AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO EM PROGRAMAS E SERVIÇOS DE SAÚDE MARIA INES BATTISTELLA NEMES DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Avaliação de Serviços em Saúde Modalidade de avaliação em saúde que tem os serviços de saúde como objeto privilegiado, e tem por objetivo produzir conhecimentos cientificamente validados (investigação avaliativa) ou instrumentos de monitoramento (avaliação para gestão), para contribuir na assistência e gestão dos serviços de saúde. Interfaces mais importantes com a medicina (e demais áreas assistenciais), gestão e ciências humanas e sociais. PRINCIPAL CONCEITO: QUALIDADE

2 QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE Maria Ines Battistella Nemes Qualidade e Avaliação Em uma perspectiva bem geral, toda proposta de avaliação, ao procurar conhecer para melhorar, tem como referência uma idéia de qualidade. No entanto, alguns tipos de avaliação que trabalham com conceitos de qualidade explicitamente, como ponto de partida, estabeleceram uma vertente específica de pesquisa e práticas.

3 AVALIAÇÕES DE QUALIDADE estão mais perto da ação imediata dos serviços de saúde Quality of care Origem: Estados Unidos (anos 60) Foco principal:serviços de saúde/cuidado médico

4 Referência: A. DONABEDIAN Aspects of medical care administration, Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press, Definition of quality and approaches to its assessement. In: Explorations in quality assessement and monitoring. Michigan, Health Administration Press, Twenty years of research on the medical care Evaluation & The Health Professions, 8(3): , 1985 Criteria and standards for quality assessment and monitoring. QRB, , march, 1986 The quality of care. How can it be assessed? JAMA, sept 23/24, vol 260 ( 12),1988 The seven pillars of quality. Arch.Pathol. Med., 114: , 1990 Reflections on the Effectiveness of Quality Assurance. In: Palmer, R. H.; Donabedian, A; Povar, G. Striving For Quality In Health Care. An Inquiry into Policy and Practice, Ann Arbor/ Michigan, Health Administration Press, Aportes teóricos gerais da aula BROOK RH, McGLYNN EA, SHEKELLE PG. Defining and measuring quality of care: a perspective from US researchers. International Journal for Quality in Health Care 2000; Volume 12, number 4: pp WALSH K, GOMPERTZ PH, RUDD AG. Stroke care: how do we measure quality? British Medical Journal 2002; Volume 78(920), June 2002: pp RUBIN HR, PRONOVOST P, DIETTE GB. From a process of care to a measure: the development and testing of a quality indicator. International Journal for Quality in Health Care, Volume 13(6) December 2001: pp RUBIN HR, PRONOVOST P, DIETTE GB. The advantages and disadvantages of process-based measures of health care quality. International Journal for Quality in Health Care, Volume 13(6) December 2001: pp CAMPBELL SM, BRASPENNING J, HUTCHINSON A, MARSHALL MN. Improving the quality of health care. Research methods used in developing and applying quality indicators in primary care. BMJ, April 2003; Volume 326: pp

5 AVALIAÇÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS LEMBRAR... TEMA RELACIONADO QUE NÃO SERÁ TRATADO: SISTEMAS GERENCIAIS DE QUALIDADE HOSPITALARES GESTÃO/GARANTIA DE QUALIDADE/QUALIDADE TOTAL Modelos de Avaliação Externa Acreditação Hospitalar Normas ISO Prêmio Nacional da Qualidade Modelos de Avaliação Interna Melhoria Contínua da Qualidade (PDCA)

6 LEMBRAR... muitas avaliações desta vertente não usam o termo qualidade (especialmente no Brasil são comuns outros termos tais como: implantação, condições/ações/atividades estrutura /processo/desempenho resultados/efeitos ) (diferente nos USA, semelhante na Inglaterra, Espanha) QUALIDADE Multidimensional Variável

7 A Donabedian Os sete pilares da qualidade -Eficácia - Efetividade - Eficiência -Otimização - Aceitabilidade - Legitimidade -Eqüidade Valorizar mais ou menos um atributo depende do que está sendo avaliado, com qual objetivo, de quem está avaliando... P/Donabedian a definição pode ser mais absolutista ou mais social (por isso, uma avaliação de qualidade deve sempre começar p/definição de qualidade adotada) Defende, entretanto, que o centro/núcleo da qualidade deve ser o cuidado médico individual

8 ( Pilares da qualidade parecem mais adequados para avaliação de programas) AVALIAÇÃO DA QUALIDADE CENTRADA NO CUIDADO INDIVIDUAL ABORDAGEM DO CUIDADO DIMENSÕES MEDIDAS TÉCNICA INTERPESSOAL AMENIDADES ESTRUTURA PROCESSO RESULTADOS

9 Historicamente : Maior ênfase na dimensão técnica (ou qualidade técnicocientífica).abordagem no hospital Mais recentemente: Consideração de outras dimensões. Abordagem no ambulatório/atenção primária estrutura-processo-resultados relações probabilísticas baseadas em limites aceitáveis pelas ciências clínicas

10 ESTRUTURA PROBLEMAS POTENCIAIS baixa sensibilidade certificação acreditação (parcialmente) (especificidade >?) RESULTADOS PROBLEMAS POTENCIAIS dependem de muitos outros fatores (ajustamento/ amplitude/grandes amostras) tempo de seguimento acurácia inf paciente eventos indesejáveis resultados muito diferentes entre serviços/tempo riscos ajustados bem estabelecidos (utilização de dados 2ários:timeseries)

11 PROCESSO MAIS UTILIZADO PROCESSO: prós e contras Melhoria da qualidade mais imediata Requer menos ajustamento Mais fácil de coletar Uso várias metodologias: dados 2ários/ auditoria/observação Exigências de Validade Amplitude

12 INDICADORES DE QUALIDADE INFEREM JULGAMENTO SOBRE A QUALIDADE DA ATENÇAO Não produzem respostas definitivas, mas indicam problemas potenciais (Distincao necessária:indicadores de performance ou desempenho mecanismos estatisticos de monitoramento sem necessariamente inferir sobre qualidade) METODOLOGIAS ESTABELECIMENTO DE INDICADORES Conceitos de qualidade consagrados socialmente. Estudos experimentais controlados

13 INDICADORES: Tradicionalmente: mensuráveis Indicator: a measurable element of practice performance for which there is evidence or consensus that it can be used to assess the quality, and hence change in the quality, of care provided Review criterion: systematically developed statement relating to a single act of medical care that is so clearly defined it is possible to say whether the element of care occurred or not retrospectively in order to assess the appropriateness of specific healthcare decisions, services, and outcomes Standard: The level of compliance with a criterion or indicator. A target standard is set prospectively and stipulates a level of care that providers must strive to meet. An achieved standard is measured retrospectively and details whether a care provider met a predetermined standard CAMPBELL et all, 2003 Exemplos tradicionais Guideline recommendation If a blood pressure reading is raised on one occasion, the patient should be followed up on two further occasions within x time. Indicator Indicator numerator: Patients with a blood pressure of more than 160/90 mm Hg having had re-measured their blood pressure within 3 months. Indicator denominator: Patients with a blood pressure of more than 160/90 mm Hg. Review criterion If an individual patient s blood pressure was >160/90, was it remeasured within 3 monthsstandard Target standard: 90% of the patients in a practice with a blood pressure of more than 160/90 mm Hg should have their blood pressure re-measured within 3 months. CAMPBELL et all, 2003

14 Desfazendo (um pouco) confusões terminológicas... Quality indicators Quality of care Qualitative evaluation BOSI MLM; UCHIMURAKY. Avaliação da qualidade ou avaliação qualitativa do cuidado em saúde?. Rev Saúde Pública 2007;41(1):150-3 METODOLOGIAS ESTABELECIMENTO DE INDICADORES Estudos comparativos entre serviços que indiquem condições para uma boa prática Muito utilizado: várias técnicas que articulam literatura+experts+pacientes MALLIN JL, ASCH SM, KERR EA, McGLYNN EA. Evaluating the Quality of Cancer Care. Development of Cancer Quality Indicators for a Global Quality Assessment Tool. CANCER, February 1, 2000; Volume 88, number 3: pp

15 METODOLOGIAS ESTABELECIMENTO DE INDICADORES Uso de Traçadores. ocorrência varia de acordo com a efetividade da assistência fácil identificação prevalência suficiente técnicas de prevenção e/ou diagnóstico, e/ou tratamento, e/ou reabilitação relacionadas bem definidas. (Exs: surdez associada à infecção do ouvido médio, câncer cervical). CAMPOS CEA.Estratégias de avaliação e melhoria contínua da qualidade no contexto da Atenção Primária à Saúde Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 5 (Supl 1): S63-S69, dez., 2005 S63 METODOLOGIAS ESTABELECIMENTO DE INDICADORES Utilização de indicadores consagrados/internacionais /baseados em diretrizes clínicas (guidelines) e ou resultados MARSHALL MN, SHEKELLE PG, McGLYNN EA, CAMPBELL S, BROOK RH, ROLAND MO. Can health care qualituy indicators be transferred between countries? Qual Saf Health Care 2002; 12: 8-12

16 METODOLOGIAS TÉCNICAS DE COLETA questionários estruturados (profissionais/gerentes/pacientes) auditoria de prontuários dados de sistemas rotineiros observação/vídeos HERMIDAJ, NICHOLAS DD, BLUMENFELD SN. Comparative validity of three methods for assessment of the quality of primary health care. International Int Journal for Quality in Health Care 1999; 11: METODOLOGIAS ANÁLISE DE DADOS gold-standard variáveis não contínuas técnicas de agrupamento/regressão CAMPBELL SM, HANN M, HACKER J, BURNS C, OLIVER D, THAPAR A, MEAD N, GELB SAFRAN D, ROLAND MO. Identifying predictors of high quality care in English general practice: observational study. BMJ October 2001; Vol 323: 1-6

17 METODOLOGIAS ANÁLISE DE DADOS análises qualitativas: grupos focais; entrevistas (mais frequentes); observação não estruturada (mais raras) FILGUEIRAS SL, DESLANDES S Avaliação das ações de aconselhamento. Análise de uma perspectiva centrada na pessoa. Cadernos de Saúde Pública,V15 supl2, Rio de Janeiro, 1999 Algumas questões para debate:

18 Uma noção frequente SATISFAÇÃO DO USUÁRIO SATISFAÇÃO DO CLIENTE AVALIAÇÃO DO PONTO DE VISTA DOS USUÁRIOS RELAÇÕES C/ QUALIDADE BARREIRAS P/MELHORIA DA QUALIDADE ausência/insuficiência de políticas institucionais de qualidade autonomia profissional DAVIES HTO, NUTLEY SM, MANNION R. Organisational culture and quality of health care. Quality in Health Care 2000; 9: AYANIAN JZ, QUINN TJ. Quality of Care For Coronary Heart Disease in Two Countries. Health Affairs; May/June 2001 Volume 20, Number 3: 55-67

19 BARREIRAS P/MELHORIA DA QUALIDADE ausência de instrumentos públicos de avaliação da qualidade BROOK RH, McGLYNN EA, SHEKELLE PG. Defining and measuring quality of care: a perspective from US researchers. International Journal for Quality in Health Care 2000; Volume 12, number 4: pp BARREIRAS P/MELHORIA DA QUALIDADE Conhecimento: demora ou obsolescência de estudos clínicos problemas dos estudos: grupos muito restritos; efeitos da instituição; interpretação variável das conclusões av.tecnológica/econômica

20 BARREIRAS P/MELHORIA DA QUALIDADE EM PROGRAMAS c/estruturas assistenciais extensivas: grande heterogeneidade profissional insuficiência de definição tecnológica centramento em resultados Cenas do próximo capítulo... Uma definição possível p/ avaliar qualidade qualitativa ou quantitativamente norma, critério, indicador, padrão : seqüência do raciocínio avaliativo, que delimita progressivamente a forma de julgamento final. Norma: explicitação dos valores presentes no plano éticonormativo do programa; Critério: componente ou um conjunto de componentes tecnológicos do programa que apresentam maior sensibilidade para objetivar a norma. Indicador: característica importante deste componente tecnológico que é capaz de carregar adequadamente o valor prescrito. Padrão: especificação valorativa do indicador que delimita um determinado grau de qualidade reconhecido como satisfatório, definindo os limites do aceitável.

21 Um exemplo de avaliação de qualidade completa Alves MTSS; Silva AAM(orgs) Avaliação de qualidade de maternidades.2000 (biblio geral da disciplina)

QualiAB: desenvolvimento e validação de uma metodologia de avaliação de serviços de atenção básica 1

QualiAB: desenvolvimento e validação de uma metodologia de avaliação de serviços de atenção básica 1 QualiAB: desenvolvimento e validação de uma metodologia de avaliação de serviços de atenção básica 1 QualiAB: development and validation of a methodology for the assessment of primary health care services

Leia mais

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS

TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS TITULO: TEMPO DE PERMANÊNCIA E MORTALIDADE HOSPITALAR COMPARAÇÃO ENTRE HOSPITAIS PÚBLICOS E PRIVADOS Autores: Mônica Martins Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, Escola Nacional de Saúde

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 Dr. Getúlio R de Oliveira Filho Hospital Governador Celso Ramos, Brasil Correspondência para oliveirafilho.gr@gmail.com

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE

Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Qualidade em Institutos de Estatística: a experiência internacional e iniciativas no IBGE Zélia Magalhães Bianchini (Diretoria de Pesquisas) Helena Piccinini (Diretoria de Informática) Gestão da Qualidade

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

Curso: Elaboração de Relatório Anual de Gestão (RAG) Novembro - 2009 Manaus - AM

Curso: Elaboração de Relatório Anual de Gestão (RAG) Novembro - 2009 Manaus - AM Curso: Elaboração de Relatório Anual de Gestão (RAG) Novembro - 2009 Manaus - AM Sistema Único de Saúde - SUS Conceitos, abordagens, estratégias metodológicas e técnicas de avaliação Apresentação: SUSAM:

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis

EPLNA_2012. Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Ciclo de Garantia da Qualidade Analítica: tendências e etapas fundamentais para a fornecer resultados confiáveis Prof. Dr. Igor Renato Bertoni Olivares Top 02 in analytical chemistry Impact Factor - 6,6

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz

PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS. Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz PAINEL: TEMAS ATUAIS PAGAMENTO POR PERFORMANCE BENEFÍCIOS E RISCOS POTENCIAIS Jorge Barreto, MSc, PhD Fundação Oswaldo Cruz, Fiocruz 1 Evidence brief Introdução Pay-for-performance (P4P): transferência

Leia mais

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas Revista Eletrônica Sistemas & Gestão 4 (2) 136-154 Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Gestão, TEP/TCE/CTC/PROPP/UFF Um modelo para avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho em universidades públicas

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário INDICADORES DE DESEMPENHO PARA BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS: projeto desenvolvido no SIBi/USP GRANDI,

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente

Indicadores de Segurança do Paciente Indicadores de Segurança do Paciente Carla Gouvêa Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ) Roteiro da Apresentação Características e atributos dos indicadores

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA

ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA ACREDITAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE VANTAGEM COMPETITIVA QUALIDADE EM SAÚDE ACREDITAÇÃO. Que definição? ISQUA - www.isqua.org Um processo que as organizações utilizam para avaliar e implementar a gestão da

Leia mais

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago

Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar. Thaiana Santiago Qualidade e Infecção Hospitalar: Como as agências de acreditação avaliam o controle de infecção hospitalar Thaiana Santiago Acreditação Acreditação é um processo que as organizações de saúde utilizam

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro*

Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Avaliação das práticas de cuidado aos hipertensos no Sistema Único de Saúde Brasileiro* Fabiana Floriano, Luis Eugênio de Souza, Madalena de Passos, Breno Amaral, Augusto Conti e Isaac de Matos Jr. *Projeto

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira

O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira O desafio de aumentar o impacto da ciência brasileira Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 23/05/2013 desafio-impacto-confap-20130522.pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Desafios para a

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Qualificação das práticas do enfermeiro na promoção do desenvolvimento infantil integral

Qualificação das práticas do enfermeiro na promoção do desenvolvimento infantil integral Qualificação das práticas do enfermeiro na promoção do desenvolvimento infantil integral P.P. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo Juliana Martins de Souza Soraia Matilde Marques Buchhorn O cuidado de enfermagem

Leia mais

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde Maria Christina Fekete 1 Apresentação O termo cuidado em saúde tem interpretação pouco precisa, tal como ocorre com o conceito de qualidade. Assim sendo, tratar

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes

Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Pesquisa Clínica: Conceitos e Aportes Alexandre V. Schwarzbold Departamento de Clínica Médica Coordenação do Ambulatório de HIV/AIDS Simpósio Internacional de Ética em Investigação Fevereiro de 2008 Apresentação

Leia mais

II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação

II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação Page 1 of 8 Início Conheça a revista II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação Publicado por Marcos Vinhal em 9 de outubro, 2009 II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação destaca

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade em Princípios i do Modelo para a Melhoria da Qualidade Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Def inirq Aplicar ferramentas de melhoria para abordar as deficiências do sistema.

Leia mais

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini GPT Acreditação ABRAC / Gerente de Novos Negócios Fundação Vanzolini Tema Acreditação:

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA

Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Seminário Nacional Redução do Risco para a Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde Luna Pini CVISS/NUVIG/ANVISA Fórum especial Proposta: compartilhar idéias, conceitos e estratégias relacionadas

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Marta Ferreira Sistemas de Gestão e Melhoria 21

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015

10 o Congresso Brasileiro de Gestão da Inovação e Desenvolvimento de Produtos Itajubá - MG, 8 a 10 de setembro de 2015 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DAS METODOLOGIAS SCRUM E TRADICIONAL AO GERENCIALMENTO DE PRODUTOS ALTAMENTE COMPLEXOS ESTUDO DE CASO INDÚSTRIA AERONÁUTICA Marcelo Junio dos Santos (marcelo.santos@embraer.com.br)

Leia mais

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER

ISO 9001:2015. www.apcergroup.com. Rui Oliveira APCER ISO 9001:2015 Rui Oliveira APCER Agenda Enquadramento do Processo de Revisão Principais Mudanças Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade Próximos Passos Cronograma para

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

O MANEJO DO DIABETES MELLITUS

O MANEJO DO DIABETES MELLITUS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia A QUALIDADE DA ATENÇÃO PRIMÁRIA RIA E O MANEJO DO DIABETES MELLITUS Autores: Marcelo R. Gonçalves

Leia mais

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios.

Módulo 2. Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. Módulo 2 Sistemas de gestão, normas OHSAS 18001/2, benefícios, certificação, estrutura, objetivos, termos e definições da OHSAS 18001, exercícios. História das normas de sistemas de gestão de saúde e segurança

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

ESTRUTURA DE PROJETO DE INVESTIGAÇÃO, REVISITADA

ESTRUTURA DE PROJETO DE INVESTIGAÇÃO, REVISITADA ESTRUTURA DE PROJETO DE INVESTIGAÇÃO, REVISITADA por Pedro Serra Pinto - Terça-feira, Janeiro 27, 2015 http://www.nursing.pt/estrutura-de-projeto-de-investigacao-revisitada/ Autor: Carlos Melo-Dias Enfermeiro

Leia mais

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 1 Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 2 Conceito 3 Obesidade Estilo de vida inadequado #1 café-da-manhã nos EUA Cuidado!

Leia mais

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente.

A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. OBJECTIVOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO A Gestão da Qualidade foca o produto; Tem como objectivo a satisfação do cliente. A Gestão da Segurança foca o indivíduo, o colaborador; Tem como objectivo a sua protecção

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Silvane Guimarães Silva Gomes, Frederico José Vieira Passos Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER

INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER Claudemiro Euzébio Dourado Superintendente Administrativo Financeiro AGENDA I. CRER Institucional Histórico CRER em números Ferramentas de Gestão II. INDICADORES

Leia mais

A Atenção Primária à Saúde

A Atenção Primária à Saúde A Atenção Primária à Saúde Maria Emi Shimazaki SHIMAZAKI, M. E. (Org.). A Atenção Primária à Saúde. In: MINAS GERAIS. Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais. Implantação do Plano Diretor da

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Carolina Nogueira Gestora de Cliente carolina.nogueira@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação

Leia mais

Governança de TI B Aula 06

Governança de TI B Aula 06 Prof. Tiago Aguirre 1 Governança de TI B Aula 06 Objetivos da Aula Plano de TI e desempenho de níveis de serviço Prof. Tiago Aguirre 2 Ciclo da Governança de TI Alinhamento Estratégico e Compliance Decisão,

Leia mais

A gestão da qualidade assistencial do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: implementação e validação de indicadores *

A gestão da qualidade assistencial do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: implementação e validação de indicadores * ATUALIZAÇÃO A gestão da qualidade assistencial do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: implementação e validação de indicadores * MARIZA KLÜCK 1 JOSÉ RICARDO GUIMARÃES 2 JAIR FERREIRA 3 CARLOS ALBERTO

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor

Como monitorar seu processo de esterilização. com segurança e qualidade. Nome do autor Como monitorar seu processo de esterilização Nome do autor com segurança e qualidade Richard Bancroft Engenheiro Albert Browne (Inglaterra) Gessilene Barbosa Enfermeira Mack Medical (Brasil) Agenda Mapeamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Objetivo Principal Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e operacional relacionados

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Andreia Martins Gestora de Cliente andreia.martins@apcer.pt Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP

Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery. Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP Sobre o curso Value-Based Health Care Delivery Ana Maria Malik 11/02/09 Apresentação EAESP 1 Um pouquinho de teoria Cobertura e acesso universais são essenciais mas não suficientes Valor: patient health

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

O MONITORAMENTO E CONTROLE DOS PROCESSOS DE SAÚDE ATRAVÉS DE INDICADORES DE QUALIDADE

O MONITORAMENTO E CONTROLE DOS PROCESSOS DE SAÚDE ATRAVÉS DE INDICADORES DE QUALIDADE O MONITORAMENTO E CONTROLE DOS PROCESSOS DE SAÚDE ATRAVÉS DE INDICADORES DE QUALIDADE Leoni Pentiado Godoy (UFSM/PPGEP ) leoni@smail.ufsm.br Larissa Disconzi Perufo (UFSM/PPGEP ) larissaperufo@hotmail.com

Leia mais

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1

Gestão de Serviços. Mário Lavado itsmf Portugal. Guimarães 18 de Novembro 2010. itsmf Portugal 1 Gestão de Serviços Mário Lavado itsmf Portugal Guimarães 18 de Novembro 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é o itsmf? 2. A Gestão de Serviços e o ITIL 3. A ISO 20000 4. A certificação ISO 20000 itsmf

Leia mais

Dispositivos para o fortalecimento da Atenção Básica. Gustavo Tenório Cunha Departamento de Saúde Coletiva

Dispositivos para o fortalecimento da Atenção Básica. Gustavo Tenório Cunha Departamento de Saúde Coletiva Dispositivos para o fortalecimento da Atenção Básica Gustavo Tenório Cunha Departamento de Saúde Coletiva O que é Atenção Básica? Como deve(ria) funcionar? Definições do Ministério da Saúde (PNAB) Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular MÉTODOS QUALITATIVOS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular MÉTODOS

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades * AMARAL, J.A. Modelos para gestão de projetos: como utilizar adequadamente conceitos, ferramentas e metodologias. São Paulo: Scortecci: 2004 * http://www.rcgg.ufrgs.br/cap14.htm (visitado em 05/2006)

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner

Introdução. Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner Introdução Ronir Raggio Luiz Claudio José Struchiner SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LUIZ, RR., and STRUCHINER, CJ. Inferência causal em epidemiologia: o modelo de respostas potenciais [online].

Leia mais

Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope

Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope Protocolos gerenciados Arritmias Cardíacas e Síncope Rede D Or São Luiz Dra. Bárbara Abufaiad. Coordenadora do Serviço de Cardiologia do Hospital Oeste D or. Rotina da equipe da Arritmia da Rede D or São

Leia mais

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Nigel H Croft Presidente do Conselho APCER Brasil Chairman, ISO/TC 176/SC 2 Quality Systems Membro do Grupo de Coordenação Técnica de

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

Revista Portuguesa de Psicossomática ISSN: 0874-4696 revista@sppsicossomatica.org Sociedade Portuguesa de Psicossomática Portugal

Revista Portuguesa de Psicossomática ISSN: 0874-4696 revista@sppsicossomatica.org Sociedade Portuguesa de Psicossomática Portugal Revista Portuguesa de Psicossomática ISSN: 0874-4696 revista@sppsicossomatica.org Sociedade Portuguesa de Psicossomática Portugal Hespanhol, Alberto; Veiga, Graça; Ricou, Miguel Consulta de psicologia

Leia mais