11- Cooperação nacional e internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11- Cooperação nacional e internacional"

Transcrição

1 11- Cooperação nacional e internacional A política de internacionalização desta instituição encontra-se actualmente bem definida e em franca expansão. Uma das principais linhas de orientação da cooperação internacional tem sido o reforço da mobilidade de estudantes, recém-diplomados e docentes. Esta modalidade cobre a realização de períodos de estudo, de estágios, missões de ensino de curta duração, no âmbito de programas comunitários tais como Sócrates/Erasmus e Leonardo da Vinci, e também por iniciativa (e financiamento directo) do Instituto e suas Escolas integradas. A mobilidade internacional cobre as seguintes actividades: mobilidade curricular de estudantes, mobilidade de estagiários recém-diplomados e mobilidade de docentes para missões de ensino. A mobilidade funciona ao abrigo de programas comunitários tais como: Sócrates/Erasmus, Leonardo Da Vinci, e também por iniciativa ( e financimento directo) do IPV e suas Escolas. Em 2006, a mobilidade internacional foi a seguinte: Programas Actividades desenvolvidas Mobilidade de estudantes Sócrates Alunos enviados: 30 ->Da Escola Superior de Educação e Pólo de lamego- 3 ->Da Escola Superior de Tecnologia- 21 ->Da Escola Superior Agrária- 4 ->Da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego- 2 Alunos Recebidos: 29 ->Na Escola Superior de Educação- 4 ->Na Escola Superior de Tecnologia- 14 ->Na Escola Superior Agrária- 2 ->Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego- 4 ->Na Escola Superior de Saúde

2 Os alunos enviados, no ano ano lectivo 2006/2007, por área científica, foram: 13% 3% 7% Formação Profissional 44% 10% 23% Comunicação Social Engenharia Gestão Turismo Ciências Agrária A evolução dos estudantes Erasmus enviados, nos últimos três anos lectivos, foi: Evolução do nº de estudantes enviados, nos últimos três anos lectivos, por Escola / / / ESEV ESTV ESAV Pólo Lamego ESTGL ESSV 2004/ / /

3 A evolução dos estudantes Erasmus recebidos, nos últimos três anos lectivos, foi: Evolução do nº de estudantes recebidos, nos últimos três anos lectivos, por Escola / / / ESEV ESTV ESAV Pólo Lamego ESTGL ESSV 2004/ / /

4 Programas Actividades desenvolvidas Mobilidade de docentes Sócrates Docentes enviados: 17 ->Da Escola Superior de Educação - 1 ->Da Escola Superior de Tecnologia- 9 ->Da Escola Superior Agrária- 2 ->Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego- 2 ->Da Escola Superior de Saúde- 3 Docentes Recebidos: 4 ->Na Escola Superior de Tecnologia- 3 ->Na Escola Superior Agrária

5 A evolução do número de docentes enviados, no últimos três anos lectivos, por Escola, foi: Evolução do nº de docentes enviados, nos últimos três anos lectivos, por Escola / / / ESEV ESTV ESAV Pólo Lamego ESTGL 2004/ / / ESSV A evolução do número de docentes recebidos, no últimos três anos lectivos, por Escola, foi: Evolução do nº de docentes recebidos, nos últimos três anos lectivos, por Escola 3 2,5 2 1, / / /2007 0,5 0 ESTV ESAV ESTGL ESSV 2004/ / /

6 Programas Actividades desenvolvidas Projecto QULTURA- Estágios para recém-diplomados Estagiários enviados no ano lectivo 2005/2006: 20 Leonardo Da Vinci ->Da Escola Superior de Educação 13 ->Da Escola Superior de Tecnologia- 7 Projecto QULTURA II- Estágios para recém-diplomados Estagiários enviados no ano lectivo 2006/2007: 30 (para Espanha, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo e Polónia) ->Na Escola Superior de Educação- 6 ->Na Escola Superior de Tecnologia- 19 ->Na Escola Superior de Agrária- 4 ->Na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego- 1 Destes 30 estudantes enviados, 10 foram para Espanha, 4 para a Grécia, 4 para a Irlanda, 3 para Itália, 3 para o Luxenmburgo e 6 para a Polónia. 230

7 12- Actividade Editorial do Instituto Superior Politécnico O ISPV elegeu a formação cultural e humanista como uma das suas grandes linhas de intervenção, adicionando-a à formação científica das suas Unidades Orgânicas. Enriquecendo-a. Complementando-a. Entroncando-a nos seus Estatutos, no plasmado nas Finalidades...é uma instituição de ensino superior público dedicada à criação, transmissão/aquisição, reflexão crítica e difusão cultural, científica e tecnológica e nos Princípios Orientadores garantir a liberdade de criação cultural, científica e tecnológica. As publicações do ISPV constituem importante veículo de divulgação, promoção e marketing institucionais, projectando o Politécnico de Viseu não só na região e no país, mas, igualmente, estendendo o seu raio de acção aos países de língua oficial portuguesa e às instituições de ensino superior europeias. As edições com a chancela do ISPV cristalizam na perenidade do papel a memória e a história da Instituição. Em termos editoriais publicámos em 2006: Millenium é cada vez mais uma revista científica, condensando maioritariamente artigos de investigação, em particular do seu corpo docente, não dispensando colaborações de grande qualidade de autores externos. Até à data foram publicados 33 números, entre os quais dez edições especiais. Ao longo dos anos, passaram pela revista do Instituto Superior Politécnico de Viseu o pensamento e a inteligência institucional e extra-institucional em muitas centenas de artigos, assinados por cerca de trezentos e cinquenta autores nacionais, europeus, africanos e sul-americanos, dos quais cerca de cinco dezenas são académicos e investigadores estrangeiros das mais diversas proveniências. A revista é publicada em suporte de papel e também on-line. 231

8 POLISTÉCNICA Boletim informativo do ISPV, Polistécnica é uma publicação criada com o objectivo de divulgar toda a informação institucional. Através de uma abordagem objectiva e plural, pretende ser simultaneamente barómetro e termómetro do pulsar institucional, dos seus momentos mais relevantes, das actividades realizadas, dos eventos ocorridos na comunidade politécnica dos Serviços Centrais às Unidades Orgânicas integradas no ISPV, passando pelo frémito da vida estudantil das associações. Polistécnica é assim um espaço que proporciona uma maior visibilidade às actividades, realizações e propostas de futuro do todo institucional, tanto através de textos de conteúdo, como de simples informação noticiosa. Sempre com a colaboração das Áreas Científicas e Departamentos; Conselhos Directivos, Científicos e Pedagógicos; Associações de Estudantes e Gabinetes/Departamentos dos Serviços Centrais. Importante veículo de informação institucional, tanto dentro, como fora do ISPV, Polistécnica guia os seus leitores pelas realidades que a Instituição tem construído em cada presente, das suas estruturas físicas e da vida científica e cultural intensa que no seu interior se desenvolve, constituindo-se, desta forma, como registo perene na construção da história do Instituto, na preservação da sua memória. Edição em suporte de papel e on-line. INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU DOUTORAMENTOS/ EM DOUTORAMENTO MESTRADO/ EM MESTRADO Em Novembro de 2006 o Instituto publicou o livro Instituto Superior Politécnico de Viseu- Investigação Científica:Doutoramentos/Em Doutoramento/ Mestrado/ Em Mestrado. Esta publicação sistematiza pela primeira vez a insvestigação científica de todo o corpo docente com vínculo ao IPV. Nesse livro constam 64 Teses de Doutoramento/ 100 em processo de Doutoramento, 238 Teses de Mestrado e 60 em processo de Mestrado. 232

9 BROCHURA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU O IPV elaborou e redigiu uma brochura institucional para ser distribuída nos seus Dias Abertos e nas feiras de Orientação Vocacional em que esteve presente. 13.O Processo de Bolonha no Instituto O Processo de Bolonha constitui, sem dúvida, o grande desafio actual para as instituições de ensino superior. O Instituto Superior Politécnico de Viseu (ISPV), na sequência de uma reflexão sobre as questões associadas à construção do espaço europeu de ensino superior, e da emissão de algumas directrizes pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior Português, encontra-se actualmente a preparar um conjunto de reformas profundas que atravessarão toda a instituição. Assim as actividades desenvolvidas, em 2006, foram no âmbito da: ->Reforma Curricular: reestruturação da formação em dois ciclos; definição de perfis/competências; novas metodologias de ensino/aprendizagem; creditação dos cursos e aplicação da escala europeia de classificações; aprendizagem ao longo da vida; aprendizagem das línguas. A Instituição apresentou, em , 15 cursos para adequação ao 1º ciclo de estudos e 7 novos cursos para criação, concretamente: 1º ciclo Criação de novos cursos Adequação de cursos Designação Estado Designação Estado Tecnologias e Design Multimédia Aprovado Contabilidade e Administração Adequado Engenharia e Gestão Industrial Aprovado Engenharia de Madeiras Adequado Línguas Estrangeiras Aplicadas Engenharia Informática Adequado Comunicação e Multimédia Engenharia Mecânica Adequado Ciências da Educação Gestão de Enpresas Adequado Higiene Oral Indeferido Marketing Adequado 233

10 Informática na Saúde Indeferido Turismo Adequado Educação Social Contabilidade eauditoria Engenharia Informática e de Telecomunicações Gestão e Informática Gestão Turística, Cultural e Patrimonial Informação Turística Serviço Social Enfermagem Adequado Adequado Adequado Adequado Adequado Adequado Adequado Adequado A Instituição apresentou, em , no âmbito do 2º ciclo, 5 novos cursos, designadamente: 2º ciclo Designação Educação em Didáctica da Matemática e das Ciências da Natureza para Educadores de Infância e Professores dos 1º e 2ºciclos do Ensino Básico Educação Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável Ciências da Saúde-especialidade Médico-Cirúrgica Ciências da Saúde-especialidade em enfermagem de saúde mental e psiquiatria Educação para a Saúde Estado Aguarda resposta Aprovado Aguarda resposta Aguarda resposta Aguarda resposta A Instituição apresentou, em , 12 cursos para adequação ao 1º ciclo de estudos e 13 novos cursos para criação, concretamente: 1º ciclo Criação de novos cursos Adequação de cursos Designação Estado Designação Estado Desporto e Actividade Física Aguarda Engenharia do Ambiente Adequado resposta Educação Ambiental Aguarda Engenharia Civil Adequado resposta Publicidade e Relações Públicas Aguarda Engenharia Electrotécnica Adequado resposta Energias renováveis Aguarda Animação Cultural Adequado resposta Fitofarmácia Aguarda Artes Plásticas Adequado resposta Turismo e Natureza Aguarda Comunicação Social Adequado resposta Nutrição, Alimentação e Saúde Aguarda resposta Engenharia Agronómica Adequado 234

11 Engenharia de Energia Engenharia de Redes de Comunicação Tecnologias e Sistema de Informação Aguarda resposta Aguarda resposta Aguarda resposta Engenharia Florestal Engenharia Zootécnica Enfermagem Veterinária Relatório de actividades do ano 2006 Adequado Adequado Adequado Farmácia Indeferido Engenharia Alimentar Adequado Análises Clínicas Indeferido Secretariado e Administração Adequado Terapia da Fala Indeferido A Instituição apresentou, em , no âmbito do 2º ciclo, 5 novos cursos, designadamente: 2º ciclo Designação Turismo Desporto e Actividade Física na especialidade em Planeamento e Gestão do Exercício do treino Ciência Animal Biotecnologia e Inovação Alimentar Segurança e Higiene no Trabalho Estado Aguarda resposta Aguarda resposta Aguarda resposta Aguarda resposta Aguarda resposta ->Apoio à criação do Centro de Investigação (estudos de âmbito nacional/internacional): modelos de centros; modelos de funcionamento em rede; programas de apoio; infra-estruturas de investigação; avaliação e acreditação de centros. Em 2006 foi criado um grupo de trabalho constituído por Docentes das escolas integradas com o objectivo de preparar a criação do Centro de Investigação e definir as áreas de actuação. 235

12 14-O Sistema de Avaliação de Desempenho no Instituto (SIADAP) O Sistema de Avaliação de Desempenho na Administração Pública (SIADAP), criado pela Lei nº 10/2004, de 22 de Março e regulamentado através do Decreto-Regulamentar nº 19-A/2004, de 14 de Maio, veio introduzir alterações profundas ao sistema de avaliação dos funcionários/agentes. Com a introdução deste sistema de avaliação, a gestão por objectivos foi introduzida na Administração Pública. O Instituto Politécnico de Viseu aplicou pela segunda vez, em 2006, este novo sistema de avaliação (SIADAP) a todos os funcionários não docentes da Instituição (Serviços Centrais e Unidades Orgânicas). A Instituição continuou a apostar na formação, nesta área em particular. Ainda neste âmbito foi criada, em 2006, toda a estrutura orgânica da Instituição na plataforma do programa da gestão de avaliação de desempenho no site Todos os avaliadores e avaliados possuem uma password para entrerem no referido programa. Em 2007, os objectivos serão introduzidos on-line e toda a gestão do processo de avaliação será feita com recurso ao programa informático em causa. Em termos de operacionalização interna do sistema de avaliação de desempenho a instituição: 1-Definiu os objectivos estratégicos da Instituição; 2-Designou os avaliadores para o ano 2006; 3-Aprovou as ponderações a atribuir a cada competência comportamental por grupo profissional; 4-Aprovou o quadro com as quotas máxima de mérito (Excelente e Muito Bom) para o ano 2006, a saber: Unidades integradas Excelente Muito Bom Serviços Centrais/SAS e ESTGL 6 23 ESEV 2 10 ESTV 2 8 ESAV 1 4 ESSV

13 15-ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS Serviços Centrais Os Serviços Centrais exercem a sua actividade nas seguintes áreas: Jurídica; Planeamento e Gestão; Técnica; Cultural e Documentação. Dispõe ainda de Serviços administrativos que exercem a sua actividade nos domínios dos recursos humanos, administração financeira e patrimonial, expediente e arquivo. Área Jurídica As actividades desenvolvidas, em 2006, nesta área foram: -Recolha e divulgação de legislação. -Emissão de pareceres e informações nas mais variadas áreas como: pessoal docente e não docente, alunos, funcionamento de órgãos e escolas, concursos de pessoal, de empreitadas e aquisição de bens e serviços, execução de contrato, entre outros. -Participação e apoio em procedimentos relacionados com empreitadas de obras públicas e aquisição de bens e serviços. -Apoio na execução de contratos. -Elaboração e apoio na elaboração de regulamentos. -Instrução de processos de averiguações e disciplinares. -Participação na comissão para elaboração da proposta de revisão dos Estatutos. -Apoio em concursos de provas públicas. -Patrocínio judiciário do instituto e suas unidades orgânicas em processos contenciosos. 237

14 Nº de pareceres emitidos, pelo Departamento Jurídico, no ano Janei r o Fever ei r o Mar ço Abr il Mai o Junho Jul ho Agosto Setembr o Outubr o Novembr o Dezembr o Tipos de processos instaurados em Processos de averiguações 3 Processos disciplinares Área Planeamento e Gestão As actividades desenvolvidas, em 2006, nesta área foram: -Elaboração de/o: Relatórios de execução financeira trimestrais da Instituição; Relatório de actividades dos Serviços Centrais;Plano de actividades dos Serviços Centrais;Balanço Social; Relatório de gestão e anexos às demonstrações financeiras para o Tribunal de Contas. -Estudos e pareceres de natureza económica e financeira. -Apresentação de candidaturas e elaboração da respectiva execução física/financeira, pedido de pagamento do saldo final, relatórios finais e intercalares, das seguintes medidas: - Medida 6 Infra-estruturas do Ensino Superior com os seguintes projectos aprovados: - Ampliação e remodelação da Escola Superior de Enfermagem; 238

15 - Medida IV Cursos de especialização tecnológica; - Medida Campus Virtuais no âmbito do POSI. Relatório de actividades do ano Planeamento das promoções de todo o pessoal não docente do Instituto; -Implementação e organização da formação do pessoal não docente, na própria Instituição, através da existência de um plano interno de formação para todo o pessoal não docente (ponto do relatório), para o ano 2006, e cuja evolução foi a seguinte: Ano Plano de formação interno Nª de acções de Nº de participantes formação Execução do processo de atribuição de Bolsas de Estudo por mérito a estudantes desta Instituição. Estas bolsas têm sido atribuídas na Instituição desde o ano lectivo 1998/99, com a seguinte evolução: Ano Total de bolsas ESEV Pólo ESTV ESAV ESENFV ESTGL lectivo atribuídas Lamego 1998/ / / / / / / / / Gestão financeira dos programas Sócrates e Leonardo da Vinci. -Elaboração de estudos sobre a afectação do orçamento pelas diferentes Unidades Orgânicas. -Execução do processo de atribuição de prémios a estudantes desta Instituição, no âmbito do protocolo existente entre o ISPV e a Caixa Geral de Depósitos. 239

16 Bolsas atribuídas ESEV Pólo de Lamego Relatório de actividades do ano 2006 ESTV ESAV ESEnfV ESTGL 2002/ / / / Área Técnica As actividades desenvolvidas, em 2006, nesta área foram: -Promover o desenvolvimento dos espaços físicos e equipamentos do ISPV e suas Unidades Orgânicas, bem como a operacionalidade e vigilância dos edifícios e equipamentos e pessoas, a manutenção, a vigilância e a limpeza. -Desenvolver, coordenar e controlar as actividades de prevenção e de protecção contra riscos profissionais, nomeadamente relatórios de acidentes de trabalho, planificação da sinalética e medições de luminosidade e temperatura. -Assegurar a tramitação de todos os processos dentro do departamento técnico do IPV. Em 2005, foram tratados e tramitados documentos, dos quais: Documentos recebidos Nº de Documentos Ofícios expedidos 553 Informações Validação de facturas 162 Diversas 115 Informações/Proposta 23 Procedimentos Especificação 14 Anúncio 11 Programa de concurso 9 Caderno de encargos 9 Actas Ponderação 4 Actos 10 Relatórios Qualificação de concorrentes 5 Propostas 23 Final 8 Contratos Minutas 27 Contratos 26 Autos Consignação Aceitação 5 Recepção provisória 4 Vistoria 1 Fecho de contas 2 Recepção definitiva 1 240

17 Informação/ Manutenção Escolas ESEV 2 ESTV 1 ESAV 21 ESSV 3 ESTGL 1 SAS 145 Pessoal IPV 29 Diverso 42 Requisição 97 Total de documentos Tipologia de concursos abertos em 2006 Concursos Públicos Relativo a Empreitada de concepção e reparação do edíficio e das respectivas fachadas da ESEV/IPV Enpreitada para conclusão da ampliação e remodelação da Escola Superior de Saúde do IPV Fornecimento, colocação e montagem de equipamento áudio e de ilmuninação para o CAFAC do IPV Tipologia de concursos/consultas abertos em 2006 Concursos limitados Consultas Relativo a Empreitada para beneficiação de spaços exteriores e pavimentação de arruamentos na Quinta da Alagoa do IPV Empreitada da construção do Centro de Enfermagem Veterinária da Escola Superior Agrária do IPV Aquisição de serviços de seguros no âmbito do seguro escolar do Ensino Superior Politécnico para alunos do IPV. Fornecimento, colocação e montagem de equipamentos eléctricos para a Quinta da Alagoa da ESAV/IPV. Fornecimento, instalação e configuração de plataforma de e-learning para o IPV Empreitada para a reparação da sala de convívio da ESEV/IPV Prestação de serviços para a emissão do parecer e de certificação legal das contas do IPV. Prestação de serviços para auditoria às contas das Escolas Superiores de Saúde e Agrária do IPV. Fornecimento e instalação de aparelhos de ar condicionado parao edíficio dos Serviços Centrais do IPV. 241

18 Ajuste directo Empreitada de beneficiação das condições acústicas do estúdio TV do edifício dos Serviços Centrais do IPV. Fornecimento de material para reparação do sistema de iluminação existente Campos de Jogos do IPV. Aquisição de serviços de equipa para fiscalização da empreitada de concepção e reparação das coberturas do edifício e anexos e das respectivas fachadas da ESEV. Aquisição de serviços de equipa para fiscalização da empreitada para conclusão da ampliação e remodelação da ESSV. Aquisição de serviços de inspecções periódicas às instalações de gás existentes no IPV. Elaboração de projecto eléctrico das instalações da Quinta da Alagoa. Aquisição de sistema de comunicação Wireless entre as unidades orgânicas do IPV (Serviços Centrais, ESEV e ESSV). Empreitada para instalação de infrastruturas para activação das barreiras Sul e Norte do Campus IPV. Prestação de serviços para implementação de sistema de gestão da qualidade nos Serviços Centrais do IPV. Elaboração do projecto eléctrico das instalações da ESEV/IPV. Fornecimento, colocação e instalação de equipamento para o bar do CAFAC do IPV. Prestação de serviços de apoio ao projecto de formação ao canal interno de televisão do IPV. Área Cultural As actividades desenvolvidas, em 2006, nesta área foram: No domínio das de Relações Internacionais Esta área colabora activamente na definição de políticas e estratégias de cooperação internacional, em função dos objectivos, natureza e recursos institucionais. Constituem as suas funções: -estimular e assegurar uma participação equilibrada das diferentes Unidades Orgânicas; difundir a informação necessária para a promoção e implementação de projectos internacionais; assegurar, ao nível administrativo, todos os procedimentos necessários à implementação dos projectos (candidaturas, financiamento e co-financiamento, contactos com as instituições e participantes estrangeiros, apresentação de relatórios, medidas de apoio, etc); manter com os com os coordenadores académicos de cada Unidade orgânica (responsáveis pela coordenação científica e pedagógica da cooperação internacional) os contactos necessários para o bom funcionamento das iniciativas. As actividades desenvolvidas por esta área prendem-se amplamente com as oportunidades proporcionadas no âmbito de programas comunitários (Sócrates-Erasmus, língua, Comenius...; Leonardo Da vinci; Alfa, etc..) e de 242

19 redes transnacionais de cooperação (EAIE, Eurashe, RIU,Innovawood, Ensse, Pólo Universitários Transfronteiriço, etc...) e ainda apoio à divulgação de informação ao Processo de Bolonha. Em 2006 foram efectuadas as seguintes actividades de cooperação: -Reforçou e intensificou a a mobilidade de estudantes, recém-licenciados e docentes. -Participação num programa Intensivo Erasmus, no domínio da gestão/logística (Case Studies concerning insurance and forwarding of goods and expanding and increasingly mobile Europe), envolvendo a mobilidade de 2 docentes e 8 estudantes do ISPV, no âmbito de uma rede constituída por 8 instituições estrangeiras em diversos países europeus. A implementação do programa foi levada a cabo na Bélgica (Bruges) entre 19 e 20 de Abril de Implementou o projecto Comenius na área das línguas- ODACE- Un until Informatique pour Découvrir l áutre par le Correspondance Scolaire Européenne. No âmbito deste projecto decorreram, em 2006, duas reuniões de trabalho, uma em Viseu (Maio de 2006) e outra na Roménia (Outubro de 2006). -Desenvolveu actividades no âmbito de projectos-piloto, Projectos Multilateriais e outras iniciativas Leonardo Da Vinci. Neste âmbito, em 2006 decorreu o segundo ano consecutivo de actividades do projecto-piloto Wesst-Wood Energy Supply Systems Training. Foram, ainda, iniciadas as actividades preparatórias para a participação na disseminação de um novo projecto-piloto destinado ao desenvolvimento de uma escala europeia de avaliação da qualidade de vida das pessoas portadoras de deficiência mental integradas em mercado de trabalho normal. Adicionalmente, foi preparada a concepção de 3 projectos-piloto multilaterais: 2 projectos de desenvolvimneto e inovação (1-criação de uma plataforma de apoio às pessoas em estágio no espaço europeu, 1- criação de um curso de e-learning na área de procesamento de produtos agrícolas biológicos) e 1 projecto de transferência de inovação para a implementação de uma plataforma de formação na área da agricultura biológica. Finalmente, foi divulgada e apoiada uma candidatura às visitas de estudo CEDEFOP, envolvendo a participação de uma docente da ESAV num grupo de trabalho na Hungria. -Intensificou-se a emissão do documento Europass Mobilidade, junto do Centro Nacional europass. Em 2006/2007, o número ascenderá a 60 beneficiários, divididos, em igual número, pelos dois programas (Erasmus e Leonardo Da Vinci). -Iniciou-se a revisão dos Guias ECTS, tendo-se realizado a traduação dos planos dos cursos adequados a Bolonha. -Realizaram-se as actividades preparatórias para introdução do Suplemento ao diploma (estudos, levantamento de boas práticas e sessões de divulgação). -Preparação de actividades de cooperação com instituições chinesas diversas tendo em vista a organização de uma exposição cultural sobre a China (pintura, fotografia, artesanato e ciclo de cinema), Co-organização de um encontro de representantes de empresas/instituições chinesas e portuguesas, para a promoção da colaboração económica, cultural e educativa e efectuar as negociações para o futuro acolhimento de estudantes chineses pelo IPV. -Iniciram-se as negociações para o futuro desenvolvimento curricular conjunto de três cursos ( 2 licenciaturas na área da gestão/turismo e ambiente; e 1 CET na área da vitivinicultura). -Construção de uma nova secção para as relações internacioanis no site do IPV (versões em Português e Inglês). 243

20 -Criação e manutenção, via canal de notícias, de um serviço de divulgação regular de eventos e inciativas de cooperação internacional. -Organização de 7 sessões de divulgação nas Escolas Integradas (3 sobre a mobilidade Erasmus; 3 sobre a mobilidade Leonardo Da Vinci; 1 sobre ECTS e Suplemento ao Diploma). -Elaboração dos conteúdos para a produção e um CD Rom de divulgção dos resultados e impacto do projecto POLIECO. -Elaboração de um questionário a aplicar aos alunos e docentes do ISPV, para posteriormente produzir um relatório sobre as necessidades e preferências da comunidade académica. No domínio das publicações Efectuou-se a coordenação das seguintes publicações: -Revista Millenium (edição nº 32) -Historial do IPV -Livro Instituto Superior Politécnico de Viseu- Investigação científica-doutoramentos/em Doutoramento, Mestrado/Em Mestrado -Brochura do IPV No domínio de actividades culturais ISPV (27 e 28 de Abril); Concretização da Terceira Edição dos Dias Abertos do Os Dias Abertos 2006 do Instituto Superior Politécnico de Viseu acolheram alunos, professores e psicólogos, provenientes de escolas secundárias e profissionais da região. Em Abril, o Politécnico abriu a suas portas a uma vasta franja da comunidade estudantil e docente da região e acolheu mais de participantes. Esta terceira edição dos Dias Abertos do Politécnico de Viseu manteve como público-alvo os alunos do 11º e 12º anos do ensino secundário e 2º e 3º anos das escolas profissionais, e contou com a presença das seguintes escolas: Escola Secundária do sátão, Escola Secundária de Tondela, Escola Secundária de Viriato (Viseu), Escola Secundária Alves Martins (Viseu), Escola Secundária Emídio Navarro (Viseu), Escola Secundária de Mortágua, Escola Secundária de Aguiar da Baira, Escola 244

21 Secundária de Cinfães, Escola Profissional de Gouveis, Escola Profissional de Vouzela, Escola Profissional Profitecla (Viseu), Escola Profissional Mariana Seixas (Castro Daire), Escola Profisisonal de Torredeita (Viseu), Eptoliva Escola Profisisonal de Oliveira do Hospital/Tábua/Arganil, Escola Profisisonal de Sernancelhee Centro de Formaçõ Profisisonal de Viseu. O evento teve como objectivo mais lato proporcionar aos candidatos ao ensino superior, professores e psicólogos, através da observação presencial, um conhecimento mais abrangente de todas as facetas do ensino superior público da região, proporcionando-lhes uma visita guiada às cinco Escolas Superiores do ISPV Escola Superior de Educação, Escola Superior de Tecnologia, Escola Superior Agrária, Escola Superior de Saúde e Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (as salas de aula, os laboratórios, os centros de documentação e informação, os centros de informática, os auditórios, os pavilhões oficinais, entre outras valências). Do programa constaram ainda a recepção, a distribuição de material informativo e promocional do Politécnico de Viseu, a actuação da entusiasmante Tuna do ISPV, a visita guiada à Aula Magna e aos Estúdios de Televisão. Por parte dos Serviços de Acção Social, outra unidade orgânica do Politécnico de Viseu, foram mostradas as Residências de Estudantes que estão implantadas no Campus, onde coexistem com infra-estruturas educativas e desportivas. Realizou-se o Dia do ISPV e Abertura Solene do Ano Académico 2006/2007, em 21 de Novembro de A oração de sapiência intitulada A Cooperação como Mecanismo de Evolução foi efectuada por dois docentes da Escola Superior de Tecnologia de Viseu (Prof. Doutor Romeu António Videira e Rof. Doutor Joaquim Barroca Delgado). Inauguração do CAFAC (Centro de Animação e Formação de Artes Cénicas). Esta infra-estrutura é constituída por um estúdio, servindo este, para outros fins, para acolher aulas de interpretação, dança, movimento, aulas normais e visionamento de trabalhos, bem como gravações áudio. Está dotado de uma bancada rectráctil para o público. O CAFAC possui ainda régie, camarins, vestiários, galeria de exposições e bar. 245

22 Participámos em Feiras de Orientação Vocacional e/ou sessões de divulgação (num total de 15). Designação das entidades Localidade Dias Escola Profissional de Carvalhais São Pedro do Sul 25 e 26 de Março Escola Secundária Alves Martins Viseu 27 a 29 de Março Escola Secundária Frei Rosa Viterbo Sátão 21 de Abril Câmara Municipal de Tarouca (I Feira das Profissões) Tarouca 25 a 30 de Abril Escola Secundária Latino Coelho Lamego 26 de Abril Câmara Municipal de São Pedro do Sul (II Feira São Pedro do Sul 3 a 5 de Maio Vocacional e de Emprego) Escola Secundária de Carregal do Sal Carregal do Sal 11 de Maio Escola Secundária de Santa Comba Dão Santa Comba Dão 23 de Maio Escola Secundária Dr. João de Araújo Correia Peso da Régua 9 de Março Escola Secundária de Aguiar da Beira Aguiar da Beira 29 de Março Escola Secundária de Arganil Arganil 31 de Março Escola Seundária de Tábua Tábua 26 de Abril Escola Secundária Martinho Árias Soure Coimbra 8 de Maio Escola Afonso de Albuquerque Guarda 6 de Junho Escola Secundária de Fgueira de Castelo Rodrigo Figueira de Castelo Rodrigo 8 de Junho com As Vozes da Rádio. Realização do Concerto de Natal 2006, em 20 de Dezembro, 246

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3

SEDE - Carnaxide. Número de postos de trabalho - Presidente (1) - 1. Cargo/carreira/categoria. Técnico Superior. Técnico Superior Direito 3 2009 MAPA DE PESSOAL DA ANPC (Artigo 5º da Lei nº 2-A/2008, 27 Fevereiro) SEDE - Carnaxi Competências/Actividas Área formação académica e/ou - Presinte () - - Director Nacional () - 3 - Comandante Operacional

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Na Escola Superior de Educação IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Maria Luísa de Solla Mendes da Fonseca Data de nascimento: 7 de Novembro de 1950 BI nº 6065179 Lisboa Rua Sacadura Cabral, 76, 1ºEsq.- Cruz Quebrada 1495-713 Lisboa Telefone: 965009978

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E GESTÃO CURRICULUM VITAE CARLOS JORGE FONSECA DA COSTA VILA REAL, OUTUBRO DE 2006 a) IDENTIFICAÇÃO NOME: Carlos Jorge Fonseca

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia Ensinar a saber fazer Profissionais com Futuro desde 1990 L I C E N C I A T U R A S ADEQUADAS AO PROCESSO DE BOLONHA Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia A estratégia do ISTEC

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2012 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2012

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE da Nome da Nome Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 10 134,0 5 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR

CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS DO ENSINO SUPERIOR CANDIDATURA AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO 2011 SUPLEMENTO N.º 1 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES CURSOS CONGÉNERES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR JULHO DE 2011

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Institucional Rosa, Julieta Alves () Faculdade de Economia CIEO 8005 139 Faro Telefone(s) 289 800 900 (ext. 7161) 289 244 406

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Informação Pessoal. Formação Académica e Profissional Membro n.º 25 832 da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas

CURRICULUM VITAE. Informação Pessoal. Formação Académica e Profissional Membro n.º 25 832 da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas CURRICULUM VITAE Informação Pessoal Nome Maria de Fátima Ramos de Araújo Morada Vila do Conde Telemóvel 962589177 Correio Electrónico mfatima@esce.ipvc.pt Nacionalidade Portuguesa Naturalidade Vila do

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Relatório de actividades do ano 2008 Inovar, Promover, Valorizar. A evolução dos estudantes Erasmus enviados, nos últimos dois anos lectivos, foi:

Relatório de actividades do ano 2008 Inovar, Promover, Valorizar. A evolução dos estudantes Erasmus enviados, nos últimos dois anos lectivos, foi: Evolução do nº de estudantes enviados, nos últimos dois anos lectivos, por Escola 16 14 A evolução dos estudantes Erasmus enviados, nos últimos dois anos lectivos, foi: 12 10 8 6 4 2 0 ESEV ESTV ESAV ESTGL

Leia mais

CURRICULUM VITAE IDENTIFICAÇÃO

CURRICULUM VITAE IDENTIFICAÇÃO CURRICULUM VITAE IDENTIFICAÇÃO NOME: Jorge Ferreira Dias de Figueiredo EMAIL : jfig@oniduo.pt e jfigueiredo@esce.ipvc.pt LOCAL E DATA DE NASCIMENTO: Póvoa de Varzim, 8 de Maio de 1965. FORMAÇÃO ESCOLAR

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

design de jogos digitais o essencial da licenciatura

design de jogos digitais o essencial da licenciatura design de jogos digitais o essencial da licenciatura ÍNDICE ciclo de estudos plano de estudos metodologias de ensino perfil de saída candidaturas ipb virtual Dados do ciclo de estudos ciclo de estudos

Leia mais

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 2014 Nos termos da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro MAPA DE PESSOAL DA JUNTA DE FREGUESIA DE CARNIDE - Ano 204 Nos termos da Lei n.º 2-A/2008, de 27 de Fevereiro SECÇÃO DE APOIO E DE COORDENAÇÃO GERAL (Capitulo III do Regulamento da Organização dos Serviços)

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Despacho n.º 9220/2011 Ao abrigo do disposto nos artigos 75.º a 80.º do Decreto -Lei n.º 74/2006, de 24 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS REGULAMENTO DO PRIMEIRO CICLO DE ESTUDOS EM PUBLICIDADE E RELAÇÕES PÚBLICAS O presente regulamento foi homologado pelo Presidente

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Ana Teresa Bernardo Guia RUA CENTRO REPUBLICANO, 70 2º ESQ 2300 359 TOMAR, PORTUGAL Telefone 966 166 243 Correio

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Instituto de Investigação Interdisciplinar da Universidade de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Equiparada a Assistente do 1º triénio a tempo integral de Janeiro de 1999 a Julho de 2004.

Equiparada a Assistente do 1º triénio a tempo integral de Janeiro de 1999 a Julho de 2004. Curriculum Vitae 1. DADOS BIOGRÁFICOS Nome: Teresa Cristina Fernandes Ferreira Madureira Data Nasc.: 1970/06/08 Telem. 93 9358675 E-mail: teresa@esa.ipvc.pt 2. QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS Maio de 2004: Mestre

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 215-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instit. Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Ministério da Educação e Ciência - Direcção Geral do Ensino Superior

Leia mais

ENSINO SUPERIOR PARTICULAR

ENSINO SUPERIOR PARTICULAR ENSINO SUPERIOR PARTICULAR 210 4010 8136 Escola Superior Artística do Porto L - 1º ciclo Animação e Produção Cultural 1.º 6 Sem 180 20 210 4010 9257 Escola Superior Artística do Porto MI Arquitectura 1.º

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO ANEXO 1 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO De acordo com a alínea b) do n.º 2 do artigo 74.º-A do ECDU, a avaliação dos docentes deve considerar as quatro vertentes de actividade académica: a) Investigação; b) Ensino;

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)*

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* FORMULÁRIO DE CANDIDATURA INDIVIDUAL PARA BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)* Bolsa / / Reservado aos Serviços A preencher pelo candidato Nome completo: Domínio científico principal (indicar apenas

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 N.º: 2015001 DATA: 14-05-2015 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de Ensino Universitário, CRL, entidade instituidora

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Em 1998 - Licenciatura em Gestão Agrária pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro 14 valores.

Em 1998 - Licenciatura em Gestão Agrária pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro 14 valores. CARMEM TERESA PEREIRA LEAL DADOS PESSOAIS Local de trabalho: Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Avenida Almeida Lucena, 1 5000-660 Vila Real cleal@utad.pt

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR

Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS II. FORMAÇÃO ACADÉMICA III. SERVIÇO MILITAR Curriculum Vitae I. DADOS PESSOAIS Nome: Carlos de Barros Rodrigues Filiação: José Alves Rodrigues e Adelaide de Barros Fernandes Data de Nascimento: 5 de Outubro de 1953 Estado Civil: Divorciado Naturalidade:

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Sílvia Maria Gonçalves Tavares Morada Rua do Outeiro, nº250 Ameal 3750-303 Águeda Telemóvel +351 91 200 60 70 +351 96 299 36 29 Correio electrónico Nacionalidade

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo RT D Territórios, empresas e organizações 143 Vol. II (1), 143-147 (2005) Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo Cristina Barroco Novais* Mestre em Gestão de Empresas WÊÊÊÊÊ Introdução A

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas )

Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas ) Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas ) O Concurso "Cidades Criativas", iniciativa dirigida a jovens alunos de Área de Projecto do 12.º ano, chegou ao fim. Durante cerca de nove

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS

REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS REGULAMENTO DO INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU PARA A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES CAPÍTULO I OBJECTO, ÂMBITO E CONCEITOS Artigo 1º Objecto Em cumprimento do Decreto-Lei nº 42/05,

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E

M O D E L O E U R O P E U D E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Rua António Pereira Carrilho, n.º 38, 4.º, 1000-047 Lisboa Telefone/Fax +351.218.444.200 / +351.218.444.209 Correio

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 II PLANO DE ATIVIDADES PARA 2016... 6 1. EIXO 1 PROFISSIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS 6 PLANO DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO 2016 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 I ENQUADRAMENTO INSTITUCIONAL... 4 1. Princípios de Ação.4 2. Recursos Organizacionais.4 3. Recursos Humanos 5 4. Recursos Físicos

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO DE 2013 RESULTADOS DA 2.ª FASE 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 10 1 1 10 127,3 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição (Preparatórios)

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Código Instit. Código Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) (1) (2)

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

. Pós-Graduação em Ciências Jurídico-Processuais, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

. Pós-Graduação em Ciências Jurídico-Processuais, na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS. Mestre em Direito, desde 02 de Junho de 2003, pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, na área de especialização das Ciências Jurídico-Processuais, tendo obtido, com

Leia mais

Tiago João da Costa Santos

Tiago João da Costa Santos Tiago João da Costa Santos Vila Franca do Campo, Junho de 2009 Informações Pessoais Nome: Tiago João da Costa Santos Naturalidade: Lageosa, Oliveira do Hospital Morada: Rua do Penedo, nº 46, 9680-146 Vila

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998

Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Decreto n.º 17/2000 Acordo entre a República Portuguesa e a República de Cuba sobre Cooperação Cultural, assinado em Havana em 8 de Julho de 1998 Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição,

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais