Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010"

Transcrição

1 Relatório sobre a visita técnica realizada nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho (Santa Teresa) em 13 de Abril de 2010 No dia 12/04/2010, realizou-se no Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro uma reunião entre uma comissão de moradores das comunidades dos Prazeres e Escondidinho, Defensoria Pública e engenheiros e arquitetos. Foi feita exposição e análise dos fatos relacionados às recentes chuvas que se abateram sobre a população do Rio de Janeiro, em particular os deslizamentos de encosta que aconteceram nas referidas comunidades e que ocasionaram a morte de 30 pessoas e um número incerto de desabrigados. A comissão queixou-se da falta de orientações claras da prefeitura sobre os riscos ainda existentes e, principalmente, sobre a maneira como vem sendo encaminhada a anunciada remoção total das comunidades, baseada num suposto laudo técnico da Fundação Georio que condenava como instável o conjunto do Morro dos Prazeres. Em vista da necessidade de se obter informações mais precisas, acertou-se uma visita do NUTH da Defensoria e técnicos para o dia seguinte. No dia 13/04/2010, o Engenheiro Civil e Mecânico Maurício Campos dos Santos, CREA/RJ n e o arquiteto Marcos de Faria Asevedo, CREA/RJ n /B, percorreram toda a área afetada, acompanhados por moradores. Segue o relatório desta visita. 1) Introdução As comunidades dos Prazeres e Escondidinho começaram a se estabelecer em Santa Teresa há cerca de 60 anos, e contam hoje com uma população total estimada em pelo menos 7 mil pessoas, ou até 12 mil, se forem computadas outras áreas próximas de ocupação mais recente. Situam-se nas vertentes nordeste e, em menor parte, sudeste, da elevação conhecida como Morro dos Prazeres, que tem uma altitude máxima de 250m acima do nível do mar. A área ocupada situa-se aproximadamente entre as cotas 60 e 240m. Toda a comunidade foi objeto, entre os anos 1995 e 2003, de intervenções de um dos maiores contratos do programa Favela Bairro no Rio de Janeiro, que incluíram obras viárias (inclusive a implantação da Rua Gomes Lopes), escadas e escadarias de acesso, áreas de lazer, reservatórios para abastecimento de água e obras de contenção de encostas. Outras obras de contenção foram realizadas antes e após o Favela Bairro. Embora a manutenção e a conclusão do Favela Bairro sejam objeto de fortes críticas de moradores (os reservatórios de água, por exemplo, nunca foram postos em funcionamento), os melhoramentos que trouxe ao local ainda são visíveis. Ressaltamos o grande número de obras de contenção, que funcionaram muito bem onde foram realizadas, pois nestes pontos não se observaram deslizamento de terra nem deslocamento de blocos de rocha. Esse é o primeiro ponto que queremos ressaltar: todos os incidentes em encostas que observamos foram em pontos onde não foram realizadas verdadeiras obras de contenção/drenagem superficial (revestimento em concreto projetado, cortinas atirantadas, canaletas, passarelas ancoradas, muros de arrimo, contrafortes, etc). Esses incidentes ocorreram, em geral, em locais sem grande concentração de moradias, com exceção do grande deslizamento acima da localidade conhecida como 42 (Rua Gomes Lopes), que causou a totalidade das vitimas fatais citadas. A área de ocupação mais antiga e mais densamente construída não sofreu danos graves. Embora haja informações sobre a existência de laudo da Georio que condena o conjunto da encosta ocupada como de alto risco, não conseguimos maiores informações sobre esse laudo com os funcionários da Defesa Civil que se encontravam na comunidade realizando o

2 cadastramento de moradores. Todo domicílio cadastrado recebia imediatamente um laudo de interdição sem vistoria no local como seria o procedimento recomendado, do ponto de vista técnico. Os funcionários da Defesa Civil argumentaram que o laudo generalizado da Georio dispensava a visita a cada casa ou local. Sem acesso ao laudo, tivemos que nos orientar pelas informações fornecidas pelos moradores. Mais de um morador falou de uma informação, ao que parece proveniente de engenheiros da Georio, que havia na parte alta do morro um bloco ou afloramento de rocha com uma grande fratura, mas não encontramos ninguém que tenha visto este bloco/afloramento e portanto não foi possível determinar a sua localização. Não tivemos contato com nenhum engenheiro ou técnico da Georio durante nossa visita. Assim, sem informações técnicas preliminares mais concretas, nossa visita procurou atingir os seguintes objetivos: 1) Vistoriar todos os pontos de incidentes apontados pelos moradores, inclusive para sugerir medidas imediatas de precaução; 2) Vistoriar as partes mais altas do morro, a montante das áreas ocupadas ou atingidas por deslizamentos, para averiguar a presença visível de sinais (fraturas, acomodação de terreno, etc) que indicassem iminência de novos deslocamentos de taludes; 3) Vistoriar as principais obras de contenção executadas, para averiguar de que modo funcionaram durante as recentes chuvas, e a sua integridade ou não. Deve-se ressaltar que tais vistorias foram ainda puramente visuais e qualitativas, sem condições sequer de remoção de material e vegetação para melhor observação, portanto todas nossas conclusões são necessariamente limitadas e provisórias, e avaliações técnicas detalhadas e quantitativas são necessárias e urgentes. 2) Descrição dos incidentes observados e primeiras recomendações Todas as descrições a seguir referem-se ao croquis abaixo, executado sobre foto de satélite da área. Foram realizadas muitas fotografias em cada ponto vistoriado e em outras localidades da comunidade, que estão disponíveis como complemento deste relatório, e serão organizadas em relatório fotográfico complementar posteriormente. a) Incidente 1 Deslizamentos em torno do Casarão dos Prazeres e acima da Rua Almirante Alexandrino Encostas sem obras de contenção em torno da edificação com deslizamentos localizados, principalmente na área acima da rua. Sinais de deslocamentos no pavimento em torno do casarão. Principal risco é queda de terreno e escombros na rua abaixo. Canaleta de drenagem destruída, precisa ser totalmente reconstruída. Únicas edificações da comunidade talvez atingidas/em risco sejam o próprio casarão e a creche próxima, embora não hajam sinais de comprometimento das estruturas. Recomenda-se vistoria detalhada e execução de obras de contenção para estabilizar as encostas em questão. b) Incidente 2 Deslizamento de material acima de concreto projetado sem atingir imóveis. Terreno de solo sedimentar misturado com lixo que deslizou sem maiores conseqüências. O revestimento em concreto projetado abaixo funcionou bem, está aparentemente íntegro e evitou maior extensão do incidente. Presença, acima e abaixo, de blocos de rocha e rocha alterada que devem ser averiguados para possível desmonte/fixação, inclusive porque podem ameaçar creche logo abaixo.

3 c) Incidentes 3 e 4 Via pavimentada desabada em dois pontos e deslizamentos acima da Rua Almirante Alexandrino Houve grandes deslizamentos que ameaçam a Rua Almirante Alexandrino e algumas casas abaixo. Não havia aparentes obras de contenção nesta encosta. Recentemente houve outra queda que atingiu um imóvel abaixo. Essa área já está fora dos limites ( eco-limites ) designados para a comunidade. Não há imóveis da comunidade em perigo. É possível ver deste ponto um deslizamento ao lado do prédio da Equitativa, coberto com grande lona azul. O prédio parece estar em funcionamento e habitado. Recomenda-se limpeza da encosta para averiguar riscos, execução de contenção e reconstrução da via pavimentada, talvez em forma de passarelas de concreto ancoradas. d) Incidente 11 Deslizamentos abaixo do acesso ao campão Deslizamentos em dois ou três pontos, sem casas próximas ameaçadas. A via pavimentada de acesso está comprometida e deve ser escorada até execução de contenção definitiva. Trechos da encosta adjacentes em que foram executados revestimentos em concreto projetado impediram a extensão das quedas e protegeram as casas.

4 Fizemos ampla vistoria em todo o campão e seu entorno, que constituem a parte mais alta do morro, e não verificamos nenhum sinal de fratura ou desnivelamento do terreno. Não há ameaça visível para a área densamente edificada logo abaixo, na vertente nordeste. e) Incidentes 5 e 6 Cortina atirantada acima de deslizamento sobre a quadra A cortina, a mais volumosa obra de contenção realizada pelo Favela Bairro, está aparentemente íntegra e continua a proteger as casas acima. Uma passarela de concreto, estruturalmente ligada à cortina, também parece íntegra, porém recomenda-se a verificação de suas fundações e interdição provisória das casas logo acima por motivo de segurança, até laudo definitivo. O deslizamento, de material sedimentar, lixo e vegetação, ocorreu abaixo da cortina e passarela e atingiu a quadra (que já foi limpa e desobstruída pelos próprios moradores), sem danos estruturais. Uma parte dessa encosta foi revestida em concreto projetado, e nesse trecho não houve problemas. Recomenda-se limpeza, averiguação detalhada e execução de contenção, com canaleta acima da quadra para captar e desviar as águas. f) Incidente 7 Deslizamento e lascas com risco de desprendimento abaixo da Rua Gomes Lopes Neste grande trecho de encosta, abaixo do qual há casas da comunidade do Escondidinho e da Rua Barão de Petrópolis, houve deslizamento de terra com lixo e vegetação, e a situação ainda parece instável. É preciso verificar a situação da contenção (aparentemente um grande muro de arrimo) que permitiu a implantação da Rua Gomes Lopes pelo Favela Bairro, neste trecho conhecido pelos moradores como viaduto. Há um afloramento de rocha com grandes lascas com visível risco de desprendimento, que provavelmente terão que ser fixadas. Recomenda-se interdição provisória das casas ameaçadas neste trecho entre as Ruas Gomes Lopes e Barão de Petrópolis até limpeza, verificação detalhada e execução de contenção. g) Incidente 8 Deslizamento junto a imóveis de mais de um pavimento Neste trecho abaixo da Rua Gomes Lopes, na localidade conhecida como pombal, houve deslizamentos (alguns anteriores às recentes chuvas) junto a casas e pequenas edificações, de construção aparentemente sólida, mas que podem ter comprometido suas fundações (há muita vegetação no local que dificulta mesmo uma inspeção visual). A situação agrava-se pois o trecho é bem próximo à encosta abalada pela grande ruptura que ocasionou as mortes na comunidade (ver incidente 9). Recomenda-se a interdição provisória dos imóveis neste trecho até vistoria detalhada, estudo da estabilidade da encosta e possível contenção. h) Incidente 9 Grande ruptura de encosta a montante da Rua Gomes Lopes Nessa encosta, acima do trecho conhecido pelos moradores como 42 houve uma típica ruptura de solo, aparentemente material argiloso proveniente de rocha profundamente alterada, com deslocamento de grande massa de terra, levando consigo sedimentos e lixo acumulados, atingindo as casas logo abaixo e também abaixo da Rua Gomes Lopes até a Rua Cândido de Oliveira. Esta área está fora dos limites designados para a comunidade dos Prazeres, em área de ocupação aparentemente mais recente e visivelmente menos densa (a não ser na encosta entre as duas ruas atingidas). Todas as 30 vítimas fatais reportadas encontravam-se nesta área. As vítimas não foram mais numerosas certamente devido à menor densidade de ocupação do local. Todo o terreno adjacente e acima está obviamente instável, e as casas nele situadas, que ainda não foram destruídas, comprometidas. Pelas informações que colhemos, não havia obra de contenção estrutural onde houve a ruptura. Obras de contenção parciais existiam bem abaixo, junto e acima da Rua Gomes Lopes,

5 inclusive um cortina atirantada inacabada, como se pode verificar pelas cabeças expostas e não serradas dos tirantes e pela armadura exposta na sua extremidade direita, vista da Rua Gomes Lopes. Essa é a verdadeira área crítica de todo o morro, exigindo intervenções profundas e mesmo reassentamento dos moradores, em vista das possíveis dificuldades em reestabilizar a encosta. Entretanto, repetimos, situa-se fora da área mais densamente edificada e fora dos eco-limites designados para as comunidades dos Prazeres e Escondidinho. Recomenda-se a interdição de todos os imóveis situados imediatamente acima e em torno da encosta rompida, num perímetro de risco de pelo menos 40 metros de largura, até estudos e laudos definitivos. i) Incidente 10 Sinal de ruptura iminente de solo no campinho acima da encosta que desmoronou No mais baixo dos dois campos de terra batida menores, situados acima da encosta que rompeu (incidente 9) e bem no limite designado para a comunidade dos Prazeres, há uma nítida linha de ruptura iminente que atravessa seu canto norte/nordeste, com um recalque do solo de aproximadamente 10cm, causando inclusive ruptura do muro que o circunda. Há algumas casas logo abaixo deste campo e outras próximas. A linha de ruptura aparentemente não se propaga em direção à escadaria situada logo ao lado e que serve de acesso dos moradores à parte mais alta, pelo menos não há sinais na estrutura da escadaria. Essa possível ruptura talvez não seja um acomodamento local, mas sim um reflexo do grande desmoronamento abaixo, o que corrobora a conclusão de que esta encosta está instável. A avaliação visual fica prejudicada pela grande quantidade de vegetação existente. Recomendase interdição provisória de todas as casas próximas, principalmente as situadas fora dos ecolimites, que neste local são bastante visíveis através dos perfis de aço cravados no solo, e a investigação rigorosa de toda encosta, deste ponto até a parte desmoronada a jusante, e também acima, na vertente norte-nordeste do morro. 3) Conclusões e recomendações gerais preliminares a) É necessário o acesso ao laudo já existente ou, caso ainda não exista, a realização de estudo apropriado, para se avaliar o conjunto das condições de estabilidade das encostas do morro dos Prazeres. A vistoria superficial que fizemos não corrobora, até o momento, a conclusão de que todas as encostas da elevação denominada Morro dos Prazeres estejam comprometidas e em estado crítico. A situação realmente crítica parece-nos localizada em torno e acima da grande ruptura de solo descrita no incidente 9; b) As intervenções e obras de contenção realizadas nas comunidades dos Prazeres e Escondidinho foram eficazes e impediram, nos locais onde estão, maiores danos e problemas. A abordagem de enfrentar os problemas de estabilidade de encostas em áreas habitadas, através de diferentes intervenções de contenção parece-nos comprovada, baseada em largo conhecimento e experiência técnica acumulados por instituições como a Fundação Georio, e profissionais na área de Engenharia e Geologia, e em casos bem sucedidos. Se não têm sido suficientes para evitar tragédias como as dos últimos dias, parece-nos que isso se deve a investimentos insuficientes e decrescentes neste tipo de obra, bem como à manutenção (inclusive dos sistemas de drenagem) inexistente ou insuficiente; c) As volumosas intervenções do Programa Favela Bairro nas duas comunidades, que consumiram importantes recursos públicos, certamente foram precedidas dos necessários estudos de engenharia e geologia, e geraram relatórios detalhados que são exigidos pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, principal suporte financeiro do Programa. Parece-nos estranho que estes estudos não tenham revelado a suposta fragilidade

6 generalizada do morro e suas encostas, como é afirmado atualmente pela Prefeitura. Ressaltamos, aliás, a recente notícia veiculada pelo jornal O Estado de São Paulo, em 13/04/2010, segundo o qual o "Mapeamento de Risco Quantitativo a Escorregamentos", elaborado pela Fundação Georio e divulgado pela Prefeitura, datado de novembro de 2005, não incluía o Morro dos Prazeres. Todos estes fatos tornam necessária a mais ampla publicidade de todos os estudos e laudos existentes sobre a questão, ainda mais porque o que está em jogo é a história de vida e convivência de pelo menos 7 mil pessoas ao longo de pelo menos cinco décadas; d) Continuamos à disposição dos moradores das comunidades, da Defensoria Pública e de quaisquer outros órgãos, no sentido de participar da análise dos laudos existentes ou de fornecer subsídios para estudos mais detalhados e aprofundados. Maurício Campos dos Santos Engenheiro Civil CREA/RJ n Marcos de Faria Asevedo Arquiteto CREA/RJ n /B

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO

Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Experiência do Município do Rio de Janeiro na Gestão de Risco de Deslizamentos de Encostas através da Fundação GEO RIO Caracterização do Município e Descrição do Problema O Município do Rio de Janeiro

Leia mais

Bairros Cota na Serra do

Bairros Cota na Serra do Geotecnia Ambiental Bairros Cota na Serra do Mar em Cubatão riscos em ebulição e planos de ação em andamento Os bairros localizados nas encostas da Serra do Mar, na cidade de Cubatão, passam por um processo

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS

SEMINÁRIO DE PERÍCIAS SEMINÁRIO DE PERÍCIAS Norma de Vistoria de Vizinhança IBAPE/SP ANTONIO CARLOS DOLACIO Diretor Técnico do IBAPE/SP ABNT NBR 12722 Discriminação de serviços para construção de edifícios - Procedimento Item

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010

Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Relatório 02 - Avaliação das áreas visitadas em Paraty Rio de Janeiro Início da missão: 18/01/2010 Data deste relatório: 19/01/2010 Integrantes da missão: Renato Lima Lázaro V. Zuquette Eduardo Mantovani

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica

Relatório de Vistoria Técnica Relatório de Vistoria Técnica REFORMA DE IMÓVEL PARA ABRIGAR A SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE IPIAÚ/BA Sede da OAB Rua Senhor do Bomfim, nº83 Centro, Ipiaú/BA Elaborado para: Ordem dos Advogados

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO

2. CARACTERÍSTICAS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICAS E ANÁLISE DE RISCO AVALIAÇÃO DO RISCO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO ASSOCIADO A ESCORREGAMENTOS PARA AS COMUNIDADES ESTRADINHA (A MONTANTE DO CEMITÉRIO SÃO JOÃO BATISTA), MORRO DOS URUBUS, MORRO DOS PRAZERES E ESCONDIDINHO, MORRO

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel

Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel Relatório de Vistoria Técnica com Cadastramento do Imóvel REFORMA DA SEDE DA SUBSEÇÃO DA OAB/BA NO MUNICÍPIO DE GUANAMBI/BA Avenida Presidente Castelo Branco, nº 271, Aeroporto Velho Guanambi/BA Foto:

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente

PLANO DE GESTÃO DE RISCO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Fundação GEORIO. Marcio Machado Presidente Fundação GEORIO Marcio Machado Presidente PROPOSTA DO PLANO Eliminar as áreas de ALTO RISCO nas encostas mapeadas. CIDADE DO 3. Diagnóstico RIO DE JANEIRO 2. Prevenção 4. Intervenção 1.Conhecimento Plano

Leia mais

JL PLASMA DO BRASIL LTDA

JL PLASMA DO BRASIL LTDA 2011 JL PLASMA DO BRASIL LTDA [PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA EM ESCAVAÇÕES A CÉU ABERTO UTILIZANDO A CÁPSULA EXPANSIVA CS PLASMA] Esta relação de procedimentos técnicos dispõe sobre as medidas de

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria:

270 mil. Edificações no Rio de Janeiro. Total de edificações na cidade 875 mil. Edificações sujeitas à autovistoria: Edificações no Rio de Janeiro Total de edificações na cidade 875 mil * Edificações sujeitas à autovistoria: 270 mil ** * Fonte: IBGE ** Estimativa com base nas informações do IBGE Riscos das Edificações

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

RELATÓRIOTÉCNICO Trincheira Jurumirim. Cuiabá

RELATÓRIOTÉCNICO Trincheira Jurumirim. Cuiabá Serviço Público Federal Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 491 Bairro dos Araés Cuiabá Mato Grosso 78008-000 Tel.: +55(65)3315-3032 Fax:

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP.

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO SOCIOAMBIENTAL DA SERRA DO MAR: Mapeamento de risco de escorregamentos nos Bairros Cota, município de Cubatão, SP. Ogura, A.T. Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT, São Paulo,

Leia mais

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 37426 DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta a aplicação da Lei Complementar nº 126/13 e da Lei nº 6400/13, que instituem, por AUTOVISTORIA, a obrigatoriedade de realização de vistorias técnicas

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE USOS DO SOLO E CONTROLE DE PROCESSOS EROSIVOS E ESTABILIZAÇÃO DAS ENCOSTAS UHE FOZ DO RIO CLARO FRC-RS-ERO-CON-0901-0A JANEIRO 2009 CONSILIU Meio Ambiente & Projetos Empreendimento:

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU DISPÓE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ARACAJU E DÁ PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICIPIO DE ARACAJU seguinte Lei: Faço saber que a Câmara de Vereadores aprovou e eu sanciono a Art.

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo.

Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo. LEI Nº 10.365, DE 22 DE SETEMBRO DE 1987. Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no município de São Paulo. JÂNIO DA SILVA QUADROS, Prefeito do Município de São Paulo, usando

Leia mais

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas

Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Desastres Naturais no Brasil: vulnerabilidades sociais e econômicas e adaptação às mudanças climáticas Geólogo Agostinho Tadashi Ogura Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT DESASTRE NATURAL (DN) =

Leia mais

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS

NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS NORMAS PARA CONSTRUÇÕES DE ACESSOS ÀS RODOVIAS ESTADUAIS 1.0 As presentes instruções aplicam-se aos acessos de quaisquer propriedades às rodovias estaduais. 1.1 O acesso depende de autorização do DER/SC.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria

Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Rio de Janeiro: Decreto Regulamentador de Autovistoria Regulamenta a aplicação da Lei Complementar 126 de 26 de março de 2013 e da Lei 6400 de 05 de março de 2013, que instituem a obrigatoriedade de realização

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos

NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA 2013 NORMA DE VISTORIA DE VIZINHANÇA Procedimentos básicos executivos COORDENAÇÃO: Octavio Galvão Neto RELATORIA: Rejane Saute Berezovsky COLABORADORES: Flávia Zoéga Andreatta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Síntese ilha do Faial

Síntese ilha do Faial Síntese ilha do Faial Na ilha do Faial, foi identificada uma situação urgente, na Ribeira das Águas Claras, freguesia do Capelo. Na generalidade dos casos, são identificadas situações de instabilidade

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987

LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987 LEI Nº 10.365 - de 22 DE SETEMBRO DE 1987 Disciplina o corte e a poda de vegetação de porte arbóreo existente no Município de São Paulo, e dá outras providências. Jânio da Silva Quadros, Prefeito do Município

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica TÍTULO: PLANO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA REDES DE ÁGUA E ESGOTO NUMA CIDADE DE 01 MILHÃO DE HABITANTES. TEMA: Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento. Nome dos Autores: 1 - Engº Marco Antonio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15)

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DOS TALUDES DO RESERVATÓRIO UHE MAUÁ. (MARCO CONTRATUAL MC08 / EVENTO CONTRATUAL EC 15) 12 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ 4º RELATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P.

LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO BRASILIENSE S.P. PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE AMÉRICO BRASILIENSE S.P. OBJETO: LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA DAS CONDIÇÕES FÍSICAS DA ESTRUTURA DE COBERTURA DE ÁREA IDENTIFICADA COMO REFEITÓRIO DA C.E.R. LEILA L. D. T. PIZZA DURANTE LOCAL: RUA MANOEL JOSÉ PIRES, S.N. AMÉRICO

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG

Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Pequenas intervenções para redução dos processos de instabilização de encostas em vilas e favelas do município de Belo Horizonte - MG Luciane de Castro Campos Companhia Urbanizadora de Belo Horizonte-

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO MORRO DA PROVIDÊNCIA

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO MORRO DA PROVIDÊNCIA RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO MORRO DA PROVIDÊNCIA VISITA REALIZADA NOS DIAS 24 E 26 DE FEVEREIRO DE 2013 PELA COMISSÃO DE MORADORES DA PROVIDÊNCIA E POR MEMBROS DO FÓRUM COMUNITÁRIO DO PORTO Este relatório

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

Plano Verão 2014/2015

Plano Verão 2014/2015 Plano Verão 2014/2015 NOVO MODELO DE ESTÁGIOS OPERACIONAIS APLICATIVO OLHOS DA CIDADE AÇÕES PARA PREVENÇÃO DO IMPACTO DAS CHUVAS CENTRO DE OPERAÇÕES RIO Modelo atual com base em informações meteorológicas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Hérsio Antonio Ranzani Júnior JULHO 1998 Revisado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA Condomínio do Conjunto Residencial Estoril Sagres e Setúbal Estrada do Galeão 2840, 2800 e 2760 Blocos 1 e 2 - CNPJ: 29.384.609/0001-93 TP 1310-003 ESCOPO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

RELATÓRIO DE VISTORIA

RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO DE VISTORIA RELATÓRIO N.º 036/2009 Origem: ATEC PRM/Criciúma Destino: Darlan Airton Dias Procurador da República Ref.: ACP 2008.72.04.002971-7 No dia 17 de agosto do corrente ano, foi realizado

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE

PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE PROJETO: MONITORAMENTO ARQUEOLÓGICO NA ÁREA DE IMPLANTAÇÃO DA REFINARIA PREMIUM II (RPRE-II), DUTOVIA, ÁREA AUXILIAR E TERMINAL DO PECÉM (TECEM) - CE. 2º RELATÓRIO (Dezembro 2013 a Fevereiro, 2014) Recife,

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

ATESTADO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL AT. 109. 01. 15

ATESTADO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL AT. 109. 01. 15 1 / 20 ATESTADO TÉCNICO DE ENGENHARIA CIVIL AT. 109. 01. 15 Eucalipto Serviços Técnicos na Construção Civil Ltda Rua Marquês de Maricá, 625 - cj. 42 - Sacomã - São Paulo - SP CEP: 04252-000 - Tel: (11)

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

Gabinete Vereador Ernaninho REQUERIMENTO N. 426/2012

Gabinete Vereador Ernaninho REQUERIMENTO N. 426/2012 Gabinete Vereador Ernaninho REQUERIMENTO N. 426/2012 Solicita informações a Empresa Petrobrás- Transporte S/A Transpetro, quanto à situação da área contaminada por resíduos químicos no Bairro Itatinga,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS

IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Salvador/BA 25 a 28/11/2013 IDENTIFICAÇÃO DAS ÁREAS QUE APRESENTAM RISCOS GEOMORFOLÓGICOS PARA A POPULAÇÃO DA CIDADE DE MARAU/RS Daniel Varriento Escobar*, Alcindo Neckel, Suelen Marques * Gestor Ambiental.E-mail:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA

ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA ORIENTAÇÕES PARA A MONTAGEM DOS KITS NOS TELECENTROS APOIADOS PELO PROGRAMA Versão 2013 1 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Condições 3. Diretrizes 4. Fundamentação Legal 5. Contrapartidas 5.1. Espaço Físico 5.2.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Endereço da obra: Quadra 128, situada na esquina da Rua Ijui esquina Rua Inhacorá, Bairro Recanto do Sol, Horizontina - RS. O

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais