GVces. I Relatório Revisão de Literatura. Coordenação Renata Brito Elaboração Renata Loew Weiss

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GVces. I Relatório Revisão de Literatura. Coordenação Renata Brito Elaboração Renata Loew Weiss"

Transcrição

1 Projeto Empresas pelo Clima Estudo do Setor Financeiro GVces I Relatório Revisão de Literatura Coordenação Renata Brito Elaboração Renata Loew Weiss São Paulo, 8 de Junho de 2010

2 Sumário 1. Introdução O Setor Financeiro Metodologia Classificação das Iniciativas Outras Iniciativas Redes de Finanças Sustentáveis e Mudanças Climáticas Movimentos da Sociedade Civil Iniciativas Coletivas Empresariais Instituições Financeiras e Mudanças Climáticas Outras Iniciativas Empresariais sobre Mudanças Climáticas Iniciativas em Finanças Sustentáveis Mapeamento Análise Crítica Referências

3 1. Introdução Estudos científicos prevêem um futuro difícil imposto pelas mudanças climáticas, uma questão que impacta a forma de vida na terra 1. Estudos econômicos também vislumbram perdas de produtividade e crescimento em consequência das mudanças climáticas 2. Hoje mudanças climáticas, como uma das maiores externalidades já identificadas, representam uma falha de mercado, um peso para sociedade e uma oportunidade de lucros de curto prazo. Dado o escopo do problema, iniciativas pontuais e isoladas não têm o poder de endereçar as medidas necessárias. As discussões sobre as formas de internalização destas externalidades passam por todos os modelos já conhecidos: comando e controle, instrumentos mercado e regulação privada. Deitada sobre um problema emergente e dispondo de modelos tradicionais, a sociedade é chamada a empreender coletivamente em novas soluções. Ao tratar do mercado financeiro, nacional e internacional, a postura tem sido de gerenciar as demandas da sociedade com relação a mudanças climáticas, lançando mão de iniciativas ainda tímidas e de baixo impacto. Ou seja, não é identificado entre eles o papel ativo de negar oportunidades de curto prazo a fim de apoiar a transição para uma economia de baixo carbono. Uma vez que os bancos têm o importante papel de viabilizar investimentos para a atividade econômica, o impacto em mudanças climáticas é relevante quando contabilizadas as emissões de GEE causadas pelas atividades financiadas investidas (emissões financiadas), além daquelas causadas por seu próprio consumo de energia e insumos (emissões operacionais). Considerando que as emissões financiadas têm impactos de longo prazo, a necessidade de um marco regulatório é urgente para que sejam tomadas decisões de crédito e investimento mais abrangentes no poder de mitigação e redução das emissões. Afinal, os bancos são poderosos canalizadores de mudanças na sociedade. Frente ao cenário então apresentado, iniciativas da sociedade buscam meios de estimular a mudança para uma economia de baixo carbono. Dentre elas está o Projeto Empresas pelo Clima (EPC), realizado pela Fundação Getulio Vargas EAESP, que reúne um grupo de empresas do setor financeiro dispostas a contribuir com o desenvolvimento de uma regulamentação para o setor. Tal iniciativa também dialoga com a agenda internacional, ao passo que foi acordado em 2007 na Conferência das Partes (COP) sobre o Clima, em Bali (Indonésia), na qual os países emergentes, incluindo o Brasil, adotariam voluntariamente medidas mensuráveis, reportáveis e verificáveis em relação às suas contribuições com o aquecimento global, mesmo sem ter metas obrigatórias. O objetivo desta pesquisa é apresentar subsídios sólidos de maneira organizada para orientar o trabalho do EPC para o setor financeiro, para que possam ser desenvolvidas medidas mensuráveis, reportáveis e verificáveis e relevantes, à altura da importância e do setor na economia. 1 IPCC, Stern,

4 O trabalho está organizado em quatro seções que se seguem a esta introdução. A Seção 2 oferece um pano de fundo para a discussão sobre o setor financeiro e as iniciativas voluntárias. A Seção 3 traz descrição da metodologia adotada, isto é, como as iniciativas hoje existentes foram levantadas e sistematizadas de acordo com as demandas à que atendem. Segue na Seção 4 pela apresentação das principais redes sociais e empresariais que envolvem o setor financeiro e tratam direto ou indiretamente de mudanças climáticas. Na Seção 5 são apresentadas as iniciativas hoje existentes mapeadas pelo estudo. Por fim, a Seção 6 traz uma análise crítica dos resultados que deverão ser ainda interpretados pelo grupo com o objetivo de desenhar uma proposta para o setor. 4

5 2. O Setor Financeiro O movimento de adoção de iniciativas voluntárias no mercado financeiro, endereçando aspectos socioambientais é recente, mas forte. Ao longo da década foi cunhado um novo conceito: o de finanças sustentáveis. Este movimento é resultado de uma pressão da sociedade civil que se voltou para bancos privados uma vez que o papel dos recursos oficiais 3 se viu diminuído, reconhecendo a importância da intermediação financeira na viabilização macroeconômica 4. No final da década de 90, Estados Unidos e Europa assistem campanhas populares sobre a responsabilidade do credor no uso e aplicação dos recursos financeiros 5. Era a sociedade civil organizada questionando as bases da prática de intermediação financeira, algo que por muito tempo parecia sedimentado e usual. Desta pressão nasce o tratado dos Princípios do Equador, em 2003, que preconiza uma análise socioambiental, seguindo parâmetros do IFC 6, aplicável, porém, apenas a operações de Project Finance. Protagonizado por dez bancos os Princípios do Equador mostraram grande poder de engajamento entre os Bancos no mundo. No Brasil, os Princípios do Equador envolveram os principais bancos de capital nacional Unibanco, Banco Itaú e Bradesco desde 2004, e Banco do Brasil, desde Seguem à adoção dos Princípios do Equador, várias outras iniciativas voluntárias adotadas individualmente ou por grupos de instituições financeiras no Brasil e no mundo (ver Seção 4). A adoção de iniciativas voluntárias está ligada a uma busca de legitimação 7 pelo setor. Segundo estudo de , bancos apresentam baixa exposição a riscos de mudanças climáticas. No entanto, entre os motivadores estratégicos para práticas voluntárias no setor financeiro estão: a importância do fator reputacional 9 e a ação preventiva na tentativa de evitar a regulação 10. Ademais, diferentemente da regulação, iniciativas voluntárias sofrem com efeitos do oportunismo e com difícil verificação da veracidade das práticas por parte da sociedade. Ficam as instituições financeiras no limite entre a adoção de políticas sérias e restritivas e a adoção de práticas mercadológicas para o gerenciamento reputacional. Este é um claro dilema do processo. Desta forma, com base nas experiências passadas e na emergência da questão de mudanças climáticas, este estudo deve buscar soluções abrangentes e que evitem os problemas de oportunismo, baixa prestação de contas e ineficiência. 3 Bancos Públicos e multilaterais. 4 Jeucken e Bouma, Exemplos:Rain Forest Aliance, nos Estados Unidos e Milieudefensie, na Holanda 6 International Finance Corporation membro do Banco Mundial 7 Wright e Rwabizambuga, Ecosecurites e UNEP-FI, Deephouse e Carter, Wright e Rwabizambuga,

6 3. Metodologia A partir de uma ampla revisão de literatura, nacional e internacional, sobre mudanças climáticas dentro do escopo de atividades e influência das Instituições Financeiras, buscou-se evidências claras e específicas de exemplos e iniciativas existentes. Foram consideradas como iniciativas fortes para o mercado financeiro: políticas corporativas, políticas de crédito e risco; e produtos financeiros. Há ainda iniciativas mais gerais, como princípios e diretrizes e boas práticas na promoção do equilíbrio climático. Várias iniciativas foram encontradas. A base para a organização das informações levantadas foi composta pelas demandas da sociedade, tanto para redução de emissões diretas e como para redução de emissões financiadas pelas instituições financeiras. Estas demandas foram identificadas nas principais redes sociais de atuação em finanças sustentáveis e mudanças climáticas. Já as iniciativas vieram das próprias instituições financeiras e de acordos coletivos, sendo que não encontramos evidências regulatórias. De maneira geral, a investigação considerou três categorias de fontes de informação, a saber: Demandas: Vindas da Sociedade Civil Organizada apresentam uma visão clara sobre o envolvimento das instituições financeiras com mudanças climáticas e o que deve ser feito; Iniciativas: o Coletivas, resultado de um consenso voluntário entre instituições financeiras e outras partes interessadas; e o Individuais, assumidas voluntariamente por uma ou mais instituição financeira, mas sem participação de outros setores da sociedade. Numa visão mais dinâmica e factual sobre o processo de demandas e iniciativas, as demandas são o principal motivador para a ação do setor financeiro, que responde propostas voluntárias. Assim, as iniciativas foram classificadas em diferentes níveis, de acordo com a demanda à qual está endereçada. É importante notar que nem todas as iniciativas são consensuais. Ou seja, algumas iniciativas não são consideradas totalmente eficazes no combate a mudanças climáticas e ou são prejudiciais ao meio ambiente de maneira mais ampla. É o caso, por exemplo, do uso de energia nuclear, de transações de crédito de carbono e da instalação de grandes centrais hidrelétricas. Por fim, uma análise mais substancial das iniciativas vis a vis as demandas, endereça sobreposições e lacunas do processo. Assim, o processo de organização deste estudo é apresentado no esquema abaixo: Do ponto de vista metodológico, a etapa mais relevante do estudo está no procedimento de classificação das iniciativas, que é detalhado abaixo. 6

7 Figura 2.1: Organização do Estudo 3.1. Classificação das Iniciativas As iniciativas individuais e coletivas foram classificadas em diferentes níveis de acordo com (A) forma e área de atuação das instituições financeiras e (B) com a demanda atendida e a profundidade em que esta foi endereçada. Em seguida, as iniciativas foram alocadas em um mapa de abrangência e profundidade para que pudessem ser analisadas as lacunas. Passamos a explicar o processo de classificação utilizado. A - Formas e áreas de atuação das instituições financeiras: As instituições financeiras podem ser vistas como agentes de impacto direto ou como agentes financiadores de emissões de GEE. Nestes diferentes papéis as instituições financeiras apresentam diferentes possibilidades e limites para atuação e alcance em termos de redução de impactos em mudanças climáticas. Impactos Diretos Como empresas do setor de serviços, o impacto das atividades operacionais diretas dos bancos é inferior àquele de setores industriais. No entanto, como atores de grande capilaridade apresentam grande potencial de influência sobre seu público direto. Desta forma, os impactos diretos podem se sumarizados em: Operacional, que inclui iniciativas de eficiência interna e ao longo de sua cadeia de suprimentos; e Conscientização do público em geral, através de educação, campanhas e eventos com fornecedores, clientes, colaboradores e público geral. Emissões Financiadas O poder fiduciário e a capacidade de interação sistêmica fazem do setor financeiro ator crucial no processo de mudança ou manutenção do modelo econômico. A alocação de capital é fundamental para promover, incentivar ou desestimular tecnologias e processos econômicos. Portanto, por emissões financiadas se entende emissões viabilizadas pelo uso dos produtos e serviços oferecidos pelas instituições financeiras, sejam eles empréstimos e financiamentos, seguros ou investimentos. Para endereçar de forma sistêmica como as emissões diretas e financiadas serão evitadas ou mitigadas, faz-se necessário políticas claras e específicas, sejam elas: Política Corporativa: intenções e diretrizes gerais relativas aos aspectos da gestão da instituição financeira. Trata-se de uma política que orienta a estrutura organizacional. Política de Investimento: com critérios para a avaliação de investimento. 7

8 Política de Financiamento: também chamada política de crédito, contém critérios para a avaliação de crédito e risco de clientes e operações financeiras. Políticas de Seguros: contém critérios para a avaliação de seguros e resseguros. O setor financeiro abarca ainda diferentes serviços e veículos, que devem ser considerados segundo a abrangência de cada área, conforme sistematizado na tabela abaixo. Tabela 2.1: Áreas de Atuação Áreas Institucional Research Activities Asset Management Banco de varejo Corporate Banking Project Finance Private Banking Investment Banking Seguro e Resseguro Fonte: autores Abrangência Diz respeito à empresa como um todo e a sua inserção na sociedade, inserem-se aqui as Políticas Corporativas, operacionais e campanhas institucionais e Políticas de Investimento dos recursos próprios. Atividades de pesquisa conduzidas pelos bancos para uso interno ou consultorias. Gestão de recursos de terceiros para investimentos em renda fixa ou variável, inserem-se aqui as Políticas de Investimento aplicadas a recursos de terceiros. Operações com pessoa física e pequenas empresas. Insere-se no escopo do banco comercial com abertura de contas, Políticas de Financiamento e produtos ou serviços financeiros. Operações com empresas de médio e grande porte. Insere-se no escopo do banco comercial com abertura de contas, Políticas de Financiamento e produtos ou serviços financeiros. Mais do que uma área ou um veículo especial trata-se de um tipo de operação específica que é hoje tema do acordo voluntário conhecido como Princípios do Equador. Por este motivo, algumas iniciativas versam especificamente Project Finance. Atendimento diferenciado a grandes clientes, pessoas físicas e grandes fortunas. Consultoria a empresas e governo em operações de aumento de capital, subscrição e emissões de ações assim como fusões e aquisições. Transferência de risco total ou parcialmente através da emissão de uma apólice. Aplica-se aqui a Políticas de Seguros. Portanto, ao citar uma iniciativa da Asset Management sabe-se que esta se aplica apenas à gestão de carteiras de investimentos e para tanto a política de investimentos é de suma relevância. No entanto, a iniciativa da Asset Management não se aplica ao banco como um todo. Estes aspectos foram considerados no levantamento e classificação das iniciativas. B. Demandas da Sociedade As iniciativas foram analisadas na medida em que endereçam as demandas da sociedade com relação às mudanças climáticas. Para tanto, é imprescindível considerar o que é aconselhado pelo BankTrack, principal organização de acompanhamento das atividades do setor financeiro no mundo. O ponto de partida deu-se pelo relatório A Challenging Climate 11 lançado em dezembro de 2009, por ocasião do encontro da Conferência das Partes em Copenhagen, onde 11 BankTrack,

9 o BankTrack endereça o que os bancos podem fazer para combater as mudanças climáticas, focando em emissões financiadas. Foi também utilizado o relatório Close the Gap 12, lançado em abril de 2010, onde são avaliadas como as políticas dos principais bancos no mundo endereçam mudanças climáticas. Demais demandas foram identificadas em abordagens mais amplas sobre o tema, como foi o caso das Diretrizes para Formulação de Políticas Públicas Mudanças Climáticas no Brasil, publicada pelo Observatório do Clima 13, e as Especificações 2009 do Programa Brasileiro GHG Protocol 14, que visa promover a mensuração e gestão voluntária das emissões de GEE. Assim, as demandas foram agrupadas em sete perspectivas maiores sobre as mudanças climáticas em Instituições Financeiras: Demanda 1: Afastar-se de setores e projetos que contribuem substancialmente para mudanças climáticas (aumento de emissões). Demanda 2: Minimizar o impacto das iniciativas financiadas (ou investidas). Demanda 3: Aumentar o suporte às atividades de tecnologia limpa e de baixo impacto. Demanda 4: Não engajar em soluções polêmicas. Algumas iniciativas são descritas como respostas às demandas 1 e 2 acima, apresentando propostas polêmicas como financiamento de energia nuclear, hidroelétricas de larga escala e crédito de carbono. Demanda 5: Gerenciar riscos das mudanças climáticas oferecendo produtos e alternativas. Demanda 6: Conscientizar stakeholders sobre o tema. Em geral trata-se de iniciativas mais ampla podendo envolver diferentes públicos. Demanda 7: Aumentar a eficiência energética operacional. Neste caso, o termo operacional inclui emissões diretas e emissões decorrentes de sua cadeia de fornecimento. Profundidade no Acolhimento das Demandas Para poder diferenciar as iniciativas é preciso identificar a profundidade com que as demandas são endereçadas. Isto por que as demandas acima podem ser detalhadas em subníveis e atendidas parcialmente conforme abaixo descrito. Demanda 2: Minimizar o impacto das iniciativas financiadas pode ser detalhada em passos seqüenciais de: a. Acompanhar e relatar as emissões de GEE financiadas; b. Estabelecer metas de redução de emissões de emissões financiadas; 12 BankTrack, Observatório do Clima, Programa Brasileiro GHG Protocol,

10 c. Desenvolver ferramentas para auxílio à redução de emissões financiadas; d. Medir o impacto das emissões evitadas. Demanda 4: Não engajar em soluções polêmicas, podem ser detalhada em: a. Transação de crédito de carbono, consideradas promissoras em volume de negócios, mas ineficientes na redução de emissões, além de inibirem atitudes de possível impacto no mercado de carbono; 15 b. Operações com Energia Nuclear; c. Operações com Hidroelétricas de grande porte. Demanda 7: Aumentar a eficiência energética operacional, também pode ser desenvolvida em diferentes estágios: a. Acompanhar e relatar as emissões de GEE operacional; b. Estabelecer metas de redução de emissões operacionais; c. Desenvolver ferramentas para auxílio à redução de emissões operacionais; d. Desempenhar outras iniciativas para redução de emissões operacionais. Normalmente servem apenas de apoio às medidas anteriores. e. Medir o impacto das emissões evitadas Outras Iniciativas A metodologia utilizada buscou apreender o escopo de abrangência das iniciativas e sua relação com as demandas expostas. Conforme mencionado, o foco deve ser claro e específico em mudanças climáticas, sendo que iniciativas mais gerais, sem declarada intenção em mudanças climáticas ou ainda não válidas em abril de 2010 não foram incluídas. Seguem alguns exemplos de iniciativas não incluídas: Banco do Brasil, Itaú, ABN Amro Real e Bradesco: Bancos fundadores do GHG Protocol no Brasil o Justificativa: o apoio a uma iniciativa não significa que a finalidade desta foi executada pelas instituições. Banco Crédit Agricole: ferramenta interna que permite gerentes se informarem sobre classificação da responsabilidade corporativa de empresas e países. o Justificativa: As informações de domínio público sobre a ferramenta não mencionam mudanças climáticas. Itaú: Metas para 2010 e Posicionamento sobre os impactos das mudanças climáticas o Justificativa: a iniciativa ainda não foi concretizada. As fontes de informação, tanto para as demandas como para as iniciativas, estão detalhadas na próxima seção. 15 BankTrack,

11 Tabela 2.2: Quadro Resumo Forma de atuação Emissões Financiadas Emissões Financiadas e Diretas Emissões Diretas Demanda Atendida Nível de Atendimento Palavra-Chave Demanda 1: Afastar-se de setores e projetos que contribuem substancialmente para MC Demanda 2: Minimizar o impacto das iniciativas financiadas Demanda 3: Aumentar o suporte às atividades de tecnologia limpa e de baixo impacto. Demanda 4: Não engajar em soluções polêmicas Demanda 5: Gerenciar riscos das MC oferecendo produtos e alternativas Demanda 6: Conscientizar stakeholders sobre o tema. Demanda 7: Aumentar a eficiência energética operacional. Fonte: autores Legenda: Mudanças Climáticas: MC a. Acompanhar e relatar as emissões de GEE financiadas b. Estabelecer metas de redução de emissões de GEE financiadas c. Desenvolver ferramentas ou produtos para auxílio à redução GEE financiada a. Transação de crédito de carbono; b. Operações com Energia Nuclear; c. Operações com Hidroelétricas de grande porte. a. Iniciativas de conscientização em geral. b. Pesquisas e/ou publicações cujo conhecimento pode vir a ser aplicado em produtos e serviços da instituição financeira (aplicado somente em iniciativas individuais). a. Acompanhar e relatar as emissões operacionais. b. Estabelecer metas de redução de emissões operacionais. c. Desenvolver ferramentas para auxílio à redução de emissões operacionais. d. Desempenhar outras iniciativas para redução de emissões operacionais. Normalmente servem apenas de apoio às medidas anteriores. 1. Afastar-se 2a. Minimizar - Relatar 2b. Minimizar - Metas 2c. Minimizar - Ferramentas 2d. Minimizar - Medir 3. Tecnologia Limpa 4a. Polêmica - Carbono 4b. Polêmica - Nuclear 4c. Polêmica - Hidrelétrica 5. Riscos 6a. Conscientizar - Geral 6b. Conscientizar - Aplicado 7a. Operacional - Relatar 7b. Operacional - Metas 7c. Operacional - Ferramentas 7d. Operacional - Outros 7e. Operacional - Medir 11

12 4. Redes de Finanças Sustentáveis e Mudanças Climáticas Redes sociais e empresariais são sistemas que reúnem indivíduos e organizações em torno de objetivos ou temáticas comuns. Com papel de destaque nos movimento de sustentabilidade, as redes sociais e empresariais influenciam iniciativas e debates 16. Complementar à metodologia e ao mapeamento, esta seção explora as principais redes que deram subsídios ao estudo e o que estas vêm desenvolvendo. Primeiramente, serão abordados movimentos da sociedade civil, com foco no ativismo. Em seguida, são introduzidas as iniciativas coletivas, que contam com a participação das próprias instituições financeiras, voltadas para o contexto de mudanças climáticas Movimentos da Sociedade Civil BankTrack No mundo, a maior notoriedade da sociedade civil com foco no setor financeiro é a BankTrack. Fundada em 2004, é uma rede internacional de organizações da sociedade civil e indivíduos que acompanha impactos na sociedade e no planeta, causados pelas operações de instituições financeiras. Marcados pela objetividade, os relatórios da BankTrack primam pela visão crítica e focada em resultados, analisando as iniciativas do setor financeiro à luz da sua importância econômica. No Brasil, ela é representada pela ONG Amigos da Terra, por meio do programa Eco-Finanças, da Amigos da Terra Amazônia Brasileira. Como introduzido na metodologia, o relatório da BankTrack A Challenging Climate traz com clareza aquilo que bancos precisam fazer com relação a mudanças climáticas. Lançado em dezembro de 2009, por ocasião do encontro da Conferência das Partes em Copenhagen, o relatório tem por objetivo incentivar uma resposta mais robusta por parte das instituições financeiras. Mais recentemente, em abril de 2010, a BankTrack lançou outro relatório, o Close the Gap 18, que pontua (0 a 5) as políticas dos banco sobre vários aspectos, entre ele o clima. A pontuação considera também a transparência e a prestação de contas dos procedimentos e práticas adotados pelos bancos. Após avaliar 49 bancos internacionais em relação a mudanças climáticas, mais de 90% pontuou 1. Este nível de pontuação denota que apesar da larga adesão a padrões ou iniciativas voluntárias os compromissos ainda são vagos e sem clareza. As demais instituições pontuaram zero, pois nem sequer se comprometeram com padrões ou iniciativas voluntários. 16 Louette, BankTrack, BankTrack, A publicação Close the Gap é uma revisão da Mind the Gap, publicada pela mesma instituição em

13 A linha de base deste levantamento foi constituída pelas demandas e análises propostas pela BankTrack. Rainforest Action Network (RAN) Apresenta em seu histórico fortes campanhas pela responsabilização das instituições financeiras realizadas no final dos anos 90. Quanto a mudanças climáticas, foca em termoelétricas (carvão) e áreas de oil sands, o pior tipo de óleo para o clima, tendo como alvo instituições financiadoras de tais empreendimentos. Entre suas vitórias (auto-declaradas), estão critérios com relação a mudanças climáticas nas políticas de investimentos do JP Morgan e Goldman Sachs, em Iniciativas Coletivas Empresariais Dentre as diversas iniciativas que tangenciam o tema, foram usados como critérios de seleção: relevância e resultados apresentados no mapeamento do estudo. As iniciativas foram agrupadas de acordo com seu foco: Instituições Financeiras e Mudanças Climáticas, Empresas e Mudanças Climáticas e Finanças Sustentáveis Instituições Financeiras e Mudanças Climáticas Carbon Principles A iniciativa é liderada pelos bancos Citibank, JP Morgan Chase, Bank of America e Morgan Stanley. Sua proposta é auxiliar as instituições financeiras e seus clientes, do setor de energia, a compreender e responder a riscos relacionados à emissão de carbono e mudanças climáticas, gerados em parte devido a diferenças de legislação entre os estados americanos. Os principais instrumentos do Carbon Principles são diretrizes de due dilligence apresentados por meio de questões que as instituições financeiras devem considerar junto aos seus clientes. Climate Principles Liderada pelos bancos Crédit Agricole, HSBC, Munich Re, Standard Chartered Bank e Swiss Re, a iniciativa tem um escopo mais amplo que o Carbon Principles: busca estabelecer padrões e melhores práticas para endereçar implicações das mudanças climáticas em todos seus serviços de assessoria, empréstimos, investimentos e seguros. Em março de 2009, a BankTrack apresentou uma contra-argumentação sobre o Carbon Principles e Climate Principles em um relatório nomeado Meek Principles for 13

14 a Tough Climate 19. Sua principal crítica é que estas iniciativas não tratam mudanças climáticas com o rigor e a urgência que a realidade do planeta requer. Em janeiro de 2010, o Climate Principles publicou um relatório de revisão de progresso, onde é apresentado o que cada banco tem feito sobre o assunto. A PriceWaterHouseCoopers fez uma avaliação de quão avançados estavam os níveis de implementação de cada princípio em cada banco. Porém a metodologia não é clara e não esclarece a relação entre as evidências de práticas e o programa de reduções. Assim, apesar do relatório mencionar programas maduros, a maioria das práticas levantadas no mapeamento são ações pontuais Outras Iniciativas Empresariais sobre Mudanças Climáticas Há ainda outras iniciativas, também apoiadas por instituições financeiras, mas que não endereçam os aspectos específicos do setor, ou o fazem de maneira indireta. Estas iniciativas foram utilizadas na medida em que eram relevantes às instituições financeiras. CDP - Carbon Disclosure Project: Coalizão de fundos de pensão, com ativos que totalizam 41 trilhões de dólares, possui a maior base de dados sobre a atuação das empresas em mudanças climáticas. GHG Protocol: Lançado em 1998, tem como missão desenvolver um padrão de contabilização e divulgação de emissões corporativas de Gases de Efeito Estufa (GEE) que seja aceito internacionalmente e promover sua ampla adoção Iniciativas em Finanças Sustentáveis PRI - Principles for Responsible Investment: Iniciativa da força tarefa para Finanças Sustentáveis do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP-FI, em inglês). Consiste em princípios para alinhar investidores institucionais aos objetivos mais amplos da sociedade. Apesar do foco mais geral, há algumas iniciativas em mudanças climáticas, pontuais, que são apoiadas pelo PRI. Protocolo Verde: Documento público no qual bancos públicos brasileiros e posteriormente a FEBRABAN 20, assumiram o compromisso com princípios de sustentabilidade nos processos de financiamento e gestão. Como um protocolo de intenções, não apresenta medidas claras, inclusive sobre mudanças climáticas. 19 BankTrack, Em Abril de 2009 Ministério do Meio Ambiente e a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) assinaram o protocolo de intenções representando os bancos privados. 14

15 Princípios do Equador: Conjunto de princípios desenvolvidos e adotados voluntariamente por algumas instituições financeiras no mundo todo aplicável somente a grandes projetos de financiamento conhecidos como project finance. Para tanto, aplica os Padrões de Desempenho desenvolvidos pelo IFC Banco Mundial. Atualmente estes padrões não versam claramente sobre Mudanças Climáticas, mas sobre poluição. GRI Global Reporting Initiative: Produz diretrizes para elaboração de relatórios de sustentabilidade, focando não apenas o conteúdo final, mas também seu processo de elaboração, que deve pautar-se por uma série de princípios relacionados à sustentabilidade, à Responsabilidade Empresarial e às boas práticas de governança. Há quatro indicadores que abordam especificamente mudanças climáticas. Nenhum deles menciona emissões financiadas. ISE Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa: A metodologia de seleção do índice inclui um questionário ambiental específico para instituições financeiras com perguntas diretamente relacionadas com Mudanças Climáticas (versão 2009). Força Tarefa de Finanças Sustentáveis do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP-FI, em inglês): Parceria entre a UNEP e o setor financeiro, conta com mais de 190 instituições, incluindo bancos, seguradoras e gestores de fundos. Juntos, buscam entender como considerações ambientais e sociais impactam seu desempenho financeiro. 15

16 5. Mapeamento Nesta seção são apresentadas as iniciativas mapeadas já enquadradas conforme a forma de atuação (emissões direta ou emissões financiadas) e conforme a demanda atendida. As iniciativas coletivas e individuais encontradas estão relatadas nas tabelas 4.2 e 4.3 respectivamente, e resumidas na tabela 4.1 abaixo. Foram 66 iniciativas mapeadas, 20 (30,3%) de origem coletiva e 46 (69,7%) de origem individual, 11 (16,6%) iniciativas são de entidades brasileiras. Chama a atenção o fato de que para a demanda de afastamento de setores de maior emissão (Demanda 1) não foram encontradas iniciativas correspondentes, assim como para as demandas de mensuração dos impactos gerados (Demandas 2.d e 7.e) 21. A maior parte das iniciativas endereça a questão de mudanças climáticas via ações de minimizar emissões (33%), ações de conscientização (33%) dos públicos interno e externo ou em redução de emissões operacionais (17%). Algumas instituições encabeçam e/ou participam em várias iniciativas como o caso do Crédit Agricole (10), Swiss Re (9) e o Standard Chartered Bank (7), que juntos representam 59% das iniciativas individuais. Em termos de área de atuação, a resseguradora Swiss Re traz sete iniciativas em seguros e mudanças climáticas, seguem iniciativas nas áreas de financiamento (6) e gestão de ativos (7). Para além das seguradoras, dentre os bancos, há pouca iniciativa de gestão do risco de exposição a setores mais emissores. Dentre as iniciativas coletivas o Índice de Sustentabilidade Empresarial da BOVESPA é o que incorpora mais ações (5). Tabela Quadro Resumo Todas as Iniciativas Iniciativas coletivas Iniciativas Individuais Demandas N % N % N % 1. Afastar-se - 0,00% - 0,0% - 0,00% 2a. Minimizar - Relatar 2 3,03% 1 5,0% 1 2,17% 2b. Minimizar- Metas 3 4,55% 2 10,0% 1 2,17% 2c. Minimizar- Ferramentas 9 13,64% 3 15,0% 6 13,04% 2d. Minimizar- Medir - 0,00% - 0,0% - 0,00% 3. Tecnologia Limpa 7 10,61% - 0,0% 7 15,22% 4a. Polêmica - Carbono 5 7,58% - 0,0% 5 10,87% 4b. Polêmica - nuclear 1 1,52% 1 5,0% - 0,00% 5. Riscos 6 9,09% 2 10,0% 4 8,70% 6a. Conscientizar - Geral 9 13,64% 2 10,0% 7 15,22% 6b. Conscientizar- Aplicado 13 19,70% 4 20,0% 9 19,57% 7a. Operacional - Relatar 5 7,58% 4 20,0% 1 2,17% 7b. Operacional - Metas 1 1,52% - 0,0% 1 2,17% 7c. Operacional - Ferramentas 3 4,55% 1 5,0% 2 4,35% 7d. Operacional - Outros 2 3,03% - 0,0% 2 4,35% 7e. Operacional - Medir - 0,00% - 0,0% - 0,00% Total Fonte: autores 21 Neste quesito, foi mapeado: uma pergunta no questionário ISE e a decisão de um Banco sobre qual seria o ponto de partida para o monitoramento de emissões financiadas. 16

17 Legenda: Mudanças Climáticas: MC Cores e Forma de atuação Emissões Financiadas das instituições financeiras: Emissões Financiadas e Diretas Emissões Diretas 17

18 Tabela Iniciativas Coletivas Demanda Iniciativa Atuação em mudanças climáticas 1. Afastar-se Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos 2a. Minimizar - Pergunta para bancos sobre existência de inventário de ISE Bovespa Relatar emissões financiadas (AMB IF-15) 2b. Minimizar- Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Metas (conforme apresentados na metodologia) 2c. Minimizar- Ferramentas 2d. Minimizar- Medir 3. Tecnologia Limpa 4b. Polêmica - nuclear 5. Riscos 6a. Conscientizar - Geral 6b. Conscientizar - Aplicado 7a. Operacional - Relatar Carbon Principles IIGCC Guidelines ISE Bovespa ISE Bovespa Diretrizes para due dilligence Guia de MC para investidores Pergunta para bancos sobre incorporação de critérios com relação a MC na política socioambiental de avaliação de crédito/risco (AMB IF-14) Pergunta para bancos sobre existência de metas para redução de emissões financiadas (AMB IF-15) Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Carbon Principles ISE Bovespa GRI PRI Protocolo Verde CEBDS CDP Climate Principles IIGCC Public Policies Demand CDP GHG Protocol Apóia energia nuclear Pergunta para bancos sobre consideração de MC no desenvolvimento de novos produtos e serviços (AMB IF-16) Indicador econômico de desempenho: relato sobre oportunidades frente a MC para oferecer novos produtos, serviços ou encaminhar desafios (EC2) Pesquisa sobre envolvimento de instituições financeiras em iniciativas MC Carta de intenções assinada por bancos, menciona MC Avaliação do potencial de estragos e de oportunidades para o sistema financeiro - setor frigorífico. Fonte de informação para investidores sobre inventários de emissões de GEE Publicação sobre desempenho dos bancos signatários com relação aos princípios da iniciativa Publicação onde IGCC declara necessidade de políticas públicas para MC Consolidação e comunicação de inventário Metodologia para inventário de emissões de carbono nas empresas GRI Comunicação de inventário (EN16-18) ISE Bovespa Pergunta para bancos sobre cobertura de inventário e resposta ao questionário do CDP (AMB-IF 15) 7b. Operacional - Pergunta para bancos sobre existência de metas para redução ISE Bovespa Metas de emissões financiadas (AMB IF-15) 7c. Operacional - Ferramentas CDP Níveis de envolvimento com MC 7d. Operacional - Outros Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos 7e. Operacional - Medir Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Fonte: autores Legenda: Mudanças Climáticas: MC Cores e Forma de atuação das instituições financeiras: Emissões Financiadas Emissões Financiadas e Diretas Emissões Diretas 18

19 Tabela Iniciativas Individuais Demanda Instituição Financeira Atuação em mudanças climáticas 1. Afastar-se Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos 2a. Minimizar - Ponto de partida para gestão de portfólios: acompanhamento e relato Bank of America Relatar nas emissões de GEE do portfólio de energia e utilidades 2b. Minimizar - J.P. Morgan Chase Redução de 20% nas emissões financiadas em Real State até 2012 Metas 2c. Minimizar - Ferramentas 2d. Minimizar- Medir 3. Tecnologia Limpa 4a. Polêmica - Carbono 5. Riscos HSBC Standard Chartered Bank Nossa Caixa Bradesco Crédit Agricole Bradesco Índices de MC: HSBC Low Carbon Index, HSBC Climate Change Index Ferramenta de gerenciamento de risco 22 instrui gerentes a encorajarem clientes a publicarem suas emissões Linha de Financiamento para projetos da iniciativa privada que proporcionem a redução de emissões de gases de efeito estufa 23 Linha de crédito destinada a clientes pessoa jurídica que pretendam contratar projetos de redução de emissões de GEE. 24 Produto: Empréstimos para aumentar a eficiência energética de residências antigas Área de gestão de Crédito de Carbono: apoio para clientes corporativos reduzirem suas emissões Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Crédit Agricole (Grupo) Produto: CAAM Funds Clean Planet. Busca investir 2/3 dos ativos em empresas de energia limpa, eficiência energética e tratamento de lixo Crédit Agricole Produto: Fundo para energias renováveis (Capenergie) 25 J.P. Morgan Chase Investimento em energia renovável: US$2,4 bilhões até o final de Swiss Re Crédit Agricole Munich Re Swiss Re Crédit Agricole Standard Chartered Bank Crédit Agricole Bank of America Swiss Re Crédit Agricole Swiss Re Standard Chartered Bank Produto: Fundo para energias alternativas Produto: pioneiro em seguro para painel solar. Sua provisão é revertida em apoio para o crescimento de energias renováveis Produto: soluções tradicionais, customizadas para energia renováveis. Ex.: cobertura para garantia de performance de módulos fotovoltaicos Produto: seguro para tecnologia de energia renovável, ex. eólica e solar Produto: Fundo para energias renováveis (Capenergie) inclui energia térmica Mesa de operações de Dióxido de Carbono (CO2) permite aos clientes acesso ao EU-ETS, CDM, e mercados voluntários Mesa de operações de Dióxido de Carbono (CO2) Joint venture com Climate Exchange plc (CLE) para desenvolver produtos e serviços relacionados a CO2, usando CLE-linked offsets para o varejo e corporate banking Time específico para estruturação de riscos e transferência de produtos para fundo de CO2, compliance buyers e transações em mercados secundários de carbono. Produto: financiamento para produtores se precaverem das MC Produto: seguro para danos naturais influenciados pelas MC Avaliação de riscos do portfólio de empréstimos por exposição do setor e geográfica 22 Environmental and Social Risk Assessment Tool 23 Motivada pela política Estadual de Mudanças Climáticas de São Paulo 24 Processos para melhoria da eficiência na utilização/transmissão de energia; desenvolvimento de novas tecnologias energéticas limpas; substituição de combustíveis poluentes; reflorestamentos 25 Energia eólica, solar, termal, fotovoltaica, geotérmica, biomassa e hidrelétrica. Também inclui infraestrutura para o setor de energia eólica e de biomassa. 19

20 5. Riscos Swiss Re Diretrizes para identificação de riscos emergentes relacionados às MC 6a. Conscientizar- Geral 6b. Conscientizar- Aplicado 7a. Operacional - Relatar 7b. Operacional - Metas 7c. Operacional - Ferramentas Swiss Re HSBC Crédit Agricole Standard Chartered Bank, Itaú Unibanco Standard Chartered Bank Standard Chartered Bank, HSBC Standard Chartered Bank Royal Bank of Scotland Munich RE Munich Re, Swiss Re Munich Re Crédit Agricole J.P. Morgan Chase HSBC Swiss Re Itaú Unibanco Crédit Agricole, HSBC, Munich RE, Standard Chartered Bank, Swiss RE Subsídio para investimentos de funcionários em projetos de redução de emissões de carbono Guia setorial para apoiar gestores do banco no diálogo sobre riscos e oportunidades das MC Guia sobre produtos/serviços do banco que reduzem emissões de CO2 Simulador de carbono com acesso público Carta de compromissos para com as MC Educação de funcionários sobre MC Treinamento de funcionários sobre riscos de MC Pesquisa sobre riscos de enchente Mapeamento global de desastres naturais Publicações sobre produtos e setores com relações diretas a underwriting, gestão de riscos e estratégias de hedging Pesquisa sobre os impactos econômicos das MC em todos os aspectos da indústria de seguros e resseguros, em parceria com universidade Pesquisa sobre MC: nexos entre desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas e finanças, em parceria com universidade Pesquisa sobre MC: riscos e oportunidades Pesquisa sobre expectativas da sociedade sobre as MC - Climate Confidence Monitor Publicações sobre MC Produtos: Itaú DI Ecomudança e Itaú RF Ecomudança. Revertem 30% da taxa de administração para o apoio a projetos que reduzem a emissão de gases causadores do efeito estufa 26 Relato do inventário Barklays Meta de redução de 2% das emissões operacionais por funcionário 27 Swiss Re Crédit Agricole Programa de eficiência de energia. Redução de 30% das emissões ( ) Ferramenta de car-sharing para funcionários 7d. Operacional - Standard Chartered Bank Campanha para redução de correspondência física Outros National Australia Bank Parceria com fornecedor para cartões de crédito carbono neutro Group 7e. Operacional - Não foram encontradas iniciativas que se enquadrassem nos critérios estabelecidos Medir Fonte: autores Legenda: Mudanças Climáticas: MC Cores e Forma de atuação Emissões Financiadas Emissões Financiadas e Diretas Emissões Diretas das instituições financeiras: 26 Eficiência Energética; Energias Renováveis; Manejo de Resíduos 27 Ao invés de reduzir 2% suas emissões por funcionário, o banco terminou o período com aumento de 31%. O Banco justifica que reduziu o se quadro de funcionário e fez novas aquisições neste período. 20

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

GVces: Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (EAESP)

GVces: Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (EAESP) GVces: Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (EAESP) Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) A criação do GVces em 2003 na FGV-EAESP foi uma

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais Sistemas de Boas Práticas Internacionais por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental Santander Brasil Brasília, 21 de agosto, 2014 O que é uma externalidade? 2 Rio limpo Ar limpo Algumas

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO...

Leia mais

Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm

Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm FINANÇAS Finanças sustentáveis Os efeitos indesejáveis do crescimento econômico têm preocupado a sociedade civil e suas instituições há algumas décadas, devido aos impactos socioambientais das atividades

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006

ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006 ABN AMRO REAL The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America Cris Ronza November 10, 2006 Os Princípios do Equador no ABN AMRO Real O que é, quando

Leia mais

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Febraban Perfil Fundada em 1967 Principal entidade representativa do setor bancário brasileiro 114 associados

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Sustentabilidade e Mudança Climática

Sustentabilidade e Mudança Climática Sustentabilidade e Mudança Climática 23 de Setembro 2009 Definindo uma Estratégia Corporativa para lidar com Mudanças Climáticas de forma sustentável Aceitar que o debate está concluído Entender a sua

Leia mais

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade

Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade Mudanças Climáticas - Caminhos e Soluções Fatores para a mudança em direção à sustentabilidade ECOLATINA - 2007 Breve histórico: 1972: Conferência sobre Meio Ambiente ONU / Estocolmo 1980: Superfund -

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa

PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL. Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa PROGRAMA BRASILEIRO GHG PROTOCOL Utilizando o inventário de emissões de GEE como ferramenta de gestão corporativa São Paulo, 03 de setembro de 2013 VI SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS - SHS 2013 EMISSÕES

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Roland Widmer Café com Sustentabilidade São Paulo, 14 de abril de 2010

Roland Widmer Café com Sustentabilidade São Paulo, 14 de abril de 2010 O Desafio Climático 2.0 O que os bancos devem fazer para combater as mudanças climáticas Roland Widmer Café com Sustentabilidade São Paulo, 14 de abril de 2010 Amigos da Terra - Amazônia Brasileira Programa

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Pactos e Compromissos Estratégica e Prática

Pactos e Compromissos Estratégica e Prática Pactos e Compromissos Estratégica e Prática Clarissa Lins F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Contexto Principais Iniciativas Voluntárias Protocolo

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 25 de fevereiro de 2015 Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87% do valor total de mercado (base 24/11/2014) Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87%

Leia mais

Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios

Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios Sustentabilidade e Responsabilidade Social no Setor Elétrico Brasileiro: Novos Desafios Lisangela da Costa Reis Novembro/ 2008 Introdução Forte associação entre RSC e Sustentabilidade Construção de agendas

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental

Risco Socioambiental. por Christopher Wells. Superintendente Risco Socioambiental Risco Socioambiental por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental MARÇO 2013 Risco Socioambiental Conceitos Básicos Equator Principles Crédito Corporativo Aceitação de Clientes O que é uma

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Metodologia, resultados e ações INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Metodologia, resultados e ações CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS CARTA ABERTA AO BRASIL Compromissos Assumidos A. Publicar anualmente o

Leia mais

A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas. Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38

A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas. Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38 A Norma ISO 14064 Mudanças Climáticas Vitor Feitosa Coordenador do SC-09 da ABNT/CB-38 ISO WG5 Mudanças Climáticas ISO TC 207 - Environmental Management Working Group 5 Mudanças Climáticas Implantado em

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Capital de Risco para projetos de Energia

Capital de Risco para projetos de Energia Workshop Internacional sobre Geração de Eletricidade com Gás de Lixo em São Paulo Capital de Risco para projetos de Energia São Paulo, 25 de junho de 2001 1 Fontes de recursos para Projetos e Empresas

Leia mais

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE

GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM SUSTENTABILIDADE Comissão Técnica Nacional de Sustentabilidade novembro/2014 Sumário Desenvolver e aplicar análises ESG - ambiental,

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade

Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade Responsabilidade Socioambiental, Negócios e Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE Fonte figura: Projeto Sigma Paula Chies Schommer CIAGS/UFBA Novembro 2007 O que define uma empresa como sustentável? 2 Objetivos

Leia mais

O papel das instituições financeiras na transição para uma economia verde

O papel das instituições financeiras na transição para uma economia verde 191 1 O debate começou a ganhar corpo na década de 1970 e se intensificou na virada do século: deve haver um limite para o crescimento, já que a economia faz parte de um sistema, o planeta Terra, cujo

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO IF

Dimensão Ambiental GRUPO IF Dimensão Ambiental GRUPO IF Serviços Financeiros Instituições Financeiras, Seguradoras Dimensão Ambiental 119 GRUPO IF... 118 CRITÉRIO I - POLÍTICA... 120 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

CAROS (AS) LEITORES (AS),

CAROS (AS) LEITORES (AS), Brochura-CafeSustent.indd 1 09/09/2011 12:00:41 CAROS (AS) LEITORES (AS), Em junho de 2007, a FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos deu início a uma série de cafés da manhã com o objetivo de discutir

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 Conteúdo Sobre o GVces Sobre o Programa Brasileiro GHG Protocol e o Registro Público de Emissões Política de qualificação dos inventários (Novo critério para o selo

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto dos Guias Ambientais 2005 Aprovação da Política Ambiental

Leia mais

Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social. Sustentabilidade Corporativa

Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social. Sustentabilidade Corporativa Reunião do Conselho Empresarial de Responsabilidade Social Sustentabilidade Corporativa F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Índice A FBDS Sustentabilidade

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável

Política de Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social e Ambiental do BNDES: Uma Agenda de Trabalho para o Desenvolvimento Sustentável Linha do Tempo BNDES - Destaques 1986 Criação do Programa de Conservação do Meio Ambiente 2003 Projeto

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann

Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann Desenvolvimento Sustentável: aspectos coorporativos e ambientais Fabio Feldmann Desenvolvimento Sustentável - Definição e Evolução O mundo nos últimos 50 anos Encruzilhadas Sustentabilidade Desafios O

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Sumário 1. Aplicação... 02 2. Definições... 02 2.1 Risco socioambiental... 02 2.2 Partes relacionadas... 02 2.3 Termos...

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

33º. Carbono Intocável: a bolha de carbono vai pegar o Brasil?

33º. Carbono Intocável: a bolha de carbono vai pegar o Brasil? 33º Carbono Intocável: a bolha de carbono vai pegar o Brasil? Caros (as) Leitores (as) Bem vindos a mais um Caderno do programa Café com Sustentabilidade, que chegou a sua 33ª edição com um debate sobre

Leia mais

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.

Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios. Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi. Seminário Ação 2020 Painel 1 Redefinindo o Valor da Sustentabilidade para os Negócios Agosto 2014 Gustavo Pimentel gpimentel@sitawi.net Sobre a SITAWI FINANÇAS DO BEM = Finanças Sustentáveis Assessoria

Leia mais

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado

Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Apresentação do projeto CiViA Ciclo de Vida Aplicado Agenda Sobre o GVces CiViA Contexto: ACV e o GVces Objetivos Atividades Cronograma Formas de adesão ciclo 2015 Evento de lançamento CiViA Centro de

Leia mais

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado

Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado Empresas brasileiras emitiram 85,2 milhões de toneladas de gases de efeito estufa no ano passado (Dados divulgados hoje no lançamento do programa Empresas pelo Clima, do GVCes, estão disponíveis em www.fgv.br/ces/epc

Leia mais

Workshops de Revisão Março 2015

Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de Revisão Março 2015 Workshops de revisão do questionário Agenda 14h-15h Abertura / Rodada de apresentações / Introd. do Coord. (1h) 15h- 16h Debate em grupos (1h) 16h- 16h15 Intervalo (15')

Leia mais

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro

A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro A ESTRUTURA DE SUSTENTABILIDADE International Finance Corporation (IFC) Gladis Ribeiro INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION (IFC), QUEM SOMOS? A IFC, membro do Grupo Banco Mundial, é uma instituição de desenvolvimento

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute

Metodologias para medir pegada carbônica. Stephen Russell World Resources Institute Metodologias para medir pegada carbônica Stephen Russell World Resources Institute O que é uma pegada carbônica? Empresa Fonte Instalação GHG Protocol Inventário Nacional Ferramentas de cálculo GHG Protocol

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial

Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Responsabilidade socioambiental: caminhos para uma política empresarial Referência mundial em sustentabilidade, com Bolsa de Johanesburgo, pelo Relatório Bolsas de Valores Sustentáveis Relatório de Progresso,

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

9. Regulação do Cap-And-Trade

9. Regulação do Cap-And-Trade 9. Regulação do Cap-And-Trade O Plano de Escopo recomendou o desenvolvimento de um Programa de Cap-and-Trade na Califórnia que se conecte com outros programas parceiros da Iniciativa Climática do Oeste

Leia mais

Relatos de Sustentabilidade

Relatos de Sustentabilidade Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Relatos de Sustentabilidade Descreva até 3 projetos/programas/iniciativas/práticas relacionadas a sustentabilidade Instruções 2015 Esse espaço é reservado

Leia mais

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil

Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Prática de Risco Socioambiental Procedimentos Banco Santander Brasil Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Programa Ambiental das Nações Unidas Iniciativa Financeira (UNEP FI) Silvia Chicarino

Leia mais