1 História e Geografia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 História e Geografia"

Transcrição

1 1 História e Geografia 1.1 Características Históricas Breve histórico sobre Blumenau O município de Blumenau foi fundado em 2 de setembro de Neste dia chegaram os primeiros 17 colonos para estabelecerem uma colônia agrícola nas terras obtidas pelo filósofo alemão Hermann Bruno Otto Blumenau junto ao Governo Provincial. Tornou-se Distrito de Paz em 1858; Vila(município) em fevereiro de 1880 e cidade em Blumenau passou em poucas décadas de produtor agrícola para uma economia diversificada, com forte participação do setor têxtil e vestuário. Também conhecida como cidade jardim, localiza-se no verde vale do Itajaí, em uma região de relevo montanhoso, cortada pelo rio Itajaí, de clima temperado e úmido e de temperatura média de 21º graus. Bastante quente no verão e agradável norestantedoano.aaltitudemédiaéde14meventosmédiossopramdoquadranteleste. Osprincipaisacessossão:a BR470que corta o município no sentido leste/oeste eliga,para leste, com os municípios de Luis Alves, Navegantes, Itajaí e BR 101 e para oeste com Pomerode, Indaial, Timbó e demais municípios do Vale do Itajaí e com o planalto; a SC 470 (Rodovia Jorge Lacerda), que liga Blumenau a Gaspar, Ilhota, Itajaí, BR 101 e; a SC474 (Rodovia Guilherme Jensen), que liga Blumenau a Massaranduba, Guaramirim e Jaraguá do Sul. A população projetada para 2014 é de habitantes (Base Censo 2010). O município é caracterizado pela indústria têxtil, pelos diversos clubes de caça e tiro, pela Oktoberfest, pelos cristais, pelos belos jardins e imensos parques naturais, pelo pioneirismo da primeira TV do Estado (Coligadas), pelo esporte amador, pelo turismo e pelas construções em estilo enxaimel. Destaque na produção de softwares, na gastronomia, no comércio e serviços diversificados, na saúde e transplantes, na educação, no associativismo e cooperativismo. Tradição, cultura, costumes, festas assim é Blumenau. Sigad 2015 Página 1

2 1.1.2 Datas históricas Data 26/12/ /09/ /05/ /02/ / /07/1873 Evento Nasce Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau Fundação da Colônia de Blumenau A colônia foi elevada a categoria de Distrito da Paz Blumenau é elevada à categoria de Vila (Município) através da Lei nº 860 Foi criada a Sociedade Teatral de Blumenau O Distrito de Paz de Blumenau é elevado à categoria de Freguesia Observações Na cidade de Hasselfelde no norte da Alemanha A 02 de setembro chegaram ao local os primeiros colonos, em número de 17. Em Outubro de 1880 uma grande enchente causou sérios prejuízos à população e à administração pública com a destruição de pontes e estradas. Só passou a configurar-se como sociedade em 1895, quando adotou o nome de Sociedade Teatral Frohsinn Instalada em 02/07/1878, sob a denominação de São Paulo Apóstolo 1875 Palácio da Justiça: Foi construído em 1875, foi ampliado em 1918 e completamente reformado em Parcialmente destruído por um incêndio em 1958, foi reconstruído em Abrigou a Prefeitura Municipal até 1982 e o Fórum, com todas as repartições judiciais e policiais. A partir de 2001 foi utilizado com Sede Cultural de Blumenau, como centro de diversas atividades culturais. 10/01/ /05/ / /10/1899 Fonte: Arquivo histórico. Somente nesta data se efetivou a instalação do município, quando a Câmara municipal, eleita no ano anterior, assumiu as funções legislativas O município foi elevado a Comarca Vapor Blumenau Vapor Blumenau Inauguração do Teatro Frohsinn, localizado na Alameda Duque de Caxias Falece o Dr. Fritz Müller em Blumenau Falece o Dr. Hermann Bruno Otto Blumenau, na Alemanha, na cidade de Braunschweig. O município havia sido elevado a categoria de município em 04/12/1880. Terceiro vapor a atracar em Blumenau. Suas peças vieram da Alemanha e foi montado no Porto de Itajaí. Contava com 28 metros de comprimento, 4,40 metros de largura e 2,10 metros de altura. O Vapor navegou pela primeira quando cobriu o percurso entre Itajaí e Blumenau. Deixou de navegar na década de 50, ficando por um bom período abandonado na foz do Ribeirão do Tigre, no bairro da Itoupava Seca, próximo às oficinas da Estrada de Ferro. Para esta inauguração foi encenada a peça Uma Idéia Maluca, de Karl Laufs, escolhida justamente pelo seu título, usado como resposta àqueles que consideravam loucura a idéia de construir um teatro em Blumenau. Um dos primeiros cientistas que tentou comprovar a teoria de Charles Darwin. Aos 79 anos. Sigad 2015 Página 2

3 1.2 Características Geográficas Localização: Caracteristicas, posição e municípios Região Geográfica Sul Unidade da Federação Santa Catarina - Mesorregião Geográfica Vale do Itajaí Região Metropolitana* Associação Secretaria Regional Característica Microrregião Geográfica Fontes: IBGE, AMMVI, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional - Blumenau Posição geográfica e distância à capital Posição geográfica Distância Latitude S Longitude W à Capital km 26 o 55' 10'' 49 o 03' 58'' 140 Fonte: Anuário Estatístico de SC Limites Norte Sul Oeste Leste Fonte: Anuário Estatístico de SC Aspectos territoriais Massaranduba e Jaraguá do Sul Guabiruba, Botuverá e Indaial Indaial e Pomerode Massaranduba, Luiz Alves e Gaspar Km 2 TOTAL 519,8 Urbana 206,9 Rural 312,9 Sede 419 Vila Itoupava 91 Urbana 7 Rural 84 Posição Blumenau Região Metropolitana Vale do Itajaí - Unidade territorial 19 (IBGE) AMMVI - Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaì 15ª e 35ª Secretaria Regional Fonte: IBGE e Prefeitura Municipal de Blumenau - Secretaria de Planejamento. Municípios Apiuna, Ascurra, Benedito Novo, Blumenau, Botuverá, Brusque, Dr. Pedrinho, Gaspar, Guabiruba, Indaial, Luis Alves, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio, Timbó Apiúna, Ascurra, Benedito Novo, Blumenau, Botuverá, Brusque, Doutor Pedrinho, Gaspar, Guabiruba, Ilhota, Indaial, Luiz Alves, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio, Timbó * Apiuna, Ascurra, Benedito Novo, Blumenau, Botuverá, Brusque, Dr. Pedrinho, Gaspar, Guabiruba, Indaial, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio, Timbó Blumenau, Gaspar, Indaial, Timbó, Rodeio, Benedito Novo, Doutor Pedrinho, Rio dos Cedros e Pomerode. * Em negrito: municípios do núcleo da região metropolitana, os demais municípios são da Área de Expansão Metropolitana da RM Vale do Itajaí. Posição Geográfica Distritos e áreas Municípios limítrofes Sigad 2015 Página 3

4 1.3 Clima Clima Indicador Índice Temperatura média mensal 20,1 ºC Temperatura média máxima 27,6 ºC Temperatura média mínima 16,1 ºC Média do mês + quente (Janeiro) 31,9 ºC Média do mês + frio (julho) 11,5 ºC Temperatura mais quente registrada (jan/1988) 42º C Temperatura mais fria registrada (agosto de 1992) -1ºC Umidade relativa do ar 84,20% Evaporação total mensal 45,3 piche Insolação mensal 139,95 h Pressão atmosférica mensal 1.013,05 mb Velocidade média dos ventos 1,20 m/s Precipitação total mensal em Blumenau (mm) 2000 a 2013 Continua ANO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul ,4 227,8 200,6 38,2 42,8 93,1 43, ,7 193,4 204,8 139,5 155,8 91,4 98, ,3 89,2 209,5 133,3 37,4 48,7 74, ,6 71,5 317,6 42,6 29,3 112,7 57, ,2 159,9 127,3 65,5 112,0 80,3 193, ,8 65,4 60,7 175,5 183,5 90,3 100, ,6 82,5 91,5 18,3 26,3 31,6 57, ,3 214,4 91,9 69,8 207,1 28,3 126, ,1 155,3 58,5 184,4 60,1 79,1 30, ,7 198,5 78,5 49,1 62,4 39,3 272, ,4 126,9 182,2 227,2 180,4 149,8 149, ,6 249,4 299,3 117,8 97,9 121,1 211, ,8 137,7 135,1 159,5 126,3 161,3 213, ,5 152,2 133,1 126,1 118,6 216,6 157,2 Final ANO Ago Set Out Nov Dez Total Anual ,4 184,5 128,6 72,6 218, , ,0 248,2 75,7 102,2 122, , ,3 165,6 132,4 124,5 165, , ,4 96,5 124,5 58,7 201, , ,3 145,9 220,7 107,1 137, , ,7 242,0 171,0 92,9 121, , ,6 71,4 80,0 165,0 136,6 970, ,6 61,7 135,7 141,3 206, , ,9 147,0 359, ,7 166, , ,1 296,4 145,1 246, , ,9 80,1 147,3 135, , ,5 248,7 132,7 49, , ,9 65,9 116,7 44,6 128, , ,3 233,7 123,3 96,8 119, ,8 Sigad 2015 Página 4

5 1.3.3 Media de temperaturas mensais 2008 a 2013 MÊS Jan 25,7 25,2 25,7 27,6 25,7 25,3 Fev 25,0 26,1 28,1 26,4 27,6 26,5 Mar 22,4 26,4 25,4 23,8 25,9 22,9 Abr 22,4 23,6 22,4 22,9 23,2 21,9 Mai 19,2 20,6 19,5 19,6 20,2 19,7 Jun 16,4 16,8 17,2 16,6 17,8 18,4 Jul 19,0 16,1 17,8 16,6 16,4 16,7 Ago 18,9 19,2 17,3 17,2 20,4 17,3 Set 18,3 20,1 20,0 18,5 20,7 20,1 Out 21,2 21,4 20,9 22,2 22,7 22,0 Nov 22,0 26,4 23,8 22,6 24,4 23,1 Dez 24,4 24,9 22,9 24,9 27,4 26,7 Média 21,2 22,2 21,8 21,6 22,7 21,7 1.4 Ocupação e uso do solo Taxonomia dos solos Classes de solo PVLa Podzólico Vermelho-Amarelo Latossólico álico Ca Cambissolo álico Cd Cambissolo distrófico HGPd Glei Húmico distrófico Fontes: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Zoneamento ecológico-econômico - ZEE Sigad 2015 Página 5

6 1.4.2 Conflitos de uso dos solos Componentes básicos Aspectos favoráveis Aspectos limitantes Clima A região apresenta bons índices de precipitação, com chuvas bem distribuídas durante o ano, sem estação seca. As temperaturas anuais são amenas, entre 15º C e 24º C. Existe risco de cheias por precipitação, principalmente nos meses de primavera-verão. Um dos municípios com maior índice de cheias da região é Blumenau. Geologia - Faltam estudos mais aprofundados sobre a geologia da região, principalmente sobre o potencial de águas subterrâneas. Geomorfologia Recursos minerais Há extensas áreas com relevo plano e solos adequados para a irrigação por inundação, próprio para o plantio de arroz-irrigado. A região apresenta uma considerável riqueza em produtos minerais, apenas em parte explorada. Relevo com encostas íngremes, favorecendo o processo erosivo de algumas áreas da região. Tendência natural de expansão urbana para áreas de solos férteis. Inexistência de estudos aprofundados sobre o subsolo regional. Recursos hídricos A região conta com uma rede hidrográfica ampla e bem distribuída. Existem trabalhos junto ao setor público, privado e comunitário, com vistas à gestão e ao gerenciamento da água. Riscos futuros de conflito pelo uso de água em determinados pontos da bacia. A qualidade da água apresenta níveis elevados de comprometimento, principalmente junto aos centros urbanos maiores e nas áreas de intensa atividade agrícola. Cheias Cobertura vegetal Boa infra-estrutura para a prevenção e controle de cheias, sendo elevado o nível de participação comunitária nesse sentido (Universidade, Órgaos Públicos, Iniciativa Privada). A região está entre as que apresentam a maior área coberta com vegetação primária e secundária do estado. Apresenta várias Reservas Naturais. Alterações físico-ambientais provocadas por ocupações urbanas em áreas sujeitas a inundações frequentes agravam o problema. Intenso processo erosivo, com assoreamento e obstrução da rede hidrográfica. Há extensas áreas com topografia acidentada, onde a cobertura vegetal se encontra em parte degradada. A região conta com pouquíssimas áreas reflorestadas. Ocupação do solo agrícola Apresenta áreas planas e suavemente Extensas áreas de relevo que oscila entre forteondulado e montanhoso, fato que limita o seu uso onduladas, com solos hidromórficos (Glei), próprios para o plantio de arroz irrigado. São para diversas atividades agrícolas. A utilização do dotadas com sucesso práticas de solo em desacordo com a sua capacidade de uso conservação e recuperação do solo e da tem sido a principal causa da intensa erosão e do água na região (Projeto Micro-Bacias). assoreamento de rios na área. Ocupação do solo urbano As cidades da região que não integram as áreas conurbadas apresentam boas condições para expansão urbana. Observa-se processos desordenados de conurbação regional na área polarizada por Blumenau. Constata-se interferência crescente de rodovias sobre áreas urbanas. A urbanização às margens do rio Itajaí tem provocado problemas ambientais. Fontes: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Zoneamento ecológico-econômico - ZEE Sigad 2015 Página 6

7 1.4.3 Tipos de rochas de Blumenau Rochas Características Localização Rochas da Bacia do Itajaí Dentre estas rochas sedimentares antigas, na cidade de Blumenau, predominam arenitos arcoseanos e conglomerados. Os arenitos arcoseanos são rochas compostas por grãos de quartzo e feldspato, às vezes com pequenas quantidades de ferro. Estes arenitos são aquelas rochas de cor arroxeada, usadas em antigos calçamentos de paralelepípedos. Os conglomerados são rochas que contêm seixos arredondados fixados por uma matriz arenosa-argilosa. Bairro Boa Vista, Rua Itajaí, Spitzkopf e Rua das Missões Rochas sob a Bacia do Itajaí São rochas metamórficas que passaram por vários ciclos de transformação, devido aos movimentos dos continente. Estas rochas se Morro do chamam granulitos e se assemelham aos granitos, mas são mais escuras; Cachorro, na e em geral são mais densas que os arenitos e conglomerados. Os granulitos são compostos por quartzo, feldspatos e piroxênios, Itoupava principalmente. Fontes: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. Zoneamento ecológico-econômico - ZEE Observatório do Desenvolvimento Regional - FURB. (ícone: A região). Sigad 2015 Página 7

Sumário Executivo do Plano Diretor

Sumário Executivo do Plano Diretor Sumário Executivo do Plano Diretor 1. Objetivo do estudo i) Elaborar o plano diretor de medidas de mitigação dos desastres de enchentes e escorregamentos ii) Realizar estudos de viabilidade dos projetos

Leia mais

Geoprocessamento Luiz Fernando de Novaes Vianna vianna@epagri.sc.gov.br Juliana Mio de Souza julianasouza@epagri.sc.gov.br

Geoprocessamento Luiz Fernando de Novaes Vianna vianna@epagri.sc.gov.br Juliana Mio de Souza julianasouza@epagri.sc.gov.br RELATÓRIO SOBRE O LEVANTAMENTO DOS DESLIZAMENTOS OCASIONADOS PELAS CHUVAS DE NOVEMBRO DE 2008 NO COMPLEXO DO MORRO DO BAÚ MUNICÍPIOS DE ILHOTA, GASPAR E LUIZ ALVES Geoprocessamento Luiz Fernando de Novaes

Leia mais

Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU

Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU Março, 2015 AVALIAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO DE BLUMENAU SUMÁRIO SINDUSCON/SECONCI PARCERIA BRAIN SINDUSCON BLUMENAU VISÃO GERAL DO MERCADO SITUAÇÃO DA OFERTA PERSPECTIVAS 2015 CONCLUSÃO SINDUSCON Sindicato

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Programa de Controle de Dengue

Programa de Controle de Dengue Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

SAÍDA DE ESTUDOS: BLUMENAU & POMERODE PROFESSORES: MASSA E ALEXANDRE 06/09/2013

SAÍDA DE ESTUDOS: BLUMENAU & POMERODE PROFESSORES: MASSA E ALEXANDRE 06/09/2013 16 SAÍDA DE ESTUDOS: BLUMENAU & POMERODE PROFESSORES: MASSA E ALEXANDRE 06/09/2013 ORIENTAÇÃO 1) DEVERÁ SER ENTREGUE NO DIA 13/09/2013, UM RELATÓRIO SEGUINDO AS ORIENTAÇÕES E INFORMAÇÕES EXPOSTAS PELOS

Leia mais

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Encontro nacional De Águas Urbanas Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Eng. Elidio Nunes Vieira Engenheiro Civil

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

FEVEREIRO Posto de Atendimento Data Horário Dia da semana Local. Apiúna 28/02/2015 16h00 Sábado Capela Santa Rita - Rua Vargem Grande - Vargem Grande

FEVEREIRO Posto de Atendimento Data Horário Dia da semana Local. Apiúna 28/02/2015 16h00 Sábado Capela Santa Rita - Rua Vargem Grande - Vargem Grande FEVEREIRO Apiúna 28/02/2015 16h00 Sábado Capela Santa Rita - Rua Vargem Grande - Vargem Grande Ascurra 27/02/2015 19h30 Sexta-feira Centro de Eventos Per Tutti - Rua João Finardi - Tamanduá Benedito Novo

Leia mais

INUNDAÇÕES NO BRASIL

INUNDAÇÕES NO BRASIL INUNDAÇÕES NO BRASIL Dr. Adilson Pinheiro CEOPS Centro de Operação do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí Universidade Regional de Blumenau CEOPS Bacia do Rio Itajaí ENCHENTE Processos

Leia mais

Estado de Santa Catarina

Estado de Santa Catarina Estado de Santa Catarina Santa Catarina é o vigésimo estado brasileiro com maior extensão territorial e o décimo primeiro mais populoso. Seus índices sociais estão entre os melhores do Brasil e do Continente

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

Estado de Santa Catarina

Estado de Santa Catarina Estado de Santa Catarina Santa Catarina é o vigésimo estado brasileiro com maior extensão territorial e o décimo primeiro mais populoso. Seus índices sociais estão entre os melhores do Brasil e do Continente

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA

GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA Clima GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA 1 Conceitos Básicos Tempo Estado momentâneo da Atmosfera Clima Sucessão habitual do tempo Continentalidade Influência da distância do mar no clima 2 Fatores que influenciam

Leia mais

Portaria 56/2014 24/07/2014

Portaria 56/2014 24/07/2014 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Portaria 56/2014 24/07/2014 MINISTÉRIO DA AGRIVULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA PORTARIA Nº 56, DE

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

TOTAL 686 69 614 3 Fonte: LACEN SES SC

TOTAL 686 69 614 3 Fonte: LACEN SES SC Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia

Leia mais

exercícios _ SANTA CATARINA

exercícios _ SANTA CATARINA exercícios _ SANTA CATARINA CONTEXTUALIZANDO SANTA CATARINA EM ATIVIDADES 1. Assinale as proposições que estiverem de acordo com a hidrografia de Santa Catarina e/ou com o mapa a seguir. HIDROGRAFIA DE

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Santa Catarina Resumo da Seleção

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Professor Edgar Albuquerque Graeff" CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA Prof. António Manuel C. P. Fernandes maio - 2002 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA

ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA 1 ESTUDO PRELIMINAR DA DEGRADAÇÃO POR MINERAÇÃO: O CASO DO MUNICÍPIO DE TIMON/MA MARQUES, Rafael José Graduando em Geografia Universidade Estadual do Piauí UESPI Técnico em Tecnologia Ambiental IFPI. (rafaeljmarques.geo@gmail.com)

Leia mais

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA Ao observarmos, de forma rápida, a prova de Geografia da segunda fase da UFPR 2014, notamos abrangência nos assuntos abordados e o grau de dificuldade aguardado no concurso

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL Como pode cair no enem (PUC Adaptado) ºC 30 20 10 0 mm 500 350 250 150 1811 mm anuais 50 0 Baseado no climograma e nas afirmativas a seguir, responda a

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( )

RG: Órgão expedidor: Data de expedição: / / Tipo de pessoa: física jurídica CPF/CNPJ: CEP: Logradouro: Nº: Complemento: Telefone celular: ( ) Corretor: Seguro novo Nº apólice anterior: Possui outros seguros da mesma área? Recursos para a condução de floresta: Próprio Financiado Especificação do financiamento para condução da floresta? DADOS

Leia mais

Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento

Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento apresenta: Indústria Têxtil de Santa Catarina, Perspectivas e Desafios para o Crescimento Junho de 2015 apoio: patrocínio: Setor Têxtil em SC Polo Têxtil de Blumenau Dimensões e Importância de Santa Catarina

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRADAS LINHA DE PESQUISA DRENAGEM DE RODOVIAS

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRADAS LINHA DE PESQUISA DRENAGEM DE RODOVIAS FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS FEAMIG CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ESTRADAS LINHA DE PESQUISA DRENAGEM DE RODOVIAS PROJETO DE DISPOSITIVOS DE CAPTAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba Município de Santana de Parnaíba Plano Diretor 2005/2006 (para o período 2006/2013) ANEXO A.02 SANTANA DE PARNAÍBA DADOS GERAIS Referência em: Art. 8º 0 SANTANA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

A5 PROCESSO PARTICIPATIVO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO

A5 PROCESSO PARTICIPATIVO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO A5 PROCESSO PARTICIPATIVO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO O objetivo geral deste capítulo é descrever as ações de envolvimento da sociedade na primeira fase de elaboração do Plano da Bacia, inclusive as consultas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade

Coordenadoria de Proteção à Biodiversidade RELATÓRIO PARCIAL: MONITORAMENTO DOS FOCOS DE CALOR NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) ILHA DO BANANAL/CANTÃO, NO PERÍODO DE 01/01/2014 A 30/09/2014. Responsável pelo Relatório: Fábio Brega Gamba Biólogo

Leia mais

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário Resposta: 01 + 02 = 03 01. Correta. 04. Incorreta. O número de trabalhadores no setor primário, principalmente na agropecuária, continuou diminuindo devido à automação. O aumento ocorreu no setor de serviço.

Leia mais

Porto Seguro Empresa, Bares e Restaurantes, Multirisco, Hotéis e Pousadas, Concessionária, Pet Shop e Veterinária, Estética e Beleza e Consultórios

Porto Seguro Empresa, Bares e Restaurantes, Multirisco, Hotéis e Pousadas, Concessionária, Pet Shop e Veterinária, Estética e Beleza e Consultórios Novos serviços disponíveis para os estados de Santa Catarina, do Rio Grande do Sul, de São Paulo, de Minas Gerais e do Mato Grosso do Sul: Empresariais: Porto Seguro Empresa, Bares e Restaurantes, Multirisco,

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO PROFESSORES DO POSITIVO COMENTÁRIO DA PROVA DE Em Geografia mantendo a tradição a prova da 2ª fase da UFPR 2013 apresentou boa qualidade. Nota-se a preocupação dos elaboradores com a escolha e a abrangência

Leia mais

Udesc 2015 GEOGRAFIA PROFESSOR CÉLIO

Udesc 2015 GEOGRAFIA PROFESSOR CÉLIO Udesc 2015 GEOGRAFIA PROFESSOR CÉLIO LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DO BRASIL - Localizado totalmente no hemisfério ocidental; - 92% na zona intertropical; - 93% no hemisfério sul; - Ocupa a porção centro oriental

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental.

Palavras Chave: Geomorfologia Urbana, Mapeamento, Danos Ambientais, Planejamento Ambiental. ELABORAÇÃO DO MAPA DE DANOS AMBIENTAIS DA APA PETRÓPOLIS,VOLTADO À PREVISÃO DE MOVIMENTOS DE MASSA - MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS, ESTADO DO RIO DE JANEIRO BRASIL. BONATTO, G. (1), (1) Aluno do Programa de

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG IDENTIFICAÇÃO DO ANO CLIMÁTICO DE REFERÊNCIA PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG TAVARES, Laura Resende (1); AMORIM, Cláudia Naves David (2) (1) Departamento de Tecnologia Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Swiss Reinsurance Company ou Schweizerische Rückversicherungs-Gesellschaft AG (www.swissre.com).

TERMO DE REFERENCIA. Swiss Reinsurance Company ou Schweizerische Rückversicherungs-Gesellschaft AG (www.swissre.com). TERMO DE REFERENCIA IDENTIFICAÇÃO DE DIRETRIZES PARA APLICAÇÃO DE ELEMENTOS DE ADAPTAÇÃO E MITIGAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMO INDICADORES DE PRIORIZAÇÃO DE AÇÕES PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA DO RIBEIRÃO

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos

Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos Localizaçao brasileira, Divisao Politica e Regional e Aspectos Fisicos LOCALIZAÇÃO BRASILEIRA O Brasil é um país que integra a América do Sul e apresenta extensão territorial de 8.514.876 km². É o quinto

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG CARVALHO e MATIELLO Objetivos O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma planta originária da Etiópia, onde se

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais