiões temperds, os principis problems ssocidos o revolvimento excessivo do solo perd de águ e solo por erosão e degrdção d mtéri orgânic do solo (MOS) são minimizdos em decorrênci d bix intensidde ds chuvs e ds temperturs mens. Contudo, qundo sistems de mnejo crcterizdos pelo prepro intensivo do solo (conhecidos tulmente como sistems de prepro convencionl - SPC) são utilizdos de modo indiscrimindo em regiões de clim subtropicl e tropicl, como é o cso do Brsil, os reflexos sobre produção grícol e sobre o mbiente são desstrosos. Nos nos 70 e 80, flt de cobertur e desgregção excessiv do solo, provocds pelo prepro intensivo, resultrm no umento d intensidde dos processos erosivos. No Prná, por exemplo, perd médi de solo por erosão em áres terrceds e mnejds sob SPC (rção + dus grdgens) er estimd em quse 20 t h -1 no -1 (Mondrdo & Bisci, 1981). Além de representr um grnde meç à mnutenção d produtividde d soj e de outrs culturs, erosão hídric result em impctos negtivos sobre o mbiente, prticulrmente sobre s fontes superficiis de águ. O solo erodido de áres de lvour cumul-se nos mnnciis superficiis de águ, ssorendo-os. A águ e o solo perdido por erosão crregm consigo nutrientes e moléculs de groquímicos que, lém de resultr em prejuízos finnceiros o produtor, constituem- -se em importntes poluentes d águ. Em trblho conduzido sobre um Ltossolo Vermelho distroférrico com 0,03 m m -1 de declividde durnte sete nos, Hernni et l. (1999) encontrrm que, no SPC (rção + dus grdgens), s perds médis nuis de P, K, C e Mg form de 0,84 kg h -1, 7,80 kg h -1, 19,20 kg h -1 e 1,70 kg h -1, res-

13 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 13 pectivmente. N som dos sete nos, s perds de P e K equivlerm cerc de 70 kg h -1 de superfosfto simples e 105 kg h -1 de cloreto de potássio, respectivmente. Outro efeito negtivo ssocido à mobilizção excessiv do solo no SPC é o umento d tx de decomposição dos resíduos vegetis (Gonçlves et l., 2010) e de minerlizção d MOS (Frnchini et l., 2007). A redução do teor de MOS, por su vez, é um dos principis ftores que comprometem qulidde do solo (Mielniczuk, 1999), qui entendid como sendo cpcidde que o mesmo present em funcionr dentro dos limites de ecossistems nturis ou mnejdos, de form sustentr produtividde biológic, mnter ou melhorr qulidde do r e d águ e promover súde ds plnts e dos nimis (Dorn & Prkin, 1994). Além disso, minerlizção d MOS implic n perd de crbono do solo pr tmosfer, n form de CO 2, um dos gses responsáveis pelo quecimento globl. Dinte desse cenário, mnutenção do potencil produtivo do solo pssv, necessrimente, pel doção de sistems de mnejo dptdos às condições de clim tropicl e subtropicl do Brsil, focdos n redução d intensidde de revolvimento e n mnutenção d cobertur do solo. Foi ssim que um tecnologi bsed n implntção ds culturs sem prepro prévio do solo, sobre os restos culturis d lvour nterior, denomind inicilmente de plntio direto (PD), começou ser utilizd no Brsil. Os primeiros estudos sobre o PD form relizdos n Estção Experimentl de Rothmsted, n Inglterr, n décd de 40, qundo se consttou que o prepro do solo er dispensável, desde que não houvesse competição de plnts dninhs. Em condição experimentl, primeir tenttiv de implntr um cultur sem prepro do solo no Brsil, mobilizndo pens linh de semedur, ocorreu no município de Mtão/SP, no no de 1966 (Lnders, 2005). No entnto, conforme o mesmo utor, somente em 1972 o PD pssou ser utilizdo em escl comercil, n Fzend Renâni, de propriedde de Herbert Brtz, em Rolândi/PR, município loclizdo cerc de 20 km de Londrin. Ness époc, quse 500 mil hectres já erm conduzidos em plntio direto nos Estdos Unidos.

14 14 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj É importnte destcr que, té o início d décd de 80, o plntio direto er entendido como simples método lterntivo de prepro do solo, ltmente eficiente no controle d erosão hídric (Denrdin et l., 2005). Conforme os mesmos utores, prtir dquel époc, s experiêncis prátics e conhecimento científico cumuldo conduzirm à percepção de que o plntio direto, pr ser técnic, econômic e mbientlmente viável, deveri ser trtdo com um sistem de produção grícol, composto por um complexo de processos inter-relciondos, complementres e interdependentes. Assim, o PD pssou ser enfocdo, tnto em escl de pesquis qunto de lvour, como sistem plntio direto (SPD), fundmentdo n diversificção de espécies vegetis, n cobertur permnente do solo e n mínim mobilizção do solo, restrit pens à linh de semedur. Desde s primeirs experiêncis, o SPD mostrou-se um tecnologi ltmente eficiente no controle d erosão hídric. Bisci (1977), em trblho relizdo sobre um Ltossolo Vermelho rgiloso, em Pont Gross/PR, consttou que o SPD reduziu em 78% s perds de solo por erosão hídric em relção o SPC com rção + dus grdgens. Já Hernni et l. (1999), em experimento conduzido sobre Ltossolo durnte sete nos, encontrrm que o SPD reduziu s perds médis nuis de solo e águ em 92% e 87%, respectivmente, em relção o SPC com rção + dus grdgens. A redução d intensidde dos processos erosivos pelo SPD é fundmentd em dois princípios (Denrdin et l., 2005b): 1) Dissipção d energi cinétic decorrente do impcto d got de chuv sobre o solo, gente cusdor d erosão em entressulcos ou slpicmento; e 2) Redução do volume e intensidde d enxurrd, gente responsável pel erosão em sulcos. Além disso, usênci de revolvimento result n consolidção d superfície do solo, o que reduz s perds de solo por erosão em rzão do umento d resistênci deste à desgregção pel enxurrd (Volk et l., 2004). No entnto, Kochnnn et l. (2005) ressltm que cobertur do solo por plnts vivs ou por resíduos culturis tem potencil pr reduzir em té 100% erosão em entressulcos, ms não mnifest ess mesm eficáci pr controlr erosão em sulcos, de modo que prátics mecâ-

15 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 15 nics de controle d enxurrd, como o terrcemento e o cultivo em nível, sempre form imprescindíveis, mesmo no SPD. Muits erm s dificulddes enfrentds pelos produtores brsileiros que se venturvm dotr o SPD como lterntiv pr controlr o celerdo processo de depupermento do solo ocsiondo, principlmente, pel erosão hídric. Os principis problems enfrentdos pelos pioneiros estvm relciondos à bix eficiênci e custo elevdo ds semedors dptds à semedur diret e, tmbém, à dificuldde de controle de plnts dninhs, devido à ofert restrit de herbicids e à bix eficiênci dos mesmos no SPD. Hvi tmbém preocupções relcionds à compctção do solo, à correção d cidez do solo em um condição onde não se podi mis revolver o solo, e o comportmento d produtividde ds culturs no novo sistem. Com o objetivo de contribuir pr solução dos problems e dificulddes enfrentds pelos produtores e, ssim, consolidr o SPD como ferrment pr o mnejo sustentável d cultur d soj, foi implntdo, no no de 1981, um experimento de long durção n Fzend Experimentl d Embrp Soj, em Londrin/PR, o qul continu sendo conduzido té os dis tuis. O estudo tem como objetivo comprr o SPD com o SPC relizdo com rdo de discos ou grde rdor, bem como com o prepro reduzido por meio d utilizção de escrificdores, levndo-se em considerção os impctos desses sistems sobre produtividde ds culturs e qulidde do solo. Durnte os trint nos de condução deste experimento, produtividde d soj e do trigo foi determind nulmente. Concomitntemente, tributos químicos e físicos do solo form periodicmente monitordos. Nesse contexto, o objetivo dess publicção é disponibilizr os resultdos obtidos durnte os trint nos de condução experimentl de um form grupd e orgnizd, proporcionndo o entendimento de como produtividde ds culturs e qulidde do solo no SPD evoluem o longo do tempo, em comprção outros sistems de prepro do solo.

16 16 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 2. Protocolo experimentl 2.1. Histórico e crcterizção d áre experimentl O experimento vem sendo conduzido desde sfr 1981/1982 n Fzend Experimentl d Embrp Soj, em Londrin/PR (23º 12 S, 51º 11 W, e 585 m de ltitude), em um Ltossolo Vermelho distroférrico. O clim d região é subtropicl úmido (Cf, conforme clssificção de Köppen), com temperturs médis máxims e mínims de 28,5ºC em fevereiro e 13,3ºC em julho, respectivmente, e precipitção médi nul de mm, sendo, n médi históric, jneiro o mês mis úmido (217 mm) e gosto o mis seco (60 mm). Antes do início do ensio, áre experimentl foi ocupd por um plntção de cfé por proximdmente qurent nos té 1973, qundo então pssou ser explord com culturs nuis de grãos (soj no verão e trigo no inverno), em prepro convencionl de solo (rções e grdgens), uso este que permneceu té implntção do experimento (1981/1982). Alguns tributos químicos e físicos do solo d áre experimentl, determindos ntes d plicção dos trtmentos, são presentdos ns Tbels 1, 2 e 3, respectivmente. Tbel 1. Vlores de ph do solo em águ e teores médios de cálcio (C), mgnésio (Mg) e potássio (K) trocáveis, lumínio (Al), fósforo disponível (P) e crbono orgânico (C), obtidos d cmd de 0-20 cm de um Ltossolo Vermelho distroférrico, ntes d implntção do experimento. Embrp Soj, Londrin/ PR, ph H 2 O C Mg K Al P C cmol c dm mg dm g kg ,8 6,51 2,02 0,42 0,00 21,3 12,5

17 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 17 Tbel 2. Vlores médios de densidde do solo (Ds), porosidde totl (Pt), mcroporosidde (MA), microporosidde (MI) e cpcidde de rmzenmento de águ disponível (CAD), obtidos em diferentes cmds de um Ltossolo Vermelho distroférrico, ntes d implntção do experimento. Embrp Soj, Londrin/PR, Cmd Ds Pt MA MI CAD cm Mg m m 3 m ,09 0,62 0,22 0,40 0, ,13 0,62 0,19 0,43 0, ,08 0,62 0,19 0,43 0, ,04 0,64 0,21 0,43 0,11 Tbel 3. Teores médios de rgil, silte e rei, obtidos em diferentes cmds de um Ltossolo Vermelho distroférrico, ntes d implntção do experimento. Embrp Soj, Londrin/PR, Cmd Argil Silte Arei cm g kg Delinemento experimentl, trtmentos e condução ds culturs O delinemento experimentl é em blocos completmente csulizdos, com qutro repetições. As prcels medem 8 x 50 m, totlizndo um áre de 400 m 2. Desde implntção, o experimento vem sendo cultivdo com sucessão trigo no inverno e soj no verão. Os trtmentos envolvem qutro sistems de prepro do solo, relizdos nulmente

18 18 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj ntes d implntção d soj: 1) SPD - sistem plntio direto; 2) AD - sistem prepro convencionl com um rção (rdo de discos de 26 polegds, trblhndo um profundidde médi de 22 cm) + dus grdgens leves; 3) GP - sistem prepro convencionl com um grdgem pesd (grde pesd equipd com discos de 24 polegds, tundo um profundidde médi de 12 cm) + um grdgem leve; e 4) ESC sistem prepro reduzido com um escrificção (escrificdor de cinco hstes, espçds de 35 cm, trblhndo um profundidde médi de 22 cm) + um grdgem leve. A Figur 1 mostr o specto d superfície do solo pós relizção d escrificção (), d rção com rdo de discos (b) e d grdgem pesd (c), em comprção o SPD (d). No inverno, ntes d semedur do trigo, todos os trtmentos, à exceção do SPD, são preprdos com um grdgem pesd seguid de um grdgem leve. A clgem vem sendo relizd cd qutro nos, com plicção, em médi, de 2 t h -1 de clcário dolomítico em todos os trtmentos, visndo lcnçr 60% de sturção de bses e umentr o ph em águ pr proximdmente 5,5. No SPD, o clcário é plicdo em superfície, enqunto que, nos demis trtmentos, o corretivo é incorpordo pelo implemento que crcteriz o respectivo sistem de prepro. As dts de semedur e colheit, ssim como dubção e s cultivres utilizds, são presentds n Tbel 4 (trigo) e n Tbel 5 (soj). N semedur do trigo, vem sendo utilizd um semedor- -dubdor trtorizd, equipd com sulcdores pr dubo e semente do tipo disco duplo desencontrdo, com linhs espçds por 17 cm. A semedur d soj foi relizd por meio de um semedor-dubdor trtorizd, equipd com hstes sulcdors (té 1999/2000) ou sistem guilhotin (d sfr 2000/2001 em dinte), e sulcdores pr semente do tipo disco duplo desencontrdo, com espçmento de 45 cm entrelinhs. A implntção e o mnejo ds culturs, ssim como os trtmentos fitossnitários e demis trtos culturis, sempre form relizdos de cordo com s indicções técnics pr soj e o trigo no Estdo do Prná, vigentes em cd sfr vlid. No cso do SPD, em tods s sfrs, s prcels form dessecds pós colheit do trigo e d soj, medinte plicção de herbicids não seletivos.

19 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj A B C D Figur 1. Aspecto visul d superfície do solo pós o prepro do solo por meio de escrificção (), rção com rdo de discos (b) e grdgem pesd (c), em comprção o SPD (d), em outubro de

20 20 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj Tbel 4. Dts de semedur e colheit, cultivres utilizds e quntidde de mcronutrientes plicdos vi dubção de bse n cultur do trigo, ns diferentes sfrs vlids. Embrp Soj, Londrin/PR, Sfr (1) Cultivr Dt de semedur Dt de colheit Adubção (2) N P 2 O 5 K 2 O Kg h (3) (3) (3) 16/05/ /09/ ,8 48,0 24,0 14/05/ /09/ ,8 48,0 24,0 24/04/ /08/ ,8 48,0 24,0 (4) (4) (4) (4) (4) (4) 1993 BR 23 22/04/ /09/ ,8 48,0 24, (4) (4) (4) (4) (4) (4) 1995 BR 18 23/04/ /08/ ,8 48,0 24, Ocepr 16 17/05/ /09/ ,8 48,0 24, BR 18 20/05/ /09/ ,8 44,8 25, BR 18 08/05/ /09/ ,4 50,4 28, BR 18 12/05/ /09/ ,0 56,0 32, BR 18 23/05/ /09/ ,8 44,8 25, BRS /05/ /09/ ,0 56,0 32, BRS /05/ /09/ ,0 70,0 40, BRS /04/ /09/ ,0 56,0 32, BRS /05/ /09/ ,0 70,0 40, BRS /05/ /09/ ,0 56,0 32, BRS /05/ /09/ ,4 50,4 28, BRS /04/ /08/ ,0 56,0 32, BRS /05/ /09/2008 0,0 40,0 40, BRS /05/ /09/ ,0 60,0 37, BRS /05/ /09/ ,5 67,5 40,5 (1) As informções referentes às sfrs de não form recuperds. (2) Não foi plicdo fertiliznte nitrogendo em cobertur em nenhum ds sfrs vlids. (3) Sem informção. (4) Perd totl de produção devido à ocorrênci de sec.

21 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 21 Tbel 5. Dts de semedur e colheit, cultivres utilizds e quntidde de mcronutrientes plicdos vi dubção de bse n cultur d soj, ns diferentes sfrs vlids. Embrp Soj, Londrin/PR, Sfr (1) Cultivr Dt de semedur Dt de colheit P 2 O 5 Adubção (2,3) K 2 O Kg h /1988 Prná 25/11/ /03/ ,0 24,0 1988/1989 Prná 23/11/ /03/ ,0 24,0 1989/1990 Prná 25/11/ /03/ ,0 24,0 1990/1991 Prná 27/11/ /03/ ,0 24,0 1991/1992 Prná 29/11/ /03/ ,0 24,0 1992/1993 Prná 27/11/ /03/ ,0 24,0 1993/1994 Prná 24/11/ /03/ ,0 24,0 1994/1995 BR 37 14/11/ /03/ ,0 24,0 1995/1996 BR 37 12/11/ /03/ ,0 24,0 1996/1997 BR 37 04/11/ /03/1997 0,0 0,0 1997/1998 Embrp 48 14/11/ /03/ ,0 24,0 1998/1999 BR 37 11/11/ /03/1999 0,0 0,0 1999/2000 Embrp 48 07/11/ /03/ ,0 34,0 2000/2001 BRS /11/ /03/2001 0,0 0,0 2001/2002 BRS /11/ /03/ ,0 60,0 2002/2003 BRS /11/ /03/ ,0 40,0 2003/2004 BRS /11/ /03/ ,0 40,0 2004/2005 BRS /11/ /03/ ,0 40,0 2005/2006 BRS /11/ /03/ ,0 50,0 2006/2007 BRS /11/ /03/ ,0 40,0 2007/2008 BRS /11/ /03/ ,0 50,0 2008/2009 BRS /10/ /03/ ,0 50,0 2009/2010 BRS 255RR 29/10/ /03/ ,0 50,0 2010/2011 BRS 295RR 27/10/ /03/ ,0 52,0 (1) As informções referentes às sfrs 1981/ /1987 não form recuperds. (2) Não foi plicdo fertiliznte nitrogendo em nenhum ds sfrs vlids, sendo s sementes de soj sempre inoculds com Brdyrhizobium jponicum e B. elknii. (3) Desde sfr 1998/1999, vem sendo plicdo ns sementes de soj 20 g h 1 de molibdênio n form d molibdto de sódio e 2 g h 1 de coblto (cloreto de coblto).

22 22 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 2.3. Avlições Atributos químicos de solo Amostrs de solo pr nálises químics form coletds ns cmds de 0-8 cm, 8-16 cm e cm em 1991, 1994 e As mostrgens form relizds em todos os trtmentos, pós colheit d soj e ntes ds operções de prepro do solo que ntecedem semedur do trigo. Form determinds s seguintes vriáveis: ph em CCl 2, fósforo (P) e potássio (K) disponíveis (Mehlich 1), cálcio (C), mgnésio (Mg) e Al (lumínio) trocáveis, sturção por bses (V) e crbono orgânico (C), de cordo com os métodos descritos em Embrp (1979) e Embrp (1997). Em julho de 2010, durnte o ciclo do trigo, form coletds mostrs de solo ns cmds de 0-8 cm, 8-16 cm e cm dos trtmentos SPD e AD pr quntificção do teor de C orgânico do solo, pelo método d combustão vi sec, utilizndo o nlisdor elementr de C do solo. Esses ddos, em conjunto com os vlores de densidde do solo determindos em mostrs coletds n mesm oportunidde (item 2.3.2), form utilizdos pr o cálculo dos estoques de C orgânico do solo. A comprção dos estoques de C foi feit com bse em um mesm mss de solo, sendo correção relizd por meio d metodologi propost por Sisti et l. (2004) Atributos físicos de solo Amostrs de solo com estrutur preservd form coletds em néis de ço (100 cm 3 ) inseridos horizontlmente no centro de cd cmd vlid, por meio de um mcco hidráulico, n prede de trincheirs berts em cd prcel. Nos nos de 1986, 1991, 1994, 1998, 1999 e 2004, s mostrgens form relizds pós colheit d soj e ntes ds operções de prepro do solo prevists pr o inverno, em todos os trtmentos e em três cmds: 5,5-8,5 cm; 13,5-18,5 cm; e 21,5-26,5 cm. Em 2010, os néis form coletdos durnte o ciclo do trigo (julho/2010), somente nos trtmentos SPD e AD, ns cmds de: 5,5-8,5 cm; 13,5-18,5 cm; 21,5-26,5 cm; 32,5-37,5 cm; 47,5-52,5 cm; 67,5-72,5 cm; e 87,5-92,5 cm. Em lbortório, esss mos-

23 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj 23 trs form utilizds pr quntificção d densidde do solo, porosidde totl, mcroporosidde e microporosidde, conforme metodologi descrit em Embrp (1979) e Embrp (1997). A resistênci mecânic do solo à penetrção (RP) foi determind té 60 cm de profundidde, nos nos de 1986, 1991, 1994 e 1999, sempre entre colheit d soj e s operções de prepro do solo pr o inverno, empregndo-se o penetrômetro de impcto (modelo IAA/Plnlsucr-Stolf), conforme metodologi descrit por Stolf et l. (1983). As leiturs, espçds 10 cm entre si, form relizds sobre um trnsecto disposto trnsverslmente às linhs de semedur, medindo dois metros de comprimento. Junto cd trnsecto, form coletds mostrs deformds de solo pr determinção do conteúdo de águ do solo ns cmds de 0-10, e cm. Pr vlição d estbilidde de gregdos em águ, form coletds mostrs de solo ns cmds de 0-10 e cm, tmbém no período entre colheit d soj e o prepro do solo ntecedendo à cultur do trigo, nos nos de 1986, 1991, 1994, 1998 e A prtir desss mostrs, form obtidos gregdos com diâmetro de 4,00-6,35 mm por meio de peneirmento. Após pré-umedecimento lento dos gregdos, por cpilridde, estbilidde de gregdos foi quntificd em triplict por meio do tmismento úmido, conforme o método de Yoder (1936). O diâmetro médio ponderdo (DMP) foi clculdo de cordo com equção (1): (1) Em que, - wi = proporção de cd clsse em relção o totl; - xi = diâmetro médio ds clsses (mm).

24 24 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj Produtividde de grãos A produtividde de grãos foi determind por meio d colheit mecnizd de 50 m ds 9 (soj) ou 28 (trigo) linhs centris de cd prcel. Posteriormente, os grãos form limpos e pesdos, sendo os vlores corrigidos pr 13% de umidde. A produtividde de grãos d soj foi relciond à disponibilidde hídric durnte o estádio reprodutivo d cultur, express por meio do índice de stisfção ds necessiddes de águ (ISNA). Pr isso, form considerdos os vlores de produtividde d soj obtidos prtir d sfr 1994/1995, qundo o SPD já se encontrv estbilizdo e, o mesmo tempo, cultivr Prná foi substituíd por outr com mior potencil produtivo, BR 37 (Tbel 5). O ISNA corresponde à relção entre evpotrnspirção rel (ETr) e evpotrnspirção máxim (ETm) d cultur. Qundo s necessiddes de águ pr o cultivo estão sendo plenmente tendids, o ISNA é igul 1 (ETr = ETm). Por outro ldo, qundo ETr<ETm (0 < ISNA < 1), demnd hídric d cultur não está sendo completmente tendid e, bixo de um determindo vlor de ISNA, produtividde pode ser limitd pel flt de águ. Neste trblho, o ISNA foi clculdo pr o período reprodutivo d cultur (estádios R1 R6), que é considerdo o mis crítico pr definição d produtividde d soj. Os vlores de ETr e ETm form determindos pr cd sfr pelo modelo BIPZON de simulção do blnço hídrico d cultur (Forest, 1984). Esse modelo utiliz como vriáveis de entrd ddos climáticos (precipitção pluvil diári e evpotrnspirção potencil decendil médi), d cultur (coeficiente de cultur Kc e durção ds fses fenológics) e de solo (cpcidde de águ disponível em função d profundidde do sistem rdiculr). Form empregdos os coeficientes de Kc justdos por Fris et l. (2001). A cpcidde de águ disponível no solo utilizd foi de 75 mm (0,125 m 3 m -3 de conteúdo de águ disponível no solo e sistem rdiculr com profundidde efetiv de 60 cm).

25 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj Métodos esttísticos Pr nálise esttístic dos ddos de produtividde d soj e do trigo e dos tributos químicos e físicos do solo, form utilizdos os métodos explortórios univridos pr verificr s pressuposições d nálise de vriânci (ANOVA), o teste de comprções múltipls de médis por Tukey ( p 0,05) e ANOVA pr diferentes sistems de prepro de solo, nos e profundiddes, seguindo o delinemento em blocos completmente csulizdos. No cso dos tributos físicos do solo, foi plicd tmbém nálise multivrid pelo método d árvore de regressão pr os nos de condução experimentl, sistems de prepro e cmds. Além destes métodos, foi relizd nálise de regressão não liner pr evolução temporl d produtividde d soj no período de 30 nos pr os sistems SPD e AD, nálise de regressão liner entre produtividde de grãos d soj e o índice de stisfção ds necessiddes de águ durnte o período reprodutivo d cultur (ISNA R1-R6) em cd sistem de prepro do solo, bem como regressão liner entre produtividde de grãos de trigo e nos de condução experimentl (24) nos sistems SPD e AD. 3. Resultdos 3.1. Impctos dos sistems de prepro sobre o solo Atributos químicos N sequênci, são presentdos os resultdos ds nálises químics do solo, relizds prtir ds mostrs obtids nos nos de 1991, 1994 e 2004 (Tbels 6 8), onde form nlisdos os seguintes tributos: ph, P, K, C, Mg, Al e C, clculndo-se sturção por bses (V) no complexo de troc ctiônico, pr sucessivs cmds do solo nos diferentes trtmentos borddos. De modo gerl, s diferençs entre os trtmentos no que se refere o ph do solo form pequens. Ns mostrgens relizds em 1991 (Tbel 6) e 1994 (Tbel 7), o ph do solo medido em CCl 2 não presentou diferenç significtiv entre os trtmentos em nenhum

26 26 Sistems de prepro do solo: trint nos de pesquiss n Embrp Soj ds cmds de solo vlids. N vlição de 2004 (Tbel 8), o ph do solo foi mior pr o SPD n cmd de 0-8 cm, o que pode ser tribuído principlmente à plicção superficil de clcário. Por outro ldo, em 2004, o ph do solo n cmd de 8-16 cm foi mior no AD em relção o SPD, sendo que mbos não diferirm dos trtmentos GP e ESC. Ness mesm vlição, os vlores de ph no AD form superiores os demis sistems de prepro n cmd de cm. Provvelmente, os vlores mis elevdos de ph no AD ns cmds de 8-16 cm e cm estão ssocidos à incorporção do clcário pelo rdo. Os resultdos mostrm ind que os vlores de ph umentrm o longo do tempo, independentemente do sistem de prepro e d c- Tbel 6. Atributos químicos de um Ltossolo Vermelho distroférrico submetido diferentes sistems de prepro do solo, em três profundiddes, determindos em Embrp Soj, Londrin/PR, Sistem (1) ph P K C Mg Al (2) V C CCl 2 mg dm cmol c dm % -- - g kg cm SPD 4,72 73,5 0,89 4,30 1,30 0, ,1 AD 4,82 23,7 b 0,60 4,15 1,24 0, ,2 b GP 4,68 26,1 b 0,82 4,04 1,26 0, ,7 b ESC 4,70 23,9 b 0,67 3,98 1,22 0, ,8 b cm SPD 4,54 13,0 0,70 3,72 0,95 0, ,1 AD 4,70 15,9 0,31 3,99 1,18 0, ,2 GP 4,62 12,8 0,38 3,72 1,14 0, ,8 ESC 4,58 14,6 0,32 3,35 1,00 0, , cm SPD 4,54 4,2 0,30 2,91 0,82 b 0, ,9 AD 4,77 9,6 0,19 3,90 1,13 0, ,4 GP 4,59 4,2 0,22 3,11 0,98 b 0, ,6 ESC 4,61 11,0 0,50 3,50 1,02 b 0, ,0 (1) SPD = Sistem plntio direto; AD = prepro convencionl com rdo de discos + grde leve no verão e grde pesd + grde leve no inverno; GP = prepro convencionl com grde pesd + grde leve no verão e no inverno; ESC = prepro mínimo (escrificdor + grde leve) no verão e grde pesd + grde leve no inverno. (2) Pr nálise esttístic, o teor de Al foi submetido à trnsformção (Al + 1) 0,5. Médis seguids pel mesm letr ns coluns, dentro de cd cmd, não diferem significtivmente pelo teste de Tukey (p<0,05).

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Tecnologi e Produção: Soj e Milho 008/009 Fertilidde do Solo, Adubção e Nutrição d Cultur d Soj Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Rnno.. Amostrgem do solo A recomendção de dubção e de clgem bseise principlmente

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO

ISSN 1808-981X 19 BROTAÇÃO E ALTURA DE PLANTAS DE MANDIOCA EM FUNÇÃO DA VELOCIDADE DE PLANTIO MECANIZADO EM DOIS SISTEMAS DE PREPARO DO SOLO ISSN 1808-981X 19 BROTÇÃO E LTUR DE PLNTS DE MNDIOC EM FUNÇÃO D VELOCIDDE DE PLNTIO MECNIZDO EM DOIS SISTEMS DE PREPRO DO SOLO Sprouting nd height of the cssv plnts in terms of speed of the mechnized plnting

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO DA PALMA NA BIOMASSA MICROBIANA DO SOLO Teti, L.M.E.H. (1) ; Sntos, V.M. (1) ; Escor, I.E.C. (1) ; Mi, L.C. (1) lyssndr_teti@hotmil.com (1) Lortório de Micorrizs,

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE ÂNIONS NO PERFIL DE SOLO TRATADO SUCESSIVAMENTE COM LODO DE ESGOTO Nº 13410

CONCENTRAÇÃO DE ÂNIONS NO PERFIL DE SOLO TRATADO SUCESSIVAMENTE COM LODO DE ESGOTO Nº 13410 CONCENTRAÇÃO DE ÂNIONS NO PERFIL DE SOLO TRATADO SUCESSIVAMENTE COM LODO DE ESGOTO Victor Luis Ferez de Siqueir¹ ; Victor Snches Ribeirinho¹ c ; Guilherme Rued Cmrgo¹ c, Adrin Mrlene Moreno Pires¹ b ;

Leia mais

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO

RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA COM EFLUENTE TRATADO XLIII Congresso Brsileiro de Engenhri Agrícol - CONBEA 214 Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Cmilo - Cmpo Grnde - MS 27 31 de julho de 214 RELAÇÃO FOLHA-COLMO DE BRAQUIÁRIA BRIZANTA FERTIRRIGADA

Leia mais

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO

ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM LATOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO Heliomr Bleeiro de Melo Júnior 1, Ivniele Nhs Durte 1, Mrcelo Muniz Benedetti 1, Elis Nscentes Borges 2 1. Pós Grdundos em Agronomi d

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO CARBONO E NUTRIENTES NO SOLO E A SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA SOJA-ALGODÃO NO CERRADO BRASILEIRO

Leia mais

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura

Supressão de Plantas Daninhas por Crotalaria júncea em Diferentes Espaçamentos de Semeadura 10 12 de novemro de 2010 Supressão de Plnts Dninhs por Crotlri júnce em Diferentes Espçmentos de Semedur Bruce Jmes dos Sntos 1, Crolin Wisintiner 1, Vldimir Sperândio Porto 1, Vinicius André Pereir 1

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

MANEJO DO SOLO E DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO FEIJOEIRO SOB PIVÔ CENTRAL

MANEJO DO SOLO E DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO FEIJOEIRO SOB PIVÔ CENTRAL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CÂMPUS DE JABOTICABAL MANEJO DO SOLO E DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO FEIJOEIRO SOB PIVÔ CENTRAL Adrino

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

AGREGAÇÃO DE LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO TÍPICO RELACIONADA COM O MANEJO NA REGIÃO DOS CERRADOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS (1)

AGREGAÇÃO DE LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO TÍPICO RELACIONADA COM O MANEJO NA REGIÃO DOS CERRADOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS (1) AGREGAÇÃO DE LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO TÍPICO RELACIONADA AO MANEJO... 129 AGREGAÇÃO DE LATOSSOLO VERMELHO DISTRÓFICO TÍPICO RELACIONADA COM O MANEJO NA REGIÃO DOS CERRADOS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Efficiency of mulching on soil moisture and temperature, weed control and yield of carrot in summer season

Efficiency of mulching on soil moisture and temperature, weed control and yield of carrot in summer season USO DE COBERTURA MORTA VEGETAL NO CONTROLE DA UMIDADE E TEMPERATURA DO SOLO, NA INCIDÊNCIA DE PLANTAS INVASORAS E NA PRODUÇÃO DA CENOURA EM CULTIVO DE VERÃO Efficiency of mulching on soil moisture nd temperture,

Leia mais

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL

RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL RELAÇÕES DE PREÇO I NSUMO/PRODUTO NA CULTURA DO MILHO DO CENTRO-SUL DO BRASIL Elizbeth Christin Swenson Pontes! João Crlos Grci 2 RESUMO - Teve-se por objetivo estudr o comportmento dos preços de insumos

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat

Influência de diferentes sistemas de preparo do solo nas propriedades físicas de um Lat 65 Revist Brsileir de Engenhri Agrícol e Amientl, v.8, n.1, p.65-71, 2004 Cmpin Grnde, PB, DEAg/UFCG - http://www.grimi.com.r Influênci de diferentes sistems de prepro do solo ns proprieddes físics de

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta

Características produtivas de cenoura Esplanada em função do modo de aplicação de composto orgânico e utilização de cobertura morta Cultivndo o Ser 46 Crcterístics produtivs de cenour Esplnd em função do modo de plicção de composto orgânico e utilizção de coertur mort Fáio Steiner 1, Márci de Mores Echer 1 e An Crolin Cristo Leite

Leia mais

CARBONO DAS FRAÇÕES DA MATÉRIA ORGÂNICA E CLASSES DE AGREGADOS DE SOLOS SOB SISTEMAS AGROFLORESTAIS DE CACAU NO SUL DA BAHIA

CARBONO DAS FRAÇÕES DA MATÉRIA ORGÂNICA E CLASSES DE AGREGADOS DE SOLOS SOB SISTEMAS AGROFLORESTAIS DE CACAU NO SUL DA BAHIA CARBONO DAS FRAÇÕES DA MATÉRIA ORGÂNICA E CLASSES DE AGREGADOS DE SOLOS SOB SISTEMAS AGROFLORESTAIS DE CACAU NO SUL DA BAHIA JOICE CLEIDE DE OLIVEIRA RITA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY

Leia mais

Adão Leonel Mello Corcini

Adão Leonel Mello Corcini UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO VARIAÇÃO TEMPORAL DA ESTRUTURA DO SOLO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE CULTIVO DA CEBOLA NO URUGUAI

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopeneus vnnmei Alberto J. P. Nunes, Ph.D. 1 * Pedro Henrique Gomes dos Sntos 1 Silvi Pstore, M.Sc. 2 1 LABOMAR

Leia mais

Estudo de parâmetros físicos, químicos e hídricos de um Latossolo Amarelo, na região Amazônica.

Estudo de parâmetros físicos, químicos e hídricos de um Latossolo Amarelo, na região Amazônica. Estudo de prâmetros físicos, químicos e hídricos de um Ltossolo Amrelo, n região Amzônic. Jen Dlmo de Oliveir MARQUES 1, Pulo Leonel LIBARDI, Wenceslu Gerldes TEIXEIRA 3, An Mri REIS 4 RESUMO Estudou-se

Leia mais

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade

Níveis de desfolha tolerados na cultura da soja sem a ocorrência de prejuízos à produtividade ISSN 2176-2864 79 Níveis de desfolh tolerdos n cultur d soj sem ocorrênci de prejuízos à produtividde Nível de ção e o MIP-Soj No mnejo dequdo d cultur d soj, Glycine mx (Merrill), é crucil doção de estrtégis

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O feijão cupi (Vign unguicult (L.) Wlp), conhecido tmbém como feijão-decord ou feijão mcssr, constitui-se em fonte de proteíns e limento básico pr grnde prte d populção d Região do

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE 31 DE JULHO DE 2015. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA ##ATO PORTARIA Nº 134, DE DE JULHO DE 15. ##TEX O SECRETÁRIO DE POLÍTICA AGRÍCOLA, no uso de sus tribuições e competêncis

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 Anis do Congresso de Pesquis, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5864-5868 RESPOSTA DE DIFERENTES GENÓTIPOS DE ARROZ (ORYZA SATIVA) AO ATAQUE DA BROCA-DO-COLMO (DIATRAEA SACCHARALIS) NASCIMENTO, Jcqueline

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA

ANEXO 1. NOTA TÉCNICA ANEXO 1. NOTA TÉCNICA As plnts de clim temperdo, como pereir, necessitm de repouso invernl pr quebr de dormênci, florção bundnte e retomd d produção. A quebr de dormênci está relciond com o cúmulo de hors

Leia mais

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDO COM ALUNOS DO CEFET BAMBUÍ SOBRE ENERGIA ELÉTRICA E MEIO AMBIENTE, PROPONDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL I Jornd Científic e VI FIP do CEFET Bmuí Bmuí/MG - 8 ESTUDO COM LUNOS DO CEFET BMBUÍ SOBRE ENERGI ELÉTRIC E MEIO MBIENTE, PROPONDO EDUCÇÃO MBIENTL Bárr níl de OLIVEIR (); Ronilson Rodrigues COST (); Chrles

Leia mais

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW

SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW SOLDAGEM DE TUBOS DE AÇO PATINÁVEL DE ALTO SI PELO PROCESSO HFIW http://dx.doi.org/10.322/tmm.2012.01 Ricrdo Mirnd Alé 1 Adão Vieir de Fri 2 Rmsés Ferreir d Silv 3 Antônio Crlos Depizzol Wgner de Almeid

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO

PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Ramularia areola) EM ALGODÃO ADENSADO PROGRAMAS DE APLICAÇÕES DE FUNGICIDAS CONTROLE QUÍMICO DA MANCHA DE RAMULÁRIA (Rmulri reol) EM ALGODÃO ADENSADO Autores: Alfredo Riciere Dis Fundção Chpdão Rento Anstácio Guzin - UFMS Cleer Brndino Ferreir

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

O papel das micorrizas no modo de produção biológico da alface (Lactuca sativa L.)

O papel das micorrizas no modo de produção biológico da alface (Lactuca sativa L.) Instituto Politécnico Vin do Cstelo Escol Superior Agrári de Ponte de Lim O ppel ds micorrizs no modo de produção biológico d lfce (Lctuc stiv L.) Dissertção Mestrdo em Agricultur Biológic Áure Mrgrete

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Universidade Federal de Mato Grosso Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade Universidde Federl de Mto Grosso Fculdde de Agronomi e Medicin Veterinári Deprtmento de Fitotecni e Fitossnidde RELATÓRIO PARCIAL DE ATIVIDADES 2010/01 Comportmento microbino em solos sob o sistem de lvour

Leia mais

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência

Representação de Transformadores Defasadores no Problema de Fluxo de Potência 1 Representção de Trnsformdores Defsdores no Problem de Fluxo de Potênci J. A. Pssos Filho, Member, IEEE, R. M. Henriques, Member, IEEE e F. R. M. Alves, Member, IEEE Abstrct--O principl objeo deste é

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

A técnica de controle proposta fundamenta-se

A técnica de controle proposta fundamenta-se rtigo Metodologi pr o controle de qulidde dos estquementos tipo hélice contínu rotin SCCAP A técnic de controle propost fundment-se no utocontrole d execução dos elementos de fundção prtir d medição utomtizd

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS RESPOSTAS ECOFISIOLÓGICAS DE PLANTAS JOVENS DE Bertholleti excels Bonpl. SUBMETIDAS À FERTILIZAÇÃO

Leia mais

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares

Produção de alface e cenoura sob dois ciclos lunares Produção de lfce e cenour so dois ciclos lunres Smuel Luiz de Souz; José M. Q. Luz; Denise G. Sntn; Monlis A. D. d Silv UFU-Instituto de Ciêncis Agráris, Cx. Postl 593, Cep. 38.400-783 Uerlândi MG, jmgno@umurm.ufu.r

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Avaliar o crescimento/desenvolvimento e o potencial produtivo da cultura de pinhão-manso no semiárido paraibano;

Avaliar o crescimento/desenvolvimento e o potencial produtivo da cultura de pinhão-manso no semiárido paraibano; 1. INTRODUÇÃO O pinhão-mnso (Jtroph curcs L.), plnt d fmíli ds euforiáces, é um rusto com té 4 m de ltur, distriuído em regiões tropicis de todo o gloo, inclusive no Brsil. Cresce, rpidmente, em solos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Avaliação das propriedades físicas e químicas do solo sujeito a diferentes sistemas de mobilização em soutos do Nordeste Transmontano

Avaliação das propriedades físicas e químicas do solo sujeito a diferentes sistemas de mobilização em soutos do Nordeste Transmontano Avlição ds proprieddes físics e químics do solo sujeito diferentes sistems de moilizção em soutos do Nordeste Trnsmontno Effect of different soil mngement systems on soil physicl nd chemicl properties

Leia mais

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo VII Congresso Interinstitucionl de Inicição Científic CIIC 2013 13 15 de gosto de 2013 Cmpins, São Pulo ENRIZMENTO DE ESTCS DE LECRIM (Rosmrinus officinlis L.) EM DIFERENTES SUBSTRTOS Gbrielle Louise Quirino

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Germinação da semente e produção ARTIGOS de mudas / de ARTICLES cultivares de alface em diferentes substratos. Resumo. Abstract

Germinação da semente e produção ARTIGOS de mudas / de ARTICLES cultivares de alface em diferentes substratos. Resumo. Abstract Germinção d semente e produção ARTIGOS de muds / de ARTICLES cultivres de lfce em diferentes substrtos Germinção d semente e produção de muds de cultivres de lfce em diferentes substrtos Germintion of

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL XXIV Congresso Brsileiro de Engenhri Biomédic CBEB 2014 O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL A. F. Souz*, R. F. More* *ABEClin, São Pulo, Brsil e-mil: lexndre.ferreli@beclin.org.br

Leia mais

DEVOLUÇÃO GARANTIDA SENAR CORREIOS CORREIOS

DEVOLUÇÃO GARANTIDA SENAR CORREIOS CORREIOS Ml Diret Postl impressso 9912152808/2006-DR/PR DEVOLUÇÃO GARANTIDA SENAR CORREIOS CORREIOS Ano XXV nº 1115 4 10 de outubro de 2010 Tirgem dest edição: 24.000 exemplres pág www.fep.com.br www.twitter.com/sistemfaep

Leia mais

UM ARTIGO DO PLANTIO DIRETO

UM ARTIGO DO PLANTIO DIRETO UM ARTIGO DO PLANTIO DIRETO SISTEMAS DE CULTIVO E DINÂMICA DA MATÉRIA ORGÂNICA L. Séguy S. Bouzinc A. C. Mronezzi CIRAD-CA - AGRONORTE PESQUISAS - GRUPO MAEDA - ONG TAFA/FOFIFA/ANAE SISTEMAS DE CULTIVO

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais