f,'} '} ~" { $ I A palavra "cientista" é empregada em seu sentido mais amplo,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "f,'} '} ~" { $ I A palavra "cientista" é empregada em seu sentido mais amplo,"

Transcrição

1 10 UFPR BC/.5,A, BIBLlOT~CI\ ~ f,'} '} ~" INDEXAÇÃO CORDELlA R. CAVALCANTI Professora titular do Departamento de Biblioteconomia da Universidade de Bras(lja Brasília, DF INTRODUÇÃO t { $ A infonnação transfonnou-se em produto, apresentado ao mercado consumidor sob características diversas, semelhantes, porém àquelas do mercado geral, COIu a inclusão do circuito oferta/demanda e a existéncia de intennediários entre o produtor da informação e seu usuário, como se pode verificar em. quadro difundido no relatório da UNESCO sobre a criação de um sistema de informação científica mundial (UNISIST) (29). Em geral, os usuários recebem as informações através de serviços especializados que reunem, organizam e divulgam os trabalhos especializados nas diversas áreas do conhecimento. São poucos os cientistas I.. que prescindem do auxl1io desses serviços, pois quase todos recorrem aos "intermediários" para obter as infonnações desejadas. Selecionar, classificar/indexar, resumir, compilar, são algumas das etapas de operações. efetuadas sobre conjuntos de documentos.primários, relativos a assuntos específicos, visando colocá-los à disposição dos usuários. 'i! I A palavra "cientista" é empregada em seu sentido mais amplo, abran~endo tanto aqueles que se ded,cam às ciências ditas "exatas" como às ciências aplicadas, às técnicas, às sociais, às humanas.

2

3

4 tros países além das fronteiras da Austrália, sua pátria'adotiva. Suas obras, no entanto, são, ainda, fontes de ensinamento para os que desejam estudar, em profundidade, a indexação alfabética. M.F. LYNCH (13) Lynch (19) foi o introdutor dos índices articulados de assunto e seu esquema caracteriza-se pelo emprego acentuado de frases preposicionais. J.E.L. FARRADANE (13) Ainda no campo das soluções para o problema dos termos ou cabeçalhos compostos, deve ser citado Farradane (12) que usou os chamados operadores de relação - nove ao todo - para indicar as relações entre termos. Considera-se cabeçalho composto aquele que representa um conceito mediante o emprego de duas ou mais palavras. PRECIS E POPSI A abordagem alfabética dos assuntos encontra-se também representada, atualmente, por dois novos métodos de indexação que podem, ou não, utiiizar computadores: PRECIS (preserved Context Indexing System) e POPSI (postulate-based Permuted Subject Indexing) PRECIS (2) Sistema pré-coordenado de indexação, o PRECIS surgiu na Grã-Bretanha, com os estudos preiiminares do CIassification Research Group, criado em 1952 com o objetivo de estudar os sistemas disponíveis de classificação e de sugerir o aperfeiçoamento dos métodos de organização temática. Posteriormente ( ), Derek Austin devotou-se às pesquisas relativas à indexação temática, procurando encontrar um esquema que permitisse a geração automática dos índices da British National Bibliography. O PRECIS apresenta procedimentos diversos para uso de um vocabulário controlado, valendo-se do trabalho intelectual para análise dos documentos, e do computador para armazenagem e recuperação dos dados. Na etapa intelectual, o indexador identifica o assunto e prepara a unidade básica de entrada com as seguintes informações: a. cadeia de termos - que traduzem o assunto do documento. Esta cadeia indica, também, as instruções codificadas que vão comandar o computador e a manipulação automática dos termos para composição das entradas no índice; b. endereço - (número de classificação ou de registro do documento) para o qual vão ser remetidas as entradas do índice; c. códigos numéricos - de comando do computador, a fun de que as remissivas e referências cruzadas, pertinentes aos termos da cadeia, sejam extraídas do tesauro arquivado na memória da máquina. Estes códigos são denominados números indicadores de referência (RINs =reference indicator numbers); d. número indicativo do assunto - (SIN subject indicator number) para identificação da posição de arquivamento des. tes dados, para utiiização futura. O PRECIS é de fato a união de dois componentes - o homem e a máquina - para a produção de índices, tanto quanto possível corretos e completos. Cabe ao homem, naturalmente, a parte intelectual; cabe à máquina, a manipulação rápida e eficiente dos dados fornecidos pelo indexador. Outra característica do PRECIS deve ser igualmente mencionada: é um vocabulário aberto, ou seja, permite a incluslo de termos novos, quando necessários para a indexação dos também novos documentos. POPSI (24) O POPSI teve sua origem em estudos efetuados por A. Neela

5 meghan e colaboradores no Documentation Research and Training Center, de Bangalore, a partir de Sua fmalidade é a de dar ao catálogo alfabético de assuntos as vantagens do catálogo sistemático. :e um método de indexação em cadeia que utiliza os conceitos para, mediante análise das facetas, permitir a preparação do índice. O POPSI sofreu algumas modificações no decorrer dos anos e agora em prega símbolos para ressaltar, corretamente, as relações entre concei tos. Tanto o PRECIS, como o POPSI (20) produzem índices permutados ou rotados e se valem de artifícios para "preservar o con texto" dos termos de indexação. Ambos surgiram em fms dos anos 60 e são semelhantes no que se refere à permutaçl[o de termos. Dife rem, porém, em seus princípios: a. PRECIS baseia-se em relações governadas pelo "Princípio de dependência do contexto" e pelos indicadores; b. POPSI é uma versl[o modificada da indexaçl[o em cadeia. INDICES E INDEXAÇÃO O elo de ligação entre o usuário e a informação é o índice - produto documentário que se apresenta como o roteiro ordenado, alfabético ou sistemático, dos itens de uma coleção, ou do conteúdo de um documento, acompanhado de referenciais que permitem a identificaçlo e/ou localização do item ou do documento. O índice é um mecanismo ou instrumento auxiliar, usado, tanto na armazena gem, corno na busca e na recuperação da informação. Ao ato, ao processo ou ao resultado da elaboração de entradas para um índice é dado o nome de indexação. Entrada, na sua defmi ção mais simples, é o "conjunto de informações que representa um documento nas bibliografias, nos índices e nos catálogos; é o ponto de acesso ao documento" (7). Há dois instrumentos essenciais à elaboração de índices: as nor mas e os instrumentos lingüísticos. As normas utilizadas na documentação. tanto as nacionais, CO mo as internacionais - são conhecidas de todos aqueles que traba lham no setor da informação documentária. Os instrumentos lingüísticos, ou linguagens documentárias, ou linguagens de indexação, sl[o objeto das observações que se seguem. Linguagem documentária é o conjunto de regras, símbolos e termos previamente estabelecidos, formando uma linguagem artifi. cial para indicação do conteúdo temático dos documentos (7). A linguagem artificial, elaborada de acordo com as regras pré. -estabelecidas, tem como fmalidade a armazenagem, a busca e a recuperaçl[o de assuntos específicos. Por sua vez, a linguagem natural, é aquela formada pela reunião de sinais utilizados e reconhecidos facilmente pelo homem e tem sido empregada na indexação denominada "livre", que utiliza os termos corno se apresentam nos documentos (7). Alguns autores discutem a validade da opção por uma linguagem artificial ou documentária, preferindo a linguagem natural ou "livre", para a armazenagem e recuperação da informação. A linguagem artificial, no entanto, pode ser considerada a metalinguagem da indexação, ou seja, aquela que vem depois, ou se soo brepõe à linguagem natural dos documentos. De acordo com a definição do Unisist (29), metalinguagem é a "construção simbólica, concebida éomo instrumento para conversão de uma linguagem em outra". Tanto a linguagem natural, como a artificial, apresentam van. tagens e desvantagens, mas o que interessa, agora, é o estudo das linguagens documentárias. entre as quais se inserem as linguagens de indexação. e não as observações apresentadas pelas correntes que de. fendem ou uma, ou outra. A linguagem de mdexação é uma linguagem artificial - ou me. talinguagem utilizada para o registro ou indicação dos temas conti. dos nos documentos, dotada de um vocabulário controlado e regida por uma sintaxe própria. O vocabulário controlado é aquele que relaciona termos utili. zados em sistemas de indexação, com vistas à uniformidade de arma. zenagem, bem como à facilidade de recuperação. As listas de cabeçalhos de assunto e os tesauros sl[o espécies de vocabulários controla. dos.,.' A sintaxe neste contexto é o conjunto de regras referentes à combinaçl[o dos elementos do vocabulário

6 TIPOS DE INDEXAÇAo Entre os tipos mais conhecidos de indexação podem ser ressal. tados: IndexaçA'o associativa indexação automática que indica a rela ção de vizinhança entre dois termos, sem que isto implique numa as. sociação funcional específica entre os dois. Indexação automática indexação efetuada pelo computador. Indexação contextuai método de indexação que se baseia na utilizaçlo das palavras significativas, apresentadas no seu contexto. Indexação coordenada ou correlativa. indicação dos assuntos mediante emprego de termos de indexação de igual valor, que podem ser combinados no momento da indexação (pré-eoordenação) ou no momento da recuperaçlo (pós-eoordenação). Indexação de citações método que emprega o acasalamento bibliográfico (ou, acoplamento bibliográfico) para recuperação de documentos. Acasalamento bibliográfico é a relação que se estabele. ce entre documentos, por intermédio das citações comuns que fazem ao(s) mesmo(s) documento(s). Indexação de conceitos método que exige a análise do conteúdo temático dos documentos, para identificação das idéias e atri. buiçlo dos termos de indexação, selecionados em listas previamente elaboradas. O conceito, segundo o CJassification Research Group (14) pode ser inserido em uma das categorias seguintes: entidades, atividades, abstratos, propriedades, heterogêneos. As entidades são as coisas que apresentam um significado preciso e podem ser físicas (por exemplo, matéria ou fenômeno físico), químicas (por exemplo, estado molecular, minerais), biológicas (seres vivos), artefatos (coisas manufaturadas). As atividades são identificadas pelas formas verbais. Os abstratos referem.se, em geral, a qualifidades ou estados e têm sigo nificado conotativo. As propriedades são de duas espécies, identifica. das pela forma gramatical: a. adjetivas, usadas em ligação com um substantivo que qualifi. cam e se referem aos cinco sentidos (audição, olfato, pala. dar, tato e visão) e b. substantivas, representativas de propriedades que podem ser medidas. Os heterogêneos representam conceitos que, de modo geral, podem ser decompostos em dois ou mais conceitos simples. Indexação derivada. elaboração de índices baseada no uso de elementos que se encontram no próprio documento. Entre os vários tipos de índices decorrentes da derivação encontram se os índices de citações, os índices KWIC e KWQC e os índices automáticos. Indexação em cadeia - produção de índice alfabético dos ter. mos, ou frases, correspondentes a partes de um índice de classifica. ção, no qual os assuntos são apresentados conforme suas relações com os termos mais abrangentes. IndexaçA'o hierárquica indicação dos registros da inforniação sob as classes gerais, bem como sob as classes específicas que lhes são subordinadas. Indexação na fonte - inclusão no documento, quando de sua editoração, do(s) termo(s) de indexação necessário(s) à recuperação da informação nele contida. Indexação pela palavra chave - utilização da(s) palavra(s) sigo nificativa(s) de um texto, para indicação do(s) assunto(s) nele tratado(s). Indexação por relações, ou indexação relacionada - representação estrutural de assuntos complexos, pela interposição das relações formalmente indicadas, entre os termos. Assuntos complexos são aqueles que contém focos de mais de uma classe. Por exemplo, a in. fluência da religião na obra de Otávio de Farias, é um assunto com. plexo porque engloba focos de literatura e religião. Foco, por sua vez, é a subdivisão de uma faceta e faceta é o conjunto de subclasses obtidas pela divisão de uma classe de acordo com determinada carac. terística. Indexação por truncamento - técnica de indexação automática que efetua a seleção de termos conforme critérios lingüísticos, fun. damentados no uso da raiz das palavras. Indexação pós-coordenada, ver Indexação coordenada. Indexação pré-eoordenada, ver Indexação coordenada. IndexaçA'o por unitermos - tipo de indexação coordenada que emprega palavras simples como termos de indexação. Estas palavras são chamadas unítermos. ji>

7 TIPOS DE (NDICES Há outros tipos de indexação que, juntamente com os anteriores, resultam em tipos também diversos de índices entre os quais: Acasalamento bibliográfico - índice que resulta da relação estabelecida entre documentos através das citações que fazem ao(s) mesmo(s) documento(s). Concordância - índice alfabética de todas as palavras significativas do texto de um, ou de vários documentos de um só autor - ou de vários autores - apresentadas nos respectivos contextos. Por contexto, entende-se o trecho, frase ou linha nos quais a palavra ocorre. A Bíbilia, bem como autores clássicos como Tito Lívio, Tomás de Aquino, Milton, Shakespeare, por exemplo, já foram objetos de índices de concordância. Diz-se também do índice de uma linguagem documentária relâcionando seus próprios termos com os termos de outra.1inguagem documentária. líldice AKWIK - (author and key-word in context) - índice automático que relaciona autores e palavras-ehave. rndice alfabético - é aquele cujos termos se apresentam na ordem das letras do alfabeto. rndice analítico - é aquele que inclui a referência bibliográfica e um resumo ou análise do documento. 1D.dice assindético - é o índice que não incorpora referências cruzadas. 1D.dice classificado ver IÍJ.dice sistemático. rndice conectivo ver Índice sindético. líldice coordenado ou correlativo - índice resultante da combinação dos descritores para obtenção da indicação de assuntos específicos. líldice corrente - tipo de índice publicado periodicamente, com a fmalidade de atualizar informações constantes de determinados documentos. líldice cumulativo - é assim denominado o índice de publicações seriadas - entre as quais se encontram os periódicos _ ou de obras em vários volumes, que reúnem, numa só lista (ou índice) as' entradas de indexação relativas a vários fascículos ou volumes. O ln. dex Medicus, por exemplo, edita índices cumulativos. A AnnuaI ReYiew of Information Science and Technology, além dos índices que acompanham cada volume, publica, periodicamente, um índice cumulativo. rndice de citações - associação das referências citadas por um autor, num artigo, com as referências feitas posteriormente ao próprio artigo onde apareceram as citações. Entre as idéias renovadoras no campo da indexação, surgiu nos anos 50 a concepção do índice de citações científicas (Science Citation Index), desenvolvida por Eugene Garfield, do Institute for Scientific Information (ISI) (15). A idéia em si não era nova, pois desde o século 19, a literaturajurídica já empregava a indexação de citações. Garfield começou a escrever sobre o assunto em 1955 (Science, v. 122, p ) em artigo intitulado Citation Indexes for Science. Segundo Garfield, entre as principais características do índice de citações, podem ser identificadas: a. a simplicidade - não há necessidade de análise prévia pelo indexador; b. o resultado efetivo da busca, apresentando o maior número possível de documentos relevantes; c. a dínlinllíção do número de documentos irrelevantes. O índice de citações é a representação, sem ambigüidade, de um assunto, prescindindo da interpretação subjetiva e das variações terminológicas. rndice de estruturas químicas (compostos e fórmulas). índice especial para indicaç!o de compostos químicos e de fórmulas moleculares. rndice de locaiização - é aquele que informa sobre o lugar físi. co onde se encontra o item. Neste sentido, os catálogos coletivos 810 índices de localizaçã'o. rndice de ternas musicais - índice especial que permite ao usuá" rio a recuperação de temas musicais e de melodias, de acordo com o esquema de posicionamento melódico. líldice em tempo real - índice automatizado, cumulativo, para o qual se prevê a inserçã'o imediata das entradas novas, de acordo com a disponibilidade dos registras informativos. Desta forma, o usuário tem acesso direto e imediato à informação mais atual

8 IÍldice.KLIC (key letter in context) uso de truncamento na indexação automática, para produção de índices. IÍldice KWAC (keyword and context). índice obtido pela permutação das palavras de um título. IÍldice KWIT (key word in title). espécie de índice KWIC, baseado, porém, numa permutação selecionada. IÍldice KWOC (key word out of context). variação do KWIC. As palavras significativas aparecem na devida ordem alfabética, segui. das pelo título completo, dentro porém, de um determinado espaço linear. IÍldice K.WOT (key word out of title). índice produzido COdI auxi1io do computador: as palavras significativas do título são extraídas e colocadas na ordem alfabética. índice KWUC (key word and UOC). o arranjo deste índice é feito pelas classes gerais da Classificação Decimal Universal e subdivisão dessas classes, em ordem alfabética das palavras-ehave dos títulos que constam de cada classe. índice numérico. como o nome demonstra, é um índice especial, que leva o usuário ao item desejado mediante um número. Os números são dispostos em ordem crescente. As patentes, por exemplo, são indexadas por país e, dentro deste, pela ordem numérica. índice permutado índice obtido, geralmente através de meios automatizados, posicionando-se num campo fixo de indexação, uma sucessão de termos que aparecerão nas respectivas ordens alfabéticas. Os índices KWIC e KWOC, por exemplo, são índices permutados. IÍldice põs-coordenado - é aquele que relaciona termos no momento da recuperação, a fim de obter os documentos procurados. IÍldice pré-coordenado. é àquele que utiliza, para sua elabora. ção, listas de termos previamente coordenados. IÍldice relativo índice de um sistema de classificação que mos. tra, sob cada entrada, os diversos aspectos que se relacionam com o assunto. Melvil Dewey foi o primeiro a empregá lo na sua Classifica. ção Decimal. IÍldice rotado índice alfabético relacionando títulos, frases ou sentenças e no qual um elemento selecionado surge em primeiro lugar, seguido pelos demais elementos, na ordem original. índice sinalético - tipo de índice que inclui a referência bibliográfica dos documentos. IÍldice sindético ou conectivo. índice que indica as relações entre termos, utilizando referências cruzadas. IÍldice SUC (selective listing in combination). envolve a combinação de elementos apenas em uma direção. Por exemplo, os assuntos representados pelas letras A B C, seriam assim dispostos: ABC AC BC C índice taxonômico ou taxionômico. índice especial que reme. te a itens relativos às formas de vida. MECANISMOS OU DISPOSITIVOS UTILIZADOS EM LINGUAGENS DE INDEXAÇÃO Uma das características essenciais ao bom desempenho das lin. guagens de indexação é a sua capacidade de revocaçio e de precisio. A revocação refere-se à relação entre o número de documentos relevantes sobre determinado tema, recuperados pelo sistema, e o número total de documentos sobre o tema, existentes nos registros do mesmo sistema. A precisão, ou relevância, refere se à qualidade dos documentos recuperados pelo sistema, para atendimento dos pedidos relativos a temas específicos, encaminhados por usuários diversos. Segundo Aitchinson e Gilchrist podem ser citados, entre outros, os seguintes mecanismos, ou artifícios, para a revocação: controle da sinonímia e da quase-sinonímia, controle da forma da palavra (numero, forma gramatical, raízes), relações estruturais, grupa. mentos e aglomerados, relações lúerárquicas, conceituação específica dos termos (1). Entre os mecanismos, ou artifícios, de preclslo, cio tam: coordenação, elos, indicadores de função e relacionais, pondera. ção (1)

9

10 A escolha ou a rejelçl'o dosmesmos, relaciona-se com o uso ao qual se destina o índice, ou, mais especificamente, com o tipo de siso tema de informaçl'o que está sendo desenvolvido. Na etapa da seleçl'o dois aspectos revelam-se importantes: a. exaustividade; b. especificidade. A maior ou menor exaustividade e a maior ou mengj; especifi. cidade, dependem da seleçl'o de termos de indexaçl'o: a. a exaustividade é a relação entre o número de documentos pertinentes fornecidos em resposta a urna pergunta, e o número total de documentos pertinentes que responderiam à pergunta formulada. Segundo A.C. Foskett (13), exaustividade é a profundidade de análise de um documento, objetivando a indicação do assunto a ser especificado. b. a especificidade, é o grau de precisão de um sistema de inde. xaçllo, quando aplicado ao assunto, ou aos assuntos de um documento. Quando 51'0 selecionados, para indicação dos conceitos, os termos, ou descritores, mais específicos, a pós-coordenação dará resultados bastante apreciáveis. Há sistemas de indexação que empregam, para um desempenho melhor, os chamados indicadores, os elos e os elementos de ponderação. A ponderação consiste na atribuição de símbolos, ligados a termos de indexação para marcar a importância de um assunto no con. texto do documento. Podem ser usados números, letras, sinais diacríticos e pontuação. dos. Os elos, sllo os elementos de ligação entre assuntos subordina. Os indicadores, também denominados indicadores de função, referem-se a termos ou símbolos, empregados para alterar o significado de um descritor. Alguns vocabulários especializados em indexação, referem-se aos indicadores chamando-os, também, de "modificadores", "modulantes", "indicadores de fator" e até mesmo "notas explicativas". TRADUçAo DOS CONCEITOS EM LINGUAGEM DE INDEXAÇAo A indexaçllo eficiente é obtida, não só pela análise correta, mas também pela utilização de bons instrumentos para seleção dos termos representativos dos conceitos. Esses instrumentos podem ser: a. do tipo alfabético-combinatório, corno os cabeçalhos de assunto e os tesauros; b. do tipo numérico, ou alfanumérico, ou alfabético, como as classificações. Naturalmente, o conhecimento desses recursos é imprescindível ao bom desempenho do indexador e ele deve estar ciente de que, nem sempre, vai encontrar, nesses instrumentos, o descritor, ou a classificação referente ao conceito a ser registrado. Quando sllo uti Jizados processos automatizados, a metodologia, inevitavelmente, será diferente. COMPONENTES IDENTIFICADORES TEMÁTICOS DO TEXTO A idéia é a unidade de pensamento que identifica tematic.a.,mente umtexto. Há, no entanto, diferenças de valores entre as diversas idéias contidas no documento, que pode conter três categorias de idéias: a. idéias gerais, que limitam as grandes fases do desenvolvimento do pensamento do autor; b. idéias principais, que subdividem as idéias gerais, das quais constituem os argumentos-chave; c. idéias secundárias, que são acrescentadas às idéias principais, para explicitá-las e ilustrá-las. As idéias principais ~evem_ser buscadas emprw~i!:qjyg~, par. tindo-se da análise dos paráilafos, que se apresentam como unidades ~visuais, perceptíveis imediatamente. Claro que, antes dessa análise,

11 ~deve-se proceder a uma leitura rápida para identificação do tema ge.rãi do texto. '",., Depois da leitura de cada parágrafo, cabe a indagação: "de que se trata?" Aresposta indicará a idéia principal contida no parágrafo, mas convém não esquecer que: a. num mesmo parágrafo existe às vezes mais de uma idéia principal; b. a idéia principal pode se estender por vários parágrafos. As idéias secundárias ligam-se a cada uma das idéias principais e lhe dão corpo. A proposição de uma série de perguntas e as respostas obtidas - resultam na identificação das idéias secundárias que, em regra, respondem as seguintes indagações: UFPH - fjc/sa B I8LlOTE. CA Entre esses critérios, podem ser mencionados os seguintes: a. indicação do tema baseando-se, também no título (possível apenas no caso de publicações científicas e técnicas); b. indicação do tipo de estudo (experiência, levantamento, teoria, aplicação, etc.); c. indicaçã'o dos problemas abordados; d. indicação das conclusões; e. registro dos resultados que provam pontos afirmados; f. métodos de pesquisa empregados. Estes pontos acima são observados, tanto para a escolha dos termos de indexação. ou descritores - como para a redação de resumos. a. o quê? b. por quê? c.quando? d. como? e. onde? f. quem? g. para quê? A comparação das idéias pnncipais entre si, proporciona o rea grupamento daquelas que possuem uma unidade de pensamento, le vando assim à determinação da(s) idéia(s) geral(ais). PADRONIZAÇÃO OU NORMALIZAÇÃO DA INDEXAÇÃO Com a fmalidade de diminuir os problemas decorrentes da subjetividade da análise, alguns sistemas de indexação adotam critérios objetivos, a serem observados pelo indexador no momento da análise

12 BIBLIOGRAFIA 1. AITCHINSON, J. & GILCHRIST, A. Manual para construção de tesauros. Trad. H.M.P. Braga. Rio de Janeiro, BNG/BRASILART, 1979, c p. 2. AUSTIN, D. PRECIS: a manual of concept analysis and subject indexing. London, Council of the British National Bibliography, c p. 3. BAKEWELL, K.G.B. Classification and indexm, practice. London, Bingley; Harnden, Cono., Linnet Books, c p. 4. BLAMOUTIER, F. enejiíe: l'offre et la demande d'information. Paris, CNRS, p. 5. BORKO, H. & BERNIER, C.L. Indexing concepts and methods. New York, Academic Press, c p. 6. CAVALCANTI, C.R. Indexação e tesauro:metodologia e técnicas. Brasília, Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal, p. 7.. Vocabulário trilíngüe de arquivologia, biblioteconomia, ciência da informação e documentação (obra ainda não publicada, em fase imal de editoraçã'o). 8. CHAUMIER, J. L'analyse documentaire. Paris, Entreprise Modeme d'edition, c1977, 126p. 9. COATES, E.J. Subject catalopes: Headings and structure. London, The Library Association, p. 10. CUTTER, C.A. Rules for a dictionary catalogo 4.ed. Washington, Govt. Print. Office, Subject catalogo Em: CHARLES, A.C.: Library systematizer. Edited by Francis L. Miksa. Littleton, Color., Libraries Unlimited, c 1977, p FARRADANE, J.E.L. A scientific theory of classification and indexing and its practical application. Journal of Documentation, 6(2):83-99, June, FOSKETT, A.C. A abordajem temática da informação. Troo. A.A.B. de Lemos. São Paulo, Polígono, 1973, c p The subject approach to information. 3.ed. London, Bingley; Hamden, Cono., Linnet Books, c p. 'l I~ W' 15. GARFIELD, E. Citation indexíol: its theory and application in scienre, technology and humanities. New York, Wiley, c p. 16. HUTCHINS, W.J. The concept of "aboutness" in subject indexing. Ashb Proceedings, 30(5): , May KAISER, J.0. Systematic indexing. Em: READINGS in library cataloguing. Edited by R.K. Olding. Harnden, Cono., Archon Books, p The LIBRARIAN'S glossary and reference book. Compiled by L.M. Harrodo 4.rev. ed. London, Deustch, c p. 19. LYNCH, M.F. Subject indexes and automatic document retrieval. Journal of Documentation, 22(3): , September MAHAPATRA, M. Syntactical difference between POPSI and PRECISo Libri, 28(3):235-45, METCALFE, J. AIphabetical subject indication of information. New Brunswick, NJ, Graduate School of Library Service, Rutgers-The State University, c1965, 148p Information indexing and subject cataloging. New York, Scarecrow, c p Subject classifyíjii and indexing of libraries. New York, SCàrecrow, p. 24. N:EELAMEGHAN, A. & GOPINATH, M.A. Postulate-Based Permuted Subject Indexing (POPSI). Library S~ience with a Slant to Documentation, 12(3):79-87, September SATIJA, M.P. Ranganathan at work. Em seu: Ranpnathan: method and style. New Delhi, Kalyani, c1978, p SENGUPTA, B. & CHATTERJEE, M. DGeumentation and inforrnation retrieval. Calcutta, The World Press Pnvate, c p. 27. TEDD, L.A. An introduction to computer-based library systems. London, Heyden, c p. 28. TERMINOLOGY of documentation. Compilded by G. Wersig and U. Neve1ing. Paris, UNESCO, p. 29. UNISIST. Study report on the feasibility of a world science system. Paris, UNESCO, p. 30. VAN SLYPE, G. Conception et gestion des systemes documentaires. Paris, Éditions d'organisation, c p

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO:

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: FACE AOS SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE RECUPERAÇÃO ESQUEMA GERAL Importância do acesso à informação, O crescimento e diversificação dos sistemas de informação Explosão bibliográfica

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

05/05/2015. Recuperação de Informação

05/05/2015. Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperação de Informação Recuperar consiste em identificar, em um conjunto de documentos (corpus), quais atendem à necessidade de do usuário. O usuário de um sistema de recuperação

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA

TGI CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (CB-CCBS) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 1. Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

Classificação / Indexação

Classificação / Indexação Classificação / Indexação Classificação Entende-se por classificação: o processo pelo qual se torna possível dispor de uma forma ordenada, um determinado conjunto de elementos, de molde a facilitar a sua

Leia mais

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Organizaçãoe Recuperação de Informação GSI521 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Introdução Organização e Recuperação de Informação(GSI521) Tópicos Recuperação de informação (RI); Breve histórico; O

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO

FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO 1 FONTES OU RECURSOS DE INFORMAÇÃO: CATEGORIAS E EVOLUÇÃO CONCEITUAL * Lena Vania Ribeiro Pinheiro, IBICT 1. TENTANDO CLARIFICAR QUESTÕES CONCEITUAIS E DE TRADUÇÃO Alguns termos técnicos de Ciência da

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO OSWALDO CRUZ Introdução Quando se pretende elaborar um trabalho acadêmico e sua respectiva comunicação científica, é necessário que se faça inicialmente um planejamento, no qual devem constar os itens que permitirão

Leia mais

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador.

O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. O que é um programa? Programa é uma lista de instruções que descrevem uma tarefa a ser realizada pelo computador. Linguagem de Programação Uma linguagem de programação é um método padronizado para expressar

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários APRESENTAÇÃO DE RESUMOS: Norma Brasileira Registrada n 6028 Maria do Rosário Guimarães Almeida' Maria Rosivalda da Silva Pereira" RESUMO Resumo como forma de comunicação da produção científica. Abordase,

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Livro

ÍNDICE DE TERMOS. Livro ÍNDICE DE TERMOS Acervo Bibliográfico Autor Bibliografia Base de dados Bibliográfica Bibliografia Bibliotecário Biblioteca Biblioteca digital, electrónica ou virtual Biblioteconomia Catálogo Catálogo coletivo

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO RESUMOS, FICHAMENTOS E RESENHA RESUMOS Definição: é a apresentação concisa e freqüentemente seletiva do texto, destacando-se os elementos de maior interesse e importância,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação

Seção de Acesso a Bases de Dados. Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Seção de Acesso a Bases de Dados Estratégias de busca e recuperação de informação online para Profissionais de Informação Sumário 1. Instrumentos de Busca 2. Bom atendimento ao usuário 3. Conhecimento

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais,

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, 138 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, são sistemas de alimentação de catálogos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Conhecimento. Sistemas de Organização do. Classificação. Taxonomia. Tesauro. Cléria Elvina Costa Moreira Lais Pereira de Oliveira

Conhecimento. Sistemas de Organização do. Classificação. Taxonomia. Tesauro. Cléria Elvina Costa Moreira Lais Pereira de Oliveira Sistemas de Organização do Conhecimento FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Classificação Taxonomia Tesauro Disciplina: Fundamentos em Organização da Informação

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu

Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Utilização de Técnicas de Recuperação da Informação na Construção de uma Ferramenta de Busca em Documentos do Arquivo Público de Biguaçu Alessandro Mueller alessandro@univali.br UNIVALI Luiz Gonzaga Ferreira

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi

Apostila de Fundamentos de Programação I. Prof.: André Luiz Montevecchi Apostila de Fundamentos de Programação I Prof: André Luiz Montevecchi Introdução O mundo atual é dependente da tecnologia O uso intenso de diversos aparatos tecnológicos é parte integrante do nosso dia-a-dia

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

Cartão de consulta rápida

Cartão de consulta rápida Web of Science Cartão de consulta rápida ISI WEB OF KNOWLEDGE SM Pesquise mais de 9.200 periódicos em mais de 5 idiomas diferentes nas áreas de ciências, ciências sociais, e artes e humanidades para encontrar

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Rogério Spindula Rosa ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 Rogério Spindula Rosa 2 EXECUÇÃO DE PROGRAMAS PROGRAMA 3 4 INTRODUÇÃO Hoje é raro escrever um programa diretamente em linguagem de computador em virtude da enorme dificuldade

Leia mais

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul

A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul Projeto educativo A Ponte entre a Escola e a Ciência Azul A Ponte Entre a Escola e a Ciência Azul é um projeto educativo cujo principal objetivo é a integração ativa de estudantes do ensino secundário

Leia mais

FLUXOGRAMA DA PESQUISA

FLUXOGRAMA DA PESQUISA FLUXOGRAMA DA PESQUISA Desde a preparação até a apresentação de um relatório de pesquisa estão envolvidas diferentes etapas. Algumas delas são concomitantes; outras são interpostas. O fluxo que ora se

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Informação sobre normas técnicas no IPT: uma experiência de auto-sustentação

Informação sobre normas técnicas no IPT: uma experiência de auto-sustentação Ci. Inf., Brasília, 20(1): 69-73, jan./jun. 1991 69 RELATOS DE EXPERIÊNCIAS Informação sobre normas técnicas no IPT: uma experiência de auto-sustentação Anita Tereza Dedding Edmar Rinaldo Tanaka O INTec

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Revista Brasileira de Farmacognosia Sociedade Brasileira de Farmacognosia www.sbfgnosia.org.br

Revista Brasileira de Farmacognosia Sociedade Brasileira de Farmacognosia www.sbfgnosia.org.br 1 Prezados Colegas, usuários da Revista Brasileira de Farmacognosia, Gostaria de tomar um minuto da atenção de vocês. Por favor leiam até o final do conteúdo desta mensagem de alta prioridade, trata-se

Leia mais

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? RESUMO CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO: O QUE É ISTO? Harold Borko Equipe de Tecnologia e Sistemas de Informação System Development Corp. Santa Monica, California RESUMO Buscando um novo consenso quanto à identidade, questionamos,

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Acesso a Bases de Dados (Web of Science)

Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Acesso a Bases de Dados (Web of Science) Helder Rodrigues da Silva Biólogo Mestre em Bioenergia-UEL Doutorando em Agronomia-UEL ISI Web of Knowledge Histórico Histórico 1958- fundação do Institute for

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Derwent Innovations Index

Derwent Innovations Index Derwent Innovations Index DERWENT INNOVATIONS INDEX Cartão de referência rápida ISI Web of Knowledge SM O Derwent Innovations Index é uma ferramenta poderosa de pesquisa de patentes, que combina Derwent

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA

PIM II. Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA PIM II Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO FINANCEIRA DA EMPPRESA 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: O aluno deverá escolher uma empresa de qualquer porte ou segmento e, com base no cenário

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE]

[GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] 2015 FEP Centro de Documentação, Informação e Arquivo (CDIA) [GESTÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COM O ENDNOTE] Documento de apoio na utilização do Endnote. ÍNDICE ÍNDICE... 1 BREVE INTRODUÇÃO... 2 O

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 2 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D)

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 2 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 1 AULA TEÓRICA 2

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N.

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N. Manual Formador/a: Ricardo Cabral Data: 05/2013 Formações Modulares Certificadas Área de Formação: Ciências Informáticas UFCD: 0755 Funcionalidades Avançadas N.º Horas: 25 A Relha Cooperativa de Serviços

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Carlos Eduardo dos Reis Professor No Departamento de Metodologia do Ensino, Centro de Ciências da Educação,

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE TCC CURSO: PROF(A):

ORIENTAÇÃO DE TCC CURSO: PROF(A): ORIENTAÇÃO DE TCC CURSO: PROF(A): MATRÍCUL A ALUNO (A) REUNI ÃO ORIENTAÇ ÕES TCC Entregue Corrigida Nota Assinatura do Orientador: Data: / / Assinatura do Orientador: Data: / / Assinatura do Orientador:

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações. Tópico 8 Resumo e recensão

Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações. Tópico 8 Resumo e recensão Modulo II - Elementos comuns aos diversos tipos de publicações Tópico 8 Resumo e recensão O que você deverá saber Ao final do Tópico 8 você deverá: - saber os requisitos para apresentação dos resumos e

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed TUTORIAL PARA ACESSO BIBLIOTECA ON-LINE da MEDLINE/PUBMED CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed Este tutorial faz parte do curso de extensão da UNIFESP sobre acesso on-line às publicações

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa

Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Visão Geral do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Etapas do Trabalho de Pesquisa Escolha do

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 2 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ED Comunicação e Expressão /2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 2 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

Análise do Conteúdo e a Análise Documental

Análise do Conteúdo e a Análise Documental Análise do Conteúdo e a Análise Documental P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conceito

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores INTRODUÇÃO AOS ALGORITMOS E À PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES PARTE 1 Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Programas e Programação

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES QUALIS Questão: Há diferença nos conceitos de Qualis das Áreas e Qualis Resposta: Apesar de senso comum considerar esses dois termos como sinônimos, tecnicamente eles remetem

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIAS INTELECTUAIS LTi Coordenadora: Profa. Dra. Isa Maria Freire EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836 Projeto NA TRILHA DO FUTURO Plano

Leia mais

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos

Documento Arquivístico Eletrônico. Produção de Documentos Eletrônicos Documento Arquivístico Eletrônico Produção de Documentos Eletrônicos Características do Documento. Arquivístico Autenticidade, São autênticos quando criados e conservados de acordo com procedimentos regulares

Leia mais

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Recuperação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Recuperação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília 1 2 Contexto Grande quantidade de informações são produzidas e disponibilizadas diariamente Com a elevada

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 01/IN01/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/6 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Armazenamento e Recuperação da Informação

Armazenamento e Recuperação da Informação Coleção UAB UFSCar Sistemas de Informação Organização e Recuperação da Informação Jander Moreira Armazenamento e Recuperação da Informação Armazenamento e Recuperação da Informação Reitor Targino de Araújo

Leia mais