2. MATERIAL E MÉTODOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. MATERIAL E MÉTODOS"

Transcrição

1 FATORES DE RISCO PARA ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E PÉRFURO-CORTANTE ENTRE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E AÇÕES QUE VISEM A SUA REDUÇÃO RESUMO Alessandra da Silva Condé Bacharel em Enfermagem pela UNIPAC Simone Maria Pedro Licenciada em História e Bacharel em Enfermagem pela UNIPAC Maria Célia Riguetto Nunes Professora Adjunta do Departamento de Fisioterapia da UNIPAC - Acidentes de trabalho representam uma preocupação constante para toda equipe de enfermagem, devido aos riscos a que os trabalhadores estão expostos. O presente estudo teve por objetivo descrever os fatores de risco para acidente de trabalho com material biológico e pérfuro-cortante (ATMBP) na equipe de enfermagem e apontar ações que o enfermeiro pode desenvolver, através da educação continuada, para reduzir tais índices, visando assegurar o conhecimento e a capacitação profissional. Esta pesquisa constituiu-se a princípio pela observação do trabalho realizado pelos técnicos e auxiliares de enfermagem do plantão diurno, durante o período de estágio supervisionado e, posteriormente, de revisão de literatura. As informações descritas nas pesquisas apontam para a ocorrência de ATMBP em decorrência da pouca informação quanto ao conceito de acidente de trabalho; do não-seguimento das normas de precaução padrão; da falta de treinamento; do cansaço físico; da dupla jornada de trabalho e de outras variáveis, havendo, conseqüentemente, maior subnotificação dos acidentes. Tornouse de total relevância a abordagem da questão dos acidentes e a exposição à material biológico e pérfuro-cortante, esclarecendo os trabalhadores de enfermagem sobre a necessidade da notificação e da busca de atendimento médico adequado. Palavras-chave: Acidente de trabalho; Material pérfuro-cortante e biológico; Subnotificações. ABSTRACT Work accidents represent a constant concern for all team of nursing, because of the risks that the workers are displayed. This t study had for objective to describe the factors of risk for work accident with cutting and biological materials (WACBM) in the nursing team and to point action that the nurse can develop, through the continued education, to reduce such indices, aiming at to assure the knowledge and the professional qualification. In this research, was observed the work made by the technician and nurse aid of the diurnal turn during the period of supervised probation and, later, during the period of revision of literature. The described information in the research point to occurrence of the WACBM in result of the little information about the concept of work accident, of the not-application of the precaution norms, of the lack of training, the physical fatigue, the double hours of working, the lack of organization in the service and other variable, consequently bigger sub notification. The boarding of the question of the accidents and exposition to cutting and biological materials became relevant, clarifying the nursing workers about the necessity of the notification and the search of adjusted medical attendance. Key-words: Work accident; Cutting and biological material; Subnotification.

2 1. INTRODUÇÃO Atualmente os acidentes de trabalho (AT) representam uma constante preocupação para toda equipe de enfermagem, devido aos riscos a que os trabalhadores estão expostos, comprometendo a sua qualidade de vida, sua atividade produtiva e trazendo prejuízo para a instituição onde trabalham. Como conceito de acidente de trabalho, descreve-se que: Acidente de trabalho é o evento súbito ocorrido no exercício de atividade laboral, independentemente da situação empregatícia e previdenciária do trabalhador acidentado, e que acarreta dano à saúde, potencial ou imediato, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que causa, direta ou indiretamente (concausa) a morte, ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Inclui-se ainda o acidente ocorrido em qualquer situação em que o trabalhador esteja representando os interesses da empresa ou agindo em defesa de seu patrimônio; assim como aquele ocorrido no trajeto da residência para o trabalho ou vice-versa. (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2006: p. 11). De acordo com o Anuário Brasileiro de Proteção (2006), os acidentes do trabalho são classificados em: acidente típico, ou seja, aquele decorrente da característica da atividade profissional desempenhada pelo acidentado; acidente de trajeto, aquele ocorrido no trajeto entre a residência e o local de trabalho; e doença profissional ou do trabalho, aquela produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho ou que se relacione com este, devido à determinada atividade desempenhada. Cabe ressaltar que esses infortúnios devem ser tratados em caráter de urgência para tornar as medidas profiláticas mais eficazes. Brandão Júnior apud Marziale; Nishimura; Ferreira (2004), ressaltam que com o risco de contrair infecções os acidentes podem gerar repercussões psicossociais, provocando mudanças nas relações de trabalho, familiares e sociais, devido às associações aos vírus da Imunodeficiência Adquirida (HIV e a AIDS), Hepatite B (HBV), Hepatite C (HCV), e nas reações psicossomáticas, pós-profilaxia utilizada, devido à exposição ocupacional e o impacto emocional. Sêcco et al. (2004) definem fatores que podem contribuir para a ocorrência de acidente de trabalho com material biológico e pérfuro-cortante (ATMBP) como falta de treinamento, inexperiência, indisponibilidade de equipamentos de segurança, cansaço, repetitividade de tarefas, dupla jornada de trabalho, distúrbios emocionais, excesso de autoconfiança, qualificação profissional inadequada, falta de organização do serviço, turno de trabalho, desequilíbrio emocional em situação de emergência, negligência de outros e carga de trabalho, características próprias da equipe de enfermagem. O acidente de trabalho em nosso país deve ser comunicado imediatamente após sua ocorrência, independentemente de haver ou não afastamento do empregado. De acordo com dados extraídos no site da Previdência Social (2007), esse registro deve ser encaminhado ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) por intermédio do formulário da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias, sendo, respectivamente, uma para o INSS e as outras para a empresa, para o segurado ou um dependente, para o sindicato de classe do trabalhador, para o Sistema Único de Saúde SUS e para a Delegacia Regional do Trabalho- DRT. Marziale e Rodrigues (2002) afirmam que apesar de ser legalmente obrigatória a emissão da CAT, a qual teria a função de alimentar o sistema de banco de dados, observa-se, na prática, a subnotificação dos acidentes de trabalho. O sistema de informação utilizado apresenta falha devido à concepção fragmentada das relações de saúde e trabalho, marcada por uma divisão e

3 alienação das tarefas dos profissionais responsáveis pelo registro desse documento, os quais privilegiam o cumprimento de normas burocráticas, mas não o envolvimento profissional com a questão acidentária, levando ao sub-registro dos acidentes. Diante do quadro supracitado e motivadas pela problemática que envolve o trabalhador da área de saúde e sua vida profissional, é que se propôs a realizar o presente estudo, uma vez que consiste em não somente concluir que acidentes fazem parte do cotidiano dos trabalhadores, mas sim, num primeiro momento, observar e identificar os fatores de risco para ocorrência de AT e atentar para a importância da adoção de medidas preventivas que visem à redução destes. 2. MATERIAL E MÉTODOS Este é um estudo é do tipo descritivo, qualitativo e observacional, realizado por profissionais técnicas e acadêmicas de enfermagem, no qual foram analisados artigos referentes à Acidentes de trabalho com material biológico e pérfuro-cortante (ATMBP) entre profissionais de enfermagem. A coleta de dados constou de dois momentos: O primeiro consistiu de observação do trabalho realizado pelos técnicos e auxiliares de enfermagem, do plantão diurno, no período de estágio supervisionado, em hospitais de Ubá MG, e intensificou-se de fevereiro a julho de 2006 nos setores de clínica médica e ambulatório, devido às atividades que ali desenvolvemos. No segundo momento, realizou-se a revisão de literatura, através dos livros e artigos selecionados, a partir de um levantamento bibliográfico retrospectivo por meio de banco de dados, Bireme, Google, Lilacs, Medline, DATAPREV, Ministério do Trabalho, entre outros, no qual os descritores utilizados foram: acidente de trabalho na enfermagem, acidente com material biológico e pérfuro-cortante, notificação de acidente de trabalho, subnotificação e EPI. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Acidente de trabalho é uma questão de saúde pública, uma vez que atinge trabalhadores em intenso ritmo de trabalho. Em nosso país, a primeira Lei de Acidente do Trabalho surgiu no ano 1919, e baseava-se no conceito de risco profissional, considerando esse risco como sendo natural à atividade profissional. Desde então, a legislação brasileira sobre acidentes de trabalho sofreu importantes modificações e essa questão passou a ser discutida nesse âmbito na Constituição Federal de 1988, em seu artigo 196 e na Lei Orgânica de Saúde (8080/90), a qual consagra o Sistema Único de Saúde (SUS) e em seu interior, as ações de saúde do trabalhador. Após este momento, começam a surgir várias legislações do tipo portarias, normas regulamentadoras (NR) do Ministério do Trabalho e Emprego que intensificam a implementação de medidas que visam a proteção e a segurança para os trabalhadores em serviço. Algumas de fundamental importância, como a NR-5, que trata da Comissão Interna de Prevenção de Acidente (CIPA) sendo seus objetivos, além da prevenção de acidentes, a preservação e a promoção da saúde do trabalhador; a NR-6, que se refere ao Dispositivo de Proteção Individual, como um meio de proteger-se de riscos suscetíveis que ameacem a segurança ou a saúde do trabalhador, a portaria GM/MS nº 2437, que cria a Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST), Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) com intuito de fortalecer a saúde deste no âmbito de SUS; dentre outras. O estudo foi realizado na unidade de emergência e na clínica médica, por serem setores de grande fluxo de pacientes, com as mais diversas enfermidades. As atividades destes setores são de alta demanda, exigindo maior atenção com relação à dinâmica de trabalho por parte dos profissionais que nele atuam. Os profissionais de enfermagem, técnicos e auxiliares, principalmente os inseridos na assistência hospitalar, estão constantemente expostos a risco de ATMBP, devido à sua atividade

4 requerer proximidade com o paciente portador de doenças transmissíveis, infectantes e/ou por manusearem, freqüentemente, instrumentos e artigos potencialmente contaminados com sangue e fluidos corpóreos. Na ocorrência de um acidente de trabalho, tais fatores tornam-se desencadeantes de agravos à saúde destes profissionais. Através da observação da atuação da equipe de enfermagem percebeu-se a freqüente ocorrência de (AT) ocasionados por material biológico e pérfuro-cortante e, conseqüentemente, elevado índice de subnotificação. Ressalta-se que é de fundamental importância a atuação do enfermeiro na educação continuada, por acreditar que a redução do número de acidentes mantém estreita relação com o fato de se conhecer e controlar os riscos. É essencial introduzir a implementação de práticas que ofereçam ao profissional da área da saúde condições seguras para o desempenho de suas atividades laborais, assim como conscientizá-lo da necessidade de incorporar à sua prática profissional a notificação dos acidentes ocorridos para garantir a seguridade de seus direitos. A International Health Care Worker Safety Center apud Marziale (2004) afirma que: a conseqüência da exposição ocupacional aos patógenos, transmitidos pelo sangue através de um acidente pérfuro-cortante, não está somente relacionada à infecção. A cada ano, milhares de trabalhadores de saúde são afetados por trauma psicológico, que perduram dias e até meses, quando da espera dos resultados dos exames sorológicos. Dentre outras conseqüências, estão as alterações das práticas sexuais, os efeitos colaterais das drogas profiláticas e a perda do emprego (INTERNATIONAL HEALTH CARE WORKER SAFETY CENTER apud MARZIALE 2004, p.2). Percebeu-se durante a observação que a execução dos cuidados de enfermagem com uso de equipamentos de proteção individual, era realizada somente em procedimentos de risco para a saúde, o que induz a pensar na relação entre acidente de trabalho e o não-uso das precauções padrão. As normas de precaução padrão são medidas que visam a prevenção de doenças, utilizadas sempre que houver possibilidade de contato com sangue, secreções e excreções, mucosas e pele não-íntegra. Essas medidas incluem o uso de equipamento de proteção individual (EPI) e cuidados com manipulação e descarte de materiais pérfuro-cortantes, contaminados com material biológico. O Ministério da Saúde apud Figueiredo et al. (2005), define como equipamentos de proteção individual, os dispositivos destinados a proteger a integridade física do profissional. São eles: luvas, máscaras, gorro, óculos de proteção, capotes (aventais) e botas. A observação contínua nos setores, principalmente, de clinica médica e ambulatório demonstra que havia uma escassez no número de funcionários e uma alta demanda no número de atendimentos, gerando um serviço rápido e de forma mecanizada. Muitos funcionários vinham de dupla jornada de trabalho para compensar a baixa remuneração salarial, o que provocava extremo cansaço físico e, conseqüentemente, a desmotivação para a prestação de um cuidado de melhor qualidade. Cabe destacar que a divisão de tarefas faz-se necessária, principalmente, por haver um contingente insuficiente de trabalhadores nas equipes, obrigando o grupo a otimizar o tempo para cumprir suas atividades. De acordo com Guimarães et al. (2005) para o funcionário exposto ao acúmulo de tarefas, há uma diminuição de sua capacidade de concentração, tornandoo 2,24 vezes mais propenso a um risco de acidente de trabalho. No que se refere a total carga horária, o erro é de 2,55 vezes maior, devido à falta de intervalos para descanso. Outro aspecto relevante é que apesar da disponibilidade dos EPI s por parte das instituições, os profissionais da enfermagem demonstraram não estar bem conscientizados sobre a importância do uso dos equipamentos, uma vez que, na maioria dos casos, o faziam somente em procedimentos mais complexos.

5 Neste contexto Marziale e Rodrigues (2002) citam Souza e Vianna (1993), os quais destacam uma grande relação entre acidente de trabalho e o não-uso de precauções universais, sendo a preocupação dos autores com o uso desses equipamentos sempre atual, uma vez que, mesmo com treinamentos e palestras, a mudança nos hábitos de profissionais em seu meio de trabalho é lenta, sendo necessário um trabalho constante, partindo do conhecimento dos próprios profissionais acerca das precauções padrão e da importância delas para sua saúde. Outra questão observada com freqüência foi o reencape de agulha e o simples corte com ampola tornar-se um fato corriqueiro no preparo de medicações, sem que sejam tomadas as medidas cabíveis. Demonstrou-se por parte dos profissionais uma clara falta de conhecimento sobre o conceito de AT e sobre o risco a que estão expostos. Neste contexto, parte destes profissionais não notifica tais acidentes por não considerar importante. A identificação do principal fator associado à ocorrência do acidente percutâneo é o reencape de agulhas, o qual infringe as precauções padrão. Os auxiliares e técnicos de enfermagem são os que mais comumente realizam esse procedimento inadequado, devido à proximidade com o cliente. Os enfermeiros atribuem, como causas dos acidentes, a sobrecarga de trabalho e a negligência médica, e os profissionais de enfermagem os relacionam à fatalidade (SOUZA apud MARZIALE; RODRIGUES, 2002). Outro aspecto relevante é que a falta de organização no serviço também torna esses profissionais mais propensos aos AT s, fator este, que seria amenizado se houvesse uma maior vigilância dos procedimentos realizados no ambiente de trabalho por parte do profissional enfermeiro, não só no sentido de cobrança e fiscalização das técnicas aplicadas, mas também num processo de educação continuada e sensibilização dos profissionais para que os mesmos tenham uma conduta ética e correta. Para Braga (2000), é importante ressaltar a necessidade de que o profissional participe e opine sobre tais ações, pois são eles que vivenciam os riscos do cotidiano e são esses trabalhadores que serão capazes não só de relatarem o ocorrido, mas, sobretudo de oferecer o conhecimento da prática que possuem, criando estratégias de controle e prevenção mais eficazes no gerenciamento de riscos. Uma dúvida tornou-se constante durante a permanência nos setores observados: será que o mercado de trabalho está selecionando profissionais de qualidade? As instituições estão formando e capacitando seus profissionais de forma eficiente, uma vez que profissionais menos qualificados estão mais sujeitos a riscos de ATMBP? Marziale (2002), conclui que o sucesso de qualquer programa educativo deve estar diretamente ligado à participação e ao reconhecimento por parte dos trabalhadores e ao apoio da instituição. A análise dos artigos possibilita ressaltar a importância da enfermeira na elaboração e implementação de programas de educação continuada, que visam a assegurar o conhecimento e a capacitação profissional. É de total relevância a abordagem da questão dos acidentes e a exposição à material biológico e pérfuro-cortante, esclarecendo os trabalhadores de enfermagem sobre a necessidade da notificação; da busca de atendimento médico nas duas horas que se seguem ao acidente, segundo protocolo do anexo 01; da sensibilização sobre a eficácia da vacina para prevenção de hepatite B, sobre o uso do EPI e dos direitos trabalhistas, potencializando os esforços da CIPA, CCIH e dos demais órgãos institucionais envolvidos. Tais fatos levaram a pesquisar o assunto, pois é freqüente a ocorrência de acidentes de trabalho ocasionados por material biológico e pérfuro-cortante com profissionais de enfermagem e por acreditar que o trabalhador deve se preocupar com a implementação e a fiscalização de práticas que lhe ofereçam condições seguras para o desempenho de suas atividades laborais.

6 4. CONCLUSÃO Este trabalho tem como meta atentar os enfermeiros sobre as causas dos acidentes de trabalho com material biológico e pérfuro-cortante e também abordar a necessidade de prevenir novos casos, através de estabelecimento de estratégias que contribuam para elucidar tais objetivos. As informações descritas nas pesquisas interligam a ocorrência de ATMBP ao nãoseguimento das normas de precauções padrão e a outras variáveis como falta de treinamento, cansaço físico, dupla jornada de trabalho, falta de qualificação profissional, desequilíbrio emocional frente a situações de emergência, negligência e a falta de organização do serviço. Na ocorrência de um acidente de trabalho, o importante é que este seja usado como uma oportunidade para se discutir formas de aprendizado e não para se punir possíveis culpados. Ressaltar a importância do uso do EPI possibilitará reflexões e autoquestionamento entre o comportamento e a atitude dos profissionais técnicos e auxiliares, pois será reconhecida sua prática diária, não sendo utilizados somente em procedimentos de alta complexidade. Observou-se uma escassez de dados estatísticos em relação ao ATMBP, o que não permite conhecer a proporção geral do problema, porém conclui-se que todas as categorias de profissionais de enfermagem estão sujeitas a estes infortúnios e, sendo assim, torna-se necessária a realização de estudos aprofundados que detectem as causas mais comuns e, para que com isso, haja elaboração de programas educativos que possibilitem a sensibilização destes profissionais para adesão às mudanças que serão inseridas no setor, supervisão contínua e sistematizada e modificações nas rotinas de trabalho, tornando um hábito o uso das precauções padrão como medida de segurança. Diante do exposto torna-se de extrema importância a implantação do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) para que a saúde do trabalhador seja tratada de forma diferenciada à luz dos princípios e diretrizes do SUS. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANUÁRIO BRASILEIRO DE PROTEÇÃO Estatísticas Disponível em: <http://www.protecao.com.br>. Acesso em: 19 jul BRAGA, D. Acidente de trabalho com material biológico em trabalhadores da equipe de enfermagem do Centro de Pesquisas Hospital Evandro Chagas. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz. 2000, 86p. (Dissertação, Mestrado em ciências). Escola Nacional de Saúde Pública, BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Trabalhador. Rede Nacional de Atenção Integral à Saúde do Trabalhador (RENAST). Manual de Gestão e Gerenciamento. 1ª ed. Brasilia DF, 2006, 84 p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Notificação de Acidentes do Trabalho Fatais, Graves e com Crianças e Adolescentes. 1ª ed. Brasília DF, p.

7 BRASIL. Constituição Federal de Disponível em: <http://dtr2004.saude.gov.br/susdeaz/legislacao/arquivo/01_constituicao.pdf>. Acesso em: 19 jul FIGUEIREDO, N.M.A. et al. Ensinando a cuidar em saúde pública. São Caetano do Sul. SP: Yendis (Práticas de enfermagem). GUIMARÃES, R.M. et al. Fatores ergonômicos de risco e de proteção contra acidentes de trabalho: um estudo caso-controle. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo, v. 8, n Lei GM/MS Disponível em: <http://www.saude.mg.gov.br/atos_normativos/legislacaosanitaria/estabelecimentos-de-saude/saude-do-trabalhador/portaria2437.pdf>. Acesso em: 19 jul Lei Orgânica da Saúde. Lei 8080/90. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/lei8080.pdf>. Acesso em: 19 jul MARZIALE, M.H. P.; NISHIMURA, K. Y. N.; FERREIRA, M. M. Riscos de contaminação ocasionados por acidentes de trabalho com material pérfuro-cortante entre trabalhadores de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2004, vol.12, nº 1. MARZIALE, M. H. P. Rede de prevenção de acidentes de trabalho com material biológico em hospitais do Brasil p. Disponível em: <http://repat.eerp.usp.br>. Acesso em: 22 jan MARZIALE, M. H. P.; RODRIGUES, C. M. A produção científica a cerca dos acidentes de trabalho com material pérfuro-cortante entre trabalhadores de enfermagem. Revista Latino- Americana de Enfermagem, 2002, vol.10, p.14,nº 4. NORMAS REGULAMENTADORAS 5 e 6 (NR). Disponível em: <http://www.trabalho.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/default.asp>. Acesso em: 19 jul PREVIDÊNCIA SOCIAL Disponível em: <http://www.previdenciasocial.gov.br/pg_secundarias/paginas_perfis/perfil_empregador_10_04- A3.asp>. Acesso em: 19 jul

8 SÊCCO, I. A. O.; ROBAZZI, M. L. C. C.; GUTIERREZ, P. R.; MATSUO, T. Acidente de trabalho com material biológico na equipe de enfermagem de Hospital Escola Pública. UNOPAR Cient., Ciências Biológicas e Saúde, Londrina, v.5/6, n.1, 2003/ ANEXO Anexo 01 - ACIDENTE OCUPACIONAL - CONDUTAS IMEDIATAS APÓS EXPOSIÇÃO 1) POR CONTATO MUCOSAS OLHOS - Lavar abundantemente com Soro fisiológico. BOCA - Lavar abundantemente com água, bochechando e desprezando repetidamente. PELE: a) Integra - Lavar abundantemente com água corrente e sabão, e secar com papel toalha. b)lesada - Dermatite, escoriações ou ferimento prévio: Lavar abundantemente com água corrente e sabão, não aplicar álcool ou outros anti-sépticos. 2) POR LESÃO NA PELE Perfurante (agulhas, etc.) e cortante (pedaços de vidros, bisturi, etc.). Lavar abundantemente com água e sabão não aplicar álcool ou outros anti-sépticos. ORIENTAÇÕES PARA FUNCIONÁRIOS EM CASO DE ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO: 1) Comunicar imediatamente o acidente para a chefia do setor, 2) Em caso de acidentes com pérfuro-cortantes ou contato de sangue em pele ou mucosas. 3) Dirija-se imediatamente ao Serviço de Controle de Infecção Hospitalar para orientações; 4) Providenciar o Termo de Consentimento a ser assinado pelo paciente ou responsável e enfermeiro (testemunha) modelo anexo. 5) Colher Amostra do Sangue do paciente (frasco de 10ml) acondicionar em um saquinho plástico ou caixa de isopor (tomar cuidado para não balançar). 6) Deverá ser emitido um CAT a ser levado pelo funcionário acidentado. 7) Torna-se obrigatório à notificação de todos os acidentados independentes da fonte e do grau de infecção. 8) O Funcionário Acidentado deverá ir até ao HPS - DEPT DE SOROTERAPIA.

9 ( / ENFERMEIRA ANA CLAUDIA) no prazo de 2 HORAS. HPS HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO - ANTIGA COTREL (em frente à SANTA CASA). Será feito um protocolo de Risco Biológico / Exposição Ocupacional pelo referido Departamento. 9) O Funcionário terá um prazo de 72 HORAS para ser medicado caso de positivo. Telefone: Telefonista (HPS):

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES

ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE ACIDENTES COM PERFURO CORTANTES INTRODUÇÃO *Cindy Heloisa Silva da Silva - NOVAFAPI *Frida Jéssica de Carvalho e Silva- NOVAFAPI *Renata Giordana de Sousa Andrelino- NOVAFAPI

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL

ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE RIO GRANDE DO SUL CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO: UMA EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA OS TRABALHADORES DA SAÚDE PORTO ALEGRE

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] X Semana da Pesquisa O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente com lesão por instrumento perfurocortante Caetana

Leia mais

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas

SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas SERVIÇO O DE ATENDIMENTO A ACIDENTES COM MATERIAL BIOLÓGICO GICO: Experiência do Instituto de Infectologia Emílio Ribas Dr. Francisco Ivanildo de Oliveira Junior O Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE EM HOSPITAL PRIVADO DE VITÓRIA DA CONQUISTA - BA

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE EM HOSPITAL PRIVADO DE VITÓRIA DA CONQUISTA - BA 101 ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE EM HOSPITAL PRIVADO DE VITÓRIA DA CONQUISTA - BA Sueli Andrade Amaral* Anne Fátima da Silva Sousa** Saadia Oliveira Ribeiro*** Marluce

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA INTERNA NA OCORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO 2012 1 SUMÁRIO I Apresentação 03 II Objetivo 03 III Informações gerais 04 IV- Preenchimento

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO]

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho [FUNDACENTRO] Seminário do Programa de Pós-graduação em Trabalho, Saúde e Ambiente O trabalhador de limpeza hospitalar e o acidente

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Sorocaba Março de 2014 SEGURANÇA DO TRABALHO É a atividade desenvolvida por profissionais que compõem o SESMT (Serviço Especializado em Segurança

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde do Trabalhador Professor: Daniely Oliveira Nunes Gama E-mail: danioliveiranunes@yahoo.com.br

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País;

Considerando que têm ocorrido injustificadas restrições a esses direitos no País; Direito à Educação - PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 796, de 29/05/1992, dos Ministros da Educação e da Saúde - Normas e procedimentos educativos referente à transmissão e prevenção da infecção pelo HIV

Leia mais

Acidente com material pérfuro-cortante

Acidente com material pérfuro-cortante Acidente com material pérfuro-cortante Cássia de Lima Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isabel Cristina Kowal Olm Cunha Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO Existem

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Promoção da Saúde do Trabalhador da Saúde: conscientização acerca do uso de luvas e higienização das mãos pelos

Leia mais

Acidente perfurocortante e o profissional de saúde: onde procurar atendimento?

Acidente perfurocortante e o profissional de saúde: onde procurar atendimento? Acidente perfurocortante e o profissional de saúde: onde procurar atendimento? Accidents involving piercing cutting material and the health professionals: where to search for attending? Luanne Nayara Ferreira

Leia mais

Vigilância à Saúde UFOP - Medicina Profa. Palmira Bonolo 7º Período_2º semestre 2011

Vigilância à Saúde UFOP - Medicina Profa. Palmira Bonolo 7º Período_2º semestre 2011 Vigilância à Saúde UFOP - Medicina Profa. Palmira Bonolo 7º Período_2º semestre 2011 SAÚDE DO TRABALHADOR Objetivos - Conhecer a notificação compulsória de agravos à saúde do trabalhador; - Identificar

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Acidente Geral; Acidente com material biológico.

Acidente Geral; Acidente com material biológico. RHU-025 DE 01/12/2011 VERSÃO 02 III NORMAS GERAIS Existem dois tipos de acidente de trabalho: o Típico : o Trajeto. Acidente Geral; Acidente com material biológico. A caracterização do Acidente de Trabalho

Leia mais

O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes

O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes Mel DAVID I RESUMO Este trabalho procura caracterizar os acidentes de trabalho com materiais perfurocortantes

Leia mais

Palavras-chave: Acidente de trabalho. Equipe de Enfermagem. Material Perfurocortante.

Palavras-chave: Acidente de trabalho. Equipe de Enfermagem. Material Perfurocortante. ACIDENTES COM PERFUROCORTANTES EM TRABALHADORES DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Fernanda Castro Dourado Magalhães Isabella Mendonça de Oliveira RESUMO O trabalho de enfermagem se caracteriza pelo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43

PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 43 QUESTÃO 26 Considerando o disposto na NR-4, observadas as exceções previstas, deve-se considerar para o dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Postura profissional e Segurança no trabalho

Postura profissional e Segurança no trabalho Postura profissional e Segurança no trabalho Ivete Apª Galdino Camilo e Marisa Harumi Kanaschiro DRH - S.E.S.M.T. HSL e FCMS - PUC/SP Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! Postura Profissional

Leia mais

1 Introdução...03. 2 Objetivos...04. 3 Diretrizes...04. 4 Processo...04. 5 Responsabilidades...08. 6 Glossário...10. 7 Anexos...11

1 Introdução...03. 2 Objetivos...04. 3 Diretrizes...04. 4 Processo...04. 5 Responsabilidades...08. 6 Glossário...10. 7 Anexos...11 MANUAL DO SESMT SUMÁRIO 1 Introdução...03 2 Objetivos...04 3 Diretrizes...04 4 Processo...04 5 Responsabilidades...08 6 Glossário...10 7 Anexos...11 1 INTRODUÇÃO O Serviço de Engenharia de Segurança e

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers

VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers Acidentes perfurocortantes e HIV VIGILÂNCIA DE HIV EM ACIDENTES PERFUROCORTANTES COM TRABALHADORES DA SAÚDE HIV surveillance in needlestick accidents with health workers Artigo Original RESUMO Objetivo:

Leia mais

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein. DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.br Segurança do Paciente => 1999 => Marco => TheError is Human

Leia mais

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br

NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Profª Andréia Ap.Tavares Martins E-mail: andreiatmenf@yahoo.com.br A Saúde e a Segurança do Trabalhador no Brasil Em 2009 foram registrados 723.452

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

Estratégias para a Gestão de Riscos para o Uso de Medicamentos em Unidades de Saúde.

Estratégias para a Gestão de Riscos para o Uso de Medicamentos em Unidades de Saúde. Estratégias para a Gestão de Riscos para o Uso de Medicamentos em Unidades de Saúde. Índice Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson...3 1. Introdução...3 2. Norma Regulamentadora Nº 32 de 2005...5 3. Risco biológico...6

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIRAS E TÉCNICOS ACERCA DO GERENCIAMENTOE DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOES DE SAÚDE

CONHECIMENTO DE ENFERMEIRAS E TÉCNICOS ACERCA DO GERENCIAMENTOE DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOES DE SAÚDE CONHECIMENTO DE ENFERMEIRAS E TÉCNICOS ACERCA DO GERENCIAMENTOE DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOES DE SAÚDE BARROS, Adriana Gonçalves de 1 SILVA, Adriana Maria Pereira da 2 JÚNIOR, Luiz Carlos Gomes Costa

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE - uma revisão de artigos indexados na Biblioteca Virtual em Saúde,

ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE - uma revisão de artigos indexados na Biblioteca Virtual em Saúde, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA ANDREA DIAS ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Leia mais

EXPOSIÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM AOS RISCOS E AOS ACIDENTES DE TRABALHO

EXPOSIÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM AOS RISCOS E AOS ACIDENTES DE TRABALHO EXPOSIÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM AOS RISCOS E AOS ACIDENTES DE TRABALHO Bruna Zucheto Tadielo 1 Flavia Feron Luiz 2 Juliane Umann 3 Luana Rodrigues Muller 4 Regiane Porsch Delavechia 5 Rosângela

Leia mais

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com 1/7 1. OBJETIVO Registrar, orientar e conduzir todo acidente de trabalho ocorrido com o colaborador do grupo SH Brasil nas instalações pertencentes à mesma, nos serviços prestados em áreas externas ou

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA

BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Centro Universitário Newton Paiva Escola de Odontologia BIOSSEGURANÇA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA Maria Aparecida Gonçalves de Melo Cunha O que é biossegurança? O termo biossegurança é formado pelo radical

Leia mais

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas

Isolamento. HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC. 1987: Precauções Universais. 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas Isolamento HISTÓRICO 1983: Guia de Isolamento do CDC Isolamento Categoria Específico Isolamento Doença Específico 1987: Precauções Universais 1987: Isolamento de Substâncias Corpóreas 1996: Novo Guia de

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes

BIOSSEGURANÇA. com ênfase na RDC ANVISA 302. Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA com ênfase na RDC ANVISA 302 Prof. Archangelo P. Fernandes BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Atitude Bom Senso Comportamento Conhecimento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGEPE PRO REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS CASQ COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DPVS DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA DA SAÚDE STSO SEÇÃO DE SEGURANÇA

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica

BIOSSEGURANÇA. Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Maria Emilia Aracema aracema@terra.com.br Farmacêutica-Bioquímica BIOSSEGURANÇA Biossegurança GERENCIAMENTO PONTO DE PARTIDA Risco O que entendemos por RISCO? CONCEITOS BÁSICOS RISCO (2000)

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Problema

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Problema 8 1 INTRODUÇÃO Os acidentes com materiais pérfuro-cortantes entre os profissionais da saúde são muito freqüentes, visto que a manipulação desses materiais dá-se em toda a jornada de trabalho, e tais acidentes

Leia mais

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido

Acidente com Perfuro- Cortantes. Guia Rápido Acidente com Perfuro- Cortantes Guia Rápido Cuidado do Ferimento Lavar com água e sabão o ferimento ou pele exposta ao sangue ou fluidos orgânicos. Lavar as mucosas com água em abundância. Não é recomendada

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL SÉLENE NOBRE SOUZA DOS SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL SÉLENE NOBRE SOUZA DOS SANTOS 0 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL SÉLENE NOBRE SOUZA DOS SANTOS PERFIL EPIDEMIOLOGICO DOS ACIDENTES DE TRABALHO POR EXPOSIÇÃO A MATERIAL PERFURO CORTANTE DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

Leia mais

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes

Nara Rubia Borges da Silva Vitória Maria Lobato Paes CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde A PREVENÇÃO DA HEPATITE B ATRAVÉS DA IMUNIZAÇÃO EM CASO DE ACIDENTE COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO DOS TRABALHADORES

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SAÚDE DO TRABALHADOR

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SAÚDE DO TRABALHADOR 1 Skupien SV*, 2 Rinaldi ECA, 3 Campos CGP. ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA SAÚDE DO TRABALHADOR Instituição: Universidade Estadual de Ponta Grossa, Campus de Uvaranas - Av. General Carlos Cavalcanti, 4748 -

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador

Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho. Enfermagem em Saúde do Trabalhador Universidade Federal Fluminense Pós Graduação Enfermagem do Trabalho Enfermagem em Saúde do Trabalhador DADOS. Mais de 6.000 pessoas morrem por dia no mundo: acidentes e doenças ligadas à atividades laborais;.

Leia mais

ÓRDEM DE SERVIÇO Lei Nº 6.514 de 22/12/1977 - MTb Portaria 3.214 - NR 01

ÓRDEM DE SERVIÇO Lei Nº 6.514 de 22/12/1977 - MTb Portaria 3.214 - NR 01 CGC MF: ******* ÓRDEM DE SERVIÇO Lei Nº 6.514 de 22/12/1977 - MTb Portaria 3.214 - NR 01 N de Registro 01 / 2009 Data de Atualização 10/07/2009 Função: Técnico de Enfermagem CBO: 322205 RISCOS Área de

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.

ACIDENTES DO TRABALHO. Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas. Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv. ACIDENTES DO TRABALHO Caracterização administrativa e repercussões previdenciárias e trabalhistas Cláudia Salles Vilela Vianna claudia@vvf.adv.br Acidente do Trabalho Lei 8.213/91, art. 19: Ocorre pelo

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ENFERMAGEM PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM MATERIAL PERFUROCORTANTE EM PROFISSIONAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Jóice Cristina Horst Lajeado, novembro de 2013 Jóice Cristina

Leia mais

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Risco Biológico Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Mini Currículo Graduada em Enfermagem e Obstetrícia UFES Especialista em Educação Profissional FIOCRUZ/UFES Membra da ABEN-ES Atuação Profissional:

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO. Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Repercussão Trabalhista, Previdenciária, Cível e Penal ÓBITOS NO MUNDO METODOLOGIA OIT BRASIL - 2009 92,7 milhões 2.496 ÓBITOS 2,693 BRASIL - 2008 92,4 milhões 2.817 ÓBITOS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011 Assunto: Equipamentos de Proteção Individual - EPIs. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) pela equipe de Enfermagem.

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO ENVOLVENDO PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM LEVANTAMENTO EM BANCO DE DADOS

ACIDENTES DE TRABALHO ENVOLVENDO PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM LEVANTAMENTO EM BANCO DE DADOS 176 ACIDENTES DE TRABALHO ENVOLVENDO PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM LEVANTAMENTO EM BANCO DE DADOS INDUSTRIAL ACCIDENTS INVOLVING NURSING PROFESSIONALS IN THE HOSPITAL ENVIRONMENT:

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1

DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DELINEANDO AS PRODUÇÕES NA ÁREA DA ENFERMAGEM SOBRE OS TEMAS: SAÚDE DO TRABALHADOR, MEIO AMBIENTE E SUAS RELAÇÕES COM A CONCEPÇÃO DE RISCO 1 DIAZ, Paola da Silva 2 ; CAMPONOGARA, Silviamar 3 RESUMO Tendo-se

Leia mais

Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico.

Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico. PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO E SAÚDE OCUPACIONAL - NR - 7 Unimed Anápolis Cooperativa de Trabalho Médico. (Filial) Elaborado pela Strategy Segurança e Medicina do Trabalho www.strategysaudeocupacional.com.br

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho

A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho A-3 Modelos de formulários para pesquisa com os trabalhadores sobre a exposição a sangue ou outros materiais biológicos no ambiente de trabalho Esta pesquisa ajuda a avaliar os aspectos relativos à notificação

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITE B E C

PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: HIV E HEPATITE B E C 1 de 19 PROTOCOLO DE CONDUTA DE EXPOSIÇÃO À MATERIAL BIOLÓGICO: SUMÁRIO 2 de 19 Introdução 3 Profissionais de Saúde e Tipos de Exposição 4 Risco de Transmissão 4 Prevenção da Exposição a Materiais Biológicos

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-234 - INTERVENÇÃO EDUCACIONAL PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇO DE SAÚDE GERADOS NO HOSPITAL GERAL CLÉRISTON ANDRADE, FEIRA DE SANTANA, BAHIA. Evanice Leal Leite Lima Bióloga, Especialista

Leia mais

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa

NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL. ASO Natalia Sousa NRS ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Natalia Sousa ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL ASO Para cada exame médico ocupacional realizado, o médico emitirá o ASO (Atestado de Saúde Ocupacional) em duas vias:

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais