Observatório do Desporto Estudo do campo da actividade profissional dos recém-licenciados em Ciências do Desporto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Observatório do Desporto Estudo do campo da actividade profissional dos recém-licenciados em Ciências do Desporto"

Transcrição

1 Observatório do Estudo do campo da actividade profissional dos recém-licenciados em Ciências do Vaz, Tiago; Claudino, Rui; UTL - Faculdade de Motricidade Humana Lisboa Portugal

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO QUESTÃO DE PARTIDA ENQUADRAMENTO DO PROBLEMA Situação Actual do Desemprego em Portugal O mercado de trabalho dos licenciados em C. do... 5 Ensino... 6 Treino Desportivo... 7 Exercício e Saúde... 8 Gestão do METODOLOGIA Caracterização da Amostra Instrumentos de Suporte Procedimentos ANÁLISE DOS RESULTADOS Dimensão Primeiro Emprego Exerceu funções profissionais durante o curso? Qual a organização onde obteve o primeiro emprego, após a licenciatura? Quanto tempo demorou até obter o primeiro emprego, após a licenciatura?. 17 Quanto tempo permaneceu no primeiro emprego, após a licenciatura? Se abandonou o emprego qual a razão? Que dificuldades teve na obtenção primeiro emprego, após a licenciatura?. 20 Dimensão Actividades Profissionais Que profissões já desempenhou, após a licenciatura? Actualmente quantos empregos tem? Caso a resposta anterior seja igual ou superior a um, indique: CONCLUSÕES REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS Anexo 1 Questionário Anexo 2 Texto para a página web Anexo 3 Texto do primeiro contacto com os licenciados ( ) Anexo 4 Texto do segundo contacto com os licenciados

3 1. INTRODUÇÃO No âmbito da disciplina de, inserida no 5º ano da licenciatura em Ciências do ramo Educação Física e Escolar, surge o presente estudo de investigação com carácter monográfico. O tema em que se alicerça todo o seu desenvolvimento é: Estudo do Campo de Actividade Profissional dos Licenciados em Ciências do. Pretendo assim, conhecer o mercado de trabalho que espera todo aquele que termina a respectiva licenciatura, quais as suas maiores dificuldade na obtenção do primeiro emprego, o que os leva a mudar de emprego, que actividades profissionais exercem, se a actividade que ocupam corresponde às expectativas criadas durante o período de formação, etc. Funcionará, portanto, como um observatório da própria instituição (Faculdade de Motricidade Humana) e que poderá estabelecer um grande contributo nesse sentido, conseguindo mais um objecto de avaliação para a respectiva faculdade (num período em que o tema da avaliação se encontra nas luzes da ribalta, sendo alvo de muita discussão). Como objectivos pessoais espero desenvolver um trabalho de pesquisa, conjugando os interesses e curiosidade científica própria com as linhas de investigação definidas pelas respectivas áreas científicas, bem como, dar aplicação às metodologias científicas na abordagem de temáticas ou problemas nos domínios específicos a uma das áreas da minha Licenciatura. 3

4 2. QUESTÃO DE PARTIDA Qual a situação profissional dos recém licenciados em Ciências do, pela Faculdade de Motricidade Humana, em função do género e da licenciatura obtida? 3. ENQUADRAMENTO DO PROBLEMA Uma profissão é um produto de alta diferenciação de funções, mas sobretudo de reconhecimento social da contribuição exclusiva que oferece à sociedade. É esse reconhecimento social, traduzido em prestígio social, que contribui de forma determinante para o status de uma profissão (Januário e Matos, 1996) Catarino, 2007 Em Portugal, ouvimos constantemente falar do desemprego dos jovens licenciados, e das dificuldades que se encontram para conseguir um primeiro emprego, chegando mesmo a fazer parte das listas de diferentes partidos políticos nas suas campanhas eleitorais. O que se passa actualmente é que existe demasiada procura para a oferta que o mercado de trabalho oferece, não havendo uma canalização dos recursos humanos para as áreas mais necessitadas, isto é, não existe uma especificidade de formação de acordo com as necessidades do próprio país. Já Batista questionava: estes diplomados possuem as qualificações necessárias a um bom ajustamento entre a oferta e a procura de trabalho? O resultado natural deste esbanjamento de licenciados origina a saturação de determinadas áreas de actividade, em detrimento de pessoas especializadas nas áreas mais necessitadas, tal como atesta o mesmo autor, dizendo que Um caudal mais volumoso de diplomados em certos cursos, em detrimento de outros, pode causar desequilíbrios no mercado de emprego Situação Actual do Desemprego em Portugal Segundo dados do Instituto do Emprego e Formação Profissional, existiam no ano de 2007, em Portugal, pessoas na condição de desempregado (inscritos nos 4

5 CTE), representando um decréscimo em relação aos números apresentados no ano anterior. A maioria situa-se na faixa etária entre os 35 e os 54 anos e, ao analisarmos a diferença de géneros, verificamos que 59,9% dos inscritos eram do sexo feminino (em Dezembro desse mesmo ano). Fazendo uma análise mais restritiva, incidindo na região de Lisboa e Vale do Tejo (dentro da qual incidirá este estudo), e segundo o Gabinete de Avaliação, podemos concluir que esta acompanha e contribui para a diminuição do desemprego a nível nacional. Assim, desde 2005 até 2007 tivemos um decréscimo de para no número de desempregados. Contudo, estes são números que dizem respeito a todas as áreas profissionais e a pessoas com os mais variados tipos de habilitações académicas. Ao olharmos para os inscritos no IEFP com habilitação superior, verificamos que de 2005 para 2007 se dá um aumento de 8,8% para 10,3% de desempregados. Outro aspecto a salientar é a existência de um maior número de mulheres inscritas no Centro de Emprego, com as referidas habilitações (27499), quando comparado com número de inscritos do género masculino (11296), factor que está directamente ligado à maior afluência das mesmas ao ensino superior. Tentando entender o motivo que os leva à inscrição nos CTE facilmente se percebe que desde 2005 até 2007 o factor mais apontado, destacado de todos os outros, é o Fim de Trabalho Não Permanente, representando 36,5% das suas respostas. Voltando a restringir a análise à região Lisboa e Vale do Tejo, os registos do final de 2007 confirmam a presença de pessoas na situação de desempregados (número de inscritos), com habilitação superior, sendo este valor apenas ultrapassado na região Norte do País, com desempregados. Exclusivamente na região de Lisboa, e segundo o Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais, existem 9580 desempregados com essa mesma habilitação O mercado de trabalho dos licenciados em Ciências do Segundo Sousa ao profissional de educação física se depara um campo de trabalho simultaneamente amplo e de fácil acesso.. Os factores que contribuíram socialmente para tal foram, como nos assegura Catarino, citando Marques (2001), o rápido crescimento e expansão do desporto, com o aumento da sua importância social 5

6 e reflexo em vastas áreas da actividade humana,, traduzindo-se numa crescente oferta de emprego na área do desporto e, consequentemente, num maior número de pessoas empregadas. Este vasto leque de ofertas, aliado à procura dos ainda estudantes de ciências do desporto (de forma a ganhar conhecimentos, experiência prática e currículo) proporcionam à maioria, que se lancem no mercado de trabalho sem possuírem a correspondente habilitação académica. Relativamente aos que principiam a trabalhar só após a conclusão do curso, a grande maioria fá-lo no ano lectivo imediatamente a seguir à obtenção da habilitação..., como nos aponta Sousa. Porém, e ainda segundo o mesmo autor, as profissões do desporto são, na generalidade dos casos, actividades financeiramente pouco gratificante, levando, em consequência disso, à acumulação de mini-empregos e correspondentes miniremunerações. Ao contrário do que se passa actualmente, Sousa (1984) indica que, à data, caminhava-se para a progressiva redução do grau de dispersão em que os profissionais têm actuado, o que equivale a dizer haver tendência para diminuir as situações de pluri-subemprego e promover a sua fixação a um único local de trabalho., não invalidando assim, a existência de um número significativo de profissionais que se ocupam em mais do que um local de trabalho, ou em mais do que um tipo de actividade. Costa et. al realizou um estudo onde inquiriu os alunos do curso de Ciências do, para perceber quais as funções que desejariam vir a desempenhar. O resultado foi: 41,5 % - Professor de Educação Física, 26,4% Treinador e 28,3% Ambas as profissões, deixando já, de antemão, a ideia de que os estudantes pretendem vir a desempenhar mais do que uma profissão, dentro da área em questão. Ensino O mercado de trabalho atravessou na área do ensino duas fases distintas: a primeira, como nos atesta Braga da Cruz, 1989, citado por Catarino, onde o aumento da procura de educação escolar e a escassez de instituições de ensino vocacionadas para a formação de professores, que se verificou no começo da década de 70, vieram permitir o acesso ao exercício da profissão docente, sobretudo no ensino preparatório e secundário, de indivíduos sem habilitação própria e, na maioria desses casos, também sem habilitação de grau superior, o que veio contribuir fortemente para a degradação 6

7 académica e profissional do estatuto dos professores. Esta situação veio contribuir para a desvalorização do estatuto social e económico dos professores. Apesar disso, o autor diz-nos que esta continua a ser a saída profissional mais frequente, sendo um aliciante a estabilidade que oferece.. Segundo Sousa, a escola é o principal local de trabalho, em particular no ensino secundário, surgindo em segundo plano os clubes desportivos; a segunda fase caracteriza-se, como refere Catarino, pela docência em concreto, parecer estar a atingir um momento de saturação. O mesmo autor aponta algumas razões que conduziram a um clima de pessimismo, associado à profissão docente: as razões salariais e a mobilidade geográfica, diminuição de autoridade nas escolas, condições de funcionamento das escolas e segurança no emprego.. Mesmo com todas estas adversidades, a escola continua saturada e com muita procura por parte dos licenciados. Teodoro (1994), citado por Catarino chama a atenção para a grande instabilidade no exercício da docência, especialmente para os jovens professores, que não ultrapassam os 5 anos de serviço, no mesmo estabelecimento de ensino. O autor, citando Silva (1994), faz ainda alusão à elevada taxa de feminização no ensino e, com base no relatório apresentado pelo Ministério da Educação (1999) aufere que relativamente à taxa de feminização da docência, este relatório apresentou valores na ordem dos 68.5% no 3º ciclo e ensino secundário. Confirmou-se (e manteve-se) então, a inversão anunciada por Batista, ou seja, entre 1985 e 1990 registou-se uma mudança histórica, em que as mulheres, que sempre foram numericamente inferiores aos homens, no conjunto dos recursos humanos com formação académica superior, passam a partir dessa data a constituir uma população feminina habilitada, com um curso superior, que ultrapassa agora a população masculina. Treino Desportivo Relativamente ao Treino Desportivo e com base num estudo efectuado em Espanha, podemos dizer que o Treino proporciona um elevado nível de satisfação pessoal no seu desempenho, no entanto, é considerado o outro trabalho, pelo que os profissionais exercem funções noutra área com maior estabilidade e melhor remuneração, permitindo assim, a acumulação pelo prazer (Alvarez 2005) 7

8 Citado por Catarino Ainda Catarino, falando de uma realidade muito próxima da nossa, reporta-se à realidade espanhola, afirmando que esta revela que a área profissional do Treino Desportivo apresenta dificuldades em ser considerada como saída profissional que possa ser exercida em exclusividade, excepto quando se trata de desportos extremamente populares e, cujas condições de trabalho oferecidas se enquadram num regime de excepção. Assim se percebe, como refere Sousa, o motivo de um número significativo de profissionais se empregar em mais de um local de trabalho em mais de um tipo de actividade e, no caso dos que se dedicam ao treino desportivo, em mais de uma modalidade. Sousa acrescenta ainda, relativamente à taxa de feminização que de uma maneira geral, a mulher permanece em situação de desvantagem no domínio federado, principalmente no que se refere ao sector desportivo. Exercício e Saúde Das três áreas do desporto aqui apresentadas esta é, talvez, a mais recente de todas, estando associada a uma cultura de bem-estar físico, psíquico e social e de saúde. Em concordância com a afirmação anterior surge Catarino, que entende a área profissional do Exercício e Saúde como sendo alvo duma valorização por parte da sociedade. Considerando o facto de estarmos a viver numa sociedade em processo de envelhecimento dramático (Howell & Minor, s/d), pensamos ser importante aproveitar esta tendência positiva de valorização profissional e estimular o contributo que esta profissão pode dar na melhoria da saúde e condição física da população. O aspecto social não se revela apenas em beneficio do individuo, mas também da sociedade em geral.. Sendo este um conceito moderno, é importante defini-lo claramente. Como tal, o autor acima enunciado define exercício e saúde, citando Petry et al (2005), como a promoção e execução de exercícios com o objectivo de aumentar os níveis individuais de condição física e o sentimento de bem-estar, prevenindo as doenças em populações adultas. Esta área tem tido grande impacto em vários países, nomeadamente nos 8

9 E.U.A., em que grandes empresas começaram a percepcionar as vantagens que esta área tinha para oferecer. Os empregadores encontraram enormes vantagens nos programas de Exercício e Saúde, tais como, verem diminuídos os custos despendidos em cuidados de saúde dos seus empregados, um incremento da produtividade, uma diminuição do absentismo, entre outros (Howell & Minor, s/d).. Gestão do Os licenciados em Gestão do saem habilitados a desempenhar um vasto leque de funções, tais como, Dirigente Desportivo, Director Desportivo, Secretário Técnico, Técnico Superior, Gestor de Eventos, Director de Instalações, Gestor de Produto, Director Comercial, Gestor de Recursos Humanos, entre muitas outras. Relativamente ao que o mercado de trabalho tem para oferecer, de acordo com estas funções, podemos considerar a nível nacional 18 Delegações do IDP, 300 Câmaras Municipais e 3000 Juntas de Freguesia, empresas ligadas ao desporto, 60 federações, 1000 associações distritais/regionais, entre e clubes existentes no país, qualquer sociedade desportiva (SAD S), empresas de marketing e publicidade associadas ao desporto, participação em projectos ligados ao turismo e hotelaria, etc. 9

10 4. METODOLOGIA Caracterização da Amostra Este estudo tornar-se-ia demasiado moroso, extensivo e de difícil execução se não fosse limitado no tempo e no espaço. Como tal, a amostra para o presente estudo é constituída por alguns dos licenciados em Ciências do, pela Faculdade de Motricidade Humana. Assim sendo, esta encontra-se restringida aos últimos 5 anos, ou seja, desde o ano lectivo 2002/2003 até ao findado em 2006/2007. Ficámos assim com um universo de 687 pessoas, de entre os quais, apenas consegui ter acesso ao de 255 (parte destes e- mail s foram conseguidos através da minha persistência, e não pela faculdade). Desses 255 ex-alunos, somente 82 solicitaram a password no link do questionário, tendo este efectivamente sido preenchido por apenas 62 deles. Claro está que a intenção seria abranger o máximo de licenciados possível de forma a enriquecer o presente estudo Instrumentos de Suporte Os instrumentos de suporte utilizados para o desenvolvimento deste trabalho foram: Carta ao Conselho Executivo Foi endereçada ao referido órgão, da Faculdade de Motricidade Humana, uma carta pedindo a autorização para ter acesso aos contactos dos recém-licenciados em Ciências do (ver anexo 1); Questionário O questionário foi elaborado, apoiando-se em quatro dimensões: Primeiro Emprego, Actividades Profissionais e Outras Áreas de Actividade (ver anexo 2); Texto para a página Web Estando o questionário disponível on-line, houve a necessidade de criar uma pequena introdução ao mesmo, para dar a conhecer o seu propósito e objectivos (ver anexo 3); 10

11 Texto de A via foi a melhor forma encontrada (numa relação tempo/pertinência) para contactar os recém-licenciados, tendo sido por isso, criado um pequeno texto que lhes indicava, entre outras coisas, o link que correspondia à morada do questionário na Internet (ver anexo 4 e 5). Parece-me ainda fundamental destacar a pertinência da utilização do referido questionário na Internet. Assim, o método utilizado veio facilitar todo um processo que aparentava ser de difícil execução, no caso de ter recorrido ao tradicional questionário em papel. Tendo que optar por um destes dois métodos indicados, de seguida apresento uma tabela que justifica a minha decisão (através da análise comparativa das vantagens e desvantagens de cada um): Questionário na Internet V.S. Questionário de Papel Questionário na Internet Questionário de Papel Menor tempo dispendido (nas deslocações ou em telefonemas) Ausência de custos Facilita o tratamento dos resultados Não garante que, a todos aqueles que for enviado o link do questionário, o preencham ( ) Maior tempo dispendido (nas deslocações ou em telefonemas) Implica custos (fotocopiar questionários, deslocações e/ou telefonemas, envio pelos CTT, ) Implica a informatização de todos os dados para a sua inclusão no presente trabalho Garante que todos os licenciados a quem me dirija pessoalmente o preencham ( ) 11

12 4.3 - Procedimentos Para a preparação do actual estudo, foi preciso tomar um conjunto de decisões e de passos, imprescindíveis à sua realização. Num primeiro momento, foi redigido um pedido ao Conselho Executivo para ter acesso aos dados dos ex-alunos da F.M.H. Como a Faculdade se mostrou bastante interessada no desenvolvimento do presente trabalho, não interpôs qualquer dificuldade, tendo o pedido sido aceite pelo respectivo órgão de gestão. Ficando na posse dos e- mail s dos licenciados, foi criada uma base de dados (anexo 6) associando a um nome, uma conta de e uma password única, assegurando a confidencialidade dos dados através da atribuição de um número de identificação (ID). De seguida, o questionário foi criado e colocado na Internet, numa página associada à da própria faculdade, tendo este processo demorado algum tempo. Para garantir a fiabilidade e validade do estudo, bem como, do preenchimento dos respectivos questionários, aos licenciados era pedido que colocassem o seu no campo Obter Password, sendo gerada uma password pelo próprio site, e enviada para a conta de colocada. Cumprindo estes requisitos, estavam reunidas as condições para a pessoa efectuar o log-in e aceder ao respectivo questionário. Depois de testar o site e o questionário, houve todo um processo de divulgação do mesmo, via , para que este pudesse vir a ser preenchido por um número significativo de licenciados. 12

13 5. ANÁLISE DOS RESULTADOS Antes de entrar na análise dos resultados propriamente dita, é de referir que, o número de questionários conseguidos não foi aquele que inicialmente almejei. Infelizmente para o trabalho, a faculdade apenas continha os registos dos licenciados dos anos 2005/2006 e 2006/2007. Como tal, fiz ainda, através de conversas informais, algumas tentativas para fazer chegar o questionário aos licenciados que concluíram a sua formação em anos lectivos anteriores aos acima citados, não tendo sido tarefa fácil. Ainda assim, consegui pequenos contributos que vieram enriquecer os dados aqui apresentados. Outro aspecto a salientar é a forma como serão apresentados os resultados: Por género masculino e feminino; Por licenciatura Licenciatura em Ciências do, ramos E.F. e Escolar, Exercício e Saúde e Treino Desportivo (apenas para o ano lectivo 2006/2007), Licenciatura em Gestão do e Licenciatura em Ciências do. Temos então, um total de 62 questionários preenchidos, a maior parte deles por licenciados em Ciências do e Educação Física e Escolar. Licenciatura Obtida Licenciados Licenciadas Total E. F. e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Ciências do Gestão do Total Uma das razões para tal é o facto de, quando comparadas todas as licenciaturas acima enumeradas, estas duas serem aquelas sobre as quais incidem, na maioria das vezes, as escolhas dos alunos e, consequentemente, onde a grande fatia dos licenciados se encontra (o número de licenciados é maior nestas duas licenciaturas). Outra das possíveis hipóteses para os números apresentados é o facto dos licenciados em 13

14 2005/2006 não apresentarem a mesma diferenciação curricular que o ano lectivo seguinte apresentou, havendo apenas os cursos de Ciências do (que englobava os 3 ramos) e Gestão do. Ainda acerca do preenchimento on-line dos questionários, e como já referido, percebe-se facilmente o porquê da maior parte dos licenciados que o fizeram, serem aqueles que finalizaram as suas licenciaturas nos anos lectivos de 2005/2006 e 2006/2007, como é passível de constatar no quadro de seguida apresentado. Ano de conclusão da Licenciatura Licenciados Licenciadas Total 2002/ / / / / A análise das respostas ao questionário propriamente dito, seguirá a mesma ordem apresentada no mesmo. Dimensão Primeiro Emprego Exerceu funções profissionais durante o curso? Pretendia com esta questão perceber se os licenciados integravam o mercado de trabalho mesmo antes de possuírem a sua licenciatura ou se, por outro lado, esperavam terminá-la para depois procurarem uma actividade profissional. Funções exercidas durante a formação Licenciados Licenciadas Total Não Sim, dentro da área da licenciatura Sim, fora da área da licenciatura Sim, dentro e fora da área da licenciatura Conclui-se pela apresentação desta tabela que, a maior parte dos agora licenciados, independentemente do género ou da licenciatura, iniciaram a sua actividade 14

15 profissional ainda durante o seu percurso académico, a grande maioria, dentro da respectiva área de licenciatura. Na tentativa de entender se o tipo de licenciatura influencia o ingresso precoce no mercado de trabalho, temos: Funções exercidas durante a formação E.F.e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Gestão do Ciências do Não Sim, dentro da área da licenciatura Sim, fora da área da licenciatura Sim, dentro e fora da área da licenciatura Total Apenas os licenciados em Educação Física e Escolar, Treino Desportivo e Ciências do trabalharam, durante o seu período de formação, fora da área da respectiva licenciatura, embora em número reduzido; Na área do Treino Desportivo, todos os licenciados que responderam ao questionário, afirmaram ter iniciado a sua actividade profissional ainda durante o curso e dentro da sua área.; Cerca de ¼ dos inquiridos afirmaram, independentemente do género e/ou licenciatura, que não exerceram nenhuma actividade profissional durante o seu período de formação académica. Qual a organização onde obteve o primeiro emprego, após a licenciatura? Uma outra questão colocada aos licenciados era, após o terminar da respectiva licenciatura, onde ou qual a função que primeiramente desempenharam. 15

16 1.º Emprego após Licenciatura Licenciados Licenciadas Total IDP Clube Desportivo Escola Ginásio Empresa Federação Associação Escolar Câmara Municipal Empresa Municipal do 5-5 Outro * Facilmente se percebe que a maior parte dos inquiridos ingressou no mercado de trabalho através das escolas, ginásios, empresas e clubes, destacando-se, este último, dos restantes. Outro aspecto que se destaca dos restantes valores é investimento feito pelos licenciados (género masculino) nos clubes desportivos, ao contrário do género feminino, que aparentemente prefere a área dos ginásios (a julgar pelos números apresentados). Por último, note-se que não existe qualquer referência a um ingresso no IDP e Escolar (este último porque os cargos, na maior parte das vezes, são desempenhados pelos próprios professores da escola em questão). Quanto aos restantes valores presentes na tabela, penso não serem significativos para se poder retirar uma conclusão pertinente, válida e fiável. 1.º Emprego após a licenciatura E.F.e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Gestão do Ciências do IDP Clube Desportivo Escola Ginásio Empresa Federação Associação Escolar Câmara Municipal Total 16

17 Empresa Municipal de Outro * Ao analisarmos o panorama por licenciatura, constata-se que os cursos de Ciências do e de Educação Física e Escolar são aqueles onde os licenciados apresentaram uma maior disparidade de actuação, em oposição aos licenciados em Treino Desportivo. Estes confirmaram, na sua totalidade, terem conseguido o primeiro emprego num clube e, portanto, na sua área específica de formação. Sendo o curso de Educação Física e Escolar altamente vocacionado para o ensino e para a actuação enquanto professor, os número apresentados na tabela levam a crer que a maior parte dos licenciados nesta área acabam por não vir a exercer, num primeiro momento, a função para qual se especializaram, acabando por se ocupar em empresas, clubes e/ou, até mesmo, em ginásios. Os licenciados em Gestão do parecem também, conseguir o seu primeiro emprego de acordo com a especificidade da sua formação académica (o número de inquiridos não o permite afirmar com maior certeza). A acrescentar, algumas das respostas que foram consideradas no campo Outro* : Faculdade de Motricidade Humana, Clínica Metabólica, Centro de Estudos de Fitness, etc. Quanto tempo demorou até obter o primeiro emprego, após a licenciatura? Licenciados 1 3 Menos de 1 mês Entre 1 e 3 meses Entre 3 e 6 meses Mais de 6 meses Licenciadas 3 0 Menos de 1 mês Entre 1 e 3 meses Entre 3 e 6 meses Mais de 6 meses

18 Pode-se afirmar, pela interpretação dos gráficos aqui apresentados, que obter uma profissão dentro das Ciências do não é dificuldade, conseguindo-o a maioria dos inquiridos em menos de 1 mês (quase 90% dos licenciados conseguem um trabalho em menos de 3 meses), independentemente do género. 1.º Emprego após a licenciatura E.F.e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Gestão do Ciências do Menos de 1 mês Entre 1 e 3 meses Entre 3 e 6 meses Mais de 6 meses Total Os números apresentados na categoria Mais de 6 meses não parecem ser significativos (tendo em consideração a população total 62) para representar as respectivas licenciaturas. Como tal, a ideia deixada acima, de que independentemente do género e da licenciatura obtida os licenciados rapidamente encontram uma ocupação profissional, mantém-se. Quanto tempo permaneceu no primeiro emprego, após a licenciatura? Sabendo que rapidamente conseguem encontrar uma actividade profissional, tentou-se perceber por quanto tempo a mantinham. Licenciados Licenciadas Menos de 1 mês Entre 1 e 6 meses Entre 6 e 12 meses Mais de 1 ano Ainda estou no 1.º Emprego Menos de 1 mês Entre 1 e 6 meses Entre 6 e 12 meses Mais de 1 ano Ainda estou no 1.º Emprego Assim, chegou-se à conclusão que mais de 50% dos ex-alunos da F.M.H. ainda estão no primeiro emprego. No entanto, há que ter em consideração que dos 62 auscultados, 52 concluíram a sua licenciatura entre 2006 e 2007, nestes dois últimos anos lectivos, isto é, o facto de estarem no primeiro emprego pode estar directamente relacionado com o reduzido intervalo de tempo entre a obtenção do primeiro emprego 18

19 (após a licenciatura) e o momento actual. A segunda maior fatia é diferente entre os licenciados e as licenciadas: para os primeiros é a que diz respeito ao intervalo de 1 a 6 meses, enquanto que para as licenciadas é Mais de 1 ano. Apesar de tudo, penso que não é uma diferença que represente a totalidade dos licenciados, não a considerando, por isso, significativa (apenas como um possível indicador). Tempo que permaneceu no 1.º Emprego E.F.e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Gestão do Ciências do Menos de 1 mês Entre 1 e 6 meses Entre 6 e 12 meses Mais de 1 ano Ainda estou no 1.º Emprego Total Ao verificarmos por licenciatura, e perante a tabela apresentada, podemos afirmar que os licenciados em Treino Desportivo e em Gestão do são aqueles que têm maior estabilidade a nível profissional, conseguindo a quase totalidade deles ainda permanecer no seu primeiro emprego. Em oposição a estas duas licenciaturas, temos a de Exercício e Saúde, onde 4/5 dos inquiridos já não se encontra no seu primeiro local de trabalho. Já para as licenciaturas Ciências do e Educação Física e Escolar, sensivelmente metade dos licenciados ainda se encontra no primeiro emprego. Se abandonou o emprego qual a razão? Licenciados Insatisfação Salarial Licenciadas Insatisfação Salarial 4 3 Proposta mais vantajosa Clima de trabalho pouco favorável 3 Proposta mais vantajosa Clima de trabalho pouco favorável Descontentament o com as funções desempenhadas Outros * Descontentamento com as funções desempenhadas Outros * Investigando os motivos que os levaram ao abandono do primeiro emprego (para a minoria que o fez) percebe-se que o género masculino aponta um maior número de 19

20 razões para o ter feito, quando comparado com o género feminino. Assim, os dois principais motivos que levaram as licenciadas a deixar o seu primeiro emprego foram a insatisfação salarial e o descontentamento com as funções desempenhadas. Independentemente do género ou da licenciatura, a razão mais apontada foi a insatisfação salarial. Razões para Abandono E.F.e Escolar Exercício e Saúde Treino Desportivo Gestão do Ciências do Insatisfação Salarial Proposta mais vantajosa Clima de trabalho pouco favorável Descontentamento com as funções desempenhadas Outros * Total Na categoria de outros* estão contempladas respostas como o final de contrato de trabalho ou a mudança de residência, entre outros. Que dificuldades teve na obtenção do primeiro emprego, após a licenciatura? As respostas à presente questão foram muito idêntica em ambos os géneros, sendo a categoria que juntou mais respostas a que diz respeito à ausência de dificuldades. Este facto vem ao encontro do que já foi anteriormente referido, isto é, a maior parte dos licenciados em Ciências do conseguem facilmente uma actividade profissional. As dificuldades mais citadas foram encontrar emprego que corresponda às expectativas e falta de trabalho com horário completo. Os licenciados fizeram ainda referência a propostas com remunerações baixas, como outra das grandes dificuldades em encontrar emprego, podendo esta estar relacionada com a falta de trabalho com horário completo (menos horas, menor remuneração). 20

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

Inquérito de Empregabilidade

Inquérito de Empregabilidade Inquérito de Empregabilidade / Qual a situação face ao emprego dos nossos diplomados do ano letivo 2012/2013? Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Índice I. O que é o Relatório de Empregabilidade...2

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 4.ª EDIÇÃO DO PEPAL INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA E INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE SELECÇÃO 1 Índice 1. DESTINATÁRIOS DO PEPAL...3 2. CANDIDATURAS DOS ESTAGIÁRIOS...4 2.1.

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR

INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA NOVOS TESTEMUNHOS DE EX-ALUNOS A INCLUIR INFORMAÇÕES PARA A PÁGINA DA ESCOLA FRASE DE ABERTURA De acordo com os últimos dados disponíveis do Observatório para a inserção profissional da Universidade Nova de Lisboa, a taxa de emprego dos alunos

Leia mais

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014

PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 PERFIL DOS ESTUDANTES QUE INGRESSARAM PELA 1ª VEZ, NO 1º ANO NA ESEL ANO LETIVO 2013/2014 Realização: Ana Paula Fontinha Ana Cristina Santos Disponibilização de Dados Estatísticos: Bruno Ramos Coordenação:

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Bolsa Emprego IPL - FAQS

Bolsa Emprego IPL - FAQS Bolsa Emprego IPL - FAQS EMPRESAS Para poder colocar uma oferta na Bolsa de Emprego tenho que estar registado? Sim. O primeiro passo deverá ser o registo da empresa/instituição. Posteriormente, e após

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário,

1 O termo ensino terciário é utilizado no Relatório para designar todos os tipos de ensino ao nível pós-secundário, RECENSÃO : Revisões das Políticas Nacionais para a Educação Ensino Terciário 1 em Portugal: Relatório dos Observadores (EDU/EC (2006) 25) Catarina Cristino Pereira Licenciada em Ciências da Educação pela

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL

MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL 1-INTRODUÇÃO 1.1- Este estudo teve por objectivo conhecer a situação actual dos negócios apoiados pela ANDC junto dos indivíduos que até 2012 inclusivé concluíram

Leia mais

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 RELATÓRIOS DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2009/2010 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Documento onde se estabelecem as linhas orientadoras para elaboração dos Relatórios de Concretização

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s 1) Encontra-se actualmente a trabalhar? 20% 80% Sim Não 2) Se respondeu sim, como descreveria a sua estabilidade profissional? 22% 17% 28% 33% Excelente

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000)

A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES. José M. Viegas (Março 2000) A UTILIZAÇÃO DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES José M. Viegas (Março 2000) I - A NECESSIDADE DO RECURSO AOS MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ESTIMAÇÃO DA PROCURA DE TRANSPORTES

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo

Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo Análise do Questionário aos Utentes Internet 2005/2006 Resumo À semelhança de 2005, a Administração Fiscal encontra-se a realizar um diagnóstico da sua relação com os utentes, cidadãos e empresas, com

Leia mais

Saúde e exercício físico como instrumento terapêutico: Que papel para as revistas científicas?

Saúde e exercício físico como instrumento terapêutico: Que papel para as revistas científicas? Motricidade FTCD/CIDESD 2011, vol. 7, n. 2, pp. 1-5 [editorial] ISSN 1646 107X Saúde e exercício físico como instrumento terapêutico: Que papel para as revistas científicas? Physical exercise as a therapeutic

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação 7462 Diário da República, 2.ª série N.º 35 19 de Fevereiro de 2010 8.2 Do requerimento devem constar os seguintes elementos: a) Identificação completa (nome, filiação, naturalidade, data de nascimento,

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Versão Junho 2012. Perguntas Frequentes. Certificação de Entidades Formadoras

Versão Junho 2012. Perguntas Frequentes. Certificação de Entidades Formadoras Versão Junho 2012 Perguntas Frequentes Certificação de Entidades Formadoras Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho Direcção de Serviços de Qualidade e Acreditação 2011 Notas úteis Este documento

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Guião de Entrevista N.º1 Guião de Entrevista N.º1 Apresentação e objectivo da Entrevista. Contextualização Institucional e Académica do Estudo. Relevância/Contributo Científico da Pesquisa. Consentimento Informado. A presente

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Hip Hop. Guia de Curso. Nível II

Hip Hop. Guia de Curso. Nível II Guia de Curso Hip Hop Nível II Índice Apresentação CEF... 3 Cursos Nível II:... 3 Hip Hop... 3 Publico Alvo... 3 Modalidade de Formação... 3 Competências a Adquirir... 3 Conteúdos Programáticos:... 4 Condições

Leia mais

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00531 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac - Cooperativa De Formação E

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Programa de Inserção Profissional Regulamento de Estágios Faculdade de Ciências Humanas Nos últimos anos, o ensino universitário tem vindo a integrar nos percursos formativos a realização de estágios curriculares

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Posição sobre o Ensino Qualificante

Posição sobre o Ensino Qualificante Posição sobre o Ensino Qualificante Índice Índice... 1 Introdução... 2 Educação e Formação Profissional de Dupla Certificação... 3 Cursos de Educação e Formação de Jovens (CEF)... 3 Cursos Tecnológicos...

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz

E F P D E G PALOP Eduardo Cruz E F P D E G PALOP Eduardo Cruz Formedia edcruz@formedia.pt 312 Experiências de formação presencial e à distância de empresários e gestores nos PALOP Desde 2001, a Formedia Instituto Europeu de Formação

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

A emigração portuguesa qualificada: êxodo ou diáspora?

A emigração portuguesa qualificada: êxodo ou diáspora? Projeto BRADRAMO Brain Drain and Academic Mobility from Portugal to Europe Instituto de Sociologia (IS/FL/UP) Centro de Investigação do Desporto e da Actividade Física (CIDAF) Centro de Investigação e

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea.

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea. Mercado de Emprego Etapas a Percorrer 1 - Estabelecer o Perfil Profissional Fazer a avaliação de si mesmo: - Competências - Gostos - Interesses Elaboração de uma lista do tipo de empregos que correspondem

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS 2. CÂMARA DE LOBOS MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE CÂMARA DE LOBOS E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte: www.geocities.com/heartland/plains/9462/map.html (adaptado) Localizada na vertente sul da

Leia mais

Bolseiros Gulbenkian. Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste

Bolseiros Gulbenkian. Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste Bolseiros Gulbenkian Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste 2000-2013 Inquérito aos bolseiros dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e Timor-Leste

Leia mais

Observatório de emprego 2011 Relatório descritivo de resultados

Observatório de emprego 2011 Relatório descritivo de resultados Observatório de emprego 2011 Relatório descritivo de resultados Relatório Elaborado por: Mário Figueiredo Paulo Gonçalves Data: Fevereiro de 2012 Índice 1. Introdução..2 2. Metodologia..2 3. Perfil dos

Leia mais

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal

A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal 1 A Formação do Tradutor e as Necessidades do Mercado de Tradução em Portugal Luís Almeida Espinoza info@linguas.com Resumo da Comunicação Nesta intervenção são abordados os problemas dos jovens tradutores

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

OS CURSOS NA FEUP FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO OS CURSOS NA FEUP Dulce Campos (ee12134); Flávio Dantas (ee12153); João Neves (ee12035); João Espírito Santo (ee12057); Miguel Costa (ee12091); 0 1MIEEC07_3

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Relatório - Inquérito info-ciências digital

Relatório - Inquérito info-ciências digital Relatório - Inquérito info-ciências digital Elaborado por: Rebeca Atouguia e Miguel Cardoso Gabinete de Planeamento e Controlo da Gestão Núcleo de Planeamento, Avaliação e Gestão da Qualidade Maio 11 Índice

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE ACTIVIDADES E CONTAS DE 2010 Relatório de Actividades e Contas do Grupo Regional do Norte 2010 ÍNDICE 1. Introdução 2. Funcionamento do Grupo Regional do Norte 2.1. Período de funcionamento

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS

BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS BALANÇO DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO REGIME JURÍDICO DA MEDIAÇÃO DE SEGUROS VICENTE MENDES GODINHO* * Departamento de Autorizações e Registo 1. INTRODUÇÃO Em 27 de Janeiro de 2007 entrou em vigor o Decreto-Lei

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. Portaria n.º /2010 Portaria n.º /2010 Considerando a experiência obtida pela implementação do Programa Oportunidade, Sub- Programas Integrar e Profissionalizante, enquanto programas específicos de recuperação da escolaridade,

Leia mais

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos

Revisão da Legislação de Quadros e Concursos SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Membro da FENPROF Revisão da Legislação de Quadros e Concursos Decreto-Lei n.º 51/2009 de 27 de Fevereiro de 2009 E. Especial; Pré-escolar; 1º Ciclo; 2º

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado:

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Departamento de Educação Física F e Desporto SEMINÁRIO Educação Física e Desporto O Processo Bolonha, Estágios e Saídas Profissionais 26 de Junho de 2007 Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Jorge

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 RELATÓRIO Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Miguel Ramos Coordenação: Alexandra Tavares de Moura 1)

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 03 de Dezembro de 2007 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2007 77% DOS AGREGADOS DOMÉSTICOS COM LIGAÇÃO À INTERNET

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS

Análise do Questionário 2008 NOTÁRIOS Análise do Questionário NOTÁRIOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. NÍVEIS DE SERVIÇO PRESTADOS POR CANAL DE ACESSO 4 2.1. Serviço prestado no canal internet 4 2.1.1. Apreciação global do serviço 4 2.1.2. Qualidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 Proponente: Federação Portuguesa de Rugby Pág. 1 SEGURO DESPORTIVO DE ACIDENTES PESSOAIS ( Decreto-Lei Nº. 10/2009 ) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE RUGBY ÉPOCA DESPORTIVA

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Alojamento no ensino superior Bruno Pereira João Costa Marcelo Leite Miguel Morais Pedro Querido Pedro Oliveira Relatório do Trabalho Prático realizado

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado)

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado) MIGRAÇÕES QUALIFICADAS/ Emigrantes Este questionário faz parte de uma investigação, sobre profissionais portugueses com qualificação superior que se encontram a trabalhar, na respectiva área, fora do seu

Leia mais