SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER"

Transcrição

1 SISTEMA INTEGRADO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER Leonardo Calvetti Cesar Beneti Cicero Zandoná Instituto Tecnológico SIMEPAR Caixa Postal Curitiba PR CEP s: ABSTRACT This paper presents JVisRad, an integrated system for analysis, management and visualization of Doppler Radar data. JVisRrad manipulates various radar products such as radar reflectivity, radial velocity and other products. The historical data stored in Simepar database system can be retrieved by a user connected through the Internet and then used for analysis of radar data, generate other products and integrated with other meteorological information. The chosen programming language was Java as it offers real portability to several operating systems. This application also provides integration with lighting and rain gauge information. 1. INTRODUÇÃO Os dados medidos por radar meteorológico são imprescindíveis para o monitoramento e previsão do tempo bem como na prevenção de desastres naturais e já começam a ser utilizados em modelos numéricos de previsão de tempo e modelos hidrológicos. Radares meteorológicos Doppler disponibilizam as variáveis refletividade, velocidade radial do vento e largura espectral. A partir dessas três variável, em diferentes formas de visualização (PPI, CAPPI, RHI) ou aplicando alguns algoritmos, pode-se obter uma grande variedade de produtos como água líquida integrada verticalmente (VIL), topo e base de nuvens (ETOPS e BASE) e o campo de precipitação estimada. Para atender as necessidades específicas do diversificado público alvo composto por setores de energia elétrica, agricultura, defesa civil, controle de enchentes e ainda atender as exigências científicas de previsores de tempo e da comunidade científica fez-se imprescindível o desenvolvimento de um software para análise, visualização e gerenciamento de dados e produtos obtidos por meio das medições de radares meteorológicos. O objetivo deste trabalho e apresentar o novo sistema de processamento e gerenciamento de variáveis de radar integradas com dados de descargas atmosféricas e estações telemétricas meteorológicas e hidrológicas denominado Sistema Integrado de Análise e Visualização de Dados Medidos por Radar Meteorológico JVisRad. 2. MATERIAL E MÉTODOS O JVisRad foi totalmente desenvolvido em linguagem Java permitindo sua aplicação independentemente da plataforma computacional utilizada, necessitando apenas a identificação do sistema de armazenamento e medição dos dados de radar e dos algoritmos de geração de produtos. O JVisRad também utiliza classes e bibliotecas de visualização VISAD ("Visualization for Algorithm Development ) permitindo um melhor desempenho gráfico e versatilidade no manuseio dos campos meteorológicos. Atualmente, o sistema foi testado em 3 plataformas diferentes: Windows, Irix (Silicon Graphics) e Linux (Mandrake 8.1 rodando com processador Pentium IV), mostrando eficiência satisfatória na parte gráfica e na consulta ao banco de dados Oracle do SIMEPAR.

2 Operacionalmente, o JVisRad trabalha em três estágios: 1) Medição e armazenando pelo sistema de aquisição do radar (sistema EDGE da EEC Corporation) dos dados de refletividade, velocidade radial do vento e largura espectral nos dois modos de medições (Tab. 2) 2) Assim que os dados são gerados, o JVisRad armazena informações referentes a estes volumes no banco de dados do Simepar. 3) O terceiro é executada no computador do usuário (cliente), que pode consultar o banco de dados através do servidor via TCP/IP solicitando os produtos e dados de radar e raios criando a apropriada visualização. A seqüência de operação do JVisRad inicia-se com as medições pelo radar em um determinado intervalo de tempo, conforme o modo de medição, armazenando todas as informações brutas do volume em um arquivo. Cada arquivo é imediatamente enviado via ondas de rádio ao SIMEPAR, onde é armazenado. Neste momento o JVisRad registra no banco de dados as informações referentes a este volume, como data, alcance, elevações, etc. Simultaneamente o sistema disponibiliza sempre as últimas informações a partir de produtos previamente selecionados pelo usuário para visualização necessário para o monitoramento e previsão do tempo. Caso o usuário deseje informações e produtos de um determinado horário, ele poderá, através do JVisRad, consultar o banco de dados em busca dos volumes. Então, a partir dos volumes escolhidos, o usuário poderá solicitar a geração de um ou mais produtos deixando-os disponíveis para visualização imediata através do modo de navegação como pode ser observado na Fig. (2). Outra vantagem do sistema é a possibilidade de armazenar os produtos em formas de matrizes cartesianas para serem utilizadas por outras linguagens como C e fortran. Isto possibilita o uso de dados históricos para pesquisa em novos algoritmos para previsão a curto prazo e inserção em modelos numéricos de mesoescala e modelos hidrológicos. Figura 1 Esquema de funcionamento do JVisRad: Os volumes de radar com informações de dados de refletividade, velocidade radial do vento e largura espectral medidos pelo radar são armazenados no banco de dados do SIMEPAR enquanto as informações são simultaneamente cadastradas no banco de dados. A partir da interface do JVisRad, o usuário pode solicitar os produtos desejados disponibilizando-os para a imediata visualização.

3 Figura 2 Janela para selecionar o produto desejado escolhendo a data. No exemplo, o produto escolhido é o campo de refletividade em CAPPI a 3 km no dia 01/03/2002 às 22:00 UTC no range de 240km Radar Meteorológico Doppler do SIMEPAR Atualmente o SIMEPAR tem em operação um radar meteorológico Banda-S, Doppler, modelo DWSR-95S/EDGE, da Enterprise Electronic Corporation (EEC), instalado na região central do Paraná (município de Teixeira Soares), e em operação desde A cobertura qualitativa deste radar tem raio de 480km e abrange todo o Paraná, Santa Catarina, parte do sul de São Paulo e norte do Rio Grande do Sul. A área quantitativa (com medidas de precipitação e vento) é de 240km de raio, cobrindo todo o centro e leste do Paraná, conforme mostra a Fig. (2). As características técnicas do radar e do sistema de coleta e processamento dos dados deste radar foram apresentadas em detalhes por Beneti et al. (1998). A Tab. (1) abaixo apresenta um resumo das características técnicas. Atualmente o sistema de aquisição dos dados está configurado de tal forma a permitir a definição de rotinas de medições de dados que apresentem alta resolução espacial (área mínima de 1km 2 ) e temporal (com atualização de 5 a 10 minutos) das informações de precipitação e vento radial. Tabela 1: Características técnicas do radar DWSR-93S/EDGE do SIMEPAR. Frequência de Operação 2,7 a 2,9GHz Potência de Pico (mínimo) 850kW Largura de Pulso 0,8 e 2,0 µs Freq. de Repetição de Pulso 250Hz a 934Hz Polarização Linear horizontal (possib. dual) Ganho da Antena 45dB nominal Largura do feixe 0,9 o Lóbulos secundários 23db abaixo do lóbulo principal MDS Mínimo Sinal Detectável -111dBm O radar do SIMEPAR possui uma estratégia de medições (Tabela 2) com dois modos conforme a situação atmosférica atuante na área de cobertura. O Modo Chuva serve para realizar medidas com boa precisão da área com raio de 240km executando 12 elevações a partir da superfície e resolução temporal de 10 minutos. Esse modo permite a visualização em diversos níveis de altitude para identificação da estrutura dinâmica dos sistemas de mesoescala, sendo armazenados

4 para pesquisa e desenvolvimento de novos produtos como a estimativa de precipitação, correções da relação Z-R e estudos de casos de sistemas de mesoescala. Tabela 2 Estratégia das medições do Radar Meteorológico Doppler do SIMEPAR Modo Chuva Para condições de chuva na área de cobertura de medição do radar. O radar é programado para fazer uma varredura com um range de 480 km para um a elevação de 0 grau e varredura com range de 240 km para cada uma das 12 elevações. Essas varreduras são efetuadas em um intervalo de 10 minutos Modo Vigilância Para condições de céu claro. O radar é programado para executar uma varredura com range de 480 km à elevação de 0 grau a cada 30 minutos. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Através do JVisRad o usuário poderá gerar e visualizar dados atualizados e históricos das variáveis primárias (refletividade, velocidade radial do vento e largura espectral) nos três modos de visualização (PPI,CAPPI e Seção Vertical). O usuário poderá escolher diversos produtos gerados pelos dados de radar, estações meteorológicas e de descargas atmosféricas configurando a tela de visualização conforme suas necessidades seja por regiões, por aproximação, divisões como linhas de transmissão de energia elétrica, rios, estradas e futuramente topografia. A seguir são descritas as 3 variáveis medidas pelo radar Doppler, seus modos de visualização e os produtos que poderão ser obtidos a partir dessas variáveis Variáveis Primárias Refletividade (Z):Fator da refletividade entre a irradiância emitida pelo radar e a recebida por ele depois de retroespalhadas pelos hidrometeoros presentes na atmosfera. A unidade utilizada é o dbz, que é uma escala logarítmica da refletividade. Os valores variam de zero e 60 dbz e quanto maior forem esses valores, maior serão os diâmetros das gotas presentes no volume medido e, consequentemente, maior será a intensidade de precipitação. Velocidade Radial (Vr):Velocidade de aproximação ou afastamento dos alvos (hidrometeoros) em relação ao radar na direção do feixe. O vento radial é mostrado em m/s com valores positivos para os alvos que se afastam e valores negativos para os alvos que se aproximam do radar. Largura Espectral (W): Desvio padrão das medidas obtidas em cada amostra (pixel)e, meteorologicamente, indica a turbulência nesse volume conforme a variância dos alvos presentes Modos de Visualização PPI - A variável é plotada num plano onde o centro indica a posição do radar. O plano é fixo para um determinado ângulo de elevação, portanto deve-se observar que conforme aumenta a distância em relação ao radar a altitude também aumenta. CAPPI - Visualização de uma variável à uma elevação constante, ou seja em um plano paralelo à superfície terrestre. Ao contrário do PPI, em uma imagem de CAPPI à qualquer distância do radar os pontos estarão na mesma altura. Seção Vertical (RHI) - Seção vertical de uma variável para um azimute fixo e várias elevações. Desta forma podem-se visualizar e acompanhar o desenvolvimento e os diferentes estágios das células de precipitação.

5 VISUALIZAÇÃO 3D A nova versão do JvisRad conterá a visualização tridimensional dos dados que tiverem vários níveis de altitude como refletividade, vetor vento, água líquida na nuvem, topografia, etc Produtos VIL: Integração vertical desde o ângulo elevacional mais baixo até o mais alto toda a água líquida em kg/m2 convertida a partir da Refletividade Z pela relação ZR para cada ponto de grade. BASE e ETOPS: O produto BASE é a altitude mais baixa que um valor de refletividade diferente de zero é detectado para um determinado volume. Ao contrário do BASE, o ETOPS é a altura máxima para cada ponto que o algoritmo encontra acima de um determinado valor. O BASE mostra a intensidade da precipitação na base da nuvem e o ETOPS indica o topo da nuvem, caracterizando assim o estágio de desenvolvimento da célula. VECTOR: Calcula o campo de precipitação estimada até 3 horas por meio das velocidades de advecção dos sistemas precipitantes (Bellon e Austin,1978). Essas velocidades são obtidas pelo vetor deslocamento entre dois campos defasados temporalmente. TRACK: Este algoritmo, baseado em Dixon e Wiener (1993) identifica as células precipitantes a partir dos dados de refletividade medidos por radar meteorológico e suas respectivas trajetórias em função do tempo. Descargas Atmosféricas: apresenta o local da incidência das descargas elétrica atmosféricas medidos pelos sensores do SIMEPAR (Beneti e Vasconcellos, 2002) nos últimos minutos em que foram realizadas as medições do produto de radar selecionado. A Fig. (3) contém uma janela do JVisRad com a visualização do campo de refletividade em CAPPI a 3km de altitude, com um range de 240 e PRF de 620 Hz, juntamente com os dados de raios incidentes nos últimos 10 minutos para o dia 06 de junho de 2001 às 10:33 UTC. Esta figura é um exemplo de visualização e pode-se acrescentar todas as cidades do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e, ainda, personalizá-las conforme as necessidades, além de incluir as suas divisões geográficas. O JVisRad permite que se faça um zoom até o tamanho do pixel. O campo de velocidade radial com as mesmas características de visualização da Fig. (3) é mostrado na Fig. (4). Os dados de estações telemétricas, informações obtidas por satélites meteorológicos também serão, em breve, acoplados ao sistema de visualização. Também, através do JVisRad, pretende-se visualizar e gerenciar os campos de precipitação estimados por radar e corrigidos por análise objetiva estatística com os dados de pluviômetros para a região metropolitana de Curitiba (Beneti, Calvetti e Pereira, 2002) que será utilizado para previsão e monitormento de inundações na região.

6 Figura 3 Campo de refletividade em CAPPI a 3 km no dia 06/06/2001 às 20:33 UTC. O sinal + indica a incidência de descarga atmosférica nos últimos 10 minutos. Observa-se na janela da esquerda que diversas dados de refletividade (Z) e velocidade radial do vento (V) estão prontos para serem visualizados imediatamente permitindo o acompanhamento do deslocamento, desenvolvimento e dissipação dos fenômenos meteorológicos.

7 Figura 4 Campo de velocidade radial em CAPPI a 3 km no dia 06/06/2001 às 20:33 UTC. Assim como na Fig. 3, observa-se na janela da esquerda que diversos dados de refletividade (Z) e velocidade radial do vento (V) estão prontos para serem visualizados imediatamente permitindo o acompanhamento do deslocamento, desenvolvimento e dissipação dos fenômenos meteorológicos. 4. CONCLUSÕES Apresenta-se neste trabalho o JVisRad, um sistema integrado de análise, gerenciamento e visualização de dados de radar meteorológico Doppler acoplando com dados de descargas atmosféricas e posteriormente com dados de estações meteorológicas e hidrológicas telemétricas. O JVisRad foi desenvolvido na linguagem Java, eliminando problemas de portabilidade, podendo ser utilizadas em qualquer máquina e plataforma que possua Java, seja Unix, Linux ou Windows. Além disso, o sistema possibilita ao usuário a consulta de dados históricos de radar e gerar diversos campos de variáveis primárias refletividade, componente radial da velocidade do vento e largura espectral ou produtos gerados a partir destas como água líquida integrada verticalmente, topo e base das nuvens, estimativa da precipitação. E, ainda, o sistema possibilita a integração com outras informações como descargas atmosféricas, dados de estações meteorológicas, coordenadas geográficas e divisões municipais de cidades.

8 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Bellon, A., G. L. Austin, 1978: The Evaluation of Two Years of Real-Time Operation of a Short-Term Precipitation Forecasting Procedure (SHARP). Journal of Applied Meteorology: Vol. 17, No. 12, pp Beneti, C., Calvetti, L. e Pereira Filho, A.J. 2002:Estimativa da Precipitação por Radar e Pluviômetros na Região Metropolitana de Curitiba - Resultados Preliminares. XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz do Iguaçu- PR Beneti, C. e Vasconcellos, C. 2002:. SISRAIOS - Um Sistema Interativo de Análise e Visualização de Descargas Elétricas Atmosféricas XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz do Iguaçu-PR Beneti, C., Nozu, I., Saraiva, E. 1998: Monitoramento da Precipitação e de Eventos de Tempo Severo com Radar Meteorológico no Estado do Paraná. X Congresso Brasileiro de Meteorologia, VII Congresso da FLISMET, Brasília DF. Dixon, Michael, Gerry Wiener, 1993: TITAN: Thunderstorm Identification, Tracking, Analysis, and Nowcasting A Radar-based Methodology. Journal of Atmospheric and Oceanic Technology: Vol. 10, No. 6, pp Eckel, B., 2000: Thinking in Java. Prentice Hall 1127pp Droegemeier, K.K., Kelleber, K., Crum, T., Levit, J.J., Greco, S.ªD., Miller, L., Sinclair, C., Benner, M., Fulker, D. W, Edmon, H. 2002: Project Craft: a test bed for demonstrating the real time acquisition and archival of WSR-88D Level II Data. Preprints, 18th International Conference on Interactive Information Processing Systems (IIPS) for Meteorology, Oceanography, and Hydrology January 2002, Orlando, FL, American Meteorological Society The VisAD Java Component Library Developers Guide, disponível na internet:

MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ

MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ MONITORAMENTO DA PRECIPITAÇÃO E DE EVENTOS DE TEMPO SEVERO COM RADAR METEOROLÓGICO NO ESTADO DO PARANÁ Cesar Beneti, Itsumi Nozu e Ernandes A. Saraiva SIMEPAR Sistema Meteorológico do Paraná COPEL Companhia

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys

www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys www.omnisys.com.br Importância da FAPESP na história da Omnisys 1 / Sumário 1. Quem somos nós? 2. Nossas instalações 3. Distribuição de receita 4. Áreas de atuação 5. A importância da FAPESP 6. Conclusão

Leia mais

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU

ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU ANÁLISE DE TEMPESTADES SEVERAS COM O SOFTWARE TITAN USANDO OS DADOS DO RADAR METEOROLÓGICO DE BAURU Adelmo Antonio Correia 1 e José Carlos Figueiredo Resumo: Este trabalho visa analisar ocorrência de precipitação

Leia mais

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas.

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas. O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL Lizandro Oliveira Jacóbsen (1), Fernando Mendonça Mendes (2) RESUMO: As tempestades severas que causaram muitos estragos e danos no norte e nordeste

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP

Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP Recuperação do Campo de Vento a partir de Radar Meteorológico Doppler utilizando a técnica VAP 1 Leonardo Calvetti, 1 Cesar Beneti e 1 André Luis dos Santos e 2 Rogil Escuciatto 1 Instituto Tecnológico

Leia mais

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE

COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE COMPARAÇÃO DE MEDIDAS OBTIDAS POR RADAR DE SUPERFÍCIE E RADAR ORBITAL: UM ESTUDO DE CASO PARA O RADAR DE SÃO ROQUE Izabelly Carvalho da Costa 1 Carlos Frederico de Angelis 1 RESUMO Tendo em vista que a

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

O futuro do radar meteorológico Agora /RADAR METEOROLÓGICO DA VAISALA

O futuro do radar meteorológico Agora /RADAR METEOROLÓGICO DA VAISALA O futuro do radar meteorológico Agora /RADAR METEOROLÓGICO DA VAISALA Seu próximo radar meteorológico Há mais de 70 anos, a Vaisala desenvolve, fabrica, instala e mantém instrumentos meteorológicos. A

Leia mais

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE)

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) Antônio Paulo de Queiroz 1, Cleber Souza Correa 2 1,2 Instituto de Aeronáutica e Espaço, São José dos Campos, Brasil email: 1 queirozapq@iae.cta.br,

Leia mais

SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS

SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS Cesar Beneti beneti@simepar.br Carlos Vasconcellos cav@simepar.br Instituto Tecnológico SIMEPAR Caixa Postal

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

Previsão de Vazões da Duke Energy

Previsão de Vazões da Duke Energy Previsão de Vazões da Duke Energy Duke Energy International, Geração Paranapanema Carlos Antônio Severino Costa MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES: SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure) -Modelo determinístico

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO. Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1

IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO. Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1 IDENTIFICAÇÃO, RASTREAMENTO E PREVISÃO DE TEMPESTADES SEVERAS PARTE I: EVENTO DE GRANIZO Ana Maria Gomes 1* e Gerhard Held 1 RESUMO: No presente estudo a potencialidade do sistema TITAN, desenvolvido pelo

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO DE INFORMAÇÕES SIPAM X SEMDEC Saraiva, Ivan 1 ; Senna, Renato Cruz 2 ; Saraiva, Jaci Bilhalva 3 RESUMO - Este trabalho tem como objetivo apresentar o Software de Integração SIPAM

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS RADAR METEOROLÓGICO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ROTINAS DE OPERAÇÃO, GERAÇÃO DE PRODUTOS E TRATAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Jojhy Sakuragi 1, Ana Catarina Farah Perrella 1, Joice Martelli Parmezani 1 Denis Gonçalves

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Éder P. Vendrasco1; Carlos F. Angelis1; Edson T. Branco2; Caetano T. Lo Ré2; Marcelo Santos2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR Mario Rodrigues Pinto de Sousa Filho FUNCEME Fortaleza mario.rodrigues@funceme.br

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 467 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE INTERRUPÇÕES E CAUSAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA C. C. B. de

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS

VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS VALIDAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO POR RADAR E SATÉLITE: ANÁLISE DE RELAÇÕES ZR E INTEGRAÇÃO COM PLUVIÔMETROS Leonardo Calvetti; Cesar Beneti; Réverton Luis Antunes & Alex Conselvan de Oliveira RESUMO

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Cesar Augustus Assis Beneti Eduardo Alvim Leite Instituto Tecnológico SIMEPAR

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA METEOROLOGIA MCA 105-13 MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO RADAR METEOROLÓGICO 2010 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO ESTIMADA POR RADAR METEOROLÓGICO NO LESTE DA AMAZÔNIA Amanda Souza Campos 1 ;Maria Isabel Vitorino 2 ;Paulo Kunh 2 ;Jaci Saraiva Bilhalva 3 ; Adriano M. Leão de Sousa 4 1 UFPA/IG/FAMET

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet.

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet. Autor: Irene Cristina Pereira Corrêa Orientador(a): Júlia Clarinda Paiva Cohen Co-orientador: Paulo Afonso Fischer Kuhn Filiação: Curso de Meteorologia / Universidade Federal do Pará E-mail: irenecristinacorrea@hotmail.com

Leia mais

link view CelLink internet wireless waap ldescrição do Software

link view CelLink internet wireless waap ldescrição do Software link internet wireless waap view CelLink ldescrição do Software Índice Introdução... 3 Características... 4 Funcionalidades... 5 Base de Dados... 5 Topografia... 5-7 Morfologia... 8 Imagem... 9 Antenas...

Leia mais

Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD)

Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD) Sistema de Processamento de Dados de Radiação Solar (SPDRAD) Leandro de Oliveira Macedo *,** e Juan Carlos Ceballos * * Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais, CPTEC, INPE Cachoeira Paulista SP. **

Leia mais

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE

SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE SPMSAT - APLICATIVO PARA ESTUDOS DE SISTEMAS PRECIPITANTES DE MESOESCALA UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE ANATOLI STAROSTIN PAULO ROBERTO PELUFO FOSTER 1 ROSELI GUETHS GOMES 1 VLADAIR MORALES DE OLIVEIRA

Leia mais

SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais

SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais SIGMACast: Sistema de Informação Geográfica focado em aplicações meteorológicas e ambientais Cíntia Pereira de Freitas¹; Wagner Flauber Araujo Lima¹ e Carlos Frederico de Angelis¹ 1 Divisão de Satélites

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R

QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R QUANTIFICAÇÃO DA CHUVA COM DADOS DE RADAR METEOROLÓGICO EM ÁREAS CULTIVADAS, ATRAVÉS DE TRÊS RELAÇÕES Z-R ZILDENE PEDROSA O. EMÍDIO 1, ROBERTO V. CALHEIROS² ¹Meteorologista, Ph.D., Instituto de Pesquisas

Leia mais

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN Paulo Jarbas Camurça 1, Robson Franklin Vieira Silva 2, Mosefran Barbosa Macedo Firmino 2, 3, Eduardo Sávio Passos Rodrigues Martins

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS Dirceu Luís Herdies* Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC-INPE Rodovia Presidente

Leia mais

PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM

PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM PRIMEIRAS AVALIAÇÕES DO RADAR METEOROLÓGICO DOPPLER DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, PARTE I: MONITORAMENTO DE TEMPO SEVERO NUM RAIO DE 150 KM Ana Catarina Farah Perrella 1 Thomaz Lacerda Cordeiro Garcia 2 Marlene

Leia mais

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão 26 de Fevereiro de 2014 Departamento de Previsão, Divisão

Leia mais

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGO DE BAIXO CUSTO: IMPLEMENTAÇÃO.

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGO DE BAIXO CUSTO: IMPLEMENTAÇÃO. 1 SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGO DE BAIXO CUSTO: IMPLEMENTAÇÃO. Odim Mendes Jr. 1, Margarete Oliveira Domingues 2, Irani Inácio Cordeiro 3, Varlei Everton Menconi 4 (odim@dge.inpe.br) DGE/CEA 1, CPTEC

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO DE TEMPESTADES ATMOSFÉRICAS PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO DE TEMPESTADES ATMOSFÉRICAS PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 05 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO

Leia mais

EXTRAÇÃO E MANIPULAÇÃO DOS DADOS DE REANÁLISE DO ECMWF UTILIZANDO METVIEW

EXTRAÇÃO E MANIPULAÇÃO DOS DADOS DE REANÁLISE DO ECMWF UTILIZANDO METVIEW EXTRAÇÃO E MANIPULAÇÃO DOS DADOS DE REANÁLISE DO ECMWF UTILIZANDO METVIEW EUGÊNIO SPER DE ALMEIDA - CPTEC/INPE 1 LÚBIA VINHAS - DPI/INPE 2 PATRÍCIA CAMPOS DO PRADO CORREA - CPTEC/INPE 1 INPE - Instituto

Leia mais

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL Angelo Barcelos BARBARIOLI 1, César Henrique de Assis RIBEIRO 1 & Luiz Silva do COUTO 1 RESUMO O monitoramento permanente de parâmetros

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE.

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. Bianca Antunes de S. R. Alves 1, Luciana M. C. Mira 2, Ana Paula Tavarez 3, José Alberto Ferreira 4, Luíz Henrique

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

Figura 2.1: Coordenadas esféricas

Figura 2.1: Coordenadas esféricas 2 Conceitos Radar Neste capítulo serão tratados os conceitos necessários para se entender um sistema radar. É preciso entender quais são as principais medidas que um radar detecta, quais são os componentes

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

ANIMAÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS METEOROLÓGICOS UTILIZANDO O SISTEMA METVIEW. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE patricia@cptec.inpe.

ANIMAÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS METEOROLÓGICOS UTILIZANDO O SISTEMA METVIEW. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE patricia@cptec.inpe. ANIMAÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS METEOROLÓGICOS UTILIZANDO O SISTEMA METVIEW PATRÍCIA CAMPOS DO PRADO CORRÊA - CPTEC/INPE EUGÊNIO SPER DE ALMEIDA - CPTEC/INPE FÁBIO CÉLIO CARNEIRO DA SILVA BORGES - CPTEC/INPE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA XI CONGRESSO NACIONAL Y VIII LATINOAMERICANO DE AGRIMENSURA UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA LIDAR EM PROJETOS DE ENGENHARIA DE INFRAESTRUTURA VIÁRIA Eng. Cart. Bruno da Cunha Bastos (1) Eng. Cart. MSc. Leonardo

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP 15 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP ANÁLISE METEOROLOGICA

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental

inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Embrapa Amazônia Ocidental inciência Iniciação Científica Embrapa Anais da X Jornada de Iniciação Científica da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Anais da X Jornada de

Leia mais

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA

Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite. HidroSat. João Carlos Carvalho. Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Sistema de Monitoramento Hidrológico por Satélite HidroSat João Carlos Carvalho Superintendência de Gestão da Rede Hidrometeorológica SGH/ANA Brasília, 18/08/2015 Estrutura da Apresentação Introdução Arquitetura

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR.

CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. CARACTERÍSTICAS DE RADAR DA EVOLUÇÃO DO SISTEMA CONVECTIVO DE MESOESCALA. PARTE I: DESCRIÇÃO GERAL DA EVOLUÇÃO DO CAMPO DO ECO DE RADAR. Abstract Anatoli Starostin Universidade Federal de Pelotas, Centro

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Previsão e monitoramento

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS

Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Análise das condições atmosféricas durante evento extremo em Porto Alegre - RS Madson T. Silva 1, Vicente de P.R da Silva 2, Julliana L. M. Freire 3, Enilson P. Cavalcanti 4 1 Doutorando em Meteorologia,

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML

Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com visualização em VRML Uma Ferramenta Computacional para geração de Modelos Digitais de Terrenos com Antonio de Paula Pedrosa Universidade Severino Sombra-USS Vassouras-RJ, Brasil tonywebdevelop@hotmail.com Carlos Vitor de Alencar

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention

Efeito Doppler. Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade. Doppler Effect. Electromagnetic waves for speed detention Efeito Doppler Ondas eletromagnéticas para detecção de velocidade Doppler Effect Electromagnetic waves for speed detention Helton Maia, Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba, Curso Superior

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP

INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP INTEGRAÇÃO DA TELEMETRIA NO SISTEMA DE SUPORTE À DECISÃO DA SABESP PARA MONITORAMENTO HIDROLÓGICO E OPERAÇÃO DOS MANANCIAIS DA RMSP Nilzo Renê Fumes 1 *, Carlos Toshio Wada 2 Resumo O abastecimento público

Leia mais

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO.

DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. 758 DETERMINAÇAo DE ÁREA DE CHUVA E NÃO-CHUVA NA IMAGEM DO SAT~LITE (GOES) UTILIZANDO A ANÂLISE DE GRUPAMENTO. Gutemberg Borges França Instituto de Atividades Espaciais CTA/IAE/ECA - são José dos Campos

Leia mais

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin, Augusto José Pereira Filho, Departamento de Ciências Atmosféricas-IAG, Universidade

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas Nome do orientador: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto:

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler

Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Previsão e monitoramento

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista SISTEMA DE ALERTA por Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista 1 a Parte. O MONITORAMENTO DOS NIVEIS E DA CHUVA 1.1 - Histórico Após a ocorrência da

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS

COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS COMPARAÇÃO DE PRODUTOS DE ESTIMATIVA DE CHUVA POR SENSORIAMENTO REMOTO POR MEIO DE UM MODELO HIDROLÓGICO NA BACIA DO RIO AMAZONAS Autores: Jiménez, K. Q.; Collischonn, W.; Paiva, R.C.D.; Buarque, D. C.

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA

TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA TEMPESTADES E TEMPO SEVERO DURANTE O EXPERIMENTO CHUVA-GLM VALE DO PARAÍBA Rachel ALBRECHT 1*, Carlos MORALES 2, Enrique MATTOS 1, Thiago BISCARO 1, Luiz MACHADO 1, Evandro ANSELMO 2, João NEVES 2 1 CPTEC/INPE

Leia mais

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça

Posicionamento por Satélite. Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça Posicionamento por Satélite Tecnologia em Mecanização em Agricultura de Precisão Prof. Esp. Fernando Nicolau Mendonça O Sistema GPS - Características Básicas O sistema GPS é composto por três segmentos:

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO NO CENTRO TECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS

MODELAGEM DE CANAL DE UMA REDE SEM FIO 802.16 APLICAÇÃO NO CENTRO TECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS MODELAGEM DE CANAL DE UMA EDE SEM FIO 80.16 APLICAÇÃO NO CENO ECNOLÓGICO DO CAMPUS I DA PUC- CAMPINAS Gabriel Seicenti Fernandes PUC-Campinas Ceatec gabriel_sf87@hotmail.com Norma eggiani PUC-Campinas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS Cristiane Pires Andrioli 1 e Mario Thadeu Leme de Barros 2 RESUMO Este trabalho trata de um novo esquema de previsão de vazões

Leia mais

SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS

SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS SOFTWARE DIDÁTICO PARA PROCESSAMENTO DE SINAIS Felipe Marcon 1 e Álvaro L. Stelle 2 Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrônica Av. Sete de Setembro, 3165 80230-901

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE

NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE MOACYR MOLINARI perito engenheiro L A U D O D E P E R Í C I A T É C N I C A NO SISTEMA LAGO-CANAIS-CISTERNA DA RESIDÊNCIA DE BLANK Que faz MOACYR MOLINARI, brasileiro, casado, residente à rua, professor

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos Nome da orientadora: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto: Física Nome do aluno: Murilo

Leia mais

Quala diferença entre Raios, Relâmpagos e Trovões?

Quala diferença entre Raios, Relâmpagos e Trovões? by Beth Jet Quala diferença entre Raios, Relâmpagos e Trovões? O Raio É uma manifestação da natureza que acontece na colisão de nuvens com cargas opostas ou entre nuvens e solo quando há um diferencial

Leia mais

PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW. Módulo 2D Data Analysis. Preparado por Welitom Borges

PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW. Módulo 2D Data Analysis. Preparado por Welitom Borges PROCESSAMENTO BÁSICO DE DADOS GPR NO SOFTWARE REFLEXW Módulo 2D Data Analysis Preparado por Welitom Borges São Paulo, 2007 Criação de um diretório para trabalho Para iniciar o processamento de dados no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais