2 CURSO DE JAVA - TECNOLOGIAS E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 CURSO DE JAVA - TECNOLOGIAS E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA 2 CURSO DE JAVA - TECNOLOGIAS E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS (Pós-Graduação Lato-Sensu Nível de Especialização) Vitória-ES, Janeiro de 2009

2 Projeto de curso conforme Res. 25/95 CEPE (REGULAMENTO GERAL DA PÓS- GRADUAÇÃO) e Res. 24/2008 CONSUNI (NORMAS FINANCEIRAS E ADMINISTRATIVAS PARA O FUNCIONAMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO-SENSU). Elaboração do projeto: Ordenador de despesas: Fiscal de projeto: Prof. Dr. Thomas Walter Rauber, DI/CT/UFES Prof. Dr. Flávio Miguel Varejão, DI/CT/UFES Diretor(a) do Centro Tecnológico (atualmente Prof. Dr. Gilberto Costa Drumond Sousa, CT/UFES) Prof. Dr. Orivaldo de Lira Tavares, DI/CT/UFES I. Dados de Identificação 1 a) Nome do Curso: 2 Curso de Java Tecnologias e Desenvolvimento de Sistemas b) Órgão Proponente: Departamento de Informática, CT, UFES c) Tipo: Especialização d) Carga Horária Total: 390 horas de aula e) Número de Turmas: 01 (uma) turma f) N Total de Vagas: 45 ( 40 para alunos regulares e 5 para bolsistas) g) Período de Realização: 24/04/09 a 31/10/10 h) Nome e Endereço da Coordenação do curso: i. Geral: Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, UFES ii. Técnica: Profa. Maria Christina Pedrosa Valli Rauber, DI/CT/UFES, Av. Fernando Ferrari s/n, Goiabeiras, Vitória, ES i) Local de Funcionamento do Curso: Sala de aulas nas dependências do Centro Tecnológico da UFES e laboratório de graduação do Departamento de Informática, CT, UFES 1 Alguns dos dados no projeto são vínculos simbólicos da planilha de cálculo associada ao projeto e podem aparecer em tamanho, cor e fonte diferente.

3 II. Justificativa A linguagem de programação JAVA se tornou uma poderosa ferramenta de desenvolvimento de aplicações que se caracterizam por exigências relativas a portabilidade, distribuição e segurança. A gama de ambientes de funcionamento tanto na natureza dos dispositivos envolvidos, como os tipos de programas é extremamente variada. Acessar uma página na Internet via um telefone celular, implementar uma loja virtual, operações bancárias ou a programação de dispositivos emergentes é feito em Java. A filosofia principal do ambiente de execução é a existência de uma máquina virtual que executa comandos da linguagem, seja onde essa máquina esteja fisicamente situada. Em decorrência de ser um software distribuído gratuitamente, desconsiderando sistemas operacionais ou produtores de hardware e baseando-se no paradigma de orientação a objetos, Java ganha cada vez mais usuários e desenvolvedores. Observa-se que grandes empresas adotam parcialmente ou totalmente Java para resolver os seus problemas de tecnologia de informação. Especialistas de programação que dominam Java beneficiam a indústria de software pelas capacidades de criação de programas de qualidade, usuários dos sistemas desenvolvidos pela segurança e robustez da aplicação e a economia em geral por serem profissionais altamente produtivos. Cabe a instituições competentes onde haja know-how relevante a formação de recursos humanos especializados. Nesse contexto se coloca a proposta deste curso, unindo conhecimento atualizado e profundo da linguagem Java e suas aplicações, ministrados por professores principalmente ligados ao Centro Tecnológico da UFES, mais precisamente ao Departamento de Informática. III. Organização do Curso a) Objetivos O conteúdo do curso visa o ensino da linguagem Java em si com a sintaxe e mecanismos específicos de programação, módulos específicos que cobram aspectos selecionados como acesso a banco de dados ou comunicação distribuída até ambientes complexos de aplicações como J2EE. b) Clientela Profissionais de tecnologia de informação que programam em Java e querem aprofundar o seu conhecimento, programadores que querem abrir o seu leque de técnicas e linguagens de programação, recém-graduados que querem atingir um nível de conhecimento comparável aos profissionais com experiência. Recomendável ao candidato é que seja graduado em curso com base tecnológica (engenharias, ciência da computação, matemática, etc.) bem como pessoal graduado em outros cursos com experiência anterior na área de desenvolvimento de sistemas.

4 c) Calendário do curso: período de realização, com datas, dias da semana, horário das aulas e demais atividades do curso As aulas terão 4 (quatro) horas de duração no período noturno, das 18:30 às 22:30 horas, e 6 (seis) horas de duração no período diurno, das 08:00 às 14:00 h. As aulas do período noturno serão realizadas sempre às sextas-feiras. As aulas no período diurno serão realizadas apenas aos sábados. Terá um coffee-break com lanche e bebidas em dias de aula, cujo custo está incluído na mensalidade. Datas: Veja anexo d) Número de vagas com previsão de bolsas O número de vagas é fixado em 45 ( 40 para alunos regulares e 5 para bolsistas, i.e. no mínimo 10% para bolsistas), conforme Art. 13, Res. 24/2008 CONSUNI. As vagas de bolsistas serão destinadas a professores e funcionários graduados da UFES. Os bolsistas da UFES ficarão isentos do pagamento integral das mensalidades do curso; no entanto, estarão, assim como os demais alunos, sujeitos às regras acadêmicas estabelecidas pelos Conselhos Superiores da UFES para aprovação nas disciplinas e freqüência (vide adiante). Além do currículo, os candidatos à bolsa deverão apresentar documento assinado pela chefia imediata contendo indicação e justificativa para participação no curso. A seleção dos bolsistas ficará a cargo da Coordenação Técnica, e será feita mediante análise curricular e das justificativas apresentadas. Os bolsistas deverão, obrigatoriamente, prestar atividades de suporte (manutenção da rede, desenvolvimento de páginas, desenvolvimento de aplicativos, etc.) junto ao Departamento de Informática da UFES durante o período de duração do curso com uma dedicação máxima de 20 horas mensais, veja Art. 13, Parágrafo único, Res. 24/2008 CONSUNI. e) Requisitos e período previsto para inscrição Conforme Art. 59, Res. 25/95 CEPE portadores de diploma de curso de graduação em áreas relacionadas à informática (Ciência da Computação, Engenharia de Computação, Sistemas de Informação, Matemática, Engenharias ou áreas afins) ou excepcionalmente, de forma condicionada, alunos que estejam cursando o último semestre de seu curso de graduação, ficando cientes de que, em caso de seleção, somente poderão ingressar no curso se provarem, no momento da matrícula, terem obtido o seu grau, prova que pode ser feita por meio de diploma ou certidão de colação de grau. Datas: Veja anexo f) Critérios de seleção dos candidatos O processo de seleção dos candidatos será feito pelo Colegiado Acadêmico através da análise de: Histórico escolar;

5 Curriculum Vitæ do candidato; Dados e informações obtidos pela coordenação através de entrevista, quando necessário. Na análise curricular serão observados as titulações, a participação em cursos e congressos, o conhecimento de linguagens de programação, além da experiência profissional anterior do candidato nas áreas de programação e desenvolvimento de sistemas. g) Critérios de avaliação de rendimento dos alunos Conforme Art. 68, Res. 25/95 CEPE a freqüência a todas as atividades do curso será obrigatória, exigindo-se uma freqüência mínima de 85% (oitenta e cinco por cento). Conforme Art. 69, Res. 25/95 CEPE será considerado aprovado em cada disciplina o aluno que atender aos seguintes requisitos: I. obtiver pelo menos 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência; II. obtiver nota igual ou superior a 6,0 (seis). Conforme Art. 70, Res. 25/95 CEPE será aprovado no Curso o aluno que, cumpridas as demais exigências, atender aos seguintes requisitos: I. obtiver aprovação em todas as disciplinas e atividades do currículo; II. obtiver nota igual ou superior a 7,0 (sete) no trabalho final. Ao final de cada disciplina, o aluno fará uma avaliação da mesma, incluindo a atuação do professor e os métodos didático-pedagógicos utilizados no seu desenvolvimento. Os resultados destas avaliações serão anexados ao relatório final do curso e ficarão à disposição dos interessados para consulta. A participação em um módulo do curso será condicionada ao fato de que o pagamento das mensalidades esteja em dia. A defesa do projeto final está condicionada à quitação de todas as mensalidades do curso. Ao aluno aprovado no curso será conferido um Certificado de Especialização que será expedido, após requerimento, pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. h) Descrição do trabalho final do curso e data limite para entrega O trabalho final do curso consiste em um projeto final de desenvolvimento de um sistema de complexidade média, bem documentado. Deve englobar as técnicas expostas no curso, especificamente o conhecimento dos módulos. O trabalho final pode ser elaborado em grupos de até três alunos. A data limite para entrega do projeto final é de noventa dias após o último dia de aula, veja calendário do curso.

6 IV. Currículo do curso contendo os nomes das disciplinas, docentes responsáveis, ementas e carga horária Ementas das disciplinas em anexo. Número Sigla Nome Carga Horária Duração Dias de Aula Docente 1 LIN Introdução ao Sistema Operacional Linux 20 4 Mariella Berger 2 J1 Programação Básica 30 6 Flávio Miguel Varejão 3 J2 Programação Avançada 30 6 Flávio Miguel Varejão 4 ENG Engenharia de Software Orientada a Objetos 30 6 Giancarlo Guizzardi 5 PER Persistência de Dados 30 6 Elton Siqueira Moura 6 EV Programação Orientada a Eventos 30 6 Elton Siqueira Moura 7 WEB JSP, Servlets e XML 40 8 Sérgio Antônio Andrade de Freitas 8 OD Objetos Distribuídos 30 6 João Paulo Almeida 9 IF Interfaces (Java Server Faces) 30 6 Sérgio Antônio Andrade de Freitas 10 EE1 Java Enterprise Edition (Java EE) I 30 6 Vítor Estêvão Silva Souza 11 EE2 Java Enterprise Edition (Java EE) II 30 6 Vítor Estêvão Silva Souza 12 ME1 Java 2 Micro Edition I (J2ME) 30 6 Idilio Drago 13 ME2 Java 2 Micro Edition II (J2ME) 30 6 Idilio Drago Total

7 V. Quadro resumo do corpo docente, contendo a titulação, instituição e ano da obtenção do título, instituição/empresa onde trabalha e disciplina a ser ministrada Núme ro Sigla Nome Titulação Instituição e Ano da Obtenção do Título Instituição/Empresa onde trabalha Disciplina(s) Ministrada(s) CV Lattes 1 ESM Elton Siqueira Moura Mestre UFES, DI, 1999 CEFET-ES PER, EV 2 FMV Flávio Miguel Varejão D.Sc. PUC/RJ, Rio de Janeiro, Brasil, 1999 UFES, CT, DI J2 3 GG Giancarlo Guizzardi D.Sc. Twente University of Technology, Holanda, 2005 UFES, CT, DI ENG 4 ID Idilio Drago Mestre UFES, DI, 2005 UFES, CT, DI ME1, ME2 5 JPA João Paulo Almeida D.Sc. Twente University of Technology, Holanda, 2006 UFES, CT, DI OD 6 MB Mariella Berger Mestre UFES, DI, 2005 UFES, CT, DI LIN 7 SAF Sérgio Antônio Andrade de Freitas D.Sc. UFES, DEE, 2003 UFES, CT, DI WEB, IF 8 VS Vítor Estêvão Silva Souza Mestre UFES, DI, 2000 UFES, CT, DI EE1, EE2 Res. 25/95 CEPE, Art º: O número de docentes sem título mínimo de Mestre não poderá ultrapassar 1/3 (um terço = 33.3%) do corpo docente. Número de docentes sem título mínimo de Mestre neste curso: Absoluto: 8, Percentagem: 100,0%

8 VI. Previsão de receitas e despesas O valor da inscrição é de R$ 40,00. O valor total do curso é de R$ 8400,00 a ser pago em 15 parcelas de R$ 560,00. As parcelas deverão ser pagas mensalmente, pela forma imposta pela Universidade Federal do Espírito Santo, com o apoio administrado da Fundação de Apoio.

9 ANEXO I: Currículo dos docentes que não possuem título de mestre

10 ANEXO II: Termos de concordância assinados pelos docentes do curso, conforme prevê o artigo Docentes pertencentes a UFES, conforme Anexo I da Resolução nº 31/2001 CEPE a. Flávio Miguel Varejão b. Giancarlo Guizzardi c. João Paulo Almeida d. Sérgio Antônio Andrade de Freitas e. Vítor Estêvão Silva Souza f. Mariella Berger 2. Docentes não pertencentes a UFES, conforme Anexo II da Resolução nº 31/2001 CEPE a. Elton Siqueira Moura b. Idilio Drago ANEXO III: Cópia dos diplomas/certificados dos docentes não pertencentes à UFES 1. Elton Siqueira Moura 2. Idilio Drago ANEXO IV: Aprovação justificada do Colegiado Acadêmico proponente do curso da participação de docentes sem o título mínimo de mestre

11 ANEXO V: Calendário do Curso CALENDÁRIO DO CURSO (modificações possíveis) Intervalo da aula Número de anterior em dias dia de aula de semana Data Dia da Semana Número Módulo Sigla Módulo Sigla Docente abril, 2009 Sexta-feira 1 LIN MB abril, 2009 Sábado 1 LIN MB maio, 2009 Sexta-feira 1 LIN MB maio, 2009 Sábado 1 LIN MB maio, 2009 Sexta-feira 2 J1 FMV maio, 2009 Sábado 2 J1 FMV maio, 2009 Sexta-feira 2 J1 FMV maio, 2009 Sábado 2 J1 FMV maio, 2009 Sexta-feira 2 J1 FMV maio, 2009 Sábado 2 J1 FMV junho, 2009 Sexta-feira 3 J2 FMV junho, 2009 Sábado 3 J2 FMV junho, 2009 Sexta-feira 3 J2 FMV junho, 2009 Sábado 3 J2 FMV julho, 2009 Sexta-feira 3 J2 FMV julho, 2009 Sábado 3 J2 FMV julho, 2009 Sexta-feira 4 ENG GG julho, 2009 Sábado 4 ENG GG julho, 2009 Sexta-feira 4 ENG GG agosto, 2009 Sábado 4 ENG GG agosto, 2009 Sexta-feira 4 ENG GG agosto, 2009 Sábado 4 ENG GG agosto, 2009 Sexta-feira 5 PER ESM agosto, 2009 Sábado 5 PER ESM agosto, 2009 Sexta-feira 5 PER ESM agosto, 2009 Sábado 5 PER ESM agosto, 2009 Sexta-feira 5 PER ESM agosto, 2009 Sábado 5 PER ESM setembro, 2009 Sexta-feira 6 EV ESM setembro, 2009 Sábado 6 EV ESM setembro, 2009 Sexta-feira 6 EV ESM setembro, 2009 Sábado 6 EV ESM setembro, 2009 Sexta-feira 6 EV ESM setembro, 2009 Sábado 6 EV ESM outubro, 2009 Sexta-feira 7 WEB SAF outubro, 2009 Sábado 7 WEB SAF outubro, 2009 Sexta-feira 7 WEB SAF outubro, 2009 Sábado 7 WEB SAF novembro, 2009 Sexta-feira 7 WEB SAF novembro, 2009 Sábado 7 WEB SAF novembro, 2009 Sexta-feira 7 WEB SAF novembro, 2009 Sábado 7 WEB SAF

12 Intervalo da aula Número de anterior em dias dia de aula de semana Data Dia da Semana Número Módulo Sigla Módulo Sigla Docente dezembro, 2009 Sexta-feira 8 OD JPA dezembro, 2009 Sábado 8 OD JPA dezembro, 2009 Sexta-feira 8 OD JPA dezembro, 2009 Sábado 8 OD JPA dezembro, 2009 Sexta-feira 8 OD JPA dezembro, 2009 Sábado 8 OD JPA janeiro, 2010 Sexta-feira 9 IF SAF janeiro, 2010 Sábado 9 IF SAF fevereiro, 2010 Sexta-feira 9 IF SAF fevereiro, 2010 Sábado 9 IF SAF fevereiro, 2010 Sexta-feira 9 IF SAF fevereiro, 2010 Sábado 9 IF SAF março, 2010 Sexta-feira 10 EE1 VS março, 2010 Sábado 10 EE1 VS março, 2010 Sexta-feira 10 EE1 VS março, 2010 Sábado 10 EE1 VS abril, 2010 Sexta-feira 10 EE1 VS abril, 2010 Sábado 10 EE1 VS abril, 2010 Sexta-feira 11 EE2 VS abril, 2010 Sábado 11 EE2 VS abril, 2010 Sexta-feira 11 EE2 VS abril, 2010 Sábado 11 EE2 VS maio, 2010 Sexta-feira 11 EE2 VS maio, 2010 Sábado 11 EE2 VS maio, 2010 Sexta-feira 12 ME1 ID maio, 2010 Sábado 12 ME1 ID maio, 2010 Sexta-feira 12 ME1 ID maio, 2010 Sábado 12 ME1 ID junho, 2010 Sexta-feira 12 ME1 ID junho, 2010 Sábado 12 ME1 ID junho, 2010 Sexta-feira 13 ME2 ID junho, 2010 Sábado 13 ME2 ID junho, 2010 Sexta-feira 13 ME2 ID junho, 2010 Sábado 13 ME2 ID julho, 2010 Sexta-feira 13 ME2 ID julho, 2010 Sábado 13 ME2 ID Número de dias de aula 78

13 ANEXO VI: Ementa das Disciplinas do Curso Introdução ao Sistema Operacional Linux 1. Introdução Objetivos Motivações Conceitos: UNIX, Linux, Software Livre 2. Primeiros Passos Instalação Tipos de Instalação Particionamento Gerenciadores de partida: GRUB e LILO Organização do sistema de arquivos Configurações 3. Sessões de Usuários Como acessar o sistema Linux O processo de login Organização dos usuários Saindo do Sistema 4. Explicações Básicas Arquivos Diretórios Diretório Raiz Diretório home Caminho na Estrutura de diretórios Comandos Prompt (Aviso de comando) Terminal Virtual 5. Discos e Partições Partições Pontos de Montagem Identificação de discos e partições em sistemas Linux Montando (acessando) uma partição de disco fstab Desmontando uma partição de disco 6. Execução de Programas Executando um comando/programa Path Executando programas em seqüência Comandos Interrompendo a execução de um processo 7. Comandos Comandos para manipulação de arquivos Comandos para manipulação de diretórios Comandos para compactação e descompactação Outros comandos

14 6. Ambiente de Trabalho (Shell) bash, csh Interpretação de comandos 7. Acesso a periféricos Acesso a cd-roms, disquetes, pen-drivers, entre outros 8. Processos Conceitos Comandos Controle de Execução 9. Permissões de acessos a arquivos e diretórios Donos Grupos Usuários Tipos de permissões de acesso A conta root Comandos 10. Redirecionamentos e Pipe 11. Ambientes Gráficos Xwindows KDE, GNOME Área de Trabalho Centro de Controle 12. Editores de texto Vi Emacs Kwrite Gedit Anjuta 13. Acesso Remoto SSH SFTP SCP 14. Programação Utilitátio MAKE Referências bibliográficas: 1. Gleydson Mazioli da Silva, Guia Foca GNU/Linux - Nível Iniciante-Intermediário, Arnold Robbins, Unix in a Nutshell: System V Edition, O'Reilly, Jerry Peek, Grace Todino & John Strang, Learning the Unix Operating System, O'Reilly, Ellen Siever, Stephen Spainhour, Stephen Figgins and Jessica P. Hekman, in a Nutshell, 3rd Edition, O'Reilly, 2000.

15 Programação Básica 1. Introdução Objetivos Recursos adicionais Conceitos da JVM 2. Programação Orientada a Objetos Objetivos Relevância O que é a programação orientada a objetos Declarando classes Java Declarando atributos Declarando métodos Acessando os membros dos objetos Escondendo informações Encapsulamento Construtores O construtor default Layout do arquivo fonte Pacotes de software A declaração Package A declaração Import Uso da documentação das APIs Java 3. Identificadores, Palavras chaves e tipos Objetivos Comentários Ponto e vírgula, blocos e espaços em branco Identificadores Palavras chave da linguagem Java Tipos básicos (primitivos) Variáveis, declarações e atribuições Tipos (variáveis) referência Construção e inicialização de objetos Atribuição dos tipos referência Passagem por valor A referência this Convenções de codificação 4. Fluxo de controle e expressões Objetivos Expressões Declarações de blocos Declarações de laço Controle especial de fluxo de laço 5. Arrays Objetivos Declaração Criação Inicialização

16 Arrays Multidimensionais Redimensionamento de Arrays Cópia de Arrays 6. Reuso de Classes Objetivos Herança Polimorfismo O relacionamento possui Controle de acesso Sobrecarga (overloading) de métodos Sobrecarga de construtores Invocação de métodos sobrescritos (overridden) Invocação de construtores na classe pai Recapitulação de criação e inicialização de objetos A classe Object O operador == comparado ao método equals O método tostring Classes Wrapper Referências bibliográficas: 1. HORSTMANN, Cay S., CORNELL, Gary. Core Java 2 Volume 1 --Fundamentals. 5st ed. California, EUA: Sun Microsystems Press, Deitel, H. M.; Deitel, P. J. Java How to Program. 4rd Edition. Prentice-Hall, 2002, ISBN: ECKEL, Bruce. Thinking in Java. 4th ed. Prentice-Hall, [ Disponível em: ] 4. LEMAY, Laura, CADENHEAD, Rogers. Aprenda em 21 Dias Java 2 - Professional Reference. Tradução: João E. N. Tortello. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Campus Ltda., GOSLING, Jay, e Steele. The Java Language Specification. 3rd ed. Addison-Wesley [ Disponível em: ]

17 Programação Avançada 1. Introdução Objetivos Recursos adicionais 2.Identificação Dinâmica de Tipos, Interfaces e Herança Múltipla RTTI Interfaces Herança Múltipla em Java --- Combinação de Interfaces e a Colisão de Nomes Estendendo uma Interface com Herança Inicializando os Atributos de Uma Interface A Interface Comparable 3. Classes Internas Classes Internas Classes Internas e Upcasting Classes Internas a Métodos e Escopos Classes Internas Anônimas 4. Exceções Exceções Propagação de Exceções Hierarquia de Classes de Exceções Relançamento de Exceções Exceções Especiais Criação de Exceções A Cláusula finally 5. Classes Genéricas Java Generics Definição de classes genéricas Subtipos Wildcards Métodos Genéricos Casts e instanceof 6. Classes Utilitárias A classe Math A classe String A classe StringBuffer As APIs Collection A ferramenta Javadoc Desatualização (Deprecation) A ferramenta Jar 7. Streams, Arquivos e Serialização Objetivos Fundamentos de I/O Fluxo de bytes Fluxo de caracteres Processando Streams Classes básicas de fluxo de bytes Classes básicas de fluxo de caracteres Lendo e escrevendo um fluxo de objetos Arquivos e I/O de arquivos Serialização Referências bibliográficas 1. HORSTMANN, Cay S., CORNELL, Gary. Core Java 2 Volume 1 --Fundamentals. 5st ed. California, EUA: Sun Microsystems Press, 2002.

18 2. JENKINS, Michael S. Abstract Data Types in Java. Vol. I. New York, EUA: McGraw-Hill Companies, Inc., ECKEL, Bruce. Thinking in Java. 4th ed. Prentice-Hall, [ Disponível em: ] 4. LEMAY, Laura, CADENHEAD, Rogers. Aprenda em 21 Dias Java 2 - Professional Reference. Tradução: João E. N. Tortello. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Campus Ltda., GOSLING, Jay, e Steele. The Java Language Specification. 3rd ed. Addison-Wesley [ Disponível em: ]

19 1. Introdução Conceitos Básicos Conceitos Avançados 2. Processo de Desenvolvimento Orientado a Objetos O Processo Unificado 3. Levantamento de Requisitos Modelagem de Casos de Uso Diagrama de Casos de Uso Descrição de Casos de Uso Engenharia de Software Orientada a Objetos 4. Análise Orientada a Objetos Modelagem de Classes: Elaboração de Diagramas de Classes e Pacotes Determinação do Comportamento: Elaboração de Diagramas de Seqüência e Estados Definição das Operações 5. Projeto Orientado a Objetos Projeto Arquitetural Projeto do Domínio do Problema Projeto de Interface com o Usuário Projeto de Gerência de Tarefas Projeto de Gerência de Dados Projeto de Objetos 6. Considerações sobre Implementação e Testes Referências Bibliográficas 1. S. Ambler, Análise e Projeto Orientados a Objetos Volume2, IBPI Press, G. Booch, Object-Oriented Analysis and Design with Applications, 2nd edition, Benjamin/Cummings Publishing Company, Inc, G. Booch, J. Rumbaugh, I. Jacobson, UML Guia do Usuário, Editora Campus, M. Fowler, K. Scott, UML Distilled: Applying the Standard Object Modeling Language, Addison- Wesley Object Technology Series, J.D. Furlan, Modelagem de Objetos Através da UML, Makron Books, I. Jacobson, Object-Oriented Software Engineering, Addison-Wesley, I. Jacobson, G. Booch, J. Rumbaugh, The Unified Software Development Process, Addison-Wesley Object Technology Series, P. Kruchten, The Rational Unified Process: An Introduction, Object Technology Series, Addison- Wesley, C. Larman, Utilizando UML e Padrões: Uma introdução à análise e ao projeto orientados a objetos, Bookman, R. Magela, Produzindo Software Orientado a Objetos: Projeto, Fuzion Engenharia de Software LTDA, B. Meyer, Object-Oriented Software Construction, 2nd Edition, Prentice Hall, R.S. Pressman, Software Engineering: A Practitioner s Approach, 4th Edition, Mc Graw Hill, J. Rumbaugh, et alli, Modelagem e Projetos Baseados em Objetos, Editora Campus, E. Yourdon, Object-Oriented Systems Design: an Integrated Approach, Yourdon Press Computing Series, Prentice Hall, 1994.

20 Persistência de Dados 1. Introdução Conceitos Básicos Conceitos Avançados 2. Bancos de Dados Relacionais e a Linguagem SQL Bancos de Dados Relacionais Linguagem SQL Introdução 3. Acesso a Bancos de Dados Relacionais usando JDBC Driver Tipos de Drivers Driver específico carregado sem Gerenciador de Drivers (DriverManager) Carregando Driver dinamicamente e registrando com Gerenciador de Drivers (DriverManager) Conexão Instruções SQL (Statements) Retorno do Comando SQL e a classe ResultSet Execução de Statements Navegação pelo ResultSet Tipos Java e Tipos SQL Extração de atributos de uma linha do ResultSet Contagem de objetos Exemplo Instruções Preparadas (Prepared Statements) Procedimentos Armazenados (Stored Procedures) Processamento em Lote Meta-Dados 4. Java Enterprise Classes de Persistência Envoltórias de JDBC Classes de Persistência, Primeira versão Geração de Identificadores Únicos de Objetos (IDO) para Objetos Persistentes JNDI Java Naming and Directory Interface Servidor JNDI Pool de Conexões Referências Bibliográficas 1. E. F. Codd, A Relational Model of Data for Large Shared Data Banks, Communications of the ACM, Vol. 13, No. 6, June 1970, pp D. Flanagan, J. Farley, W. Crawford, K. Magnusson, Java Enterprise in a Nutshell, O'Reilly, Jon Ellis & Linda Ho, JDBC 3.0 Specification Final Rel., Sun Microsystems, Inc., R. Monson-Haefel, Enterprise JavaBeans -3rd Edition, O'Reilly, G. Reese, Database Programming With JDBC and Java 2nd Ed, O Reilly, G. Reese, Programação para banco de dados JDBC e Java 2nd Ed, O Reilly, Berkeley, Todd M. Thomas, Hungry Minds - Java Data Access - JDBC, JNDI, and JAXP, E. Gamma, R. Helm, R. Johnson, J. Vlissides, Design Patterns,, Addison-Wesley, Tutorial JDBC. [ ]

21 Programação Orientada a Eventos 1. Modelo de eventos GUI Objetivos O que é um evento? Modelo de eventos do Java 2 SDK Comportamento das GUIs Adaptadores de Eventos Manipuladores de eventos utilizando classes interiores Manipuladores de eventos utilizando classes anônimas 2. Construção de GUI Java Objetivos Swing Construindo interfaces gráficas do usuário Frames Painéis Layout de containers Gerentes de Layout Criando painéis e layouts complexos Desenhando em Swing Construindo interfaces gráficas com o usuário com uso de IDEs 3. Introdução aos Applets Java Objetivos O que é um applet? Escrevendo um applet Métodos e o ciclo de vida de um applet Apresentação de applet Características adicionais dos applets Mouse input 4. Threads Objetivos Controle básico das Threads Outras maneiras de criar Threads Uso do synchronized em Java Interação de Thread wait e notify 5. Reflection e Java Beans Objetivos Obtenção Dinâmica de Informações sobre Classes Beans e Programação Visual Introspecção Beans e Pacotes Referências bibliográficas: 1. HORSTMANN, Cay S., CORNELL, Gary. Core Java 2 Volume 1 --Fundamentals. 5st ed. California, EUA: Sun Microsystems Press, JENKINS, Michael S. Abstract Data Types in Java. Vol. I. New York, EUA: McGraw-Hill Companies, Inc., 1997.

22 3. ECKEL, Bruce. Thinking in Java. 4th ed. Prentice-Hall, [ Disponível em: ] 4. LEMAY, Laura, CADENHEAD, Rogers. Aprenda em 21 Dias Java 2 - Professional Reference. Tradução: João E. N. Tortello. Rio de Janeiro, Brasil: Editora Campus Ltda., GOSLING, Jay, e Steele. The Java Language Specification. 3rd ed. Addison-Wesley [ Disponível em: ]

23 JSP, Servlets e XML 1. Networking Objetivos Conceitos Servidor TCP/IP Cliente TCP/IP 2. Sockets Objetivos Comunicação Através de Socket URLs 3. HTML Linguagens de Marcação Comandos Básicos Uso em Java 4. Servlets Estrutura Básica Servlets e Multi-threading Sessões Exemplos 5. JSP Objetos Implícitos Diretivas JSP Scripting em JSP Sessões Cookies 6. XML Objetivos Noções de JSP Diretivas XML e Java Referências bibliográficas 1. Rossbach, P., Schreiber, H. Java Server and Servlets: building portable Web applications. Addison- Wesley, February 2000, ISBN: Hunter, J., and Crawford, W., Java Servlet Programming, 2nd Edition, O'Reilly, Hunter, J., and Crawford, W., Java Servlet: Programação, Ciência Moderna, McLaughlin, B., Java & XML, 2nd Edition, Solutions to Real-World Problems, O'Reilly, 2001

24 Objetos Distribuídos 1 Características de Sistemas Distribuídos Vantagens dos sistemas distribuídos sobre os centralizados Desafios dos sistemas distribuídos 2. Aspectos de um sistema distribuído Transparência Interoperabilidade e Portabilidade Flexibilidade Confiabilidade Desempenho (performance) Escalabilidade 3. Objetos distribuídos em uma perspectiva CORBA Conhecendo a arquitetura CORBA Conhecendo a linguagem de definição de interfaces (IDL) Definição de Objetos CORBA Acessando Objetos CORBA (Definição de Clientes CORBA) Acessando Objetos CORBA (Definição de Clientes CORBA) Exposição Pública de Objetos CORBA (por arquivos, http e pelo serviços de nomes) Invocação Dinâmica (DII) 4. Objetos distribuídos em uma perspectiva Java Remote Method Invocation (RMI) Definição de Objetos Remotos Acessando Objetos Remotos (Definição de Clientes) Exposição Pública de Objetos Remotos (RMI Registry) Classes Dinamicamente Carregadas Ativação de Objetos Remotos RMI e Chamadas Nativas RMI sobre IIOP 5. Referências bibliográficas 1. BROSE, Gerald, VOGEL, Andreas, DUDDY, Keith. JAVA Programming with CORBA: Advanced Techniques for Building Distributed Applications. 3rd ed. New York, EUA : John Wiley & Sons, Inc Java RMI Tutorial,

25 Interfaces 1. Introdução 2. Conceitos de interfaces em Java 3. Estudo de casos: Struts 4. JavaServer Faces (JSF) 5. XMLC e Applets 6. Interfaces Gráficas 7. Conclusão Referências bibliográficas: David Geary & Cay S. Horstmann. Core Java Server Faces. Sun Microsystems Press, David H. Young. Enhydra XMLC Java Presentation Development. Sams, K. C. Hopson, Stephen E. Ingram. Developing Professional Java Applets. Sams James Holmes. Struts: The Complete Reference, 2nd Ed. McGraw-Hill, 2006 HORSTMANN, Cay S., CORNELL, Gary. Core Java 2 Volume 1 --Fundamentals. 5st ed. California, EUA: Sun Microsystems Press, 2002.

BOOCH, G. Object Oriented Design with Applications. EUA: The Benjamin Cummings Publishing Company, 1991.

BOOCH, G. Object Oriented Design with Applications. EUA: The Benjamin Cummings Publishing Company, 1991. TECNOLOGIA DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS E FERRAMENTAS UML I (20 horas) Ementa: Conceitos e Terminologia de Orientação a Objetos. Modelagem e processo de desenvolvimento de software. Diagramas de Casos de Uso.

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Prof Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Ementa Levar o aluno a discutir, exercitar e consolidar o uso de técnicas de programação que tenham um impacto considerável sobre

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba PLANO DE ENSINO CURSO Engenharia Eletrônica MATRIZ FUNDAMENTAÇÃO LEGAL (Resolução do COEPP que aprovou a matriz curricular

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO 1 FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA UNIDADE SOBRADINHO Edital numero 005/2014 _ ETEC para o Processo de Seleção de alunos para a Fábrica de Software. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2012-2 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento Unidade de Sobradinho FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2011

Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2011 Plano de Ensino de Disciplina Ciência da Computação 2011 Disciplina: LP4 LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO IV Área de Conhecimento Tecnologia da Computação Código: LP4 Série: 5 0 período Carga Horária Semanal:

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Uso de Design Patterns e J2EE: um estudo de caso

Uso de Design Patterns e J2EE: um estudo de caso Uso de Design Patterns e J2EE: um estudo de caso Rogério Sorroche (FURB) rs@furb.br Maurício Capobianco Lopes (FURB) mclopes@furb.br Resumo. Este trabalho apresenta um estudo de caso sobre o desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009.

EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. INSTITUTO FEDERAL GOIÁS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº. 027, DE 14 DE AGOSTO DE 2009. A

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA. Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento.

FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA. Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento. FACULDADE PROJEÇÃO ESCOLA DE TECNOLOGIA Edital para o Processo de Seleção de alunos para o Laboratório de Práticas de Desenvolvimento. FACULDADE PROJEÇÃO O Diretor da Escola de Tecnologia, Professor Luiz

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES CORPORATIVAS COM JAVA ENTERPRISE EDITION 5

MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES CORPORATIVAS COM JAVA ENTERPRISE EDITION 5 MODELO DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES CORPORATIVAS COM JAVA ENTERPRISE EDITION 5 Gilbert AZEVEDO da Silva (1); Fellipe Araújo ALEIXO (2); Rosemary Pessoa BORGES (3); Wanderson CÂMARA dos Santos (4);

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Probabilidade e Estatística/MAT066 Fundamentos de análise combinatória. Conceito de probabilidade e seus teoremas fundamentais. Variáveis aleatórias. Distribuições de probabilidade. Conceito e objetivos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS Nome da Disciplina: Introdução à Banco de Dados teoria e projeto Carga horária: 50 Docente responsável: Plínio de Sá Leitão Júnior (INF/UFG)

Leia mais

Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software

Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software Laboratório de Programação Web I e Estimativa, Teste e Inspeção de Software Apresentação da Disciplina Marcos Camada marcos.camada@catu.ifbaiano.edu.br Objetivo Geral Conhecimento no desenvolvimento aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Aplicações

Leia mais

FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS

FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS FEMA Tópicos avançados em programação Prof: Domingos OBJETIVOS / COMPETÊNCIAS 1 - Desenvolver aplicativos para Desktop usando Swing, gerenciamento de Layouts, componentes swing, conectar a um banco de

Leia mais

Web Technologies. Tópicos da apresentação

Web Technologies. Tópicos da apresentação Web Technologies Tecnologias de Middleware 2004/2005 Hugo Simões hsimoes@di.fc.ul.pt 1 A Web Tópicos da apresentação Tecnologias Web para suporte a clientes remotos (Applets,CGI,Servlets) Servidores Aplicacionais

Leia mais

Formação em JAVA. Subtítulo

Formação em JAVA. Subtítulo Formação em JAVA Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em Tecnologia

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: Sistemas de Informação PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Programação

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções:

De uma forma ampla, o profissional egresso deverá ser capaz de desempenhar as seguintes funções: PLANO DE ENSINO 1. Identificação Curso: Tecnologia em Desenvolvimento de Software Disciplina: Linguagem de Programação Orientada a Objetos Professor: Msc. Tiago Eugenio de Melo CPF: Regime de Trabalho:

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://professor.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Prof. Fernando 1 Ementa Instalação e configuração básica do NetBeans e

Leia mais

Programação para Internet

Programação para Internet flavio@facom.ufu.br 1 Objetivos Fornecer uma visão geral do funcionamento de sistemas na Web e os protocolos envolvidos Introduzir o paradigma da programação para a Internet Conceituar as arquiteturas

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Programação em JAVA. Subtítulo

Programação em JAVA. Subtítulo Programação em JAVA Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em

Leia mais

Introdução ao kit J2EE SDK (Sun)

Introdução ao kit J2EE SDK (Sun) Introdução ao kit J2EE SDK (Sun) J2EE (C. Geyer) Introdução ao J2EESDK 1 Autoria Autores C. Geyer Local Instituto de 1a versão: 2002 cursos: J2EE (C. Geyer) Introdução ao J2EESDK 2 Súmula Súmula objetivos

Leia mais

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java

Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br. Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java RedFoot J Dukes Uma Visão Geral Sobre Plataforma Java Marco Aurélio malbarbo@din.uem.br 1 Roteiro Objetivos Plataforma Java Linguagem de Programação Maquina Virtual Tecnologias Conclusão 2 Objetivos Geral

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Padrões do Catálogo J2EE. Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com)

Padrões do Catálogo J2EE. Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com) Padrões do Catálogo J2EE Lincoln Souza Rocha, M.Sc. (lincolnrocha@gmail.com) Livros Deepak Alur, John Crupi e Dan Malks. Core J2EE Patters: Best Practices and Design Strategies, Second Edition (2003).

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA

FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular FORMULÁRIO PARA CRIAÇÃO DE DISCIPLINA 1. Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA EDITAL DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÕES EM COMPUTAÇÃO MACK COMPUTING CERTIFICATION MCC 2º SEMESTRE DE 2014 O Diretor da Faculdade de Computação e Informática (FCI), no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade

O Presidente do Conselho Superior de Acadêmico (CONSEA) da Fundação Universidade Resolução nº 200/CONSEA, de 19 de fevereiro de 2009. Altera normas para o oferecimento de cursos de pós-graduação Stricto Sensu e lato sensu, pelos Departamentos da Fundação Universidade Federal de Rondônia

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO TÉCNICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java

Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Linguagem de Programação Introdução a Linguagem Java Rafael Silva Guimarães Instituto Federal do Espírito Santo Campus Cachoeiro de Itapemirim Definição A linguagem Java foi desenvolvida pela Sun Microsystems,

Leia mais

Fundação Universidade Estadual de Maringá

Fundação Universidade Estadual de Maringá Fundação Universidade Estadual de Maringá PAD/DIRETORIA DE MATERIAL E PATRIMÔNIO AVISO DE LICITAÇÃO EDITAL 485/2007 CONCORRÊNCIA PÚBLICA - PROC.: N 15344/2007 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE UMA EMPRESA ESPECIALIZADA

Leia mais

Argo Navis J931 - Padrões de Design J2EE. Introdução. Objetivos de aprender padrões J2EE. Conhecer padrões para uso na plataforma J2EE

Argo Navis J931 - Padrões de Design J2EE. Introdução. Objetivos de aprender padrões J2EE. Conhecer padrões para uso na plataforma J2EE Padrões de Projeto J2EE J931 Introdução Helder da Rocha (helder@acm.org) argonavis.com.br Objetivos de aprender padrões J2EE Conhecer padrões para uso na plataforma J2EE Padrões permitem maior reuso, menos

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Dados em Java. Introdução

Dados em Java. Introdução Interface Gráfica e Banco de Dados em Java Introdução Java and all Java-based marks are trademarks or registered trademarks of Sun Microsystems, Inc. in the U.S. and other countries. Licença para uso e

Leia mais

Gestão de Projectos de Software - 1

Gestão de Projectos de Software - 1 Gestão de Projectos de Software Licenciaturas de EI / IG 2012/2013-4º semestre msantos@ispgaya.pt http://paginas.ispgaya.pt/~msantos Gestão de Projectos de Software - 1 Objectivos da Disciplina de Gestão

Leia mais

Aula Inicial. c Professores de ALPRO I 08/2010. Faculdade de Informática PUCRS. ALPRO I (FACIN) Aula Inicial 08/2010 1 / 23

Aula Inicial. c Professores de ALPRO I 08/2010. Faculdade de Informática PUCRS. ALPRO I (FACIN) Aula Inicial 08/2010 1 / 23 Aula Inicial c Professores de ALPRO I Faculdade de Informática PUCRS 08/2010 ALPRO I (FACIN) Aula Inicial 08/2010 1 / 23 Nota Este material não pode ser reproduzido ou utilizado de forma parcial sem a

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Programação em Java. Subtítulo

Programação em Java. Subtítulo Programação em Java Subtítulo Sobre a APTECH A APTECH é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras em

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

(UFF) JDBC (I) TEPIS II

(UFF) JDBC (I) TEPIS II Aula 20: JDBC (I) Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) JDBC (I) TEPIS II 1 / 33 JDBC: Introdução Especificação que provê acesso

Leia mais

J2EE. J2EE - Surgimento

J2EE. J2EE - Surgimento J2EE Java 2 Enterprise Edition Objetivo: Definir uma plataforma padrão para aplicações distribuídas Simplificar o desenvolvimento de um modelo de aplicações baseadas em componentes J2EE - Surgimento Início:

Leia mais

Mini-curso Gratuito. Globalcode - The Developers Company Slide 1

Mini-curso Gratuito. Globalcode - The Developers Company Slide 1 Mini-curso Gratuito Globalcode - The Developers Company Slide 1 Globalcode - The Developers Company Slide 2 Agenda Parte teórica 1. Introdução 2. Vantagens da tecnologia Java 3. Máquinas Virtuais 4. Áreas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA UNIFEI PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Física da UNIFEI (PGF) FAZ SABER que no período 05 de

Leia mais

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS

JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS COLÉGIO ESTADUAL ULYSSES GUIMARÃES CURSO TÉCNICO PROFISSIONALIZANTE EM INFORMÁTICA ERINALDO SANCHES NASCIMENTO JAVA ENTERPRISE EDITION: PERSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS FOZ DO IGUAÇU 2013 SUMÁRIO 1. PERSISTÊNCIA

Leia mais

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson

Padrões de Projeto. Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Padrões de Projeto Prof. Jefersson Alex dos Santos (jefersson@dcc.ufmg.br) http://www.dcc.ufmg.br/~jefersson Apresentação Conceitos Definição Ponto de vista prático História Padrões de Projeto Conhecidos

Leia mais

ÁBACO TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO LTDA.

ÁBACO TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO LTDA. 2011 ÁBACO TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO LTDA. CNPJ 37.432.689/0001-33 Inscrição Estadual: 13.137.931-3 Rua Barão de Melgaço, 3726, Centro Norte CEP 78005-300 Fone: (65) 3617-0777 / FAX: (65) 3623-0646 CUIABÁ/MT

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes

Framework. Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Framework Marcos Paulo de Souza Brito João Paulo Raittes Sobre o seu surgimento A primeira versão do spring foi escrita por Rod Johnson em 2002, quando ele estava Lancando o seu livro Expert One-on-One

Leia mais

EAD-750 Tópicos Especiais de Métodos Quantitativos e Informática. Roteiro para Trabalho de Pesquisa

EAD-750 Tópicos Especiais de Métodos Quantitativos e Informática. Roteiro para Trabalho de Pesquisa EAD-750 Tópicos Especiais de Métodos Quantitativos e Informática Roteiro para Trabalho de Pesquisa Prof. Antonio Geraldo da Rocha Vidal vidal@usp.br O trabalho de pesquisa de EAD-750 deve ser elaborado

Leia mais

Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais

Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais Uma abordagem de código único para aplicações independentes de provedor de bases de dados relacionais Willian Eduardo de Moura Casante 1 1 Fundação CPqD Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600

Struts 2 : Projeto e Programação Editora: Ciência Moderna Autor: Antunes Budi Kurniawan Número de páginas: 600 Objetivo Com enfoque totalmente prático permite que programadores Java possam ampliar seus conhecimentos no mundo Web na criação de sistemas profissionais. Utilizar os modelos de programação com Servlets,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis Jesseildo F. Gonçalves 07/10/2010 Jesseildo F. Gonçalves () 07/10/2010 1 / 50 1 Introdução ao J2ME História Arquitetura do J2ME MIDLets 2 RMS:

Leia mais

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva

Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Adriano Reine Bueno Rafael Barros Silva Introdução RMI Tecnologias Semelhantes Arquitetura RMI Funcionamento Serialização dos dados Criando Aplicações Distribuídas com RMI Segurança Exemplo prático Referências

Leia mais

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear

Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Programação orientada a objetos usando a linguagem C++ CDTN Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear Belo Horizonte, Setembro de 2000 1- Objetivo: Ministrar o curso de Treinamento em Programação

Leia mais

Programa de Residência C.E.S.A.R/ Datacom

Programa de Residência C.E.S.A.R/ Datacom Programa de Residência C.E.S.A.R/ Datacom Desenvolvimento de Sistemas Embarcados e Gerência de Redes Edital do Processo Seletivo 2011.2 Setembro / 2011 V01.00 CONTEÚDO CONTEÚDO... 2 1. APRESENTAÇÃO DO

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Linguagem de Orientação a Objeto Avançado Luís Carlos dos Santos

I. Dados Identificadores Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Linguagem de Orientação a Objeto Avançado Luís Carlos dos Santos I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina Linguagem de Orientação a Objeto Avançado Professor Luís Carlos dos Santos Período Noturno Módulo Técnicas

Leia mais

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Aula 15 (Revisão prova B2): Conteúdo programático Teórica Conteúdo da Aula 12 até a

Leia mais

Java 2 Enterprise Edition

Java 2 Enterprise Edition Java 2 Enterprise Edition Pablo Vieira Florentino 8/11/2006 Contexto Linguagem Java A linguagem Java é Orientada a Objetos Influenciada diretamente por C++ e Eiffel, a linguagem segue a grande tendência

Leia mais