UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA CLEUMIRA DIAS GHIRALDI TÍTULO: O AUMENTO DA TEMPERATURA NO PLANETA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA CLEUMIRA DIAS GHIRALDI TÍTULO: O AUMENTO DA TEMPERATURA NO PLANETA"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA CLEUMIRA DIAS GHIRALDI TÍTULO: O AUMENTO DA TEMPERATURA NO PLANETA Doutor Camargo - Paraná 2008

2 CLEUMIRA DIAS GHIRALDI UNIDADE DIDÁTICA Modelagem Matemática como estratégia para o ensino e aprendizagem de Matemática no Ensino fundamental Título: O aumento da temperatura no planeta Produção Didático Pedagógica apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional - PDE/2008, sob a orientação da Professora Lilian Akemi Kato, da Universidade Estadual de Maringá. Doutor Camargo - Paraná 2008

3 O AUMENTO DA TEMPERATURA NO PLANETA TANTO CALOR ASSIM A TERRA NÃO AGUENTA... 1 A TEMPERATURA MÉDIA DA TERRA ESTÁ REALMENTE SUBINDO? EFEITO ESTUFA... AQUECIMENTO GLOBAL? O QUE É ISSO? HAVERÁ MAIS FURACÕES, SECAS E TUFÕES NO FUTURO? O NÍVEL DO MAR SE ELEVARÁ? O QUE ISSO TEM A VER COMIGO? 1 Fig.1 Ilustração do Planeta que pode ser obtido no documento - Mudanças Climáticas& Sustentabilidade - Ministério Público Federal - 4ª Câmara de Coordenação e Revisão Meio Ambiente e Patrimônio Cultura

4 Todos os dias acompanhamos na televisão, nos jornais e revistas as catástrofes climáticas e as mudanças que estão ocorrendo, rapidamente, no clima mundial. O clima no planeta sempre sofreu alterações naturais e sobrevive às mudanças climáticas há milhões de anos. A escala de tempo em que ocorriam essas mudanças, no entanto, era outra. Atualmente, mudanças climáticas globais vêm ocorrendo no intervalo de poucas décadas, mas nunca se viu, nos últimos 100 anos, mudanças tão rápidas e com efeitos devastadores como tem ocorrido nos últimos anos. O homem tem registrado a temperatura média do planeta desde 1861 e nunca se registraram ondas de calor intensas como as dos últimos anos. Cinco dos seis anos mais quentes da História foram à seqüência de 2001 a A temperatura média da Terra era de 13,78 graus Celsius em quando a atividade industrial não influenciava tanto o meio ambiente. Agora, já está em torno de 15 graus. A tabela abaixo nos mostra esta variação. Temperatura Média Global, Ano Temperatura em (º C) Ano Temperatura em (º C) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,77 Fonte: Instituto Goddard de Estudos Espaciais, Centro NASA Goddard de Vôo Espacial, Diretório de Ciências da Terra, " GLOBAL Temperature Anomalies in.01 C"

5 Para melhor análise e visualização observe esses dados no gráfico abaixo: 15 14,8 14,6 14,4 14, ,8 13,6 13,4 13, variação da temperatur a Não há dúvidas de que o clima da Terra está mudando. A década de 90 foi a mais quente do século XX e nunca tivemos temperaturas tão elevadas no Hemisfério Norte desde o ano De acordo com Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) as mudanças podem ser ainda mais significativas nos próximos anos: os furacões terão mais força, virão com mais chuvas, mais ventos e mais destruição, como o Katrina, que arrasou Nova Orleans em 2005; ou as intensas chuvas que ocorreram no mês de novembro de 2008 em Santa Catarina e que ocasionaram grandes prejuízos. A escassez de água e alimentos e a propagação de doenças também são ameaças eminentes, assim como o aumento de tempestades, enchentes e secas em algumas partes do mundo. Ainda de acordo com o IPCC algumas perturbações no clima já são inevitáveis. Segundo os pesquisadores, as primeiras transformações na Terra acontecerão nos próximos 30 anos. Dessas, não vamos escapar. Mesmo que as emissões de gás carbônico se mantivessem nos níveis do ano 2000, mesmo que ninguém construísse nenhuma fábrica nem comprasse nenhum carro novo, a temperatura ainda subiria até 0,1 grau por década. Num cenário mais provável, se a poluição continuar crescendo no ritmo atual, a temperatura média global passará de 15 graus em Este Instituto projeta que as temperaturas globais de superfície provavelmente aumentarão no intervalo entre 1,1 e 6,4 C entre 1990 e 2100.

6 Para você entender melhor essa situação vamos fazer uma comparação da temperatura de seu corpo com a temperatura da Terra. A temperatura normal dos seres humanos variam entre 36ºC a 36,9ºC. Se você está com febre a temperatura do seu corpo aumenta. Se sua temperatura passar de 37ºC você já sofrerá uma leve indisposição. Se aumentar para 38ºC sua indisposição aumenta, porém se ela se elevar 5ºC indo para 42ºC você terá conseqüências graves, provavelmente entrará em convulsão, podendo chegar a óbito. O mesmo acontece na natureza. Se a temperatura do planeta se eleva mesmo que seja uma pequena alteração, ocorre grandes transformações com os fenômenos climáticos. Segundo as previsões do IPCC, a média global da Terra que hoje é de 15º, em 2100 deverá ficar entre 16,5 a 19 dependendo das emissões de gás carbônico. Observe o que ocorrerá no planeta se a temperatura aumentar em: 1 grau Ártico sem gelo no verão; país de Bengala embaixo d'água na maré alta; furacões no Atlântico Sul; desertos no oeste dos EUA. Derretimento das geleiras da Groenlândia e com esse derretimento o mar subirá até 6 metros mais elevados que hoje, deixando submersos bairros nobres do 2 graus Rio de Janeiro e cidades como Recife, Santos e Fortaleza; risco de extinção dos ursos polares; migração de insetos para novas áreas; desaparecimento das ilhas Tayalu, no Pacífico; extinção da maior parte das barreiras tropicais de coral. 3 graus Secas e incêndios na floresta Amazônica com seu desaparecimento; fim da neve no topo dos Alpes; fortes ondas de calor no Mediterrâneo e Europa; instabilidade climática; tempestades e furacões de categoria 6 (o Katrina foi 4 graus categoria 5). Constante aumento no nível dos oceanos, com devastação de países como Egito e Bangladesh e completa submersão de Veneza; derretimento das geleiras do Himalaia e conseqüentes inundações no rio Ganges, com posterior escassez de água; desmoronamento das geleiras da Antártica; desastres em regiões costeiras em função do aumento de 1 metro no nível do mar. 5 graus O fim das mudanças climáticas; zonas temperadas inabitáveis; possível guerra pelos recursos naturais que sobrassem. 6 graus Seria o fim da vida na Terra como a conhecemos hoje, com desertos por todos os lados e catástrofes diárias. Enfim o Apocalipse. Fonte:

7 Isso significa que os adultos de hoje chegarão à velhice em um mundo mais complicado que o da juventude. Mas a primeira geração a enfrentar um planeta seriamente transtornado será a das crianças que nasceram depois de A partir de 2040, o mundo ficará bem mais caótico. VOCÊ SABIA Em dezembro de 1997, realizou-se em Kyoto, Japão, a III Conferência Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, onde assinaram um documento chamado Protocolo de Kyoto, que visava chegar a um consenso internacional sobre um tratado que limitasse as emissões de gases de efeito de estufa por parte dos países industrializados. Esse Protocolo foi assinado por 166 países, entre eles o Brasil; Que a III Conferência do Meio Ambiente de 2008, realizadas nas Escolas do Ensino Fundamental, teve como assunto as Mudanças Climáticas. ATIVIDADES Pesquise sobre o Protocolo de Kyoto e verifique: 1. Há metas específicas para países em desenvolvimento, como o Brasil? 2. Que medidas o protocolo prevê para a redução das emissões de gases poluentes? 3. Por que os EUA não assinaram o protocolo? 4. Outras nações industrializadas se negaram a assinar o protocolo? 5. Quando um novo protocolo será definido? Faça algumas leituras sobre as mudanças climáticas. Como sugestão visites os sites:

8 O QUE PROVOCA O AUMENTO DA TEMPERATURA NA TERRA? A Mudança Climática é causada pela emissão de gases poluentes que aumentam o chamado efeito estufa, pelo qual esses gases na atmosfera criam uma capa protetora ou um efeito de aquecimento da Terra ao impedir que o calor absorvido da irradiação solar escape para o espaço exterior. VAMOS EXPLICAR MELHOR. AFINAL O QUE É EFEITO ESTUFA E AQUECIMENTO GLOBAL? Ilustração do efeito estufa pode ser obtido no documento: Mudanças Climáticas& Sustentabilidade - Ministério Público Federal - 4ª Câmara de Coordenação e Revisão Meio Ambiente e Patrimônio Cultura O efeito estufa é um fenômeno natural e imprescindível para a vida em nosso planeta. Os chamados Gases do Efeito Estufa (GEE) formam uma espécie de película que aquece a terra em média 33 graus Celsius na superfície da Terra, o que permite a presença de água no estado líquido e, conseqüentemente, desenvolvimento da vida como a conhecemos. Se esses gases simplesmente não existissem, esta temperatura média cairia para 18 graus negativos, inviabilizando o desenvolvimento da maioria das espécies existentes hoje. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser refletida de novo para o espaço, ficando os outros 65% retidos na Terra. O efeito estufa sozinho não é um vilão, o problema é o agravamento desse efeito. Pense bem: se a tarefa dos GEE é reter o calor na terra, quanto maior a concentração desses gases maior o calor armazenado por aqui, portanto quando a concentração atmosférica destes gases aumenta absurdamente, o resultado é o aquecimento global. o

9 O aquecimento global é um fenômeno que afeta todos nós, pelo qual todos somos responsáveis. Desde a revolução industrial, começamos a usar intensivamente o carbono estocado durante milhões de anos em forma de carvão mineral, petróleo e gás natural, para gerar energia, para as indústrias e para os veículos. As florestas, grandes depósitos de carbono, começaram a ser destruídas e queimadas cada vez mais rápido. Com isso, imensas quantidades de dióxido de carbono, metano e outros gases começaram a ser despejadas na atmosfera, tornando a camada que retém o calor mais espessa. Isso intensifica o efeito estufa. E nosso planeta, agora, já mostra sinais de febre. Por isso, o aquecimento do planeta é o maior desafio ambiental do século 21. ENTÃO, O QUE ESTÁ ACONTECENDO PARA A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTAR? O problema é que nós, os humanos, estamos adicionando cada vez mais dióxido de carbono na atmosfera (cerca de 0,4% anualmente) e este aumento se deve à utilização de petróleo, gás e carvão e à destruição das florestas tropicais. Tudo isso faz que menos radiação seja emitida de volta para o espaço. Quanto mais dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa ficarem presentes no ar, mais radiação ficará sendo emitida de volta para a Terra. Quanto mais isto acontecer mais a Terra irá ficar quente. QUE GÁS É ESTE CHAMADO DIÓXIDO DE CARBONO? O dióxido de carbono, ou gás carbônico é um composto químico constituído por dois átomos de oxigênio e um átomo de carbono. A representação química é CO 2. É essencial à vida no planeta, visto que é um dos compostos necessários para a realização da fotossíntese - processo pelo qual os organismos fotossintetizantes transformam a energia solar em energia química.

10 O carbono é um elemento básico na composição dos organismos, tornando-o indispensável para a vida no planeta. Este elemento é estocado na atmosfera, nos oceanos, solos, rochas sedimentares e está presente nos combustíveis fósseis. As plantas absorvem o dióxido de carbono (CO 2 ) presente na atmosfera, fixam o carbono Imagem de como ocorre o efeito estufa pode ser obtido no em seus tecidos vegetais e liberam o site oxigênio para a atmosfera. Esta absorção se dá através do processo de fotossíntese. Quando nós respiramos inspiramos o oxigênio e expiramos do gás carbônico. Várias são as formas de liberação do dióxido de carbono. A liberação de dióxido de carbono via queima de combustíveis fósseis e mudanças no uso da terra (desmatamentos e queimadas, principalmente) impostas pelo homem constituem importantes alterações nos estoques naturais de carbono e tem um papel fundamental na mudança do clima do planeta. ATIVIDADE: Assistam os filmes: Destruição Total: O fim do Mundo, Alemanha/EUA, 2005, Site Oficial 170 min. Dist.Alpha Filmes, Direção: Dick Lowry, Uma Verdade Inconveniente, documentário com AL Gore, EUA, 2006, Diretor: Davis Guggenheim, 100 min. site oficial Discuta com professor e seus colegas sobre as relações entre os assuntos tratados nos filmes e as mudanças climáticas que já vem ocorrendo em nosso planeta nos dias atuais. É possível evitar que as catástrofes vistas nos filmes se realizem?

11 PRINCIPAIS ATIVIDADES QUE EMITEM GASES DO EFEITO ESTUFA (GEE), EM ESPECIAL CO 2 (DIÓXIDO DE CARBONO) 1. A queima de combustíveis fósseis (como óleo diesel, gasolina e carvão) nos processos industriais e no funcionamento de meios de transporte como carro, ônibus, caminhão e, principalmente, avião. 2. O desmatamento e a queimada de árvores, decorrentes principalmente de práticas agrícolas. Neste processo, o carbono retido na madeira da árvore é liberado em forma de CO 2. O desmatamento na Floresta Amazônica é responsável por 2/3 das emissões brasileiras de CO 2. Segundo o IPCC, 550 milhões de toneladas de gás carbônico poderiam deixar de ser despejadas na atmosfera se o desmatamento fosse reduzido nas Américas do Sul e Central. 3. Uso de energia elétrica nos processos industriais e nos aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos. A não-reutilização ou não-reciclagem de materiais e produtos, o que obriga a exploração de matéria-prima bruta na natureza e a um novo processo de fabricação, transporte e comercialização. Para se ter uma idéia da quantidade de CO 2 lançada na natureza pelo desmatamento veja os cálculos do pesquisador João Andrade de Carvalho Junior: O pesquisador João Andrade de Carvalho Júnior, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Guaratinguetá, calcula uma média de emissão de 22 mil toneladas de CO 2 por quilômetro quadrado desmatado e queimado na Amazônia. Por esse cálculo, o desmatamento acumulado dos últimos três anos ( km2) lançou na atmosfera 1,3 bilhão de toneladas de CO 2 - quantidade que a cidade de São Paulo leva mais de 80 anos para emitir, com todos os seus carros e indústrias, segundo um inventário publicado pelo Centro Clima da Coppe/UFRJ. Nos últimos sessenta anos, a quantidade de dióxido de carbono emitida pelo homem, principalmente pelo uso de combustíveis fósseis, fez com que sua concentração na atmosfera saltasse de 280 ppm (partes por milhão), na era pré-industrial, para 379 ppm, segundo as últimas medidas feitas na estação de Mauna Loa, no Havaí (Martins, 2004).

12 É POSSÍVEL FAZERMOS PREVISÕES DA QUANTIDADE DE CO 2 LANÇADAS NA NATUREZA PELA QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS? Os combustíveis fósseis, como, por exemplo, o carvão mineral e os derivados de petróleo, são resultado do acúmulo de biomassa que em escalas geológicas de tempo se depositaram no subsolo. A extração dessas reservas e sua utilização como combustível através da combustão, liberam carbono armazenado no subsolo para a atmosfera em um período de tempo que é milhões de vezes menor que o tempo que o carbono atmosférico leva para se transformar em petróleo ou carvão mineral novamente. A diferença entre as escalas de tempo de uso e acúmulo de carbono é um dos fatores que promove o desbalanceamento do ciclo do carbono provocando o acúmulo de carbono na atmosfera em estado gasoso. PROBLEMA Quantas árvores são necessárias para neutralizar cada tonelada de gás carbônico (CO 2 ) lançada na atmosfera pela queima de combustíveis fósseis? Os modelos matemáticos são desenvolvidos para representar diversas situações reais com a qual nos deparamos no dia a dia. Para responder esse problema vamos utilizar modelos matemáticos que nos permitam: Determinar fator de emissão Carbono contida em cada litro de combustível fóssil; Transformar tonelada de Carbono (tc) em tonelada de (tco 2 ). A matemática pode nos ajudar a fazer previsões sobre a quantidade de dióxido de carbono (CO 2 ) que lançamos na natureza quando nos locomovemos de carro. Neste modelo vamos calcular o carbono contido na gasolina e o CO 2 liberados com sua queima através da combustão. Para calcular o carbono emitido na natureza ao fazer a queima de combustível vamos utilizar dados e do IPCC, bem como uma de suas metodologias.

13 O intergovernamental Panel on limate Change (IPCC) sugere a metodologia Top- Down para o cálculo do carbono emitido na atmosfera. De maneira simplificada, essa metodologia pode ser descrita por: 1º) - Apuração do consumo de combustível, na sua unidade de medida original; 2º) - Conversão do consumo aparente para uma unidade de energia comum (terajoules TJ); 3º) - Cálculo do conteúdo de carbono emitido pela transformação do consumo aparente do combustível mediante a sua multiplicação pelo fator de emissão de carbono específico daquele combustível. O cálculo do carbono emitido é feito com uso de coeficientes expressos em toneladas de carbono (tc) contido por energia PCI ( poder calorifico inferior ) nos diversos combustíveis. A unidade usual deste coeficiente é de tonelada de carbono contido por terajoule ( tc/tj ) e os valores fornecidos pelo IPCC, bem como outros dados de interesse podem ser encontrados nas tabelas abaixo. COMBUSTIVEL FATOR (IPCC) (tc / TJ) PCI ( BEN) ( Kcal / kg) DENSIDADE ( kg / m3) ALCOOL 18, QUEROSENE 19, GASOLINA 18, OLEO COMBUSTÍVEL 21, DIESEL 20, LENHA 28, Fonte : OSCIP E&E ECONOMIA E ENERGIA /MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Prefixo Fator de Multiplicação Simbolo CONVERSÕES Tera T 1 J ( JOULE) = 4,1868 cal Giga 10 9 G 1 L ( LITRO) = 10-3 m 3 Mega 10 6 M 1 t ( TONELADA) = 1000 KG Quilo 10 3 K

14 Antes de prosseguir vamos entender o que é JOULE. A energia pode ser medida de várias maneiras e com várias unidades. A mais conhecida é o quilowats. Ela também pode ser medida em JOULE. O nome Joule vem de um físico Inglês James Prescott Joule. Ele descobriu que o calor é um tipo de energia. Por exemplo, para aquecer um ferro elétrico, uma torradeira, um secador elétrico, é preciso que a energia elétrica seja transformada em calor. Um joule é quantidade de energia necessária para levantar 454 gramas do chão a uma altura de nove polegadas (é aproximadamente 22,86 centímetros). AGORA VAMOS FAZER AS CONTAS 1 - Utilizando as informações anteriores, determine qual a quantidade de carbono (em tc) emitida na queima de um litro de gasolina. Para auxiliá-lo nesse cálculo, faça uma análise das unidades de medidas e siga os passos abaixo. A) Calcule a massa (em kg) equivalente a um litro de gasolina: R Sabemos que 1 L = 10-3 m 3 da densidade da gasolina. Então temos: 10-3 m 3 x 740 kg/ m 3 = 0,74 kg. Portanto a massa (em kg) de um litro de gasolina equivale a 0,74 kg. B) Calcule a energia (em kcal) contida nessa massa segundo os critérios do Balanço Energéticos Nacional ( BEN). R - Segundo a coluna PCI (BEN), a gasolina possui kcal/kg. Sendo assim, 0,74 kg x kcal/kg = kcal C) Tranforme a energia calculada no item B para unidade padrão terajoule(tj). R - Como 1J = 4,1869 cal. Temos que 1 cal = Portanto, 7.696kcal = 1.838,16 kj 4, ,1868J 1.838,16 kj x 1000 = J = 1, TJ

15 D) Utilize o fator de emissão de carbono fornecido pe IPCC para calcular a emissão (em tc). R- Segundo a tabela, o fator de emissão da gasolina é 18,9 tc / TJ. Temos, então, 1, TJ x 18,9 tc/tj = 1, TJ x 1, = 3, tc Portanto o fator de emissão do carbono para cada litro de gasolina é 3, tc Ao conhecer o valor do fator de emissão de carbono da gasolina em (tc) temos condições de calcular a quantidade de CO 2 lançada na atmosfera pela queima desse combustível. EXEMPLO Suponha que no centro de uma cidade tenha veículos movidos à gasolina, e que cada veículo rode x km por dia, tendo um consumo médio de y/km/l. Qual seria a expressão que descreveria a emissão do carbono em (tc), no período de um mês, em função de x e y? Como exemplo, suponha que cada um dos veículos rode em média 20 km /dia e o consumo médio de cada carro seja 10 km por litro de gasolina. Calcule sua emissão de carbono em um mês. (Considere o mês com 30 dias). R = Seja f a função que calcula a emissão de carbono para o automóvel a gasolina em questão. Note que no exercício 1 foi calculada a emissão (em tc) para um litro de gasolina, bastando, agora, multiplicarmos esse valor pela quantidade total de litros gastos no mês. f (x,y) = emissão por litro. km rodados consumo por litro f (x,y) = 3, f(30,10) = 3, f(30,10) = 3, x y = = 10 f(30,10) = 3, = f(30,10) = 3, , = f(30,10) = 2,0844 tc

16 1 tonelada de carbono (C) equivale em média a 3,664 toneladas de gás carbônico (CO 2). Fonte: The Greenhouse Gas Protocol Initiative (GHGP) / World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) & World Resources Institute (WRI) Para neutralizar 1 tonelada de CO 2 são necessárias 6,6 árvores. Fonte:UNFCCC- Organização das Nações Unidas (ONU). No exemplo acima verificamos que se veículos rodam em média 20 km /dia e o consumo médio de cada carro é de 10 km por litro de gasolina, no final de um mês terá emitido 2,0844tC. Utilizando a regra de três simples temos: tc tco2 1 3,664 2,0844 X 2,0844 x 3,664 = 7,63 Portanto esses carros emitiram 7,63 tco 2 em 30 dias Para neutralizar 1 t CO 2 necessitamos de 6,6 árvores. Assim temos 7,63 x 6,6 = 50,35 Concluímos então que para neutralizar 7,63 tco 2 necessitamos de aproximadamente 50 árvores Esse modelo nos mostra a emissão de CO 2 de apenas carros e rodando somente 20 km/dia. Imagine quantas toneladas de CO 2 são lançadas na atmosfera, diariamente, com a frota de carros que o Brasil possui rodando em nossas rodovias.

17 ATIVIDADES Agora que você já compreendeu todos os passos desse modelo, que tal calcular o fator de emissão do carbono e do CO 2 dos combustíveis: Álcool Querosene Óleo combustível Diesel lenha A RESPONSABILIDADE DE CADA UM. Sabemos o que acontece com o planeta. Também sabemos que é preciso mudar e já deveríamos estar em processo de mudança. Por que, então, parece tão difícil modificar nossos hábitos em favor do futuro do planeta? Evidentemente, alterar o curso de ações globais que minam o equilíbrio ambiental ou, ao menos, adiar o desastre completo depende de decisões conjuntas de governos e empresas, os principais responsáveis pelos danos ambientais. Mas, para a equação ficar completa, é preciso envolver, também, atitudes que estão ao alcance de cada indivíduo. A FORÇA DO QUE ESTÁ AO ALCANCE DE TODOS Plantar árvores não é a única forma de ajudar a preservar o planeta. Confira maneiras simples para diminuir sua emissão individual de gases do efeito estufa (GEE), um alívio para a natureza e para seu bolso também. Cada uma das medidas enumeradas abaixo proporciona um grau de redução na quantidade de CO 2 que é liberada para a atmosfera: TRANSPORTE: 1) Se sua família se locomove km por ano, reduza sua rodagem em 10%. Experimente deixar o carro em casa e usar o transporte público, a bicicleta ou a caminhada como forma de se deslocar.

18 2) Fique de olho na manutenção do veículo. Um motor mal cuidado pode consumir 50% a mais de combustível e produzir 50% mais CO 2. 3) Calibre o pneu do carro ao menos uma vez a cada duas semanas, pois pneus descalibrados provocam um aumento de 2 % no consumo de combustível. 4) Prefira veículos movidos a álcool ou biocombustíveis. O álcool, ao contrário da gasolina, do diesel ou do gás, é uma fonte de energia renovável. A quantidade de CO 2 emitida da queima do álcool nos motores é a mesma fixada nas plantações de cana de açúcar. Mesmo assim o processo não é totalmente limpo, uma vez que emissões são produzidas na produção do álcool, além dos danos ambientes no campo, devido à cultura da cana. EM CASA: 1) Substitua o ar condicionado pelo ventilador. 2) Se tiver mais de uma geladeira ou freezer ligados, desligue-os a menos que este seja indispensável, principalmente se forem modelos antigos e menos eficientes energeticamente. 3) Troque as cinco lâmpadas mais utilizadas em sua casa por modelos que gastam menos energia e você reduzirá sensivelmente suas emissões de GEE e também a conta de luz. Uma lâmpada fluorescente consome cerca de três vezes menos energia do que uma incandescente, e ainda pode durar até 10 vezes mais. 4) Desligue luzes e equipamentos quando não estiverem sendo utilizados. Evite deixar computadores ligados 24 horas por dia e configure-os para que desliguem seus monitores quando estão em espera. 5) Utilize o mínimo necessário de papel. Quando for se comunicar com as pessoas, dê preferência ao . Use papel reciclado sempre que possível e separe papéis e papelão para reciclagem quando for descartá-los.

19 6) Evite deixar a torneira aberta ao fazer a barba, escovar os dentes ou lavar a louça. E nem pense em usar mangueiras para lavar calçadas, quintais e carros. Lance mão dos baldes e evite que seu dinheiro também vá por água abaixo. 7) Separe os materiais recicláveis, pois todos eles representam uma diminuição das emissões de GEE, pois, além de evitar mais exploração de matéria-prima bruta, dispensa os gastos de energia e combustíveis fósseis no processo de fabricação e transporte. 8) Plante árvores: além de ajudar a absorver o CO 2 da atmosfera, elas proporcionam sombra e amenizam a temperatura dentro das residências, o que reduz o uso de condicionadores de ar ou ventiladores.

20 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRAUN D. Como calcular o carbono emitido na atmosfera. Revista Carta na Escola, Edição nº 18, p , agosto CONTI, J. B. (2005). Considerações Sobre As Mudanças Climáticas Globais. Revista do Departamento de Geografia, n. 16, p CPMDL Capacitação em Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo - Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS 23 a 26/10/2006, FIRJAN FEARNSIDE, P. M. As florestas no acordo do clima. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) - CIÊNCIA HOJE vol. 29 nº 171. Desmatamento na Amazônia brasileira: história, índices e conseqüências. MEGADIVERSIDADE / Volume 1 / N.º 1 / Julho Relatório do IPCC/ONU - Mudança Climática 2007: Mitigação e Mudanças Climáticas Grupo Permanente De Trabalho Interministerial Para A Redução Dos Índices De Desmatamento Da Amazônia Legal (Decreto De 3 De Julho De 2003) Plano De Ação Para A Prevenção E Controle Do Desmatamento Na Amazônia Legal Brasília, DF Março INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (2007). Estimativas do desmatamento. Disponível em: Acesso em Novembro de MANZONI M. Critério de sustentabilidade para projetos de MDL no Brasil. Adaptado de Paper escrito por Silvia Llosa para o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e para o Observatório do Clima IPAN - Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia. MIRANDA E. E. CAMPEÕES DE DESMATAMENTO, Embrapa Monitoramento por Satélite, jornal O Estado de São Paulo de 16 de janeiro de Procuradoria Geral da República - Ministério Público Federal - 4ª Câmara de Coordenação e Revisão - Meio Ambiente e Patrimônio Cultural - Mudanças Climáticas& Sustentabilidade- Brasília, 23 de abril de Pearce, Fred; O aquecimento global: causas e efeitos de um mundo mais quente; Série Mais Ciência; Publifolha; 2002 SANTANA O.; FONSECA A. Ciências Naturais, São Paulo, Editora Saraiva, 2ª edição, 2007.

21 Sites na Internet para Pesquisa Organizações Governamentais Nacionais Coordenação de Mudanças Globais do Ministério de Ciência e Tecnologia: ww.mct.gov.br/clima Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA: Ministério da Ciência e Tecnologia (Programa de Mudança Climática): Ministério do Meio Ambiente: Organizações não-governamentais e Instituições de Pesquisa Nacionais Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia IPAM: Observatório do Clima Rede Brasileira de ONGs e Movimentos Sociais em Mudanças Climáticas: Biblioclima Biblioteca Virtual sobre Mudanças Climáticas (Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas): Brasil Sustentável (BRASUS): Ciênciaonline: Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável: Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas: Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas: Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas: Greenpeace: Instituto Nacional de Eficiência Energética INEE: Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas:

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores:

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores: Realização: Parceiros: Aquecimento Global Apoiadores: O que é o efeito estufa? É um fenômeno natural, provocado por alguns gases da atmosfera, que mantêm o nosso planeta aquecido. Esse processo acontece

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Dia Mundial do Meio Ambiente 2007 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, ISO TC 207 (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996)

ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) ANÁLISE DAS EMISSÕES ATUAIS DE CO 2 POR FONTE DE ENERGIA E POR ATIVIDADES PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO (ANO BASE 1996) CÉLIA MARIA PAIVA PROFA. DEPTO METEOROLOGIA/UFRJ celia@meteoro.ufrj.br 1. Introdução

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo?

De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? De onde veio e para onde vai o carbono que faz parte do nosso corpo? 07/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Encontro sobre Mudanças Climáticas: São Paulo e o relatório do IPCC

Encontro sobre Mudanças Climáticas: São Paulo e o relatório do IPCC Encontro sobre Mudanças Climáticas: São Paulo e o relatório do IPCC 15 de fevereiro de 2007, 10h-13h, Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Auditório Augusto Ruschi Av. Prof. Frederico Hermann

Leia mais

Quais são os gases do efeito estufa?

Quais são os gases do efeito estufa? Foto: Edu Coelho O efeito estufa Nos últimos anos os cientistas têm pesquisado os aspectos climáticos do nosso planeta e uma importante e preocupante descoberta é a elevação de sua temperatura média devido

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE

INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO. Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE Programa de Desenvolvimento da Educação - PDE INSTITUTO BRASIL SOLIDÁRIO Mudanças Climáticas Rodrigo Valle Cezar O que é o Clima O clima compreende os diversos fenômenos que ocorrem na atmosfera da Terra. Atmosfera é a região gasosa que envolve toda

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Nome: Data: / / A energia e sua utilização pelo homem

Nome: Data: / / A energia e sua utilização pelo homem Exercícios Complementares - Ciências 7ª série / 8º ano Ensino Fundamental Nome: Data: / / A energia e sua utilização pelo homem A vida no Planeta Terra é sustentada pela energia. Os organismos autotróficos

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Aquecimento Global

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson

Leia mais

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL. Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior Estudo da emissão veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em veículos movidos à DIESEL Prof. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Durante milhões de anos a Terra passou por ciclos naturais de aquecimento

Leia mais

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina

Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina Estudo da Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Veículos Movidos à Gasolina *MELO JÚNIOR, A. S a.; GATTI, L b.; SEVEGNANI, F c.; SATIE,I. d ; IZIDRO, J. e ; IANNUZZI, A. f a.universidade

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015

AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 AQUECIMENTO GLOBAL: ATÉ ONDE É ALARMANTE? Angela Maria Magosso Takayanagui Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto USP 2015 Principais Questões Ambientais - Séc. XXI Superaquecimento da Terra Extinção da

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Ciclo do Carbono. Lediane Chagas Marques

Ciclo do Carbono. Lediane Chagas Marques Ciclo do Carbono Lediane Chagas Marques Carbono É o quarto elemento mais abundante do universo, depois do Hidrogênio, Hélio e Oxigênio; Fundamental para a Vida; No planeta o carbono circula através dos

Leia mais

Aquecimento Global. Porque devemos nos preocupar?

Aquecimento Global. Porque devemos nos preocupar? Aquecimento Global Porque devemos nos preocupar? O que é aquecimento global? Aumento da temperatura média global, ocasionado pelo acréscimo de Gases Efeito Estuda (GEEs) na atmosfera, gerando a intensificação

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa Jogo das Energias Material: - Cartolinas (amarela, vermelha, azul e verde) - Canetas/lápis de cor - Tesouras - Cola - Bostik - Giz (amarelo, vermelho, azul e verde) Procedimento: 1 Recortar as cartolinas

Leia mais

Mudanças Climáticas: Uma Verdade Inconveniente

Mudanças Climáticas: Uma Verdade Inconveniente RESENHA Mudanças Climáticas: Uma Verdade Inconveniente Por Michele Karina Cotta Walter Engenheira Florestal; Doutoranda em Planejamento e Desenvolvimento Rural Sustentável Faculdade de Engenharia Agrícola

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ)

AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) Aluno(a) Turma N o 6 o ano - Ensino Fundamental II Data 16 / 05 / 12 AVALIAÇÃO 03 CIÊNCIAS II UNIDADE VALOR = 10,0 (DEZ) INSTRUÇÕES: PROFESSORES: HELEN, GORRETTI, MAGNO E ROSE I. sua avaliação possui 05

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

S.O.S TERRA. Associated Press

S.O.S TERRA. Associated Press S.O.S TERRA O mundo atravessa uma fase crítica com relação ao clima e aos desafios energéticos. Se a Terra falasse, com certeza pediria socorro! Mas os desastres naturais já falam por ela e dizem muito

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS é professora do Departamento de Ciências Atmosféricas do Instituto de Astronomia, Geofísica

Leia mais

DICAS PARA UMA VIDA SUSTENTÁVEL

DICAS PARA UMA VIDA SUSTENTÁVEL DICAS PARA UMA VIDA SUSTENTÁVEL DICAS PARA UMA VIDA SUSTENTÁVEL 03 Rua Campo Grande, 443 Vila Hamburguesa São Paulo SP CEP 05302-051 55 (11) 3647-9293 contato@iniciativaverde.org.br iniciativaverde.org.br

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc Mineração e Sustentabilidade Ambiental Ricardo Santana Biólogo, MSc Itinga, setembro de 2010 Itinga Mineração - Missão Transformar recursos minerais em riquezas e desenvolvimento sustentável Para nossos

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO

MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO ISSN 1984-9354 MEDIDAS PARA REDUÇÃO DE IMPACTOS ORIUNDOS DO CONSUMO DE ENERGIA NA INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO Mariana Sarmanho de Oliveira Lima (UFAM) Deborah de Sousa Vinhote (UFAM) Resumo Este trabalho

Leia mais

MATA ATLÂNTICA E SERVIÇOS AMBIENTAIS. Neutralização do Carbono por plantio de Árvores

MATA ATLÂNTICA E SERVIÇOS AMBIENTAIS. Neutralização do Carbono por plantio de Árvores MATA ATLÂNTICA E SERVIÇOS AMBIENTAIS PSAs e o Ciclo do Carbono CETESB - SMA, 21.03.2007 Neutralização do Carbono por plantio de Árvores Marcio A.R.Nahuz - CT Floresta/IPT mnahuz@ipt.br O aquecimento global,

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

Museu de Topografia Prof. Laureano Ibrahim Chaffe

Museu de Topografia Prof. Laureano Ibrahim Chaffe Museu de Topografia Prof. Laureano Ibrahim Chaffe Exposição Ciências da Terra para a Sociedade Ciências da Terra para a Sociedade O Aquecimento Global e suas Conseqüências Realização Museu de Topografia

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

O capitalismo e a sociedade de consumo

O capitalismo e a sociedade de consumo O capitalismo e a sociedade de consumo Sociedade de consumo As sociedades dos países capitalistas desenvolvidos que usufruem intensamente dos bens e serviços existentes no mundo moderno. O consumismo contribui

Leia mais

Noções de Cidadania. Profª Karin

Noções de Cidadania. Profª Karin Noções de Cidadania Profª Karin Meio Ambiente e Saúde Ecologia: estudo seres vivos, ambiente, solo, água, ar, animais e vegetais. Equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Avaliar as atitudes e consequências

Leia mais

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade Gabarito Primeira Fase Cruzadinha Preencha as linhas da cruzadinha com as palavras ou expressões correspondentes. 1 C A R B O N O 2 A Q U E C

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais