(World Psychiatry 2010;9:67-77)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(World Psychiatry 2010;9:67-77)"

Transcrição

1 Orientações da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA) sobre etapas, obstáculos e erros a serem evitados na implementação de cuidados à saúde mental comunitários 1 GRAHAM THORNICROFT 1, ATALAY ALEM 2, RENATO ANTUNES DOS SANTOS 3, ELIZABETH BARLEY 1, ROBERT E. DRAKE 4, GUILHERME GREGORIO 3, CHARLOTTE HANLON 2, HIROTO ITO 5, ERIC LATIMER 6, ANN LAW 1, JAIR MARI 3, PETER MCGEORGE 7, RAMACHANDRAN PADMAVATI 8, DENISE RAZZOUK 3, MAYA SEMRAU 1, YUTARO SETAYA 5, RANGASWAMY THARA 8, DAWIT WONDIMAGEGN 2 1 Health Service and Population Research Department, Institute of Psychiatry, King s College London, UK; 2 Department of Psychiatry, Faculty of Medicine, Addis Ababa University, Addis Ababa, Ethiopia; 3 Department of Psychiatry, Universidade Federal de São Paulo, Brazil; 4 Dartmouth Psychiatric Research Center, Lebanon, NH, USA; 5 National Institute of Mental Health, National Centre of Neurology and Psychiatry, Tokyo, Japan; 6 Douglas Mental Health University Institute and McGill University, Montreal, Canada; 7 New Zealand Mental Health Commission, Wellington, New Zealand; 8 Schizophrenia Research Foundation (SCARF), Chennai, India Este artigo provê orientações sobre etapas, obstáculos e erros a serem evitados na implementação de cuidados à saúde mental comunitários. O texto pretende ser de uso prático e do interesse de psiquiatras de todo o mundo no que diz respeito ao desenvolvimento de cuidados à saúde mental comunitários para adultos com doença mental. As principais recomendações são apresentadas em relação a necessidade de políticas, planos e programas coordenados, o requisito de ampliar serviços para toda a população, a importância de promover conscientização comunitária sobre doenças mentais para aumentar os níveis de busca de ajuda, a necessidade de estabelecer provisões financeira e orçamentária efetivas para apoiar diretamente serviços disponíveis na comunidade. O artigo conclui estabelecendo uma série de lições aprendidas da prática de cuidados à saúde mental comunitários acumuladas em todo o mundo até o presente, com foco em particular nas medidas sociais e governamentais que são requeridas em nível nacional, os passos essenciais a serem considerados na organização dos sistemas de saúde mental locais, lições aprendidas por profissionais e médico,s e como aproveitar de forma mais efetiva as experiências de usuários, familiares e outros que os defendem. Palavras chave: Cuidados à saúde mental comunitários, modelo de cuidados equilibrados, serviços de saúde mental, direitos humanos, conscientização comunitária, recursos humanos, psiquiatras, treinamento, garantia de qualidade (World Psychiatry 2010;9:67-77) 1 Tradução do original em inglês pelo Prof. Dr. Miguel R. Jorge, Professor Associado de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo e Secretário de Seções da Associação Mundial de Psiquiatria.

2 Em 2008, a Assembléia Geral da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA) aprovou o Plano de Ação da Associação para o triênio da Presidência do Professor Mario Maj. Um dos itens do Plano é a produção de orientações sobre aspectos práticos de interesse dos psiquiatras de todo mundo (1,2). O presente documento, que fornece orientações sobre lições aprendidas e erros a serem evitados na implementação de cuidados à saúde mental comunitários, é parte daquele projeto. Em publicações subseqüentes deveremos descrever em mais detalhes os desafios e soluções particulares identificadas em várias regiões do mundo. Problemas de saúde mental são comuns, com mais de 25% das pessoas em todo o mundo desenvolvendo um ou mais transtornos mentais em algum momento de suas vidas (3). Eles contribuem de forma importante para o ônus global das doenças, como medido pelos anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs). Em 2004, os transtornos neuropsiquiátricos contribuíram para 13,1% de todos os DALYs em todo o mundo, com os transtornos depressivos contribuindo isoladamente para 4,3% do DALY total. Além disto, 2,1% do total de mortes em todo o mundo foram diretamente atribuíveis a transtornos neuropsiquiátricos. O suicídio contribuiu com mais 1,4% para a mortalidade total, com 86% de todos os suicídios sendo cometidos em países de baixa e média renda (LAMICs) em cada ano (4). Uma revisão sistemática de estudos de autópsia psicológica relatou uma prevalência média de transtornos mentais em indivíduos que se suicidaram de 91% (5). A expectativa de vida é mais baixa (em alguns países de forma dramática) em pessoas com problemas de saúde mental do que naquelas sem estes problemas, também por causa de seus altos níveis de doenças físicas (6). Problemas de saúde mental, portanto, colocam um ônus substancial em indivíduos e suas famílias em todo o mundo, tanto em termos de diminuição da qualidade de vida quanto em redução na expectativa de vida. O fornecimento de cuidados à saúde mental de alta qualidade é vital para alguma redução deste ônus (7). Neste contexto, o objetivo deste relato é apresentar orientações sobre etapas, obstáculos e erros a serem evitados na implementação de cuidados à saúde mental comunitários e estabelecer recomendações realistas e alcançáveis para o desenvolvimento e implementação nos próximos dez anos de cuidados à saúde mental orientados para a comunidade. Pretende-se que esta orientação seja de uso prático para psiquiatras e outros profissionais de saúde mental e de saúde pública em todos os níveis, incluindo legisladores, autoridades, financiadores, organizações não governamentais (ONGs), usuários de serviços e cuidadores. Embora uma abordagem global tenha sido considerada, o foco é principalmente em países de baixa e média renda, na medida em que é nestes países onde os desafios são mais acentuados. O QUÊ É CUIDADO À SAÚDE MENTAL ORIENTADO PARA A COMUNIDADE? Há amplas inconsistências entre, e mesmo dentro de, países em como o cuidado orientado para a comunidade é definido e interpretado. Historicamente falando, nos países

3 economicamente mais desenvolvidos, a provisão de serviços de saúde mental tem sido dividida em três períodos (8): o surgimento dos asilos (de mais ou menos 1880 a 1955), definido pela construção de grandes asilos, distantes das populações às quais eles serviam. o declínio dos asilos ou desinstitucionalização (depois de 1955), caracterizado pelo surgimento de serviços de saúde mental baseados na comunidade, próximos das populações às quais eles serviam. a reforma dos serviços de saúde mental de acordo com uma abordagem baseada em evidências, equilibrando e integrando elementos de serviços comunitários e hospitalares (8-10). Em um modelo de cuidados equilibrados, a maioria dos serviços está disponível em ambientes comunitários próximos das populações servidas, com internações hospitalares sendo reduzidas tanto quanto possível e usualmente acontecendo em enfermarias de hospitais gerais para casos agudos (11). Diferentes prioridades se aplicam a locais com poucos, médios e muitos recursos: em locais com poucos recursos, o foco está em estabelecer e melhorar a capacidade de serviços de cuidados primários à saúde de fornecer cuidados à saúde mental, com limitada retaguarda especializada. A maioria das avaliações e tratamento ocorre, se tanto, em serviços de cuidados primários à saúde ou relacionados a curandeiros/religiosos. Por exemplo, na Etiópia, a maior parte dos cuidados é fornecida por parentes ou vizinhos próximos: somente 33% das pessoas com depressão maior persistente chega a serviços de cuidados primários à saúde ou a curandeiros (12,13). em locais com médios recursos, um nível extra de serviços gerais de saúde mental para adultos adicionado aos serviços de cuidados primários à saúde mental pode ser implementado em cinco categorias, na medida em que os recursos o permitam: clínicas ambulatoriais, equipes de saúde mental comunitária, serviços de internação de casos agudos, cuidados residenciais baseados na comunidade e serviços relacionados ao trabalho, ocupação e reabilitação. em países com muitos recursos, além dos serviços mencionados acima, serviços mais especializados dedicados a grupos de pacientes ou com objetivos específicos podem estar acessíveis nas mesmas cinco categorias descritas para locais com médios recursos. Isto pode incluir, por exemplo, clínicas ambulatoriais especializadas, equipes de tratamento comunitário assertivo, manejo intensivo de caso, equipes de intervenção precoce, equipes de resolução de crise e de problemas habitacionais, cuidado residencial comunitário, hospitais-dia para casos agudos, outros hospitais-dia, centros de atenção não médica diária, serviços de recuperação/emprego/reabilitação. Esta abordagem de um modelo de cuidados equilibrados é aqui considerada para os cuidados orientados para a comunidade. Em locais de poucos recursos, os cuidados orientados para a comunidade será caracterizado por:

4 foco nas necessidades da população e de saúde pública. identificação e detecção de casos na comunidade. serviços acessíveis localmente (isto é, acessíveis em tempo menor que meio dia). participação comunitária e processo de decisão no planejamento e provisão de sistemas de cuidados à saúde mental. auto-ajuda e empoderamento dos usuários de serviços, tanto indivíduos como familiares. assistência mútua e/ou apoio por outros usuários de serviços. tratamento inicial por equipe de cuidados primários e/ou comunitária. opções de cuidados por etapas, com encaminhamento para equipe e/ou leitos hospitalares especializados se necessário. supervisão e apoio de serviços especializados em saúde mental. interface com ONGs (por exemplo, em relação à reabilitação). redes em cada nível, incluindo entre diferentes serviços, a comunidade e curandeiros e/ou religiosos. Os cuidados orientados para a comunidade contam, portanto, com uma ampla variedade de profissionais, cuidadores e sistemas de apoio (tanto profissional quanto não profissional), embora componentes específicos possam ter um papel maior ou menor em diferentes locais, na dependência do contexto e dos recursos disponíveis, particularmente de equipes treinadas. VALORES FUNDAMENTAIS E DIREITOS HUMANOS Dar sustentação à implementação bem sucedida de cuidados à saúde mental orientados para a comunidade compreende um conjunto de princípios que se relacionam por um lado com a valorização da comunidade e por outro com a importância da auto-determinação e os direitos das pessoas com doença mental como pessoas e cidadãos (14,15). Serviços de saúde mental comunitários enfatizam a importância de tratar e possibilitar que pessoas vivam na comunidade de forma a manterem conexão com seus familiares, amigos, trabalho e comunidade. Neste processo, eles reconhecem e apóiam os objetivos e pontos fortes da pessoa, promovendo sua recuperação na própria comunidade (16). Um princípio fundamental de apoio a estes valores é a noção de pessoas tendo acesso eqüitativo a serviços localmente, em ambiente com a mínima restrição. Ao mesmo tempo em que reconhece o fato de que algumas pessoas são significativamente incapacitadas pela sua doença, um serviço de saúde mental comunitário procura promover a auto-determinação do usuário do serviço e sua participação nos processos que envolvem decisões relacionadas ao seu tratamento. Dada a importância dos familiares em proverem apoio e relacionamentos significativos, a participação deles (com a permissão do usuário do serviço) nos processos de avaliação, planejamento terapêutico e seguimento também é um valor chave no modelo comunitário de prestação de serviço. Diversas convenções identificam e objetivam proteger os direitos dos usuários dos serviços como pessoas e cidadãos, incluindo a recentemente ratificada Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos de Pessoas com Incapacidades (UNCRPD) (17) e mais

5 especificamente documentos como os Princípios das Nações Unidas para a Proteção de Pessoas com Doenças Mentais e para a Melhoria dos Cuidados Mentais adotado em 1991 (18). Os documentos mencionados acima e outros documentos internacionais, regionais e nacionais especificam o direito da pessoa de ser tratada sem discriminação e da mesma forma que outras pessoas, a presunção de capacidade legal a menos que incapacidade possa ser claramente provada e a necessidade de envolver pessoas com incapacidades no desenvolvimento de políticas e serviços e em processos decisórios que as afetem diretamente (18). Este relatório foi escrito para explicitamente se alinhar com os requisitos da UNCRPD, tratados e convenções associadas. MÉTODOS USADOS PELA FORÇA-TAREFA DA WPA Esta orientação foi produzida tendo em conta princípios éticos chaves, a evidência relevante e a experiência combinada dos autores e seus colaboradores. Em relação à evidência disponível, levantamentos sistemáticos da literatura foram realizados para identificar literatura revisada por pares e original relativa à estrutura, funcionamento e efetividade dos serviços de saúde mental comunitários ou aos obstáculos à sua implementação. Estes levantamentos da literatura foram organizados para a maioria das regiões da Organização Mundial da Saúde (OMS), refletindo o contexto dos principais autores do relatório. Limitações a esta abordagem se relacionaram ao fatos de que, em particular, a região do Leste Mediterrâneo da OMS não foi totalmente representada e este relatório se refere apenas aos serviços de saúde mental de adultos. Assim, esta orientação não aborda as necessidades de serviços para pessoas com demência ou prejuízo intelectual e para crianças com transtornos mentais. Os levantamentos variaram de acordo com o grau de especialização e recursos locais. Levantamentos no Medline foram realizados para cada região. Outros bancos de dados buscados foram o EMBASE, PsycINFO, LILACS, SciELO, Web of Knowledge (ISI), WorldCat Dissertations and Theses (OCLC) e OpenSigle. Levantamentos, adaptados para cada banco de dados, utilizaram termos M.E.S.H. e palavras nos textos que se relacionavam com serviços de saúde mental comunitários e doença mental grave. Outras fontes eletrônicas, não indexadas, tais como a OMS, Organização Panamericana da Saúde (OPAS), WPA, outras associações de saúde mental e sítios web de Ministérios da Saúde de países específicos, também foram consultados. O Google foi utilizado para levantamentos de PDFs que contivessem as palavras saúde mental comunitária publicados em países europeus e africanos. Os levantamentos foram limitados a artigos publicados nas línguas faladas pelos autores cobrindo cada região da OMS e os autores procuraram orientações relevantes dos consultores regionais da OMS. Levantamentos eletrônicos foram suplementados por levantamentos das listas de referências bibliográficas dos artigos selecionados. Levantamentos manuais de exemplares dos últimos cinco anos de três importantes revistas chaves para a África (African Journal of Psychiatry, South African Journal of Psychiatry e International

6 Psychiatry) também foram realizados. Além disto, textos chaves foram identificados: eles incluíram artigos e capítulos de livros relevantes publicados pelos autores do presente trabalho (19-24) e uma edição especial da revista Lancet sobre Saúde Mental Global (25-29). Publicações da OMS que fornecem informações relativas a serviços de saúde mental comunitários em todo o mundo também foram consultadas (7,31-33). Para a região africana, pesquisa original foi realizada de forma a complementar dados publicados. Vinte e um especialistas regionais completaram um questionário de autopreenchimento semi-estruturado, relativo à experiência deles em implementar cuidados de saúde mental comunitários na África abaixo do Saara (34). Os especialistas eram de 11 países e de uma ONG ativa em diversos países da África abaixo do Saara. ASPECTOS COMUNS IDENTIFICADOS NA IMPLEMENTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL COMUNITÁRIOS Diferenças internacionais e inter-culturais podem ter um papel importante na definição de quais serviços de saúde mental são necessários e especificamente ao se levar em conta aspectos locais (mais particularmente, o nível de recursos financeiros disponíveis (28)). Entretanto, ao prepararmos este relatório, nos surpreendemos ao encontrarmos que os temas fundamentalmente mais importantes (tanto em termos de desafios ou de lições aprendidas) se aplicavam a muitos países e regiões. Por este motivo, discutiremos a seguir cada um destes temas chave seqüencialmente. Políticas, planos e programas Um desafio comum a muitos países em todo o mundo é a dificuldade em colocar intenções relativas a saúde mental comunitária em prática. Fazemos distinção aqui entre: Política nacional (ou provincial/estadual em países onde a política de saúde é definida neste nível): uma declaração geral sobre uma intenção estratégica (p.ex., para um período de 5-10 anos) que dá uma direção a todo sistema de cuidados à saúde mental. Plano de implementação: um documento operacional estabelecendo os passos específicos necessários para implementar a política nacional (p.ex., que tarefas devem ser completadas, por quem, quando, com quais recursos, identificando a linha hierárquica e quais os incentivos e sanções se as tarefas, respectivamente, são ou não completadas). Programas de saúde mental: planos específicos para uma área local (p.ex., uma região ou um distrito) ou para um setor particular (p.ex., cuidados primários), que especificam como um componente do sistema de cuidados gerais deve ser desenvolvido. De acordo com o Atlas de Saúde Mental da OMS (31), 62,1% dos países em todo o mundo tinham uma política de saúde mental e 69,6% um programa de saúde mental em vigor em 2005 (com 68,3% e 90,9% da população global respectivamente cobertas). Muitos dos países sem tais políticas eram LAMICs. Mesmo onde políticas de saúde

7 mental baseadas em evidências abrangentes estão em vigor, problemas em implementarse estas políticas são comuns (33,35). Algumas das razões para isto podem incluir equipe de saúde não aderindo às políticas devido a dificuldades em aceitar e implementar mudanças de papéis (33), a falta de informações ou de orientações baseadas em evidências acessíveis à equipe de saúde, mecanismos de financiamento inadequados, treinamento inadequado do pessoal de cuidados à saúde, a falta de mecanismos para treinamento e orientação da equipe de saúde, supervisão e apoio pobres, e uma falta geral de recursos humanos (35). Planos de implementação detalhados e altamente práticos (levando em conta os recursos disponíveis) são assim necessários para possibilitar a provisão efetiva de cuidados de saúde mental comunitária. Aumentando substancialmente os serviços para toda população Um desafio adicional que necessita ser colocado em evidência em todo o mundo é a enorme lacuna entre as necessidades de cuidados à saúde mental da população (prevalência real de doenças mentais) e o que é na verdade fornecido (prevalência tratada) (7), ressaltando-se a importância de aumentar substancialmente os serviços para toda população. A evidência relativa ao ônus substancial dos transtornos mentais não tem se traduzido em investimentos adequados em cuidados à saúde mental (29). A lacuna na oferta de tratamento é particularmente pronunciada em LAMICs, onde comumente mais de 75% das pessoas com transtornos mentais não recebem tratamento ou cuidados de forma alguma e menos que 2% do orçamento para saúde é gasto em saúde mental (7). Enquanto os países mundiais com alta renda têm em média 10,50 psiquiatras e 32,95 enfermeiras psiquiátricas por pessoas (números médios), em países de baixa renda há apenas 0,05 e 0,16 respectivamente (31). Além disto, mesmo dentro dos países, a qualidade e nível dos serviços freqüentemente variam muito de acordo com, por exemplo, grupos de pacientes, localização (com a provisão de serviços usualmente sendo maior em áreas urbanas) ou fatores sócio-econômicos (3). De forma similar, somente 10% das pesquisas mundiais em saúde mental é dirigida para as necessidades de saúde de 90% da população vivendo em LAMICs e somente uma fração desta atividade de pesquisa se relaciona com a implementação e avaliação de intervenções e serviços (36). Métodos para se estimar necessidades de recursos são necessários para aumentar substancialmente os serviços. Uma metodologia sistemática para estabelecer prioridades em pesquisas de saúde infantil tem sido desenvolvida levando em consideração que intervenções devem ser efetivas, sustentáveis e acessíveis para reduzir o ônus da doença (37). Uma metodologia semelhante foi aplicada pelo Grupo de Saúde Mental Global da Lancet, enfocando quatro grupos de transtornos ao estabelecer prioridades para pesquisa em saúde mental no mundo: transtornos depressivos, ansiosos e outros transtornos mentais comuns; transtornos relacionados ao álcool e outros abusos de substâncias; transtornos mentais da infância e adolescência; e esquizofrenia e outros transtornos psicóticos (30). Foi recomendado que intervenções deveriam ser realizadas por profissionais não de saúde mental em serviços de cuidados rotineiros existentes e que especialistas deveriam ter um papel em sua capacitação e supervisão (38). Uma revisão abrangente de pacotes de cuidados para os seis transtornos neuropsiquiátricos mais importantes transtorno de déficit de atenção/hiperatividade

8 (TDAH), abuso de álcool, demência, depressão, epilepsia e esquizofrenia também foram recentemente propostos como meio de aumentar a oferta de tratamento em LAMICs (20-24). Um extenso conjunto de orientações sobre tratamento, também apropriadas para LAMICs, será publicado pela OMS em 2010 como parte de seu programa mhgap. Um levantamento sobre a disponibilidade e exeqüibilidade de vários tratamentos para os transtornos mentais mais prevalentes nos diversos grupos etários foi recentemente conduzido pela WPA com suas sociedades membros (39). Conscientização comunitária sobre doenças mentais Uma barreira adicional comum ao se identificar e tratar de transtornos mentais em todo o mundo é a falta de consciência sobre eles nas comunidades, com disseminação do estigma e discriminação direcionados a pessoas com problemas de saúde mental. Isto é importante porque campanhas de conscientização efetivas podem resultar no aumento da procura em cuidados primários de saúde por pessoas com doença mental (40). Três estratégias principais tem sido utilizadas para reduzir o estigma e a discriminação públicas: protesto, educação e contato social (41). Protesto, por indivíduos estigmatizados ou pessoas em geral que os apóiam, é freqüentemente aplicado contra declarações públicas estigmatizantes, tais como reportagens da mídia e propagandas. Muitas intervenções de protesto, por exemplo, contra propagandas ou novelas estigmatizantes, têm sido bem sucedidas em suprimir declarações públicas negativas e para este propósito os protestos são claramente muito úteis (42). Entretanto, tem sido questionado (41) se protesto é efetivo para melhorar as atitudes em relação a pessoas com doenças mentais. Intervenções educacionais objetivam diminuir o estigma ao substituir mitos e estereótipos negativos por fatos e têm reduzido atitudes estigmatizantes na população. Entretanto, pesquisa sobre campanhas educacionais sugere que mudanças de comportamento são freqüentemente não avaliadas. A terceira estratégia é contato social pessoal com pessoas com doenças mentais (43). Por exemplo, em algumas intervenções em escolas secundárias, ou com a polícia, educação e contato social pessoal têm sido combinados (44,45). O contato social parece ser a parte mais eficaz da intervenção. Fatores que criam um ambiente favorável para o contato interpessoal e a redução do estigma podem incluir status semelhante entre os participantes, interação cooperativa e apoio institucional para a iniciativa de contato (46). Para educação e contato social, o conteúdo dos programas contra o estigma e a discriminação têm importância. Modelos biogenéticos de doença mental são freqüentemente enfatizados porque ver a doença mental como um problema biológico, principalmente herdado, pode reduzir a vergonha e culpa associadas com ela. As evidências apóiam esta expectativa otimista (isto é, que um modelo causal biogenético da doença mental irá reduzir o estigma) de reduzir a culpa. Entretanto, enfocar fatores biogenéticos pode aumentar a percepção de que pessoas com doença mental são essencialmente diferentes e assim interpretações biogenéticas têm sido associadas com aumento da distância social (47). Por este motivo, uma mensagem quanto à doença

9 mental ser genética ou neurológica pode ser por demais simplista e de pouca ajuda para reduzir o estigma. De fato, em muitos LAMICs, expressar mensagem enfatizando a natureza hereditária da doença mental alimenta o estigma, por exemplo tornando menos freqüente o casamento de pessoas com doença mental. Iniciativas antiestigma podem ter lugar nacional e localmente. Campanhas nacionais freqüentemente adotam uma abordagem de marketing social, enquanto iniciativas locais usualmente tem seu foco em grupos específicos. Um exemplo de uma campanha nacional multifacetada é Time to Change na Inglaterra (48). Ela combina publicidade em veículos de comunicação de massa e iniciativas locais. Estas últimas tentam facilitar o contato social entre pessoas da população geral e usuários de serviços de saúde mental, bem como enfocar grupos específicos tais como estudantes de medicina e professores. O programa é avaliado através de levantamentos que verificam o conhecimento, atitudes e comportamento do público em geral, bem como medindo a quantidade de discriminação experimentada que é relatada por pessoas com doença mental. Iniciativas similares em outros países, tais como See Me na Escócia (49), Like Minds, Like Mine na Nova Zelândia (50) ou a iniciativa antiestigma da WPA (51), juntamente com programas similares em outros países, incluindo o Japão, Brasil, Egito e Nigéria, apresentaram desfechos favoráveis (40). Em resumo, há evidência da efetividade de medidas contra o estigma e a discriminação (52). Em uma nota mais cautelosa, a discriminação individual, a discriminação estrutural e o auto-estigma levam a inumeráveis mecanismos de estigmatização. Se um mecanismo de discriminação é bloqueado ou reduzido através de iniciativas bem sucedidas, outros meios de discriminação podem emergir (53,54). Conseqüentemente, para reduzir substancialmente a discriminação, as atitudes e comportamentos estigmatizantes de pessoas influentes necessita essencialmente mudar. Desenvolvendo um poderoso consenso por engajamento O engajamento colaborativo de uma ampla gama de interessados é crítico para o sucesso da implementação de cuidados de saúde mental orientados para a comunidade. É importante ter uma visão sistêmica do processo de mudança. É necessário o apoio de políticos, membros de conselhos e de gestores da saúde cujo foco primário pode não ser saúde mental, clínicos, pessoas chave da comunidade incluindo mantenedores de ONGs, usuários de serviços e seus familiares, e curandeiros e religiosos. Para envolvê-los neste imperativo por mudança irá requerer estratégias diferentes e uma equipe de manejo de mudanças que inclua pessoas com diversas especializações. De forma geral, ter razões e objetivos claros para voltar-se para cuidados orientados para a comunidade é essencial. As mensagens devem ser concisas, apoiadas em evidências e consistentes. Desenvolver um consenso para mudança requer um bocado de trabalho em encontros e comunicação com pessoas. Os principais meios de comunicação necessários incluem material escrito e oportunidades de reunião com grupos de interessados. Políticos e administradores irão requerer uma abordagem persuasiva. Outros necessitarão de sumários de planos, apresentações de diapositivos e de oportunidades para reunirem-se e

10 trabalharem através de propostas e temas de importância. s e informações/ levantamentos em páginas da Internet constituem complementos valiosos neste processo. A ênfase deve ser a disposição de comunicar em boa fé e fazê-lo de forma tão aberta e honestamente quanto possível para convencer as pessoas dos benefícios do processo de mudança. É importante ter em mente que, em alguns casos, o preconceito e interesses próprios terão que ser confrontados. É útil, no começo do processo, identificar aqueles que provavelmente irão apoiar mudanças e aqueles que provavelmente se oporão a elas. A disposição para ouvir as preocupações e para encontrar meios de incorporá-las, se possível, em um processo de planejamento e implementação, é essencial porque, quando tais atitudes são expressas, há oportunidade das pessoas sentirem-se incluídas. Isto feito, ousadia e firmeza expressarão aos oponentes remanescentes a seriedade da intenção de implementar mudanças; também encorajará os que apóiam a acreditar que suas aspirações por melhores cuidados de saúde mental serão compreendidas e, assim, os animarão de volta. Envolver interessados requer oportunidades para encontros formais e informais, receber conselhos e trabalhar através de questões. O estabelecimento de grupos de referência precocemente no processo de mudança é um mecanismo formal chave para se alcançar isto. Isto deve incluir todos os interessados chave, em particular usuários de serviços, famílias, clínicos e provedores de serviços, com estes últimos sendo essenciais para facilitar a incorporação posterior de sistemas integrados de cuidados no processo. É importante estruturar o processo global com encontros e comunicações formais e também estar à disposição para convocar encontros informais se requeridos para solucionar situações que preocupem. O processo de consulta deve resultar em um amálgama de contribuições de baixo para cima e de cima para baixo para o processo de mudança. Relatórios sobre progressos são essenciais para manter a confiança e o entusiasmo em um processo de implementação bem sucedida. Também é importante ter em mente que bons serviços de saúde mental estabeleceram processos para garantir que as vozes dos usuários dos serviços, de seus familiares e de membros da comunidade foram ouvidas de forma contínua. O objetivo não é simplesmente alcançar uma mudança sem continuidade e sim promover uma melhora de qualidade persistente, na qual os usuários de serviços de saúde mental sabem que eles têm uma ação importante. Sem tal consórcio efetivo e unido, os legisladores acharão fácil descartar as diferentes demandas de um setor de saúde mental fragmentado e ao invés disto responderem positivamente para outras áreas de interesse da saúde (p.ex., HIV/AIDS) que apresentem a auto-disciplina de uma abordagem unida com um pequeno número de prioridades totalmente decidido. Erros a serem evitados Diversos erros chaves são comumente feitos no processo de tentar implementar cuidados de saúde mental comunitária. Primeiro, é necessário ter uma seqüência de eventos cuidadosamente considerada ligando o fechamento de leitos hospitalares ao

11 desenvolvimento de serviços comunitários. É importante evitar o fechamento de serviços hospitalares sem ter os serviços que os sucederão já instalados para apoiar pacientes egressos dos hospitais e novos encaminhamentos, e também evitar criar serviços comunitários deixando os cuidados (e orçamentos) hospitalares intactos. Em particular, é necessário ter em cada estágio de um processo de reforma um equilíbrio entre leitos (principalmente para agudos) suficientes e a provisão de outras partes de um sistema de cuidados mais amplo que possa apoiar pessoas em crise. Um segundo erro comum é tentar reformar o sistema sem incluir todos os interessados relevantes. Tais iniciativas necessitam incluir especialmente psiquiatras, que podem, caso contrário, sentirem-se sujeitos de processos de decisão de cima para baixo e reagirem tanto no interesse de pacientes quanto nos seus próprios, tentando atrasar ou bloquear tais mudanças. Outros interessados vitais a serem diretamente incluídos no processo freqüentemente envolvem legisladores e políticos, planejadores de serviços de saúde, usuários de serviços e cuidadores, provedores de serviços públicos e privados, ONGs nacionais e internacionais, aqueles que trabalham com tradições de curas alternativas, complementares, indígenas e religiosas, e associações nacionais e profissionais relevantes. Tipicamente, os grupos que não estejam completamente envolvidos no processo de reforma irão expressar suas visões procurando minar o processo. Um outro erro comum é inapropriadamente relacionar a reforma dos cuidados de saúde mental com estreitos interesses ideológicos ou político-partidários. Isto tende a levar para uma instabilidade do processo, como uma mudança de governo pode reverter as políticas de seus predecessores. Tais linhas de divisão ou de fragmentação defeituosas também podem ocorrer, por exemplo, entre reformas de serviços propostas por psicólogos e psiquiatras, entre psiquiatras orientados social e biologicamente ou entre clínicos e grupos de usuários de serviços. Quaisquer que sejam os pontos particulares de cismas, tais conflitos enfraquecem a possibilidade de que as reformas dos serviços sejam abrangentes, sistêmicas e sustentáveis, e implicarão no risco de que os legisladores rejeitem adotar propostas que não são completamente endossadas pelo setor de saúde mental como um todo. Aspectos adicionais que podem comprometer a integridade dos serviços baseados na comunidade incluem: a) um foco exclusivo dos serviços comunitários em condições psicóticas, de tal forma que a imensa maioria de pessoas com transtornos mentais seja negligenciada ou tratada por profissionais que não tem especialização apropriada e b) a negligência da saúde física dos pacientes. Pagamento por serviços Um componente fundamental na implantação bem sucedida da provisão de serviços de saúde mental é o financiamento (10). Como indicado acima, o financiamento de serviços de saúde mental em LAMICs tende a ser muito baixo. Isto pode ser em parte devido a atitudes estigmatizantes em relação aos transtornos mentais e a uma ausência de reconhecimento dos benefícios econômicos que podem contribuir para a melhora dos cuidados à saúde mental. Idealmente, a divisão dos recursos financeiros aplicados em

12 saúde que um país destina aos cuidados da saúde mental será conhecida pela consideração cuidadosa dos benefícios à saúde comparados com os gastos com formas alternativas de cuidados. Os dados necessários para conduzir tal análise estão, entretanto, tipicamente indisponíveis em LAMICs. Além disto, quaisquer que sejam os recursos financeiros, eles tendem a estar concentrados em serviços de internação. Corrigir isto é, inicialmente, uma questão de realocação orçamentária: usar recursos que poderiam estar sendo utilizados para outros fins para aumentar o financiamento de cuidados orientados à comunidade. A questão que surge é como pagar provedores públicos (hospitais, programas independentes e possivelmente provedores individuais independentes tais como psiquiatras) pelos serviços que eles fornecem. A forma mais simples de pagamento são orçamentos globais por serviço ou programa, que podem ser prorrogados anualmente corrigidos pela inflação e salários para os provedores individuais. Estes mecanismos simples de pagamento têm a vantagem da simplicidade administrativa. Ao mesmo tempo, eles tem pelo menos dois inconvenientes importantes. Primeiro, eles não provêem incentivos pelo aumento na quantidade ou qualidade do serviço fornecido. Segundo, mudanças populacionais provavelmente causarão uma demanda por evolução dos serviços de diferentes provedores e, sem levar em conta mudanças na demanda local, iniqüidades no pagamento de diferentes provedores provavelmente aparecerão e crescerão ao longo do tempo. Isto por sua vez irá comprometer o acesso a provedores sobrecarregados e possivelmente resultar em super-oferta (p.ex., permanência excessiva) por outros provedores. De acordo com isto, países com capacidade técnica e administrativa de introduzir sistemas de pagamento mais complexos devem considerar fazê-lo. Para hospitais, uma alternativa razoavelmente simples, que pode ser aplicada onde os cuidados são setorizados, é modular os orçamentos com base na população da área de captação do serviço. Países com capacidade técnica para fazê-lo podem desejar ajustar o nível de pagamento por pessoa com base em variáveis sócio-demográficas tidas como relacionadas à necessidade por cuidados de saúde mental sob internação (por exemplo, pobreza). Para hospitais que têm áreas de captação que se sobrepõem, uma combinação de pagamento prospectivo (com base no número de admissões) e retrospectivo (com base no número de leitos-dia realmente ocupados) pode ser preferível do que se basear exclusivamente em um ou outro. Pagamento retrospectivo puro estimula a super-oferta de serviços; pagamento prospectivo puro, dada a dificuldade de acessar de forma confiável o grau de necessidade de uma pessoa admitida por uma condição psiquiátrica, pode estimular sub-oferta. Para programas ou provedores independentes, as duas principais opções além do orçamento fixo ou um salário são o pagamento por serviço e por pessoa. Pagamento por serviço estimula um alto volume de serviços a despeito dos desfechos. Se certos serviços (p.ex. prescrição de medicamentos) são pagos em taxas mais altas por unidade de tempo

13 que outros (p.ex., psicoterapia), o pagamento por serviço tenderá a maximizar contatos com pacientes que são menos doentes, mais aderidos e mais fáceis de tratar. Pacientes difíceis ou mais gravemente doentes receberão menos cuidados a não ser que os pagamentos sejam ajustados por gravidade os chamados ajustamentos por casos mistos. Usos eficientes do tempo do clínico, tais como contatos por telefone ou pelo computador, são ignorados porque não reembolsados. O pagamento por pessoa estimula o aumento do número de pessoas servidas. Ele pode levar a uma maior responsabilidade final nos cuidados de pacientes específicos. Entretanto, a menos que haja competição por pacientes entre os provedores, ele não fornece incentivos por qualidade. Além disto, os programas freqüentemente atendem até sua capacidade máxima e têm dificuldades em mudar pacientes para serviços de cuidados menos intensivos. Países com capacidade técnica e administrativa (e flexibilidade política) para fazê-lo, devem considerar introduzir incentivos para aumento da qualidade, tanto para hospitais como para programas e provedores individuais. De acordo com o influente trabalho de Donabedian, a qualidade é comumente conceitualizada como relacionada à estrutura, processo e desfechos (55). Ajustar o pagamento a hospitais, programas ou provedores individuais, com base em indicadores de estrutura ou processo (p.ex., qualificações formais da equipe, alcançar um certo escore em uma escala de fidelidade a um modelo), pressupõe que estes indicadores realmente predizem qualidade. Na medida em que eles o façam, prover incentivos para alcançar um alto escore nestes indicadores provavelmente se mostrará benéfico, com um efeito neutro sobre quais tipos de pacientes o provedor procurará servir. Ajustar pagamentos baseado em desfechos (por exemplo, indicadores fisiológicos de síndrome metabólica, taxas de reinternação, taxas de emprego) tem a vantagem de se relacionar diretamente aos objetivos evidentes do sistema. Isto estimula, entretanto, a seleção de pacientes menos doentes. Mais pesquisa é necessária sobre como desenhar sistemas efetivos para estimular qualidade de cuidados de saúde mental orientados à comunidade que sejam praticáveis em países com maior ou menor desenvolvimento de capacidades técnicas e administrativas. Em resumo, sistemas de pagamento influenciam a seleção de pacientes, a qualidade e quantidade dos tratamentos oferecidos e os desfechos, de forma mais ou menos favorável, e cada um requer graus diversos de capacidade técnica e administrativa para ser implementado de forma bem sucedida. Determinar o sistema ou combinação de sistemas ótimo para um serviço de cuidado à saúde em particular provavelmente depende muito da história, infraestrutura, recursos financeiros, recursos humanos e de outros fatores. Treinando a equipe, recursos humanos e papéis dos psiquiatras Recursos humanos são os bens mais críticos na provisão de serviços de saúde mental. A transformação gradual para cuidados baseados na comunidade resultou em mudanças na forma como os recursos humanos têm sido utilizados (56). As mudanças essenciais foram a re-alocação da equipe do hospital para serviços baseados na comunidade, a necessidade de um novo grupo de competências que incluem a recuperação e a reabilitação, e o

14 treinamento de uma diversidade maior de trabalhadores, incluindo trabalhadores em cuidados comunitários informais, no contexto das necessidades práticas de um país (57). Além disto, em muitos LAMICs, psiquiatras treinados trabalham sob condições de atividades pesadas e sem descanso, e podem não ter dedicado tempo durante a semana para quaisquer deveres para o desenvolvimento dos serviços. Outra perspectiva para o desenvolvimento de recursos humanos tem sido a ênfase crescente na integração da saúde mental nos serviços de cuidados primários, aumentando assim o acesso de uma vasta maioria de pessoas não servidas. Isto implica na necessidade de treinamento da equipe de saúde geral em habilidades básicas em saúde mental, tais como a detecção de transtornos mentais, a provisão de cuidados básicos e o encaminhamento de problemas complexos para cuidados especializados. Na maioria dos países em desenvolvimento, há necessidade de generalistas completos que sejam capazes de lidar com a maioria dos problemas psiquiátricos com pouco acesso a qualquer profissional de saúde mental. Outros aspectos importantes são a falta de seguro saúde, despesas a serem pagas com recursos próprios e o ônus econômico que recai sobre as famílias. O objetivo ampliado e a mudança para serviços de saúde mental baseados na comunidade introduz maiores níveis de complexidade, afetando o papel dos psiquiatras e ampliando-o para áreas tais como a promoção da saúde e a inclusão social. Os psiquiatras necessitam trabalhar em mais serviços, com mais equipes. O planejamento e manejo terá um lugar mais central. Os psiquiatras são vistos como possuindo uma competência singular e a ocuparem posições de liderança na maioria dos países, funcionando como conselheiros dos governos e coordenando grupos que são responsáveis pela produção de esboços políticas e planos de ação. Há países onde tais grupos contém somente psiquiatras. Eles têm assim uma oportunidade única de moldar o processo de reforma no melhor interesse dos pacientes, dos familiares e cuidadores, do público e da equipe. Na medida em que a reabilitação psicossocial é uma parte importante do processo global de manejo bem sucedido dos transtornos mentais crônicos, sua prática é ainda rara comparada com o uso de medicamentos (58). Em muitos países em desenvolvimento, o treinamento é escasso para terapeutas ocupacionais, psicólogos e assistentes sociais. Em países com poucos psiquiatras, numerosos deveres médicos, administrativos e de liderança deixam aos psiquiatras pouco tempo para trabalhar com unidades de reabilitação. Mesmo assim, em muitos LAMICs, outros recursos estão disponíveis p.ex., redes familiares e comunitárias fortes, grupos de fé, oportunidades de emprego informais que podem ser mobilizados para apoiar a reabilitação de pessoas com transtornos mentais de longa duração. Desenvolvimento organizacional, garantia de qualidade e avaliação de serviços Iniciar serviços de cuidados de saúde mental comunitária geralmente requer forte liderança entre os interessados baseada em conceitos de cuidados orientados para a comunidade. É recomendável aprender de modelos bem sucedidos usando ferramentas básicas que incluem quadros de horários, formulários de avaliação, descrições de serviços

15 e políticas operacionais (9). Atividades de supervisão e manutenção são necessárias para criarem-se serviços robustos e sustentáveis. A descrição em manuais de procedimentos operacionais, materiais de referência e supervisão continuada são essenciais. Como os cuidados orientados à comunidade são estabelecidos em diversas regiões, componentes dos serviços são gradualmente padronizados e cuidados padronizados descritos em manuais se tornam disponíveis. A garantia de qualidade é factível mesmo em serviços com recursos limitados. O monitoramento da qualidade pode ser incorporado em atividades de rotina ao selecionarem-se serviços alvos, coletar dados e utilizar-se os resultados para a resolução de problemas e definição da direção futura do sistema. Avaliações externas têm lugar em diferentes níveis. O governo local verifica se os provedores de serviços atingem os requisitos das leis ou atos, enquanto os financiadores põem foco em examinar a necessidade dos serviços oferecidos. Pares profissionais e usuários também participam em avaliações independentes. Na medida em que o propósito primário dos serviços de saúde mental é melhorar os desfechos para indivíduos com doença mental, é crucial avaliar os desfechos dos tratamentos e dos serviços. Os resultados também podem ser utilizados para justificar a utilização de recursos. Mais pesquisa é, assim, necessária para ofertar os melhores serviços possíveis, que se ligarão diretamente aos melhores desfechos para aqueles necessitando de cuidados. RECOMENDAÇÕES Utilizando a literatura revisada pela Força-Tarefa da WPA e pela nossa própria experiência acumulada, listamos uma série de desafios e obstáculos que comumente ocorrem ao se implementar sistemas de cuidados de saúde mental orientados para a comunidade. Ao mesmo tempo, identificamos passos e soluções que podem funcionar ao se responder positiva e efetivamente a estas barreiras (19,27), como explicitado na Tabela 1. Recomendamos que pessoas interessadas em planejar e implementar sistemas de cuidados à saúde mental que equilibrem componentes de serviços baseados na comunidade e baseados em hospitais dêem especial consideração a antecipar os desafios aqui identificados e a aprender as lições daqueles que têm enfrentado estas questões até aqui.

16 Tabela 1 Obstáculos, desafios, lições aprendidas e soluções ao se implementar cuidados de saúde mental orientados à comunidade. Sociedade Obstáculos e desafios Desrespeito por, ou violação de, direitos humanos de pessoas com doença mental Estigma e discriminação, refletidos em atitudes negativas de equipes de saúde Necessidade de abordar diferentes modelos de comportamento anormal Lições aprendidas e soluções - Supervisão por: sociedade civil e grupos de usuários de serviços, inspetores governamentais, ONGs internacionais, associações profissionais. - Aumentar a consciência da população sobre doenças mentais, os direitos das pessoas com doença mental e os tratamentos disponíveis. - Estimular o envolvimento dos usuários e familiares/cuidadores na definição de políticas, treinamento médico, provisão de serviços (p.ex., membros do conselho, provedor dos usuários), avaliação de serviços (levantamento de satisfação do usuário). - Paradigmas tradicionais e baseados na fé necessitam ser amalgamados, misturados ou alinhados tanto quanto possível com paradigmas médicos. Governo Baixa prioridade dada pelo governo à saúde mental - Força-tarefa governamental sobre doenças mentais delineia missão como uma agenda de saúde pública. - Missão pode compreender valores, objetivos, estrutura, desenvolvimento, educação, treinamento e garantia de qualidade para sistema de saúde mental orientado para comunidade desde uma perspectiva de saúde pública. - Estabelecer apoio político de quaisquer partidos para uma política nacional e um plano de implementação. - Defesa efetiva sobre preencher a lacuna em saúde mental, o ônus global das doenças, o impacto das condições de saúde mental, o custo-efetividade das intervenções, a reduzida expectativa de vida. - Uso da OMS e de outras agências internacionais de defesa de direitos,

17 Política de saúde mental ausente ou inapropriada Legislação sobre saúde mental ausente, antiga ou inapropriada Recursos financeiros inadequados em relação aos níveis de necessidades da população Falta de alinhamento entre métodos de pagamento e serviços e desfechos esperados relacionando-os com condições de saúde prioritárias e fundos, resposta positiva a eventos adversos. - Identificar lideranças no governo que tenham autoridade administrativa e financeira. - Advogar por e formular política baseada em consulta ampla a uma diversidade de interessados, incorporando uma perspectiva de saúde pública racional e baseada nas necessidades da população e na integração de componentes de serviços. - Envolvimento de usuários na definição de políticas. - Criar um lobby poderoso e racional em favor de uma lei para a saúde mental. - Modernizar a lei de saúde mental de forma a torná-la relevante para cuidados orientados à comunidade. - Vigiar ou inspecionar para supervisionar a implementação apropriada da lei de saúde mental. - Ajudar os legisladores a estarem conscientes da lacuna entre o ônus das doenças mentais e os recursos alocados, e que tratamentos efetivos estão disponíveis e acessíveis. - Advogar por uma melhora nos gastos com a saúde mental utilizando informações, argumentos e objetivos relevantes, p.ex., ônus global das doenças, necessidades não alcançadas do mhgap. - Recrutar lideranças políticas e membros chaves do governo para advogar pelo financiamento adequado de iniciativas. - Desenhar um sistema que diretamente relacione componentes de serviços requeridos e categorias de cuidados financeiramente reembolsáveis, p.ex., para práticas baseadas em evidências. - Prover pequenos incentivos financeiros para desfechos valiosos. - Criar categorias de reembolso consistentes com estratégias do sistema. - Desenvolver e utilizar indicadores chaves

18 Necessidade de abordar infraestrutura Necessidade de abordar estrutura do sistema de serviços orientados à comunidade Recursos humanos inadequados para o fornecimento de cuidados à saúde mental em relação ao nível de necessidade da população Fuga de cérebros, fracasso em reter talentos, retenção de equipes e degraus na carreira fracos de desempenho. - Reservar um custo transitório para realocar equipes hospitalares na mudança para a comunidade. - Iniciativas governamentais para planejar e financiar o uso eficiente de edifícios, suprimentos essenciais e sistemas de informações eletrônicos e outros para dirigir, monitorar e melhorar o sistema e desfechos. - Desenhar o sistema de saúde mental desde os cuidados primários locais passando pelos cuidados regionais até os cuidados especializados centrais, e preencher as lacunas com novos recursos na medida em que o financiamento cresça. - Avaliação dos níveis de necessidades da população para cuidados primários e para serviços especializados de cuidados à saúde mental. - Capacitar trabalhadores da saúde engajados na provisão de cuidados à saúde geral e de cuidados à saúde mental na comunidade. - Treinar os atuais profissionais da saúde e da saúde mental em cuidados à saúde mental orientados à comunidade. - Agências das Nações Unidas/ONGs internacionais assegurarem sustentabilidade aos seus projetos/ programas. - Intercambiar programas entre países. - Fixar o período de tempo em que os estudantes de medicina/médicos jovens têm para servir em seus países ou área rurais. - Transferência de papéis/diferenciação de funções de psiquiatras ao utilizarem suas habilidades em sua área de especialização. - Criar incentivos financeiros e sistemas de reconhecimento para psiquiatras que se engajem em saúde mental comunitária. - Treinar outros (menos passíveis de se evadirem para outros países) profissionais da saúde para fornecerem cuidados à saúde mental. - Pagamento por educação deve estar ligado

19 Programas não sustentáveis e paralelos por ONGs internacionais à alocação e preservação de recursos de forma a atender uma distribuição igualitária e para prevenir emigração sem reembolso apropriado. - Relações próximas com ministérios e outros interessados e ONGs internacionais. - Plano de saúde mental implantado, de forma que ONGs possam ajudar a atingir estes objetivos de forma sustentável. - Governos serem pró-ativos em colaborar com ONGs e em parcerias públicoprivadas. Organização de sistemas de saúde mental locais Necessidade de desenhar, monitorar e ajustar a organização de sistema de saúde mental Falta de programa de saúde mental factível ou não implementação de programa de saúde mental - Isto inclui planejar serviços de saúde mental locais, regionais e centrais baseados nas necessidades de saúde pública, integração completa com cuidados primários, alocação racional de equipes multi-disciplinares, desenvolvimento de tecnologia de informação, financiamento e uso das instalações existentes. Todos os grupos interessados podem ser envolvidos no desenvolvimento, monitoramento e ajuste dos planos. - Fixar a implementação do plano com uma clara coordenação entre os serviços. - Desenvolvimento de política/plano de implementação com os serviços necessitados pela população. - Diferenciação de papéis do hospital, de serviços comunitários e de cuidados primários, de serviços privados e públicos, utilizando área de captação/sistema de pagamento por pessoa com sistema de financiamento flexível. - Priorização de grupos alvos, especialmente pessoas com doença mental grave e persistente. - Criar programa altamente prático identificando recursos disponíveis, tarefas a serem completadas, alocação de responsabilidades, cronogramas, relatórios e responsabilização final, monitoramento do progresso/sistemas de avaliação.

20 Necessidade de especificar as fases de desenvolvimento Pobre utilização das instalações de saúde mental existentes Necessidade de incluir serviços não médicos Falta de colaboração multisetorial, p.ex., inclusão de curandeiros, moradia, justiça ou setores educacionais Pobre disponibilidade ou fornecimento errático de medicamentos psicotrópicos - Planejadores e líderes profissionais para desenhar planos para 5 e 10 anos. - Aumentar a consciência dos benefícios das instalações e serviços. - Especificar os caminhos que levam aos cuidados. - Monitoramento da qualidade dos cuidados incorporados, especialmente de fases do processo e dos desfechos. - Incluir famílias, serviços sociais baseados na fé, ONGs, serviços de moradia, serviços vocacionais, serviços de apoio mútuo e serviços de auto-ajuda. Todos os interessados envolvidos em desenhar o sistema. - Mover tarefas chave tais como avaliação inicial e prescrição utilizando um formulário limitado e acessível para equipe especialmente treinada que esteja disponível no nível local apropriado. - Identificar líderes para defender e dirigir o processo. - Maior envolvimento no planejamento, definição de políticas e de lideranças, e manejo. - Desenvolvimento de uma política clara/plano de implementação por todos os interessados. - Colaboração com outros serviços locais para identificar e ajudar pessoas com doença mental. - Provisão de informações/treinamento para todos profissionais. - Estabelecimento de grupos de aconselhamento e de governança multisetoriais. - Sessões de familiarização entre profissionais em práticas ocidentais e locais. - Educar os legisladores e financiadores sobre os custos/benefícios de medicamentos específicos. - Fornecer infraestrutura para monitoramento de clozapina. - Monitorar os padrões de prescrição de

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria

Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a Segurança do Paciente Pacote de Preparação para Parceria Um recurso para todos os parceiros em saúde comprometidos com o fortalecimento da segurança

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade

VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade Página 242 VIII/25. Medidas de incentivo: aplicação de ferramentas para a valoração da biodiversidade e recursos e funções da biodiversidade A Conferência das Partes, Reconhecendo que a biodiversidade

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Todos pela Equidade Organização Mundial da Saúde Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro Brasil De 19 a 21 de Outubro de 2011 Declaração Política do Rio sobre Determinantes

Leia mais

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável

CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável CESA Comitê Advocacia Solidária ISO 26.000 e Manual do Advogado Sustentável Julho 2010 O que é ISO 26000? A ISO 26000 é uma norma internacional de Responsabilidade Social, um guia de diretrizes que contribui

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Os sistemas de avaliação e monitoramento são, com freqüência, os componentes menos abordados durante a criação e

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas.

Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Carlos Justo Uma das principais tarefas do sistema de saúde é traduzir as necessidades de saúde em serviços e traduzir estes serviços em instalações adequadas. Isto não é fácil Os serviços de saúde devem

Leia mais

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br

Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Dr. Sandro Fenelon é radiologista e editor médico do site www.imaginologia.com.br Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Conselho para Promoção de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Instruções para o preenchimento

Instruções para o preenchimento Instruções para o preenchimento Este questionário está desenhado para apoiar os sistemas (organizações, serviços) na avaliação e aperfeiçoamento dos cuidados prestados ao doente crónico. Os resultados

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PROJETO BARUERI O Plano de Cargos e Salários aqui apresentado é resultado do entendimento e alinhamento dos direcionadores do Modelo de Organização e Gestão e das Políticas e

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em

Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS da ESP / SES -MG em Formulação de Políticas de Saúde e Tomada de Decisões Informadas por Evidências Sessão 5 Como usar evidências de pesquisa

Leia mais

29/10/12. Cuidados de Saúde Mental: Prioridades, Desafios e Riscos Filipa Palha

29/10/12. Cuidados de Saúde Mental: Prioridades, Desafios e Riscos Filipa Palha 29/10/12 Em parceria com: Sumário Marcos recentes nas políticas de saúde mental em Portugal (1963-2007) Saúde Mental: magnitude do problema PNSM 2007-2011: Da expectativa ao desânimo Reflexões finais COMEMORAÇÕES

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL, COOPERAÇÃO E FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL INTRODUÇÃO 34.1. As tecnologias

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ!

POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ! POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ! O próximo dia 28 de Outubro será uma data triste para a genética médica brasileira e para 140 milhões de brasileiros que são dependentes

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia

Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia Linhas de Ação Estratégica para a Saúde Mental e Bem-estar da União Europeia EU JOINT ACTION ON MENTAL HEALTH AND WELLBEING 2016 Co-funded by the European Union Linhas de Ação Estratégica para a Saúde

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS

POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS P-24/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Estabelecer salvaguardas ambientais e sociais para prevenir ou minimizar qualquer impacto ambiental

Leia mais

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro

Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro Workshop SESI SC Florianopolis 27 Setembro 1. Por que Promoção da Saúde no Trabalho (PST)? 2. PST funciona? 3. Tendências Globais e Programas em PST 4. Guias e Critérios Internacionais de Qualidade 5.

Leia mais

DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA

DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA DA INTEGRAÇÃO DOS CUIDADOS À INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA: O PAPEL DO HOSPITAL NA COMUNIDADE NA VERTENTE PSIQUIÁTRICA 4º Congresso Internacional dos Hospitais ENQUADRAMENTO HISTÓRICO Durante séculos a doença

Leia mais

PMBOK 4ª Edição I. Introdução

PMBOK 4ª Edição I. Introdução PMBOK 4ª Edição I Introdução 1 PMBOK 4ª Edição Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos Seção I A estrutura do gerenciamento de projetos 2 O que é o PMBOK? ( Project Management Body of Knowledge

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 2 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Políticas de câncer baseadas em quê?

Políticas de câncer baseadas em quê? entrevista Richard Sullivan, Diretor do Instituto de Políticas de Câncer e Saúde Global da King s Health Partners, em Londres, Inglaterra Políticas de câncer baseadas em quê? Pesquisas em diferentes campos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF Jorge Zepeda Gerente de APS da SMS de Florianópolis I Encontro Estadual dos NASF de SC Florianópolis, Novembro de 2012 ROTEIRO DE CONVERSA 1. LUGAR DE ONDE FALO:

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo

Perfil de Competências de Gestão. Nome: Exemplo Perfil de Competências de Gestão Nome: Exemplo Data: 8 maio 2008 Perfil de Competências de Gestão Introdução Este perfil resume como é provável que o estilo preferencial ou os modos típicos de comportamento

Leia mais

O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África

O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África CONFINTEA VI Conferência Preparatória da África Nairóbi, Kênia, 5 7 Novembro de 2008 O Pronunciamento Africano sobre o Poder da Educação de Jovens e Adultos para o Desenvolvimento da África 1. Nós, representantes

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

Capítulo 36 da Agenda 21

Capítulo 36 da Agenda 21 Capítulo 36 da Agenda 21 A Agenda 21 é um programa de ações recomendado para todos os países nas suas diversas instâncias e setores para colocarem em prática a partir da data de sua aprovação 14 de junho

Leia mais

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS PRÁTICOS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Luiz Carlos Bresser-Pereira Comunicação à Quarta Reunião Anual do Comitê de Especialistas em Administração Pública do Conselho Econômico e Social (Ecosoc) das

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do Termo de Cooperação 78 - Expansão da Estratégia Stop

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA

DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA DIRETOR(A) DE SEDE ESCRITÓRIO TETO BRASIL BAHIA Identificação do Cargo Departamento / Área Cargo a que reporta (Liderança direta) Cargos sob sua dependência (Liderança direta) Organograma Diretoria de

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL

FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL FUNDAÇÃO DE LIONS CLUBS INTERNATIONAL SUBSÍDIOS DE RECUPERAÇÃO APÓS CATÁSTROFES - PROGRAMA PILOTO para as Áreas Jurisdicionais I, III e V NOvAS OPçõeS De FINANCIAmeNTO, CrITérIOS e requisitos PArA SOLICITAçãO

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS

ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS PORTUGUESE (PT) ÁREAS DE ENFOQUE PRINCÍPIOS GERAIS A Fundação Rotária atesta que: 1. Suas metas visam aumentar a eficácia na outorga de subsídios e garantir a qualidade dos projetos; 2. As declarações

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4 BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL Objetivo Conhecer os diferentes instrumentos

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais