O ano da biodiversidade: um panorama dos principais temas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ano da biodiversidade: um panorama dos principais temas"

Transcrição

1 Abril 2010 Vol.6 No.1 ISSN: Pontes ENTRE O COMÉRCIO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O ano da biodiversidade: um panorama dos principais temas 1 O ano da biodiversidade: um panorama dos principais temas 4 A implementação da retaliação brasileira no caso do algodão Ben Cote e Fabio Weinberg Crocco 6 Riscos e oportunidades na retaliação cruzada em propriedade intelectual Pedro Paranaguá 7 Procurado: novo modelo para o multilateralismo Guy de Jonquières 8 A OMC é o canário na mina Juliana Peixoto Batista 9 Depois de Copenhague: próximos passos em agricultura Marie Chamay 11 Tratado de Lisboa: efeitos da reforma institucional na UE 13 As eleições nos EUA e as negociações da Rodada Doha Trineesh Biswas 14 Cooperação Brasil-Angola na produção de etanol Rafael Vaisman Entre os males provocados ao meio ambiente pela atividade humana, a perda da diversidade de vida no planeta revela-se uma ameaça cada vez mais preocupante. No ano da biodiversidade, o Pontes apresentará uma série de artigos sobre os principais tópicos relacionados ao tema, com destaque para a interface deste com o comércio. Neste artigo o primeiro da série é apresentado um panorama da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), suas metas e desafios para Em 2009, os esforços para avançar na agenda ambiental internacional concentraram-se no tema das mudanças climáticas (MCs) uma agenda que se estende em E, aliada a essa difícil agenda, ainda teremos outra frente de negociações: biodiversidade no mundo. O conceito de biodiversidade inclui não apenas a multiplicidade de espécies existentes no planeta, como também as variações genéticas verificadas dentro de cada espécie. Esta variedade determina tanto a riqueza quanto a singularidade dos organismos. Outro aspecto da biodiversidade encontra-se na variedade de ecossistemas, como oceanos, florestas, desertos e pântanos. A rede formada por cada um desses sistemas possui um equilíbrio particular, dentro do qual a vida de cada organismo depende de sua interação com o ecossistema. Atualmente, cerca de 17 mil espécies (de aproximadamente 47 mil identificadas) estão ameaçadas de extinção. No que toca às classes, a situação engloba 21% dos mamíferos, 30% dos Você sabia? Quantas espécies estão ameaçadas de extinção atualmente? anfíbios, 12% das aves, 28% dos répteis, 37% dos peixes e 70% das plantas já catalogadas. A abundância de espécies foi reduzida em 40% entre 1970 e A população de peixes no norte do Atlântico diminuiu em 66% nas últimas cinco décadas. A cobertura de corais da região do Caribe foi reduzida de 50% para 10% em trinta anos. Estima-se que 99% desta ameaça resulte da ação humana, sendo a degradação do meio ambiente o principal elemento causador: desde 2000, aproximadamente 6 milhões de hectares de floresta nativa foram eliminados a cada ano 1. As MCs também contribuem de forma significativa para esse cenário. O aquecimento global representa um fator importante de modificação dos habitats, o que pode causar danos irreversíveis, mesmo que as metas estabelecidas na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês) sejam alcançadas. Segundo previsões científicas, a elevação de apenas 1ºC na temperatura atmosférica pode causar o desaparecimento de diversas espécies que se encontram no limiar Fonte: IUCN Para receber o PONTES via , favor escrever uma mensagem para informando seu nome e profissão. PONTES está disponível on-line em:

2 Espaço aberto Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Editorial Estimado(a) leitor(a), Ao final do primeiro trimestre de 2010, podemos observar a busca dos diversos atores em avaliar os frutos do ano anterior e retomar os esforços para avançar nos temas definidos como prioridade. Nesta pauta, a questão da ameaça à diversidade biológica do planeta foi posta no topo da agenda, na medida em que as Nações Unidas apontaram 2010 como o ano da biodiversidade. Neste sentido, diversas instâncias de debate e negociação têm promovido eventos com o intuito de reverter o quadro de crescente velocidade do desaparecimento de espécies e degradação dos ecossistemas. Frente a este cenário, o artigo de abertura desta edição apresenta os desafios e metas da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), principal marco jurídico e esfera multilateral para regulamentação do tema. Este será o primeiro de uma série de artigos que procurarão abordar a interface entre a biodiversidade e o comércio. No âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), aproveitou-se o momento para a realização de um balanço sobre o avanço das negociações após a Conferência Ministerial realizada em novembro passado, em Genebra. Nesse sentido, o artigo de Juliana Peixoto aborda a relação entre os entraves na Rodada Doha e as alterações no equilíbrio de poder entre os países. Também o texto de Guy de Jonquières discute o impasse nas negociações multilaterais e sua relação com a nova configuração mundial de poder, sob o enfoque do modelo proposto por Robert Howse, em artigo publicado na edição anterior do Pontes. Enquanto a Rodada permanece adormecida, o sistema de solução de controvérsias continua a se desenvolver. Nas últimas semanas, uma das disputas paradigmáticas caminhou para o desfecho - o contencioso iniciado pelo Brasil contra os subsídios concedidos pelos Estados Unidos da América (EUA) ao setor de algodão. A iniciativa do Brasil em impor medidas retaliatórias contra bens e direitos de propriedade intelectual dos EUA foi abordada em dois artigos desta edição. O texto de Pedro Paranaguá analisa em mais detalhe as implicações da opção pela retaliação cruzada, recurso polêmico ainda não implementado na história da OMC. A partir deste mês, as atenções voltam-se para a corrida eleitoral no plano nacional com as eleições presidenciais no Brasil e internacional em vista da disputa por assentos no Congresso dos EUA. O Pontes buscará analisar como as agendas de comércio e meio ambiente têmse inserido nas plataformas dos candidatos, bem como o impacto recíproco das nomeações e dos arranjos formados entre os diferentes braços do governo para as negociações internacionais. O artigo de Trineesh Biswas apresenta esta última perspectiva em relação aos EUA, ao discutir os principais fatores da política eleitoral estadunidense que influenciaram o avanço nas discussões da Rodada Doha. Esta edição traz ainda uma análise sobre a reforma nas instituições comunitárias da União Europeia implementada por meio do Tratado de Lisboa, com enfoque em sua repercussão para a condução das relações exteriores e da política comercial do bloco. Outro assunto abordado foi o prosseguimento da agenda das mudanças climáticas, com um artigo sobre os avanços do tema para a agricultura. Esperamos que aprecie a leitura. Equipe Pontes da extinção. A produção alimentar também pode sofrer sérios prejuízos pela perda de organismos que contribuem para o processo produtivo. Diante dessa realidade, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2010 como o ano da biodiversidade. A iniciativa tem como propósito engajar todos os setores da comunidade internacional na luta contra essa ameaça ao meio ambiente. Segundo a declaração emitida pela Assembleia Geral, o primeiro passo nesse sentido consiste em elevar a consciência sobre a importância da biodiversidade, demonstrando o custo humano representado por sua perda. O mesmo documento confere ao Secretariado da CDB a tarefa de elaborar e gerir um programa de eventos ao longo do ano 2. Destes, um dos principais encontros ocorrerá entre 18 e 29 de outubro deste ano, em Nagoya (Japão): a 10ª Conferência das Partes (COP, sigla em inglês) da CDB. O regime internacional da biodiversidade A preocupação com as consequências do quadro mencionado acima deu origem à criação do regime internacional para a conservação da biodiversidade. Em 1973, um grupo de 21 países assinou a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites, sigla em inglês). Atualmente, o documento conta com a adesão de 175 países. A Cites busca regulamentar, por meio de sistemas de certificados, o comércio de espécies ameaçadas de extinção, ou que correm o risco de chegar a esta situação. Os objetos de controle são definidos por acordos renovados periodicamente, e encontram-se listados nos anexos do documento da seguinte forma: Anexo I espécies ameaçadas de extinção, cujo comércio é autorizado apenas em casos excepcionais; Anexo II espécies não necessariamente ameaçadas de extinção, cujo comércio é regulado para evitar utilização incompatível com a sobrevivência desse grupo; e Anexo III espécies protegidas por ao menos um país, que exigem a cooperação das demais Partes para controlar sua comercialização. À exceção do Anexo III, que pode ser alterado unilateralmente por qualquer uma das Partes, a inclusão de espécies nos Anexos I e II ocorre por decisão da COP, órgão composto por todos os membros da Cites. A cada reunião da COP, os países apresentam propostas para alteração das listas, as quais são submetidas a discussão e votação. O marco regulatório internacional foi expandido com a assinatura da CDB, que se tornou o principal instrumento jurídico para a biodiversidade. A adoção dessa Convenção foi oficializada durante a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento conhecida como ECO-92, realizada em junho de 1992, no Rio de Janeiro. A CDB constituiu um dos acordos-chave do encontro, no qual os líderes mundiais concordaram em buscar o desenvolvimento de forma sustentável, preservando os recursos do planeta para as gerações futuras. A CDB possui três objetivos principais: conservação da diversidade biológica; uso sustentável de seus elementos; e repartição equitativa dos benefícios decorrentes do uso de recursos genéticos. Na 6ª COP, realizada em 2002, as Partes da Convenção assumiram o compromisso de reduzir significativamente, até 2010, a taxa de perda de biodiversidade em âmbito global, regional e nacional. Contudo, ainda não foram definidas obrigações específicas ou metas quantificadas a serem cumpridas pelas Partes. A exemplo do que ocorre com a UNFCCC e a Cites, o processo decisório concentrase na COP, órgão máximo da CDB. Esta instância possui competência para revisar os progressos alcançados, identificar novas prioridades, criar órgãos subsidiários e alterar o conteúdo da Convenção. Por sua vez, o Secretariado desempenha as atribuições operacionais e burocráticas. Ligado ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e sediado em Montreal, o Secretariado organiza as reuniões e elabora os textos-base para as negociações, além de assistir aos Membros na implementação de seu programa de trabalho. Existe também o Órgão de Apoio Científico, Técnico e Tecnológico (Sbstta, sigla em inglês). Ainda, foram criados quatro grupos de trabalho, voltados aos seguintes temas: i) negociação do regime de acesso e repartição de benefícios (ABS, sigla em inglês); ii) proteção do conhecimento tradicional; iii) áreas protegidas; e iv) estratégias e planos de ação nacional. 2

3 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Espaço aberto Ponto sensível: temas de viés econômico De maneira semelhante ao que ocorre no âmbito da UNFCCC, a interface de alguns aspectos do mandato da CDB com a seara econômica representa um obstáculo ao avanço das negociações sobre biodiversidade. Um destes pontos constitui o Access and Benefit Sharing (ABS, sigla em inglês) - os benefícios decorrentes da utilização de recursos genéticos. Enquanto a maior parte da diversidade genética encontra-se em países em desenvolvimento (PEDs), tais recursos são geralmente explorados por pesquisadores e empresas de países desenvolvidos (PDs). Os benefícios oriundos da comercialização de produtos desenvolvidos a partir destes recursos muitas vezes não são compartilhados com os países de origem. Embora diversos países tenham avançado em relação ao ABS por meio de legislações que disciplinam o acesso a seus recursos genéticos (como Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela), as Partes da CDB ainda não lograram alcançar um acordo sobre o tema. Apesar das iniciativas do grupo de países megadiversos 3 no sentido de instituir um acordo vinculante sobre ABS, as negociações durante a última COP não alcançaram este objetivo. Os representantes de diversos PDs insistiram em concentrar a discussão nos aspectos procedimentais das negociações, o que impediu avanços nas questões substanciais. Outro tópico que apresenta progresso tímido consiste na proteção das formas de conhecimento tradicional como fonte de acesso aos recursos genéticos. A CDB reconhece o direito de populações indígenas e outras comunidades tradicionais a receber informação acerca da exploração de seus recursos. Igualmente, confere a esses grupos o direito de autorizar ou não a exploração, bem como de receber uma parcela de eventuais benefícios decorrentes desta. Contudo, a disciplina deste propósito ainda não adquiriu contornos mais definidos, o que se reflete em uma situação prática de implementação deficitária destes dispositivos. Sob a disciplina da Cites, as discussões para inclusão de novas espécies na lista do Anexo I, assim como para a definição de exceções de autorização ao comércio, têm sido marcadas por divergências e impasses. Exemplo disso foram os debates sobre a inserção do atum rabilho neste rol, espécie cuja população sofreu acentuada redução nos últimos anos. Apesar do apoio da União Europeia (UE) e dos Estados Unidos da América (EUA), a proposta foi derrotada por iniciativa do Japão, maior importador no mundo desse peixe. Também causou debates acirrados o recente pedido de autorização feito por Tanzânia e Zâmbia para a venda de seus estoques de marfim. Os países buscavam uma exceção à proibição do comércio do produto já que os elefantes são classificados como espécie ameaçada sob a Cites. Apesar da alegação de que os estoques teriam origem legal, as Partes reunidas decidiram pela rejeição do pedido, sob o argumento de que a abertura do comércio estimularia a caça ilegal e predatória. Desafios à frente O ano da biodiversidade foi lançado oficialmente em 11 de janeiro, com o objetivo de relembrar o compromisso de reduzir significativamente a perda de biodiversidade até 2010 principalmente, diante da falta de evidências que apontem para avanços nesse sentido. Na abertura do evento, a anfitriã Angela Merkel, primeira-ministra alemã, sustentou que o tema da biodiversidade possui relevância equiparável àquela das MCs. Para tanto, os esforços pela conservação precisam acarretar uma reversão da tendência atual, tão urgente quanto aquela necessária para combater o aquecimento global. Merkel reconheceu que o regime jurídico da biodiversidade terá que ser aprimorado no que toca aos acordos e sua implementação, bem como em termos de estrutura institucional. O regime também carece de uma base científica mais sólida e sistematizada para embasar as negociações e decisões políticas. Nesse sentido, a chanceler recomendou a criação de um órgão nos moldes do Painel Intergovernamental sobre a Mudança do Clima (IPCC, sigla em inglês), a fim de prover bases técnicas para a tomada de decisões. Avançar na definição de obrigações específicas e no detalhamento dos acordos constitui desafio ainda maior para a CDB, na medida em que implica passos árduos do ponto de vista político, como no caso do ABS. Até o momento, os progressos mais significativos têm sido alcançados em âmbito nacional. Dentre os exemplos de política pública bem-sucedida, destaca-se o programa adotado por Uganda para a proteção de áreas de vida selvagem, com base no qual parte da renda arrecadada com o turismo é revertida para a conservação pela população local. Ressalta-se, ainda, a legislação florestal editada pela Costa Rica, em 1996, que inclui provisões para compensar os proprietários que preservarem a mata nativa dentro de suas propriedades. Iniciativas como essas contribuíram para reduzir o ritmo do desaparecimento de espécies ou o avanço da ameaça à sua sobrevivência. Contudo, a reversão da tendência exigirá muito além destes esforços. O modelo de desenvolvimento da maior parte dos países continua fortemente fundamentado na lógica econômica de extração de recursos de forma negligente à sua preservação. Um aspecto agravante no caso da biodiversidade consiste no caráter muitas vezes irreversível do dano. Além dos impactos negativos já identificados como no caso da produtividade agrícola a perda incontornável da variedade genética possui consequências não plenamente conhecidas. A despeito desse quadro, a ameaça da extinção parece distante no consciente de boa parte da população mundial. Assim, as iniciativas programadas para o ano da biodiversidade são bem-vindas, já que a disseminação de informação e o aumento da consciência acerca da magnitude do problema podem contribuir para a reversão desse cenário. Contudo, o avanço no quadro jurídico e na formulação de políticas requererá maior mobilização de esforços e vontade política, tanto por parte das lideranças mundiais quanto dos demais atores no âmbito nacional. 1 Dados do relatório International Union for Conservation of Nature Red List 2009, disponível em: <http://www.iucnredlist.org>. 2 Ver: <http://www.cdb.int/2010/welcome/>. 3 O grupo, formado pelos principais países detentores de biodiversidade, busca a celebração de um protocolo vinculante para a repartição de benefícios, nos moldes do Protocolo de Cartagena sobre biossegurança, que disciplina o comércio e a disseminação de organismos geneticamente modificados (OGMs) no âmbito da CDB. Ver: <http://ictsd.org/i/news/ pontesquinzenal/72730/>. 3

4 OMC em foco Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 A implementação da retaliação brasileira no caso do algodão Ben Cote* Fabio Weinberg Crocco** A retaliação brasileira à não retirada dos subsídios indevidos concedidos pelos Estados Unidos da América (EUA) a seus produtores de algodão materializou-se, em março, com a publicação das listas de bens estadunidenses que terão sua importação sobretaxada. O potencial impacto das medidas retaliatórias contribuíram para a reabertura do diálogo entre autoridades brasileiras e estadunidenses. Enquanto os termos do acordo estão sendo negociados, a vigência das medidas foi postergada. O desenrolar do contencioso do algodão observou uma guinada ao longo dos últimos meses, na medida em que o Brasil tomou iniciativas para consumar o direito de retaliação reconhecido pelo Órgão de Solução de Controvérsias (OSC). O governo brasileiro divulgou, em março, duas listas que englobam medidas de retaliação 1 contra os EUA. O processo de implementação da retaliação marca uma nova etapa no litígio que se prolonga há oito anos. Vale lembrar que, em 2005, o OSC entendeu que os subsídios concedidos pelo governo estadunidense a produtores e exportadores de algodão violavam a normativa multilateral de comércio. Diante da falha dos EUA em adequar sua política interna, o OSC autorizou o Brasil a adotar contramedidas até o limite de US$ 829 milhões, o segundo maior valor em retaliação já autorizado na história da Organização. Em 8 de março, o governo brasileiro publicou a lista final dos bens estadunidenses que terão as alíquotas de Imposto de Importação elevadas. A medida, introduzida no ordenamento nacional pela Resolução No. 15 da Câmara de Comércio Exterior (Camex), deveria entrar em vigor 30 dias após a publicação. Dentre os 102 produtos contidos no rol, encontram-se: pneus, automóveis, cosméticos, artigos de higiene e alimentos. A majoração tarifária é variável e inclui aumento de 14% para produtos farmacêuticos e 100% para produtos de algodão. Segundo estimativas brasileiras, o prejuízo aos exportadores dos EUA corresponderá a US$ 591 milhões. Para Carlos Márcio Cozendey 2, diretor do Departamento Econômico do Ministério das Relações Exteriores (MRE), ao selecionar tão ampla lista de bens, o Brasil pretende maximizar a pressão exercida sobre o governo dos EUA pelos diferentes setores afetados pela retaliação. Propriedade intelectual: o próximo passo Além da divulgação da lista de retaliação em bens, vale destacar que o governo brasileiro também foi autorizado a impor medidas de suspensão de concessões ou obrigações relativas adireitos de propriedade intelectual e a serviços. As autoridades de comércio do país já deram os primeiros passos nessa direção. De acordo com o artigo 22 do Entendimento Relativo a Normas e Procedimentos sobre Soluções de Controvérsia (DSU, sigla em inglês) da Organização Mundial do Comércio (OMC), caso a retaliação contra o mesmo setor ou relativa ao Acordo da OMC em que a violação ocorreu não seja prática ou efetiva para o país ofendido, este poderá, mediante autorização, adotar medidas retaliatórias em outro setor. Tal prática é conhecida como retaliação cruzada. Com base nessa prerrogativa, em agosto de 2009, um painel arbitral da OMC autorizou o Brasil a retaliar os EUA nas áreas de serviços e de propriedade intelectual. De acordo com a decisão, a aplicação de contramedidas nessas áreas poderá alcançar o montante de US$ 238 milhões, ao longo de um ano. A fim de adaptar a legislação brasileira de modo a possibilitar o uso da prerrogativa, o governo editou, em 10 de fevereiro passado, a Medida Provisória (MP) n O instrumento regulamenta a aplicação de medidas que suspendam vantagens relativas aos direitos de propriedade intelectual, em caso de descumprimento de obrigações decorrentes dos Acordos da OMC. A MP enumera as medidas que podem ser adotadas, bem como o procedimento necessário à sua imposição. Seis tipos de medida são contemplados: i) suspensão de direitos de propriedade intelectual; ii) limitação de direitos de propriedade intelectual; iii) alteração de medidas para a aplicação de normas de proteção de direitos de propriedade intelectual; iv) alteração de medidas para obtenção e manutenção de direitos de propriedade intelectual; v) bloqueio temporário de remessa de royalties ou remuneração relativa ao exercício de direitos de propriedade intelectual; e vi) aplicação de direitos de natureza comercial sobre a remuneração do titular de direitos de propriedade intelectual. Em relação ao procedimento necessário à imposição das medidas acima mencionadas, a MP estabeleceu que a etapa inicial consistirá na apresentação, pela Camex, de um relatório preliminar contendo uma minuta das medidas e sua respectiva fundamentação. Em seguida, deve ser aberto prazo de 20 dias para manifestações acerca do relatório preliminar. Após a consulta pública, a Camex emitirá o parecer final. Caso seja sugerida a aplicação de medida que não esteja contida no relatório preliminar, todo o procedimento deverá ser repetido. Com a alteração legislativa necessária, o governo deu o primeiro passo para implementar a retaliação cruzada. Editada em 12 de março passado, a Resolução Camex n. 16 instaurou 4

5 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 OMC em foco o procedimento de consulta pública com vistas à aplicação de medidas relacionadas a direitos de propriedade intelectual. No que se refere aos direitos de patentes, as medidas previstas na última lista incluem quatro formas de sanção: o governo brasileiro poderá retaliar na produção, comercialização, importação e licenciamento de produtos. A lista contém, ainda, restrições a direitos autorais, tais como o licenciamento de direitos sobre obras literárias e sobre a exibição pública de obras audiovisuais. Também, prevê a aplicação de direitos de natureza comercial sobre a remuneração decorrente de direitos de autor relativos a programas de computador. Caso qualquer medida prevista na Resolução Camex n. 16 seja implementada, o Brasil será o primeiro membro da OMC a aplicar retaliação cruzada em propriedade intelectual. O OSC já autorizou este tipo de retaliação em outras oportunidades, porém os países reclamantes não chegaram a implementar as medidas cabíveis. A instauração do processo de consulta pública deve estimular empresas estadunidenses potencialmente afetadas pelas medidas brasileiras a pressionar o governo dos EUA pela adequação do programa de subsídios às regras da OMC. Na prática, a pressão dos representantes do setor algodoeiro pela manutenção do apoio será contrabalanceada pelas indústrias cinematográfica e farmacêutica. Em contrapartida, as ameaças de represália dos EUA, embora proferidas em tom diplomático, incentivam parcela da indústria brasileira a refutar a imposição de medidas de retaliação, principalmente na área de propriedade intelectual. Este quadro demonstra como os atores influem em diferentes sentidos, em cada esfera de negociação. A coexistência desses focos de pressão torna o processo de retaliação e negociação bastante complexo, para ambos os lados. Estratégias e consequências A opção pela via retaliatória pode acarretar novos atritos com Washington e, por conseguinte, impactar negativamente o fluxo comercial entre os dois países. Agentes do governo brasileiro receosos acerca das consequências negativas da medida afirmam que o Escritório de Representação Comercial dos EUA poderá, por exemplo, recolocar o Brasil na lista de observação prioritária que inclui os países que não resguardam direitos de propriedade intelectual. Outra possível forma de represália apontada consiste na suspensão de benefícios concedidos pelos EUA ao Brasil pelo Sistema Geral de Preferências (SGP). Os benefícios do programa, que alcança 10% das exportações brasileiras aos EUA, correspondem a US$ 2,8 bilhões. Segundo John Murphy, vice-presidente pra assuntos internacionais da Câmara de Comércio dos EUA (Amcham, sigla em inglês), suspender a proteção ao direito à propriedade intelectual de empresas americanas seria um gol contra, afastando investimentos e prejudicando interesses de forma profunda e duradoura 3. No entanto, alguns analistas acreditam que os EUA país que recentemente deixou de ser o principal parceiro comercial do Brasil não deverão tomar medidas drásticas, já que o país temeria perder a influência econômica na América do Sul. Primeiros passos rumo à solução negociada Paralelamente aos anúncios das sanções, o governo brasileiro continuou a reiterar a sua preferência por uma solução amigável da controvérsia. Antes da aplicação efetiva da primeira leva de sanções, esta disposição rendeu frutos. Diante da iminência da aplicação das sobretaxas a seus produtos, os EUA apresentaram uma proposta de compensações, a fim de evitar a concretização da retaliação. A proposta concentra-se em três concessões: (i) a criação de um fundo para financiar a cotonicultura brasileira, no valor de U$ 147 milhões anuais; (ii) a negociação bilateral de novos termos para o funcionamento do programa de garantia de crédito à exportação GSM-102, que subsidia compradores estrangeiros do algodão estadunidense; (iii) medidas de cooperação na área de saúde animal, especialmente nos setores de carne, o que pode facilitar o acesso da carne brasileira ao mercado dos EUA. Diante da oferta estadunidense, o Brasil aceitou engajarse em novas negociações. Enquanto os representantes dos países discutem os termos do acordo, a data de vigência das medidas foi adiada por um período de 20 dias, que pode ser prorrogado se os resultados das conversas forem considerados satisfatórios. Apesar dessa alteração nos rumos da disputa, governo e setor privado no Brasil reconhecem que as soluções apresentadas são temporárias. A resposta esperada pelo país só poderá ser alcançada por meio da revisão da Lei Agrícola dos EUA, em Como esta atribuição pertence ao Congresso onde o lobby agrícola é muito influente, os negociadores estadunidenses não podem garantir que a reforma no esquema de subsídios será aprovada. Contudo, o Brasil espera que a ameaça de retaliação funcione como contrapeso às pressões internas, permitindo que os programas de apoio sejam, afinal, trazidos à conformidade com as regras do comércio multilateral. * Doutorando em Direito na Universidade de Michigan e integrante do programa de Solução de Controvérsias do ICTSD. ** Aluno do nono semestre da graduação da Escola de Direito de São Paulo da FGV, membro do Instituto de Analistas Brasileiros de Comércio Internacional (ABCI Institute) e assistente jurídico do escritório Lilla, Huck, Otranto e Camargo Advogados. 1 Essa decisão insere-se no contexto do contencioso EUA Subsídios ao Algodão (DS267) e foi autorizada pelo Órgão de Solução de Controvérsias da OMC, em novembro de Reuters. Brazil details US cotton retaliation, wants accord. (08/03/2010). Disponível em: <http://www.reuters.com/article/ idusn >. 3 Folha de São Paulo. EUA pressionam para manter subsídios. (17/03/2010). 5

6 OMC em foco Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Riscos e oportunidades na retaliação cruzada em propriedade intelectual Pedro Paranaguá* Diante do descumprimento da decisão do Órgão de Solução de Controvérsias (OSC) por parte dos Estados Unidos da América (EUA) no caso do algodão, este órgão da Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou a aplicação da retaliação cruzada pelo Brasil. Nesse sentido, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) abriu recentemente consulta pública sobre as medidas que o Brasil poderá tomar na área de propriedade intelectual. Esse quadro representa um teste para a OMC, que pode ver sua legitimidade ameaçada caso os EUA ignorem suas regras e incentivos para o cumprimento destas. A retaliação cruzada pode e deve ser feita quando se estabelece que a suspensão de concessões no mesmo setor não será eficaz ou quando for mais prejudicial ao país autorizado a estabelecer tais normas 1. Se o aumento do imposto de importação de alguns bens oriundos dos EUA for mais desfavorável do que positivo para o Brasil, este país tem o direito de suspender concessões e obrigações no setor de propriedade intelectual, isto é, deixar de pagar por direitos de patentes e direitos autorais. No caso do algodão, a retaliação cruzada visa a incentivar que os EUA cumpram a decisão da OMC, ou seja, que retirem os subsídios ilícitos a seus produtores de algodão. Tal medida não é permanente: dura apenas enquanto os EUA não obedecerem à OMC 2. Qual é a lógica desse incentivo? Ora, setores como de entretenimento, biotecnologia, informática e químicofarmacêutico dos EUA logicamente não ficarão satisfeitos com tal medida. Justamente porque tais indústrias possuem tamanho poder econômico e político e porque dependem de pagamentos provenientes de propriedade intelectual, pressionarão o governo dos EUA para que este retire os subsídios contrários às regras da OMC. O Brasil está tomando a melhor medida possível, dentro das regras da OMC, para incentivar que os EUA passem a respeitar as regras do comércio mundial. Se utilizada com inteligência, a retaliação cruzada pode beneficiar: i) os consumidores brasileiros, que pagarão menos ou não precisarão pagar nada para comprar ou utilizar, por exemplo, livros didáticos, softwares ou medicamentos patenteados de empresas estadunidenses; ii) a indústria local, que poderá lançar medicamentos genéricos; iii) o setor privado nacional afetado pelas medidas ilegais dos EUA, que compensará as perdas sofridas; iv) o governo, que fará com que as regras internacionais sejam cumpridas por todos a principal vantagem do multilateralismo; e v) a comunidade internacional, uma vez que um dos países mais poderosos será obrigado a cumprir as regras que acordou com os demais membros da OMC. Cabe ressaltar que a ideia de retaliação é estadunidense. De acordo com alguns analistas 3, ao longo dos anos, os EUA utilizaram recorrentemente esse sistema de forma unilateral e contrária às regras da OMC 4. Agora, o governo e o setor privado dos EUA estão receosos de provar da própria fórmula. Ainda que se sugira que o Brasil não está respeitando os direitos de propriedade intelectual dos EUA 5, é certo que as medidas aplicadas pelo Brasil estão em conformidade às regras da OMC e foram autorizadas por seu sistema de solução de controvérsias. O funcionamento do sistema da OMC está sob escrutínio. Seu sistema de enforcement parece estar sob xeque-mate. Se países poderosos ignorarem as regras, o sistema multilateral de comércio pode começar a perder legitimidade. Se um acordo diplomático não for alcançado e o Brasil seguir adiante com as contramedidas autorizadas, será interessante observar como o Brasil implementará a retaliação cruzada. Certamente, não será uma tarefa fácil. Por exemplo, produtores locais de medicamentos podem não ser incentivados por um possível licenciamento compulsório: é difícil investir em um produto que poderá ser retirado do mercado em poucos meses. O Brasil terá de ser prudente na escolha de quais direitos de propriedade intelectual devem ser suspensos e como isso será feito. Independentemente da decisão, em recente discurso no Banco de Exportação e Importação dos EUA, o presidente estadunidense Barack Obama afirmou que seu governo utilizará seu arsenal completo para combater práticas que descaradamente prejudicam a indústria dos EUA, e isso inclui fazer valer os tratados [internacionais] existentes 6. Nesse caso, a questão que remanescerá é: será que finalmente os EUA respeitarão suas obrigações multilaterais perante a OMC, no setor de algodão? * Mestre (cum laude) em direito da propriedade intelectual pela Universidade de Londres e doutorando na mesma área na Universidade de Duke. É professor da FGV-Rio e consultor. 1 Ver: Abbott, Frederick. Cross-Retaliation in TRIPS: Options for Developing Countries. ICTSD Dispute Settlement and Legal Aspects of International Trade Series, Issue Paper 8, p Conforme artigos 22.1 e 22.8 do Entendimento Relativo a Normas e Procedimentos sobre Soluções de Controvérsia (DSU, sigla em inglês). 3 Ver: Drahos, Peter; Braithwaite, John. Information Feudalism, The New Press, 2002; Sell, Susan. Private Power, Public Law: The Globalization of Intellectual Property Rights, Cambridge, 2003; e Sell, Susan. Power and Ideas: North-South Politics of Intellectual Property and Antitrust, State University NY Press, Conforme artigos 3(2) e 3(2)(a) do DSU. Ver: United States Section 110(5) of US Copyright Act (DS160), painel da OMC ressaltou que as medidas unilaterais tomadas pelos EUA podem não ser compatíveis com o sistema multilateral de solução de conflitos. 5 Ver: Dantas, Iuri. Brazil Said to Target U.S. Movies in Trade Dispute (Update1), March 09, 2010, BusinessWeek. Disponível em: <http://www. businessweek.com/news/ /brazil-said-to-target-u-s-movies-intrade-dispute-update1-.html>. 6 Ver: The White House, Office of the Press Secretary, Remarks by the President at the Export-Import Bank s Annual Conference, 11 mar Disponível em: <http://www.whitehouse.gov/the-press-office/remarkspresident-export-import-banks-annual-conference>. 6

7 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 OMC em foco Procurado: novo modelo para o multilateralismo Guy de Jonquières* Na edição de novembro de 2009 do Pontes Bimestral, Robert Howse apresentou algumas propostas com vistas à retomada da Rodada Doha. Contudo, duvido que estas sejam suficientes para acelerar as negociações. Pelo contrário: a concretização de tais propostas poderia reduzir ainda mais o ritmo da Rodada se isso for possível. Isso porque as recomendações de Howse se concentram nos sintomas, ao invés de abordar as causas básicas da inércia. Em seu artigo, o professor Howse sugere que poderia haver progresso se os temas mais controversos da agenda fossem deixados de lado. No entanto, Howse não menciona e isso tampouco é obvio os temas que considera menos controversos, sobre os quais já seria possível a obtenção de consenso entre os membros da Organização Mundial do Comércio (OMC). Se agricultura, o tema mais polêmico de todos, estivesse fora da mesa de negociações, o G-20 seria mais flexível em relação a tarifas industriais? Se acesso a mercado de bens não-agrícolas (NAMA, sigla em inglês) fosse colocado em segundo plano, estariam os Estados Unidos da América (EUA) e a União Europeia (UE) preparados para reduzir subsídios agrícolas e barreiras comerciais? Poderia algum destes cenários tornar mais provável um acordo em serviços? Não é difícil imaginar a resposta para estas perguntas. É também otimista supor que coalizões de países dispostos a negociar possam resolver o impasse. Que países exatamente são estes, e em torno de que temas se unem? Entusiastas do plurilateralismo apontam para o sucesso das negociações em telecomunicações, tarifas sobre tecnologia da informação (TI) e serviços financeiros na OMC, na década de Todavia, esse ponto de vista confunde a carroça com o cavalo. O Acordo de Telecomunicações foi selado porque as transformações tecnológicas minaram o modelo tradicional de negócios da indústria; o Acordo de Tecnologia da Informação foi possível, porque as economias asiáticas em desenvolvimento, dependentes das cadeias globais de produção de eletrônicos constataram que era ilógica a taxação de insumos essenciais importados; e as negociações de serviços financeiros estavam destinadas ao sucesso, porque seu fracasso poderia ter piorado ainda mais a confiança no mercado asiático durante a crise econômica naquela região. Mas em que outras áreas é possível identificar contextos tão favoráveis a acordos na OMC? Para adquirir credibilidade e força, seria necessário que qualquer coalizão plurilateral incluísse, no mínimo, EUA, UE, China, Índia, Brasil e Japão, além de outros países em desenvolvimento (PEDs) menores. Contudo, são mais abundantes os itens em torno dos quais as prioridades nacionais e interesses desses membros divergem do que aqueles que os aproximam. Isso nos leva ao centro do problema. Não se trata somente de falta de atenção política à OMC afinal, esta foi a tendência predominante na última década. O problema tampouco seria a desatualização da agenda da Organização e de sua mecânica de negociações. A verdade é que a OMC e o multilateralismo de forma geral ainda precisa se adaptar às transformações geopolíticas e econômicas. Constitui um curioso paradoxo o fato de que a hegemonia dos EUA, necessária para criar e manter o sistema multilateral de comércio, esteja enfraquecida desde o fim da Guerra Fria. Enquanto isto, a Europa, o Japão e, mais recentemente, os chamados BRICs (sigla para Brasil, Rússia, Índia e China) surgiram para desafiar a supremacia estadunidense. Até agora, entretanto, nenhum outro país conseguiu substituir a liderança global dos EUA; tampouco é provável que isso ocorra em um futuro próximo. A UE carece da coesão e influência políticas necessárias para tanto. Por sua vez, a China e a Índia, preocupadas com pressões no âmbito nacional, não desejam os custos e as responsabilidades decorrentes da liderança internacional. O Japão é igualmente reticente a esse respeito. Como resultado, a influência política foi diluída em diferentes centros de poder; e nenhum deles é capaz de impor sua vontade sobre os demais. Isso colocou uma tensão incômoda entre a legitimidade de instituições globais e sua eficácia na tomada de decisão. Até mesmo atores relativamente menores podem agora se fortalecer e impedir o consenso nessas instituições. Ademais, se, por um lado, os países estão cada vez mais seguros de seus direitos, por outro, parecem cautelosos em aceitar novas regras impostas externamente. Anteriormente, a determinação de regras cabia aos EUA; atualmente, constitui uma prerrogativa global. Essas tendências são poderosas. A ausência de uma liderança global clara, a divergência entre prioridades nacionais, a rivalidade internacional e, em algumas partes, uma crescente antipatia à globalização são exemplos de fenômenos que não podem ser resolvidos por alterações, promovidas por diplomatas, na agenda e nos procedimentos empregados em Genebra. Para que o multilateralismo funcione melhor, as soluções devem ser buscadas nas capitais dos países e entre elas. Este é um dos argumentos mais fortes para a conclusão da Rodada Doha, ainda que o melhor que se possa esperar seja um resultado modesto. Quanto mais tempo a Rodada durar, maior será a tentação de os governos utilizarem isso como uma justificativa para não confrontar o fundamento dos problemas que atormentam a OMC. Somente quando a Rodada for concluída é que saberemos se tais problemas realmente possuem força para abalar a Organização. * Fellow sênior do Centro Europeu para Economia Política Internacional e ex-editor para comércio internacional do Financial Times. 7

8 OMC em foco Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 A OMC é o canário na mina Juliana Peixoto Batista* Há muitas especulações acerca da dificuldade de obtenção de consenso na Rodada Doha de negociações comerciais da Organização Mundial do Comércio (OMC). Independentemente disso, este artigo sustenta que o entrave na OMC reflete as mudanças ocorridas na configuração de poder no mundo. Muitos negociadores afirmam que o maior obstáculo para a conclusão da Rodada Doha já não é o impasse entre países em desenvolvimento (PEDs) e desenvolvidos (PDs) em temas agrícolas e industriais, mas a ausência de um mandato negociador dos Estados Unidos da América (EUA). Outros opinam que a principal dificuldade é a falta de acordo entre este país e a União Europeia (UE) quanto à diminuição da ajuda interna e ao aumento do acesso a mercado. De forma mais pragmática, outros defendem que a Rodada será concluída quando os custos de não finalizá-la superarem os de sua conclusão. Antes de Doha, a Rodada Uruguai constituía um exemplo emblemático no que se refere a obstáculos para o consenso em torno de temas como agricultura, serviços ou propriedade intelectual. Naquela ocasião, as negociações estenderam-se por oito anos e foram concluídas com um resultado excelente do ponto de vista institucional: a criação da OMC. Da mesma forma que na Rodada Uruguai, agricultura e acesso a produtos não-agrícolas (NAMA, sigla em inglês) constituem grandes obstáculos ao acordo de Doha. Novamente, a grandeza das mudanças nos campos econômico e político internacional, a multiplicação de temas tratados e de atores envolvidos reflete-se na extrapolação de todos os prazos e exige uma análise das questões diretamente relacionadas à governança global do comércio. Seja qual for o motivo ou o momento para a conclusão da Rodada Doha, é certo que a OMC está refletindo as mudanças ocorridas na configuração de poder no mundo. Atualmente, assistimos a um reposicionamento das economias emergentes, que desempenham um papel cada vez mais destacado no cenário mundial. Em decorrência disso, alguns limites estão sendo postos aos EUA e à UE, que antes definiam a agenda e tomavam as principais decisões no sistema multilateral de comércio. Esses limites resultam, em grande parte, de dois fenômenos: as coalizões de PEDs e o crescente uso do sistema de solução de controvérsias por parte dos países, cada vez mais especializados em matéria de litígio. No que toca às coalizões, o G-20, o NAMA 11, o G-33 são exemplos de como os PEDs podem se unir para ser interlocutores de peso nas negociações. Nesse sentido, é fundamental manter a coesão, principalmente quando se observa que seu poder se reflete mais na capacidade de bloquear iniciativas de PDs (poder negativo) do que de criar novas regras. No que se refere ao sistema de solução de controvérsias, os PEDs vêm aprimorando capacidades para litigar embora as disputas na OMC ainda sejam demasiado onerosas para muitos destes países, carentes de recursos humanos especializados. Cabe ressaltar disputas memoráveis, como a reclamação do Equador no caso das bananas, a defesa da Guatemala no caso do cimento e o caso do Brasil contra os subsídios ao algodão nos EUA. Assim, os PEDs condicionam cada vez mais o comércio a preocupações relativas ao desenvolvimento. De forma paralela, os PDs condicionam as normas do comércio a questões que extrapolam o âmbito meramente comercial como as mudanças climáticas e as migrações. Parece que todos estão menos dispostos a continuar aportando ao sistema multilateral nas atuais condições. Outros desafios subjazem às dificuldades enfrentadas pela OMC. Em primeiro lugar, a assimetria entre o controle das medidas aplicadas na fronteira e a falta de controle das medidas internas, como os subsídios. Em segundo lugar, encontram-se os desafios institucionais. Para enfrentá-los, muitos estudos sobre a necessidade de reforma da OMC têm sido elaborados principalmente após o Relatório Sutherland, com o objetivo de oferecer melhores respostas ao atual contexto e ajudar a OMC a se adaptar à nova realidade. Também é necessário ressaltar que a OMC é somente um dos pilares do sistema multilateral. A crise, os desequilíbrios e as mudanças na configuração de poder não podem ser enfrentados somente com reformas nas normas do sistema multilateral de comércio. Além disso, a principal contribuição da OMC é a existência de normas consensuadas, de uma maior transparência no âmbito do comércio internacional e de um sistema de solução de controvérsias exitoso, porque sua importância no fluxo real do comércio internacional é apenas marginal. Nesse sentido, a OMC é somente o canário que anuncia a falta de oxigênio em uma mina: mostra como uma série de organizações se encontram obsoletas no novo cenário global. O sistema de cotas do Fundo Monetário Internacional (FMI) ou do Banco Mundial e o poder de veto das potências no Conselho de Segurança das Nações Unidas são anacrônicos. Ao mesmo tempo, é difícil modificar essas estruturas tão arraigadas. Na OMC, por outro lado, não há voto qualificado ou sistema de cotas: é a mais transparente dentre as organizações multilaterais com poder vinculante; é também a mais fiscalizada (accountable) por seus membros daí sua maior sensibilidade às mudanças ocorridas na comunidade internacional. Uma reforma mais abrangente deveria englobar as dimensões comercial, financeira e monetária do sistema multilateral, assim como repensar a relação de todo o sistema com temas complexos, como as mudanças climáticas e as migrações. Pode ser que essa reforma não ocorra agora, ou nem seja concluída, mas a situação atual bem parece uma fase de transição, na qual as organizações multilaterais buscam se adaptar às mudanças ineludíveis que começaram a mostrar seu talante. * Coordenadora da Rede Latino-Americana de Política Comercial (LATN), pesquisadora na FLACSO/Argentina. A autora agradece o valioso apoio de Mariana Merlo na revisão deste artigo. 8

9 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Outros temas multilaterais Depois de Copenhague: próximos passos em agricultura Marie Chamay* Se a Conferência de Copenhague evidenciou a dificuldade em obter consenso em torno de alguns temas, é possível identificar avanços nas negociações sobre mitigação das mudanças climáticas (MCs) no setor de agricultura. O tema constitui objeto central de propostas submetidas ao Secretariado da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês) por países em desenvolvimento (PEDs). Além disso, esforços de cooperação científica nessa matéria podem contribuir para as negociações na próxima Conferência das Partes (COP, sigla em inglês), a ser realizada em novembro de 2010 no México. Diferentemente de muitos outros temas em torno dos quais divergiram os esforços para alcançar um novo acordo global nas negociações climáticas, a agricultura acabou por unir interesses em diversas esferas. Mais precisamente, diversas Partes avançaram no desenvolvimento de uma linguagem específica em matéria de agricultura no âmbito do Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre Medidas de Cooperação de Longo Prazo (AWG-LCA, sigla em inglês), ao tratarem do tópico de abordagens setoriais com vistas à mitigação. A versão atual do texto incluída em um documento extra-oficial que continuará a ser negociado em 2010 reconhece a importância da segurança alimentar quando se trata de desafios relacionados às MCs, bem como o elo entre agricultura e segurança alimentar e a estreita relação entre adaptação e mitigação no contexto da agricultura. O documento também solicita ao Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico que estabeleça um programa de trabalho específico para o setor. Embora Copenhague não tenha sido bem-sucedida em concluir as negociações no AWG-LCA, os países decidiram dar continuidade aos diálogos, com o objetivo de chegar a um acordo na 16ª COP, a ser realizada em Cancun (México), no final de Agricultura e mudança no uso da terra Ainda que o tema de agricultura não seja mencionado de forma explícita no Protocolo de Quioto, é tratado indiretamente nas negociações sobre uso do solo, mudança no uso do solo e florestas, no âmbito do Grupo de Trabalho Ad Hoc sobre o Protocolo de Quioto (AWG-KP, sigla em inglês). Com vistas a atingir suas metas, os países que compõem o Anexo I do referido Protocolo devem reportar e quantificar as emissões e o armazenamento de gás carbônico no solo por práticas relacionadas à mudança no uso do solo e florestas. Entre as atividades discutidas nas mesas de negociação voltadas a este aspecto, está a ação voluntária para reduzir emissões de gases de efeito estufa (GEEs) dos solos agrícolas. Em Copenhague, as discussões não progrediram no que se refere à inclusão de medidas para além do manejo das áreas florestais e das pastagens. Ademais, os países não decidiram se adotarão abordagens voluntárias ou mandatórias no que toca à redução de emissões com base no uso da terra. No entanto, um programa de trabalho dotado de perspectiva mais abrangente que incluiria a quantificação de redução de emissões relacionada ao uso do solo pode ser futuramente apresentado. Por fim, as discussões acerca do escopo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) não avançaram, de modo que o mecanismo permanecerá restrito às atividades de reflorestamento. Ação agrícola de mitigação sob o Acordo de Copenhague O Acordo de Copenhague, apoiado por grande parte dos países membros da UNFCCC, não menciona o setor agrícola ou a segurança alimentar. O documento pede aos países desenvolvidos (PDs) que submetam ao Secretariado da Convenção suas metas de mitigação e aos PEDs, que informem e detalhem as medidas adotadas para cumprir suas metas. Dos 32 relatórios elaborados por PEDs em resposta ao documento, 12 mencionaram especificamente o setor agrícola entre suas ações de mitigação. As propostas dos PEDs apresentadas ao Secretariado da UNFCCC refletem diferentes capacidades, condições e perspectivas nacionais. Tais medidas incluem algumas das tecnologias e práticas centrais à mitigação atualmente disponíveis para comércio no setor agrícola. Estas consistem em: i) melhoria no manejo das áreas florestais e das pastagens, com o objetivo de aumentar o armazenamento de carbono no solo; ii) restauração de solos degradados; iii) aprimoramento de técnicas de cultivo de arroz e manejo da agropecuária e do esterco, com vistas à redução das emissões de metano; iv) melhoria nas técnicas de aplicação de fertilizante nitrogenado para reduzir as emissões de óxido nitroso; v) cultivos destinados à produção de biocombustíveis de base agrícola, a fim de substituir o uso de combustíveis fósseis; e vi) melhoria da eficiência energética. Brasil, Costa do Marfim, Etiópia, Indonésia, Jordânia, Madagascar, Marrocos, Mongólia, Papua Nova Guiné, Macedônia, República do Congo e Serra Leoa constituem exemplos de países que enviaram ao Secretariado relatórios e propostas relacionadas ao setor agrícola. O Brasil apresentou estimativas quantificadas de metas voluntárias de redução de emissões e, com base nestas, propôs ações relacionadas ao manejo de pastagens, áreas florestais e pecuária. Mais precisamente, o Brasil afirma que buscará restaurar as pastagens e integrar sistemas de cultivo e pecuária, bem como promoverá o uso de espécies biológicas fixadoras de nitrogênio e técnicas de plantio direto [ver glossário]. Ainda, o país empreende esforços para aumentar o consumo de biocombustíveis. 9

10 Outros temas multilaterais Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 A Indonésia está finalizando um Plano de Ação Nacional para materializar a redução de 26 a 41% nas emissões de CO 2 equivalente do país [ver glossário]. Para atingir essa meta até 2020, a Indonésia propõe ações em diferentes setores, incluindo o agrícola. Neste, o país busca implementar práticas sustentáveis de manejo das florestas de turfas e desenvolver projetos de sequestro de carbono [ver glossário], entre outras atividades. Ademais, a Indonésia considera o desenvolvimento de fontes alternativas e renováveis de energia. A Etiópia, por sua vez, submeteu ao Secretariado um conjunto de Ações de Mitigação Nacionalmente Apropriadas (NAMAs, sigla em inglês) de caráter voluntário, na esperança de que estas recebam o apoio financeiro e tecnológico mencionado no Acordo de Copenhague. No que tange ao setor agrícola, o país propõe aumentar o sequestro de carbono no solo por meio do desenvolvimento de compostagens para adubar terras agrícolas de comunidades rurais locais, assim como mediante a implementação de práticas e sistemas agroflorestais. Ademais, a Etiópia buscará produzir etanol e biodiesel suficiente para abastecer o setor de transporte rodoviário e o consumo doméstico. A Jordânia propõe o cultivo de forragens perenes na Região de Badia e a implementação de melhores práticas quanto à aplicação por irrigação de fertilizantes agrícolas e ao uso de metano emitido pela pecuária, avicultura e matadouros. Mais de 80% do Produto Interno Bruto (PIB) do setor agrícola da Mongólia deriva do sub-setor da pecuária. Como NAMA, o país sugere controlar o aumento da pecuária, por meio do incremento da produtividade de cada tipo de animal, em especial o gado. Marrocos, diferentemente, sugere aumentar a produtividade de suas terras agrícolas. O documento elaborado por Papua Nova Guiné expressa disposição em reduzir as emissões de GEEs em pelo menos 50% até 2030 e, mais especificamente, diminuir as emissões agrícolas em Mt de CO 2 por ano embora o país não especifique as ações por meio das quais pretende cumprir tal meta. Serra Leoa propõe introduzir a agricultura conservacionista [ver glossário] e promover o uso de outras práticas agrícolas sustentáveis em setores como o agrícola e o florestal. A Macedônia criará pré-condições favoráveis à redução de emissões de GEEs mediante, por exemplo, a implementação da legislação da Política Agrícola Comum da União Europeia (UE); a finalização das reformas institucionais e legais em matéria de irrigação; o desenvolvimento de um sistema para a aplicação de Boas Práticas em Agricultura; e a promoção do apoio financeiro com vistas a motivar os produtores agrícolas a empregar tecnologias de mitigação de emissões de GEEs. No que diz respeito a estas últimas, destaca-se o aprimoramento do manejo de resíduos resultantes de cultivos vegetais e da criação de animais. De acordo com a Organização para Agricultura e Alimentação (FAO, sigla em inglês), a proporção de relatórios submetidos por PEDs ao Secretariado da UNFCCC que incluem agricultura pode constituir um indicador de que o setor provavelmente se tornará um componente importante das NAMAs de países que não constam do Anexo I do Protocolo de Quioto. Próximos passos em agricultura Cabe ressaltar que, no âmbito externo às negociações da UNFCCC, 21 países assinaram recentemente uma declaração ministerial por meio da qual criaram a Aliança Global de Pesquisa sobre GEEs emitidos pela Agricultura. De acordo com o documento, os participantes desta aliança compartilharão seu conhecimento e esforços de pesquisa, identificarão lacunas no leque temático abrangido pelas pesquisas e movimentarão novos recursos para projetos de cooperação. Na primeira reunião deste grupo, realizada em 9 e 10 de abril na Nova Zelândia, foram debatidos temas relacionados a governança e focos de pesquisa. Essa aliança pode facilitar o entendimento comum acerca dos desafios relacionados à mitigação de emissões na agricultura. Qual será o próximo passo mais provável em matéria de agricultura, nas negociações climáticas? Os diálogos no âmbito do AWG-LCA e do AWG-KP serão retomados, conforme definido pelas Partes em Copenhague, e as decisões sobre o escopo e conteúdo do programa de trabalho do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico em agricultura ainda devem ser tomadas nas próximas reuniões da UNFCCC. Esse programa de trabalho pode facilitar e dotar de conteúdo um futuro acordo climático pautado em metodologias científicas e tecnológicas, com vistas à mitigação das MCs no setor agrícola. * Diretora da Plataforma Global sobre Mudanças Climáticas, Comércio e Energia Sustentável do ICTSD. Tradução e adaptação de texto originalmente publicado em Bridges Trade BioRes Review, Vol. 4, No. 1 - mar Glossário Agricultura conservacionista: compreende diversas formas e técnicas de manejo, mas tem por princípios gerais a cobertura permanente e o revolvimento mínimo do solo e a rotação de culturas. Tais práticas visam à conservação ou recuperação das propriedades químicas e físicas do solo, de modo a evitar a erosão e conservar a matéria orgânica e a umidade do solo. O plantio direto e a redução no uso de agroquímicos são práticas de manejo conservacionista difundidas atualmente. (Fonte: Icone) Carbono equivalente: parâmetro que expressa o potencial de aquecimento global (PAG) de um GEE em termos do PAG do CO 2, ou seja, a quantidade de CO 2 que causa a mesma retenção de calor na atmosfera que determinada quantidade de outro gás. (Fonte: Observatório do Clima) Plantio direto: conjunto de técnicas de produção agrícola que atende a três requisitos principais: não-revolvimento do solo, rotação de culturas e uso dos resíduos agrícolas para formação de palhada, o que pode inclusive contribuir para minimização dos custos de produção. O principal benefício do plantio direto é a conservação das propriedades físicas do solo, além da conservação de sua umidade e a diminuição da erosão. (Fonte: Icone) Sequestro de carbono: processo natural de armazenamento de gás carbônico no solo devido principalmente à dinâmica dos oceanos, florestas e outros organismos que, por meio da fotossíntese, capturam o carbono e lançam oxigênio na atmosfera. É a captura e estocagem segura de gás carbônico (CO 2 ), que evita sua emissão e permanência na atmosfera terrestre. Na agricultura, essa captação é realizada por meio de técnicas de manejo do solo, como as adotadas no plantio direto. (Fonte: Icone) 10

11 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Análises regionais Tratado de Lisboa: efeitos da reforma institucional na UE Entrou em vigor em 1º de dezembro de 2009 o Tratado de Lisboa 1, que conclui o processo de reforma iniciado com os acordos de Amsterdã (1999) e Nice (2001), com vistas a facilitar a condução das relações exteriores da União Europeia (UE), reduzir a complexidade de procedimentos decisórios e reforçar a legitimidade democrática de suas instituições deliberativas. Para quem telefono, se eu quiser falar com a Europa?. A pergunta atribuída a Henry Kissinger durante sua gestão como secretário de Estado dos Estados Unidos da América (EUA) ilustrava o ceticismo estadunidense diante dos rumos da integração europeia. Mais do que isso, o questionamento parecia desnudar o caráter incompleto das instituições europeias em meados dos anos 70, expondo a falta de unidade do Velho Continente na condução de suas relações externas. As dúvidas quanto ao rumo da integração foram dissipadas nas décadas seguintes. Nesse período, o bloco foi submetido a um vertiginoso alargamento, passando de 9 para 27 Estados membros acumulando peso demográfico e poderio políticoeconômico. Ao mesmo tempo, houve um aprofundamento das matérias atribuídas à competência das instâncias europeias. De uma abordagem essencialmente econômica, avançou-se para a cooperação política, política externa de segurança comum e política europeia de segurança e defesa em um bloco rebatizado, fortalecido internacionalmente e cultuado como o exemplo mais bem sucedido de regionalismo supranacional. A despeito de tamanhas realizações, a relativa incapacidade em responder de maneira uníssona aos problemas internacionais permaneceu entre as principais debilidades do bloco. De maneira paradoxal, o sucesso na integração da UE com seu alargamento e aprofundamento significou o agravamento da complexidade, burocratização e baixa representatividade democrática de suas instâncias decisórias. Tais contradições ensejaram o início de um processo de reformas institucionais, cujos pontos referenciais são as alterações em matéria de governança introduzidas pelos tratados de Amsterdã (1997) e Nice (2001), e cujo ponto culminante foi a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, em dezembro de Os fundamentos deste tratado foram lançados a partir de 2001, quando foi negociado um projeto de Constituição para a Europa, com o objetivo de aprimorar o funcionamento da UE e simplificar o Direito Comunitário por meio da consolidação do emaranhado de tratados em um único texto. Com isso, buscava-se possibilitar o alargamento do bloco para a Europa do Leste. O projeto fracassou em 2005, diante da rejeição de franceses e holandeses, consultados em referendo popular. Posteriormente, decidiu-se optar por uma proposta reformadora menos ambiciosa. As negociações foram novamente retomadas em 2007, mas, desta vez, adotou-se a estratégia de eliminar a nomenclatura constitucional do documento. Segundo a nova fórmula, seriam mantidos em vigor os tratados de Roma (1957) e Maastricht (1992), cujos dispositivos seriam emendados. Diferente na forma, o Tratado de Lisboa, foi concebido para abarcar a maior parte dos elementos substanciais que compunham o fracassado projeto de Constituição para a Europa. Após a assinatura do documento em Lisboa, ao final de 2007, durante o exercício da Presidência do Conselho da UE por Portugal, teve sequência um conturbado processo de ratificação. Novas rejeições em consultas populares desta vez na Irlanda retardaram a conclusão das ratificações a novembro de Dentre as alterações previstas no Tratado de Lisboa, destacamse: i) a criação de uma presidência estável para o Conselho Europeu, a ser exercida em um mandato de 30 meses, com uma recondução autorizada; ii) a criação do cargo de alto representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança; iii) a inclusão da integração do comércio mundial como um dos objetivos da ação externa da UE e da política comercial como matéria de competência exclusiva da União; iv) a extensão do procedimento de codecisão, com consequente aumento da participação do Parlamento Europeu no processo legislativo; v) a adoção da maioria qualificada para a votação no Conselho da União Europeia; vi) a atribuição de personalidade jurídica internacional à UE; vii) a eliminação dos três pilares da UE, cujas competências serão fundidas e incorporadas à União; e viii) a criação de um serviço europeu de ação externa, corpo diplomático do bloco. Os números de telefone da Europa Tendo por objetivo tornar o funcionamento da UE mais eficaz, em especial em sua ação externa, dois cargos executivos de grande visibilidade foram criados pelo Tratado de Lisboa: o presidente do Conselho Europeu e a alta representante da UE para os Negócios Estrangeiros. Seriam os dois números de telefone da Europa, em resposta à pergunta de Kissinger. Contudo, a ação externa do bloco permanecerá descentralizada, sob a responsabilidade de diferentes atores na verdade, ainda são muitos os números de telefone da UE. Até o momento, o Conselho Europeu instância executiva que reúne os chefes de Estado e de governo dos países do bloco era presidido rotativamente pelas lideranças do país a ocupar a presidência pro tempore. Diante da ampliação da UE a 27 membros, a manutenção da regra antiga segundo a qual o mandato era alternado a cada seis meses, implicaria o retorno de cada Estado membro à Presidência do Conselho após 14 anos. A fim de garantir maior continuidade aos trabalhos do Conselho Europeu, o Tratado de Lisboa configurou o posto de presidente do Conselho Europeu como cargo eletivo, a ser ocupado durante um mandato de 30 meses, admitida uma recondução. O primeiro a ocupá-lo será Herman Von Rompoy, antigo primeiro-ministro belga. 11

12 Análises regionais Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 O fracassado Projeto de Constituição para a Europa contemplava a criação do cargo de ministro de relações exteriores da UE nomenclatura considerada excessivamente ambiciosa, em seu caráter quase estatal. Em seu lugar, o Tratado de Lisboa propõe o posto de alto representante para Assuntos Externos e para a Política de Segurança, mantidas todas as atribuições da proposta anterior. O alto representante para o qual foi nomeada Catherine Ashton, antiga comissária europeia para o Comércio deverá acumular as atribuições de duas outras funções existentes: a do alto representante para a Política Externa e Segurança Comum, exercida desde 1999 por Javier Solana; e a de comissário europeu para as Relações Exteriores, exercida até o momento por Benita Ferrero-Waldner. Não se trata, desse modo, da criação de uma representação externa unificada para a União: a alta representante deverá coordenar as políticas dos Estados membros em uma base intergovernamental, com decisões tomadas sob a regra da unanimidade, de modo que persiste o espaço para divergências entre Estados membros em matéria de política externa. Contudo, a alta representante também será encarregada da direção do recém criado Serviço Europeu de Ação Externa, o corpo diplomático da UE, composto por funcionários da Comissão, do Secretariado do Conselho e de diplomatas a serviço dos Estados membros. A representação externa da UE permanecerá compartilhada por múltiplos atores, com destaque para o presidente do Conselho Europeu (Herman Von Rompoy), o presidente da Comissão Europeia (José Manuel Durão Barroso) e a alta representante (Catherine Ashton). A presidência rotativa da União perderá suas prerrogativas de representação externa durante as reuniões de cúpula em que participem terceiros países. A UE será representada pelo presidente do Conselho Europeu, que deverá manifestar-se sobre assuntos políticos, e pelo presidente da Comissão Europeia, encarregado de temas comunitários. Nestas reuniões, em que chefes de Estado são comumente acompanhados por ministros, deverão também participar a alta representante e os comissários das pastas envolvidas. A UE será representada em reuniões ministeriais pela alta representante, ao passo que as delegações diplomáticas da União a representarão perante terceiros Estados. Aspectos de governança O aprimoramento dos aspectos de governança da UE foi mais uma área enfatizada na reforma promovida pelo Tratado de Lisboa. Foram tomadas medidas para garantir o aumento da transparência e da participação democrática nas instâncias decisórias do bloco. Ao mesmo tempo, buscou-se promover a simplificação dos procedimentos decisórios, com alteração dos critérios de votação no processo legislativo. A principal das medidas nesta área foi a expansão da participação do Parlamento Europeu no processo legislativo da UE. Isto se seu pela ampliação das matérias cobertas pelo chamado procedimento de codecisão, ou seja, a aprovação concomitante do Conselho da UE e do Parlamento de propostas de legislação europeia. Note-se que esta medida reveste de maior legitimidade democrática o processo legislativo da UE, uma vez que o Parlamento é composto por representantes eleitos diretamente pelos cidadãos. A codecisão passa a ser o procedimento ordinário no processo legislativo da União, abarcando matérias como agricultura e comércio. O Tratado de Lisboa alarga a utilização do voto por maioria qualificada, estendendo de 36 para 87 o número de matérias submetidas a este, que passa a ser o procedimento normal de votação. Como exceção, determinadas matérias permanecem sob a exigência da unanimidade, em especial defesa, tributação e os principais aspectos relacionados à política externa. A partir de 2014, entrará formalmente em vigor o critério da dupla maioria, agora fixado na exigência de aprovação de 55% dos Estados membros, o que abrange 65% da população contida no bloco. Aspectos comerciais As reformas introduzidas pelo Tratado de Lisboa deverão produzir efeitos sobre as relações comerciais europeias. Ao reformular a esfera de competências da União, o tratado transfere o conjunto de temas relacionados à política comercial o que inclui comércio de serviços, investimentos estrangeiros diretos (IEDs) e direitos de propriedade intelectual à competência exclusiva da UE. Passam a ser proscritos os acordos comerciais mistos, em que tanto a União quanto os Estados membros tomam parte. Avalia-se que as mudanças nos critérios de votação também deverão afetar as relações comerciais da UE. A expansão da votação por maioria qualificada no Conselho da UE, por exemplo, poderá favorecer a aprovação de acordos comerciais naquele órgão. Não haverá mais a possibilidade de bloqueio de acordos pelo veto individual de um membro. A expansão do procedimento de codecisão, por outro lado, poderá dificultar a aprovação de acordos comerciais sobre temas socialmente controvertidos. O Parlamento, órgão mais sensível às pressões populares, passará a ter o poder de vetar a aprovação de acordos. Em casos de divergência entre o voto do Parlamento e aquele do Conselho da UE, um complicado procedimento de reconciliação política terá início, com o envolvimento da Comissão Europeia, e inevitáveis atrasos à aprovação do acordo. A entrada em vigor do Tratado de Lisboa constitui um importante marco do aprimoramento institucional da UE, na medida em que foram garantidas a eficiência e a legitimidade democrática do bloco. De todos os avanços obtidos, o que tem o maior potencial de produzir frutos duradouros é o aprimoramento da ação externa do bloco. Se, por um lado, manter intactas as soberanias estatais para a livre formulação de política externa parece uma opção politicamente sensata, por outro, não se pode garantir êxito aos objetivos nacionais caso a ação externa dos países europeus seja contraditória. Em certa medida, o principal legado desta reforma é submeter a política externa europeia a mecanismos institucionais de harmonização, em detrimento de soluções do tipo estatal, de caráter centralizador. Mais do que um número de telefone, os europeus necessitam de uma voz única. 1 Disponível em <http://eur-lex.europa.eu/johtml.do?uri=oj:c:2007:306: SOM:PT:HTML>. Acesso em 27 jan

13 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Análises regionais As eleições nos EUA e as negociações da Rodada Doha Trineesh Biswas* No contexto de eleições presidenciais em diversos países no mundo, o Pontes inaugura uma série de artigos a respeito da influência desse pleito sobre a definição da política comercial. Neste artigo inaugural, são analisados os principais fatores da política eleitoral dos Estados Unidos da América (EUA) que influenciam as negociações multilaterais de comércio. Nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC), todos os membros buscam maximizar o acesso de suas exportações ao mercado estrangeiro e, ao mesmo tempo, minimizar a concorrência dos produtos importados no mercado interno. Dessa forma, os setores-chave da indústria doméstica frequentemente logram proteger seus interesses. Os EUA não constituem exceção a essa regra. Em grande parte das democracias, o poder Executivo pode negociar acordos comerciais e, posteriormente, submetêlos à votação no Legislativo. Diferentemente, nos EUA, os legisladores não somente devem autorizar a administração presidencial a conduzir negociações desses tratados, como também não possuem competência para modificar o acordo negociado pelo Executivo podem apenas votar contra ou a favor, sem possibilidade de emenda. Na ausência de tais garantias, apenas um governo extremamente ingênuo negociaria e ratificaria um acordo comercial com Washington. Isso significa que o presidente dos EUA que desejar concluir negociações comerciais precisa manter o Congresso alinhado com sua agenda. É importante lembrar, ainda, que os grupos atuantes no setor agrícola estão super-representados no Congresso dos EUA comparativamente à população estadunidense dependente deste setor. Isso ocorre em especial no Senado. Isso pode explicar por que a administração de George W. Bush, apesar de sua retórica favorável ao livre mercado, fracassou em conter os subsídios previstos na Farm Bill, bem como a imposição, em 2002, de tarifas protecionistas sobre as importações de aço. Alguns analistas sugeriram que a Casa Branca reproduziu o movimento de grupos de interesse influentes não por ter cedido às pressões destes, mas porque enfrentá-los colocaria em risco as chances de aprovação da Autoridade para Promoção Comercial (TPA, sigla em inglês) no Congresso. A derrota significaria o fim da política comercial da administração Bush antes mesmo desta começar. Com a aprovação da TPA, Washington deu continuidade à negociação de uma série de acordos bilaterais de comércio, paralelamente à Rodada Doha. Durante muitos anos, a expiração, em meados de 2007, do mandato da TPA, foi utilizada pela gestão de Bush como um prazo informal para a conclusão do acordo de Doha. No entanto, a paralisação da Rodada, em julho de 2006 e junho de 2007, significou que esse prazo como tantos outros seria extrapolado. Enquanto isso, nos EUA, o apoio público ao livre comércio e aos acordos de livre comércio, em particular estava em declínio, devido a preocupações com relação à China e à percepção de que os ganhos do comércio não eram amplamente compartilhados. Isso se refletiu nas eleições de 2006 para o Congresso. À época, um número considerável de representantes eleitos pelo Partido Democrata apresentou campanhas altamente críticas à agenda de comércio da administração Bush. O foco de suas críticas incidia sobre os acordos bilaterais de comércio com países em desenvolvimento (PEDs), tais como o Tratado de Livre Comércio da América Central (Cafta, sigla em inglês), criticado por carecer de dispositivos voltados à proteção do meio ambiente e dos direitos trabalhistas. Um acordo com a Casa Branca em matéria de política comercial, obtido no início de 2007, sugeriu que a predominância democrata no Congresso apoiaria a negociação, pela gestão Bush, de um acordo na Rodada Doha. Em 2008, entretanto, o acordo continuava distante, com o fracasso de mais uma reunião mini-ministerial. O comércio permaneceu como tema controverso da campanha eleitoral de 2008 para a presidência nos EUA. Durante a primeira campanha para a nomeação do Partido Democrata, Barack Obama criticou o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, sigla em inglês), prometendo renegociar as provisões que tratavam de direitos trabalhistas e preservação do meio ambiente. É comum candidatos democratas utilizarem um tom severo acerca de temas comerciais nas eleições primárias, quando necessitam do apoio de sindicatos trabalhistas que se opõem ao livre comércio; mas, uma vez garantida a nomeação, abandonam essa retórica. Obama enquadra-se nesse padrão. As posições de Obama em temas comerciais permaneceram nebulosas após sua posse, em meio à crise econômica, mas era notório que o tempo e o capital político seriam direcionados aos pacotes de estímulo econômico e à reforma do sistema de saúde dos EUA, ou seja, o comércio não constituiria uma prioridade. Alguns dos temas da agenda doméstica de Obama podem, no longo prazo, contribuir para a recuperação do apoio ao livre comércio. Para os trabalhadores estadunidenses, o desemprego implica perder benefícios como seguro-saúde e aposentadoria. Nesse sentido, a reforma no sistema de saúde buscou fortalecer a rede de segurança social do país, de modo a atenuar a sensibilidade do desemprego. No entanto, diante da atual taxa de desemprego e do elevado déficit comercial particularmente com a China, as relações comerciais devem permanecer como objeto de controvérsia no futuro próximo. * Conselheiro do Diretor-executivo do ICTSD. 13

14 Brasil Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Cooperação Brasil-Angola na produção de etanol Rafael Vaisman* Graças à transferência de tecnologia do Brasil, Angola está começando a produzir biocombustíveis. Os objetivos da iniciativa incluem a criação de empregos em áreas rurais, a diversificação da matriz energética e a promoção das exportações. No entanto, se mal planejada, a transferência de tecnologia nesta área pode não trazer os benefícios pretendidos. O setor de bioenergia tornou-se um dos mais dinâmicos da economia, devido a três fatores principais. Primeiramente, a dependência do petróleo importado de regiões politicamente instáveis e a possibilidade de escassez na oferta deste combustível levaram ao aumento do interesse por alternativas energéticas. Em segundo lugar, os governos têm buscado reduzir as emissões de carbono, como forma de mitigação das mudanças climáticas os biocombustíveis podem colaborar nesse sentido. Por fim, a perspectiva de criação de empregos nas zonas rurais constitui um elemento atrativo para os governos. Contudo, por não possuírem a tecnologia necessária para a produção de biocombustíveis, muitos países dependem da transferência de tecnologia para transpor esse obstáculo. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a transferência de tecnologia envolve dois processos distintos: [a] transmissão de capacidades de produção industrial e a transferência de capacidades de domínio, adaptação e posterior aprimoramento da tecnologia recebida. Este artigo concentra-se em uma experiência recente de transferência de tecnologia, realizada entre Brasil e Angola. Os dois países têm cooperado com vistas à diversificação no setor de energia e à impulsão da produtividade agrícola em Angola. Produção de etanol em Angola O país enfrenta adversidades econômicas decorrentes da guerra civil que assolou o país por 27 anos, pacificada em Desde então, a economia angolana tem crescido, e o país tornou-se o segundo maior exportador de petróleo na África. O gasto público quadruplicou entre 2002 e Neste mesmo período, a concentração de renda no país foi ampliada, segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Diante desse quadro, a produção de etanol em Angola foi concebida como forma de contribuir para a diversificação da economia e a criação de empregos na área rural. O acordo de transferência de tecnologia entre Angola e Brasil levou à criação da Companhia de Bionergia de Angola Ltda. (BioCom), voltada à produção de açúcar e etanol na região de Cacuso. Com sede em Angola, a empresa caracteriza-se como uma joint venture entre as angolanas Sonangol (20%) e Damer (40%) e a brasileira Odebrecht (40%). O projeto será instalado em uma área de 30 mil hectares, no município de Malange. As atividades deverão ser iniciadas em 2012, com um orçamento inicial de US$ 258 milhões e uma produção esperada de 30 milhões de litros de etanol, 250 toneladas de açúcar e 160 mil megawatts-hora de eletricidade ao ano. O financiamento inicial contou com o auxílio da Agência Nacional para Investimento Privado (ANIP) na captação de verbas junto ao Banco Angolano de Fomento (BAF) e ao Banco do Espírito Santo (BES), com participação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Transferência de tecnologia A experiência brasileira nas áreas de práticas agrícolas, manipulação genética e maquinário contribuiu para garantir a eficiência, sustentabilidade e o estado da arte na produção. O projeto de cooperação entre Brasil e Angola, que tem na transferência dessas tecnologias seu principal objeto, também enfatizará a gestão da água e de resíduos (incluindo a reciclagem de lixo), bem como o uso eficiente de fertilizantes. A maior parte da tecnologia transferida para a BioCom já se encontra em domínio público, porém parte dela está protegida por direitos de propriedade intelectual. Em dezembro de 2009, 62 funcionários da BioCom completaram o treinamento industrial e agrícola no complexo de Eldorado, em Mato Grosso do Sul. Contudo, o processo de adaptação tecnológica é lento segundo especialistas, pode levar de três a cinco anos. No caso de sistemas biológicos, como a produção agrícola, os ciclos naturais devem ser respeitados. O ciclo da cana é de um ano, de modo que os resultados devem ser avaliados e modificados após três anos de trabalho. Esperanças e realidade Os diversos atores envolvidos no processo de transferência de tecnologia, assim como seus beneficiários, estipularam objetivos que incluem a diminuição da dependência das importações atualmente, Angola importa todo o açúcar que consome e o incremento da possibilidade de exportação para o mercado europeu de etanol. Agnaldo Jaime, coordenador da Comissão de Reestruturação da ANIP, enfatizou que o papel do investimento privado consiste em financiar a criação de empregos, promover a redução de importações e estimular a expansão do comércio exterior angolano. A geração de empregos industriais na área rural, com os esperados benefícios sociais e econômicos, constitui um objetivo central do projeto. A iniciativa poderá também contribuir para a expansão dos serviços de eletricidade na área rural, uma vez que o processo industrial cuja energia será originada do bagaço de cana deve gerar excedente de eletricidade. A BioCom e seus parceiros também identificam benefícios potenciais do projeto em matéria ambiental, já que a produção de etanol em Angola permitirá a adoção de um patamar de mistura do biocombustível à gasolina, no setor de transporte. Caso adotada, essa medida contribuirá para a redução das emissões de dióxido de carbono e, consequentemente, para uma menor poluição do ar. Ainda, isso permitirá a geração de lucros por meio do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, sigla em inglês). 14

15 Pontes Abril 2010 Vol.6 No.1 Pontes Desenvolvimento tecnológico como redutor de pobreza? Os objetivos ambiciosos do projeto de transferência de tecnologia levantam algumas questões. Que atores serão beneficiados? Que oportunidades e dificuldades a população de Cacuso poderá enfrentar? O projeto ajudará a reduzir a pobreza e a desigualdade? Que potenciais impactos terá sobre a segurança alimentar? Diante destas indagações, o projeto tem sido alvo de críticas, especialmente em relação aos benefícios que as comunidades rurais poderão receber. Em entrevistas conduzidas dentro do escopo deste estudo, uma série de riscos sócio-econômicos foi identificada. Em termos de trabalho, o projeto criará cerca de 500 empregos para angolanos e brasileiros. Todavia, a maior parte da população de Cacuso não possui as habilidades necessárias para preenchê-los e, dessa forma, ficará à margem dos benefícios produzidos. De acordo com a BioCom, 31 membros da população local foram empregados até o momento. Outro entrevistado expressou preocupações relacionadas à segurança alimentar, ao declarar que os moradores da região carecem de alimento. Nesse sentido, a produção de combustível e açúcar não preenche suas necessidades básicas. No que toca ao acesso à terra, alguns entrevistados afirmaram temer que a expansão da monocultura de cana em larga escala cause pressão sobre a população pobre. Tal apreensão persistiu mesmo após a BioCom ter ressalvado que a produção dos pequenos agricultores não seria prejudicada. A empresa argumentou que não apropriou terras da comunidade e que o abastecimento de água não sofreria pressão, já que a plantação de cana não é irrigada. A Associação para o Desenvolvimento Rural e Ambiental, organização não-governamental sediada em Angola, propôs que três questões centrais fossem tratadas. Primeiramente, as famílias locais deveriam ser envolvidas no processo decisório, a fim de avaliar os possíveis riscos e benefícios do projeto. Isso contribuiria para mitigar os problemas e compensar os indivíduos que fossem prejudicados. Em segundo lugar, deveria ser desenvolvido um plano com vistas à otimização do uso da mão-de-obra local. Por fim, as empresas deveriam engajar-se em projetos de responsabilidade social e ambiental na região. De forma geral, os entrevistados revelaram preocupações quanto às fragilidades institucionais e sociais do projeto, na medida em que Angola ainda enfrenta dificuldades associadas à instabilidade política e a governança. Ademais, a participação pública e o debate na formulação de projetos como o da BioCom ainda é pouco expressiva. Esse quadro tem mudado, ainda que lentamente. Um recente apelo postulado por representantes da sociedade civil angolana intitulado Declaração Benguela pede ao governo que reavalie a atual política, a fim de evitar que os investimentos provoquem a saída da população de suas terras. O documento não condena os investimentos, mas destaca os perigos das políticas empresariais sem qualquer controle. Os postulantes desejam evitar as consequências negativas, tais como a pressão latifundiária sobre os pobres. Buscam também garantir que os mais necessitados sejam incluídos na repartição de benefícios. Os argumentos levantados na Declaração também poderiam ser aplicados ao setor de bioetanol. Considerações finais A transferência de tecnologia deve ser elaborada e executada com cautela, especialmente em países marcados por instituições frágeis. Isso é necessário para garantir que os benefícios alcancem a população mais carente. Caso contrário, o caráter sustentável do etanol produzido será ameaçado, cenário desfavorável a todos os atores envolvidos governo, empresários e comunidade local. O presente artigo sugere a concepção de arranjos entre empresas e comunidade, a fim de alcançar a sustentabilidade desejada por todas as partes interessadas. Em um balanço geral, é preciso compreender profundamente a dinâmica da transferência de tecnologia no que toca aos projetos agrícolas de larga escala. Tal entendimento poderia contribuir para a elaboração de políticas importantes de apoio à atividade econômica, bem como à qualidade de vida nas zonas rurais. O resultado final poderia ser verificado na melhoria do índice de desenvolvimento humano (IDH) do país. * Mestrando da Universidade Lund, na Suécia. Sua linha de pesquisa inclui sustentabilidade, governança e políticas. Tradução e adaptação de texto originalmente publicado em Bridges Trade BioRes Review, Vol. 4, No. 1 - mar PONTES tem por fim reforçar a capacidade dos agentes na área de comércio internacional e desenvolvimento sustentável, por meio da disponibilização de informações e análises relevantes para uma reflexão mais aprofundada sobre esses temas. É também um instrumento de comunicação e de geração de idéias que pretende influenciar todos aqueles envolvidos nos processos de formulação de políticas públicas e de estratégias para as negociações internacionais. PONTES foi publicado pelo Centro Internacional para o Comércio e o Desenvolvimento Sustentável (ICTSD). Equipe editorial Michelle Ratton Sanchez Adriana Verdier Manuela Trindade Viana Daniela Helena Oliveira Godoy ICTSD Diretor executivo: Ricardo Meléndez-Ortiz 7, chemin de Balexert 1219, Genebra, Suíça As opiniões expressadas nos artigos assinados em PONTES são exclusivamente dos autores e não refletem necessariamente as opiniões do ICTSD, ou das instituições por ele representadas. 15

16 Pontes ENTRE O COMÉRCIO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EVENTOS ABRIL FAO - Conferência Regional para América Latina e Caribe (31ª reunião). Cidade do Panamá, Panamá. 27 CEPAL - Conferência A reinvenção das Nações Unidas. Santiago, Chile OCDE - Conferência Global sobre a Água 2010: Transformando o Mundo da Água.Paris, França MAIO 1 Abertura da Exposição Universal em Xangai, China. 3-7 FAO - Comissão Florestal para América do Norte (25ª reunião). Chiapas, México. 5-6 OMC Reunião do Conselho Geral. Genebra, Suíça 6-7 BID - RemesAméricas Cidade do México, México. 11 BID Parcerias Público-Privadas no Brasil e na América Latina. Salvador, Brasil FAO Conselho Geral (139ª sessão). Roma, Itália Cúpula de Chefes de Estado e de Governo UE-ALC. Madrid, Espanha OCDE - Fórum anual da OCDE. Paris, França. 30 CEPAL - XXXIII Período de Sessões da CEPAL. Brasília, Brasil. 30 WEF Cúpula Global Redesign Summit. Doha, Qatar. PUBLICAÇÕES Banco Mundial. Relatório sobre o desenvolvimento mundial 2010: Desenvolvimento e Mudanças Climáticas. Washington, D.C., Disponível em: <http://siteresources.worldbank. org/intwdr2010/resources/ / WDR10-Full-Text.pdf>. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, CEPAL. Mudanças climáticas: uma perspectiva regional. Santiago, Disponível em: <http://www.eclac.cl/ publicaciones/xml/9/38539/ cambio_climaticouna_perspectiva_regional.pdf>. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, CEPAL. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: Avanços na sustentabilidade ambiental do desenvolvimento na América Latina e no Caribe. Santiago, jan Disponível em: <http://www.cepal.org/publicaciones/xml/6/38496/ odm-7-completo.pdf>. Gallagher, K. & Chudnovsky, D. Rethinking Foreign Investment for Sustainable Development: Lessons from Latin America. Medford, Disponível em: <http://www.ase.tufts. edu/gdae/pubs/rp/rethinkforinv.html>. Meléndez, R. & Roffe, P. Intellectual Property and Sustainable Development: Development Agendas in a Changing World. Londres: EE Publishing, Disponível em: <http://ictsd. org/i/trade-and-sustainable-development-agenda/71019/>. Nelson, G., Palazzo, A., Ringler, C. & Sulser, T. The Role of International Trade in Climate Change Adaptation. Genebra: ICTSD, Disponível em: <http://ictsd. org/i/publications/66988/>. Strachan, J. Sell, M. & Kamal, M. Trade, Climate Change and Sustainable Development: Key Issues for Small States, Least Developed Countries and Vulnerable Economies. Londres: Commonwealth Secretariat and ICTSD, Disponível em: <http://ictsd.org/i/publications/68995/>. United Nations Conference on Trade and Development, UNCTAD. Trade and Environment Review 2009/2010. Genebra, Disponível em: <http://www.unctad.org/ en/docs/ditcted20092_en.pdf>. Banco Mundial. Doing Business Washington, D.C., Disponível em: <http://www.doingbusiness.org/ documents/fullreport/2010/db10-full-report.pdf>. 16

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Revisão das Salvaguardas do Banco Mundial Uma Questão Crucial para a América Latina

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 19, DE 2012 Biodiversidade Conservação e Uso Sustentável Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria O principal instrumento jurídico internacional para a conservação e o uso sustentável

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima UNEP/CBD/COP/9/3: Relatório da SBSTTA13 XIII/2. Revisão da implementação do programa de trabalho sobre Biodiversidade e Florestas PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima As mudanças climáticas

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF

ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA. Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF ESTRUTURA DE METAS E INDICADORES DA CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA Braulio Dias, coordenador de Conservação da Biodiversidade, MMA/SBF O único tema da pauta da CONABIO desde 2003 que não foi concluído

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 1, ABRIL DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU VOL. 3, Nº 1, ABRIL

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011)

XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA. (Manaus, 22 de novembro de 2011) XI REUNIÃO DE MINISTROS DAS RELAÇÕES EXTERIORES DOS PAÍSES MEMBROS DA ORGANIZAÇÃO DO TRATADO DE COOPERAÇÃO AMAZÔNICA (Manaus, 22 de novembro de 2011) COMPROMISSO DE MANAUS Os Ministros das Relações Exteriores

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Dar fim coerente a uma pauta vaga: o desafio de Doha

Dar fim coerente a uma pauta vaga: o desafio de Doha No. 1, 27 NOVEMBRO 2012 BOLETIM PONTES DE DOHA Dar fim coerente a uma pauta vaga: o desafio de Doha Ao chegar a Doha, os negociadores da 18ª Conferência das Partes (COP, sigla em inglês) da Convenção-Quadro

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MÉXICO: UM COMPROMISSO COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, AMBIENTAL E CLIMÁTICO NAS AMÉRICAS. EMBAIXADOR ANDRÉS VALENCIA VIII GREENMEETING CONFERÊNCIA DAS AMÉRICAS PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana ASSEMBLEIA PARLAMENTAR

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2

Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 PROPRIEDADE INTELECTUAL E BIODIVERSIDADE: AVANÇOS NAS NEGOCIAÇÕES DENTRO DO PARÁGRAFO 19 DA DECLARAÇÃO DE DOHA Paula Hebling Dutra 1 Mário Ferreira Presser 2 Oacordo TRIPS é o acordo que regula os direitos

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3

Desenvolvimento e Sustentabilidade Ambiental. Subgrupo 3 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PR SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SRI SECRETARIA DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL SEDES CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES CONTRIBUIÇÃODO

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Relatório Preliminar Possíveis opções de modalidades para a contribuição nacional

Relatório Preliminar Possíveis opções de modalidades para a contribuição nacional Participação da Sociedade Civil no processo de preparação da contribuição nacionalmente determinada do Brasil ao novo acordo sob a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Relatório Preliminar

Leia mais

Organização Mundial do Comércio I. Histórico

Organização Mundial do Comércio I. Histórico Organização Mundial do Comércio I Histórico No final da Segunda Guerra Mundial, diversos países resolveram reunir- -se, sob a influência norte-americana, para formular as diretrizes do sistema econômico-financeiro

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC,

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, A Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) realizou, em 12 de março de 2013, reunião de discussão e apresentação

Leia mais

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido

PJ 4/11. 10 janeiro 2011 Original: inglês. Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido PJ 4/11 10 janeiro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 1. a reunião 30 março 2011 Londres, Reino Unido Estudo da sustentabilidade da cadeia da oferta de café versus adaptação às mudanças climáticas

Leia mais

FIESP MUDANÇA DO CLIMA

FIESP MUDANÇA DO CLIMA MUDANÇA DO CLIMA Posicionamento FIESP Posicionamento FIESP para a COP16 A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), representante do maior parque industrial brasileiro, tem acompanhado atentamente

Leia mais

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS MERCOSUR IV REUNIÃO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Brasil, 28 e 29 de agosto de 2006 MERCOSUL / SGT Nº 6 / ATA N. 2/06 IV REUNIÃO ORDINÁRIA DO GRUPO AD HOC SOBRE BENS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1

Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1 Análise da Submissão Brasileira sobre os Níveis de Referência para REDD+ no Bioma Amazônico à UNFCCC 1 Documento de Trabalho DRAFT Versão 1.0-04 Dezembro de 2014 1. Introdução No dia 6 de junho de 2014,

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

Acordo de Paris. Convieram no seguinte:

Acordo de Paris. Convieram no seguinte: Acordo de Paris As Partes deste Acordo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada "Convenção", De acordo com a Plataforma de Durban para Ação Fortalecida

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura

Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura Edição 14 - Julho de 2015 Brasil e Estados Unidos avançam na reabertura de mercado para carne bovina in natura A presidente Dilma Rousseff esteve nos Estados Unidos, de 27 de junho a 1º de julho, onde

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Maputo, Moçambique, 2-4 de maio de 2012 Estrutura

Leia mais

Relatório da Cúpula de Sanya

Relatório da Cúpula de Sanya Agosto de 2011. Relatório da Cúpula de Sanya I. Introdução No dia 14 de abril de 2011, os líderes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul se reuniram em Sanya, na província de Hainan,

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011

COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 COMPRAS PÚBLICAS E O PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 6o Fórum da A3P Brasília, 10 de novembro de 2011 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais