Futuro Previdência Privada

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Futuro Previdência Privada"

Transcrição

1 Futuro Previdência Privada Demonstrações Contábeis Intermediárias Em 30 de junho de 2013

2 2 Futuro Previdência Privada Demonstrações Contábeis Intermediárias em 30 de junho de 2013 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Intermediárias 4-5 Balanço Patrimonial 6-7 Demonstração do Resultado do Período 8 Demonstração do Resultado Abrangente 9 Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 10 Demonstração dos Fluxos de Caixa - Método Indireto 11 Notas explicativas às demonstrações contábeis Intermediárias 12-19

3 3 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ / RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em cumprimento as disposições legais e estatutárias em vigor a FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA, Entidade Aberta de Previdência Complementar, sem fins lucrativos, com sede na Rua Barão de Itapetininga nº 124-3º andar - conjunto 31 - Centro - São Paulo - SP apresenta as autoridades competentes e aos participantes de seus planos previdenciários o relatório dos auditores independentes e as demonstrações contábeis relativas ao exercício findo em 30 de junho de POLÍTICA DE REINVESTIMENTOS - Os resultados apurados, quando positivos são incorporados ao patrimônio da Entidade, em aplicações financeiras, em melhorias de informação e de comunicação, em equipamentos e em treinamento de pessoal com o objetivo de melhorar sempre a prestação de serviços aos nossos associados. NEGÓCIOS SOCIAIS - O Conselho de Administração e a Diretoria irão desenvolver durante o próximo semestre novos produtos previdenciários voltados para atender as expectativas de mercado. PERSPECTIVAS E PLANOS DA ADMINISTRAÇÃO PARA O PERÍODO SEGUINTE Com o novo leque de produtos as expectativas da administração da entidade para o segundo semestre de 2013, será a reversão dos indicadores apresentados, baseado principalmente em planejamento operacional, administrativo e financeiro, resultando benefícios à empresa e mercado, cumprindo de forma satisfatório sua função social dentro do cenário de forte competição do mercado brasileiro. DECLARAÇÃO SOBRE A CAPACIDADE FINANCEIRA - De acordo com as disposições contidas na Circular SUSEP nº 464, de 01 de março de 2013 declaramos a capacidade financeira e a intenção da Entidade em manter até os vencimentos, os ativos financeiros classificados na categoria Títulos Mantidos até o Vencimento São Paulo - SP, 30 de junho de VAGNER SIMÕES Diretor Presidente

4 4 Relatório dos Auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores da Futuro Previdência Privada São Paulo - SP Examinamos as demonstrações contábeis intermediárias da Futuro Previdência Privada ( Entidade ), que compreendem o balanço patrimonial em 30 de junho de 2013 e as respectivas demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o semestre findo naquela mesma data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da Administração sobre as demonstrações contábeis intermediárias A Administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis intermediárias de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às entidades supervisionadas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis intermediárias com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Entidade. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.

5 5 Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis anteriormente referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Futuro Previdência Privada em 30 de junho de 2013, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o semestre findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às entidades supervisionadas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. Rio de Janeiro, 08 de agosto de dns - Auditoria e Consultoria Roberto Rossi CRC/RJ nº S/SP Contador CRC/RS nº /O S/SP

6 6 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em Reais) A T I V O CIRCULANTE DISPONÍVEL CAIXA E BANCOS EQUIVALENTE DE CAIXA APLICAÇÕES CRÉDITOS DAS OPERAÇÕES COM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR VALORES A RECEBER TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER OUTROS CRÉDITOS DESPESAS ANTECIPADAS ATIVO NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER DEPÓSITOS JUDICIAIS E FISCAIS INVESTIMENTOS IMÓVEIS DESTINADOS A RENDA IMOBILIZADO BENS MÓVEIS TOTAL DO ATIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis intermediárias

7 7 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2013 E 31 DE DEZEMBRO DE 2012 (Em Reais) P A S S I V O CIRCULANTE CONTAS A PAGAR OBRIGAÇÕES A PAGAR IMPOSTOS E ENCARGOS SOCIAIS A RECOLHER ENCARGOS TRABALHISTAS IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES DEPÓSITOS DE TERCEIROS PROVISÕES TÉCNICAS - PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PLANOS BLOQUEADOS PLANOS NÃO BLOQUEADOS PASSIVO NÃO CIRCULANTE OUTROS DÉBITOS PROVISÕES JUDICIAIS PATRIMÔNIO LÍQUIDO RESERVAS DE RETENÇÃO DE SUPERÁVITS SUPERÁVITS OU DÉFICITS ACUMULADOS TOTAL DO PASSIVO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis intermediárias

8 8 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO EM 30 DE JUNHO DE 2013 e 2012 (Em Reais) CONTRIBUIÇÕES PARA COBERTURA DE RISCOS VARIAÇÃO DAS PROVISÕES TÉCNICAS DE PRÊMIOS ( = ) PRÊMIOS GANHOS RENDAS COM TAXAS DE GESTÃO E OUTRAS TAXAS BENEFÍCIOS RETIDOS (38.595) (16.043) SINISTROS OCORRIDOS (21.740) (407) OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS (42.687) (25.544) DESPESAS ADMINISTRATIVAS ( ) ( ) DESPESAS COM TRIBUTOS (31.946) (62.316) RESULTADO FINANCEIRO ( = ) RESULTADO OPERACIONAL ( ) ( ) GANHOS OU PERDAS COM ATIVOS NÃO CORRENTES (13.403) - ( = ) SUPERÁVIT/ DÉFICIT DO PERÍODO ( ) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis intermediárias

9 9 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE EM 30 DE JUNHO 2013 E 2012 (Em Reais) DESCRIÇÃO RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO ( ) ( ) (+/-) OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES - - VARIAÇÃO DE RESERVA DE REAVALIAÇÃO - - GANHOS/PERDAS EM PLANOS PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR - - AJUSTE DE AVALIAÇÃO PATRIMONIAL - - (+/-) RESULTADOS ABRANGENTES DE EMPRESAS INVESTIDAS - - (QUANDO RECONHECIDAS PELA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL) RESULTADO ABRANGENTE DO PERÍODO ( ) ( ) As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis intermediárias

10 10 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EM 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em Reais) RESERVAS DE SUPERÁVITS DISCRIMINAÇÃO RETENÇÃO DE DÉFICITS TOTAL SUPERÁVITS ACUMULADOS SALDOS ANTERIORES EM DÉFICIT DO SEMESTRE - ( ) ( ) SALDOS FINAIS EM DÉFICIT DO SEMESTRE - ( ) ( ) SALDOS FINAIS EM DÉFICIT DO SEMESTRE - ( ) ( ) SALDOS FINAIS EM As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

11 11 FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA METODO INDIRETO EM 30 DE JUNHO DE 2013 E 2012 (Em Reais) ATIVIDADES OPERACIONAIS SUPERÁVIT (DÉFICIT) DO PERÍODO ( ) ( ) AJUSTE PARA: DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÕES PERDA NA ALIENAÇÃO DE IMOBILIZADO VARIAÇÃO NAS CONTAS PATRIMONIAIS: ATIVOS FINANCEIROS CRÉDITOS DAS OPERAÇÕES COM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (236) DEPÓSITOS JUDICIAIS E FISCAIS (65.601) DESPESAS ANTECIPADAS (63) OUTROS ATIVOS (15.511) (25.455) IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES (36) 88 DEPÓSITOS DE TERCEIROS (1.886) (27.476) PROVISÕES TÉCNICAS - PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR (70.418) ( ) PROVISÕES JUDICIAIS (19.613) (18.527) OUTROS PASSIVOS ( ) CAIXA GERADO (CONSUMIDO) PELAS OPERAÇÕES (24.675) ( ) CAIXA LÍQUIDO GERADO (CONSUMIDO) NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS (24.675) ( ) ATIVIDADES DE INVESTIMENTO PAGAMENTO PELA COMPRA DE IMOBILIZADO - (950) CAIXA LÍQUIDO GERADO (CONSUMIDO) NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO - (950) REDUÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA (24.675) ( ) CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA NO INÍCIO DO PERÍODO CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA NO FINAL DO PERÍODO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis

12 12 FUTURO - PREVIDÊNCIA PRIVADA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS INTERMEDIÁRIAS EM 30 DE JUNHO 2013 (Em Reais) NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA é uma Entidade Aberta de Previdência Complementar sem fins lucrativos, com sede na Capital do Estado de São Paulo e sua gestão é exercida por diretores eleitos dentre os associados controladores, oriundo do quadro de participantes. a) Ramos de Atuação - Tem como objetivo operacional a instituição, operação e manutenção de planos previdenciários nas modalidades de pecúlio e renda; b) Região da Federação em que Opera - Autorizada pela Superintendência de Seguros Privados para operar em todo Território Nacional, mantendo operações em todas as Regiões da Federação; e c) Critério de Gerenciamento de Riscos - A Entidade adota o gerenciamento de riscos de modo descentralizado, de acordo com os níveis de alçada definidos pela Diretoria. A aplicação das diretrizes e normas estabelecidas nos processos é exercida pelos gestores, baseado em processos de acompanhamento, mensuração e mitigação dos riscos. Os principais riscos aos quais a Entidade esta exposta são: Risco de Mercado - é acompanhado, aferido e gerenciado periodicamente de maneira a evitar a ocorrência de tais riscos. No tocante aos seus ativos financeiros a Entidade é conservadora, aplicando os valores vinculados a cobertura das provisões técnicas em títulos do Governo Federal, e, os demais recursos em instituição financeira federal; Riscos de Liquidez - tem o seu acompanhamento e gerenciamento periódico e associado diretamente ao risco de mercado - Ativos Financeiros. A Entidade tem por preocupação a manutenção de uma política que vise não apenas os níveis mínimos que devem ser observados, mas também em que tipo de aplicações financeiras os recursos devem permanecer aplicados para assegurar os níveis mínimos de liquidez de modo a evitar riscos, e dessa forma não exigir a necessidade de um plano de contingências para situações críticas; e Risco Operacional - é acompanhado, monitorado, divulgado e gerenciado permanentemente, durante todo o processo que se inicia com a subscrição de um plano de previdência até o momento de liquidação de um benefício, de forma a eliminar a ocorrência de operações que possam caracterizar-se como de risco. NOTA 02 - DAS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS As demonstrações contábeis: a) foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às sociedades supervisionadas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC e aprovados pela SUSEP, no que não contrariem a Circular n 464, de 01 de março de A preparação das demonstrações contábeis requer o uso de certas estimativas contábeis e também o exercício de julgamento por parte da Administração da Companhia, no processo de aplicação das políticas contábeis. Aquelas áreas que requerem maior nível de julgamento e possuem maior complexidade, bem como as áreas nas quais premissas e estimativas são significativas para as demonstrações contábeis estão divulgadas na nota explicativa 15 (Outros Débitos); b) estão sendo apresentadas em conformidade com o disposto no CPC 21 - Da Demonstração Intermediária, o qual requer a comparabilidade do balanço patrimonial com o correspondente do exercício findo em 31 de

13 13 dezembro de 2012, e as demonstrações do resultado, do resultado abrangente, das mutações do patrimônio liquido e dos fluxos de caixa, com as correspondentes demonstrações do semestre findo em 30 de junho de 2012, as quais tiveram quando aplicável suas rubricas reclassificadas para fins de comparabilidade com as demonstrações contábeis do período atual; e c) A Diretoria através de reunião realizada em 30 de julho de 2013 autorizou a emissão das demonstrações contábeis intermediárias de 30 de junho de NOTA 03 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a) Apuração do Resultado - é apurado de acordo com o regime de competência, que estabelece que as receitas e despesas sejam incluídas na apuração dos resultados dos períodos em que ocorrem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independente de recebimento ou pagamento. As contribuições para planos de previdência são reconhecidos como Rendas de Contribuições Retidas pela vigência do risco e os direitos dos participantes são refletidos mediante a constituição de provisões técnicas em contrapartida do resultado do período; b) Equivalentes de Caixa - Disponível - são representados por aplicações financeiras com vencimento em até 90 dias, considerado a partir da data da efetiva operação e apresentam risco insignificante de mudança de valor justo, que são utilizados para no gerenciamento de compromissos imediatos; c) Títulos e Valores Mobiliários - são classificados em: 1) Títulos para Negociação - adquiridos com o propósito de serem ativa e freqüentemente negociados. São registrados pelo custo de aquisição, acrescido dos rendimentos auferidos e ajustados ao valor justo em contrapartida ao resultado do período; e 2) Títulos Mantidos até o Vencimento - adquiridos com a intenção e capacidade financeira para sua manutenção em carteira até o vencimento. São registrados pelo custo de aquisição, acrescidos dos rendimentos auferidos em contrapartida ao resultado do período; d) Créditos das Operações com Previdência Complementar - Valores a Receber - classificados no Ativo Circulante pelos respectivos valores originais, nesta, e reconhecidos quando da emissão do risco, e na rubrica Riscos Vigentes mas não Recebidos, os valores pertinentes a parcela das contribuições mensais não recebidas até o mês seguinte, permanecendo nesta até o prazo de 90 (noventa) dias quando é reconhecida no resultado em decorrência do cancelamento do plano; e) Títulos e Créditos a Receber - Depósitos Judiciais e Fiscais - classificados no Ativo Não Circulante pelos respectivos valores originais; f) Investimentos - classificados no Ativo Não Circulante constituído por:- Imóveis Destinados a Renda - registrados pelos respectivos valores de aquisição e representado por bens imóveis urbanos - terrenos. g) Imobilizado - classificados no Ativo Não Circulante e corresponde aos direitos que tenham por objeto bens corpóreos destinados à manutenção das atividades ou exercidos com essa finalidade. É demonstrado ao custo de aquisição, líquido das respectivas depreciações acumuladas, calculadas pelo método linear de acordo com a vida útil-econômica estimada dos bens, sendo: móveis e utensílios, máquinas e equipamentos - 10% ao ano; e sistemas de processamento de dados - 20% ao ano, e ajustado por redução ao valor recuperável (impairment), quando aplicável; h) Redução ao Valor Recuperável - Ativos Financeiros (Incluindo Recebíveis) - Um ativo financeiro não mensurado pelo valor justo por meio do resultado tem seu valor recuperável avaliado sempre que apresente indícios de perda. Um ativo tem perda no seu valor recuperável se há evidência que um evento de perda ocorreu após o reconhecimento inicial do ativo, com efeito negativo nos fluxos de caixa, tais como: desvalorização significativa e prolongada de instrumentos financeiros, reconhecida publicamente pelo mercado, tendências históricas da probabilidade de

14 14 inadimplência do prazo de recuperação e dos valores de perda incorridos. Ativos Não Financeiros - Os valores contábeis dos ativos não financeiros são revisto no mínimo semestralmente para apurar se há indicação de perda no valor recuperável. A redução do valor recuperável de ativos (impairment) é determinada quando o valor contábil residual exceder o valor de recuperação que será o maior valor entre o valor estimado na venda e o seu valor em uso, determinado pelo valor presente dos fluxos de caixa futuros estimados em decorrência do uso do ativo ou unidade geradora de caixa. i) Provisões Técnicas - classificadas no Passivo Circulante e constituídas de acordo com as Notas Técnicas Atuariais e, em consonância com as determinações e critérios estabelecidos na Resolução CNSP Nº 462/2013 e alterações posteriores, a saber: Provisão de Prêmios Não Ganhos (PPNG) - Para os Planos de Pecúlio tomamos como base as contribuições liquidas de cada mês, sendo calculada pro rata dia. A parcela referente aos riscos vigentes mas que não tenham sido recebidas as respectivas contribuições (PPNG-RVNE) é constituída pelo critério determinado pela Circular SUSEP nº 448/2012 até que a Entidade possua uma base de dados suficiente para a utilização de metodologia própria. Os valores constituídos estão atendendo as necessidades; Provisão de Sinistros a Liquidar (PSL) - Administrativos - Constituída para todos os planos da Entidade e determinada pelo saldo dos pagamentos pendentes. É constituída integralmente com os valores avisados de pecúlio, não sendo realizado nenhum tipo de estimativa para a sua constituição, e atualizada mensalmente pelo IGPM, os valores constituídos estão atendendo as necessidades; Provisão de Sinistros a Liquidar (PSL) - Judiciais - A Provisão de Sinistros a Liquidar em disputa judicial é reavaliada mensalmente conforme descrito na Nota 15; Provisão de Oscilação de Riscos (POR) - A Entidade não esta constituindo esta provisão, pois verificamos que não é necessária a sua manutenção. O teste de consistência apresentado na Avaliação Atuarial demonstra que as oscilações na sinistralidade são suportadas pela receita pura de contribuições; Provisão de Sinistros Ocorridos e Não Avisados (PIBNR) - Constituída para todos os planos de pecúlio aplicando-se os percentuais definidos pela Circular SUSEP n 448/2012. Provisão de Benefícios Concedidos (PMBC) - Calculada para fazer frente aos benefícios garantidos de renda da Entidade é constituída plenamente em conformidade com as bases técnicas definida na Nota Técnica Atuarial de aprovação do plano. Outras Provisões Técnicas - OPT (Antiga Provisão de Insuficiência de Contribuições - PIC) - constituída para o Plano de Renda por Sobrevivência - Benefício Definido e determinada tomando-se por base a diferença ocorrida entre o cálculo efetuado pelas Tábuas Biométricas AT 1949 e a Tábua BR-EMS com a taxa de juros de 4% ao ano; Provisão para Despesas Relacionadas - PDR - Constituída para atender aos custos administrativos, nas seguintes condições: 1) Para os Planos com pagamento de benefícios sob a forma de Renda - visando garantir os custos administrativos com os pagamentos dos benefícios sob forma de renda a Entidade constitui a Provisão; e 2) Para os Planos com pagamento do benefício único - quando o carregamento arrecadado não suporta as necessidades de despesas administrativas é constituída a Provisão pela diferença entre o que é arrecadado mensalmente com carregamento e as necessidades reais de recursos pra custear as despesas administrativas da Entidade. Dentro da finalidade a que esta Provisão está constituída entendemos que está adequada. j) Provisões Trabalhistas - classificadas no Passivo Circulante e constituída pela provisão para férias e 13º salário calculadas e reconhecidas mensalmente com base nos vencimentos vigentes à época, demonstrando as obrigações decorrentes dos direitos adquiridos pelos empregados, acrescido dos respectivos encargos sociais; k) Outros Débitos - Provisões Judiciais e Administrativas - Passivo Contingente - classificados no Passivo Não Circulante, de acordo com o CPC 25 é utilizado para passivos que não são

15 15 reconhecidos, pois a sua existência somente será confirmada pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros e incertos que não estejam totalmente sob o controle da Administração (Nota 15); e l) Outros Ativos e Passivos - os ativos são demonstrados pelos valores de realização e os passivos pelos valores conhecidos ou calculáveis, incluindo quando aplicável, os rendimentos e/ou encargos correspondentes, calculados a índices ou taxas oficiais e/ou contratados, bem como, os efeitos de ajuste a valor justo. Os valores realizáveis ou exigíveis no curso do exercício subseqüente estão classificados como Ativo ou Passivo Circulante; NOTA 04 - CLASSIFICAÇÃO DAS APLICAÇÕES Registradas, avaliadas, ajustadas e classificadas de acordo com o disposto na nota explicativa nº 3 c, a saber: Categoria Valores de Mercado em Faixas de Vencimento Percentual Valores Natureza dos Títulos Indeterminado De 181 a 365 Mais de 365 por Parâmetro Utilizado de Custo dias dias Categoria Para Negociação Renda Fixa - Privado Fundos de Investimentos Mantidos até o Vencimento Renda Fixa - Público , LTN , Custo+ Rendimentos Montante , Categoria Valores de Mercado em Natureza dos Títulos Indeterminado Faixas de Vencimento Percentual Valores De 181 a 365 Mais de 365 por de Custo dias dias Categoria Parâmetro Utilizado Para Negociação Renda Fixa - Privado , Fundos de Investimentos , Valor da Cota Mantidos até o Vencimento Renda Fixa-Público , LTN , Custo+ Rendimentos Montante , NOTA 05 - CRÉDITOS DAS OPERAÇÕES COM PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR- VALORES A RECEBER Representado pelos valores, a saber: Composição em: Contribuições de Riscos Vigentes não Recebidos Totais NOTA 06 - TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER Representado pelas rubricas a seguir: Composição em: Títulos e Créditos a Receber Créditos a Receber Outros Créditos Adiantamentos a Funcionários Saldos Bancários Bloqueados por Decisão Judicial Totais

16 16 NOTA 07 - DEPOSITOS JUDICIAIS E FISCAIS A Entidade é parte em ações judiciais em curso, dentre essas, há ações para as quais foram efetuados depósitos judiciais, apresentando a seguinte posição: Composição em: Ações Cíveis - Não Relacionadas a Benefícios Outros (Ações Fiscais) Totais NOTA 08 - INVESTIMENTOS Constituído pelas rubricas, a saber: Discriminação Depreciação Depreciação Custo Acumulada Custo Acumulada Investimentos Imóveis Destinados a Renda Terrenos Urbanos NOTA 09 - IMOBILIZADO Constituído pelas rubricas, a saber: Discriminação Depreciação Depreciação Custo Acumulada Custo Acumulada Imobilizado ( ) ( ) - Bens Móveis ( ) ( ) - Equipamentos ( ) ( ) - Móveis, Máquinas e Utensílios ( 3.803) ( ) NOTA 10 - OBRIGAÇÕES A PAGAR Saldo representado pelas rubricas, a saber: Composição em: Fornecedores Aluguéis a Pagar Remunerações a Pagar Honorários a Pagar Assistência Financeira a Repassar de Terceiros Totais NOTA 11 - DEPÓSITOS DE TERCEIROS Saldo constituído por Outros Depósitos, a saber: Faixas de Recebimentos De 01 a 30 dias De 31 a 60 dias Totais NOTA 12 - DAS PROVISÕES TÉCNICAS a) Cálculo - Elaborado sob a responsabilidade de consultores atuariais externos contratados pela Entidade, e, com base nas notas técnicas atuariais que deram origem aos planos de benefícios e com observância às normas legais vigentes, apresentando a seguinte composição:

17 17 Movimentação das Provisões Técnicas Saldo em Reversão Constituição Remuneração Saldo em Passivo Circulante Planos Bloqueados De Sinistro a Liquidar - Judiciais De Despesas Relacionadas Planos Não Bloqueados ( ) De Riscos Não Expirados - RVNR De Matemática de Benefícios Concedidos ( ) De Sinistro a Liquidar - Administrativas ( 7.737) De Sinistro a Liquidar - Judiciais De Eventos Ocorridos Mas Não Avisados 756 ( 277) De Despesas Relacionadas De Complementar de Prêmios 172 ( 182) De Outras Provisões Antiga PIC ( ) Total a ser Coberto ( ) b) Ativos Oferecidos em Cobertura Provisões Técnicas Total a Garantir (Cobertura) Ativos Garantidores Vinculados à SUSEP - Aplicações - Títulos de Renda Fixa - Público - LTN Total de Aplicações Ativos Livres - Suficiência NOTA 13 - TESTE DE ADEQUAÇÃO DE PASSIVOS - TAP O Teste de Adequação de Passivos - TAP avaliou na data base de 30/06/2013, as obrigações decorrentes dos contratos de previdência complementar aberta em cumprimento ao disposto na Circular Susep nº 457/2012. O TAP foi ser realizado com prudência e objetividade, a partir da utilização de métodos estatísticos e atuariais relevantes, aplicáveis e adequados, baseado em dados atualizados e informações fidedignas fornecidas pela Entidade de onde podemos indicar que a EAPC não tem, pelas suas operações de Previdência Principal - Planos de Pecúlio estruturados no Regime Financeiro de Repartição Simples, necessidade de constituição suplementar de provisões. NOTA 14 - ANÁLISE DE SENSIBILIDADE A Análise de Sensibilidade prevista na letra e do Inciso Xl do Artigo 43 do Anexo I da Circular SUSEP n 464/2013 determina que se faça um recálculo das operações considerando outros cenários. Dentre as variáveis possíveis, devido a natureza das operações da FUTURO, a variável que poderá impactar nos resultados finais apenas é a de despesas administrativas. Sendo assim, o Resultado do Período bem como o Patrimônio Líquido, com as alterações desta variável, seriam os seguintes: VARIÁVEL ALTERAÇÃO RESULTADO PATRIMÔNIO DO EXERÍCIO LÍQUIDO Despesas Administrativas + 5% ( ) Despesas Administrativas - 5% ( ) NOTA 15 - OUTROS DÉBITOS A Entidade é parte em ações cíveis e fiscais administrativas, reavaliadas e atualizadas mensalmente pelo IGPM. São contabilizadas com base nas opiniões do Departamento Jurídico interno e da Administração. O desfecho dessas ações encontra-se indefinido, pendente de recursos processuais.

18 18 As estimativas de desfecho e os efeitos financeiros do desembolso para liquidar os processos em andamento foram: 1) realizados com observância ao disposto no pronunciamento do CPC 25; e 2) lastreados em estudo pormenorizado realizado pelo advogado, e consubstanciado no histórico de desfechos de decisões judiciais tramitados em julgado sobre causas de semelhante natureza no âmbito da sociedade, na jurisprudência e na existência de sumula de tribunais superiores sobre idênticas questões. A provisão contempla os processos Não Relacionados a Benefícios, pois os Relacionados a Benefícios estão contemplados na rubrica Provisões Técnicas de Sinistro a Liquidar, e os honorários de sucumbência dos processos Relacionados a Benefícios estão contemplados na rubrica Provisões Técnicas de Despesas Relacionadas. A quantidade de ações judiciais, segregadas segundo a sua natureza e probabilidade, apresenta a seguinte situação em 30/06/2013 e 31/12/2012: Contingências - Fiscais Administrativas Períodos Probabilidade de Perda Quantidade Valor Valor Quantidade Reclamado Provisionado Reclamado Provisionado Provável Total Contingências Trabalhistas Períodos Probabilidade de Perda Quantidade Valor Valor Quantidade Reclamado Provisionado Reclamado Provisionado Remota Total Contingências Cíveis Relacionadas a Benefícios Períodos Probabilidade de Perda Quantidade Valor Valor Quantidade Reclamado Provisionado Reclamado Provisionado Provável Remota Total Contingências Cíveis não Relacionadas a Benefícios Períodos Probabilidade de Perda Quantidade Valor Reclamado Provisionado Quantidade Valor Reclamado Provisionado Provável Possível Remota Total Dentre as ações, para algumas há: 1) Depósitos Judiciais e Recursais de R$ (R$ em ); e 2) Saldos Bancários Bloqueados R$ (R$ em ). NOTA 16 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO AJUSTADO - PLA E CAPITAL MÍNIMO REQUERIDO - CMR A seguir demonstramos o PLA e o CMR cálculo de acordo com as normas legais e regulamentares vigentes nas respectivas datas de levantamento das demonstrações contábeis. Descrição RESOLUÇÃO CNSP N 282 e 283/ /2010 Patrimônio Líquido Despesas Antecipadas não Relacionadas a Resseguro (5.660) (5.597) PATRIMONIO LÍQUIDO AJUSTADO - PLA Capital Base 0 0 Capital de Risco Total Parcela de Capital Adicional - Risco de Subscrição Parcela de Capital Adicional - Risco de Crédito Parcela de Capital Adicional - Risco Operacional CAPITAL MÍNIMO REQUERIDO - CMR SUFICIÊNCIA

19 19 NOTA 17 - DETALHAMENTO DAS CONTAS DA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Considerando a relevância de seus saldos, detalhamos as rubricas a seguir: Períodos Benefícios Retidos ( ) ( ) Despesas Com Benefícios Administrativos ( ) ( ) Sinistros Ocorridos ( ) ( 407) Despesas Com Sinistros Administrativos 0 ( ) Despesas Com Sinistro Judiciais ( ) Variação da Provisão IBNR 277 ( 416) Despesas Administrativas ( ) ( ) Pessoal Próprio ( ) ( ) Serviços de Terceiros ( ) ( ) Localização e Funcionamento ( ) ( ) Publicações ( ) ( ) Donativos e Contribuições ( ) ( ) Administrativas Diversas ( 8.484) ( ) Despesas com Tributos ( ) ( ) Impostos ( 1.273) ( 1.225) Contribuições ( 3.223) ( ) Taxa de Fiscalização ( ) ( ) Receitas Financeiras Receitas com Aplicações no Mercado Aberto Receitas com Títulos de Renda Fixa - Públicos Outros Despesas Financeiras ( 3.301) ( 5.547) Provisões Técnicas ( 3.227) ( 5.094) Despesas com Impostos e Contribuição ( 74) ( 453) Outras Receitas/Despesas Operacionais ( ) ( ) - Outras Receitas Operacionais Recuperação de Despesas Administrativas Receitas com Reversão Contingenciais Outras Despesas Operacionais ( ) ( ) Despesas com Provisões Contingenciais ( ) ( ) Outras Despesas ( ) ( ) São Paulo, 30 de junho de Vagner Simões Diretor Presidente Sergio Antonio Naves Pepe Diretor Financeiro Paulo Américo Conte Tavares Diretor Administrativo José Carlos Bispo da Silva Téc. Cont. CRC/RJ /O - T/SP Carlos Henrique Radanovitsck Atuário MIBA

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75

ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE CNPJ No. 04.706.954/0001-75 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 CONTEÚDO

Leia mais

ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM

ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM ESPORTE CLUBE VITORIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E DE 2014 ESPORTE CLUBE VITÓRIA DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E DE 2014 CONTEÚDO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2005 e de 2004 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração SECULUS CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A Endereço: Rua Paraíba, n.º 330 11º Andar Belo Horizonte - MG CNPJ: 04.787.807/0001-77 Relatório da Administração Senhores acionistas, Cumprindo determinação

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES AUDITORES INDEPENDENTES S/C SÃO PAULO - RUA MADRE CABRINI, 99 VILA MARIANA SP CEP: 04020-000 FONE (0xx11) 5574-5252 - FAX: 5574-5578 E-mail: binah@sti.com.br C.N.P.J.M.F. 47.174.537/0001-31 CRC 2SP 009.597/O-8

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis

Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Confederação Brasileira de Remo em 31 de dezembro de 2015. Com relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis ÍNDICE I. Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE 2002.

RESOLUÇÃO CGPC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE 2002. RESOLUÇÃO CGPC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE 2002. Estabelece critérios para registro e avaliação contábil de títulos e valores mobiliários das entidades fechadas de previdência complementar. O PLENÁRIO DO

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas:

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas: RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas: De acordo com as disposições legais e estatutárias, vimos apresentar-lhes o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultados, a Demonstração das Mutações

Leia mais

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.

HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) (Administrado pela Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. HG Brasil Shopping - Fundo de Investimento Imobiliário (CNPJ no. 08.431.74/0001-06) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2007 e parecer dos auditores independentes Balanço patrimonial em 30 de

Leia mais

Ref: Resposta ao Ofício n ₒ 155-2014

Ref: Resposta ao Ofício n ₒ 155-2014 À BM&F Bovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Gerência de Acompanhamento de Emissores At: Sr. Nelson Barroso Ortega Cc: Comissão de Valores Mobiliários At: Sr. Jorge Luís da Rocha Andrade

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras. 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Demonstrações Financeiras Fundo de Investimento Imobiliário CR2 Laranjeiras Índice Relatório dos auditores independentes 3 Demonstrações contábeis 5 Notas explicativas da Administração às demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais) BANDEPREV - BANDEPE PREVIDÊNCIA SOCIAL NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 E DE 2006 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Bandeprev

Leia mais

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital

Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Risco de Liquidez e Gerenciamento de Capital Gerenciamento de Capital Política de Gerenciamento do Risco de Capital Plano de Capital: 2012-2015 Monitoramento mensal do nível de crise de capital As projeções

Leia mais

Esporte Clube XV de Novembro de Jaú Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes

Esporte Clube XV de Novembro de Jaú Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 2 Balanço patrimonial 4 Demonstração

Leia mais

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1. 0. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO 1. 1. 0. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - ATIVO CIRCULANTE 1. 1. 1. 0. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1. 1. 1. 1. 0. 00. 00. 00. 00 - CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 2006.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 2006. Institui regras e procedimentos para a constituição das provisões técnicas das sociedades seguradoras, entidades

Leia mais

Brasnorte Transmissora de Energia S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Brasnorte Transmissora de Energia S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Conteúdo Relatório dos auditores independentes 3-4 Demonstrativo das mutações do

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Rodobens Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Em milhares reais

Leia mais

MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.

MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. 1 Contexto operacional A MaxBlue Investimentos Distribuidora de Títulos e Valores está autorizada a operar no mercado como agente intermediador de operações financeiras dentro do contexto do sistema financeiro

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ / RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ / RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA CNPJ 92.812.098/0001-08 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Em cumprimento as disposições legais e estatutárias em vigor a FUTURO PREVIDÊNCIA PRIVADA, Entidade Aberta de Previdência Complementar,

Leia mais

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone

Oficina Técnica. Demonstrações do Fluxo de Caixa (Resolução CFC 1296/2010) Março 2012. Elaborado por: Luciano Perrone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial

Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial Demonstrações Financeiras Instituto Odeon - Filial 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2014 Índice

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02221-7 BRASIL INSURANCE PART. E ADM. S.A. 11.721.921/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia

Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis Companhia Brasiliana de Energia Laudo de avaliação do acervo líquido formado por determinados ativos e passivos Companhia Brasiliana de Energia Condomínio São Luiz Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 Torre I - 8º Andar - Itaim

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 00867-2 LA FONTE PARTICIPAÇÕES S/A 60.543.816/0001-93 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/26 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$

BALANÇO PATRIMONIAL EM R$ EM R$ RELATÓRIO DA DIRETORIA Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, apraz-nos apresentar para a devida apreciação o Balanço Patrimonial e Demonstrativos Financeiros, relativo ao exercício findo

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (C.N.P.J. nº 03.910.929/0001-46) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA EDSON MORORÓ MOURA

INSTITUTO DE TECNOLOGIA EDSON MORORÓ MOURA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E PERÍODO DE 28 DE JANEIRO (DATA DE INÍCIO DAS OPERAÇÕES DA ENTIDADE) A 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Demonstrações Contábeis Exercício Findo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 2682 RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 2682 Dispõe sobre critérios de classificação das operações de crédito e regras para constituição de provisão para créditos de liquidação duvidosa. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Brasília, Dezembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA ITG 1000 PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Baseado nas Normas Internacionais de Contabilidade IFRS,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Property Invest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de

Fundo de Investimento Imobiliário Property Invest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de Fundo de Investimento Imobiliário Property Invest Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009

Leia mais

CEOS Administradora de Bens S/A

CEOS Administradora de Bens S/A CEOS Administradora de Bens S/A Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos auditores

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis AFMF/LA/VA/TMS/GGA 3278/13 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório

Leia mais

CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE

CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE CPFL LESTE PAULISTA NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 (Valores expressos em milhares de reais, exceto quando indicado

Leia mais

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES

PLANO DE CONTAS AUDESP - VERSÃO PARA DEBATES 100.000.000 000 ATIVO REGISTRA O SOMATÓRIO DOS VALORES DOS BENS E DIREITOS, AGRUPADOS EM ATIVO CIRCULANTE, REALIZÁVEL A, ATIVO PERMANENTE E ATIVO COMPENSADO. 110.000.000 000 ATIVO CIRCULANTE REGISTRA O

Leia mais

Relatório da Revisão Especial %R% - Com Ressalva

Relatório da Revisão Especial %R% - Com Ressalva Relatório da Revisão Especial %R% - Com Ressalva Relatório sobre a revisão de informações contábeis intermediárias Aos Administradores e Acionistas Companhia Estadual de Águas e Esgotos CEDAE Introdução

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco.

A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco. Olá, pessoal. Como estão? A seguir, a correção da prova de Julgador Administrativo Tributário, cargo integrante da Secretaria da Fazenda de Pernambuco. A prova, de modo geral, exigiu conhecimentos básicos

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ I S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 Altera, inclui e exclui itens das NBCs T 16.1, 16.2, 16.4, 16.5, 16.6, 16.10 e 16.11 que tratam das Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas aplicadas ao Setor Público. O

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC SELEÇÃO TOP AÇÕES 02.436.763/0001-05 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A.

CENTRAL GERADORA EÓLICA ICARAÍ II S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 Demonstrações Financeiras Em 31 de Dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73. Informações referentes a Julho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES DIVIDENDOS 06.916.384/0001-73 Informações referentes a Julho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hotel Maxinvest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hotel Maxinvest (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 10 134 Rendimentos a distribuir 701 457 Aplicações financeiras de renda fixa 1.449

Leia mais

Vejam, pois, que se trata de questão recente e que pode, perfeitamente, ser explorada no concurso do ISS SP no domingo.

Vejam, pois, que se trata de questão recente e que pode, perfeitamente, ser explorada no concurso do ISS SP no domingo. Olá, pessoal. Como estão? A seguir, uma questão interessante apresentada pela CETRO neste final de semana, na prova de Especialista em Administração, Orçamento e Finanças da Prefeitura de São Paulo. Vejam,

Leia mais

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30.

PROFESSOR DOCENTE I - CONTABILIDADE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com base nas informações abaixo, responda às questões de nº 26 a 30. ELEMENTOS DE GASTOS VALOR EM R$ Matéria-prima consumida 10.000 Aluguel da loja comercial 5.000 Energia da

Leia mais

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I

CONSELHO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 8º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Av. Queiroz Filho, 1700 6 andar - 608 Sunny Tower Torre D 05319-000 - São Paulo SP Brasil Tel: (11) 3862-1844 Fax: (11) 3873-7342 s gs @sgs aud ito re s.c om.b r www.sg sa ud ito res.co m.b r RELATÓRIO

Leia mais

MAPFRE VERA CRUZ PREVIDÊNCIA S.A. (anteriormente denominada MAPFRE Seguradora de Garantias e Crédito S.A.) CNPJ nº 04.046.

MAPFRE VERA CRUZ PREVIDÊNCIA S.A. (anteriormente denominada MAPFRE Seguradora de Garantias e Crédito S.A.) CNPJ nº 04.046. quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 123 (38) 203 VERA CRUZ PREVIDÊNCIA S.A. (anteriormente denominada Seguradora de Garantias e Crédito S.A.) Senhores Acionistas,

Leia mais

(FCC/Auditor Fiscal/SEFAZ/RJ/2014) A empresa Alpha S.A. possuía alguns processos judiciais em andamento, conforme os dados a seguir:

(FCC/Auditor Fiscal/SEFAZ/RJ/2014) A empresa Alpha S.A. possuía alguns processos judiciais em andamento, conforme os dados a seguir: Olá, pessoal. Como estão? A seguir, uma pequena explicação sobre as provisões e passivos contingentes, ambos previstos no CPC 25. Estes tópicos vêm sendo bastante cobrados em concursos, portanto, vamos

Leia mais

Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A (CNPJ: 08.602.745/0001-32) Demonstrações Financeiras Intermediárias Em 30 de Junho de 2015

Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A (CNPJ: 08.602.745/0001-32) Demonstrações Financeiras Intermediárias Em 30 de Junho de 2015 Capemisa Seguradora de Vida e Previdência S/A (CNPJ: 08.602.745/0001-32) Demonstrações Financeiras Intermediárias Em 30 de Junho de 2015 Conteúdo Relatório da Administração 03 Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio

Orçamento de Caixa. Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Orçamento de Caixa Sabrina Alencar Larissa Falcão Adriana Sampaio Fortaleza 2011 Fluxo de bens e serviços x Fluxo de caixa Orçamento de Caixa: Projeção de entradas e saídas de caixa; Necessidades de financiamentos;e

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico...

USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores. Quais são os objetivos do tópico... USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 09. Dem. Fluxos de Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico...

Leia mais

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013

BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. em 31 de dezembro de 2014 e 2013 BV Leasing - Arrendamento Mercantil S.A. em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01907-0 CALAIS PARTICIPAÇÕES S.A. 04.034.792/0001-76 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

RESPOSTA: 80% Só Participações-------------------------------------- Ind Máquinas Pg = 72.000.000,00 PL vc = 100.000.000,00

RESPOSTA: 80% Só Participações-------------------------------------- Ind Máquinas Pg = 72.000.000,00 PL vc = 100.000.000,00 51. A Indústria Cearense de Máquinas S.A. vendeu, em 02/01/2012, 80% das suas ações para a empresa Só Participações S.A., a qual passou a deter o controle sobre ela. O Patrimônio Líquido contábil da Indústria

Leia mais

Art. 1º Aprovar a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte.

Art. 1º Aprovar a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02069-9 SANTOS BRASIL TECON S.A. 08.519.271/0001-60 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF Data-Base - 31/12/27 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS. 1.1 - IDENTIFICAÇÃO 269-9

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras

CONTABILIDADE AVANÇADA. Tratamento contábil para aplicações financeiras CONTABILIDADE AVANÇADA Tratamento contábil para aplicações financeiras INTRODUÇÃO Empresas motivadas em aumentar as receitas procedem com aplicações financeiras no mercado de capitais no intuito de que

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº 46, DE 2001.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº 46, DE 2001. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP Nº 46, DE 2001. Dispõe sobre o Seguro Rural e o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural FESR, de sua administração e controle por

Leia mais

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. (nova denominação da Companhia de Seguros Minas Brasil) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e relatório

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. (nova denominação da Companhia de Seguros Minas Brasil) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e relatório (nova denominação da Companhia de Seguros Minas Brasil) Demonstrações e relatório dos auditores independentes Relatório da administração Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias,

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Contabilidade Conceito Para Ribeiro (2005), a contabilidade é uma ciência social que tem por objeto o patrimônio das entidades econômico-administrativas.

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2012

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2012 Demonstrações financeiras intermediárias KPMG Auditores Independentes Agosto 2012 KPDS 40300 Conteúdo Relatório da Administração 3 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias; que a não permissão de resgate acarreta riscos reputacionais à instituição;

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias; que a não permissão de resgate acarreta riscos reputacionais à instituição; ANEXO 1 GLOSSÁRIO: CONCEITOS E DEFINIÇÕES Resolução 4.090/12 Captações de atacado não colateralizadas são os depósitos, as emissões próprias de instrumentos financeiros e as operações compromissadas lastreadas

Leia mais

Política Anual de Investimentos

Política Anual de Investimentos Política Anual de Investimentos 2009 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 4 3. Modelo de Gestão:... 5 3.1. Acompanhamento da Gestão de Ente Credenciado:... 5 4. Estratégia de Alocação de Recursos:... 6 4.1.

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) com Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo

Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo Britcham Brasil Grupo Legal & Regulatório Impactos Fiscais das Avaliações a Valor Justo São Paulo, 26 de junho de 2015 1 Introdução à Legislação 28/12/2007 27/05/2009 16/09/2013 13/05/2014 24/11/2014 Lei

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 37 Provisions, Contingent Liabilities and Contingent Assets

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 37 Provisions, Contingent Liabilities and Contingent Assets Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 37 Provisions, Contingent Liabilities and Contingent Assets Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 37 Provisions, Contingent liabilities

Leia mais

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS

REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS 1 de 5 31/01/2015 15:34 REAVALIAÇÃO DE BENS BASE LEGAL PARA O PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE BENS Até 31.12.2007, a Lei 6.404/76 (também chamada Lei das S/A), em seu artigo 8º, admitia a possibilidade de

Leia mais

Ref.: Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras nº -2011-7

Ref.: Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras nº -2011-7 03/fevereiro/2011 Ao Fundo de investimento Imobiliário GWI Condomínios Logísticos At.: Sr. Rodrigo Ferrari Ref.: Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras nº -2011-7 Prezado

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC FUNDOS Nº 02/11 Prazo: 18 de julho de 2011

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC FUNDOS Nº 02/11 Prazo: 18 de julho de 2011 Prazo: 18 de julho de 2011 Objeto: Inclusões de Informações sobre Transações com Partes Relacionadas nas Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras de Fundos de Investimento 1. Introdução A Comissão

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO ENTRE AMIGOS - CIAINVEST ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES Restrições para Uso: Livre Acesso Controle Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

1. Público - Alvo O FUNDO destina-se a receber aplicações de recursos pelo público em geral, desde que sejam clientes do Banco Citibank S.A.

1. Público - Alvo O FUNDO destina-se a receber aplicações de recursos pelo público em geral, desde que sejam clientes do Banco Citibank S.A. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FRANKLIN MAXI ACOES FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES CNPJ: 09.217.033/0001-62 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP Nº 30, DE 2000. Dispõe sobre o Seguro Rural e o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural FESR, de sua fiscalização e controle pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP e dá outras providências.

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Aos Acionistas e diretores da FEDERAL DE SEGUROS S.A. Examinamos as demonstrações contábeis da Federal de Seguros S.A., que compreendem

Leia mais

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA

Avaliação a Distância AD2. Período - 2012/2º. Disciplina: CONTABILIDADE GERAL II. Coordenadora: TEREZA DE JESUS RAMOS DA SILVA Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Avaliação a Distância AD2 Período - 2012/2º Disciplina:

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro

Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32. Tributos sobre o Lucro Sumário do Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro Observação: Este Sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado apenas para identificação dos principais pontos tratados,

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ nº e 2011 com Relatório dos Auditores

Leia mais

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Relatório da administração Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias,

Leia mais

ATIVO FISCAL DIFERIDO

ATIVO FISCAL DIFERIDO ATIVO FISCAL DIFERIDO O Ativo Fiscal Diferido foi criado pela deliberação CVM nº273, de 20/08/1998 e revisionado pela instrução CVM nº 371 de 27/06/2002, cujo objetivo principal foi conceder às empresas

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 2 INVESTIMENTOS PERMANENTES Avaliados pelo método de método de custo e de valor justo 1 BALANÇO

Leia mais

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS

MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS QUANTIDADE DE PARTICIPANTES MAIS DE 200 MIL PARTICIPANTES EM DOIS PLANOS DE BENEFÍCIOS Plano 1 (Ativos Totais: R$ 162,5 bilhões) PREVI Futuro (Ativos Totais: R$ 5,7 bilhões) 120.000 90.000 20.244 570 303

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 1 Presentation of Financial Statements Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 1 Presentation of Financial Statements dispõe sobre

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI MASTER RENDA FIXA REFERENCIADO DI 02.367.527/0001-84 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - PGA Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. A Fundação Itaipu BR de Previdência e Assistência Social... 1 1.2. Objetivo da Política de Investimentos do PGA... 1 1.3. Revisão da Política de Investimentos do PGA...

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E DEPRECIAÇÃO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE : IMOBILIZADO E! Definições e mudanças propostas no Projeto de Lei 3.741 que altera a Lei 6.404/76.! O que é AMORTIZAÇÃO? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO RB CAPITAL SECURITIZADORA S.A. 58ª SÉRIE da 1ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores

Leia mais