UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RAFAEL KATSUJI OHORI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RAFAEL KATSUJI OHORI"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL RAFAEL KATSUJI OHORI ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE MUROS SRW OU MUROS DE SEGMENTADO DE CONCRETO: Aspectos Construtivos Dezembro de 2005

2 i RAFAEL KATSUJI OHORI ESTUDO DA UTILIZAÇÃO DE MUROS SRW OU MUROS DE SEGMENTADO DE CONCRETO: Aspectos Construtivos Monografia apresentada junto à Universidade São Francisco USF como parte dos requisitos para a aprovação na disciplina Trabalho de Conclusão de Curso. Área de concentração: Solos e estruturas Orientador: Prof. RIBAMAR DE JESUS GOMES Itatiba SP, Brasil Dezembro de 2005

3 ii SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... iii LISTA DE TABELAS... v LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS... vi RESUMO... vii PALAVRAS-CHAVE... vii 1 INTRODUÇÃO Generalidades Tipos de Contenção Objetivo REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Muro SRW Histórico Características dos blocos de concreto segmentado Geossintéticos Geogrelha Solo reforçado Drenagem Drenagem Interna Drenagem Externa Projeto Estabilidade externa Estabilidade interna Estabilidade global Detalhes da construção de muros SRW Vantagens Restrições ao uso de muro SRW ANÁLISE COMPARATIVA CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO A Fotos... 28

4 iii LISTA DE FIGURAS Solo reforçado Solo grampeado Cortina atirantada Muro de arrimo à gravidade Muro de arrimo à flexão Muro de arrimo segmentado Tipos de blocos de concreto segmentado Geogrelha Corte do muro SRW Esquema do muro SRW Esquema de deslizamento Esquema de tombamento Esquema de recalque Esquema travamento Esquema resistência à tração Esquema resistência entre blocos Esquema estabilidade global Representação em níveis diferentes Seção transversal típica do sistema Compactação do sistema Blocos preenchidos com brita e pinos posicionados Abertura da valeta Preenchimento da valeta com tubo dreno Abertura da valeta Instalação da geogrelha na base da 1 fiada Assentamento da 1 fiada Nivelamento da 1 fiada Posicionamento dos pinos da 1 fiada nas ranhuras Bloco sendo preenchido com material drenante Assentamento da 2 fiada junto com os pinos Instalação da geogrelha na 2 fiada Instalação da geogrelha junto com os blocos... 19

5 iv Esquema do muro acabado Remoção dos dentes Posicionamento do pino Assentamento em curva e preenchimento do bloco Assentamento em curva da 2 fiada e travamento com pino Gráfico comparativo custo por metro quadrado... 24

6 v LISTA DE TABELAS Fatores de segurança para estabilidade externa Fatores de segurança para estabilidade interna... 12

7 vi LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS Abreviaturas: NBR: Norma Brasileira SRW: Segmental Retaining Wall MPa: Mega Pascal

8 vii RESUMO O estudo apresenta uma análise sobre muros de contenção. Apresenta o sistema de Muros SRW (Segmental Retaining Wall), conhecido por muro segmentado de concreto, que utiliza blocos especiais e geossintéticos como as geogrelhas para reforçar o solo. Este trabalho analisa a utilização dos muros SRW sob os aspectos construtivos e aborda as vantagens em relação aos métodos tradicionais utilizados na construção de muros de contenção. PALAVRAS-CHAVE: Muro de contenção, Muro SRW, Muro de Arrimo, Muro segmentado, solo reforçado, geogrelha.

9 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 Generalidades Os muros de arrimo são considerados estruturas de contenção. A principal função do muro de arrimo é conter as cargas atuantes originadas do movimento em função do alívio das tensões no solo, restabelecendo o equilíbrio da encosta e suportar o empuxo do solo. A construção de um muro de arrimo, representa sempre um elevado ônus no orçamento total da estrutura de uma obra. Exigem projetos específicos e, em função da complexidade de cada situação, poderão demandar a execução de estudos geotécnicos necessários à escolha e ao correto detalhamento da solução. 1.2 Tipos de Contenção Existem vários sistemas de contenção. Cada sistema estrutural visa garantir a estabilidade do muro de acordo com as condições dos solos e local de utilização. Os sistemas de contenção mais utilizados podem ser de: Solo reforçado: Maciço composto de camadas de aterro intercaladas com um elemento de reforço como os geossintéticos. Utilizado para vencer desníveis em aterros e taludes de inclinação próxima a vertical. (CICHINELLI,2005) Figura Solo reforçado Fonte - Adaptado Cichinelli (2005) Solo grampeado: Consiste na instalação de grampos simultâneos às escavações, reforçando o maciço remanescente concomitantemente ao desnível causado pelas escavações. Esses grampos são barras de aço, protegidas com uma tinta anti-corrosiva que são inseridas em tubos (bainhas) e aplicado a injeção de nata de cimento. (CICHINELLI,2005)

10 2 Figura Solo grampeado Fonte - Cichinelli (2005) Cortina atirantada: Muros delgados de concreto armado ancorado por tirantes protendidos. Utilizado em estabilizações de taludes de encostas e de corte. (CICHINELLI,2005) Figura Cortina atirantada Fonte - Cichinelli (2005) Muro de arrimo à gravidade: São constituídos por estruturas maciças que reagem ao empuxo pelo peso próprio da estrutura, podendo ser constituído por pedras, concreto ciclópico, sacos de areia, pneus, gabiões, etc. (CICHINELLI,2005) Figura Muro de arrimo à gravidade Fonte - Cichinelli (2005) Muro de arrimo à flexão: Podem ser estruturas esbeltas de concreto armado ou em alvenaria, com seção em forma de L ou T, resistente ao empuxo por flexão, utilizando o peso próprio e do maciço de aterro apoiado sobre a base, para seu equilíbrio. (CICHINELLI,2005)

11 3 Figura Muro de arrimo à flexão Fonte Adaptado Baud (2002) Muro segmentado de concreto: São estruturas de retenção à gravidade que confiam primeiramente em sua massa (peso) para a estabilidade. O sistema consiste em utilizar blocos de concreto especiais para o bloqueio do solo e impedi-lo de virar e deslizar combinando com camadas horizontais de reforço no solo. (NCMA,2005) Figura Muro de arrimo segmentado Fonte Adaptado MPZ (2005)

12 4 1.3 Objetivo Estudo da utilização dos muros SRW sob os aspectos construtivos em comparação com as estruturas tradicionais. 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Muro SRW O sistema de muro SRW (Segmental Retaining Wall) ou muro de contenção segmentado é basicamente formado por camadas de solos reforçados com geossintético (geogrelha) com paramento frontal em blocos de concreto que são principalmente usados para contenção de aterro. O sistema pode ser considerado como um muro de arrimo à gravidade, onde o peso da estrutura resiste às pressões provenientes do solo. Para garantir o travamento dos blocos são utilizados, pinos de aço que são colocados nos blocos para tornar a estrutura rígida. Quando a estrutura não suporta os esforços do solo devido ao empuxo, que varia de acordo com a altura da camada de solo, utiliza-se camadas de geossintético para reforçar o solo. A escolha do tipo, da espessura, dos comprimentos do cobrimento, e a distância entre as camadas destes materiais sintéticos depende das circunstâncias encontrados no solo, que é determinada pelos ensaios realizados no subsolo. 2.2 Histórico A tecnologia SRW teve início em meados de 1970 no Canadá, cujo sistema foi proposto inicialmente por Ângelo Risi, o fundador da empresa Risi Stone Systems. (INGLESBY,2005) A idéia veio quando ele percebeu, especialmente nas ruas onde morava, que os muros a cada dois anos tinham que ser trocados, pois vinham a cair devido à movimentação gerada pelo intenso frio e a neve que sobrecarregava os muros. Pensou-se então, em algo que poderia construir e que se travaria no lugar e resolvesse o problema de reconstruir as paredes constantemente. (INGLESBY,2005) A idéia basicamente foi uma placa que possuísse ranhuras para encaixar umas as outras. Após algumas adaptações os blocos ganharam formatos dos dias de hoje onde possuem acabamentos para utilizar como decoração externa.

13 5 2.3 Características dos blocos de concreto segmentado Os blocos são elementos construtivos estruturais que possuem um sistema rápido e versátil de assentamento por encaixe ou sobreposição. O bloco segmentado pode assumir inúmeras configurações estéticas ou funcionais, permitindo que sejam construídos muros segmentados com faces inclinadas ou verticais, com traçados curvos ou retilíneos. Os blocos possuem ranhuras que garantem o travamento entre fiadas. As dimensões variam dependendo do fabricante, um tipo de bloco comercializado no Brasil possui 20cm de altura, 34 cm de largura, 42cm de comprimento. O peso aproximado do bloco é de 26 kg e possui uma resistência à tração maior que 4,5 MPa. (GEOLTDA,2005) Figura Tipos de blocos de concreto segmentado 2.4 Geossintéticos Geossintético é o termo coletivo aplicado para um material sintético de polímero incorporado no solo para aumentar o desempenho mecânico do solo. As aplicações dos geossintéticos são principalmente voltado para a Engenharia Civil, Geotecnia, Engenharia de Transportes e Engenharia Ambiental. A principal função dos geossintéticos é aumentar a resistência à tração do solo devido ao atrito gerado entre o solo e o geossintético, melhorando a sua sustentação e evitando deslizamentos devido à baixa resistência do solo. Ao utilizar os geossintéticos não se alteram as características do terreno, pois são dispostos em camadas horizontais de forma que os

14 6 esforços possam ser transferidos de um material para outro. Os geossintéticos possuem alta permeabilidade, que mantêm a capacidade de absorção de água do solo e evitam a saturação do solo. (LEAL, 2004) Os tipos comuns de geossintéticos são geogrelhas, geotêxteis, geocompostos, geocélula, e as geomembranas. Em muros SRW utiliza-se geogrelhas para reforçar o solo e assim minimizar as forças atuantes sobre o muro. 2.5 Geogrelha A função principal das geogrelhas está na área de reforço. A característica chave das geogrelhas é que as aberturas entre os reforços longitudinais e transversais, são grandes o suficiente para permitir a completa passagem do solo de um lado ao outro da geogrelha. Podem ser fabricadas com dois tipos de matéria-prima: multifilamentos de poliéster revestidos de PVC ou polietileno de alta densidade (Pead) pré-tensionado. Esses materiais conferem ao produto uma boa resistência a tração, baixa fluência e resistência contra agentes agressivos. (BÉRTOLO,2001) A aplicação de geogrelhas pode ser feita em qualquer tipo de terreno, com exceção dos solos expansíveis e colapsíveis, pois perdem a coesão quando há um aumento no teor de umidade no solo. A configuração em formato de malha permite o travamento entre o solo e as peças das geogrelhas por meio de atrito. As aberturas da malha perfazem, junto com os grãos de solo, a absorção das solicitações desestabilizantes. (BÉRTOLO,2001) Figura Geogrelha Fonte: Mirafi (2005)

15 7 2.6 Solo reforçado O termo "reforçado" implica na mobilização da tensão de membrana para membrana, ou seja, a habilidade de distribuir uma carga concentrada sobre uma área maior do subsolo. Este reforço pode ser classificado como o reforço da base e do subsolo. As principais características obtidas com o reforço dos solos são a aumento da vida de serviço e obtenção do desempenho equivalente com uma seção estrutural reduzida. Para a estabilidade, a geogrelha deve ser dimensionada em função das cargas atuantes e do tipo de solo. De acordo com as características do material geossintético, o material utilizado para reforço deve ser instalado em afastamentos verticais específicos e estender uma distância adequada na área a ser reforçada. 2.7 Drenagem A água é o principal agente causador dos movimentos gravitacionais e de transporte de massa, fazendo com que a maioria das movimentações de encostas ocorram no período chuvoso. Os acidentes são associados à saturação generalizada das encostas. Muitos problemas de drenagem são causados pela falta de um sistema eficiente, levando ao acumulo de água, gerando uma pressão hidrostática que gera uma força que não foi considerada nos cálculos. A falta de drenagem é responsável por 80% dos problemas de contenção. Se não for previsto um sistema eficiente de drenagem para evitar o acúmulo de água sobre o solo da contenção e não criar condições de escape pela face, haverá problemas no futuro. (PIMENTEL, 2005) É necessário escoar a água para fora, pois a mesma tem a capacidade de se espalhar facilmente e, por isso é necessário contê-la e direcioná-la por caminhos pré-estabelecidos (drenos). Uma drenagem bem feita é o ponto principal de qualquer projeto de contenção. (MICHELAZZO, 2005) 2.8 Drenagem Interna O sistema de drenagem interno deve ser feito para escoar a água que percola pelo solo. Esse sistema pode ser realizado utilizando camada de britas ou geossintéticos faceando a parte interna do muro e direcionando a água para o dreno. 2.9 Drenagem Externa

16 8 O sistema de drenagem externa tem a função de coletar as águas superficiais para que não se acumule na superfície ou penetre no maciço e passe a sobrecarregar o muro Projeto Para efeito de projeto, os muros segmentados são considerados como solos reforçados. Os muros segmentados podem ser utilizados sem nenhum reforço no solo para alturas de até 1,20m, podendo variar de fabricante para fabricante. Para alturas superiores aos limites determinados deve-se utilizar geossintéticos para reforçar o solo que será utilizado para o reaterro. (AHMAD, 2004) Deve-se determinar a geometria do muro, a sobrecarga atuante, os limites de escavação do solo, condições do subsolo para realizar o pré-dimensionamento do muro. Quando o peso dos blocos não é adequado o bastante para resistir às cargas do solo, utiliza-se geogrelhas em camadas horizontais para reforçar o solo atrás das paredes. A escolha do tipo, da espessura, dos comprimentos do reforço, do número e do afastamento das camadas destes materiais sintéticos são dependentes das propriedades do solo. O projeto de muros SRW depende de diversos fatores como o peso do bloco, o ângulo de atrito e a coesão interna do solo, a altura da parede e etc. A análise do projeto de SRW para muros de retenção segmentada deve ser verificada para garantir as condições de estabilidade externa, estabilidade interna e estabilidade global. O projeto de muros SRW é baseado no manual para paredes segmentadas desenvolvida pela NCMA (National Concrete Masonry Association Associação nacional de alvenaria em concreto dos Estados Unidos). Este manual é reconhecido mundialmente como uma metodologia de projeto para muros SRW. No Brasil ainda não existe uma norma técnica para muro segmentado, mas já existem empresas que estão desenvolvendo manuais técnicos e procedimentos para dimensionamento deste tipo de muro. Existe hoje no Brasil a norma para empregos de terrenos reforçados NBR 9288 e de estabilidades de taludes NBR 11682, que estão relacionado com o assunto. A análise do projeto de SRW que emprega o manual de projeto da NCMA para paredes de retenção segmentadas considera a estabilidade externa de encontro ao deslizamento e ao tombamento. Considera também a estabilidade interna e a estabilidade da massa do solo reforçado. Este manual, executa a análise interna e externa da estabilidade usando os fatores mínimos recomendados. A análise global da estabilidade é também importante no projeto de

17 9 muros SRW, particularmente porque envolve o movimento geral do maciço e da estrutura da parede. Figura Corte do Muro SRW Figura Esquema do Muro SRW Fonte Adaptado ICD (2005) Fonte Adaptado ICD (2005) 2.11 Estabilidade externa Supõe-se geralmente que os muros SRW são sujeitas aos mesmos critérios externos do projeto da estabilidade dos muros à gravidade. A análise externa da estabilidade assegura-se de que a estrutura reforçada esteja estável de encontro à ação das pressões aplicadas pelo solo. A verificação quanto à estabilidade externa está relacionada com as condições externas, ou seja, em relação ao deslizamento horizontal da base, de tombamento do muro devido ao giro gerado pela força de empuxo ativo do solo e de recalque gerado pelo peso do muro sobre o solo. A verificação em relação ao deslizamento horizontal da base (figura ) está relacionada à ação de deslocamento horizontal total do muro e do solo reforçado. Deve-se verificar as condições de deslizamento na fundação. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema de deslizamento Fonte Tensar (2005a)

18 10 A verificação em relação ao tombamento (figura ) está relacionada à ação de tombamento total do muro e do solo reforçado devido à altura do muro e a pressão do solo. A verificação é feita considerando o tombamento em relação a base. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema de tombamento Fonte Tensar (2005a) A verificação em relação ao recalque (figura ) está relacionada à fundação, que deve ser verificada para garantir o suporte da estrutura. A verificação considera a capacidade de suporte da estrutura em relação às tensões admissíveis do solo. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema de recalque Fonte Tensar (2005a) Para todos os casos da estabilidade deve-se considerar um fator de segurança mínimo conforme a tabela Analise Fator de segurança mínimo Deslizamento 1,5 Tombamento 2,0 Recalque 2,0 Tabela Fatores de segurança para estabilidade externa Fonte Adaptado Austral (2005) 2.12 Estabilidade Interna

19 11 Para ser internamente estável, uma parede de retenção de solo reforçado deve suportar a ação de seu peso próprio e de todas as forças externamente aplicadas. Isto é realizado com transferência da força de empuxo para o solo reforçado com a geogrelha. O reforço com a geogrelha visa impossibilitar a ruptura do solo devido à pressão do solo. A finalidade da análise interna da estabilidade é verificar se a geogrelha suportará a força do solo sem se romper e que os comprimentos de reforço com a geogrelha seja o suficiente para reter o solo reaterrado. A verificação quanto à estabilidade interna está relacionada com as condições e critérios de travamento e resistência à tração da geogrelha e da interligação entre os blocos. A verificação em relação ao travamento da geogrelha (figura ) está relacionada com a capacidade de travamento das geogrelhas em função do atrito gerado entre o solo e a geogrelha, ou seja, da movimentação de todo o maciço sem a ruptura da geogrelha. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema Travamento Fonte Adaptado ICD (2005) A verificação em relação à resistência a tração da geogrelha (figura ) está relacionada à resistência a ruptura das geogrelhas devido à força de tração gerada entre o atrito do solo com a geogrelha. Isto deve ser analisado e dimensionado de acordo com as instruções técnicas do produto. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema resistência à tração Fonte Adaptado ICD (2005)

20 12 A verificação em relação à interligação entre os blocos (figura ) está relacionada à resistência ao travamento entre os blocos. Dependendo do tipo de bloco, deve ser verificada a capacidade de travamento pelo dispositivo, podendo ser ranhuras, pinos de aço e etc. (TENSAR, 2005a) Figura Esquema resistência entre blocos Fonte Adaptado ICD (2005) Para todos os casos da estabilidade deve-se considerar um fator de segurança mínimo conforme a tabela Análise Fator de segurança mínimo Travamento 1,5 Resistência à tração 1,5 Interligação entre os blocos 1,5 Tabela Fatores de segurança para estabilidade interna. Fonte Adaptado Austral (2005) 2.13 Estabilidade Global A estabilidade global (figura ) verifica a estabilidade total da parede e dos solos retidos. Essa verificação está relacionada à ruptura total do solo, que desliza pela perda de resistência a cisalhamento ou atrito. O deslizamento ocorre freqüentemente ao longo de uma superfície de curvatura, em forma logarítmica (MOLITERNO, 2003). Os fatores de segurança da estabilidade da inclinação variam de 1,3 a 1,5. (TENSAR, 2005a)

21 13 Figura Esquema de estabilidade global Fonte Tensar (2005a) 2.14 Detalhes da Construção de Muros SRW Apesar do tempo e dinheiro investido para produzir produtos e sistemas com qualidade, o desempenho do produto está relacionado com utilização e execução do muro. As etapas básicas da construção são simples mas devem ser compreendidas completamente para se assegurar de que o produto final atinja as expectativas dos usuários finais. O sistema de arrimo segmentado pode assumir inúmeras configurações estéticas ou funcionais. O desenho dos blocos permite que sejam construídos muros segmentados com faces inclinadas ou verticais, com traçados curvos ou retilíneos. As suas ranhuras estão dimensionadas para atender a três níveis de recuo entre fiadas, o que gera faces inclinadas de 90 a 70 com a horizontal, sendo garantido o devido travamento entre as fiadas. (PALMA, 2004) Figura Representação em níveis diferentes

22 14 Os materiais de reforço podem ser de dois tipos, geogrelhas ou geotêxteis. A sua escolha se baseia no tipo de solo utilizado como aterro, na capacidade de suporte do solo de fundação, nas configurações geométricas da contenção e nas cargas atuantes do sistema. H1=Altura aparente do muro H2=Embutimento do muro L=Comprimento do reforço Sv=Espaçamento entre as camadas de reforço Figura Seção transversal típica do sistema Os materiais empregados na construção de muros SRW são de fácil aquisição, podendo-se utilizar materiais locais para execução do aterro e do sistema de drenagem do muro. O solo utilizado para o aterro pode ser solo local, exceto os de difícil compactação e com alta deformabilidade tais como as argilas muito plásticas, solos orgânicos, turfas, aqueles com alta concentração de pedregulhos e entulhos que possam danificar os elementos de reforço. O local deve ser completamente inspecionado. Deverá ser verificada a presença de estruturas ou tubulações para caracterizar o local onde será instalado o muro. A condição geotécnica do solo deverá ser analisada por um profissional geotécnico. Ao realizar as escavações do local deve-se acompanhar o projeto e verificar se as estruturas circunvizinhas estão protegidas dos efeitos da escavação, evitando recalques e fissuração das estruturas circunvizinhas. O sistema deve ser construído simultaneamente, ou seja, o assentamento dos blocos até uma determinada altura (1 a 3 fiada) e logo a instalação do material de reforço e compactação da camada de solo nos espaçamentos especificados. Os blocos trabalham como fôrma para preenchimento das camadas de aterro. O lançamento das camadas do aterro deve, preferencialmente, ser feito com retro-escavadeira, pá carregadeira, ou outro sistema mecanizado, de forma a acelerar o processo de compactação. A compactação das camadas do aterro deve ser feita com equipamento apropriado (pé-de-carneiro, rolo liso, sapo compactador ou placa vibratória) para o tipo de solo, atingindo grau de compactação de no mínimo 95% do Proctor Normal. Em muitos casos, não há necessidade de compactação pesada próximo à face do muro (até 1 metro de distância). Nesta zona, a compactação pode

23 15 ser realizada com equipamento tipo sapo compactador (solos argilosos) ou placa vibratória (solos arenosos). (PALMA, 2004) Figura Compactação do sistema Os pinos de travamento dos blocos possuem resistência suficiente para conferir estabilidade e evitar deformação da face durante a execução do muro. O empuxo do solo é absorvido pelos elementos de reforço. Figura Blocos preenchidos com brita e pinos posicionados A base do muro SRW é bastante simples de ser preparada, porém o solo de fundação deve possuir capacidade de suporte adequada e deve estar bem regularizado. Para realizar a fundação deverá ser feita uma avaliação das condições do solo, pelo profissional geotécnico, do local onde será realizado o muro. Esse profissional examinará o solo da fundação para assegurar que o solo onde será feita a fundação suportará o peso do muro e outras cargas. As condições técnicas para a fundação de muros segmentados são solos que possuem uma capacidade de suporte com SPT maior que 5 golpes. Em função desses dados deve-se determinar a cota de assentamento em relação ao terreno natural e realizar a regularização da base de assentamento com areia. Poderá ser previsto um sistema de colchão drenante na base do muro, caso utilize desse sistema deverá ser instalado um tubo para drenar a água acumulada na base do muro e evitar que essa água exerça uma pressão hidrostática sobre o muro. O solo da fundação deve ser examinado para assegurar que a força real do solo

24 16 encontra-se em condições de suportar o muro. Caso os solos não se encontram com o valor requerido devem ser removidos e substituídos com solos apropriados. (PALMA, 2004) Feitas as observações, inicia-se a execução da base e da valeta de assentamento dos blocos. Figura Abertura da valeta Posicionam-se os elementos de drenagem no interior da valeta (tubos dreno) e preenche-se a valeta com o material de fundação (areia compactada ou brita 2) até o nível de assentamento da primeira fiada de blocos. (PALMA, 2004) Figura Preenchimento da valeta com tudo dreno Em situações em que o terreno natural é acidentado ao longo do eixo do muro, deve-se prever o escalonamento da base com altura variando de 20 em 20cm. Nesses casos, recomenda-se também a construção de base em concreto para garantir um controle de erosão na base do muro. Em muros executados em terrenos acidentados existe a tendência de, no período de chuvas, ocorrerem fluxos de água com velocidade excessiva que podem carrear o solo e descalçar a contenção. Figura Abertura da valeta

25 17 Todas as unidades de SRW devem ser instaladas apropriadamente na elevação e orientação como mostrado nos desenhos. As unidades de SRW serão instaladas de acordo com as recomendações do fabricante. Com a fundação preparada inicia-se o assentamento da primeira fiada dos blocos. Antes de assentar os blocos deve-se instalar as geogrelhas. A fixação da geogrelha à face dos blocos é feita através dos próprios pinos de travamento dos blocos. (PALMA, 2004) Figura Instalação da geogrelha na base da 1 fiada O adequado posicionamento da primeira fiada de blocos é de suma importância para assegurar resultados exatos e aceitáveis, visto que é o seu nivelamento que garantirá o alinhamento adequado do restante do muro.os instrumentos de nivelamento mais utilizados são nível de mangueira e nível de bolha. O posicionamento do bloco é feito apenas por justaposição, não havendo necessidade de argamassa de rejunte para o seu assentamento. Cuidado especial deve ser tomado em relação ao prumo dos blocos em cada fiada. Antes de iniciar o assentamento da segunda fiada deve-se instalar nas ranhuras de cada bloco da primeira fiada, pinos de travamento entre blocos e preencher as aberturas de cada bloco com material drenante (brita ou areia), de forma a confinar lateralmente os pinos nas ranhuras. A extremidade superior dos pinos é a guia e espera dos blocos das fiadas superiores. (PALMA, 2004) Figura Assentamento da 1 fiada

26 18 Figura Nivelamento da 1 fiada Figura Posicionamento dos pinos da 1 fiada nas ranhuras Preencher as aberturas de cada bloco com material drenante, de forma a confinar lateralmente os pinos nas ranhuras. A extremidade superior dos pinos são as guias e espera dos blocos das fiadas superiores. Preencher também os espaços formados entre blocos com material drenante. Figura Bloco sendo preenchido com material drenante

27 19 Encaixar o topo dos pinos nas ranhuras dos blocos da fiada superior, de forma que se adquira uma configuração de amarração entre os blocos na inclinação desejada. Posicionam-se os pinos para a espera da próxima fiada na ranhura posterior. (PALMA, 2004) Figura Assentamento da 2 fiada junto com os pinos Com a segunda fiada instalada deve-se verificar a altura do espaçamento especificado para a instalação da geogrelha novamente. Inicia-se o preenchimento e compactação do solo (maior que 90% do Proctor Normal) em camadas de 20cm até atingir o topo do espaçamento especificado, onde será instalada uma nova camada de geogrelha e o processo se repete até a última camada. (PALMA, 2004) Figura Instalação da geogrelha na 2 fiada Figura Instalação da geogrelha junto com os blocos Fonte Michelazzo (2005)

28 20 Figura Esquema do muro acabado Os muros SRW permitem que sejam construídas faces curvas com facilidade. O bloco possui dentes na sua face posterior que podem ser removidos com facilidade, permitindo articulação entre dois blocos. A remoção dos dentes é facilmente realizada com a utilização de ferramenta tipo ponteira. Pode-se remover um único ou ambos os dentes. (PALMA, 2004) Figura Remoção dos dentes Com a retirada dos dentes e articulação dos blocos, as ranhuras não mais coincidirão, no entanto o efeito de travamento ainda é verificado posicionando o pino na ranhura 1 do bloco da fiada inferior, preenche-se o mesmo com brita, travando o pino na ranhura. Figura Posicionamento do pino

29 21 Figura Assentamento em curva e preenchimento do bloco Ao posicionar os blocos da fiada superior, observa-se que os pinos se alojam no interior de suas cavidades posteriores. O efeito de travamento é garantido no instante em que se preenche tais cavidades com brita; Os passos se repetem nas próximas fiadas. (PALMA, 2004) Figura Assentamento em curva da 2 fiada e travamento com pino 2.15 Vantagens Economia: Quando todos os custos do projeto são medidos e comparados de encontro aos benefícios do desempenho, os muros SRW possuem um custo menor em relação aos métodos tradicionais. Os muros SRW são estruturas de retenção com redução do custo entre 25% a 40% em relação às paredes de retenção de concreto armado. (LOKBLOK, 2005) Estética: As unidades de SRW vêm em uma variedade de cores, formas, estilos e configurações. Fornecem conseqüentemente a arquitetos e proprietários uma larga escolha de opções e estética satisfazendo o gosto do cliente. Possui também a habilidade de combinar e complementar com outros materiais tal como o tijolo. (LOKBLOK, 2005) Durabilidade: Os blocos SRW são fabricados em concreto, que cria sistemas duráveis e garante uma vida longa da parede de retenção. As unidades de SRW são resistentes à fissuração e não se lascam ou deterioração como as madeiras. Os Blocos possuem resistência à compressão elevada e baixa taxa de absorção que garantem a resistência contra quebra,

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes Aterros em Solos Reforçados (ASR) Princípio Geral: inclusão de reforços em uma massa de solo, conformando uma estrutura composta

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

Obras com Estrutura de Contenção

Obras com Estrutura de Contenção CAPÍTULO 11 Obras com Estrutura de Contenção Muro de arrimo 11. 1 Outras soluções de contenção 11. 2 189 Todos os muros deverão ser construídos com base em projeto executivo e com acompanhamento técnico

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS histórico Os Muros Terrae são sistemas de contenção para muros em aterro ou em corte. Trata-se de um processo construtivo desenvolvido com base nos chamados muros segmentais, compostos

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita José Orlando Avesani Neto Geo Soluções, avesani.neto@geosolucoes.com Eduardo Menani Hayashida

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha

Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Estudo das Aplicações de Geossintéticos em Obras Civis: Análise de Caso com Geogrelha Carlos Alberto Ortiz Hadlich Instituto Mauá de Tecnologia, São Caetano do Sul, Brasil, caca_hadlich@hotmail.com Felipe

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil - Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@yahoo.com.br Dimensionamento de estruturas especiais de

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso

Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso Estudo da Aplicação de Geogrelha em Muro Reforçado: análise de caso Carlos Alberto Ortiz Hadlich - Instituto Mauá de Tecnologia Engenheiro Civil formado pelo Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia

Leia mais

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento.

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. 36 37 Figura 4.5 Exemplo da seqüência executiva de tirantes. Figura 4.6 Sistema de atirantamento por rosqueamento 38 Figura 4.7 Execução da perfuração.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões

Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões Aplicação do Estudo de Flexão Normal Composta à Muros de Contenção Construídos Com Gabiões BUENO, Fagner S. (1) ; FRANCO, Elízia S. S. (1) ; OLIVEIRA, Juliana M. (1) ; RIOS, Fernanda P. (1) ; SAHB, Keyla

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010

Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Muros de Contenção Catálogo 2009/2010 Landmark Para muros até 20 m de altura A solução para Muros de Engenharia de alta performance 2 Solução de alta performance O bloco LANDMARK é a mais recente aposta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

Muros de de gravidade

Muros de de gravidade Muros de gravidade Muros de de gravidade Muros Muros de de flexão; flexão; Muros Muros de de alvenaria; Muros Muros de de solo solo estabilizado; Muros Muros celulares; Muros Muros de de solo solo reforçado.

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais

CAPÍTULO 11 ENGETUBO

CAPÍTULO 11 ENGETUBO 138 CAPÍTULO 11 ENGETUBO 1. Generalidades Os geotubos são tubos fabricados a partir de materiais poliméricos e são classificados como flexíveis. No caso do Engetubo da Engepol o polímero é o PEAD polietileno

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB COMO REFORÇO DE BASE PARA TRÁFEGO DE EQUIPAMENTOS SOBRE SOLO MOLE SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1998 Revisado

Leia mais

Estabilidade de Muros de Gravidade

Estabilidade de Muros de Gravidade Estabilidade de Muros de Gravidade Aluno: Douglas Rocha Matera Orientador: Prof. Celso Romanel Introdução Contenção de solos é uma importante área da engenharia geotécnica, responsável por garantir a segurança

Leia mais

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações

Fundações Indiretas. Tipos de Fundações. Fundações Indiretas. Tipos de fundações Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tipos de fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com Tipos de

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae NOTICIÁRIO REVISTAS TCPO LIVROS SOFTWARE EVENTOS PINI ENGENHARIA GUIA DA CONSTRUÇÃO PINI EMPREGOS Tecnologia e Materiais Custos Exercício Profissional Mercado Imobiliário Gestão Arquitetura Urbanismo Sustentabilidade

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL ANGELO DOS SANTOS

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL ANGELO DOS SANTOS UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA CIVIL ANGELO DOS SANTOS ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO EM SOLO REFORÇADO COM GEOGRELHA Itatiba SP, Brasil Dezembro de 2004 ANGELO

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM E GEOWEB PARA REFOÇO DE ATERRO E PROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE JACIARA MT Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Paulo Roberto Ferst EPP PERÍODO 2003

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012

FUNDAÇÕES PROFUNDAS. 1 semestre/2012 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÃO TEORIA EC8P30/EC9P30 FUNDAÇÕES PROFUNDAS 1 semestre/2012 1. ESTACAS DE DESLOCAMENTO São aquelas introduzidas no terreno através de algum processo

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA Dimensionamento MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora

Leia mais

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME ARTIGO PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME Carlos Williams Carrion, Ms ENCIBRA Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO REFORÇADO NO PARQUE DOS PRÍNCIPES, SÃO PAULO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. PERÍODO 1996 Revisado ABRIL 2011

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Hérsio Antonio Ranzani Júnior JULHO 1998 Revisado

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO LOCAL: EM PARTE DA RUA RIBEIRÃO SÃO PAULO CONTEÚDO:

Leia mais

Análise comparativa de custos para diferentes alternativas de estruturas de contenção

Análise comparativa de custos para diferentes alternativas de estruturas de contenção Análise comparativa de custos para diferentes alternativas de estruturas de contenção Rafael Ribeiro Plácido IP, São Paulo, Brasil, rplacido@ipt.br helma Sumie Maggi Marisa Kamiji IP, São Paulo, Brasil,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais:

As águas podem causar inúmeros problemas nas estradas, dentre os quais: Estradas 2 Segunda Parte Drenagem Uma estrada é construída para permitir o tráfego em qualquer condição climática. No Brasil isto é essencialmente verdade nas estações chuvosas, onde ocorrem alagamentos.

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto Pavimentação Intertravada de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Carlos Williams Carrion Encibra Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP, carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA

CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA 1 CAPÍTULO III SISTEMAS ESTRUTURAIS CONSTRUÇÕES EM ALVENARIA I. SISTEMAS ESTRUTURAIS Podemos citar diferentes sistemas estruturais a serem adotados durante a concepção do projeto de uma edificação. A escolha

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2

Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 Reforço de fundação do Tipo Tubulão em Torres de Telecomunicacões Anderson Alvarenga Ferreira 1, Tulio Acerbi 2 1 Universidade de Uberaba / andersonaf@outlook.com 2 Universidade de Uberaba / tulio.acerbi@gmail.com

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

Por que protender uma estrutura de concreto?

Por que protender uma estrutura de concreto? Por que protender uma estrutura de concreto? Eng. Maria Regina Leoni Schmid Rudloff Sistema de Protensão Ltda. RUDLOFF SISTEMA DE PROTENSÃO LTDA. Fig. 1 Representação esquemática de um cabo de cordoalhas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (PRINCIPAL) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (CONTINUAÇÃO) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA PAULO AMITH PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Saiba mais sobre. Murfor

Saiba mais sobre. Murfor Saiba mais sobre Murfor O que é Murfor? Murfor é uma treliça plana galvanizada formada por dois fios de aço longitudinais (Ø 4,0 mm) paralelos e separados entre si por um fio (Ø 3,75 mm) em forma de sinusóide,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas

Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Construção Civil I Execução de Fundações Diretas Introdução Elementos Estruturais - ESQUEMA Introdução Escolha do tipo de fundação Custo da etapa de fundações varia entre 3% e 7% do custo total do empreendimento;

Leia mais