E UNIVERSIDADES DAS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E UNIVERSIDADES DAS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE CABO VERDE E UNIVERSIDADES DAS REGIÕES ULTRAPERIFÉRICAS: RESULTADOS DAS PARCERIAS EXISTENTES E PERSPECTIVAS Marcelo Galvão

2 1. A UNIVERSIDADE DE CABO VERDE (Uni-CV) a) Caracterização Instituição nova Insular Comprometida com o atendimento às demandas internas Preocupada com a diáspora

3 b) Missão (Artigo 3.º, D.L. N.º 53/2006, de 20 de Novembro - Boletim Oficial i Nº 33, I SÉRIE) Centro de criação Centro de criação, difusão e promoção da cultura, ciência e tecnologia, articulando o estudo e a investigação, de modo a potenciar o desenvolvimento humano, como factor estratégico do desenvolvimento sustentável do país.

4 Busca de elevados padrões de qualidade de suas acções: Relevância: o fazer universitário como socialmente pertinente Equidade: d alargamento das oportunidades d de acesso e sucesso educativos a todos os cabo-verdianos, independentemente da sua condição social e do local de residência Abordagem por competências: orientação dos processos pedagógicos para a construção de capacidades do aprendente

5 c) Valores (Artigo 4. º, DL D.L. Nº N. 53/2006, de 20 de Novembro - Boletim Oficial Nº 33, I SÉRIE) Excelência: Busca incessante do conhecimento Busca da inovação Utilização de métodos modernos de ensino aprendizagem

6 2. VOCAÇÃO INSTITUCIONAL a) Os pilares: Ensino, Pesquisa e Extensão b) A cooperação internacional: Forte estratégia: Inserção em espaços regionais Forte estratégia: Inserção em espaços regionais e mundiais de ensino superior e ciência

7 3. ESTRATÉGIAS DE FOMENTO DA INVESTIGAÇÃO a) A Formação/Capacitação dos Docentes (mestrado/doutorado) Mestres: Aprendizagem da investigação Tutoria de alunos de graduação na Tutoria de alunos de graduação na iniciação científica

8 Doutores: Formação de novos mestres Coordenação de projectos de pesquisa próprios com o envolvimento também de alunos de graduação.

9 b) O incentivo à investigação para docentes já capacitados Enquadramento em núcleos (temáticas/linhas de investigação) Efeitos: Páti Prática de acções colectivas Optimização de recursos humanos e materiais na Optimização de recursos humanos e materiais na produção e divulgação do conhecimento

10 Estímulo à publicação dos resultados em revistas nacionais e internacionais Enquadramento de CH de investigação na CH total dos docentes Planificação de eventos científicos nacionais para a apresentação/discussão dos resultados Apoio à participação em eventos científicos internacionais Enquadramento da produção científica na carreira docente

11 4. CARACTERIZAÇÃO DAS PARCERIAS COM CABO VERDE EXISTENTES: O QUE FOI FEITO a) Projectos de Formação/Capacitação realizados/ em curso Mestrado em Ciência e Sistemas de Informação Geográfica - 1ª, 2ª e 3ª Edições Apoio: Programa de Cooperação ACP- EU (EDULINK) Processo de selecção: 25 de Agosto de 2010 Início da parte curricular: 6 de Set 2010 Fim (previsão): 24 de Junho/11

12 Mestrado em Administração Pública e Gestão - Escola e Negócios e Governação Apoio: Universidade de Las Palmas Gran Canária/Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais Protocolo: 2007 Financiamento: Agência Espanhola de Cooperação Internacional e Desenvolvimento (AECID).

13 Início: Fevereiro 2010, fase curricular 15 Módulos total, sendo 6 módulos realizados até Setembro 2010 com docentes da ULPGC Total de alunos: 18

14 b) Projectos de Investigação Programa de Cooperação Inter-Universitária, Escola e Negócios e Governação Apoio: Universidade de Las Palmas Gran Canária/Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais

15 Uni-CV e ULPGC: Premiadas pela AECID, em Dezembro 2009, pelo projecto de investigação conjunta, Fase Preparatória, no concurso Programa de Cooperação Inter- Universitária (PCI). Título do projecto: Desarrollo de Vículos de Colaboración para la Investigación en Transferencia de Conocimiento y Formación Universitária en Dirección de Empresas en la Region del Africa Subsahariana. Coordenadores: d Lidia Hernandez e João Resende

16 Projecto de Investigação e Fortalecimento Institucional do Programa de Cooperação Inter- Universitária, Data da proposta: 14 Setembro/ 2010 ENG e a Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais da ULPGC Âmbito: Novo concurso no Programa de Cooperação Inter Novo concurso no Programa de Cooperação Inter- Universitária (PCI), da AECID.

17 Propósito: Financiamento projecto de investigação em administração de empresas E um mestrado novo em administração, credenciado E um mestrado novo em administração, credenciado pela agencia espanhola e reconhecido em todo espaço da União Europeia.

18 5. SITUAÇÃO ACTUAL a) Projectos com Cabo Verde por começar No âmbito do Programa de Cooperação Transnacional - MAC Rede UNAMUNO no Eixo Atlântico Fortalecimento institucional universitário do espaço Canárias e África (Senegal, Mauritânia e Cabo Verde) Aprovado e celebrado em Las Palmas em 20 de Julho/10 Cabo Verde: Parceiro No. 4

19 Iniciativa para o Desenvolvimento de Projectos Conjuntos de Empreendedorismo em África Parceiros: Universidade de Las Palmas de Gran Canária Fundação EOI Sociedade de Promoção Económica de Gran Canária (SPGEC) Universidade IBN de Agadir Universidade de Cabo Verde

20 Programa para o Desenvolvimento Tecnológico e de Aplicação de Dados de Teledetecção em África Ocidental Parceiros: Universidade de Las Palmas de Gran Canária Sociedade de Promoção Económica de Gran Canária (SPGEC) Universidade IBN de Agadir Universidade de Nouackchot Universidade Gaston Berger de Saint-Louis Universidade de Cabo Verde

21 6. EXPECTATIVAS DE NOVAS PARCERIAS Programa de Iniciação Científica Capacitação de alunos de graduação de diferentes áreas científicas para a aprendizagem da investigação através de seu engajamento em projectos de professores pesquisadores Instituição de apoio: CAPES (Brasil) Instituições de acolhida: Universidades federais brasileiras

22 Mestrado em Segurança Pública Parceria: Ministério da Administração Interna (MAI) de Cabo Verde Universidade Federal do Pará (UFPA), Brasil Objectivo: Formar quadros para: gestão de defesa social e mediação de conflitos parâmetros do estado democrático de direito it a SP como um sistema a ética,, direitos humanos a multicausalidade da violência e da exclusão social.

23 Projecto Memórias da Educação Início: Outubro de 2010 Finalização: Dezembro de 2014 Objectivo da intervenção: Recuperação, valorização e organização de arquivos da educação e do ensino em Cabo Verde

24 Linhas de investigação: A instrução primária na época colonial O ensino religioso - os seminários Os liceus históricos (Mindelo e Praia) Emigração, cultura letrada e progresso social estudo comparativo com outros contextos insulares (Açores)

25 Projectos do CIDLOT (Centro de Investigação em Desenvolvimento Local e Ordenamento de Território) Carácter interdisciplinar Voltado para a investigação científica, extensão e desenvolvimento nas áreas do desenvolvimento local e do ordenamento do território

26 Organização: Núcleos de investigação Estudos urbanos História, Cultura e Espaço Ocupação de Território i e Diáspora Arquitectura, Cidades e Identidade Saúde e Território

27 Gabinetes técnicos: Mapeamento e Georreferenciamento Documentação e Publicação

28 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Parceria generalizada: Canárias Necessidade de continuidade dessa parceria Necessidade de novos parceiros Vocação da Uni-CV: cooperação internacional Âmbito: a região em que se insere Razão deste encontro

29 Muito obrigado!

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável

Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável Comunicado à Imprensa Fonte: Ministério das Relações Exteriores Centro Rio+ Centro Mundial para o Desenvolvimento Sustentável O Governo Federal, em coordenação com o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA

O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA CARACTERIZAÇÃO Pretende-se valorizar um recurso endógeno de grande valor e significado económico como é o montado de sobro e cortiça para o qual pretendem encontrar novas

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal

Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Braga, 01 de Julho de 2016 Chamada para Multiplicadores Eurodesk Portugal Eurodesk, o que é? A Agência Erasmus + Juventude em Ação cumpre, para além da sua missão cumprir as responsabilidades delegadas

Leia mais

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto

Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto Decreto-Lei n.º 240/2001 de 30 de Agosto O regime de qualificação para a docência na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário encontra o seu enquadramento jurídico estabelecido no artigo

Leia mais

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI

A itsmf no mundo. www.itsmf.org. Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI A itsmf no mundo Única organização independente e reconhecida internacionalmente dedicada à Gestão de Serviços de TI Sem fins lucrativos Representada em mais de 40 países, nos 5 continentes www.itsmf.org

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIRURGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIRURGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIRURGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EDITAL nº, de de setembro de 12, publicado no Diário Oficial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 56, de 16 de junho de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º. O Programa de Iniciação Científica tem como princípios: a) possibilitar os contatos iniciais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Solicitadoria 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO DA UNIÃO

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição):

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): - Objetivos da Instituição; - Programas da Instituição (citar, indicar em que fase estão

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T SETEC EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA XXXV ENDP Porto Alegre, 02 de setembro de 2015. Histórico Organização da Educação Brasileira EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Formação Inicial e Continuada

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Luciane Berto Benedetti (GHC) - lucianeberto@yahoo.com.br Resumo: Relata a experiência

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social 2014 Versão 1.0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem ao Instituto de Informática, I.P. (II, I.P.) e a informação nele contida encontra-se classificada em conformidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO II - DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO II - DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO II - DIREITO INTERNACIONAL ECONÓMICO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular OPÇÃO

Leia mais

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica

Eis por que me deterei nos seguintes aspectos 1. orçamento da PAC: perspectivação histórica Novo Ciclo de Fundos Estruturais para a Agricultura (2014-2020) 2020) M. Patrão Neves Deputada ao Parlamento Europeu www.patraoneves.eu Fundos Estruturais para a Agricultura A questão do Novo Ciclo de

Leia mais

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Aureliano da Costa Representante Sudeste João Weyl Representante Norte Janesmar Cavalcante Representante Nordeste João Carlos de Souza Maia Representante

Leia mais

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008 Propinas: 1250 /Ano Nº clausus: 10 Mestrado em Ecologia Aplicada Nº mínimo para funcionamento: 7 no conjunto dos dois cursos (Mestrado e Pós-Graduação) Período de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO EDITAL N 127, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010, PUBLICADO NO

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 DECLARAÇÃO SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO COMO CONTRIBUTO PARA A BOA GOVERNAÇÃO

Leia mais

Cálculo da Pontuação nos concursos para Professor Adjunto:

Cálculo da Pontuação nos concursos para Professor Adjunto: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Concurso Público de Provas e Títulos, para provimento de Cargos Docentes da Carreira do Magistério Superior (Professor Adjunto) TABELA DE PONTUAÇÃO

Leia mais

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA OFERECEMOS SERVIÇOS DIFERENCIADOS, EM PARCERIA COM OS NOSSOS CLIENTES, DE FORMA A ULTRAPASSAR AS SUAS EXPECTATIVAS E A PRODUZIR RESULTADOS TRANSFORMATIVOS Ao unir o talento dos profissionais de todo o

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Características Gerais Área de Educação e Formação Curso Profissional Saída Profissional Nível de Formação Modalidade de Formação Legislação Duração Certificação Equivalência Escolar

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013 Inovação no Setor da Vinha e do Vinho 2.ª Edição 2012/2013 Objetivos Reconhecer e premiar um projeto académico, que se destaque no âmbito da inovação no setor da vinha e do vinho. Um prémio que incentiva

Leia mais

Protocolo de Cooperação Institucional

Protocolo de Cooperação Institucional Protocolo de Cooperação Institucional Entre: A DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR do MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, através do GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR, adiante abreviadamente

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO

CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO 1-5 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO E INICIAÇÃO CIENTÍFICA (NEIC) DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) Porangatu/GO 2015 2-5 REGIMENTO

Leia mais

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo)

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) A INTERDISCIPLINARIDADE DOS SIG NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) SUMÁRIO 1-Os SIG no ensino 1.1-Vantagens dos SIG no ensino e a formação dos professores

Leia mais

TABELA ÚNICA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS. Módulo I - Títulos Acadêmicos - Peso 0,5 (meio) Itens Pontuados

TABELA ÚNICA DE PONTUAÇÃO PARA JULGAMENTO DE TÍTULOS. Módulo I - Títulos Acadêmicos - Peso 0,5 (meio) Itens Pontuados SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Concurso Público de Provas e Títulos, para provimento de Cargos Docentes da Carreira do Magistério Superior (Professor Titular) TABELA ÚNICA DE

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

Lei de Bases do Sistema Educativo. Alteração Lei nº 113 /V/99

Lei de Bases do Sistema Educativo. Alteração Lei nº 113 /V/99 Lei de Bases do Sistema Educativo Alteração Lei nº 113 /V/99 Lei nº 113 /V/99 de 18 de Outubro Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta nos termos da alínea d) do nº 2 do artigo 187º da Constituição,

Leia mais

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA. Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC O ENGENHEIRO, a UNIVERSIDADE e o SISTEMA CONFEA-CREA Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Prof. Paulo Barbosa Diretor da FEC-UNICAMP 2012 FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL: ASPECTOS

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional (Regime Intensivo) 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

EDITAL Nº 05 /2012/REITORIA/IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

EDITAL Nº 05 /2012/REITORIA/IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. EDITAL Nº 05 /2012//IFTO, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. SELEÇÃO DE TUTORES DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - BOLSISTAS DO PROGRAMA DA REDE E-TEC BRASIL CAMPUS PARAÍSO DO TOCANTINS RETIFICAÇÃO Nº 01 O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

I Seminário Estadual sobre Segurança Escolar: Consolidando uma Cultura de Paz e Direitos Humanos na Escola

I Seminário Estadual sobre Segurança Escolar: Consolidando uma Cultura de Paz e Direitos Humanos na Escola I Seminário Estadual sobre Segurança Escolar: Consolidando uma Cultura de Paz e Direitos Humanos na Escola Ana Coelho Vieira Selva Não existe um caminho para a paz. A paz é o caminho. Mahatma Gandhi A

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto O nosso KM 2 Promotor: Fundação Calouste Gulbenkian Câmara Municipal de Lisboa 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto O nosso Km 2 Promotor(es): Fundação Calouste

Leia mais

23820 Diário da República, 2.ª série N.º 87 5 de Maio de 2010

23820 Diário da República, 2.ª série N.º 87 5 de Maio de 2010 23820 Diário da República, 2.ª série N.º 87 5 de Maio de 2010 Polícia de Segurança Pública Direcção Nacional Despacho (extracto) n.º 7902/2010 Por despacho do Director -Geral do Ensino Superior n.º 26876/2009,

Leia mais

Escola Superior de Redes

Escola Superior de Redes Escola Superior de Redes Por que uma Escola Superior de Redes? Capacitação em TIC é um dos objetivos do Programa Prioritário de Informática do MCT/SEPIN (PPI RNP). A ESR é um novo instrumento na realização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01, de 07 de outubro de 2015.

RESOLUÇÃO Nº 01, de 07 de outubro de 2015. RESOLUÇÃO Nº 01, de 07 de outubro de 2015. Aprova a Política de Bolsas da FAPESC. O da FAPESC, no uso de das atribuições que lhe confere o artigo 100, inciso IV da Lei Complementar nº 381, de 07 de maio

Leia mais

75% 6 9 de Novembro de 2014 Feira Internacional de Luanda Pavilhão de Portugal ANGOLA - FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE JOVENS E QUADROS

75% 6 9 de Novembro de 2014 Feira Internacional de Luanda Pavilhão de Portugal ANGOLA - FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE JOVENS E QUADROS ANGOLA - FORMAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE JOVENS E QUADROS U M A A P O S T A E S T R A T É G I C A P A R A 2013/2017 UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Concurso Público de Provas e Títulos, para provimento de Cargos Docentes da Carreira do Magistério Superior (Professor Adjunto) TABELA DE PONTUAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização,

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, LIDERANÇA E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DAS IPSS Cuidamos do Futuro do Envelhecimento em Portugal GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO-SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE (modalidade à distância).

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO-SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE (modalidade à distância). PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO-SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO EM SAÚDE (modalidade à distância). Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde do Tocantins e REUNI/SAÚDE Enfermagem e Nutrição.

Leia mais

Edital nº 005/2013 - PROEXT/IFAP REABERTURA DO PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA PARA BOLSISTAS NO ÂMBITO DO PRONATEC

Edital nº 005/2013 - PROEXT/IFAP REABERTURA DO PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA PARA BOLSISTAS NO ÂMBITO DO PRONATEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital nº 005/2013 - PROEXT/IFAP REABERTURA DO PROCESSO DE SELEÇÃO EXTERNA SIMPLIFICADA

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVO QREN. Carlos Castro

SISTEMAS DE INCENTIVO QREN. Carlos Castro SISTEMAS DE INCENTIVO QREN Carlos Castro SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN Destinatários Empresas De qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica Associações Empresariais Entidades do Sistema Científico e

Leia mais

Termos de referência

Termos de referência REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério da planificação e desenvolvimento GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO -GAZEDA Termos de referência elaboração da estratégia de comunicação e marketing

Leia mais

CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas

CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas O QUE O FUTURO NOS RESERVA? CONECTIVIDADE GLOBAL MÁQUINAS INTELIGENTES

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL EDUCAÇÃO CORPORATIVA EDUCAÇÃO PARA A VIDA PROFISSIONAL O que é o SENAI? Criado em 1942, por iniciativa do empresariado do setor, o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) é hoje um dos mais

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

4ª Conferência Municipal de Cultura de Piracicaba

4ª Conferência Municipal de Cultura de Piracicaba 4ª Conferência Municipal de Cultura de Piracicaba Propostas aprovadas.. EIXO votos. Que o ComCult encaminhe as propostas da 4ª Conferência Municipal de Cultura à nova comissão do Plano Diretor, para que

Leia mais

FACTORES DE COMPETITIVIDADE Assegurar a Qualificação do Território e das Cidades Aumentar a eficiência da Governação

FACTORES DE COMPETITIVIDADE Assegurar a Qualificação do Território e das Cidades Aumentar a eficiência da Governação O Papel do QREN na Dinamização da Economia Transmontana ÍNDICE QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional das orientações à estruturação Programas Operacionais Temáticos DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA LOCAL

Leia mais

SEMINÁRIO BRASIL - ARGENTINA. Ensino e certificação do Português e do Espanhol como segundas línguas

SEMINÁRIO BRASIL - ARGENTINA. Ensino e certificação do Português e do Espanhol como segundas línguas SEMINÁRIO BRASIL - ARGENTINA Ensino e certificação do Português e do Espanhol como segundas línguas (em comemoração ao Dia da Amizade Brasil-Argentina ) Síntese dos Resultados 29 a 30 de novembro de 2007

Leia mais

Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole

Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Ações para a preservação e acesso à memória brasileira de arquitetura e urbanismo - projeto de digitalização da revista acrópole Marcia Rosetto (USP) - mrosetto@usp.br

Leia mais

DISPONIBILIZAÇÃO DE VAGAS PARA FORMAÇÃO SUPERIOR EM CABO VERDE DESTINADA À DIÁSPORA Ano lectivo 2012/ 2013

DISPONIBILIZAÇÃO DE VAGAS PARA FORMAÇÃO SUPERIOR EM CABO VERDE DESTINADA À DIÁSPORA Ano lectivo 2012/ 2013 DISPONIBILIZAÇÃO DE VAGAS PARA FORMAÇÃO SUPERIOR EM CABO VERDE DESTINADA À DIÁSPORA Ano lectivo 2012/ 2013 I. INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO O antigo IP Instituto Pedagógico evoluiu para uma Instituição

Leia mais

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 02 de junho de 2015 Histórico Governo Eletrônico Decreto de 18 de Outubro de 2000 Decreto

Leia mais

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Apresentação no IESF 19:00, 12 de Abril de 2006 Gestão da Informação: oportunidade ou necessidade? As preocupações com a Gestão da

Leia mais

SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017)

SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017) SETORIAL DE EXTENSÃO DO CE/UFPE Plano de Trabalho (2015-2017) Coordenadoras: Maria da Conceição dos Reis Auxiliadora Maria Martins da Silva APRESENTAÇÃO O presente documento: PLANO DE TRABALHO DA SETORIAL

Leia mais

Parceiros do Programa

Parceiros do Programa Programa de Fortalecimento da Atividade Empresarial MARCO LÓGICO DO PROGRAMA Parceiros do Programa Problema do Programa Inserção na Estratégia Estadual adensamento das cadeias desconcentração espacial

Leia mais

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Carlos Eduardo Aguiar Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro www.if.ufrj.br/~pef/

Leia mais

Perfis e competências profissionais

Perfis e competências profissionais Perfis e competências profissionais Roberto Henriques NOVA IMS Apresentação Institucional NOVA IMS INTRODUÇÃO A NOVA Information Management School (NOVA IMS) é a Escola de Gestão de Informação da. Este

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - TOLEDO 2011 à 2015. Prof. Dr. Edson Marques Oliveira. Plante, desafios, colha oportunidades

PLANO DE TRABALHO. CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - TOLEDO 2011 à 2015. Prof. Dr. Edson Marques Oliveira. Plante, desafios, colha oportunidades PLANO DE TRABALHO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - TOLEDO 2011 à 2015 Prof. Dr. Edson Marques Oliveira Plante, desafios, colha oportunidades PRINCÍPIOS POLÍTICO-FILOSÓFICOS E PROPOSTA CONCEITUAL

Leia mais

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019

Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Plano de Melhoria do Agrupamento 2015 2019 Introdução O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escola Gaia Nascente para o quadriénio 2015 2019 tem como objetivo a consolidação e/ou mudança de algumas práticas.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO MATERNO INFANTIL CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CLASSE

Leia mais

PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES

PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES 1 PERFIS DE FORMAÇÃO NA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DE PROFESSORES [Aprovado pelo Despacho Conjunto nº 198/99, de 15 de Fevereiro] Despacho conjunto nº 198/99 O regime jurídico da formação especializada de

Leia mais

TURMAS MÓDULO B - 2015 TURMAS MÓDULO C - 2015 TURMAS. Início Término Disciplinas. Início Término Disciplinas. Início Término Disciplinas

TURMAS MÓDULO B - 2015 TURMAS MÓDULO C - 2015 TURMAS. Início Término Disciplinas. Início Término Disciplinas. Início Término Disciplinas BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Calouros - Quintas-feiras, das 18h20 às 20h25 (C3) - Núcleo Comum 03 primeiros Módulos, Veteranos - Quintas-feiras das 20h30 às 22h35 (C3) 2013/02 2012/08 - - - - MÓDULO NÚCLEO

Leia mais

e de Assinatura do Protocolo entre o Bristol Community College e a Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada

e de Assinatura do Protocolo entre o Bristol Community College e a Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada Sessão Pública de Apresentação, pela Universidade de Massachusetts-Dartmouth, da digitalização da imprensa escrita portuguesa publicada nos Estados Unidos e de Assinatura do Protocolo entre o Bristol Community

Leia mais

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME)

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) Projecto Simplificado de Inovação Dezembro de 2011 2 Enquadramento: Apoiar de forma simplificada a aquisição de

Leia mais

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE

COMPROMISSO PARA A QUALIDADE COMPROMISSO PARA A QUALIDADE O presente documento corresponde à linha de orientação e ao compromisso do Conselho Nacional da Qualidade da (CNQ-OF) para com a Direcção Nacional da, na pessoa do Bastonário.

Leia mais

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios

COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL. Caracterização e Desafios O PAPEL DO INSTITUTO AGROPOLOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL Caracterização e Desafios leodilma@institutoagropolos.org.br Abril de 2012 Objetivos da Apresentação Constituição da Organização Social - Instituto

Leia mais

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação IV.. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos Tipologia de Investimento Eixo IV IV. Objectivo Consolidar a cobertura regional das infra-estruturas e equipamentos

Leia mais

Novos Passos e Novo Modelo no Desenvolvimento do SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia. Cristina Shimoda MCTI Edgard Rocca - Finep

Novos Passos e Novo Modelo no Desenvolvimento do SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia. Cristina Shimoda MCTI Edgard Rocca - Finep Novos Passos e Novo Modelo no Desenvolvimento do SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia Cristina Shimoda MCTI Edgard Rocca - Finep Sibratec Sistema Brasileiro de Tecnologia Decreto de instituição do

Leia mais

Qualidade de Vida e Promoção da Cidadania

Qualidade de Vida e Promoção da Cidadania Bahia de Toda Gente PPA 2004-2007 SECRETARIAS ENVOLVIDAS OBJETIVO RECURSOS SEC, SEFAZ, SEDUR Conferir qualidade didática e de gestão ao sistema escolar, buscando a ampliação do ingresso de alunos, com

Leia mais

DECRETO No- 7.559, DE 1o- DE SETEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.559, DE 1o- DE SETEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.559, DE 1o- DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o Plano Nacional do Livro e Leitura - PNLL e dá outras providências. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2.

REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. (Fins do Espaço Santa Casa) Artigo 2. REGULAMENTO DO ESPAÇO SANTA CASA DA DIREÇÃO DE AÇÃO SOCIAL E SAUDE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Fins do Espaço Santa Casa) Enquadrado pelos fins estatutários da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

Art. 4º. As Atividades de Ensino incluem, entre outras, as seguintes modalidades:

Art. 4º. As Atividades de Ensino incluem, entre outras, as seguintes modalidades: Regulamento para os critérios de aproveitamento e as equivalências da carga horária nas Atividades Complementares de Graduação no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública Art. 1º. O presente regulamento

Leia mais

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino

Bases fundamentais. Convenção Relativa à Luta contra a Discriminação no Campo do Ensino Bases fundamentais Lei 10.639/2003 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana O sucesso das políticas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015 01 Legislativa 12.481.878,92 455.614.427,68 468.096.306,60 01 031 Ação Legislativa 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 031 3282 ATUAÇÃO LEGISLATIVA 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 032 Controle

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estágio (L4325) 5. Área Científica

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO QUE DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA/CAMPUS APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

Curriculum vitae. Área Funcional. Educação Ambiental. Gestão Ambiental. Formação. Eng.º Marco Ferraz

Curriculum vitae. Área Funcional. Educação Ambiental. Gestão Ambiental. Formação. Eng.º Marco Ferraz Área Funcional Educação Ambiental Gestão Ambiental Formação Curriculum vitae Eng.º Marco Ferraz Nome Correio electrónico Marco Alexandre dos Santos Ferraz Morada Praça Artur Santos Silva nº88, 5ºD, 4200-534

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA TROPICAL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA TROPICAL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA TROPICAL CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EDITAL Nº 56 de 16 de JUNHO de 2016, publicado no

Leia mais

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan

Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed. Heloisa Covolan Discussão de gênero com olhar na sustentabilidade: O papel da mulher no Sistema Unimed Heloisa Covolan A mulher representa 52% da população brasileira. Quase 4 milhões a mais que os homens. 3 Metade das

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Colegiado de Graduação

Serviço Público Federal Universidade Federal da Bahia Faculdade de Arquitetura Colegiado de Graduação Serviço Público Federal RESOLUÇÃO N 01/2012 REGULAMENTA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES De acordo com as Diretrizes Curriculares explicitadas na Resolução 06/06 as Atividades Complementares passam a fazer

Leia mais

FORMAÇÃO SUPERIOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Prof.ª Dr.ª Iguatemy Lucena Mar@ns - CREF 0001- G/ PB

FORMAÇÃO SUPERIOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Prof.ª Dr.ª Iguatemy Lucena Mar@ns - CREF 0001- G/ PB FORMAÇÃO SUPERIOR EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof.ª Dr.ª Iguatemy Lucena Mar@ns - CREF 0001- G/ PB Educação Superior e Preparação Profissional Formar cidadãos para exercer atividades que requerem preparo técnico,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 16, de 30 de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica

TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016. Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica TERMO DE REFERÊNCIA PARA SELEÇÃO DE BOLSISTA N 16/2016 Bolsa de Desenvolvimento para Inovação Tecnológica Área de Concentração em Desenvolvimento Estrutural de CTI Linha de Desenvolvimento de CTI Popularização

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 5 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Educação e Diversidade, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Alice Tibiriçá Irajá NAD PS Alice Tibiriçá Irajá Sala de Informática NAD Coordenação AP 3.2 Lins Sala de Aula NAD Coordenação AP 3.2

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º

REGULAMENTO DO PRÉMIO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º REGULAMENTO DO PRÉMIO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º 1.A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério da Educação e Ciência e o Ministério da Economia celebraram um Protocolo com vista à instituição de

Leia mais

RESOLUÇÃO. Modalidade Tecnólogo em processo de extinção, conforme Res. CONSEPE 50/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Modalidade Tecnólogo em processo de extinção, conforme Res. CONSEPE 50/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE /99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE TURISMO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS COMO AGENTE NA PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO E DA INOVAÇÃO EMPRESARIAL, É UM ATOR FUNDAMENTAL NA DEFINIÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS NACIONAIS, REGIONAIS

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Isabel Raposo INAG, I.P.

Isabel Raposo INAG, I.P. Isabel Raposo INAG, I.P. E se no futuro não tivermos água? O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA) aprovado em 2005, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 113/2005, de 30 de Junho,

Leia mais

O Sistema Nacional de Supervisão de Auditoria. X Congresso dos ROC Maria dos Anjos Capote

O Sistema Nacional de Supervisão de Auditoria. X Congresso dos ROC Maria dos Anjos Capote O Sistema Nacional de Supervisão de Auditoria X Congresso dos ROC Maria dos Anjos Capote Antecedentes Definição de um Modelo de Supervisão Pública O Modelo em vigor Balanço Desafios Reflexões Finais Antecedentes

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais