PGCA. Política de Governança Climática da Agropecuária SISTEMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PGCA. Política de Governança Climática da Agropecuária SISTEMA"

Transcrição

1 PGCA Política de Governança Climática da Agropecuária SISTEMA

2 CNA - Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Diretoria Executiva Senadora Kátia Abreu (TO) Presidente João Martins da Silva Júnior (BA) 1o Vice-Presidente José Zeferino Pedrozo (SC) Vice-Presidente de Secretaria José Mário Schreiner (GO) Vice-Presidente de Finanças Fábio de Salles Meireles Filho (MG) Vice-Presidente Executivo Assuero Doca Veronez (AC) Vice-Presidente Diretor Carlos Rivaci Sperotto (RS) Vice-Presidente Diretor Eduardo Corrêa Riedel (MS) Vice-Presidente Diretor José Ramos Torres de Melo Filho (CE) Vice-Presidente Diretor Júlio da Silva Rocha Júnior (ES) Vice-Presidente Diretor Vice-presidentes Ágide Meneguetti (PR) Almir Morais Sá (RR) Álvaro Arthur Lopes de Almeida (AL) Carlos Augusto Melo Carneiro da Cunha (PI) Carlos Fernandes Xavier (PA) Eduardo Silveira Sobral (SE) Fábio de Salles Meirelles (SP) Flávio Viriato de Saboya Neto (CE) Francisco Ferreira Cabral (RO) José Hilton Coelho de Sousa (MA) José Álvares Vieira (RN) Luiz Iraçu Guimarães Colares (AP) Mário Antônio Pereira Borba (PB) Muni Lourenço Silva Júnior (AM) Pio Guerra Júnior (PE) Renato Simplício Lopes (DF) Roberto Simões (MG) Rodolfo Tavares (RJ) Rui Carlos Ottoni Prado (MT)

3 SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Instituto CNA Conselho de Administração Conselho Deliberativo do SENAR Kátia Regina Abreu Presidente Júlio da Silva Rocha Júnior Presidente da FAES Roberto Simões Presidente da FAEMG Carlos Rivaci Sperotto Presidente da FARSUL Ágide Meneguetti Presidente da FAEP Senadora Kátia Abreu Presidente da FAET Renato Simplício Lopes Presidente da FAPEDF José Mário Schreiner Presidente da FAEG Raimundo Coelho de Sousa Presidente da FAEMA João Martins da Silva Júnior Presidente da FAEB Entidades Integrantes do Conselho Deliberativo Moisés Pinto Gomes Presidente Titulares Rui Carlos Ottoni Prado Presidente da FAMATO José Zeferino Pedroso Presidente do Conselho Administrativo do SENAR/SC Álvaro Arthur Lopes de Almeida Presidente da FAEAL Suplentes José Hilton Coelho de Sousa Presidente do Concelho Administrativo do SENAR/MA Andréa Barbosa Alves Chefe do Departamento de Educação Profissional e de Promoção Social-SENAR José Mario Schreiner Vice-Presidente de Finanças Secretário Executivo Og Arão Vieira Rubert Ministério do Trabalho e Emprego - MTE Ministério da Educação - ME Confederação Nacional da Indústria - CNI Organização das Cooperativas Brasileiras - OCB Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura - CONTAG Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento de Educação Profissional e de Promoção Social Andréa Barbosa Alves

4 Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Política de governança climática da agropecuária / Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil; Serviço Nacional de Aprendizagem Rural ; Instituto CNA. Brasília, DF : ICNA, p. 1. Agropecuária. Meio ambiente. 2. Clima. Política pública. 3. Mercado de carbono CDU 63:502.5

5 Palavra da Presidente As mudanças climáticas e seus impactos acarretam graves danos à agropecuária e ao meio ambiente. Mas as ações necessárias à mitigação podem trazer inúmeras oportunidades econômicas para o setor. As ações adotadas para reduzir a concentração de gases de efeito estufa (GEEs) na atmosfera, além de favorecer a conservação dos recursos ambientais indispensáveis à continuidade da atividade rural, podem resultar em ganhos financeiros decorrentes da comercialização de créditos de carbono e pagamento por serviços ambientais. Para favorecer o aproveitamento de tais benefícios pelos produtores rurais, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) desenvolveu a Plataforma Digital de Negócios Ecossistêmicos e o Mercado Agropecuário de Reduções de Emissão (MARE). São mecanismos econômicos que integram a PGCA e que propiciarão a obtenção de recursos financeiros por aqueles que praticarem atividades de redução de emissões ou sequestro de GEEs e de conservação do meio ambiente. Além de benefícios econômicos, a Plataforma e o MARE trarão outras vantagens ao setor. O incentivo à prática de atividades de baixo carbono resultará em uma atividade mais sustentável e, consequentemente, em maior competitividade no mercado mundial. Afastará, ainda, a possibilidade de eventuais barreiras comerciais impostas por motivações ambientais. Apresentamos para você, produtor, nesta cartilha, uma série de informações sobre estes mecanismos e seu funcionamento. SENADORA KATIA ABREU Presidente da CNA

6

7 Sumário 1. Apresentação 2. Introdução 3. Princípios 4. Objetivos 5. Programas de Implementação 6. Instrumentos de Implementação 7. Estrutura Organizacional 8. Considerações Finais

8

9 1. Apresentação As clima. recomendações descritas na Política de Governança Climática da Agropecuária poderão ser adotadas, voluntariamente, pelos produtores do setor agropecuário como orientação para melhorar as práticas rurais de prevenção e adaptação à mudança do Nosso objetivo é que as disposições da PGCA funcionem como guia de defesa e preservação do meio ambiente para as presentes e futuras gerações, em sinal de respeito ao próximo e reconhecimento da capacidade de evitar e amenizar os danos e ameaças relativos às mudanças climáticas. A PGCA está estruturada, principalmente, em ações de pesquisa científica e inovação tecnológica, projetos de capacitação, instrumentos de mercado para redução de emissões de gases de efeito estufa (GEEs). Sua implementação será constantemente avaliada e aprimorada de acordo com os trabalhos desenvolvidos pelo Observatório do Meio Ambiente e Clima do ICNA Esta Política, como instrumento de mobilização setorial, visa alcançar toda a cadeia produtiva do setor agropecuário. 9

10 2. Introdução A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil - CNA, na qualidade de representante do setor agropecuário, no papel de referência para o alcance de um agronegócio cada vez mais sustentável e competitivo mundialmente e como parceira do governo na implementação de ações que levem ao cumprimento das metas brasileiras de reduções de emissões de GEEs, considerando: Os tratados internacionais derivados da Conferência Mundial Rio-92, quais sejam, a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e o Protocolo de Quioto, a Convenção Internacional de Combate à Desertificação (UNCCD) e a Convenção Internacional sobre Diversidade Biológica (UNCBD); A Política Nacional sobre Mudança do Clima e o Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), que estabeleceram metas de redução de emissões aos diversos setores da economia, incluindo o agropecuário; A Plataforma de Durban, documento oficial da Organização das Nações Unidas que expressa as decisões da 17ª Conferência das Partes (COP-17), realizada em 2011, e responsável por estabelecer um calendário para implantação de um novo protocolo global, no qual todos os países do mundo terão de assumir compromissos com as metas obrigatórias de redução de emissões a partir de 2020; 10

11 11

12 e entendendo que: As gerações futuras têm o direito de receber um mundo melhor; A mudança do clima causa sérios danos ao meio ambiente e à agropecuária; A superação da questão climática é de extrema relevância para a vida sadia na Terra; O aumento da concentração de GEEs é provocado por atividades humanas que emitem gases estufa; Há necessidade de aprendizado para alcançar atitudes compatíveis com as tendências econômicas de atividades com baixa emissão de GEEs; O produtor rural tem papel preponderante na elevação do setor agropecuário para uma posição de destaque na solução dos problemas relativos à mudança do clima; É fundamental instruir o produtor rural quanto às mudanças climáticas, orientando-o na promoção de medidas de mitigação e adaptação; e O setor agropecuário é, entre todos os setores da economia, o que propicia reduções de emissão de GEEs de forma mais eficiente e com o menor custo, desenvolveu a Política de Governança Climática da Agropecuária (PGCA), propondo os princípios, objetivos, programas e instrumentos adequados ao alcance de uma produção de baixo carbono pelo setor agropecuário. 12

13 13

14 3. Princípios E adaptação sta Política é regida por princípios que funcionam como elementos norteadores da conduta do agropecuarista interessado em buscar o desenvolvimento de atividades de baixa emissão de carbono e de aos impactos das mudanças climáticas. Princípio geral Princípio da Capacidade de Agir em Favor do Clima: consiste no reconhecimento de que o produtor rural, por ter acesso à devida orientação técnico-científica e aos recursos financeiros disponíveis ao setor, possui aptidão para exercer, de modo efetivo e determinante, atividades agropecuárias que beneficiem o clima do planeta. Princípios específicos Princípio da Participação, da Transparência e da Informação: consiste no envolvimento do setor agropecuário nos processos de decisão relacionados às estratégias de enfrentamento da mudança do clima, de maneira a atender às necessidades peculiares do setor, em meio a um relacionamento transparente com os demais agentes de governança climática, para que haja um fluxo integrado de informações ambientais relacionadas com mudanças climáticas e agronegócio. 14

15 Princípio do Conservador-Recebedor: consiste em propiciar ao produtor rural, que realiza ações ambientais positivas, benefícios de ordem econômica, ecológica ou social, equivalentes à sua contribuição para os demais usuários do bem ambiental. Princípio da Cooperação: consiste em promover a realização de projetos multilaterais, por meio de parcerias entre o setor produtivo, o poder público e os demais segmentos da sociedade, tanto em âmbito nacional quanto internacional, favorecendo transferência de informação e conhecimento, de forma a alcançar o objetivo de estabilização da concentração de GEEs na atmosfera. Princípio da Responsabilidade Comum, Porém Diferenciada: consiste na adoção de ações de mitigação de emissões de GEEs, como resposta ao compromisso voluntário assumido pelo Brasil de contribuir para a estabilização dos níveis desses gases na atmosfera, proporcionalmente às incidências de mudança do clima que o País possa ter contribuído por meio da atividade agropecuária, no que refere-se à distribuição histórica da mudança do clima no tempo. Princípio do Desenvolvimento Sustentável e Segurança Alimentar: consiste na adoção de medidas que visem à estabilização da concentração de GEEs na atmosfera e à conservação do meio ambiente, proporcionando aos produtores do setor agropecuário simultâneos benefícios de ordem econômica, ecológica e social, que resultem no aumento da produtividade para atender à crescente demanda mundial por alimentos, na redução da pobreza e na melhoria no padrão de qualidade de vida. 15

16 16

17 17

18 4. Objetivos Objetivo principal APGCA tem por objetivo principal fomentar e orientar o setor agropecuário na implementação de ações em favor do clima e do desenvolvimento sustentável, por meio de medidas de reduções de emissões de GEEs, visando a estabilização de seus níveis na atmosfera, a adaptação às mudanças do clima e a conservação ambiental, de modo a tornar a atividade econômica das áreas rurais menos emissiva, sem, contudo, comprometer a produtividade. Objetivos específicos Os objetivos específicos desta Política, focados na mobilização, participação, capacitação, orientação e no fortalecimento do setor agropecuário, são: Compatibilizar os interesses sociais, econômicos e ambientais, almejando garantir que o desenvolvimento realizado pelo setor agropecuário promova a segurança alimentar e a redução da pobreza no campo, atendendo às necessidades de proteção do sistema climático; Incentivar a revisão adequada dos inventários nacionais de emissões, visando a contabilização correta das emissões do setor agropecuário; 18

19 Auxiliar na identificação das vulnerabilidades decorrentes da mudança do clima e fomentar medidas de adaptação nas áreas rurais, promovendo, sobretudo, ações que amenizem os impactos de desastres ambientais capazes de afetar o agronegócio; Identificar mecanismos financeiros para a implementação de atividades de redução de emissões nas áreas rurais; Possibilitar aos representantes do setor agropecuário a participação ativa nas discussões sobre clima, mantendo-os informados sobre as questões ambientais relacionadas ao aquecimento global e aos flagelos ecológicos correlatos; Formar e capacitar os produtores rurais para realizarem adequadamente as ações e os programas de baixo carbono; Incentivar as pesquisas voltadas ao desenvolvimento de novas práticas agropecuárias de baixo carbono, bem como o uso e intercâmbio de tecnologias ambientalmente responsáveis, além de promover a utilização de biocombustíveis e energias renováveis no campo; Fomentar o estabelecimento de parcerias entre os agentes do agronegócio e entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais, para proporcionar a implementação das ações e atividades de baixo carbono no campo; Divulgar os avanços do setor agropecuário na utilização de práticas de baixo carbono e redução de emissões de GEEs. 19

20 5. Programas de Implementação Para o alcance dos objetivos definidos nesta Política, foram inicialmente instituídos os seguintes programas: Programa por um inventário Correto Finalidade: incentivar a revisão dos inventários nacionais de emissões, visando a utilização dde metodologia adequadas a obtenção de dados precisos sobre as emissões de GEEs do setor agropecuário, por meio da utilização de índices adequados de mensuração e equivalência, da contabilização do carbono sequestrado pelos sumidouros. Programa Agropecuária de Baixo Carbono Finalidade: incentivar os atores do setor agropecuário a realizarem atividades agropecuárias que resultem em menor emissão de carbono e, conjuntamente, em projetos de crédito de carbono, com destaque para: Recuperação de áreas degradadas: que tem como finalidade transformar as terras desgastadas em áreas produtivas; Integração lavoura-pecuária-floresta e sistemas agroflorestais: que consiste em integrar pastagem com agricultura e floresta em uma mesma área; Sistema de plantio direto: que evita o revolvimento do solo, determina a rotação de culturas e realiza semeadura direta na palha da cultura anterior; 20

21 Fixação biológica de nitrogênio: que visa utilizar bactérias para captar o nitrogênio existente no ar e transformá-lo em matéria orgânica para as culturas, o que permite a redução do custo de produção, do uso de fertilizantes químicos e melhora a fertilidade do solo; Florestas plantadas: que consiste na cultura de pinus, eucalipto e outras espécies, proporcionando renda futura para o produtor e sequestro de carbono por meio da captação do carbono pelas árvores; Tratamento de dejetos de animais: utilizado para a geração de energia e produção de compostos orgânicos; Eficiência energética na agropecuária: que reside na utilização de projetos que contribuam para economia de energia no campo ou promovam a substituição ou redução de combustíveis de origem fóssil; Aplicação de técnicas na fermentação entérica: que consiste em realizar o melhoramento genético do gado e manipulação da dieta; Produção de composto orgânico a partir de gado confinado: que funda-se na utilização dos dejetos animais como adubo orgânico. 21

22 Programa Adaptação à Mudança do Clima Finalidade: reduzir os impactos negativos provocados pela mudança do clima por meio do levantamento das vulnerabilidades às quais o setor agropecuário está submetido e do estabelecimento das práticas mais adequadas para evitá-las ou minimizar seus impactos, sobretudo nas hipóteses de queimadas. Programa Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico Finalidade: estimular a pesquisa e o desenvolvimento científico e tecnológico das práticas de mitigação e adaptação às mudanças climáticas, bem como propiciar a transferência de tecnologias entre os diversos países do mundo, por meio de convênios e parcerias estratégicas, buscando as técnicas que promovam redução de emissões na agropecuária ao mesmo tempo em que favorecem o aumento da produção. Programa de Treinamento e Capacitação Finalidade: realizar a formatação e multiplicação das técnicas agrícolas e pecuárias de baixo carbono devidamente testadas, implementadas e selecionadas como mais benéficas ao setor agropecuário, no que diz respeito aos custos e ganhos de produtividade, capacitando o produtor rural para a sua aplicação por meio de cursos e treinamentos ministrados periodicamente. 22

23 23

24 6. Instrumentos de implementação Os instrumentos de implementação representam os recursos técnicos e financeiros que viabilizam a execução dos programas e, desta forma, a concretização dos objetivos da PGCA, sendo eles: Instrumentos Financeiros Fundo de Pesquisa e Desenvolvimento CNA: voltado ao desenvolvimento dos Programas de Implementação desta Política, englobando a criação de tecnologias específicas para projetos de redução de emissões de GEEs, desenvolvimento de novas metodologias de cálculo, fomento de projetos do Plano ABC e congêneres, de programas de treinamento e conscientização, de monitoramento dos resultados alcançados, auditorias, bem como a concessão de bolsas de estudos em cursos relacionados à sustentabilidade do agronegócio; Plataforma Digital de Negócios Ecossistêmicos: por meio da qual será realizado comércio de créditos de carbono, pagamento por serviços ambientais, certificação, entre outros negócios ecossistêmicos. Mercado Agropecuário de Redução de Emissões (MARE): mercado setorial desenvolvido no âmbito da Plataforma, voltado especificamente ao comércio de créditos de carbono derivados de redução de emissões nas atividades agropecuárias. 24

25 Instrumentos Técnicos Laboratório do Clima: plataforma de pesquisa, desenvolvida em parceria com a Unicamp, onde serão contabilizados os efeitos diretos e correlatos da mudança do clima para a agropecuária, bem como onde serão identificadas e compiladas as formas mais eficientes de combatê-los, promovendo o desenvolvimento das melhores práticas de redução de emissões e de adaptação às mudanças climáticas nas áreas rurais; Observatório do Meio Ambiente e Clima: instrumento de divulgação e disponibilização das informações e conclusões apresentadas pelo Laboratório do Clima, dos estudos sobre redução de emissões de GEEs e vulnerabilidades nas áreas rurais, de práticas produtivas de baixo carbono e de indicadores técnicos, políticos e econômicos que venham orientar produtores e técnicos na condução de projetos ambientais e relativos às questões climáticas. 25

26 7. Estrutura organizacional São partes integrantes da estrutura organizacional desta Política, os seguintes órgãos de deliberação e execução: Deliberação Comissão de Assuntos Estratégicos: fornece o direcionamento estratégico da PGCA, supervisionando as atividades de sua implementação, e responde pela revisão periódica da norma, definição de metas e prazos de cumprimento, bem como pela negociação dos interesses do setor agropecuário quanto às questões relativas ao clima e ao agronegócio, perante as diversas organizações nacionais e internacionais. Execução Comitê Científico: fornece todo o suporte científico para esta Política, averiguando se sua implementação está sendo realizada adequadamente, e é responsável pelo detalhamento e desenvolvimento dos procedimentos de execução dos Programas de Implementação, pelo acompanhamento da realização das atividades agropecuárias pelos produtores do setor, de acordo com as orientações desta Política, constatando se houve concretização de seus princípios, alcance de seus objetivos e ocorrência de benefícios para o clima do planeta. O Comitê Científico será responsável ainda pelo desenho de projetos de redução de emissões e pelo seu monitoramento e avaliação, além de promover a orientação dos produtores rurais para a execução e o financiamento dos Programas de Implementação e dos projetos do Mercado Agropecuário de Redução de Emissões. 26

27 27

28 8. Considerações finais A estruturação, o desenvolvimento e o funcionamento dos Programas de Implementação desta Política estarão previstos em sua Regulamentação Técnica. Se necessários à execução desta Política, outros programas e instrumentos de implementação poderão ser criados. A composição, as diretrizes, atribuições específicas e os aspectos procedimentais dos órgãos de aconselhamento, deliberação e execução serão regulamentados pelo Instituto CNA. Esta Política será revisada periodicamente, a fim de alcançar a sua eficácia e constante aprimoramento. 28

29 29

30 30

31 INSTITUTO CNA - ICNA Moisés Pinto Gomes Presidente do Conselho Administrativo Og Arão Vieira Rubert Secretário Executivo André Vicente Sanches Coordenador Técnico Equipe Técnica ICNA Juliano Leonidas Hoffmann Maria Emília Borges Alves Vanessa Helena Pacheco Silva Victor Calegario Ribeiro Equipe Técnica Menezes Advogados Adriana Torquelo Dalva Fazzio Flávio Menezes Flávio Rufino Gazani Gabriele Tusa Heraldo Meireles Pessanha Luiz Filipe Kopp Marcelo Duque Nuno Cunha e Silva Paulo Fernando Costa Rodrigo Bezerra Roseli Caires Thiago Pery de Linde Fotos Igo Estrela Wenderson Araújo 31

32 INSTITUTO Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil SGAN Quadra 601, Módulo K, Ed.Antonio Ernesto de Salvo Brasília - DF, CEP: Tel: (+55 61) Fax: (+55 61) Editora ICNA 32

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL confederação da agricultura E PEcuÁRia do BRaSil cna Diretoria Executiva Triênio 2011-2014 Presidente Senadora Kátia Abreu (TO) 1º VicePresidente João Martins

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Plano Agricultura

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais

Implementação do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) Ações e Expectativas

Implementação do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) Ações e Expectativas SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Implementação

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

COLÓQUIO - CENTROS DE ESTUDOS

COLÓQUIO - CENTROS DE ESTUDOS GVAGRO COLÓQUIO - CENTROS DE ESTUDOS CAMPINAS ROBERTO RODRIGUES COORDENADOR Roteiro para a apresentação no I Colóquio 1. Qual o desafio social a ser enfrentado? 2. Como o escopo do projeto foi definido?

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e

Inovação. no Estado de São Paulo. Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e Políticas Públicas para a promoção da Ciência, Tecnologia e no Estado de São Paulo Inovação Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia Subsecretaria de Ciência e Tecnologia Vantagens

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Programa ABC Linha de Crédito para Agricultura de Baixa Emissão de Carbono Sidney

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo DEPARTAMENTO DE ASSOCIATIVISMO RURAL E COOPERATIVISMO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO/MAPA Agropecuária Sustentável e Cooperativismo IV SIMBRAS Porto Alegre, 1º de agosto de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE

Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE Marcel Menezes Fortes II CONGRESSO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM SERGIPE 1 Agradecimentos e reflexões iniciais 2 Normas e Sistema de Gestão Integrado 3 Modelo de Excelência na Gestão 4 Interfaces

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL

Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Mudanças Climáticas Ações em SC SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL Funções da SDS Mudanças Climáticas Política Estadual sobre Mudanças Climáticas Objetivos: Fomento e incentivo

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura

Programa ABC. Agricultura de Baixo Carbono. Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono Programa para redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Emissões globais de GEEs Participação dos diferentes setores nas emissões de GEE, 2004

Leia mais

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças as Climáticas Visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano ABC Plano de Agricultura de Baixa Emissão de

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE.

(Do Sr. Wellington Fagundes) Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBSAE. PROJETO DE LEI N o, DE 2011 (Do Sr. Wellington Fagundes) Institui a Política Nacional de Bens e Serviços Ambientais e Ecossistêmicos PNBASAE, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária Brasília, 18 de abril de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO... 4 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil CONVITE À APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE SERVIÇOS DE CONSULTORIA País: Brasil Nome do Processo de Seleção: Consultor Bioma Mata Atlântica da Cooperação Técnica BR-X1028 O Ministério da Agricultura,

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA

PLATAFORMA DE GESTÃO AGROPECUÁRIA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA PLATAFORMA DE GESTÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA CNA/MAPA Histórico 2009/novembro Governo edita lei 12.097 que dispões sobre a rastreabilidade bovídea no Brasil: - Marca a Fogo - Guia de Transito Animal

Leia mais

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de abril de 2004 Presidência da República Casa Civil OS MINISTROS DE ESTADO CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria Processo de Construção do Plano Indústria O art. 11 da Lei 12.187/2009 determinou realização de Planos setoriais

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 Procedência: Governamental Natureza: PL./0063.5/2009 DO: 18.666 de 11/08/09 Decreto 2615 (14/09/2009) cria comissão técnica para a regulamentação da presente Lei.

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

MTE - SPPE SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Sistema Público de Emprego Trabalho e Renda (SPETR) O SPETR deve estruturar e integrar as seguintes funções/ações básicas e complementares: seguro-desemprego, intermediação de mão-de-obra, orientação profissional,

Leia mais