Observatório Socioeconômico TABIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Observatório Socioeconômico TABIRA"

Transcrição

1 Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários de fontes secundárias de informações, principalmente: o IBGE, DATASUS, a STN Secretaria do Tesouro Nacional e o INEP/MEC.

2 TABIRA

3 Histórico Em 1865, Tabira era uma fazenda de propriedade do Sr. Gonçalo Gomes, que por iniciativa própria, formou uma pequena feira, com o objetivo de atender os moradores da região. O sucesso alcançado foi tamanho que deu início a formação de uma povoação, recebendo inicialmente o nome de MADEIRA, depois TOCO DO GONÇALO em virtude de haver no meio da feira um toco que servia ao talho da carne para venda ao público, posteriormente ESPÍRITO SANTO ficando até 1939 quando passou a denominar se TABIRA. Em homenagem ao grande guerreiro indígena Tabira, que segundo a lenda, em um combate, foi atingido por uma flecha no olho, e retirando a com bravura, continuou lutando até vencer seus inimigos. O terreno do patrimônio de Nossa Senhora dos Remédios, exatamente o centro da cidade, foi doado pelo Sr. Gonçalo Gomes, que em sua homenagem tem seu nome a praça principal. A capela do povoado foi inaugurada em missa solene, pelo padre Pedro Pereira de Souza, no dia 3/9/1883, e que posteriormente foi substituída pela atual igreja matriz, construída por filhos da terra. Em 27 de maio de 1949, tomou posse o primeiro prefeito eleito pelo voto popular, o Sr Pedro Pires Ferreira. Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE.

4 Município de Tabira Unidade Federativa: Pernambuco (PE) Mesorregião: Sertão Pernambucano Microrregião: Pajeú Região de Desenvolvimento: Sertão do Pajeú Municípios Limítrofes: Santa Terezinha e o estado da Paraíba (N); Ingazeira e Iguaraci (S); Santa Terezinha e São José do Egito (L); Solidão e Afogados da Ingazeira (O). Acesso Rodoviário: PE 32, PE 292, PE 275, PE 28, BR 11 e BR 232 (via Afogados da Ingazeira e Cruzeiro do Nordeste). Distância até a Capital (Recife): 42,5 Km. Data da Instalação: 27/5/1949. Gentílico: tabirense. Fonte: Banco de Dados de Pernambuco BDE; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE.

5 Formação Político Administrativa Prefeito: José Edson Cristóvão de Carvalho (PSB) Vereadores: Edmundo Dantez Cordeiro Barros Vice Prefeito: Joel Mariano de França Bandeira do Município: Genedy Siqueira Brito Gilverlândio Ferreira Canjão José Carlos Menezes José Ubirajara Vieira Jucá Filho Maria Do Carmo Gomes de Melo Sebastião Dias Filho Sebastião Ribeiro Neto Tadeu Sampaio Brito Fonte: União dos Vereadores de Pernambuco. Disponível em Prefeitura de Tabira. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212.

6 Características Demográficas População Total: hab. População Urbana: População Economicamente Ativa (PEA): População Rural: Eleitores: Taxa de Urbanização: 74,81% Densidade Demográfica: 68,11 hab/km². Taxa de Ruralização: 25,19% Homens: Expectativa de vida*: 64,87 anos. Mulheres: Taxa de Fecundidade**: 2,5 Alfabetizados: Cor Branca: Cor Preta: 797 Cor Parda: * Quantos anos, em média, espera se que viva um recém nascido. IBGE, 2. ** Nº médio de filhos que uma mulher teria ao final de sua idade reprodutiva. IPEA, 2. Indígena: 4 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, 21; Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas IPEA.

7 Características Geográficas Território: 388, Km². Latitude e Longitude: 7º35'27" Sul, 37º32'22" Oeste. Altitude: 558 m. Ocorrência Mineral Predominante: Calcário. Bioma: Caatinga. CEP: Vegetação: Caatinga Hiperxerófila. Clima: O clima do município de Tabira é tropical e semi árido quente. Com período de 7 meses secos, sendo que os maiores valores anuais de pluviometria ocorrem nos meses de março e abril, enquanto que a temperatura média anual é da ordem de 27 ºC. Relevo: Varia de ondulado a suave ondulado. Solo: O município de Tabira encontra se inserido, geologicamente, na Província Borborema, sendo constituído pelos litotipos dos complexossertânia, Afogados de Ingazeira e São Caetano das suítes Granítica Migmatitica Peraluminosa Recanto/Riacho do Forno, Calcialcalina de Médio a Alto Potássio Itaporanga e Transicional Shoshonítica Alcalina Teixeira/Serra Branca. Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE, 212; Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CPRM, 21.

8 Hidrografia Demanda Urbana de Água: 46 Lts/s. Precipitação Pluviométrica: 86 mm em 211. Mananciais: Barragem Brotas. Participação do Manancial na oferta de Água: 1%. Situação do Manancial: Satisfatório. O município está inserido na bacia hidrográfica do Rio Pajeú. Fonte: Agência Nacional de Águas ANA. 211; Agência Pernambucana de Águas e Clima APAC, 211. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais CPRM, 21.

9 Renda Produto Interno Bruto PIB Municipal: R$ , a preços correntes. PIB per capita: R$ 3.768,57 Renda Média População Urbana: R$ 1.9,7 Índice de Gini*:,39 Renda Média População Rural: R$ 698,9 Comércio Internacional Importação: $, (US$ Free on Board** FOB) Exportação: $, (US$ FOB) * O Índice de Gini, criado pelo matemático italiano Conrado Gini, é um instrumento para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo. Ele aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente, varia de zero a unidade, sendo que o valor zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda e o valor um está no extremo oposto, isto é, uma só pessoa detém toda a riqueza (IPEA, 212). ** Free on Board: O vendedor encerra suas obrigações quando a mercadoria transpõe a amurada do navio no porto de embarque indicado e, a partir daquele momento, o comprador assume todas as responsabilidades quanto a perdas e danos. Fonte: IBGE/Censo Demográfico, 21; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior/Balança Comercial Brasileira, 211.

10 Arrecadação de Tributos Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ICMS: R$ ,12 Imposto sobre Produtos Industrializados IPI: R$ 6.397,28 Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores IPVA: R$ ,59 Imposto Territorial Rural ITR: R$ 2.167,99 Imposto Sobre Serviços ISS: R$ ,14 Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis ITBI: R$ , Transferências Constitucionais Fundo de Participação dos Municípios FPM: R$ ,18 Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional STN, 211. (R$ 1,) preços correntes.

11 Relatório Resumido da Execução Orçamentária RREO Desporto e Lazer Transporte R$ ,18 R$ , Energia R$, Comércio e Serviços R$, Indústria R$, Agricultura R$ ,7 Ciência e Tecnologia R$, Gestão Ambiental R$, Saneamento Habitação R$ ,44 R$, Urbanismo R$ ,7 Cultura R$ ,45 Educação R$ ,28 Saúde R$ ,26 Assist. Social Seg. Pública R$ ,54 R$, Administração R$ ,82 Judiciário R$, Legislativo R$, R$, R$ 2.., R$ 4.., R$ 6.., Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional STN, 211. (Valores expressos na escala de R$ 1, e a preços correntes). R$ 8.., R$ 1.., R$ 12..,

12 Dados Sociais Média de pessoas por domicílio: 3,32 Famílias que recebem o Benefício Bolsa Família: Índice de Desenvolvimento Humano IDH:,63 Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal IFDM:,6287 Número de famílias inscritas no Cadastro Único: Criado por Mahbub ul Haq com a colaboração do economista indiano Amartya Sen, ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1998, o IDH pretende ser uma medida geral, sintética, do desenvolvimento humano. Não abrange todos os aspectos de desenvolvimento e não é uma representação da "felicidade" das pessoas, nem indica "o melhor lugar no mundo para se viver". Varia de a 1, onde a unidade representa a melhor condição dos três pilares que o constituem: saúde, educação e renda. O Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) é um estudo anual do Sistema FIRJAN que acompanha o desenvolvimento dos municípios brasileiros em três áreas: Emprego & Renda, Educação e Saúde. O índice varia de a 1 e quanto mais próximo de 1, maior o desenvolvimento da localidade. O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, entendidas como aquelas que têm: a) renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa (½ Salário Mínimo SM) ou b) renda mensal total de até três salários mínimos (3 SM). Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social MDS/CadÚnico, 211; Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM), 29; Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD/Atlas do Desenvolvimento Humano/IDH, 2.

13 Condições de Vida Taxa de Mortalidade Geral: 2,1 Número de óbitos: 24 Nascidos Vivos: 388 Número de domicílios com internet: ,3% 32,8% 38,9% Abaixo Linha Indigência < ¼ SM Acima Linha Pobreza > ½ SM Entre Indigência e Pobreza Fonte: IBGE/Censo Demográfico, 21. Federação das Indústrias do Estado do Paraná FIEP/Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Portal ODM, 211.

14 Dados Educacionais Estabelecimentos de Ensino (Fundamental e Médio): Nº Matrícula Ensino Fundamental Nº Matrícula Ensino Médio Nº Docentes Ensino Fundamental Nº Docentes Ensino Médio 4.79 Compreende o somatório do número de docentes e matrículas da rede federal, estadual, municipal e privada. Fonte: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INEP/Censo Educacional 29.

15 Dados Educacionais 1,% 9,% 86,2% 87,2% 8,% 7,% 6,% 5,% 4,% 3,% 2,% 6,4% 1,% 9,3% 7,4% 3,5%,% Tx. Aprovação Ensino Médio Tx. Reprovação Ensino Médio Tx. Abandono Ensino Médio Tx. Aprovação Ensino Fundamental Tx. Reprovação Ensino Fundamental Tx. Abandono Ensino Fundamental Taxa de aprovação, reprovação e abandono nos Níveis de Ensino Fundamental de 8 e 9 anos e Médio. Os cálculos das taxas são baseados nas informações sobre o movimento e o rendimento dos alunos. Fonte: Ministério da Educação MEC/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP, 211.

16 Dados Educacionais 35, 4, 3,9 3, 3,9 3,8 25, 3,7 4, 2, 3,6 15,7 3,5 15, 3,5 3,4 1, 3,3 5, 3,2 Ideb obtido, Tx. Analfabetismo < 15 anos Tx. Analfabetismo > 15 anos A taxa de analfabetismo é maior entre as pessoas com idade superior a quinze anos. Incentivar o programa Educação de Jovens e Adultos (EJA) é uma maneira de diminuir este índice. Ideb Meta O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica Ideb foi criado pelo Inep em 27, varia de zero a dez. Sintetiza dois conceitos igualmente importantes para a qualidade da educação: aprovação e média de desempenho dos estudantes em língua portuguesa e matemática. O indicador é calculado a partir dos dados sobre aprovação escolar, obtidos no Censo Escolar, e médias de desempenho nas avaliações do Inep, o Saeb e a Prova Brasil. Fonte: Ministério da Educação MEC/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP, 211.

17 Dados Educacionais 6, 5, 477,69 4, 3, 2, 1,, ENEM (Escolas Públicas Estaduais),, ENEM (Escolas Públicas Municipais) ENEM (Escolas Privadas) O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma avaliação cujos resultados podem ser utilizados para: (1) compor a avaliação de medição da qualidade do Ensino Médio no país; (2) a implementação de políticas públicas; (3) a criação de referência nacional para o aperfeiçoamento dos currículos do Ensino Médio e (4) o desenvolvimento de estudos e indicadores sobre a educação brasileira. Neste exame, busca se aferir as competências e habilidades desenvolvidas pelas estudantes ao fim da escolaridade básica. Esta aferição é realizada por meio de uma redação e de provas objetivas que avaliam quatro áreas do conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias. Fonte: Ministério da Educação MEC/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP, 211.

18 Dados Educacionais Instituições de Ensino Superior (IES) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE Pública Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN (84) Pública Federal Fonte: Ministério da Educação MEC/Sistema de Regulação do Ensino Superior e MEC, 212.

19 Empregos por atividade formal Agropecuária 26 Extrativa Mineral Indústria de Transformação Construção Civil Comércio Serviços Adm. Pública A Relação Anual de Informações Sociais RAIS constitui uma das principais fontes de informações sobre o mercado de trabalho formal, apresentando uma história de dados bem consolidada e de qualidade, capaz de subsidiar diagnósticos e fundamentar políticas públicas, tanto nos aspectos do setor privado, quanto do setor público, permitindo aos gestores atuar sobre cenários desfavoráveis, em busca de uma maior equidade social. Fonte: Relação Anual de Informações Sociais RAIS/Ministério do Trabalho e Emprego MTE/Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CAGED, 21.

20 Pecuária Coelhos Codornas 1.5 Galinhas Galos, Frangas, Pintos Ovinos 5. Caprinos 4.5 Suínos 2.38 Muares 48 Asininos 14 Bubalinos Equinos 55 Bovinos Fonte: Produção da Pecuária Municipal PPM 21. Rio de Janeiro: IBGE,

21 Produção de origem animal Ovo Codorna (dúzia) Mel Abelha (Kg) Casulo Bicho Seda (Kg) Lã (Kg) Leite (lts) Ovo galinha (dúzia) Fonte: IBGE/Séries Estatísticas & Históricas, 21.

22 Lavoura Temporária Triticale (em grão) Trigo (em grão) Tomate Sorgo (em grão) Soja (em grão) Rami (fibra) Milho (em grão) Melão Melancia Mandioca Mamona (baga) Malva (fibra) Linho (semente) Juta (fibra) Girassol (em grão) Fumo (em folha) Feijão (em grão) Fava (em grão) Ervilha (em grão) 17 3 Cevada (em grão) Centeio (em grão) Cebola Cana-de-açúcar Batata-inglesa Batata-doce Aveia (em grão) Arroz (em casca) Amendoim Alho Algodão (em caroço) Abacaxi (Mil frutos) Toneladas Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE,

23 Lavoura Temporária (Área Plantada x Colhida) Triticale (em grão) Trigo (em grão) Tomate Sorgo (em grão) Soja (em grão) Rami (fibra) Milho (em grão) Melão Melancia Mandioca Mamona (baga) Malva (fibra) Linho (semente) 5 Juta (fibra) Girassol (em grão) Fumo (em folha) Feijão (em grão) Fava (em grão) Ervilha (em grão) Cevada (em grão) Centeio (em grão) Cebola Cana-de-açúcar Batata-inglesa Triticale (em grão) Trigo (em grão) Tomate Sorgo (em grão) Soja (em grão) Rami (fibra) Malva (fibra) Linho (semente) Juta (fibra) Girassol (em grão) Fumo (em folha) Feijão (em grão) Batata-inglesa Batata-doce Aveia (em grão) Arroz (em casca) Amendoim Alho Algodão (em caroço) Abacaxi (Mil frutos) Centeio (em grão) Cebola Cana-de-açúcar Fava (em grão) Ervilha (em grão) Cevada (em grão) 16 Algodão (em caroço) Abacaxi (Mil frutos) Mandioca Mamona (baga) 19 Arroz (em casca) Amendoim Alho Milho (em grão) Melão Melancia 6.4 Batata-doce Aveia (em grão) 8. Hectares Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE, Hectares

24 Lavoura Temporária (Valor Produção em R$ mil) Triticale (em grão) Trigo (em grão) Tomate Sorgo (em grão) Soja (em grão) Rami (fibra) Milho (em grão) Melão Melancia Mandioca Mamona (baga) Malva (fibra) Linho (semente) Juta (fibra) Girassol (em grão) Fumo (em folha) Feijão (em grão) Fava (em grão) Ervilha (em grão) 5 9 Cevada (em grão) Centeio (em grão) Cebola Cana-de-açúcar Batata-inglesa Batata-doce Aveia (em grão) Arroz (em casca) Amendoim Alho Algodão (em caroço) Abacaxi (Mil frutos) (R$ mil) Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE,

25 Lavoura Permanente Uva Urucum (semente) Tungue (fruto seco) Tangerina Sisal ou agave (fibra) Pimenta-do-reino Pêssego Pera Palmito Noz (fruto seco) Marmelo Maracujá Manga Mamão Maçã Limão Laranja Guaraná (semente) Goiaba Figo Erva-mate (folha verde) Dendê (cacho de coco) Coco-da-baía Chá-da-índia (folha verde) Castanha de caju Caqui Café Cacau (em amêndoa) Borracha (látex coagulado) Banana (cacho) Azeitona Algodão arbóreo (em caroço) Abacate Toneladas Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE,

26 Lavoura Permanente (Área Plantada e Colhida) Uva Urucum (semente) Tungue (fruto seco) Tangerina Sisal ou agave (fibra) Pimenta-do-reino Pêssego Pera Palmito Noz (fruto seco) Marmelo Maracujá Manga Mamão Maçã Limão Laranja Guaraná (semente) Goiaba Figo Erva-mate (folha verde) Dendê (cacho de coco) Coco-da-baía Chá-da-índia (folha verde) Castanha de caju Caqui Café Cacau (em amêndoa) Borracha (látex coagulado) Banana (cacho) Azeitona Algodão arbóreo (em caroço) Abacate Uva Urucum (semente) Tungue (fruto seco) Tangerina Sisal ou agave (fibra) Pimenta-do-reino Pêssego Pera Palmito Noz (fruto seco) Marmelo Maracujá Manga Mamão Maçã Limão Laranja Guaraná (semente) Goiaba Figo Erva-mate (folha verde) Dendê (cacho de coco) Coco-da-baía Chá-da-índia (folha verde) Castanha de caju Caqui Café Cacau (em amêndoa) Borracha (látex coagulado) Banana (cacho) Azeitona Algodão arbóreo (em caroço) Abacate Hectares Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE, Hectares

27 Lavoura Permanente (Valor da Produção R$ mil) Uva Urucum (semente) Tungue (fruto seco) Tangerina Sisal ou agave (fibra) Pimenta-do-reino Pêssego Pera Palmito Noz (fruto seco) Marmelo Maracujá Manga Mamão Maçã Limão Laranja Guaraná (semente) Goiaba Figo Erva-mate (folha verde) Dendê (cacho de coco) Coco-da-baía Chá-da-índia (folha verde) Castanha de caju Caqui Café Cacau (em amêndoa) Borracha (látex coagulado) Banana (cacho) Azeitona Algodão arbóreo (em caroço) Abacate (R$ mil) Fonte: Produção Agrícola Municipal PAM 21. Rio de Janeiro: IBGE,

28 Serviços Urbanos e Hospedagem Nº Leitos Nº Pousadas Nº Hotéis Nº Bancos 2 Nº Empresas Empreendedorismo Individual* 75 EI cadastrados em 211. *O Empreendedor Individual EI é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um empreendedor individual, é necessário faturar no máximo até R$ 6., por ano, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. Fonte: IBGE/Cadastro Nacional de Empresas CNE, 211. Banco Central do Brasil BCB, 211. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, 211.

29 Frota Utilitário 4 Semi-Reboque 15 Reboque 14 Ônibus 19 Motocicletas Micro-ônibus 24 Caminhonetes 56 Caminhões 29 Automóvel Fonte: Departamento Nacional de Trânsito DENATRAN/Departamento de Trânsito de Pernambuco DETRAN,

30 Dados sobre a Saúde Psicólogo 3, 3 Odontólogo 5 25, Nutricionista 2 Fonoaudiólgo Fisioterapeuta 2, 3 Enfermeiro 15, 1 Médico 8 Farmacêutico 26,39 1, 3 Leitos Internação 5, 35 Estabelecimento Saúde SUS 1,32 12, As informações disponíveis são geradas a partir dos dados enviados pelas Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde através do Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES/SUS) e consolidadas no Banco de Dados Nacional pelo DATASUS, conforme determina a Portaria SAS/SE/MS nº 49 de 4 de julho de 26 e SAS/MS 311 de 14 de maio de 27. Fonte: Ministério da Saúde/DATASUS/Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES, 211. Mortalidade Infantil/1 hab. Leitos/1 hab. O Ministério da Saúde através da Portaria nº 1.11, de 12 de junho de 22, estima em 2,5 a 3 a necessidade de leitos para cada grupo de mil habitantes.

31 Dados sobre a Saúde Os princípios fundamentais da atenção básica no Brasil são: integralidade, qualidade, equidade e participação social. Mediante a adstrição de clientela, as equipes Saúde da Família estabelecem vínculo com a população, possibilitando o compromisso e a corresponsabilidade destes profissionais com os usuários e a comunidade. Seu desafio é o de ampliar suas fronteiras de atuação visando uma maior resolubilidade da atenção, onde a Saúde da Família é compreendida como a estratégia principal para mudança deste modelo, que deverá sempre se integrar a todo o contexto de reorganização do sistema de saúde Equipe Saúde da Família ESF 4 Agentes ESF Fonte: Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES, 211. Departamento de Atenção Básica DAB/Atenção Básica e a Saúde da Família. Agente de Endemias

32 Saneamento Água Poço Particular 543 Água Rede Pública Lixo Céu aberto 577 Casa de Madeira Lixo Queimado/Enterrado 596 Casa de Taipa Lixo Coletado Domicílios Domicílios Energia Consumo Energia (Mw/h) Domicílios com Energia (Qtd) Fonte: Banco de Dados do Estado de Pernambuco BDE/Perfil Municipal, 21; Ministério da Saúde MS/DATASUS, Casa de Tijolo Domicílios 1.

33 Pontos Turísticos Sítio Arqueológico Poço Escrito Temos ainda como ponto turístico o emblemático sítio arqueológico do Poço Escrito, conhecido pelo mistério que tem as escrituras nas suas pedras, indecifráveis até então, e que, além disso, encanta com sua beleza natural. A mistificação de que o sertão, onde se encontra Tabira, não serve de atrativo para ninguém por se tratar de um lugar seco, distante e sem vida desaparece quando passamos a receber a afetividade do povo desse lugar. Se um dia, qualquer pessoa tiver a oportunidade de conhecer Tabira, com certeza será bem recebido e poderá dizer com orgulho que conheceu um lugar onde a paz e a tranquilidade imperam, caminhando lado a lado com o calor humano, peculiar dos habitantes destas bandas. Fonte: Sítio feriastur. Disponível em e Sítio Panoramio. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212.

34 Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS) Apicultura: 26 beneficiários. Caprinocultura de corte e leite Fonte: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS/Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI, 211.

35 Referências AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Atlas de Abastecimento Urbano de Água. Brasília, 21.. Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos. Brasília, 21. AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA (APAC). Climatologia da Precipitação. Recife, Boletim Pluviométrico 211. BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Sistema de Informações do Banco Central (SISBACEN): Séries Históricas 211. BANCO DE DADOS DO ESTADO DE PERNAMBUCO (BDE). Perfil do Municípios 211. Recife, 212. BANCO DE DADOS SIDRA. IBGE, 211. CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE (CNES). CNESNet 212. COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS (CPRM). Recursos Hídricos Subterrâneos 211. Brasília, Serviço Geológico do Brasil: Recursos Minerais 21. DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE PERNAMBUCO (DETRAN PE): Frota de veículos segundo município. Recife, 212. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN). Índice FIRJAN de Desenvolvimento Muni cipal (IFDM) 29. Rio de Janeiro, 211. GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO AGÊNCIA ESTADUAL DE PLANEJAMENTO E PESQUISAS, 21.

36 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cadastro Nacional de Empresas: 211. Brasília, Cadastro Nacional das Empresas 211. IBGE Censo Demográfico: 21. IBGE, Produção Agrícola Municipal, 21. IBGE, Produto Interno Bruto Municipal 29. IBGE Produção da Pecuária Municipal 21. IBGE Séries Estatísticas & Históricas 211. IBGE 212. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Sinopses Estatísticas 211. INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS APLICADAS (IPEA). Ipeadata social, 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Cadastro da Educação Superior e MEC. Brasília, Censo Educacional 29. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR/Balança Comercial Brasileira, 211. MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). Banco de Dados do Sistema Único de Saúde. Brasília, Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) Sistema de Informações da Atenção Básica (SIAB) Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) 211.

37 . Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) Sistema de Informações Hospitalares (SIH) 211. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (MDS). Cadastro Único Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI, Relatório de Informações Sociais 211. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE). Cadastro Geral de Empregados e Desempregados 21. Brasília, 212. OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM). Portal ODM: Sistema de Indicadores Municipais 21. PREFEITURA DE TABIRA. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212. PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano, 2. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL (STN). Indicadores Fiscais e de Endividamento 211. Brasília, 212. SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE. Empreendedores Individuais, 211. SÍTIO FERIASTUR. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212. SÍTIO PERNAMBUCO IMORTAL. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212. SÍTIO PERNAMBUCO DE A Z. Disponível em az.com.br. Acesso em 31 de julho de 212. SÍTIO VIAJANDO TODO O BRASIL. Disponível em Acesso em 16 de julho de 212. TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO (TRE PE). Cadastro de Eleitores 211.

38 UNIÃO DOS VEREADORES DE PERNAMBUCO UVP. Disponível em Acesso em 31 de julho de 212.

39 Obrigado pela visita! pe.edu.br pe.edu.br

Observatório Socioeconômico SERTÂNIA

Observatório Socioeconômico SERTÂNIA Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico FLORES

Observatório Socioeconômico FLORES Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico SANTA TEREZINHA

Observatório Socioeconômico SANTA TEREZINHA Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico CARNAUBEIRA DA PENHA

Observatório Socioeconômico CARNAUBEIRA DA PENHA Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico GRANITO

Observatório Socioeconômico GRANITO Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico SÃO JOSÉ DO EGITO

Observatório Socioeconômico SÃO JOSÉ DO EGITO Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico TRIUNFO

Observatório Socioeconômico TRIUNFO Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico IPUBI

Observatório Socioeconômico IPUBI Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

Observatório Socioeconômico BELÉM DO SÃO FRANCISCO

Observatório Socioeconômico BELÉM DO SÃO FRANCISCO Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

Observatório Socioeconômico PETROLINA

Observatório Socioeconômico PETROLINA Apresentação Este trabalho tem o objetivo de condensar informações básicas sobre o Município, fornecendo dados históricos, socioeconômicos e culturais. Os dados aqui apresentados são, em sua maioria, originários

Leia mais

5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA

5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA 5 AS ATIVIDADES ECONÔMICAS: PRODUÇÃO, EMPREGO E RENDA Neste quinto capítulo, se busca avaliar com mais profundidade as atividades econômicas do município, com o recorte centrado na produção, no emprego

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES CURITIBA Setembro 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ CARLOS ALBERTO RICHA - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL SILVIO MAGALHÃES BARROS - Secretário INSTITUTO PARANAENSE DE

Leia mais

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593

ITBI (em R$ 1,00) 1.258.571 701.012 525.467 Receita Total Orçamentária 32.680.473 29.544.593 AGRICULTURA Amendoim área colhida (hectares) 20 Amendoim produção (t/a) 40 Banana área colhida (hectares) 5 Banana produção (t/a) 11 Borracha área colhida (látex.) 36 Borracha produção (látex.) (t/a) 120

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km

400m. Cruz Alta. 689,31 Km². 395 Km TERRITÓRIO VARIÁVEIS Altitude média Desmembramento INFORMAÇÃO 400m Cruz Alta Instalação 19/10/1890 Área Territorial Dist. à Capital 689,31 Km² 395 Km IJUÍ - RS ÁREA POLÍTICO-ADMINISTRATIVA Número Eleitores

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 4 DE ABRIL DE 2003 Aprovada pela Resolução/CD nº 7/2003 - DOU 74, de 16/04/03 seção 1, p. 101 B.S. 16, de 21/04/03 Estabelece diretrizes para fixação do Módulo Fiscal de cada

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Fernando

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Título: ESCALA DE VALORES RELATIVOS DE TERRAS PARA A MICRORREGIÃO DO SUDOESTE GOIANO.

Título: ESCALA DE VALORES RELATIVOS DE TERRAS PARA A MICRORREGIÃO DO SUDOESTE GOIANO. Título: ESCALA DE VALORES RELATIVOS DE TERRAS PARA A MICRORREGIÃO DO SUDOESTE GOIANO. RESUMO Este trabalho apresenta a metodologia utilizada para se obter uma escala de valores relativos de terras para

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Planilha1. Passo Fundo - RS. Lavoura Permanente 2005

Planilha1. Passo Fundo - RS. Lavoura Permanente 2005 Passo Fundo - RS Planilha1 Lavoura Permanente 2005 Abacate - quantidade produzida 18 tonelada Abacate - valor da produção 16 mil reais Abacate - área plantada 2 hectare Abacate - área colhida 2 hectare

Leia mais

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média)

Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) Relatório de CNAEs do Regime de Estimativa por Operação e do Regime de Estimativa Simplificado (Carga Média) 0111-3/01 Cultivo de arroz 0111-3/02 Cultivo de milho 0111-3/03 Cultivo de trigo 0111-3/99 Cultivo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL Fortaleza-CE 2009 Apresentação O Instituto

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Reestruturação da página PERFIL DA CIDADE CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS GERAIS

Reestruturação da página PERFIL DA CIDADE CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS GERAIS * Área Territorial Total: 283, 22 km² Área Urbana : 146,89 km² Área Rural: 136,33 km² Reestruturação da página PERFIL DA CIDADE CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS GERAIS * População em 2010: 105.503 hab.(ibge-censo,

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 02 DE 11 DE OUTUBRO DE 2006 Estabelece valores de referência para outorga de uso de recursos hídricos em corpos de água de domínio do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Classificação Nacional de Atividades Econômicas - SUBCLASSES Versão 2..2 Notas Explicativas. CNAE Subclasses 2.2 JANEIRO/2015

Classificação Nacional de Atividades Econômicas - SUBCLASSES Versão 2..2 Notas Explicativas. CNAE Subclasses 2.2 JANEIRO/2015 1 CNAE Subclasses 2.2 JANEIRO/2015 2 A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA Esta seção compreende a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em ambiente natural

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS POLITICA de GARANTIA de PREÇOS MINIMOS 04 de maio de 2009 RAZÃO DA POLÍTICA AGRÍCOLA CARACTERÍSTICA DA PRODUÇÃO Concentrada no tempo Consumo ao longo do ano Perecibilidade Baixo valor agregado Alta dispersão

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DO CRÉDITO RURAL - 2008 5.1.1.4 - ATIVIDADE E FINALIDADE - ITEM - UNIDADE DA FEDERAÇÃO PRODUTOS (ITENS S) ACRE CUSTEIO Lavoura AMENDOIM 26 313.447,50 288,00 ARROZ DE SEQUEIRO 90 115.247,33 247,72 CUPUACU 1 180.00 135,00 FEIJAO

Leia mais

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL

Estado do Paraná Secretaria da Agricultura e do Abastecimento - SEAB Departamento de Economia Rural - DERAL - SEAB Apresentação Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Câmara Setorial de Seguros Brasília - DF Junho de 2013 Programa de Subvenção ao Prêmio de Base Legal Lei Estadual 16.166/2009

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em

A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em A AGRICULTURA, PECUÁRIA, SILVICULTURA E EXPLORAÇÃO FLORESTAL A seção A abrange a exploração ordenada dos recursos naturais vegetais e animais em ambiente natural e em ambiente protegido. Compreende as

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016.

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº DE DE DE 2016. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA NA REGIÃO DA AMUSEP NO PERÍODO DE 1970 A 1995/96

EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA NA REGIÃO DA AMUSEP NO PERÍODO DE 1970 A 1995/96 EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA NA REGIÃO DA AMUSEP NO PERÍODO DE 1970 A 1995/96 Vanderlei de Almeida CPF: 036976849-30 Acadêmico de graduação em Ciências Econômicas da Universidade

Leia mais

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz

Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Indicadores Municipais Muaná Paulo Amaral, Andréia Pinto, Laura Orioli, Renata Cunha, Carlos Alexandre da Cunha, João Manoel Soares & Wildson Queiroz Apresentação Dezembro - 212 Em março de 211, o Governo

Leia mais

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins)

Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) Análise da Oportunidade Indústria de produção de caixas plásticas (bins) 1.1 Sobre o Projeto Contratante: ABPM- Associação Brasileira de Produtores de Maçãs Objetivo: Desenvolvimento de um projeto de Análise

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015

2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop. Sinop, 08 de Maio de 2015 2ª Reunião da Comissão de Monitoramento Socioeconômico Fórum de Acompanhamento Social (FAS) da UHE Sinop Sinop, 08 de Maio de 2015 AGENDA 9h Boas vindas / Apresentação 9h15 - Exibição da Maquete Eletrônica

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA MICROPROPAGAÇÃO IN VITRO DE VEGETAIS giselespricigo@hotmail.com

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA MICROPROPAGAÇÃO IN VITRO DE VEGETAIS giselespricigo@hotmail.com OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA MICROPROPAGAÇÃO IN VITRO DE VEGETAIS giselespricigo@hotmail.com Apresentação Oral-Economia e Gestão no Agronegócio GISELE SPRICIGO 1 ; HEITOR BECKER MOMBACH 2. 1.UNIVERSIDADE

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL MARCO Fortaleza-CE 2008 Apresentação O Instituto

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS MODELO SANTA CATARINA EM NÚMEROS Modelo SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas.

Observação: crianças, adolescentes, gestantes e praticantes de atividades físicas intensas têm recomendações diferenciadas. Atualizado em 15.01.2014 O Lanche Certo tem como objetivo orientar sobre escolhas alimentares adequadas de lanches no trabalho, o que possibilita a melhora de hábitos alimentares, além da promoção da saúde

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB?

EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB? EDUCAÇÃO MUNICIPAL O QUE É O IDEB? Em 2007, foi criado o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb ). O indicador, que mede a qualidade da educação, foi pensado para facilitar o entendimento de

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

SANTA CATARINA EM NÚMEROS

SANTA CATARINA EM NÚMEROS ARMAZÉM SANTA CATARINA EM NÚMEROS Armazém SEBRAE 2010 2010 SEBRAE/SC Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina. Todos os direitos reservados e protegidos por lei de 19/02/1998. Nenhuma

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento A companhia Nacional de Abastecimento é uma empresa pública de direito privado, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Missã o da Conab Contribuir para a regularidade

Leia mais

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO

ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS FONTE DATA REGIÃO TERRITÓRIO E GOVERNADOR Desmembrado de Estado de São Paulo Data de Instalação 19/12/1853 Data de Comemoração (Aniversário) 19 de Dezembro Governador(a) (TRE-PR) Carlos Alberto Richa ELEITORES E ZONAS ELEITORAIS

Leia mais

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário DEFESA AGROPECUÁRIA Áreas de atuação: 1 - INSUMOS: sementes, fertilizantes, agrotóxicos,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA BACIA DO RIO DOURADOS NO ALTO PARANAÍBA/MG

CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA BACIA DO RIO DOURADOS NO ALTO PARANAÍBA/MG CARACTERIZAÇÃO DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA BACIA DO RIO DOURADOS NO ALTO PARANAÍBA/MG Renato Emanuel Silva Universidade Federal de Uberlândia (UFU) renato.logan@gmail.com Washington Luiz Assunção Universidade

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - 1. Conceituação a) condição de pessoa como requisito único para ser titular de direitos humanos. b) dignidade humana. 2. Histórico Declaração americana

Leia mais

Estrutura da Apresentação. 1. Conceitos. 2. Características da Amazônia Legal. 4. Considerações Finais

Estrutura da Apresentação. 1. Conceitos. 2. Características da Amazônia Legal. 4. Considerações Finais PROPOSTA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA PARA A AMAZONIA Elisio Contini, Geraldo Martha Jr. e Marcos Pena I Congresso de Engenheiros Agrônomos da Amazônia Belém, 22 a 25 de Novembro de 2010 Estrutura da Apresentação

Leia mais

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015

CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 CLIPPING De 19 de fevereiro de 2015 VEÍCULO EDITORIA Negógios: Fernando Castilho DATA 11/02/2015 Codevasf estuda ampliar experiência com camarão marinho em viveiros A experiência da Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

Infográficos Cidades@

Infográficos Cidades@ Page 1 of 18 Instituto eiro de Geografia e Estatística Infográficos Cidades@ - RJ Page 2 of 18 Dados Básicos População Área Bioma 6.323.037 hab. 1.200,28 km 2 Mata Atlântica Localização da Sede Page 3

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

CASA VERDE/CACHOEIRINHA

CASA VERDE/CACHOEIRINHA Casa Verde / CASA VERDE/CACHOEIRINHA R e g i ã o N o r t e Assessoria de Imprensa - Subprefeitura de CENTRO REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MORRINHOS. 17 Casa Verde / Pirâmide Populacional Rendimento

Leia mais

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico Belém A cidade de Bom Jesus das Selvas. Construtores da Rodovia Bom Jesus das Selvas está a 460 quilômetros de São Luís, às margens da

Leia mais