ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL"

Transcrição

1 ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS: ENERGIA RENOVÁVEL A PARTIR DE BIOMASSA E RESÍDUOS AGRÍCOLAS VIÇOSA - MG 27/08/2009

2 SUMÁRIO 1. A CANA-DE-AÇÚCAR COMO IMPORTANTE FONTE ENERGÉTICA 2. DESMISTIFICAÇÃO DE MITOS 3. O USO DO ETANOL NO BRASIL 4. A CONTRIBUIÇÃO DO ETANOL PARA O MEIO AMBIENTE 5. CRÉDITO DE CARBONO 6. CERTIFICAÇÃO X EXPORTAÇÃO 7. A CONTRIBUIÇÃO DE MINAS GERAIS 8. CONCLUSÃO

3 CANA-DE-AÇÚCAR UMA IMPORTANTE FONTE ENERGÉTICA PARA O BRASIL

4 A CANA COMO IMPORTANTE FONTE ENERGÉTICA SETOR AÇUCAREIRO (AÇÚCAR) CANA-DE-AÇÚCAR ENERGIA SETOR SUCROALCOOLEIRO (AÇÚCAR E ETANOL) CO-GERAÇÃO DE ENERGIA BIOELETRICIDADE SETOR SUCROENERGÉTICO (AÇÚCAR, ETANOL E BIOELETRICIDADE) A cada safra, as usinas brasileiras vem aproveitando cada vez mais o potencial energético da cana-de-açúcar

5 OFERTA INTERNA DE ENERGIA NO BRASIL 2000 E % da matriz energética brasileira são de fontes renováveis de energia e se constitui na ais limpa do mundo. cana-de-açúcar já é a principal fonte de energia renovável utilizada no Brasil. Fonte: BEN 2009 Elabolração: UNICA

6 DESMISTIFICAÇÃO DE MITOS

7 PRODUÇÃO DE ETANOL DISTANTE DA AMAZONIA Mais de 400 usinas e destilarias localizadas em 21 estados da federação; Área plantada (açúcar + etanol): 7,8 milhões de hectares; A área de cana-de-açúcar para produção de etanol representa pouco mais de 1% da área arável do Brasil, ocupando apenas 4,0 milhões de hectares Duas regiões de produção: Centro-Sul e NorteNordeste Sources: NIPE-Unicamp, IBGE and CTC

8 O USO DO ETANOL NO BRASIL

9 PRODUÇÃO SUCROENERGÉTICA BRASILEIRA AÇÚCAR: 1000 MT e ETANOL: 1000 M , , , , , , , ,00 Incentivos, mandatos de mistura, novas tecnologias 1979 Proalcool 2ª fase Isenção de impostos para a produção de etanol e carros movidos a E-100. Todos os postos deveriam vender etanol Desregulamentação e exportações de açúcar Lançamento do primeiro veículo FLEX FUEL CARRO FLEX E EXPORTAÇÃO , /76 76/77 77/78 78/79 79/80 80/81 81/82 82/83 83/84 84/85 85/86 86/87 87/88 88/89 89/90 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10* CANA-DE-AÇÚCAR: 1000 MT 1975 Proalcool 1ª fase Mistura obrigatória e subsídios Açúcar Etanol Cana-de-açúcar Extinção do IAA início da desregulamentação

10 DEMANDA DE ETANOL X GASOLINA O consumo de etanol já supera o consumo de gasolina no Brasil A gasolina virou o combustível alternativo no Brasil m mai/00 ago/00 nov/00 fev/01 mai/01 ago/01 nov/01 fev/02 mai/02 ago/02 nov/02 fev/03 mai/03 ago/03 nov/03 fev/04 mai/04 ago/04 nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 Etanol Gasolina

11 EVOLUÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS BRASILEIRA 30 60% Flex fuel 25 50% Gasolina M ilhões de veículos % 30% 20% 10% 0% Etanol % flex / frota total De cada 100 veículos vendidos no Brasil, 90 veículos possuem a tecnologia Flex fuel Fonte: UNICA Metade da frot será flex.

12 nibus movido a etanol 85) em São Paulo projeto piloto NOVOS USOS PARA O ETANOL EXPANSÃO DO USO DE ETANOL PARA OUTROS TIPOS DE TRANSPORTE UTILIZAÇÃO DA CANA PARA PRODUÇÃO DE OUTROS TIPOS DE PRODUTOS DIFERENTES DO ETANOL 100% etanol, usado para pulverizar plantações Motos flex Biobutanol Produção de diesel e gasolina a partir da cana Bioplásticos (PHB, polietileno, PVC)

13 A CONTRIBUIÇÃO DO ETANOL PARA O MEIO AMBIENTE

14 BALANÇO ENERGÉTICO DO ETANOL VALORES REPRESENTAM A QUANTIDADE DE ENERGIA CONTIDA NO ETANOL POR UNIDADE DE ENERGIA FÓSSIL UTILIZADA PARA PRODUZI-LO Fontes: UNICA com base em World Watch Institute (2006) e Macedo et al.

15 REDUÇÃO DA EMISSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA (GEE s) Gráfico resume os resultados de mais de 60 estudos baseados na análise do ciclo de vida (produção ao consumo) dos biocombustíveis de diversas fontes. O eixo vertical demonstra o percentual de mitigação dos gases do efeito estufa do etanol a partir das diversas matérias primas em comparação com o combustível fóssil. O etanol de cana pode reduzir mais de 100% as emissões se considerarmos a bioeletricidade. Os resultados encontrados no etanol de cana são compatíveis com as projeções para o etanol de 2ª geração. Sources: IEA & UNEP for OECD (2008) based on many published studies

16 O CICLO DO ETANOL DE CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL

17 CRÉDITO DE CARBONO MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO (MDL)

18 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO 50% dos projetos existentes no país são de energias renováveis. Os projetos de co-geração a partir do bagaço de cana representam 32% dos projetos de energia enovável no Brasil. PROJETOS DE MDL NO BRASIL POR SETOR MDL - ENERGIAS RENOVÁVEIS BRASIL (POR CAPACIDADE INSTALADA MW) Outros 22% Substituição de fósseis 13% Produção de carne suína 15% Fonte: UNICA baseado no CIMGC 30/11/2008 Energia renovável 50% Bagaço 32% 28 projetos registrados (523 kt CO2e/ano) 29 projetos em validação (913 ktco2e/ano) Hidro (pequeno porte) 20% Hidro (grande porte) 36% Outros 12%

19 OPORTUNIDADES IDENTIFICADAS PARA PROJETOS DE MDL NO SETOR Aproveitamento da biomassa de cana(bagaço) para cogeração de eletricidade Retrofit de caldeiras de baixa pressão para caldeiras de alta pressão Já em uso pelo setor? Sim Sim Há metodologia MDL? Processamento da vinhaça com aproveitamento do CH 4 Estágio Inicial Sim Uso do etanol em frotas cativas, em substituição ao diesel Não Sim Reflorestamento de áreas de preservação permanentes(apps) Não Sim Reflorestamento com aproveitamento da biomassa para cogeração de eletricidade Eliminação do uso do fogo na colheita da cana Não Não Construção de dutos para transporte de etanol Não Não Fonte: UNICA Não Sim Sim Sim

20 CERTIFICAÇÃO X EXPORTAÇÃO

21 nte: JOLLY, Lindsay - Future Trends in World Food Security; WSRO Annual Meeting 2008; F.O.Licht e LMC International. Nota: *segundo dados de 2008 POLÍTICAS PÚBLICAS PARA BIOCOMBUSTÍVEIS MANDATOS DE MISTURA Vários países já possuem mandatos de misturas de etanol na gasolina. Os principais programas de uso de etanol no mundo são o brasileiro e o nortemericano (RFS). E-5 em 2010 Diretiva européia E-10 em 2020 E-10 em 10 províncias 139 bl litros em 2022 RFS 10% em 70% do território nacional E-10 E-25% E-5 E-5 E-5 em 2011 E-10 E-5 E-5 em Queensland em % - não obrigatório E-5 em fev/2009 e E-10 em 2011

22 METAS DE CONSUMO DE ETANOL NOS EUA Etanol de cana com redução de + 50% de GEE Limite mistura E-10 nte: EISA 2008, Departamento de Energia, ITC. Nota: limite de mistura E-10 calculado com base em projeções do EIA para consumo de gasolina, considerando problemas relativos à infra-estrutura.

23 Certificações Nacionais Diretiva sobre Energias Renováveis União Européia CERTIFICAÇÃO X EXPORTAÇÃO X PROTECIONISMO Meó Consulting / ISCC Governo Alemão RTFO Governo Reino Unido RFS / LCFS Governo Americano ETANOL Inúmeras iniciativas de verificação e certificação estão em andamento PBCB Governo Brasileiro Certificações Institucionais RSB Baseado na Suíça BSI Baseado no Reino Unido Certificações Privadas SEKAB, GREENERGY

24 A CONTRIBUIÇÃO DE MINAS GERAIS

25 RANKING DE PRODUÇÃO MOAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR Estado Moagem (t) 1º São Paulo º Paraná º Minas Gerais º Goiás º Alagoas(*) º Pernambuco(*) TOTAL BRASIL = PRODUÇÃO DE ETANOL Estado Produção (m3) 1º São Paulo º Minas Gerais º Paraná º Goiás º Mato Grosso Sul º Mato Grosso TOTAL BRASIL = PRODUÇÃO DE AÇÚCAR Estado Produção (t) 1º São Paulo º Paraná º Minas Gerais º Alagoas(*) º Pernambuco(*) º Goiás TOTAL BRASIL =

26 MAPA DA PRODUÇÃO DE MG SAFRA 2009/ Usinas em produção BEVAP SÃO JUDAS TADEU VPA VEREDAS RIO DO CACHIMBO TRIALCOOL VALE DO PARANAÍBA ITUIUTABA SÃO SIMÃO CABR ERA LIMEIRA DO OESTE ITURAMA ALVORADA DAMFI W.D. CACHOEIRA SANTA JULIANA DASA ALCANA CARNEIRINHO ITAPAGIPE CAMPO FLORIDO VALE DO IVAÍ FRUTAL CERR ADÃO SANTO Â N GELO DELTA PLANALTO UBERABA CEPAR MENDONÇA VOLTA GRANDE. UNIDADES INSTALADAS (ANTERIOR A 2003) UNIDADES INSTALADAS (APÓS 2003) ALVORADA BEBEDOURO ITAIQUARA MONTE ALEGRE TOTAL LOUIS DREYFUS ALPHA AGROPÉU ATENAS JATIBOCA Fonte: Siamig/Sindaçúcar-MG.

27 EVOLUÇÃO DO MERCADO DE ETANOL MINAS GERAIS É O SEGUNDO MERCADO CONSUMIDOR DE COMBUSTÍVEIS DO BRASIL SP Para cada 1 litro de gasolina vendido são comercializados 4 de etanol. MG Para cada 4 litros de gasolina vendidos é comercializado 1 de etanol Variação (%) 1 São Paulo % 2 Minas Gerais % 3 Paraná % 4 Rio de Janeiro % 5 Bahia % 6 DEMANDA ETANOL HIDRATADO (m3) Rio Grande do Sul % BRASIL % Variação (%) 1 São Paulo % 2 Minas Gerais % 3 DEMANDA GASOLINA C - 25% DE MISTURA ETANOL ANIDRO - (m3) Rio Grande do Sul % 4 Paraná % 5 Rio de Janeiro % 6 Bahia % BRASIL % Fonte: ANP Fonte: ANP

28 MEIO AMBIENTE A cana-de-açúcar trouxe muitos benefícios para Minas Gerais. Além dos vultosos valores investidos nos últimos anos na expansão do setor, com a geração de emprego e renda no interior do estado, implementou um novo modelo de sustentabilidade da produção agrícola. Convênio com o IEF para implantação de viveiros com a produção de mais de 1 milhão de mudas nativas por ano. Recuperação de Áreas de Preservação Permanente APP s com a regularização dos afastamentos previstos em lei. Regularização ambiental de todas as áreas industriais com averbação das respectivas reservas legais. Assinatura do Protocolo Agroambiental de Eliminação da Queima da Cana até Participação junto com o estado da elaboração da Deliberação Normativa visando a eliminação da queima da cana. % COLHEITA DE CANA CRUA EM MINAS GERAIS 50% 40% 30% 20% 10% 0% (*) Abril e Maio 2009 Fonte: CTC 14% 21% 32% 43% 2006/ / / /2010(*)

29 COMPROMISSO NACIONAL Assinado em junho/2009 com adesão de 80% das usinas mineiras. Fruto de uma negociação tripartite empresários, trabalhadores e Governo Federal. Base para viabilizar um conjunto de ações privadas e públicas para aperfeiçoar as condições de trabalho na lavoura canavieira. As usinas que aderirem ao compromisso se comprometem a respeitar 9 práticas empresariais. O termos destas práticas vão desde questões relativas ao contrato de trabalho, transporte e alimentação, até a divulgação destas boas práticas aos fornecedores de cana da unidade industrial.

30 CONCLUSÃO A SUSTENTABILIDADE DA PRODUÇÃO DE CANA -DE-AÇÚCAR, ETANOL, AÇÚCAR E BIOELETRICIDADE É UMA QUESTÃO DE OBRIGAÇÃO, DE NECESSIDADE E DE OPORTUNIDADE OBRIGAÇÃO NECESSIDADE OPORTUNIDADE Cumprimento das leis ambientais e sociais Matéria prima de origem agrícola Alternativa ao combustível fóssil Combustível renovável com grande mercado interno e um grande potencial de exportação

31

32 DESTILARIA RIO DO CACHIMBO O Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Minas Gerais (Siamig/Sindaçúcar-MG) visa o fortalecimento e integração do setor sucroenergético no Estado, com uma atuação transparente e participativa, no assessoramento econômico, jurídico, ambiental e de comunicação e marketing. Tem, também, uma forte mobilização institucional nos vários níveis políticos e governamentais na defesa dos interesses do setor e de suas 43 associadas.

33 OBRIGADO SINDICATO DA INDÚSTRIA DA FABRICAÇÃO DO ÁLCOOL NO ESTADO DE MINAS GERAIS SINDICATO DA INDÚSTRIA DO AÇÚCAR NO ESTADO DE MINAS GERAIS Av. DO CONTORNO, 4480 CONJ º ANDAR FUNCIONÁRIOS CEP: BELO HORIZONTE MG Tel: (31) Fax: (31)

ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL

ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL ETANOL O BIOCOMBUSTÍVEL DO BRASIL LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE 2º SEMINÁRIO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL FIEMG BELO HORIZONTE- MG 29/06/2009 SUMÁRIO 1. A CANA-DE-AÇÚCAR COMO IMPORTANTE FONTE

Leia mais

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL

PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL PERSPECTIVAS E PROJEÇÕES PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO DO BRASIL O FENÔMENO DOS CARROS FLEX E OS NOVOS USOS DO ETANOL 2 MERCADO AUTOMOTIVO BRASILEIRO Vendas de automóveis e comerciais leves por tipo de

Leia mais

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.

Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. PERFIL DA PRODUÇÃO Estrutura produtiva: 370 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 935 mil empregos formais (RAIS 2014). Divisas Externas: US$

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras Produtores de cana-de-açúcar: 70.000 Empregos diretos: 1,2 milhão PIB

Leia mais

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado

Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Cenário e Desafios para a Expansão do Setor Sucroenergético Sérgio Prado Representante da União da Indústria de Cana-de-Açúcar O SETOR SUCROENERGÉTICO HOJE Estrutura produtiva: 430 unidades produtoras

Leia mais

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008

O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS. LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 O SETOR SUCROALCOOLEIRO NO BRASIL E EM MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE SIAMIG/SINDAÇÚCAR-MG Belo Horizonte 21/08/2008 SETOR SUCROALCOOLEIRO BRASILEIRO CANA-DE- AÇÚCAR AÇÚCAR ETANOL

Leia mais

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG

COLETIVA DE SAFRA 2017/2018. Mário Campos Presidente SIAMIG COLETIVA DE SAFRA 2017/2018 Mário Campos Presidente SIAMIG UBERABA 28/04/2017 MOAGEM DE CANA EM MINAS GERAIS ( mil toneladas) MIX DE PRODUÇÃO SAFRA MG 2016/2017 POSIÇÃO: 01-04-2017 PRODUTOS SAFRA VAR(%)

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 794.911

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 367 unidades e mais de 1000 municípios atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país.¹ com 773.422

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar

QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank. Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar QUANDO VIRÁ O PRÓXIMO CICLO DE INVESTIMENTOS EM NOVAS USINAS DE ETANOL? Marcos S. Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-açúcar Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2011 O que aconteceu com a oferta

Leia mais

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc

Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc Etanol e o Efeito Anti-Estufa Alfred Szwarc SUSTENTAR 2013 - Fórum Mudanças Climáticas: Novos Rumos Belo Horizonte, 30 de agosto de 2013 Contribuição das Emissões Veiculares para o Aquecimento Global Efeito

Leia mais

Estrutura do Ministério

Estrutura do Ministério Biocombustíveis: Geopolítica e Sustentabilidade MMA UnB USP Ministério do Meio Ambiente MMA Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental SMCQ Estrutura do Ministério Departamento de Licenciamento

Leia mais

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO Daniel Godoy Júnior Assessor Especial do Governo do Estado do Paraná Agosto/2003 SETOR SUCROALCOOLEIRO NACIONAL PRODUÇÃO DA SAFRA

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

ETANOL EM MINAS GERAIS

ETANOL EM MINAS GERAIS ETANOL EM MINAS GERAIS Mário Campos Gerente Executivo Belo Horizonte 28 de novembro de 2011 Sobre a SIAMIG A Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais atua no ambiente de negócios da indústria

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

Sugestões de Políticas Públicas para o E2G. Luciano Cunha de Sousa Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Sugestões de Políticas Públicas para o E2G. Luciano Cunha de Sousa Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Sugestões de Políticas Públicas para o E2G Luciano Cunha de Sousa Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Funções de Inovação Fonte: Hekkert et al. (2007) Setor de Energia X Sistemas

Leia mais

ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas

ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas ETANOL & O SETOR SUCROENERGÉTICO Situação atual e perspectivas Antonio de Padua Rodrigues Presidente Interino da União da Indústria de Cana-de-açúcar Brasília, 22 de novembro de 2012 QUESTÕES CENTRAIS

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil Carlos Clemente Cerri PLANO DE APRESENTAÇÃO Aquecimento global Opções de mitigação Redução do desmatamento Pecuária Reflorestamento Agricultura

Leia mais

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA 2º Fórum Brasileiro sobre Energias Renováveis veis Biocombustíveis Belo Horizonte Outubro 2007 O QUE É EXTENSÃO RURAL É um instrumento de política pública

Leia mais

Apresentação: Paulo Gustavo Prado Preparado por: Christine Dragisic; Paulo G. Prado; Timothy Killeen & John Buchanan.

Apresentação: Paulo Gustavo Prado Preparado por: Christine Dragisic; Paulo G. Prado; Timothy Killeen & John Buchanan. Soja (esquerda), Cana-de-açúcar (centro), Dendê (direita) Apresentação: Paulo Gustavo Prado Preparado por: Christine Dragisic; Paulo G. Prado; Timothy Killeen & John Buchanan. Produção de biocombustíveis

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Baixo carbono por natureza

Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza As florestas fazem parte da solução global para a mitigação dos efeitos das alterações climáticas na medida em que são um dos sistemas mais eficazes

Leia mais

Atuação da EPE na cogeração de energia com o uso de biomassa

Atuação da EPE na cogeração de energia com o uso de biomassa Atuação da EPE na cogeração de energia com o uso de biomassa Ricardo C. Furtado Superintendente de Meio Ambiente Empresa de Pesquisa Energética Brasília, março de 2010 Projeção da oferta de biomassa da

Leia mais

LICENCIAMENTO DE UNIDADES DE CO- GERAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO MARÇO/2010

LICENCIAMENTO DE UNIDADES DE CO- GERAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO MARÇO/2010 LICENCIAMENTO DE UNIDADES DE CO- GERAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO MARÇO/2010 ENG.º PEDRO PENTEADO DE CASTRO NETO EMAIL:pedron@cetesbnet.sp.gov.br TEL: (11) 313333097 MARCOS DO LICENCIAMENTO Para os empreendimentos

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD, apresenta o Primeiro Inventário de Emissões

Leia mais

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica.

Não Renovável. Renovável. Ondas. Ondas. Solar. Solar. Petróleo. Petróleo. Gás Natural Biomassa. Gás Natural. Biomassa. Nuclear. Hídrica. Fontes de Energia Ondas Solar Ondas Solar Biomassa Renovável Hídrica Geotérmica Eólica Petróleo Gás Natural Biomassa Nuclear Hídrica Geotérmica Eólica Carvão Petróleo Gás Natural Não Renovável Nuclear

Leia mais

Desafios e oportunidades no mercado internacional

Desafios e oportunidades no mercado internacional Bioenergia: Desafios e Oportunidades de Negócios Desafios e oportunidades no mercado internacional Eduardo Leão Sousa Diretor Executivo da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo, 27 de

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

Minuta de Proposta Setembro/2010

Minuta de Proposta Setembro/2010 Limites de emissão para poluentes atmosféricos provenientes de processos de geração de calor a partir da combustão externa de bagaço de cana-de-açúcar. 1. Ficam aqui definidos os limites de emissão de

Leia mais

PLANEJAMENTO NA DIVISÃO DE TALHÕES PARA O PLANTIO DA CANA-DE- AÇÚCAR

PLANEJAMENTO NA DIVISÃO DE TALHÕES PARA O PLANTIO DA CANA-DE- AÇÚCAR PLANEJAMENTO NA DIVISÃO DE TALHÕES PARA O PLANTIO DA CANA-DE- AÇÚCAR Andréa Vianna, Adriana Cherri Faculdade de Ciências UNESP, Bauru vianna@fc.unesp.br, adriana@fc.unesp.br Helenice Florentino, Rômulo

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Química DQM Curso de Engenharia de Produção e Sistemas Fontes Alternativas de Energia DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Texto Base Grupo Temático 1 REDUÇÃO DAS CAUSAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS O aumento populacional, o modo de produção atual dependente primariamente de combustível fóssil e o estilo de consumo moderno se baseiam

Leia mais

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010

O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 ENCONTROS DE ATUALIDADES ECONÔMICAS O mercado de trabalho na Região Metropolitana de Salvador: uma análise retrospectiva de 2009 e as perspectivas para 2010 Prof. Dr. Laumar Neves de Souza Diagrama do

Leia mais

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO

3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 34 3. CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO E O PROCESSO DE PLANEJAMENTO 3.1 CADEIA DE SUPRIMENTO DE PETROLEO A cadeia de suprimentos do petróleo envolve todas as atividades logísticas relacionadas a um bom

Leia mais

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana Universidade do Brasil - UFRJ - Instituto de Economia Grupo de Estudos do Setor Elétrico GESEL Grupo Sistemas Agroindustriais, Inovação e Competitividade 1 o Workshop do InfoSucro Inovação na Geração de

Leia mais

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012

Banco do Brasil e o Agronegócio. Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio Fevereiro 2012 Banco do Brasil e o Agronegócio 61,6% do Crédito Rural/Agroindustrial no País (SNCR 30.09.2011); 77% dos valores aplicados no Pronaf (SNCR); 1,4 milhões de

Leia mais

Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14

Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14 Sorgo sacarino e alta biomassa: evolução e viabilidade econômica Ribeirão Preto 24/set/14 Linha de produtos José Geraldo Sousa Ceres Inc. EUA raízes de uma grande empresa Ceres No mundo Multinacional Americana

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014

INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES JUNHO 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Visão Global do Programa Veículo Elétrico

Visão Global do Programa Veículo Elétrico Visão Global do Programa Veículo Elétrico 26 de junho de 2013 Diretoria Geral Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Histórico do Programa VE Itaipu/KWO Acordo de cooperação tecnológico ITAIPU -KWO

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Fontes Renováveis e a Expansão da Oferta de Energia Elétrica Set/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação da Indústria

Leia mais

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO

ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO ÔNIBUS A ETANOL UMA SOLUÇÃO PARA O ESTADO DE SÃO PAULO 1997: A HISTÓRIA DO ÔNIBUS A ETANOL NO BRASIL COMEÇOU EM SÃO PAULO. O ÔNIBUS A ETANOL É UM PRODUTO DE TERCEIRA GERAÇÃO AMPLAMENTE TESTADO. O COMBUSTÍVEL

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

A Sustentabilidade da Expansão da Cultura Canavieira do Estado de Mato Grosso do Sul

A Sustentabilidade da Expansão da Cultura Canavieira do Estado de Mato Grosso do Sul A SUSTENTABILIDADE DA EXPANSÃO DA CULTURA CANAVIEIRA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL idomichels@uol.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica PEDRO HENRIQUE BORIN; IDO LUIZ MICHELS; MARYSSA DE OLIVEIRA

Leia mais

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade

Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Socicana Cana para produzir energia entrosamento do setor é chave para competitividade Especialista analisa mercados e alerta para escalada dos preços da energia. A Socicana realizou no dia 2 de junho,

Leia mais

SENADO FEDERAL Audiência Pública

SENADO FEDERAL Audiência Pública SENADO FEDERAL Audiência Pública ECONOMIA VERDE Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e Redução de emissões por desmatamento e degradação (REDD) 30 de junho de 2011 Experiência do Instituto Sadia no

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Primeiro Levantamento Abril/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

INFORME À IMPRENSA Leilões de Energia A-3 e A-5 / 2012

INFORME À IMPRENSA Leilões de Energia A-3 e A-5 / 2012 EPE cadastra empreendimentos para os leilões de energia de 2012 Foram inscritos 27 mil MW para o Leilão A-3 e 25 mil MW para o Leilão A-5 Rio de Janeiro, 20/04/2012 A Empresa de Pesquisa Energética EPE

Leia mais

2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil

2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil 2 Caracterização da oferta de açúcar produzida no Brasil A agroindústria açucareira tem passado por dois distintos momentos na década de 90. O primeiro marcado pela extinção do Instituto do Açúcar e do

Leia mais

Atmosfera Terrestre. Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira

Atmosfera Terrestre. Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira Atmosfera Terrestre Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira Atmosfera Terrestre Aerossóis de origem natural: Terpenos emitidos pelas florestas (VOCs Volatile Organic Compounds) Atmosfera Terrestre

Leia mais

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem Resultado do ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - nas Regionais FIESP Projeto de de Opinião CNI (DEPAR/DEPECON) Introdução A Sondagem Industrial é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente

Leia mais

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago).

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago). Principais fontes de energia - Energia hidráulica é a mais utilizada no Brasil em função da grande quantidade de rios em nosso país. A água possui um potencial energético e quando represada ele aumenta.

Leia mais

Agricultura tropical como atenuadora do aquecimento global

Agricultura tropical como atenuadora do aquecimento global DESAFIOS DA AGRICULTURA TROPICAL Agricultura tropical como atenuadora do aquecimento global CARLOS EDUARDO P. CERRI 15 de setembro de 2009 O efeito estufa Tm = 15 ºC O efeito estufa Natural Antrópico Homo

Leia mais

Capital do Zebu agora é capital da cana

Capital do Zebu agora é capital da cana ECONOMIA CIDADES Capital do Zebu agora é capital da cana Plantação de cana-de-açúcar em Uberaba: solo, clima e topografia favoráveis ao cultivo Uberaba tornou-se o município brasileiro que mais produz

Leia mais

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético

Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético XIX Seminário ABMR&A Safra 2008/2009 Tendências e Desafios do Setor Sucroenergético Luciano Rodrigues Assessor Econômico da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) São Paulo 01 de outubro de 2008

Leia mais

Fontes alternativas de energia

Fontes alternativas de energia Fontes alternativas de energia Leia com atenção o texto a seguir: As reservas de energia como o petróleo e o gás natural vão acabar. Só resta saber quando. As previsões variam: uns falam em 40 anos; há

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto Departamento de Meio Ambiente DMA Divisão de Mudança do Clima Programa DMA Discussões Internas sobre Mudança do Clima Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Roberto de Aguiar Peixoto SUMARIO

Leia mais

DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010

DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010 DECRETO Nº 32975 DE 21 DE OUTUBRO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 4.372, de 13 de junho de 2006, que concedeu incentivos fiscais à construção e à operação de terminais portuários relacionadas à implementação

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização.

Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. 04/07/2010 Caderno de prova Este caderno, com oito páginas numeradas sequencialmente, contém cinco questões de Geografia. Não abra o caderno antes de receber autorização. Instruções 1. Verifique se você

Leia mais

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017

Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Crítica ao Plano Decenal de Expansão da Energia 2008-2017 Introdução No dia 23 de dezembro de 2008, o Ministério de Minas e Energia abriu para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Expansão

Leia mais

Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON)

Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON) Departamento de Economia, Planejamento e Estatística (DECON) O Departamento de Economia e Estatística da ABIA desenvolve análises e pesquisas do interesse das Indústrias da Alimentação (alimentos e bebidas),

Leia mais

2 O Mercado de Gás Natural

2 O Mercado de Gás Natural 2 O Mercado de Gás Natural 2.1 Reservas e Oferta de Gás Natural Em 2004, as reservas provadas de gás natural ficaram em torno de 326,1 bilhões m³, um aumento de 32,9% em relação a 2003, e serão expandidas,

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Estoril, 3 dezembro 2015 O consumo de energia em

Leia mais

INDX apresenta estabilidade em abril

INDX apresenta estabilidade em abril 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- 27-28- 29-30- INDX INDX ANÁLISE MENSAL INDX apresenta estabilidade em abril Dados de Abril/11 Número 52 São Paulo O Índice

Leia mais

Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes

Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE Como Ampliar a Liderança a do Brasil no Mercado Mundial de Carnes M.V. PRATINI DE MORAES Presidente da ABIEC Cuiabá, MT, junho de 2007 Associados

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas

Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas Transportes: Emissões de GEE em 2030 Metas São Paulo, 26 de Junho de 2015 1 Emissões de GEE do Setor Energia, (2013) 2 Milhões de toneladas de CO2e 250 200 150 100 50 Transportes Industrial Geração de

Leia mais

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015

ALGODÃO Período: 06 a 10/04/2015 ALGODÃO Período: 06 a 0/04/205 Quadro I- PREÇO PAGO AO PRODUTOR Algodão em Pluma - (em R$/unidade) Períodos anteriores () Centros de Produção Unid. 2 Meses Mês Semana Média do mercado () Semana Atual Preço

Leia mais

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 AGENDA 1 PRIO 2 Biodiesel 3 Vantagens do Biodiesel 4 Introdução de Biodiesel em Frotas

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado.

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Escrito por: Renato Anselmi Link: Panorama Rural A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Minas Gerais está se tornando berço

Leia mais

Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil

Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil ECONOMIA E TECNOLOGIA Expansão do complexo sucroalcooleiro e suas implicações distributivas para o Brasil Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho RESUMO A forte expansão projetada na produção, consumo e

Leia mais

O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012

O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012 O MERCADO DE MANDIOCA NA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL EM 2012 ELABORAÇÃO: EQUIPE MANDIOCA CEPEA/ESALQ APRESENTAÇÃO: Lucilio Rogerio Aparecido Alves Prof. Dr. da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Fontes de Energia Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min 58seg Habilidades: H.47, H.49 e H.50 (Ensino

Leia mais

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO

DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Liberação de Variedades RB de Cana-de-Açúcar DINÂMICA E PERSPECTIVAS DO SETOR SUCROENERGÉTICO Marcos Sawaya Jank Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA) Ribeirão Preto, 08 de outubro

Leia mais

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira

Título. Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Título Impacto da crise econômica no setor da revenda brasileira Ricardo Lisbôa Vianna Engenheiro de Petróleo e Gás Diretor Tesoureiro da Fecombustíveis Presidente do Sindicato dos Revendedores no estado

Leia mais

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO CONJUNTURA BIMESTRAL: JULHO e AGOSTO/15 ANO 1. Nº 2 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre a safra brasileira

Leia mais

Síntese do panorama da economia brasileira 3

Síntese do panorama da economia brasileira 3 Síntese do panorama da economia brasileira 3 O - PIB, no ano de 2012, acumulou crescimento de 1,0% em relação ao ano anterior. Em 2011, o crescimento acumulado no ano havia sido de 2,7%. Em função desse

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela (PAESP) Alterações climáticas? Pacto de Autarcas

Leia mais

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011

BOLETIM ECONOMIA & TECNOLOGIA Informativo do Mês de Abril de 2011 O Informativo Mensal de Conjuntura faz parte das publicações e análises efetuadas pela equipe técnica do Boletim Economia & Tecnologia publicado trimestralmente. O Informativo apresenta uma análise rápida

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Junho - 2012

Cesta Básica. Boletim Junho - 2012 Cesta Básica Boletim Junho - 2012 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus reduziu 0,98%, de R$214,06 em maio passou para R$211,97 em junho (Tabela 1). A diminuição de 7,77% no preço da carne foi o

Leia mais

Crise Econômica Mundial e a Promoção da Bioeletricidade

Crise Econômica Mundial e a Promoção da Bioeletricidade Introdução Crise Econômica Mundial e a Promoção da Bioeletricidade Nivalde José de Castro 1 Guilherme de A. Dantas 2 Roberto Brandão 3 O Leilão de Energia de Reserva LER - realizado em agosto de 2008 apresentou

Leia mais

É com grande prazer que recebo a todos vocês aqui em. São Paulo para esta Conferência Internacional sobre

É com grande prazer que recebo a todos vocês aqui em. São Paulo para esta Conferência Internacional sobre Senhores Ministros, Senhor Governador, Senhores e Senhoras, É com grande prazer que recebo a todos vocês aqui em São Paulo para esta Conferência Internacional sobre Biocombustíveis, tendo como tema biocombustíveis

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA CAPA SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA O desafio da tecnologia verde Por Rachel Armani de Paiva e Lilian Cabral Missura A energia, segundo a Física, é a propriedade de um sistema que lhe permite realizar trabalho.

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

Os biocombustíveis da Região Sudeste

Os biocombustíveis da Região Sudeste Os biocombustíveis da Região Sudeste Geane Lima de Farias* Ruan Cabral Botelho** Resumo Pesquisando em meios de comunicação e principalmente por meio da internet, pretendemos exaltar os principais biocombustíveis

Leia mais

Financiamento ao Fomento Florestal

Financiamento ao Fomento Florestal Financiamento ao Fomento Florestal 03/10/2012 FINANCIAMENTO A PROJETOS DE FOMENTO FLORESTAL Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC / BNDES Automático 1 Agenda

Leia mais

A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: DIRETORES: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL

A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: DIRETORES: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL A empresa EMPRESA DA FAMÍLIA BALDASSO TRADICIONAL NO SETOR MADEIREIRO FUNDADA EM 1986 ATUAÇÃO: MADEIRAS DE FLORESTA TROPICAL REFLORESTAMENTO AGRICULTURA DIRETORES: JOÃO CARLOS BALDASSO PRESIDENTE E DIRETOR

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

INDX registra alta de 3,1% em Março

INDX registra alta de 3,1% em Março 14-jan-11 4-fev-11 25-fev-11 18-mar-11 8-abr-11 29-abr-11 2-mai-11 1-jun-11 1-jul-11 22-jul-11 12-ago-11 2-set-11 23-set-11 14-out-11 4-nov-11 25-nov-11 16-dez-11 6-jan-12 27-jan-12 17-fev-12 9-mar-12

Leia mais

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado

COMENTÁRIOS Comércio Varejista Comércio Varejista Ampliado COMENTÁRIOS Em fevereiro de 2015, o Comércio Varejista do País registrou variação de -0,1%, para o volume de vendas e de 0,7% para a receita nominal, ambas as variações com relação ao mês anterior, ajustadas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Requalificação profissional; Cana-de-açúcar; Colheita mecanizada.

PALAVRAS-CHAVE: Requalificação profissional; Cana-de-açúcar; Colheita mecanizada. ESTUDO SOCIOAMBIENTAL DA ATIVIDADE SUCROALCOOLEIRA NO BRASIL: OPORTUNIDADE DE REQUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL AOS TRABALHADORES DO CORTE DA CANA-DE-AÇÚCAR PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA. Daniela Aparecida

Leia mais