Introdução: Apresentação do módulo, objectivos de aprendizagem, estratégia pedagógica, calendário e avaliação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução: Apresentação do módulo, objectivos de aprendizagem, estratégia pedagógica, calendário e avaliação."

Transcrição

1 Global Health O tema da saúde tem recebido uma ampla atenção a nível internacional nas últimas 3-4 décadas, culminando com a adoção da Declaração do Milénio pela assembleia dos países da Organização das Nações Unidas em 2000 e pelo compromisso sucessivo em prol da Cobertura Universal de Saúde (Universal Health Coverage) em Dezembro de A globalização em saúde está relacionada com fenómenos como a rapidez da transmissão das doenças devida a mobilidade das pessoas; o impacto económico da persistência de algumas doenças transmissíveis em zonas mais pobres; a emergência de Iniciativas Globais em Saúde apoiadas por agências técnicas e financeiras internacionais, públicas e privadas; a emergência de um mercado global de serviços e de trabalho em saúde; e a percepção de que as iniquidades sociais e económicas não podem ser resolvidas sem melhorar os níveis de saúde em todos os países. Objectivos: O objectivo geral do seminário é habilitar os doutorandos para: Descrever e analisar a Carga de Doença Global, sua evolução e seus determinantes; Compreender o impacto da globalização na saúde; Descrever a globalização do mercado da saúde: procura de serviços de saúde (turismo médico, cuidados de saúde transfronteiriços), mobilidade dos profissionais de saúde; Reconstruir a história das principais intervenções globais em saúde, desde a criação da Organização Mundial da Saúde até à adopção do objectivo de Cobertura Universal de Saúde; Identificar os principais atores que intervêm em saúde a nível internacional (agências técnicas e financeiras bi- e multilaterais, ONGs, fundações/filantropia, empresas de consultoria); Descrever os seus programas e modos de actuação, o seu financiamento, a sua governação e analisar as suas forças e fraquezas. Docente: Gilles Dussault, Professor Catedrático convidado, Unidade de saúde pública internacional e bioestatística, Instituto de Higiene e Medicina Tropical). Calendário Sessão 1; 28 de Fevereiro, horas Introdução: Apresentação do módulo, objectivos de aprendizagem, estratégia pedagógica, calendário e avaliação. 1

2 Sessão 2: 15 de Março: Saúde global: definição, historia. Quadro analítico: Globalização da saúde, Desafios técnicos, organizacionais, e políticos, Atores da saúde global, recursos, estratégias e actividades, resultados. Saúde internacional/global; saúde como bem público. Preparação dos trabalhos sobre Saúde como problema global. Sessão 3: 22 de Março: Saúde como problema global: 1- A Carga global de doença (Burden of Disease): variações geográficas, iniquidades (morbidade e da mortalidade evitáveis), aumento da carga das doenças non- comunicáveis e transição epidemiológica. As novas ameaças globais: HIV, SARS, doenças (re)emergentes. Impacto da mobilidade das pessoas (viajantes, migrantes). 2- Os determinantes sociais da saúde; ambiente económico, condições de trabalho, papel da indústria da alimentação, tabaco, da reciclagem. 3- Saúde, empobrecimento e desenvolvimento económico: Health is wealth Preparação dos trabalhos sobre Saúde: um mercado global Sessão 4: 5 de Abril: Saúde: um mercado global 1- Globalização do mercado dos serviços (1): turismo médico 2- Globalização do mercado dos serviços (2): fluxos transfronteiriços de utilizadores 3- Globalização do mercado dos serviços (3): mobilidade dos trabalhadores de saúde Preparação dos trabalhos sobre A emergência de intervenções globais Sessão 5: 11 de Abril: A emergência de intervenções globais 1- Os novos atores da saúde global: agências técnicas e financeiras, cooperação bilateral, organizações não- governamentais, fundações, alianças, G- 8, IHP+ 2- As intervenções/iniciativas globais, os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio : Stop- TB, GAVI, Global Fund, Roll- Back- Malaria 3- A Cobertura Universal e a agenda pós

3 Sessão 6: 2 de Maio: Síntese: Os desafios e o futuro da saúde global 1- A governação da saúde global: os atores, as regras do jogo, o papel do sector privado. 2- O impacto dos programas internacionais verticais em saúde; HIV, pólio, tabagismo 3- Quem paga? Fluxos financeiros, contributo dos países pobres (Declaração de Abuja). Onde vai o dinheiro? 4- A questão dos recursos humanos Avaliação: Cada aluno será avaliado na base de três apresentações de temas do seminário (60% da nota final) e um ensaio individual sobre um desses 3500 palavras (40% da nota final). Bibliografia Sessão 2: Saúde global (2010) Robert Beaglehole R., Bonita R. What is global health, Global Health Action, 3: 5142http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC / (2014) Bristol N., Global Action towards Universal Health Coverage, Center for Strategic and International Studies, Washington D.C.; th_web.pdf (2013) Kim J.Y., Paul Farmer P., Michael E Porter M.E., Redefining global health- care delivery, Health Policy, published Online May 20 (2009) Koplan, J.F.B., et al., Towards a common definition of global health. The Lancet. 373: p ; n_definitition.pdf Sessão 3: Saúde como problema global 1. A Carga global de doença (2004) Gushulak, BD; MacPherson, DW Globalization of Infectious Diseases: The Impact of Migration, Clinical Infectious Diseases, 38: (2013) Institute for Health Metrics and Evaluation. The Global Burden of Disease: Generating Evidence, Guiding Policy. Seattle, WA: IHME. rt/2011/gbd_generating%20evidence_guiding%20policy%20final.pdf 3

4 2. Os determinantes sociais da saúde (2010). CDSS Redução das desigualdades no período de uma geração. Igualdade na saúdeatravés da acção sobre os seus determinantes sociais. Relatório Final da Comissão para os Determinantes Sociais da Saúde. Organização Mundial da Saúde. s.pdf (2013). Mackenbach JP, Political conditions and life expectancy in Europe, Soc Sci Med 82; Institute of health equity ; https://www.instituteofhealthequity.org/media/press- releases/two- years- on- data 3. Saúde, empobrecimento e desenvolvimento económico (2010) Conteh, L., Engels, T., Molyneux D.H., Socioeconomic aspects of neglected tropical diseases, The Lancet, Vol 375 January 16: ; 27.pdf?id=de2e5b4b1d461676: f:14366e19c2d:fb (2009) DETERMINE - EU Consortium for Action on the Socioeconomic. Determinants of Health, Economic Arguments for addressing social determinants of health inequalities. %20document%204_Economic%20arguments%20for%20addressing%20soc ial%20determinants%20of%20health%20inequalities.pdf (2011) Figueras J.,McKee M., Health systems, health, wealth and societal well- being. Assessing the case for investing in health systems, Open University Press, European Observatory on Health Systems and Policies series,, xxiv +304 pages data/assets/pdf_file/0007/164383/e96159.pdf (1999) Sen A., Health in development, Bulletin of the World Health Organization, 77 (8): Sessão 4: Saúde: um mercado global 4. Globalização do mercado dos serviços (1): turismo médico (2011) Lundt N. et al., Medical Tourism: Treatments, Markets and Health System Implications: A scoping review, OECD, Directorate for 4

5 Employment, Labour and Social Affairs, systems/ pdf 5. Globalização do mercado dos serviços (2): fluxos transfronteiriços de utilizadores (2011) Entidade Reguladora da Saúde, Análise do Impacto da Directiva 2011/24/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 9 de Março de 2011, relativa ao Exercício dos Direitos dos Doentes em Matéria de Cuidados de Saúde Transfronteiriços sobre o Sistema de Saúde Português, Porto, ERS https://www.ers.pt/uploads/writer_file/document/37/directiva_transfr onteirica_11.pdf. (2011) Wismar M. et al. Cross- border health care in the European Union. Mapping and analysing practices and policies, Brussels, European Observatory on Health Systems and Policies, Observatory Studies Series, No. 22; data/assets/pdf_file/0004/135994/e94875.pdf 6. Globalização do mercado dos serviços (3): mobilidade dos trabalhadores de saúde (2012 ) Grignon M.,Owusu Y., Sweetman A., The International Migration of Health Professionals, Discussion Paper No. 6517, Bonn, Institute for the study of labor( IZA); (2011) Wismar M., Maier C.B., Glinos I.A., Dussault G., Figueras J., Health Professional Mobility and Heath Systems: evidence from 17 European countries, European Observatory of Health Systems and Policies, Brussels. ISBN ws/2012/10/new- book- on- professional- mobility (2012) Tjadens, F., Mobility of Health Professionals: Health systems, work conditions, patterns of health workers mobility and implications for policy maker s, Bonn (Germany), WIAD - Scientific Institute of the Medical Association of German Doctors. ort_summary.pdf Sessão 5: A emergência de intervenções globais 7. Os novos atores da saúde global: agências técnicas e financeiras, cooperação bilateral, organizações não- governamentais, fundações, alianças, G- 8, IHP+ (2006) Brown, T.M., M. Cueto, and E. Fee, The World Health Organization and the transition from "international" to "global" public health. Am J Public Health, 96(1): p

6 (2012) Kickbusch I., Gleicher D. Governance for health in the 21st century. Organização Mundial da Saúde. data/assets/pdf_file/0019/171334/rc62bd01- Governance- for- Health- Web.pdf International Health Partnership, 8. As intervenções/iniciativas globais, os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio : Stop- TB, GAVI, Global Fund, Roll- Back- Malaria (2009) Biesma, R.G., R. Brugha, A. Harmer, A. Walsh, N. Spicer, and G. Walt, The effects of global health initiatives on country health systems: a review of the evidence from HIV/AIDS control. Health Policy Plan, 24(4): p (2011) Spicer N., Walsh A. 10 best resources on...the current effects of global health initiatives on country health systems, Health Policy and Planning ;1;5 (2009) World Health Organization Positive Synergies Group, An assessment of interactions between global health initiatives and country health systems. The Lancet, 373: p cdn.com/s /1- s2.0- S main.pdf?_tid=9a79edfe- 76c1-11e3- ae2a aacb35f&acdnat= _b c3674ad0d696aaaeb2399c A Cobertura Universal e a agenda pós (2013) Evans D.B., Hsu J., Boerma T. Universal health coverage and universal access, Bull World Health Organ 2013;91: A, (2012) United Nations General Assembly. Global health and foreign policy. 67th session, Agenda item 123. A/67/L.36. New York, United Nations; 63051:1 6. Os desafios e o futuro da saúde global A governação da saúde global: os atores, as regras do jogo, o papel do sector privado. (2014) Ottersen,O.P. et al.the Lancet University of Oslo Commission on Global Governance for Health: The political origins of health inequity: prospects for change, The Lancet, 383: Quem paga? Fluxos financeiros, contributo dos países pobres (Declaração de Abuja). Onde vai o dinheiro? 6

7 Geographical Distribution of Financial Flows to Developing Countries 2013: Disbursements, Commitments, Country Indicators: Asset- Management/oecd/development/geographical- distribution- of- financial- flows- to- developing- countries- 2013_fin_flows_dev en- fr Global Health Expenditure Database: HS A questão dos recursos humanos (2013) Campbell J, Dussault G, Buchan J, Pozo- Martin F, Guerra Arias M, Leone C, Siyam A, Cometto G., A universal truth: no health without a workforce. Forum Report, Third Global Forum on Human Resources for Health, Recife, Brazil. Geneva, Global Health Workforce Alliance and World Health Organization. 3/en/ (2014) Basu S., Stuckler D., McKee M, An alternative mechanism for international health aid: evaluating a Global Social Protection Fund, Health Policy and Planning;29: ; (2014) Frenk J., Gómez- Dantés O., Moon S., From sovereignty to solidarity: a renewed concept of global health for an era of complex interdependence, The Lancet ; 383: 94 97; (2012) Garett, L., Money or Die: A Watershed Moment for Global Public Health, Foreign Affairs, March 6; or- die- watershed- moment- for.html (2013) Kickbusch I. A game change in global health: the best is yet to come. Public Health Reviews;35: 7

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global 2013 O que é a Saúde Global? Saúde Global é uma nova disciplina que visa a melhoria da saúde das populações e a luta pela equidade em saúde a nível mundial.

Leia mais

SAÚDE GLOBAL, SAÚDE DAS POPULAÇÕES E DETERMINANTES SOCIAIS / GLOBAL HEALTH, POPULATION HEALTH AND SOCIAL DETERMINANTS

SAÚDE GLOBAL, SAÚDE DAS POPULAÇÕES E DETERMINANTES SOCIAIS / GLOBAL HEALTH, POPULATION HEALTH AND SOCIAL DETERMINANTS SAÚDE GLOBAL, SAÚDE DAS POPULAÇÕES E DETERMINANTES SOCIAIS / GLOBAL HEALTH, POPULATION HEALTH AND SOCIAL DETERMINANTS 1. Unidade curricular: Saúde global, saúde das populações e determinantes sociais /

Leia mais

Combatendo as DCNT: uma abordagem diferente é necessária. transmissíveis (DCNT) na agenda global de saúde, a fim de enfrentar a chamada

Combatendo as DCNT: uma abordagem diferente é necessária. transmissíveis (DCNT) na agenda global de saúde, a fim de enfrentar a chamada Combatendo as DCNT: uma abordagem diferente é necessária A Aliança DCNT ( NCD Alliance ) 1 visa colocar as doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) na agenda global de saúde, a fim de enfrentar a chamada

Leia mais

Gustavo Ribeiro Alves

Gustavo Ribeiro Alves Formação em Engenharia no Mundo Um olhar sobre a Europa Gustavo Ribeiro Alves Instituto Politécnico do Porto (IPP) Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) Centro de Inovação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Resumo. O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil?

Resumo. O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? O que é que os países africanos podem aprender com o desenvolvimento e crescimento inclusivo no Brasil? Trabalho de pesquisa: O impacto do programa de formação vocacional do SENAI no emprego, salários

Leia mais

PROTEGER E PROMOVER O CAPITAL HUMANO DO SNS. Marta Temido, Administradora Hospitalar, APAH

PROTEGER E PROMOVER O CAPITAL HUMANO DO SNS. Marta Temido, Administradora Hospitalar, APAH PROTEGER E PROMOVER O CAPITAL HUMANO DO SNS Marta Temido, Administradora Hospitalar, APAH TEMA Os recursos humanos da saúde constituem o principal custo e investimento da produção de cuidados de saúde.

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

A. O Reilly, The Right to Decent Work of Persons with Disabilities, Geneva, ILO, 2003 (IFP/SKILLS «Working Paper» No. 14

A. O Reilly, The Right to Decent Work of Persons with Disabilities, Geneva, ILO, 2003 (IFP/SKILLS «Working Paper» No. 14 Anexo IV Textos Aconselhados e Sites Web A. O Reilly, The Right to Decent Work of Persons with Disabilities, Geneva, ILO, 2003 (IFP/SKILLS «Working Paper» No. 14 WHO, ICF. International Classification

Leia mais

J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z

J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z J O S É L U I Z T E L L E S E S C O L A N A C I O N A L D E S A Ú D E P Ú B L I C A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z P Ó S - D O U T O R A N D O N A E N S P - UNL POPULACIONAL ENVELHECIMENTO INDIVIDUAL

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal

Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Das palavras à [monitoriz]ação: 20 anos da Plataforma de Acção de Pequim na perspetiva das organizações de mulheres em Portugal Lisboa, 25 de Julho de 2105 Sessão de abertura (agradecimentos; este seminário

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012

Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções. Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Sessão 4 Como usar evidências de pesquisa para estruturar opções Brasília, 10 a 13 dezembro 2012 Objetivos Familiarizar-se com uma lista de questões a serem consideradas para estruturar opções com o objetivo

Leia mais

A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro

A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro O contributo da EU-OSHA para a Prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro A prevenção como instrumento de trabalho digno e de trabalho seguro Emília Telo ACT PFN EU-OSHA (Agência

Leia mais

Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016

Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016 Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016 Declaração de Conflito de Interesses Eu, Cesar Almeida Rodrigues, autor da apresentação, declaro que possuo vínculo

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde

A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde A Declaração Política de Recife sobre Recursos Humanos para a Saúde: compromissos renovados para a cobertura universal de saúde 1. Nós, representantes dos governos que se reuniram no Recife, Brasil, de

Leia mais

Documento temático Sessão 3

Documento temático Sessão 3 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO Fórum da OIT sobre Trabalho Digno para uma Globalização Justa FDW Lisboa 31 de Outubro 2 de Novembro de 2007 Documento temático Sessão 3 Migração laboral interna e

Leia mais

Saúde em Todas as Políticas. Perspetiva Relações Internacionais

Saúde em Todas as Políticas. Perspetiva Relações Internacionais Saúde em Todas as Políticas Perspetiva Relações Internacionais 8.ª Conferência Global de Promoção da Saúde (Helsínquia, junho de 013) Abordagem intersectorial das políticas públicas, que toma em consideração,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Portugal ID Portugal BI. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Last Update Última Actualização: 17-06-2014

Portugal ID Portugal BI. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Last Update Última Actualização: 17-06-2014 dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica Portugal ID Portugal BI Last Update Última Actualização: 17-06-2014 Copyright 2014 Portugal Economy Probe PE Probe Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe

Leia mais

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt

4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS. AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt SITES DE REFERÊNCIA 4. SITES DE REFERÊNCIA 4.1. ENTIDADES SECTORIAIS AACS Alta Autoridade para a Comunicação Social http://www.aacs.pt Banco de Portugal http://www.bportugal.pt CMVM Comissão do Mercado

Leia mais

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica.

1. Ementa completa e atualizada: Unidade de Aprendizagem 2 Saúde Global e Política Externa Brasileira: Uma Perspectiva Histórica. Relatório Final da Coordenação da Unidade de Aprendizagem 2 Curso de Especialização em Saúde Global e Diplomacia da Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca Fiocruz 1. Ementa completa e atualizada:

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA 16 a 20 de junho de 2014 CE154.R17 Original: inglês RESOLUÇÃO CE154.R17 ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE A 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO,

Leia mais

Problemas ambientais urbanos

Problemas ambientais urbanos MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Problemas ambientais urbanos 3ª aula Maria do Rosário Partidário CITIES ENVIRONMENT Inputs Outputs Energy Food Water

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Programa Prof. João Pedro Couto Objectivos Esta disciplina tem como finalidade fornecer aos alunos um conjunto de elementos que permitam aos mesmos, utilizando uma lógica de raciocínio

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO 154 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 16 a 20 de junho de 2014 Tema 4.3 da Agenda Provisória CE154/12 12 de maio de 2014 Original: inglês ESTRATÉGIA PARA COBERTURA UNIVERSAL DE SAÚDE

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE Plano Nacional de Saúde 2012-2016 1. ENQUADRAMENTO DO PLANO NACIONAL DA SAÚDE 1.1.VISÃO DO PNS... 2 1.2.MISSÃO DO PNS... 2

Leia mais

CURRICULUM VITAE. Filipe Almeida Santos

CURRICULUM VITAE. Filipe Almeida Santos CURRICULUM VITAE Filipe Almeida Santos Viseu, 2 de Fevereiro de 2006 FILIPE ALMEIDA SANTOS http://ideas.repec.org/f/c/psa264.html Quinta do Bosque, Lote 127 4ºE Tel: +351 232 422 218/91 976 15 10 3510-010

Leia mais

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves

IEP815 Política Ambiental, Descentralização e Qualidade de Vida Profa. Estela Neves Objetivo: O objetivo do curso é familiarizar os alunos com a base teórica, marcos conceituais e questões operacionais da política ambiental no âmbito municipal, para capacitá-los para analisar propostas

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

3º Programa de Saúde 2014-2020

3º Programa de Saúde 2014-2020 2014-2020 INFARMED, 25 de junho de 2014 1. Enquadramento estratégico 2. Apresentação 3. Objetivos 4. Prioridades temáticas 5. Ações 6. Beneficiários 7. Tipos de subvenção 8. Regras de financiamento 9.

Leia mais

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015

Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Desenvolvimento da Agenda da Educação Pós-2015 Histórico Educação para Todos (Dakar, Senegal, Abril de 2000) Seis objetivos de EPT: Expandir e melhorar a educação e os cuidados na primeira infância Universalizar

Leia mais

Plano de Actividades Grupo de Apoio à Pediatria APCP

Plano de Actividades Grupo de Apoio à Pediatria APCP 1. REUNIÕES O Grupo de Apoio à Pediatria da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, desde o inicio da sua constituição, reúne presencialmente ou por Skype/ Email para que as decisões sejam de consenso.

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres

Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Projeto de indução da qualidade e segurança dos serviços de saúde no setor suplementar Jacqueline Alves Torres Objetivo Principal Promover o intercâmbio e a cooperação técnica e operacional relacionados

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA. Disciplina

MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA. Disciplina CURSO Ano / Semestre 2015/2 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSITÁRIA Disciplina CAD310026 - Internacionalização da Educação Superior e Gestão da Cooperação Internacional

Leia mais

Ensino a distância: Plataforma tecnológica para Acesso e Gestão da informação

Ensino a distância: Plataforma tecnológica para Acesso e Gestão da informação Ensino a distância: Plataforma tecnológica para Acesso e Gestão da informação Patrícia Ferreira Gestora de Informação e Comunicação Projeto A Name for Health, EDULINK Centro de Educação Médica, Faculdade

Leia mais

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Referências Bibliográficas 1 - Correia de Campos A. Saúde o custo de um valor sem preço. Lisboa: Editora Portuguesa de Livros Técnicos e Científicos. 1983. 2 - Direcção

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade

A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade A aprendizagem da língua como patamar de acesso à nacionalidade Área Temática Migrações, Etnicidades e Racismo Mesa: Percursos de Integração I Gabriela Semedo Estrutura da apresentação: 1. A língua como

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília

Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília Universidade de Brasília Instituto de Relações Internacionais Programa de Educação Tutorial - PET-REL Periódicos de Relações Internacionais disponíveis em Brasília Periódico Local* Anos disponíveis Breve

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Plano Nacional de Saúde 2012-2016

Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção em Recursos Humanos em Saúde (RHS) (Novembro de 2014) Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Plano Nacional de Saúde 2012-2016 Roteiro de Intervenção

Leia mais

Organizing Committee. Comissão Organizadora. Organização Mundial da Saúde Governo Federal. World Health Organization Federal Government of Brazil

Organizing Committee. Comissão Organizadora. Organização Mundial da Saúde Governo Federal. World Health Organization Federal Government of Brazil Organizing Committee World Health Organization Federal Government of Brazil Civil House of the Presidency Ministry of Cities Ministry of Education Ministry of External Affairs Ministry of Health Ministry

Leia mais

1. QUEM SOU 2. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

1. QUEM SOU 2. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 1. QUEM SOU Nome: Cristina Alexandra Marques Fernandes Morada: Estrada de Benfica, nº 446, 7º Dtº, Lisboa Telemóvel: +351 919 426 797 Data e Local de Nascimento: 13.01.1967, em Lisboa Email: cristina@cristinafernandes.com

Leia mais

Governança e Transparência no Terceiro Setor Modelos Práticos de Governança em Entidades do Terceiro Setor

Governança e Transparência no Terceiro Setor Modelos Práticos de Governança em Entidades do Terceiro Setor Governança e Transparência no Terceiro Setor Modelos Práticos de Governança em Entidades do Terceiro Setor Rachel Biderman 14 de outubro 2014 Congresso IBGC WALK THE TALK Exigimos transparência: temos

Leia mais

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa Caminho para a dignidade 2015-2030 Uma Agenda universal e participativa 2015 Caminho para a dignidade 2015-2030 Fusão de 6 agendas/diálogos internacionais (!) 1.Agenda do desenvolvimento e os ODM 2.Desenvolvimento

Leia mais

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL

CB RICHARD ELLIS PORTUGAL CB RICHARD ELLIS PORTUGAL Apresentação da Empresa 2011 Índice Página 1. CB Richard Ellis 3 2. CB Richard Ellis no Mundo 4 3. CB Richard Ellis na Região EMEA 7 4. O Grupo CBRE Portugal 8 5. Prémios Internacionais

Leia mais

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição

Pós-Graduação. Mercados Internacionais e Diplomacia Económica. 1ª Edição Pós-Graduação Mercados Internacionais e Diplomacia Económica 1ª Edição 2011/2012 Mercados Internacionais e Diplomacia Económica Coordenação Científica Prof. Doutor Joaquim Ramos Silva Prof. Doutor Manuel

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL / professional experience

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL / professional experience Curriculum Vitae FERNANDO SOUSA JÚNIOR fsousajr@hotmail.com NOME / name Fernando Vitor de Sousa Júnior DATA DE NASCIMENTO / date of birth 04/08/1973 LOCAL DE NASCIMENTO / Place of birth Moçambique NACIONALIDADE

Leia mais

Laureate Discover Visão Geral do Projeto - Informação detalhada. Nina Myers Program Manager

Laureate Discover Visão Geral do Projeto - Informação detalhada. Nina Myers Program Manager Laureate Discover Visão Geral do Projeto - Informação detalhada Nina Myers Program Manager Que é Laureate Discover? Um repositório de recursos acadêmicos disponíveis para as instituições da rede Laureate

Leia mais

CURRICULUM-VITAE. António Manuel Portugal Duarte

CURRICULUM-VITAE. António Manuel Portugal Duarte CURRICULUM-VITAE António Manuel Portugal Duarte Agosto de 2007 Dados Biográficos: Nome: António Manuel Portugal Duarte Data de Nascimento: 06 de Junho de 1970 Filiação: António Manuel Cardoso Duarte e

Leia mais

4. ACTIVIDADES DE NATUREZA TÉCNICO-CIENTÍFICA

4. ACTIVIDADES DE NATUREZA TÉCNICO-CIENTÍFICA CURRICULUM VITAE 1. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: José Jacinto Descalço Bilau 2. HABILITAÇÕES ACADÉMICAS 2.1. Doutoramento em Gestão pela Universidade Técnica de Lisboa (ISEG), 2008 Tese realizada na

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

GONÇALO SARAIVA MATIAS

GONÇALO SARAIVA MATIAS GONÇALO SARAIVA MATIAS FUNÇÃO Assistente da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa. Membro do Conselho de Direção para as Relações Internacionais. CONTACTOS Tel. +351 217 214 170 Fax

Leia mais

ANTECEDENTES DA RIO + 10

ANTECEDENTES DA RIO + 10 ANTECEDENTES DA RIO + 10 RIO + 5 - evento organizado pela ONG Conselho da Terra, foi realizado no Rio de Janeiro de 13 e 19/3/1997 e teve forte participação empresarial e a presença de apenas 50 ONGs.Como

Leia mais

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt

Suporte à Autogestão na Doença Crónica. SelfManagementSupport@ensp.unl.pt Suporte à Autogestão na Doença Crónica SelfManagementSupport@ensp.unl.pt !" #$ # Tantos Doentes, Tão Pouco Tempo Distribuição de Necessidades em Saúde (Kaiser Permanente) COMUNIDADE SUPORTE AUTOGESTÃO

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

Currículo de Pedro Jucá Maciel

Currículo de Pedro Jucá Maciel Currículo de Pedro Jucá Maciel Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Pernambuco (2002), Mestrado (2005) e Doutorado (2009) em Economia pela Universidade de Brasília e Pós-

Leia mais

Renovar uma aliança política é chave para travar as epidemias do VIH e hepatites virais por toda a Europa

Renovar uma aliança política é chave para travar as epidemias do VIH e hepatites virais por toda a Europa HepHIV2014 Comunicado de imprensa Novembro de 2014 Renovar uma aliança política é chave para travar as epidemias do VIH e hepatites virais por toda a Europa O número de pessoas que vivem com VIH e hepatites

Leia mais

Diplomacia da Saúde Global *

Diplomacia da Saúde Global * [www.reciis.cict.fiocruz.br] e-issn 1981-6278 Artigo original Diplomacia da Saúde Global * DOI: 10.3395/reciis.v4i1.342pt Ilona Kickbusch Cientista político, PhD da Universidade de Konstanz, Alemanha.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

O Sistema de Pagamentos Português Vítor Bento. Conferência sobre o Sistema de Pagamentos Lisboa, 4 de Dezembro de 2013

O Sistema de Pagamentos Português Vítor Bento. Conferência sobre o Sistema de Pagamentos Lisboa, 4 de Dezembro de 2013 O Sistema de Pagamentos Português Vítor Bento Conferência sobre o Sistema de Pagamentos Lisboa, 4 de Dezembro de 2013 Índice 1. Modelo Coopetitivo 2. Modelo Compreensivo 3. Economia dos Pagamentos 4. Regulação,

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Maputo, Moçambique 2008 6 Factores Externos Demográficos: (idade, sexo) Socio-económicos: (educação, ocupação) Ambiente: (conflitos, clima) Sistemas Saúde (DOTS) Disponibilidade Acesso Utilização Detecção

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SARA HELENA PEREIRA E SILVA

FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SARA HELENA PEREIRA E SILVA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SARA HELENA PEREIRA E SILVA Propriedade intelectual e a alta modernidade: redefinindo o sistema para adequação aos direitos fundamentais Projeto de pesquisa orientado

Leia mais

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores

1 ª sessão [10.30/13.00] Uma agenda de investigação para a cultura estatísticas e indicadores Seminário: O Sector Cultural e Criativo A Agenda de Lisboa Programa provisório Presidência Portuguesa UE, 2007 Lisboa, 31 Out. / 1 Nov. Organização: Ministério da Cultura GPEARI Observatório das Actividades

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

CAIXA DE FERRAMENTAS (TOOLKIT) DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

CAIXA DE FERRAMENTAS (TOOLKIT) DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CAIXA DE FERRAMENTAS (TOOLKIT) DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO HIV, Tuberculose e Malária e Fortalecimento dos Sistemas de Saúde Parte 2: Ferramentas de monitoramento dos programas de HIV, tuberculose, malária

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health Minneapolis - MN OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html AGENDA A CONFIRMAR* OptumLabs é o primeiro centro aberto e colaborativo de pesquisa e inovação da indústria de Healthcare. Através dos mais

Leia mais

Comunicação para alterações sociais

Comunicação para alterações sociais + Orientação Técnica Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Comunicação para alterações sociais A comunicação é um elemento essencial dos esforços de prevenção, tratamento e cuidados

Leia mais

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação

Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE. Ângelo Neves Direcção-Geral das Actividades Económicas (DGAE) Ministério da Economia e da Inovação Nova Directiva do Comércio Europeu de Licenças de Emissão Novas regras. Novos desafios AIP, C.C.Lisboa, 21 de Maio de 2009 Processo de Negociação sobre a Nova Directiva CELE Ângelo Neves Direcção-Geral

Leia mais

FRANCISCO NORONHA. CURRICULUM VITAE (Summary)

FRANCISCO NORONHA. CURRICULUM VITAE (Summary) FRANCISCO NORONHA CURRICULUM VITAE (Summary) PORTO 2015 Curriculum Vitae (Summary) IDENTIFICATION Name: Francisco Noronha Birthday: 19 th March of 1988 Contact: francisco.noronha@ciimar.up.pt / francisconoronha10@hotmail.com

Leia mais

O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais

O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais O processo produtivo de medicamentos e a efetivação dos Direitos Fundamentais Sara Helena Pereira e Silva 1 1. RESUMO A presente pesquisa pretende enfrentar a questão do acesso a medicamentos e tratamentos

Leia mais

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez

2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Destinatários: Médicos Especialistas e Internos de Especialidade de Ginecologia e Obstetrícia, Medicina Interna, Medicina Geral e Familiar e outras

Leia mais

Saúde Global em tempos de globalização

Saúde Global em tempos de globalização Saúde Global em tempos de globalização Global Health in globalization times Paulo Antônio de Carvalho Fortes Livre Docente. Professor titular do Departamento de Prática de Saúde Pública e coordenador do

Leia mais

Construindo uma Cultura de Segurança

Construindo uma Cultura de Segurança Construindo uma Cultura de Segurança 3as Jornadas de Enfermagem do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Patrícia Fernandes patricia.arfernandes@gmail.com Lisboa, 19 de Maio de 2011 44000 a 98000

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE MACAU RELAÇÕES ECONÓMICAS REGIONAIS (Programa e bibliografia geral seleccionada) Revista em 05/11/2014 5.º Ano Ano Lectivo 2014/2015 Regente Rui Pedro de Carvalho

Leia mais

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3

Índice. Desenvolvimento econômico, 1 Direitos legais, 3 Índice A Academic drift, 255 Accountability, 222, 278 Agenda social, 2 Aplicativo para a Melhoria de Qualidade (AMQ), 84 Aposentadoria benefícios previdenciários e assistenciais e seu impacto sobre a pobreza,

Leia mais

Ploy Khumthukthit. A Nova Diplomacia Pública do Japão. Dissertação de Mestrado

Ploy Khumthukthit. A Nova Diplomacia Pública do Japão. Dissertação de Mestrado Ploy Khumthukthit A Nova Diplomacia Pública do Japão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Relações

Leia mais

Busca pela excelência em universidades no Brasil

Busca pela excelência em universidades no Brasil Busca pela excelência em universidades no Brasil Carlos Henrique de Brito Cruz Diretor Científico FAPESP 20130723 excellence-in-higher-ed-chbc20140122pptx; C.H. Brito Cruz e Fapesp 1 Determinants of Excellence

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

Modelos Emergentes de Cooperação em Saúde Global

Modelos Emergentes de Cooperação em Saúde Global Modelos Emergentes de Cooperação em Saúde Global Ricardo Pereira Seminários CEsA, ISEG, UTL, Lisboa, 14 de Março Estrutura da Apresentação 1. A Revolução em Saúde Global 2. Bilateralismo Público-Privado;

Leia mais

Projecto de Rede Temática AEHESIS

Projecto de Rede Temática AEHESIS Projecto de Rede Temática AEHESIS Aligning a European Higher Education Structure In Sport Science Relatório do Terceiro Ano - Resumo - (translated by the Polytechnique Institute of Santarem, Escola Superior

Leia mais

Aplicação da metodologia definida pela OCDE para o cálculo de população urbana e rural nos municípios do Brasil

Aplicação da metodologia definida pela OCDE para o cálculo de população urbana e rural nos municípios do Brasil Aplicação da metodologia definida pela OCDE para o cálculo de população urbana e rural nos municípios do Brasil G. B. Braga (a), P. C. Remoaldo (b), A. L. C. Fiúza (c), (a) Universidade Federal de Viçosa/Universidade

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Catalogue des nouvelles acquisitions

Catalogue des nouvelles acquisitions Bulletin Bibliographique Edition Nº 03 Bissau, 18/06/2013 CID Centre d Information et Documentation Nations Unies, Guine-Bissau www.gw.one.un.org www.cidnubissau.net Catalogue des nouvelles acquisitions

Leia mais

CIENCIA VIVA. A Portuguese initiative for scientific and technological culture

CIENCIA VIVA. A Portuguese initiative for scientific and technological culture CIENCIA VIVA A Portuguese initiative for scientific and technological culture OUR MISSION CIENCIA VIVA IN SCHOOLS Science Education, practical work in partnership with research institutions NATIONAL SCIENTIFIC

Leia mais