Resumos neste número*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumos neste número*"

Transcrição

1 International Journal for Quality in Health Care 2015; pp. C7 C /intqhc/mzv006 Resumos neste número* What are incident reports telling us? A comparative study at two Australian hospitals of medication errors identified at audit, detected by staff and reported to an incident system O que é que os relatórios de incidentes nos dizem? Um estudo comparativo em dois hospitais australianos sobre erros de medicação identificados em auditorias, detectados pela equipa e relatados a um sistema de reporte de incidentes WESTBROOK JOHANNA I., LI LING, LEHNBOM ELIN C., BAYSARI MELISSA T., BRAITHWAITE JEFFREY, BURKE ROSEMARY, CONN CHRIS, DAY RICHARD O. Int J Qual Health Care 27: 1 9 Objectivos. (i) comparar os erros de medicação identificados na auditoria e observação de relatórios de incidentes relativos a medicamentos; (ii) identificar as diferenças entre dois hospitais relativamente à frequência, aos relatórios sobre os incidentes e às taxas de erros de medicação; (iii) identificar os erros de prescrição apurados pela equipa. Métodos. Auditoria a registos de pacientes nos dois hospitais para identificar erros de prescrição e provas da sua identificação pelos profissionais de saúde. Erros na administração de medicamentos foram identificados a partir de um estudo observacional directo de 180 enfermeiros que administraram medicamentos. Procedeu-se à classificação da gravidade dos erros. Aqueles erros susceptível de resultar em danos para o paciente foram classificados como clinicamente importantes. Os erros de medicação da auditoria e/ou observação foram comparados com os incidentes relatados. Resultados erros de prescrição foram identificadas em auditoria. Desses 1,2/1000 erros (IC 95%: 0,6 1,8) tiveram relatórios de incidente. Erros de prescrição clinicamente importantes (n = 539) foram detectados pela equipa com uma taxa de 218,9/1000 (IC 95%: 184,0 253,8), mas apenas 13,0/1000 (IC 95%: 3,4 22,5) foram relatados. 78,1% (n = 421) de erros de prescrição clinicamente importantes não foram detectados. Cerca de administrações de medicamentos (27,4%; IC95%: 26,4% 28,4%) continham 1 erros; nenhum apresentou um relatório de incidente. O hospital A apresentou uma maior frequência de relatórios de incidentes que o hospital B, mas uma menor taxa de erros na auditoria. Conclusões. Erros de prescrição, com o potencial de causar danos, muitas vezes passam despercebidos. Incidentes relatados não reflectem o perfil de erros de medicação que ocorrem em hospitais ou as taxas subjacentes. Isto demonstra a precisão da utilização de frequência de incidente para comparar o risco para o paciente ou a qualidade dos cuidados intra ou entre hospitais. Novas abordagens, incluindo a extração de dados dos sistemas electrónicos de informação clínica são necessárias para apoiar a detecção de erros de medicação de forma mais eficaz e consequentemente proceder à sua mitigação. Improving the identification and management of chronic kidney disease in primary care: lessons from a staged improvement collaborative Melhorar a identificação e gestão da doença renal crónica (DRC) nos cuidados de saúde primários: lições de uma melhoria colaborativa colocada em prática HARVEY GILL, OLIVER KATHRYN, HUMPHREYS JOHN, ROTHWELL KATY, HEGARTY JANET Int J Qual Health Care 27: Problema de Qualidade. As DRC não diagnosticadas contribuem para um elevado custo e uma sobrecarga de cuidados nos cuidados de saúde secundários. A integração de diretrizes baseadas na evidência nos cuidados de saúde primários é inconsistente, resultando em variações ao nível da deteção e gestão das DRC. * This translation has not been verified and should not be relied upon it is provided for reference purposes only. The Publishers, Editor and the International Society for Quality in Health Care have not checked this translation and accept no liability for completeness or accuracy of this translation or the use of this translation for whatever purpose. This translation may be incomplete and inaccurate in whole or in part. If you need to rely upon a translation of this abstract, a professional human translator should be engaged to supply an accurate translation of the original English. When referencing articles from this journal, please always refer to the original English version, rather than a translated equivalent. International Journal for Quality in Health Care vol. 27 no. 1 The Author Published by Oxford University Press in association with the International Society for Quality in Health Care; all rights reserved C7

2 Avaliação inicial. Os dados provenientes dos consultórios de Medicina Geral e Familiar, recolhidos de forma rotineira numa região do Reino Unido, sugeriram uma prevalência de DRC de 4,1%, comparativamente com a prevalência nacional estimada de 8,5%. Dos doentes registados com DRC, estima-se que cerca de 30% tenham uma gestão sub-ótima da doença, de acordo com as análises do Observatório de Saúde Pública. Escolha da solução. Foi desenvolvida uma estrutura baseada na evidência para a implementação. Esta influenciou o desenho de uma melhoria colaborativa, para trabalhar com uma amostra de 30 consultórios de Medicina Geral e Familiar. Implementação. Foi implementada a colaboração, dividida em duas fases, entre Setembro de 2009 e Março de Os elementos-chave da intervenção incluíram eventos de aprendizagem, metas de melhoria, ciclos de Planear-Fazer- Estudar-Agir (PDSA), avaliação comparativa dos dados auditados, suporte do facilitador e reembolso do tempo da equipa. Avaliação. Os resultados foram avaliados face a dois indicadores: número de doentes com DRC nos registos dos consultórios de Medicina Geral e Familiar; percentagem de doentes que atingiram as metas de pressão arterial (PA) baseadas na evidência, como um marcador para os cuidados de saúde na DRC. Na fase 1, a prevalência registada de DRC nos consultórios colaborantes aumentou aproximadamente 2 vezes mais do que nos consultórios locais de comparação; na fase 2, este número aumentou para 4 vezes mais, indicando uma melhoria na identificação dos casos. A gestão da PA de acordo com as diretrizes recomendadas também melhorou. Lições Aprendidas. Uma melhoria colaborativa, com um suporte de facilitação personalizado, parece promover a integração de diretrizes baseadas na evidência sobre a identificação e gestão da DRC nos cuidados de saúde primários. É necessário um estudo de avaliação controlado para avaliar com rigor o impacto desta intervenção de melhoria promissora. Desenho do projeto. Análise secundária dos dados provenientes de uma pesquisa amplamente utilizada sobre as experiências dos doentes sobre os cuidados no internamento hospitalar Holandês (Índice de Qualidade do Consumidor (IQC) sobre Cuidados no Internamento Hospitalar). Local. Pesquisa das experiências dos doentes, sobre os cuidados no internamento hospitalar, de 78 hospitais Holandeses. Participantes doentes internados, selecionados aleatoriamente a partir de 78 hospitais Holandeses, que tiveram internados pelo menos uma noite, entre Outubro de 2006 e Outubro de Principais resultados avaliados. A variância explicada nas experiências dos doentes a nível do serviço, em comparação com a variância explicada a nível do hospital. As diferenças significativas nas experiências dos doentes entre os diferentes tipos de serviços, expressos em coeficientes de regressão. As experiências dos doentes foram avaliadas utilizando indicadores de qualidade validados, calculados a partir de itens específicos da pesquisa. Resultados. Adicionar o nível do serviço às análises das experiências dos doentes é estatisticamente válido para um número de indicadores de qualidade do IQC sobre Cuidados no Internamento Hospitalar, e permitirá a apresentação de resultados mais detalhados dentro dos hospitais. Além disso, os resultados indicaram que existem algumas diferenças sistemáticas nas experiências dos doentes entre tipos específicos de serviços hospitalares nos vários hospitais. No entanto, a proporção da variância nas experiências explicada tanto pelo serviço como pelo hospital é limitada (máx. 14%). Conclusões. As análises da informação da qualidade relativas às experiências dos doentes sobre os cuidados no internamento hospitalar devem ter em conta não só o nível hospitalar, mas também o nível mais específico do serviço. Patient experiences of inpatient hospital care: a department matter and a hospital matter As experiências dos doentes sobre os cuidados no internamento hospitalar: uma questão de serviço e uma questão de hospital KROL MAARTEN W., DE BOER DOLF, SIXMA HERMAN, VAN DER HOEK LUCAS, RADEMAKERS JANY J.D.J.M., DELNOIJ DIANA M. Int J Qual Health Care 27: Objetivo. Examinar o valor acrescentado da avaliação e possível apresentação das experiências dos doentes a nível do serviço, para além de a nível do hospital, e explorar a possibilidade das experiências dos doentes diferirem de acordo com o tipo de serviço hospitalar. The association between patient-reported incidents in hospitals and estimated rates of patient harm A associação entre os incidentes reportados pelos doentes nos hospitais e as taxas estimadas de danos sofridos pelos doentes BJERTNAES OYVIND, DEILKÅS ELLEN TVETER, SKUDAL KJERSTI EEG, IVERSEN HILDE HESTAD, BJERKAN ANNE METTE Int J Qual Health Care 27: Objetivo. O objetivo deste estudo foi testar a associação entre as taxas de incidentes reportados pelos doentes e de danos sofridos pelos doentes, documentadas nos processos clínicos dos doentes. C8

3 Desenho do projeto. O estudo foi uma análise secundária de duas avaliações hospitalares, a nível nacional, realizadas em Local. Nos serviços hospitalares na Noruega. Participantes. A pesquisa dos doentes foi uma pesquisa padrão nacional sobre as experiências dos doentes, realizada a nível hospitalar nos 63 hospitais da Noruega. A revisão dos processos clínicos dos doentes foi realizada por 47 ferramentas-gatilho globais (FGGs) nos 19 hospitais trusts e 4 hospitais privados. Os dois conjuntos de dados foram combinados ao nível da unidade, produzindo experiências dos doentes comparáveis e dados FGG para 7 serviços, 16 hospitais e 11 hospitais trusts. Intervenção. Nenhuma intervenção. Principais resultados avaliados. A correlação, ao nível da unidade, entre o instrumento para reportar incidentes pelos doentes no hospital (I-RIDH) e as taxas estimadas de danos sofridos pelos doentes a partir da ferramenta-gatilho global (FGG). Resultados. O índice I-RIDH foi significativamente correlacionado com todos os indicadores da experiência reportados pelos doentes a nível individual, com estimativas para todos os eventos de danos sofridos pelos doentes (categorias E-I) a nível da unidade (r = 0.62, p <0.01), e com as estimativas de eventos de danos mais graves nas categorias F-I (r = 0.42, p <0.05). Conclusões. Os incidentes reportados pelos doentes nos hospitais, medidos pelo I-RIDH, estão fortemente correlacionados com as taxas de danos sofridos pelos doentes com base na FGG. Isto indica que os incidentes reportados pelos doentes estão relacionados com a segurança do doente, mas é necessária mais investigação para confirmar a utilidade dos relatos dos doentes na avaliação da segurança do doente. The impact of varying patient populations on the in-control performance of the risk-adjusted CUSUM chart O impacte da variação das populações de pacientes no controlo e desempenho do gráfico CUSUM ajustados ao risco TIAN WENMENG, SUN HONGYUE, ZHANG XIANG, WOODALL WILLIAM H. Int J Qual Health Care 27: Contexto. O gráfico CUSUM ajustado ao risco, é amplamente utilizado para a detecção de melhoria ou deterioração do desempenho cirúrgico quando há uma mistura de pacientes com diferentes riscos pré-operatórios. Com este método, existe um ajustamento para o risco pré-operatório noque respeita ao insucesso cirúrgico de cada paciente e é aplicado um método de pontuação baseado na probabilidade para obter as estatísticas de monitorização. Várias investigações avaliaram a aplicação deste método na monitorização de resultados clínicos. Métodos. Examinamos o efeito da variação das distribuições da população de pacientes sobre o desempenho no controle do gráfico Bernoulli CUSUM ajustado ao risco por amostragem dos scores de Parsonnet com a substituição de cinco subgrupos de uma dada distribuição. Resultados. Os resultados das simulações mostram que a amplitude de controle de média de corridas (ARLs) do gráfico Bernoulli CUSUM ajustado ao risco, com limites de controle fixos e uma determinada equação de ajuste de risco varia significativamente para diferentes distribuições de população de pacientes, e as ARLs de controlo diminuem à medida que a média das pontuações Parsonnet aumentam. Conclusões. Os resultados das simulações sugerem que os limites de controlo devem variar de acordo com a população de paciente em análise, afim de controlar o comportamento do método de Bernoulli CUSUM ajustado ao risco. Organizational culture affecting quality of care: guideline adherence in perioperative antibiotic use Cultura organizacional que afeta a qualidade dos cuidados: adesão à guideline na utilização de antibiótico no perioperatório UKAWA NAOTO, TANAKA MASAYUKI, MORISHIMA TOSHITAKA, IMANAKA YUICHI Int J Qual Health Care 27: Objectivo. O objectivo deste trabalho foi elucidar aspectos da cultura organizacional associados ao desempenho hospitalar com antibioterapia profiláctica no perioperatório utilizando dados quantitativos num estudo multicentrico e multi-dimensional. Desenho. Estudo transversal retrospectivo utilizando informação de um questionário e dados administrativos. Cenário/Participantes entrevistados de 83 hospitais de agudos no Japão no estudo da cultura organizacional, e pacientes para a análise de indicadores de qualidade. Principal resultado Medido. Modelos multinível de várias dimensões culturais foram utilizados para analisar a associação entre a cultura organizacional dos hospitais e a adesão à guideline. A variável dependente foi a adesão ou não adesão às directrizes japonesas e do CDC, a nível do paciente. A principal variável independente foi a categorização dos grupos C9

4 hospitalares de acordo com a pontuação da cultura organizacional. Outras variáveis de controle incluíram características hospitalares tais como a propriedade, o número de camas, região e nível de urbanização do local. Resultados. A análise multinível mostrou que os hospitais com uma pontuação alta na cultura organizacional eram mais propensos a aderir às directrizes japonesas e do CDC quando comparados com hospitais com menor pontuação. Em particular, o grupo hospitalar com altos scores na colaboração e na dimensão crescimento profissional teve três vezes mais probabilidades de adesão às directrizes japonesas em comparação com hospitais com baixa pontuação. Conclusões. O estudo revelou que vários aspectos da cultura organizacional foram associados à adesão às directrizes para a utilização de antibióticos no perioperatório. Gestores hospitalares que visam melhorar a qualidade dos cuidados podem beneficiar se apostarem na melhoria da cultura organizacional hospitalar. Quality and extent of informed consent for invasive procedures: a pilot study at the institutional level in Turkey Qualidade e extensão do consentimento informado para procedimentos invasivos: um estudo piloto a nível institucional na Turquia DOGAN H. HANZADE, IŞIK ELIF, VURAL EZGI, VEHID HAYRIYE, BREZIS MAYER Int J Qual Health Care 27: riscos, a taxa de doentes que estavam dispostos a participar na tomada de decisão e a taxa de doentes que ficaram satisfeitos com todo o processo de tomada de decisão. Resultados. Todos os doentes assinaram o termo de consentimento. A maioria dos doentes não leu corretamente o termo de consentimento, uma vez que eles confiaram nos seus médicos. A potencial exposição ao risco pareceu ser importante para as expectativas dos doentes. Conclusões. O paternalismo pareceu dominar o ambiente clínico. O processo de consentimento informado foi definitivamente uma questão separada do assinar os termos de consentimento. Concluímos que o processo de consentimento informado deve ser modificado para ser mais funcional e adequado à psicologia humana. Sugerimos que a educação é necessária para o consentimento informado, de modo a promover uma melhor qualidade e segurança nos cuidados de saúde. Frequency of ambulatory care adverse events in Latin American countries: the AMBEAS/PAHO cohort study Frequência de eventos adversos nos cuidados ambulatórios em países latino-americanos. O estudo Coorte AMBEAS/PAHO MONTSERRAT-CAPELLA DOLORS, SUÁREZ MANUEL, ORTIZ LIDIA, MIRA JOSÉ JOAQUÍN, DUARTE GAITÁN HERNANDO, REVEIZ, LUDOVICK, ON BEHALF OF THE AMBEAS GROUP Int J Qual Health Care 27: Objetivo. Avaliar a qualidade do consentimento informado em doentes submetidos a procedimentos invasivos e revelar as preferências dos doentes para serem informados sobre os potenciais riscos do tratamento e as alternativas ao mesmo. Desenho do projeto. Este estudo foi planeado como um estudo piloto. Foram exploradas as perceções e as expetativas sobre o processo de consentimento informado dos doentes hospitalizados num serviço de cirurgia geral. O questionário desenvolvido foi preenchido durante entrevistas com os doentes. Local. As enfermarias do serviço de cirurgia geral de um grande hospital universitário em Istambul, Turquia. Participantes. A população do estudo consistiu em doentes internados no serviço de cirurgia geral, que foram submetidos a procedimentos invasivos em Março de Principais resultados avaliados. Foi avaliado o reconhecimento dos termos de consentimento pelos doentes, a taxa relacionada com o quanto os doentes se recordam dos Objectivo. Determinar a frequência e a preventabilidade de eventos adversos (EAs), a partir de fontes de informação disponíveis, nos locais de atendimento ambulatório seleccionados na América Latina (AL). Métodos. Foi realizada uma coorte observacional multinacional de pacientes seguidos em ambulatório, seleccionados aleatoriamente, para determinar o período de prevalência (foco retrospectivo) e a incidência cumulativa (foco prospectivo) de EAs. A existência de EA foi decidida com base em informações fornecidas pelo paciente, cruzando a mesma com o histórico médico de cada paciente. Medidas. ocorrência de EA seis meses antes ( prevalência) e 42 dias após (incidência) do paciente receber cuidados ambulatórios. Tipo de EA e preventabilidade também foram avaliados. Resultados. Dois mil e oitenta pacientes participaram no estudo. A prevalência EA foi de 5,2% (108/2080) (IC 95% 4,2 6,1%), e incidência cumulativa foi de 2,4% (42/1757) (IC 95% 1,7% 3,1%). Os EA considerados evitáveis foram de C10

5 44% (55/108) na componente de prevalência, e 52,4% (22/ 42) na componente de incidência. A preventabilidade foi associada a, status socioeconómico do paciente (OR 3,5, IC 95% 1,4 8,8), erro na medicação (OR 0,1, IC 95% 0,0 0,4), erro de diagnóstico (OR 0,1, IC 95% 0,0 0,8) e um menor impacte sobre o paciente (OR 0,2 IC de 95% 0,1 0,9). Conclusão. A frequência de EA em contexto de ambulatório na América Latina está na faixa de pesquisas voltadas para a prevalência de eventos adversos de alta frequência. Cinquenta por cento dos EA era evitável. Este estudo fornece uma abordagem para avaliar a frequência e a preventabilidade de EA, afim de melhorar a segurança do paciente na América Latina. Fidelity of implementation to a care team redesign and improved outcomes of diabetes care Fidelidade da implementação de uma equipa reestruturada de cuidados e melhoria dos resultados dos cuidados na Diabetes GRACE SHERRY M., RICH JEREMY, CHIN WILLIAM, RODRIGUEZ HECTOR P. Int J Qual Health Care 27: Objetivo. Avaliar a fidelidade da implementação (FDI) para as características pretendidas de uma equipa reestruturada de cuidados de saúde primários, que integrou enfermeiros registados gestores de cuidados (EGCs) e treinadores de saúde dos doentes (TSDs) nas equipas de cuidados existentes. Foi examinada a relação entre a classificação FDI e as melhorias nos resultados intermédios dos cuidados na Diabetes. Desenho do projeto. Foi avaliada a FDI através de entrevistas aos membros da linha da frente da equipa de cuidados de saúde primários (n = 20). Foi explorada a relação entre a FDI e os resultados dos cuidados na Diabetes (n = doentes) durante um período de 3 anos ( ). Uma regressão multivariada multinível estimou a relação entre a FDI e as melhorias nos resultados dos cuidados na Diabetes. Local. Cinco consultórios de cuidados de saúde primários na grande Los Angeles, Califórnia, EUA. Participantes doentes adultos com Diabetes; 20 médicos e funcionários, da linha da frente, nos cuidados de saúde primários. Principais resultados avaliados. Controlo da pressão arterial, da hemoglobina A1c (HbA1c) e do colesterol das lipoproteínas de baixa densidade (LDL-C) nos doentes adultos diabéticos. Resultados. Todos os consultórios melhoraram o controlo do LDL-C nos doentes diabéticos ao longo do tempo. Nas análises ajustadas, o consultório com a FDI mais elevada conseguiu a maior melhoria no controlo da pressão arterial e da HbA1c nos doentes diabéticos. Em contraste, o consultório com a FDI mais baixa teve a menor melhoria no controlo da pressão arterial, da HbA1c e do LDL-C. A FDI foi um preditor inconsistente dos resultados intermediários dos cuidados na Diabetes nos outros consultórios. Conclusão. A avaliação da FDI pode ser útil para a identificação de baixas FDI face a uma reestruturação, de modo a que sejam fornecidos a assistência técnica e os recursos, para melhorar o funcionamento da equipa e os resultados dos doentes. Uma FDI elevada pode permitir maiores níveis de melhoria nos resultados dos doentes, em contexto de consultórios de cuidados de saúde primários reestruturados. Multicentre study to develop a medication safety package for decreasing inpatient harm from omission of time-critical medications Estudo multicêntrico para desenvolver um pacote de segurança do medicamento para diminuir o erro por omissão durante o internamento GRAUDINS LINDA V., INGRAM CATHERINE, SMITH BRODIE T., EWING WENDY J., VANDEVREEDE MELITA Int J Qual Health Care 27: Resumo. A questão da qualidade omitindo medicamentos de tempo críticos leva a atrasos no tratamento e pode resultar em danos para o paciente. Estudos de avaliação, inicial publicados, mostram que a omissão das dosagens de medicamentos prescritos é comum. Embora a maioria seja inconsequente, até 86% dos medicamentos omitidos coloca os pacientes em algum grau de risco. Solução. O financiamento foi obtido para desenvolver um pacote de segurança do medicamento para facilitar a diminuição dos incidentes relativos a doses omitidas através de auditorias, educação e feedback. Implementação. Um grupo de trabalho composto por pessoal de enfermagem e profissionais de farmácia do hospital em Victoria, Austrália, fez uma revisão das ferramentas de auditoria existentes e de estudos publicados para desenvolver uma lista de medicamentos críticos e uma C11

6 ferramenta de auditoria. A ferramenta, as definições e instruções foram testadas em onze hospitais rurais, urbanos e de ensino. Foi procurada resposta qualitativa para melhorar a ferramenta usando um modelo de PDSA. Foi feita uma apresentação educativa utilizando incidentes relatados. A equipa de avaliação testou a ferramenta de auditoria em 321 pacientes que receberam 17, 361 doses de medicação, no total dos onze hospitais. O feedback dos dados recolhido da auditoria foi útil para introduzir melhorias na prática e para o processo de acreditação. O material didático é composto pelo Guia do Utilizador, além de uma apresentação para o pessoal de enfermagem ilustrada com seis casos com perguntas, com instruções sobre como diminuir o dano por doses omitidas, garantindo documentação correta e prioridade dos medicamentos de tempo crítico. Lições aprendidas. Um pacote de segurança do medicamento, usando definições padrão e uma lista de medicamentos críticos foi testado com sucesso. É agora utilizado por pessoal de enfermagem e técnicos de farmácia em todo o estado. Vários hospitais interestaduais estão a utilizar as ferramentas como parte dos seus programas de segurança de medicação hospitalar. C12

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

Instruções para o preenchimento

Instruções para o preenchimento Instruções para o preenchimento Este questionário está desenhado para apoiar os sistemas (organizações, serviços) na avaliação e aperfeiçoamento dos cuidados prestados ao doente crónico. Os resultados

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Gestão do Risco Clínico e Segurança do Doente. Dia do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira

Gestão do Risco Clínico e Segurança do Doente. Dia do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira Gestão do Risco Clínico e Segurança do Doente Dia do Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira Paula Rodrigues 26 Março 2015 A Antares Consulting é uma empresa especializada exclusivamente no setor da

Leia mais

O MANEJO DO DIABETES MELLITUS

O MANEJO DO DIABETES MELLITUS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia A QUALIDADE DA ATENÇÃO PRIMÁRIA RIA E O MANEJO DO DIABETES MELLITUS Autores: Marcelo R. Gonçalves

Leia mais

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS

CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS CURSO DE EPIDEMIOLOGIA BÁSICA PARA PNEUMOLOGISTAS Ana M.B. Menezes 1 e Iná da S. dos Santos 2 1 Prof a Titular de Pneumologia Faculdade de Medicina UFPEL 1 Presidente da Comissão de Epidemiologia da SBPT

Leia mais

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011

Resultados. Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses. 21. Novembro. 2011 Resultados Estudo Piloto de Avaliação da Cultura de Segurança do Doente em Hospitais Portugueses 21. Novembro. 2011 Características do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSPSC) Agency

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

Sobredosagem de paracetamol em doentes hospitalizados

Sobredosagem de paracetamol em doentes hospitalizados Sobredosagem de paracetamol em doentes hospitalizados Li Zhou, MD, PhD ISQUA Webinar 10 de Setembro de 2013 Sobredosagem de paracetamol em doentes hospitalizados Li Zhou, MD, PhD Gestora de apoio à decisão

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente

Indicadores de Segurança do Paciente Indicadores de Segurança do Paciente Carla Gouvêa Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) Roteiro da Apresentação Características e atributos dos indicadores

Leia mais

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014

NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 NÚMERO: 025/2013 DATA: 24/12/2013 ATUALIZAÇÃO 20/01/2014 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Hospitais Segurança do Doente Conselhos de Administração

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

3 Certificação da qualidade em saúde

3 Certificação da qualidade em saúde 3 Certificação da qualidade em Acreditação (IQS/HQS e JCI) vs. Certificação (ISO 9001) Escola Superior de Saúde do Vale do Ave Acreditação Processo formal de assegurar a prestação de cuidados de seguros

Leia mais

TRAINING THE ESSENTIALS

TRAINING THE ESSENTIALS 1 st RESEARCH METHODOLOGY SCHOOL What needs to be done? Esta edição pretende ser uma proposta de formação metodológica avançada suplementar para estudantes de pós-graduação, investigadores e profissionais

Leia mais

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt Suporte à Autogestão na Doença Crónica SelfManagementSupport@ensp.unl.pt !" #$ # Tantos Doentes, Tão Pouco Tempo Distribuição de Necessidades em Saúde (Kaiser Permanente) COMUNIDADE SUPORTE AUTOGESTÃO

Leia mais

Perceção de valor das análises clínicas

Perceção de valor das análises clínicas Perceção de valor das análises clínicas Maio Abril 2013 OBJETIVOS DA INVESTIGAÇÃO» Grau de preocupação com os cuidados de saúde;» Hábitos/ comportamentos de procura de informação sobre saúde;» Hábitos

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Validade em Estudos Epidemiológicos

Validade em Estudos Epidemiológicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva em Estudos Epidemiológicos : termo derivado do latim validus ( forte ) A validade de um estudo epidemiológico está associada

Leia mais

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro*

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Fabiana Floriano, Luis Eugênio de Souza, Madalena de Passos, Breno Amaral, Augusto Conti e Isaac de Matos Jr. *Projeto

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012

As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 As TIC e a Saúde no Portugal de 2012 11 de dezembro de 2012 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Patrocinador Ouro Patrocinador Prata Patrocinador Bronze Apoios Patrocinadores Globais Soluções de Mobilidade

Leia mais

BONA: CHAMADA PARA A AÇÃO 10 Ações para a melhoria da proteção radiológica em medicina na próxima década

BONA: CHAMADA PARA A AÇÃO 10 Ações para a melhoria da proteção radiológica em medicina na próxima década BONA: CHAMADA PARA A AÇÃO 10 Ações para a melhoria da proteção radiológica em medicina na próxima década Texto da posição conjunta da AIEA e da OMS A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) realizou

Leia mais

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br

Torre de Babel. Endereço para correspondência: wmendes@ensp.fiocruz.br Torre de Babel Walter Vieira Mendes Júnior 1 1 - Doutor em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Professor e pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz. Avaliador de serviços

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente na Rede de Atenção à Saúde. Walter Mendes ENSP/FIOCRUZ

Qualidade e Segurança do Paciente na Rede de Atenção à Saúde. Walter Mendes ENSP/FIOCRUZ Qualidade e Segurança do Paciente na Rede de Atenção à Saúde Walter Mendes ENSP/FIOCRUZ Envolvimento da Fiocruz no tema segurança do paciente Revisão Estudo de incidência Estudo de prevalência Triggers

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos

Patient Safety. Diagnóstico da Realidade Nacional. 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica. Susana Ramos Patient Safety 1º Workshop Formativo sobre Segurança Clínica Susana Ramos Junho 2008 : Projectos de Acreditação nos Hospitais 1999 Manual da Qualidade: Normas e Critérios área da Saúde Normas - Gestão

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus

Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus Mapa do Conhecimento do Paciente de Diabete Mellitus SERGIO DE CARVALHO E SILVA Laboratório de Pesquisa em Ciências de Serviços (LaPCiS), Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS),

Leia mais

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade

Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia. Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Aplicação do FMEA nas Centrais de Quimioterapia Mario Luiz P. Ferreira Área da Qualidade Introdução O tema Segurança do Paciente se transformou em preocupação, nas instituições de saúde, a partir de 2003

Leia mais

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa

Capítulo 3. Sumário do Capítulo. Sumário do Capítulo. Desenho da Pesquisa Capítulo 3 Desenho da Pesquisa 3-1 Sumário do Capítulo 1) Introdução 2) Desenho da Pesquisa: Definição 3) Desenho da Pesquisa: Classificação 4) Pesquisa Exploratória 5) Pesquisa Descritiva i. Desenho Secção

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO:

Tratamento multidisciplinar na doença renal crônica prédialítica: uma análise de custo-efetividade T Í T U LO DA APRESENTAÇÃO: Universidade Federal de Juiz de Fora Programa de Pós-Graduação em Saúde Área de Concentração Saúde Brasileira Niepen Núcleo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Tratamento em Nefrologia Disciplinas:

Leia mais

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Governação Clínica e Qualidade: a relevância da Gestão Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Termos de referência Governação Clínica e Qualidade A governação clínica procede

Leia mais

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida

2 Fase conceptual da investigação. 2.1. Objectivos e perguntas de partida 2 Fase conceptual da investigação 2.1. Objectivos e perguntas de partida Investigação científica Deve iniciar-se com a formulação de um problema O objectivo da investigação é a solução desse problema.

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 27 de Outubro de 2009 9:21 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar?

Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Implementar programas de qualidade e de segurança do doente: que ganhos podemos esperar? Maria João Lage, Paulo Sousa A centralidade que as questões da Qualidade têm na área da saúde é um fenómeno relativamente

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente Eliana Dias Matos Tuberculose Multirresistente Definição Resistência simultânea à Rifampicina e Isoniazida, associada ou não à resistência a outros

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007

MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 MESTRADO EM PESQUISA DE MERCADOS 2006 2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 1º trimestre PESQUISA DE MERCADOS Objectivos Pretende-se que os alunos: (a) adquiram os conceitos e semântica próprios do tema, (b)

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Qualidade d em Saúde (Portugal) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Novas realidades na saúde : Organizações muito complexas e sofisticadas Grande aumento das expectativas

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Custos associados à malária na gravidez na Amazônia Brasileira

Custos associados à malária na gravidez na Amazônia Brasileira Custos associados à malária na gravidez na Amazônia Brasileira Camila Botto-Menezes 1, Azucena Bardají 2, Flor Martínez-Espinosa 2, Kara Hanson 3, Silke.Lutzelschwab 3, Clara Menéndez 2, Elisa Sicuri 2

Leia mais

Indicadores para Gestão e Qualidade em Auditoria

Indicadores para Gestão e Qualidade em Auditoria Indicadores para Gestão e Qualidade em Auditoria AGRAVOS CAMARA DE ARBITRAGEM INDICADORES GERENCIAIS NEGOCIAÇÕES ATENÇÃO À SAÚDE CUSTOS ASSISTENCIAIS PARAMETRIZAÇÃO AUDITORIA MÉDICA MEDICINA BASEADA EM

Leia mais

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO

DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO DR. Eduardo Reis de Oliveira CEO Percentual dos consumidores por tipo de contratação 19.9% Individual Planos novos 66.9% Coletivo Empresarial 13.2% Coletivo por Adesão 202.455.983 Brasileiros 50.270.398

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES PORTADOR DE DOENÇA RENAL CRÔNICA EM HEMODIÁLISE Marta Isabel Valente Augusto Moraes CAMPOS, Maria do Rosário Gondim PEIXOTO, Edna Regina Silva PEREIRA, Ana Tereza Vaz de

Leia mais

O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico

O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico O Plano Terapêutico no Sistema de Gestão Integrada do Plano Terapêutico José Feio Farmacêutico dos Hospitais da Universidade de Coimbra 1º Congresso Internacional de Sistemas e Tecnologias de Informação

Leia mais

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008

Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude. Abril/2008 Introdução à Economia da Saúde Everton Nunes Sabino da Silva Pôrto Junior www.ufrgs.br/economiadasaude Abril/2008 Tópicos Introdução à Economia da Saúde : Definição de Economia da Saúde; Gasto em Saúde;

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões

Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões Seminário Financiar, pagar, contratualizar em saúde. Das actividades aos resultados Principais Conclusões Financiar Pagar Contratualizar Cidadão Actividades Resultados ÍNDICE MODELO DE FINANCIAMENTO HOSPITALAR

Leia mais

Introdução à Informática Médica. Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto

Introdução à Informática Médica. Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto Serviço de Bioestatística e Informática Médica Faculdade de Medicina Universidade do Porto Registos Clínicos Electrónicos Novembro 2003 Registos Clínicos Electrónicos 1 Motivação mediclicks 2003 (C) Processo

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

Avaliação de eventos adversos cirúrgicos em hospitais do Rio de Janeiro. por. Maria de Lourdes de Oliveira Moura

Avaliação de eventos adversos cirúrgicos em hospitais do Rio de Janeiro. por. Maria de Lourdes de Oliveira Moura Avaliação de eventos adversos cirúrgicos em hospitais do Rio de Janeiro por Maria de Lourdes de Oliveira Moura Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências na área de Saúde

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE

SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO. Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE SEGURANÇA NA MEDICAÇÃO Câmara de Apoio Técnico- COREN SP PROJETO COREN SP 2010 SEGURANÇA DO PACIENTE Erro de Medicação Complexidade do sistema de saúde Ambientes especializados e dinâmicos Condições que

Leia mais

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A.

Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Áurea Sousa /Deptº. Matemática U.A. Métodos Estatísticos Mestrado em Gestão (MBA) Objectivos O que é a estatística? Como pode a estatística ajudar? Compreender o método de análise estatística; Reconhecer problemas que podem ser resolvidos

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1

Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Saúde do Idoso 1ª Pesquisa sobre a Saúde e Condições de Vida do Idoso na Cidade do Rio de Janeiro. Ano 2006 1 Alcides Carneiro 2 Lucia Santos 3 Palavras Chaves: Metodologia científica; análise estatística;

Leia mais

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO

ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO ERRO DE MEDICAÇÃO EM HOSPITAL PÚBLICO DA ZONA SUL DE SÃO PAULO Autor: Celiane Crivelli Alves Co-autores: Ana Cristina Rossetti Raquel A. dos Santos Tatiana de Carvalho Ramos Cláudio Alves de Souza Carla

Leia mais

ANÁLISE ANÁ DE DADOS DAD

ANÁLISE ANÁ DE DADOS DAD ANÁLISE DE DADOS Maputo, Moçambique 2008 Objectivos No final deste módulo espera-se que o participante seja capaz de: Distinguir as etapas na Análise de Dados Qualitativos Distinguir as etapas na Análise

Leia mais