Observatório Regional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Observatório Regional"

Transcrição

1 Bandeirantes Observatório Regional Jacarezinho Cenário Socioeconômico das Unidades do IFPR Londrina Ano II vol. 3 nº 3 mar/abr 2014 Jaguariaíva Colombo Pinhais Curitiba Irati Lapa União da Vitória Paranaguá

2 Cenário Socioeconômico das Unidades do IFPR Boletim Informativo ano 02/2014/VOL.03/Nº03 Câmpus Jaguariaíva Revista Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das Unidades do IFPR. - v.3, n.3, (mar-abr 2014). - Curitiba: Instituto Federal do Paraná/ Pró-Reitoria. Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Inovação (PROEPI), Bimestral ISSN X (versão online) ISSN (versão impressa) 1. Indicadores Socioeconômicos - Periódicos. 2. Município de Jaguariaíva 3. Instituto Federal do Paraná CDD 339 Pesquisa e Elaboração Gilmar Jose Hellmann CRAPR Gestão Ezequiel Burkarter (Docente) Revisão Walter Rodrigues B. Santos Editoração Gráfica Pedro Paulo Boaventura Grein Bibliotecária Evandra Campos Castro Bibliotecária CRB -9/1299 Contatos: Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Inovação (PROEPI) Av. Victor Ferreira do Amaral, 306, Tarumã Curitiba PR. Fone: (41)

3 Equipe da PROEPI Ezequiel Burkarter - Pró-Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação (PROEPI) Gislaine Prestes de Medeiros Orçamentista Seção Administrativa e Financeira Célia Carli Chefe de Seção (Administradora) Michele Pereira de Faria Administradora Gilmar José Hellmann Administrador/Plataforma Stela Experta Patricia dos Santos Philipps- Recepcionista Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão DIEXT André Carvalho Baida Diretor (Técnico em Assuntos Educacionais) Roberta Rafaela Sotero Costa Coordenadora de Extensão (Docente) Josiane Maria Poleski Coordenadora de Políticas de Inclusão (Assistente em Administração) Eduardo Fofonca Técnico em Assuntos Educacionais Mônica Luiza Simião Pinto-Técnica em Assuntos Educacionais Soraya Colares Leão de Carvalho -Técnica em Assuntos Educacionais Diretoria de Pesquisa DIPE Ana Lúcia Skorupa Muritiba Coordenadora de Programas de Pesquisa (Técnica em Assuntos Educacionais) Daniel Bussolaro Coordenador de Políticas de Pesquisa (Docente) Débora Ribeiro dos Santos Auxiliar de Nutrição e Dietética Giovana Trevisani Assistente em Administração Diretoria de Empreendedorismo Inovador DEMPI Ariel Scheffer da Silva Diretor (Docente) Rodrigo Navarro Coordenador de Empregabilidade (Docente) Michele Patrícia Müller Mansur Vieira Coordenadora de Inovação (Docente) Larissa Lopes Mellinger Técnica em Assuntos Educacionais Carmen Lúcia Santos Assistente em Administração Amanda Macedo Pires Orçamentista Diretoria de Projetos Especiais Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC Célia Regina Alves de Araujo Sandrini Diretora e Coordenadora Geral (Docente) Jociane França - Coordenadora Adjunta (Assistente em Administração) Luiz Fernando da Rocha Coordenador Adjunto (Assistente em Administração) Localização Instituto Federal do Paraná (IFPR) Av. Victor Ferreira do Amaral, Tarumã, Curitiba - PR CEP Brasil Telefone:

4 Ministério da Educação (MEC) Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Reitoria Reitor - Irineu Mario Colombo Chefe do Gabinete do Reitor - Joelson Juk Pró-Reitor de Ensino - Prof. Ezequiel Westphal Pró-Reitor de Extensão, Pesquisa e Inovação - Ezequiel Burkarter Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional - Valdinei Henrique da Costa Pró-Reitor de Administração - Gilmar José Ferreira dos Santos Pró-Reitor de Gestão de Pessoas - Neide Alves Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação - Fernando César Kloss Diretor de Educação a Distância - Fernando Roberto Amorim de Souza Diretores Gerais de Câmpus Câmpus Assis Chateaubriand - Prof. Anderson Sanita Câmpus Campo Largo - Prof. João Claudio Bittencourt Madureira Câmpus Capanema -Rodrigo Hinojosa Valdez Câmpus Cascavel - Prof. Luiz Carlos Eckstein Câmpus Colombo - Profª. Edilomar Leonart Câmpus Curitiba - Prof. Luiz Gonzaga Alves de Araújo Câmpus Foz do Iguaçu - Prof. Roseli Bernadete Dahlem Câmpus Irati - Prof. Francis Luiz Baranoski Câmpus Ivaiporã - Prof. Onivaldo Flores Junior Câmpus Jacarezinho - Prof. Gustavo Villani Serra Câmpus Jaguariaíva Câmpus Londrina - Prof. Amir Limana Câmpus Palmas - Prof. Marcos José de Barros Câmpus Paranaguá - Prof. Roberto Teixeira Alves Câmpus Paranavaí - Prof. José Barbosa Dias Junior Câmpus Pinhais - Prof. Marcelo Camilo Pedra Câmpus Pitanga - Prof. Narciso Américo Franzin Câmpus Telêmaco Borba - Karina Mello Bonilaure Câmpus Umuarama - Prof. Odacir Antonio Zanatta Câmpus União da Vitória - Profª. Patrícia Bortolini Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

5 Sumário Introdução Índices Gerais do IFPR 09 2 Índices e Indicadores da Microregião Político-Geográfica de Jaguariaíva Índices Geopolíticos Indicador Geográfico Indicador de Relevo Indicador do Valor Adicionado Fiscal (VAF) Indicador Ocupacional Índices Socioeconômicos Indicadores do Perfil Populacional Indicadores Socioeconômicos Índices Educacionais Índice de Educação Formal das Pessoas Empregadas Indicadores de Atividade Educacional no Ensino Médio Indicadores de Atividade Educacional no Ensino Superior Indicadores socioambientais 26 3 Índices e Indicadores do Município de Jaguariaíva Índices Gerais Índices Econômicos Indicadores do Valor Adicionado Bruto (VAB) Indicador do Valor Adicionado Fiscal (VAF) Indicadores de Estabelecimentos e Empregos segundo as atividades econômicas municipais Considerações Finais 31 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

6 Lista de Figuras Figura 1 - Localização das Unidades do IFPR no Estado do Paraná Figura 2 - Localização da Microrregião de Jaguariaíva Figura 3 - Cobertura Vegetal Primária da Microrregião Lista de Gráficos Gráfico 1 - Principais produções primárias por hectare na MRG Jaguariaíva.. 14 Gráfico 2 - Produtos temporários por área ocupada e participação econômica na MRG de Jaguariaíva Gráfico 3 - Participação do VAF na Microrregião de Jaguariaíva por Município e Setor Econômico em Gráfico 4 - Variação do VAF da Microrregião de Jaguariaíva por Setor Econômico entre 2008 e Gráfico 5 - Distribuição da Ocupação por Atividade Econômica na Microrregião de Jaguariaíva em Gráfico 6 - Pirâmide Populacional da Microrregião de Jaguariaíva Gráfico 7 - Taxa Geométrica de Crescimento da População da Microrregião de Jaguariaíva Gráfico 8 - Perfil das Pessoas Empregadas e Nível Educacional na Microrregião de Jaguariaíva Gráfico 9 - Cursos Ativos e Potencial de Vagas no Ensino Superior por modalidades na Microrregião Jaguariaíva em Gráfico 10 - Variação do VAB de Jaguariaíva por Setor Econômico entre 2008 e Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

7 Lista de Quadros Quadro 1- Indicadores Geossocioeconômicos das Unidades do IFPR Quadro 2 - Municípios Limítrofes à Jaguariaíva 11 Quadro 3 - VAF da Microrregião de Jaguariaíva por Município e Setor Econômico em Quadro 4 - Área produtiva na MRG de Jaguariaíva Quadro 5 - Atividade primária: produtos temporários por área e participação econômica Quadro 6 - Produção da Pecuária e de Aves na MRG de Jaguariaíva 15 Quadro 7 - Variação do VAF na Microrregião de Jaguariaíva entre 2008 e Quadro 8 - Distribuição da Ocupação por Atividade Econômica na Microrregião de Jaguariaíva em Quadro 9 - Perfil Populacional da Microrregião de Jaguariaíva Quadro 10 - Indicadores Socioeconômicos da Microrregião de Jaguariaíva.. 21 Quadro 11 - População e de Matrículas no Ensino Médio na Microrregião de Jaguariaíva Quadro 12 - Cursos Técnicos de Ensino Médio em escolas públicas do Paraná 23 Quadro 13 - Situação dos Cursos de Ensino Superior por Município na Microrregião de Jaguariaíva Quadro 14 - Perfil dos Cursos Superiores na Microrregião de Jaguariaíva Quadro 15 - Indicadores Gerais do Câmpus Jaguariaíva em relação ao IFPR e ao Estado do Paraná Quadro 16 - Variação do VAB do Município de Jaguariaíva entre 2008 e Quadro 17 - Variação do VAF de Jaguariaíva por Setor Econômico entre 2008 e Quadro 18 - VAF de Jaguariaíva por Secção Econômica em 2008 e Quadro 19 - VAF de Jaguariaíva por subsecção econômica de 2008 a Quadro 20 - Estabelecimentos e Empregos Formais de Jaguariaíva em Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

8 Introdução 08 Nesta terceira edição do Observatório Regional do Instituto Federal do Paraná (IFPR), o estudo concentra-se no Câmpus Jaguariaíva. O informativo segue a mesma metodologia anteriormente proposta: primeiro apresentam-se dados gerais do IFPR, com destaque para a Taxa Geométrica de Crescimento (TGC) e o consumo de energia elétrica (HELLMANN, 2013) 1 ; em âmbito regional detalhou-se a espacialidade e a atividade primária, possibilitando melhor identidade produtiva local; e para a sede do câmpus, acrescentou-se um comparativo das secções e subsecções entre os períodos de 2008 e Com esta edição já teremos uma visão aproximada de três macrorregiões do Estado do Paraná. Salienta-se que a introdução e a conclusão das edições anteriores trazem importantes pressupostos teóricos referentes ao observatório regional. Essas informações e os objetivos do Observatório Regional podem ser acessados no site do IFPR: edu.br/documentos-institucionais/observatorio-regional/. O informativo tem se mostrado importante ferramenta de gestão para os novos diretores que necessitam assumir a unidade descentralizada ou câmpus e não possuem conhecimento da região nem tempo para reunir as informações necessárias para tomadas de decisão. Por isso, as demais edições do Boletim Informativo continuarão priorizando os novos câmpus. Espera-se a contribuição da comunidade interna nas críticas e sugestões para a melhoria deste informativo. A intenção do trabalho é colaborar com a organização desta autarquia federal e sua inserção no desenvolvimento regional sustentável. Espera-se que esta unidade da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, para além dos índices macros, ocupe-se com os microdados visando diminuir os hiatos da desigualdade entre as microrregiões do Estado do Paraná. 1 O Índice de Energia Elétrica (IEE) é um importante índice na Bovespa para avaliar o crescimento do país no setor energético; além disso, o índice de consumo também é um dos indicadores utilizados pela ONU para mensurar a qualidade de vida de uma nação. In: HELLMANN, 2013.p.4, p.46. Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

9 1 Índices Gerais do IFPR Figura 1 - Localização das Unidades do IFPR no Estado do Paraná 09 Fonte: Assessoria de Comunicação do IFPR Na Figura 1 (um) visualiza-se a distribuição atual da presença do IFPR no Estado do Paraná. Os quatorze (14) câmpus já instalados, somados às novas unidades e aos câmpus avançados permitirão a presença mais homogênea da Rede Federal de Ensino Técnico e a ampliação da cobertura educacional pública federal nas principais regiões deste Estado. Para a formação do Quadro1 (um) foram selecionados alguns indicadores geossocioeconômicos que contrastam as peculiaridades do IFPR: área (geográfico), TCG (social), consumo de energia por setores entre 2008 e Índices e Indicadores da Microregião Político-Geográfica de Jaguariaíva 2.1.Índices Geopolíticos Indicador Geográfico Conforme Figura 2 (dois), a sede do Câmpus Jaguariaíva pertence à Mesorregião Centro Oriental Paranaense, divisa com a Mesorregião do Norte Pioneiro, situado na região Sul do Brasil; também faz divisa com a microrregião de Itapeva, no Estado de São Paulo. Tem como municípios Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

10 10 Quadro 1- Indicadores Geossocioeconômicos das Unidades do IFPR PANORAMA DA DEMANDA POR ENERGIA ELÉTRICA NA CIDADE DOS CAMPUS DO IFPR ENTRE 2008 e 2012 Indústria Livre TOTAL Residencial Industrial Comercial Rural Outros Taxa Crescimento Geométrico Câmpus Área Consumo Consumo Consumidores Consumo Consumidores Consumo Consumidores Consumo Consumidores Consumo Consumidores Consumo Consumidores TCG Total TCG Urbana TCG Rural Indicador Área km² Ano * ** * ** * *** * *** * *** * *** * *** * *** * *** * *** * *** * *** *** Paraná ,48 1,36 0,89 14% 100,00% 15% 100,00% 22% 25% 15% 79% 10% 29% 36% 2% 27% 19% 11% 8% 26% 8% 11% 9% 16% 8% 16% 1% 11% Assis Chateaubriand 966-4,36 0,70-0,09 23% 0,30% 11% 0,30% 24% 27% 12% 77% 13% 19% 2% 2% 30% 23% 14% 9% 26% 19% -2% 10% 17% 11% 14% 1% 0% Pinhais 61 0,00 1,51 1,28 31% 1,00% 17% 1,00% 30% 25% 17% 88% 26% 51% 16% 1% 51% 14% 4% 6% 26% 2% 38% 4% 39% 8% 5% 1% 0% Colombo 198 1,56 1,51 1,51 7% 0,20% 12% 0,20% 26% 16% 18% 58% -9% 42% 33% 1% 18% 11% 3% 7% 25% 24% 5% 32% 9% 6% 2% 2% 0% Capanema 419-1,89 1,82 0,16 26% 2,60% 19% 2,90% 23% 29% 20% 84% 25% 27% 45% 3% 25% 26% 16% 9% 25% 6% 9% 3% 23% 11% 28% 1% 1% Ivaiporã 435-3,70 0,58-0,14 29% 1,30% 21% 1,80% 31% 38% 22% 90% 29% 37% 16% 2% 39% 16% 19% 5% 7% 2% 5% 3% 10% 7% 11% 0% 0% Curitiba 435 0,00 0,99 0,99 12% 17,40% 11% 17,90% 13% 34% 12% 87% -17% 17% -5% 2% 13% 30% 6% 10% 352% 0% 45% 0% 10% 8% 24% 1% 11% Jacarezinho 603-3,35 0,37-0,13 24% 1,90% 12% 2,40% 24% 44% 11% 86% 25% 3% 74% 2% 26% 40% 8% 10% 43% 1% 44% 1% 14% 12% 25% 1% 0% Foz do Iguaçu 610 0,52-0,10-0,10 21% 0,40% 17% 0,50% 19% 26% 14% 73% 9% 33% 18% 1% 34% 15% 12% 6% 30% 11% 34% 18% 38% 15% 16% 2% 0% União da Vitória 714-0,63 0,92 0,84 20% 0,20% 8% 0,30% 21% 41% 10% 77% -11% 4% 15% 2% 30% 25% 10% 9% 14% 13% -5% 11% 16% 16% 19% 1% 0% Paranaguá 806 0,18 1,02 0,99-4% 0,30% 8% 0,40% 20% 32% 10% 85% -30% 31% -10% 1% 12% 13% -4% 7% 0% 9% -2% 6% 13% 14% 8% 1% 0% Irati 995-1,45 1,35 0,71-14% 2,20% 11% 0,30% 14% 3% 10% 80% 7% 22% 28% 2% -9% 1% 9% 7% 32% 0% 20% 9% 36% 1% 24% 2% 73% Paranavaí ,33 1,01 0,75 18% 4,90% 14% 5,20% 21% 33% 14% 85% -10% 20% 17% 3% 25% 27% 14% 10% 14% 2% 3% 2% 12% 13% 11% 1% 5% Umuarama ,10 1,24 1,05 16% 0,40% 10% 0,30% 18% 19% 12% 85% 76% 32% -3% 1% -55% 20% -1% 7% 27% 4% 0% 6% 21% 6% 0% 1% 19% Campo Largo ,58 2,00 1,93 15% 1,50% 11% 1,20% 19% 25% 11% 88% -22% 17% 10% 1% 12% 38% 11% 8% 18% 1% 4% 2% 6% 10% 4% 1% 9% Telêmeco Borba ,76 1,61 1,33 18% 0,70% 12% 0,80% 21% 30% 9% 81% 9% 32% 220% 4% 35% 19% 9% 9% 25% 8% 2% 5% 11% 11% 20% 1% 0% Jaguariaíva ,22 0,91 0,58 19% 1,20% 14% 1,00% 23% 26% 14% 90% 13% 33% 7% 3% 41% 16% 22% 7% -22% 0% -8% 0% 23% 15% 20% 1% 10% Palmas ,97 2,39 2,11 22% 0,10% 18% 0,30% 21% 31% 15% 60% 22% 8% 2% 1% 34% 22% 4% 6% 19% 29% 30% 31% 9% 10% 6% 1% 0% Londrina ,38 1,31 1,26-79% 0,50% 12% 0,60% 14% 28% 12% 90% 2% 49% 28% 2% 10% 13% 5% 6% 3% 0% 1% 1% 11% 9% 19% 1% 0% Pitanga ,68 1,16-0,94 21% 0,80% 13% 1,00% 26% 35% 11% 81% -1% 20% 118% 4% 35% 27% 13% 10% 2% 5% -11% 4% 38% 12% 14% 1% 0% Cascavel ,33 1,68 1,55 13% 0,50% 11% 0,50% 17% 21% 11% 82% 10% 57% -3% 2% 18% 13% 10% 9% 20% 2% 10% 5% 11% 8% 26% 2% 0% Campus Avançado (C.A.) Coronel Vivida - Campus Palmas 683-3,03 0,47-0,69 11% 0,16% 11% 0,24% 18% 34% 8% 76% 17% 16% 83% 5% 41% 19% 16% 8% 15% 18% 6% 9% 20% 14% 12% 2% 0 Astorga - Campus Londrina 436-3,83 0,97 0,44 13% 0,05% 13% 0,09% 28% 31% 16% 63% 87% 8% 11% 1% 38% 26% 10% 12% 38% 24% 8% 22% 9% 11% 11% 2% 0 Lapa - Campus Campo Largo ,03 1,24 0,72 12% 0,19% 12% 0,20% 23% 17% 13% 64% 61% 51% 88% 3% 21% 12% 7% 8% 11% 14% 5% 24% 15% 8% 13% 2% 0 Quedas do Iguaçu - Campus Cascave 828 2,20 0,67 1,13 8% 0,22% 8% 0,27% 17% 28% 9% 82% -53% 15% 4% 1% 104% 38% 4% 9% 76% 8% 2% 6% 15% 10% 19% 2% 0 Goioerê - Campus Umuarama 566-3,18 0,28-0,25 13% 0,37% 13% 0,39% 24% 17% 17% 63% 8% 47% 15% 1% 31% 11% 9% 5% 6% 17% 7% 29% 14% 8% 13% 1% 0 Barracão - Campus Capanema 163-2,31 1,87 0,49 13% 0,29% 13% 0,25% 24% 13% 11% 66% 15% 59% 10% 2% 24% 8% 11% 7% 73% 12% 21% 23% 11% 7% 10% 2% 0 *Variação percentual entre 2008 e 2012 ; ** Participação do Consumo no Estado do Paraná em 2012; ***Participação do Setor no Consumo Local em 2012 Fonte: IBGE, IPARDES, Google Maps; Adaptação PROPLAN/IFPR Os indicadores acima refletem as diferenças populacionais e de crescimento econômico locais, regionais e estaduais das unidades do IFPR. Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

11 limítrofes ao Norte: São José do Boa Vista (S. José do B.V.) e Wenceslau Bras (W. Bras )2 ; ao Leste/ Sudoeste: Sengés; a Noroeste: Arapoti; a Sudoeste: Piraí do Sul; e ao Sul: Doutor Ulysses (Dr. Ulysses). Jaguariaíva foi fundada em 15 de setembro de 1853, e é sede política da microrregião. Figura 2 - Localização da Microrregião de Jaguariaíva 11 Fonte: Google Maps; Adaptação PROPLAN/IFPR O Quadro 2 (dois) apresenta as distâncias e as principais vias de acesso da sede. As principais cidades regionais paranaense de influência são Ponta Grossa (120km) e Wenceslau Brás (70km); e as paulistas Itararé/SP (150km) e Ourinhos/SP (190km). Quadro 2 - Municípios Limítrofes à Jaguariaíva Município Distância Acesso Jaguariaíva* 240km BR 376,PR151 Arapoti 48km PR 092 Doutor Ulysses 65km PR 092 Piraí do Sul 54km PR151 São Jose do Boa Vista 87km PR 092 Sengés 48km PR151 (SP 258) Wenceslau Braz 67 km PR 092 * Distância da Capital DISTANCIA E VIAS DE ACESSO À JAGUARIAÍVA Fonte: Google Maps, Adptacao PROPLAN Indicador de Relevo A região se caracteriza por clima Subtropical Úmido Mesotérmico, com chuvas bem distribuídas e verões brandos; temperaturas superiores entre 23ºC e 27ºC no verão, e entre 16ºC e 12ºC no in- 2 Estes dois municípios neste estudo denominou-se de microrregião de interesse ou MRI, pois não pertencem à microrregião político-geográfico (MRP) de Jaguariaíva. Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

12 verno. A microrregião de Jaguariaíva divide-se entre o primeiro e o segundo planalto paranaense. Figura 3 - Cobertura Vegetal Primária da Microrregião 12 Fonte: FIGUEIREDO,2013 Na Figura 3 (três), a cobertura vegetal reflete o relevo da microrregião, sobressaindo os solos tipo: cambissolo, latossolo, gleissolo, argiloso e afloramento de rocha.em termos hidrográficos as principais bacias são formadas pelos rios Itararé, Cinzas e Tibagi. Por isso, a região possui atividade turística em relação a cachoeiras, parques estaduais (Cerrado e Vale do Codó), canyon e escarpas. A atividade cultural inclui a região na Rota dos Tropeiros importante rota comercial do passado; a região também foi importante entroncamento ferroviário, mas atualmente reduz-se à memória cultural. A geografia também influencia a economia, sobressaindo-se os setores florestal e madeireiro. As rodovias, PR 092 em direção a Ourinhos/SP e 151 no sentido Itararé/SP, são importantes ligações regionais entre o Paraná e o interior de São Paulo; há rodovias pedagiadas e administradas pela Rodonorte, mas também há alternativas secundárias sem concessão. 2.2 Índices Econômicos É formado por indicadores que possibilitam a visualização do contexto econômico da região. Neste caso, foram selecionados dois indicadores: o Valor Adicionado Fiscal (VAF) e a Atividade Ocupacional. As definições destes e outros indicadores foram relacionados em boletins anteriores Indicador do Valor Adicionado Fiscal (VAF) O VAF é uma das formas de verificação da dinâmica econômica de uma região, município ou Estado. O VAF é formado pelos indicadores econômicos de três setores econômicos: o VAF da agricultura, pecuária etc. (primário), o VAF da indústria (secundário) e o VAF do comércio e de serviços (terciário). Em 2012 a microrregião de Jaguariaíva participou com 1,02% do VAF Total do Estado do Para- Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

13 ná. No Quadro 3 (três) detalha-se o VAF dos municípios e a dinâmica de cada setor econômico naquele ano. Quadro 3 - VAF da Microrregião de Jaguariaíva por Município e Setor Econômico em 2012 VALOR ADICIONADO FISCAL (VAF) DA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA POR MUNICÍPIO E SETOR ECONÔMICO EM 2012 INDICADOR VAF Agropecuário (VAF A) VAF A sobre VAF T VAF Indústria (VAF I) VAF I sobre VAF T VAF Comércio/Serviços (VAF CS) VAF SC sobre VAF T VAF Total (VAF T) Paraná R$ ,00 17% R$ ,00 46% R$ ,00 36% R$ ,00 Arapoti R$ ,00 39% R$ ,00 38% R$ ,00 23% R$ ,00 Dr Ulysses R$ ,00 36% R$ ,00 14% R$ ,00 51% R$ ,00 Jaguariaíva R$ ,00 15% R$ ,00 60% R$ ,00 20% R$ ,00 Piraí do Sul R$ ,00 71% R$ ,00 15% R$ ,00 12% R$ ,00 SJose B Vista R$ ,00 75% R$ ,00 12% R$ ,00 12% R$ ,00 Sengés R$ ,00 18% R$ ,00 40% R$ ,00 42% R$ ,00 Wenceslau Braz R$ ,00 45% R$ ,00 15% R$ ,00 38% R$ ,00 MRG de Jaguariaíva R$ ,00 35% R$ ,00 38% R$ ,00 24% R$ ,00 Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR Pelo Quadro 3 (três) percebe-se que dos 7 municípios relacionados, Jaguariaíva possui o maior VAF Total da microrregião (31,4%), seguido por Arapoti (29%), Piraí do Sul (24,6%) e Sengés (14,9%); os outros três municípios participam com 11% do VAF. A média percentual de desempenho regional dos três setores econômicos aproxima-se da média estadual. Contudo, desprende-se a disparidade de atividade econômica entre os municípios relacionados se os considerarmos isoladamente por setores. Em se tratando da análise do VAF de cada setor econômico, percebe-se que o VAF Primário da região é superior aos demais setores, exceto nos municípios de Jaguariaíva e Sengés. Dada tal importância, detalha-se a situação agropecuária da microrregião de Jaguariaíva. No Quadro 4 (quatro) apresenta-se a área produtiva declarada em relação a área total de cada município. Destacam-se as diferenças de tais dados entre quatro municípios: Piraí do Sul (42%), Sengés (47%), Jaguariaíva (58%) e Dr. Ulysses (60%), conforme dados abaixo. 13 Quadro 4 - Área produtiva na MRG de Jaguariaíva Produção Primária Área Municipal x Área Produtiva Município Arapoti Dr Ulysses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista Sengés W. Bras MRG de Jaguariaíva Área Municipal Total por Hectare Área Produtiva Declarada por Hectare % 60% 58% 42% 73% 47% 81% 62% Atividade Percentual de Área Ocupada da Atividade por Município e MRG Ocupação da Área por Atividade Primária Arapoti Dr Ulisses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista Sengés W. Bras MRG de Jaguariaíva Lavoura temporária 35,7% 38,2% 39,0% 60,4% 31,5% 22,5% 38,6% 34,9% Pecuária e criação de outros animais 33,5% 25,3% 28,5% 26,8% 63,4% 25,8% 56,6% 29,3% Produção florestal de florestas plantadas 27,8% 23,2% 23,0% 1,4% 1,3% 46,9% 0,7% 22,2% Produção florestal de florestas nativas 1,9% 7,8% 0,6% 3,6% 2,6% Lavoura permanente 1,0% 12,2% 0,7% 0,1% 1,7% 0,7% 2,6% 1,9% Produção de sementes e propagação vegetal 8,8% 1,1% Horticultura e floricultura 0,1% 0,8% 1,0% 2,5% 1,7% 0,5% 1,4% 0,8% Aquicultura 0,3% Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR/ Ano de referência 2012 Em relação à área declarada destacam-se o cultivo de três produtos regionais: lavoura temporária (35%), pecuária e criação de animais (30%) e produção florestal plantada (22%), conforme Gráfico 1 (um). Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

14 Gráfico 1 - Principais produções primárias por hectare na MRG Jaguariaíva Principais Ocupações Primárias por Hectare na MRG Jaguariaíva 100% 90% 80% 70% 60% 50% 27,8% 33,5% 25,3% 7,8% 12,2% 8,8% 23,2% 23,0% 28,5% 26,8% 63,4% 46,9% 56,6% 22,2% 29,3% 40% 30% 60,4% 25,8% 20% 10% 35,7% 38,2% 39,0% 31,5% 22,5% 38,6% 34,9% Aquicultura 0,3% 0% Arapoti Dr Ulisses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista Sengés W. Bras MRG de Jaguariaíva Horticultura e floricultura 0,1% 0,8% 1,0% 2,5% 1,7% 0,5% 1,4% 0,8% Produção de sementes e propagação vegetal 8,8% 1,1% Lavoura permanente 1,0% 12,2% 0,7% 0,1% 1,7% 0,7% 2,6% 1,9% Produção florestal de florestas nativas 1,9% 7,8% 0,6% 3,6% 2,6% Produção florestal de florestas plantadas 27,8% 23,2% 23,0% 1,4% 1,3% 46,9% 0,7% 22,2% Pecuária e criação de outros animais 33,5% 25,3% 28,5% 26,8% 63,4% 25,8% 56,6% 29,3% Lavoura temporária 35,7% 38,2% 39,0% 60,4% 31,5% 22,5% 38,6% 34,9% 14 Os produtos principais têm percentuais desiguais entre os municípios. Destacam-se ainda a produção de sementes, lavoura permanente e a produção florestal nativa. Em relação à produção temporária, o Quadro 5 (cinco) detalha os principais produtos sazonais da região e a participação deles na atividade econômica primária. Quadro 5 - Atividade primária: produtos temporários por área e participação econômica PRODUTOS TEMPORÁRIOS POR ÁREA E PARTICIPAÇÃO ECONÔMICA Produtos Soja Área/hec/L ,1% Em R$ 1.000, % Milho ,1% % Feijão ,5% % Trigo ,8% % Subtotal 95,4% Subtotal 91% Aveia ,5% % Tomate 798 0,2% % Mandioca 876 0,2% % Caqui 55 0,0% % Laranja 190 0,1% % Tangerina ,7% % Café 454 0,1% % Total Área em Hec R$ ,00 Subtotal Leite** Litros R$ ,00 10% TOTAL R$ ,00 100% Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR,Ano de referência 2012 Quatro produtos temporários ocupam acima de 95% da área total declarada e são responsáveis por mais de 90% do resultado econômico da produção temporária. Desta forma é possível Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

15 perceber a concentração produtiva e econômica dos produtos temporários. Incluiu-se ainda a produção de leite; além de possuir a quarta maior participação econômica, relaciona-se com a 2ª maior área ocupada da região (Gráfico 1). Apesar de não ser significativa, há produção e participação econômica de hortifrúti na região. No Gráfico 2 (dois) pode-se visualizar mais satisfatoriamente a relação área ocupada e participação econômica dos produtos temporários. Gráfico 2 - Produtos temporários por área ocupada e participação econômica na MRG de Jaguariaíva 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% Produtos Temporários por área ocupada e participação econômica na MRG de Jaguariaíva 44,2% 21,7% 14,3% 10,8% 10,0% 2,3% 1,8% 0,8% 0,4% 0,3% 0,3% 0,2% 37,1% 21,1% 22,5% 14,8% 0,0% 0,2% 0,7% 1,5% 0,2% 0,0% 0,1% 0,1% Soja Milho Feijão Trigo Leite Tomate Tangerina Aveia Mandioca Caqui Café Laranja Área/hec/L Participação Econômica Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR,Ano de referência 2012 A produção da soja é a atividade mais rentável; consequentemente vem tomando espaço de outras culturas tradicionais como milho, feijão e trigo. Se considerados os dados do Gráfico 1, a soja ocuparia 86% da área das lavouras temporárias ou 35% da área produtiva declarada no Quadro 4. No Paraná, o produto é facilmente escoável via férrea, rodoviária e portuária. Entretanto, a preponderância de tal cultura não é um fenômeno local, mas internacional 3. No Quadro 6 (seis) é possível visualizar a atividade pecuária e a produção de aves e suínos na região. Essas atividades possuem participações diferentes em cada município. 15 Quadro 6 - Produção da Pecuária e de Aves na MRG de Jaguariaíva Produção em Pecuária e Aves na MRG de Jaguariaíva PRODUÇÃO PECUÁRIA E AVES* Arapoti Dr Ulisses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista Sengés W.Brás MRG Jaguariaíva Galináceos 6% 1% 3% 83% 4% 0% 3% 100% Codornas 0% 0% 87% 0% 0% 0% 0% 0% 872 Rebanho de suínos 51% 3% 11% 34% 1% 1% 1% 55,7% Rebanho de bovinos 26% 4% 16% 15% 13% 15% 12% 32,6% Rebanho de vacas ordenhadas 31% 9% 5% 15% 13% 12% 15% 4,8% Rebanho de ovinos 18% 6% 24% 31% 4% 8% 9% 2,3% Rebanho de equinos 22% 15% 9% 23% 3% 17% 10% 1,9% Rebanho de ovinos tosquiados 18% 5% 26% 36% 4% 4% 7% 1,3% Rebanho de bubalinos 4% 9% 33% 11% 4% 35% 4% 0,5% Rebanho de caprinos 18% 6% 18% 8% 8% 25% 17% 0,4% Rebanho de muares 12% 18% 16% 3% 14% 19% 18% 0,4% Coelhos 46% 0% 41% 0% 0% 13% 0% 0,0% 192 Rebanho de asininos 12% 24% 37% 3% 3% 7% 15% 0,0% 68 Total 39% 4% 13% 26% 6% 7% 6% 100% ** * Unidades por Cabeça; Dados de 2012; ** Soma Total exceto Galináceos e Codornas Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR, Ano de referência 2012 A geografia microrregional, como se pode apreender na Figura 1, exerce influencia no setor primário; basta ver a relação entre cobertura florestal e a atividade pecuária. O setor primário é responsável por 27,4% dos empregos formais, considerando-se que é um setor com grande grau 3. A cultura da soja tem importância na agricultura mundial de devido a grande diversidade do uso da oleaginosa e ao aumento da demanda global por alimento. A área plantada cresceu 33% entre 2002 e Neste ano a produção do Paraná foi a 2ª maior do Brasil com 18,5% de participação no cenário nacional. In: MOREIRA, Marcelo G. Soja: Análise da Conjuntura Agropecuária. Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Departamento de Economia Rural. Outubro de Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

16 de informalidade 4. No caso da atividade florestal (primária), esta também influencia a atividade industrial (secundária) especialmente nos municípios de Sengés, Piraí do Sul, Arapoti e Jaguariaíva. Na microrregião em estudo, cinco atividades industriais 5 respondem por 93% dos empregos formais do setor, destacando-se os percentuais nos segmentos: 45% no madeireiro; 22% no papel; 10% no químico e no têxtil, respectivamente; e 6% no mecânico. No Gráfico 3 (três) é possível visualizar a participação setorial por município: Gráfico 3 - Participação do VAF na Microrregião de Jaguariaíva por Município e Setor Econômico em 2012 PARTICIPAÇÃO DO VAF NA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA POR MUNICÍPIO E SETOR ECONÔMICO EM % 75% 60% 46% 36% 39% 38% 36% 51% 40% 42% 45% 38% 35% 38% 17% 23% 14% 15% 20% 15% 12% 12% 12% 18% 15% 24% Paraná Arapoti Dr Ulysses Jaguariaíva Piraí do Sul SJose B Vista Sengés Wenceslau Braz MRG de Jaguariaíva VAF Agropecuário VAF Indústria VAF Comércio&Serviços Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR 16 No município de Jaguariaíva destacam-se a indústria madeireira, celulose e mecânica; em Arapoti a química, celulose e mecânica; em Piraí do Sul o papel, mecânica e química; em S. José do B.V. a têxtil; em Sengés a madeira, celulose, química e têxtil; e em W. Braz a têxtil. Em Dr. Ulysses a indústria não é significativa. No ano de 2012, naquilo que diz respeito ao VAF do setor de comércio e de serviços, foram destaques Dr. Ulysses (51%), Sengés (42%) e Wenceslau Braz (38%); estes acima da média do estado do Paraná. Além do setor comercial ter importante participação na maioria dos municípios, ele é responsável por 48% dos empregos formais na região; sendo 31% no segmento de serviços, destacando-se a administração pública (13%), e o de comércio com 17%, salientando-se o varejista, com 13%. Considerando-se o período de 2008, início das atividades do IFPR e da consolidação da RFEPT 6, até o ano referência de 2012, a dinâmica econômica do VAF Total teve a seguinte variação por município apresentada no Quadro 7 (sete). As principais variações econômicas aconteceram em S. José do B.V. (50%) e W. Brás (41%); mantendo a média ou ficando acima dela no que se refere ao Estado do Paraná. Em oposição, encontram-se decrescentes os municípios de Arapoti (4%) e Dr. Ulysses (-53%). 4. Segundo os Indicadores de Sustentabilidade do IPARDES, o nível de informalidade é acentuado, equivalente à região do Vale do Ribeira. In: Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES). Indicadores de Desenvolvimento Sustentável por Bacias Hidrográficas do Estado do Paraná. Curitiba: Disponível em <www.ipardes.gov.br/> pg As atividades da Indústria seguem a descrição setorial do IPARDES: Indústria da Madeira e do Mobiliário; Indústria do Papel, Papelão, Editorial e Gráfica; Indústria Química, Produtos Farmacêuticos, Veterinários, Perfumaria, Sabões, Velas e Matérias Plásticas; Indústria Têxtil, do Vestuário e Artefatos de Tecidos; Indústria Mecânica. 6. Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

17 Quadro 7 - Variação do VAF na Microrregião de Jaguariaíva entre 2008 e 2012 VARIAÇÃO DO VAF NA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA ENTRE 2008 E 2012 Localidade Variação Paraná % Arapoti % Dr Ulysses % Jaguariaíva % Piraí do Sul % SJose B Vista % Sengés % Wenceslau Braz % MRG de Jaguariaíva % Fonte: IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR. No mesmo período, o Gráfico 4 (quatro) apresenta a variação do VAF por setores primário, secundário e terciário: Gráfico 4 - Variação do VAF da Microrregião de Jaguariaíva por Setor Econômico entre 2008 e 2012 VARIAÇÃO DO VAF DA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA POR SETOR ECONÔMICO ENTRE 2008 E % 198% 198% 101% 101% 74% 77% 66% 49% 53% 53% 29% 34% 35% 10% 15% 20% 22% 28% 28% 72% 36% 11% 14% 14% 11% 3% Arapoti Dr Ulisses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista W Brás Sengés MRJaguariaíva Paraná 17 VAF Agropecuário VAF Indústria VAF Comércio e Serviços Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR. Para que se compreendam os percentuais, as subseções econômicas do VAF demonstram as seguintes variações por segmento nos municípios. Em Arapoti, o setor de serviços teve maior variação no segmento de construção e atividades administrativas, influenciado pela melhoria na indústria extrativa e florestal; impactando positivamente no setor primário. Em Dr. Ulysses houve perda de participação da agricultura, o que acabou impactando parte da atividade comercial, exceto no comércio de veículos e no segmento de transporte, que melhorou em razão do crescimento da indústria extrativa. Em Jaguariaíva as melhores variações ocorreram na agricultura e na pecuária, seguida do setor elétrico, de alojamento e de comércio; as maiores perdas ocorreram na indústria extrativa. Em Piraí do Sul, o melhor desempenho foi do setor elétrico, seguido da indústria extrativa e agricultura; as perdas ocorreram na indústria de transformação, transporte e atividades de comunicação. Em Sengés, a variação positiva ocorreu no segmento da indústria extrativa, eletricidade, transformação e agricultura; as perdas ocorreram nas atividades de comunicação e transporte. Em Wenceslau Brás o melhor desempenho se deu em quase todos os setores, destacando-se a construção, o comércio e as atividades de serviços. As perdas ocorreram na indústria extrativa e na comunicação. Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

18 Em S. José do B.V. a variação positiva ocorreu no segmento da indústria extrativa, agricultura e comércio; as perdas aconteceram na indústria de transformação, na comunicação e no transporte. Em termos gerais, há uma tendência de mudança do perfil municipal do setor primário para o secundário e terciário. As atividades agrícolas, de energia 7 e de comércio foram as que tiveram maior participação e variação positiva no VAF regional Indicador Ocupacional O indicador ocupacional tem relevância ao relacionar economia e empregabilidade: reflete a situação da ocupação profissional das pessoas em atividades que formam o perfil econômico microrregional. O IPARDES classificou 22 atividades econômicas 8 e, por conseguinte, a ocupação profissional. O Quadro 8 (oito) possibilita quantificar o percentual da distribuição da mão de obra ocupada nos municípios da microrregião em estudo. Considerando-se os percentuais significativos acima de 2%, aproximadamente 90% das pessoas ocupadas distribuem-se em 9 nove setores econômicos: Quadro 8 - Distribuição da Ocupação por Atividade Econômica na Microrregião de Jaguariaíva em Setor Economico Paraná Distribuição da Ocupação por Atividade Econômico na Microrregião de Jaguariaíva 2012 MRG de Jaguariaíva Arapoti Dr Ulysses Jaguariaíva Piraí do Sul S Jose B Vista Sengés W. Brás Agricultura 15% 24% 25% 67% 16% 34% 47% 28% 27% Ind. Transf. 15% 15% 10% 3% 17% 12% 17% 24% 8% Construção 7% 7% 8% 3% 8% 6% 5% 6% 7% Comércio 17% 15% 19% 4% 14% 16% 7% 10% 18% Transporte 4% 5% 4% 2% 5% 4% 2% 6% 4% Publico 4% 5% 4% 4% 5% 5% 4% 3% 6% Educação 5% 4% 5% 5% 5% 3% 4% 4% 7% Doméstico 6% 5% 6% 2% 6% 5% 5% 3% 6% Não Especificado 6% 7% 5% 7% 11% 3% 2% 7% 4% Pessoas Ocupadas Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR No Gráfico 5 (cinco) fez-se uso dos dados do quadro anterior para obter a visão gráfica de conjunto das atividades de mão de obra ocupada na microrregião de Jaguariaíva. No conjunto microrregional, pode-se asseverar que há diferenças significativas entre os municípios, revelando o perfil econômico de cada um deles. Regionalmente, cerca de 70% das ocupações regionais concentram-se cinco atividades: agricultura, indústria de transformação, comércio, construção e as não especificadas. Na região a agricultura é atividade dominante, mas o comércio e a indústria também são destaques. O município de Dr. Ulysses possui um perfil mais agrícola. Mas praticamente todos os demais municípios também possuem importante atividade industrial; alguns inclusive superaram a média do Estado. Já nas atividades comercial e de construção civil, a 7. Esta seção compreende as atividades de produção, transmissão e distribuição de energia elétrica; de fornecimento de gás e de produção e distribuição de vapor e de água quente através de uma rede permanente de linhas, tubulações e dutos (instalações de infra-estrutura). As atividades de produção, de gerenciamento da infra-estrutura e de fornecimento ao consumidor final podem ser desenvolvidas pela mesma unidade ou por unidades diferentes. Compreende também as unidades que operam no mercado atacadista de energia elétrica. In: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Comissão Nacional da Classificação. Seção:35 D ELETRICIDADE E GÁS. 8. Descrição das atividades econômicas: Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura; 2. Indústria extrativas, 3. Indústrias de transformação; 4. Eletricidade e gás; 5. Água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação; 6. Construção; 7. Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas; 8. Transporte, armazenagem e correio 9. Alojamento e alimentação; 10. Informação e comunicação; 11. Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados; 12. Atividades imobiliárias; 13. Atividades profissionais, científicas e técnicas; 14. Atividades administrativas e serviços complementares; 15. Administração pública, defesa e seguridade social; 16. Educação; 17. Saúde humana e serviços; 18. Artes, cultura, esporte e educação 19. Outras atividades e serviços 20. Serviços domésticos 21. Organismos Internacionais 22. Atividades mal especificadas Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

19 maioria dos municípios acompanham a média estadual. Interessante destacar o elevado percentual de atividades não especificadas, seguida pela ocupação doméstica, atividade de administração pública e educacional. Nos dados intrarregionais (subseções econômicas do CNAE), a indústria regional emprega 24% da mão de obra; e 67% daquela refere-se às indústrias de madeira e derivados como celulose. Então, considerando-se o perfil geográfico (fig. 3), somado ao ocupacional, pode-se aferir significativa importância das atividades madeireiras nesta região; o que poderia fomentar um estudo mais detalhado para possível arranjo produtivo local neste setor, conforme indicado na conclusão do trabalho. Gráfico 5 - Distribuição da Ocupação por Atividade Econômica na Microrregião de Jaguariaíva em 2012 Distribuição da Ocupação por Atividade Econômico na Microrregião de Jaguariaíva % 6% 6% 5% 4% 4% 17% 7% 86% 97% 7% 5% 5% 6% 4% 5% 5% 4% 5% 4% 15% 19% 7% 8% 15% 10% 86% 7% 2% 5% 4% 2% 4% 3% 3% 67% 90% 11% 6% 5% 5% 5% 14% 8% 93% 3% 5% 3% 5% 4% 16% 6% 12% 91% 2% 5% 4% 4% 2% 7% 5% 17% 86% 7% 3% 4% 3% 6% 10% 6% 24% 88% 4% 6% 7% 6% 4% 18% 7% 8% 15% 15% 24% 25% 17% 16% 34% 47% 28% 27% 19 Paraná MRG de Jaguariaíva Arapoti Dr Ulysses Jaguariaíva Piraí do Sul S Jose B Vista Sengés W. Brás Agricultura Ind. Transf. Construção Comércio Transporte Publico Educação Doméstico Não Especificado Participação dos Setores na Economia Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR 2.3 Índices Socioeconômicos São um conjunto de indicadores cujos dados possibilitam a verificação do contexto local, regional e nacional. O cruzamento entre os indicadores viabiliza índices do perfil populacional, econômico, ocupacional e educacional da microrregião de Jaguariaíva Indicadores do Perfil Populacional O Quadro 9 (nove) caracteriza o perfil populacional da microrregião do Câmpus Jaguariaíva. Quadro 9 - Perfil Populacional da Microrregião de Jaguariaíva PERFIL POPULACIONAL DA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA Localidade Densidade/K Grau de População 15 Faixa Etária (15 a 19 Pop. Estimada Variação Área em Km² m² Urbanização a 19 anos anos) no município Ano /2013 Paraná % ** Arapoti % % Dr Ulisses % % Jaguariaíva % % Piraí do Sul % % SJ Boa Vista % % Sengés % % W. Brás % % MRG de Jaguariaíva* % ,3% *MRG Política + Interesse; ** 1,3% é o percentual da região em relação ao Estado do Paraná Fonte: IBGE, IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR. Destaca-se do Quadro 9 (nove) que Jaguariaíva possui a maior população da microrregião; Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014

20 20 opondo-se ao município de Dr. Ulysses e S. José do B.V. Estes tiveram diminuição populacional no período referenciado. Piraí e Arapoti aumentaram positivamente a média estadual. O grau de urbanização indica a propensão a concentrar pessoas na cidade, seguindo a tendência estadual; contudo a população rural ainda é regionalmente relevante. A faixa etária populacional de jovens entre 15 e 19 anos, foco principal das atividades iniciais do IFPR, possui um percentual aproximado entre os municípios na média regional de 8%. Contudo, há outros públicos etários não menos importantes para o IFPR que serão apresentados no próximo item. No Gráfico 6 (seis), abaixo, visualiza-se a formação da população por grupos etários e gênero na microrregião. É um dado relevante para a situação presente; mas possibilita a prospecção futura das populações alvo para o IFPR. Gráfico 6 - Pirâmide Populacional da Microrregião de Jaguariaíva 80 anos e + 75 a 79 anos 70 a 74 anos 65 a 69 anos 60 a 64 anos 55 a 59 anos 50 a 54 anos 45 a 49 anos 40 a 44 anos 35 a 39 anos 30 a 34 anos 25 a 29 anos 20 a 24 anos 15 a 19 anos 10 a 14 anos 5 a 9 anos 1 a 4 anos < de 1 ano PIRÂMIDE POPULACIONAL Homens Mulheres Fonte: IBGE (2010), IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR ,1% A população masculina regional é minimamente superior à feminina. No que tange ao público- -alvo institucional entre 15 e 19 anos, haverá um aumento de 10,1% na participação regional desta população nos próximos anos, segundo o censo do IBGE em Contudo, a pirâmide indica tendência de diminuição até o final desta década. A região possui população predominantemente (51,8%) jovem (até 29 anos); desta, 33,8% é constituída por jovens que estão entre 15 e 24 anos de idade, ou seja, os principais públicos do IFPR. Também percebe-se que há um percentual significativo (63,3%) da população em idade economicamente ativa (de 15 a 59 anos); que tende a aumentar para 73,2% em uma década. Cabe ressaltar a tendência de estreitamento da base da pirâmide na fase inicial até 5 anos de idade, o qual será melhor detalhado no próximo indicador. Este indicador é importante para a instituição verificar a predisposição de crescimento populacional na microrregião de Jaguariaíva. No Gráfico 7 (sete) é possível realizar um comparativo entre os municípios, a região e a médio do Estado. Gráfico 7 - Taxa Geométrica de Crescimento da População da Microrregião de Jaguariaíva TAXA GEOMÉTRICA DE CRESCIMENTO DA POPULAÇÃO NA MICRORREGIÃO DE JAGUARIAÍVA EM ,86 Taxa de Crescimento 2,22 1,36 0,89 0,8 1,48 0,99 0,47 0,91 1,22 0,58 0,97 0,99 1,24 0,79 0,35 0,42 0,69 2,69 2,87 0,42 0,13 2,09 1,32 1,76 0,64 TCG Rural TCG Urbana TCG Total 4,4 Paraná Arapoti Dr Ulysses Jaguariaíva Piraí do Sul SJ Boa Vista Sengés W. Brás MRG de Jaguariaíva Fonte: IBGE (2010), IPARDES; Adaptação PROPLAN/IFPR. Ano II - nº 3 vol. 3 mar/abr 2014 Observatório Regional: Cenário Socioeconômico das unidades do IFPR

Observatório Regional

Observatório Regional Bandeirantes Observatório Regional Jacarezinho Cenário Socioeconômico das Unidades do IFPR Londrina Ano II vol. 3 nº 3 mar/abr 2014 Jaguariaíva Colombo Pinhais Curitiba Irati Lapa União da Vitória Paranaguá

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná História Instituído pela Lei nº 11.892 de Dezembro de 2008, que transformou a Escola Técnica da Universidade Federal do Paraná (ET-UFPR) em

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO OBSERVATÓRIO REGIONAL DO IFPR. O que não é medido não é gerenciado. (Robert Kaplan e David Norton)

DESCRIÇÃO DOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO OBSERVATÓRIO REGIONAL DO IFPR. O que não é medido não é gerenciado. (Robert Kaplan e David Norton) DESCRIÇÃO DOS INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO OBSERVATÓRIO REGIONAL DO IFPR O que não é medido não é gerenciado. (Robert Kaplan e David Norton) Sumário A. INDICADORES GERAIS...2 A.1 Municípios de Abrangência

Leia mais

Instituto Federal do Paraná Plano de Distribuição Orçamentária 2015 Processo n 23411.005170/2014-58 Resolução CONSUP n 36/2014

Instituto Federal do Paraná Plano de Distribuição Orçamentária 2015 Processo n 23411.005170/2014-58 Resolução CONSUP n 36/2014 Instituto Federal do Paraná Plano de Distribuição Orçamentária 2015 Processo n 23411.005170/2014-58 Resolução CONSUP n 36/2014 IFPR Plano de Distribuição Orçamentária 2015 2 Reitoria Reitor Irineu Mário

Leia mais

RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR.

RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR. RELAÇÃO DE CURSOS POR TIPO DE OFERTA EM CADA CÂMPUS DO IFPR. TOTAL DE CURSOS S 0 TOTAL DE CURSOS TECNÓLOGOS 6 TOTAL DE CURSOS EM BACHARELADO 9 TOTAL DE CURSOS EM LICENCIATURA 8 TOTAL DE CURSOS 6 Fonte:

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES CURITIBA Setembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL SILVIO MAGALHÃES BARROS - Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE

Leia mais

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE

SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE SÉRIE 2013, Nº 02 - MESORREGIÃO NORTE CATARINENSE GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE SISTEMA NACIONAL

Leia mais

158009.452014.15642.4430.307724116.259

158009.452014.15642.4430.307724116.259 158009.452014.15642.4430.307724116.259 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00045/2014

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo

CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE. Maria da Piedade Araújo CAPÍTULO 5 A REGIÃO NO CONTEXTO DA ECONOMIA PARANAENSE Maria da Piedade Araújo 170 5.1 INTRODUÇÃO Este capítulo tem por objetivo apresentar um comparativo da Mesorregião Oeste do Paraná em relação ao Estado.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PITANGA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PITANGA PROEPI Pró - Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS PITANGA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO AUXILIAR

Leia mais

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 BOLETIM MENSAL Março/2010 DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO TERRITÓRIO E GOVERNADOR Desmembrado de Estado de São Paulo Data de Instalação 19/12/1853 Data de Comemoração (Aniversário) 19 de Dezembro Governador(a) (TRE-PR) Carlos Alberto Richa ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL

ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL ANÁLISE DO AGLOMERADO MOVELEIRO DO MUNICÍPIO DE ARARUNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A ECONOMIA LOCAL Bruno Aparecido Vitula, (IC), UNESPAR/FECILCAM João Carlos Leonello, (OR), UNESPAR/FECILCAM 1- INTRODUÇÃO

Leia mais

Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC

Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão Programa de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC Retificação do EDITAL Nº 002/2012 PRONATEC/IFPR PROCESSO

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

EDITAL Nº 68/2012 PROCESSO SELETIVO AO CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, EQUIVALENTE À LICENCIATURA

EDITAL Nº 68/2012 PROCESSO SELETIVO AO CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, EQUIVALENTE À LICENCIATURA EDITAL Nº 68/2012 PROCESSO SELETIVO AO CURSO DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES PARA A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, EQUIVALENTE À LICENCIATURA A PRÓ-REITORIA DE ENSINO, a PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS e

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 033/2012 (PARECER Nº 045/2012 CONSUN) Dispõe sobre o quadro de cursos em funcionamento e respectivos números de vagas e da extinção dos cursos que não estão sendo ofertados. O Presidente

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2009 2013 Revisão Instituto Federal do Paraná Rua João Negrão, 1285 Rebouças CEP 80.230-150 Curitiba Paraná Fone/Fax: (41) 3535-1620 Reitoria Reitor Prof. Irineu

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS...

LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... LISTA DE GRÁFICOS... LISTA DE QUADROS... LISTA DE TABELAS... INTRODUÇÃO... 1 DETERMINANTES E EVOLUÇÃO DAS DISPARIDADES REGIONAIS: ENTENDIMENTO DO PROBLE- MA... 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD

EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD 1 EDITAL Nº 13/2012-PROGRAD PUBLICAÇÃO DA RELAÇAO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO CONSIDERADOS COMO CURSOS AFINS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIOESTE - PROVOU. A Pró-reitora de Graduação da Universidade Estadual

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

ALUNADO GRADUAÇÃO 2014

ALUNADO GRADUAÇÃO 2014 ALUNADO GRADUAÇÃO 2014 SANTA CRUZ IRATI Disciplinas isoladas 8 Disc. Isolada 6 Administração - M 120 Administração 141 Administração - N 178 Ciências Contábeis 165 Arte 26 Ed. Física Licenciatura 89 Arte-Educação

Leia mais

A DINÂMICA DO SETOR DE SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL: SUA PARTICIPAÇÃO NO EMPREGO DO MUNICÌPIO

A DINÂMICA DO SETOR DE SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL: SUA PARTICIPAÇÃO NO EMPREGO DO MUNICÌPIO A DINÂMICA DO SETOR DE SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL: SUA PARTICIPAÇÃO NO EMPREGO DO MUNICÌPIO SOUZA, Edinéia, GERA 1, IC/CNPQ, Economia, Fecilcam, edyeconomista@yahoo.com.br SOUZA, Edicléia

Leia mais

158009.112015.12087.4819.7490150862.547

158009.112015.12087.4819.7490150862.547 1580091120151208748197490150862547 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00011/2015 (SRP)

Leia mais

IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática. osbrasil.org.br

IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática. osbrasil.org.br IGPs Indicadores de Gestão Pública Como usá-los na prática Objetivo Os Indicadores Sociais são ferramentas que podem contribuir significativamente para uma boa atuação dos Observatórios nas esferas de

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS. Brusque JARAGUÁ DO SUL

SANTA CATARINA EM NÚMEROS. Brusque JARAGUÁ DO SUL SANTA CATARINA EM NÚMEROS Brusque JARAGUÁ DO SUL Jaraguá do Sul Apresentação Jaraguá do Sul Fonte: Fontes: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. - Governo do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

EDITAL Nº 121/2014 PROGEPE/IFPR CONCURSO PÚBLICO

EDITAL Nº 121/2014 PROGEPE/IFPR CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 121/2014 PROGEPE/IFPR CONCURSO PÚBLICO O Instituto Federal do Paraná, por intermédio de sua Pró Reitoria de Gestão de Pessoas PROGEPE, considerando o constante no item 11 do Edital nº 08/2014

Leia mais

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações

Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações 4º Congresso Internacional de Bioenergia Florestas Energéticas: realidade, visão estratégica e demanda de ações Curitiba, 20 de agosto de 2009 Alexandre Uhlig, PhD. uhlig@uol.com.br Roteiro 2 Introdução

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I José Yvan Pereira Leite leite@cefetrn.br Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Abril de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS

RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS RESUMO DOS CONCURSOS PÚBLICOS REALIZADOS Advogado CARGO ÓRGÃO DATA INSCRITOS CLASSIFICADOS Câmara Municipal de Ponta Grossa Abril/95 43 10 Advogado Prefeitura Municipal Ponta Grossa Maio/92 29 10 Agente

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km TERRITÓRIO VARIÁVEIS Altitude média Desmembramento INFORMAÇÃO 400m Cruz Alta Instalação 19/10/1890 Área Territorial Dist. à Capital 689,31 Km² 395 Km IJUÍ - RS ÁREA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA Número Eleitores

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista.

Diagnóstico Regional. e) Habitantes por dentista - Número de habitantes por dentista. Diagnóstico Regional O objetivo do diagnóstico regional é identificar as principais características: econômicas e sociais da região, bem como salientar as diferenças e semelhanças entre as 29 regiões do

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA LAMA - LABORATÓRIO

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0.

Sistema PED. Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0. Sistema PED Maio 2012 Divulgação dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED segundo a Classificação CNAE domiciliar versão 2.0 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Governador do

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Políticas para a Educação Superior

Políticas para a Educação Superior Políticas para a Educação Superior A experiência da UFERSA Prof. Augusto Carlos Pavão Pró-Reitor de Graduação A Universidade Políticas Públicas Expansão Acesso Interiorização SISU Lei das Cotas PIBID Bolsas

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia

Mensal. Produto Interno Bruto. Produto Interno Bruto. Mensal. Metodologia Metodologia 1 SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados Considerações gerais O PIB mensal é um índice de acompanhamento da economia paulista e tem como propósito principal oferecer uma visão

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Área: 924.620 km² (cerca de 10% do território nacional); População: 85,1 milhões de habitantes (2014); Estados formadores: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo;

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS Boletim Informativo. Ano I. janeiro/2010 Boletim Informativo - Edição Especial Divulgação do dados do SIES 2013 SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA SIES DISPONIBILIZA NOVA BASE DE DADOS

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais