A Nova Lei Florestal: Desafios para sua implantação efetiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Nova Lei Florestal: Desafios para sua implantação efetiva"

Transcrição

1 Seminário Nacional: Diálogos para Implantação da Nova Lei Florestal A Nova Lei Florestal: Desafios para sua implantação efetiva Antonina, setembro 2014 Roberto Resende

2

3 Objetivos: monitorar a implementação da nova Lei Florestal (Lei Federal /12) acompanhar o desempenho dos instrumentos: CAR e PRA. Mitigar os aspectos negativos do novo Código e evitar novos retrocessos.

4 Princípios constituintes do Observatório: 1. Transparência das informações: todas as informações coletadas serão sistematizadas e disponibilizadas ao público em geral, sem restrições. 2. Liberdade de atuação: as organizações integrantes do observatório terão total liberdade de posicionamento e atuação, em nome próprio, com garantia de que suas posições serão externadas nos espaços de ação do Observatório. 3. Objetividade nos posicionamentos: o Observatório será um espaço de coleta, sistematização e disponibilização da informação, mas não deverá assumir posições políticas, muito embora possa e deva convocar discussões para discutir os dados produzidos e fazer análises estratégicas. Ele deve ser um espaço para abrigar organizações com perfis diversos, com espaço para manifestações plurais. 4. Articulação e consulta aos atores locais: em todas as avaliações deverão ser consultados atores relevantes locais e será garantida nos meios de divulgação dos trabalhos e avaliações do Observatório a integridade das opiniões divergentes, seja de governos, de atores sociais, seja dos setores privados consultados.

5 Membros Fundadores Membros Colaboradores

6

7 O OCF é espaço de coleta, sistematização e disponibilização da informação. Opiniões desta apresentação, salvo se devidamente indicadas, são do expositor, não do OCF.

8 INOVACAR Iniciativa da Conservação Internacional do Brasil, em parceria com o OCF, para: gerar transparência, promover o controle e a participação social e contribuir para a aprendizagem durante o processo de implantação do CAR, em particular na Amazônia

9

10 A Iniciativa Verde Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), com sede em São Paulo, SP, criada em Sua pontos centrais de atuação são: - recuperação de áreas degradadas da Mata Atlântica; - compensação das emissões de gases de efeito estufa (GEE) decorrentes da atividade humana. Principais ações: Inventário de emissões de GEE; Compensação de emissões; Recuperação florestal cerca de 600 ha; Desenvolvimento de práticas sustentáveis.

11 Objetivo: promoção da adequação ambiental de imóveis rurais em assentamentos e comunidades no estado de São Paulo, em sentido amplo e de forma participativa.

12 Recomposição de APPs e implantação de SAFs Saneamento com tecnologias sociais Educação ambiental; Formação e Intercâmbio Adequação formal CAR/PRA

13 Realização Patrocínio

14

15 A Nova Lei Florestal Alguns pontos positivos: Atualização parcial de conceitos; Regras de transição para situações consolidadas; CAR/PRA Instrumentos econômicos (art. 41); Tratamento diferenciado para a agricultura familiar Exemplo de retrocessos: Recuo em conceitos de APP (topo de morro...) Sinalização de anistia Desvirtuamento do conceito de pequena agricultura Manutenção de insegurança jurídica (regras em aberto) Implementação incompleta e atrasada (federal e estadual)

16 Novo Código Florestal Definição também nas versões de 1934 e 1965 Art. 2 o As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação nativa, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se os direitos de propriedade com as limitações que a legislação em geral e especialmente esta Lei estabelecem.

17 APP topo de morro

18 APP topo de morro Topo de morro - sela topográfica

19 Regras de transição da Lei Florestal Para quem não seguiu exatamente o Código Florestal como era, permitindo então a adaptação de situações existentes. A principal novidade desta lei então é o conceito de áreas rurais consolidadas, que são: Área de imóvel rural com ocupação antrópica preexistente a 22/07/2008, com edificações, benfeitorias ou atividades agrossilvipastoris, admitido o regime de pousio.

20 Por que esta data? Decreto de 22 de julho de 2008, que regulamenta a Lei de Crimes Ambientais. Multa para a não averbação de Reserva Legal, prevista para 11 de junho de

21 Áreas rurais consolidadas: Escadinha Faixa por Módulos Fiscais Área Imóvel (ha) MF: 12 ha Até 1 Até 16 1 a 2 Até 32 2 a 4 Até 64 4 a 10 Até 128 Maior que 10 Maior que 128 Agricultura Familiar x Imóveis até 4 Módulos Fiscais

22 Áreas rurais consolidadas: Escadinha - APPs Faixa por Módulos Fiscais Largura curso d água Faixa a restaurar (m) Até 1 Todos 5 1 a 2 Todos 8 2 a 4 Todos 15 4 a 10 Até 10 m 20 4 a 10 Maior que 10 m Maior que 10 Todos Metade da largura (de 30 a 100 m) Metade da largura (de 30 a 100 m)

23 APP a restaurar 10 m córrego 15 m nascente APP uso consolidado 10 a 20 m córrego 15 a 30 m nascente

24 Restauro < 5 metros?

25 Tamanho e tipo de imóveis O tratamento para a Lei será diferenciado para os imóveis em função do tamanho, considerando a quantidade de Módulos Fiscais e se ele pertence à Agricultura Familiar. A nova Lei Florestal considera para a maioria de seus efeitos todos os imóveis com menos de quatro Módulos Fiscais, mesmo que tenham outros usos, como equivalentes à Agricultura Familiar.

26 Tamanho e tipo de imóveis Módulo Fiscal unidade de medida fundiária, depende do tipo de exploração predominante no município e a renda obtida; indicação de área mínima para que a propriedade rural seja economicamente viável Em Antonina 16,00 ha

27 Agricultura Familiar Definição Lei /2006: Considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades no meio rural, atendendo, simultaneamente, aos seguintes requisitos: I - não detenha, a qualquer título, área maior do que quatro módulos fiscais; II - utilize predominantemente mão de obra da própria família nas atividades econômicas do seu estabelecimento ou empreendimento; III - tenha renda familiar predominantemente originada de atividades econômicas vinculadas ao próprio estabelecimento ou empreendimento; IV - dirija seu estabelecimento ou empreendimento com sua família. (e também silvicultores, aquicultores, extrativistas e pescadores).

28 Agricultura Familiar Dispensa de autorização de intervenção e a supressão de vegetação em APP e RL para as atividades de baixo impacto ambiental, apenas uma declaração simples ao órgão ambiental se estiver inscrito no CAR. Procedimento simplificado para o registro no CAR Para completar a área de reserva legal podem ser contados os plantios de árvores frutíferas, ornamentais ou industriais (espécies exóticas) com nativas, em sistemas agroflorestais. O poder público estadual deve prestar apoio técnico e jurídico para a recomposição e registro da Reserva Legal. Dispensa de autorização para exploração florestal de madeira sem propósito comercial direto ou indireto de até dois metros cúbicos por hectare ou 15 metros cúbicos por imóvel por ano. Licenciamento simplificado para exploração florestal com propósito comercial direto ou indireto Atendimento prioritário nos programa de apoio técnico e incentivo financeiro para iniciativas de adequação

29 Instrumentos da Lei Florestal CAR: Cadastro Ambiental Rural PRA: Programa de Regularização Ambiental Instrumentos econômicos

30 Executivo SMA SP Dados obtidos através da Lei de Acesso à Informação Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento Não Convênio com organizações para realização do cadastramento - Com Prefeituras Número de técnicos dedicados à inserção de dados no sistema Um por Prefeitura Observatório do Código - Iniciativa Verde 23/05/14

31 Executivo SMA SP Precisa de assistência técnica (técnico com ART/facilitador capacitado) para elaboração do CAR - Não Número de técnicos dedicados à validação dos dados inseridos no CAR - Nenhum Critérios de priorização para validação - Não Observatório do Código - Iniciativa Verde 23/05/14

32 Executivo SMA SP Data e escala da imagem usada pelo sistema do CAR /11; 1: (resolução de 1,0 m) Cobertura total do território estadual para 2008 Sim... Sistema acusa sobreposição com UC/TI/Quilombos Não Módulo específico para cadastramento - Não Observatório do Código - Iniciativa Verde 23/05/14

33 Executivo SMA SP Integração com SICAR Não Quantos os imóveis inscritos? Total: ha, ha < 4 MF: imóveis, ha Quantos cadastros foram validados Nenhum (agosto/2014) Observatório do Código - Iniciativa Verde 23/05/14

34 Executivo SMA SP Estratégia para localização da RL - Não Definição de bacias críticas - Não Envolvimento do sistema estadual de ATER 40 técnicos da CATI capacitados Programa que apoie financeiramente, tecnicamente, com material ou que dê algum incentivo econômico à restauração florestal - FEHIDRO Observatório do Código - Iniciativa Verde 23/05/14

35 Carta do Observatório aos candidatos Quatro questões para o plano de governo: 1. A disponibilização pública dos dados inseridos no SICAR; 2. O apoio técnico e financeiro aos Estados para a efetiva implementação do SICAR (ou sistema similar do estado), priorizando a verificação dos dados e o monitoramento; 3. A criação de politicas públicas de incentivos conforme o artigo 41 da Lei. 4. Ampla política de recuperação da vegetação nativa, favorecendo a estruturação de cadeias de restauração, bem como a regulamentação dos mecanismos de compensação com foco na implantação do Código, na celeridade e na transparência dos sistemas eletrônicos.

36 Carta do Observatório aos candidatos Quatro questões para o plano de governo: 1. A disponibilização pública dos dados inseridos no SICAR; 2. O apoio técnico e financeiro aos Estados para a efetiva implementação do SICAR (ou sistema similar do estado), priorizando a verificação dos dados e o monitoramento; 3. A criação de politicas públicas de incentivos conforme o artigo 41 da Lei. 4. Ampla política de recuperação da vegetação nativa, favorecendo a estruturação de cadeias de restauração, bem como a regulamentação dos mecanismos de compensação com foco na implantação do Código, na celeridade e na transparência dos sistemas eletrônicos.

37 Carta do Observatório aos candidatos Sete demandas: 1. De forma imediata, promover a ampla disponibilização pública dos dados inseridos no SICAR (Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural); 2. Até maio de 2016, como determina a norma, promover o registro de 100 % (cem por cento) das propriedades e posses rurais no SICAR, inclusive por meio da utilização dos dados de certificação de georreferenciamento de imóveis do INCRA; 3. Regulamentar as Cotas de Reserva Ambiental (CRA) o mais urgentemente possível, com consulta pública e a devida transparência; 4. Desde o início do novo mandato presidencial, implementar ampla política de recuperação da vegetação nativa brasileira, favorecendo a estruturação de cadeias de restauração em cada região; 5. Implementar programa de compensação florestal inteligente, buscando otimizar os ganhos ambientais com a implementação do Código Florestal, contemplando a proteção de Áreas Prioritárias para a Conservação; 6. Logo no início do novo mandato presidencial, regulamentar os incentivos previstos pelo artigo 41 do Código Florestal; 7. Viabilizar a validação de todos os registros do CAR e celebrar os Termos de Compromisso nos casos em que houver necessidade de regularização..

38 Instrumentos da Lei Florestal CAR: Cadastro Ambiental Rural PRA: Programa de Regularização Ambiental Instrumentos econômicos

39 CAR: Cadastro Ambiental Rural Dois anos para adesão Art Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente - SINIMA, registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento. Permite acesso às inovações da Lei, como a regularização do uso consolidado de APPs, compensações e uso de Reserva Legal, desobriga a averbação no Cartório de Imóveis, etc; Obrigatório para conseguir licenças e autorizações; Daqui a cinco anos condição para conseguir crédito rural.

40 PRA: Programa de Regularização Ambiental Deve ser instituído pelo órgão estadual de meio ambiente para permitir a adequação das posses e propriedades rurais à legislação Adesão deve ser feita pelos agricultores em até dois anos; Inclui assinatura do termo de compromisso; Suspende punições pelo não atendimento do Código Florestal; Prazo de até 20 anos para recompor a Reserva Legal.

41 Instrumentos da Lei Florestal O CAR é como a declaração do Imposto de Renda. O PRA é pagamento do Imposto ou a Restituição.

42 Aplicação do CAR Disponibilização pública dos dados inseridos no SICAR; Importância da transparência Exemplo: Uso de dados de certificação de georreferenciamento de imóveis do INCRA; Possíveis parcerias e arranjos nos estados, envolvendo órgãos fundiários e de ATER

43 Aplicação do CAR

44 Estados com sistemas próprios Acre Bahia https://www.sistema.seia.ba.gov.br/ Espírito Santo Mato Grosso do Sul show=6583 Mato Grosso Minas Gerais Pará Rondônia São Paulo Tocantins

45 Módulo de cadastro SISCAR

46 Módulo de cadastro SISCAR

47 Módulo de cadastro SISCAR SP

48 Módulo de cadastro SISCAR SP

49 Módulo de cadastro SISCAR SP

50 Região de Antonina, PR

51 Vale do Ribeira SP

52 Aplicação do CAR O apoio técnico e financeiro aos Estados para a efetiva implementação do SICAR (ou sistema similar do estado), notadamente em relação à verificação dos dados nele inseridos, bem como para o eficiente monitoramento do cumprimento da nova Lei Florestal; CAR além de exigência cartorial: Mesmo que não tenha finalidade fundiária é importante esta interlocução

53 Aplicação do CAR Cronômetro do CAR

54 Aplicação do PRA Critérios para Recuperação Compensação Manejo Regulamentos estaduais

55 Instrumentos econômicos Politicas públicas de incentivos para aqueles proprietários que cumprem o Código Florestal ou queiram cumprir e não possuem condições objetivas para tanto, como prevê o artigo 41 da Lei /2012, como o Pagamento por Serviços Ambientais, além do estabelecimento de uma política diferenciada de crédito e incentivos fiscais, comerciais e o seguro agrícola, entre outras;

56 Instrumentos econômicos Art 41 da Lei Florestal Pagamento ou incentivo a serviços ambientais Compensação pelas medidas de conservação ambiental Incentivos para as ações de recuperação, conservação e uso sustentável da vegetação nativa

57 Instrumentos econômicos Serviços Ambientais: São os benefícios gerados pela proteção e conservação dos recursos naturais. Estes podem ser a água limpa, o ar puro, a biodiversidade, solos saudáveis ou uma paisagem bonita. Outro exemplo é fixação dos gases que provocam o efeito estufa ajuda, colaborando na regulação do clima. Também são serviços ambientais a valorização cultural e do conhecimento tradicional ecossistêmico

58 PSA Pagamentos por Serviços Ambientais Compensação. em dinheiro ou serviços, às pessoas que protegem ou recuperam os recursos naturais Conceito ainda em construção Predominância de projetos piloto Diversas concepções e formatos

59 Serviços Ambientais Água, Clima Biodiversidade Paisagem Dentro da propriedade Fora da propriedade Pagamentos?

60 Alguns pontos sobre Pagamentos por Serviços Ambientais - PSA Quem paga? Quem recebe? O que pagar?

61 PSA Princípio central Aqueles que proveem o serviço devem ser recompensados por isto (detentores de remanescentes florestais) Aqueles que são beneficiados pelo serviço devem pagar por ele (sociedades local, regional e global)

62 Pagamento por Serviços Ambientais i Identificar Servicos Ambientais, Compradores e Vendedores Criacão de legislação adequada e contexto normativo Desenvolver regras de mercado Estabelecer Organizações de apoio e serviços Lançamento de Mercado e Compensaçã o de Serviços Ambientais - 0 Adaptado de apresentação de Carina Bracer, Grupo Katoomba

63 PSA Experiências internacionais: Nova Iorque Costa Rica No Brasil Produtores de Águas (ANA) Fundágua ES Bolsa Verde MG (FHIDRO) Prefeitura de Extrema MG outros

64 Quem paga? Voluntário? responsabilidade social sim, mercado, nem tanto... Obrigatório Impostos, cobrança da água, compensações, etc

65 O que pagar? Quantidade de serviços x Critérios sócioeconômicos

66 O que pagar? Situações a evitar... Gigolô de mato x Degradador premiado Boas práticas: (reflorestamento, manejo florestal, SAF, agroecologia...)

67 O PSA financiando a conversão...

68 Nova Iorque Além de $, equipamentos, serviços GEF (Colômbia, Costa Rica, Nicarágua) Sistemas Silvopastoris

69 Um exemplo de financiamento de conversão pelo PSA LOS SISTEMAS SILVOPASTORILES PARA LA TRANSICION DE UNA GANADERIA EXTENSIVA HACIA UNA ECOLOGICA, Colombia, Nicaragua e Costa Rica PNSA y PMSA PNBD y PMBD PNAD y PMAD DEGRADADO BANCO FORRAJERO FRUTAL Adaptado de Muhammad Ibrahim CATIE CERCA VIVA PODADA CV PERMANENTE BOSQUE de GUADUA

70 Um exemplo de financiamento de conversão pelo PSA LOS SISTEMAS SILVOPASTORILES PARA LA TRANSICION DE UNA GANADERIA EXTENSIVA HACIA UNA ECOLOGICA, Colombia, Nicaragua e Costa Rica Valor dos Produtos Serviços Ecológicos Situação Ganha-Ganha Sistema tradicional Sistema Silvo Pastoril Conservação Adaptado de Muhammad Ibrahim CATIE

71 PL Federal sobre PSA Projeto de Lei nº , Dep. Anselmo de Jesus, com 10 outros apensados Comissões Agricultura, Meio Ambiente Comissão de Finanças e Tributação : Parecer do relator, Dep. Arnaldo Jardim (abril 2014): Assistencialista x compensatória Exclusividade x Prioridade agricultores familiares e tradicionais Baseado em contratos Combinado com ATER, educação ambiental e estímulos tributários e creditícios Prioridade na conservação de remanescentes Veda a inclusão de APP em projetos de PSA...

72 PL Federal sobre PSA PL , Dep. Anselmo de Jesus, com 10 outros apensados Comissões Agricultura, Meio Ambiente Comissão de Finanças e Tributação : Parecer do relator, Dep. Arnaldo Jardim (abril 2014): Assistencialista x compensatória Criação de Fundo de PSA: partilha do petróleo, dedução do imposto de renda, outros Exclusividade x Prioridade agricultores familiares e tradicionais Baseado em contratos Combinado com ATER, educação ambiental e estímulos tributários e creditícios Prioridade na conservação de remanescentes Limita a inclusão de APP em projetos de PSA...

73 Crédito Principais exemplos: Plano ABC Pronaf

74 PROGRAMA ABC Após a COP 15 Copenhague; Visa o fomento à adoção de boas práticas agrícolas para reduzir as emissões de gases do efeito estufa da agricultura, Um dos principais instrumentos da Política Nacional de Mudanças Climáticas Recursos cerca de R$ 5 bilhões anuais: Fundo Amazônia (R$ 1,3 bilhão em doações internacionais), Verba do petróleo alocada no Fundo Clima (R$ 500 milhões) Programa ABC (R$ 3,4 bilhões) (Observatório do Programa ABC, 2013)

75 PROGRAMA ABC Comissão de Finanças e Tributação 03/04/2014 Parecer do relator, Dep. Arnaldo Jardim: veda a inclusão de APP em projetos de PSA ABC Ambiental: < 0,1 % (para recuperação APPs, não faz parte do Plano ABC)

76 PRONAF Plano Safra da Agricultura Familiar tem linhas de financiamento diferenciadas para agricultores familiares: Pronaf Floresta - Implantação de projetos de sistemas agroflorestais, exploração extrativista ecologicamente sustentável, plano de manejo e manejo florestal. Pronaf Agroecologia - Investimento para implantação dos sistemas de produção agroecológicos e/ou orgânicos. Pronaf ECO Sustentabilidade Ambiental - Conservação, correção, recuperação de solos; Dendê; Seringueira; Silvicultura Total destas linhas agroambientais: R$ 26,1 mi, 0,22% volume total (2009/2010) (ISA, Financiamento Agroambiental no Brasil, 2013)

77 Instrumentos econômicos Outros: Compras públicas PAA; PNAE - pagamento diferenciado para orgânicos Outros incentivos e compensações Projetos voluntários

78 Instrumentos econômicos Outros: Projetos voluntários Carbon Free A compensação de emissões de GEE feita por pessoa, empresa, evento ou produto, por meio de recuperação florestal de Mata Atlântica, conforme protocolo e monitoramento.

79 Lei /2013 O governo deve fomentar e incentivar ações que promovam a recuperação florestal e a implantação de sistemas agroflorestais em áreas rurais desapropriadas pelo Poder Público e em áreas degradadas em posse de agricultores familiares assentados, de quilombolas e de indígenas buscar alternativas econômicas

80 Lei Mudanças Climáticas São Paulo A legislação do Estado de São Paulo sobre Mudanças Climáticas (Lei /2009 e o Decreto /2010) já define que os Projetos de Pagamento por Serviços Ambientais podem incluir ações de conservação e recuperação de florestas, reflorestamentos, sistemas agroflorestais e silvopastoris (dependendo do regulamento).

81 Instrumentos econômicos Combinar as diferentes políticas. São Paulo: Recursos Hídricos Mudanças Climáticas Meio Ambiente Questões: Custos do projeto, Monitoramento, Burocracia, Orçamento

82 Legislação PSA e Mudanças Climáticas Paraná Lei , de 25/04/2012, Política Estadual de Mudança do Clima (regulamento: Decreto de 04/10/2013) Lei , de 26/12/2012, diretrizes para o desenvolvimento de agricultura com baixa emissão de carbono no Paraná. Lei , de 25/04/2012, institui o Pagamento por Serviços Ambientais

83

84 Uma política de recuperação da vegetação nativa Favorecer a estruturação de cadeias regionais de restauração Regulamentação dos mecanismos de compensação Celeridade e na transparência dos sistemas eletrônicos.

85 Para uma política de recuperação da vegetação nativa Regulamentos federais e estaduais IN, Leis e Decretos estaduais Estrutura dos órgãos estaduais de Meio Ambiente (com agricultura e fundiário): física, pessoal e procedimentos Integração CAR/PRA com licenciamento Simplificação de procedimentos para regularização, inclusive recuperação florestal São Paulo a Resolução SMA 32/2014 prevê o SARE, ainda não operante

86 Regras de transição para as Reservas Legais Compensação de RLs Mesmo Bioma (não mais só na mesma bacia): As compensações de áreas de Mata Atlântica devem ser feitas na Mata Atlântica

87 Regras de transição para as Reservas Legais: formas de Compensação: Servidão Ambiental. É um contrato entre duas partes, de forma temporária ou definitiva, na qual são transferidos direitos (no caso a proteção da Reserva excedente de um imóvel vai suprir a de outro), com pagamento ou não; Compra ou aluguel das áreas de Reserva Legal excedente de outros imóveis, do mesmo dono; Doação ao poder público de área no interior de UC de domínio público pendente de regularização fundiária; Cota de Reserva Ambiental (CRA): é um tipo de ação, um documento que será vendido em Bolsa de Valores, ainda falta regulamento.

88 Regras de transição Reservas Legais Critérios para Compensação: Diferentes bacias - limites considerando diferentes escaldas das funções da RL Diferentes Estados Documentação necessária: Averbação na matrícula de todos os imóveis envolvidos para CRA, Servidão Ambiental Outras

89 Regras de transição Reservas Legais Diferentes bacias - limites considerando diferentes escaldas das funções da RL Valorização de ativos e/ou Recuperação florestal?

90 São Paulo vegetação nativa Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

91 UGRHs São Paulo vegetação nativa

92 Paraná, Indicadores de sustentabilidade ambiental (IPARDES, 2010)

93 Paraná, Indicadores de sustentabilidade ambiental (IPARDES, 2010)

94 Paraná, Indicadores de sustentabilidade ambiental (IPARDES, 2010)

95 Paraná, Indicadores de sustentabilidade ambiental (IPARDES, 2010)

96 Paraná: remanescentes de Mata Atlântica SOS Mata Atlântica, 2013

97 Regulamentos estaduais para o PRA Principais exemplos: PL 219 São Paulo PL 360 Paraná

98 São Paulo PL Autoria: deputados partidos base do governo Março 2014 Tramitação: Comissões (CCJ, CAE) Insuficiente, redundante e retrocede em alguns pontos: Os critérios para definir o percentual de RL excluem o Cerrado; A falta de previsão de instrumentos econômicos Art. 41

99 São Paulo PL Não tem critérios para orientar a recuperação florestal Não traz interface com outras leis: Lei de Reserva Legal /2008 Lei das Mudanças Climáticas /2009: (PSA, Programa de Remanescentes Florestais) Problemas de redação e conceituais

100 Uso da terra em São Paulo Dados LUPA SAA Situação Vegetação nativa UPAs (nº) Veg (ha) Area agropecuaria (ha) Menor 4 MF Com Menor 4 MF Sem Maior 4 MF Com Maior 4 MF Sem Total Com Total Sem

101 Paraná: Projeto de Lei Autoria: Poder Executivo Tramitação: Comissões (CCJ, 19/09/2014, Finanças) Na justificativa: Impactos da lei: Desmatamento x IDH

102 Paraná: Projeto de Lei Repete diversos pontos da Lei /12 Detalha critérios para compensação em Ucs Adequação com Leis já existentes (PSA, Exclui as RLs do Cerrado e Campos Não detalha critérios para: compensação de RL conservação de solo e agua adequados em áreas de uso consolidado

103 O Cerrado é floresta? Tese, da CNA na ADIN n o 3346 (que não teve decisão judicial favorável): RL se aplica só a áreas de floresta antes de 1989, deixando sem qualquer proteção todas as demais biomas: o Cerrado, do Pantanal, da Caatinga e dos Campos Sulinos. Presente nos PLs 219 (SP) e 360 (PR)

104 O Cerrado é floresta? Para efeito da lei, sim Exposição de motivos do Decreto /34 (primeiro Código Florestal): No significado vulgar, floresta é toda a vegetação alta e densa, cobrindo uma área de grande extensão. Evidentemente, porém, não é só essa forma de vegetação que necessita ser protegida, apesar do nome dado ao Código. O anteprojeto resolveu a dificuldade estatuindo (...) que, para os efeitos do Código, são equiparados às florestas todas as formas de vegetação que sejam de utilidade às terras que revestem, o que abrange até mesmo as plantas forrageiras nativas que cobrem os nossos vastos campos naturais, próprios para a criação de gado Não por outra razão o referido Decreto /34 estabeleceu explicitamente, em seu art.2 o que applicam-se os dispositivos deste código assim ás florestas como ás demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade ás terras que revestem.

105 O Cerrado é floresta? Para efeito da lei, sim Importante consolidar este entendimento, para viabilizar a recuperação dos poucos remanescentes do Cerrado e outros biomas

106 Outras questões Conceito de imóvel: Matrícula, CPF/CNPJ..., Estabelecimento (IBGE), LUPA CATI (SAA SP), Imóvel (INCRA Estatuto da Terra): Coerência normativa

107 Outras questões Definições específicas: Multas, Prazos e condições Regulamentação e aplicação da Lei Florestal articulada com a Lei da Mata Atlântica

108 Concluindo Recomendações Integração com a ATER Ampliar acesso aos agricultores com temáticas complementares: planejamento do uso da terra questão fundiária licenciamento e fiscalização crédito Observar particularidades

109 Concluindo Abordagem integrada e transversal: Regulamentação legal e infra-legal; Estrutura e organização institucional; Instrumentos econômicos; Educação Ambiental; Assistência Técnica e Extensão Rural - ATER; Instrumentos econômicos Questão ambiental como oportunidade, não restrição

110 Concluindo Para a nova lei pegar : Transparência Estrutura Instrumentos econômicos

111 Contato (11)

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP

Sra. CRISTINA MARIA DO AMARAL AZEVEDO Coordenadora de Biodiversidade e Recursos Naturais da SMA/SP São Paulo, 08 de abril de 2015 Sra. PATRÍCIA FAGA IGLECIAS LEMOS Secretária de Meio Ambiente do Estado de São Paulo SMA/SP Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente de São Paulo Consema Sra. CRISTINA

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12

Iniciativa Verde. Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Iniciativa Verde Pontos para aplicação do novo Código Florestal, Lei 12.651/12 Roberto Ulisses Resende São Paulo, março de 2013 Introdução Esta é a primeira versão do documento elaborado pela Iniciativa

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE. meio ambiente PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Deputado Arnaldo Jardim. Foz do Iguaçu - PR 2013

FÓRUM MUNDIAL DE. meio ambiente PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Deputado Arnaldo Jardim. Foz do Iguaçu - PR 2013 FÓRUM MUNDIAL DE meio ambiente PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Foz do Iguaçu - PR 2013 SERVIÇOS AMBIENTAIS Regulação do clima global SERVIÇOS AMBIENTAIS Conservação do solo SERVIÇOS

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal

Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Recuperação e Recomposição de Mata Ciliar e Reserva Legal Novo Código Florestal (Lei 12651) Eng Agrônomo Ricardo Moraes Witzel, Msc Concepção de Propriedade Sustentável A discussão do novo código florestal

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS. 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento:

TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS. 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento: TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento: MG: não tem convênios assinados, nem política oficial de parceria. Fez apresentações e capacitações

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças O QUE ÉCAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional

Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil. 09.05.2012 Congresso Nacional Pagamento por Serviços Ambientais no Brasil 09.05.2012 Congresso Nacional PSA Mercado atual: ausente ou incompleto SA = Externalidade positiva + SA = Bens públicos Mercado falho! Provedores de SA não recebem

Leia mais

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: 1/6 DECRETO Nº 60.521, DE 05 DE JUNHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivos à Recuperação de Matas Ciliares e à Recomposição de Vegetação nas Bacias Formadoras de Mananciais de Água, institui a unidade

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi

PSA 2009. I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais. JORGE KHOURY Deputado Federal. 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi PSA 2009 I Seminário Paulista sobre pagamento por serviços ambientais JORGE KHOURY Deputado Federal 3 de novembro de 2009 Auditório Augusto Ruschi 1 PSA 2009 PROJETO DE LEI NACIONAL SOBRE SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial:

Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: 1. ETAPA CADASTRANTE Dados do Cadastrante: Nome: CPF: Data de Nascimento: / / Nome da mãe: Meios de contato: E-mail: Telefone residencial: Endereço do Cadastrante: Logradouro Número: Complemento: Bairro:

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR

CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR CHECK LIST DE PRÉ CADASTRO AMBIENTAL RURAL PRÉ CAR 1. MÓDULO DE IDENTIFICAÇÃO DO IMÓVEL Nome do Imóvel: Município: Imóvel em Zona: [ ] Rural [ ] Expansão Urbana [ ] Urbana Referência de acesso: Endereço

Leia mais

O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012

O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012 Escola Superior do Ministério Público do Estado de Goiás Semana do Meio Ambiente O projeto de Código Florestal goiano em face da lei 12.651/2012 José Antônio Tietzmann e Silva PUC Goiás Rede Gaia Consultoria

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são e como criá-las! Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental (CRAs)? O que são Cotas de Reserva Ambiental?

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL RESUMO PARA POLÍTICA PÚBLICA NOVO CÓDIGO FLORESTAL PARTE I: DECIFRANDO O NOVO CÓDIGO FLORESTAL QUESTÕES-CHAVE DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL O novo Código Florestal dispõe sobre o uso e a proteção da vegetação

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo

Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo Paulo Guilherme Cabral Secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Ministério do Meio Ambiente Brasil CAR Cadastro

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011

III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 Lições do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares e perspectivas para a conservação da biodiversidade no Plano Pluri Anual 2012/2015 III EPBIO 15 e 16 de dezembro de 2011 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL. O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como cria-las e como negocia-las! 3 Olá! Você já ouviu falar das Cotas de Reserva Ambiental

Leia mais

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende.

Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz - São Paulo, SP). Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende. João Guimarães Rosa Política Estadual de Mudanças Climáticas e o Pagamento

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Código Florestal contexto.problemas.propostas

Código Florestal contexto.problemas.propostas Código Florestal contexto.problemas.propostas tasso.azevedo@gmail.com 1. Contexto 2. Problemas 3. Propostas 1 Regulamentação sobre florestas Constituição Federal (1988) Código Florestal (1965) Lei de Crimes

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais Proposição de Reforma Estruturante do Sistema Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR 2015

Cadastro Ambiental Rural CAR 2015 Cadastro Ambiental Rural CAR 2015 CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR Decreto nº 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal nº 12.651/2012 Decreto nº 7.830/2012 Lei Estadual n.º 20.922/2013 Decreto nº 8.235/2014

Leia mais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Estado Atual e perspectivas Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Contribuições para políticas públicas Seminário Nacional Diálogos sobre

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais