Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Sumário Executivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Sumário Executivo"

Transcrição

1 1 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Sumário Executivo

2 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada a fonte. Governo do Estado de Minas Gerais Alberto Pinto Coelho - Governador Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável SEMAD Alceu José Torres Marques - Secretário Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM Zuleika Stela Chiacchio Torquetti - Presidente Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento - DPED Janaina Maria Franca dos Anjos - Diretora Gerência de Energia e Mudanças Climáticas - GEMUC Felipe Santos de Miranda Nunes Gerente Abílio Cesar Soares de Azevedo, Andréa Brandão Andrade, Cibele Mally de Souza, Larissa Assunção Oliveira Santos, Morjana Moreira dos Anjos, Rosângela Mattioli Silva, Wilson Pereira Barbosa Filho Conselho Regional de Nord Pas-de-Calais/França Presidência: Daniel Percheron, Presidente Emmanuel Cau, Vice-Présidente Planejamento Territorial, Meio Ambiente e Plano Clima Majdouline Sbai, Vice-Présidente Cidadania, Relações Internacionais e Cooperação Decentralizada Direção do Meio Ambiente: Bertrand Lafolie, Chefe de Serviço Direção Parcerias Internacionais: Sandra Fernandes Direção Regional Nord-Pas de Calais: Hervé Pignon, Diretor François Boisleux, Moderador Ar-Clima Agência Francesa de Meio Ambiente e Gestão de Energia Presidente: François Loos Diretor da Ação Internacional: Dominique Campana Gerente de Projeto Brasil: Cécile Martin-Phipps EnvirOconsult Presidente Diretor: Olivier Decherf Diretor Técnico: Léo Genin Chefe do Projeto: Charlotte Raymond Consultores: Alexandre Florentin, Victor Pires Gonçalves Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n 1º andar -Bairro Serra Verde - Belo Horizonte - Minas Gerais, Brasil - CEP: Home page: Plano de Energia e Mudanças Climáticas Sumário Executivo Minas Gerais, Janeiro

3 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 8 Contexto nacional DIAGNÓSTICO... 9 As emissões... 9 As vulnerabilidades Energia Os potenciais O PROCESSO PARTICIPATIVO MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES Cenário Business-As-Usual Cenário Contribuição federal Cenário Baixa Intensidade de Carbono ESTRATÉGIA PARA ADAPTAÇÃO E PLANEJAMENTO TERRITORIAL AÇÕES TRANSVERSAIS IDENTIFICADAS Observatório Clima e Energia de Minas Gerais Estrutura de Governança Rede Mineira de Pesquisa em Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Mecanismos de Financiamento Cooperação Nacional e Internacional MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO (indicadores) ANEXO: AÇÕES DO PLANOS AFOLU INDUSTRIA... Erro! Indicador não definido. ENERGIA RESIDUOS E EFLUENTES TRANSPORTES ADAPTAÇÃO... 41

4 Lista de Figuras e Tabelas Figura 1: Emissões liquidas de GEE por setor para o estado de Minas Gerais - Ano base Figura 2 - Mapa regional da vulnerabilidade de Minas Gerais às mudanças climáticas...11 Figura 3: Distribuição por fonte da produção energética primária em Minas Gerais...12 Figura 4: Locais e datas das Oficinas Regionais do Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais...15 Figura 5: Evolução das emissões de GEE, por setor, em Minas Gerais cenário BAU...17 Figura 6: Indicadores de intensidade setor Energia...18 Figura 7: Indicadores de intensidade setor Agropecuário...18 Figura 8: Indicadores de intensidade setor Resíduos e Efluentes...19 Figura 9: Indicadores de intensidade setor Processos Industriais...19 Figura 10: Aplicação da meta nacional de emissões de GEE no Estado de Minas Gerais...20 Figura 11: Emissões acumuladas entre 2015 e 2030 e parcela mitigada com ações definidas e calculadas no cenário BIC...23 Figura 12: Arranjo institucional e trocas previstas para o Observatório Clima e Energia de Minas Gerais...26

5 Mensagens-chave As mudanças climáticas já são uma realidade e seus impactos e custos já são mensuráveis. O último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), lançado em 2014, já comprova um aumento médio da temperatura global de 0,85 C com possibilidades exceder 4 C futuramente com grandes variações regionais. Para Minas Gerais, é esperado um aumento de temperatura no estado de Minas Gerais, que, de forma conservadora, pode chegar a um aumento de 2 a 4 C e em cenários mais pessimistas atinge 3 a 5 C. Estima-se que desde 2008, eventos climáticos extremos, como chuvas e secas prolongadas tenham custado ao 12,8 bilhões de reais ao estado. Estima-se ainda que, se nada for feito, os custos dos impactos decorrentes das mudanças climáticas para a economia minera podem alcançar, nas próximas décadas, cerca de R$ 450 bilhões sem considerarmos os impactos de eventos extremos. A legislação nacional estabelece um corte de emissões de gases de efeito estufa (GEE) na ordem de 36,1% a 38,9% até Esse compromisso foi firmado pelo Brasil, de forma voluntária em 2009, na Convenção do Clima em Copenhague. Esse valor percentual representa reduzir entre e milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente (MtCO 2e). Ainda em 2009, o País sancionou a Política Nacional de Mudança do Clima, transformando as metas firmadas em lei e criando instrumentos para sua consecução Os desafios relacionados às mudanças climáticas se diferem dependendo do nível de adaptação regional e local. Em Minas Gerais, as regiões apresentam diferentes especificidades e níveis de sensibilidade, exposição e capacidade de adaptação aos impactos climáticos. Esse tipo de avaliação permite identificar setores e regiões prioritárias no estado para a promoção de ações locais de adaptação integrada e planejada. Entre as regiões mais vulneráveis estão o Norte de Minas e os Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Minas Gerais tem grande potencial para eficiência energética e uso de fontes renováveis. Estimativas conservadoras apontam para um potencial economicamente viável que pode alcançar 16% no curto prazo para alguns setores da economia estadual. Já as fontes de energia renováveis se destacam por apresentar um grande potencial técnico para exploração (927 TWh), ou quase três vezes o consumo de energia em Minas em Destaque para a energia eólica, que corresponde a 78% desse valor, principalmente nas regiões mais vulneráveis aos efeitos das mudanças climáticas. O processo participativo mostrou ser uma importante ferramenta para a composição do Plano de Energia e Mudanças Climáticas (PEMC). A partir da mobilização e participação de diferentes atores regionais, as ações setoriais ganharam maior relevância e as lições aprendidas nas oficinas institucionais e regionais deram ao PEMC uma maior experiência de regionalização, participação democrática e governança ''em rede'' no estado de Minas Gerais. O processo teve dez

6 reuniões regionais em diversas cidades do estado e inúmeras reuniões institucionais entre secretarias de planejamento. Estimativas apontam um crescimento de cerca de 60% nas emissões de GEE em Minas Gerais até 2030 em comparação ao valor registrado em Essa evolução considera um cenário onde nenhuma ação para mitigação é realizada no estado (Business-as-usual). Neste cenário, as emissões evoluem para 181 MtCO 2e, contra 115 MtCO2e em 2010, e o setor Energia torna-se o principal emissor estadual, ultrapassando o setor Agropecuário em As metas federais aplicadas ao contexto de Minas Gerais garantem uma mitigação de GEE na ordem de 7 a 8,9%. Esse valor leva em conta os Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação nacionais que servem para o atendimento do compromisso voluntário firmado pelo Brasil. As ações setoriais de mitigação previstas no PEMC garantem uma redução de 17 a 20% das emissões no estado. Esse valor representa um cenário mineiro de baixa intensidade de carbono (com acréscimo das metas federais) e pode ser ainda maior, considerando que muitas das ações setoriais dispostas no PEMC não puderam ter valor de mitigação de GEE estimado por falta de dados ou inexistência de metodologia de cálculo. As ações foram definidas de acordo com a potencialidade de cada setor conforme discussões com cada Secretaria de Estado responsável. Acumuladas entre o ano de 2015 e 2030, as ações garantem uma mitigação de 233 milhões de tco 2e. As ações transversais previstas no PEMC são de fundamental importância para o atingimento dos objetivos a médio e longo prazo. O PEMC é uma ferramenta de planejamento transversal e territorial que abrange todos os setores socioeconômicos que tenham impacto sobre as emissões de gases de efeito estufa, portanto fez-se necessário um registro de políticas e ferramentas que estāo interligadas a todos os setores citados. As ações transversais buscam garantir uma coordenação institucional e governança adequadas para a efetiva mitigação e adaptação às mudanças climáticas em Minas Gerais. Busca ainda ampliar as cooperações internacionais e nacionais de forma a se obter novas fontes de financiamento, e propõe a criação de um observatório e de uma plataforma para consolidar as informações geradas no plano e buscar informações mais precisas em outros assuntos que facilitem a tomada de decisão.

7 Conteúdo do documento Este documento apresenta uma síntesedos resultados do Plano de Energia e Mudanças Climáticas (PEMC) no ano de 2014, realizado a partir de um processo participativo abordando diferentes subsetores do estado de Minas Gerais. De maneira resumida, são abordados o diagnóstico das mudanças climáticas no estado, o contexto para um desenvolvimento mineiro de baixo carbono, as estratégias de adaptação, mitigaçāo e planejamento territorial, o conjunto de ações transversais para redução da intensidade de carbono e o monitoramento e avaliação das emissões de gases de efeito estufa (GEE). Elaboração do documento Este documento foi elaborado a partir dos estudos que compôem o PEMC, das discussões nas Oficinas Institucionais e Regionais durante o processo participativo, do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais, do Balanço Energético do Estado de Minas Gerais, dentre outros dados bibliográficos e estimativas próprias da equipe de elaboração do PEMC.

8 1 INTRODUÇÃO As mudanças climáticas provocadas pelo crescente aumento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) já são uma realidade e seus impactos e custos estão cada vez mais condicionados ao nível de adaptação local, bem como ao grau de transição para a economia de baixo carbono dos territórios 1. Para o estado de Minas Gerais, além dos danos e prejuízos decorrentes dos eventos climáticos extremos já sentidos (cerca de 12,8 bilhões de reais contabilizados desde 2008 por episódios de seca e fortes chuvas) 2, os aumentos médios de temperatura esperados se situariam entre 2 C e 4 C, variando conforme a região e a estação do ano. Em cenários mais pessimistas, os modelos projetam aumentos de temperatura ainda mais significativos, com variações médias entre 3 C e 5 C, sendo maiores nas regiões do Jequitinhonha, Norte de Minas, Noroeste de Minas, Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba 3. Estima-se, de forma conservadora, que se nada for feito, os custos dos impactos decorrentes das mudanças climáticas para a economia estadual podem alcançar, nas próximas décadas, cerca de R$ 450 bilhões (sem considerar os impactos de eventos extremos) 1. O padrão geográfico dos impactos projetados pode aumentar ainda mais as desigualdades regionais, uma vez que as áreas que possivelmente serão mais severamente afetadas são também as menos desenvolvidas. Diante da magnitute dessas ameaças, o Estado adota como resposta o Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais (PEMC) 4, política transversal de médio-longo prazo ( ), construída por meio de um processo participativo 5, com objetivos de promover a transição para a economia de baixo carbono, reduzir a vulnerabilidade às mudanças climáticas no território mineiro e articular com coerência as diferentes iniciativas já desenvolvidas e planejadas, dentro de uma estratégia territorial integrada. Em função da transversalidade inerente ao tema, o PEMC contempla estratégias, diretrizes e ações setoriais de mitigação considerando os setores Energia, Agricultura, Florestas e outros Usos do Solo (AFOLU), Transportes, Indústria e Resíduos. Além disso, é estabelecida uma estratégia de adaptação regional para lidar com os impactos das mudanças climáticas considerando ações locais instrumentos transversais que garantam uma coordenação institucional e governança adequadas para o efetivo combate às mudanças climáticas no território mineiro A execução das ações do PEMC e a consecução das metas estabelecidas depende fortemente da integração do tema no processo de tomada de decisão em outras políticas setoriais, como 1 Fundação Estadual do Meio Ambiente. Avaliação de impactos de mudanças climáticas sobre a economia mineira: relatório resumo. Belo Horizonte: FEAM, Plano de Emergência Pluviométrica 2014/2015 e Plano de Convivência com a Seca /2014 Defesa Civil, Gabinete Militar do Governador do Estado de Minas Gerais. 3 Fundação Estadual do Meio Ambiente. Estudo de vulnerabilidade regional às Mudanças Climáticas 4 Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Diretrizes para o processo participativo 8

9 fornecimento e uso da energia, uso do solo, recursos naturais, gestão de resíduos, transportes, ordenamento do território, infraestrutura e políticas de inovação 6. Contexto nacional Cabe destacar que, no cenário nacional, o Brasil possui, desde 2009, a Política Nacional sobre Mudança do Clima 7 que estabelece a meta de redução das emissões de GEE do Brasil entre 36,1% e 38,9% até 2020, em comparação com o cenário de referência, ou seja, reduzir entre e MtCO 2e (milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente). Para a consecução da meta, o País desenvolveu, em 2012 e 2013, planos de mitigação e adaptação setoriais, com o estabelecimento de metas setoriais de redução e planos de ação com horizonte até 2020 (Tabela 1). Essas metas se referem a todo o território brasileiro, não havendo distinção quanto à localização geográfica das reduções a serem alcançadas. Tabela 1: Resumo das metas de 2020 dos planos setoriais consolidados PLANOS SETORIAIS CONSOLIDADOS META DE MITIGAÇÃO 2020 (MTCO2e) Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal - PPCDAM 564 Plano de Agricultura de Baixo Carbono - Plano ABC Entre 133,9 e 162,9 Plano Decenal de Energia - PDE 105 (2019) Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento no Cerrado - PPCerrado 104 Plano Indústria 16,22 Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima - PSTM 6,7 Plano de Mineração de Baixa Emissão de Carbono - PMBC Entre 0,739 e 2,718 Plano Setorial da Saúde para Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Não se aplica Nota: encontra-se em elaboração o Plano de Redução de Emissões da Siderurgia 2 DIAGNÓSTICO As emissões de GEE As estimativas estaduais indicam uma emissão total de 128,4 MtCO 2e 8 em Um aprimoramento na metodologia de contabilização e consolidação dos dados permitiu a atualização dos resultados do 6 Per Mickwitz et al., Climate Policy Integration, Coherence and Governance. PEER Report No 2. Helsinki: Partnership for European Environmental Research. 7 Lei nº de dezembro de 2009, Decreto nº de dezembro de Total Greenhouse Gas Emissions (Total de emissão de gases de efeito estufa) 9

10 inventário de 2005, mostrando que houve um decrécimo de 0,6% das emissões entre 2005 e A Erro! Fonte de referência não encontrada. apresenta as emissões totais em GgCO 2e por setor. 2,5% 6,4% 36,0% Energia Processos Industriais Agropecuária 39,3% Mudança de uso do solo Tratamento de resíduos 15,8% Figura 1: Emissões liquidas de GEE por setor para o estado de Minas Gerais - Ano base 2010 Considerando todos os setores, as emissões per capita do estado totalizam 6,30 toneladas de CO 2e/habitante. A partir do Produto Interno Bruto de Minas Gerais em 2010 estima-se que, para cada R$1.000,00 produzidos, foram emitidos aproximadamente 0,35 toneladas de CO 2e. As vulnerabilidades Conforme a definição proposta pelo IPCC (2007), a vulnerabilidade de um território em relação às mudanças climáticas depende de seu grau de exposição aos impactos dessas mudanças, dos fatores intrínsecos do território que o tornam mais sensível a esses impactos e da capacidade do território para enfrentar os efeitos negativos das variações do clima e sua capacidade de aproveitar as oportunidades associadas a elas. Um diagnóstico detalhado do território permitiu identificar as regiões mais vulneráveis às mudanças climáticas e destacar os principais desafios dentro de cada região em relação à essas mudanças. Os níveis de vulnerabilidade das regiões do estado de Minas Gerais podem ser vistos na Erro! Fonte de referência não encontrada.. 10

11 Figura 2 - Mapa regional da vulnerabilidade de Minas Gerais às mudanças climáticas A Tabela 2 apresenta os principais desafios das regiões de Minas Gerais identificados em relação às mudanças climáticas, considerando a diversidade de seus territórios e as especificidades de cada região. As regiões são apresentadas por ordem decrescente de vulnerabilidade. Tabela 2: Síntese dos principais desafios regionais de Minas Gerais em relação às mudanças climáticas NORTE JEQUINTINHONHA MUCURI ZONA DA MATA RIO DOCE NOROESTE CENTRAL PRINCIPAIS DESAFIOS EM RELAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Setores primários (principalmente a agricultura); saúde humana e educação; recursos hídricos: hidroeletricidade, disponibilidade de água para setores econômicos, abastecimento de água potável para consumo humano; desertificação; capacitação institucional. Setor agrícola / silvícola; saúde humana e educação; recursos hídricos: disponibilidade de água para setores econômicos, abastecimento de água potável para consumo humano; fluxos migratórios negativos; desertificação; capacitação institucional. Fluxos migratórios negativos; saúde humana; serviços de tratamento de esgoto; riscos de desastres naturais (inundações, deslizamentos de terreno); capacitação institucional; Impacto sobre a Mata Atlântica e a biodiversidade. Setor agrícola / silvícola; condições das infraestruturas rodoviárias; impacto sobre a Mata Atlântica e biodiversidade; fluxos migratórios negativos; serviços de tratamento de esgoto; riscos de desastres naturais (inundações, deslizamentos de terreno). Setor agrícola / silvícola; saúde humana; recursos hídricos: hidroeletricidade, disponibilidade de água. Condições das infraestruturas rodoviárias; pressão migratória crescente para as zonas urbanas; saúde humana; serviços de tratamento de esgoto; pressão das 11

12 SUL DE MINAS TRIÂNGULO ALTO PARANAÍBA CENTRO-OESTE atividades humanas sobre os recursos naturais; capacidade institucional desigual; riscos de desastres naturais (inundações, deslizamentos de terreno). Pressão das atividades humanas sobre os recursos naturais; serviços de tratamento de esgoto; capacitação institucional; riscos de desastres naturais (inundações, deslizamentos de terreno). Setor agrícola; recursos hídricos: hidroeletricidade; saúde humana; pressão das atividades humanas sobre os recursos naturais; serviços de tratamento de esgoto; riscos de desastres naturais (chuvas intensas). Setor agrícola / silvícola; recursos hídricos: hidroeletricidade; saúde humana; pressão das atividades humanas sobre os recursos naturais; serviços de tratamento de esgoto. Saúde humana; pressão das atividades humanas sobre os recursos naturais; serviços de tratamento de esgoto. Setor Energia Em 2010, os consumos de energia final do estado de Minas Gerais totalizaram 35,9 milhões de tep, ou seja, 13,1% do consumo nacional. O consumo final de energia é de 1,40 tep/hab, contra uma média nacional de 1,04/hab. O estado de Minas Gerais tem experimentado um forte crescimento do seu consumo final de energia, que mais que duplicou ao longo do período , passando de 12,2 milhões de tep em 1978 para 27,4 milhões de tep em Minas Gerais importou o equivalente a 57,3% da demanda de energia de seu território em 2010 (20,5 Mtep). Esse desequilíbrio estrutural se deve, sobretudo, às importações de carvão e de petróleo e derivados, recursos que importa integralmente. Como as energias primárias fósseis são importadas, a produção energética primária do território é de origem renovável e está dividida conforme apresentado na Figura 3. 18% 4% 30% Energia hidráulica Lenha Caldo de cana e melaço Bagaço de cana Outras fontes primárias* 12% 36% *compreende oleaginosas e resíduos industriais e agrícolas Figura 3: Distribuição por fonte da produção energética primária em Minas Gerais 12

13 O o estado tem grande dependência dos recursos hídricos para a geração de energia, principalmente eletricidade. Em períodos de seca existe o risco do desabastecimento e isso acarreta em um uso intensivo de usinas térmicas, que tem maiores emissões de GEE associadas e podem aumentar as vulnerabilidades regionais.... de eficiência energética Os potenciais... O Brasil possui grande potencial de eficiência energética em seus diversos setores e subsetores. As oportunidades e potenciais de cada setor podem ser vistos pela Tabela 3. Tabela 3: Potenciais de eficiência energética SETOR POTENCIAL PRINCIPAIS OPORTUNIDADES TRANSPORTE 5,2% 1 Melhoria tecnológica dos veículos e substituição de combustíveis RESIDENCIAL 53% 2 Iluminação, condicionamento de ar, chuveiros e refrigeradores SERVIÇOS 7,7-25% 4 Iluminação e refrigeração INDÚSTRIA Siderurgia 9-18% 4 Aquecimento direto via fornos, vapor de processo e força motriz Alimentos e Bebidas 2-9% 5 Iluminação, força motriz e refrigeração Cimento 28-33% 4 Energia térmica Ferro-ligas 16,4% 6 Fusão e redução em fornos elétricos Mineração 6,4% 6 Substituição de equipamentos ultrapassados, eficientização dos motores elétricos Cerâmica 43,6% 6 Aquecimento direto, secagem e iluminação 1 Estimativa conservadora baseada apenas na melhoria tecnológica dos veículos até Estudo de potencial de eficiência energética de Minas Gerais FEAM 2 Estudo de potencial de eficiência energética de Minas Gerais FEAM 3 Apenas eletricidade. Estudo de potencial de eficiência energética de Minas Gerais FEAM 4 IEA 5 PDE PROCEL/CNI... de energias renováveis Em 2012, o Brasil produzia 42,4% da sua energia a partir de fontes renováveis. Esse percentual aumenta para 84,5% quando se considera o mix de energia elétrica. No mesmo ano, Minas Gerais produzia o equivalente a 50% do seu consumo de energia por fontes renováveis, ou 17,9 milhões de 13

14 tep, para uma demanda total de 35,8 milhões de tep 9. O potencial de produção de energia a partir de fontes renováveis no estado pode ser visto através da Tabela 4. Tabela 4: Potencial de produção de energia por fontes renováveis até 2030 TIPO DE ENERGIA POTENCIAL TÉCNICO (TWh/ano) LOCALIDADES FAVORECIDAS EÓLICA 721 Triângulo, Montes Claros, Janaúba e Grão Mogol, Curvelo, Diamantina e Sete Lagoas SOLAR FOTOVOLTAICA 71 Jequitinhonha-Mucuri, Triângulo Mineiro, Norte de Minas BIOGÁS DE ATERRO 0,3 Cidades que possuam aterro sanitário ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) 0,74 Cidades que possuam ETE. METANIZAÇÃO DE DEJETOS DA PECUÁRIA 0,11 Localidades com atividade pecuária BIOMASSA 1,6 - BIOMASSA 1 2,8 - ETANOL 37,2 - LENHA E CARVÃO VEGETAL 52,6 - CAVACO 2,6 - HIDROELETRICIDADE 40,5-1 Estimando a produção de bagaço-de-cana para o ano de 2020 Os potenciais agrupados representam o valor de 927 TWh/ano, valor que representa quase 3 vezes o consumo atual de energia em Minas Gerais.... de sequestro de CO 2 O setor de Agricultura, Florestas e Uso do Solo (AFOLU) tem grande potencial de sequestro de carbono pela ampliação da remoção de carbono atmosférico pelos estoques de carbono do solo e vegetação. Nesse sentido, Minas Gerais, com cerca de 5 milhões hectares dedicados à agricultura, além de cerca de 18 milhões de hectares de pastagens (muitas em estágio de degradação e com baixa produtividade 10 ), possui um grande potencial para desenvolvimento de uma agricultura de baixa emissão de carbono ao mesmo tempo em que reduz drasticamente as emissões de carbono provenientes do desmatamento 11. Quando considerado somente o potencial das metas vigentes do Plano Estadual de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas na Agricultura para a consolidação de uma economia de baixa 9 A repartição do mix energético atual é apresentada no Capítulo Soares-Filho et al., SimMinas: Uma plataforma integrada de modelagem de mudanças no uso da terra, emissões de CO 2 associadas e impactos ambientais para o estado de Minas Gerais 14

15 emissão de carbono em Minas Gerais (Plano ABC-MG) até 2020, estima-se uma redução de aproximadamente de 19 a 23 milhões de tco 2e. Com relação à redução de emissões por desflorestamento, no caso da aplicação de uma meta progressiva de redução de 82% (período ) alcançando 100% no período , ou seja, zerar o desmatamento em 15 anos 11, o potencial estimado pode atingir cerca de 67 milhões de toneladas de CO 2e evitadas. 3 O PROCESSO PARTICIPATIVO A definição do perfil energético e dos impactos das mudanças climáticas no território, a sensibilização da população e preparação dos atores, mobilização, busca de soluções e ações foi realizada através do estabelecimento de um processo participativo com base em oficinas temáticas e com participação da sociedade civil, universidades, órgãos estaduais e municípios. Os eixos trabalhados foram Energia, AFOLU, Transporte, Resíduos e Efluentes, Indústria e Adaptação e Recursos Naturais. O processo participativo se arquitetou em diversas oficinas institucionais com representantes de diferentes Secretarias de Estado e oficinas regionais nas cidades de Montes Claros, Diamantina, Governador Valadares, Ubá, Varginha, Divinópolis, Belo Horizonte, Unaí, Uberlândia e Patos de Minas. Figura 4: Locais e datas das Oficinas Regionais do Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais 11 Um conjunto importante de países definiu como meta zerar o desmatamento em Declaração de Nova York. Climate Summit

16 O processo de co-construção do Plano permitiu a elaboração de ações de mitigação e adaptação para os diversos setores e subsetores de Minas Gerais. O número de ações por eixo temático pode ser visto na Tabela 8. Tabela 5: Potencial de produção de energia por fontes renováveis até 2030 MITIGAÇÃO ADAPTAÇÃO EIXO Nº DE AÇÕES INDÚSTRIA 5 ENERGIA 7 TRANSPORTE 8 RESÍDUOS E EFLUENTES 6 AFOLU 12 Apoio aos municípios 11 Conhecimento 8 Clima nas políticas públicas 7 4 MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GEE Para reduzir as emissões de GEE, os governos nacionais e subnacionais (estados, províncias, regiões e cidades) vêm adotando uma ampla gama de metas específicas de mitigação considerando seus limites jurisdicionais. Uma meta de mitigação representa um compromisso para reduzir ou limitar o aumento das emissões ou da intensidade das emissões de GEE em uma quantidade ou nível específico a ser atingido em uma data futura estabelecida. Para o estado de Minas Gerais, a FEAM, após a avaliação das vantagens e desvantagens metodológicas, da estratégia governamental de enfrentamento das mudanças climáticas 12, da disponibilidade de dados (inventários de GEE e variáveis socioeconômicas), assim como dos recursos financeiros e técnicos existentes, adotou a utilização de metas de intensidade de emissões de GEE. Adicionalmente, entende-se que a utilização de metas de intensidade são mais coerentes com o contexto subnacional de um país em desenvolvimento, com grande potencial para redução de emissões de GEE, por meio de ações de eficiência energética e uso racional de recursos naturais, como no caso do estado de Minas Gerais. Entretanto, para a definição do nível de ambição e principalmente garantir a adoção de metas realistas e factíveis, faz-se necessário a elaboração de cenários que permitam avaliar possíveis trajetórias futuras da evolução das emissões de GEE (projeções) e seus principais fatores determinantes. A abordagem adotada do PEMC de Minas Gerais baseia-se na construção de três cenários hipotéticos até 2030: Business-As-Usual, Contribuição Federal e Baixa Intensidade de Carbono. 12 Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI) e Plano de Mudanças Climáticas 16

17 GgCO2e SUMÁRIO EXECUTIVO Cenário Business-As-Usual Um cenário de referência ou Business-As-Usual (BAU) projeta as tendências passadas para simular como as emissões poderiam evoluir se nada for feito para enfrentamento das mudanças climáticas. Serve como base ou referência para os outros cenários. É previsto um aumento de 63% das emissões até 2030 em Minas Gerais com base nessas premissas (Figura 5) % % Energia Agropecuaria Processos Industriais Resíduos e Efluentes Mudança de uso do solo Figura 5: Evolução das emissões de GEE, por setor, em Minas Gerais cenário BAU Quando estimadas as emissões de GEE por habitante e considerando apenas as emissões do setor de Energia, o estado de Minas Gerais emitiu 2,04 tco 2e/hab em Para efeitos de comparação, a União Europeia emitiu 7,4 tco 2e/hab, a China 6,2 tco 2e/hab e os Estados Unidos 17,6 tco 2e/hab. 13 Apesar da baixa intensidade de emissões comparativamente, as projeções mostram uma tendência de aumento das emissões do estado, que poderia alcançar 2,6 tco 2e/hab em 2020 e 3,21 tco 2e/hab em Indicadores de Intensidade Os indicadores de intensidade para o setor Energia foram definidos a partir das projeções de consumo energético, a emissão de GEE do setor e a evolução do número de habitantes no estado (tep/habitante e tco 2e/habitantes). As estimativas indicam um crescimento do consumo de energia e emissão de GEE per capita para Minas Gerais com um aumento de 33% e 60% respectivamente em 20 anos. É importante destacar que, no cenário BAU, as emissões de GEE por habitante crescem mais que a demanda de energia por habitante, destacando uma tendência de carbonização do setor energético mineiro (Figura 6). 13 Banco Mundial: EU?display=graph 17

18 tco 2 e/r$ tco2e/ hab mil tep/mil hab SUMÁRIO EXECUTIVO 3,7 3,2 3,700 3,200 2,7 2,2 1,7 1,2 2,700 2,200 1,700 1,200 Emissão GEE Consumo Figura 6: Indicadores de intensidade setor Energia Os indicadores de intensidade de emissão de GEE para o setor Agropecuário consideram as emissões totais calculadas para o setor e a evolução do PIB agropecuário 14. As estimativas indicam que, apesar das emissões brutas aumentarem cerca de 35% em 20 anos (Figura 5), há uma redução relativa das emissões de GEE proporcionalmente ao crescimento do PIB agropecuário em Minas Gerais, o que revela uma tendência de descarbonização da economia agrícola (cerca de 45%). É importante destacar que essas estimativas não contabilizam as emissões por desmatamento e outros usos do solo (setor AFOLU). É possível observar a evolução da intensidade na Figura 7. 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 0,00 Emissāo GEE Figura 7: Indicadores de intensidade setor Agropecuário Os indicadores de intensidade para o setor Resíduos e Efluentes foram definidos a partir das projeções da totalidade das emissões de GEE do setor e a evolução do número de habitantes no estado (tco 2e/habitante). As estimativas indicam um crescimento de 62% das emissões de GEE per capita 14 Não inclui emissões ligadas ao uso do solo. 18

19 kg CO2e/R$ tco 2 e/hab SUMÁRIO EXECUTIVO para Minas Gerais entre 2010 e Os indicadores para o setor Resíduos e Efluentes podem ser visualizados na Figura 8. 0,400 0,350 0,300 0,250 0,200 0,150 0,100 0,050 0,000 Resíduos Efluentes Figura 8: Indicadores de intensidade setor Resíduos e Efluentes As abordagens para a construção dos indicadores de intensidade para o setor Processos Industriais e para as emissões de GEE provenientes da queima de combustíveis (contabilizadas no setor Energia) consideram a evolução do PIB Industrial visando melhor retratar as emissões das atividades industriais em geral e sua geração de riqueza no estado. O resultado pode ser visualizado na Figura ,00 500,00 400,00 300,00 200,00 100,00 0,00 Emissāo GEE Figura 9: Indicadores de intensidade setor Processos Industriais Cenário Contribuição federal Um cenário de contribuição federal (FED) baseado no compromisso voluntário do Brasil junto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) de redução de emissões de GEE até 2020, foi construído aplicando-se proporcionalmente para o estado de Minas Gerais os objetivos de redução de emissões líquidas de GEE previstos no Plano Nacional e Planos Setorias sobre 19

20 GgCO2e SUMÁRIO EXECUTIVO Mudança do Clima 15. Conforme estimativas realizadas, excluindo-se o setor da Mudança de Uso da Terra e Floresta, estes objetivos representam uma redução entre 7% e 9% das emissões de GEE em comparação com a tendência para 2020 para o estado (Figura 10) Redução entre -7% e -9% BAU Faixa baixa Faixa alta Figura 10: Aplicação da meta nacional de emissões de GEE no Estado de Minas Gerais Cenário Baixa Intensidade de Carbono Um cenário mineiro de baixa intensidade de carbono (BIC), considerando as ações estaduais adicionais de eficiência energética e redução (ou remoção) de GEE, visando promover de forma mais ambiciosa, rápida e robusta a transição para uma economia de baixo carbono, foi construído com o auxílio dos atores regionais presentes no processo participativo do PEMC em Minas Gerais. Foram definidas 38 ações de mitigação 16 que são deliberadas em cada um dos planos setoriais 17. As ações podem ações podem ser encontradas na Tabela 6 e o potencial de mitigação estimado até o presente momento pode ser visto na Tabela 7. Tabela 6: Ações setoriais de mitigação do PEMC INDUST RIA Ação Ação 1 - Programa estadual de eficiência energética Ação 2 - Diferenciação tributária para tecnologias de baixo carbono Ação 3 - Fomento à cogeração industrial Ação 4 - Substituição gradual de fontes energéticas com alto fator de emissão de GEE Nem todas as ações foram contabilizadas no cenário, pois ainda necessitam de cálculos específicos ou de desenvolvimento de metodologias para contabilização. 17 Ver planos setoriais no site 20

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Adaptação e Recursos Naturais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Adaptação e Recursos Naturais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Adaptação e Recursos Naturais 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada a fonte. Governo do Estado

Leia mais

Estratégia de Adaptação Regional para Minas Gerais

Estratégia de Adaptação Regional para Minas Gerais 1 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada a fonte. Governo do Estado de Minas Gerais Alberto Pinto Coelho Governador Secretaria do Estado do Meio Ambiente

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Ferramentas transversais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Ferramentas transversais Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Ferramentas transversais 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada a fonte. Fundação Estadual

Leia mais

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima

Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima Vulnerabilidade Regional às Mudanças do Clima 8ª Semana de Integração Tecnológica - EMBRAPA 26/05/2015 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Energia Cooperação internacional Processo Participativo Agricultura,

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil

Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil Avanços e Desafios do Desenvolvimento Sustentável no Brasil FÓRUM REGIONAL FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO Egon Krakhecke Local: Manaus Data: 09/05/2014 Desenvolvimento Sustentável - Conceito É o Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2012 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Plenário COPAM 02/04/2014

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Plenário COPAM 02/04/2014 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Plenário COPAM 02/04/2014 MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS O que nos diz a Ciência hoje... Aquecimento global é inequívoco Causa humana > 95% de probabilidade

Leia mais

Política de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fórum Produção e Consumo Sustentável

Política de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fórum Produção e Consumo Sustentável Política de Energia e Mudanças Climáticas de : Fórum Produção e Consumo Sustentável Plano de Energia e Mudanças Climáticas 2 Potência instalada (MW) PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Fevereiro 2015 Evolução

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Fórum Mineiro de Energia Renovável 03/06/2014

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Fórum Mineiro de Energia Renovável 03/06/2014 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Fórum Mineiro de Energia Renovável 03/06/2014 Emissões de GEE (MTeqCO 2 ) CONTEXTO FEDERAL Arcabouços legais Política Nacional sobre Mudança do Clima

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.690 DE 14 DE ABRIL DE 2010 INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL SOBRE MUDANÇA GLOBAL DO CLIMA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Setor Agricultura, Florestas e Outros Usos do Solo

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Setor Agricultura, Florestas e Outros Usos do Solo 1 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Setor Agricultura, Florestas e Outros Usos do Solo 2014 Fundação Estadual do Meio Ambiente - FEAM É permitida a reprodução desde que seja citada

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2013

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2013 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas

Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças climáticas Brasília, 21 de setembro de 2011 Audiência Pública Senado Federal 5a. Reunião Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas -CMMC Politica Nacional sobre Mudanças do Clima Plano Nacional de Mudanças

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto

Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima. Roberto de Aguiar Peixoto Legislações Federal e Estadual de Mudança do Clima Roberto de Aguiar Peixoto Sumário da Apresentação Contexto e Objetivos das Leis sobre Mudanças do Clima Breve Histórico: PNMC, PEMC Metas e Principais

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Oficina temática de restauração 12/05/2016

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais. Oficina temática de restauração 12/05/2016 Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Oficina temática de restauração 12/05/2016 Plano de Energia e Mudanças Climáticas Potência instalada (MW) PROCESSO DE ELABORAÇÃO Julho 2013 Janeiro

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012

1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 1ro ENCONTRO INTERINSTITUCIONAL DE SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO BRASIL-FRANÇA PLENÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA/RS -18 DE OUTUBRO DE 2012 A Cooperação ambiental Franco Gaúcha e as contribuições do Rio Grande

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Propostas de Posição (MMA)

Propostas de Posição (MMA) Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 2009 Aos membros do Fórum, Conforme estava previsto, foi realizada no dia 13 de outubro do corrente ano reunião do Presidente da República para tratar da posição da posição

Leia mais

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável

13º Encontro Internacional de Energia - FIESP. Mudanças. Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável 13º Encontro Internacional de Energia - FIESP Mudanças Geopolítica Energética: Energia no Contexto da Economia Sustentável Rodrigo C. A. Lima Gerente-geral do ICONE www.iconebrasil.org.br São Paulo 6 de

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC,

Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, Rio de Janeiro, 26 de março de 2013. Prezados Membros do FBMC, A Secretaria Executiva do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC) realizou, em 12 de março de 2013, reunião de discussão e apresentação

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020

Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020 Estimulando a demanda por reduções de emissões de REDD+: A necessidade de uma intervenção estratégica para 2015-2020 Resumo: Informações preliminares do quinto relatório de avaliação do IPCC mostram que

Leia mais

Relatório de Situação do Programa Voluntário de Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais

Relatório de Situação do Programa Voluntário de Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Gerência

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas?

A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? A Queda do Desmatamento na Amazônia Brasileira: Preços ou Políticas? * Juliano Assunção, Clarissa Gandour e Rudi Rocha Primeira versão: Março, 2012 Esta versão: Março, 2015 Introdução O desmatamento e

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira

ENERGIA AGENDA ATUAL. Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS. Adilson de Oliveira ENERGIA AGENDA ATUAL Seminário BRASIL E OS TEMAS GLOBAIS Adilson de Oliveira adilson@ie.ufrj.br REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 1. Revolução energética Independência das disponibilidades locais de energia Uso intensivo

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS

PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS PLANO SETORIAL DE TRANSPORTE E DE MOBILIDADE URBANA PARA MITIGAÇÃO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS - TRANSPORTE DE CARGAS Rio de Janeiro 11 de Dezembro de 2012 PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PSTM - Lei 12.187/2009,

Leia mais

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima

4 por 1 000. Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Junte-se à iniciativa 4 por 1 000 Os solos em prol da segurança alimentar e do clima Baseada em uma documentação científica sólida e em ações de campo concretas, a iniciativa "4 por 1000" visa mostrar

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças as Climáticas Visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura Plano ABC Plano de Agricultura de Baixa Emissão de

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS Arranjos institucionais e governança

PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS Arranjos institucionais e governança Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais Arranjo Institucional e Governança PLANO DE ENERGIA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS Arranjos institucionais e governança 1 2013 Fundação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Mudança do Clima no Brasil

Mudança do Clima no Brasil Mudança do Clima no Brasil Visão do Banco Mundial Principais desafios Linhas estratégicas Christophe de Gouvello 6th International Symposium of Climatology (VI SIC) "Climate Vulnerability: Brazil in the

Leia mais