MÓDULO 4.2.2: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÓDULO 4.2.2: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA"

Transcrição

1 MÓDULO 4.2.2: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA NO BRASIL No Brasil também temos pesquisa de ponta em geomagnetismo. Neste texto citaremos três institutos que trabalham em áreas diferentes: geomagnetismo (ON), paleomagnetismo e arqueomagnetismo (USP) e geofísica espacial e aeronomia (INPE). Os textos foram cedidos pelos seguintes pesquisadores: Dr. Gelvam Hartmann (IAG-USP), Dr. Ricardo Trindade (IAG-USP), Dr. Odim Mendes (INPE) e Dr. Ezequiel Echer (INPE). Observatório Nacional Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (ON-MCTI) Homepage: A história do Observatório Nacional está relacionada diretamente com a própria história do desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil. O Observatório Nacional, fundado em 1827, apenas cinco anos após a independência, desempenhou um papel essencial no estabelecimento das bases da geofísica, da astronomia e da metrologia de tempo e frequência no Brasil. Os cursos de pós-graduação no ON em astronomia e geofísica foram criados em 1973 e 1982, respectivamente. Na área de geofísica, o pioneirismo do ON nos levantamentos geofísicos do território nacional consolidou-se com a implantação de redes de referência. A Rede Magnética Brasileira teve origem em 1915, com a criação do Observatório Magnético de Vassouras (RJ). Em 1957, o ON colocou em operação o Observatório de Tatuoca, na foz do Rio Amazonas. Recentemente, em outubro de 2012, instalamos o novo Observatório Magnético do Pantanal. As principais missões do Observatório Nacional são: Realização de pesquisas e desenvolvimento em astronomia, geofísica e metrologia; Formação de pesquisadores em seus cursos de pós-graduação; Capacitação de profissionais e coordenação de projetos e atividades em astronomia e geofísica; Gerar, manter e disseminar a Hora Legal Brasileira. O ON busca consolidar seu papel de instituto nacional e centro de capacitação de recursos humanos: Desenvolvendo pesquisas científicas em astronomia e geofísica; Liderança e participação em projetos relevantes nas áreas de astronomia e geofísica; Desenvolvimento e operação de instrumentos geofísicos, astronômicos e metroléogicos; Realização de estudos tecnológicos, análises estratégicas e desenvolvimento de sistemas de softwares em geofísica e astronomia; Aplicação do conhecimento geofísico na exploração de petróleo e recursos minerais; Operação do laboratório primário em tempo e frequência e atuando em metrologia e gravimetria, realizando serviços tecnológicos nestes campos; Atuação como centro nacional de pósdoutoramento e de formação de pesquisadores por intermédio de seus programas de doutorado e mestrado em geofísica e astronomia. 1

2 O grupo de geomagnetismo do ON está em crescimento. A pesquisadora Dra. Katia Pinheiro tem alavancado o desenvolvimento de geomagnetismo no ON, consolidando áreas e ampliando temas indispensáveis na área de geomagnetismo. Por meio do estabelecimento de cooperações e da participação, sobretudo, de alunos sob a sua orientação, trabalhos promissores de pesquisas em geomagnetismo estão atualmente em desenvolvimento. O grupo de geomagnetismo do ON possui as seguintes linhas de pesquisa relacionadas a: 1. Observatórios Magnéticos Instalação de novos observatórios no Brasil, seguindo o planejamento mostrado na Figura 5; Processamento dos dados de antigos e novos observatórios magnéticos do Brasil e estações de repetição; Análise de tempestades magnéticas nos Observatórios do Brasil (Figura 6); Análise dos efeitos da Anomalia Magnética do Atlântico Sul no campo magnético externo; Correlação dos dados de observatórios e futuramente da missão de satélite SWARM da ESA (Agência Espacial Européia); 2. Variação Secular e modelagem da condutividade elétrica do manto Análise dos impulsos da variação secular geomagnética, usando dados de todos os observatórios do mundo; Modelagem dos impulsos da variação secular geomagnética para melhor compreensão sobre sua origem; Modelagem da condutividade elétrica do manto usando dados da variação secular: 1D e 3D; O grupo de geomagnetismo do ON pretende continuar expandindo as pesquisas nestas áreas e colaborando com outros grupos de geomagnetismo, paleomagnetismo e aeronomia no Brasil e exterior. Figura 5: Observatórios magnéticos no Brasil: atuais (e azul) e futuros (em amarelo). Figura 6: Tempestades magnéticas (T1 e T2) que ocorreram no Pantanal em 2011/

3 Universidade de São Paulo- Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas Homepage: Homepage do grupo de paleomagnetismo: As pesquisas em Paleomagnetismo na América do Sul começaram em 1956/1957, quando o jovem pesquisador britânico Ken Creer coletou amostras orientadas de rochas, de derrames basálticos da Formação Serra Geral no Brasil e Uruguai e basaltos quaternários da Argentina. Em meados da década de 1960, o Prof. P.M.S. Blackett, Prêmio Nobel de Física, fez uma conferência no então Departamento de Física da USP sobre Continental Drift, assunto sobre o qual tinha escrito um livro e, por essa época, alguns geólogos e físicos da Universidade sentiram a necessidade de desenvolver aqui pesquisas em Geofísica. Em 1969, Umberto Cordani relatou a Igor Pacca a tentativa que o pesquisador Ken Creer havia feito de instalar laboratório de Paleomagnetismo em Curitiba. Cordani e Pacca decidiram ir a Curitiba e trazer, para o Instituto de Física da USP, os instrumentos de paleomagnetism, onde instalaram o laboratório. Em 1972 Igor Pacca fez estágio no Laboratório de Paleomagnetismo da Universidade de Buenos Aires, onde trabalhou com rochas que havia coletado no Brasil e foi publicado na revista Nature Physical Science, um dos primeiros trabalhos de pesquisa do grupo. Em 27/03/1972, Decreto Estadual transformou o antigo Instituto Astronômico e Geofísico em Unidade de Ensino e Pesquisa da USP e portaria de 26/05/1972 criou os Departamentos de Astronomia, de Geofísica e de Meteorologia. A área de maior tradição no IAG era a Astronomia mas a criação dos Departamentos abria perspectivas de desenvolvimento também para a Geofísica e a Meteorologia. Paleomagnetismo foi a primeira atividade de pesquisa do Departamento de Geofísica e, para instalar o laboratório e abrigar todas as outras atividades do Departamento, foi disponibilizado o edifício com a maior cúpola do IAG. As Linhas de Pesquisa do IAG/USP são: 1. Anisotropia Magnética A anisotropia de susceptibilidade magnética (AMS) é uma maneira rápida e não destrutiva de investigar tramas de rochas que são sutis demais para serem vistas ou medidas no campo. Por esta razão, tem sido amplamente utilizado para determinar quantitativamente tramas tridimensionais. 2. Paleogeografia da Placa Sul-Americana A Paleogeografia consiste no estudo e descrição da Geografia Física do passado geológico, tal como a reconstrução histórica do padrão da superfície terrestre ou de uma dada área num determinado tempo do passado geológico, ou o estudo de sucessivas mudanças da superfície durante o tempo geológico. 3. Variações do campo magnético terrestre Estudo da paleointensidade registrada em rochas e artefatos arqueológicos e de suas variações em diferentes escalas de tempo, com implicações na definição da idade de formação do núcleo interno (sólido), da condutividade do manto e das influências das variações na intensidade do campo magnético terrestre sobre o clima. O grupo mantém cooperações científicas internacionais com diversos grupos e de diversos países. Suas pesquisas resultam em um grande número de trabalhos científicos publicados em revistas de circulação internacional. 3

4 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais- INPE Homepage do INPE: Homepage da pós-graduação do INPE: Em 1960 pela necessidade de conhecer a região ionosférica equatorial, formalizaram-se as atividades espaciais no Brasil com a criação do Grupo de Organização e Coordenação de Atividades Espaciais (GOCNAE). Mais adiante estabelece-se a Comissão Nacional de Atividades Espaciais (CNAE). Esse é propriamente dito o embrião do hoje conhecido Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), situado inicialmente em São José dos Campos e atualmente estendido por meio de centros regionais situados em várias principais regiões do Brasil. Uma vez que esse é um instituto federal, cumprindo missão de Estado para a sociedade brasileira nas pesquisas científicas, desenvolvimentos tecnológicos e inovações técnico-científicas e de serviços referentes ao espaço e a atmosfera. Iniciado com os estudos de Aeronomia desde os seus primórdios, o INPE pode dar origem às diversas áreas e aos diversos cursos de pósgraduação que hoje mantém. O curso inicial está consolidado desde 1968 no reconhecido, nacional e internacionalmente, o Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES). O objetivo principal é a formação de pessoal para atuar nas áreas de Ensino, Pesquisa e Aplicações em Universidades, Institutos de Pesquisa e Empresas. Estas áreas podem envolver o conhecimento direto de ciência ou de tecnologias associadas ou advindas do desenvolvimento da Pesquisa Espacial, com aplicações em Geofísica. A partir de 1974 foi criada a área de concentração em "Mecânica Orbital" em nível de Doutorado. Em 1980 o Curso de Pós-Graduação em Ciência Espacial incorporou também a área de concentração em Radioastronomia e Física Solar, em nível de Mestrado e Doutorado, como resultado da transferência do Centro de Radioastronomia e Astrofísica Mackenzie (CRAAM), do Observatório Nacional (ON), para o INPE, por determinação da Diretoria do CNPq. Em reunião realizada em 18 de abril de 1996 o Grupo Técnico Consultivo (GTC) da CAPES autorizou o desmembramento do Curso de Pós-Graduação em Ciência Espacial, transformando suas áreas de concentração em cursos independentes. Em 2004 o curso de Geofísica Espacial, que até então possuía apenas uma área de concentração (Geofísica Espacial), passou a ter duas novas áreas, Ciência do Ambiente Solar- Terrestre (AST) e Ciências Atmosféricas (ATM). A Divisão de Geofísica Espacial (DGE) busca a compreensão dos fenômenos físico-químicos que ocorrem no nosso planeta e no espaço próximo. São realizadas atividades de pesquisa e desenvolvimento, pós-graduação, divulgação e assessoria em Geofísica Espacial. As pesquisas abrangem estudos sobre: Processos solares e interplanetários relacionados à origem das tempestades geomagnéticas Previsão do clima especial Relações Sol-Terra investigadas através de registros naturais Campo geomagnético e suas variações espaço-temporais Condutividade elétrica nas camadas internas do planeta Fenômenos elétricos na atmosfera, com ênfase no estudo das tempestades elétricas e dos relâmpagos no Brasil Gases minoritários naturais (como CO, CO2, N2O, CH4, C2H2 e CFCs) e a camada de ozônio (O3). 4

5 Estreitamente relacionado com as pesquisas desenvolvidas, é oferecido o curso de pós-graduação em Geofísica Espacial, nos níveis de Mestrado e Doutorado. A Divisão de Aeronomia (DAE) engloba pesquisas, pós-graduação, assessoria e divulgação em assuntos de Aeronomia. A aeronomia é a Ciência que estuda as propriedades físicas e químicas da alta atmosfera e na DAE as atividades estão direcionadas para três linhas de pesquisa: LUME: aeroluminescência que estuda as emissões de luz na alta atmosfera e as utiliza para o estudo da atmosfera neutral e ionizada sobre o Brasil; FISAT: Física da Alta Atmosfera que desenvolve pequisas sobre a química e a dinâmica da alta atmosfera neutra. IONO: Ionosfera que desenvolve pesquisas teóricas e experimentais sobre o comportamento da atmosfera ionizada em diferentes regiões do Brasil. Como exemplo das pesquisas na área de Geofísica Espacial, o pesquisador Dr. Odim Mendes Jr. trabalha com modelagens e análises de eletrodinâmica espacial. Em uma visão abreviada, a interação de uma estrela com o ambiente ao seu redor decorre da emissão de radiação eletromagnética, de partículas de altas energias e de estruturas magnetizadas de plasmas. Em decorrência, vários fenômenos físicos estruturam-se no meio interplanetário, ou na interação com a atmosfera de astros, ou na influência sobre tecnologias eletro-eletronicamente sensíveis do cotidiano humano. Essa área de atividade científica investiga fenômenos relacionados à Eletrodinâmica Espacial, ao Plasma Espacial e ao Clima Espacial. Sobretudo, atualmente, no que concerne aos seus efeitos sobre as baixas e médias latitudes da Terra e sobre a Anomalia Magnética do Atlântico Sul. As ferramentas de trabalho utilizadas dizem respeito a conhecimentos e técnicas avançadas da Física, Matemática, Computação ou áreas afins. O pesquisador Ezequiel Echer da Divisão de Geofísica Espacial do INPE trabalha na atualidade no acoplamento do vento solar com magnetosferas planetárias. Os estudos são basicamente observacionais, utilizando-se dados de instrumentos em satélites, sondas espaciais e instalados na superfície terrestre. Os tópicos de estudo são a variabilidade da atividade solar e seus efeitos no vento solar, a evolução do vento solar no espaço interplanetário e sua interação com o campo magnético e atmosferas dos planetas e outros corpos do sistema solar. Além do estudo da dinâmica de grande escala das magnetosferas devido ao acoplamento energético com o vento solar, fenômenos físicos de menor escala também vem sendo estudados, tais como ondas de choque, descontinuidades no campo magnético interplanetário e ondas de plasma. 5

MÓDULO 4.2.1: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA

MÓDULO 4.2.1: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA MÓDULO 4.2.1: PRINCIPAIS CENTROS DE PESQUISA No mundo existem diversos centros de pesquisa dedicados ao estudo do campo magnético da Terra. Nesse módulo vamos listar alguns destes institutos e seus principais

Leia mais

O MCT e suas Unidades de Pesquisa

O MCT e suas Unidades de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria-Executiva Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa O MCT e suas Unidades de Pesquisa LABORATÓRIO NACIONAL DE ASTROFÍSICA Luiz Fernando Schettino

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES

TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES TECNOLOGIAS DE MONITORAMENTO DE ASTERÓIDES Tina Andreolla 1 Já era de se imaginar que o homem não descansaria. A NASA e a ESA são exemplos de agências espaciais financiadas por seus respectivos Estados

Leia mais

O MCT e suas Unidades de Pesquisa

O MCT e suas Unidades de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria-Executiva Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisa O MCT e suas Unidades de Pesquisa LABORATÓRIO NACIONAL DE ASTROFÍSICA Luiz Fernando Schettino

Leia mais

MÓDULO 1.1: A TERRA É MAGNÉTICA

MÓDULO 1.1: A TERRA É MAGNÉTICA MÓDULO 1.1: A TERRA É MAGNÉTICA A descoberta de que a Terra possui um campo magnético próprio ocorreu em 1600 por um cientista chamado William Gilbert. Ele chegou a conclusão de que a Terra se comportava

Leia mais

A Geologia, os geológos e os seus métodos

A Geologia, os geológos e os seus métodos Tema 1. A Geologia, os geológos e os seus métodos UNIDADE 1. A Terra e os seus subsistemas em interacção http://w3.ualg.pt/~jdias/geolamb/ga2_sistterra/201geral/geral.html Sistema Terra http://pt.wikipedia.org/wiki/imagem:ciclo_da_%c3%a1gua.jpg

Leia mais

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas.

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas. Projeto IAG2020 O objetivo deste projeto é fazer um planejamento estratégico para o IAG, que identifique ações a serem tomadas e que tenha, além de um caráter norteador, um sentido prático, auxiliando

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

História do Grupo de Paleomagnetismo do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas / Universidade. de São Paulo (Brasil)

História do Grupo de Paleomagnetismo do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas / Universidade. de São Paulo (Brasil) ISSN: 2007-9656 May 2014 - Volume 4 - Number 4 LL14-0401Rv REVIEW PAPER Published on behalf of the Latin American Association of Paleomagnetism and Geomagnetism by the Instituto de Geofisica, Universidad

Leia mais

Do astronomês para o português

Do astronomês para o português Do astronomês para o português Como acontece a comunicação entre astrônomos e jornalistas no Brasil Giuliana Miranda Santos São Paulo, 04/09/2015 OS INSTITUTOS! IAG-USP: Maior quantidade de astrônomos,

Leia mais

Augustinho Rigoti Curriculum Vitae

Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Julho/2014 Augustinho Rigoti Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Augustinho Rigoti Nome em citações bibliográficas RIGOTI, A. Nascimento 28/08/1950 - Itatiba do Sul/RS

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

MÓDULO 3.3: TEMPESTADES MAGNÉTICAS E

MÓDULO 3.3: TEMPESTADES MAGNÉTICAS E MÓDULO 3.3: TEMPESTADES MAGNÉTICAS E SEUS EFEITOS NAS COMUNICAÇÕES O campo magnético medido na superfície da Terra é resultado de diferentes fontes: o campo gerado no núcleo, o campo induzido na crosta

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

Radiação Solar e Vento Solar

Radiação Solar e Vento Solar INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CMC-213-3 Modelagem de Sensores e Atuadores em Controle de Atitude e Órbita Radiação Solar e Vento Solar Professor: Mário César Ricci Aluno: Delfim Pinto

Leia mais

É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Física.

É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Física. 1 SENHOR VICE-GOVERNADOR, SENHOR MINISTRO, SENHOR REITOR, SENHOR PREFEITO AUTORIDADES JÁ MENCIONADAS, SENHORES E SENHORES, CORDIAL BOA NOITE! É com muita honra e imensa satisfação que estamos inaugurando

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

53º Aniversário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Leonel Fernando Perondi 07.08.2014

53º Aniversário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Leonel Fernando Perondi 07.08.2014 53º Aniversário do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Leonel Fernando Perondi 07.08.2014 Boa tarde. É para mim uma honra e um privilégio estar aqui, na qualidade de diretor do INPE, conduzindo esta

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Ciências

PROVA BIMESTRAL Ciências 7 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Ciências Escola: Nome: Turma: n o : 1. Preencha as lacunas do esquema com as seguintes legendas: Planalto ocidental, Depressão periférica, Serra do Mar e Planície litorânea.

Leia mais

ANGELO ANTÔNIO LEITHOLD INÍCIO DE ATIVIDADE SOLAR NO CICLO 24 E SUAS IMPLICAÇÕES NA DINÂMICA ATMOSFÉRICA

ANGELO ANTÔNIO LEITHOLD INÍCIO DE ATIVIDADE SOLAR NO CICLO 24 E SUAS IMPLICAÇÕES NA DINÂMICA ATMOSFÉRICA ANGELO ANTÔNIO LEITHOLD INÍCIO DE ATIVIDADE SOLAR NO CICLO 24 E SUAS IMPLICAÇÕES NA DINÂMICA ATMOSFÉRICA CURITIBA ABRIL DE 2011 INÍCIO DE ATIVIDADE SOLAR NO CICLO 24 E SUAS IMPLICAÇÕES NA DINÂMICA ATMOSFÉRICA

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental.

- Valorizar o trabalho de conservação ½ Ecologia. ambiental. C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 35-336 - Fax (045) 3379-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: CIÊNCIAS

Leia mais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais CEMADEN Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI Workshop Complexo do CEMADEN São José dos Campos, SP, 14 de janeiro de 2014 Decreto

Leia mais

Ciências do Mar no Estado de São Paulo

Ciências do Mar no Estado de São Paulo Ciências do Mar no Estado de São Paulo Edmo Campos Instituto Oceanográfico Universidade de São Paulo N/Oc. Alpha-Crucis Lançamento Bóia Atlas-B A Oceanografia é a parte da ciência dedicada ao estudo dos

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

UFU 2014 Geografia 2ª Fase

UFU 2014 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 1 (Geopolítica) A região representada no mapa conta com quase dois terços das reservas mundiais de petróleo. Nas últimas décadas, o controle sobre essas fontes de petróleo foi a principal causa

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Odim Mendes Jr. Título: Versão preliminar do estudo do GT-7: Prospecção Científica e Tecnológica

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Odim Mendes Jr. Título: Versão preliminar do estudo do GT-7: Prospecção Científica e Tecnológica Referência: CPA-017-2006 Versão: 3.0 Status: Ativo Data: 13/setembro/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 7 Origem: GT7 Prospecção Revisado por: Odim Mendes Jr. Aprovado por: GT-7 Título: Versão preliminar

Leia mais

PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS

PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS / MCT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS BÁSICAS E APLICADAS EM FÍSICA E ÁREAS AFINS PROJETO DE ATUAÇÃO INTEGRADA E PERSPECTIVAS FUTURAS Como centro científico do Brasil

Leia mais

Aula 1. 1. Introdução

Aula 1. 1. Introdução Aula 1 Nesta aula, iniciaremos nosso estudo sobre a física básica dos plasmas, onde iremos definir o que é plasma, mostraremos alguns exemplos e discutiremos, brevemente a evolução das pesquisas na área.

Leia mais

Terra. Diâmetro equatorial: 12.750 km Massa: 5,97 1024 Kg Temperatura: -70 / +50 ( C) Evolução da Terra

Terra. Diâmetro equatorial: 12.750 km Massa: 5,97 1024 Kg Temperatura: -70 / +50 ( C) Evolução da Terra Terra Diâmetro equatorial: 12.750 km Massa: 5,97 1024 Kg Temperatura: -70 / +50 ( C) Evolução da Terra A idade da Terra é calculada em cerca de 4,5 a 5 bilhões de anos. No decorrer desse longo período

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT

Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais -INPE Centro Regional do Nordeste CRN (II Simpósio de C&T de Natal) Manoel Jozeane Mafra de Carvalho Localizando o CRN

Leia mais

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE

GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE GNSS: CONCEITOS, MODELAGEM E PERSPECTIVAS FUTURAS DO POSICIONAMENTO POR SATÉLITE Prof. Dra. Daniele Barroca Marra Alves Departamento de Cartografia SUMÁRIO Posicionamento Sistemas de Posicionamento GPS,

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Leonel Fernando Perondi Setembro de 2005 Neste texto procura-se apresentar uma visão geral sobre um plano de gestão para o INPE, limitando-se a aspectos relativos

Leia mais

BACHARELADO EM GEOLOGIA

BACHARELADO EM GEOLOGIA BACHARELADO EM GEOLOGIA Estrutura Curricular Duração : 10 semestres Mínima: 10 semestres Máxima: 20 semestres Currículo para ingressantes a partir de 2004 s Obrigatórias (Sequência Aconselhada) Conjunto

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica

CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISAS FÍSICAS Missão, Relevância Científica e Tecnológica Missão Institucional: O CBPF tem como missão institucional realizar pesquisas científicas em Física e suas aplicações,

Leia mais

Adriana Valio. (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie

Adriana Valio. (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie Adriana Valio (Adriana Silva, Adriana Silva-Valio) Centro de Rádio Astronomia e Astrofísica Mackenzie Universidade Presbiteriana Mackenzie Workshop DAS INPE 08/04/2014 Áreas de Pesquisa Física solar: Observações:

Leia mais

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial)

BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO I Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) Tema I A Geologia, os geólogos e os seus métodos (Módulo inicial) 1. A Terra e os seus subsistemas em interacção. 1.1Subsistemas terrestres (geosfera, atmosfera, hidrosfera e biosfera). 1.2 Interacção

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE é unidade de pesquisa integrante da estrutura

Leia mais

TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS

TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS TEMPO DE APRENDER EM CLIMA DE ENSINAR: UMA PROPOSTA PARA MELHORIA DO ENSINO EM ESCOLAS PÚBLICAS Taísa Das Dores Pereira; Maria Gertrudes Alvarez Justi Da Silva. Universidade Federal Fluminense, taisaddp@id.uff.br;

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

SOBRE O FUTURO DA FÍSICA SOLAR NO BRASIL

SOBRE O FUTURO DA FÍSICA SOLAR NO BRASIL SOBRE O FUTURO DA FÍSICA SOLAR NO BRASIL Joaquim E. R. Costa (INPE), Adriana Válio (CRAAM/UPM), C. Guillermo Giménez de Castro (CRAAM/UPM), Paulo J. A. Simões (CRAAM-FAPESP), Fernando Bertoni(CRAAM/UPM),

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO DO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: TI - SEPNUM (Pleno) 1. HISTÓRICO No Brasil, o uso da informação meteorológica

Leia mais

2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS

2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS 2.5. Cooperação com universidades alemãs consolida área de Ecologia da UFRGS Heinrich Hasenack UFRGS IB Centro de Ecologia A preocupação mundial com o meio ambiente teve eco no Brasil, onde as primeiras

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Assimetrias Regionais

Assimetrias Regionais Assimetrias Regionais Um olhar sobre a pós-graduação brasileira Marcelo Viana Ciência, Tecnologia e Inovação Visões da Jovem Academia Concessão de bolsas de pós-graduação no país Distribuição de discentes

Leia mais

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar FIS 2009 Explorando o Universo: dos Quarks aos Quasares Novas Descobertas sobre o Sistema Solar Jorge Ricardo Ducati Departamento de Astronomia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Planeta Terra:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Pós-Graduação PÓS-GRADUAÇÃO. 17 de novembro de 2006

Pós-Graduação PÓS-GRADUAÇÃO. 17 de novembro de 2006 Pós-Graduação PÓS-GRADUAÇÃO 17 de novembro de 2006 PRÓLOGO O INPE é o principal centro da América Latina em ciência e tecnologia espaciais. Possui uma infra-estrutura física que é única nesta região, composta

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PFRH Objetivo Ampliar e fortalecer a formação de recursos

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas

Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Mudanças climáticas globais e recursos hídricos com enfoque para as bacias hidrográficas Emília Hamada Pesquisador, Embrapa Meio Ambiente, Jaguariúna - SP A mudança climática global começou a ser discutida

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

ANTÁRTICA. Prof. Marcos Col. Santa Clara

ANTÁRTICA. Prof. Marcos Col. Santa Clara ANTÁRTICA Prof. Marcos Col. Santa Clara Origem do nome ÁRTICO vem da palavra grega árktos (ursa), usada pelos astrônomos da Antiguidade para designar as constelações da Ursa Maior e Menor, pontos de orientação

Leia mais

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248

Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Experiência da UFSC com Projetos Apoiados pela Lei 8248 Prof. Raul Sidnei Wazlawick Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Uso Institucional de Recursos da Lei 8248 Cooperação

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Atividades vinculadas à Linha Radiofísica e ao Radio Observatório do Itapetinga

Atividades vinculadas à Linha Radiofísica e ao Radio Observatório do Itapetinga WORKSHOP da DAS (25/04/2013) Atividades vinculadas à Linha Radiofísica e ao Radio Observatório do Itapetinga Por que radioastronomia? Grandes Vantagens da Radio Astronomia: Observar dia e noite Interferometria

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES QUE ENSINAM CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL COM ÊNFASE EM ASTRONOMIA William Nobuhiro Mizobata, Hermes Adolfo de Aquino, Fernanda Cátia Bozelli, Cláudio

Leia mais

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL David C. Oren Coordenador de Biodiversidade Coordenação Geral de Gestão de Ecossistemas e Biodiversidade - CGEB Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisas e Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

A Experiência do LIT / INPE

A Experiência do LIT / INPE A Experiência do LIT / INPE Elaborado por Heyder Hey & Geilson Loureiro 1 O INPE e o MCT MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Órgãos da Assistência Direta (Secretaria Executiva, Gabinete, Assessoria

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello DEFINIÇÃO DE DECLINAÇÃO MAGNÉTICA Muitas pessoas

Leia mais

INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe.

INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe. Logo INCT-Mudanças Climáticas Sub-Componente 3.2.1: Cenários Climáticos, Adaptação e Vulnerabilidade Jose A. Marengo CCST INPE jose.marengo@inpe.br O passado... Logo Logo Logo O presente... Logo Logo Marengo

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017 Prof. Adilson Beatriz Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS Gestão 2013-2017 Campo Grande, junho de 2013 1 Resumo da trajetória acadêmico-profissional - Prof. Adilson Beatriz Candidato

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades:

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades: REDESCOBRINDO A ASTRONOMIA: UMA NOVA JANELA PARA O CÉU DO CERRADO SANTOS, Dener Pereira.; MARTINS, Alessandro.; PRADO, Valdiglei Borges.; LIMA, Thiago Oliveira. 1 Palavras-chaves: Divulgação científica,

Leia mais

Lindolpho de Carvalho Dias

Lindolpho de Carvalho Dias Lindolpho de Carvalho Dias Possui especialização em Matemática pela Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (1962). Atualmente é do Ministério da Ciência e Tecnologia. CNPq/C.Lattes

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012

ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012 ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012 Olimpíadas Brasileira de Astronomia OBA Palestrante: Lohane Tech A CORRIDA ESPACIAL E A GUERRA FRIA EUA X URSS No ano de 1957, a URSS lança o foguete Sputnik

Leia mais

DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA

DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2013 Os países da América Latina e do Caribe, Recordando os acordos adotados na Declaração

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br.

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Setor de Ciências Exatas e de

Leia mais

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014

RELATÓRIO I. Erupção Vulcânica de 2014 1 RELATÓRIO I Erupção Vulcânica de 2014 A Universidade de Cabo Verde em estreita colaboração com Instituto Tecnológico de Energias Renováveis de Tenerife (ITER) e de outras instituições científicas nacionais

Leia mais

Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) CO2 (95%), N2 (2.7%)

Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) CO2 (95%), N2 (2.7%) Período de translação... 365 dias (um ano) Período de rotação... 23 h 56 m 04 s (um dia) Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) 1.88 anos = 687 dias terrestres 24 h 37 m 22.6 s.

Leia mais

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP

Perfil da Produção Científica Brasileira. Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP Perfil da Produção Científica Brasileira Marco Antonio Zago Pro-Reitor de Pesquisa USP FAPESP Junho 2011 Tendência Geral Crescimento Heterogêneo Valor Relativo (1996 = 1) Universidade de São Paulo 4 Crescimento

Leia mais

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático

PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal. Seminário Diplomático PLATAFORMA CONTINENTAL O Novo Mapa de Portugal 1/9/2014 PROJETAR PORTUGAL 1 1 Sumário O limite exterior da plataforma continental para lá das 200 milhas náuticas Plataforma continental: o projeto português

Leia mais

Leis e Modelos Científicos

Leis e Modelos Científicos Leis e Modelos Científicos Pág 2 Antes de existir meios para desenvolver pesquisas em relação à Ciência, a maior parte dos seres humanos tinham a ideia de que o mundo apareceu devido a uma obra divina.

Leia mais

112968 Introdução à Geofísica. Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências

112968 Introdução à Geofísica. Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências 112968 Introdução à Geofísica Prof. George Sand França Observatório Sismológico Instituto de Geociências Organização do curso Aulas: Quarta 14:00h às 15:40h Local: Auditório do SIS Avaliação: Prova 1 -

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 09 DE AGOSTO PALÁCIO DO PLANALTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 6 DE AGOSTO DE 2008 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Meteorologia,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi

Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros. Marcio Cataldi Estado da Arte da Modelagem Climática no Brasil COPPE/UFRJ- RJ Modelagem Climática LAMMA/NACAD/LAMCE Histórico e Projetos Futuros Marcio Cataldi Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS Universidade Federal

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais