Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da"

Transcrição

1 Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para escolha de uma espécie ornamental a ser produzida como flor de corte é que esta apresente boa durabilidade pós-colheita (Castro et al, 2007), uma vez que mercados cada vez mais distantes podem ser alcançados prolongando o período de vida útil das hastes com qualidade comercial. Além disso, o aumento do tempo para comercialização irá reduzir as perdas de produção das hastes após o corte. As helicônias encontram-se como uma das principais flores tropicais produzidas em virtude de sua adequação para comercialização (Loges et al, 2012), tendo durabilidade superior a A durabilidade está relacionada a processos fisiológicos e influência ambiental que aceleram a senescência das hastes (Buchanan et al., 2000). Estes fatores são responsáveis pelo surgimento de danos quando expostas a condições inadequadas (Sonego; Brackmann, 1995), como a perda de turgidez das brácteas em decorrência da perda excessiva de água por transpiração e presença de manchas escurecidas (Costa et al, 2011). A ocorrência desses sintomas também pode ser agravada pela exposição prolongada das hastes até a comercialização, ocasionando maiores perdas de qualidade visual. A temperatura ideal para o armazenamento de flores varia entre espécies, sendo recomendada para helicônias a temperatura de 19 C por um período de até oito dias (Costa et al, 2012). O armazenamento refrigerado possibilita estender o período de conservação, transporte e distribuição (Moraes et al., 2009), no entanto aumenta os custos para comercialização. Em virtude disso, muitos produtores têm adotado métodos alternativos de armazenamento para aumentar o período de conservação das flores, como a manutenção das hastes em ambiente com ar condicionado. Para tanto é necessário comprovar a eficiência deste na manutenção da durabilidade pós-colheita e como forma de retardar ou minimizar os efeitos do armazenamento em temperatura ambiente.

2 Com isso, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência do tipo e período de armazenamento na manutenção da durabilidade pós-colheita de hastes florais de helicônia. Materiais e Métodos Hastes florais de Heliconia caribaea x H. bihai cv. Jacquinii foram colhidos com 1-4 brácteas abertas, onde tiveram as flores retiradas, seguido de lavagem, padronização em 80 cm e manutenção em água destilada para hidratação por 24h. Após esse período, foram acondicionados em caixas de papelão utilizadas para a comercialização desses produtos. Foram utilizadas duas condições de armazenamento com temperatura e umidades relativas distintas durante quatro períodos: armazenamento 1 (ambiente com ar condicionado - AC) 23 C e 89% de UR; armazenamento 2 (refrigerador - AR) 17 C e 94%. As hastes foram mantidas por dois, quatro, seis e oito dias no tratamento, quando foram retiradas e mantidas em água destilada em ambiente com ar condicionado para acompanhamento da vida de vaso, assim como as hastes do tratamento controle (25 C e 77% de UR). Todas as condições foram monitoradas utilizando coletores de dados e sensores em cada. As avaliações ocorreram a cada dois durante a vida de vaso (VV), que foi definida como o número de dias de durabilidade após remoção das hastes do tratamento. A longevidade pós-colheita total (LPT) foi calculada pela soma dos dias de armazenamento e dias de vida de vaso. A qualidade visual foi avaliada utilizando-se escala de notas, desenvolvido por Costa et al (2011): Grau 4 - inflorescência com brilho natural e com ausência de murcha acastanhadas no ápice das brácteas (sintomas de senescência - SS) ou brácteas impecáveis (danos causados por frio - IS) ; Grau 3 - inflorescência com brilho natural e áreas murchas acastanhadas menores de 1,0 cm do ápice das brácteas (SS) ou brácteas ligeiramente manchadas (IS); Grau 2 - brácteas com áreas murchas acastanhadas entre 1,0 e 5,0 cm do ápice das brácteas (SS) ou brácteas com manchas escuras (SI); e Grau 1 - inflorescência sem turgescência, sem luminosidade natural e com áreas murchas acastanhadas maiores de 5,0 cm do ápice das brácteas (SS) ou brácteas com manchas escuras intensas (SI).

3 As hastes foram pesadas para obtenção da perda de massa fresca (PMF). Peso fresco inicial foi considerado de 100% para a determinação dos valores relativos subsequentes. Alterações na coloração da bráctea foram determinadas com a auxílio de um colorímetro utilizando o sistema CIELab. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em esquema fatorial de 2 (armazenamento) x 4 (período), totalizando oito tratamentos com três repetições, com 3 hastes por parcela. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey (P <0,05). Resultados e Discussão Foram detectadas diferenças entre os tratamentos testados em relação às características avaliadas neste experimento. A vida vaso (VL) e a longevidade pós-colheita total (LPT) não foram afetadas pelo tipo de armazenamento. No entanto, a manutenção das hastes dentro das caixas por oito dias antes da avaliação dos tratamentos, permitiu acréscimo na durabilidade póscolheita em relação aos demais períodos testados. Sendo assim, o armazenamento durante oito dias e sem a necessidade de refrigeração é o mais indicado uma vez que haverá redução do custo das flores para o consumidor. A qualidade visual (QV) das hastes em padrão comercial foi mantida por seis dias de vida de vaso nos tratamentos 2AC, 4AC, 2AR e 6AR. Considerando a longevidade pós-colheita total (LPT) as hastes quando armazenadas nas condições do tratamento AR durante 6 dias, terão 12 dias após a colheita para chegar ao consumidor final com aspecto visual atrativo. Ainda que a redução da QV tenha sido antecipada no tratamento AC 8 dias em relação ao mencionado anteriormente, a LPT foi igual entre eles, não sendo necessário que as hastes sejam armazenadas sob refrigeração em relação a este aspecto para manutenção da durabilidade. A perda de QV no tratamento AC foi associada à senescência identificada pelo secamento do ápice das brácteas (Figura 1) e no tratamento AR a manchas escuras no lado e no centro da bráctea (AR 2 e AR 4 dias) e escurecimento do ápice (AR 6 e AR 8 dias) (Figura 2). Esses sintomas foram descrito

4 por Costa et al (2011) em cultivares de H. bihai mantidos em câmara fria a 6,5ºC, e caracterizada como injúria por frio. A redução de peso fresco (PF) foi progressiva para ambos os tratamentos, sendo observada a partir do quarto dia de vida de vaso para à maioria dos tratamentos com exceção do AC 2 (sexto dia) (Tabela 2). A coloração das brácteas não foi alterada entre os tratamentos, como indicado pelas médias das variáveis colorimétricas L *, a * e b *. Agradecimentos Referências

5 A1 A2 B1 B2 C1 C2 D1 D2 Figure 1 Symptoms of senescence on inflorescences of H. caribaea x H. bihai Jacquinii stored in box at 23 C and RH of 89% for two (A), four (B), six (C) and eight days (D): 1) Inflorescence prior to cold storage (na retirada do tratamento); 2) descarte A1 A2 B1 B2 C1 C2 D1 D2 Figure 2 Symptoms of chilling injury on inflorescences of H. caribaea x H. bihai Jacquinii stored in cold chamber at 17 C and RH 94% for two (A), four (B), six (C) eight days (D): 1) Inflorescence prior to cold storage (na retirada do tratamento); 2) descarte

6 A B C D E F G H Figure 3 Symptoms of senescence on inflorescences of H. caribaea x H. bihai Jacquinii kept at 25 C and RH of 77% (control treatment): A) Inflorescence no início B) after two days; C) after four days; D) after six days; E) after eight days; and F) after ten days under laboratory conditions.

7 Table 1: Visual quality of inflorescences of H. caribaea x H. bihai Jacquinii evaluated with rating scale during vase life at 25 C and RH of 77% under laboratory conditions (LC, control treatment) after storage boxes at 23 C and RH of 89% and under refrigeration at 17 C and Rh of 94% for 2 days, 4, 6 and 8 Treatment Vase life (days) L (control) 4,00 Aa 3,00 Ab 3,00 Ab 2,83 Ab 2,38 Abc 1,83 Acd 1,56 Ad 1,39 d 2 days box 3,28 ABa 2,89 Aab 2,67 ABab 2,28 ABbc 2,39 Ac 1,67 Ac 4 days box 3,11 ABa 2,89 Aa 2,72 ABab 1,89 ABbc 1,67 Ac 1,50 Ac 6 days box 3,33 ABa 2,89 Aa 2,06 Bb 1,50 Bb 1,78 Ab 8 days box 3,11 ABa 2,67 Aab 2,11 Bbc 2,00 ABbc 1,61 Ac 1,33 Ac 2 days cold 3,67 ABa 3,17 Aab 3,00 Aab 2,78 Abc 2,00 Acd 2,00 Acd 1,44 Ad 4 days cold 3,61 ABa 2,78 Aab 2,67 ABbc 2,22 ABbcd 1,78 Acd 1,50 Ad 6 days cold 3,00 Ba 2,78 Aa 2,00 Bb 1,78 ABbc 1,28 Ac 8 days cold 3,61 ABa 2,72 Ab 2,22 Bc 1,83 ABcd 1,44 Ade 1,44 Ade 1,00 Ae Note: Means followed by same capital letters in columns and lowercase letters on lines do not differ significantly (P<0.05; Tukey s test) Table 2: Fresh weight of flowering stems of H. caribaea x H. bihai Jacquinii kept at 25 C under laboratory conditions (L, control treatment) and after the storage boxes at 23 C and under refrigeration at 17 C Treatment Fresh weight (%) of flowering stems Vase life (days) L (control) 100,00 Aa 96,44 Aab 95,99 Aab 93,98 Aabc 90,66 Abcd 87,98 Acd 86,48 Ad 85,58 d 2 days box 96,14 Ba 96,84 Aa 92,93 ABab 90,24 Abc 88,02 Ac 86,48 Ac 4 days box 97,38 ABa 95,50 Aba 92,46 ABb 90,55 Abc 88,91 Acd 87,32 Ad 6 days box 96,04 Ba 93,75 Ba 90,72 Bb 88,91 Ab 8 days box 96,43 ABa 93,64 Bab 91,68 Bb 89,06 Abc 86,68 Ac 85,79 Ac 2 days cold 97,57 ABa 97,27 Aa 94,05 ABb 92,05 Abc 90,11 Acd 89,38 Acd 87,70 Ad 4 days cold 98,13 ABa 96,19 ABa 93,73 ABb 90,81 Ac 89,48 Ac 88,47 Ac 6 days cold 98,09 ABa 96,86 Aab 94,00 ABbc 91,54 Acd 89,67 Ad 8 days cold 97,82 ABa 95,82 ABa 92,35 ABb 89,86 Abc 88,01 Acd 86,38 Ade 84,13 Ae Table 3: Vase life, total postharvest longevity and bract color (CIE L*, a* and b*) of flowering stems of H. caribaea x H. bihai Jacquinii kept at 25 C under laboratory conditions (L, control treatment) and after the storage boxes at 23 C and under refrigeration at 17 C for 2 days, 4, 6 and 8 Treatment VL (days) TPL (days) L* a* b* L (control) 14,00 a 14,00 bc 44,35 a 44,41 a 32,79 a 2 days box 10,00 abc 12,00 c 46,26 a 46,07 a 37,46 a 4 days box 10,00 abc 14,00 bc 45,73 a 43,92 a 34,36 a 6 days box 6,00 c 12,00 c 41,62 a 46,01 a 34,79 a 8 days box 10,00 abc 18,00 ab 42,56 a 47,07 a 32,41 a 2 days cold 12,00 ab 14,00 bc 44,54 a 47,77 a 33,09 a 4 days cold 10,00 abc 14,00 bc 47,76 a 44,35 a 38,99 a 6 days cold 8,00 bc 14,00 bc 45,06 a 42,07 a 35,70 a 8 days cold 12,00 ab 20,00 a 43,88 a 48,62 a 33,83 a Note: Means followed by same lowercase letters in columns do not differ significantly (P < 0.05; Tukey s test); VL = Vase Life (days after cold storage); TPL = Total Postharvest Longevity (VL plus days of cold storage)

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8

Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 Tratamentos Tempo de Armazenamento T F secagem 0 mês 6 meses ( C) (m 3 /minuto/t) (hora) D 1 D 2 D 3 Médias D 1 D 2 D 3 Médias 42 26,9 0 10,4 10,8 10,9 10,7 12,8 11,6 12,0 12,1 4 11,1 10,6 10,9 10,9 13,1

Leia mais

FISIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FLORES DE CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.) Tania Pires da Silva Fernando Luiz Finger

FISIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FLORES DE CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.) Tania Pires da Silva Fernando Luiz Finger FISIOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FLORES DE CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.) Tania Pires da Silva Fernando Luiz Finger FLORES COMESTÍVEIS Assunto antigo brócolis, couve-flor,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers

Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers Longevidade pós-colheita de flores de Oncidium varicosum (Orchidaceae) Post-harvest longevity of Oncidium varicosum (Orchidaceae) flowers Fábio Alcovér Hastenreiter 1 ; José Geraldo Zaparoli Vieira 2 ;

Leia mais

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros.

Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Novos resultados de pesquisas aplicáveis à pós-colheita de citros. Lenice Magali do Nascimento PqC Centro de Citricultura Sylvio Moreira IAC Maio/2015 Aplicação de ceras em pós-colheita de tangerinas Ponkan

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO

FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO FIRMEZA DE MAMÃO GOLDEN SOB RECOBRIMENTOS A BASE DE QUITOSANA E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO Luciana Gomes Soares 1, Valdenia Cardoso da Silva Ferreira 1, Silvanda de Melo Silva 1, Antônio Augusto Marques

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PONTO DE COLHEITA EM ABOBRINHAS SANDY EDER JÚLIO DE JESUS 1 ; ALINE PRUDENTE MARQUES 2 ; POLIANA GASPAR TOSATO 2 RESUMO Um dos fatores que contribui para a extensão da vida útil dos produtos hortícolas

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Armazenamento de laranja Pera produzida em Sergipe. Marina F. da Vitória 1 ; Julie Anne E. Amorim²; Dalyla Natane

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas

Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas Atmosfera Modificada em Armazenamento Refrigerado de Rosas Gláucia M. Dias (1) ; Lucas O. G. Santos (1) ; Patrícia Cia (1) ; José M. M. Sigrist () ; Silvio L. Honório (3) (1) IAC Instituto Agronômico de

Leia mais

MÉTODOS DE SUPERAR A DORMÊNCIA DE SEMENTES DE BRACATINGA PARA PLANTIO COM MÁQUINA RESUMO

MÉTODOS DE SUPERAR A DORMÊNCIA DE SEMENTES DE BRACATINGA PARA PLANTIO COM MÁQUINA RESUMO MÉTODOS DE SUPERAR A DORMÊNCIA DE SEMENTES DE BRACATINGA PARA PLANTIO COM MÁQUINA Ayrton Zanon * RESUMO Dentre os métodos pré-germinativos já determinados para superar a dormência de sementes de bracatinga

Leia mais

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES

Tecnologia de Alimentos. QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES p. 1/5 Tecnologia de Alimentos QUALIDADE DE PÊSSEGOS cv. Eldorado MINIMAMENTE PROCESSADOS E TRATADOS COM DIFERENTES ANTIOXIDANTES 1 Rufino Fernando Flores Cantillano, 2 Maurício Seifert*, 2 Jardel Araujo

Leia mais

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação.

Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Armazenamento Sob Atmosfera Modificada de Melão Cantaloupe Cultivado em Solo Arenoso com Diferentes Coberturas e Lâminas de Irrigação. Manoella Ingrid de O. Freitas; Maria Zuleide de Negreiros; Josivan

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE FLORES CORTADAS DE CHUVA- DE-OURO APÓS ARMAZENAMENTO EM CÂMARA FRIA A BAIXA TEMPERATURA CASTRO 1, S. G. F.; CORTEZ 2, L. A. B. Departamento de Pré-processamento de Produtos Agropecuários,

Leia mais

Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo com a utilização do filme de PVC em condições ambientes.

Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo com a utilização do filme de PVC em condições ambientes. Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo com a utilização do filme de PVC em condições ambientes. Wagner Ferreira da Mota 1 ; Fernando Luiz Finger 2 ; Paulo Roberto Cecon 3 ;

Leia mais

SEÇÃO 3 TECNOLOGIA PÓS-COLHEITA

SEÇÃO 3 TECNOLOGIA PÓS-COLHEITA 76 SEÇÃO 3 TECNOLOGIA PÓS-COLHEITA ARMAZENAMENTO E QUALIDADE DE FRUTOS DA MANGUEIRA (Mangifera indica L.) TRATADOS COM ÁCIDO GIBERÉLICO Juliana Cristina Castro 1, Deise Anne Marsolla 2, Douglas Seijum

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

Conservação pós-colheita, sintomas e respostas fisiológicas da senescência e injúria por frio em hastes florais de Heliconia bihai (L.

Conservação pós-colheita, sintomas e respostas fisiológicas da senescência e injúria por frio em hastes florais de Heliconia bihai (L. Andreza Santos da Costa Conservação pós-colheita, sintomas e respostas fisiológicas da senescência e injúria por frio em hastes florais de Heliconia bihai (L.) Recife-PE Fevereiro/2009 Andreza Santos da

Leia mais

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima.

Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Produção de Híbridos Comercias de Pimentão (Capsicum annuum) em Cultivo Protegido no Estado de Roraima. Kátia de Lima Nechet (1) ; Bernardo de Almeida Halfeld-Vieira (1) ; Paulo Roberto Valle da Silva

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Avaliação pós-colheita do mamão, após impactos mecânicos. Airles Regina da Costa Paixão 1 ; Luiz Fernando Ganassali

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÃES ARTESANAIS PULVERIZADOS COM EXTRATOS ALCOÓLICOS DE ERVAS AROMÁTICAS E CONDIMENTARES 1 RESUMO Rita de Cássia Zanúncio Araujo 2 Sára Maria Chalfoun de Souza 3 Joelma Pereira 4

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PELÍCULAS AMILÁCEAS NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ROSA. Evaluation of starch films on the post-harvest conservation of rose

UTILIZAÇÃO DE PELÍCULAS AMILÁCEAS NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ROSA. Evaluation of starch films on the post-harvest conservation of rose Revista Eletrônica de Agronomia, Garça, v.16, n.2, p.12-19, dez, 2009 ISSN 1677-293 UTILIZAÇÃO DE PELÍCULAS AMILÁCEAS NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE ROSA Evaluation of starch films on the post-harvest

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2

Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello 2 Uso de Terra de Diatomácea para Proteção de Grãos de Milho 24 Luidi Eric Guimarães Antunes 1, Paulo André da Rocha Petry 2, Paulo Ricardo de Jesus Rizzotto Junior 2, Roberto Gottardi 2, Rafael Gomes Dionello

Leia mais

Caracterização físico-química de mirtilo comercializado em Curitiba- PR

Caracterização físico-química de mirtilo comercializado em Curitiba- PR 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Caracterização físico-química de mirtilo comercializado em Curitiba- PR José G. S. Medeiros 1 ; Luiz A. Biasi

Leia mais

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL

SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL SEÇÃO 1 TECNOLOGIA DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL E ANIMAL BIOFILME COMESTÍVEL E EMBALAGEM DE PVC NA CONSERVAÇÃO PÓS- COLHEITA DE TOMATE EM DIFERENTES TEMPERATURAS Vanderleia Schoeninger 1, Tábata Zingano

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS 1

VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS 1 4 VIDA-DE-PRATELEIRA DE GOIABAS, CV. SASSAOKA, MINIMAMENTE PROCESSADAS E ARMAZENADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS FLÁVIA APARECIDA DE CARVALHO MARIANO 2, APARECIDA CONCEIÇÃO BOLIANI, LUIZ DE SOUZA CORRÊA,

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo

Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo 1 2 Influência do armazenamento refrigerado na qualidade pós-colheita de mirtilo 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 José G. S. Medeiros 1 ; Jessica

Leia mais

ARMAZENAMENTO E REIDRATAÇÃO DE INFLORESCÊNCIAS DE Epidendrum ibaguense KUNTH

ARMAZENAMENTO E REIDRATAÇÃO DE INFLORESCÊNCIAS DE Epidendrum ibaguense KUNTH JOICE SIMONE DOS SANTOS ARMAZENAMENTO E REIDRATAÇÃO DE INFLORESCÊNCIAS DE Epidendrum ibaguense KUNTH Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Controle de oídio em moranga-híbrida.

Controle de oídio em moranga-híbrida. 1 OLIVEIRA, V.R.; GIANASI, L.; MASCARENHAS, M.H.T.; PIRES, N.M.; FILHO, J.A.A.; VIANA, M.C.M.; LARA, J.F.R. Controle de oídio em moranga híbrida. Horticultura Brasileira, v. 20, n.2, julho,2002. Suplemento2.

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo

8º Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2014 12 a 14 de agosto de 2014 Campinas, São Paulo Atmosfera Controlada para Rosas com o uso de Flowboard Portátil Lucas de Oliveira G. dos Santos ¹; José Maria M. Sigrist 2 ; Patrícia Cia 3 ; Gláucia Mores Dias 4 Nº 14149 RESUMO No país existem poucos

Leia mais

TECNOLOGIA DE PÓS-COLHEITA

TECNOLOGIA DE PÓS-COLHEITA TECNOLOGIA DE PÓS-COLHEITA CLIMATIZAÇÃO E ARMAZENAMENTO REFRIGERADO NA QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE BANANAS NANICÃO ( 1 ) ENRIQUE GEORGETTE FERNANDES ( 2 ); PAULO ADEMAR MARTINS LEAL ( 3 ); JULIANA SANCHES

Leia mais

EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA

EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA EFEITO DO ÁCIDO GIBERÉLICO NO TRATAMENTO DE SEMENTES DE ARROZ SUBMETIDO A ESTRESSE POR BAIXA TEMPERATURA Daniele Brandstetter Rodrigues 1 ; Thaís D Avila Rosa 2 ; Diogo Balbé Helgueira 2, Jonas Gularte

Leia mais

Características estruturais da Brachiaria Brizantha cv. Piatã e Cynodon

Características estruturais da Brachiaria Brizantha cv. Piatã e Cynodon Características estruturais da Brachiaria Brizantha cv. Piatã e Cynodon sp. cv. Tifton 85 em cultivo solteiro, consorciado com feijão-guandu ou sob adubação nitrogenada Structural characteristics of Brachiaria

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ALHO IRRADIADO NA ARGENTINA E ARMAZENADO NO BRASIL.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ALHO IRRADIADO NA ARGENTINA E ARMAZENADO NO BRASIL. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO ALHO IRRADIADO NA ARGENTINA E ARMAZENADO NO BRASIL. Osvaldo A. Curzio*, Clara A. Croci*; Rachel E. Domarco**; Marta H. F. Spoto**; Lucimara Blumer** e Julio M. M. Walder** **Centro

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil NETO ALVES DE OLIVEIRA, EMANUEL; NOBRE MARTINS, JOABIS; DA COSTA SANTOS, DYEGO; PALMEIRA GOMES, JOSIVANDA;

Leia mais

3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica

3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica 3.4.4 GLADÍOLO (Gladiolus L.) 3.4.4.1 Classificação Botânica O Gladíolo pertence à família das Iridáceas, dentro da classe das monocotiledôneas. O nome Gladiolus L., pertencente ao gênero foi classificado

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS

PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS PRODUÇÃO DO MORANGUEIRO A PARTIR DE MUDAS COM DIFERENTES ORIGENS MICHEL ALDRIGHI GONÇALVES 1 ; CARINE COCCO 1 ; LUCIANO PICOLOTTO 2 ; LETICIA VANNI FERREIRA 1 ; SARAH FIORELLI DE CARVALHO 3 ; LUIS EDUARDO

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DINÂMICA DE SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

Leia mais

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE MILHO E DE SOJA ARMAZENADAS SOB BAIXA TEMPERATURA

TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE MILHO E DE SOJA ARMAZENADAS SOB BAIXA TEMPERATURA i UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS TESTE DE CONDUTIVIDADE ELÉTRICA PARA SEMENTES DE MILHO E DE SOJA ARMAZENADAS SOB BAIXA TEMPERATURA Mariana

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

6Anais 1 o Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores hortaliças (CD ROM), Maio de 2015.

6Anais 1 o Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores hortaliças (CD ROM), Maio de 2015. 1Souza, M.R; Sun, L.T; Gouveia, A.M.S.; Corrêa, C.V., Evangelista, R.M., 2015. Influencia do 2 tipo de branqueamento na qualidade de brócolis. In: Congresso Brasileiro de 3 Processamento mínimo e Pós-colheita

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU

OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU OCORRÊNCIA DE INJÚRIAS MECÂNICAS DURANTE AS OPERAÇÕES PÓS-COLHEITA E SUA INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DA MANGA 'TOMMY ATKINS' DESTINADA AO MERCADO EUROPEU Tânia Bené Florêncio de Amorim, Maria Auxiliadora Coêlho

Leia mais

Conservation of fresh cut Peruvian carrot treated with antioxidants

Conservation of fresh cut Peruvian carrot treated with antioxidants 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Conservação de mandioquinha-salsa minimamente processada tratada com antioxidantes. Thaís Helena de Araujo 1 ;

Leia mais

Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas

Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas SCIENTIA PLENA VOL. 7, NUM. 1 211 www.scientiaplena.org.br Estudo da conservação de mamão Havaí utilizando películas comestíveis a diferentes temperaturas J. D. R. Pimentel¹; D. S. Souza¹; T. V. Oliveira¹;

Leia mais

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Cícero Pereira Cordão Terceiro Neto 1 ; Fred Carvalho Bezerra 2 ; Fernando Felipe Ferreyra Hernandez 1 ; José Vagner

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Efeito da reidratação na pós-colheita da salsa. Kari K. S. Araujo 1 ; Carolina C. Sena 1 ; Sueli M. F. Alves 1 ; André J. Campos 1

Efeito da reidratação na pós-colheita da salsa. Kari K. S. Araujo 1 ; Carolina C. Sena 1 ; Sueli M. F. Alves 1 ; André J. Campos 1 1 2 Efeito da reidratação na pós-colheita da salsa. Kari K. S. Araujo 1 ; Carolina C. Sena 1 ; Sueli M. F. Alves 1 ; André J. Campos 1 1 UEG Universidade Estadual de Goiás- Br 153, Nº 3105, 75132-400 Anápolis

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM DIFERENTES SUBSTRATOS À BASE DE MATERIAIS REGIONAIS SOB ADUBAÇÃO FOLIAR 1 Leonardo Pereira da Silva Brito 2, Ítalo Herbert Lucena Cavalcante 2, Márkilla Zunete Beckmann-Cavalcante

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 23/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 23/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS Descreva as características que diferenciam um delineamento experimental (p. ex. inteiramente casualizado, em blocos completos, em quadrado latino, em blocos incompletos

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO RESUMO CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS E COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DE CASCAS E SEMENTES DE MAMÃO Thaise Ananele de Lima 1 ; Maria Madalena Rinaldi 2 ; Diego Palmiro Ramirez Ascheri 3 1 Química Industrial, UnUCET/Anápolis

Leia mais

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere

Postharvest conservation mangaba under ambient atmosphere 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Conservação pós-colheita da mangaba sob atmosfera ambiente. Maria P. C. Silveira 1 ; Abraão A. Santos 1 ; Alexandre

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Nº 35, dezembro de 1999, p.1-6 DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE TOMATE Rita de Fátima Alves Luengo¹ Antônio Willians Moita² Termos para indexação: embalagem, hortaliça,

Leia mais

21/10/2011 V Congresso Florestal Latinoamericano

21/10/2011 V Congresso Florestal Latinoamericano A INFLUÊNCIA DA RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA EM LÂMINAS DE MADEIRA, DA ESPÉCIE PAU MARFIM TRATADA COM PRODUTOS QUÍMICOS, POR CÂMERA DE ENVELHECIMENTO E ESPECTROCOLORIMETRIA. Clarissa Melo Lima, Eng. Luiz Fernando

Leia mais

b. Temperatura Regra Prática

b. Temperatura Regra Prática Armazenamento Etapa final do processo Cuidados ARMAZENAMENTO DE SEMENTES OBJETIVOS Manter a qualidade fisiológica - deterioração Evitar aberrações cromossômicas - mutações Regularizar o mercado Época de

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A.

OPERAÇÕES E PROCESSOS DA T.A. Temperatura ambiental A temperatura no armazenamento do produto alimentício está condicionada à exposição deste a diferentes graus de calor ou de frio. Modificações indesejáveis à qualidade do produto:

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EXPERIMENTAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação Mestranda:

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Atmosfera modificada e refrigeração para conservação pós colheita de uva 'Niagara Rosada'

Atmosfera modificada e refrigeração para conservação pós colheita de uva 'Niagara Rosada' Atmosfera modificada e refrigeração para conservação pós colheita de uva 'Niagara Rosada' Patrícia Cia (1), Eliane Aparecida Benato (2), Silvia Regina de Toledo Valentini (2), Juliana Sanches (1), Francine

Leia mais

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Simone Silmara Werner Gurgel do Amaral Sara Regina Kulzer 2 Marcus Vinícius Silva Gurgel do Amaral Sílvia

Leia mais

Caracterização Varietal de Rúcula.

Caracterização Varietal de Rúcula. Caracterização Varietal de Rúcula. Fernando C. Sala 1 ; Fabrício Rossi 1 ; Eliane Gomes Fabri 1 ; Eltiza Rondino 1 ; Keigo Minami 1 ; Cyro P. da Costa 1 1 USP/ESALQ Departamento de Produção Vegetal, Piracicaba-SP;

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo

Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Efeito de diferentes espaçamentos e densidades de semeadura no perfilhamento e produtividade de trigo Gerson Sander 1, Antonio Carlos Torres da Costa 2, Jose Barbosa Junior Duarte 3 1 Eng. Agrôn., Mestrando

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO

PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO PRODUÇÃO DE MUDAS PRÉ BROTADAS (MPB) DE CANA-DE-AÇUCAR EM DIFERENTE ESTRATÉGIAS DE IRRIGAÇÃO L. G. Silva 1 ; E. F. Fraga Júnior 2 ; R. A. Santos 3 RESUMO: O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar,

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

Chemical characterization and weight loss of c.v. grape bunches Brazil during post-harvest storage.

Chemical characterization and weight loss of c.v. grape bunches Brazil during post-harvest storage. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 Caracterização química e perda de massa de cachos da uva cv. Brasil durante o armazenamento pós-colheita. Francisco

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos

Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos Analise de crescimento do algodão colorido sob os efeitos da aplicação de água residuária e biossólidos 333 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental (Suplemento), 2005 Campina Grande, PB,

Leia mais