Estatutos da Associação dos Alumni do MBA da Universidade Nova de Lisboa e do The Lisbon MBA. - Lisbon AMBA. Capítulo I. Disposições Iniciais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatutos da Associação dos Alumni do MBA da Universidade Nova de Lisboa e do The Lisbon MBA. - Lisbon AMBA. Capítulo I. Disposições Iniciais"

Transcrição

1 Estatutos da Associação dos Alumni do MBA da Universidade Nova de Lisboa e do The Lisbon MBA - Lisbon AMBA Capítulo I Disposições Iniciais Artigo 1.º Nome, duração, sede e âmbito de actuação Constitui-se por tempo indeterminado a Associação dos Alumni do MBA da Nova School of Business and Administration (Nova SBE) e do The Lisbon MBA, abreviadamente designada por «Lisbon AMBA» ou por «AMBA». 1. A Lisbon AMBA tem a sua sede na Rua Marquês de Fronteira número vinte, em Lisboa, podendo o Conselho Superior deliberar a sua transferência para outro local. 2. A Associação pode actuar dentro e fora do território nacional, directamente ou em associação com outras entidades. Artigo 2.º Objecto A Lisbon AMBA tem como objecto principal contribuir para a qualidade e prestígio da prática e conhecimento da gestão, promovendo os seus associados enquanto profissionais superiormente qualificados e desenvolvendo em seu benefício o potencial de ligação e conhecimento entre si, também dito de networking. Artigo 3.º Atribuições Para realização dos seus fins, a Lisbon AMBA propõe-se designadamente: a) Promover o contacto estreito entre os associados e destes com empresas ou outras entidades relevantes para o desenvolvimento das suas actividades profissionais, dos seus negócios e para facilitar o encontro entre a procura e a disponibilidade de talento, no universo da Associação; b) Colaborar com a Nova SBE, no âmbito do seu objecto; c) Promover o prestígio dos programas de MBA dos associados; d) Promover eventos e cursos, bem como a concessão de bolsas ou prémios relacionados com o ensino da gestão; e) Desenvolver e manter um sítio da Internet interactivo e uma base de dados que contribua para a fácil comunicação entre associados e entre estes e a Lisbon AMBA; 1

2 f) Cooperar com entidades representativas de interesses sociais, culturais e económicos, dando parecer sobre os assuntos que lhe forem submetidos ou sugerindo providências ou orientações que se afigurem convenientes; g) Associar-se ou cooperar com outras entidades, nacionais, estrangeiras ou internacionais, com objectivos afins. Capítulo II Associados Artigo 4.º Qualidade 1. A Lisbon AMBA é constituída por número ilimitado de Associados, com as seguintes categorias: a) Associados Efectivos as pessoas que concluíram com aproveitamento a componente lectiva dos programas de MBA ministrados pela Nova SBE (antiga FEUNL) ou do The Lisbon MBA; b) Associados Agregados - as pessoas singulares que possuam um MBA obtido numa universidade de reconhecida idoneidade; c) Associados Alunos - os alunos que se encontrem a frequentar os programas de MBA referidos na alínea a) do presente artigo; d) Associados Honorários - as pessoas que, pela alta categoria científica, qualidade dos trabalhos ou colaboração de excepcional valor prestada à Lisbon AMBA ou ao desenvolvimento da gestão, assim sejam designados; e) Associados Beneméritos - as pessoas singulares ou colectivas que, de forma relevante, apoiem materialmente a Lisbon AMBA. 2. A admissão dos associados efectivos, agregados e alunos depende de deliberação do conselho directivo, mediante proposta subscrita pelo candidato. 3. Os associados honorários são designados pelo conselho directivo, com o parecer favorável do conselho científico. 4. Os associados beneméritos são designados pelo conselho directivo, com o parecer favorável do conselho superior. 5. Os associados alunos adquirem a qualidade de associados efectivos automaticamente após a conclusão, com aproveitamento, da componente lectiva do MBA. Artigo 5.º Direitos e deveres dos associados 1. São direitos dos associados: a) Participar nas iniciativas promovidas pela Lisbon AMBA; b) Dirigir sugestões e propostas ao conselho directivo; c) Aceder à informação detida e gerida pela Lisbon AMBA nos termos legais e dos respectivos regulamentos; d) Receber um exemplar das publicações regulares da Lisbon AMBA. 2

3 2. São específicos dos associados efectivos os direitos de: a) Ser eleito para os órgãos sociais; b) Votar nas assembleias gerais. 3. São deveres dos associados efectivos: a) Pagar a jóia e a quota mensal que for fixada; b) Zelar pelo cumprimento dos estatutos e prestígio da Lisbon AMBA c) Colaborar nas actividades e trabalhos da Lisbon AMBA 4. Os associados honorários, beneméritos, agregados e alunos podem ser total ou parcialmente isentos do pagamento de quotas ou jóia. Artigo 6.º Perda da qualidade de associado 1. A qualidade de associado extingue-se por morte, exoneração ou exclusão. 2. A exoneração depende de solicitação escrita dirigida ao conselho directivo e produz efeitos imediatos, sem prejuízo do pagamento de quotas em dívida. 3. Poderão ser excluídos da Lisbon AMBA: a) Os associados que, sem motivo justificado, se atrasem no pagamento das quotas por período superior a dezoito meses; b) Os associados que, pela sua conduta intencional ou negligente, causem ou concorram param o descrédito ou dano da Lisbon AMBA. 4. Cabe ao conselho directivo promover a exclusão de associados pelo motivo referido na alínea a) do número anterior, e ao conselho superior a exclusão de associados com fundamento na alínea b) do mesmo número, sob proposta justificada do conselho directivo, que ouvirá obrigatoriamente o associado em causa. 5. Da exclusão determinada nos termos da segunda parte do parágrafo anterior poderá o associado excluído recorrer para a Assembleia Geral, que sobre o assunto deliberará por escrutínio secreto. Artigo 7.º Suspensão de direitos O conselho directivo pode deliberar a suspensão de todos os direitos associativos dos associados que entrem em mora no pagamento das quotas por período superior a doze meses, salvo se o mesmo órgão autorizar a suspensão da cobrança de quotas mediante pedido do associado devidamente justificado. Capítulo III Órgãos da Lisbon AMBA Secção I Enumeração Artigo 8.º Órgãos sociais 3

4 1. Os órgãos da Lisbon AMBA são: a) Assembleia Geral; b) Conselho Superior; c) Conselho Directivo; d) Conselho Científico; g) Conselho Fiscal. 2. Os cargos dos órgãos sociais são exercidos por associados no pleno gozo dos seus direitos. 3. Os mandatos têm a duração de três anos e cessam com a posse dos novos órgãos sociais. 4. As vagas que ocorrerem serão preenchidas num prazo máximo de três meses por associados escolhidos entre os restantes membros do órgão afectado e os presidentes dos restantes órgãos, ocupando os escolhidos os seus cargos até ao fim do mandato em curso. Secção II Assembleia geral Artigo 9.º Constituição A assembleia geral é constituída por todos os associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos, podendo participar, sem direito a voto, todos os restantes associados. Artigo 10.º Composição da mesa 1. A mesa da assembleia geral é composta por um presidente, um vice-presidente e um a dois secretários, eleitos trienalmente entre os associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos 2. Compete ao presidente dirigir os trabalhos, abrir e encerrar a sessão, bem como suspendê-la, dar e recusar a palavra e exercer voto de qualidade em caso de empate. 3. Compete ao vice-presidente coadjuvar o presidente e substitui-lo nas suas faltas e impedimentos. 4. Compete aos secretários coadjuvarem o presidente e redigirem as actas das sessões. 4

5 Artigo 11.º Funcionamento 1. A assembleia geral reunir-se-á em sessão ordinária uma vez por ano e em sessões extraordinárias sempre que a mesa, o conselho superior, o conselho directivo ou o conselho fiscal o julguem necessário, ou quando pelo menos um quinto dos associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos o solicite por escrito ao presidente da mesa, explicando os motivos e a finalidade da reunião pretendida. 2. A assembleia geral, quando não convocada por iniciativa do seu presidente ou a solicitação do conselho superior, directivo ou fiscal, só poderá funcionar em sessão extraordinária com a presença de dois terços dos associados requerentes, ficando os requerentes que eventualmente não compareçam, inibidos de requerer nova reunião no período de dois anos subsequentes. Artigo 12.º Convocatória e ordem de trabalhos 1. As convocações para as reuniões da assembleia geral são feitas pela mesa mediante cartas circulares, mensagens de correio electrónico ou outro meio equivalente, com a indicação da data, local, hora e ordem de trabalhos. 2. As convocações serão expedidas com a antecedência mínima de catorze dias de calendário, mas, em casos excepcionais e de reconhecida urgência, pode o presidente da mesa reduzir o prazo para sete dias de calendário. Artigo 13.º Quorum 1. Exceptuados os casos previstos nestes estatutos, a assembleia geral ficará constituída desde que se reúnam, no local de convocação, no dia e hora indicados, pelo menos, metade dos associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos, podendo estes fazer-se representar por associados da mesma categoria, mediante carta dirigida ao presidente da mesa e entregue no próprio dia da reunião. 2. Se a assembleia geral não puder reunir em primeira convocação por falta de quorum, funcionará validamente uma hora depois, em segunda convocação, com qualquer número de associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos. 5

6 Artigo 14.º Deliberações 1. As deliberações da assembleia geral serão tomadas por maioria absoluta de votos dos associados efectivos presentes ou representados nos termos do artigo anterior, exceptuando os casos previstos nos estatutos. 2. Os associados efectivos no pleno gozo dos seus direitos têm o direito de votar nas assembleias gerais, podendo os associados de outras categorias assistir aos trabalhos e participar nas discussões. Artigo 15.º Competência Compete à assembleia geral: a) Deliberar sobre todas as questões que interessem às actividades e prestígio da Lisbon AMBA; b) Apreciar e votar anualmente o relatório do conselho directivo sobre a situação e actividade da Lisbon AMBA, as contas do exercício findo e o parecer do conselho fiscal; c) Definir o regime de quotização dos associados; d) Discutir e votar, por escrutínio secreto, os recursos de decisões de exclusão de sócios nos termos do artigo 6.º; e) Eleger, por escrutínio secreto, a mesa da assembleia geral, os membros electivos do conselho superior e os membros do conselho directivo, do conselho fiscal ou de quaisquer comissões especiais que entender criar; f) Fixar o número de vogais do conselho superior, escolhendo o seu presidente e vice-presidentes que estejam sujeitos a escolha; g) Deliberar sobre a destituição dos titulares dos órgãos da Lisbon AMBA; h) Deliberar sobre a concessão de autorização para a Lisbon AMBA demandar os membros dos órgãos sociais por faltas praticadas no exercício do cargo; i) Deliberar sobre alterações dos estatutos; j) Deliberar sobre a dissolução da Lisbon AMBA, nomear liquidatários e indicar o destino do activo líquido. Artigo 16.º Actas Das reuniões da assembleia geral lavrar-se-á acta, que será assinada pelos membros da respectiva mesa. 6

7 Secção III Conselho superior Artigo 17.º Composição 1. O conselho superior é constituído: a) Pelos presidentes e vice-presidentes da mesa da assembleia geral e do conselho directivo e pelos presidentes do conselho científico e do conselho fiscal; b) Por vogais eleitos trienalmente entre os sócios efectivos no pleno gozo dos seus direitos pela assembleia geral. 2. O conselho superior terá um presidente e dois a quatro vice-presidentes, eleitos trienalmente pela assembleia geral, sendo um destes o presidente do conselho directivo. 3. O número de vogais efectivos do conselho superior será fixado pela assembleia geral. 4. O presidente do conselho superior será substituído, nas suas faltas ou impedimentos, pelo presidente do conselho directivo e, no impedimento deste, por qualquer dos outros vice-presidentes do conselho superior. Artigo 18.º Competência Cabe ao conselho superior: a) Orientar a acção da Lisbon AMBA, no quadro dos objectivos estatutários e das linhas traçadas pela assembleia geral; b) Dar parecer sobre quaisquer matérias que o conselho directivo lhe submeta; c) Dar parecer sobre a admissão de sócios beneméritos, sob proposta do conselho directivo; d) Decidir a exclusão de associados nos termos previstos no artigo 6.º; e) Constituir comissões especializadas ou de acompanhamento que contribuam para o desempenho da missão da Lisbon AMBA e designar os seus membros, mediante proposta do conselho directivo, e em particular as comissões especiais previstas nos artigos 35.º e 36.º; f) Fixar o número de vogais do conselho científico e proceder à respectiva designação, sob proposta do conselho directivo; g) Dar parecer sobre alterações de estatutos; h) Dar parecer sobre a dissolução da Lisbon AMBA. 7

8 Artigo 19.º Funcionamento 1. O conselho superior reunirá ordinariamente uma vez por ano e extraordinariamente sempre que convocado pelo respectivo presidente, por sua iniciativa ou a pedido de, pelo menos, um quinto dos seus membros, ou ainda a solicitação do conselho directivo. 2. O conselho superior não poderá deliberar sem que esteja presente, pelo menos, metade dos seus membros em exercício. 3. As deliberações do conselho superior são tomadas por maioria qualificada de dois terços de votos dos presentes, tendo o presidente, ou quem o substitua, voto de qualidade em caso de empate. 4. As deliberações do conselho superior deverão constar de um livro de actas. Secção IV Conselho directivo Artigo 20.º Composição O conselho directivo é composto por cinco ou sete membros, um presidente, um a dois vice-presidentes e um a quatro vogais, dos quais um será o director-tesoureiro, todos eleitos trienalmente pela assembleia geral entre os sócios efectivos no pleno gozo dos seus direitos, e o seu presidente entre os vice-presidentes escolhidos para o conselho superior. Artigo 21.º Competência Compete ao Conselho Directivo: a) Gerir a Associação e representá-la, activa ou passivamente, em juízo ou fora dele; b) Aprovar o orçamento anual de receitas e despesas; c) Elaborar e apresentar à assembleia geral o relatório e contas anual sobre a situação e actividade da Lisbon AMBA e as contas do exercício; d) Deliberar sobre a admissão de sócios efectivos, agregados e estudantes; e) Propor ao conselho científico e superior a designação de sócios honorários e beneméritos, respectivamente; f) Deliberar sobre a suspensão de direitos por falta de pagamento de quotas e sobre a suspensão da obrigação de pagamento de quotas nos termos da parte final do artigo 7.º; 8

9 g) Deliberar ou propor, consoante os casos, a exclusão de associados, nos termos previstos no artigo 6.º; h) Propor ao conselho superior a designação dos vogais do conselho científico; i) Propor ao conselho superior a criação de comissões especializadas ou de acompanhamento, incluindo a respectiva composição; j) Aprovar os regulamentos necessários à execução dos presentes Estatutos e ao funcionamento da Associação; l) Nomear e demitir o secretário-geral e seus adjuntos, os chefes de serviço e demais funcionários da Lisbon AMBA; m) Praticar todos os actos necessários e adequados à prossecução dos objectivos da Associação. Artigo 22.º Funcionamento 1. O conselho directivo reunirá ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que o presidente o reconheça conveniente ou três dos seus membros o requeiram, em pedido fundamentado. 2. O conselho directivo só pode deliberar com a presença da maioria dos seus membros. 3. O presidente do conselho científico tem o direito de assistir às reuniões do conselho directivo e participar nos seus trabalhos, sem voto. 4. O presidente poderá convocar o secretário-geral e os seus adjuntos para assistir às reuniões do conselho directivo. 5. As deliberações do conselho directivo deverão constar de um livro de actas. Artigo 23.º Deliberações As resoluções do conselho directivo são tomadas por maioria de votos dos presentes, tendo o presidente, ou, na sua ausência, quem o substituir, voto de qualidade em caso de empate. Artigo 24.º Competências do presidente Compete especialmente ao presidente: a) Assegurar a representação da Lisbon AMBA nas suas relações com as instâncias oficiais e nas demais manifestações externas; b) Superintender em todos os actos sociais e na administração económica da Lisbon AMBA; 9

10 c) Convocar as reuniões do conselho directivo; d) Subscrever, com quem haja secretariado as sessões do conselho directivo, as respectivas actas, depois de aprovadas; e) Despachar o expediente corrente da Lisbon AMBA. Artigo 25.º Distribuição e delegação de funções 1. Cabe ao conselho directivo distribuir as tarefas entre os seus membros. 2. O conselho directivo poderá delegar poderes de gestão corrente no presidente ou em quem o substitua. Artigo 26.º Competência dos vice-presidentes Compete especialmente aos vice-presidentes coadjuvar o presidente e substitui-lo nas suas faltas ou impedimentos. Artigo 27.º Competência do director-tesoureiro Compete especialmente ao director-tesoureiro: a) Superintender na escrituração das receitas e despesas associativas; b) Promover a cobrança de quotas e arrecadação de outras receitas; c) Pagar as despesas autorizadas pelo conselho directivo; d) Fornecer ao conselho directivo todos os elementos sobre o estado financeiro da Lisbon AMBA; e) Elaborar anualmente o orçamento de receitas e despesas e as contas do exercício e um relatório sobre a situação financeira da Lisbon AMBA. Artigo 28.º Vinculação 1. É necessária a assinatura de dois membros do conselho directivo: a) Para a atribuição de poderes de representação da Lisbon AMBA perante quaisquer tribunais, notários ou repartições públicas; 10

11 b) Para a assinatura de documentos que vinculem a quaisquer vencimentos, rendas e prestações periódicas, ou a obrigações de despesas, de valor igual ou superior a duas vezes o salário mínimo nacional. 2. Para os actos de expediente e para os que envolvam obrigações de despesas de valor inferior ao mencionando na alínea b) é bastante a assinatura do directortesoureiro. 3. O conselho directivo poderá delegar no secretário-geral ou em qualquer dos seus adjuntos, caso existam, a competência a que se refere o parágrafo anterior. Secção V Conselho Científico Artigo 29.º Composição 1. O conselho científico será constituído por vogais designados trienalmente pelo conselho superior entre os associados, em número não inferior a três, que se tenham evidenciado pela sua actividade científica, designadamente em matérias relacionadas com a gestão de empresas, mediante proposta do conselho directivo. 2. Os vogais do conselho científico escolherão entre si um presidente e, se o julgarem conveniente, um a dois vice-presidentes que o substituirão nas suas faltas e impedimentos, e um secretário. Artigo 30.º Competência Compete especialmente ao conselho científico: a) Definir e coordenar a acção de carácter científico a desenvolver pela Lisbon AMBA; b) Elaborar, anualmente, um programa de actividades científicas que será apresentado ao conselho directivo; c) Pronunciar-se sobre todos os assuntos que lhe sejam submetidos pelos corpos gerentes da Lisbon AMBA; d) Prestar apoio às estruturas que gerem os MBA, nos domínios científico e curricular dos respectivos programas. Artigo 31.º Competência do presidente 1. Compete ao presidente do conselho científico: a) Convocar as reuniões do conselho; b) Representar o conselho científico perante o conselho directivo; 11

12 c) Orientar todas as actividades do conselho a que preside; d) Velar, com a colaboração do secretário-geral, pela execução dos programas científicos aprovados pelo conselho directivo; e) Assinar as actas das deliberações do conselho científico. 2. O presidente poderá convocar para assistir às reuniões do conselho científico o secretário-geral e seus adjuntos. Artigo 32.º Actas Todas as deliberações do conselho científico devem ficar exaradas num livro de actas próprio, assinadas pelo presidente ou por quem o substitua. Secção VI Conselho fiscal Artigo 33.º Composição e funcionamento 1. O conselho fiscal é constituído por um presidente, dois vogais efectivos e dois suplentes, eleitos trienalmente pela assembleia geral. 2. O conselho fiscal reunirá ordinariamente de seis em seis meses e extraordinariamente sempre que o presidente o considere conveniente. 3. As deliberações do conselho fiscal deverão constar de um livro de actas. Artigo 34.º Competência 1. Compete ao conselho fiscal: a) Examinar, sempre que o julgue conveniente, e, pelo menos, de seis em seis meses, a escrita da Lisbon AMBA; b) Pedir a convocação da assembleia geral quando a maioria dos seus membros o julgar necessário; c) Tomar conhecimento, pelas respectivas actas, das deliberações do conselho directivo e assistir às reuniões deste, se assim o entender, ou quando para esse efeito for convidado; d) Dar parecer sobre as contas e relatório anual preparado pelo conselho directivo; e) Colaborar com o conselho directivo em tudo quanto respeita ao cumprimento dos estatutos e regulamentos internos. 12

13 SECÇÃO VII Comissões Especiais Artigo 35.º Comissão Consultiva 1. O conselho superior, sob proposta do conselho directivo, instituirá uma comissão consultiva que terá por objectivo promover a colaboração entre a Lisbon AMBA e a Universidade Nova, a Nova SBE e a Fundação Ulisses, promovendo o potencial de conhecimento e de mercado inerente a uma estreita ligação das empresas ou outras organizações que os associados representem e estas instituições universitárias. 2. A comissão consultiva deverá ser composta por responsáveis da Universidade Nova de Lisboa, da Nova SBE, da Fundação Ulisses e da Lisbon AMBA. 3. A comissão consultiva adoptará todas as recomendações adequadas a atingir os objectivos para que é instituída, podendo decidir torná-las públicas. 4. A proposta do conselho directivo ao conselho superior prevista no n.º 1 do presente artigo deverá incluir a composição e regras de funcionamento da comissão consultiva. Artigo 36.º Comissão da Academia 1. O conselho superior, sob proposta do conselho directivo, instituirá uma comissão da academia que terá por objectivo assegurar um forum de acompanhamento e aconselhamento dos alunos dos programas de MBA em curso, apoiando a sua integração nesses programas, na Lisbon AMBA e no meio empresarial. 2. A comissão da academia deverá ser composta por responsáveis da Lisbon AMBA, preferencialmente do conselho directivo e do conselho científico, por responsáveis da direcção académica desses programas e por alunos dos programas de MBA em curso. 3. Os membros da comissão da academia podem tomar iniciativas adequadas às necessidades e preocupações manifestadas pelos alunos. 4. A proposta do conselho directivo ao conselho superior prevista no n.º 1 do presente artigo deverá incluir a composição e regras de funcionamento da comissão da academia. Capítulo IV Disposições finais Artigo 37.º Meios financeiros As despesas da Lisbon AMBA serão suportadas pelas seguintes receitas: a) Quotas e contribuições dos associados; b) Subvenções que lhe sejam concedidas; c) Rendimentos dos serviços e bens próprios; 13

14 d) Quaisquer outras receitas, designadamente donativos ou legados aceites pela Lisbon AMBA. Artigo 38.º Alteração de estatutos 1. Os presentes estatutos só podem ser modificados por proposta sobre que tenha sido emitido parecer do conselho superior, aprovado por maioria de dois terços dos seus membros presentes em reunião, e deliberação da assembleia geral especialmente convocada para esse fim. 2. Para a reforma dos estatutos, a assembleia geral especial só pode deliberar em primeira convocação com a presença de, pelo menos, metade dos associados efectivos no gozo dos seus direitos ou de quem os represente nos termos estatutários e, em segunda convocação, com qualquer número de associados efectivos presentes. 3. As alterações estatutárias carecem de voto favorável de, pelo menos, três quartos dos associados efectivos presentes ou representados na assembleia geral. Artigo 39.º Dissolução 1. A Lisbon AMBA poderá ser dissolvida por proposta sobre que tenha sido emitido parecer favorável do conselho superior, aprovado por maioria de dois terços dos seus membros, e deliberação da assembleia geral especialmente convocada para esse fim. 2. A dissolução da Lisbon AMBA carece de voto favorável de, pelo menos, três quartos do número de todos os associados efectivos. 3. Em caso de dissolução, a assembleia geral nomeará imediatamente os liquidatários e indicará o destino do activo líquido, que deverá ser atribuído às associações, entidades ou serviços com fins análogos, e na falta destes, a qualquer estabelecimento universitário. 14

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE

ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE ESTATUTOS DA APBA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA BLONDE D AQUITAINE CAPÍTULO I ARTIGO PRIMEIRO (Constituição e denominação) Entre os bovinicultores fundadores da presente associação e os que queiram aderir aos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EPIDEMIOLOGIA ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO ÂMBITO E OBJECTIVOS ARTIGO 1º 1. É constituida uma associação portuguesa científica e técnica, por tempo indeterminado e sem fins lucrativos,

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR, elaborado nos termos do art.º 64.º n.º 2 do Código do Notariado, contendo os estatutos da associação denominada APIPSIQ - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE INTERNOS DE PSIQUIATRIA. ESTATUTOS

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E SEDE 1. A Associação para o Desenvolvimento da Medicina Tropical, adiante designada por ADMT é uma associação cientifica e tecnológica,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º 1- A Associação de Professores de Filosofia é uma associação portuguesa de professores ligados ao ensino da Filosofia,

Leia mais

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres )

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres ) Regulamento Interno Capítulo I (Constituição e âmbito) Art. 1.º - O presente Regulamento Interno, tem como finalidade completar pormenorizadamente os Estatutos da ASTA Associação de Artes e Sabores do

Leia mais

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis ESTATUTOS ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 (Denominação, natureza jurídica, sede e duração) 1.1 A ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO Capítulo I Artigo 1º (Denominação, natureza e fins) Assembleia Movimento Cívico Não Partidário (abreviadamente designado "Assembleia"), é um movimento

Leia mais

ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º

ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º ESTATUTOS DA ADRUSE ARTIGO 1.º CONSTITUIÇÃO E DENOMINAÇÃO É constituída a Associação, sem fins lucrativos, denominada ADRUSE Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela, abreviadamente designada

Leia mais

Estatutos da ALFA Associação Livre Fotógrafos do Algarve

Estatutos da ALFA Associação Livre Fotógrafos do Algarve Estatutos da ALFA Associação Livre Fotógrafos do Algarve Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 2 de Junho de 2010. ESTATUTOS CAPÍTULO I Da denominação, âmbito, sede, objecto e actividades

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SER BEBÉ Associação Portuguesa para a Saúde Mental da Primeira Infância (versão corrigida de acordo com as indicações da Procuradoria da República) Artigo 1º 1 - Denominação e natureza

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ADRL ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE LAFÕES ESTATUTOS CAPÍTULO I Da associação ARTIGO PRIMEIRO Constituição 1 É constituída uma associação sem fins lucrativos, denominada ADRL Associação de Desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PARA A PARTILHA ALIMENTAR DE VIANA DO CASTELO Capítulo Primeiro Denominação, sede e âmbito de acção Artigo Primeiro Denominação, Natureza e Duração A Associação adopta a denominação

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO. Artigo 1.º (Constituição)

ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO. Artigo 1.º (Constituição) ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO Artigo 1.º (Constituição) 1. A Associação adopta a denominação de PRESTÍGIO LIGA DOS JOVENS EMPRESÁRIOS E EXECUTIVOS DE ANGOLA, abreviadamente

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1.º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO 1. A Associação de Promoção da Região Autónoma da Madeira, adiante abreviadamente designada por Associação

Leia mais

ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins. Artigo 1.º

ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins. Artigo 1.º ESTATUTOS PARA ASSOCIAÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins Artigo 1.º A Associação... é uma instituição particular de solidariedade social com sede em...

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

Associação Francesa do Norte de Portugal Estatutos. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo 1º

Associação Francesa do Norte de Portugal Estatutos. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo 1º Associação Francesa do Norte de Portugal Estatutos Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1º 1.1. A Associação Francesa do Norte de Portugal, também designada abreviadamente por «AFNP»,

Leia mais

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos

Artigo Quarto Após deliberação favorável de Assembleia Geral poderá a Associação, observados os requisitos Estatutos da Associação De Professores de Expressão e Comunicação Visual (Versão atualizada conforme as alterações efetuadas em Assembleia Geral no dia 14 de junho de 2013) Da Associação Artigo Primeiro

Leia mais

CAPITULO PRIMEIRO. Denominação, sede, duração, missão e objeto

CAPITULO PRIMEIRO. Denominação, sede, duração, missão e objeto CAPITULO PRIMEIRO Denominação, sede, duração, missão e objeto Artigo Primeiro O Centro para o Desenvolvimento e Inovação Tecnológicos, abreviadamente designado por CEDINTEC, é uma associação privada, sem

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência ESTATUTOS Empreendedoras Por Excelência Maputo, 5 de Maio de 2009 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, ÂMBITO DE ACÇÃO Artigo 1. A Associação FEMME Moçambique - Empreendedoras por Excelência é uma associação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, sede e fins. Artigo Primeiro A associação denomina-se ACOS - Associação de Agricultores do Sul e durará por tempo indeterminado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição, Denominação e Natureza A Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma associação cultural,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Capítulo I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede social 1. A Associação tem a denominação Caminhar com rumo - Associação Juvenil,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASCC CAPITULO I - DA COMPOSIÇÃO E FINS DA ASCC. Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO DA ASCC CAPITULO I - DA COMPOSIÇÃO E FINS DA ASCC. Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO DA ASCC CAPITULO I - DA COMPOSIÇÃO E FINS DA ASCC. Artigo 1.º A ASCC é composta pela Direcção, Conselho Fiscal e Assembleia Geral e tem por finalidade a realização dos seus fins estatutários.

Leia mais

Modelo de estatutos para associações de solidariedade social

Modelo de estatutos para associações de solidariedade social Capítulo I Da denominação, sede e âmbito de acções e fins Artigo 1 A Associação... é uma instituição particular de solidariedade social com sede em... Artigo 2 A Associação... tem por objectivos2...e o

Leia mais

ESTATUTOS. Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07.

ESTATUTOS. Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07. ESTATUTOS Associação de Trabalhadores e Reformados da Portugal Telecom ----------------- Aprovados em Assembleia Geral de 22.07.99 ESTATUTOS Capitulo I Da Denominação, Sede, Ambito de acções e Fins Artigo

Leia mais

PLATAFORMA SALVAR O TUA ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO AMBIENTE REGULAMENTO INTERNO. Capítulo Primeiro - Da Associação. Artigo 1.º - Denominação e Natureza

PLATAFORMA SALVAR O TUA ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO AMBIENTE REGULAMENTO INTERNO. Capítulo Primeiro - Da Associação. Artigo 1.º - Denominação e Natureza PLATAFORMA SALVAR O TUA ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO AMBIENTE REGULAMENTO INTERNO Capítulo Primeiro - Da Associação Artigo 1.º - Denominação e Natureza 1. A Plataforma Salvar o Tua - Associação de Defesa do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO. (Denominação, Sede, Objecto e Duração) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PESSOAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM ESPECÍFICAS ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A APPDAE - Associação Portuguesa de Pessoas

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

ESTATUTOS DA APEI ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS

ESTATUTOS DA APEI ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ESTATUTOS DA APEI ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1.º (Denominação e natureza) A Associação de Profissionais de Educação de Infância,

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TER\IIOS DO NÚMERO DOIS, DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO.

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TER\IIOS DO NÚMERO DOIS, DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO. ~U2. DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TER\IIOS DO NÚMERO DOIS, DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO. ALUMNIFFUL - ASSOCIAÇÃO DE ANTIGOS ALUNOS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA VASCO DA GAMA CAPÍTULO I. Denominação, sede, fins e âmbito de acções

ASSOCIAÇÃO CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA VASCO DA GAMA CAPÍTULO I. Denominação, sede, fins e âmbito de acções ASSOCIAÇÃO CENTRO DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA VASCO DA GAMA CAPÍTULO I Denominação, sede, fins e âmbito de acções Artigo 1.º Denominação, duração e sede 1 É constituída por tempo indeterminado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS

MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS MODELO REGULAMENTO GERAL INTERNO PARA ASSOCIAÇÕES JUVENIS Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação e Sede Social 1 - A Associação tem a denominação..., com sede social... A Associação tem como

Leia mais

ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL

ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL ESTATUTOS DO CLUBE PAN EUROPEAN DE PORTUGAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E MARCAS DA HONDA ARTIGO 1º É constituída uma associação sem fins lucrativos denominada "Clube Pan European de Portugal", adiante

Leia mais

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS. Artigo 1º

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS. Artigo 1º CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS Artigo 1º 1. A Associação denominada Associação Recreativa Desportiva Cultural e Social da Malta, adiante designada por Associação, é uma instituição

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

ESTATUTOS (Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária a 24 de maio de 2014)

ESTATUTOS (Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária a 24 de maio de 2014) ESTATUTOS (Aprovados em Assembleia Geral Extraordinária a 24 de maio de 2014) Página 1 de 12 ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DA TERAPIA DA FALA - ASSOCIAÇÃO (SPTF SOCIEDADE PORTUGUESA DE TERAPIA DA FALA)

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. LixAnima Associação para a Promoção e Desenvolvimento Cultural e Social da Lixa

REGULAMENTO INTERNO. LixAnima Associação para a Promoção e Desenvolvimento Cultural e Social da Lixa REGULAMENTO INTERNO LixAnima Associação para a Promoção e Desenvolvimento Cultural e Social da Lixa ÍNDICE: CAPÍTULO I INSTITUIÇÃO... 2 Artigo 1º Constituição, Denominação e Duração... 2 Artigo 2º Área

Leia mais

MP SOLIDÁRIO ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

MP SOLIDÁRIO ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Estatutos da MP SOLIDÁRIO ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CAPÍTULO I Da denominação, âmbito, sede, objecto e actividades Artigo 1.º (Denominação) MP Solidário Associação de Solidariedade Social, abreviadamente

Leia mais

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt Artigo 1º. Denominação, Sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO VALOR PEDRA, tem a sede na Estrada Nacional 4, km 158, Apartado 48 EC Borba, 7151-912 Borba,

Leia mais

AEP Associação Empresarial de Portugal ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, sede, fim e âmbito

AEP Associação Empresarial de Portugal ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, sede, fim e âmbito Estatutos AEP AEP Associação Empresarial de Portugal ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, sede, fim e âmbito Artigo 1º (Natureza, duração e denominação) A Associação Industrial Portuense, fundada em três de

Leia mais

CLUBE CABRIO PORTUGAL

CLUBE CABRIO PORTUGAL CLUBE CABRIO PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I (Denominação, natureza jurídica, sede e âmbito, fins e atribuições) Artigo 1.º Descrição 1. O CCPT Clube Cabrio Portugal é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS

LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS LPDM - CENTRO DE RECURSOS SOCIAIS ARTIGO 1º A LPDM - Centro de Recursos Sociais, anteriormente designada Liga Portuguesa dos Deficientes Motores, criada por despacho do Subsecretário de Estado da Assistência

Leia mais

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação, sede e duração A Associação denomina-se Associação Cultural Sete Ofícios e é uma colectividade com sede na Rua de Santana, nº 659, Cobre,

Leia mais

1 - Ficarão imediatamente com os seus direitos associativos suspensos todos os associados que deixem de pagar quotas correspondentes a quatro meses.

1 - Ficarão imediatamente com os seus direitos associativos suspensos todos os associados que deixem de pagar quotas correspondentes a quatro meses. ASSOCIAÇÃO DE OURIVESARIA E RELOJORIA DE PORTUGAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E NATUREZA Artigo 1.º Denominação e natureza A Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal, designada abreviadamente

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Regimento do Conselho de Escola da Escola de Psicologia Março 2010 Índice Artigo 1º Objecto 3 Artigo 2º Competências 3 Artigo 3º Composição do Conselho de Escola 3 Artigo 4º Presidente do Conselho de Escola

Leia mais

Estatutos do Centro de Estudos em Administração Pública

Estatutos do Centro de Estudos em Administração Pública Estatutos do Centro de Estudos em Administração Pública Artigo 1º ( Designação e Sede) A associação adopta a designação de Centro de Estudos em Administração Pública e tem a sua sede no Campus universitário

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação 1. - A associação adopta a designação completa de Associação de Municípios do Vale do Minho,adiante designada abreviadamente de Associação. 2. - A Associação

Leia mais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais

ESTATUTOS. C a p í t u l o I Princípios Gerais ESTATUTOS C a p í t u l o I Princípios Gerais Artigo 1º - Denominação e Princípios Com a denominação de PCI Paramédicos de Catástrofe Internacional, constitui-se, como associação, por tempo indeterminado,

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A.

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. ESTATUTO DA SOCIEDADE.. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. CAPÍTULO I Da Firma, Tipo, Sede, Duração e Objecto Social ARTIGO 1.º (Natureza jurídica, denominação e duração) A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR REGIMENTO DO CONSELHO GERAL DA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Artigo 1.º Objecto O Regimento do Conselho Geral da UBI regulamenta a organização e o funcionamento do Conselho Geral da Universidade da Beira

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA E. B. 1 DE VALE CARNEIROS ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA E. B. 1 DE VALE CARNEIROS ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA E. B. 1 DE VALE CARNEIROS ESTATUTOS CAPÍTULO I Da denominação, sede, duração, âmbito de acção e fins ARTIGO 1.º Denominação, sede e duração A associação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO

REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO REGULAMENTO INTERNO BANDA DE MÚSICA DE SANGUINHEDO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º - Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Banda de Música de Sanguinhedo Associação Recreativa,

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria

Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Regulamento Interno da Sociedade de Hematologia e Oncologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria Capítulo I (Denominação, sede, estrutura e objectivos) Artigo 1.º (Denominação) A Sociedade de Hematologia

Leia mais

CAPÍTULO I Definições Gerais

CAPÍTULO I Definições Gerais ESTATUTOS DA ADDICT CAPÍTULO I Definições Gerais Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação, que adopta a denominação ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, doravante

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL ESTATUTOS DA AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL CAPÍTULO I Denominação, Sede e Fins Artigo 1º. (Denominação e Natureza Jurídica) A AEMP Associação das Empresas de Mudanças de Portugal,

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação Dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Atouguia da Baleia CAPITULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO I A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º (Composição do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração é composto por um número mínimo de três

Leia mais

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DOS EMPRESÁRIOS PORTUGUESES ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E FINS. Artigo 1º (Denominação e Natureza)

CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DOS EMPRESÁRIOS PORTUGUESES ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E FINS. Artigo 1º (Denominação e Natureza) CONFEDERAÇÃO INTERNACIONAL DOS EMPRESÁRIOS PORTUGUESES ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E FINS Artigo 1º (Denominação e Natureza) A Confederação Internacional dos Empresários Portugueses,

Leia mais

APAJ ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS ADMINISTRADORES JUDICIAIS

APAJ ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS ADMINISTRADORES JUDICIAIS ESTATUTOS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Denominação, natureza e sede 1. A Associação adopta a denominação de "APAJ Associação Portuguesa dos Administradores Judiciais", é uma entidade sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS DE ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO PRIMEIRO ARTIGO PRIMEIRO Denominação, natureza e duração Um A Associação adopta a denominação de Entrajuda Associação para o Apoio a Instituições de Solidariedade Social.

Leia mais

ESTATUTOS ÁLAMOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º Denominação e Sede Os presentes estatutos regulam a Associação

ESTATUTOS ÁLAMOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º Denominação e Sede Os presentes estatutos regulam a Associação ESTATUTOS ÁLAMOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º Denominação e Sede Os presentes estatutos regulam a Associação denominada ÁLAMOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL, que tem sede na

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA REGULAMENTO INTERNO (PROPOSTA) CAPÍTULO 1 DENOMINAÇÃO, OBJECTIVOS, DOMICILIO E ÁMBITO. Art.º 1.

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA REGULAMENTO INTERNO (PROPOSTA) CAPÍTULO 1 DENOMINAÇÃO, OBJECTIVOS, DOMICILIO E ÁMBITO. Art.º 1. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA REGULAMENTO INTERNO (PROPOSTA) CAPÍTULO 1 DENOMINAÇÃO, OBJECTIVOS, DOMICILIO E ÁMBITO Art.º 1 Denominação A Associação denominar-se-á Associação Portuguesa de Primatologia

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Artigo 2º. (Sede) Artigo 3º. (Fim)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I. Artigo 1º. Artigo 2º. (Sede) Artigo 3º. (Fim) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO LUSAPME ASSOCIAÇÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1º (Denominação, natureza e duração) A Associação adota a denominação LUSAPME ASSOCIAÇÃO DE PEQUENAS

Leia mais

ESTATUTOS DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA SUIÇA EM PORTUGAL

ESTATUTOS DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA SUIÇA EM PORTUGAL ESTATUTOS DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA SUIÇA EM PORTUGAL CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO 1º 1. A CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA SUIÇA EM PORTUGAL, adiante designada por Câmara,

Leia mais

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL)

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL) Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego AVESTGL (Em fase de Publicação em DR) ESTATUTOS Capítulo I (Constituição e fins) Artigo 1º 1. É constituída uma associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES. Estatutos

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES. Estatutos ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA ESTUDOS SOBRE AS MULHERES Estatutos CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1 É constituída uma Associação, de carácter científico, sem fins lucrativos, denominada

Leia mais

JUDO CLUBE DE PORTUGAL FUNDADO EM 1957 SÓCIO FUNDADOR DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO ESTATUTOS

JUDO CLUBE DE PORTUGAL FUNDADO EM 1957 SÓCIO FUNDADOR DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO ESTATUTOS JUDO CLUBE DE PORTUGAL FUNDADO EM 1957 SÓCIO FUNDADOR DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE JUDO ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Distintivo e sede Art.º 1º O Judo Clube de Portugal, abreviadamente designado por

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Sede ESTATUTOS - 2015 1 A Associação Movimento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar

REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar REGULAMENTO INTERNO Clube de Canoagem de Ovar CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede Social 1. A Associação tem a denominação de Clube de Canoagem de Ovar, com sede social na Rua Ferreira

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da denominação, sede, objecto e fins. 2. A Associação é instituída por tempo indeterminado.

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da denominação, sede, objecto e fins. 2. A Associação é instituída por tempo indeterminado. 1 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO EVITA-ASSOCIAÇÃO DE APOIO A PORTADORES DE ALTERAÇÕES NOS GENES RELACIONADOS COM CANCRO HEREDITÁRIO CAPÍTULO I Da denominação, sede, objecto e fins Artigo 1º (Da denominação, natureza

Leia mais