CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR"

Transcrição

1 CULTURA ORGANIZACIONAL, CLIMA ESCOLAR E INCIVILIDADES: O QUE OS ALUNOS ESPERAM DA ATITUDE DO PROFESSOR NO AMBIENTE ESCOLAR Resumo ÁQUILA, Tatiane Graziele Domingues UNISAL - Lorena/SP ALVES, Talita Alvarenga UNISAL Lorena/SP GONÇALVES, Priscilla Leite UNISAL Lorena/SP KOEHLER, Sonia Maria Ferreira - UNISAL-Lorena/SP Eixo Temático: Violências na Escola Agência Financiadora: UNISAL Lorena/SP Este estudo é parte de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo grupo de estudos e pesquisas do Observatório de Violências nas Escolas do Núcleo UNISAL - Lorena, SP. A pesquisa procura demonstrar o significado de cultura organizacional e clima escolar ao identificar os tipos e formas de violências interpessoais que ocorrem no cotidiano escolar entre os alunos e verificar, a partir da opinião dos alunos, qual a melhor forma de intervenção nas situações de conflito na escola. Participaram deste estudo 132 adolescentes: 66 do sexo feminino e 66 do sexo masculino, pertencentes ao 8º e 9º ano do Ensino Fundamental da Rede Pública e Municipal de Lorena. A distribuição dos alunos foi por amostragem estratificada uniforme. O instrumento de pesquisa foi um questionário com questões fechadas que permitiu um diagnóstico da dinâmica das relações interpessoais, principalmente, na sala de aula e uma questão aberta que permitiu a expressão dos alunos sobre a melhor forma de intervenção quando ocorrem situações de conflito e/ou violências na escola. O questionário focou quatro aspectos: a caracterização dos participantes, a relação do aluno com o professor e com os seus pares, tipos de violências/incivilidades sofridas, presenciadas e/ou praticadas. Os resultados indicam que os alunos esperam que os professores se posicionem no sentido de intervir nas situações de conflitos na escola. Tal resultado nos aponta sobre a importância do investimento na formação do professor para o aprendizado de como lidar com a mediação, assim como as diferentes formas de prevenção e/ou intervenção nas situações de conflito e no enfrentamento das violências nas escolas. O estudo sugere que o comportamento do professor que nem sempre exerce o seu papel de educador, nas situações de conflito, implica na manutenção da cultura escolar que alimenta progressivamente o clima escolar.

2 1705 Palavras-chave: Clima Escolar. Cultura Organizacional e escola. Incivilidades. Bullying. Violências nas escolas. Introdução Vivemos em um meio sócio-cultural, num contexto em que a violência está cada vez mais presente, transformando-nos em uma sociedade do medo. E esse meio, compromete e prejudica todo um conjunto em nossas vidas: o cotidiano, a confiança, o processo de socialização e nossa crença por um mundo melhor. A sociedade atual se configura por incertezas, medos, conflitos, confusão de valores, falta de ética e limite entre o que é certo ou errado, o que nos torna vulneráveis, inseguros, desconfiados e injustos. Como realidade de nosso cotidiano, um dos temas que vem despertando grandes interesses e preocupações por parte de educadores, profissionais e organizações sociais e políticas, é a violência escolar, fenômeno que precisa ser permanentemente estudado e combatido principalmente por atingir e interferir na dinâmica da vida, na integridade física e/ou psicológica dos indivíduos. A escola é uma organização dotada de uma cultura e valores específicos. Reflexo dessa cultura o clima será relativo a mesma, porém vários fatores influenciam negativamente o clima escolar, e é nessa perspectiva que esse artigo procura propor, inquietar e conscientizar a sociedade à respeito da relevância do fenômeno da violência escolar, os conflitos, e os atos das incivilidades nas escolas. Chamar a atenção sobre os deveres de cada cidadão em mudar, reconhecerem-se como sujeitos da violência, e não permitir a banalização do fenômeno é o princípio fundamental deste estudo, pois há uma tendência à naturalização e hierarquização de violências, ou seja, classificá-las como mais ou menos terríveis. Segundo Abramovay e Castro (2006) a banalização da violência toma distintas formas: A indiferença pela saturação de informações, notícias; a não consideração de alguns fatos como violentos, por hierarquizar certas violências, em relação a outras, como menos violento e, em seu formato mais crítico, nega-se a produção de violências, ou de sujeitos da violência em relação a si e a outros, porque não se conhece outra forma de ser.

3 1706 Assim, está posto nosso desafio: conhecer o fenômeno, conhecer cada escola, sua comunidade, suas peculiaridades, sua dinâmica, seus agentes, suas vítimas e as conseqüências naquela escola. Somente assim poderemos encontrar formas para a prevenção e/ou enfrentamento. A instituição escolar, a cultura e o clima Todas as organizações são constituídas por grupos seja de supervisores, colaboradores, diretores, alunos, ou seja, há uma diversidade grupal (cognitiva e demográfica: idade, sexo e raça ou etnia), ou grupos multiculturais (SPECTOR, 2006) proporcionando assim, interrelações nesses espaços. As organizações escolares são regidas por uma cultura organizacional e valores específicos, com objetivos de transmitir e produzir conhecimentos; é um espaço considerado preservado para a formação do cidadão e referência da comunidade (PONTES, 2007) ambiente de convívio, segurança e paz, espaço onde se espera que seja estruturado e preparado para formar para o futuro, para cidadania e fortalecer a esperança de que os objetivos, sonhos e metas se tornarão realidade. Para os adolescentes este espaço é considerado como centro de seu círculo social reduzido e homogêneo (KOEHLER, 2003) no entanto é o espaço para o desenvolvimento das diferentes habilidades para integrar-se ao mundo dos adultos. A cultura original desse ambiente deriva da filosofia e missão enquanto instituição/organização, e influencia fortemente, pois as ações dos dirigentes estabelecem o clima geral que define quais comportamentos são aceitáveis e quais não são (ROBBINS, 2005). Antigamente vista como assistencialista e refúgio para crianças desabrigadas, ambiente que formava o adulto em miniatura, a escola possuía uma cultura rígida, porém com os avanços, as revoluções, a globalização, esse modelo tradicional foi mudado, ou seja, a cultura forte, que segundo o autor Robbins, seria os valores essenciais da organização, precisaram ser flexíveis e renovados, fator que paulatinamente foi sendo reestruturado. Como antigamente, nos dias atuais presenciamos mudanças que precisam ser feitas novamente, os jovens vivem em uma cultura que está voltada a áreas tecnológicas, mudanças rápidas, várias fontes de informações, e tanto a família quanto a escola e a cultura escolar sofrem as influências dessa cultura que se tornou nacional. A cultura dominante expressa os valores essenciais compartilhados pela maioria dos membros da organização. A cultura escolar tende a ser

4 1707 influenciada pela cultura nacional, porém não pode ou não deveria ser abalada, pois a cultura escolar é a cultura forte e têm impacto sobre o comportamento de seus funcionários e sobre todo o conjunto de indivíduos que dela participam. Ultimamente em algumas escolas em que esses papéis (dos educadores e diretores) estão invertidos, a cultura passa a ser considerada fraca, pois está dominando e influenciando o clima escolar. (ROBBINS, 2005). O clima escolar resulta dos comportamentos e das políticas dos membros que a integram (especialmente os dirigentes) (BRUNET, 1992) e devido a esses comportamentos alguns fatores negativos estão sendo presenciados no ambiente escolar. Muitas são as variáveis que influenciam tanto positiva quanto negativamente esse ambiente, a cultura escolar, o compromisso do professor, normas, ênfase na cooperação, expectativas, prêmios e castigos, consistência, consenso, claridade de objetivos, dificuldades, apatias, etc (SILVA; BRIS, 2002) Como já vimos, a escola é uma organização regida de normas e regras, que devem ser seguidas para (...) lidar ou inibir a violência. As regras, refletem os valores que devem ser comuns e conhecidos por todos no processo de interação ( ABRAMOVAY; RUA, 2002). Estas por sua vez devem ser bem estruturadas e esclarecidas perante todos seus membros participantes para proporcionar um clima de segurança e ordem. No entanto, nem sempre a instituição escolar, enquanto organização expressa claramente à comunidade de estudantes, aos pais e aos próprios docentes as informações sobre normas e regras, assim como as conseqüências para o desrespeito das mesmas. A falta de comunicação implica em desorientação, injustiças e contradições nas ações do professor, coordenador e diretor, gerando insatisfação. Essas insatisfações causam grandes tensões que geram mais conflitos interpessoais e possibilitam situações para as violências, que por sua vez, estabelecem o clima escolar e determinam o que denominamos de uma cultura fraca. Segundo Silvia e Lanzoni, (2008): A violência tem todas as possibilidades de aparecer em um clima onde as normas sejam arbitrárias, elaboradas à margem da participação dos alunos/as, inconsistentes e pouco claras, sem que os implicados em seu cumprimento saibam quando são obrigatórios os cumprimentos e quando podem não cumprir-se, porque não exista uma clara especificação de até aonde chega a liberdade individual e até aonde a liberdade de cada um deve reduzir-se em função do respeito aos direitos dos demais. Por duas razões básicas: o marco cultural não oferece critérios de referência para elaborar pautas claras de convivência e a inconsistência na aplicação das normas impede saber o que será considerado como correto e o que como incorreto.

5 1708 Por isso é preciso manter uma cultura escolar viva, os funcionários, os alunos precisam aprender essa cultura através das histórias da fundação desse ambiente, dos rituais (seqüências repetitivas para reforçar os valores fundamentais da organização), e os símbolos materiais (ROBBINS, 2005), favorecendo assim o clima escolar, o sentido de pertencimento e a convivência nesse meio. Um aspecto importante, citado acima é o termo utilizado por Robbins: símbolos materiais. O autor coloca que o espaço físico em uma organização passa uma mensagem para os tipos de comportamentos almejados e considerados apropriados pelos dirigentes. Colocando em questão essa visão, enfatizo a importância do aspecto físico, da qualidade das instalações físicas (ABRAMOVAY; RUA, 2002) de uma escola. Tornou-se comum, em algumas escolas públicas e privadas, geralmente situadas em territórios vulneráveis ou de alta periculosidade, sofrerem por depredações, pichações, apresentarem sanitários precários e sem higienização. Como vimos anteriormente, se o espaço passa uma mensagem de ações e comportamentos considerados inapropriados, esse símbolo passará uma mensagem negativa para quem está de fora desse ambiente e quem convive no mesmo. Em uma pesquisa realizada por Abramovay (2009) com um grupo focal de professores, eles assinalaram a importância de uma escola bem cuidada. A construção da identidade de um estabelecimento passa pela imagem que os atores têm do mesmo, formando dessa maneira uma percepção negativa ou positiva. Para alguns professores, de uma forma geral, a escola apresenta sérias deficiências que dificultam o ensino/aprendizagem: turmas superlotadas; falta de mobiliário adequado para o desenvolvimento das aulas; falta de professores de laboratório e o principal, falta laboratórios equipados e espaço físico; salas de aula super lotadas. Outra pesquisa realizada, relata os índices de violências em escolas de vários estados brasileiros. Em uma escola do Rio de Janeiro, os índices de qualidade dos corredores mostram no total que 90% delas apresentam más condições de higiene, iluminação e espaço. O que nos desperta a atenção é pelo fato de que em 100% das escolas privadas observadas foram registrados corredores em más condições, enquanto as escolas públicas correspondem a 86%. Segundo observação dos pesquisadores, foi notável o permanente clima de ameaça vivenciado pelos próprios profissionais do colégio, na medida em que os corredores vão sendo monitorados por câmeras, mostrando que os índices não são altos somente em escolas públicas, mas também em privadas. Em Goiânia, os pesquisadores observaram diretamente

6 1709 em escola pública que não havia funcionário que controlasse os alunos, e em Vitória, os alunos ficam soltos ninguém fiscalizando os corredores e os pátios. (ABRAMOVAY; RUA, 2002). Para quem está no entorno da escola presenciando fatos como esses, recebem a mensagem que se passa podendo em primeiro momento culpabilizar os alunos, tachá-los como indivíduos sem educação, marginais, desconhecendo os fatores que levam aquela situação, desconhecendo que por trás desse jovem, existem histórias marcadas, muitas vezes, por graves problemas sociais ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Porém, seria viável então culpabilizar a escola? Os pais? Gestores? Não, não estamos apontando um culpado e nem os levando a procurar um, mas sim, os fatores que enquanto cultura influenciam o clima escolar e possibilitam violências, visto que enquanto um problema social é também considerado ato aprendido e, portanto reproduzido. Incivilidades e clima escolar Vários são os tipos de violências no ambiente escolar. Além da violência física e o vandalismos existentes, há também a violência psicológica, simbólica, as incivilidades, entre outras. Encontramos em Tomkiewisk (1977, p. 320) o seguinte conceito para a violência institucional toda e qualquer ação cometida dentro de uma instituição ou toda ausência de ação que cause a criança um sofrimento físico ou psicológico inútil e/ou bloqueio de seu desenvolvimento posterior. A violência pode envolver tanto a violência entre Classes Sociais (violência macro), como a Violência Interpessoal (violência micro). A primeira mostra a escola como cenário dos atos praticados contra ela que são os vandalismos, incêndios, atentados em geral. E a segunda mostra a violência nas relações interpessoais (professoraluno, aluno-aluno) levando-nos observar que a violência está presente nas relações interpessoais, sendo que essas formas têm razões e impactos diversos, (KOEHLER, 2003). As incivilidades são microviolências que causam sentimento de insegurança. Elas se dão na qualidade das relações interpessoais, nem sequer são notadas e passam fazer parte do cotidiano escolar ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Vários autores colocam suas opiniões a respeito do termo. Segundo as autoras, consiste em infrações à ordem estabelecida que ocorrem na vida cotidiana. Mesmo não sendo aparentemente graves, são atos- como agressões verbais, xingamentos, atos de indisciplina, abuso de poder etc. ( p. 50)

7 1710 Dupâquier, 1999, (apud: ABRAMOVAY; RUA, 2002) a denomina empiricamente como delitos contra objetos e propriedades, intimidações físicas (contra as pessoas: empurrões, escarros) e verbais ( xingamento, ameaças). Para Charlot (1997), representam humilhações, palavras grosseiras, falta de respeito, ameaça do sistema escolar. De maneira geral as incivilidades segundo os autores não se restringem pelo uso da força física, porém atingem o sentimento e o lado psicológico da vítima. Por ser microviolência, tende a ser tratada como pequena, micro, que não se percebe, de não importância, sem gravidade, onde sabemos que é o oposto, ela é invisível sim, implícita, porém atinge os indivíduos tornando-os inseguros e prejudicando sua auto-estima, trazendo clima de tensão na organização escolar pois constituem atos que rompem as regras elementares da vida social São comportamentos considerados sem gravidade e que tem caráter essencialmente público - são, portanto, relativos as relações entre o espaço público e os indivíduos ( ROCHÉ, 2002, apud: ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Segundo vários autores (DEBARBIEUX, 1996; COUSIN, 2000, apud: ABRAMOVAY, 2009), a organização de um estabelecimento, através de seus projetos e ações, e a qualidade das relações sociais nas escolas podem implicar uma visão mais positiva ou negativa do estabelecimento escolar. As incivilidades no ambiente escolar se manifestam por meio da discriminação, desvalorização, preconceito, humilhações, tanto por parte dos professores, gestores, alunos. È um padrão de sociabilidade realizado por meio de incivilidades, tornando a escola inversa ao seu objetivo, um local de antieducação e de difícil acesso à aprendizagem. ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). Várias são as reclamações dos alunos e dos professores, relacionado com as incivilidades, os alunos queixam-se das agressões verbais e altos graus de ofensas dos xingamentos que os professores proferem. Estes, por sua vez, queixam-se das palavras grosseiras, insultos, berros, acusações difamatórias, violência verbal por nota, entre outros, tendo os alunos comportamentos desafiantes e procuram visibilidade, provocando as autoridades. Visto que a proliferação de incivilidades também pode ser a porta de entrada para violências mais fortes, o papel de intervenção e da mediação supõe importantes ações que necessitam de real investimento pelo corpo docente. (ABRAMOVAY; CASTRO, 2006).

8 1711 A pesquisa Participaram da pesquisa 132 alunos, pertencentes às três maiores escolas do município: 66 do sexo masculino e 66 do sexo feminino. As idades variavam entre 13 a 15 anos e cursavam os 8ª e 9ª anos do ensino fundamental. O número total de alunos que cursavam essas séries, nas escolas pesquisadas, eram 295. Optamos pelo tipo de amostragem estratificada uniforme (SIEGEL, 1979) isto é, foram sorteados igualmente, o número de elementos em cada estrato, em cada sala de aula, tanto os participantes do sexo masculino e feminino. 1 O instrumento foi um questionário com 21 questões fechadas e uma questão aberta tendo por foco quatro aspectos: a caracterização dos participantes, a relação do aluno com o professor e com os seus pares, tipos de violências/incivilidades sofridas, presenciadas e/ou praticadas e uma questão aberta pedindo sugestão sobre a melhor atitude dos professores em relação aos conflitos: uma sugestão para que seus/suas professores(as) possam melhorar a convivência ou as agressões dos alunos na escola Os dados apontam que 40% dos alunos já foram agredidos por seus colegas, 51,1% foram agredidos verbalmente por xingamentos, 50% foram agredidos fisicamente por socos e 80,3% mostram que reagem quando são agredidos. Também chamou-nos a atenção o tipo de reação do professor quando chamado em situações de conflito, sendo que 41,7% dos alunos procuram por algum professor quando ocorre alguma situação de conflito, 34,4% desses alunos disseram que seus professores os mandaram resolver com a direção ou coordenação. Tal relato demonstra que alguns professores não estão preparados para a mediação que poderia/deveria ser feita por sua parte, atribuindo ao diretor a autoridade sobre o aluno, perdendo o espaço que deveria se assumido por si próprio. Para elucidar e demonstrar os dados dessa pesquisa apresentamos, abaixo o resultado e comentários de algumas tabelas. Tabela 1 - Foi perguntado: Você já foi agredido verbalmente por um (a) colega? Se sim, mostre o tipo de agressão verbal sofrida 1 A pesquisa foi realizada na Rede Municipal do município de Lorena, interior de São Paulo. Participaram da coleta de dados alunos bolsistas e professores do Observatório de Violências nas Escolas. Desde 2005 o Observatório de Violências nas Escolas mantém parceria com a Rede Municipal para Estudos e Pesquisas. Cf.: KOEHLER; MORAES, 2005.

9 1712 MASC. FEM. % Ameaças ,6 Xingam ,1 Fazem piada ,3 de você N. Resp BASE Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena, 2008 A Tabela 1, mostra que 47 alunos sofreram agressões verbais, o que equivale a 35,6 % da amostra pesquisada (N=132). Os tipos de agressões verbais mais sofridas são os xingamentos e as piadas nas relações interpessoais. Tabela 2- Foi perguntado: Você já foi agredido fisicamente? Se sim Mostre o tipo de agressão física sofrida MASC. FEM. % Socos Empurrão Belisco Pontapé Roupa Rasgada Base Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela 2 mostra que socos, empurrões e pontapés no ambiente escolar são violências (agressões físicas) sofridas por 26,4% dos participantes da pesquisa. Tabela 3-Foi perguntado: Quando acontece algum tipo de agressão entre você e um (a) colega, você chama o(a) professor(a)? (Sim ou Não)

10 1713 MASC. FEM. Sim ,7 Não ,6 N. Resp ,75 Base % Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela acima revela que 41,7% dos alunos chamam o professor quando se deparam com uma situação de conflito, porém, 57,6% responderam que não chamam. Os alunos não chamam os professores por determinados motivos que nos levam a inferir sobre o receio de serem encaminhados à diretoria ou a desesperança por não confiarem em uma intervenção positiva como podemos conferir na tabela 4. Tabela 4 - Foi perguntado: Se você já chamou ou contou a um (a) professor(a) o que aconteceu, qual a reação desse(a) professor(a)? MASC. FEM. % Debochou de mim ,6 Gritou comigo na frente ,6 Dos meus colegas Mandou os alunos p/ ,4 a Diretoria/Coordenador Mandou que eu procurasse ,4 o Diretor(a) Não ligou ,4 Não Respondeu ,4 Outra ,2 Base Fonte: Observatório de Violências nas Escolas. UNISAL-Lorena A Tabela 4 demonstra a reação do professor quando solicitado diante de diferentes situações de conflito. 34,4% dos professores mandou os alunos para a diretoria ou para o coordenador resolver. 26,4% mandou o próprio aluno procurar o diretor (a) para contar o caso. 18, 4% não ligaram para o apelo do aluno. 2,4% não respondeu quando interpelado pelo aluno. 1,6% gritou com o aluno que pediu ajuda e 1,6% externalizou algum comentário ou ato que foi percebido, pelo aluno, como deboche.

11 1714 A análise dos dados indica que 80,3% das reações dos professores demonstram indisponibilidade, negligência, desatenção ou falta de profissionalismos para exercer a mediação ou buscar uma alternativa relativa ao papel do educador. Considerações finais O estudo revela os tipos de violências interpessoais que afetam o clima escolar, assim como o descompasso entre a função da escola, do professor e o que os alunos esperam do ambiente escolar e do professor. Este descompasso está engendrado em uma cultura assentada na ausência de autoridade do professor, que por sua vez a transfere para o coordenador (a) ou para o diretor(a) ou para ninguém, este último interpretado pela Tabela 4 que mostra as atitudes: não ligar, não responder ou debochar. A dinâmica dessas atitudes, explicitadas pela percepção do aluno sobre o professor que não se envolve com os conflitos, isto é não procura saber o que está acontecendo, não aconselha, não escuta, pois é mais fácil mandar para a diretoria, implica na configuração de uma cultura escolar contraditória no papel da escola, no papel do educador e na esperança dos alunos. Na última questão do instrumento de pesquisa foi pedido uma sugestão para que seus/suas professores (as) possam melhorar a convivência ou as agressões dos alunos na escola. O levantamento das opiniões indica quanto o aluno valoriza as atitudes positivas do professor e espera uma atitude de diálogo, sobre regras e normas, melhoria da didática em sala de aula, conversa do professor e/ou do Diretor com o aluno e a família do aluno. O clima escolar influencia no processo de ensino-aprendizagem e também influencia aquilo que os professores ensinam e o que os alunos aprendem, podendo ou não criar sistemas de cooperação, situações de identidade ou desencanto com as escolas, pois em um ambiente onde prevalece as incivilidades, seus integrantes podem estabelecer um distanciamento, um sentimento de falta de pertencimento, levando ao desaparecimento das relações de amizade e solidariedade. ( ABRAMOVAY; CASTRO, 2006). É notória a necessidade de criação de estratégias, intervenções e mediações nas relações interpessoais, como destacado em nosso estudo, o diálogo, respeito e valorização do próximo é uma das maneiras primárias que já deveriam existir nesse ambiente. Abramovay em sua publicação: Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas (2004), aponta estratégias de mudanças do clima escolar, ressalta a importância do bom

12 1715 clima na vida da escola, a importância da gestão inovadora (aberta à mudanças), a valorização do aluno, do professor e da escola, exercício do diálogo, trabalho coletivo, a participação da família e da comunidade, a re-significação do espaço físico ( preservação do espaço físico), incremento da sociabilidade e construção do sentido de pertencimento desse ambiente. Não podemos deixar de questionar os cursos de formação de Pedagogos e outras licenciaturas nas demais áreas que ainda não incorporaram, em suas matrizes, disciplina(s) que tratem especificamente do assunto. Possivelmente, tendo consciência do fenômeno, os educadores cuidarão de criar estratégias e contribuir para o bom convívio e clima escolar. Para que essas mudanças sejam realizadas com êxito, como pontua Delors (1996) é essencial que exista esforço e disposição para a mudança, disposição esta que se assenta na compreensão de que o direito à escolaridade é um bem, um legítimo patrimônio da humanidade, que de forma alguma pode ser ameaçado por situações de violências nas escolas. REFERÊNCIAS ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia. Caleidoscópio das violências nas escolas. Brasília: Missão Criança, ABRAMOVAY, Miriam (coord.); CUNHA, Anna Lúcia; CALAF, Priscila Pinto. Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivência nas escolas. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana- RITLA, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal - SEEDF, ABRAMOVAY, Miriam (coord.); et allii. Escolas inovadoras: experiências bem-sucedidas em escolas públicas.brasília:unesco, Ministério da educação ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria da Graças. Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, Instituto Ayirton Senna, Banco Mundial, USAID, BRUNET, L. (1992). Climas escolares e eficácia da escola. Disponível em: Acesso em: 03 jun CHARLOT, Bernard; ÉMIN, Jean-Claude (Coords). Violences á I école éat des savoirs. Paris: Masson & Armand Colin éditeurs, DELORS. Jaques. Os quatro pilares da educação. Educação: um tesouro a descobrir. UNESCO. São Paulo: Cortez, KOEHLER, Sonia Maria Ferreira. Violência psicológica: um estudo do fenômeno na relação professor aluno. Tese(Doutorado). Instituto de Psicologia Universidade de São Paulo

13 1716 KOEHLER, Sonia Maria Ferreira; MORAES, Daiana Martins. Clima escolar e incivilidades nas relações entre iguais. In: II Congresso Ibero-Americano sobre violências nas escolas, 2005, Belém. II Congresso Ibero-Americano sobre violências nas escolas, PONTES, Reinaldo Nobre (coord.); CRUZ, Cláudio Roberto Rodrigues; Melo, Simone Moraes. Relações sociais e violências nas escolas. Belém, UNAMA, ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 11ed. Cap.16. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. 2 ed. São Paulo: Saraiva, TOMKIEWISK, Stanbislaw. Violences dans les institutions pour enfants, à l ècole et à l hôpital. IN: MANCIEX, Michel; GABEL, MarcelineEnfances em danger. Paris. Éditions Freurus, SIEGEL, Sidney. Estatística não paramétrica: para ciência do comportamento. São Paulo: Mc Graw Hill do Brasil, SILVA, Joyce Mary Adam de Paula ; LANZONI, Sônia Lopes (2008). Concepções de violência escolar: um estudo comparado Brasil Espanha. Disponível em: <http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/707_423.pdf>. Acesso em: 03 jun SILVA, Joyce Mary Adam de Paula; BRIS, Mário Martin (2002). Clima de trabalho de análise da organização escolar: revisão teórica. Disponível em: <http://cecemca.rc.unesp.br/ojs/index.php/educacao/article/viewfile/1141/1047> Acesso em: 10 jun

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICIPIO DE SUMARÉ PROJETO DE LEI Nº, de 03 de Agosto de 2010 "Dispõe sobre a implementação de medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar no projeto pedagógico elaborado pelas escolas públicas de

Leia mais

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Coordenação: Dra. Telma Pileggi Vinha (FE- Unicamp) Dra. Alessandra de Morais (Fac. de Filosofia e Ciências UNESP/Marília)

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Homofobia nas escolas

Homofobia nas escolas Homofobia nas escolas Seminário Plano Nacional de Educação Mobilização por uma Educação sem Homofobia Brasília, 23 de novembro de 2011. Miriam Abramovay 1 Escola e violência O fenômeno das violências nas

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

A VIOLÊNCIA DE ALUNOS CONTRA PROFESSORES: A REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR.

A VIOLÊNCIA DE ALUNOS CONTRA PROFESSORES: A REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR. A VIOLÊNCIA DE ALUNOS CONTRA PROFESSORES: A REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR. Autora: Joice Duarte BATISTA; Faculdade de Ciências Sociais/UFG batista.duarte.joice@gmail.com Orientador: Prof. Dr. Dijaci

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

Atenção: Revista em desenvolvimento

Atenção: Revista em desenvolvimento Editorial Atenção: Revista em desenvolvimento Estamos iniciando nossa primeira edição, de um produto até agora novo, não na tecnologia empregada que já é sucesso na Europa, e sim em seu conteúdo. As revistas

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola

Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Socializações de Gênero e Repercussões na Escola Quando a violência quebra o tabu pneves@usp.br 14/11/2015 Conceito de Gênero Gênero = Estudo de mulheres Construído em oposição ao conceito de sexo Fugir

Leia mais

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS

BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER BULLYING NAS ORGANIZAÇÕES: IDENTIFICAÇÃO DE PRÁTICAS FEMININAS E SEUS IMPACTOS PSICOLÓGICOS CURITIBA 2104 GISELE APARECIDA DE ARAÚJO METER

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO:

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO: Uma contribuição para o debate Eliete Godoy 2011 "Devemos lutar pela igualdade sempre que a diferença nos inferioriza, mas devemos lutar pela diferença sempre que a igualdade

Leia mais

VIOLÊNCIA ESCOLAR NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

VIOLÊNCIA ESCOLAR NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES VIOLÊNCIA ESCOLAR NA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Priscila Dantas Fernandes (UFS) 1 Kecia Karine Santos de Oliveira (UFS) 2 INTRODUÇÃO No final da década de 90, ocorreu um crescente aumento nos estudos envolvendo

Leia mais

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação

Grupo de pesquisa JOVEDUC. Jovens, violência e educação Grupo de pesquisa JOVEDUC Jovens, violência e educação Projetos de Pesquisa Financiamento FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Linha de pesquisa : Programas Especiais - Ensino Público

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010

PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.457, DE 2010 (Da Sra. Sueli Vidigal) Dispõe sobre o desenvolvimento de política "antibullying" por instituições de ensino e de educação infantil, públicas ou privadas,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS

FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS FAMÍLIA-ESCOLA: UMA RELAÇÃO DE EXPECTATIVAS E CONFLITOS DAMKE, Anderléia Sotoriva FACIAP / UNIPAN sotodamke@yahoo.com.br GONÇALVES, Josiane Peres PUCRS josianeperes@unipan.br Resumo O presente artigo tem

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E GRADUAÇÃO: UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

Leia mais

Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails. Educar é ensinar

Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails. Educar é ensinar Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails Educar é ensinar Um Padrão de Conduta é mais um modelo de ensino do que um código de comportamento.

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

CONSTRUINDO PRÁTICAS DE CULTURA DE PAZ EM ESCOLAS PÚBLICAS DE TERESINA

CONSTRUINDO PRÁTICAS DE CULTURA DE PAZ EM ESCOLAS PÚBLICAS DE TERESINA CONSTRUINDO PRÁTICAS DE CULTURA DE PAZ EM ESCOLAS PÚBLICAS DE TERESINA Elilian Basílio e Silva/UFPI/SEMEC 1 RESUMO A Paz é um grande desafio e um imperativo para quem trabalha no campo da educação, principalmente

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional

Palavras-chave: adolescente, risco pessoal, prática profissional PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL E ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL NA CASA SANTA LUIZA DE MARILLAC. SOMER, Diana Galone (estagio I), e-mail: dianassomer@gmail.com BOMFATI, Adriana (supervisor), e-mail:

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil. Resumo. www.aprendersemmedo.org.br

Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil. Resumo. www.aprendersemmedo.org.br Pesquisa: Bullying Escolar no Brasil Resumo www.aprendersemmedo.org.br Com o objetivo de conhecer as situações de violência entre pares e de bullying em escolas brasileiras, a Plan Brasil realizou em 2009

Leia mais

Bullying não é brincadeira!

Bullying não é brincadeira! Bullying não é brincadeira! Nunca se discutiu tanto, nos meios de comunicação, nas escolas e universidades, a violência física e verbal que ocorre nas escolas. O bullying, popular inclusive entre os alunos,

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú

PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú PLURALIDADE CULTURAL E INCLUSÃO NA ESCOLA Uma pesquisa no IFC - Camboriú Fernando Deodato Crispim Junior 1 ; Matheus dos Santos Modesti 2 ; Nadia Rocha Veriguine 3 RESUMO O trabalho aborda a temática da

Leia mais

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS

UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS UNIDADE 5 PPP, CLIMA DE ESCOLA, NORMAS DE CONVIVÊNCIA E DIREITOS HUMANOS Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta Unidade veremos como os Direitos Humanos

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar.

BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA. PALAVRAS CHAVE: Ambiente Escolar; Apelidação; Bullying Escolar. BULLYING: UMA AGRESSIVIDADE PRECONCEITUOSA Fernando Martins da Silva 1 RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo investigar as consequências para o desempenho escolar dos alunos que podem ser vitimas de bullying,

Leia mais

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA

PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA PROJETO BULLYING NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE LORENA Resumo BREZOLIN. Ligia Maria Teixeira de Faria PUCSP 1 ligia@lo.unisal.br MATTA. Claudia Eliane - UNISAL 2 claudia@lo.unisal.br Área Temática: Violências

Leia mais

OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE. AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2

OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE. AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2 AULA 1 Natália Cristina de Medeiros 2 OS PROFESSORES DIANTE DO BULLYING NAS SALAS DE Adir Luiz Ferreira 3 É comum, nos últimos anos, ouvirmos o termo bullying. Esta expressão tem sido bastante utilizada

Leia mais

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR

EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR EDUCAÇÃO EM VALORES HUMANOS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA PREVENÇÃO DO BULLYING ESCOLAR ESTANISLAU, Andrezza Mangueira 1 FONSÊCA, Patrícia Nunes da SANTOS, Jérssia Laís Fonseca dos ROBERTO, Jaciara de Lira

Leia mais

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM OS ALUNOS E AS DISCIPLINAS ESCOLARES: O LUGAR DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM RESUMO Micaelhe Ferreira da Silva- Bolsista do PIBID/ Pedagogia/ UFPI Thaís Sousa Siqueira - Bolsista

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça.

Mostra de Projetos 2011. Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra de Projetos 2011 Bullyng - Brincadeira que não tem graça. Mostra Local de: Arapongas. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Colégio

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência

Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência Grêmio em Forma: o fomento à participação dos jovens na escola como estratégia de prevenção da violência (Artigo publicado no livro Violência & Juventude, editora Hucitec, 2010) Este texto pretende apresentar

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

VIOLÊNCIA, DIREITOS, JUSTIÇA FLÁVIA SCHILLING FACULDADE DE EDUCAÇÃO- UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. flaviaischilling@gmail.com. Textos disponíveis em:

VIOLÊNCIA, DIREITOS, JUSTIÇA FLÁVIA SCHILLING FACULDADE DE EDUCAÇÃO- UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. flaviaischilling@gmail.com. Textos disponíveis em: VIOLÊNCIA, DIREITOS, JUSTIÇA FLÁVIA SCHILLING FACULDADE DE EDUCAÇÃO- UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO flaviaischilling@gmail.com Textos disponíveis em: Schilling, Flávia. Igualdade, desigualdade e diferenças:

Leia mais

SOE Serviço de Orientação Educacional

SOE Serviço de Orientação Educacional SOE Serviço de Orientação Educacional Projeto: Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Bullying não é brincadeira Turma: 2º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica

Leia mais

~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA ~ 10 ~ PREVENÇÃO DO BULLYING NO ESPAÇO ESCOLAR: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Araujo Bostelmam 1 Roberta Aparecida Varaschin 2 Recebido em: 20.10.2013 Aceito em: 20.11.2013 Resumo: Este trabalho foi

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE EDUCAR PARA A PAZ: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA ALMIRANTE TAMANDARÉ

IMPORTÂNCIA DE EDUCAR PARA A PAZ: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA ALMIRANTE TAMANDARÉ IMPORTÂNCIA DE EDUCAR PARA A PAZ: UMA EXPERIÊNCIA NA ESCOLA ALMIRANTE TAMANDARÉ Adrielle Rocha (Autora do trabalho, UEPA) Ana Paula Queiroz (Coautora 1, UEPA) Raissa Melo (Coautora 2, UEPA) Resumo Este

Leia mais

O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS

O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 94 99 O INCENTIVO DAS AULAS DE CAMPO NO ENSINO DE GEOCIÊNCIAS SANTOS, Maria do Carmo Pereira¹ BEZERRA, Hannah Priscilla Alves¹ FIRMINO, Andressa

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES

PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA RECÉM-FORMADOS INGRESSANTES NO ENSINO PÚBLICO: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES Lidiane Marani Suraya Cristina Darido RESUMO A Educação Física como área de conhecimento vem

Leia mais

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA

Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião LÍNGUA PORTUGUESA 2 Aula 28.2 Conteúdos: A estrutura de construção de um texto argumentativo Características do gênero Artigo de opinião 3 Habilidades: Apreender a estruturação de um Artigo de opinião 4 Artigo de opinião

Leia mais

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F.

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F. CURSO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA PROJETO GDE APLICADO NA ESCOLA SANTOS DUMONT- PARANACITY- PR NÚCLEO PARANAVAI PROFESSORA: MARIA HILDA LIMA / DISCIPLINA: MATEMÁTICA Diagnóstico da Realidade: * Sabemos

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador.

Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Violência no namoro Ter um/a namorado/a pode ser um acontecimento verdadeiramente excitante, mas também um pouco assustador. Poderão surgir algumas DÚVIDAS e PREOCUPAÇÕES: Será que ele/ela gosta mesmo

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS

2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS 2º SEMINÁRIO DO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ E PREVENÇÃO DAS VIOLÊNCIAS Objetivo do PSE O Programa Saúde na Escola (PSE) vem contribuir para o fortalecimento de ações na perspectiva

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações

Discussão 5. O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações O papel do adulto em um ambiente organizado para incentivar as interações No Capítulo 5 da História do Pequeno Reino Uma verdadeira confusão toma conta do castelo, depois que a Rainha cochila. Ao acordar,

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1

EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 EDUCAÇÃO E TRABALHO: A ORIENTAÇÃO VOCACIONAL/PROFISSIONAL COM JOVENS DE ESCOLA PÚBLICA 1 JACINTO-SILVA, Ramon Arthur 2 ; PAULINO-PEREIRA, Fernando César 3 ; ALVES- SANTOS, Lara Gabriella 4 ; Palavras-chave:

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Pequeno Histórico do Bullying

Pequeno Histórico do Bullying Pequeno Histórico do Bullying A definição universal de bullying é compreendida como um subconjunto de comportamentos agressivos, intencionais e repetitivos que ocorrem sem motivação evidente, adotado por

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro

BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro BULLYING É COISA SÉRIA! Margarete Barreto Floriano Pesaro O QUE É BULLYING Bullying é um termo da língua inglesa (bully = valentão ) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas,

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA POLÍTICAS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES E AS VIOLÊNCIAS NAS ESCOLAS: DIMENSÕES DA COMPLEXIDADE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA EYNG, Ana Maria (ana.eyng@pucpr.br) PUCPR GISI, Maria Lourdes (maria.gisi@pucpr.br) PUCPR

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

ESTATUTO DE CONVIVÊNCIA

ESTATUTO DE CONVIVÊNCIA 1 ESTATUTO DE CONVIVÊNCIA Em atendimento ao disposto no CAPÍTULO XI do Regimento Escolar do Colégio Metodista Americano e tendo em vista o princípio do respeito de uns para com os outros, da solidariedade

Leia mais

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING

PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING PIBID: EXPERIÊNCIAS DE ATIVIDADES RELACIONADAS AO BULLYING Felipe do Nascimento Melo Bolsista do PIBID/Pedagogia e Graduando em Pedagogia URCA Maria Gizane Gonçalves de Sousa Bolsista do PIBID/Pedagogia

Leia mais