MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ"

Transcrição

1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DA COMARCA DE SÃO JOÃO DO IVAÍ ESTADO DO PARANÁ. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, por meio de seu órgão de execução, em exercício na Promotoria de Justiça desta Comarca, com base nos documentos em anexo e com fundamento nos artigos 5º, inciso XXIII, 127, 129 e 186, inciso II, todas da Constituição da República de 1988; artigo 1.228, 1 o, do Código Civil; artigo 7 o, 1 o e 2 o, do Código Florestal; e artigo 14, 1º, da Lei 6.938/1981, vem, respeitosamente, perante Vossa Excelência, propor a presente AÇÃO CIVIL PÚBLICA em defesa do Meio Ambiente, com requerimento urgente de liminar em face de HAROLDO BERNINI ( Primeiro Requerido ), brasileiro, divorciado, natural de São João do Ivaí/PR, nascido em 28/08/1954, portador do RG nº (SSP/PR), inscrito no CPF sob o nº , residente e domiciliado na Rua Hemenegildo Montani, n. 292, bairro Centro, no Município de São João do Ivaí/PR, CEP: ; e MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO IVAÍ ( Segundo Requerido ), pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ/MF sob o nº / , com sede na Avenida Curitiba, n. 22, bairro Centro, em São João do Ivaí/PR, CEP: , neste ato representado pelo Prefeito Municipal, Sr. Fábio Hideki Miura, com base nos fatos e fundamentos a seguir expostos. 1

2 I DO CASO DOS AUTOS No dia 08 de junho de 2009, a Força Verde da Polícia Militar do Estado do Paraná levou ao conhecimento do Ministério Público que o réu, Sr. Haroldo Bernini, havia praticado, em tese, crime previsto na Lei 9.605/1998, ao realizar edificação em Área de Preservação Permanente situada à margem do Rio Ivaí, que cruza o Município de São João do Ivaí/PR. Em virtude disso, lavrou-se boletim de ocorrência (em anexo) e auto de infração administrativa, em 31/05/2009. De acordo com o auto de infração lavrado pelo Instituto Ambiental do Paraná IAP, o réu edificou uma casa e benfeitorias (área de lazer, cercas, passeios e fossa sanitária), na Área de Preservação Permanente acima mencionada, impedindo a regeneração de mata nativa, em perímetro equivalente a 0,10 ha (um décimo de hectare). Na mesma oportunidade, e conforme faz prova os documentos em anexo, foi realizado o embargo da obra, impedindo-se, administrativamente, a sua continuidade. Devidamente notificado para apresentar defesa no procedimento administrativo, o Sr. Haroldo Bernini apresentou-a, alegando que a casa fora edificada no ano de 1985 e que, desde então, estabeleceu residência no local. Diante disso, requereu fosse julgada improcedente a autuação lavrada em seu desfavor. A defesa apresentada pelo réu foi rechaçada pelo IAP, mantendo-se o auto de infração lavrado, uma vez que, ainda que verdadeira a informação prestada pelo réu, de que edificou a casa no ano de 1985 e estava apenas fazendo melhorias, esse fato não obsta sua obediência às normas ambientais, principalmente, as previstas no Código Florestal (Lei n /1965 e, atualmente, Lei /2012). 2

3 Ademais disso, conforme reiteradamente decido pelos Tribunais brasileiros, a pretensão para a reparação dos danos causados ao meio ambiente são imprescritíveis e o ônus de repará-los é transmitido de um proprietário/possuidor/ocupante para o outro. Em meados de julho de 2012, o Ministério Público, movendo processo criminal contra o réu em virtude dos fatos acima narrados, requisitou informações para o IAP sobre a situação da área e se os danos provocados ao meio ambiente já haviam sido reparados. Para a surpresa de todos, de acordo com relatório datado de 16 de agosto de 2012 (Ofício n. 366/IAP), o Sr. Haroldo Bernini, descumprindo o embargo realizado no ano de 2009, concluiu as obras de edificação do imóvel, com o término da cobertura e da pintura, passando a utilizar a área para seu lazer e deleite. Note-se que toda a obra realizada pelo Sr. Haroldo Bernini ocorreu com a conivência do Município de São João do Ivaí, também réu, que não cumpriu com seu dever constitucional de fiscalização e não impediu que ele edificasse em Área de Preservação Permanente. Verificou-se ainda, no ano de 2012, que o réu, não só concluiu as obras embargadas, como foi mais adiante, ampliando-as. O Sr. Haroldo Bernini construiu um muro de arrimo, com pneus usados, para nivelamento do terreno, sem os necessários projetos técnicos e licenciamento ambiental, em local em que este tipo de construção, de qualquer modo, seria proibido, por se tratar de Área de Preservação Permanente. Aliás, nada poderia ser construído neste local. Notificado pelo IAP para comparecer em Ivaiporã/PR, a fim de celebrar termo de ajustamento de conduta, para reparar os danos ambientais, o réu deixou de comparecer ao ato, demonstrando de forma inequívoca que não tem a menor intenção 3

4 de colaborar com a preservação do Meio Ambiente e com observância das normas ambientais, não restando outra alternativa, senão o ajuizamento da presente ação, com requerimento de antecipação dos efeitos da tutela. II DOS DANOS PROVOCADOS PELO PRIMEIRO REQUERIDO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE SITUADA À MARGEM DO RIO IVAÍ E DA OBRIGAÇÃO DE REPARAÇÃO De acordo com o artigo 3 o, inciso II, do Código Florestal vigente (Lei n /2012), considera-se Área de Preservação Permanente, a área protegida, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica e a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Diante de sua função legalmente estabelecida, a Área de Preservação Permanente, segundo doutrina especializada, constitui instituto jurídico-ambiental fundamental para o bem estar humano como um todo: "A vegetação, nativa ou não, e a própria área são objeto de preservação não só por si mesmas, mas pelas suas funções protetoras das águas, do solo, da biodiversidade (aí compreendido o fluxo gênico da fauna e da flora), da paisagem e do bem-estar humano. A área de preservação permanente-app não é um favor da lei, é um ato de inteligência social, e é de fácil adaptação às condições ambientais" (LEME MACHADO, Paulo Affonso. Direito ambiental brasileiro. 15 ed. São Paulo: Malheiros, 2007, p. 735). destacou-se. 4

5 Em detalhamento ao conceito legal e com aplicação específica ao presente caso, o artigo 4 o, inciso I, do Código Florestal, prescreve que constitui Área de Preservação Permanente, em zonas rurais ou urbanas, 1 as faixas marginais de qualquer curso d água natural, perene e intermitente, desde a borda da calha do leito regular. Em seguida, o Código Florestal estabelece as larguras das Áreas de Preservação Permanente, de acordo com a largura do curso d água. No presente caso, de acordo com a informação prestada pela Força Verde nos autos da Ação Penal n , movida pelo Ministério Público contra Haroldo Bernini, o Rio Ivaí tem largura variável entre 50 m (cinquenta metros) a 200 m (duzentos metros). Diante disso, a área obrigatória de preservação permanente em suas margens é de 100 m (cem metros), consoante o previsto no artigo 4 o, inciso I, alínea c, do Código Florestal. No presente caso, conforme croqui elaborado pelo IAP, a distância entre a casa construída por Haroldo Bernini do leito do rio é de apenas 35 m (trinta e cinco metros). Considerando-se a borda da margem do rio, a distância é ainda menor, representando tão-somente 10 m (dez metros) de distância, o que demonstra sua notória ilegalidade e lesividade ao meio ambiente. Esse fato é confirmado por foto de satélite extraída do Google Maps, que demonstra várias casas nesta situação. 2 1 A jurisprudência anterior ao atual Código Florestal firmou-se no sentido de que as Áreas de Preservação Permanente incidem sobre as zonas urbanas: 3. A restrição à utilização da propriedade referente a área de preservação permanente em parte de imóvel urbano (loteamento) não afasta a incidência do Imposto Predial e Territorial Urbano, uma vez que o fato gerador da exação permanece íntegro, qual seja, a propriedade localizada na zona urbana do município. Cuida-se de um ônus a ser suportado, o que não gera o cerceamento total da disposição, utilização ou alienação da propriedade, como ocorre, por exemplo, nas desapropriações. Aliás, no caso dos autos, a limitação não tem caráter absoluto, pois poderá haver exploração da área mediante prévia autorização da Secretaria do Meio Ambiente do município. (STJ. (REsp /SP, Rel. Ministro BENEDITO GONÇALVES, PRIMEIRA TURMA, julgado em 18/03/2010, DJe 25/03/2010). 2 O Ministério Público instaurou Inquérito Civil para apurar quem são os responsáveis pela outras construções, a fim de adotar as medidas judicias cabíveis, semelhante à presente ação. 5

6 O Código Florestal em vigor, em seu artigo 7 o, estabelece o dever para o proprietário, possuidor ou ocupante a qualquer título de preservar a vegetação situada na Área de Preservação Permanente. No caso de supressão ou danos a essa vegetação, o Código dispõe que o proprietário, possuidor ou ocupante ficam obrigados a recompor a vegetação (artigo 7 o, 1 o ), sendo certo que esta obrigação tem natureza real e é transmitida ao sucessor, no caso de transferência de domínio ou posse do imóvel (artigo 7 o, 2 o, do Código Florestal). Veja-se, in verbis, esses dispositivos legais: Artigo 7 o. A vegetação situada em Área de Preservação Permanente deverá ser mantida pelo proprietário da área, possuidor ou ocupante a qualquer título, pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado. 1 o Tendo ocorrido supressão de vegetação situada em Área de Preservação Permanente, o proprietário da área, possuidor ou ocupante a qualquer título é obrigado a promover a recomposição da vegetação, ressalvados os usos autorizados previstos nesta Lei. 2 o A obrigação prevista no 1 o tem natureza real e é transmitida ao sucessor no caso de transferência de domínio ou posse do imóvel rural. Excepcionalmente, o Código Florestal admite a possibilidade de supressão de vegetação nativa em Área de Preservação Permanente, quando se tratar de hipóteses de utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental. A definição destas hipóteses encontram-se previstas no artigo 3 o, incisos VIII, IX e X, respectivamente. Não obstante a existência de exceção legal para a supressão, os danos ambientais provocados pelo Sr. Haroldo Bernini não se subsumem a nenhuma dessas hipóteses, impondo-se, portanto, a reparação do dano ambiental, na forma do artigo 7 o, 1 o, do Código Florestal, com a demolição das construções e remoção do entulho. 6

7 Oportuno destacar que, consoante estabelece a Lei n /1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, qualifica-se como poluidor a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, responsável, direta ou indiretamente, por atividade causadora de degradação ambiental (artigo 3º, inciso IV, da Lei n /1981). Nesse sentido, dando o proprietário destinação diversa daquela determinada pelo Código Florestal vigente às Áreas de Preservação Permanente, não respeitando a limitação administrativa a ela imposta, tal atitude constitui-se em uso nocivo da propriedade, não estando cumprindo, desta forma, sua função social (artigo 5º, inciso XXIII e artigo 186, inciso II, ambos da Constituição da República de 1988, e artigo 1.228, 1 o, do Código Civil). Assim, a obrigação de o réu reparar os danos provocados ao meio ambiente também encontra amparo no artigo 14, 1º, da Lei 6.938/1981. Analisando caso semelhante ao dos autos, o Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, entendeu que constitui dano ambiental a comercialização e construção de casas em Área de Preservação Permanente situada à margem do Rio Ivaí, in verbis: DIREITO AMBIENTAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DANOS EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES IRREGULARES E PLANTIO DE ESPÉCIES NATIVAS. LEGITIMIDADE PASSIVA DO ANTIGO PROPRIETÁRIO. VALIDADE DA SENTENÇA. JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE. RESPONSABILIDADE OBJETIVA. a) Não é nula a sentença que julga antecipadamente a lide, dispensando a realização de prova pericial e testemunhal, já que as provas são dirigidas ao Juiz, cabendo a este decidir sobre a utilidade e pertinência delas quando os autos estiverem suficientemente instruídos. b) É igualmente legítimo para figurar no polo passivo da lide, ao lados dos atuais proprietários de imóvel localizado em área de preservação permanente, o antigo dono da faixa de terra. c) Isso porque, qualifica-se como poluidor, à luz do artigo 3º da Lei Federal 6.938/81, toda a pessoa responsável, direta ou indiretamente, por atividade causadora de degradação ambiental. d) No caso, o Apelante comercializou as edificações irregulares e parcela da área de 7

8 preservação permanente a terceiros, dando a elas destinação diversa daquela determinada pela Lei 4.771/65. e) Restou fartamente demonstrado que todos os Réus deixaram de observar as limitações administrativas atinentes à área de preservação, sendo portanto, objetivamente responsáveis pelos danos ambientais daí decorrentes. APELO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. (TJPR PR , Relator: Leonel Cunha, Data de Julgamento: 02/06/2009, 5ª Câmara Cível, Data de Publicação: DJ: 168). destacou-se. A respeito de eventuais devaneios apresentados pelo réu de ato jurídico perfeito ou direito adquirido em relação à construção edificada há vários anos, mas, posteriormente, à entrada em vigor do Código Florestal de 1965, o Tribunal de Justiça de São Paulo já decidiu caso desta natureza, entendendo que tais argumentos devem ser afastados. Segundo o entendimento do TJSP, e hoje pacífico na jurisprudência nacional e positivado no próprio Código Florestal, a recomposição de Área de Preservação Permanente tem natureza real, acompanhando o destino do imóvel, desde a origem do dano, v. g.: AÇÃO CIVIL PÚBLICA. DEMOLIÇÃO DE EDIFICAÇÃO EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Irregularidade da edificação, que carece das autorizações dos órgãos competentes. Ausência de direito adquirido ou de ato jurídico perfeito. Responsabilidade objetiva. Obrigação de recompor a APP que possui natureza real. Nova legislação que não autoriza a manutenção da edificação. DADO PROVIMENTO AO APELO. (TJSP SP , Relator: Ruy Alberto Leme Cavalheiro, Data de Julgamento: 06/09/2012, Câmara Reservada ao Meio Ambiente, Data de Publicação: 17/09/2012). destacou-se. DIREITO ADMINISTRATIVO, AMBIENTAL E MUNICIPAL. ATIVIDADE EDILÍCIA SOBRE ARROIO. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. LIMITAÇÕES AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS. AUSÊNCIA DE ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO. PODER DE POLÍCIA. DEMOLIÇÃO DO PRÉDIO. PRINCÍPIOS DA LEGALIDADE, MORALIDADE E ISONOMIA. a) Nos termos do artigo 2º da Lei 4.771/65 - Código Florestal, bem como da Lei Municipal nº 4.842/92 é vedada a atividade edilícia sobre cursos de água. b) No caso, a Apelante não só descumpriu comando da legislação ambiental, como também ergueu obra em seu imóvel sem a licença municipal necessária. c) E porque tanto os comandos de ordem ambiental quanto os urbanísticos têm caráter cogente, devem ser observadas invariavelmente por todos aqueles que pretendem edificar. d) Não há direito adquirido quando se faz 8

9 necessária a imposição de medidas e restrições legais ao direito de propriedade em prol dos interesses gerais e direitos difusos relacionados à proteção do meio ambiente, assegurado constitucionalmente. 2º 4.771Código Florestal4.8422) APELO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. (TJSP PR , Relator: Leonel Cunha, Data de Julgamento: 05/04/2011, 5ª Câmara Cível, Data de Publicação: DJ: 626) destacou-se. Ademais, não se presta como justificativa a alegação de fato consumado. É comum se observar no país a corrida pela ocupação irregular, com posterior edificação em terreno vedado, de modo a gerar a situação de irreversibilidade ou de conflito social provocado. Em muitos casos, os agressores contam com a conivência do Poder Público para continuidade da perpetração dos delitos e infrações ambientais. No presente caso, a tutela jurídica adequada para a reparação do dano, com o restabelecimento do equilíbrio ambiental, deve fazer-se por meio da condenação à obrigação de demolir as construções realizadas dentro da faixa da Área de Preservação Permanente, conforme acima exposto, e o recolhimento do entulho gerado, destinando-o a local apropriado. Nesse sentido, precedente do TJSP: AÇÃO CIVIL PÚBLICA. Ubatuba. Construção em área de preservação permanente. Dano ambiental. Demolição. 1. Construção. Área de preservação permanente. A área de preservação deve ser conservada, não ocupada. Inviabilidade de manutenção de construção em área de preservação permanente de restinga. Intervenção que exige prévia autorização dos órgãos competentes a teor do art. 4º da LF nº 4.771/65. Na falta de apresentação das autorizações, as construções irregularmente erigidas devem ser desfeitas e a área deve ser recuperada. Procedência. Recurso do réu desprovido. (TJSP SP , Relator: Torres de Carvalho, Data de Julgamento: 09/02/2012, Câmara Reservada ao Meio Ambiente, Data de Publicação: 15/02/2012). destacou-se. No mesmo sentido, o seguinte julgado do TRF da 1 a Região: 9

10 ADMINISTRATIVO E AMBIENTAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. DEMOLIÇÃO DE RESIDÊNCIA IRREGULARMENTE EDIFICADA EM ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. 1. A inércia do Estado em coibir a ocupação irregular de imóvel público não corresponde, de maneira nenhuma, a anuência tácita com tal comportamento, nem tem o condão de transmudar a má-fé do invasor de terras públicas em boa-fé. 2. Encontra-se no exercício regular de suas atribuições e do poder de polícia, sem abuso de poder, a autoridade pública que promove a demolição de residência irregularmente edificada à margem de uma das poucas e importantes fontes de água do Distrito Federal, o córrego Vicente Pires, em área de preservação permanente. 3. Não tendo a parte agravante demonstrado possuir título hábil a legitimar sua ocupação, não há que se falar em direito de retenção e tampouco em proteção contra a demolição de imóvel irregularmente construído em área de preservação permanente. 4. Agravo de instrumento a que se nega provimento. (TRF1. AG nº , 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Relator desembargador federal Fagundes de Deus, e-djf1 de 08/05/2009, p. 125) destacou-se. II DA RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO IVAÍ POR OMISSÃO NA FISCALIZAÇÃO DA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE O Município de São João do Ivaí descumpriu seu dever constitucional de fiscalizar as construções em zonas urbanas, de modo que respeitassem não só as posturas municipais, como também a legislação ambiental, especialmente, a o respeito às Áreas de Preservação Permanente. Com feito, juntamente com a defesa administrativa apresentada pelo Sr. Haroldo Bernini no procedimento administrativo do IAP, ele apresentou diversos documentos, dentre eles Declaração de Concordância da Prefeitura Municipal de São João do Ivaí, de 04 de maio de 1983; Ofício 4(09)T/n. 571, do INCRA, de 14/07/1983; e cópia da Lei Municipal n. 554, de 07/05/1987, do Município de São João do Ivaí (todos em anexo). 10

11 De acordo com o documento Declaração de Concordância, o Prefeito Municipal da época, Sr. Sebastião Morais, declarava estar plenamente de acordo com o desmembramento de área de ,11 m 2, a ser destacada do Lote n. 35, da Gleba Rio Ivaí, do Município de São João do Ivaí, com a finalidade específica de criação de um loteamento para lazer. Na declaração, o Prefeito Municipal ainda afirmava que a Municipalidade não colocava nenhuma objeção quanto ao loteamento em questão, uma vez que ele é de interesse comum da comunidade de São João do Ivaí, apesar de privilegiar apenas algumas pessoas. Do mesmo modo, declarou que a subdivisão em lotes deveria atender as exigências impostas pelo INCRA, órgão competente para tanto. Por sua vez, no ofício remetido pelo INCRA, este órgão público federal declarou que nada tinha a opor quanto ao parcelamento para fins urbanos de imóvel rural cadastrado naquele órgão, com a ressalva de que fosse observada toda a legislação pertinente. Assim, nesse contexto, foi editada a Lei Municipal n. 554, de 07/05/1987, que criou o quadro urbano denominado de Prainha do Rio Ivaí. Acontece que, embora loteado e criado esse quadro urbano, verifica-se que, desde sua criação, até a presente data, diversas casas foram construídas em Área de Preservação Permanente, fato notório no Município de São João do Ivaí, como se pode observar da foto de satélite extraída do Google Maps (em anexo), e, ainda, a exemplo da casa construída pelo Sr. Haroldo Bernini, ora réu. Já na época de criação do loteamento e construção das casas, estava em vigor o Código Florestal, Lei n /1965 e, atualmente, revogada pela Lei 11

12 12.651/2012, que passou a instituí-lo. A Prefeitura Municipal de São João do Ivaí procurou, na época, a aprovação do loteamento no INCRA, o qual respondeu que não se oporia à sua criação, mas desde que respeitada toda a legislação pertinente, o que inclui, principalmente, as normas ambientais. Nesse cenário, desde 1983, quando a Prefeitura Municipal declarou interesse na área, passando pela edição da Lei Municipal n. 554/1987, em que se criou o quadro urbano Prainha do Rio Ivaí, até a presente data, o Município de São João do Ivaí vem, reiteradamente, descumprindo o dever de fiscalizar as normas ambientais, sendo conivente com a construção de casas em área de preservação permanente, à margem do Rio Ivaí. Certamente, portanto, deve responder por sua agir omissivo, reparando o dano ambiental. Dentro da sistemática constitucional de fiscalização e preservação do Meio Ambiente, a Constituição da República de 1988 estabeleceu em seu artigo 23, inciso VI, a competência comum da União, Estados, Municípios e do Distrito Federal de proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas e, no incisos VII, o dever de preservar as florestas, a fauna e a flora. De modo mais específico, a Constituição previu no artigo 30, inciso VII, que compete aos Municípios promover, no que couber, adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo urbano, função esta que também está afeta à proteção do Meio Ambiente. Na legislação infraconstitucional, o artigo 22, parágrafo único, do antigo Código Florestal, obrigava os Municípios a exercerem a fiscalização das normas ambientais dentro dos espaços urbanos. A partir da entrada em vigor do novo Código Florestal, essa competência passou a ser conjunta, obrigando União, Estados e Municípios a fiscalizarem as normas ambientais dentro dos espaços urbanos: 12

13 Art. 1 o -A. Esta Lei estabelece normas gerais sobre a proteção da vegetação, áreas de Preservação Permanente e as áreas de Reserva Legal; a exploração florestal, o suprimento de matéria-prima florestal, o controle da origem dos produtos florestais e o controle e prevenção dos incêndios florestais, e prevê instrumentos econômicos e financeiros para o alcance de seus objetivos. Parágrafo único. Tendo como objetivo o desenvolvimento sustentável, esta Lei atenderá aos seguintes princípios: [...] IV - responsabilidade comum da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, em colaboração com a sociedade civil, na criação de políticas para a preservação e restauração da vegetação nativa e de suas funções ecológicas e sociais nas áreas urbanas e rurais; destacou-se. Ao permitir ou ser conivente com a construção de uma casa com área de lazer pelo réu, o Município de São João do Ivaí, irremediavelmente, foi omissão para com seu dever constitucional e legal de fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental. Desse modo, deve reparar o dano ambiental provocado, mediante demolição da casa, como todas as suas benfeitorias, e, ainda, a remoção e recuperação da área. Analisando caso semelhante ao dos autos, o Tribunal Regional Federal da 1 a Região decidiu que o Município é responsável pela demolição da construção irregular, em virtude do descumprimento de seu dever de fiscalizar a construção de casas em Áreas de Preservação Permanente, v. g.: "CONSTITUCIONAL E AMBIENTAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. DANOS CAUSADOS. ÁREA SITUADA NO PERÍMETRO URBANO. RESPONSABILIDADE DO MUNICÍPIO. 1. É de competência do município a fiscalização das áreas de preservação permanente, quando situadas no perímetro urbano, atuando a União apenas supletivamente (artigo 22, parágrafo único, da Lei n /65 -Código Florestal, incluído pela Lei n /89, c/c o artigo 2º, parágrafo único, do mesmo Código). 2. A Lei Municipal n /98, em seu anexo 1, demonstra que a 13

14 delimitação do perímetro urbano de Teresina/PI envolve o rio Poty, em que está situada a área objeto do litígio, evidenciando a responsabilidade do Município na fiscalização da área de preservação permanente, tendo sua omissão contribuído para a ocorrência dos danos relatados nos autos, em decorrência de sua desídia ter permitido a ocupação irregular por posseiros. 3. Demonstrada a ocorrência dos danos ambientais na margem do rio Poty e a responsabilidade do município por não ter evitado tal fato, mediante a devida fiscalização, de modo a impedir a sua ocupação ilegal, impõe-se o seu dever de repará-los, independentemente da área ser de sua propriedade ou não. 4. O Poder Público não se exime de sua responsabilidade na proteção e defesa do meio ambiente alegando a omissão do particular responsável pelo dano. Decorrência de seu poder de polícia e do dever imputado pela Constituição Federal e ressalva da ação de regresso. Precedente deste Tribunal (TRF 1ª Região, AG , 3ª Turma Suplementar, rel. Juiz Convocado Julier Sebastião da Silva, DJU de , p. 60). 5. Não provimento da apelação e da remessa oficial. (TRF - PRIMEIRA REGIÃO, Classe: AC - APELAÇÃO CIVEL , Processo: , UF: PI, Órgão Julgador: SEXTA TURMA, Data da decisão: 06/08/2007, Documento: TRF , DJ DATA:03/09/2007, PÁGINA:162, RELATOR: JUIZ FEDERAL DAVID WILSON DE ABREU PARDO (CONV.). destacou-se. Diante disso, impõe-se a condenação do Município de São João do Ivaí, de maneira solidária com o Sr. Haroldo Bernini, na forma do artigo 942, parágrafo único, do Código Civil, pois ambos foram corresponsáveis pelos danos ambientais provocados ao meio ambiente, um de modo omissivo e o outro de maneira comissiva. IV DA NECESSIDADE DE ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA Enquanto o réu continuar a ocupar o imóvel localizado na Área de Preservação Permanente, não cessando com sua conduta nociva ao Meio Ambienta, os danos ambientais por ele provocados vão se agravar, dificultando a possibilidade de melhor repará-lo no futuro, por ocasião da prolação de eventual sentença condenatória. 14

15 No presente caso, como se pode observar dos documentos que acompanham esta petição inicial, o réu foi autuado pela prática de infração à legislação ambiental, em 31 de maio de Nesta mesma oportunidade, a obra que estava sendo realizada por ele na Área de Preservação Permanente em questão foi embargada pelo Instituto Ambiental do Paraná. Mesmo diante do embargo da obra e a tramitação de procedimento administrativo e processo criminal, Haroldo Bernini, ora réu, não se intimidou e não cessou com sua conduta lesiva, pois acreditava piamente que sairia impune (como ainda deve acreditar). Com o decorrer do tempo, então, concluiu a obra de sua casa, com suas respectivas benfeitorias, inclusive, com a edificação de uma fossa sanitária, bem à margem do rio, instrumento este que é extremamente lesivo ao meio ambiente, quando construído nestas circunstâncias, pois tem potencial de poluir o rio com esgoto. Nesse contexto, a fim de minimizar os danos ambientais provocados pelo réu, deve ser concedida tutela específica, na forma do artigo 461, 3 o, do Código de Processo Civil, para que o réu cesse imediatamente com seus atos, principalmente, os tendentes a suprimir ou impedir que se regenere a vegetação nativa local. Observe-se que, o artigo 461, 3 o, do CPC exige para a concessão de tutela específica, de maneira liminar, quando o fundamento da demanda for relevante e houver justificado receito de ineficácia do provimento final. 15

16 No presente caso, a relevância do fundamento da demanda se assenta na própria causa de pedir, consistente na tutela do meio ambiente. De nada adianta o ajuizamento de ação para a tutela do meio ambiente, se esta não se fizer sentir imediatamente, reduzindo a lesão ao meio ambiente. A relevância da preservação do meio ambiente é tamanha, que encontra, inclusive, previsão na Constituição da República de 1988, em seu artigo 225. Do mesmo modo, internacionalmente, diversos Diplomas Legais buscam sua tutela, tornando-se uma das maiores preocupações do Século XXI, diante da finitude dos recursos ambientais. O justificado receito de ineficácia do provimento final consiste no agravamento do dano. Determinadas espécies de dano ambiental, como, por exemplo, a provocação de erosões, principalmente, na margem de rios, provocando assoreamento, são irreversíveis. Diante disso, a única solução é impedir que o dano aconteça, sob pena de conviver-se com situação irreparável. No caso dos autos, conforme atestam os documentos juntados com esta petição inicial, o réu não só vem impedindo a regeneração da vegetação nativa, como também fez uso de pneus velhos para construir muro de arrimo. A construção do muro de arrimo demonstra o grau profundo de degradação da área, que já sofre de erosão. Permitir que o réu continue edificando agora, ou no futuro, pode, então, tornar irreversível os danos por ele causado. Conforme afirmado por Luiz Guilherme Marinoni, no Estado constitucional, mais importante que teorizar sobre as ações de direito material é pensar a respeito das formas de tutela devidas pelo Estado para a proteção dos direitos, especialmente dos 16

17 direitos fundamentais. 3 De nada adianta estabelecer que o Meio Ambiente constitui direito fundamental, assegurado a todos e a ser preservado por qualquer um, em prol das futuras gerações, se não for possível sua tutela liminar, de modo a impedir que os danos provocados pelo réu se tornem irreversíveis. A irreversibilidade da prática lesiva viola frontalmente a obrigação de todos, de maneira difusa, de preservarem o bioma para as próximas gerações. Por essa razão, é fundamental que o réu seja impedido, imediatamente, de continuar a praticar danos na Área de Preservação Permanente ocupada por ele de modo ilegal. IV PEDIDOS E REQUERIMENTOS À vista do exposto, o Ministério Público do Estado do Paraná requer que Vossa Excelência se digne, pela ordem, de: a) antecipar os efeitos da tutela pretendia, inaudita altera parte, na forma do artigo 461, 3 o, do CPC, a fim de determinar que o Sr. Haroldo Bernini cesse imediatamente com a atividade degradadora do meio ambiente, com a paralisação imediata de toda a atividade de supressão de vegetação, aterramento, impermeabilização do solo, edificação, plantio de espécies exóticas, ou qualquer outra geradora de poluição, inclusive visual, presentes e futuras, sob pena de pagamento de multa diária no valor de um salário mínimo, vigente à época da cobrança, corrigido monetariamente pelos índices oficiais a partir da data do vencimento de cada obrigação; 3 MARINONI, Luiz Guilherme. Teoria Geral do Processo. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p

18 b) em seguida, determinar a citação dos réus, por meio de mandado, a ser cumprido no endereço indicado no preâmbulo desta petição inicial, para que, no prazo legal, ofereçam, em querendo, contestação em relação aos fatos aqui narrados, sob pena de revelia c) julgar, ao final, no mérito, procedentes os pedidos, para o fim de: a. condenar os réus, solidariamente, na obrigação de fazer, consistente em demolirem todas as construções e benfeitorias realizadas na Área de Preservação Permanente situada no local conhecido como Prainha do Rio Ivaí, na margem do Rio Ivaí, no Município de São João do Ivaí/PR, sob pena de multa diária, cujo valor deverá ser fixado por Vossa Excelência; b. condenar os réus, solidariamente, na obrigação de fazer, consistente em retirarem os entulhos provenientes da demolição das construções, destinando-os a local adequado para ser processado e armazenado, também sob pena de multa diária ou realização por terceiros, à custa dos réus; c. condenar os réus, solidariamente, na obrigação de fazer, constituída pela reparação do dano ambiental, por meio da plantação de mudas de plantas nativas da região por toda extensão ocupada anteriormente pelas construções irregulares; d. condenar o réu, Sr. Haroldo Bernini, definitivamente na obrigação de não fazer, confirmando a antecipação dos efeitos da tutela eventualmente deferida, na obrigação de não fazer, consistente em 18

19 cessar a atividade degradadora do meio ambiente, com a paralisação imediata de toda a atividade de supressão de vegetação, aterramento, impermeabilização do solo, edificação, plantio de espécies exóticas, ou qualquer outra geradora de poluição, inclusive visual, presentes e futuros, sob pena de pagamento de multa diária no valor de um salário mínimo, vigente à época da cobrança, corrigido monetariamente pelos índices oficiais a partir da data do vencimento de cada obrigação; À guisa de provas, o Ministério Público requer (i) a juntada dos documentos que acompanham a presente petição inicial, (ii) a realização de prova técnica, mediante vistoria do local pelo Instituto Ambiental do Paraná, o qual deverá responder aos seguintes questionamentos: 1. Qual a natureza das construções realizadas pelo réu na Área de Preservação Permanente? Casa e demais construções são de alvenaria? Contém rede elétrica? Água encanada? Antena de televisão? Esgoto? 2. As águas que servem as edificações são despejadas no Rio Ivaí? Existe a construção de fossa sanitária próxima ao leito do rio? Qual a distância? 3. A área ocupada pelas construções estão localizadas na Área de Preservação Permanente da margem do Rio Ivaí? Qual a largura do Rio Ivaí? Qual a largura da Área de Preservação Permanente? Qual distância as construções feitas pelo réu estão do leito do rio? Qual distância as construções estão da borda da margem do rio? 19

20 4. Houve plantio de espécies exóticas na área ocupada pelo réu? 5. A vegetação nativa da região está sendo impedida de crescer e regenerar-se em virtude das construções realizadas pelo réu? Dá-se à causa o valor de R$ ,00 (cem mil reais). São João do Ivaí, 31 de janeiro de Hugo Evo Magro Corrêa Urbano Promotor de Justiça 20

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor

PROMOTORIA DE JUSTIÇA CIVEL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Promotoria de Defesa do Consumidor FICHA R Nº 920/00- CENACON - ASSUNTO: serviço público água constantes interrupções no fornecimento de água em diversos bairros da cidade - manutenção precária do sistema de abastecimento - prestação de

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01

OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 OAB 2ª FASE DE DIREITO EMPRESARIAL Profª. Elisabete Vido PEÇA 01 (OAB/LFG 2009/02). A sociedade Souza e Silva Ltda., empresa que tem como objeto social a fabricação e comercialização de roupas esportivas,

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE GOIÂNIA - GO Inquérito Policial n.º: 234/2005 Vítima: Administração Pública Réu: Honestino Guimarães Rosa O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante.

líquido e certo dos estabelecimentos representados pelo impetrante. MANDADO DE SEGURANÇA Nº 1295697-5, DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA. Impetrante: ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE SUPERMERCADOS - APRAS Impetrado: SECRETÁRIO DE ESTADO DA SEGURANÇA

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça RECOMENDAÇÃO N.º 16/2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ, por intermédio da representante da abaixo firmada, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inciso IV, da Lei Orgânica Nacional do Ministério

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL AÇÃO: 99.001.149975-9 AÇÃO CIVIL PÚBLICA ORIGEM: 4ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DA CAPITAL AGRAVANTE: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADO: MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR: DES. ROBERTO GUIMARÃES AGRAVO

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

(ambas sem procuração).

(ambas sem procuração). ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 001.2009.006097-9 / 001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Agravante: Itatj Seguros S/A. Advogado:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS 1. Quais os casos passíveis de licenciamento ambiental junto ao setor Anexo III Áreas Verdes do (DLA), visando a Autorização Ambiental Municipal? São passíveis de licenciamento ambiental pelo Anexo III:

Leia mais

Simões Rodrigues Advogados Associados S. C. José Ricardo Simões Rodrigues OAB RO 8888 Cláudio Roberto Simões Rodrigues OAB RO 9999

Simões Rodrigues Advogados Associados S. C. José Ricardo Simões Rodrigues OAB RO 8888 Cláudio Roberto Simões Rodrigues OAB RO 9999 EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DE DIREITO DA 4ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE ROLIM DE MOURA - RO Autos N.: 010060099999 Classe: AÇÃO DE REPARAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS Requerente: TATIANE DAS FLORES

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE 1ª INSTÂNCIA DECISÃO Nº : /2013 PCTT: 90.07.00.04 PROCESSO Nº: 12980-94.2013.4.01.3200 CLASSE : 1100 AÇÃO ORDINÁRIA/TRIBUTÁRIA AUTOR : ESTADO DO AMAZONAS RÉU : CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO AMAZONAS CRF/AM

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE 1 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA COMARCA DE O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO, por seu representante legal infra-assinado, com fundamento nos art. 129, inciso III e 1º, da Carta Magna,

Leia mais

Agravo de Instrumento nº 0004246-83.2013.8.19.0000. Agravados: Município do Rio de Janeiro e outro. Relator: Desembargador Camilo Ribeiro Rulière

Agravo de Instrumento nº 0004246-83.2013.8.19.0000. Agravados: Município do Rio de Janeiro e outro. Relator: Desembargador Camilo Ribeiro Rulière 1ª CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Agravo de Instrumento nº 0004246-83.2013.8.19.0000 Agravante: Defensoria Pública Agravados: Município do Rio de Janeiro e outro Relator:

Leia mais

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1 fls. 372 SENTENÇA Processo Digital nº: 1005895-57.2016.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Comum - Planos de Saúde Requerente: Requerido: UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009) OJN PFE-IBAMA 20/2010 - suspensa

PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009) OJN PFE-IBAMA 20/2010 - suspensa PROGRAMA DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL (PRA) Legislação aplicável Lei 12.651/12 Decreto 7.830/12 IN MMA 02/2014 (CAR) IN IBAMA 12/2014 (6 de Agosto) Histórico: Programa Mais Ambiente Brasil (Dec. 7.029/2009)

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA. A indenização deve ser compatível com a reprovabilidade da conduta e a gravidade do dano produzido.

DECISÃO MONOCRÁTICA. A indenização deve ser compatível com a reprovabilidade da conduta e a gravidade do dano produzido. DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº. 04239-85/2009.0209 APELANTE: AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNANCIONAL LTDA. APELADO: ILTON GAZANO RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO MONOCRÁTICA CONSUMIDOR.

Leia mais

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS Processo nº 0312090-42.2012.8.19.0001 Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS S E N T E N Ç A Trata-se de ação de obrigação

Leia mais

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987

LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 LEI N.º 10.348 DE 4 DE SETEMBRO DE 1987 Dispõe sobre instalação e funcionamento de elevadores e outros aparelhos de transporte, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município de

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE...

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... Excelência, INTERPOR..., vem por intermédio de sua advogada infra-assinada, à presença de Vossa AÇÃO DE CONCESSÃO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR. 1. Como e quais são os requisitos para a instituição de uma unidade de conservação?

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR. 1. Como e quais são os requisitos para a instituição de uma unidade de conservação? RETA FINAL PROCURADOR FEDERAL Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Aula nº 01 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR Questões dissertativas AGU/Procurador Federal 2ª Fase/2010 (*) Unidades de Conservação

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA AMBIENTAL

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA AMBIENTAL TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA AMBIENTAL O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO AMAPÁ, representado neste ato pela Promotora de Justiça da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente e de Conflitos Agrários,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL PROCESSO N. : 14751-89.2012.4.01.3400 AÇÃO ORDINÁRIA/SERVIÇOS PÚBLICOS CLASSE 1300 AUTOR (A): ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL RÉ: UNIÃO SENTENÇA TIPO

Leia mais

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 10/2014 Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. Referente: Área de Preservação Permanente - APP em área urbana

Leia mais

CONCLUSÃO Em 04/05/2015, faço conclusão destes autos a MM. Juíza de Direito, Dra. Fernanda Gomes Camacho. Eu,, Escrevente, subscrevi.

CONCLUSÃO Em 04/05/2015, faço conclusão destes autos a MM. Juíza de Direito, Dra. Fernanda Gomes Camacho. Eu,, Escrevente, subscrevi. fls. 1075 CONCLUSÃO Em 04/05/2015, faço conclusão destes autos a MM. Juíza de Direito, Dra. Fernanda Gomes Camacho. Eu,, Escrevente, subscrevi. SENTENÇA Processo nº: 1040391-49.2015.8.26.0100 Classe -

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O

Nº 70048989578 COMARCA DE PORTO ALEGRE BARBARA DE PAULA GUTIERREZ GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. DIREITO PRIVADO NÃO ESPECIFICADO. SITE DE BUSCA. O trabalho da demandada é tão somente de organizar o conteúdo já existente na internet, cuja elaboração é realizada por terceiros. Ou seja,

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis

CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis CONCEITOS DE IMÓVEL RURAL: aplicações na Certificação e no Registro de Imóveis RIDALVO MACHADO DE ARRUDA PROCURADOR FEDERAL (PFE-INCRA/PB) ESPECIALISTA EM DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO NO DIREITO AGRÁRIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NONA CÂMARA CÍVEL Apelação nº 0006551-75.2006.8.19.0003 Apelante: DULCINÉIA TEODORO SERENO Apelante: MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Apelante: MINISTÉRIO PÚBLICO Apelados: OS MESMOS Relator: DES. CARLOS EDUARDO

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

D E C I S Ã O. Vistos.

D E C I S Ã O. Vistos. D E C I S Ã O Vistos Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT pretendendo a concessão de liminar nas modalidades initio litis e inaudita altera pars

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO.

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO. EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DE SÃO PAULO...., brasileiro, casado, médico, portador da Cédula de Identidade RG nº... - SSP/SP, inscrito no CPF/MF sob nº... com

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA

Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada<< Campo excluído do banco de dados >> SENTENÇA fls. 1 Termo de Conclusão Em Data da Última Movimentação Lançada> faço estes autos conclusos à(o) MM. Juiz(a) de Direito. Eu,, Escrevente, Subsc. SENTENÇA Processo

Leia mais

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº. 876860-7, DA 12ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE LONDRINA Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA Agravado Relator : MUNICÍPIO DE LONDRINA : Des. LEONEL CUNHA

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

Nº 70027876119 COMARCA DE CACHOEIRINHA MARIA REGINA DE TOLEDO MUNICIPIO DE CACHOEIRINHA

Nº 70027876119 COMARCA DE CACHOEIRINHA MARIA REGINA DE TOLEDO MUNICIPIO DE CACHOEIRINHA CONSTITUCIONAL, TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS ISS. NOTÁRIOS E REGISTRADORES. RECOLHIMENTO. FORMA PRIVILEGIADA. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. REQUISITOS. COMPREENSÃO. Presentes os requisitos

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL TIPO A PODER JUDICIÁRIO 22ª VARA CÍVEL FEDERAL DE SÃO PAULO AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO N.º 0004415-54.2011.403.6100 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉ: AGÊNCIA NACIONAL DE SÁUDE SUPLEMENTAR - ANS REG.

Leia mais

GUILHERME COUTO DE CASTRO Desembargador Federal - relator

GUILHERME COUTO DE CASTRO Desembargador Federal - relator 292 RELATOR : GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRACAO - RJ ADVOGADO : ALESSANDRA CHRISTINA DE MACEDO APELADO : GE CELMA LTDA ADVOGADO : BRENO LADEIRA KINGMA ORLANDO ORIGEM

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625.

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Apelação Cível 20100110194817APC Apelante(s) TERRACAP - COMPANHIA IMOBILIARIA DE BRASILIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA 1 de 5 17/03/2015 11:04 PODER JUDICIÁRIO INFORMACÕES SOBRE ESTE DOCUMENTO NUM. 27 Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA Data da Inclusão 12/03/201518:44:13 Réu

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras

DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras DECRETO FEDERAL N 1.282, DE 19 DE OUTUBRO DE 1994 Regulamenta os arts. 15, 19, 20 e 21 da Lei n 4.771, de 15 de setembro de 1965, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO APELAÇÃO CÍVEL Nº 553789/CE (0004204-41.2012.4.05.8100) APTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APDO : FACULDADE CATÓLICA DE FORTALEZA - FCF E OUTRO ADV/PROC : CARMEN ANDREIA PEIXOTO GURGEL ORIGEM : 4ª VARA

Leia mais

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc.,

Estado de Mato Grosso Poder Judiciário Comarca de Várzea Grande Juízo da 2ª Vara Cível. Vistos etc., Processo Nº. 20271-27.2012 - Código 299671 Vistos etc., 1. DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO promove AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA C/C LIMINAR em desfavor de SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ( SKY

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

Os argumentos expostos pela banca foram: Não cabe mandado de segurança pelas seguintes razões: 1) É inviável a postulação de perdas e danos.

Os argumentos expostos pela banca foram: Não cabe mandado de segurança pelas seguintes razões: 1) É inviável a postulação de perdas e danos. FUNDAMENTOS PARA O CABIMENTO DE MANDADO DE SEGURANÇA NA PROVA DE 2º FASE DE DIREITO CONSTITUCIONAL DO IX EXAME DA OAB. A sempre justa banca de Direito Constitucional cometeu, ao meu ver, um grande equivoco

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 798.202-7 DA COMARCA DE CERRO AZUL VARA ÚNICA Apelante: MUNICÍPIO DE CERRO AZUL Apelado: ESTADO DO PARANÁ Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES APELAÇÃO CÍVEL AÇÃO ANULATÓRIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000240225 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2035389-90.2015.8.26.0000, da Comarca de Tanabi, em que é agravante MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO

Leia mais

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

Da TUTELA ANTECIPADA. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Da TUTELA ANTECIPADA Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO ANTECIPAÇÃO DE TUTELA - REQUISITOS Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais