CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR"

Transcrição

1 CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR Resumo ÁQUILA, Tatiane Graziele Domingues UNISAL - Lorena/SP ALVES, Talita Alvarenga UNISAL Lorena/SP GONÇALVES, Priscilla Leite UNISAL Lorena/SP KOEHLER, Sonia Maria Ferreira - UNISAL-Lorena/SP Eixo Temático: Violências na Escola Agência Financiadora: UNISAL Lorena/SP Este estudo é parte de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo grupo de estudos e pesquisas do Observatório de Violências nas Escolas do Núcleo UNISAL - Lorena, SP. A pesquisa procura demonstrar o significado de cultura organizacional e clima escolar ao identificar os tipos e formas de violências interpessoais que ocorrem no cotidiano escolar entre os alunos e verificar, a partir da opinião dos alunos, qual a melhor forma de intervenção nas situações de conflito na escola. Participaram deste estudo 132 adolescentes: 66 do sexo feminino e 66 do sexo masculino, pertencentes ao 8º e 9º ano do Ensino Fundamental da Rede Pública e Municipal de Lorena. A distribuição dos alunos foi por amostragem estratificada uniforme. O instrumento de pesquisa foi um questionário com questões fechadas que permitiu um diagnóstico da dinâmica das relações interpessoais, principalmente, na sala de aula e uma questão aberta que permitiu a expressão dos alunos sobre a melhor forma de intervenção quando ocorrem situações de conflito e/ou violências na escola. O questionário focou quatro aspectos: a caracterização dos participantes, a relação do aluno com o professor e com os seus pares, tipos de violências/incivilidades sofridas, presenciadas e/ou praticadas. Os resultados indicam que os alunos esperam que os professores se posicionem no sentido de intervir nas situações de conflitos na escola. Tal resultado nos aponta sobre a importância do investimento na formação do professor para o aprendizado de como lidar com a mediação, assim como as diferentes formas de prevenção e/ou intervenção nas situações de conflito e no enfrentamento das violências nas escolas. O estudo sugere que o comportamento do professor que nem sempre exerce o seu papel de educador, nas situações de conflito, implica na manutenção da cultura escolar que alimenta progressivamente o clima escolar.

2 1705 Palavras-chave: Clima Escolar. Cultura Organizacional e escola. Incivilidades. Bullying. Violências nas escolas. Introdução Vivemos em um meio sócio-cultural, num contexto em que a violência está cada vez mais presente, transformando-nos em uma sociedade do medo. E esse meio, compromete e prejudica todo um conjunto em nossas vidas: o cotidiano, a confiança, o processo de socialização e nossa crença por um mundo melhor. A sociedade atual se configura por incertezas, medos, conflitos, confusão de valores, falta de ética e limite entre o que é certo ou errado, o que nos torna vulneráveis, inseguros, desconfiados e injustos. Como realidade de nosso cotidiano, um dos temas que vem despertando grandes interesses e preocupações por parte de educadores, profissionais e organizações sociais e políticas, é a violência escolar, fenômeno que precisa ser permanentemente estudado e combatido principalmente por atingir e interferir na dinâmica da vida, na integridade física e/ou psicológica dos indivíduos. A escola é uma organização dotada de uma cultura e valores específicos. Reflexo dessa cultura o clima será relativo a mesma, porém vários fatores influenciam negativamente o clima escolar, e é nessa perspectiva que esse artigo procura propor, inquietar e conscientizar a sociedade à respeito da relevância do fenômeno da violência escolar, os conflitos, e os atos das incivilidades nas escolas. Chamar a atenção sobre os deveres de cada cidadão em mudar, reconhecerem-se como sujeitos da violência, e não permitir a banalização do fenômeno é o princípio fundamental deste estudo, pois há uma tendência à naturalização e hierarquização de violências, ou seja, classificá-las como mais ou menos terríveis. Segundo Abramovay e Castro (2006) a banalização da violência toma distintas formas: A indiferença pela saturação de informações, notícias; a não consideração de alguns fatos como violentos, por hierarquizar certas violências, em relação a outras, como menos violento e, em seu formato mais crítico, nega-se a produção de violências, ou de sujeitos da violência em relação a si e a outros, porque não se conhece outra forma de ser.

3 1706 Assim, está posto nosso desafio: conhecer o fenômeno, conhecer cada escola, sua comunidade, suas peculiaridades, sua dinâmica, seus agentes, suas vítimas e as conseqüências naquela escola. Somente assim poderemos encontrar formas para a prevenção e/ou enfrentamento. A instituição escolar, a cultura e o clima Todas as organizações são constituídas por grupos seja de supervisores, colaboradores, diretores, alunos, ou seja, há uma diversidade grupal (cognitiva e demográfica: idade, sexo e raça ou etnia), ou grupos multiculturais (SPECTOR, 2006) proporcionando assim, interrelações nesses espaços. As organizações escolares são regidas por uma cultura organizacional e valores específicos, com objetivos de transmitir e produzir conhecimentos; é um espaço considerado preservado para a formação do cidadão e referência da comunidade (PONTES, 2007) ambiente de convívio, segurança e paz, espaço onde se espera que seja estruturado e preparado para formar para o futuro, para cidadania e fortalecer a esperança de que os objetivos, sonhos e metas se tornarão realidade. Para os adolescentes este espaço é considerado como centro de seu círculo social reduzido e homogêneo (KOEHLER, 2003) no entanto é o espaço para o desenvolvimento das diferentes habilidades para integrar-se ao mundo dos adultos. A cultura original desse ambiente deriva da filosofia e missão enquanto instituição/organização, e influencia fortemente, pois as ações dos dirigentes estabelecem o clima geral que define quais comportamentos são aceitáveis e quais não são (ROBBINS, 2005). Antigamente vista como assistencialista e refúgio para crianças desabrigadas, ambiente que formava o adulto em miniatura, a escola possuía uma cultura rígida, porém com os avanços, as revoluções, a globalização, esse modelo tradicional foi mudado, ou seja, a cultura forte, que segundo o autor Robbins, seria os valores essenciais da organização, precisaram ser flexíveis e renovados, fator que paulatinamente foi sendo reestruturado. Como antigamente, nos dias atuais presenciamos mudanças que precisam ser feitas novamente, os jovens vivem em uma cultura que está voltada a áreas tecnológicas, mudanças rápidas, várias fontes de informações, e tanto a família quanto a escola e a cultura escolar sofrem as influências dessa cultura que se tornou nacional. A cultura dominante expressa os valores essenciais compartilhados pela maioria dos membros da organização. A cultura escolar tende a ser

4 1707 influenciada pela cultura nacional, porém não pode ou não deveria ser abalada, pois a cultura escolar é a cultura forte e têm impacto sobre o comportamento de seus funcionários e sobre todo o conjunto de indivíduos que dela participam. Ultimamente em algumas escolas em que esses papéis (dos educadores e diretores) estão invertidos, a cultura passa a ser considerada fraca, pois está dominando e influenciando o clima escolar. (ROBBINS, 2005). O clima escolar resulta dos comportamentos e das políticas dos membros que a integram (especialmente os dirigentes) (BRUNET, 1992) e devido a esses comportamentos alguns fatores negativos estão sendo presenciados no ambiente escolar. Muitas são as variáveis que influenciam tanto positiva quanto negativamente esse ambiente, a cultura escolar, o compromisso do professor, normas, ênfase na cooperação, expectativas, prêmios e castigos, consistência, consenso, claridade de objetivos, dificuldades, apatias, etc (SILVA; BRIS, 2002) Como já vimos, a escola é uma organização regida de normas e regras, que devem ser seguidas para (...) lidar ou inibir a violência. As regras, refletem os valores que devem ser comuns e conhecidos por todos no processo de interação ( ABRAMOVAY; RUA, 2002). Estas por sua vez devem ser bem estruturadas e esclarecidas perante todos seus membros participantes para proporcionar um clima de segurança e ordem. No entanto, nem sempre a instituição escolar, enquanto organização expressa claramente à comunidade de estudantes, aos pais e aos próprios docentes as informações sobre normas e regras, assim como as conseqüências para o desrespeito das mesmas. A falta de comunicação implica em desorientação, injustiças e contradições nas ações do professor, coordenador e diretor, gerando insatisfação. Essas insatisfações causam grandes tensões que geram mais conflitos interpessoais e possibilitam situações para as violências, que por sua vez, estabelecem o clima escolar e determinam o que denominamos de uma cultura fraca. Segundo Silvia e Lanzoni, (2008): A violência tem todas as possibilidades de aparecer em um clima onde as normas sejam arbitrárias, elaboradas à margem da participação dos alunos/as, inconsistentes e pouco claras, sem que os implicados em seu cumprimento saibam quando são obrigatórios os cumprimentos e quando podem não cumprir-se, porque não exista uma clara especificação de até aonde chega a liberdade individual e até aonde a liberdade de cada um deve reduzir-se em função do respeito aos direitos dos demais. Por duas razões básicas: o marco cultural não oferece critérios de referência para elaborar pautas claras de convivência e a inconsistência na aplicação das normas impede saber o que será considerado como correto e o que como incorreto.

5 1708 Por isso é preciso manter uma cultura escolar viva, os funcionários, os alunos precisam aprender essa cultura através das histórias da fundação desse ambiente, dos rituais (seqüências repetitivas para reforçar os valores fundamentais da organização), e os símbolos materiais (ROBBINS, 2005), favorecendo assim o clima escolar, o sentido de pertencimento e a convivência nesse meio. Um aspecto importante, citado acima é o termo utilizado por Robbins: símbolos materiais. O autor coloca que o espaço físico em uma organização passa uma mensagem para os tipos de comportamentos almejados e considerados apropriados pelos dirigentes. Colocando em questão essa visão, enfatizo a importância do aspecto físico, da qualidade das instalações físicas (ABRAMOVAY; RUA, 2002) de uma escola. Tornou-se comum, em algumas escolas públicas e privadas, geralmente situadas em territórios vulneráveis ou de alta periculosidade, sofrerem por depredações, pichações, apresentarem sanitários precários e sem higienização. Como vimos anteriormente, se o espaço passa uma mensagem de ações e comportamentos considerados inapropriados, esse símbolo passará uma mensagem negativa para quem está de fora desse ambiente e quem convive no mesmo. Em uma pesquisa realizada por Abramovay (2009) com um grupo focal de professores, eles assinalaram a importância de uma escola bem cuidada. A construção da identidade de um estabelecimento passa pela imagem que os atores têm do mesmo, formando dessa maneira uma percepção negativa ou positiva. Para alguns professores, de uma forma geral, a escola apresenta sérias deficiências que dificultam o ensino/aprendizagem: turmas superlotadas; falta de mobiliário adequado para o desenvolvimento das aulas; falta de professores de laboratório e o principal, falta laboratórios equipados e espaço físico; salas de aula super lotadas. Outra pesquisa realizada, relata os índices de violências em escolas de vários estados brasileiros. Em uma escola do Rio de Janeiro, os índices de qualidade dos corredores mostram no total que 90% delas apresentam más condições de higiene, iluminação e espaço. O que nos desperta a atenção é pelo fato de que em 100% das escolas privadas observadas foram registrados corredores em más condições, enquanto as escolas públicas correspondem a 86%. Segundo observação dos pesquisadores, foi notável o permanente clima de ameaça vivenciado pelos próprios profissionais do colégio, na medida em que os corredores vão sendo monitorados por câmeras, mostrando que os índices não são altos somente em escolas públicas, mas também em privadas. Em Goiânia, os pesquisadores observaram diretamente

6 1709 em escola pública que não havia funcionário que controlasse os alunos, e em Vitória, os alunos ficam soltos ninguém fiscalizando os corredores e os pátios. (ABRAMOVAY; RUA, 2002). Para quem está no entorno da escola presenciando fatos como esses, recebem a mensagem que se passa podendo em primeiro momento culpabilizar os alunos, tachá-los como indivíduos sem educação, marginais, desconhecendo os fatores que levam aquela situação, desconhecendo que por trás desse jovem, existem histórias marcadas, muitas vezes, por graves problemas sociais ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Porém, seria viável então culpabilizar a escola? Os pais? Gestores? Não, não estamos apontando um culpado e nem os levando a procurar um, mas sim, os fatores que enquanto cultura influenciam o clima escolar e possibilitam violências, visto que enquanto um problema social é também considerado ato aprendido e, portanto reproduzido. Incivilidades e clima escolar Vários são os tipos de violências no ambiente escolar. Além da violência física e o vandalismos existentes, há também a violência psicológica, simbólica, as incivilidades, entre outras. Encontramos em Tomkiewisk (1977, p. 320) o seguinte conceito para a violência institucional toda e qualquer ação cometida dentro de uma instituição ou toda ausência de ação que cause a criança um sofrimento físico ou psicológico inútil e/ou bloqueio de seu desenvolvimento posterior. A violência pode envolver tanto a violência entre Classes Sociais (violência macro), como a Violência Interpessoal (violência micro). A primeira mostra a escola como cenário dos atos praticados contra ela que são os vandalismos, incêndios, atentados em geral. E a segunda mostra a violência nas relações interpessoais (professoraluno, aluno-aluno) levando-nos observar que a violência está presente nas relações interpessoais, sendo que essas formas têm razões e impactos diversos, (KOEHLER, 2003). As incivilidades são microviolências que causam sentimento de insegurança. Elas se dão na qualidade das relações interpessoais, nem sequer são notadas e passam fazer parte do cotidiano escolar ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Vários autores colocam suas opiniões a respeito do termo. Segundo as autoras, consiste em infrações à ordem estabelecida que ocorrem na vida cotidiana. Mesmo não sendo aparentemente graves, são atos- como agressões verbais, xingamentos, atos de indisciplina, abuso de poder etc. ( p. 50)

7 1710 Dupâquier, 1999, (apud: ABRAMOVAY; RUA, 2002) a denomina empiricamente como delitos contra objetos e propriedades, intimidações físicas (contra as pessoas: empurrões, escarros) e verbais ( xingamento, ameaças). Para Charlot (1997), representam humilhações, palavras grosseiras, falta de respeito, ameaça do sistema escolar. De maneira geral as incivilidades segundo os autores não se restringem pelo uso da força física, porém atingem o sentimento e o lado psicológico da vítima. Por ser microviolência, tende a ser tratada como pequena, micro, que não se percebe, de não importância, sem gravidade, onde sabemos que é o oposto, ela é invisível sim, implícita, porém atinge os indivíduos tornando-os inseguros e prejudicando sua auto-estima, trazendo clima de tensão na organização escolar pois constituem atos que rompem as regras elementares da vida social São comportamentos considerados sem gravidade e que tem caráter essencialmente público - são, portanto, relativos as relações entre o espaço público e os indivíduos ( ROCHÉ, 2002, apud: ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Segundo vários autores (DEBARBIEUX, 1996; COUSIN, 2000, apud: ABRAMOVAY, 2009), a organização de um estabelecimento, através de seus projetos e ações, e a qualidade das relações sociais nas escolas podem implicar uma visão mais positiva ou negativa do estabelecimento escolar. As incivilidades no ambiente escolar se manifestam por meio da discriminação, desvalorização, preconceito, humilhações, tanto por parte dos professores, gestores, alunos. È um padrão de sociabilidade realizado por meio de incivilidades, tornando a escola inversa ao seu objetivo, um local de antieducação e de difícil acesso à aprendizagem. ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Várias são as reclamações dos alunos e dos professores, relacionado com as incivilidades, os alunos queixam-se das agressões verbais e altos graus de ofensas dos xingamentos que os professores proferem. Estes, por sua vez, queixam-se das palavras grosseiras, insultos, berros, acusações difamatórias, violência verbal por nota, entre outros, tendo os alunos comportamentos desafiantes e procuram visibilidade, provocando as autoridades. Visto que a proliferação de incivilidades também pode ser a porta de entrada para violências mais fortes, o papel de intervenção e da mediação supõe importantes ações que necessitam de real investimento pelo corpo docente. (ABRAMOVAY; CASTRO, 2006).

8 1711 A pesquisa Participaram da pesquisa 132 alunos, pertencentes às três maiores escolas do município: 66 do sexo masculino e 66 do sexo feminino. As idades variavam entre 13 a 15 anos e cursavam os 8ª e 9ª anos do ensino fundamental. O número total de alunos que cursavam essas séries, nas escolas pesquisadas, eram 295. Optamos pelo tipo de amostragem estratificada uniforme (SIEGEL, 1979) isto é, foram sorteados igualmente, o número de elementos em cada estrato, em cada sala de aula, tanto os participantes do sexo masculino e feminino. 1 O instrumento foi um questionário com 21 questões fechadas e uma questão aberta tendo por foco quatro aspectos: a caracterização dos participantes, a relação do aluno com o professor e com os seus pares, tipos de violências/incivilidades sofridas, presenciadas e/ou praticadas e uma questão aberta pedindo sugestão sobre a melhor atitude dos professores em relação aos conflitos: uma sugestão para que seus/suas professores(as) possam melhorar a convivência ou as agressões dos alunos na escola Os dados apontam que 40% dos alunos já foram agredidos por seus colegas, 51,1% foram agredidos verbalmente por xingamentos, 50% foram agredidos fisicamente por socos e 80,3% mostram que reagem quando são agredidos. Também chamou-nos a atenção o tipo de reação do professor quando chamado em situações de conflito, sendo que 41,7% dos alunos procuram por algum professor quando ocorre alguma situação de conflito, 34,4% desses alunos disseram que seus professores os mandaram resolver com a direção ou coordenação. Tal relato demonstra que alguns professores não estão preparados para a mediação que poderia/deveria ser feita por sua parte, atribuindo ao diretor a autoridade sobre o aluno, perdendo o espaço que deveria se assumido por si próprio. Para elucidar e demonstrar os dados dessa pesquisa apresentamos, abaixo o resultado e comentários de algumas tabelas. Tabela 1 - Foi perguntado: Você já foi agredido verbalmente por um (a) colega? Se sim, mostre o tipo de agressão verbal sofrida 1 A pesquisa foi realizada na Rede Municipal do município de Lorena, interior de São Paulo. Participaram da coleta de dados alunos bolsistas e professores do Observatório de Violências nas Escolas. Desde 2005 o Observatório de Violências nas Escolas mantém parceria com a Rede Municipal para Estudos e Pesquisas. Cf.: KOEHLER; MORAES, 2005.

9 1712 MASC. FEM. % Ameaças ,6 Xingam ,1 Fazem piada ,3 de você N. Resp BASE Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena, 2008 A Tabela 1, mostra que 47 alunos sofreram agressões verbais, o que equivale a 35,6 % da amostra pesquisada (N=132). Os tipos de agressões verbais mais sofridas são os xingamentos e as piadas nas relações interpessoais. Tabela 2- Foi perguntado: Você já foi agredido fisicamente? Se sim Mostre o tipo de agressão física sofrida MASC. FEM. % Socos Empurrão Belisco Pontapé Roupa Rasgada Base Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela 2 mostra que socos, empurrões e pontapés no ambiente escolar são violências (agressões físicas) sofridas por 26,4% dos participantes da pesquisa. Tabela 3-Foi perguntado: Quando acontece algum tipo de agressão entre você e um (a) colega, você chama o(a) professor(a)? (Sim ou Não)

10 1713 MASC. FEM. Sim ,7 Não ,6 N. Resp ,75 Base % Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela acima revela que 41,7% dos alunos chamam o professor quando se deparam com uma situação de conflito, porém, 57,6% responderam que não chamam. Os alunos não chamam os professores por determinados motivos que nos levam a inferir sobre o receio de serem encaminhados à diretoria ou a desesperança por não confiarem em uma intervenção positiva como podemos conferir na tabela 4. Tabela 4 - Foi perguntado: Se você já chamou ou contou a um (a) professor(a) o que aconteceu, qual a reação desse(a) professor(a)? MASC. FEM. % Debochou de mim ,6 Gritou comigo na frente ,6 Dos meus colegas Mandou os alunos p/ ,4 a Diretoria/Coordenador Mandou que eu procurasse ,4 o Diretor(a) Não ligou ,4 Não Respondeu ,4 Outra ,2 Base Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela 4 demonstra a reação do professor quando solicitado diante de diferentes situações de conflito. 34,4% dos professores mandou os alunos para a diretoria ou para o coordenador resolver. 26,4% mandou o próprio aluno procurar o diretor (a) para contar o caso. 18, 4% não ligaram para o apelo do aluno. 2,4% não respondeu quando interpelado pelo aluno. 1,6% gritou com o aluno que pediu ajuda e 1,6% externalizou algum comentário ou ato que foi percebido, pelo aluno, como deboche.

11 1714 A análise dos dados indica que 80,3% das reações dos professores demonstram indisponibilidade, negligência, desatenção ou falta de profissionalismos para exercer a mediação ou buscar uma alternativa relativa ao papel do educador. Considerações finais O estudo revela os tipos de violências interpessoais que afetam o clima escolar, assim como o descompasso entre a função da escola, do professor e o que os alunos esperam do ambiente escolar e do professor. Este descompasso está engendrado em uma cultura assentada na ausência de autoridade do professor, que por sua vez a transfere para o coordenador (a) ou para o diretor(a) ou para ninguém, este último interpretado pela Tabela 4 que mostra as atitudes: não ligar, não responder ou debochar. A dinâmica dessas atitudes, explicitadas pela percepção do aluno sobre o professor que não se envolve com os conflitos, isto é não procura saber o que está acontecendo, não aconselha, não escuta, pois é mais fácil mandar para a diretoria, implica na configuração de uma cultura escolar contraditória no papel da escola, no papel do educador e na esperança dos alunos. Na última questão do instrumento de pesquisa foi pedido uma sugestão para que seus/suas professores (as) possam melhorar a convivência ou as agressões dos alunos na escola. O levantamento das opiniões indica quanto o aluno valoriza as atitudes positivas do professor e espera uma atitude de diálogo, sobre regras e normas, melhoria da didática em sala de aula, conversa do professor e/ou do Diretor com o aluno e a família do aluno. O clima escolar influencia no processo de ensino-aprendizagem e também influencia aquilo que os professores ensinam e o que os alunos aprendem, podendo ou não criar sistemas de cooperação, situações de identidade ou desencanto com as escolas, pois em um ambiente onde prevalece as incivilidades, seus integrantes podem estabelecer um distanciamento, um sentimento de falta de pertencimento, levando ao desaparecimento das relações de amizade e solidariedade. ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). É notória a necessidade de criação de estratégias, intervenções e mediações nas relações interpessoais, como destacado em nosso estudo, o diálogo, respeito e valorização do próximo é uma das maneiras primárias que já deveriam existir nesse ambiente. Abramovay em sua publicação: Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas (2004), aponta estratégias de mudanças do clima escolar, ressalta a importância do bom

12 1715 clima na vida da escola, a importância da gestão inovadora (aberta à mudanças), a valorização do aluno, do professor e da escola, exercício do diálogo, trabalho coletivo, a participação da família e da comunidade, a re-significação do espaço físico ( preservação do espaço físico), incremento da sociabilidade e construção do sentido de pertencimento desse ambiente. Não podemos deixar de questionar os cursos de formação de Pedagogos e outras licenciaturas nas demais áreas que ainda não incorporaram, em suas matrizes, disciplina(s) que tratem especificamente do assunto. Possivelmente, tendo consciência do fenômeno, os educadores cuidarão de criar estratégias e contribuir para o bom convívio e clima escolar. Para que essas mudanças sejam realizadas com êxito, como pontua Delors (1996) é essencial que exista esforço e disposição para a mudança, disposição esta que se assenta na compreensão de que o direito à escolaridade é um bem, um legítimo patrimônio da humanidade, que de forma alguma pode ser ameaçado por situações de violências nas escolas. REFERÊNCIAS ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia. Caleidoscópio das violências nas escolas. Brasília: Missão Criança, ABRAMOVAY, Miriam (coord.); CUNHA, Anna Lúcia; CALAF, Priscila Pinto. Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana- RITLA, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal - SEEDF, ABRAMOVAY, Miriam (coord.); et allii. Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas.brasília:unesco, Ministério da educação ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria da Graças. Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, Instituto Ayirton Senna, Banco Mundial, USAID, BRUNET, L. (1992). Climas escolares e eficácia da escola. Disponível em: Acesso em: 03 jun CHARLOT, Bernard; ÉMIN, Jean-Claude (Coords). Violences á I école éat des savoirs. Paris: Masson & Armand Colin éditeurs, DELORS. Jaques. Os quatro pilares da educação. Educação: um tesouro a descobrir. UNESCO. São Paulo: Cortez, KOEHLER, Sonia Maria Ferreira. Violência psicológica: um estudo do fenômeno na relação professor aluno. Tese(Doutorado). Instituto de Psicologia Universidade de São Paulo

13 1716 KOEHLER, Sonia Maria Ferreira; MORAES, Daiana Martins. Clima escolar e incivilidades nas relações entre iguais. In: II Congresso Ibero-Americano sobre violências nas escolas, 2005, Belém. II Congresso Ibero-Americano sobre violências nas escolas, PONTES, Reinaldo Nobre (coord.); CRUZ, Cláudio Roberto Rodrigues; Melo, Simone Moraes. Relações sociais e violências nas escolas. Belém, UNAMA, ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 11ed. Cap.16. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. 2 ed. São Paulo: Saraiva, TOMKIEWISK, Stanbislaw. Violences dans les institutions pour enfants, à l ècole et à l hôpital. IN: MANCIEX, Michel; GABEL, MarcelineEnfances em danger. Paris. Éditions Freurus, SIEGEL, Sidney. Estatística não paramétrica: para ciência do comportamento. São Paulo: Mc Graw Hill do Brasil, SILVA, Joyce Mary Adam de Paula ; LANZONI, Sônia Lopes (2008). Concepções de violência escolar: um estudo comparado Brasil Espanha. Disponível em: <http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/707_423.pdf>. Acesso em: 03 jun SILVA, Joyce Mary Adam de Paula; BRIS, Mário Martin (2002). Clima de trabalho de análise da organização escolar: revisão teórica. Disponível em: <http://cecemca.rc.unesp.br/ojs/index.php/educacao/article/viewfile/1141/1047> Acesso em: 10 jun

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Coordenação: Dra. Telma Pileggi Vinha (FE- Unicamp) Dra. Alessandra de Morais (Fac. de Filosofia e Ciências UNESP/Marília)

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação Grupo de pesquisa JOVEDUC Jovens, violência e educação Projetos de Pesquisa Financiamento FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Linha de pesquisa : Programas Especiais - Ensino Público

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço

É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço É projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo. É político por considerar a escola como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita

em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir seus objetivos necessita II. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A assessoria pedagógica não consiste em transmitir certezas, mas em partilhar sentido. [Gutierrez e Prieto, 1994] A EAD pode envolver estudos presenciais, mas para atingir

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO UM MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

JUSTIÇA RESTAURATIVA COMO UM MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS Cristina Telles Assumpção Meirelles Cecília Assumpção Célia Bernardes Heloise Pedroso Marta dos Reis Marioni Monica Cecília Burg Mlynarz Violeta Daou Vania Curi Yazbek - Coordenadora da Equipe APRENDER

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos?

Ensino Fundamental I. Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? Ensino Fundamental I Como ajudar as crianças (6 a 8 anos) em seus conflitos? 2015 Objetivo da reunião Este encontro tem o objetivo de comunicar mais claramente as ações desenvolvidas pela escola e favorecer

Leia mais

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS ESCOLARES: PROJETO BLITZ DA PAZ

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 2º Encontro Mapeando e buscando reconhecer o território Polo 2 Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade O que vimos até

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 VALORES HUMANOS

Mostra de Projetos 2011 VALORES HUMANOS Mostra de Projetos 2011 VALORES HUMANOS Mostra Local de: PONTA GROSSA Categoria do projeto: I PROJETOS EM IMPLANTAÇÃO Nome da Instituição/Empresa: PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMEIRA Cidade: PALMEIRA Contato:

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social)

Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Resumo Aula-tema 04: Eu e os outros (Competência Social) Os seres humanos são, por natureza, seres sociais, que interagem a todo instante nos diferentes ambientes (familiar, escolar, profissional etc.).

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ

ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL SANTO ANTÔNIO VIVENCIANDO VALORES NA ESCOLA POR UMA CULTURA DE PAZ Passo Fundo, 2005 1-Justificativa Talvez não haja palavra mais falada, nos dias de hoje, que a

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA

PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA PREFEITURA MUNICIPAL DE LORENA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROJETO JUDÔ NA ESCOLA: A SALA DE AULA E O TATAME Projeto: Domingos Sávio Aquino Fortes Professor da Rede Municipal de Lorena Semeie um pensamento,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ.

O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. O ENSINO DE FÍSICA NA VISÃO DOS ALUNOS DE UMA TURMA DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO: ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE ABAETETUBA PARÁ. Alessandra da Costa Marques; Najara Siva; Lúcia Maria Assunção

Leia mais

Palavras-chave: Escola Pública; Ensino de Geografia; Recursos didáticos. Eixo-temático: Metodologias de ensino e estágios supervisionados.

Palavras-chave: Escola Pública; Ensino de Geografia; Recursos didáticos. Eixo-temático: Metodologias de ensino e estágios supervisionados. O USO DE RECURSOS DIDÁTICOS NO ENSINO DE GEOGRAFIA PRATICADO NO COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE KENNEDY DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ RESUMO Thays Zigante Furlan 1 Leonardo Dirceu de Azambuja 2 Diante das diversas

Leia mais

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos

Avaliação Econômica Programa Excelência em Gestão. Gerência de Avaliação de Projetos Avaliação Econômica Gerência de Avaliação de Projetos São Paulo, 27 de agosto de 2012 1 O Programa Parceria entre a Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e Fundação Itaú Social; Coordenação técnica

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da

como tutor, com a finalidade de estimular o processo de aprendizagem dos estudantes da PROJETO FEIRA DE ITABAIANA: RELATOS DE UMA ATIVIDADE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DO FUTURO PROFESSOR Crislaine Barreto de Gois (UFS) 1 Antônio Carlos Pinto Oliveira (UFS) Sérgio Matos Santos (UFS)

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN.

Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Utilização do jogo didático Bingo Periódico no processo de ensinoaprendizagem de Química na Escola Estadual Professor Gerson Lopes de Apodi-RN. Gustavo Daniel S. Souza (IC)1, Alidna Mosana S. de Oliveira

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais