Desertificação. Índices de susceptibilidade e sua exploração utilizando ferramentas de WebMapping

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desertificação. Índices de susceptibilidade e sua exploração utilizando ferramentas de WebMapping"

Transcrição

1 Desertificação Índices de susceptibilidade e sua exploração utilizando ferramentas de WebMapping FURTADO, D.; NICOLAU, R.; ROSÁRIO, L.; FONSECA, A.; ALVES, P. Resumo A desertificação é um processo global que afecta cerca de 1/6 da população mundial e aproximadamente 30% dos continentes e que tem reflexos em Portugal, onde as zonas mais susceptíveis aos processos de desertificação correspondem a boa parte do Alentejo e Algarve e algumas zonas do interior do Centro e Norte do País. De facto, em 60% do território português observa-se um risco elevado a moderado de desertificação. Em 1994 foi criada a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, sendo ratificada por Portugal em 1996, que se comprometeu na elaboração de um Plano de Acção Nacional de Combate à Desertificação (PANCD). A dinamização e envolvimento da comunidade científica e técnica na área do estudo, análise e combate à desertificação e a sensibilização dos cidadãos para esta problemática é um factor muito importante para a concretização das medidas do PANCD. Neste sentido, e com vista a um envolvimento que ser cada vez mais alargado da comunidade nacional nesta problemática, está a ser desenvolvido um site na Internet que permita um amplo acesso à informação sobre esta temática em Portugal e no Mundo (http://panda.igeo.pt/pancd). Este poster pretende apresentar a aplicação de WebMapping, disponível no site do PANCD, para consulta e exploração de mapas representando os índices de susceptibilidade à desertificação de quatro factores: Clima, Solo, Vegetação e Tipologia do Uso do Solo, e ainda o índice síntese de Susceptibilidade à Desertificação. Paralelamente, pretende-se divulgar esta informação junto da comunidade de utilizadores de Informação geográfica. O site permite também a consulta a outros temas de interesse neste domínio (e.g. Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação, Legislação, Projectos, Instituições e Pessoas, Eventos, Imagens, Links). Inclui ainda um Fórum que pretende vir a contribuir para uma alargada troca de opiniões e experiências no âmbito desta comunidade. PALAVRAS CHAVE: Desertificação, Índices de susceptibilidade, Internet, WebMapping, Metadados, PANCD. INTRODUÇÃO De acordo com o artigo 1º da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação 1 (UNCCD) [9], entende-se por desertificação a degradação da terra nas zonas áridas, semi-áridas e sub-húmidas secas, resultantes da influência de vários factores, incluindo as variações climáticas e as actividades humanas. 1 - A Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação nos Países Afectados por Seca Grave e ou Desertificação, particularmente em África foi aprovada em 17 de Junho de 1994 e ratificada por Portugal em 1 de Abril de 1996, que se comprometeu na elaboração de um Plano de Acção Nacional de Combate à Desertificação.

2 A desertificação constitui um dos mais graves problemas no mundo com evidentes implicações ambientais, sociais e económicas. É um fenómeno global que afecta cerca de 1/6 da população mundial e aproximadamente 30% dos continentes. É um processo de degradação ambiental, no qual um território adquire as condições climáticas dos desertos, devido à destruição da vegetação e também devido a uma forte erosão sofrida pelo seu solo, podendo conduzir a situações de degradação ambiental irreversíveis. Este fenómeno depende de dois factores: naturais e humanos. Nas causas naturais encontram-se as alterações climáticas (alternância entre secas prolongadas e chuvas violentas); nas causas humanas encontram-se o mau uso do solo, o pastoreio excessivo, os incêndios, a desflorestação e a pressão demográfica em zonas de risco. Um dos mais importantes instrumentos para a implementação da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação são os Programas de Acção Nacionais e Regionais, que os países membros têm a obrigação de desenvolver. O Plano de Acção Nacional de Combate à Desertificação (PANCD) português [3] foi aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 69/99 2, de 17 de Junho, tendo o Homem como centro das preocupações e visando no fundamental a adopção de atitudes e acções activas de combate à degradação dos recursos e a aplicação de normas de prevenção. A aplicação de WebMapping desenvolvida para permitir a exploração das cartas de susceptibilidade à desertificação que aqui se apresenta, está integrada no site do PANCD actualmente em desenvolvimento. A cartografia de susceptibilidade à desertificação aí disponibilizada foi produzida no âmbito da iniciativa DISMED Desertification Information System for the Mediterranean (http://dismed.eionet.eu.int/) [12], criada no quadro da Convenção de Combate à Desertificação, no âmbito do previsto para os programas de cooperação inter-regional. Tratou-se de um projecto promovido pelo Secretariado da Convenção, que decorreu de Junho de 2001 a Dezembro de 2003 e que envolveu uma parceria entre as Autoridades Nacionais responsáveis pelos Planos de Acção Nacionais nos lados europeu - Espanha, Itália, Grécia, Portugal e Turquia - e norte africano Argélia, Egipto, Líbia, Marrocos e Tunísia -, bem como a AEA - Agência Europeia de Ambiente, a FMA - Fundação para a Meteorologia Aplicada (de Itália), a OACT - Organização Africana de Cartografia e Teledetecção, o OSS - Observatório do Sara e do Sahel e a UMA União do Magrebe Árabe. O objectivo central do DISMED foi o de estabelecer um sistema de informação operacional para apoio às necessidades dos Programas de Acção Nacional e Regional para combate à desertificação no Mediterrâneo, visando a programação e a aplicação de medidas e políticas para o efeito. O projecto pretendeu conduzir ao desenvolvimento de cartografia temática sobre sensibilidade à desertificação e à seca ao nível da Região Mediterrânica (escala 1: ) e orientar soluções para o âmbito nacional (escala de referência 1: ). Pretendeu igualmente organizar e instituir uma base de dados sobre os metadados dos indicadores e parâmetros de base da desertificação ao nível regional e promover e facilitar o acesso à documentação temática existente, bem como aos conteúdos e resultados de estudos e projectos de investigação e desenvolvimento temáticos regionais. O site do PANCD dá acesso aos mapas representando os índices de susceptibilidade à desertificação produzidos no âmbito do DISMED, bem como a outros temas de interesse neste domínio (e.g. Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação, Projectos, Instituições e Pessoas, Links). A Internet surge assim como veículo de divulgação e envolvimento da comunidade científica e técnica da área da desertificação e também como meio de sensibilização dos cidadãos para esta problemática. A disponibilização dos mapas produzidos explora as potencialidades das ferramentas de exploração de dados espaciais na Internet. O PLANO DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E A NOVA CARTA DA SUSCEPTIBILIDADE À DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL O fenómeno da desertificação tem reflexos em Portugal, principalmente em zonas afectadas pela erosão do solo devido às opções culturais e práticas agrícolas inadequadas, assim como devido à precipitação elevada em curtos períodos de tempo. Outro fenómeno que não deve ser esquecido é a fuga das populações para as cidades, em especial para o Litoral, causando problemas nas áreas de origem (abandono e consequente efeito sobre a paisagem e os recursos naturais) e nas áreas de destino (sobrepovoamento, afectando o equilíbrio ecológico, a biodiversidade e o ambiente). 2 - Publicada no Diário da República n.º 158/99 SÉRIE I-B, de 9 de Julho de 1999.

3 As zonas mais susceptíveis ao processo de desertificação correspondem ao interior do Alentejo e algumas zonas no norte do País. Em 60% do território português observa-se um risco moderado à desertificação. Os Programas de Acção Nacionais e Regionais, que os países membros têm a obrigação de desenvolver para implementarem a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação devem incluir estratégias para combater a desertificação e atenuar os efeitos das secas em áreas susceptíveis, em conformidade com os princípios da Agenda 21 [10], através de acções concretas a todos os níveis e incorporando meios operacionais para prevenir, monitorizar e atenuar os processos de desertificação. Tem sido neste contexto que a comunidade internacional vem afirmando a urgente necessidade do estabelecimento de sistemas de indicadores para avaliar a desertificação e as secas, bem como os seus efeitos. O PANCD português aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 69/99 3, de 17 de Junho, tem como objectivo orientar, disciplinar, promover, dinamizar, integrar e coordenar as acções de combate à desertificação e a minimização dos efeitos das secas nas zonas semiáridas e sub-húmidas, nomeadamente nas zonas onde a erosão e degradação dos solos, a destruição da vegetação, deterioração do ambiente e dos recursos naturais e da paisagem em geral é problemática. O PANCD visa cinco objectivos estratégicos: Conservação do solo e da água; Fixação da população activa nas zonas rurais; Recuperação das áreas mais afectadas pela desertificação; Investigação, experimentação e divulgação; Integração da desertificação nas políticas de desenvolvimento. Com o intuito de classificar as regiões do país de acordo com a sua susceptibilidade à desertificação, foram definidos no âmbito do PANCD, quatro índices, reflectindo cada um deles diferentes formas de actuação dos diversos factores no processo de desertificação: o índice climático, o índice do solo, o índice da vegetação e o índice da tipologia do uso do solo. A selecção dos indicadores e as metodologias para o seu desenvolvimento adoptadas nos trabalhos da iniciativa DISMED [12] [13], tiveram como base o quadro conceptual apresentado por [4], tendo-se em consideração numa primeira fase dos trabalhos em Portugal o conjunto dos parâmetros, indicadores e índices de desertificação ali apresentados. Cada um desses indicadores e índices foi avaliado tendo em conta os seguintes factores: i A disponibilidade da informação de base, actual e histórica, e condições prospectivas da possibilidade de dar continuidade à avaliação de tendências ao longo dos tempos; ii A adaptação às condições mediterrânicas; iii A significância biológica, social e política; iv A credibilidade e a confiança da informação de base; v A respectiva sensibilidade aos impactes (causas / efeitos a analisar); vi A mensurabilidade e a clareza e transparência da respectiva interpretação; vii O custo efectivo, neste caso, factual e tendencialmente. Numa segunda fase, adoptou-se o quadro geral da metodologia da ESA (Environmental Sensitive Areas to Desertification), tendo em vista a criação de quatro índices de qualidade intermédios (o índice climático, o índice do solo, o índice da vegetação e o índice da tipologia do uso do solo), para permitir chegar à carta final de sensibilidade à desertificação. Tais índices são o Índice de Qualidade do Clima (IQC), o Índice de Qualidade do Solo (IQS), o Índice de Qualidade da Vegetação (IQV) e o Índice de Qualidade do 3 - Publicada no Diário da República n.º 158/99 SÉRIE I-B, de 9 de Julho de 1999.

4 Ordenamento (IQO). Em sequência procedeu-se à avaliação dos indicadores adoptados na primeira fase que pudessem ter um contributo útil para a definição de tais índices, sendo cada um destes reequacionado e readaptado tendo em vista os objectivos e as metodologias finais. De notar que, no caso português, a carta síntese sobre a Susceptibilidade à Desertificação desenvolvida a partir dos quatro índices intermédios não resulta de uma operação aritmética entre eles, como proposto pela metodologia das ESA, dadas as dificuldades e as incoerências que, efectiva e naturalmente, podem resultar de operações de tal natureza com informação com origem e expressão espacial tão diversa, mas é antes o correspondente à sumulação gráfica e faseada dos diferentes índices, hierarquicamente sobrepostos em termos da sua relevância para a definição da sensibilidade à desertificação, num encadeado semelhante ao que foi adoptado para a Carta de Risco de Desertificação para a Argentina e posteriormente foi generalizado para a América do Sul e Central [13]. Realça-se ainda que, para além dos indicadores biofísicos expressos e sintetizados nos índices intermédios, se adoptaram e incluíram nos resultados do trabalho DISMED português um conjunto de indicadores sociais e económicos, complementares dos primeiros, e que exprimem e reflectem com eles, per si ou nas respectivas correlações de causa / efeito, a susceptibilidade à desertificação no País. DISPONIBILIZAÇÃO DE MAPAS DE SUSCEPTIBILIDADE À DESERTIFICAÇÃO NA INTERNET A Internet constitui um meio privilegiado para a disponibilização de grandes quantidades de informação a uma vasta audiência. A tecnologia WebMapping [11] permite disponibilizar na WEB informação geográfica e funções tipicamente associadas aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG), designadamente funções de navegação do tipo zooms e pans e funções de pesquisa gráfica e alfanumérica [6] [11]. Este tipo de tecnologias permite disponibilizar informação no formato vectorial e raster na WEB aumentando a interactividade e reduzindo o tempo de download da informação. Deste modo, o utilizador pode aceder e manipular informação geográfica, sem necessitar de ser proprietário de licenças de software SIG e/ou de ter conhecimentos prévios em sistemas de informação geográfica para, por exemplo, localizar uma determinada área num determinado concelho ou estabelecer uma zona de protecção (buffer) à sua volta. Com o objectivo de dinamizar e envolver a comunidade científica e técnica da área da desertificação e sensibilizar os cidadãos para esta problemática, está a ser desenvolvido um site na Internet que permitirá um amplo acesso à informação sobre esta temática (http://panda.igeo.pt/pancd). As funcionalidades das páginas do site foram personalizadas através da utilização do HTML e da linguagem script JavaScript. O site (Figura 1) possibilita a consulta a temas de interesse no domínio da desertificação (e.g. Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação, Legislação, Projectos, Instituições e Pessoas, Eventos, Imagens, Links). Figura 1. Página inicial da aplicação (http://panda.igeo.pt/pancd).

5 Inclui ainda um Fórum (Figura 2) que pretende vir a contribuir para a troca de opiniões e experiências no âmbito desta comunidade. Figura 2. Página inicial do Fórum. No desenvolvimento da aplicação para consulta e exploração de mapas representando os índices de susceptibilidade à desertificação dos quatro factores acima referidos (Clima, Solo, Vegetação e Tipologia do Uso do Solo) e ainda o índice síntese de susceptibilidade à desertificação, foi utilizado o software Autodesk Mapguide. O software Autodesk MapGuide é, não só uma ferramenta informática usada para disseminar (criar, publicar e distribuir) informação geográfica (vectorial e raster), mas também uma plataforma de desenvolvimento de aplicações para a Internet ou Intranet / Extranet, proporcionando ao utilizador informação espacial em tempo real. A figura 3 descreve a arquitectura da aplicação de visualização dos mapas. Ao nível cliente o utilizador com um browser WEB efectua um pedido ao servidor HTTP que por intermédio de uma interface ISAPI contacta com o servidor SIG, que envia para o browser a informação pedida. As capacidades de visualização e exploração dos mapas são proporcionadas, recorrendo a um plug-in, aplicação auxiliar disponível em Active X Control [1] [2]. Ao aceder à página de Consulta de Mapas, o utilizador encontra descritos os requisitos aconselhados, bem como as características e as funcionalidades da aplicação. Figura 3. Arquitectura da aplicação.

6 O utilizador inicia a aplicação através de links disponíveis na página Consulta de Mapas. Para além da consulta e exploração dos mapas é possível proceder à sua importação em formato ASCII (GRID) da ESRI, consultar os metadados associados a cada mapa, bem como as metodologias utilizadas na produção dos mapas (Figura 4). Figura 4. Página de apresentação para Consulta de Mapas. Foi adoptada a estrutura de metadados do Sistema Nacional de Informação Geográfica (SNIG) [5] para disponibilizar os metadados associados aos mapas dos índices de susceptibilidade (Figura 5). A estrutura dos metadados do SNIG [7] obedece à norma ISO/TC211 e ao modelo descrito no Global Spatial Data Infrastructure Cookbook (draft 1.0) [8]. Figura 5. Metadados associados aos mapas.

7 O interface de Consulta de Mapas de Susceptibilidade à Desertificação (Figura 6) inclui as seguintes opções: escolha do mapa pretendido; pesquisa por localidade; acesso a informação associada ao mapa (Informação de Base, Metodologia e Equipa responsável), utilização de ferramentas de interacção com o mapa (zoom, pan, fit all e help) e correspondente visualização dos mapas e legenda associada. Figura 6. Interface da aplicação. CONSIDERAÇÕES FINAIS Pretendeu-se com esta publicação, divulgar junto da comunidade de utilizadores de informação geográfica, a informação recentemente produzida para Portugal Continental, no domínio da susceptibilidade à desertificação (Índice de Qualidade do Clima (IQC), Índice de Qualidade do Solo (IQS), Índice de Qualidade da Vegetação (IQV), Índice de Qualidade do Ordenamento (IQO) e Índice Síntese de Susceptibilidade à Desertificação). A disponibilização desta informação no site do PANCD, através da exploração das potencialidades das ferramentas de WebMapping, e possibilidade de download da informação, poderá contribuir para uma maior dinamização e envolvimento da comunidade científica e técnica da área da desertificação e para aumentar a sensibilização dos cidadãos para esta problemática. Confirma-se assim o papel que as tecnologias de informação e comunicação, nomeadamente desde o surgimento da Internet, podem ter no acesso à informação e no reforço das comunidades existentes, contribuindo para um melhor conhecimento do território e, neste caso específico, dos problemas ambientais que afectam o País, conduzindo potencialmente a uma maior participação dos cidadãos nas actividades de cidadania. AGRADECIMENTOS Os autores gostariam de agradecer a toda a equipa do DISMED português, bem como a todos os que no âmbito do PANCD deram o seu contributo para as metodologias aplicadas.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Autodesk. Autodesk MapGuide - Users Guide. EUA, Autodesk. Autodesk MapGuide - Developer s Guide. EUA, Diário da República. Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação - PANCD. Portugal, Enne, G., Zucca, C. Desertification indicators for the European Mediterranean Region. State of the art and possible methodological approaches. ed. ANPA, Roma, Fonseca, A., Gouveia, C., Nicolau, R., Gonçalves Henriques, R.G. National GII Solutions: The Portuguese Experience (project SNIG), in "Panel-GI Compendium. A Guide to GI and GIS", Eds. Frank, A.U., Raubal, M., van der Vlugt, M., TUVienna, European Commission, 2000, Foote, K., Kirvan, A. WebGIS, NCGIA Core Curriculum in GIScience, University of Texas, EUA. 7. Gouveia, C., Henriques, P., Nicolau, R., Rocha, J., Santos, M. Moving from CEN TC 287 to ISO/TC 211 The approach of the Portuguese National Geographic Information Infrastructure. Brno, GSDI. Developing Spatial Data Infrastructures: The SDI Cookbook. Nebert, D. Ed Organização das Nações Unidas. United Nations Convention to Combat Desertification Organização das Nações Unidas. Agenda 21, Chapter 12 Report Of The United Nations Conference On Environment And Development Peng, Z., Tsou, M., Internet GIS. Distributed Geographic Information Services for the Internet and Wireless Networks. USA: John Wiley & Sons, Rosário, L. DISMED Portuguese Experience, in DISMED Side Event (28 August 2003), COP6 - Sixth Session of the Conference of the Parties of UNCCD - Convention to Combat Desertification, Palacio de Convenciones de Havana (Cuba), Rosário, L. Sobre os Indicadores de Desertificação para Portugal Continental, Relatório do DISMED, DGF, 2003.

9 Danilo FURTADO Danilo Furtado é especialista de informática do do Núcleo para a Informática. É licenciado em Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação e desenvolve actividades na área das tecnologias de informação geográfica. É também docente do Departamento de Ciências e Tecnologias da Universidade Autónoma de Lisboa, leccionando a cadeira de Sistemas de Informação Geográfica das Licenciaturas de Engenharia Informática, Informática e Informática de Gestão. Actualmente encontra-se a frequentar o mestrado de Ciência e Sistemas de Informação Geográfica do ISEGI. Rua Artilharia Um, LISBOA PORTUGAL Tel: (351) (21) ext.471 Fax: (351) (21) Tel: Rita NICOLAU Rita Nicolau é actualmente professora do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra, leccionando cadeiras à Licenciatura de Engenharia Geográfica. Foi investigadora auxiliar do, fazendo parte do Grupo de Ambiente do CEGIG. É doutorada em Engenharia do Ambiente tendo defendido uma tese no domínio da utilização de técnicas de estimação da distribuição espacial da precipitação. Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Apartado Coimbra, Portugal Tel: (+351) Fax: (+351) Lúcio do ROSÁRIO Lúcio do Rosário é técnico superior principal da Direcção-Geral das Florestas, tendo sido o Coordenador Nacional do DISMED. Exerce funções de direcção de programas e projectos de ordenamento do território e de gestão de espaços naturais na AFLOPS Associação de Produtores Florestais. È licenciado em Estatística e Gestão de Informação e mestrando em Georrecursos do Instituto Superior Técnico, no âmbito do qual apresentou tese sobre padrões de ocupação do solo e biodiversidade na região de Setúbal. Direcção-Geral das Florestas Avenida João Crisóstomo, Lisboa, Portugal Tel: (+351) Fax: (+351) Alexandra FONSECA Alexandra Fonseca é investigadora auxiliar do, onde coordena o Grupo de Ambiente do Centro para a Exploração de Informação Geográfica (CEGIG). É doutorada em Engenharia do Ambiente desenvolvendo investigação nos domínios da utilização de tecnologias de informação e comunicação (e.g. tecnologias de informação geográfica, ferramentas de visualização, sistemas colaborativos) na gestão ambiental e nos processos de participação pública em Ambiente. Rua Artilharia Um, LISBOA PORTUGAL Tel: ext.471 Fax: Patrícia ALVES Patrícia Alves é especialista de informática do no Núcleo para a Informática. É licenciada em informática, tendo participado no desenvolvimento do Sistema Nacional de Informação Geográfica (SNIG). Colaborou no desenvolvimento de aplicações no âmbito de projectos de investigação (e.g. aplicação para disponibilização na Internet da informação processual e Resumos Não-Técnicos dos Estudos de Impacte Ambiental). Rua Artilharia Um, LISBOA PORTUGAL Tel: ext.471 Fax:

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES DE QUALIDADE DO SOLO E DESERTIFICAÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica Nuno Duro Centro de Convenções Frei Caneca - São Paulo 31-05-2012 2012 Critical Software, All rights

Leia mais

O que é a DESERTIFICAÇÃO?

O que é a DESERTIFICAÇÃO? Maria José Roxo Pedro Cortesão Casimiro Tiago Miguel Sousa O que é a DESERTIFICAÇÃO? Projecto DesertLinks Framework 5 União Europeia Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas

Leia mais

Lúcio do Rosário. Indicadores de Desertificação para Portugal Continental

Lúcio do Rosário. Indicadores de Desertificação para Portugal Continental Lúcio do Rosário Indicadores de Desertificação para Portugal Continental TÍTULO: INDICADORES DE DESERTIFICAÇÃO PARA PORTUGAL CONTINENTAL EDIÇÃO: Direcção-Geral dos Recursos Florestais Av. João Crisóstomo,

Leia mais

A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG. Nelson Mileu 1

A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG. Nelson Mileu 1 A utilização do MapServer como ferramenta de aprendizagem de WebSIG Nelson Mileu 1 Resumo - Este trabalho descreve a utilização do software MapServer na disciplina de WebSIG, ministrada no segundo semestre

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada

PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada PRACTICE Acções de Recuperação e Prevenção para Combater a Desertificação. Uma Avaliação Integrada Zona de Protecção Especial de Castro Verde: local de estudo em Portugal Projecto PRACTICE Prevention and

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis

1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis CNCCD -PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO 2011 / 2020 1. Promover a melhoria das condições de vida das população das áreas susceptíveis 1- Promover a melhoria das condições

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente

Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Bases para um Esquema de Ordenamento do Território à Escala do Continente Desenvolvimentos mais recentes SANTOS, Ana Sofia; GASPAR, Rosário; CONDESSA, Beatriz Resumo A documentação e informação existente

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO TERRAMAIS Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO A vantagem na utilização de Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros

LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros IP/05/1156 Bruxelas, 19 de Setembro de 2005 LIFE-Países Terceiros 2005: a Comissão vai financiar projectos ambientais em países terceiros, num montante superior a 6 milhões de euros A Comissão Europeia

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN

EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM PROJETO PAYS.MED.URBAN EXPERIÊNCIA DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM EXPERIÊNCIAS DE COOPERAÇÃO EM PAISAGEM A cooperação transnacional, no âmbito das problemáticas de desenvolvimento territorial e dos processos de transformação da paisagem

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008

Directiva INSPIRE. Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Directiva INSPIRE Sessão promovida pelo Grupo Geo-Competitivo 2 da APDSI Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 27 de Maio de 2008 Índice Directiva INSPIRE Fase de Transposição 2007-2009 Exigências

Leia mais

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Evolução da última década Manuela Sampayo Martins (Eng.ª) Sistemas de Informação Sistemas de Geográfica, Informação Lda. Geográfica,

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO MÓDULO MOBILIDADE PESSOAS/ BENS TURISMO NO MUNDO ATUAL MÓDULO 1 PORTUGAL A POPULAÇÃO AS ÁREAS URBANAS AS ÁREAS RURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 201-2015 PLANIFICAÇÃO - CURSO

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Lisboa Interactiva Beta

Lisboa Interactiva Beta Lisboa Interactiva Beta Evolução para Web 2.0 com base na framework ExtJS Mauro Farracha GMV Portugal Sumário 3 Parte I Apresentação da GMV Portugal Quem Somos Organização Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Construção de um Índice Municipal de Desenvolvimento Sustentável

Construção de um Índice Municipal de Desenvolvimento Sustentável PROJECTO DE DISSERTAÇÃO MESTRADO EM CIDADANIA AMBIENTAL E PARTICIPAÇÃO Construção de um Índice Municipal de Desenvolvimento Sustentável José Carlos Ferreira de Morais Maio 2011 ÍNDICE Resumo... 3 Estado

Leia mais

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO

OS SISTEMAS GEOGRÁFICA DE INFORMAÇÃO NOS NEGÓCIOS INFRA-ESTRUTURA DE INFORMAÇÃO PARA A TERCEIRA GERAÇÃO DE APLICAÇÕES NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÉNIO 22 B&S DOSSIER SIG Por Marco Painho, Professor Associado, Director do Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação da Universidade Nova de Lisboa. OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA NOS NEGÓCIOS

Leia mais

MEDIDAS ESTRATÉXICAS

MEDIDAS ESTRATÉXICAS MEDIDAS ESTRATÉXICAS ISSN: 1887-2417 D.L: C-3317-2006 A Educação Ambiental no contexto lusófono: o caso Cabo-Verdiano Aidil Borges Membro do Equipo Pedagóxico Nacional do programa de Educação Ambiental

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva Excelentíssimo Senhor Presidente da República Portuguesa Doutor Aníbal Cavaco Silva Assunto: carta aberta sobre riscos e oportunidades do novo pacote de Reabilitação Urbana. Pedido de ponderação do exercício

Leia mais

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER)

Infraestrutura de Dados Espaciais na REFER. João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva (REFER) João Carlos Silva REFER / REFER Telecom OpenGIS Standards / RNID AGENDA Caso de Sucesso Desafio inicial e a Solução Solução Tecnológica Factos e Números Componente Financeira

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação

A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação A importância das Sinergias entre as 3 Convenções do Rio: Biodiversidade, Alterações Climáticas e Combate à Desertificação Lúcio do Rosário Autoridade Florestal Nacional / Comissão Nacional de Coordenação

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

IPSENTINEL: INFRAESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO E DISSEMINAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE SENTINEL PARA PORTUGAL

IPSENTINEL: INFRAESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO E DISSEMINAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE SENTINEL PARA PORTUGAL Apenas Comunicação Oral X Apenas Poster Comunicação Oral ou Poster (Assinalar com X a opção de submissão desejada) IPSENTINEL: INFRAESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO E DISSEMINAÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE SENTINEL

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais.

APRESENTAÇÃO. Os serviços de apoio prestados pela APAV às vítimas são gratuitos e confidenciais. APRESENTAÇÃO A APAV - Associação Portuguesa de Apoio à Vítima é uma instituição particular de solidariedade social, sem fins lucrativos, e pessoa colectiva de utilidade pública reconhecida que tem como

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães

a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães a emergência das tecnologias open source no SIG municipal de guimarães processo de modernização administrativa prestação de um melhor serviço aos cidadãos utilização mais eficiente dos seus recursos no

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1810002 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GEOGRAFIA GEOGRAPHY 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 44 - Ciências Físicas 1.2 Tipo (Duração):

Leia mais

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR

A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital. António Perdigão -DGADR A importância institucional da cartografia de solos e a sua evolução do analógico ao digital António Perdigão -DGADR Responsabilidades da DGADR, no contexto do Despacho nº 13434/2012 de 15 de Outubro de

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt

Autoridade Nacional de Protecção Civil. Ordenamento do Território e Protecção Civil. Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt Ordenamento do Território e Protecção Civil Henrique Vicêncio Henrique.Vicencio@prociv.pt www.triplov.com ooutroladodalua.blogspot.com Paulo Alves, Instituto de Meteorologia Autoridade Nacional de

Leia mais

HISTORIAL DO SITE SNIRH

HISTORIAL DO SITE SNIRH Resumo: HISTORIAL DO SITE SNIRH Mariana Marques Drª em Matemáticas Aplicadas, Responsável pelo site SNIRH, DSRH, INAG Felisbina Quadrado Engª do Ambiente, Chefe de Divisão DSRH, INAG Rui Rodrigues Engº

Leia mais

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes A avaliação de impactes no mundo A IAIA e a APAI A língua portuguesa no mundo A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes - visão e missão, funcionamento,

Leia mais

Observatório do Ambiente - SIIGMA

Observatório do Ambiente - SIIGMA Observatório do Ambiente - SIIGMA Elsa Nunes, Marcos António Nogueira Cidadania / Ambiente / Inovação Cidadania Território Conhecimento Ambiente Território Sociedade Economia Território Cidadania Cidadania

Leia mais

Infra-estrutura de dados espaciais: O Papel das Instituições de Ensino Superior

Infra-estrutura de dados espaciais: O Papel das Instituições de Ensino Superior 1ªs Jornadas de Sistemas de Informação Geográfica da APDSI: Os SIG ao Serviço das Engenharias e da Sociedade 26 de Maio de 2010 Fundação Portuguesa das Comunicações Infra-estrutura de dados espaciais:

Leia mais

SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs

SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs Helder Guimarães Aragão 1,2,3, Jorge Campos 1 1 GANGES Grupo de Aplicações e Análises Geoespaciais Mestrado em Sistemas e Computação -

Leia mais

Sistema Informação Geográfico

Sistema Informação Geográfico Sistema Informação Geográfico Autoridade Tributária e Aduaneira Judas Gonçalves IT Project Manager Agenda Enquadramento; Sistema de Informação Geográfico da AT: - Base de Dados Geográfica Centralizada;

Leia mais

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos

SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos SICOP Sistema de Inovação, Controlo e Optimização de Produtos Célia Alves, Liliana Monteiro, Fernanda Barbosa, Ana Borges, Jorge Barbosa* Resumo De modo a facilitar e estandardizar o ciclo de desenvolvimento,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: Geografia ANO: 7ºano TURMAS: B, C ed ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: A Terra: Estudos e Representações (1º Período) AULAS PREVISTAS:

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 4 de dezembro de 2015

Leia mais

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé

TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé TCP/INT/3201 Termos de Referência Consultoria Nacional São Tomé Essa consultoria nacional enquadra-se no âmbito do Projecto de Cooperação Técnica CPLP/FAO TCP/INT/3201 para assessorar o Comité Nacional

Leia mais

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria

SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria. guião de exploração dos. serviços SIG na web AM RIA. Associação de Municípios da Ria SIGRIA. sistema de informação geográfica dos municípios da ria guião de exploração dos serviços SIG na web Associação de Municípios da Ria 02 GUIA WEB ÍNDICE Introdução O que é um SIG? 03 O que é SIGRia?

Leia mais

NESTA EDITORIAL EDIÇÃO. DESERTWATCH Extension to non Annex IV Countries DIÇÃO: Newsletter Nº 2. Caro Leitor,

NESTA EDITORIAL EDIÇÃO. DESERTWATCH Extension to non Annex IV Countries DIÇÃO: Newsletter Nº 2. Caro Leitor, DESERTWATCH Extension to non Annex IV Countries Newsletter Nº 2 NESTA EDIÇÃO DIÇÃO: Editorial Abordagem Metodológica e Resultados Preliminares Ocupação do Solo Indicador de Susceptibilidade de Desertificação

Leia mais

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral João HERDEIRO 1, Marisa SILVA 1 e Paulo PATRÍCIO 1 1 Direção-Geral do Território, Portugal (ajherdeiro@dgterritorio.pt; marisas@dgterritorio.pt; ppatricio@dgterritorio.pt)

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

Estrutura da apresentação

Estrutura da apresentação Estrutura da apresentação Objectivos Metodologia (prevista / adoptada) O SIG (base de dados / informação vectorial ) O Site (informação webmapping / navegação) Conclusões 1 de Junho Objectivos: sistematização

Leia mais

GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS

GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS GFAPPPE GESTÃO, FINANCIAMENTO E AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTRUTURAIS Luís Mendes Barata Professor Auxiliar Convidado I APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA O objectivo fundamental desta disciplina

Leia mais

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa

Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa 1 Monitoramento da Seca através de dados Meteorológicos e Sensoriamento Remoto Paulo Barbosa Comissão Europeia Centro Comum de Investigação Instituto para o Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (IES)

Leia mais

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz;

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; Ordenamento do Território Conceito História i e Desenvolvimento Enquadramento Metodologia CRUS e

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas

O Turismo no Mundo Actual Uma Indústria Globalizante 28 37 4 abril 24 maio TOTAIS 114 152. Competências Sistematizar técnicometodológicas ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA 11º ANO ANO 2014/2015 COMPONENTE DE FORMAÇÃO CIENTÍFICA 1- Elenco Modular Número Designação Duração

Leia mais

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural

Os Sistemas de Informação Regionais das Cidades e Regiões Digitais na vertente Infraestrutural Os Sistemas de Informação Regionais das na vertente Infraestrutural 1, 2 1 Instituto Politécnico de Tomar Tomar, Portugal 2 Centre of Human Language Tecnnology and Bioinformatics Universidade da Beira

Leia mais

2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades

2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades 2015: O Ano Internacional do Solo Significado e Responsabilidades Manuel A. V. Madeira Professor Catedrático, Departamento de Recursos Naturais, Ambiente e Território, Instituto Superior de Agronomia,

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica

CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS. Dados Biográficos e Formação Académica CURRICULUM VITAE BRUNO MANUEL MARTINS Dados Biográficos e Formação Académica Nasceu em 1978 no Porto. Em 5 de Junho de 2000 licenciou-se em Geografia pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde:

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde: A Informação Geográfica aplicada à área da Saú: O papel das Infra-Estruturas Informação Geográfica na sua aquisição Epimiologia Rita Nicolau Índice Epimiologia Introdução Exemplos utilização Informação

Leia mais

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA

Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Guia de utilizador Plataformas de Consulta SPOTIA Este documento serve de apoio à utilização das Plataformas de Consulta do Projecto SPOTIA - Orientações de política territorial sustentável e avaliação

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais