National Biodiversity Information Infrastructure - INDBIO A reference architecture

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "National Biodiversity Information Infrastructure - INDBIO A reference architecture"

Transcrição

1 National Biodiversity Information Infrastructure - INDBIO A reference architecture Eduardo Dalcin Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro 25 de abril de 2014

2 Context Rationale The proposal Overview Mission and objectives Principles Elements Institutions Actors Resources Tools Agenda

3

4 The proposal Begining of a process Isn't the only valid Isn t finished Isn t perfect Intends to list and describe the fundamental elements that make up the infrastructure, their arrangements, roles and relationships. Needs {colaboration, participation, contrbution}!

5 Context

6 Rationale November st Meeting Present the Project SiBBr and gather information to subsidise the implementation strategy; Question: What should be the main architecture? The Technical and Scientific Committee was created

7 Proposed Architecture Documento do Projeto, pg. 20

8 Rationale TSC Meetings December 2011 Demand the creation of an Architecture Task Force to review the Architecture February 2012 Discussion over the aspects of the architecture March 2012 Report on the advances of the Task Force

9 Current Status Staff at LNCC dedicated to implement the SiBBr

10 Still something missing

11 April 2014

12 INDBio Overview... In this document we consider a overview, at its highest level of abstraction, where basic elements interact with each other in the form of a network.

13 Overview...In this document we consider the following definitions of architecture : The fundamental organization of a system, embodied in its components, their relationships to each other and the environment, and the principles governing its design and evolution. (ISO/IEC/IEEE, 2011); A formal description of a system, or a detailed plan of the system at component level to guide its implementation. (The Open Group, 2011); The structure of components, their inter-relationships, and the principles and guidelines governing their design and evolution over time. (The Open Group, 2011).

14 ... This overview described herein does not replace an documentation that provides a comprehensive approach to the design, planning, implementation and governance of a formal architecture, modeled in levels or domains, such as : Business, Application, Data and Technology. To do this, a proper framework or methodology should be used, such as TOGAF (Haren, 2011).

15 Mission and Objectives Mission: To provide better decision-making process in conservation and sustainable and socially equitable use of biodiversity through an interdisciplinary government initiative, towards qualification, integration and publication of biodiversity data. Objectives: To ensure a broad collaboration between institutions, experts and thematic groups; To ensure a free and open access to qualified biodiversity data; Avoid duplication of efforts and inconsistent sources of information; Ensure that the best available knowledge and scientific rigor are prevalent in decision making.

16 Principles The INDBio has an network organization, nonlinear, nonhierarchical, formed of elements and interactions, and focused on institutions; The architecture elements can aggregate in Functional Units ; Exemplo de Unidade Funcional provedora de dados primários

17 Principles (cont.) The architecture is based on the sharing and reuse of components and data between applications, and service-oriented, with the adoption of open standards and protocols widely used;

18 Principles (cont.) All the biodiversity data available in INDBio must have a set of associated metadata; All the biodiversity data available in INDBio must have someone responsible for their quality, consistency and integrity; All the biodiversity data available in INDBio is considered public, and its use is defined by the license in the corresponding metadata;

19 Elements Institutions Actors Resources Instruments / Tools

20 Instituições...As instituições 1 são consideradas os elementos fundamentais desta arquitetura, uma vez que se apresentam como agregadores de outros elementos da arquitetura. Além disto, conferem à arquitetura solidez institucional, que pode ainda ser promovida por instrumentos jurídicos e normativos apropriados. (1) Instituições: Organizações governamentais, das esferas federal, estadual e municipal; e sociais de direito privado, sem fins lucrativos (Lei nº 9.637, de 15 de maio de 1998; e Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999)

21 Para não se perder!

22 Instituições Provedora de Dados Dados Mestres e de Referência Dados de Ocorrências Dados Ecológicos Produção Intelectual Dados Genéticos Dados de Germoplasma Bancos de Semenes Coleções Vivas Qualificadora de Dados Provedora de Infraestrutura Provedora de Ferramentas e Sistemas Provedora de Análise e Síntese

23 Instituições Provedoras de Dados Mestres e de Referência...Dados Mestres e de Referência são aqueles que são requeridos por diferentes grupos, processos e sistemas da INDBio, e provêm contexto para os dados transacionais (DAMA International, 2012).

24 Instituições Provedoras de Dados sobre Ocorrências...As instituições detentoras de coleções biológicas são um dos pilares fundamentares da INDBio, oferecendo dados sobre ocorrência para serem: Consumidos por outros sistemas de integração, análise e síntese (machine readable ou M2M); Consumidos por especialistas e utilizados em processos de produção intelectual e análise e síntese (human readable); Expostos à crítica visando à melhoria de qualidade por especialistas e ferramentas automatizadas ou assistidas (machine and human readable);

25 Instituições Provedoras de Dados sobre Ocorrências

26 Instituições Provedoras de Dados sobre Ocorrências

27 Instituições Provedoras de Dados sobre Ocorrências

28 Instituições Provedoras de Dados sobre Ocorrências O documento necessita ainda caracterizar: Coleções correlatas DNA Madeiras (xiloteca) Frutos (carpoteca) Etc... Outras fontes de dados de ocorrência Licenciamento Citizen Science Etc... Coleções Paleontológicas O que mais?

29 Coleções Paleontológicas

30 Instituições Provedoras de Dados Ecológicos

31 Instituições com repositórios institucionais de produção intelectual

32 Instituições provedoras de dados genéticos

33 Instituições provedoras de dados de germoplasma

34 Atores...Neste documento, reconhecemos dois grandes grupos de atores: aqueles relacionados com o conteúdo dados e informações, e aqueles relacionados com a infraestrutura, física e lógica, que os suportam....em relação aos atores relacionados com o conteúdo, podemos ainda agrupá-los em três grupos, à saber: Produtor, Transformador e Consumidor

35 Para não se perder!

36 Organizações de atores Sociedades Científicas Redes temáticas Redes de especialistas O que mais?

37 Recursos Recursos de Infraestrutura Armazenagem Processamento Conectividade Plataformas, ferramentas e aplicativos Recursos de Dados Dados sobre espécies e suas características Dados sobre testemunhos, ocorrência e registro de espécimes Dados Ecológicos ou Observacionais Dados sobre interações entre espécies Dados sobre ameaças O que mais?

38 Para não se perder!

39 Tipificação de Dados na DIPEQ/JBRJ

40 Instrumentos Normas, Políticas, Decretos, Leis, etc. Padrões, Vocabulários e Ontologias Estratégia Nacional de Informação Sobre Biodiversidade Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira - SiBBr O que mais?

41 Para não se perder!

42 Normas, Políticas, Decretos, Leis, etc. Política Nacional do Meio Ambiente (Lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981) Lei n.º , de 16 de abril de 2003 (Lei de Acesso à Informação Ambiental) Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999 (Política Nacional de Educação Ambiental) Lei n.º 9.610/1998 (Lei de Direitos Autorais, LDA) Lei n.º 9.279/96, ou Lei da Propriedade Industrial (LPI) Lei n.º /2011, de 18 de novembro de 2011 (Lei e Acesso à Informação LAI) Decreto n de 1975, que trata da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (Cites) Decreto nº 6.666, de 27 de novembro de 2008: Institui a INDE Decretos legislativos nos. 02 e 03 de 1994, que disciplinam a Convenção da Diversidade Biológica Decreto Federal Nº 4.339, de 22 de agosto de Institui princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade Portaria no. 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 MMA Pró-espécies Etc... O que mais?

43 Padrões, Vocabulários e Ontologias O documento traz uma introdução e lista padrões e iniciativas pertinentes. Este instrumento necessita de colaboração / responsável!...padrões, vocabulários e ontologias são elementos fundamentais da interoperabilidade entre sistemas de informação e, em última instância, são elementos que possibilitam que a INDBio funcione como uma rede.

44 Estratégia Nacional de Informação Sobre Biodiversidade Eixos prioritários Capacitação Comunicação Infraestrutura Governança Ações Estruturantes... A Estratégia Nacional de Informação sobre Biodiversidade é um documento que estabelece diretrizes que irão orientar e priorizar as ações nacionais e regionais para a instalação da Infraestrutura Nacional de Informação sobre Biodiversidade, seu funcionamento, evolução e sustentabilidade. Oferta de capacitação em Informática na Biodiversidade, qualificação e governança de dados, análise e síntese, Taxonomia, etc. Promoção da geração de produtos oriundos dos produtos e serviços oferecidos pelo SiBBr, e da utilização destes produtos no apoio à decisão Oferta de infraestrutura de armazenagem e gestão de recursos computacionais, infraestrutura adequada ao crescimento e dinamização das coleções biológicas O que mais?

45 Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira - SiBBr...A instalação de uma infraestrutura como a INDBio demanda um conjunto de ferramentas, produtos e serviços que, pelas suas características estruturais e transversais, atuam um núcleo operacional desta Infraestrutura. Este núcleo auxilia na implementação, propagação e consolidação destas ferramentas, produtos e serviços, no momento inicial de instalação da INDBio, onde esta estrutura é precária ou inexistente. Além disso, funciona como articulador central entre a demanda e a oferta de informações sobre biodiversidade pelos diferentes atores, define e homologa padrões e protocolos de interoperabilidade entre os sistemas e garante um fluxo contínuo de dados e informações de qualidade pela rede.

46 Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira - SiBBr Ferramentas, produtos e serviços Portal agregador de produtos e serviços Cadastro Nacional de Coleções Biológicas Agregador de dados de coleções biológicas Serviço de imagem em alta resolução Serviço de Mapa Serviço de Modelagem Repositório de Produção Intelectual Resolvedor de nomes científicos ( taxonomic backbone ) Serviço de Limpeza e Mineração de Dados Serviço de Anotações Serviço de Biodiversity Literature Mark-up Serviço de identificador único persistente para objetos de coleção biológica Repositório de códigos-fonte Repositório de Workflow Científico Registrador de Serviços Sistema de Suporte à Decisão

47 Para não se perder!

48 SiBBr - Portal agregador de produtos e serviços Conceito One Stop Shop Exemplos: Pensoft Taxon Profile Atlas of Living Australia Biodiversity Information Serving Our Nation (BISON)

49 SiBBr - Portal agregador de produtos e serviços

50 SiBBr - Portal agregador de produtos e serviços Códigosfonte Cadastro de Coleções Dados de Ocorrências Anotações Dados sobre Espécies Resolvedor de Nomes Interface única e intuitiva Ferramentas de Análise e Síntese Modelos Produção Intelectual Mapas Imagens em Alta Resolução

51 SiBBr - Cadastro Nacional de Coleções Biológicas...Coleções Biológicas desempenham um papel central, fundamental e crítico em qualquer iniciativa relacionada com a informação sobre biodiversidade......entretanto, não existe um Diretório Nacional de Coleções Biológicas, nem como proposição em nenhum dos documentos acima, capaz de servir de referência quantitativa e qualitativa das coleções biológicas nacionais. No contexto da INDBio, um diretório nacional destes repositórios da biodiversidade, seria capaz de fornecer um Identificador Persistente Único para estas coleções que, associado ao Identificador Persistente Único do testemunho do espécime (voucher) depositado na coleção, cria uma forma inequívoca de se referenciar à este testemunho depositado em uma coleção, facilitando a integração e interoperabilidades destes dados (GBIF, 2011).

52 SiBBr - Agregador de dados de coleções biológicas

53 SiBBr - Serviço de imagem em alta resolução

54 SiBBr - Serviço de Mapas e Modelagem

55 SiBBr Repositório de Produção Intelectual Agregador de produção intelectual indexada sobre biodiversidade

56 SiBBr Repositório de Dados Ecológicos

57 SiBBr Resolvedor de nomes científicos

58 SiBBr - Serviço de Limpeza e Mineração de Dados

59 SiBBr Serviço de Anotações FilteredPush AnnoSys

60 SiBBr - Serviço de Biodiversity Literature Mark-up

61 SiBBr - Serviço de Biodiversity Literature Mark-up

62 SiBBr - Serviço de Biodiversity Literature Mark-up

63 SiBBr - Serviço de identificador único persistente

64 SiBBr - Serviço de identificador único persistente Para conjuntos de dados Para objetos em coleções Para nomes científicos Para taxa concept

65 SiBBr - Repositório de códigos-fonte

66 SiBBr - Repositório de Workflow Científico

67 SiBBr - Registrador de Serviços

68 SiBBr - Sistema de Suporte à Decisão...Sistema de Suporte à Decisão (SAD) é um sistema ou subsistema interativo, baseado em computador, destinado a ajudar os tomadores de decisão a utilizarem tecnologias de comunicação, dados, documentos, conhecimento e / ou modelos para identificar e resolver problemas, concluir tarefas do processo de tomada de decisão, e tomar decisões. Sistema de Suporte à Decisão é um termo geral para qualquer aplicação de computador que melhora a capacidade de uma pessoa ou grupo para tomar decisões (Power, Burstein, & Sharda, 2011). No nível conceitual, Power (2002) apud (Hättenschwiler & Gachet) enumera cinco tipos de Sistemas de Suporte à Decisão: Os dirigidos à comunicação (Communication-Driven DSS), os dirigidos à dados (Data-Driven DSS), Os dirigidos à documentos (Document-Driven DSS), os dirigidos à conhecimento (Knowledge-Driven DSS) e os dirigidos à modelos (Model-Driven DSS)...

69 SiBBr - Sistema de Suporte à Decisão

70 Thanks! Eduardo Dalcin Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Diretoria de Pesquisas Núcleo de Computação Científica e Geoprocessamento

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Seminário de Informação em Biodiversidade no âmbito do MMA e instituições vinculadas Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Eduardo Dalcin Instituto de

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Danny Vélez. Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade

Danny Vélez. Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade Danny Vélez Estruturação e publicação de informação sobre biodiversidade Tapir GBIF Portal ISO 19115 Ecosistema de ferramentas e padrões Plinian Core ABCD Audubon Core Padrões Darwin Core IPT Metadados

Leia mais

ANNUAL REPORT 2011-12-13

ANNUAL REPORT 2011-12-13 ANNUAL REPORT 2011-12-13 Member organizationʼs name: Beraca Sabará Quimicos e Ingredientes - Divisão HPC Main address: Rua Emilia Marengo, 682 segundo andar Jardim Analia Franco, São Paulo SP Brasil CEP

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue

Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Repositórios de dados espaciais para suporte À modelagem matemática da dengue Prof. Dr. Anselmo C. Paiva Prof.Dr. Aristófanes C. Silva Núcleo de Computação Aplicada NCA UFMA Contexto Projeto: Desenvolvimento

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO RURAL NAS PROVINCIAS DE MANICA E SOFALA - PADR Concurso com Previa Qualificação Convite para a Manifestação de Interesse

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425

CMDB no ITIL v3. Miguel Mira da Silva. mms@ist.utl.pt 919.671.425 CMDB no ITIL v3 Miguel Mira da Silva mms@ist.utl.pt 919.671.425 1 CMDB v2 Configuration Management IT components and the services provided with them are known as CI (Configuration Items) Hardware, software,

Leia mais

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROPONENTE Secretaria Estadual do Meio Ambiente INTRODUÇÃO

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico Recuperação de Informação em Infraestruturas de Dados Espaciais usando Mecanismos de Representação do Conhecimento Autores

Leia mais

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação

Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Interconexão de Redes Acadêmicas entre Europa e América Latina Resumo de Situação Nelson Simões Maio de 2004 Resumo de situação da participação da RNP no início do Projeto ALICE America Latina Interconectada

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

RODA: A Service-Oriented Digital Repository

RODA: A Service-Oriented Digital Repository RODA: A Service-Oriented Digital Repository Database Archiving José Carlos Ramalho jcr@keep.pt José Carlos Ramalho jcr@di.uminho.pt Dep. of Informatics University of Minho 1 Context RODA (2006-2009) Metadata

Leia mais

Vanderlei Perez Canhos, CRIA

Vanderlei Perez Canhos, CRIA Rede de Centros de Recursos Biológicos Infraestrutura de suporte à inovação Vanderlei Perez Canhos, CRIA 09 Novembro 2009, CBM-25, Porto de Galinhas Rede Brasileira de Centros de Recursos Biológicos Infra-estrutura

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

REDE specieslink. Alexandre Marino Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA

REDE specieslink. Alexandre Marino Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA REDE specieslink Alexandre Marino Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA SOBRE O CRIA Associação Civil, sem fins lucrativos, fundada em dezembro de 2000 Qualificada pelo Ministério da Justiça

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps

Digital Cartographic Generalization for Database of Cadastral Maps Mariane Alves Dal Santo marianedalsanto@udesc.br Francisco Henrique de Oliveira chicoliver@yahoo.com.br Carlos Loch cloch@ecv.ufsc.br Laboratório de Geoprocessamento GeoLab Universidade do Estado de Santa

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Segurança de Documentos na Governação Electrónica

Segurança de Documentos na Governação Electrónica Segurança de Documentos na Governação Electrónica Alexandre Caldas 26th of November 2010 Sumário Modelo de Política Segurança da Informação Segurança e Infra Estruturas Críticas Comunicações Integradas

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Infraestrutura de dados, ferramentas computacionais e serviços web para a difusão de informação sobre a Biodiversidade Brasileira

Infraestrutura de dados, ferramentas computacionais e serviços web para a difusão de informação sobre a Biodiversidade Brasileira Papel do CRIA no desenvolvimento da Infraestrutura de dados, ferramentas computacionais e serviços web para a difusão de informação sobre a Biodiversidade Brasileira Porto Alegre, Agosto 2012 Estatuto

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS

UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS UMA ABORDAGEM PARA GESTÃO DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS RESUMO: - PALAVRAS-CHAVES: ABSTRACT: The use of the Web as a platform for distance education (e-learning) has been one of the great alternatives for

Leia mais

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT Raimundo Moraes III Congresso da IUCN Bangkok, November 17-25 2004 ENVIRONMENTAL PROTECTION IN BRAZIL The Constitution states

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

Plano de Trabalho 2014-2016

Plano de Trabalho 2014-2016 Plano de Trabalho 2014-2016 Indicação das Prioridades da Rede para a BVS Brasil http://brasil.bvs.br/reuniao-redebvs-2014/ #bvsbrasil2014 Equipe MIP Modelo.bvs@bireme.org Produção de Fontes de Informação

Leia mais

Padrões de Aplicações Empresariais

Padrões de Aplicações Empresariais Padrões de Aplicações Empresariais Paulo Sousa Engenharia da Informação Instituto Superior de Engenharia do Porto Introdução aos Padrões Parte 1 O que é um Pattern? Each pattern describes a problem that

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Wasmália Bivar Diretoria de Estatísticas Luiz Paulo Souto Fortes Diretoria de Geociências Seminário

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

IDC Internet Security Governo na Web 4.0, CEGER, Alexandre Caldas

IDC Internet Security Governo na Web 4.0, CEGER, Alexandre Caldas Governo na Web 4.0 29 de Janeiro de 2008 Resumo da Apresentação O que é o Governo Electrónico? Definição de uma Visão Estratégica: A Governação Electrónica Obstáculos à Governação Electrónica; As Pirâmides

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 O SERPRO MELHORES PRÁTICAS LIÇÕES APRENDIDAS PRÓXIMOS PASSOS... O SERPRO ORGANOGRAMA A EMPRESA ESTRUTURA LINHAS DE NEGÓCIO CLIENTES E SERVIÇOS -Política de Propriedade

Leia mais

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL Abril - 2013 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 3.1. Geoprocessamento... 3 3.2. Gestão das Informações Geográficas... 3 3.3. Dado Geográfico

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil. Alice Abreu Director of ICSU-LAC

Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil. Alice Abreu Director of ICSU-LAC Women for Science since Budapest 1999: a view from Brazil Alice Abreu Director of ICSU-LAC Primer Foro Regional sobre Políticas de Ciencia, Tecnología e Innovación en América Latina y el Caribe: Primer

Leia mais

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA

Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA Pilot project on the implementation of SSD2 in the frame of the electronic transmission of harmonized data collection of analytical results to EFSA OC/EFSA/DCM/2013/05 Luísa Oliveira luisa.oliveira@insa.min-saude.pt

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação

Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Monitoramento de Métricas de Segurança da Informação Rafael Seidi Shigueoka¹, Bruno Bogaz Zarpelão¹ 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

Desafios e oportunidades da IoT no Brasil

Desafios e oportunidades da IoT no Brasil www.iotbrasil.com.br GUGST - Reunião de 14 de abril de 2015 Desafios e oportunidades da IoT no Brasil Desafios e oportunidades da IoT no Brasil Gabriel Antonio Marão Agenda 1 2 3 4 FÓRUM BRASILEIRO DE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia

Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria da Informação e Tecnologia A Governança de TIC na Cidade de Curitiba TIC nos governos PROs, 50 anos Até 1998 CPD do IPPUC Uma OS Instituto Curitiba de Informática

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2

Hidráulica Urbana. Urban Hydraulics. Semestre do plano de estudos 2 Nome UC Hidráulica Urbana CU Name Código UC 725 Curso MEC Semestre do plano de estudos 2 Área científica Engenharia Civil Duração Semestral Horas de trabalho 164 ECTS 6 Horas de contacto T - 22,5; PL -

Leia mais

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados.

Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. PORTARIA Nº 693, DE 20 DE AGOSTO DE 2009 Institui, no âmbito do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBio, a Política de Dados. O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TENOLOGIA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Interoperabilidade Semântica no LexML

Interoperabilidade Semântica no LexML Interoperabilidade Semântica no LexML João Alberto de Oliveira Lima Senado Federal do Brasil Brasília-DF joaolima@senado.gov.br Resumo. A interoperabilidade não se restringe apenas à capacidade de comunicação

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

Participatory Map of Rio de Janeiro

Participatory Map of Rio de Janeiro Leandro Gomes Souza Geographer Luiz Roberto Arueira da Silva Director of City Information Pereira Passos Institute - City of Rio de Janeiro About us Pereira Passos Institute (IPP) is Rio de Janeiro municipal

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Open Archives e Open Access

Open Archives e Open Access Mesa redonda: Tecnologias de Informação Open Archives e Open Access Sumário Cenário Mundial da Comunicação Científica O modelo Open Archives O movimento do acesso livre Ações do Ibict em direção ao acesso

Leia mais

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office DPI Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office Apresentação/Presentation Criado em 1 de março de 2011, o Núcleo de

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Philip G. Altbach organizou o livro Leadership for world-class universities. Challenges for

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Parque Científico e Tecnológico de Macaé

Parque Científico e Tecnológico de Macaé Parque Científico e Tecnológico de Macaé Carlos Eduardo Lopes da Silva¹ Ramon Baptista Narcizo² Joelson Tavares Rodrigues³ Resumo Este artigo apresenta os principais conceitos e estratégias que apóiam

Leia mais

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager

Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Gerência de Portfólio de Projetos com IBM Rational Portfolio Manager Sumário Sumário O problema O desafio IBM Rational Portfolio Manager O problema Cenário atual 84% das organizações ou não montam o business

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures

Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures GeoInfo - 2006 Interoperability through Web Services: Evaluating OGC Standards in Client Development for Spatial Data Infrastructures Leonardo Lacerda Alves Clodoveu A. Davis Jr. Information Systems Lab

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PROJETO NACIONAL DE AÇÕES PÚBLICO PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II TERMO DE REFERÊNCIA BOLSA No. 009/2013/Fiocruz/ProbioII APOIO CIENTÍFICO B VALOR MENSAL: R$ 4.000,00 (Quatro

Leia mais

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação

Palavras-chave: serviços qualificados, interação universidade-empresa, ecossistema inovação Ampliação quantitativa e qualitativa da interação entre o ambiente da universidade e a população do Inovaparq a partir do compartilhamento de projetos e programas de extensão Vanessa de Oliveira Collere

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems OFFICIAL SESSION n FT 5-13 March, 21 st 2005-16 H 30-18 H 30 BANAMEX CENTER ROOM ITURBIDE N 3 Mr. Oscar Cordeiro NETTO

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação. Proposta Trabalho de Graduação

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação. Proposta Trabalho de Graduação Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Proposta Trabalho de Graduação Um Mecanismo de Monitoramento e Seleção de Serviços Baseado em Atributos de Qualidade

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes: o Papel do CSIRT no Aumento da Segurança das Corporações

Gerenciamento de Incidentes: o Papel do CSIRT no Aumento da Segurança das Corporações Gerenciamento de Incidentes: o Papel do CSIRT no Aumento da Segurança das Corporações Cristine Hoepers Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil - CERT.br http://www.cert.br/

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Relato de Experiência da ATI-PE WCGE 2010 20/07/2010 1 Introdução 2 Sobre a ATI Agência Estadual de Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Introduction to Network Design and Planning

Introduction to Network Design and Planning Introduction to Network Design and Planning Joao.Neves@fe.up.pt 1 In the Beginning... The project of a Network was the result of the inspiration of a guru or an "artist" (after all was considered an art...)

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM

Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM VEM Uma Análise da História do VEM, WBVS e WMSWM Renato Novais, Thiago S. Mendes, Fernando Teles Instituto Federal da Bahia (IFBA) Salvador Bahia Brasil {renato,thiagosouto,fernandoteles}@ifba.edu.br Abstract.

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais