IV CimeIra ibérica de líderes em saúde Regiões europeias saudáveis: envelhecimento saudável. Santiago de Compostela Fevereiro 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV CimeIra ibérica de líderes em saúde Regiões europeias saudáveis: envelhecimento saudável. Santiago de Compostela Fevereiro 2014"

Transcrição

1 IV CimeIra ibérica de líderes em saúde Regiões europeias saudáveis: envelhecimento saudável Santiago de Compostela Fevereiro 2014 Entidade anfitriã Organização Apoio institucional Parceria Institucional Promotor do Relatório

2 Contextualização Do modelo social europeu fazem parte os sistemas de saúde e de solidariedade, fundamentais para a justiça e coesão sociais. Entre os países da comunidade europeia e entre as regiões de cada país estes sistemas têm assim relevância central na prestação de serviços aos que deles necessitam. É consensual que uma das consequências positivas do desenvolvimento e da melhoria dos cuidados de saúde é o aumento do número de pessoas que vive mais anos, neste velho continente, deste fenómeno resulta a alteração dos padrões e incidência das patologias. É, assim, crítico adaptar os cuidados de saúde prestados através tanto da rede formal como da rede informal se não queremos comprometer a sustentabilidade dos sistemas de saúde. Estas alterações terão que ter reflexos nas problemáticas da gestão das administrações dos serviços centrais e regionais de saúde. Por tudo isto a União Europeia, através da Parceria europeia de inovação no domínio do envelhecimento activo e saudável, considera que os sectores público e privado têm que se debruçar sobre as necessidades de apoio contínuo, planificação, investigação e inovação no campo do envelhecimento saudável. De acordo com esta Parceria, o objectivo final é aumentar em dois anos o tempo médio de vida saudável dos cidadãos europeus até A utilização de novas tecnologias, os cuidados aos doentes crónicos e a prestação de serviços de saúde no domicílio aos idosos, assim como a disponibilização de outros serviços (formação, disponibilização de meios, etc.) aos seus cuidadores devem ser incentivados se se pretender gerar sinergias bem sucedidas entre os serviços de cuidados de saúde e os serviços de apoio social.

3 Health Healthy life years Health Healthy life years Figure 1: Healthy life years at birth, females, (years) EU-27 (1) 62,6 62,2 62,0 62,7 62,2 Belgium (1) 63,9 64,2 63,7 62,6 63,5 Bulgaria 73,9 65,7 65,9 67,1 65,9 Czech Republic 63,3 63,4 62,7 64,5 63,6 Denmark 67,4 61,0 60,4 61,4 59,4 Germany 58,6 57,7 58,1 58,7 58,7 Estonia 54,9 57,5 59,2 58,2 57,9 Ireland (1) 65,6 65,0 65,2 67,0 66,8 Greece 67,4 66,1 66,8 67,7 66,9 Spain 63,2 63,6 62,2 63,9 65,8 France 64,4 64,6 63,5 63,5 63,6 Italy (1)(2) 62,5 61,9 62,6 67,6 62,7 Cyprus 62,9 65,4 65,6 64,2 61,4 Latvia 54,1 54,6 56,2 56,7 56,7 Lithuania 58,2 59,9 61,2 62,4 62,1 Luxembourg 64,6 64,4 65,9 66,4 67,1 Hungary 57,8 58,3 58,2 58,6 59,1 Malta 71,1 72,3 71,0 71,6 70,7 Netherlands 64,3 59,9 60,1 60,2 59,0 Austria 61,5 59,7 60,8 60,7 60,4 Poland 61,5 63,0 62,5 62,3 63,3 Portugal 57,8 57,6 56,4 56,6 58,7 Romania (2) 62,6 62,9 61,7 57,5 57,1 Slovenia (2) 62,3 60,8 61,5 54,6 53,8 Slovakia 56,1 52,6 52,6 52,1 52,3 Finland 58,0 59,5 58,6 58,2 58,3 Sweden 66,8 69,0 69,6 71,1 70,2 United Kingdom 66,0 66,3 66,1 65,6 65,2 Iceland 71,6 69,5 68,9 68,1 67,7 Norway (1) 66,1 68,8 67,8 69,8 70,0 (1) 2011, provisional. (2) 2010, break in the serie. Source: Eurostat (online data code: hlth_hlye) EU-27 (1) Belgium (1) Bulgaria Czech Republic Denmark Germany Estonia Ireland (1) Greece Spain France Italy (1)(2) Cyprus Latvia Lithuania Luxembourg Hungary Malta Netherlands Austria Poland Portugal Romania (2) Slovenia (2) Slovakia Finland Figure 1 Sweden United Kingdom Iceland Norway (1) Figure 2 Figure 2: Healthy life years at birth, males, (years) EU-27 (1) 61,7 61,1 61,3 61,9 61,8 Belgium (1) 63,5 63,3 63,9 64,0 63,3 Bulgaria 67,1 62,1 62,1 63,0 62,1 Czech Republic 61,4 61,2 61,1 62,2 62,2 Denmark 67,4 62,1 61,8 62,3 63,6 Germany 59,0 56,3 57,1 57,9 57,9 Estonia 49,7 53,0 55,0 54,1 54,2 Ireland (1) 62,9 63,5 63,7 65,9 65,7 Greece 66,1 65,8 66,1 66,3 66,4 Spain 63,4 64,1 62,9 64,4 65,3 France 62,8 62,7 62,8 61,8 62,7 Italy (1)(2) 63,3 63,0 63,4 67,6 63,4 Cyprus 63,2 64,5 64,9 65,1 62,4 Latvia 51,0 51,8 52,8 53,5 53,7 Lithuania 53,6 54,8 57,2 57,8 57,1 Luxembourg 62,3 64,8 65,1 64,4 65,8 Hungary 55,1 54,8 55,9 56,3 57,6 Malta 69,1 69,0 69,4 70,2 70,3 Netherlands 66,1 62,4 61,7 61,3 64,0 Austria 58,7 58,3 59,5 59,5 59,8 Poland 57,6 58,5 58,3 58,5 59,1 Portugal 58,5 59,1 58,3 59,3 60,7 Romania (2) 60,6 60,2 59,8 57,5 57,5 Slovenia (2) 58,7 59,5 60,6 53,4 54,0 Slovakia 55,6 52,1 52,4 52,4 52,1 Finland 56,8 58,6 58,2 58,5 57,7 Sweden 67,7 69,4 70,7 71,7 71,1 United Kingdom 64,6 65,0 65,0 65,0 65,2 Iceland 72,8 71,0 68,6 69,3 69,1 Norway (1) 66,6 69,7 69,0 69,8 69,9 (1) 2011, provisional. (2) 2010, break in the serie. Source: Eurostat (online data code: hlth_hlye) EU-27 (1) Belgium (1) Bulgaria Czech Republic Denmark Germany Estonia Ireland (1) Greece Spain France Italy (1)(2) Cyprus Latvia Lithuania Luxembourg Hungary Malta Netherlands Austria Poland Portugal Romania (2) Slovenia (2) Slovakia Finland Sweden United Kingdom Iceland Norway (1)

4 Apresentação da Temática Os desafios físicos e as barreiras sistémicas que os idosos e os doentes crónicos enfrentam, deixam transparecer que, globalmente, os sistemas de saúde não são suficientemente inclusivos, um factor de elevado risco social e económico. Em contrapartida, todos os esforços para garantir que os serviços locais sejam mais inclusivos e proactivos para com as suas populações, podem-se revelar vantajosos do ponto de vista competitivo e da promoção da prosperidade social. Estamos assim perante um novo desafio que visa optimizar a administração pública na conjuntura europeia, em particular ao nível dos serviços de saúde (central e regional) Existe uma relação de causa efeito entre a melhoria do bem-estar da população idosa e o incremento dos níveis da prosperidade saudável nos países da União Europeia? No contexto de austeridade que estamos a vivenciar o desafio diário é: Como vamos reduzir os custos com a saúde sem perder saúde? Não obstante, se nos posicionarmos ao nível da visão estratégica mais construtiva mas localizada nesta temática, a questão poderia ser formulada de forma mais concreta: Como vamos gerar a motivação colectiva necessária para adoptar medidas que garantam que todos os nossos doentes crónicos e idosos disponham de todos os recursos e oportunidades de que necessitam? Quais são, ao nível da prestação de cuidados de saúde, as áreas mais críticas e sensíveis para fomentar projectos reais de efectiva articulação de apoios sociais e de saúde para a melhoria do bem-estar dos idosos e dos doentes crónicos? Tal como foi sugerido na III Cimeira Ibérica de Líderes em Saúde, e aproveitando a implementação da nova legislação transfronteiriça na área da saúde, vamos ainda questionar os contributos das novas tecnologias e dos operadores de seguros privados na área da saúde para um envelhecimento saudável e para o reforço das políticas prestação de cuidados de saúde no âmbito das doenças crónicas.

5 Eixos temáticos A agenda (ainda em construção) incluirá palestras e sessões de trabalho em grupo que incidirão sobre: Modelos de prestação de serviços de saúde a doentes cónicos: que respostas existem nos serviços de saúde para fazer frente ao aumento da prevalência de doenças crónicas relacionadas com o envelhecimento e quais as estratégias de êxito que podem conduzir a modelos de coordenação de referência entre os distintos tipos de serviços de saúde. Coordenação inter-regional para a prestação de apoios sociais e prestação de cuidados de saúde: serão abordadas as políticas de promoção de estilos de vida saudáveis, coesão social e procura de maior eficiência na gestão dos recursos de saúde nas regiões transfronteiriças.

6 Proposta de Valor Apresentamos a IV Cimeira Ibérica de Líderes em Saúde como evento de referência para o debate e procura de respostas para as questões anteriormente colocadas, bem como base para o documento posterior de recomendações para apoiar os esforços estratégicos dos líderes ibéricos de saúde (políticos, intervenientes sociais e empresariais, entre outros). O nosso objectivo: Fomentar mecanismos de cooperação e de partilha de experiências entre os líderes em Saúde da região ibérica.

7 Localização Porquê Galiza? 1. É uma região de referência no que respeita à cooperação transfronteiriça. 2. Neste momento a esperança média de vida na Galiza ultrapassa os 82 anos: 79 para os homens e 85,8 para as mulheres. O maior índice da Europa a seguir ao francês, que tem uma média de 83 anos. 3. Quase habitantes com mais de 80 anos e com mais de 100 anos, principalmente em Ourense e Lugo que, de forma individual, são as povoações mais envelhecidas a nível mundial. 4. Galiza é a região mais envelhecida de Espanha, depois de Castilla León, tem uma população de habitante, dos quais têm mais de 65 anos. O que representa 22,86% da população. Porquê Santiago de Compostela? Santiago de Compostela é a Capital da comunidade autónoma da Galiza e Património da Humanidade pela Unesco desde Sede administrativa do governo autónomo da Galiza conta com boas ligações ferroviárias e rodoviária e dispõe de aeroporto a 10Km do centro da cidade. De referir ainda, a relevância que a formação em medicina tem na sua história, a qual se reflecte num dado curioso: a Faculdade de Medicina foi dos primeiros edifícios a ser construído na Universidade de Santiago que conta agora com mais de 500 anos de existência.

8 O que é a Cimeira Ibérica de Líderes em Saúde? A Cimeira Ibérica é o evento anual do Healthcare Forum, um fórum no qual os líderes regionais em Saúde poderão partilhar as melhores práticas e oportunidades de inovação e no qual podem abordar o sector da saúde a nível Ibérico no âmbito da partilha transfronteiriça. Trata-se de uma oportunidade de promover a partilha e o debate pouco habitual, dado que na União Europeia este tipo de debate se restringe ao contexto nacional de cada país. O Fórum inter-regional tem como objectivo debater as principais semelhanças e diferenças dos sistemas de saúde ibéricos actuais, com vista à produção de um conjunto de recomendações estratégicas na área da saúde e à construção de uma verdadeira União Europeia.

9 Em que consiste a Cimeira Ibérica de Líderes em Saúde? PRÉ-FÓRUM SESSÃO ABERTA SESSÃO PRIVADA I. Preparação II. Painel Plenário III. Painel VIP IV. Painel Think tank V.Análise e produção Identificação dos temas Painel de Oradores VIP Networking Divulgação dos conteúdos Produção de Conteúdos Moderador Participantes Análise de conteúdo Facilitador Líderes White Paper

10 PRÉ-FÓRUM I. Preparação Identificação dos Temas Identificação dos tames chave, de acordó com as tendencias, prioridades e actualidade do sector da Saúde. Preparação da Agenda com o Comité Científico. Investigação e produção de um Thought Starter (Documento onde é definida a dinâmica e dos detalhe metodológicos e conceptuais das sessões). Selecção de um painel de líderes de opinião que convergem na mesma agenda. Identificação de um local e preparação da logística do Fórum Temático. Coordenação com as administrações regionais de saúde.

11 SESSÃO ABERTA II.Painel Plenário Painel de Oradores Participantes Trata-se de um painel chave do programa onde são apresentadas as temáticas da segunda jornada. Num auditório aberto ao público, os líderes de opinião partilham experiências nacionais, regionais e internacionais com o objectivo de reforçar as boas práticas. A sessão tem inicio com uma Mesa de Presidência, liderada pela administração regional anfitriã e da qual fazem parte destacados líderes políticos de ambos os países. Moderador

12 SESSÃO PRIVADA O objectivo da Cimeira é proporcionar o ambiente ideal para a partilha de ideias entre uma comunidade de líderes do sector. Durante as pausas do programa, quer seja nos Coffee Breaks, almoço e jantar VIP, os participantes da iniciativa terão a possibilidade de se reunir com os especialistas e com os líderes de opinião da sessão privada. III.Análise e Painel VIP Networking Em ambientes meticulosamente seleccionados, proporcionamos oportunidades de Networking directas e informais.

13 SESSÃO PRIVADA Segundo Painel Reunião Colaborativa: A Directiva Europeia Transfronteiriça de Saúde define novos desafios aos quais os governantes têm que dar resposta. Tais desafios podem encontrar uma resposta mais eficiente e eficaz através da cooperação e da partilha de experiências inter-regionais. O recurso a mecanismos de acção partilhados entre os governos favorece a adopção de medidas em áreas de actuação de enorme valor: IV. Painel Think tank Produção de conteúdos - na área da investigação e desenvolvimento - na área da definição das politicas de administração pública para a saúde A colaboração público-privada na área da saúde e, em particular, entre a indústria e as autoridades de saúde - sejam elas locais, regionais, nacionais ou europeias - é também um factor chave para o sucesso e para a expansão do horizonte de oportunidades. Facilitador Líderes

14 PÓST - FÓRUM Difusão dos conteúdos através dos Media partners e de agências de informação. Produção de um White Paper para utilização futura. Compilação das apresentações dos oradores e partilha com os participantes do Iberian Healthcare Fórum. V. Análise e produção Difusão dos conteúdos Fundación para la Colaboración Consejería de Sanidad Xunta de Galicia Socios de la iniciativa White Paper

15 Metodologia do evento O objectivo da Fundación para la Colaboración é fomentar o diálogo construtivo através dos nossos eventos internacionais (Collab e Iberian Healthcare Forum) mas também acrescentar valor aos nossos parceiros e clientes. Com mais de 8 anos de experiência com o início do Fórum Hospital do Futuro, para os países de língua portuguesa organizamos eventos público e privados com recurso a metodologias interactivas que proporcionam extraordinárias condições de trabalho/ debate em grupo. Aqui ficam algumas dessas metodologias: Open Space Technology World Café

16 Open Space Technology Para as reuniões, eventos e organizações onde se aplica a metodologia em Espaço Aberto ; os participantes criam e coordenam a sua própria agenda paralela baseada em sessões de trabalho sobre um tema central, com importância estratégica. Com grupos que podem ir de 5 a pessoas que trabalham em sessões de um dia - conferências de até tres, ou ainda aplicada a reuniões periódicas de pessoal; o resultado que se obtém é uma poderosa e eficiente correlação entre os participantes, assim como o fortalecimento das relações internas e da coesão em torno que está a acontecer na organização. Ainda que a visualização da metodologia em Espaço Aberto possa ser aparentemente percebida como uma dinâmica desestruturada e potencialmente geradora de vazio, na realidade o seu desenho é bastante organizado e passa, intencionalmente, despercebido ao público a quem se destina a sessão: os próprios participantes.

17 World Café O poder do diálogo é tão invisível e natural na comunicação que passa completamente despercebido. Na realidade esta metodologia potencia o valor do diálogo, vejamos: se pararmos para pensar em todos os mecanismos de aprendizagem e de actividade que têm lugar quando os indivíduo passam de uma conversa para outra e como se poderia isso extrapolar em benefício de uma organização, tanto por dentro como por fora, quer seja entre os seus profissionais, fornecedores, parceiros, clientes, ou outros agentes do ecossistema que, regra geral, existe em torno de uma organização. É disso que se trata! E se tivéssemos em conta todas estas conversas como uma grande e dinâmica pastelaria, que tivesse em conta cada uma das funções e responsabilidades dos diferentes perfis profissionais, em mesas especializadas que, em simultâneo, fazem parte de uma rede mais ampla de debates activos? Que mecanismos básicos seriam gerados com vista à partilha do conhecimento colectivo e à configuração do nosso futuro enquanto grupo?

18 Líderes que participaram na III Cimeira Ibérica Fernando Leal da Costa Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde de Portugal Brígida Mendoza Consejera de Sanidad del Gobierno de Canarias Ana Harfouche Administradora Hospitalar Área Projectos e do Sistema de Custeio de Actividades Clínicas. Instituto Português de Oncología de Lisboa Francisco Gentil, EPE Antonio Torres Olivera Director Gerente de la Agencia de Calidad en Sanitaria de Andalucía José Manuel Freire Jefe del Departamento de Salud Internacional de la Escuela Nacional de Sanidad (ENS) del Instituto de Salud Carlos III Rui Lourenço Administração Regional de Saúde do Algarve João Carvalho das Neves Presidente da ACSS Administração Central do Sistema de Saúde José Robalo Presidente de Conselho Directivo da ADministraçao Regional de Saúde (ARS) do Alentejo Ponciano de Oliveira Vogal do Conselho Directivo da Administraçao Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) Rosa Valente Matos Presidente do Conselho de Administrtrçao da Saudaçor Sociedade Gestora dos Recursos e Equipamentos da Saúde dos Açores SA José Manuel Azenha Tereso Presidente do Conselho Directivo da Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) Beatriz González Catedrática de economía en Universidad de las Palamas de GC. Presidenta de la Sección de Public Health Economics de EUPHA Zaida Sampedro Préstamo Directora General de Sistemas de Información Sanitaria del Servicio Madrileño de Salud Pedro Betancor Catedrático de Medicina Interna, Coordinador de Medicina del Grupo Clínicas San Roque y Director Médico del Hospital San Roque Meloneras Martins dos Santos Presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve, IP

19 Líderes que participaram na III Cimeira Ibérica Antonio Miguel Freitas Ferreira Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, E.P.E. Nelson Baltazar Presidente do Conselho de Administração do SUCH José Robalo Presidente do Conselho Directivo da Administraçao Regional de Saúde (ARS) do Alentejo Ponciano de Oliveira Vogal do Conselho Directivo da Administraçao Regional de Saúde do Norte (ARS Norte) Paulo Neves Administrador executivo HPP Saúde Luís Velez Lapão Professor of International Health Management and Innovation - Instituto de Higiene e Medicina Tropical Universidade NOva de Lisboa) Maria Manuela Alves dos Santos Superintendente do Consórcio Brasileiro de Acreditação Juan Victorian Peralta Biosca Director de la Agrupación Europea de Cooperación Territorial HOSPITAL DE CERDANYA Alexandre Diniz Director do Departamento da Qualidade na Saúde Carlos Mora Lourido Coordinador del Área de Gestión de la Calidad y Atención al Usuario Complejo Hospitalario Universitario Insular-Materno Infantil Esteban Pérez Alonso Responsable Unidad de Cirugía y Profesor Universitario, Complejo Hospitalario Universitario Insular-Materno Infantil de Las Palmas de Gran Canaria Nieves Domínguez González Consellería de Sanidade de Galicia, Servicio Gallego de Salud, Gerente del Servicio Gallego de Salud Eugenia Lado Lema Consellería de Sanidade de Galicia, Servicio Gallego de Salud, Vicegerente del Servicio Gallego de Salud Rosario Fernández Echegaray Médico epidemiólogo, Consejería de Sanidad Junta de Andalucía Francisco Jardim Ramos Secretário Regional dos Assuntos Sociais da Madeira Eva Falcão Directora de Serviços de Coordenação das Relações Internacionais

20 Entidades que apoiaram a edição anterior Entidade anfitriã Parceria institucional Comissão científica Parceria Relatório Organização

21

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de discussão pública Porto, 2 de dezembro de 2014 Apresentado por: Gabriela Prata Dias 1 Conceito de Eficiência Energética (EE) 2 As medidas

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa PARCERIA 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO PARCERIA UMA PUBLICAÇÃO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa APRESENTAÇÃO Depois de duas edições,

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o AÇÕES PRIORITÁRIAS E BOAS PRÁTICAS CIM ALTO MINHO COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO ALTO MINHO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE PONTE DE LIMA 17 DE JULHO DE 2014 O projeto

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização

Sobre este inquérito. Sobre a sua organização Sobre este inquérito Por toda a União Europeia, diferentes organizações proporcionam acesso e formação sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC), juntamente com outros serviços para grupos

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa INICIATIVA INSERIDA NA EVENTO 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO APOIOS UMA PUBLICAÇÃO ALTO PATROCÍNIO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Pesquisa TIC Kids Online Brasil

Pesquisa TIC Kids Online Brasil Semana da Infraestrutura da Internet no Brasil Grupo de Trabalho de Engenharia e Operação de Redes GTER Grupo de Trabalho em Segurança de Redes GTS Pesquisa TIC Kids Online Brasil Parte I: Visão geral

Leia mais

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE.

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Centro de Simulação Biomédica Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Curso Plano de Formação Avançada: Business Intelligence e o Novo Cliente

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

I FÓRUM INTER-REGIONAL DE LÍDERES EM SAÚDE

I FÓRUM INTER-REGIONAL DE LÍDERES EM SAÚDE Cimeira Ibérica de Líderes em Saúde Cumbre Ibérica de Líderes en Sanidad 1 Iberian Summit of Healthcare Leaders Évora (Portugal), 4/5 Fevereiro, 2011 I FÓRUM INTER-REGIONAL DE LÍDERES EM SAÚDE Sumário

Leia mais

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal

Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal Primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde arranca em Portugal É hoje apresentada publicamente a primeira Unidade Empresarial de Serviços Partilhados em Saúde a funcionar em Portugal.

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Que Agricultura para Portugal no Séc. XXI? Desafios e Oportunidades Francisco Cordovil Director do GPP Universidade Évora 16 Dezembro 2011 A Política Agrícola Comum Pós-2013

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA

PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA APRESENTAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL DE COOPERAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA 2007-2013 ÁREA: GALIZA NORTE DE PORTUGAL PARCEIROS: UNIVERSIDADE DE VIGO (UVIGO) CHEFE DE FILA CONFEDERAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DE PONTEVEDRA

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

Maria João da Cruz Nogueira

Maria João da Cruz Nogueira Maria João da Cruz Nogueira Trabalho elaborado para a Oficina de Formação: A Educação Sexual em Meio Escolar: metodologias de abordagem/intervenção Formadoras: Cândida Ramoa, Isabel Leitão Matosinhos Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Valencia, 14/10/2014 Med on the Move

Valencia, 14/10/2014 Med on the Move Valencia, 14/10/2014 Med on the Move Origens do projecto: 3C4 Incubators juntou 9 parceiros de 6 países, de diversos projectos previamente desenvolvidos, financiados pelo Programa MED e pelo INTERREG IV-C.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril

FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril FAUBAI 2014 A Educação Superior Brasileira: Construindo Parcerias Estratégicas Joinville, 12 a 16 de Abril A Internacionalização do Ensino A Experiência Europeia O Ensino Superior Europeu "in a nutshell"

Leia mais

A Política Agrícola Comum pós 2013

A Política Agrícola Comum pós 2013 A Política Agrícola Comum pós 2013 Análise das Propostas Legislativas Francisco Cordovil Director do GPP Auditório da CAP 10 Novembro 2011 Propostas de Reforma da PAC I. Enquadramento e principais elementos

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO DOCUMENTO DE TRABALHO Grupo de trabalho 3 ÁREAS PROTEGIDAS POTENCIAIS ADERENTES À CETS PROGRAMA: Quinta 23 de Novembro: 10:00-13:00 h Introdução à CETS e processo de adesão 14:30-16:00 h Exemplos de Parques

Leia mais

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos Porto, 23 e 24 de Outubro de 2008 Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 Luís Veiga Martins REUTILIZAÇÃO OU RECICLAGEM COEXISTÊNCIA

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico

DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico DURATINET: Rede Transnacional para promover a durabilidade das infra-estruturas de transportes no Espaço Atlântico M. Manuela Salta Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Prof. do Brasil, 101, 1700-066

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa INICIATIVA INSERIDA NA EVENTO 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO APOIOS UMA PUBLICAÇÃO ALTO PATROCÍNIO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da

Leia mais

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas

EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006. Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas EUROPEAN SOCIAL SURVEY 2006 Atitudes face à Prisão Preventiva e à Tortura como forma de evitar actos terroristas Junho 2009 1 Amostra O European Social Survey 3 foi aplicado a amostras aleatórias e probabilísticas

Leia mais

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE

MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE MEDICUS MUNDI EM MOÇAMBIQUE A NOSSA PROPOSTA: CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS: VAMOS TORNÁ-LOS REALIDADE Cuidados de Saúde Primários em Moçambique Já foi há mais de 30 anos que o sonho de Saúde para todos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ZAMORA

DECLARAÇÃO DE ZAMORA V CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE MINISTROS DE TURISMO "A Cooperação Turística como instrumento de desenvolvimento económico e social da Comunidade Ibero-Americana" 6 e 7 DE SETEMBRO DE 2005, ZAMORA (ESPANHA)

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

Conferência Internacional

Conferência Internacional Lisboa, 18, 19 e 20 NOV. 2010 combaterpobreza@iscsp.utl.pt ORGANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO COMISSÃO ORGANIZADORA ENQUADRAMENTO LOCAL ANTEVISÃO DO PROGRAMA CONVITE À APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores Seminário: O Sector Cultural e Criativo A Agenda de Lisboa Programa provisório Presidência Portuguesa UE, 2007 Lisboa, 31 Out. / 1 Nov. Organização: Ministério da Cultura GPEARI Observatório das Actividades

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais

O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais O Ensino Superior na Região da África Austral Tendências, desafios e recomendações actuais Apresentação feita durante a Reunião Extraordinária dos Ministros do Ensino Superior e Formação realizada em Joanesburgo,

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais