ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA A LONGA DISTÂNCIA POR MEIO DO MÉTODO LCA-WTW-ISO14040

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA A LONGA DISTÂNCIA POR MEIO DO MÉTODO LCA-WTW-ISO14040"

Transcrição

1 ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA A LONGA DISTÂNCIA POR MEIO DO MÉTODO LCA-WTW-ISO14040 Bárbara Miranda Vallandro Rodrigo de Alvarenga Rosa Bernardo Bicalho Carvalhaes Ludmila Costa de Aguiar Karina Pedrini Fraga Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil Transportes Universidade Federal do Espírito Santo RESUMO O transporte rodoviário atualmente participa com 58% da carga movimentada no Brasil, o que demonstra que a matriz de transportes nacional é bastante concentrada neste modal, apesar do setor de transportes de cargas ser um importante colaborador para as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Optou-se por aplicar a metodologia da Análise do Ciclo de Vida do serviço de transporte à transportadora Premier Transportes, levando-se em consideração a norma brasileira e a série de normas internacionais ISO 14040, a fim de realizar uma análise dos impactos na emissão de GEE da frota antiga de caminhões usando EURO 3/Diesel, da frota nova usando Euro 5 e da introdução do uso do biodiesel na frota antiga. ABSTRACT Road transport currently participates with 58% of the cargo transported in Brazil, which shows that the Brazilian transport matrix is highly concentrated on road transportation, besides the cargo transportation sector is a major contributor to the greenhouse gas emissions (GHG). It was decided to apply the Life Cycle Analysis methodology to the transport service of carrier Premier Transport, taking into account the Brazilian standard and the series of international standards ISO in order to perform an analysis of the impacts on GHG emissions from the actual fleet of trucks using EURO 3/Diesel, the new fleet using Euro 5 and the introduction of biodiesel fuel in the actual fleet. Palavras chave: Análise do Ciclo de vida, ISO 14040, Emissão de Gases de Efeito Estufa, Well-to-Wheel. 1. INTRODUÇÃO O transporte de carga é um serviço fundamental na cadeia de distribuição de bens industriais e agrícolas. O transporte rodoviário atualmente participa com 58% da carga movimentada no país, o que demonstra que a economia ainda é bastante dependente desse modo de transporte (Ministério do Transporte, 2012). O setor de transportes passou a ser responsável pelo aumento nas emissões de CO2 em 63,3%, de CH4 em 55,6% e de N2O em 52,8% entre os anos de 1995 a 2010 (GVces, 2013). Para evitar um incremento na emissão de GEEs na atmosfera, foram elaborados os Sistemas de Gestão Ambiental (SGA) que permitam avaliar o impacto do desenvolvimento tecnológico na diminuição dos impactos ambientais. Uma metodologia de acompanhamento é a Análise do Ciclo de Vida (ACV) que tem o intuito de compilar e avaliar quantitativamente todas as entradas, saídas e os potenciais impactos ambientais de um sistema de produto ou serviço ao longo de seu ciclo de vida. Por meio desse

2 procedimento, que é estabelecido pela norma ISO 14040, é possível realizar estudos que gerem alternativas sustentáveis para o processo produtivo estudado, auxiliando os responsáveis pela tomada de decisão na seleção de produtos ou processos que resultem em um menor impacto para o meio ambiente. Para que haja controle dos poluentes no transporte e que sejam estabelecidas metas, surgiu em 1991 o Padrão Europeu de Emissões, que estabeleceu os limites máximos de emissão de poluentes por tipo de veículo. Em 1992 foi estabelecido o primeiro padrão Euro 0, que determinava limites para os seguintes poluentes: CO, HC, NOx e PM. Na Europa já se utiliza o padrão Euro 6 desde 2014, porém o Brasil encontra-se ainda na fase Euro 5. Este artigo tem por objetivo aplicar a metodologia ACV para o serviço de transporte da empresa Premier Transportes. Durante o período estudado, janeiro de 2011 a julho de 2014, houve mudança na frota de caminhões da empresa, ambas da Mercedes Benz, porém com modelos Euro 3 e Euro 5. Dessa forma, o objetivo inicial foi realizar uma análise comparativa da frota antiga com a frota nova, avaliando o impacto ambiental gerado nesse período. O segundo objetivo foi analisar os efeitos da alternância do tipo de combustível utilizado que, dependendo de sua origem, pode reduzir a emissão de GEE. Este trabalho está estruturado em cinco seções, sendo a primeira esta introdução. A Seção 2 diz respeito ao referencial teórico deste artigo. A Seção 3 descreve a metodologia utilizada. Na Seção 4 são apresentados os resultados e as análises deste artigo. Por fim, a Seção 5 apresenta as conclusões do artigo. 2. REFERENCIAL TEÓRICO A ACV avalia, de forma sistemática, os impactos ambientais potenciais de sistemas de produção, desde a aquisição das matérias-primas, produção, uso, tratamento pós-uso, reciclagem até a disposição final (ABNT NBR ISO 14040:2009). No caso da área de transporte, a ACV capta mais do que apenas as emissões associadas à queima de combustíveis por veículos. Ela abrange desde as emissões associadas à produção de combustível e de veículos, bem como a distribuição de combustíveis e de veículos (Delucchi, 2004). Uma subdivisão da metodologia ACV aplicada aos transportes é a Well-to-Wheel (WTW), que trata do estudo de fontes energéticas desde a extração da matéria-prima até o sistema de propulsão que movimenta os veículos (Ally e Pryor, 2007). No entanto, ela não leva em conta a energia e as emissões necessárias para construir infraestruturas de produção de combustível ou as necessárias para produzir os veículos (Brinkman et al., 2005). A metodologia WTW é subdividida em duas etapas: Well-to-Pump (WTP) e Pump-to-wheel (PTW). A análise WTP é a parte da análise WTW que analisa o ciclo do combustível e retrata os impactos associados à extração da matéria-prima, transporte para o processamento, processamento, refinamento e distribuição expressos em energia por unidade de combustível.

3 A PTW leva em consideração a tecnologia do veículo e dos efeitos do combustível no ciclo de condução do mesmo, tendo como principal resultado o consumo de energia em mega-joules por quilômetro de viagem (MJTTW/km), ou seja, avalia a eficiência de conversão de energia e as emissões, incluindo a sua pegada de carbono e os combustíveis utilizados em cada um desses modos de transporte. 3. METODOLOGIA A Premier Transportes é uma empresa transportadora de louças sanitárias e tem sede em Cariacica, no estado do Espírito Santo. Possui uma frota de 23 caminhões de categoria semipesado da Mercedes Benz, com carga bruta máxima de 23 toneladas. A empresa possui mais de 15 rotas entre os Estados do Paraná, Santa Catarina e Goiás. Conforme informações concedidas pela empresa, cerca de 10% das viagens são feitas com kg de carga e os 90% faltantes carregam com kg, visto que o máximo permitido é de kg. A média de quilômetros percorridos por mês por cada caminhão carregado é de cerca de km. Todos os caminhões são trucados (6x2) com ano de fabricação entre 2008 e O histórico analisado contém dados do período de janeiro de 2011 até julho de 2014 e a análise foi estruturada com base na metodologia ACV, mais especificamente a WTW. Foram analisadas três situações: 1) Frota antiga, composta por caminhões com classificação Euro 3, que utilizam diesel S-50; 2) Frota nova, composta por caminhões com classificação Euro 5, que utilizam diesel S-10 com ARLA 32; e 3) Frota antiga (Euro 3) utilizando Biodiesel de soja. Algumas simplificações foram realizadas para viabilizar o estudo: o mesmo fator de carga foi aplicado aos caminhões, uma vez que 90% das viagens possuem carga padronizada. Desta forma o fator peso não foi levado em consideração no cálculo do consumo de energia e das emissões. Os dados de consumo utilizados são reais e foram coletados do histórico da empresa. Para os casos nos quais foram realizadas aproximações, utilizaram-se os dados de consumo e emissões fornecidos pela Mercedes, fabricante dos veículos avaliados. Os dados relativos às emissões tais como CFC 11 equivalente ou SO2, foram calculados com base na Idemat2014 (DELFT, 2014). Em conformidade com a série ABNT NBR 14040, a análise foi separada nas etapas WTP e PTW para avaliação da contribuição no impacto ambiental de cada uma. O estudo avaliou a eco-eficiência entre os diferentes modelos de caminhões e tipo de combustível utilizado (diesel S50, diesel S10 e biodiesel de soja). Também foi realizada a comparação entre os modelos Euro 3 e Euro 5, correspondentes às fases normatizadas no Brasil como Proconve P5 e P7 respectivamente. As categorias de impacto estudadas, expressas em quilograma de poluente emitido por quilograma do combustível consumido, foram: 1) Potencial de aquecimento global (PAG); 2) Potencial de destruição da camada de ozônio (PDCO); 3) Potencial de acidificação (PA); 4) Potencial de eutrofização (PE); 5) Potencial de criação fotoquímica de ozônio (PCFO); e 6)

4 Potencial de esgotamento de recursos naturais não-fósseis (PERN). Além disso, foi quantificada a quantidade total de CO2 na fase PTW em g/km rodado. Outro indicador estudado foi o eco-custo, dividido nas seguintes categorias: 1) Eco-custo de saúde humana; 2) Eco-custo de potencial tóxico; 3) Eco-custo de esgotamento de recursos; 4) Eco-custo de carbono (pegada de carbono). As propriedades consideradas dos combustíveis estudados se encontram na Tabela 1. Tabela 1 Propriedades dos combustíveis (DELFT, 2014) A Tabela 2 apresenta as características consideradas para os tipos de veículos e combustíveis utilizados, levando-se em consideração a tecnologia do motor de cada um. A ACV retrata todas as fases separadamente para cada tipo de impacto, portanto, os impactos foram separados em duas categorias: 1) Excluindo a combustão: são os dados relativos à sub-análise Well-to-Pump, tal como explicado anteriormente; e 2) Incluindo a combustão: são os dados relativos ao processo inteiro, ou seja, para a análise Well-to-Wheel. Para que fossem obtidos os dados apenas para PTW foi feita a subtração entre o item 2 e o item 1. O cálculo de emissão em kg de CO2 durante a produção do combustível depende das seguintes variáveis: 1) Consumo de combustível para a tecnologia adotada (l/km); 2) Distância percorrida (km); 3) Fator de conversão ou densidade do combustível (kg/l), que varia entre os combustíveis avaliados; 4) Quilograma de CO2 equivalentes emitidos a cada quilograma de combustível, ou seja, o potencial de aquecimento global que a produção em questão tem. Tabela 2 Características de cada tipo de veículo utilizado (DELFT, 2014).

5 O resultado total foi obtido multiplicando a quantidade de combustível (kg) pelo valor de emissão em quilograma de CO2 por quilograma de combustível. De forma análoga, é possível calcular a emissão total de CO2 equivalente na fase PTW. Para a fase PTW, os dados de emissão de CO2 em quilograma de emissão por quilômetro percorrido foram obtidos de D Agosto e Ribeiro (2004), sendo que para esse cálculo o fator determinante é a distância percorrida pelo veículo. Dessa forma, para obtenção da emissão total para os km analisados, o fator de emissão (kg/km) foi multiplicado pela distância percorrida. Os eco-custos de cada categoria levam em conta diversos fatores, entre eles a saúde humana, que depende da quantidade de litros de combustível utilizados. Os dados finais foram calculados multiplicando a quantidade de combustível real, em quilograma, pelo eco-custo individual por unidade, fornecido pelo Idemat2014. Os dados de eco-custos de potencial tóxico representam o potencial da atividade analisada em produzir e liberar toxinas no ecossistema. Os investimentos necessários, em euros, para reparar os impactos produzidos e os eco-custos relativos ao potencial de esgotamento de recursos são apresentados na Tabela 3. Vale ressaltar que o Idemat2014 considera-o nulo na fase PTW. O eco-custo relativo ao carbono representa o valor dos investimentos necessários para reduzir os impactos causados pela emissão de GEEs. Essa categoria é a única que não é nula na fase PTW pelo Idemat2014. As últimas linhas da tabela resumem os eco-custos totais separando-os por fase (WTP e PTW) e por tipo de sistema combustível/tecnologia (DELFT, 2014). Na fase PTW é possível isolar o valor puro de emissão de CO2 de outros da mesma categoria e, por isso, na Tabela 3 há duas colunas relativas à emissão desse poluente, sendo que,. Tabela 3 Eco-custos e emissões calculadas

6 Na Tabela 4 é possível observar que para a fase PTW, as emissões de CFC 11, SO2, PO4, Eteno e Sb são nulas, exceto para o caso de emissão de SO2 para biodiesel/euro 3, conforme dados Idemat2014. O cálculo das emissões equivalentes totais por fase foi feito multiplicando a quantidade de combustível (kg) pelo fator correspondente à fase analisada, fornecido pelo Idemat2014 (DELFT, 2014). Tabela 4 Impacto durante o ciclo de vida (eco-

7 custos) 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Nos resultados apresentados a seguir, o combustível Diesel Euro 3 representa o estágio da frota atual, o Diesel Euro 5 representa a evolução da frota, até por questões legais brasileiras que exigem que todos os caminhões novos já saiam da fábrica com motor Euro 5 a partir do ano de 2012, e o Euro 3/biodiesel é uma opção que no Brasil é importante ser analisada. O primeiro aspecto analisado é o de emissões de CO2. As emissões gerais desse poluente são contabilizadas nas duas fases WTP e PTW, sendo que as duas apresentaram os resultados em quilogramas de CO2 equivalentes, que englobam tanto as emissões de CO2 propriamente dita, quanto emissões de outros poluentes que têm potencial de contribuir com o aquecimento global, ou seja, os GEEs. As emissões de CO2 equivalentes ao longo do ciclo de vida de cada um dos sistemas combustível/tecnologia em função da distância percorrida (km) são apresentadas no gráfico da Figura 1.

8 Figura 1 Potencial de aquecimento global em função da distância É possível observar no gráfico da Figura 1 que os sistemas Diesel/Euro 3 e Diesel/Euro 5 (SCR) Eco Blue são vantajosos em relações às emissões com potencial de aquecimento global até determinada distância, próxima de km. Após isso, as emissões para os dois casos são maiores se comparadas com o sistema Biodiesel/Euro 3. Um dos fatores que faz o biodiesel gerar mais impacto relativo à emissão desse gás é o fato de que a produção do mesmo resulta em cerca de 100% a mais de CO 2, se comparado ao diesel (fase WTP), conforme dados da planilha Idemat2014 (DELFT, 2014). Por outro lado, o impacto do diesel é maior a partir da distância acima comentada devido à sua combustão, sendo 36,5% maior para Diesel/Euro 3 e 23,5% maior para o Diesel/Euro 5 em comparação ao biodiesel. Além disso, é importante observar que para distâncias entre e km o diesel na tecnologia Euro 5 é mais vantajoso no quesito emissões de CO 2 equivalente. Ao considerar apenas a distância estudada neste trabalho, km, a classificação em ordem crescente de emissões de GEEs por combustível é a seguinte: 1) Biodiesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 5; e 3) Diesel/Euro 3. O gráfico da Figura 2 representa os eco-custos totais para o ciclo completo em função da distância percorrida. É importante observar, conforme o gráfico, que nenhum deles é nulo na distância zero, pois o valor representa a fase WTP do combustível. Além disso, pode-se observar que o coeficiente angular dos três sistemas é muito próximo, o que indica que a diferenciação entre eles depende mais de investimentos na fase de produção do combustível e que variam conforme a distância. Dessa forma, é possível concluir que para qualquer distância, os eco-custos são classificados de forma crescente em função do combustível da seguinte forma: 1) Biodiesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 3; e 3) Diesel/Euro 5.

9 Figura 2 Eco-custos em função da distância Ter o maior valor em eco-custos significa que um sistema requer maiores investimentos para reduzir os impactos causados ao meio ambiente. Dessa forma, conforme a classificação anteriormente apresentada, é possível observar que o Diesel/Euro 5 possui o maior valor de eco-custo sendo que a causa deste valor é o maior valor de investimento necessário desse sistema na fase WTP (DELFT, 2014). Vale ressaltar que este investimento se compensa em muitos casos pela redução dos impactos ambientais por ele causados em comparação aos outros combustíveis. O gráfico da Figura 3 mostra o potencial de destruição da camada de ozônio, expresso em quilograma equivalente de CFC 11, para todo o ciclo de vida dos sistemas avaliados. O fato de os três sistemas apresentarem coeficiente angular nulo indica que para os três o PDCO não varia com a distância, ou seja, só existe impacto na fase WTP. A diferença de impacto causado pela produção do Diesel e Biodiesel fica evidente, pois o primeiro tem potencial 2,6 vezes maior que o do biodiesel, em média. Portanto, é possível classificar os sistemas, de forma crescente, conforme a seguir: 1) Biodiesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 3; e 3) Diesel/Euro 5. Figura 3 Potencial de destruição da camada de ozônio O gráfico da Figura 4 apresenta o potencial de acidificação. Conforme dados obtidos na planilha Idemat2014 (DELFT, 2014), o biodiesel apresenta maior potencial de acidificação, porém, a tendência é de que aumente as emissões conforme a distância, sendo que para os sistemas com diesel a emissão é constante, dependente apenas da fase WTP. Assim, a classificação crescente do potencial risco dos sistemas é a seguinte: 1) Diesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 5; e 3) Biodiesel /Euro 5.

10 Figura 4 Potencial de acidificação em função da distância Os gráficos das Figuras 5, 6 e 7 representam, respectivamente, os potenciais de eutrofização, de criação fotoquímica de ozônio (PCFO) e de esgotamento de recursos naturais não fósseis. Em todos eles o potencial é constante, resultante do fato de que dependem inteiramente da fase de produção do combustível, ou seja, a distância percorrida na fase do uso do combustível (PTW) não influencia nas emissões. Outra conclusão é que para as três categorias citadas o sistema biodiesel/euro 3 possui o maior impacto. A classificação crescente por sistema da categoria de potencial de eutrofização é: 1) Diesel/Euro 5; 2) Diesel/Euro 3; e 3) Biodiesel/Euro 3. Para o PCFO os resultados obtidos para os sistemas de diesel são muitos próximos, sendo que o sistema Diesel/Euro 5 tem o potencial apenas 3,2% maior que o diesel/euro 3. Porém, os dois quando comparados ao Biodiesel/Euro 3 representam emissões cerca de 7 vezes menores. Desta forma a classificação crescente se dá conforme a seguir: 1) Diesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 5; e 3) Biodiesel/Euro 3. Por último, pode-se verificar o potencial de esgotamento de recursos naturais não fósseis, sendo o sistema que mais contribui é o biodiesel/euro 3, com cerca de 3 vezes mais emissão que os sistemas com diesel. A classificação crescente para essa categoria foi: 1) Diesel/Euro 3; 2) Diesel/Euro 5; e 3) Biodiesel/Euro 3. Figura 5 Potencial de eutrofização em função da distância

11 Figura 6 Potencial de criação fotoquímica de ozônio em função da distância Figura 7 Potencial de esgotamento de recursos naturais não fósseis em função da distância Para a análise relativa à contribuição para o meio ambiente, o sistema que lançar menos poluentes terá maior eficiência. Ao se observar exclusivamente as emissões de GEEs, conforme resultados apresentados acima, o sistema Biodiesel/Euro 3 gera menores valores de CO 2 equivalente. Um olhar focado nesse item é importante, visto que as mudanças climáticas que estão ocorrendo no mundo são influenciadas pela ação humana e para limitar o seu impacto seria necessário reduzir as emissões de gases de efeito estufa a zero neste século, segundo a conclusão de um painel da ONU sobre mudanças climáticas divulgada em novembro de 2014 (Observatório do Clima, 2014). A grande parcela do transporte de carga rodoviária em relação aos outros modais justifica os estudos concentrados neste setor. Outro aspecto importante que deve ser avaliado é o da produção e obtenção da matéria-prima do biodiesel. Noventa por cento da produção de biodiesel no Brasil tem como origem a soja, que é considerado um cultivo tradicional e já consolidado em todo o território nacional, contribuindo também no aspecto social para a geração de empregos no setor primário. Considerando que é um produto com demanda mundial e o fato de serem poucos os produtores mundiais (EUA, Brasil, Argentina, China, Índia e Paraguai), e menor ainda o número de exportadores (EUA, Brasil, Argentina e Paraguai), torna-se ainda mais viável a comercialização do produto a preços compensadores. Uma desvantagem para a produção de biodiesel através da soja é que, se comparado a outras oleaginosas como a mamona, dendê e girassol, apresenta o menor teor de óleo, ou seja, a produtividade é a menor entre elas, podendo alcançar 40% a menos em comparação às

12 demais. Além disso, questiona-se a concorrência que sua utilização para geração de combustíveis pode gerar para o cultivo visando à alimentação humana. Um importante passo que foi dado na Europa em 2014, com previsão para ser implantando no Brasil em 2016, é a implantação da norma Euro 5, que torna ainda mais rígido o controle da emissão de poluentes. Esse passo seria uma interessante solução para redução dos poluentes emitidos no Brasil, visto que propõe a redução da emissão de 50% de materiais particulados e 80% de NOx. A própria fabricante Mercedes Benz já tem caminhões semipesados com a tecnologia, porém, devido a não normatização brasileira, ainda não é viável importá-la. 5. CONCLUSÃO Esforços mundiais relativos à redução de impactos ambientais tem crescido junto aos estudos sobre alterações climáticas provenientes da interferência humana. Paralelamente, têm surgido sistemas de gestão ambiental e diferentes abordagens no estudo de potenciais impactos, auxiliando no controle de tomadas de decisão, assim como o método de avaliação de ciclo de vida. Conforme demonstrado, diferentes combustíveis recebem pesos diferentes em cada categoria analisada, sendo possível afirmar que, para o caso estudado, que pode ser estendido a novos sistemas, o biodiesel apresentou resultados maiores do que o esperado referente à emissão de GEEs, devido à subfase WTP. Muitos autores defendem indiscriminadamente o uso desse tipo de combustível, visto que suas emissões são menores na fase PTW, que abrange a combustão. Porém, ao se fazer uma análise desde a extração da matéria-prima até seu uso final, verifica-se não ser tão vantajoso. O trabalho restringiu sua análise na produção e uso do combustível. Para uma análise completa, incluindo todos os impactos gerados pelo uso do combustível, seria necessário contabilizar a produção de materiais na fabricação dos veículos e até mesmo a utilização de embalagens que fazem parte do processo. Levando-se em consideração o cenário nacional, chega-se à conclusão que, dos três sistemas avaliados, o que gera menos impacto é o Biodiesel/Euro 3, considerando dois importantes fatores: o primeiro, a respeito das emissões totais e o segundo, a respeito do potencial de produção nacional de soja em grande escala, visto que o país ocupa o posto de 2º produtor mundial. Porém, é necessário que diretrizes claras sejam criadas para que não haja concorrência com a produção destinada à alimentação e também para que não haja prevalência da monocultura de soja. Deve-se também analisar o fato de o plantio da soja ser petrodependente, ou seja, depende de grandes quantidades de insumos derivados de petróleo, como os adubos químicos e agrotóxicos, o que abre caminhos para novos estudos do ciclo de vida completo desse combustível. Por fim, a viabilidade de um sistema depende não apenas de seu impacto ambiental, mas também de aspectos sociais.

13 REFERÊNCIAS Ally, J., Pryor, T., 2007, Life-cycle assessment of diesel, natural gas and hydrogen fuell bus transportation systems, Journal of Power Sources 170, pp Brinkman, N., Wang, M.Q., Weber T., Darlington, T., 2005, Well-to-Wheels Analysis of Advanced Fuel/Vehicle Systems A North American Study of Energy Use, Greenhouse Gas Emissions, and Criteria Pollutant Emissions, May. D Agosto and Ribeiro (2004), Eco-efficiency management program (EEMP) a model for road fleet operation, Transportation Research Part D: Transport and Environment, Volume 9 Delft University of Technology (2014), Ecocosts 2012 V2 LCA data on products and services EI V3 Idemat 2014, available on 22/06/ :00 PM Delucchi, Mark A. (2004) Conceptual and Methodological Issues in Lifecycle Analyses of Transportation Fuels. Institute of Transportation Studies, University of California, Davis, Research Report UCD-ITS-RR Embrapa, Oleaginosas e seus óleos: Vantagens e desvantagens para a produção de Biodiesel. Disponível em: <http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/cnpa /22146/1/doc201.pdf> Acessado em 01/12/2014 às 14:54. GVces, Estimativas anuais de emissões de gases de efeito estufa no Brasil. Disponível em < Acessado em 29/09/2014 às 19:17. ISO (2006) Environmental management Life cycle assessment Requirements and guidelines, International Organisation for Standardisation (ISO), Geneve Ministério dos Transportes, Projeto de Reavaliação de Estimativas e Metas do PNLT. Disponível em < Acessado em 29/09/2014 às 18:23. Observatório do Clima, Disponível em: <http://www.oc.org.br/index.php/cms/news/see/idnoticia/292053> Acessado em 01/12/2014 às 14:13.

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL

POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL POTENCIAL E OPORTUNIDADES DO USO DE VEÍCULOS HÍBRIDOS NO BRASIL Aníbal Durães de Almeida Júnior 1 ; Paula Leopoldino de Barros 1 ; Guilherme Wilson da Conceição 1 ; Richele Cabral Gonçalves 1 ; 1 FETRANSPOR

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL

METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL METODOLOGIA SIMPLIFICADA DE CÁLCULO DAS EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA DE FROTAS DE VEÍCULOS NO BRASIL Sumário Eng. Olimpio de Melo Álvares Jr. 1 Fís. Renato Ricardo Antonio Linke 2 Como órgão de referência

Leia mais

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos

Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Emissões e Consumo do Veículo Convencional e VEH: Resultados Medidos Suzana Kahn Ribeiro Programa de Engenharia de Transportes COPPE/UFRJ IVIG Instituto Virtual Internacional de Mudanças Climáticas Estrutura

Leia mais

Plano Nacional de Mudanças Climáticas

Plano Nacional de Mudanças Climáticas Plano Nacional de Mudanças Climáticas Metas de Redução de Emissões e Avaliação de Impacto no Setor de Transporte e Logística Ricardo Vieira - ABRALOG CENÁRIO ATUAL Política Nacional sobre a Mudança do

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa Título 10 / 11 A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa A análise do IFEU compara os impactos ambientais das embalagens cartonadas, as garrafas PEAD e PET: as embalagens

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa VIVO S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 22/06/2010

Leia mais

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010

ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor. 21 de Outubro de 2010 ANÁLISE DE CICLO DE VIDA DO PRODUTO Ferramenta de comunicação e informação ao consumidor 21 de Outubro de 2010 The scientific evidence is now overwhelming: climate change presents very serious global risks,

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES

GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES GÁS NATURAL UMA ALTERNATIVA ENERGÉTICA À REDUÇÃO DE POLUENTES VEICULARES Jorge Luiz Fernandes de Oliveira Universidade Federal Fluminense/Universidade Federal do Rio de Janeiro ABSTRACT The aim of this

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha

Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil. Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Impactos Socioeconômicos da Indústria de Biodiesel no Brasil Joaquim J.M. Guilhoto Marcelo P. Cunha Agosto - 2013 2011 Biodiesel INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 2011 Biodiesel ODM-Importado 2011 ODM-Nacional Biodiesel

Leia mais

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática.

Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Estimativa de emissões de poluentes e GEE em frotas: Aplicação Prática. Marcelo Pereira Bales (1) ; Cristiane Dias (1) ; Silmara Regina da Silva (1) (1) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

Tecnologia de Tração Elétrica

Tecnologia de Tração Elétrica REV.00 01 Tecnologia de Tração Elétrica Veículos a Bateria Trólebus Híbridos Hidrogênio Fuel Cel ou Pilha a Combustível 02 Veículos a Bateria VANTAGENS 1. TOTALMENTE ELÉTRICO. POLUIÇÃO PRATICAMENTE ZERO.

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis

A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis INOVA Sustentável: compras sustentáveis pela inovação e por uma economia verde e inclusiva A abordagem do ciclo de vida nas contratações públicas sustentáveis 2o Seminário Internacional sobre Contratações

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

RESUMO. Palavras-Chaves: Eco-eficiência, transporte rodoviário, terceirização

RESUMO. Palavras-Chaves: Eco-eficiência, transporte rodoviário, terceirização Programa de adoção de empresas terceirizadas na cadeia de suprimentos fundamentado no conceito de eco-eficiência o caso do transporte rodoviário de carga da CSN RESUMO O setor de transportes é um dos principais

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFALMG ANDREA NATAN CARLA COSTA JOÃO CARLOS VIEIRA JULIANNE CARAVITA GRISOLIA KARINA NUNES SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais

Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Emissões de gases de efeito estufa durante o ciclo de vida das fachadas de edifícios comerciais Vanessa Montoro Taborianski, Racine T. A. Prado Laboratório de Sistemas Prediais da Escola Politécnica da

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010

Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Combustíveis Alternativos e a Redução das Emissões de Poluentes 12ª Transpo-Sul Vinícius Ladeira Gerente de Projetos Ambientais da CNT Junho de 2010 Tecnologias, Combustíveis mais limpos e Redução das

Leia mais

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV ROMEU, C. C. a, SILVA, G. A. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo, claromeu@hotmail.com a. Universidade

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC)

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) ESPITIA, A. C. a*, GONDAK, M. O. a, SILVA, D. A. L. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo *Corresponding

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA

PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA PROMOTORES & IMPACTES DA POLÍTICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS DA EUROPA É necessária urgentemente uma reforma para travar o avanço de biocombustíveis insustentáveis e para promover as soluções corretas para descarbonizar

Leia mais

Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo:

Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo: Relatório de Emissões de Gases do Efeito Estufa Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo: Quantificação e Compensação Elaboração: Sumário 1. Introdução...3 1.1

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica

Mudanças Climáticas. Mudanças Climáticas. Uma Questão Empresarial Estratégica 1 Mudanças Climáticas Uma Questão Empresarial Estratégica 2 O aquecimento global é o maior problema que a humanidade enfrenta atualmente. As empresas devem incorporar esta questão à visão estratégica dos

Leia mais

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos.

Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Os Benefícios do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) para a sociedade e suas perspectivas para os próximos anos. Industria Matéria-prima Mão de obra Saúde e Meio Ambiente Economia 2

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE por Cileneu Nunes Painel 3: Tecnologias para monitoramento de risco e produtividade logística O mercado

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO ANÁLISE DO POTENCIAL DE REDUÇÃO DAS EMISSÕES DE CO 2 NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Jorge Luiz Oliveira Fernandes - UFF e PEC/COPPE/UFRJ Jeferson Borghetti Soares - PPE/COPPE/UFRJ ABSTRACT The

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN

CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico Novembro 2008. PwC ECOBILAN CORTICEIRA AMORIM Análise de Ciclo de Vida dos vedantes de Cortiça, Alumínio e Plástico PwC ECOBILAN Agenda Introdução Descrição geral do estudo ACV Resultados Conclusões Agenda Introdução Descrição geral

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE.

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. Resoluções RESOLUÇÃO Nº 315, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso de suas competências

Leia mais

SUSTENTABILIDADE????

SUSTENTABILIDADE???? SUSTENTABILIDADE???? POPULAÇÃO MUNDIAL PRINCIPAIS PROBLEMAS GRANDES DESAFIOS DA HUMANIDADE: ÁGUA POTÁVEL FLORESTAS ALIMENTOS DIVERSIDADE BIOLÓGICA MORADIA GERAÇÃO DE ENERGIA ATMOSFERA, MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa - Encontro com Energia Vantagens da Eco-condução e dos Veículos mais Eficientes Galeria Municipal do Montijo 21 de novembro de 2013 Sumário da apresentação Introdução Frota do

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Cenários de Emissões de Poluentes Atmosféricos pela Frota do Transporte Coletivo de Juiz De Fora - MG

Cenários de Emissões de Poluentes Atmosféricos pela Frota do Transporte Coletivo de Juiz De Fora - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA Cenários de Emissões de Poluentes Atmosféricos pela Frota do Transporte Coletivo de Juiz De Fora - MG Dayana Delgado Bastos

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013 Pegada de Carbono Carbon Footprint Abril 2013 O que é pegada de carbono Carbon Footprint É o total de emissões de CO2 e de quaisquer outros gases (GEE), expressas em termos de carbono equivalentes de dióxido

Leia mais

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos

9o. Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Motores de combustão interna para os veículos elétricos híbridos Waldyr Luiz Ribeiro Gallo DE FEM - UNICAMP São Paulo, 12 de setembro de 2013 Sumário 1. Por que não veículos elétricos? 2. O papel do veículos

Leia mais

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Um estudo realizado pela Quantis para: Nome e data da palestra + apresentador 1 Objetivos do estudo Metodologia da

Leia mais

Ciclo de vida do alumínio é mais ecológico que aço e magnésio

Ciclo de vida do alumínio é mais ecológico que aço e magnésio + Entrevista: Alumínio deve substituir cobre em componentes de eletrônica embarcada + Rodas: Montadoras apostam em rodas forjadas de alumínio para veículos de passeio + Transportes: Alumínio aumenta capacidade

Leia mais

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving

CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving CleanDrive - An Educational Simulator for Safe and Environmental Driving João A. Madeiras Pereira INESC-ID/IST Pavilhão Atlântico, Lisboa, 20 Maio 2009 Apresentação Criar um simulador de condução económica

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar Análise do Ciclo de Vida - ACV Vera Lúcia P. Salazar ACV Todo produto, não importa de que material seja feito (madeira, vidro, plástico, metal, etc.), provoca um impacto no meio ambiente, seja em função

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010-

Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE) do Grupo Abril -2010- ÍNDICE Impactos das Mudanças Climáticas Conceitos Inventário de Gases de Efeito Estufa do Grupo Abril Ano 2010 Impactos das Mudanças Climáticas

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais

Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Nota Técnica Nº 1/2013 GEMUC/DPED/FEAM Proposta metodológica para cálculo de emissões de gases de efeito estufa e de plano de mitigação em eventos realizados no estado de Minas Gerais Maio 2013 Carolina

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

Por: Marco Lassen. Diesel

Por: Marco Lassen. Diesel Por: Marco Lassen Diesel Óleo Diesel e a Evolução do Teor de Enxofre Evolução do Teor de Enxofre 3 Legislação e Teor de Enxofre 2000 ppm 350 ppm 500 ppm 10 ppm 50 ppm 10 ppm EUROPA EURO III EURO IV EURO

Leia mais

Emissões de Gases de Efeito Estufa do Biodiesel de Soja

Emissões de Gases de Efeito Estufa do Biodiesel de Soja Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Emissões de Gases de Efeito Estufa do Biodiesel de Soja Análise dos resultados da Environmental Protection Agency Renewable Fuel Standard 2 Daniel

Leia mais

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques

Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica. Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Desafios e Oportunidades na Mobilidade Eléctrica Ipark Seminar Albufeira Rui Filipe Marques Tópicos O paradigma da Mobilidade Eléctrica Vs Veículos a combustão Infra-estrutura de carregamento Enquadramento

Leia mais

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS

A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A POLUIÇÃO DO AR POR NAVIOS A crescente preocupação da comunidade internacional com a proteção do meio ambiente tem trazido à baila a poluição do ar causada pelas embarcações. Em conseqüência, o Anexo

Leia mais